A SOMBRA DE UM FANTASMA: UMA EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO

Paulo Alves de Lima Filho
IBEC-Instituto Brasileiro de Estudos Contemporâneos
palf@uol.com.br
“ Aprendió el alfabeto del relámpago.
Olfateó las cenias esparcidas.
En!ol!ió el coraón con pieles negras.
"escifró el espiral #ilo del #umo.
$e constru%ó de fibras taciturnas.
$e aceitó como el alma de la oli!a.
$e #io cristal de transparencia dura.
Estudió para !iento #uracanado.
$e combatió #asta apagar la sangre.
$ólo entonces fu& digno de su pueblo.'
(Canto )eneral* I+* ,ablo -eruda.
I!"odu#$o
)astou-se muita tinta* e continua a gastar-se* com a suposta necessidade de colocar-se a
uni!ersidade p/blica na prateleira das mercadorias !endá!eis. 0a-se admirá!eis malabarismos para
con!encer-nos de 1ue a rep/blica ainda mais bril#ará nas passarelas do mundo* al2ás* lugar de onde
ela nunca mais de!eria bai3ar* !estida com os panos do capital. ,oderosos sen#ores da m2dia ou
outros grandes proprietários com acesso a ela tornam-se beatos fres1uin#os da sil!a* fi&is da
educa45o* tornada gaua das agruras capitalistas. C#oram pitangas semanais sobre o in!entado
corpo balofo de um terceiro grau supostamente inepto* perdulário e n5o ade1uado 6s e3ig7ncias do
mercado. Enfim* s5o outros tempos* outras as ra8es* outros s5o os inimigos a apostar-se para
conter o a!an4o do ensino p/blico. 9ransformado este* nos primeiro e segundo graus* em !asta
senala decadente* amotinada* p/trida* irrecuperá!el* um trambol#o com o 1ual n5o se sabe bem o
1ue faer* !olta-se a bronca san#a pri!atista* imediatista* ancestral* 1uin#entista* para o fil5o
suculento* em carne !i!a* do terceiro grau.
-unca se imaginou 1ue os pudores dos donos da terra fossem t5o pe1uenos* es1uecidos de nós 1ue
somos. $e as alturas da ci!ilia45o do capital* em seus pontos mais altos* só puderam ser galgadas
pelas !astas escadarias da educa45o p/blica em todos os n2!eis* o sendeiro constru2do e a nós
legado pelos bar8es da terra n5o passa de um amontoado de destro4os in/teis. Essa a mais
desumana #eran4a da a!entura militar da democracia restrita das minorias opulentas. Esta a cara
com 1ue nos faem desfilar pelas !itrines do mundo* os mesmos lacrimosos sen#ores amantes do
ensino n5o-p/blico. : necessário* portanto* in!entarmos formas de minimiar os efeitos da
regress5o ci!iliacional 1ue nos impingem.
O sa%e" ema&i'ado" e seus limi!es
;m saber cr2tico* criador* imanentemente transformador* em âmbito nacional* de!eria conceber-se
como e3press5o de todas as suas formas interligadas. Estas re!elariam* assim* sua unidade
imanente* mel#or capacitando-se para multiplicar seus logros. E3pressariam um saber auto-
emancipado e assim* naturalmente* emancipador. Ao !isar-se esse ob<eti!o* & redundante falar-se
sobre a necessidade do estudo e forma45o permanentes* a ocupa45o !irtuosa* propriamente efica*
das capacidades intelectuais nacionais* de tal forma a gestar um no!o coleti!o produtor e reprodutor
do saber* um no!o trabal#ador coleti!o intelectual* capa de realiar-se atra!&s do incremento da
sua produti!idade espec2fica. Esta difere e op8e-se 6 produti!idade burra* concebida e realiada sob
crit&rios impróprios* se<am os diretamente emanados do capital ou de alguma burocracia auto-
erigida em instância normati!a. 9al saber cr2tico* e3ige* portanto* uma re!olu45o cient2fica e
tecnológica* uma re!olu45o pedagógica* uma re!olu45o nos seus ob<eti!os estrat&gicos* uma
re!olu45o &tica. A mais plena realia45o desse saber repousa na cria45o de um /nico corpo
cient2fico-tecnológico* educacional* um /nico corpo pol2tico e pedagógico* capa de efeti!ar uma
sua dinâmica produ45o e reprodu45o. A má3ima plenitude desse corpo seria* sem d/!ida* sua
realia45o #umana global* a própria #umanidade. Estes dois momentos ontológicos centrais do
saber poderiam* desse modo* realiar-se com sua produti!idade espec2fica plena somente atra!&s de
uma está!el sustenta45o financeira estrat&gica* tamb&m esta só capa de afirmar-se com uma no!a
administra45o do or4amento destinado a esse fim. Isto &* um no!o Estado* onde o controle social
este<a radical e !árias cotas acima do atual descalabro capitalista. Este resulta do a!an4o do
descontrole social sobre o capital da no!a ci!ilia45o 1ue se ergue sobre as cinas da1uela !igente
durante o curto s&culo ++. Estas* em poucas pala!ras* as premissas de um comple3o emancipatório*
absolutamente necessário para a #umanidade poder ir al&m do capital* para ela reconstruir-se
conscientemente* igualmente essencial* nestas plagas e3-coloniais* para saltar da subalternidade
capitalista a graus crescentes de autodetermina45o nacional.
