ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL
1.ÉTICA: DE QUE SE TRATA?
A ética é a disciplina ou campo do conhecimento que trata da definição e avaliação
do comportamento de pessoas e organizações. A ética lida com o que pode ser
diferente do que é, da aprovação ou reprovação do comportamento observado em
relação ao comportamento ideal. O comportamento ideal é definido por meio de um
código de conduta, ou código de ética, implícito ou explícito.
A palavra ética, do grego ethos, tem a mesma base etimológica da palavra moral, do
latim mores. Os dois vocabulários significam hábitos e costumes, no sentido de
normas de comportamento que se tornaram habituais.
Códigos de ética são conjuntos particulares de normas de conduta. Há o código de
ética dos médicos, da propaganda, dos militares, dos políticos, de um partido
político, dos jornalistas, de um grupo social, de uma corrente filosófica ou
doutrinária (como a ética do capitalismo) ou até mesmo de uma pessoa. Os códigos
de ética são explícitos, como o juramento que os médicos fazem, ou implícitos,
como a obrigação que sentem os motoristas de avisar, por meio de sinais de luzes,
que há fiscalização policial, para os colegas que vêm em sentido contrário.
2. ABRANGÊNCIA DA ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO
De acordo com Stoner, a classificação pode ser feita em quatro categorias:
2.1 NÍVEL SOCIAL DA ÉTICA
No nível da sociedade de forma geral, as questões relacionam-se com a própria
presença, o papel e o efeito das organizações na sociedade. Algumas das questão
ética envolvidas neste nível:
. É justo os executivos ganharem o equivalente a dezenas de salários dos
trabalhadores operacionais?
. Pode-se aceitar a influência das empresas nas decisões governamentais, como das
construtoras na preparação do orçamento das obras da União?
2.2 NÍVEL DO STAKLHOLDER (PARTE INTERESSADA)
Partes interessadas são pessoas que estão associadas direta ou indiretamente à
organização ou que sofrem alguns de seus efeitos: clientes, fornecedores,
distribuidores, funcionários, ex-funcionários e a comunidade, à medida que são
afetados pelas decisões da administração. Algumas questões éticas, nesse nível,
são:
. Quais são as obrigações da empresa no que tange à necessidade de informar
sobre os riscos de seus produtos para o consumidor (álcool, tabaco, por
exemplo)?
. Como se devem pautar as relações dos funcionários com os usuários,
especialmente no caso dos funcionários públicos, em suas relações com os
contribuintes?
2.3 ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO E POLÍTICA INTERNAS
No nível da administração e política internas, a discussão sobre a ética focaliza
especialmente as relações da empresa com seus empregados.
. Quais são as obrigações da empresa com seus funcionários?
. Que tipos de compromissos pode exigir de seus funcionários?
Liderança, motivação, planejamento de carreira, movimentação de pessoal e
conduta profissional são assuntos que envolvem questões éticas.
2.4 ÉTICA NO NÍVEL INDIVIDUAL
De acordo com Stoner, as questões éticas, no plano individual, dizem respeito à
maneira como as pessoas devem tratar-se umas às outras. Por exemplo:
. Quais obrigações e direitos as pessoas têm como seres humanos e
trabalhadores?
. Quais as obrigações em relação aos empregadores, funcionários e colegas?
3. CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE VALORES
Valores são julgamentos a respeito do que é desejável e oferecem justificativas
para as decisões. Por exemplo: se uma jovem tiver que escolher entre a profissão
de modelo ou de professora, qual alternativa ela prefere? Por quê? A resposta à
pergunta “por quê” dá a dimensão de seus valores. Assim como os indivíduos e
as sociedades, as empresas também têm valores.
Os valores formam a base dos códigos de ética. Os valores que orientam o
comportamento ético e que permitem classificar os comportamentos dentro de
qualquer escala de desenvolvimento moral foram e continuam sendo propostos
por filósofos e diversos tipos de líderes. Essas pessoas manifestam opiniões a
respeito de como a sociedade deveria ser, e o fazem de maneira a influenciar as
convicções alheias. Outras normas de conduta ética nascem dos usos e costumes,
do processo social de julgar comportamentos e considerá-los certos ou errados, e
de distinguir o vício da virtude pelos sentimentos de reprovação ou aprovação
que inspiram.
