SOBRE IGBADU

SOBRE IGBADU
POR: BABALAWO IFALEKE -
ADILSON MARTINS
Tenho uma frase na qual afrmo:
“ONDE HOUVER QUEM
COMPRE, SEMPRE APARECERÁ QUEM VENDA”!
De um lado, o do comprador, a busca de facilidades, de
obter títulos, quer sejam eles legítimos ou não, de “sacudir”
como aquilo que não é e que por falta de caráter, jamais
chegará a ser.
Do outro lado, a avidez do “vendedor”, a falta de
respeito pelo sagrado, a desonestidade, a falta de escrúpulos
de enganar os pretensiosos tão ou mais desonestos que eles,
a ganância ou a necessidade de se alimentar melhor, de se
vestir melhor de ter um padrão de vida melhor.
Isto tudo está em Irete Meji, onde Ifá previne contra aqueles
que fazem uso de seus cargos para enganar os incautos e
daqueles que, por necessidade, incidem em erro de forma
consciente.
Um sacerdote necessitado, que usa seu cargo e seu poder
para vender mentiras é como uma prostituta que vende o
corpo para alimentar os flhos.
ORUNMILÁ é aquele que nos olha de forma
afável e com compreensão.
Que jamais seus olhos nos ftem para nos
condenar!
UM POUQUINHO DO QUE SE SABE
SOBRE IGBADU:
…”Os babalaôs dividem-se em diferentes categorias, de acordo
com seu grau de conhecimento sobre os mistérios do culto,
sendo que no topo da hierarquia encontra-se o “Aragbá”
ou “Alabá” cargo ocupado por anciãos de incontestável
sabedoria não só no âmbito da religião como também no
procedimento em relação à humanidade.“…
Depois do Arabá vem o Olúwo, que é o sacerdote de Ifá de maior
importância para uma cidade ou comunidade em particular”…
A seguinte relação é dos mais importantes cargos de
sacerdotes de Ifá na região de Òyó:
1. Aràbà
2. Olúwo
3. Ojùgbònà
4. Akódá
5. Asèdá
6. Erìnmi
7. Àrànsàn
8. Balésín
9. Otún Awo
10. Òsì Awo
11. Èkejo Awo
12. Alárá
13. Ajerò
14. Owáràngún
15. Obaléyó
16. Àgbongbòn
Somente os Arabás podem possuir o “Igbadu” a cabaça de
Odu, também conhecido como “Igba Iwa” a cabaça da
existência.
O Igbadu é um elemento de culto cercado do mais profundo
mistério, determinante de inúmeros tabus e que confere, a
quem o possui, um poder extremo onde se inclui, segundo
afrmam, controle sobre a vida e a morte.
No Igbadu estão contidas por representação todas as energias
do universo, os Odu-Ifá e o axé de todas as entidades
sobrenaturais. Desta forma, somente um grande sábio poderia
ter livre acesso a tamanho poder.
Quatro pequenas cabaças contendo misteriosas substâncias
estão dispostas dentro da grande cabaça do Igbadu,
representando, cada uma, os quatro cantos do mundo (os
quatro pontos cardeais); os quatro elementos, fogo, ar, água e
terra; além de muitas coisas que só aos iniciados cabe
conhecer.
As quatro pequenas cabaças representam também quatro
Orixás com seus respectivos axés. Assim, a cabaça contendo
Efun (pó branco), representa Obatalá; a que contém osun (pó
vermelho) representa Obaluaie; a que contém o pó negro do
carvão vegetal (substituído, em alguns casos pelo pó azul uáji),
representa Ogun e, a que está cheia
de lama, representa Odudua.
Também os 16 Odu Meji estão ali representados e a cada um
deles corresponde uma entidade misteriosa com funções
específcas controladas pela própria Divindade representada
pelo Igbadu em seu contexto mais amplo e indecifrável.
Cada elemento contido numa oferenda ou sacrifício a IGBADU
deverá ser em número de três e nunca dois como é feito para
Orunmilá. Desta forma, pode-se oferecer três, seis, nove ou
dezesseis unidades de cada elemento, mas o número de duas
unidades deve ser evitado.
Algumas coisas como a pimenta, o galo, qualquer animal
macho, além de alguns animais selvagens como o búfalo, o
leopardo e o elefante, são interdições do Igbadu.
Uma vez por ano, coincidindo com o festival de Ifá, são feitos os
sacrifícios a Igbadu cerimônias, das quais, apenas babalaôs
podem participar.
Estas são as funções das entidades que habitam o Igbadu,
cujos nomes são secretos e não podem ser mencionados, com
suas respectivas atribuições:
1 – A Entidade que corresponde ao Odu Ejiogbe é do sexo
masculino e sua função é fecundar e gerar vida. Representa o
mundo e tudo o que vive no céu, na terra e na água.
2 – A Entidade que corresponde ao Odu Oyeku Meji é feminina
e sua função é receptiva e determinante de esgotamento de
possibilidades e de saturação, o que propõe uma mudança
inevitável. È fecundável pela ação da anteriormente citada.
3 – A Entidade que corresponde ao Odu Iwori Meji é do sexo
masculino e sua função é determinar o ponto de separação ou
de interação dos planos de existência.
4 – A Entidade que corresponde ao Odu Odi Meji é feminina e
sua função é encarcerar o espírito na matéria retirando dele
toda a noção de espiritualidade e de lembranças de vidas
pregressas.
5 – A Entidade que corresponde ao Odu Irosun Meji é do sexo
masculino e sua função é proteger a casa que tenha Igbadu da
ação dos inimigos.