A (ues!$o da '"odu!ividade do !"a%alho i!ele&!ual
Os professores est5o colocados de forma pri!ilegiada no comple3o emancipatório. -este* s5o
camada social insubstitu2!el* intelectuais no e3erc2cio de fun48es essenciais. : e!idente 1ue sob o
obscurantismo oficial da ditadura* a aus7ncia de liberdade intelectual plena infestou o terceiro grau
de funcionários p/blicos comprometidos com a ordem* professores 1ue puderam entrar na academia
pelas frestas do descaso com a fun45o maior do ensino (tal processo* a bem da !erdade* em n5o
menor medida ocorria nas uni!ersidades pri!adas.. 9amb&m & ób!ia a bai3a produti!idade desse
contingente no 1ue respeita 6s tr7s ordens de fun48es espec2ficas 6 educa45o= cria45o* repeti45o*
di!ulga45o. 0alamos a1ui de uma produti!idade determinada pela sua posi45o frente 6 emancipa45o
#umana* radicalmente contrária 61uela concebida pelo capital - o 1ual só pode pensar a educa45o e
a produ45o e reprodu45o do saber en1uanto mercadorias. ,or isso c#amamos !irtuosa* espec2fica*
própria* efica e socialmente ade1uada* a produti!idade concebida sob a óptica da emancipa45o e*
capitalista* a1uela sob a óptica do capital.
Ao adotar-se um desses enfo1ues* um contingente pedagógico med2ocre e obscurantista poderia
estar muito mel#or a!aliado pelos crit&rios da produti!idade inespec2fica do 1ue um bril#ante
n/cleo emancipador. $ob a óptica da emancipa45o* a produ45o e reprodu45o do saber e3ige estudo
continuado* permanente e autodeterminado. Esse estudo poderá le!ar 6 transforma45o e re!olu45o
teóricas* com a conse1>ente notifica45o do p/blico propriamente cient2fico sobre os resultados das
pes1uisas sob a forma de li!ros* palestras* artigos* etc* assim como 6 capacidade de informar os
alunos do processo de debates sobre os temas em pauta. 9emos* nesse caso* uma cria45o e repeti45o
!irtuosas. Contudo* podemos ter antiemancipa45o em ambos os momentos. Isto &* podemos ter
produ45o e reprodu45o do saber como formas de n5o-saber* desra5o. A produti!idade inade1uada
n5o pode nem se disp8e a captar a 1ualidade desse processo. ;m ol#ar cr2tico sobre os cursos de
ci7ncias #umanas* por e3emplo* e!idenciaria tal obser!a45o. Como sabemos* o irracionalismo &
funcional para o capital* e3press5o de sua desumanidade. O mesmo racioc2nio se pode usar para
tratar da di!ulga45o - escrita* falada* tele!isi!a* etc. "essa forma* um processo pedagógico
emancipador ou uma educa45o emancipadora se at&m ao caráter imanente 6s formas da produ45o e
reprodu45o criadoras do saber. ,or sua !e* a produti!idade capitalista se at&m aos produtos desse
processo en1uanto mercadorias reais ou !irtuais. Ou se<a* 1u5o mais o capital se apropria da
produ45o do saber* menos #umanamente agudo ele se torna.
O &a'i!al e o !e"&ei"o )"au
A educa45o de terceiro grau & o /ltimo basti5o de fato democrático a estar sendo capturado pelo
capital* o /ltimo marco da soberania nacional e de uma ci7ncia potencialmente #umana*
emancipada* de uma tecnologia de igual teor. ,ri!atiada esta* ou mel#or* subsumida pelo capital
pri!ado* o regime de liberdades da nossa real antidemocracia !er-se-á pri!ado da liberdade
essencial* a1uela 1ue permite aos po!os autodeterminarem-se* dotarem-se de meios de escol#er o
seu destino. A pri!atia45o da produ45o e reprodu45o intelectual & absolutamente incompat2!el com
a emancipa45o nacional ou da #umanidade. A pri!atia45o da produ45o e reprodu45o do saber &
simultaneamente* poder decisi!o do capital sobre este. Ao instituir um saber do e para o capital* n5o
determinado pelas reais necessidades #umanas* a pri!atia45o do trabal#o intelectual significa
liberdade acrescentada para um saber desumano* para a destrui45o da !ida* para as guerras e
indiferen4a para com a sorte real da #umanidade. Esta & capa de ser pensada como gado #umano
clonado* ao passo 1ue as popula48es reais defin#am e perecem.