4. EVOLUÇÃO ÉTICA
A ideia de que os códigos de conduta evoluem e, portanto, de que há códigos
mais evoluídos e mais atrasados faz parte do conceito de ética.
Conceitos como civilização, virtude coletiva, igualdade, respeito à pessoa e
direitos humanos estão intimamente ligados à mudança evolutiva dos costumes.
O processo de administrar as organizações é influenciado por essa evolução.
Ideias como segurança do usuário, proteção do ambiente, proteção da mulher e
do menor e direitos iguais no local de trabalho são relativamente recentes.


5. ÉTICA RELATIVA E ABSOLUTA
5.1 ÉTICA RELATIVA
A abordagem da ética relativa reconhece que as circunstâncias influenciam a
definição dos valores e do comportamento socialmente aceitável. Será certo ou
errado pedir ao restaurante uma nota fiscal em valor superior ao real, para
prestar contas à empresa e embolsar a diferença?
Acreditar que esse comportamento é correto, porque tem alguma justificativa
lógica, é a perspectiva da ética relativa. A idéia da ética relativa estabelece que é
correto avançar os sinais vermelhos de trânsito a altas horas da noite, porque o
risco de assalto nos cruzamentos justifica esse comportamento. Até mesmo as
autoridades da segurança pública recomendam essa violação da lei. A ética
relativa também reconhece que a idéia de certo e errado é uma questão de
geografia. Na cultura oriental, a ética diz que as pessoas devem dedicar-se
integralmente à empresa, que é uma família à qual a vida do funcionário
pertence. Na cultura ocidental, as pessoas entendem que há distinção entre a vida
pessoal e a vida profissional.
O tempo também influencia os valores. No início do século XX, eram
relativamente comuns as agressões verbais e físicas aos trabalhadores das
fábricas no Brasil. Nos primórdios da Revolução Industrial, o trabalho das
crianças até a exaustão era normal.
5.2 ÉTICA ABLOSUTA
De acordo com a ideia de ética absoluta, determinados comportamentos são
intrinsecamente errados ou certos, seja qual for a situação, e devem sempre ser
apresentados e defendidos como tal.
6. RELATIVISMO CULTURAL
Uma das áreas com questões éticas difíceis de resolver envolve as relações entre
culturas distintas. De acordo com Hannagan:
À medida que as empresas se internacionalizam, aumenta a probabilidade dos
contatos e negociações com pessoas que endossam sistemas éticos
completamente distintos. O fato de que há culturas gerenciais distintas, com
sistemas de valores distintos, significa que não há soluções simples para os
dilemas éticos dos negócios internacionais. Muitas pessoas diriam que a
maneira mais simples e prática de lidar com os problemas éticos consiste em
adotar o relativismo moral. Ou seja: adotar os valores locais quando se estiver
negociando num determinado local. Porém, o relativismo moral pode significar
adotar a prática do suborno em países em que essa é a regra.
Contudo, há um problema sério na adoção do relativismo cultural. Se é
desejável que os ocidentais adotem as normas que prevalecem em outros países,
o mesmo deve aplicar-se na situação inversa. Em outras palavras, os imigrantes
deveriam adotar as normas de conduta, vestuário e costumes dos ocidentais.
Não haveria espaço para práticas religiosas que não fossem as ocidentais. No
entanto, tal restrição violaria os princípios de liberdade, que são inerentes ao
indivíduo.
As relações entre organizações de culturas distintas também oferecem problemas
práticos e não apenas dilemas morais. Por exemplo, nas exportações para certos
países do Oriente Médio, há restrições no teor das transações. A palavra “juro”
não pode constar de documentos contratuais, uma vez que juros são
considerados crime no mundo islâmico.
7. RESPONSABILIDADE SOCIAL
Muito da discussão sobre a ética na administração tem sua origem na opinião de
que as organizações têm responsabilidades sociais – elas têm a obrigação de agir
no melhor interesse da sociedade. Portanto, devem pautar sua ação pelo
princípio do estágio pós-convencional de desenvolvimento moral. No contexto
da responsabilidade social, a ética trata essencialmente das relações entre as
pessoas. Se cada um deve tratar os outros como gostaria de ser tratado, o mesmo
vale para as organizações. Há duas correntes a esse respeito, cada uma delas
com argumentos muito fortes.
