You are on page 1of 80

FACULDADE DE TEOLOGIA DA IGREJA METODISTA

DONS E MINISTÉRIOS
uma estrutura organizacional que
visa a realizar a missão de Deus





por



Paulo Dias Nogueira









Trabalho apresentado à Congregação da Faculdade de Teologia como requisito para
conclusão do Curso de Bacharel em Teologia
São Bernardo do Campo, outubro de 1994

2












A comissão tendo examinado o presente
Trabalho Final de Curso, o considera

_________________



_______________________
Prof. Clovis Pinto de Castro
Orientador


_______________________
Prof. José Carlos de Souza


_______________________
Prof. Hélerson Bastos Rodrigues




3





DEDICATÓRIA

À minha querida esposa Valéria Aparecida dos
Santos Nogueira, que com muito carinho e
compreensão compartilhou comigo os momentos
difíceis de minha formação teológico-pastoral. A
você todo o meu amor e gratidão pela amizade,
paciência, tolerância, companheirismo e
colaboração em momentos de necessidade.
“As muitas águas não poderão apagar o nosso
amor, nem os rio afogá-lo”. Ct 7.8
Aos meus pais, Gildo Nogueira e Maria Dias
Nogueira, pelo carinho com que me educaram.
Sou grato por todo o vosso amor e apoio. A
vocês todo o meu amor e admiração.
Às minhas irmãs, Patrícia, Perla e Priscila, pelo
apoio e incentivo dispensados nestes anos.


4




AGRADECIMENTOS

A Deus...
... pelo privilégio concedido ao me vocacionar
para o ministério pastoral;
... pelo sustento que me propiciou nestes anos de
formação.
À Igreja Metodista na Quinta Região
Eclesiástica, que possibilitou minha vinda à
Faculdade de Teologia.
Ao meu orientador, professor Clovis Pinto de
Castro, pela disponibilidade e amizade.
Aos leitores, professor José Carlos de Souza e
professor Hélerson Bastos Rodrigues pelas
sugestões e orientações dispensadas.
À Rosilei Mantovani amiga e digitadora destas
páginas.


5




ÍNDICE

Introdução ...................................................................................................................
Capítulo 1
Dons e Ministérios - Uma Igreja que busca realizar a Missão de Deus .....................
1. “De olho no retrovisor” ..........................................................................................
1.1. Uma missão norte-americana..........................................................................
1.2. Em busca de autonomia ..................................................................................
1.3. Em busca de uma estrutura organizacional comprometida com a Missão .....
1.4. Planos Quadrienais 1974 e 1978; Plano para a Vida e a Missão da Igreja ....
1.4.1. Missão e Ministério (Plano Quadrienal 1974-1978) ............................
1.4.2. Unidos pelo Espírito, Metodistas evangelizam (Plano Quadrienal
1979-1982) ....................................................................................................
1.4.3. Plano para a Vida e a Missão da Igreja - 1982 .....................................
1.4.4. As práticas de algumas Igrejas .............................................................
Capítulo 2
Dons e Ministérios - A Bíblia e a História como fontes inspiradoras .......................
1. Dons e Ministérios na Bíblia .................................................................................
1.1. Paulo e a organização em Dons e Ministérios ................................................
1.1.1. Definição das fontes paulinas ...............................................................
1.1.2. O uso da palavra dom (charisma) .........................................................
1.1.3. O uso das palavras Ministério e Ministro ............................................
1.1.4. A estrutura carismática da eclesiologia paulina ...................................
1.1.4.a. As listas dos carismas em Paulo ..............................................
07

10
11
11
13
15
18
19

21
24
29

32
33
35
35
36
39
43
45

6
1.1.4.b. O carisma como “estrutura estruturante da comunidade” ........
1.1.4.c. Instruções paulinas à igreja de Corinto ....................................
2. Dons e Ministérios na História da Igreja Cristã ....................................................
2.1. Dons e Ministérios na Reforma Protestante ...................................................
2.1.1. O povo participa ativamente do culto ...................................................
2.1.2. Tradução da Bíblia para o alemão ........................................................
2.1.3. O lar como espaço para a instrução religiosa .......................................
2.1.4. A igualdade dos cristãos diante de Deus. Todos são sacerdotes ..........
2.2. Dons e Ministérios no Movimento Wesleyano do século XVIII ....................

Capítulo 3
Dons e Ministérios - Uma estrutura organizacional participativa e missionária .......

Conclusão ...................................................................................................................

Bibliografia ................................................................................................................


47
50
52
53
55
56
56
57
60


65

75

77










7




INTRODUÇÃO

A Igreja Metodista tem por princípio administrativo reunir-se periodicamente
em concílios, para tratar de assuntos referentes à sua vida e missão. Os concílios são
"órgãos jurisdicionais",
1
e constituem-se em três, a saber: Concílio Geral, Concílio
Regional e Concílio Local. O Concílio Geral é considerado "órgão superior de
unidade da Igreja e suas funções são legislativas, deliberativas e administrativas".
2

No mês de julho de 1987, a Igreja Metodista se reuniu na cidade de São
Bernardo do Campo (SP), para realizar o seu XIV Concílio Geral. Concílio este que
tomou algumas decisões visando a organizar a igreja em Dons e Ministérios, uma
sistemática que optou, explicitamente, por um novo modelo de igreja.
No texto "Dons e Ministérios: Espiritualidade e Serviço", vemos os Bispos
relembrarem algumas das decisões deste XIV Concílio Geral.

O Concílio Geral da Igreja Metodista em 1987 tomou
algumas decisões visando organizar a Igreja em Dons e
Ministérios. a) Reafirmou o princípio conciliar para todos
os níveis, inclusive igreja local e a descentralização do
poder; b) a igreja local deixou de ser vista como uma
unidade institucional, e sim como "Comunidade de fé"; c)
enfatizou o sacerdócio universal de todos os crentes e a
necessidade de todos se envolverem na Missão; d)
reafirmou o conceito de Igreja e Missão percebida nos

1
IGREJA METODISTA, Cânones 1992, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, 1992, p. 16.
2
Idem, p. 163 (artigo 54).

8
últimos anos e presente no "Plano para a vida e a missão da
Igreja"; e) reafirmou a unidade da Igreja e o princípio
Metodista de conexionalidade.
A igreja local é, assim, desafiada a dar oportunidades iguais
a seus membros, de modo que expressem seus dons através
de serviços prestados à comunidade e circunvizinhanças.
Esse é o objetivo da Igreja de Dons e Ministérios. Dons que
habilitam para o serviço, práticas que correspondam ao
evangelho que é pregado. Com isso, surge uma exigência
de maior liberdade de organização, a fim de utilizar os dons
presentes nas comunidades, e a fim de atender às
necessidades de serviço ao povo.
3


Este Concílio Geral (1987), no que compete à sua capacidade de legislar,
4

procurou ser mais enfático no que diz respeito à participação do laicato nos diferentes
ministérios, colocando entre os deveres dos membros:

7. Reconhecer seu chamamento como ministro de Deus
para as diversas áreas da missão.
8. exercer seu ministério participando dos serviços da Igreja
Metodista e da Comunidade.
5

Continuando a analisar os Cânones da Igreja Metodista, aprovados pelo XIV
Concílio Geral, vemos que um grupo é reconhecido como Igreja, entre outras coisas,
"no exercício de Dons e Ministérios do Espírito Santo" (art. 121 b); compete ao
Concílio Local “reconhecer os dons das pessoas que se apresentam para exercê-los
nos ministérios da Igreja Local" (art. 128, nº 21); sendo que “o trabalho desenvolvido
nas Igrejas Locais toma a forma de ministérios por ela reconhecidos" (art. 135). Este
Concílio Geral estabeleceu a organização da Igreja Local, tendo como ponto de
partida os dons concedidos pelo Espírito Santo, os ministérios de seus membros e as
necessidades do serviço na comunidade.
Ao afirmarmos que, em 1987 (no Concílio Geral), a Igreja Metodista optou por
um novo modo de ser igreja, ou seja, uma igreja organizada em "Dons e Ministérios",

3
COLÉGIO EPISCOPAL, "Dons e Ministérios: Espiritualidade e Serviço", in: Igreja: Comunidade
Missionária a serviço do Povo, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, 1991, p. 13-14.
4
IGREJA METODISTA, op. cit., p. 163.
5
Idem, p. 130.

9
não estamos querendo dizer que esta opção tenha sido algo instantâneo ou mágico.
Por isso, este trabalho procura mostrar que esta decisão (opção) não aconteceu por
acaso.
O primeiro capítulo indica que esta decisão é conseqüência da luta da Igreja
Metodista brasileira por tornar-se “verdadeiramente” autônoma da Igreja Metodista
Episcopal do Sul. E também que ela tem suas raízes mais fortes nos planos
quadrienais de 1974 e 1978 e, principalmente, no Plano para a Vida e a Missão da
Igreja de 1982.
O segundo capítulo apresenta a Bíblia e a História da Igreja Cristã como fontes
inspiradoras deste novo modelo organizacional. A releitura da Bíblia e da História é
apresentada como sendo uma das motivações que levou a Igreja Metodista a optar por
Dons e Ministérios em 1987.
O terceiro capítulo apresenta Dons e Ministérios como uma estrutura
organizacional participativa e missionária. A Igreja, que se organizara por muito
tempo dentro de uma estrutura excessivamente burocrática de manutenção, optou em
1987 por uma estrutura organizacional mais flexível e condizente com sua proposta
ministerial.








10



CAPÍTULO I

"DONS E MINISTÉRIOS"
uma igreja que busca realizar a missão de Deus

Ao afirmarmos que, em 1987 (no Concílio Geral), a Igreja Metodista optou por
um novo modo de ser igreja, ou seja, uma igreja organizada em "Dons e Ministérios",
não estamos querendo dizer que esta opção tenha sido algo instantâneo ou "mágico".
6

Podemos afirmar, sim, que as decisões tomadas neste concílio (1987), principalmente
no que se refere ao movimento "Dons e Ministérios", são resultantes "de um longo
processo de avanços e retrocessos, que tem suas raízes mais fortes nos Planos
Quadrienais de 1974 e 1978 e, principalmente, no Plano para a Vida e a Missão da
Igreja de 1982".
7

Se queremos entender o movimento "Dons e Ministérios” da Igreja Metodista
brasileira, não devemos nos limitar apenas na análise das decisões do XIV Concílio
Geral. Devemos, sim, dar crédito à história da Igreja Metodista no Brasil,
principalmente no que diz respeito à sua luta por tornar-se "verdadeiramente"
autônoma da Igreja Metodista Episcopal do Sul, procurando, assim, criar uma

6
Termo utilizado pelo professor Clovis Pinto de Castro em sua dissertação de mestrado. Vejamos o que
ele nos diz: "Na verdade, essa opção não pode ser vista como algo mágico". Ele refere-se à opção por
Dons e Ministérios feita pelo XIV Concílio Geral da Igreja Metodista.
7
CASTRO, Clovis Pinto de, Igreja Metodista: Ação pedagógica do Colégio Episcopal na implantação
de um novo modelo de Igreja organizada em Dons e Ministérios (1987-1991), Piracicaba, Unimep,
1992, p. 23. (Dissertação de Mestrado).

11
estrutura organizacional que respondesse à sua realidade de Igreja brasileira. Outro
ponto fundamental (que não trataremos neste trabalho) é que Dons e Ministérios
surgiu na década de oitenta, em meio a um contexto político bem diferente do
anterior. O crescimento do partido dos trabalhadores, o projeto Nova República, a
mobilização popular em torno do movimento das “diretas já” e a instalação do
Congresso Nacional Constituinte foram fatores que certamente influenciaram o
surgimento de um projeto de igreja mais democrática, participativa e descentralizada.
Para se falar de "Dons e Ministérios", devemos estar com os "olhos no retrovisor ", ou
seja, estarmos olhando para o que já se passou.


1. "DE OLHO NO RETROVISOR"
Um breve histórico do metodismo no Brasil

1.1. Uma missão norte-americana
O Metodismo chegou ao Brasil como fruto das missões da Igreja Metodista
norte-americana. Vejamos um breve resumo feito pelo professor Reily:

A primeira tentativa de vinda e fixação do Metodismo ao
Brasil, naufragou diante da grande recessão econômica nos
Estados Unidos, a qual inviabilizava a manutenção da
pequena missão. Só depois da guerra civil americana é que
os metodistas vieram para ficar. O primeiro núcleo
metodista foi montado em Santa Bárbara D'Oeste, interior
de São Paulo, onde , através de trabalho do Rev. Junias
Gastham Newman, foi organizada uma paróquia Metodista
entre norte-americanos que para ali tinham imigrado após a
guerra. Por solicitação destes imigrantes vieram
missionários metodistas para trabalhar junto aos brasileiros,
utilizando o nosso idioma. O primeiro a chegar foi o Rev. J.

12
J. Ransom. A Igreja Metodista no Brasil tem se destacado
pelo seu trabalho educativo. A primeira de suas escolas foi
fundada em 1881 em Piracicaba por miss Martha Hit Watts,
gerando, com o crescimento, a atual “UNIMEP.
8


Durante os anos de 1867 à 1930 (sessenta e três anos) o território brasileiro foi
considerado campo missionário da Igreja Metodista dos Estados Unidos. “A obra
missionária era desenvolvida sob o domínio quase absoluto da presença e ação dos
missionários nos pontos chave e de poder da Igreja”.
9

A estrutura organizacional e administrativa montada pelos missionários era uma
cópia fiel do modelo utilizado na igreja norte-americana.
O metodismo era na realidade uma micro-sociedade, onde havia todos os
componentes necessários para a construção de uma nova vida cultural, era uma
extensão da sociedade norte-americana. Toda a ideologia apresentada aos brasileiros
serviu para conduzí-los a “uma profunda admiração e dependência do sistema
político-social norte-americano, e a um total alheamento da cultura e realidade
brasileiras”.
10
Esta mentalidade norte-americana fez com que o metodista brasileiro
fosse indiferente à sua própria cultura; “sacralizando”, assim, o modo de viver destes
missionários.

Os missionários não hesitaram em pressionar e mandar de
volta colegas que não concebiam a missão como o
prolongamento dos usos e costumes americanos no Brasil.
Dentre eles eu cito dois: - o pioneiro do metodismo no
Brasil, que foi o rev. Ranson, foi pressionado a ir embora,
precisamente por este motivo; e mais tarde o rev. Lee.
11


8
REILY, Duncan Alexander, Igreja Metodista em 3 Tempos, Folheto distribuído pela Pastoral
Universitária do Instituto Metodista de Ensino Superior, São Bernardo do Campo, sd. Para um melhor
aprofundamento deste assunto, ler: SALVADOR, José Gonçalves, História do Metodismo no Brasil,
São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, 1982.
9
OLIVEIRA, Clory Trindade, Cem anos de Igreja Metodista do Brasil, in: Situações Missionárias na
História do Metodismo, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista/Editeo, 1991, p.26.
10
Idem, p. 27.
11
Transcrição da palestra apresentada na 43ª Semana Wesleyana, na Faculdade de Teologia da Igreja
Metodista, pelo professor Peri Mesquida, com o tema: “Estruturas Práticas do Poder na Igreja
Metodista: da Inglaterra até o Brasil”, realizada em 25 de maio de 1994, às 14.00 horas, no Salão de

13
Durante este período o metodismo brasileiro era totalmente submisso à Igreja
Metodista norte-americana.

1.2. Em busca de autonomia
12

Num esforço para tornar a Igreja Metodista no Brasil, ou melhor, Igreja
Metodista Episcopal do Sul no Brasil, em Igreja independente da Igreja Metodista
norte-americana (ou seja, Igreja Metodista Episcopal do Sul), acontecerão três
conferências em 1929 (divididas por região), de onde sairá uma proposta de
autonomia da Igreja brasileira. Queria-se que:

as conferências anuais do Brasil fossem organizadas em
Igreja autônoma, para que, tendo plena liberdade de se
desenvolver como instituição nacional continuasse,
contudo, em união com a Igreja Metodista Episcopal do
Sul.
13

A Igreja Metodista Episcopal do Sul (em sua conferência Geral, reunida em
maio de 1930 na cidade de Dallas, Texas, Estados Unidos da América), após ter
estudado a proposta enviada pela Igreja no Brasil, aprovou-a decretando assim a
autonomia da mesma.

Leitura da Faculdade de Teologia. Para um maior aprofundamento desta questão, pesquisar:
MESQUIDA, Peri, Hegemonia Norte-Americana e Educação Protestante no Brasil, Juiz de Fora/SBC,
UFJF/Editeo, 1994.
12
Este é um tema um tanto quanto vasto e complexo, que não queremos problematizar neste trabalho.
Nos restringiremos a apresentar este acontecimento histórico a partir da análise dos seguintes textos: 1-
IGREJA METODISTA, Cânones 1992, op. Cit., p. 9; 2- OLIVEIRA, Clory Trindade, Estrutura
organizacional e administrativa do Metodismo (1965-1982), in: Caminhando, Revista da Igreja
Metodista, São Bernardo do Campo, 1982, p. 35-46; e 3- SILVA, Geoval Jacinto da, Buscando situar-
se na Missão Hoje, in: Situações Missionárias na História do Metodismo, São Bernardo do Campo,
Imprensa Metodista/ Editeo, 1991, p. 49-55. Para um estudo mais aprofundado e crítico sobre este
assunto, ler: 1- JOSGRILBERG, Rui de souza, O movimento da autonomia. Perspectiva dos nacionais,
in: História, Metodismo, Liberações, São Bernardo do Campo, Editeo, 1990, p. 92-133; 2- REILY, D.
A., Metodismo Brasileiro e Wesleyano, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, 1981, p. 21-46;
3- ROCHA, Isnard, Histórias da história do Metodismo no Brasil, São Bernardo do Campo, Imprensa
Metodista, sd, p. 129-142.
13
IGREJA METODISTA, Cânones 1992, op. cit, p. 9.

14
Ainda que a Igreja Metodista do Brasil tenha se tornado autônoma com respeito
à Igreja Metodista Episcopal do Sul, ela continuará a organizar-se como um reflexo da
estrutura norte-americana.