Os *veis de esio
A educa45o e3ige ser pensada como intera45o efica dos seus 1uatro ou cinco n2!eis de ensino. Esta
se determina #istoricamente* ou se<a* !7-se pro<etada a fins espec2ficos* dado seu estágio (ou seus
estágios. no processo da emancipa45o. Isso significa dier 1ue ela e3ige-se realiar nacionalmente -
sua dimens5o nacional & irredut2!el.
A produ45o de um saber emancipador* nos espa4os e3-coloniais* e3ige o surgimento de uma
educa45o popular en1uanto pro<eto social aut?nomo* <á 1ue o Estado p?s-se como pri!ilegiado
coad<u!ante do capital pri!ado.
$ob o capital* nos capitalismos imperialistas* tamb&m nunca teremos a plenitude desse saber
emancipado. -eles* & uma realidade o defin#amento do intelectual em contraposi45o ao acad7mico*
este entendido como ser social al#eio 6 centralidade da causa p/blica* 6 radicalidade emancipadora
(@acob%* ABBC.. -o entanto* no 1ue concerne 6 causa própria do capital - sua acumula45o ampliada a
mais uni!ersal e acelerada poss2!el-* & poss2!el !islumbrarmos diferen4as radicais entre seus pólos
#egem?nicos e subordinados. -os pa2ses capitalistas 1ue n5o optaram por produir a maior parte de
suas mercadorias com seus capitais nati!os n5o só n5o se uni!ersaliar5o os ensinos básicos e
m&dios* como tampouco desen!ol!er5o o destino tecnológico da pouca ci7ncia básica 1ue se
produa no terceiro grau. Este* por sua !e* gira em falso no precip2cio de seu plane<ado isolamento.
A produ45o e a reprodu45o do saber terá* nesses pa2ses* nessa órbita secundária* subordinada e
incompleta do capital* um seu limite estatalmente intranspon2!el. O limite ontológico particular a
esses capitalismos conferirá ao circuito emancipador do saber uma dramaticidade cr?nica e
costumeira* a 1ual n5o dei3a de manter-nos permanentemente perple3os* at?nitos* irados*
e3tenuados e desesperan4ados. -esses pagos* a luta contra o obscurantismo regressista* restaurador*
n5o tem fim. Alienado o Estado de 1ual1uer !eleidade emancipadora* e3plode no terceiro grau uma
guerra surda* fero* entre as for4as regressistas - fantasiadas de defensoras de uma eficácia
imprópria-* e as dispersas #ostes do pensamento cr2tico* at& o momento na defensi!a.
Si!ua#$o %"asilei"a do sa%e" ema&i'ado"
Di!emos uma situa45o de entropia estrat&gica. Em parte moti!ada por !inte e um anos de ditadura
ci!il-militar* o saber emancipador foi apan#ado em processo de decad7ncia* pela ruptura #istórica
inesperada* moti!ada pela fantástica autoe3pans5o do capital financeiro. Esta* multiplicadora das
potencialidades uni!ersais do capital e sua pot7ncia nacional má3ima- os E;A-* assim como do
no!o capital produti!o de base microeletr?nica* arrastou para a co!a o baluarte da primeira
e3peri7ncia socialista mundial. Isto desencadeia a regress5o social uni!ersal* promo!ida pela
inaudita for4a e caráter global do no!o capital. ,rimordialmente anin#ado entre as for4as populares*
socialistas e democratas sociais* o saber emancipador dei3ou de operar o seu comple3o social
ci!iliatório espec2fico. Incapa de se reproduir nos antigos moldes* !iu diminu2da a sua for4a
coesi!a e o rio da !ida e3asperar as car7ncias antigas enca!aladas nas suas no!as e possantes irm5s.
Eecuemos* entretanto* um pouco no tempo.
: preciso n5o nos es1uecermos de 1ue em ABCF* no Brasil* conforma-se uma ruptura no processo
#istórico de e!olu45o da centro-es1uerda republicana* a 1ual* no 1ue respeita a educa45o* centra!a-
se na e3pans5o 1ualitati!a e 1uantitati!a do ensino p/blico gratuito em todos os n2!eis. -ele se
esta!am formando os 1uadros t&cnicos e intelectuais da re!olu45o democrática em marc#a* a
contaminar os fil#os das classes m&dias abastadas* inclusos os fil#os da burguesia nati!a. O acordo
GEC-;$AI"* firmado após o golpe* pro<etou-se* assim* como ruptura desse processo* cu<o sentido
&* !ia destrui45o 1ualitati!a da escola p/blica* canaliar os fil#os das classes m&dias para a ind/stria
pri!ada da educa45o* alterando substanti!amente as condi48es da reprodu45o social do saber
emancipado* da concorr7ncia entre os fil#os desigualmente protegidos de uma sociedade
profundamente assim&trica* ao destruir as condi48es igualitárias anteriores* de monopólio estatal da
educa45o de massas. "esse modo* afirmar-se-á uma no!a assimetria de classe na educa45o p/blica=
os fil#os dos setores mais abastados da popula45o passam a faer pender para o seu lado a balan4a
do percentual de !agas de fato usadas no terceiro grau* en1uanto e3pandem-se o primeiro e segundo
graus pri!ados e dessangra-se o ensino p/blico. -este* con!&m n5o nos es1uecermos*o a!an4o
neoliberal tem uma de suas primeiras !2timas( Eama* ABBH..