6 – A Entidade que corresponde ao Odu Owónrin Meji é do
sexo feminino e sua função é controlar a prática da magia
negra.
7 – A Entidade que corresponde ao Odu Obara Meji é do sexo
masculino e sua função é punir com a morte as mulheres
culpadas de adultério.
8 – A Entidade que corresponde ao Odu Okanran Meji é do
sexo feminino e sua função é a de mãe de todas as pessoas que
habitam na casa onde está o Igbadu.
9 – A Entidade que corresponde ao Odu Ogunda Meji é do sexo
masculino e sua função é proteger as crianças da casa e moldar
o caráter de cada uma delas.
10 – A Entidade que corresponde ao Odu Osa Meji é do sexo
feminino e sua função é de comando sobre o mundo animado e
sobre a prática da magia em todas as suas variações.
11 – A Entidade que corresponde ao Odu Ika Meji é do sexo
masculino e sua função é punir as pessoas da casa que
cometem erros muito graves.
12 – A Entidade que corresponde ao Odu Oturukpon Meji é do
sexo feminino e sua função é agir em defesa das pessoas
ameaçadas sendo, neste atributo, mais rápida que qualquer
arma.
13 – A entidade que corresponde ao Odu Otura Meji é do sexo
masculino e tem como função guarnecer os quatro cantos da
casa onde está o Igbadu. Possui quatro cabeças e cada uma
delas fca direcionada para cada canto.
14 – A Entidade que corresponde ao Odu Irete Meji é do sexo
feminino e sua função é revelar o Odu das crianças.
15 – A Entidade que corresponde ao Odu Oxe Meji é do sexo
masculino e sua função é vigiar as proximidades da casa. Nesta
função pode fazer, igualmente, o bem e o mal.
16 – A Entidade que corresponde ao Odu Ofun Meji é
desconhecida, dela nada se sabe e por este motivo, como o Odu
a que está relacionada, evoca um tabu, uma proibição, um
mistério indecifrável como a própria Existência Divina.
Mais uma vez encontramos provas da Origem Árabe deste
sistema oracular quando, na prece de conjuração de uma
consulta à Geomancia Árabe observamos referências a estas
entidades evocadas aí por seus respectivos nome árabes:

“por estes dezesseis poderosos nomes: Beqrach, Yak,
Anoukh, Halouk, Aner, Chemoul, Cherchehoheha, T’Rich,
Hidouka, Cherahia, Inemouk, Deberdcha, Maach, Hourchal,
Chas, Choucha!
(Avisamos que estes nomes estão colocados fora de sua
ordem original para impedir o uso
indevido).
O Igbadu é, segundo Epega,
”… recebido como um objeto de reverência, representando
Odudua. Acredita-se que através de sua infuência o
recebedor possa conquistar todos os seus inimigos e ter
uma vida longa, feliz e próspera…”
Ninguém poderá ser legitimamente considerado babalaô,
mesmo tendo sido submetido integralmente ao processo
iniciático se, ao fm deste processo, não for simbolicamente
levado diante do Igbadu. E ali, prosternar-se reverenciando tudo
o que nele está contido assim como tudo o que representa, e isto
é o que ensina um itan do Odu Oxe Yeku, do qual descrevemos
um pequeno trecho:
…”Ah! ireis abrir o apere igbadu, ireis olhar. Ôdu
pôs suas coisas lá antes de morrer. Ela disse que seus flhos
vêm adorá-la No corpo da cabaça que ela pôs no apere.
Se o babalaô quiser adorar Ifá,
Ele irá na foresta de Ifá,
Se anteriormente ele não adorou Ôdu no apere,
Ele nada fez,
Ifá não sabe que ele veio adorá-lo,
Não sabe que ele tornou-se seu flho.
Ele diz que todos os seus flhos que vieram à foresta de
IFÁ,
Adorem novamente Ôdu, sua mulher, no apere”.
Maupoil cita diferentes títulos honorífcos dados ao IGBADU:
Okolekotogowo – O que edifca a tua casa antes mesmo de ser
pago.
Baba Agba – O Velho Pai ou O Grande Pai.
Igba Iwa – A Cabaça da Existência.
Alaburueje – O que se sacia com sangue.
Adakinikinikala – O Juiz Supremo que diferencia o bem do
mal.
Asasaniluwo – Onipresente.
Òduolugboje – Aquele cujo assentamento não é de madeira,
mas sim de chumbo.
Alikalu ou Aliluwo – O que está presente em todos os lugares
ao mesmo tempo.
Às mulheres, no entanto, é proibido olhar o IGBADU ou
mesmo penetrar no local onde se encontra. A punição para
esta interdição é a morte ou a cegueira total.
Esta afrmativa encontra-se perfeitamente fundamentada no
Odu Irete Ogbe de cujo itan extraímos a seguinte parte:
“… Ela diz, mesmo que alguém pedisse a sua ajuda, lhe
dissesse que te combatesse, la não te combaterá.
Pois Ôdu disse que eles não farão Orunmilá sofrer,
Ôdu, com seu poder e o poder do seu pássaro, combateria
essas pessoas.
Quando Ôdu acabou de falar,
Orunmilá disse: nada mal.
Quando chegou o momento, Ôdu disse: Tu, Orunmilá,
Ela disse: Aprende depressa a minha proibição.
Ela disse: Ela não quer que as outras
mulheres dele olhem seu rosto.
Orunmilá disse: Nada mal.
Então ele chamou todas as suas mulheres.
Ele as preveniu
As mulheres de Orunmilá não olharão no rosto dela “…