A estrutura com a qual se organiza o metodismo autônomo
no Brasil é a mesma, com pequenas modificações, usada
pelo metodismo norte-americano conforme estabelecida na
sua disciplina (cânones) de 1922.
14

A Igreja que recebeu sua autonomia em 1930 continuou ainda sendo dirigida por
um bispo americano aposentado, que seguia a legislação da Igreja norte-americana.
“Só em 1934 é que surge uma legislação da Igreja brasileira e a eleição do primeiro
bispo nacional”.
15

No decorrer dos trinta e cinco anos após a autonomia (1930-1965), a Igreja
Metodista do Brasil vai amadurecendo sua autonomia, embora recebendo uma
influência muito grande da Igreja norte-americana.
A forma organizacional da Igreja brasileira durante estes anos é descrita pelo
professor Clory Trindade, da seguinte maneira:

A estrutura organizacional e administrativa implantada no
metodismo autônomo era uma estrutura de manutenção e
não missionária, isto é, a estrutura representava uma
maquinária pesada exigindo cuidados permanentes e
recursos crescentes, desviando a dinâmica do trabalho da
evangelização e ação social. A necessidade da jovem Igreja
Metodista no Brasil era de ordem missionária e não de
manutenção.
16



14
OLIVEIRA, Clory Trindade, Estrutura Organizacional e Administrativa do Metodismo (1965-1982),
in: Caminhando, Revista Teológica da Igreja Metodista, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista,
1982, p.36.
15
SILVA, Geoval Jacinto da, Buscando situar-se na Missão Hoje, in: Situações missionárias na história
do metodismo, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista/Editeo, 1991, p. 49.
16
OLIVEIRA, Clory Trindade, Estrutura Organizacional e Administrativa do Metodismo (1965-1982),
op. cit., p.36.

15
1.3. Em busca de uma estrutura organizacional comprometida com a missão.
Em 1965, a Igreja Metodista do Brasil revelava os primeiros sinais de uma
Igreja a caminho de sua plena autonomia. No Concílio Geral deste ano se farão
algumas alterações na carta constitucional, em relação a 1960, principalmente nas
sessões: das ordens, do ministério, do episcopado, das responsabilidades morais e
administrativas. Podemos dizer que este concílio refletiu um pouco da crise que o país
enfrentava, com as conseqüências da Revolução de 1964. O Bispo Paulo Ayres nos
apresenta, ainda que sucintamente, uma análise de conjuntura da Igreja Metodista do
final dos anos cinqüenta e anos sessenta, destacando os seguintes aspectos ocorridos:

... incidente (não devidamente explicado) da renúncia do
bispo César em 1955, a pressão para o estabelecimento de
novas regiões (em parte devida ao regionalismo xenófobo
crescente na Igreja), a crise na Faculdade de Teologia em
1962 (exoneração do reitor Natanael I. do Nascimento;
eleição e renúncia do professor Almir dos Santos), a
esquerdização do movimento da juventude Metodista (“ser
cristão é ser da esquerda” Richard Shaull), o movimento da
direita denominado “Esquema” em 1965, os impasses do
Concílio Geral de 1965.
17

O Concílio Geral de 1970 vai receber o impacto de todas estas crises. O Rev.
Clory Trindade diz o seguinte: “O Concílio Geral de 1970/71 é o mais tumultuado da
história do metodismo no Brasil. Pela primeira vez um Concílio é suspenso, voltando
sua continuidade seis meses após, em janeiro de 1971”.
18
Já o professor Geoval
Jacinto da Silva (atual bispo da 3ª Região Eclesiástica) nos diz o seguinte com
respeito à década de setenta: “A década de setenta surge como esperança e
possibilidade de articular e elaborar as bases para uma igreja que esteja comprometida
com a missão”.
19


17
MATTOS, Paulo Ayres, A Questão da unidade Metodista (ou da Unidade que temos à Unidade que
precisamos), in: Luta pela Vida e Evangelização, São Paulo, Paulinas, 1985, p. 299.
18
OLIVEIRA, Clory Trindade, Estrutura Organizacional e Administrativa do Metodismo (1965-1982),
op. cit., p.37.
19
SILVA, Geoval Jacinto da, Buscando situar-se na Missão Hoje, op. cit., p. 50.

16
Como vimos até agora, a Igreja Metodista no Brasil viveu por muito tempo
organizada dentro de uma estrutura proposta pelo metodismo norte-americano. A
década de setenta é considerada a década de mudanças (podemos dizer, mudanças
“radicais”). A Igreja enfatiza mais a missão, e por isso quer deixar a estrutura de
manutenção e organiza-se numa estrutura missionária. Uma estrutura que permita
responder ao chamado de Deus, para a implantação de Seu Reino no mundo, e em
particular na América Latina.
Esse Concílio Geral (1970/71) promoveu grandes modificações no que diz
respeito à estrutura organizacional e administrativa da Igreja Metodista. Se
compararmos esta nova estrutura aprovada com a antiga (1930-1965), veremos quão
profundas foram estas modificações.
20
O objetivo maior destas modificações era o de
construir uma estrutura organizacional e administrativa que fosse mais brasileira.
Pensava-se que, com o abrasileiramento da estrutura, seria possível exercer-se o
verdadeiro papel da Igreja, que é promover a Missão de Deus.
Uma das coisas que se pretendia alcançar com estas modificações era a de
“enxugar-se a máquina”. Como já dissemos acima, a estrutura norte americana, com a
qual o metodismo brasileiro se organizava, era de manutenção, uma estrutura pesada,
burocrática e sem fins missionários. Tendo em vista “enxugar” um pouco a máquina,
esse Concílio Geral (1970/71) aprovou a eliminação de “um” dos “cinco” níveis de
estrutura da Igreja. O nível eliminado foi o Paroquial, permanecendo então apenas os
níveis Local, Distrital, Regional e Geral.
Outro ponto que se pretendia era o de dar um espaço maior ao leigo.
Examinando todas as modificações estruturais, nos vários níveis da Igreja, vemos que
“há um processo de laicização do poder”.
21
Alguns órgãos passam a ser dirigidos por

20
Isto pode ser comprovado se compararmos os Cânones de 1970/71 com o anterior.
21
OLIVEIRA, Clory Trindade, Estrutura Organizacional e Administrativa do Metodismo (1965-1982),
op. cit., p.39.

17
leigos, em outros, ainda que não estejam presidindo, eles terão espaço como os
clérigos.
Foi neste Concílio também que a denominação deixou de ser “IGREJA
METODISTA DO BRASIL” passando a ser chamada apenas por “IGREJA
METODISTA”.
Analisando os Cânones da Igreja Metodista de 1971, vemos que uma outra
alteração básica foi a modificação da seção sobre Fins da Igreja, em Missão da
Igreja.
22
O rev. Clory afirma que esta alteração significa que a Igreja passa “de uma
filosofia empresarial, secular, para uma filosofia missionária, de um enfoque
individual para um enfoque mais amplo, de caráter social”.
23

Houve outras modificações tanto na Carta Constitucional quanto nas Leis
Adjetivas, mas não nos referiremos a elas.
24

Podemos afirmar que o Concílio Geral de 1970/71 marcou profundamente o
metodismo brasileiro. Ele apresentou alguns novos rumos para a atuação da Igreja. O
Rev. Clory Trindade nos diz: “A mudança da estrutura organizacional e
administrativa, foi o meio usado para dar forma concreta às aspirações”.
25
A Igreja
Metodista do Brasil por muito tempo aspirava uma Igreja mais brasileira e mais
missionária. Julgava que certas estruturas estavam envelhecidas, e os resultados já não
satisfaziam mais. Este Concílio (1970/71) tornou-se assim o momento de se realizar
essas mudanças aspiradas por muitos.

22
IGREJA METODISTA, Cânones 1971, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, 1971, p. 11.
23
OLIVEIRA, Clory Trindade, Estrutura Organizacional e Administrativa do Metodismo (1965-1982),
idem, p.41.
24
Para um maior aprofundamento com respeito a estas modificações da estrutura organizacional e
administrativa da Igreja, na Carta Constitucional e também nas Leis Adjetivas (todas citadas acima),
ler: OLIVEIRA, Clory Trindade, Estrutura Organizacional e Administrativa do Metodismo (1965-
1982), op. cit. & IGREJA METODISTA, Cânones 1971, São Bernardo do Campo, Imprensa
Metodista, 1971, op. cit., comparando com o Cânones de 1978.
25
OLIVEIRA, Clory Trindade, Estrutura Organizacional e Administrativa do Metodismo (1965-1982),
idem, p.44.

18
Ainda que tenham sido feitas modificações na estrutura organizacional e
administrativa da Igreja Metodista, neste Concílio Geral, “faltava, ainda, um plano
que pudesse aprofundar esse processo”.
26
Nasce então em 1974 o primeiro Plano
Quadrienal, realmente brasileiro, com propostas renovadoras e missionárias.

Desencadeado o processo, com as modificações estruturais,
logo mais a nova filosofia subjacente busca sua expressão,
o que vai acontecer em 1974, com a elaboração do primeiro
plano quadrienal, realmente brasileiro, e que representava
uma nova teologia, numa nova visão missionária,
chamando por mais renovadas formas institucionais. A
missão é a fonte, o reino de Deus é o ponto de chegada, a
libertação e o ministério de todos são a dinâmica, o Brasil e
a sua cultura são o lugar e a forma da missão libertadora do
evangelho de Cristo.
27



1.4. Planos Quadrienais 1974 e 1978; Plano para a Vida e a Missão da Igreja e a
prática de algumas igrejas
Como já vimos, no Concílio Geral de 1974 nasce o primeiro Plano Quadrienal
plenamente brasileiro. Seu título é: “Missão e Ministério”. Seguindo a mesma linha do
plano anterior, o Plano Quadrienal de 1978, com o título: “Unidos pelo Espírito,
Metodistas Evangelizam”, foi aprovado pelo Concílio Geral deste ano (1978). O plano
posterior ao de 1978 foi o de 1982. Um plano que “apesar de dar seqüência aos
Planos Quadrienais, é um documento com características diferentes”.
28

Se afirmamos que “Dons e Ministérios” tem suas raízes mais fortes nestes
documentos,
29
devemos então, neste momento, analisar um pouco a história e o
conteúdo dos mesmos.

26
CASTRO, Clovis Pinto de, op. cit., p. 48.
27
OLIVEIRA, Clory Trindade, Estrutura Organizacional e Administrativa do Metodismo (1965-1982),
idem, p.44.
28
CASTRO, Clovis Pinto de, op. cit., p. 50.
29
Verificar a página 10 deste trabalho.

19

1.4.1. Missão e Ministério (Plano Quadrienal - 1975-1978)
A Igreja Metodista reuniu-se em Concílio Geral nos dias 4 a 14 de julho de
1974, no Instituto Bennett de Ensino, na cidade do Rio de Janeiro. Tal Concílio
aprovou um documento chamado Plano Quadrienal (1975-1978), que trazia o seguinte
título: Missão e Ministério”. O rev. Geoval Jacinto da Silva afirma que “desde o
início dos anos setenta havia uma preocupação por parte do Conselho Geral em
formar um grupo para elaborar um Plano de Trabalho para a Igreja”.
30
Com respeito à
elaboração e aprovação deste Plano Quadrienal, o prof. Clovis faz a seguinte
ponderação:
A elaboração do Plano foi bastante participativa. Houve um
envolvimento de vários setores e segmentos da Igreja. A
sua aprovação no Concílio Geral só aconteceu após quatro
dias de muitas reuniões em grupos, para um estudo mais
aprofundado.
31

Podemos dizer que este Plano Quadrienal é o fruto da vontade da própria Igreja.
Se no Concílio Geral de 1970/71 ela havia aprovado mudanças estruturais na
organização e administração, em 1974 ela irá aprovar um Plano que venha a
aprofundar este processo. A Igreja está em busca de realizar a missão de Deus. Quer
conscientizar seus membros da necessidade de se envolverem na obra missionária. Por
isso, entre outros elementos existentes no Plano, encontramos os seguintes:

Reconhecemos ainda: 1) Que ministério é a Igreja Total,
todos os seus membros; 2) que pastor e membro da igreja
completam-se e completam a Igreja para o desempenho da
sua Missão; 3) Que o ministério pastoral carece de uma
reavaliação...; 4) que o ministério do crente não tem sido
devidamente compreendido pela Igreja como essencial à
Missão, e por isso carece de presença e ação no corpo de
Cristo; 5) que a missão implica em testemunho, nas

30
SILVA, Geoval Jacinto da, op. cit., p. 50.
31
CASTRO, Clovis Pinto de, op. cit., p. 47.

20
diferentes áreas da vida, que indivíduos e grupos dão da
obra de Deus em Jesus Cristo e em apelo para que os
homens participem dessa obra, pela fé, e se comprometam
com ela, sendo para isso equipados pelo Espírito Santo.
32

Após apresentar suas considerações, reconhecendo as necessidades de mudança
da Igreja, teremos algumas propostas apresentadas neste plano. Podemos ver, tanto
nas considerações acima, quanto nas propostas abaixo, que este plano apresenta
realmente o início de um processo, que levaria a Igreja Metodista brasileira a optar,
em 1987, por um modelo de igreja organizada segundo os Dons e Ministérios.
Vejamos as propostas do Plano:

Propomos, portanto: A) Que tudo na Igreja Metodista
(ministérios, instituições educacionais e de serviço, igrejas
locais, congregações, sociedades e grupos e o próprio
patrimônio) passe a existir em função da Missão e do
testemunho cristão, em todas as áreas de ação da Igreja; B)
Que a primeira tarefa da Igreja Metodista., agora, seja a de
despertar o povo de Deus (pastor e laicato) para descobrir o
seu lugar na Missão; C) Que esse despertamento se faça
através do preparo devocional, teológico e doutrinário do
pastor, primeiramente, e a seguir, do laicato (pastor
preparado prepara para a Missão); D) Que todos (Bispo,
pastor e membro da Igreja) zelem para que a Missão se
cumpra fielmente, nas suas respectivas áreas de ação; E)
Que o culto a Deus seja o “momento”, no espaço, para onde
converge o povo e de onde emerge a Missão.
33

Podemos também afirmar que este Plano (1975-1978) tinha uma direção clara,
pois prosseguia rumo a uma igreja mais participativa e ministerial. Tinha como alvo
envolver todos os membros da Igreja (leigos e clérigos) na obra missionária. Vejamos
o que ele diz com respeito a seus objetivos:

O objetivo do presente trabalho é conscientizar-nos do
programa de ação da Igreja, como serva de Jesus Cristo,
para libertar totalmente o Homem, através do poder do
Evangelho, do pecado, do sofrimento, do medo e da morte,

32
IGREJA METODISTA, Conselho Geral, Plano Quadrienal 1975-1978, São Bernardo do Campo,
Imprensa Metodista, 1974, p. 8.
33
Idem, p. 8-9.

21
dando-lhes a paz da fé mediante a nova vida em Cristo
Jesus. Será um guia para a aplicação docente da Igreja nas
igrejas locais, instituições de ensino e outras organizações
que a Comunidade Metodista possui. Orientará o ministério
no exercício da Missão em sua totalidade de leigos e
clérigos. Conscientizará a todos para o alistamento nesta
grande obra ministerial durante o quadriênio e,
futuramente, até o tempo que for da vontade do Senhor.
34

Reconhecemos, tendo em mente principalmente a parte final desta citação, que a
vontade de Deus foi além deste quadriênio (1975-1978), e que este Plano foi apenas o
início de uma nova caminhada. Podemos afirmar que, em 1974, a Igreja Metodista
começa a traçar algumas linhas mestras, que trilhará futuramente. Analisando este
Plano, encontramos claramente a “semente” de onde brotará a opção por Dons e
Ministérios (1987).

1.4.2. Unidos pelo Espírito, Metodistas Evangelizam (Plano Quadrienal
1979-1982)
No ano de 1977 o Conselho Geral
35
constituiu um Grupo de Trabalho para
elaborar o anteprojeto do Plano Quadrienal para o período 1979-1982. O anteprojeto,
elaborado pelo Grupo de Trabalho, foi aprovado pelo Conselho Geral, que o
encaminhou ao XIII Concílio Geral da Igreja Metodista em 1978.
O documento enviado teve “a aprovação do plenário do Concílio Geral da Igreja
Metodista no Brasil, realizado de 23 à 30 de julho na cidade de Piracicaba, estado de
São Paulo”;
36
tendo o seguinte título: Unidos pelo Espírito, Metodistas
Evangelizam.

34
Idem, p. 6.
35
Conforme o artigo 73, 1 dos Cânones da Igreja Metodista de 1974, “compete ao Conselho Geral
formular as linhas de ação, submetidas à aprovação do Concílio Geral”.
36
IGREJA METODISTA, Conselho Geral, Plano Quadrienal 1979-1982, São Bernardo do Campo,
Imprensa Metodista, 1978, p. 3.

22
Após uma pesquisa, reconheceu-se que o Plano Quadrienal de 1975-1978 foi em
seu todo considerado bom. Seguindo então o mesmo pensamento que o Plano anterior,
o Plano Quadrienal de 1979-1982, continuará caminhando rumo a uma Igreja
missionária, onde todos os seus membros (clérigos e leigos) participam desta obra
evangelizante. Continua-se a caminho de uma Igreja ministerial, onde todos são
considerados ministros.
Antes mesmo de expor seus objetivos, o Plano nos apresentará algumas
afirmativas que julga ser importantes. Estaremos citando algumas:

1- O propósito de Deus é salvar o ser humano, concedendo-
lhe nova vida à imagem de Jesus Cristo, integrando-o no
seu reino, através da ação e poder do Espírito Santo, a fim
de que, como Igreja, constitua neste mundo e neste
momento histórico, sinais concretos do Reino de Deus. 2-
A missão da Igreja é participar da ação de Deus nesse
propósito (...) 10- O viver humano, nestes dias, é altamente
condicionado pela técnica, pelo consumismo imediato,
pelos falsos valores do materialismo, pela massificação,
pelo esquema de uma sociedade mercantilista. Sente-se a
imperiosa necessidade de permitir ao ser humano a criação
de situações nas quais ele tenha um confronto com a pessoa
salvadora e libertadora de Jesus Cristo. Urge anunciar uma
notícia boa no meio de tantas más notícias. Urge
evangelizar. (...) 13- Tudo na Igreja Metodista: ministérios,
instituições educacionais e de serviço, igrejas locais,
congregações, sociedades e grupos e o próprio patrimônio,
existe em função da Missão, isto é, do testemunho, serviço
e evangelização. 14- Todos os membros da Igreja pelo fato
de pertencerem ao povo de Deus através do batismo, são
ministros do evangelho. São chamados por Deus,
preparados pela Igreja para, sob a ação do Espírito Santo,
cumprirem a missão, em testemunho, serviço e
evangelização.
37


Somente então, após apresentar estas afirmativas (dentre as quais citamos
apenas algumas), é que serão expostos os objetivos deste Plano. Como veremos, este

37
Idem, p. 13-14.

23
Plano continuará insistindo na conscientização da Igreja em participar plenamente na
obra missionária. Vejamos o objetivo geral do Plano:

Objetivo Geral: orientar o povo metodista na sua vivência
cristã sob a dinâmica do Espírito Santo que, em unidade,
crescimento e serviço, promove a evangelização, em meio à
realidade concreta do mundo.
38

Quando afirmava isto, estava preocupado em levar o povo metodista a alguns
objetivos operacionais, tais como:

1- A compreensão de que a evangelização é uma atitude
natural e necessária de todo o cristão que esteja vivendo a
nova vida em Cristo, vitalizada pela ação poderosa do
Espírito Santo. Isto é o que aprendemos na Palavra de
Deus, especialmente em Atos 2.42-47, 4.32-35, 9.32, entre
muitos outros textos (...) 5- À consciência de que o Espírito
Santo é a presença, o poder e ação na vida da Igreja (...) 9-
À ação evangelizadora e pessoal e comunitária, através dos
mais diversos meios de expressão e comunicação. 10- Ao
conhecimento da problemática social, econômica e cultural
do mundo contemporâneo. 11- À vida de serviço cristão
(...) 13- À reconsagração de todo o povo metodista como
ministros de Deus.
39

Não podemos deixar de reconhecer que neste Plano também encontramos alguns
vestígios de um movimento que culminaria na opção por Dons e Ministérios. Temos
aqui, então, um pequeno desenvolvimento da “semente” lançada pelo Plano
Quadrienal de 1974.