Ao transformar o terceiro grau em ap7ndice da crescente desigualdade social institu2da*
aprofundada com o modelo econ?mico da ditadura* prepara!a-se* assim* o /ltimo passo* ou se<a* a
pri!atia45o dos /ltimos redutos de soberania intelectual brasileira* o terceiro grau p/blico (Gaar*
ABIH.. 9al processo conforma* nos capitalismos por !ia colonial* uma regress5o obscurantista.
-ada* nele* a partir de ent5o* sustenta naturalmente a marc#a do saber emancipador* a n5o ser a
autoorgania45o deste* seu mo!imento aut?nomo contra a mar& montante de suas profundas
correntes glaciais. A e3pans5o do mercado pri!ado da educa45o apresenta-se como puro
irracionalismo fantasiado de #ipermodernidade* regressismo restaurador* e3press5o da e3pans5o da
subalternidade nacional* agora caracteriada como recolonia45o da reprodu45o social capitalista*
operada pelo acelerado potenciamento do capital financeiro e no!o capital produti!o dos centros
capitalistas #egem?nicos* antes de tudo dos E;A. Com a acelera45o da subsun45o do terceiro grau
ao capital* sob o influ3o da #omogeneia45o das pol2ticas econ?micas imposta pela constru45o da
no!a ci!ilia45o capitalista* configura-se uma no!a situa45o colonial* 1uando o centro estrat&gico
da produ45o cient2fico-tecnológica para fins nacionais cada !e mais decisi!amente encontra-se
fora do espa4o nacional.
;ma bre!e digress5o sobre o sentido #istórico das transforma48es econ?micas recentes - o retorno 6
#ipere3plora45o do trabal#o e 6 pauperia45o absoluta.
Antes de nos apro3imarmos de uma proposta alternati!a para o no!o relan4amento da e3pans5o do
saber emancipador* con!&m tra4armos as lin#as destinadas 6 apreens5o do sentido #istórico das
transforma48es econ?micas recentes. -o Brasil dos anos BJ* as indaga48es sobre o destino e
conte/do da desmontagem do trip& dos capitais 1ue e3pressaram a forma anterior do assim
c#amado padr5o de acumula45o <á podem ser respondidas com algum grau de seguran4a.
Em primeiro lugar* ela e3pressa a lin#a de continuidade entre o passado ditatorial e o futuro em
constru45o no plano da reprodu45o material de nosso capitalismo. $e a democracia restrita dos
poderosos* sob tutela militar* como se costuma c#amar a ditadura militar 1ue se estendeu entre ABCF
e ABIH* era restrita e3atamente por1ue se reproduia como e atra!&s da necessidade de e3clus5o das
maiorias* o regime de liberdades do pós-IH prossegue-a atra!&s da reade1ua45o capitalista para um
no!o ciclo e3pansi!o de acumula45o global* uni!ersal.
A economia pol2tica da no!a ordem* nacional e internacionalmente* tem como ei3o desse no!o ciclo
a multiplica45o da subordina45o do Estado* en1uanto capitalista coleti!o* 6s determina48es da no!a
alian4a entre as grandes burguesias internacionaliadas* nacional e forânea* com seus ap7ndices
tradicionais. 9ransfere-se 6 propriedade destas burguesias os comple3os industriais mais capaes de
dinamiar sua a45o internacional e re!aloriar seus capitais na no!a ordem emergente* assim como
se procede 6 recapacita45o industrial e financeira do no!o padr5o* atra!&s de um no!o caráter da
tributa45o dese<ada e incremento substancial da abertura do com&rcio e3terno. O ei3o dessa no!a
tributa45o camin#a no sentido de desonerar o capital de encargos trabal#istas da fase anterior* assim
como de reduir ao m2nimo os gastos estatais com esses mesmos encargos* ou se<a* ma3imiar a
ta3a e a massa de lucros pri!ados e minimiar os gastos estatais com a reprodu45o da for4a de
trabal#o* conformando simultaneamente a e3pans5o da #ipere3plora45o do trabal#o e o retorno
massi!o da pauperia45o absoluta. A abertura e3terna* por sua !e* e!idencia pol2tica industrial
passi!a* acentuando-se a desindustrialia45o e fortalecendo o dom2nio dos capitais monopolistas*
antes de tudo os internacionaliados* sobre o mercado interno* assim como sobre todos os no!os
comple3os sociais acoplados direta ou indiretamente 6s no!as e3ig7ncias da acumula45o.