7.1 DOUTRINA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL
A primeira corrente é a que reconhece a responsabilidade social das
organizações de forma geral e das empresas em particular.
O princípio da responsabilidade social baseia-se na premissa de que as
organizações são instituições sociais, que existem com autorização da sociedade,
utilizam os recursos da sociedade e afetam a qualidade de vida da sociedade.
7.2 DOUTRINA DO INTERESSE DO ACIONISTA
A corrente alternativa da responsabilidade social propõe que as empresas têm
obrigações, primordialmente, com seus acionistas. O representante mais
conhecido desta doutrina é Milton Friedman, economista da Universidade de
Chicago. Ele afirma que a principal responsabilidade das empresas é maximizar
o lucro do acionista. De acordo com esse ponto de vista, a ética das decisões de
negócios consiste em procurar as alternativas que produzam mais dinheiro,
porque essa diretriz promove utilização mais eficiente e eficaz dos recursos
individuais, organizacionais, sociais e ambientais.
8. POR QUE A PREOCUPAÇÃO COM ÉTICA E RESPONSABILIDADE
SOCIAL?
Se o sistema de valores sempre orientasse as organizações para o benefício dos
clientes, funcionários e fornecedores, ou para a proteção do ambiente e dos
recursos naturais, não seria necessário estabelecer multas e punições
precisamente para forçar a obediência a esses comportamentos. No entanto, a
sociedade vê-se obrigada a criar o Código de Defesa do Consumidor, ou a Lei de
Proteção dos Mananciais.
8.1 DEFESA DO CONSUMIDOR
O Código de Defesa do Consumidor nasceu como resposta da sociedade aos
danos, voluntários ou involuntários, provocados pelos fornecedores de produtos
e serviços. Mau atendimento, produtos inseguros para crianças e adultos,
descumprimento de promessas e falha ou atraso na entrega de produtos são
problemas que não contavam com legislação específica para a defesa do
consumidor. O Código surgiu para evitar esses e inúmeros outro problemas,
desde a informação falsa na propaganda até a falta de peças para os automóveis
que saem de linha.
A desobediência ao Código, como a qualquer outro tipo de legislação, pode
acarretar sérios transtornos para a empresa. Desde os custos de não qualidade até
a possibilidade de ações legais, passando pela perda de clientes e projeção de má
imagem, são inúmeros os motivos para que as empresas prestem atenção ao
código.
8.2 DEFESA DO AMBIENTE
A proteção do ambiente é motivada pelas mesmas razões da defesa do
consumidor. Há inúmeros dispositivos legais que estabelecem regras
para o comportamento em relação ao ambiente, bem como punições em
caso de desrespeito.
Da mesma forma como aconteceu com a defesa do consumidor, a
proteção do ambiente passou para a esfera legal. Além disso, não há
empresa preocupada com sua imagem que queira parecer de alguma
forma irresponsável nesse aspecto.
9. CÓDIGOS DE ÉTICA
A visão convencional de que a missão das empresas é exclusivamente
obter lucro vem sendo substituída pela idéia de cidadania empresarial –
o que significa que as empresas devem ter papel ativo na busca de
soluções para problemas da sociedade.
Para orientar suas ações sociais e definir suas políticas de
responsabilidade social, muitas empresas implantaram códigos de ética.
Códigos de ética são conjuntos de normas de conduta que procuram
oferecer diretrizes para decisões e estabelecer a diferença entre certo e
errado.
9.1 CREDO DA JOHNSON AND JOHNSON
Acreditamos que nossa primeira responsabilidade seja com os
médicos, enfermeiros e pacientes, com as mães e todos os que
usam nossos produtos e serviços.
Devemos esforçar-nos continuamente para reduzir nossos custos e
manter preços razoáveis.
Os pedidos dos clientes devem ser atendidos prontamente e com
exatidão.
Nossos fornecedores e distribuidores devem poder obter lucro
razoável.
Temos responsabilidade em relação a nossos empregados, os
homens e mulheres que trabalham conosco em todo o mundo.