1.4.3. Plano para a Vida e Missão da Igreja Metodista (1982)

38
Idem, p. 16.
39
Idem, p. 16-17.

24
O XIII Concílio Geral da Igreja Metodista foi realizado em Belo Horizonte -
MG, no período de 18 a 28 de julho de 1982, nas dependências do Instituto Isabela
Hendrix. Este Concílio Geral aprovou um documento denominado “Plano para a
Vida e a Missão da Igreja”, reconhecendo ser este um Plano que dava continuidade
aos dois Planos anteriores.
Este Plano (PVMI) surgiu como resultado da Consulta Nacional de 1981. Uma
consulta realizada no Rio de Janeiro, que visava a avaliar a vida e a missão da Igreja, e
que também é reconhecida como o principal evento da celebração de 50º aniversário
da autonomia da Igreja Metodista brasileira. O professor Clovis afirma: “os resultados
desta consulta não agradaram aos setores mais conservadores e carismáticos da Igreja;
por outro lado, marcaram um avanço significativo dos setores mais progressistas da
IM”.
40

Ainda que este Plano (PVMI) seja uma continuidade dos dois Planos anteriores,
ele terá algumas características particulares que o diferenciará dos anteriores.
Um dos pontos que o diferencia dos dois “Planos Quadrienais” anteriores (1974
e 1978) é que este não propõe um programa de ação para um quadriênio, mas sim
apresenta algumas linhas gerais que visam a orientar a ação da Igreja por um período
indeterminado. Na própria introdução deste documento (PVMI), vemos descrito
porquê seria importante aprovar um plano que não se limitasse a um quadriênio:

A experiência do Colégio Episcopal e de vários segmentos
da Igreja Metodista nestes últimas anos indica que o
metodismo brasileiro está saindo da profunda crise de
identidade que abalou nossa Igreja após a primeira metade
da década de sessenta. Estas experiências nos têm mostrado
que a Igreja necessita de um plano geral, que inspire sua
vida e programação, e que não será dentro do curto espaço
de um quadriênio, que corrigiremos os antigos vícios que
nos impedem caminhar. Esse fato esteve claro na semana
da consulta Vida e Missão, e no documento que ela

40
CASTRO, Clovis Pinto de, op. cit., p. 51.

25
produziu. Ao adotarmos aquele documento como a base do
novo plano, estamos propondo ao Concílio não mais um
programa de ação para o quadriênio, mas linhas gerais que
deverão orientar toda a ação da Igreja nos próximos anos,
enquanto necessário, devendo ser avaliado
periodicamente.
41

O rev. Ely Éser Barreto César
42
faz uma introdução do Plano, na segunda sessão
regular do XIII Concílio Geral da Igreja Metodista, onde apresenta como sendo três as
fontes que fundamentam o novo Plano (PVMI).

O documento está fundamentado em três fontes: a) Texto
básico da consulta Vida e Missão, realizada pelo Conselho
Geral como parte das comemorações do Jubileu de Ouro da
autonomia da Igreja Metodista. b) documento enviado pelo
Colégio Episcopal ao Conselho Geral, contendo objetivos,
bases, metas e prioridades para o próximo quadriênio; c)
texto do atual Plano Quadrienal, especialmente a parte
relativa às áreas da Missão e sua estruturação.
43

O “Plano para a Vida e a Missão da Igreja” foi exaustivamente examinado pelo
conciliares, que se dividiram em onze grupos para discutir este documento antes de
levá-lo ao plenário. Ainda que houvesse alguns pontos polêmicos em torno deste
documento, após sofrer algumas alterações em sua redação, foi aprovado pela maioria
do plenário. Vejamos a redação da Ata, no que diz respeito à aprovação deste
documento em 1982:

APROVAÇÃO GLOBAL DO “PLANO PARA A VIDA E
A MISSÃO DA IGREJA”: O presidente declara em ordem,
como matéria para ser aprovada globalmente, depois de
exaustivamente examinada, o “Plano para a Vida e a
Missão da Igreja”. Setenta e oito conciliares votam a favor,
dois, contrariamente e um em branco. Aprovado
(documento nove).
44



41
IGREJA METODISTA XIII CONCÍLIO GERAL, Plano para a Vida e a Missão da Igreja Metodista,
in: Cânones 1992, p. 61.
42
O rev. Ely Éser Barreto César fazia parte do Conselho Geral, e por isso apresentou ao Concílio o
Plano para a Vida e a Missão da Igreja que eles haviam elaborado, através do Grupo de Trabalho.
43
IGREJA METODISTA XIII CONCÍLIO GERAL, Atas e Documentos, Belo Horizonte, p. 10.
44
Idem, p. 28.

26
Em sua dissertação de mestrado, o professor Clovis Pinto de Castro nos
relembra que este Concílio Geral de 1982 foi um tanto quanto conturbado, em virtude
de estar discutindo questões muito polêmicas.

É bom lembrar que o XIII Concílio Geral foi marcado
também por outras questões mais polêmicas, entre elas a
integração da Igreja Metodista no Conselho Nacional de
Igrejas Cristãs (CONIC), que foi aprovada só com cinco
votos de diferença - 45 a favor e 40 contrários, e a
transferência da administração do Instituto Metodista de
Ensino superior (IMS), da Área Geral para a 3ª RE, com 44
votos favoráveis e 33 votos contra.
45

Neste momento queremos passar para uma análise deste plano. Não estaremos
preocupados em analisá-lo em seu geral, mas apenas algumas partes que estejam
apontando na direção de uma Igreja Ministerial.
Como já dissemos, e queremos relembrar neste momento, o “Plano para a Vida
e a Missão da Igreja é continuação dos Plano Quadrienais de 1974 e 1978”.
46
Como
continuidade, ele enfatizará a necessidade de se envolver tudo e todos da Igreja na
Missão de Deus. Não há um rompimento com os dois planos anteriores (1974-1978),
mas sim, uma continuidade do processo iniciado no plano de 1974. A Igreja continua
preocupada em direcionar todos os seus esforços para a missão.
Preocupado com a má interpretação que poderia surgir a respeito da palavra
Missão, este plano apresentará uma definição da mesma.

O que é Missão? Missão é a construção do Reino de Deus,
sob o poder do Espírito Santo, através da ação da
comunidade cristã e de pessoas, visando o surgimento da
nova vida trazida por Jesus Cristo para a renovação do ser

45
CASTRO, Clovis Pinto de, op. cit., p. 52.
46
IGREJA METODISTA XIII CONCÍLIO GERAL, Plano para a Vida e a Missão da Igreja Metodista,
op. cit, p. 61.

27
humano e das estruturas sociais, marcados pelos sinais da
morte.
47

O Documento (PVMI) convoca a Igreja Metodista a “experimentar de modo
cada vez mais claro que sua principal tarefa é repartir fora dos limites do templo o que
ela de graça recebe do seu Senhor”.
48
A Missão de Deus no mundo é o
estabelecimento do Seu Reino. A tarefa da Igreja é a de participar deste ato, realizando
assim sua principal tarefa, a evangelização.
Para a realização desta obra, a Igreja deve reconhecer, entre outras necessidades,
a de um auto-conhecimento. A Igreja precisa “descobrir suas possibilidades e seus
Dons e valorizar seus ministérios para alcançar a participação total do povo na Missão
de Deus”.
49
Vemos aqui que a semente lançada, em 1974, começa a desenvolver-se
com maior intensidade. A Igreja sabe que, para realizar a Missão de Deus, ela precisa
valorizar os Dons existentes no seu meio. Seus membros são chamados a trabalhar na
Missão de Deus, participando com seus dons, realizando seus ministérios. Vejamos o
que o documento nos apresenta sobre o ato de trabalhar na Missão de Deus:

-é trabalhar para o Senhor do Reino num mundo espremido
pelas forças do pecado e da morte, participando, como
comunidade, com dons e serviços para o nascer da vida (Jr
1.4-10; Fp 1.18-26, 3.10-11; II Tm 1.10; Jo 3.14); - É
somar esforços com outras pessoas e grupos que também
trabalham na promoção da vida (Mc 9.38-41; At 10.28,
15.8-11).
50


Para que a Igreja venha a realizar esta missão, este plano reconhece também a
necessidade de se utilizar ferramentas e métodos adequados. Entre algumas das
ferramentas, ele nos apresenta a seguinte:

Na Igreja e na comunidade hoje encontramos novos
desafios que exigem ferramentas adequadas. Uma destas,

47
Idem, p. 74.
48
Idem, p. 74.
49
Idem, p. 69.
50
Idem, p. 50.

28
por exemplo, é a participação de todos os membros da
Igreja, homens e mulheres, nos diferentes níveis de
decisão.
51


Como vimos, o Plano para a Vida e a Missão da Igreja não interrompeu o
processo iniciado em 1974. Ele preservou a linha de pensamento, rumo a uma Igreja
missionária., onde todos os membros desta Igreja são convocados a participar da
Missão de Deus.
Podemos dizer que este plano não é apenas uma fonte, mas sim uma parte
integrante do Movimento Dons e Ministérios. Pois ainda que em 1987 a Igreja
Metodista tenha optado por um novo modelo de ser Igreja, ou seja, uma Igreja
organizada em Dons e Ministérios, ela não abandonará o Plano para a Vida e a Missão
da Igreja. Os Cânones, em nota explicativa sobre o Concílio Geral de 1987, fazem a
seguinte ponderação:

Passados cinco anos, o XIV Concílio Geral aprovou que os
dons e ministérios, exercidos nos diferentes níveis da vida
da Igreja, fossem tomados como elementos básicos para a
sua estruturação. A organização da igreja, portanto, deve
ser conseqüência da descoberta das necessidades e dos
desafios missionários e do exercício dos dons e ministérios
suscitados pelo Espírito Santo como resposta a tais
desafios. Dentro deste novo contexto estrutural eclesiástico,
o Plano para a Vida e a Missão da Igreja continua sendo
instrumento básico para a prática missionária da Igreja
Metodista.
52


O Plano para a Vida e a Missão da Igreja é o ideário que leva esta Igreja,
organizada em Dons e Ministérios, a realizar uma prática missionária (estaremos
falando mais sobre isto no 3º capítulo).



51
Idem p. 73.
52
IGREJA METODISTA, Cânones 1992, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, 1992.

29
1.4.4. As Práticas de algumas Igrejas
Se afirmamos que “Dons e Ministérios” não nasceu do nada, mas que é fruto
histórico de uma Igreja que busca realizar a missão, devemos então reconhecer que,
além das influências dos planos anteriores,
53
este plano será resultado de uma prática
já existente em algumas igrejas metodistas, vejamos o que os Bispos afirmam no
relatório prestado ao XIV Concílio Geral:

Em formas mais diversas possíveis motivados por
circunstâncias diferentes, regiões, igrejas locais, lideranças
leigas e pastorais têm sido inspiradas e mobilizadas, na
direção dos Dons e Ministérios. Cremos ser uma ação do
Espírito presente, de forma dinâmica, na vida da IM.
Devemos estar atentos a esta manifestação e procurar na
vivência da igreja local, da região e da área geral,
estabelecer nova configuração para a igreja, fundada não
em cargos e poderes, mas em Dons e ministérios.
54


Podemos afirmar que esta prática, já existente nas igrejas locais, em organizar-se
em ministérios, seja resultado da implantação do Plano para a Vida e a Missão da
Igreja. Ainda que este plano tivesse apresentado uma nova linha de pensamento para a
igreja, ele não mexia nas estruturas organizacionais. Seria necessário uma nova
maneira de organizar-se, se é que a igreja queria cumprir as exigências deste Plano.
Veremos que é na Quinta Região que encontramos o maior núcleo de Igrejas se
organizando desta maneira, ou seja, em ministérios alternativos. Este fato se deu
devido ao projeto regional denominado Agentes da Missão. Este projeto tinha como
seu principal objetivo “permitir que cada metodista se decida por um ministério e
receba a nutrição para exercê-lo no mundo, fora das quatro paredes do templo”.
55


53
Os Planos referidos são: Plano Quadrienal (1975-1978), Plano Quadrienal (1979-1982), Plano para a
Vida e Missão da Igreja (1982).
54
IGREJA METODISTA XIV CONCÍLIO GERAL, Relatório do Colégio Episcopal, São Bernardo do
Campo, julho de 1987, p. 10.
55
CÉSAR, Ely Éser Barreto, Uso da Bíblia na prática de nosso Ministério, Piracicaba, Agentes da
Missão, 1988, p. 03.

30
No Relatório da Execução do projeto integrado “Agentes da Missão”,
apresentado ao XII Concílio Regional da Quinta Região, vemos que essa experiência
foi de grande importância no planejamento do Programa Dons e Ministérios da Igreja
Nacional.

Todos os secretários de área da 5ª Região e os presidentes
de federações e a Diretoria das crianças participaram, em
março, na Sede Geral da Igreja Metodista, do Encontro
Nacional de líderes para se planejar a implantação do
Projeto Dons e Ministérios em todo o país. A contribuição
da 5ª Região, dada a nossa experiência na primeira etapa
recém-finda, foi decisiva.
56


No próximo Concílio da Quinta Região Eclesiástica (XVIII), o Bispo Messias
Andrino apresenta a Quinta Região como sendo uma região que já havia
experimentado o exercício dos Dons e Ministérios, mesmo antes da deliberação do
XIV Concílio Geral.

A Quinta Região Eclesiástica é, reconhecidamente, uma das
regiões metodistas que vem acumulando muita experiência
no exercício dos Dons e Ministérios, em seu programa
“Agentes da Missão”. Aqui ele não foi criado ou
desenvolvido de modo isolado. A prova disso é que agora o
XIV Concílio Geral o consagra como programa nacional. O
positivo é que ele tem dado vários frutos na nossa Região.
As poucas igrejas locais que o adotaram estão
demonstrando muita vitalidade. Desta forma devemos
reconhecer como positivo, podemos iniciar o quadriênio, e
uma nova administração, com um programação para a qual,
e de muitas maneiras, já estamos preparados. Esperamos
que este fato contribua para o crescimento, em unidade, de
todas as forças vivas da Região. Assim como o
compromisso missionário uniu os cristãos do passado,
temos razões para esperar que este mesmo fato se repita
entre nós.
57



56
IGREJA METODISTA, XVIII Concílio Regional da 5ª Região Eclesiástica, Atas, Registros e
Documentos, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, sd, p. 57.
57
IGREJA METODISTA, XIX Concílio Regional da 5ª Região Eclesiástica, Atas, Registros e
Documentos, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, sd, p. 131.

31
Como já vimos nas afirmações citadas, a prática da Igreja também foi um dos
motivos que levaram o Concílio Geral de 1987 a optar por um modelo de Igreja
organizada em Dons e Ministérios.
Podemos concluir este capítulo relembrando a afirmação feita no início do
mesmo: as decisões tomadas no XIV Concílio Geral (1987), principalmente no que se
refere ao novo modelo de igreja, são resultantes deste longo processo (movimento)
que descrevemos no decorrer deste capítulo. Dons e Ministérios é o fruto histórico de
uma Igreja que visa a realizar a Missão de Deus.














32



CAPÍTULO II

“DONS E MINISTÉRIOS”
a Bíblia e a História como fontes inspiradoras

Afirmamos, no primeiro capítulo deste trabalho, que a Igreja Metodista, reunida
em Concílio Geral em 1987, havia feito a opção por um novo modelo de igreja. Ou
seja, uma igreja organizada segundo os Dons e Ministérios. Há duas perguntas que
podemos fazer neste momento: 1. Será que este modelo de igreja organizada segundo
os Dons e Ministérios é realmente algo novo, inédito? 2. Será que este modelo nasceu
apenas como fruto “ocasional” da História da Igreja Metodista brasileira?
Não. Pois o modelo de igreja organizada em Dons e Ministérios é uma estrutura
organizacional muito antiga, já utilizada por algumas comunidades cristãs do primeiro
século. De fato, a estrutura carismática da igreja faz parte de um movimento
conduzido pelo Espírito Santo que, desde o início do cristianismo até hoje esteve
presente em alguns grupos e comunidades cristãs.
Por isso, apresentaremos, neste capítulo, a Bíblia e a História da Igreja Cristã,
principalmente a Reforma Protestante e o Metodismo Inglês do século XVIII, como
sendo duas, entre outras, fontes inspiradoras que levaram a Igreja Metodista brasileira
a optar por um modelo de igreja organizada segundo os Dons e Ministérios. A
releitura da Bíblia e da História foi uma das motivações que levou a IM a optar por
Dons e Ministérios.