Essas lin#as gerais da no!a reprodu45o material do no!o capital global faem necessárias toda uma
s&rie de manobras* escaramu4as* acordos e desacordos pol2ticos (e financeiros.* destinados tanto 6
con1uista do poder e3ecuti!o 1uanto 6 for<a de maiorias midiáticas e parlamentares. Estas*
!erdadeiros frent8es burgueses* predestinados a ser!ir de instrumentos do arrast5o social re1uerido*
cu<a eficácia repousa na consentida* coni!ente e solidária aliena45o* pelo E3ecuti!o* dos pod7res do
Kegislati!o e @udiciário* conformando uma situa45o de ditadura de-fato* se<a atra!&s da reedi45o das
medidas pro!isórias ou reinterpretando a seu fa!or e com consentimento dos demais poderes* a
Constitui45o de II* uma pe4a ficcional (Comparato* ABBI..
O no!o padr5o de acumula45o aprofunda o controle do capital* sobretudo pri!ado* sobre a
reprodu45o social* !ia incremento da supere3plora45o do trabal#o. Ele &* simultaneamente*
e3press5o de op45o preferencial pelos capitais globais norte-americanos* na busca de inser45o
#eteron?mica* por&m especial* na re#ierar1uisa45o das #egemonias mundiais. Continuidade da fase
anterior* o desmonte do Estado aprofunda a op45o das classes dominantes nati!as pelo
fortalecimento dos la4os da subordina45o ampliada* ele!ados 6 #ipersubordina45o para a a!entura
global* cu<a infle35o decisi!a deu-se no go!erno @L.
9r7s 1uest8es intrigantes caracteriam este processo= a. o seu mó!el* e a rapide dele e3igidaM b. a
capacidade de resist7ncia social 6 sua implanta45o e* por /ltimo* c. as suas mais rec?nditas ra8es.
Antes de tudo* estamos diante de um processo de longa dura45o. Assim* esta no!a fase da
subordina45o ampliada reafirma a tend7ncia aprofundada durante a democracia restrita sob tutela
militar= confirma o languidescimento do pro<eto nacional !arguista* de subordina45o restrita ou
crescentemente restringida. : assim 1ue* sem titubeios* a opera45o de atropelo das consolida48es
constitucionais firmadas em ABII se inicia desde os primeiros !agidos da no!a Carta* direcionando-
se pelas lin#as ditadas nos centros da #egemonia coligada das maiores pot7ncias* 0GI* Banco
Gundial* OGC* sob a e3press5o teórica da1uilo 1ue posteriormente !iria a se c#amar “Consenso de
Nas#ington'. Confirmando a op45o #istórica das classes dominantes nati!as* o aprofundar-se das
condi48es de controle do capital sobre a reprodu45o social - agora alcan4ando pólos estrat&gicos da
reprodu45o material-* o force<ar e o trânsito para a consecu45o desse pro<eto se dá por dentro da
norma #istórica de e!olu45o desse capitalismo* momento de sua continuidade. O mó!el* o agente
inicialmente cataliador desse processo & o ,$"B.
: ele o e3cipiente necessário para a realia45o das no!as alian4as de classe e* simultaneamente* a
e3press5o da emerg7ncia de uma no!a classe* coad<u!ante do modelo de concentra45o dinâmica da
renda e propriedade* sob as condi48es de empu3e essencial da no!a incontida multiplica45o das
for4as produti!as do no!o capital em escala mundial e sistemática ani1uila45o da legalidade
protetora do trabal#o contra o capital* #erdada da fase anterior dessa ci!ilia45o. 0ernando Oenri1ue
$erra e Galan comp8em a tr2ade limite* ao lado de Gaciel* ACG e $arne%M s5o os As#ton OaPQins*
9#omas Oo!ing e "iana Dreeland da no!a ordem* a realiar a estupefaciente combina45o dos
poderes econ?micos e pol2ticos !el#os e no!os ao esplendor intelectual dos ad!ent2cios das
camadas m&dias* a transformar o ,alácio da Al!orada no 9emple of "endur ( 9a%lor* ABBR .. -os
E;A e no Brasil* #a!ia muito din#eiro a se gan#ar nos anos oitenta e no!enta e a transi45o por
dentro da norma era a forma e3ata de fa7-lo. Os reais ou supostos socialistas de cátedra
transformar-se-5o em reais e !irtuais ban1ueiros e capitalistas de cátedra* no!a oligar1uia capitalista
do saber* imanente 6 no!a ordem mundial. ,assa-se a reconstruir uma no!a economia mundial de
caráter colonial sob a #egemonia do capital financeiro. Esta no!a elite transforma-se em
instrumento* em todo o orbe* do poder colonial* em for4a capitalista parasitaria (-egrete* ABBSM
A#umada* ABBC..