Eles precisam ter sentido de segurança em seus empregos.
A remuneração deve ser justa e adequada, e as condições de
trabalho devem ser higiênicas, organizadas e seguras.
Os empregados devem sentir-se à vontade para fazer sugestões e
recomendações.
As oportunidades devem ser iguais para todos, no que diz respeito
ao emprego, desenvolvimento e avanço profissional.
Nossa responsabilidade final é para com nossos acionistas.

O que é Ética e Moral:
No contexto filosófico, ética e moral possuem diferentes significados. A ética está
associada ao estudo fundamentado dos valores morais que orientam o comportamento
humano em sociedade, enquanto a moral são os costumes, regras, tabus e convenções
estabelecidas por cada sociedade.
Os termos possuem origem etimológica distinta. A palavra “ética” vem do Grego
“ethos” que significa “modo de ser” ou “caráter”. Já a palavra “moral” tem origem no
termo latino “morales” que significa “relativo aos costumes”.
Ética é um conjunto de conhecimentos extraídos da investigação do comportamento
humano ao tentar explicar as regras morais de forma racional, fundamentada, científica
e teórica. É uma reflexão sobre a moral.
Moral é o conjunto de regras aplicadas no cotidiano e usadas continuamente por cada
cidadão. Essas regras orientam cada indivíduo, norteando as suas ações e os seus
julgamentos sobre o que é moral ou imoral, certo ou errado, bom ou mau.
No sentido prático, a finalidade da ética e da moral é muito semelhante. São ambas
responsáveis por construir as bases que vão guiar a conduta do homem, determinando o
seu caráter, altruísmo e virtudes, e por ensinar a melhor forma de agir e de se
comportar em sociedade.
O que é Ética Empresarial:
A ética empresarial é o ramo da ética diretamente ligado às empresas, que é referente
à conduta ética das empresas, ou seja, à forma moralmente correta com que as
empresas interagem com o seu meio envolvente.
A ética em si é referente à teoria da ação justa e moral, tendo frequentemente um
significado equivalente ao da filosofia moral. A ética também tem como função
descobrir as concepções dominantes da moralidade e a origem desta. O núcleo
fundamental da ética descritiva é a análise da experiência moral (consciência moral,
dever, responsabilidade, decisão, etc) e dos tipos de ação que correspondem aos
diversos valores particulares (ética do trabalho, da intenção, da responsabilidade, do
êxito, etc.).
Da mesma forma que a ética estabelece as leis que determinam a conduta moral da vida
pessoal e coletiva, a ética empresarial determina a conduta moral de uma empresa, seja
ela pública ou privada.
A ética empresarial fortalece uma empresa, melhorando a sua reputação e tendo
também um impacto positivo nos seus resultados. Uma empresa que cumpra
determinados padrões éticos vai crescer, e vai favorecer a sociedade, os seus
fornecedores, clientes, funcionários, sócios e até mesmo o governo. A ética empresarial
é uma prática essencial de uma empresa, assim como a responsabilidade social e
responsabilidade sócio-ambiental.
Um dos grandes benefícios da ética empresarial é que ela é reconhecida e valorizada
pelo cliente, sendo estabelecida uma relação de confiança. Essa relação, baseada na
satisfação do cliente, vai originar lucro para a empresa, ajudando a que ela cumpra os
seus objetivos. No entanto, a confiança com o cliente é uma coisa que demora algum
tempo a conseguir, e pode ser perdida com algum erro cometido a nível empresarial.
A ética empresarial é a razão de ser de uma empresa, e as empresas que não funcionam
de forma ética, por exemplo, tentando ganhar dinheiro fácil enganando os clientes,
estão condenadas ao fracasso.
Ética empresarial e Responsabilidade Social
As empresas de sucesso e em crescimento são empresas que têm uma forte noção de
responsabilidade social, criando muitas vezes programas para essa área. A
responsabilidade social é um fruto do comportamento ético, e demonstra que a empresa
se importa, que é solidária e que não tem medo de se comprometer com causas sociais.
Assim, ética e responsabilidade social muitas vezes andam de mãos dadas, e são uma
estratégia de expansão de negócios