33

1. DONS E MINISTÉRIOS NA BÍBLIA
Em primeiro lugar queremos descartar a afirmação de que Dons e Ministérios
seja “O”
58
modelo bíblico de organização da igreja. Podemos afirmar, sim, que ele
seja “UM”
59
dos modelos, dentre outros, apresentados pelo Novo Testamento.
Ao estudarmos os escritos neotestamentários, descobrimos que não há uma
unidade doutrinária entre os mesmos. Ao contrário, encontramos uma variedade de
grupos, com teologias e maneiras de se organizarem bem diferentes. Querer legitimar
a VERDADE EXCLUSIVA de um destes grupos, é ser muito pretensioso e também
um mau intérprete do texto bíblico.
Durante muito tempo a igreja cristã esqueceu-se, teórica e praticamente, da
possibilidade de organizar-se segundo os Dons e Ministérios. Isto se deu devido ao
fato de a eclesiologia cristã “se ter apoiado unilateralmente na eclesiologia das cartas
pastorais (e os atos dos apóstolos), tendo esquecido a eclesiologia especificamente
paulina das epístolas indiscutidas de São Paulo”.
60

No final do primeiro século, o cristianismo iniciou um processo de definição de
comportamento social e religioso.

Este processo de uniformização teológica, de opção por
uma ética e uma praxis política mais harmônica com a
sociedade e da exclusão da autoridade carismática e
feminina em favor de cargos hierárquicos, recebe o nome
pelos exegetas e historiadores de Formação do Catolicismo
Primitivo ou da Grande Igreja.
61



58
Artigo definido - o único - individualiza o substantivo.
59
Artigo indefinido - um entre outros - generaliza o substantivo. Estas anotações gramaticais foram
retiradas de: SACONI, Luiz Antonio, Nossa Gramática, São Paulo, Atual Editora, sd., p. 61.
60
KÜNG, Hans, A Igreja, Lisboa, Moraes Editora, 1969, p. 256, volume 1.
61
NOGUEIRA, Paulo A. S., Multiplicidade Teológica e a Formação do Catolicismo Primitvo na Ásia
Menor, in: Igreja e Seita - Estudos da Religião nº 8, São Bernardo do Campo, Edims, 1992, p. 36.

34
Como vimos, a formação do Catolicismo Primitivo é um processo de exclusão e
limitação. E é bem neste momento que a igreja faz uma opção pelas epístolas
pastorais, pois este modelo lhe permitia uma melhor harmonia para com a sociedade
da época. Na verdade, o que aconteceu foi que um certo grupo, utilizando-se de poder,
estabeleceu-se como norma e ponto de referência. Bultmann diz o seguinte: “A grande
igreja é unicamente a heresia que teve mais êxito”.
62

Hans Küng, teólogo católico contemporâneo, discorre a respeito deste abandono
e esquecimento da estrutura carismática, afirmando:

Por muito tempo, a Teologia Católica e a Igreja Católica
desconheceram, teórica e praticamente, a estrutura
carismática da igreja. Isso teve seu fundamento, em
primeiro lugar naquele clericalismo e juridicismo que nos
últimos tempos, tanto tem sido criticado mesmo dentro da
Igreja Católica. A atitude clerical só pode aceitar no clero a
atitude e a iniciativa propriamente ditas e decisivas, nunca
em todos os membros do Povo de Deus. Pensamento
juridicista é aquele que se mostra profundamente
desconfiado em face da dinâmica antecipadamente não
regulamentável do livre Espírito de Deus, que na Igreja
sopra onde e quando quer. O desconhecimento da estrutura
carismática da Igreja acha ainda o seu segundo fundamento
especial no fato de a eclesiologia dos livros católicos de
escola se ter apoiado unilateralmente na eclesiologia das
Epístolas pastorais (e dos Atos dos Apóstolos), tendo
esquecido a eclesiologia especificamente paulina das
Epístolas indiscutidas de São Paulo, isto mesmo quando
freqüentemente fazia citações formais de textos de São
Paulo. A variedade e a tensão interna no Novo Testamento
ou não eram notadas ou eram harmonizadas de maneira
ilegítima.
63

Percebe-se que a igreja cristã por muito tempo se esqueceu da possibilidade de
organizar-se dentro de uma estrutura carismática, preferindo, assim, a organização
hierárquica: Epíscopo - Presbítero - Diácono. E é tendo isto em mente que
apresentaremos a organização carismática, ensinada pelo apóstolo Paulo, como uma

62
BULTMANN, R., Teologia Del Nuevo Testamento, Salamanca, Sígueme, 1980, p. 563.
63
KÜNG, Hans, op. Cit., p. 256.

35
das fontes onde o modelo de igreja organizado em Dons e Ministérios inspira-se
biblicamente.
Para isso estaremos nos restringindo somente ao estudo das cartas que são
consideradas fontes do pensamento paulino e não ao estudo de toda a Bíblia. Nosso
objetivo é bem específico; apresentaremos a estrutura carismática da igreja,
apresentada por Paulo, como uma maneira bíblica da igreja atual organizar-se. Em sua
obra A Igreja, Hans Küng apresenta esta estrutura carismática como sendo a forma
mais antiga da igreja se organizar.
64


1.1. Paulo e a organização em Dons e Ministérios

1.1.1. Definição das Fontes Paulinas
65

Ao lermos o Novo Testamento, encontramos várias epístolas que citam o
Apóstolo Paulo como autor. São elas: I Tessalonicenses, II Tessalonicenses, I
Coríntios, II Coríntios, Gálatas, Romanos, Filipenses, Colossenses, Filemon, Efésios, I
Timóteo, II Timóteo e Tito.
Com o aperfeiçoamento das pesquisas neotestamentárias, a autoria destas cartas
recebeu muitos questionamentos. Não iremos aqui apresentar os problemas que
marcam estas epístolas, mesmo porque este não é o nosso objetivo neste trabalho.
Estaremos seguindo a opinião da maioria dos estudiosos do Novo Testamento, que
preferem definir os seguintes escritos como fonte segura do pensamento paulino:
Romanos, I Coríntios, II Coríntios, I Tessalonicenses, Filipenses, Gálatas e Filemon.


64
Idem, p. 257.

36
1.1.2. O uso da palavra Dom (charisma)
Com exceção de I Pd 4,10, somente Paulo e os escritos dependentes dele
empregam a palavra dom (charisma). Esta “palavra é rara na literatura profana e
também véterotestamentária, onde ocorre duas vezes, ainda assim em variantes”.
66

A palavra carisma está decalcada no grego charisma que
significa “dom gratuito” e se relaciona com a mesma raiz
que CHÁRIS, “graça”. No NT esse termo nem sempre tem
sentido técnico. Pode designar todos os dons de Deus, que
são irrevogáveis (Rm 11,29), notadamente o “dom da
graça” que nos vem por Cristo (Rm 5,15s) e que
desabrocha com vida eterna (Rm 6,28). Com efeito, em
Cristo Deus nos “cumulou de graça” (Ef 1,6: charitoo) e
“nos concederá toda a espécie de dons” (Rm 8,32: charizo).
Mas o primeiro de seus dons é o próprio Espírito Santo, que
foi infundido em nossos corações e põe neles a caridade
(Rm 5,5; Cf 8,15). O emprego técnico do termo charisma
se entende essencialmente na perspectiva dessa presença do
Espírito, que se manifesta por toda sorte de “dons
gratuitos” (I Cor 12,1-4).
67

Introduzir o termo CHARISMA num contexto de organização da comunidade foi
um mérito unicamente do apóstolo Paulo. Ao discorrer sobre as igrejas paulinas, Ph.
H. Menoud:
O apóstolo teve o cuidado de organizar as igrejas que
fundou. A esperança viva no retorno do Senhor não lhe é
pretexto para negligenciar a ordem a reinar na casa de Deus
(Cf I Cor 14,93), tanto que esta espera não deve encorajar
os fiéis a não suprir suas necessidades pelo trabalho (Cf II
Ts 3.6-12). Mas o apóstolo não consagra uma epístola
especial à questão dos ministérios. Ele se limita a dar a
cada igreja prescrições em harmonia com as circunstâncias
locais.
68

O termo charisma (geralmente usado no plural: charismata) aparece dezessete
vezes no Novo Testamento; dessas, quatorze vezes em I e II Coríntios e Romanos

65
Para um maior aprofundamento com respeito a este assunto, pesquisar: KÜMMEL, W. Georg,
Introdução ao Novo Testamento, São Paulo, Paulinas, 1982, p. 319-506.
66
BOFF, Leonardo, Igreja, Carisma e Poder, Petrópolis, Vozes, 1981, p. 237.
67
LEON-DUFOUR, Xavier, Vocabulário de Teologia Bíblica, Petrópolis, Vozes, 1972, p. 124.
68
VON ALLMEN, J. J., Vocabulário Bíblico, São Paulo, Aste, 1972, p. 254.

37
(fontes incontestáveis do pensamento paulino), duas em I e II Timóteo (pós-paulinas)
e uma em I Pedro.
Vejamos a ocorrência deste termo nas fontes paulinas:
69

Rm 1,11 - Porque muito desejo ver-vos, a fim de repartir convosco algum DOM
espiritual, para que sejais confirmados;...
Rm 5,15 - Todavia, não é assim o DOM gratuito como a ofensa; porque se pela
ofensa de um só morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom (doorea) pela
graça de um só homem, Jesus Cristo, foi abundante sobre muitos.
Rm 5,16 - O DOM, entretanto, não é como no caso em que somente um pecou;
porque o julgamento derivou de uma só ofensa, para a condenação; mas a graça
transcorre de muitas ofensas, para a justificação.
Rm 6,23 - Porque o salário do pecado é a morte, mas o DOM gratuito de Deus
é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.
Rm 11,29 - Porque os DONS e a vocação de Deus são irrevogáveis.
Rm 12,6 - Tendo, porém, diferentes DONS segundo a graça que nos foi dada: se
profecia, seja segundo a proporção da fé;
I Cor 1,7 - De maneira que não falte nenhum DOM, aguardando vós a revelação
de nosso Senhor Jesus Cristo;
I Cor 7,7 - Quero que todos os homens sejam tais como também eu sou, no
entanto cada um tem de Deus o seu próprio DOM; um, na verdade, de um modo,
outro de outro.
I Cor 12,4 - Ora, os DONS são diversos, mas o Espírito é o mesmo.

69
Os versículos citados abaixo, foram retirados de 1. Bíblia Sagrada, edição revista e atualizada no
Brasil, Brasília, 1969. 2. Bíblia Sagrada, Edição Pastoral, São Paulo, Paulinas, 1986.

38
I Cor 12,9 - A outro, no mesmo Espírito, Fé; e a outro no mesmo Espírito,
DONS de curar;
I Cor 12,28 - A uns estabeleceu Deus na Igreja, primeiramente apóstolos, em
segundo lugar profetas, em terceiro lugar mestres, depois operadores de milagres,
depois DONS de curar, socorros, governos, variedade de línguas.
I Cor 12, 30 - Tem todos DONS de curar? Falam todos em outras línguas?
Interpretam-nas todos?
I Cor 12,31 - Entretanto, procurai, com zelo, os melhores DONS.
II Cor 1,11 - Ajudando-nos também vós, com as vossas orações a nosso favor,
para que, por muitos sejam dadas graças a nosso respeito, pelo BENEFÍCIO que nos
foi concedido por meio de muitos.
Para o apóstolo Paulo os Dons têm sua fonte na CHARIS (graça), no favor e na
bondade de Deus. Com toda liberdade (I cor 12,11) Deus distribui esses “dons”, ou
“serviços”, ou “realizações” (I Cor 12,4-6), mas tem sempre em vista as diferentes
necessidades da igreja, bem como a situação e a capacidade de cada um.


1.1.3. O uso das palavras ministério e ministro
As palavras gregas que traduzidas em português podem significar ministério,
ministro e ministrar são as seguintes: DIAKONIA (ministério), DIAKONO (ministro),
LEITOURGÉOO (ministrar, servir), LEITOURGIA (serviço, ministério) LEITURGÓS
(ministros).

As palavras “ministro” e “ministério”, decalcadas no latim
da Vulgata, correspondem ao grego diakonos e diakonia.

39
Esses dois termos não pertencem à linguagem religiosa dos
setenta, que os emprega, raramente, em sentido profano
(Est 1,10; 6,1-5). Na vulgata, minister traduz o hebraico
mesaret (cf. Ex 24,13: Josué, servidor de Moisés), que pode
designar os sacerdotes, ministros do culto (Is 61,6; Ez
44,11; Jl 1,9). Entretanto, desde o AT, o fato dum
ministério religioso exercido no povo de Deus pelos
titulares de certas funções sagradas é coisa bem atestada: os
reis, os profetas, os depositários do sacerdócio, são servos
de Deus, que exercem uma mediação entre Ele e seu povo.
Assim São Paulo dirá que Moisés era ministro da primeira
aliança (I Cor 3,7.7). No NT, Cristo é o único mediador
entre Deus e os homens, o único sacerdote que oferece o
sacrifício da salvação, o portador único da revelação porque
ele é a Palavra feita carne. Mas na igreja que ele fundou se
exerce um ministério de novo gênero, que está a serviço de
sua Palavra e de sua graça.
70

Em geral, as listas e referências a ministérios, nas fontes paulinas, acompanham
os mesmos critérios dos Dons.

Assim como os dons, todos os ministérios, enquanto
ministérios do Senhor, são espirituais e assistidos
extraordinariamente pelo Espírito Santo. Além dos
ministérios serem assistidos pelo Espírito em sua repartição
e diversidade, também a igreja de Cristo, como um todo e
em sua unidade do corpo, é assistida extraordinariamente
pelo Espírito.
71


Vejamos o uso das palavras que podem ser traduzidas em português por
ministro, ministério e ministrar; nas epístolas que são consideradas fontes
incontestáveis do pensamento paulino:
DIACONIA (ministério - serviço)
Rm 11,13-14 - dirijo-me a vós outros, que sois gentios! Visto, pois, que eu sou
apóstolo dos gentios, glorifico o meu MINISTÉRIO para ver se de algum modo
posso incitar à emulação os do meu povo e salvar alguns deles.

70
BORN, A. Van Den,Dicionário Enciclopédico da Bíblia, Petrópolis, Vozes, 1871, p. 591.
71
JOSGRILBERG, Rui de Souza, Dons e Ministérios na Bíblia, in: Dons e Ministérios Fontes e
Desafios, Piracicaba, Agentes da Missão, 1991, p. 28.

40
Rm 12,7 - se MINISTÉRIO, dediquemo-nos ao MINISTÉRIO; ou o que
ensina, esmere-se no fazê-lo;
Rm 15,31 - para que eu me veja livre dos rebeldes que vivem na Judéia, e que
este meu SERVIÇO em Jerusalém seja bem aceito pelo santos;
I Cor 12,5 - E também há diversidade nos SERVIÇOS, mas o senhor é o
mesmo.
I Cor 16,15 - ... (sabeis que a casa de Estefanas é as primícias da Acaia, e que se
consagraram ao SERVIÇO dos santos).
II Cor 3,7 - E se o MINISTÉRIO da morte, gravado com letras, se revestiu de
glória, a ponto de os filhos de Israel não poderem fitar a face de Moisés, por causa da
glória do seu rosto, ainda que desvanecente.
II Cor 3,8 - como não será de maior glória o MINISTÉRIO do Espírito.
II Cor 3,9 - Porque se o MINISTÉRIO da condenação foi a gloria, em muito
maior proporção será glorioso o MINISTÉRIO, segundo a misericórdia que nos foi
feita, não desfalecemos;
II Cor 4,1 - Pelo que tendo este MINISTÉRIO, segundo a misericórdia que nos
foi feita, não desfalecemos;
II Cor 5,18 - Ora, tudo provém de Deus que nos reconciliou consigo mesmo por
meio de Cristo, e nos deu o MINISTÉRIO da reconciliação,
II Cor 6,3 - não dando nós nenhum motivo de escândalo em cousa alguma, para
que o MINISTÉRIO não seja censurado.
II Cor 8,4 - pedindo-nos, com muitos rogos, a graça de participarem nesse
SERVIÇO em favor dos santos.