O comple3o ci!iliatório do saber emancipado* ao contrário do comple3o capitalista do saber
instrumental* n5o tem mais um centro dinâmico autodeterminado. -ecessita criá-lo. Imposs2!el*
outrossim* recriá-lo 6 imagem da1uele rec&m falecido. O dinamismo ideológico deste descansa!a*
em grande medida* nas lin#as da imanta45o e3ercida pelas re!olu48es proletárias e populares
!itoriosas* dese<osas de aparecer como construtoras dos socialismos os mais socialistas. Tuando
esse centro cosmopolita se es!anece* afogado nas incompreendidas contradi48es particulares de
suas sociedades* ocorrerá a re!oada de boa parte da intelectualidade socialista aos pombais
conser!adores* da social-democracia 6 direita tradicional. Tuando* no Brasil* o proletariado
industrial sacode o modelo econ?mico do arroc#o* a partir de ABSB* o mo!imento 1ue dali se
desencadeará estará elosamente circunscrito nos marcos sociais e democráticos* sob forte
influ7ncia católica* abandonadas as #istóricas bandeiras nacional e socialista. Essa esp&cie de
democracia crist5 trabal#ista* cli!ando fortemente as classes m&dias assalariadas* sem o 1uerer*
permitirá* em grande medida* o a!an4o da direita tradicional* blo1ueando os rios nacionalistas e
socialistas* caracter2sticos da centro - es1uerda republicana desde o s&culo +I+ (Eibeiro* ABBS..
$omente mais tarde* em ABBI* 1uando a #egemonia burguesa se reconstrói decisi!amente com dom
0ernando II* candidato de si próprio e de todos os capitais 6 reelei45o* esse bra4o desgarrado do
anticonser!adorismo mergul#a nas sendas da #istória da centro es1uerda republicana* apoiando a
c#apa Kula- Briola. Gas <á estamos sob o reflu3o do mo!imento de massas e enfra1uecimento do
bloco anticonser!ador. ,ara mal dos pesares* o programa econ?mico anticonser!ador &
re1uentamento desen!ol!imentista. ,ró-capitalista* 1uando os setores capitalistas decisi!os <á o
abandonaram desde muito antes de ABCF. ,ró-capitalista* 1uando as burguesias e camadas m&dias e
altas abra4am feromente a pol2tica econ?mica de descontrole da reprodu45o social. ,8e-se*
portanto* assincronicamente na #istória* a no!a centro-es1uerda republicana. ,ostula um
capitalismo indese<ado pela maioria dos capitalistas. Eeprodu o mesmo e1u2!oco essencial da
autodenominada social-democracia nati!a* a 1ual alguma !e pensou reformar a uni!ersidade
destru2da pela democracia restrita do regime militar sem 1uestionar-se ou medir for4as com os
pro<etos transformadores ani1uilados por este* nem com o sentido #istórico dessa destrui45o
()iannotti* ABBA.. Tuando se dá conta de 1ue a pretendida reforma n5o passa!a de uma !oli45o
et&rea no !entre pantagru&lico do todo-poderoso pro<eto do capital financeiro mundial* !olta a ter4ar
armas* mas estas <á est5o reduidas 6 sua real dimens5o ()iannotti* ABBI.. Essa a!entura* caso
alcance o poder* tem grandes c#ances de resultar em fracasso e desprest2gio de alternati!a social*
democrática e socialista. O 1ue fortalecerá tanto a direita nacionalista fascistóide 1uanto o
conser!adorismo tradicional* acelerando o antidemocratismo <á acentuado da “re!olu45o silenciosa'
neocapitalista. Esmagada entre tais dis<unti!as* a pol2tica emancipadora necessita tra4ar para si o
camin#o o mais rápido e efica poss2!el* em condi48es de forte fragmenta45o* desprest2gio*
perple3idade e desnorteamento. Autoli1uidados os sóis in!ernais de antan#o* cabe construir as bases
para tal mo!imento. Isso n5o será nunca mais tarefa dos práticos* em cu<as m5os repousou o
malfadado destino das principais for4as da transforma45o social no pa2s. ,ara isso* a
intelectualidade para a emancipa45o necessita tomar-se a s&rio* criar as condi48es para a sua
autodetermina45o coleti!a* /nico modo de por em mo!imento uma prá3is re!olucionária. A ela e
somente a ela caberá criar* em decisi!a instância* o no!o comple3o ci!iliatório da emancipa45o.
O pro<eto emancipador #á tempos* n5o poderá mais passar pela cria45o de um capitalismo social e
democrático* econ?mica e politicamente soberano. A atual #ipersubalternidade* 1ue se segue 6
subalternidade ampliada sistematicamente constru2da na democracia restrita sob tutela militar* &
uma forma #istórica consagrada pelas burguesias mundiais e brasileira. ;ma na45o pol2tica e
economicamente soberana* centrada no atendimento das seculares assimetrias sócio-econ?micas das
maiorias* crescentemente determinada por estas* n5o poderá ser uma sociedade propriamente
capitalista (Eibeiro*ABBSM'Ideologias'.. O grau de controle social necessário para manter e e3pandir
social e democraticamente essa sociedade e3igirá* natural e ine3ora!elmente* blo1uear as aspira48es
propriamente burguesas* negá-las* marc#ar contra elas* redirecionando-as no sentido comunitário*
solidário e cooperati!o* ou se<a* socialista e comunista-emancipacionista. $erá este o sentido da
constru45o de um saber emancipador. Ee!ela-se ób!io o por1ue de as no!as e antigas classes
dominantes sempre terem mantido em 1uarentena o ensino p/blico tratado como caso de pol2cia.
