You are on page 1of 7

O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização 1

Integrar os resultados da auto avaliação da BE no relatório de avaliação da escola a apresentar à IGE.

Modelos de avaliação/processos de interacção e de
intersecção

O modelo de auto-avaliação da BE deve estar integrado no
modelo de avaliação interna da escola e deve contribuir para a
avaliação externa da escola (feita pela Inspecção Geral de
Educação).

O Ministério da Educação (ME) está a aplicar um processo de avaliação externa a todos os estabelecimentos públicos
de ensino, realizado pela Inspecção-Geral de Educação (IGE).
Este processo baseia-se num Quadro de Referência, operacionalizado pelas equipas da IGE que se propõem avaliar
cada escola, de 4 em 4 anos, tendo por finalidade a melhoria das escolas.
Constatando a diversidade de modelos de auto-avaliação de cada escola, a IGE definiu um conjunto de campos e
tópicos de análise [http://www.min-edu.pt/outerFrame.jsp?link=http%3A//www.ige.min-edu.pt/] comuns que visam
uniformizar e facilitar às escolas a preparação da sua apresentação à equipa de avaliação externa, assim como a
composição do texto que lhe serve de suporte e fundamentação.
Articulando os “Campos de Análise de Desempenho da escola” com os cinco domínios do “Quadro de Referência para
a Avaliação de Escolas e Agrupamentos” elaborados pala IGE, verificamos que a auto-avaliação da escola deve
salientar os seguintes aspectos:

1
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização 2

- Contexto e caracterização da escola

- Projecto Educativo: prioridades e metas de desenvolvimento
- Organização e Gestão da escola: estratégias pedagógicas e de gestão para alcançar os
objectivos e metas definidos; liderança
- Ligação à comunidade/Prestação de Serviço Educativo
- Resultados obtidos
- Reflexão sobre os resultados: identificação de constrangimentos e desafios a enfrentar;
capacidade de auto-regulação e de melhoria da escola, através do processo de auto-avaliação

Se quisermos estabelecer um paralelismo, podemos facilmente encontrar pontos de contacto entre estes tópicos que
devem ser analisados pela escola no processo de auto-avaliação e a auto-avaliação da BE, pois os quatro domínios
do Modelo de Auto-Avaliação da BE enquadram-se nestes tópicos: os Domínios A, B e C devem reflectir a integração
do Plano de Acção da BE no Projecto Educativo da Escola e revelar evidências da sua ligação à comunidade e da sua
contribuição para a boa prestação de serviço educativo pela escola. O domínio D deve apresentar evidências de uma
gestão dos recursos materiais e humanos da BE e de uma organização dos serviços, integradas na gestão da escola,
ou seja, a gestão da BE deve contribuir para alcançar objectivos e metas da escola.

2
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização 3
Reconhecendo-se que:

- a acção da BE deve articular-se com a missão e prioridades da escola, conduzindo à melhoria contínua dos
resultados e ao sucesso escolar;

- a finalidade da auto-avaliação da BE é melhorar a qualidade do seu serviço e revelar o seu contributo e
impacto no ensino e na aprendizagem;

- os resultados da avaliação têm de ser comunicados e integrados nos restantes processos de avaliação da
escola;

- o Modelo de Auto-Avaliação da BE deve ser validado externamente;

Apresenta-se uma tabela com a intersecção de três documentos:

- o quadro de referência para a avaliação das escolas e agrupamentos da IGE (coluna 1);
- os tópicos descritores dos campos de análise para a auto-avaliação das escolas, a apresentar à IGE (coluna 2)
- os domínios/subdomínios e respectivos indicadores do Modelo de auto avaliação da BE (coluna 3).

Acrescentou-se ainda o conjunto de instrumentos para recolha de evidências, para facilitar o trabalho de planificação
e de concretização da recolha de informação desde o início do ano lectivo. Assinala-se assim a importância da recolha
de evidências realizada de forma regular e sistemática.

3
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização 4

4
Inspecção-Geral de Inspecção-Geral de Educação Rede de Bibliotecas Escolares
Educação

QuadroO de
Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização 5
Referência para a Tópicos descritores dos Modelo de Auto-Avaliação Instrumentos de recolha de
avaliação de campos de análise para a evidências Modelo de Auto-
apresentação da escola Domínios / Indicadores Avaliação
Escolas e
Agrupamentos

1.Contexto e caracterização
geral da escola

1.1 Contexto físico e social D.1.1. Integração/Acção da BE na
escola/agrupamento (O plano de
Ficha de Perfil da Biblioteca Escolar (1.; 1.4;
desenvolvimento da BE acompanha, em
1.5)
termos de acção estratégica, o projecto
educativo da Relatório - Caracterização da Amostra
escola e outros projectos.

O plano anual de actividades da BE
relaciona-se, em termos de objectivos
operacionais, com o apoio ao currículo,
com o plano anual de
actividades da escola e com outros
projectos)

D.3.1 Planeamento/ gestão da colecção de
acordo com a inventariação das
necessidades
curriculares e dos utilizadores da
escola/agrupamento
1.2 Dimensão e condições D.2.3. Adequação da BE em termos de • Documentos caracterizadores da BE
espaço às necessidades da (plantas, equipamentos, etc.)
físicas da escola • Registos de observação do
escola/agrupamento. funcionamento
• Questionário aos professores (QP3)
• Questionário aos alunos (QA4)

1.3 Caracterização da D.1.3. Resposta da BE às necessidades da
população discente escola/agrupamento
Ficha de Perfil da Biblioteca Escolar (1.; 1.4;
1.5)
D.3.2 Adequação dos livros e de outros
recursos de informação (no local e online)
às necessidades curriculares e aos
interesses dos 5
utilizadores na escola/agrupamento.
1.4 Pessoal docente D.2.1 Liderança do professor bibliotecário na • Autoavaliação do/a professor/a
coordenador/a (CK1)
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização 6

6
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: 7
metodologias de operacionalização
Bibliografia

 QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

Inspecção-Geral da Educação. ME. Disponível em http://www.min-
edu.pt/outerFrame.jsp?link=http%3A//www.ige.min-edu.pt/

 TÓPICOS PARA APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

Inspecção-Geral da Educação. ME. Disponível em http://www.min-
edu.pt/outerFrame.jsp?link=http%3A//www.ige.min-edu.pt/

 MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES

Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. ME. Disponível em http://www.rbe.min-
edu.pt/np4/427.html

7