41
II Cor 9,1 - Quanto ao SERVIÇO em favor dos santos, é desnecessário
escrever-vos;
II Cor 9,12 - Porque o SERVIÇO desta assistência não só cumpre a necessidade
dos santos, mas também redunda em muitas graças a Deus.
II Cor 9,13 - Tal SERVIÇO será para eles uma prova; e eles agradecerão a Deus
pela obediência que vocês professam ao Evangelho de Cristo e pela generosidade com
que vocês repartem os bens com eles e com todos.
II Cor 11,8 - Despojei outras igrejas, recebendo salário, para vos poder
SERVIR.
DIÁKONOS (ministro-servo).
Rm 13,4 - visto que a autoridade é MINISTRO de Deus para teu bem.
Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada;
pois é MINISTRO de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal.
Rm 15,8 - digo, pois que Cristo foi constituído MINISTRO da circuncisão, em
prol da verdade de Deus, para confirmar as promessas feitas aos pais;
Rm 16,1 - Recomendo-vos a nossa irmã Febe, DIACONISA da Igreja de
Cencréia.
I Cor 3,5 - Quem é Apolo? E quem é Paulo? SERVOS por meio de quem
crestes, e isto conforme o Senhor concedeu a cada um,
II Cor 3,6 - o qual nos habilitou para sermos MINISTROS de uma nova
aliança, não da letra, mas do Espírito; porque a letra mata, mas o Espírito vivifica.
II Cor 6,4 - Pelo contrário, em tudo recomendando-nos a nós mesmos como
MINISTROS de Deus: na muita paciência, nas aflições, nas provações, mas
angústias,

42
II Cor 11,15 - não é muito, pois, os seus próprios MINISTROS se transformem
em MINISTROS de justiça; e o fim deles será conforme as suas obras.
II Cor 11,23 - São MINISTROS de Cristo? (Falo como fora de mim) eu ainda
mais; em trabalho, muito mais; muito mais em prisões; em açoites, sem medida; em
perigos de morte, muitas vezes.
Gl 2,17 - Mas se, procurando ser justificados em Cristo, fomos nós também
achados pecadores, dar-se o caso de ser Cristo MINISTRO do pecado? Certo que
não.
Fl 1,1 - Paulo e Timóteo, servos de Cristo Jesus, a todos os santos em Cristo
Jesus, inclusive bispos e DIÁCONOS, que vivem em Filipos.
I Ts 3,2 - e enviamos nosso irmão Timóteo, MINISTRO de Deus no Evangelho
de Cristo, para, em benefício de vossa fé, confirmar-vos e exortar-vos.
LEITURGÉOO (servir).
Rm 15,27 - Isto lhes pareceu bem, e mesmo lhes são devedores; porque se os
gentios têm sido participantes dos valores espirituais dos judeus, devem também
SERVÍ-LOS com bens materiais.
LEITOURGÍA (serviço).
Fl 2,17 - Entretanto, mesmo que seja eu oferecido por libação sobre o sacrifício
e SERVIÇO da vossa fé, alegro-me e com todos vós me congratulo.
Fl 2,30 - Visto que, por causa da obra de Cristo, chegou ele às portas da morte, e
se dispôs a dar sua própria vida para SERVIR-ME de socorro.
LEITOURGÓS (ministro-servo)

43
Rm 13,6 - Por esse motivo pagais tributos; porque são MINISTROS de Deus,
atendendo constantemente a este serviço.
Rm 15,16 - para que eu seja MINISTRO de Cristo Jesus entre os gentios, no
sagrado encargo de anunciar o Evangelho de Deus, de modo que a oferta deles seja
aceitável, uma vez santificada pelo Espírito.
Fl 2,25 - No momento, achei necessário enviar a vocês Epafrodito, este nosso
irmão que é também meu companheiro de TRABALHO e de luta, que vocês mesmos
mandaram SERVIR às minhas necessidades

1.1.4. A Estrutura Carismática da Eclesiologia Paulina
Como já verificamos nos dois itens anteriores (1.1.2 e 1.1.3), o Apóstolo Paulo
utilizou-se muito dos termos dons (charisma) e ministérios (diakonia, leitourgia) em
seus escritos. Observando-os mais atentamente, percebemos o uso da palavra dom
(carisma), algumas vezes em sentido genérico e outras vezes em sentido específico e
técnico.
Em sentido genérico, carisma significa “um dom generoso”, “uma graça ou
bênção do amor de Deus”. Em sua carta aos Romanos 5,15-16, por exemplo, o termo
carisma designa o “dom divino da redenção, realizada por Cristo”. Em Rm 6,23,
carisma é aplicado a uma realidade ainda mais genérica: “Porque o salário do pecado é
a morte; enquanto o dom de Deus (Carisma) é a vida eterna, em união com Cristo
Jesus, nosso Senhor”.
Em Rm 11,29 lemos: “Pois os Dons (carisma) e o chamamento de Deus são
irrevogáveis”. Carisma é usado, pois, de forma muito geral para designar todos os
Dons de Deus. Na segunda carta aos Coríntios 1,10-11, São Paulo escreve: “Ele nos
livrará de tamanhos perigos de morte... se nos ajudardes, também vós, com vossas

44
orações. Assim esta graça (carisma) obtida por intervenção de muitos...”. Carisma
significa, aqui, a graça de ser libertado dos perigos de morte.
Poderíamos buscar ainda outros textos em que o apóstolo Paulo usa a palavra
carisma em sentido genérico.
Em outros escritos o apóstolo usa o termo carisma em sentido específico,
técnico. Sentido que ele mesmo define como “manifestação do Espírito para proveito
comum” (I Cor 12,7). Encontramos, de modo especial, a palavra carisma usada em
sentido específico nos textos clássicos de I Cor 12,1-11; 12,12-31; 13,1-8; 14,1-25;
14,26-40 e Rm 12,6-9.
Em sentido específico, carisma designa os dons espirituais dados pelo Espírito
Santo a quem lhe apraz, para o serviço (ministério) em favor da comunidade ou de
algum membro da mesma.
Para entendermos melhor a dinâmica do pensamento paulino, com respeito a
organização carismática da igreja local, devemos deter-nos um pouco no estudo das
listas de carismas apresentadas pelo apóstolo.



1.1.4a - As listas dos Carismas em Paulo
Em duas de suas cartas, São Paulo faz uma listagem de carismas. Ao todo
encontramos seis listas, sendo cinco em I Coríntios e uma em Romanos.
Percebe-se que a intenção do apóstolo não era a de apresentar uma enumeração
precisa, sistemática, mas a de ensinar, orientar, exortar para a realidade da existência,
da diversidade, da origem, da função, da hierarquia e do uso correto dos carismas.

45
Com certeza, ele poderia ter enumerado muitos outros carismas que havia constatado
em suas comunidades cristãs.
Carisma... Partindo do caráter orgânico da Igreja, São Paulo
insiste em I Cor 12 na grande diversidade dos c.s. As
enumerações em I Cor 12,8.-11.28.30; Rm 12,6-8, ao que
tudo indica, não pretendem ser completas. Nem tampouco
pode-se delas reduzir uma divisão, pois algumas dessas
denominações são genéricas (milagres), outras específicas
(curas); algumas referem-se ao conteúdo (sabedoria,
ciência), outras ao exercício concreto (profecia, governo,
instrução, falar línguas). Em I Cor 12,28 (Cf Ef. 4,11)
encontramos uma certa hierarquia: apóstolos (em sentido
mais largo), profetas, doutores e depois os demais. Aqui
trata-se de ofícios com carisma permanente.
72

Uma visão de conjunto das listas, auxilia a análise e distinção das diversas
funções e espécies de carismas. Observemos as seis listas de carismas apresentadas
nos escritos paulinos.
Rm 12,6-9
1. profecia
2. serviço
3. ensino
4. exortação
5. distribuição de seus bens
6. presidência
7. misericórdia
I Cor 12,1-11
1. sabedoria
2. conhecimento
3. fé
4. cura
5. operação de milagre
6. profecias
7. discernimento de Espírito
8. variedade de línguas
9. interpretação de línguas
I Cor 12,12-31
1. (ser) apóstolo
2. (ser) profeta
3. (ser) doutor
4. milagres
5. curas
6. assistência
7. governo
8. falar línguas
I Cor 13,1-8
1. falar línguas
2. profecia
3. conhecimento
4. fé
I Cor 14,1-25
1. falar línguas
2. profecia
I Cor 14,16-40
1. profecia
2. revelação
3. falar línguas
4. interpretar línguas

72
BORN, A. Van Den, op. Cit., p. 245.

46
5. distribuição de seus bens

Paulo não se preocupou em dar-nos uma classificação
racional dos carismas, embora os enumere diversas vezes.
É, contudo, possível reconhecer os diversos domínios de
aplicação em que os dons do Espírito têm lugar. Em
primeiro lugar, certos carismas são relativos às funções do
ministério (cf. Ef 4,12): os dos apóstolos, dos profetas, dos
doutores, dos evangelistas, dos pastores (I Cor 12,28; Ef
4,11). Outros concernem às diversas atividades úteis à
comunidade: serviço, ensinamento, exortação, obras de
misericórdia (Rm 12,75), palavra de sabedoria ou de
ciência. Fé eminente, dom de cura ou de operar milagres,
falar em línguas, discernimento dos espíritos, ...
73

Analisando as listas citadas no quadro acima, vemos que o apóstolo Paulo
apresenta uma hierarquia entre os carismas. Esta classificação hierárquica não é
estabelecida de maneira igual para as duas comunidades.
Com respeito a esta hierarquização diferenciada dos carismas, entre a
comunidade Corintiana e a Romana, Roberto Alves Viana nos diz o seguinte:

Aos Coríntios, Paulo estabelece que o maior e mais
importante carisma (dom) é a profecia. Os carismas
chamados espirituais, como o de falar em línguas, devem
ficar em segundo plano. Aos Romanos, o apóstolo
demonstra que eles devem procurar os carismas de
profetizar, ensinar e presidir, bem como os carismas de
servir, distribuir seus bens e exercer misericórdia... Torna-
se claro que, para Paulo, a hierarquia de carismas é
determinada pela conjuntura vivida na comunidade que fará
uso destes carismas.
74

Paulo escreveu para comunidades que viviam em contextos diferentes, e por isso
apresenta hierarquias diferentes ao relacionar as listas de dons. Apesar das diferenças,
há um ponto fundamental que coincide nestes ensinamentos: tanto na carta aos

73
LÉON-DOFOUR, Xavier, op. Cit., p. 125.
74
VIANA, Roberto Alves, Os carismas em Paulo, Faculdade de Teologia, São Bernardo do Campo,
1993, p. 114 (monografia final do Curso de Bacharel em Teologia).

47
Corintios, quanto na carta aos Romanos, “os carismas devem ser usados para o
serviço, edificação, ensino e exortação da comunidade”.
75
Ou seja, o carisma não tem
um fim em si mesmo, é antes o meio pelo qual Deus atua na comunidade, a qual,
movida pelo Espírito de Deus, atua na sociedade. Lenardo Boff afirma que em Paulo:
“o carisma significa simplesmente a função concreta que cada qual desempenha
dentro da comunidade a bem de todos”.
76



1.1.4b - O carisma como “Estrutura estruturante da comunidade”.
77

Hans Küng, teólogo sistemático, afirma que “a redescoberta dos carismas é uma
redescoberta da eclesiologia especificamente paulina”.
78
Como fruto de seu trabalho
teológico, consegue descobrir que em sua origem a igreja não possuía estrutura
hierárquica, mas sim uma estrutura carismática.

A I Cor, como todas as Espístolas indiscutidas de São
Paulo, não fala nem de “presbíteros” nem de “Episcopos” (
a única exceção tardia é Filip 1:1: “Episcopos” e
“diáconos”), nem de ordenações ou de imposição das mãos;
é esta Epístola que, repetidamente, nomeia os “carismas”
ou os “dons espirituais” que, correspondentemente à
medida da graça, são dados a cada cristão, assim como é
esta Epístola que traz largos capítulos sobre a estrutura
carismática da Igreja que, por toda parte nas Epístolas
paulinas, transparece e é pressuposta.
79

Para detalhar este modelo de igreja organizada segundo os dons e ministérios,
Paulo apresentará a igreja como um corpo que possui muitos membros, todos estes
vivificados pelo mesmo espírito e cada qual com sua função.


75
Idem, p. 120.
76
BOFF, Leonardo, op. cit., p. 238.
77
Expressão utilizada por Leonardo Boff em seu livro Igreja Carisma e Poder, op. Cit., 238.
78
KÜNG, Hans, op. cit., p. 258.
79
Idem, p. 257.

48
A pluralidade e a diversidade dos carismas e a sua
finalidade eclesial convergente têm desenvolvimento
adequado no paralelo com o organismo humano,
constituído de muitos e diferentes membros, empenhados
no seu crescimento e no seu bem. A comunidade cristã
local é como um corpo; por isso, no seu interior vale a regra
da pluralidade e da multiplicidade, ou da diferenciação, mas
também da interdependência e da solidariedade.
80


Na estrutura carismática apresentada pelo pensamento paulino, é impossível
existir um membro não carismático no seio da comunidade.

Não existe nenhum membro não carismático. Vale dizer
ocioso, sem ocupar um determinado lugar na comunidade:
“cada membro está a serviço do outro membro” (Rm 12,5).
Todos gozam de igual dignidade, não cabem privilégios
que desestruturam a unidade do todo: “o olho não pode
dizer à mão: não preciso de ti; nem tampouco a cabeça aos
pés: não necessito de vós” (I Cor 12,21). A regra de ouro
que salvaguarda a sanidade do modelo, sua circularidade
fraterna foi assim formulada por Paulo: “todos os membros
tenham igual solicitude uns com os outros” (I Cor 12,25).
81

Grabner-Hainder, ao discorrer sobre o vocábulo carismático, afirma o seguinte:

Pablo da este nombre a los hombres dotados de especiales
dones en beneficio de la comunidad. El carácter
sobrenatural de estos dones del Espiritu y su procedencia
del Espíritu Santo se reconoce por el hecho de que se
ordenan al servicio de todos (I Cor 12,7). Este criterio
alude, por un lado, a los excesos de los exaltados y de los
entusiastas (cf. I Cor 14,22) y, por otro, sitúa a los
carismáticos dentro de la historia, porque bajo diferentes
circunstancias y en diferentes épocas pueden ser muy
variadas las necesidades de la comunidad, e por
consiguiente también los servicios que necesita. Los
carismas mencionados en el Nuevo Testamento (palabra de
sabiduria, palabra de ciencia, fé en el Espíritu, don de
curaciones, poder de milagros, profecia, dicernimento de
espíritus, diversidade de lenguas, don de interpretárlas, cf. I
Cor 12,8-10) no son en modo alguno una enumeracion
exclusiva. Al contrário, debe considerar-se carismático a

80
BARBAGLIO, Giuseppe, 1-2 Coríntios, São Paulo, Paulinas, 1993, p. 51.
81
BOFF, Leonardo, op. Cit., p. 238.

49
todo hombre que se compromete en Cristo para bien de la
Iglesia, aun en el caso (y precisamente en el caso) de que su
actuación se salga del esquema de lo acostumbrado,
tradicional y convencional. Mientras que en la primitiva
Iglesia los encargados del ministério eram casi siempre a la
vez carismáticos, hoy, debido a la evolucion del ministério,
el campo de acción conjunta de los carismáticos y ministros
oficiales en el sentido de I Cor 12,11 ayudaria a ebitar
desagradables incidentes en la vida actual de la Iglesia.
82

O apóstolo Paulo nos apresenta um modelo alternativo de organização
comunitária. Um modelo bem diferente daquele apresentado pelas Epístolas Pastorais,
onde tudo gira em torno da tríade: BISPO - PRESBÍTERO - DIÁCONO.

... os três são portadores privilegiados do Espírito e sobre
eles se constrói a comunidade, estabelecendo, de entrada,
uma divisão entre membros que deixam de ser iguais.
83

Para o modelo carismático do apóstolo Paulo, não há distinção entre os
membros. Todos são iguais. Nele não vemos uma hierarquia que acumula todo o
poder sagrado e todos os meios de produção religiosa, ou mesmo um grupo de
membros passivos ou desinteressados. Ou seja, não vemos uma separação entre os
clérigos e os leigos. A hierarquia é considerada apenas um “estado carismático na
igreja que não pode recalcar, como as vezes ocorre, outros carismas que o Espírito
suscita na comunidade”.
84

Os carismas recebidos pela comunidade são revertidos em ministérios, ou seja,
em serviços prestados para o bem comum. A estrutura carismática paulina é aquela
que valoriza os dons de cada um, proporcionando a eles a oportunidade de transformá-
los em ministérios (serviços). É Deus quem capacita a cada membro, visando um fim
proveitoso.

82
GRABNER-HAIDER, Anton, Vocabulário Prático de la Bíblia, Barcelona, Herder, 1975, p. 194.
83
BOFF, Leonardo, op. Cit., p. 236.
84
Idem, p. 239.

50
Para melhor entendermos o pensamento paulino, com respeito à estrutura
carismática da igreja, estaremos apresentando um pequeno estudo sobre as instruções
do apóstolo Paulo à comunidade de Corinto. Será um breve estudo de caso.

1.1.4c - Instruções Paulinas à Igreja de Corinto
A comunidade cristã de Corinto abarcava dentro de si a mesma configuração
sócio-econômica da sociedade da qual fazia parte, ou seja, sua maioria era procedente
das classes mais baixas (I Cor 1,26ss). Havia também algumas pessoas da classe alta
(I Cor 11,21ss; At 18,8; Rm 16,23) e também a presença de alguns judeus (At 18,4; I
Cor 7,18).
O primeiro problema tratado por Paulo em I Coríntios é o das divisões e
conflitos entre os diferentes grupos dentro da comunidade. Grupos estes que
“representavam diferentes segmentos da sociedade, agora convertidos ao
cristianismo”.
85

Frente a todos estes conflitos internos, Paulo conclama a comunidade a uma
unidade, como um só corpo, em um só Senhor, um só Deus e um só Espírito.
Apresenta uma estrutura carismática como sendo a maneira de superar estes conflitos.
Se a igreja é um corpo, os carismas devem servir para a sua edificação, e é por isso
que Paulo vai recomendar mais a profecia que o falar em línguas. Para desarticular
todo o conflito existente na comunidade, Paulo prefere sugerir carismas que
beneficiem a todos sem privilegiar o indivíduo. É por isso que ele apresenta uma certa
hierarquia nestas listas apresentadas em Coríntios.
Segundo o apóstolo Paulo, não há espaço na comunidade cristã para membros
ociosos, por isso que ele não concorda que seja possível existir dentro desta

85
VIANA, R. A., op. cit., p. 48.

51
comunidade algumas pessoas que comandem e outras que são comandadas. “Cada um
tem de Deus o seu próprio dom, um dum modo, outro de outro” (I Cor 7,7). “A cada
um é dada a manifestação do Espírito para a utilidade comum” (I Cor 12,7).

Daí se segue, novamente, que os carismas não são
reservados a certo número de pessoas, como por exemplo
aos presbíteros, aos bispos etc. Ninguém deve pretender
possuir todos os carismas: “são porventura todos apóstolos?
Todos profetas? Todos doutores?... (I Cor 12,29). Cada
cristão é assim convidado a ver suas funções, suas
profissões, suas habilidades, não apenas de modo
superficial, mas de modo profundo, como dons recebidos
sobre os quais não é dono, mas que deve exercê-los na
construção da comunidade.
86


Segundo o pensamento de Paulo, a estrutura carismática da igreja não é de
maneira alguma incompatível com a Diaconia, pois os carismas possuem sempre uma
intencionalidade e uma função diaconal. Sendo assim, a estrutura carismática se
apresenta como estrutura diaconal. O carisma habilita para o exercício de um
determinado serviço, que um membro é chamado a desenvolver na igreja.
Paulo instrui a comunidade cristã de Corinto a se estruturar segundo os dons
(charismas) recebidos do Espírito Santo, e os ministérios (diakonia) emergentes do
cotidiano. É a capacitação do Espírito que os levaria a superar os conflitos existentes
na comunidade, fazendo deles um só corpo no Deus trino. Todos na comunidade são
capacitados por Deus para a realização da obra do Espírito, a Missão.
Como vimos, até agora, organizar a igreja segundo os Dons e Ministérios já era
uma prática existente nas comunidades paulinas.
Organizar-se segundo Dons e Ministérios não é algo novo ou inédito. É, antes,
uma estrutura organizacional muito antiga, já utilizada pelas comunidades fundadas

86
BOFF, Leonardo, op. Cit., p. 241.

52
por Paulo. E é nas fontes do pensamento paulino que podemos encontrar, melhor
apresentada, esta estrutura carismática da igreja primitiva.