-ele se anin#am* elas sabem disso* as !2boras socialistas e comunistas* nacionalistas e democráticas
1ue sempre e desde sempre amea4aram a reprodu45o do status-1uo deste capitalismo da mis&ria das
maiorias.
O &om'le+o &ivili,a!-"io do sa%e" ema&i'ado
"iferentemente da fase #istórica precedente* n5o teremos mais a iniciati!a estatal a capturar e
arrastar os impulsos emancipadores para materialiá-lo sob a forma de uni!ersidades e outros
e3perimentos educacionais cruciais. E!entualmente teremos o Estado como coad<u!ante* mas essa
n5o será mais a regra. A partir de agora & essencial criar-se um comple3o aut?nomo do saber
emancipador. Ele terá de alimentar-se das necessidades nacionais e internacionais por
autodetermina45o* in!entando para si um e3perimento social crucial* capa de congregar o campo
transformador* fa7-lo incorporar e militar por uma proposta social emancipadora* antes de tudo
criadora do instrumento central da produ45o de saber emancipado* um comple3o educacional capa
de !incular-se simultânea e preferencialmente 6s lacunas da emancipa45o nacional e internacional.
Ele construirá e nesse processo solidificará as solidariedades perenes entre todas as for4as
emancipadoras e dará sentido ao partido intelectual da emancipa45o* capa* ent5o* de colocar a
produ45o e reprodu45o do saber como momento uni!ersalmente indiscut2!el* aut?nomo e central
para a emancipa45o coleti!a.
Esse comple3o educacional de!erá primar por cinco caracter2sticas marcantes* a distingui-lo dos
comple3os estatal e pri!ado tradicionais= ele nasce e3plicitamente !oltado para a maior 1ualidade
poss2!elM & e3perimento modelo para o ensino p/blico e de!e sustentar-se* financeira e
politicamente* pelas for4as sociais comprometidas com os interesses das maiorias* por&m* tem com
estas* rela48es de independ7ncia. ,or /ltimo* ela terá de desen!ol!er campos do saber
comprometidos com a emancipa45o. Em outras pala!ras* a produ45o do saber para a emancipa45o
transforma-se em necessidade prática para todas as for4as da transforma45o social* as 1uais
disp8em-se a propiciar as condi48es para a sua realia45o ao mesmo tempo em 1ue confirmam os
intelectuais como reitores aut?nomos desse comple3o educacional* compreendido por todos como
ati!idade permanente.
Aos intelectuais cabe a cria45o de um saber capa de ser!ir uni!ersalmente 6 causa da emancipa45o*
e o processo de sua sistemática gesta45o cria um solo comum* um território coleti!o* uma na45o
mundial dos deserdados. O partido intelectual da emancipa45o constrói as premissas desta. Este & o
sentido #istórico da constru45o do comple3o educacional.
A som%"a de um .a!asma: ma!e"iali,a" uma ova uive"sidade
“$e a ci7ncia e a organia45o conseguirem satisfaer as necessidades materiais do #omem e abolir a
crueldade e as guerras* a busca da !erdade e do belo de!erá persistir para podermos e3ercitar o
nosso amor pelas árduas cria48es. Os poetas* os pintores* os compositores e os matemáticos n5o se
de!em preocupar com o remoto efeito das suas ati!idades no mundo da prática. "e!em entregar-se
6 procura de uma !is5o* 6 captura e fi3a45o de alguma coisa 1ue eles !iram por um momento e 1ue
os impressionou de tal forma 1ue* diante dela* todas as alegrias do mundo empalidecem. A grande
arte e a grande ci7ncia nascem do dese<o de materialiar a sombra de um fantasma* uma belea
atraente 1ue afasta os #omens da seguran4a e da comodidade* arrastando-os para um glorioso
tormento. Os #omens em 1uem esta pai35o e3iste* n5o de!em ficar tol#idos pelos gril#8es de uma
filosofia utilitarista* pois & ao seu ardor 1ue de!emos tudo 1uanto temos de grande na #umanidade'.
(Bertrand Eussel* ABCB.