2. DONS E MINISTÉRIOS NA HISTÓRIA DA IGREJA CRISTÃ
Como vimos, no final do primeiro século o cristianismo iniciou um processo de
definição do seu comportamento social e religioso. Este acontecimento é denominado
pelos historiadores de: formação do Catolicismo Primitivo ou da Grande Igreja. Neste
momento a igreja fez opção por organizar-se em uma estrutura hierárquica (epíscopo -
presbítero - diácono), baseando-se no modelo apresentado pelas epístolas pastorais.
Ainda que o Catolicismo Primitivo tenha optado por um modelo de igreja,
estruturado hierarquicamente,
87
no decorrer da História, vemos alguns movimentos
cristãos (muitos até mesmo no seio da igreja), utilizarem-se de uma estrutura mais
flexível, valorizando os Dons e os Ministérios existentes na comunidade. Entre eles,
destacaremos dois,
88
a saber: 1) a Reforma Protestante e 2) o Movimento Wesleyano
do século XVIII.

2.1. Dons e Ministérios na Reforma Protestante
A Reforma Protestante é um movimento de grandes proporções, e por falta de
espaço, teremos que nos ater somente à fase luterana. O leitor deve ter em mente que
mesmo antes de Lutero, já haviam algumas vozes protestando contra a estrutura
hierárquica da Igreja.


87
Uma hierarquia verticalista (de cima para baixo), onde apenas o clero era considerado igreja.
88
O professor Duncan Alexander Reily apresenta outros movimentos. Verifique: REILY, D. A., Dons e
Ministérios na História da Igreja, in: Dons e Ministérios - Fontes e Desafios, Piracicaba, Agentes da
Missão, 1991, pp. 31-46.

53
... os intelectuais, os “pré-reformadores” como Wiclif e
Huss, os místicos, os flagelantes - constituem vozes de
protesto que diziam claramente: “A Igreja como está,
dominada pela hierarquia, inteligível só à elite, não
responde nem às nossas necessidades e nem às nossas
aspirações. Queremos uma igreja renovada, mais nos
moldes de Cristo e seus Apóstolos”.
89


Buscava-se um novo modelo de igreja, com uma nova estrutura
organizacional.
90
Já não se suportava mais esta estrutura hierárquica que sufocava o
povo, não lhe considerando parte da Igreja.

Lutero retomou a idéia dos pré-reformadores, de que a
Igreja era o povo e não a hierarquia. Esta nova visão de
igreja (comunhão dos santos) provocou mudanças nas
formas organizacionais e na missão da Igreja.
91

Tanto Lutero como os reformadores que vieram depois dele, souberam valorizar
o sentido de comunidade (harmonia) apresentado pela Bíblia. Eles lutaram para que o
povo pudesse ter, de novo, a oportunidade de assumir seu justo lugar na vida da
comunidade cristã. Podemos ver aí uma redescoberta da comunidade (Koinonia).

Histórica e teologicamente há bases bastante sólidas para se
afirmar que o Protestantismo nasceu como uma
redescoberta da comunidade. E mais do que isto: que a
comunidade (Koinonia) é a própria essência do
Protestantismo, seria possível então afirmar que se há um
princípio protestante, ele é a comunidade. Guardamos o
sentido duplo da palavra princípio: (1) como início
histórico e (2) como idéia ou realidade que se constitui na
essência de algo.
92

Martinho Lutero dedicou-se muito em reformar a igreja. Muito fez para que o
povo tivesse seu lugar na vida da comunidade cristã. “Pelo seu conhecimento da
Bíblia e da História da Igreja, ele inverteu muitos conceitos e sacudiu profundamente

89
REILY, D. A., A História da Igreja, Revista Em Marcha, volume 1, São Bernardo do Campo,
Imprensa Metodista, 1988, p. 81.
90
CASTRO, op. cit., p. 43.
91
Idem.
92
ALVES, Rubem, Dogmatismo e Tolerância, São Paulo, Paulinas, 1982, p. 133.

54
a estrutura da igreja”.
93
Sua interpretação do significado de comunidade colocou em
dúvida a eficiência da estrutura segundo a qual a Igreja Medieval se organizava.

Esta “interpretação” da significação da comunidade tem
uma importante conseqüência para a articulação da relação
entre comunidade estrutura. Se na Igreja Medieval as
estruturas eram a Lei da Comunidade, agora elas perdem
sua densidade ontológica e a sua validez ética. Passam a ser
entendidas como funções da comunidade, como
instrumentos de sua liberdade. Passa a ter caráter de evento:
subordinadas, funcionais, provisórias, abertas para o futuro.
É muito instrutivo o fato de haver Lutero se recusado a
incluir as estruturas da igreja como parte de sua essência,
como Calvino fez (...) Isto significa que as estruturas têm
que estar permanentemente submetidas à dialética de morte
e ressurreição que a comunidade impõe, não lhe sendo
permitido nunca cristalizar-se.
94

Nesta interpretação do significado de comunidade e na afirmação sobre o
sacerdócio universal de todos os crentes, Lutero apresentava uma nova visão da igreja.
O professor Clovis Pinto de Castro afirma que esta nova visão, proposta por Lutero,
“relaciona-se diretamente com a dinâmica dos Dons e Ministérios”.
95

Apresentaremos neste momento algumas das conseqüências desta nova visão de
igreja, proposta por Lutero.

2.1.1. O Povo participa ativamente no culto
Lutero incentivou a participação dos leigos no culto. Aboliu totalmente a prática
utilizada na Igreja Católica Romana, onde os leigos eram simples espectadores. O
povo de Deus não apenas assiste ao culto, mas participa ativamente dele.
No texto “Missa e Ordem do Culto Alemão”, Lutero apresenta algumas
diretrizes, ordens e formulários para o culto cristão. Nele vemos um “programa de

93
REILY, Dons e Ministérios na História da Igreja, op. cit., p. 40.

55
culto” completo, que comprova a importância da participação leiga na liturgia.
Passaremos a citar alguns momentos litúrgicos onde estes leigos participavam no
culto:
- Para iniciar cantamos um Hino ou um salmo alemão no
primeiro tom. Então segue o “kyrie eleison” no mesmo
tom, três vezes, e não nove...
- (...) Após o evangelho, toda a congregação canta o credo
em alemão: “nós cremos todos num só Deus”.
- (...) Depois do sermão deve seguir uma paráfrase pública
do Pai-Nosso e uma exortação aos que querem participar no
sacramento (...) eu os exorto em primeiro lugar a elevar os
corações a Deus, para orar comigo o Pai-Nosso.
- (...) Cante-se o Sanctus alemão ou o hino “Jesus Cristo,
que nos salva”. Então o cálice deve ser abençoado e
oferecido enquanto se canta o restante destes hinos, ou o
Agnus Dei alemão.
96


Como vimos, o povo canta a sua fé, ouve a pregação e participa da liturgia na
sua própria língua. O culto é um lugar onde o povo de Deus pode expressar sua fé,
através da participação ativa no canto, nas orações e nas leituras.


2.1.2. Tradução da Bíblia para o Alemão
Lutero empenhou-se em traduzir a Bíblia para o alemão, visando levar o povo a
ter contato direto com os textos sagrados. Com isto, retirou a Bíblia da mão da
hierarquia da igreja (que tinha acesso ao grego, hebraico e latim) e distribuiu-a ao
povo (que tinha acesso apenas à língua alemã).

94
ALVES, op. cit., p.112.
95
CASTRO, op. cit., p. 43.
96
LUTERO, Martinho, Missa e Ordem do Culto Alemão, in: Pelo Evangelho de Cristo, Porto
Alegre/São Leopoldo, Concórdia/Sinodal, 1984, pp. 225-228. O texto completo encontra-se nas páginas
217-231.

56
Entendia que a capacidade (dada por Deus) de interpretar as Sagradas Escrituras
não era uma exclusividade do papa, mas um dom dispensado a todos os crentes.

... Há cristãos retos entre nós, que têm a verdadeira fé,
Espírito, compreensão, palavra e conceito de Cristo. Ora,
por que razão se haveria de rejeitar a palavra e
compreensão dos mesmos, e seguir ao papa que não tem
nem fé nem o Espírito? Isto seria negar toda a fé e a Igreja
Cristã! Mais: não pode ter razão o papa sozinho, se está
correto o artigo:”Creio na Santa Igreja Cristã!”, ou teremos
que orar: “Creio no papa em Roma”, reduzindo assim toda
a Igreja Cristã em uma única pessoa, o que outra coisa não
seria senão um erro diabólico e infernal. Além disso, todos
nós somos sacerdotes, como está dito acima. Todos temos
uma fé, um Evangelho, o mesmo sacramento. Como não
haveríamos de ter também poder de perceber e de julgar o
que seria correto ou incorreto na Fé?
97


2.1.3. O lar como espaço para a instrução religiosa
Grande parte da instrução religiosa é transferida para os lares, onde os pais
assumem funções “sacerdotais” semelhantes às dos pais israelitas. Esta tarefa era
realizada com o auxílio do “Catecismo Menor”, muito utilizado ainda hoje pelos
luteranos.
Lutero reconheceu que a doutrina cristã não estava sendo ensinada ao povo. Por
isso preparou o Catecismo Menor, como um material didático que ajudaria os pais a
ensinarem a doutrina cristã a seus familiares. Vejamos alguns apontamentos, feitos
por ele, que confirmam esta tese:
I- OS DEZ MANDAMENTOS, como o chefe de família
deve ensiná-los com simplicidade a sua casa. (...) II- O
CREDO, como o chefe de família deve ensiná-lo com toda
simplicidade a sua casa. (...) III- O PAI NOSSO, como o
chefe de família deve ensiná-lo com toda simplicidade a

97
LUTERO, Martinho, À Sereníssima, Poderosíssima Majestade Imperial e à Nobreza Cristã da Nação
Alemã, in: Matinho Lutero obras selecionadas, Volume II, op. cit., p. 287.

57
sua casa. (...) IV- O SACRAMENTO DO SANTO
BATISMO, como o chefe de família deve ensiná-lo com
simplicidade a sua casa. (...) VI- O SACRAMENTO DO
ALTAR, como o chefe de família deve ensiná-lo com
simplicidade a sua casa. (...) VII- ORAÇÕES, como o chefe
de família deve ensinar a sua casa a orar de manhã e de
noite... Como o chefe de família deve ensinar a sua casa. A
pedir a bênção e dar graças. (...)
98


Como vimos, o lar era um local muito apropriado para se ensinar as doutrinas
cristãs. Por isso, Lutero incentiva os pais a exercerem o “ministério do ensino”, em
suas próprias casas. Com este catecismo, Lutero demonstra o quanto ele valorizava o
ministério do leigo. Ou seja, os pais assumam funções “sacerdotais” diante da família.


2.1.4. A igualdade dos cristãos diante de Deus. Todos são sacerdotes
Lutero não admitia haver distinção entre classe clerical e leiga. Para ele, cada
serviço ou profissão é um serviço a Deus e à comunidade, e por isso deve ser
considerado uma vocação.

Inventou-se que o papa, os bispos, os sacerdotes e os
monges sejam chamados de estamento espiritual; príncipes,
senhores, artesãos e agricultores, de estamento secular. Isso
é uma invenção e fraude muito refinada. Mas que ninguém
se intimide por causa disso, e pela seguinte razão: Todos os
cristãos são verdadeiramente de estamento espiritual, e não
há qualquer diferença entre eles a não ser exclusivamente
por força do ofício, conforme Paulo diz em 1Co 12.12ss:
“Todos somos um corpo, porém cada membro tem sua
própria função, com a qual serve aos outros. Tudo isso se
deve ao fato de que temos um Batismo, um Evangelho,
uma Fé e somos cristãos iguais, porque é só Batismo,
Evangelho e Fé que tornam as pessoas espirituais e cristãs.
Ora, o fato de que o papa ou o bispo unge, faz tonsura,
ordena, consagra, se veste de forma diferente que os leigos

98
LUTERO, Martinho, Catecismo Menor, in: Os Cetecismos, Porto Alegre/São Leopoldo, Concórdia/
Sinodal, 1983, pp. 363-384.

58
pode perfazer um hipócrita ou um pseudo-sacerdote, jamais
constitui, porém, um cristão ou pessoa espiritual. Assim,
pois todos nós somos ordenados sacerdotes através do
Batismo, como diz são Pedro em 1Pe 2.9: “vós sois um
sacerdócio real e um reino sacerdotal”.
99

Para Lutero, o que vai diferenciar os leigos dos sacerdotes é a função, ou
ocupação, que eles exercem, e não o seu estamento, pois todos são considerados
participantes do estamento espiritual.

Da mesma forma como aqueles que agora são chamados de
clérigos ou sacerdotes, bispos ou papas, não são mais
dignos ou distintos do que os outros cristãos senão pelo fato
de deverem administrar a palavra de Deus e os Sacramentos
- esta é sua ocupação e ofício -, também a autoridade
secular tem a espada e o açoite na mão para com eles punir
os maus e proteger os bons. Uma sapateiro, um ferreiro, um
lavrador, cada um tem o ofício e a ocupação próprios de seu
trabalho. Mesmo assim todos são sacerdotes e bispos
ordenados de igual modo, e cada qual deve ser útil e
prestativo aos outros com seu ofício ou ocupação, de modo
que múltiplas ocupações estão voltadas para uma
comunidade, para promover corpo e alma, da mesma forma
como os membros do corpo servem todos um ao outro.
100


Nesta palavra de Lutero, vemos claramente que o movimento Dons e
Ministérios (conduzido pelo Espírito Santo) se fazia presente na reforma Luterana.
Todos eram considerados sacerdotes, e exerciam seus ofícios visando a servir ao resto
da comunidade.
Ele não admitia as ordens clericais como um sacramento, mais sim como “uma
maquinação belíssima para consolidar todas as monstruosidades que se cometeram e
que ainda cometem na igreja”.
101
Dirá o seguinte com respeito às ordens:


99
LUTERO, Martinho, À Sereníssima, Poderosíssima Majestade Imperial e à Nobreza Cristã da Nação
Alemã, in: Matinho Lutero obras selecionadas, Volume II, op. cit., p. 282.
100
Idem, p. 284.
101
LUTERO, Martinho, Do cativeiro Babilônico da Igreja. Um Prelúdio de Martinho Lutero, in:
Martinho Lutero, obras selcionadas, volume II, Porto Alegre/São Leopoldo, Concórdia/ Sinodal,
volume II, 1989, p. 414.

59
Caso se vissem obrigados a admitir que nós todos somos
igualmente sacerdotes, todos os que fomos batizados -
como na verdade somos -, e que a eles se confiou apenas o
ministério, mas por consenso nosso, deveriam reconhecer
simultaneamente que não têm direito algum de dominar-
nos, a não ser até onde nós o admitirmos espontaneamente.
Pois assim diz 1Pe 2.9: “Vós sois raça eleita, sacerdócio
real e reino sacerdotal”. Por isso somos todos sacerdotes,
todos quantos somos cristãos. No entanto, os que
denominamos de sacerdotes são ministros, eleitos dentre
nós, que devem fazer tudo em nosso nome. O sacerdócio
não é outra coisa que ministério. Assim é dito em 1Co 4,1:
“Assim nos considere o ser humano como ministros de
Cristo e dispenseiros dos mistérios de Deus”.
102

O que fundamenta o sacerdócio não é mais a ordenação, mas sim a fé em
Cristo. Qualquer pessoa que tenha fé, pode ser considerada sacerdote, bispo e papa.

Ao proclamar o sacerdócio universal de todos os crentes,
Lutero não somente tornou impossível para um grupo na
igreja manter outros em posição inferior, como também
elevou a todos os fiéis, incluindo os considerados mais
baixos, à condição privilegiada de sacerdote.
103

As mudanças propostas por Lutero desencadearam uma série de transformações
na maneira da igreja organizar-se. O modelo de igreja estruturada hierarquicamente é
substituída por um novo modelo, onde a comunidade é valorizada e todos os seu
membros considerados sacerdotes. Para ele, todos os crentes recebem o dom de Deus
para exercer uma função na sociedade, visando ao bem comum. Esta nova dinâmica
proposta por Lutero está muito relacionada à idéia de organizar-se em Dons e
Ministérios, que a Igreja Metodista brasileira adotou em 1987. Com isto, afirmamos
que a reforma protestante, em particular a fase luterana, é uma das fontes onde o
metodismo brasileiro inspirou-se para optar por um modelo de igreja organizado
segundo os dons e ministérios.


102
Idem.
103
SHAULL, Richard, A Reforma Protestante e a Teologia da Libertação, São Paulo, Pendão Real,
1993, p. 45.

60


2.2. Dons e Ministérios no movimento Wesleyano do século XVIII
O principal movimento de renovação da Igreja foi, sem dúvida, o da Reforma do
século XVI. O que não se deve ignorar é que houve outras reformas, tanto antes
quanto depois da Reforma. O metodismo Wesleyano do século XVIII é um destes
movimentos que procurou reformar e renovar a igreja. Ele é parte integrante do
movimento protestante, pela mediação da Igreja da Inglaterra.
104

Os grandes reformadores do século XVI reconheciam que
uma Igreja Reformada era uma Igreja em perpétua reforma.
É nesse contexto que devemos compreender a auto-imagem
dos metodistas no século XVIII. Já por ocasião da primeira
Conferência na Inglaterra, em 1744, Wesley e um grupo
seleto de colaboradores concluíram que Deus havia
levantado o movimento para “reformar a nação,
particularmente a Igreja (da Inglaterra) e espalhar a
santidade bíblica por toda a Terra”.
105


Wesley jamais pensara em formar uma nova Igreja. Sempre se considerou
ministro da Igreja Anglicana, na qual ele se empenhava por reformar. “Era um
movimento crítico dentro da instituição eclesiástica”.
106


... a Igreja da Inglaterra havia caído em um estado de
rigidez cerimonial, ritualismo e sequidão espiritual. As
condições das igrejas chamadas “dissidentes” ou “não-
conformistas” não parecia ser melhor. Uma e outra tinham,
segundo a expressão metodista que se tornaria famosa, a
“forma”, mas não a experiência “da piedade”.
107



104
REILY, A História da Igreja, op. cit., p. 87.
105
VVAA., Teologia em Perspetica Wesleyana: Marcas Metodistas - Caminhando nº 6, São Paulo,
Igreja Metodista, 1993, p. 44.
106
CASTRO, op. cit., p. 44.
107
BAEZ, Camargo G., Genio e Espírito do Metodismo Wesleyano, São Paulo, Imprensa Metodista,
1986, p. 15.

61
O metodismo estabeleceu-se como um movimento de renovação e não tinha
qualquer pretensão de tornar-se uma instituição. Seu objetivo maior era o de reformar
as estruturas da igreja, pois, enrijecidas como estavam, não poderiam alcançar o povo,
deixando assim de cumprir a missão de Deus.
Como um avivamento evangélico, quer dizer, como um
retorno desde o centro da própria reforma ao cristianismo
do novo Testamento, o metodismo repudiou os extremos do
sacramentalismo, do institucionalismo, do dogmatismo
intelectualista, do sentimento sensual, do clericalismo
hierárquico, do ensinamento mítico e do semipelagianismo
moralista: desvios perigosos, todos eles, do Evangelho
autêntico de Jesus Cristo.
108


Ainda que Wesley não aprovasse a idéia do movimento metodista separar-se da
Igreja Anglicana, após a sua morte, por forças de circunstâncias históricas, a separação
aconteceu.
O movimento metodista, iniciado por Wesley e seus amigos, foi se estruturando
aos poucos, para assim permitir a solidificação e crescimento do Metodismo. Tinha
uma estrutura flexível, muito apropriada ao movimento. Podemos dizer que havia
muito de “DONS E MINISTÉRIOS” na estrutura organizacional do movimento
metodista do século XVIII.

Wesley nunca preparou um anteprojeto da estrutura do
metodismo. As peças surgiam, uma a uma de muitas fontes
e Wesley adaptava-as às exigências do movimento.
109

A forma de organização do metodismo permitia conservar a
“espontaneidade dentro da ordem, a liberdade dentro da
unidade, e o movimento dentro da instituição”.
110



108
Idem, p. 19.
109
REILY, D. A., Momentos Decisivos do Metodismo, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista,
1991, p. 44.
110
CASTRO, op. cit., p. 46.

62
O movimento metodista tinha como grande preocupação, proporcionar a
participação ativa do povo na missão de Deus. A missão não era só realizada pelo
povo, mas também em prol dele próprio. Assim, como a Reforma Luterana, o
metodismo também procurava uma melhor maneira de organizar-se, para assim
aproximar-se do povo, procurando fazer deste um participante ativo da comunidade
cristã.

Também descobriram (os metodistas) meios adequados
para edificar o povo despertado pelo seu trabalho de
proclamação e para orientá-lo na sua caminhada em direção
à perfeição cristã, por meio de sociedades, classes, bands
(círculos, pequenos grupos), cultos e celebrações adequadas
a essas finalidades.
111


Como vimos, o movimento Wesleyano procura organizar-se diferentemente da
Igreja Anglicana, visando a proporcionar espaços para a participação do povo.
Enquanto que na Igreja Oficial (anglicana) a estrutura enrijecida não dava espaço para
o povo; no movimento Wesleyano este povo terá espaço e se realizará como
participante da missão divina.
Na estrutura a qual o movimento Wesleyano foi se organizando, encontramos
alguns pontos que indicam sua flexibilidade e sensibilidade em organizar-se. Podemos
dizer que nesta flexibilidade e sensibilidade encontramos muito de “DONS E
MINISTÉRIOS”. O movimento procurava sempre organizar-se, segundo os DONS
existentes na comunidade e os MINISTÉRIOS emergentes da sociedade. Dentre
alguns pontos que comprovam esta tese, destacamos os seguintes: “pregação ao ar
livre”, “ministério itinerante” e “pregação leiga”.

111
VVAA, op. cit., p. 45

63
Podemos dizer que a “pregação ao ar livre” e o “ministério itinerante” foram
MINISTÉRIOS (serviços) que emergiram da igreja, diante de questões levantadas pela
sociedade; e que a “pregação leiga” começou como expressão do DOM de um dos
leigos (Tomás Maxfield) que participava do movimento. Como vimos, havia uma
dinâmica de “DONS E MINISTÉRIOS” implícita no movimento Wesleyano.
A estrutura organizacional, com a qual o metodismo vai se organizando no
século XVIII, apresenta uma dinâmica que se relaciona, em muito, com o modelo de
igreja organizado segundo os Dons e Ministérios. Afirmamos que este modelo
estrutural, pelo qual a Igreja Metodista brasileira opta por organizar-se, tem como uma
de suas fontes inspiradoras o movimento Wesleyano do século XVIII.
Podemos concluir este capítulo relembrando uma afirmação feita no início do
mesmo: “A releitura da Bíblia e da História foi uma das motivações que levou a Igreja
Metodista a optar por “Dons e Ministérios”. Nesta releitura, destacamos as
“Comunidades Paulinas”, a “Reforma Luterana” e o “Movimento Wesleyano do
século XVIII”, como fontes inspiradoras que motivaram a Igreja Metodista brasileira a
organizar-se segundo os “Dons e Ministérios”.
Devemos destacar o fato de que todas as três fontes apresentadas não se
constituem em igrejas institucionalizadas, mas sim em movimentos. Por isso, torna-se
necessário que tenhamos o cuidado de não fazer conclusões precipitadas com respeito
à implantação de “Dons e Ministérios” na Igreja Metodista. Pois, podemos cair no
erro de querer implantar estruturas organizacionais do passado, na igreja do presente.
Ou ainda, implantar uma estrutura organizacional de movimento em uma igreja
“super-estruturada”. Enfim, “Dons e Ministérios” inspirou-se muito em alguns
modelos organizacionais apresentados pela Bíblia e pela História.


64




















65
CAPÍTULO III

“DONS E MINISTÉRIOS”
uma estrutura organizacional participativa e missionária

O novo modo de ser igreja, aprovado pelo XIV Concílio Geral da Igreja
Metodista (1987), tem como seu maior objetivo propiciar uma estrutura
organizacional onde todos os seus membros possam expressar seus dons através de
ministérios prestados à comunidade. Ao relembrarem algumas das decisões tomadas
neste Concílio (1987), os Bispo afirmaram:

A igreja local é, assim, desafiada a dar oportunidades iguais
a seus membros, de modo que expressem seus Dons através
de serviços prestados à comunidade e circunvizinhança.
Esse é o objetivo da Igreja de Dons e Ministérios. Dons que
habilitam para o serviço, práticas que correspondam ao
Evangelho que é pregado. Com isso, surge uma exigência
de maior liberdade de organização, a fim de atender às
necessidades de serviço ao povo.
112


A Igreja, que se organizara por muito tempo dentro de uma estrutura
excessivamente burocrática e de manutenção, opta, em 1987, por uma estrutura
organizacional mais flexível e condizente com sua proposta ministerial. Nos concílios
anteriores, a Igreja Metodista havia aprovado “Planos de Ação” - que representavam
propostas ministeriais - neste ela aprova mudanças substanciais em sua estrutura
organizacional - procurando assim facilitar o cumprimento das propostas apresentadas
no último dos Planos o Plano para a Vida e Missão da Igreja.

112
COLÉGIO EPISCOPAL, Dons e Ministérios: Espiritualidade e Serviço, in: Igreja: Comunidade
Missionária a Serviço do Povo, op. cit., p. 14.

66
A partir deste Concílio Geral (XIV), organizar-se segundo os “Dons e
Ministérios” passou a ser o grande desafio da Igreja. A implantação deste novo
modelo organizacional ficou sob a responsabilidade do Colégio Episcopal.

O Colégio Episcopal recebeu do Concílio Geral, além da
grande responsabilidade de governar a Igreja, a
incumbência de implantar um novo modelo de Igreja
organizada em Dons e Ministérios, isto é, uma Igreja
Ministerial. Desafiar e conscientizar a Igreja Metodista a
viver e agir missionariamente, na perspectiva do
movimento Dons e Ministérios, não seria uma tarefa
fácil...
113

Nos anos decorrentes a 1987, o Colégio Episcopal empenhou-se em
proporcionar materiais e atividades pedagógicas que levassem a Igreja Metodista a
organizar-se em Dons e Ministérios.
114

Mas, ainda que o Colégio Episcopal tenha se empenhado por implementar este
novo modelo de Igreja, ele não foi muito assimilado por uma grande parte da Igreja.
115

Muitas comunidades locais apenas substituíram os nomes, ou seja, o que era chamado
de “comissão” passou a ser chamado de “ministério”. Exemplo: Comissão de
Evangelização passou a ser chamada de Ministério da Evangelizacão. Citamos este
exemplo por entendermos que ele representa significativamente a “ignorância” de
muitas igrejas com respeito a Dons e Ministérios. Pois nesta nova estrutura
organizacional, todos os dons e todos os ministérios estão à serviço da evangelização,
não necessitando assim existir um único ministério se responsabilizando por esta
tarefa.

Destacam-se os ministérios “oração e louvor” e “louvor e
música”, seguidos dos ministérios de “comunicação”, “ação
social e comunitária”. Além desses, observa-se a existência

113
CASTRO, op. cit., p. 61.
114
Para um maior aprofundamento com respeito a ação pedagógica do Colégio Episcopal na
Implantação de Dons e Ministérios, leia: CASTRO, op. cit., p. 59.117.
115
Podemos verificar isto no relatório apresentado pelo Colégio Episcopal (1991) e no testemunho de
alguns pastores.

67
dos ministérios “visitação”, “ensino e educação cristã”,
“proclamação”, “patrimônio e finanças”, “evangelização”.
Por um lado, o estilo dos ministérios é a reprodução das
comissões outrora existentes. São poucos os ministérios
inovadores e específicos, para o tratamento de problemas
localizados da comunidade. A maior parte dos ministérios
ainda se volta para a manutenção da vida de “culto” e
“administração” da igreja, vida interna.
116

Percebe-se, através do relatório apresentado pelos bispos e também pelo
testemunho de alguns pastores, que embora os delegados da igreja, reunidos em
Concílio Geral, tivessem optado por Dons e Ministérios, na esperança de que esta
nova estrutura organizacional levaria a igreja a ter uma postura mais missionária,
muitas igrejas locais não entenderam esta mudança e apenas modificaram os nomes,
sustentando ainda a antiga forma de organizar-se (estrutura de manutenção - cargos e
comissões). Fazendo analogia a uma expressão neotestamentária, podemos dizer que o
Concílio Geral havia proposto “odres novos para vinho novo”, mas muitas igrejas
locais não entenderam esta proposta. Ainda que tivessem o “vinho novo”,
continuaram usando “odres velhos”.
Embora os bispos tenham se empenhado na promoção de atividades e materiais
pedagógicos para a implementação dos Dons e Ministérios, após quatro anos eles
reconheceram que todo o esforço ainda não havia sido suficiente, pois algumas Igrejas
não conseguiam se desvencilhar da antiga estrutura organizacional.

Nota-se que a orientação, ao longo do quadriênio, sobre
como organizar-se em Dons e Ministérios, não foi
totalmente suficiente. Permaneceram, embora em pequena
escala, dúvidas e queixas. E há igrejas que se declaram com
falta de condições para se organizarem como tal.
117


116
COLÉGIO EPISCOPAL, Dons e Ministérios: Espiritualidade e Serviço, in: Igreja: Comunidade
Missionária a Serviço do Povo, op. cit., p. 27.
117
Idem.

68
Reconhecendo as limitações do processo pedagógico utilizado no quadriênio
anterior (1987-1991) e também algumas dificuldade relativas a questões políticas,
118

referentes a implantação do novo modelo de igreja, os bispos e os delegados reunidos
em Concílio Geral em 1991, colocaram como um dos pontos a serem alcançados, nos
próximos anos, a reorganização da igreja local em Dons e Ministérios, tendo o PVMI
como seu ideário.

O que esperamos alcançar... - aprofundar a reorganização
das igrejas locais, com base nos Dons e Ministérios, a partir
dos documentos produzidos pela Igreja Metodista, inclusive
o Plano para a Vida e a Missão, como forma de avaliação
da caminhada de Dons e Ministérios, principalmente junto
às lideranças das igrejas locais.
119


Organizar as igrejas locais em Dons e Ministérios continua sendo o grande
desafio da Igreja Metodista brasileira. Pois, ainda que este modelo organizacional
tenha bases bíblicas, teológicas, históricas e pastorais, que comprovem sua eficácia,
no cotidiano de algumas igrejas ele tem sido abandonado, ou implantado
incorretamente (não dando resultados e trazendo descrédito).
Para reverter o quadro, levando-se mais igrejas locais a optarem por Dons e
Ministérios (na sua real proposta), torna-se necessário realizar um trabalho mais árduo
de conscientização, do que o usado até agora. Deve-se levar as igrejas locais a
reconhecerem que “Dons e Ministérios não é um programa”,
120
mas sim um
“movimento” conduzido pelo Espírito Santo. Movimento este que já esteve presente
em outras comunidades cristãs e que agora faz-se presente também na Igreja
Metodista brasileira. Organizar-se em Dons e Ministérios é estar disposto a seguir o
sopro do Espírito. O Espírito sopra onde quer, capacitando quem quer e quando quer,
visando a um fim proveitoso (a missão).

118
Muitos pastores e líderes ficaram com medo de perder o seu “status” diante da nova configuração,
por isso não se esforçavam por implementá-la.
119
COLÉGIO EPISCOPAL, Planejamento Nacional, in: Igreja: Comunidade Missionária a Serviço do
Povo, op. cit., p. 82-83.
120
COLÉGIO EPISCOPAL, Dons e Ministérios, op. cit., p. 05.

69
Organizar-se em Dons e Ministérios. Significa dar oportunidade a uma estrutura
flexível e missionária. Uma estrutura que se molda às exigências da missão.
Para continuar o processo de conscientização da Igreja, é preciso que se estude
mais as fontes deste novo modelo organizacional, optado em 1987. Deve-se promover
estudos bíblicos e históricos que relatem as experiências de outras comunidades que
se organizaram em Dons e Ministérios. No primeiro e segundo capítulos deste
trabalho, apresentamos alguns subsídios que ajudam na elaboração destes estudos.
Foram apresentados: As comunidades Paulinas, a Reforma Luterana, o Movimento
Wesleyano (século XVIII) e o Programa Agentes da Missão (5ª RE), como algumas
comunidades e movimentos que tiveram experiências positivas com Dons e
Ministérios, e que serviram de fontes inspiradoras para que o Concílio Geral de l987
optasse por este modelo “carismático” (organizado segundo os carismas e os
serviços).
Neste processo de conscientização é importante levar a Igreja a valorizar seu
passado, pois assim ela evitará de cometer alguns erros, já cometidos por alguns; e
também poderá recriar algumas experiências positivas, vividas por outros. A Igreja
precisa fazer uma releitura da Bíblia e da História, pois nelas encontrarão exemplos de
comunidades que se organizavam num modelo semelhante ao dos Dons e Ministérios,
e que tiveram muito êxito.
Dons e Ministérios é uma estrutura organizacional participativa e missionária.
Inspira-se muito na doutrina do sacerdócio universal de todos os crentes, apresentada
por Lutero. Pois valoriza em muito a participação de todos os membros da Igreja na
obra evangelizadora. Procura não fazer distinção entre os vários ministérios: todos são
iguais.
... (E) na igreja ministerial os presbíteros ou presbíteras são
habilitados para ensinar, coordenar, motivar animar, e

70
integrar os demais ministérios. Não formam uma classe ou
um ministério acima dos demais.
121

Mesmo que os(as) presbíteros(as) tenham um ministério muito importante na
vida da Igreja, eles não são considerados melhores; pois, na Igreja de Dons e
Ministérios todos são sacerdotes, e todos participam de sua missão. Podemos uma vez
mais fazer uso da fala de Leonardo Boff, quando apresenta a estrutura carismática das
comunidades paulinas.
122


Não existe nenhum membro não carismático. Vale dizer
ocioso, sem ocupar um determinado lugar na comunidade
“cada membro está a serviço do outro membro” (Rm 12,5).
Todos gozam de igual dignidade, não cabendo privilégios
que desestruturam a unidade do todo: “o olho não pode
dizer à mão: não preciso de ti; nem tampouco a cabeça aos
pés: não necessito de vós” (I Cor 12,21). A regra de ouro
que salvaguarda a sanidade do modelo, sua circularidade
fraterna foi assim formulada por Paulo: “todos os membros
tenham igual solicitude uns com os outros” (I Cor 12,25)
123

Tanto o sacerdócio universal de Lutero, quanto a eclesiologia paulina, valorizam
em muito a participação de todos os membros na igreja, não permitindo que uma
pessoa ou grupo possa colocar-se acima dos demais. É esta visão de corpo que Dons e
Ministérios procura levar a sério. Organizar-se em Dons e Ministérios é permitir que
cada membro participe com seus dons, nos vários ministérios existentes na
comunidade.
Além de promover uma estrutura bem participativa, Dons e Ministérios tem
como seu maior objetivo levar todos os participantes da comunidade a realizar,
conjuntamente, a missão de Deus. Ela é uma estrutura missionária.

Organizando-se em Dons e Ministérios, a Igreja Metodista
é chamada a ser parte da Igreja de Cristo e parte do povo de

121
COLÉGIO EPISCOPAL, Dons e Ministérios: Espiritualidade e Serviço, in: Igreja: Comunidade
Missionária a Serviço do Povo, op. cit., p. 17.
122
Veja p. 47, capítulo II.
123
BOFF, op. cit., p. 238.

71
Deus, com uma vocação própria. Desde os inícios de seu
movimento na Inglaterra, liderado por João Wesley, com
grande participação de muitos leigos e leigas, os metodistas
associaram-se em comunidades (sociedade, classes,
pequenos grupos) e exerceram ministérios em nome de
Jesus Cristo, junto ao povo.
124

Neste novo modelo organizacional da Igreja, o povo se organiza enquanto
corpo, tendo em mente realizar os vários ministérios que a missão lhe impõe. Sua
antiga estrutura era “pesada” e “muito burocrática”, esta nova é mais flexível e voltada
para a realidade. Enquanto a antiga estrutura valorizava a “manutenção”, esta nova
valoriza a missão.
Com este novo modelo organizacional, a Igreja Metodista é convidada a
desprender-se de si mesma, procurando realizar a missão de Deus, em meio ao povo.
As regras para a sua estruturação estão na própria realidade onde irá realizar esta
missão. Sua estrutura se “molda” às exigências do momento. Podemos dizer que são
as necessidades do “campo missionário” que designam quais os Dons e Ministérios
necessários para o cumprimento da missão.
Para uma melhor realização da missão, na igreja de Dons e Ministérios, o
Concílio Geral de 1991 dividiu a ação da Igreja em três áreas: “Ação Missionária”,
“Ação Docente” e “Ação Administrativa”. Esta divisão é apenas um caminho
metodológico, pois todas as três devem convergir para a missão.