Uma ova Uive"sidade/ um ovo esio0
: necessário construirmos uma no!a ;ni!ersidade. Tue ela este<a mergul#ada nas necessidades
imperiosas das maiorias* se nacionalie. Tue construa um circuito cient2fico-pedagógico unificador
dos cinco graus de ensino (do pr& 6 terceira idade.* solidariando-os indissolu!elmente* garantindo-
l#es autonomia frente ao capital ao proporcionar carreira decente e continuidade 6 forma45o dos
professores de todos os n2!eis. Ao emancipar o terceiro grau da aliena45o a 1ue está submetido* este
poderá* em m&dio prao* reformar U em sentido emancipador -o ensino p/blico* ao mesmo tempo
em 1ue* ao nacionaliá-lo propicia o surgimento de uma criati!idade e produti!idade próprias a um
saber #umanamente ade1uado. Ao nacionaliar o terceiro grau e todo o ensino p/blico* coloca-se a
educa45o no rumo da transforma45o social* /nico modo de garantir o desen!ol!imento do saber* seu
caráter emancipatório* uni!ersal* #umano.
BIBLIO1RAFIA
-E)EE9E* Oig2nio ,&re “)rupos financieros se toman el pa2s'* in "eslinde* n.VV* Bogotá* -o!-
"ic ABBS* p. C-AH.
AO;GA"A* Consuelo El modelo neoliberal % su impacto en la sociedad colombiana* Bogotá* El
Wncora Editores* ABBC* cap. R.
)IA--O99I* @os& Art#ur “;ni!ersidade* ci7ncia e ci!ilia45o'* in Economia e ,ol2tica da crise
brasileira - a perspecti!a social-democrata* Gaur2cio "ias "a!id (org.* E@* Eio 0undo* ABBA* p.
AIR-AIS.
)IA--O99I* @os& Art#ur “Em defesa da uni!ersidade p/blica'* 0$,* ASXRXBI* p.R-I.
GAEIA$* @ulian “O respeito 6 ;ni!ersidade'* OE$,* VAXVXIV.
B;AET;E* C#risto!am O colapso da modernidade brasileira e uma proposta alternati!a* E@ *,Y9*
ABBA.ZHR-CC[
B;AET;E* Cristo!am -a fronteira do futuro (o ,ro<eto da ;nB.* Brasilia* ;nB* ABIB.
A";$, O li!ro negro da ;$,- o controle ideológico na ;ni!ersidade $5o ,aulo* Adusp* ABSI.
0EE-A-"E$* 0lorestan A 1uest5o da ;$, $5o ,aulo* Brasiliense* ABIF.
EIBEIEO* "arc% O Brasil como problema E@* ABBH.
\\\\\ 9estemun#o $5o ,aulo* $iciliano* ABBJZ-ingu&m me ama...p.BM ;ni!ersidade de
Bras2lia* p.AAH[
\\\\\\ Confiss8es $5o ,aulo* Cia das Ketras* ABBS
A-"EA"A E $IKDA* @os& Bonifácio de ,ro<etos para o Brasil $5o ,aulo* Cia das Ketras* ABBI.
-EE;"A* ,ablo Canto )eneral G&3ico* Ed. Oceano* ABHJ
9A]KOE* @o#n O circo da ambi45o - cultura* ri1uea e poder nos anos %uppies $5o ,aulo* $critta*
ABBR.
0EE-A-"E$* 0lorestan A constesta45o necessária $5o ,aulo* Wtica* ABBHZ0ernando de Ae!edo=
um aut7ntico reformista* p.AIF[
OOB$BAN-* Eric 9#e age of e3tremes -]* Dintage BooQs* ABBC
LI-)* Ale3ander and Bertrand $c#neider Ka primera re!olución mundial- Informe del Conse<o al
Club de Eoma G&3ico* 0CE* ABBAZVHC-VIJ[
OAA)* Carlos (em entre!ista='OobsbaPn in!este contra o mau uso da Oistória'.OE$,* FXFXBI*
"R..
0;EKA-I* Kucia G. 9ei3eira A claridade da noite- os alunos do ensino superior noturno $,* Corte
Editora* ABBIZ!ide cap. III[
OOB$BAN-* Eric "a re!olu45o industrial ao Imperialismo E@* 0orense-;ni!ersitaria* ABIR R. ed.
Zcap. AH[
OIKK* C#ristop#er O eleito de "eus- Oli!er CromPell e a re!olu45o inglesa $,* Cia das Ketras*
ABII Zcap. DIII* ^V[
E;$$EKK* Bertrand "a educa45o $,* Cia Ed. -acional* ABCBZcap. I* +DIII[
KI$$A)AEA]* ,rosper -Oli!ier Oistória da Comuna de AISA $,* Ensaio* ABBH
GAEIA9E);I* @ose Carlos $iete Ensa%os de interpretación de la realidad peruana Ka Oabana*
Casa de las Am&ricas* ABSH* Ra ed.
,A;K$9O-* Eolland ) “Na%s of seeing education and social c#ange in Katin-America= a
p#enomenograp#ic perspecti!e'* Katin-American researc# re!ieP* !ol.VS* n.R* ABBV* p. ASS-VJV.
GAAE* Nolfgang Keo “O carrasco da ;ni!ersidade'* in 0ol#etim* 0$,* VHXIXIH* p.I-B.

a