O presente Planejamento Nacional põe em destaque a “ação
missionária”, propriamente dita, bem como a “ação
docente” e a “ação administrativa”. O ensino (ação docente)
por variadas formas e métodos, e a manutenção e busca de
eficácia das estruturas da organização (ação administrativa)
se constituem em componentes da própria ação missionária.
Pois, seja o ensino ou a administração, ambos só tem
sentido na medida que tiverem como eixo central a
preocupação missionária. A separação entre “ação
missionária”, “ação docente” e “ação administrativa”,

124
COLÉGIO EPISCOPAL, Dons e Ministérios: Espiritualidade e Serviço, in: Igreja: Comunidade
Missionária a Serviço do Povo, op. cit., p. 9.

72
portanto, é um caminho metodológico e necessário para
composição deste plano. Todas essas ações precisam
convergir para a fundamental razão de ser Igreja: a missão.
A docência lhe dá fundamento, orientação. A administração
lhe dá mobilidade, sustentação, oxigenação vital.
125

Como vimos, as diferentes áreas de ação da igreja devem estar voltadas para a
missão. O Planejamento Nacional (1991) apresenta várias propostas para estas áreas
de ação, tanto para o nível local, quanto para os níveis regional e geral. Destacaremos
apenas uma proposta feita para as igreja locais na área de ação missionária, por estar
totalmente ligada ao tema de nosso capítulo. Seu tema é: adoção de um modelo de
“organização por projetos”.
126


- Adotar o modelo da “organização por projetos, para a
estruturação da igreja local, com base nos seguintes passos:
a) tomar conhecimento das necessidades do agrupamento
humano onde se localiza a igreja local; b) esquematizar,
com base nessas necessidades, os serviços que pode
realizar, aproveitando para isso os dons e os recursos que
possui; c) avaliar seu potencial, identificando os recursos
disponíveis, ou que possam ser conseguidos, tanto interna
como externamente, junto a grupos cujo interesse pela
defesa da vida condiga com a proposta do evangelho; d)
selecionar é priorizar os serviços, de acordo com os
recursos disponíveis; e) organizar a comunidade,
internamente, de acordo com os serviços a serem
executados; f) prover a instrução e a disciplina, de modo
que todos os participantes sejam coesos, mutuamente
edificados, efetivamente companheiros na missão.
127


Ao organizar-se em Dons e Ministérios a Igreja Metodista é convidada a
elaborar seu “plano de ação”, ou seja, planejar o que pretende realizar. Optar por Dons
e Ministérios não é, portanto, optar pela desordem ou desorganização; muito pelo
contrário, é optar por uma estrutura organizada e ordenada. Ao afirmarmos que Dons

125
COLÉGIO EPISCOPAL, Planejamento Nacional, in: Igreja: Comunidade Missionária a Serviço do
Povo, op. cit., p. 81-82.
126
O Colégio Episcopal procurou facilitar a compreensão desta determinação do XV Concílio Geral,
confeccionando a apostila: Elaborando juntos nosso projeto, preparada por Lúcia Leiga (ver anexo 1).
127
COLÉGIO EPISCOPAL, Planejamento Nacional, in: Igreja: Comunidade Missionária a Serviço do
Povo, op. cit., p. 83.

73
e Ministérios é um modelo de igreja onde todos os membros participam, devemos
reconhecer os vários estágios da participação, que vai do planejar (elaborar o plano) à
avaliação dos resultados.

A organização por projetos, numa Igreja Ministerial, deve
ter como referencial teórico a administração participativa.
A comunidade é convidada a participar ativamente do
planejamento (planejamento participativo). Esta
participação deve se dar em nível de decisão (Concílio
Local); de execução (ministérios) e de resultados
(todos/as).
128

Dons e Ministérios valoriza muito os atos comunitários. Todos são chamados
por Deus para exercerem seus Dons nas várias áreas de ação da Igreja. Todos são
convidados a participar conjuntamente da missão de Deus; tal como um corpo (muitos
membros, mas com uma só finalidade - evangelizar). O “planejamento
participativo”
129
é um dos momentos onde os vários ministros atuam como corpo, se
preparando para a execução da missão para a qual foram vocacionados.
Dons e Ministérios é um estrutura organizacional que visa proporcionar a
participação de todos, tendo como seu maior objetivo realizar a missão de Deus.
O novo modo de ser igreja, organizado segundo os Dons e Ministérios, é um
estrutura organizacional que nasceu em protesto contra a antiga forma de organizar-se
(cargos e comissões); procurando construir uma estrutura mais participativa e
missionária.
A participação de todos da comunidade, na realização da missão de Deus, é o
grande “alvo” proposto por Dons e Ministérios.


128
CASTRO, Clovis Pinto de, O(A) Pastor(a) e a organização da igreja por projetos, Apostila
distribuída no Encontro Nacional de Pastores e Pastoras. Sesc Bertioga, São Paulo, setembro, 1992, p.
9.
129
Para melhor compreender o que é um planejamento participativo, ler: BRIGHENTI, Agenor,
Metodologia para um Processo de Planejamento Participativo, São Paulo, Paulinas, 1988.

74




















75
CONCLUSÃO

No Concílio Geral de 1987, a Igreja Metodista optou por um novo modo de ser
igreja, ou seja, uma igreja organizada em “Dons e Ministérios”.

Dons e Ministérios é mais do que um programa ou projeto.
É uma nova forma de ser Igreja. É um movimento que
simboliza o caráter ministerial de toda a igreja, envolvendo
pastores(as) e leigos(as) no ministério total da igreja.
130


A opção por Dons e Ministérios não aconteceu por acaso. Ela é fruto de um
longo processo de avanços e retrocessos. Nasceu da busca da Igreja Metodista
brasileira por tornar-se uma comunidade mais missionária. As raízes mais fortes desta
opção se encontram nos Planos Quadrienais de 1974 e 1978, no Plano para a Vida e a
Missão da Igreja (1982) e nas práticas de algumas igrejas (principalmente na Quinta
Região). Por isso, no primeiro capítulo, procuramos apresentar um pequeno histórico
da Igreja Metodista brasileira, principalmente no que se refere à sua busca por uma
estrutura organizacional mais condizente com sua proposta ministerial.
No segundo capítulo, a releitura da Bíblia e da História Cristã foi apresentada
como sendo uma das motivações que levou a Igreja Metodista a optar por Dons e
Ministérios em 1987. Nesta releitura, destacamos as “Comunidades Paulinas, a
“Reforma Luterana” e o “Movimento Wesleyano do século XVIII”, como fontes
inspiradoras que motivaram a Igreja a decidir por este novo modelo organizacional.
Dons e Ministérios é uma estrutura organizacional que visa proporcionar a
participação de todos, tendo como seu maior objetivo realizar a missão de Deus. Foi
tendo isto em mente que apresentamos, no terceiro e último capítulo, alguns

130
CASTRO, op. cit., p. 143.

76
apontamentos com respeito a este novo modo de ser igreja. Dons e Ministérios é
apresentado como sendo uma estrutura organizacional participativa e missionária.
Podemos concluir o nosso trabalho fazendo a seguinte afirmação: Dons e
Ministérios é uma estrutura organizacional que visa realizar a missão de Deus.

















77

BIBLIOGRAFIA


AÇO, Isac Alberto Rodrigues, Mudança de uma Igreja Centralizadora para uma Igreja
Participante, in: César, Ely Éser Barreto (editor). A Igreja de Dons e Ministérios -
A Visão dos Bispos Metodistas,. Piracicaba, Agentes da Missão, 1991.
__________, Dons e Ministérios, Porto Alegre, Sede Regional da Igreja Metodista da
2ª Região Eclesiástica, s/d.
ALVES, Rubem, Dogmatismo e Tolerância, São Paulo, Paulinas, 1982.
BAÉZ CAMARGO, Gonzalo. Gênio e Espírito do Metodismo Wesleyano. São Paulo,
Imprensa Metodista, 1986.
BARBAGLIO, Giuseppe, 1-2 Coríntios, São Paulo, Paulinas, 1993.
BARBIERI, Sante Uberto. Aspectos Históricos do Metodismo. Piracicaba, UNIMEP,
1983.
BIGARÉ, C. E outros, Introdução à Bíblia, tomo IV Novo Testamento, parte II,
Corpus Paulinos, São Paulo, Herder, 1964.
BOFF, Leonardo, Igreja, Carisma e Poder, Petrópolis, Vozes, 1981,
BORN, A. Van Den, Dicionário Enciclopédico da Bíblia, Petrópolis, Vozes, 1871.
BURTNER, R. W. & CHILES, R. E. Coletânea da Teologia de João Wesley. São
Paulo, JUGEC/Imprensa Metodista, 1960.
BUYERS, Paul Eugene. História do Metodismo. São Paulo, Imprensa Metodista,
1945.
__________, Trechos do Diário de João Wesley. São Paulo, JUGEC, 1965.
CASTRO, Clovis Pinto de, Igreja Metodista: Ação pedagógica do Colégio Episcopal
na implantação de um novo modelo de Igreja organizada em Dons e Ministérios
(1987-1991), Piracicaba, Unimep, 1992. (Dissertação de Mestrado).
CESAR, Ely Éser Barreto, (editor), A Igreja dos Dons e Ministérios, A Visão dos
Bispos Metodistas, Piracicaba, Agentes da Missão, 1991.
__________, O uso da Bíblia na Prática de Nosso Ministério, Piracicaba, Agentes da
Missão, 1988.
__________, Luz e Direção para o Caminho, Estudos Bíblicos, Piracicaba, Agentes da
Missão, 1988.
__________, (Coordenador Editorial), Manual Missionário do Povo Metodista,
Piracicaba, Agentes da Missão, 1988.
COLÉGIO EPISCOPAL, Igreja Ministerial - Desafios e Oportunidades, Imprensa
Metodista, São Paulo, 1991.
__________, Orientações Pastorais sobre o uso dos Dons do Espírito e outras práticas
, São Paulo, 1989.

78
__________, A Caminhada do Compromisso, Mensagem Especial na abertura do
Encontro Nacional de Pastores (as), Venda Nova, MG, in: A Igreja dos Dons e
Ministérios, Piracicaba, Agentes da Missão, 1991.
__________, Servos, Servas, Sábios e Sábias, Santos, Santas, Solidários, Solidárias,
São Paulo, Imprensa Metodista, 1989.
COMBLIN, José, Segunda Epístola aos Coríntios, Comentário Bíblico do Novo
Testamento, Petrópolis/São Paulo, Sinodal/Imprensa Metodista/Vozes, 1991.
FITCHETT, W. H. Wesley e seu Século. São Paulo, Imprensa Metodista, 1927, 2 v.
GONZÁLEZ, Justo L. A Era dos Dogmas e das Dúvidas. São Paulo, Vida Nova,
1984, Col. Uma História Ilustrada do Cristianismo, v. 8.
GRABNER-HAIDER, Anton, Vocabulário Prático de la Bíblia, Barcelona, Herder,
1975.
HINSON, William J. A Dinâmica do Pensamento de João Wesley. São Paulo,
FTIM/Imprensa Metodista, s/d.
HOEFELMANN, Verner, Corinto: Contradições e Conflitos de uma comunidade
Urbana, in: Sociologia das Comunidades Paulinas, Estudos Bíblicos nº 25,
Petrópolis/São Bernardo do Campo/São Leopoldo, Vozes /Imprensa
Metodista/Sinodal, 1991.
IGREJA METODISTA, Cânones, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista,
1988.
__________, Cânones, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, 1992.
__________, Conselho Geral, Plano Quadrienal 1975-1978, São Bernardo do Campo,
Imprensa Metodista, 1974
__________, Conselho Geral, Plano Quadrienal 1979-1982, São Bernardo do Campo,
Imprensa Metodista, 1978.
_________, XIII Concílio Geral, Atas e Documentos, Belo Horizonte, 1982.
_________, XIV Concílio Geral, Documento nº 5 - Avaliação da Situação Material,
Moral e Espiritual da Igreja, São Bernardo do Campo, 1987(Documento
Distribuído em Plenário).
_________, XIV Concílio Geral, Relatório do Colégio Episcopal, São Bernardo do
Campo, julho de 1987.
IGREJA METODISTA XIII CONCÍLIO GERAL, Plano para a Vida e a Missão da
Igreja Metodista, in: Cânones 1992.
JOSGRILBERG, Rui de Souza, Dons e Ministérios na Bíblia, in: Dons e Ministérios
Fontes e Desafios, Piracicaba, Agentes da Missão, 1991.
KÜNG, Hans, A Igreja, Lisboa, Moraes Editora, 1969, volume 1.
LEITE, N. L. C., Aspectos Pastorais dos Dons e Ministérios, in: A Igreja dos Dons e
Ministérios - A Visão dos Bispos Metodistas, Piracicaba, Agentes da Missão,
1987. (Documento Distribuído em Plenário).
_________, Relatório Episcopal ao XXX Concílio Regional, São Bernardo do
Campo, IMS, 1992.
LEON-DUFOUR, Xavier, Vocabulário de Teologia Bíblica, Petrópolis, Vozes, 1972.
LOHSE, Edward, Introdução ao Novo Testamento, São Leopoldo, Sinodal, 1974.

79
LOPES, Sérgio Marcus Pinto, A Proliferação dos Ídolos que Matam: Idolatria dos
Poderes Opressores nas Igrejas, in: Bonino, J. Miguez (organizador), Luta Pela
Vida e Evangelização, São Paulo, Paulinas/Unimep, 1985.
LUTERO, Martinho, Missa e Ordem do Culto Alemão, in: Pelo Evangelho de Cristo,
Porto Alegre/São Leopoldo, Concórdia/Sinodal, 1984.
__________, À Sereníssima, Poderosíssima Majestade Imperial e a Nobreza Cristã da
Nação Alemã, in: Martinho Lutero obras selecionadas, Volume II.
__________, Catecismo Menor, in: Os Cetecismos, Porto Alegre/São Leopoldo,
Concórdia/ Sinodal, 1983.
__________, Do cativeiro Babilônico da Igreja. Um Prelúdio de Martinho Lutero, in:
Martinho Lutero, obras selecionadas, Porto Alegre/São Leopoldo, Concórdia/
Sinodal, volume II, 1989.
MAIA, Adriel de Souza, Ser uma Comunidade Missionária à Serviço do Povo, in:
Expositor Cristão, São Bernardo do Campo, Imprensa Metodista, abril de 1990.
MATTOS, Paulo Ayres, A Questão da Unidade Metodista (ou da Unidade que temos
à Unidade que Precisamos), in: Bonino, J. Miguez (organizador), Luta Pela Vida e
Evangelização, São Paulo, Paulinas/Unimep, 1985.
MOULTON, Karold K., The Analytical Greek Lexicon Revised, Regency Reference
Library, 1978.
NESTLE-ALAND, Novum Testamentum Greace, Deutshe Bibelgesellschaft,
Stuttgart, 1991.
NOGUEIRA, Paulo A. S., Multiplicidade Teológica e a Formação do Catolicismo
Primitivo na Ásia Menor, in: Igreja e Seita - Estudos da Religião nº 8, São
Bernardo do Campo, Edims, 1992
OLIVEIRA, Clory Trindade, Cem anos de Igreja Metodista do Brasil, in: Situações
Missionárias na História do Metodismo, São Bernardo do Campo, Imprensa
Metodista/Editeo, 1991.
__________, Estrutura Organizacional e Administrativa do Metodismo (1965-1982),
in: Caminhando, Revista Teológica da Igreja Metodista, São Bernardo do Campo,
Imprensa Metodista, 1982
QUESNEL, Michel, As Epístolas aos Corintos, São Paulo, Paulinas, 1983.
REILY, Duncan Alexander. Estudos Doutrinários do Metodismo. São Paulo,
Imprensa Metodista, 1988, Série Em Marcha, v. II.
__________, Metodismo Brasileiro e Wesleyano - Imprensa Metodista - SP - 1981
__________, Momentos Decisivos do Metodismo, São Bernardo do Campo, Imprensa
Metodista, 1991,
__________, Igreja Metodista em 3 Tempos, Folheto distribuído pela Pastoral
Universitária do Instituto Metodista de Ensino Superior, São Bernardo do Campo,
sd.
SALVADOR, José Gonçalves. História do Metodismo no Brasil, São Bernardo do
Campo, Imprensa Metodista, 1980.
SANT’ANA, Romilde dos Santos, Cartilha para o Agente Mirim, Piracicaba, Agentes
da Missão, 1988.

80
SILVA, Geoval Jacinto da, Buscando situar-se na Missão Hoje, in: Situações
missionárias na história do metodismo, São Bernardo do Campo, Imprensa
Metodista/Editeo, 1991.
SHAULL, Richard, A Reforma Protestante e a Teologia da Libertação, São Paulo,
Pendão Real, 1993.
VON ALLMEN, J. J., Vocabulário Bíblico, São Paulo, Aste, 1972.
VIANA, Roberto Alves, Os carismas em Paulo, Faculdade de Teologia, São Bernardo
do Campo, 1993. (monografia final do Curso de Bacharel em Teologia).
VVAA, Situações Missionárias na Bíblia, São Bernardo do Campo, Imprensa
Metodista, 1991.
__________, Situações Missionárias na História do Metodismo, São Bernardo do
Campo, 1991
__________, História, Metodismo, Libertação - Ensaios. São Bernardo do Campo,
EDITEO, 1990.
__________, Luta Pela Vida e Evangelização. A Tradição Metodista na Teologia
Latino-Americana. São Paulo, Paulinas/UNIMEP, 1985.
__________, Wesley. São Paulo, CEDI/EDITEO, 1991, Série Leituras da Bíblia 3.
__________, Caminhando - Revista Teológica da Igreja Metodista. Teologia Em
Perspectiva Wesleyana: Marcas Metodistas. São Paulo, Igreja Metodista, Ano IV,
nº 06, 1993.
__________, Reflexões sobre o Documento “Vida e Missão, Piracicaba, Unimep,
1983.
WEGNER, Uwe, Aspectos Socioeconômicos na Carta aos Romanos, in: Sociologia
das Comunidades Paulinas, Estudos Bíblicos nº 25, Petrópolis/São Bernardo do
Campo/São Leopoldo, Vozes /Imprensa Metodista/Sinodal, 1990.
WESLEY, John. Sermões. São Paulo, Imprensa Metodista, 1954, 2 volumes.
__________, As Marcas de Um Metodista. São Paulo, Imprensa Metodista, s/d.
WILLIAMS, Colin W. La Teología de Juan Wesley. San José, Editorial SEBILA,
1989 Orig: John Wesley's Theology Today. New York/Nashville, Abingdon Press,
1960).