You are on page 1of 2

Você passa uma boa parte de sua vida perseguindo sonhos, objetivos, metas.

Você se imagina
bem-sucedido na vida, sendo recompensado pelos seus esforços, tornando-se admirado pelos
seus conhecimentos e pelo que sabe fazer. Você tem uma determinada auto-imagem e passa a
vida toda querendo “chegar lá”.
Porém chega a vida, com sua inegável realidade.
Quando se é jovem, tudo é possível e parece que você está no caminho certo, que as coisas
serão do jeito que imagina. Existe muita determinação, vontade, otimismo; uma alegria de
viver que brilha nos olhos e não nos deixa desanimar.
Surgem as primeiras dificuldades; mas você crê que é uma situação passageira, que sua glória
logo chegará.
O tempo passa, você continua apanhando da vida, sem entender como o que mais deseja
nunca acontece. Você acha que planejou errado, e que precisa de uma nova estratégia.
E continua não dando certo. Neste momento, você começa a sentir raiva da vida, do jeito que
as coisas são, das situações que é obrigado a suportar, das limitações que lhe são impostas.
Mais um pouco de tempo passa, e você finalmente sente que começa a trilhar o caminho que
sempre almejou; algumas pequenas realizações te dão uma nova esperança e você volta a
querer ir atrás do seu objetivo.
De repente, parece que a ficha começa a cair. Você começa a notar que o que mais queria não
tem mais aquela magia, alguma coisa mudou. O pior, o que parecia ser a coisa que você mais
gostava de fazer na vida agora tem peso de obrigação. E você nota que tantos anos se
passaram o máximo que aconteceu é você estar à margem de seu sonho, sendo alimentado
por migalhas para que pudesse ir sobrevivendo.
Um belo dia, você acorda e se dá conta que este já não é um caminho que quer trilhar. Você se
cansou. Quer dar um basta. Está cansado de correr atrás de miragens.
E entende que passou a vida inteira acreditando em miragens.
Ser reconhecimento.
Ser bem sucedido.
Ser admirado por ser bom no que faz.
Tantos e tantos anos passados em um sofrimento sem necessidade. Porque a vida é o que é, e
quanto mais cedo você entender isso, menos irá sofrer.
Todo mundo busca a mesma coisa, como se a humanidade fosse uma massa uniforme de
insatisfação e frustração.
Todos buscam valores pelo mundo, e tornam-se cegos pelos reais valores que deveriam
buscar.
A gente só entende isso quando passaram-se vários anos e seus pais já se foram; seus irmãos
se casaram ou foram morar fora; quando você se vê morando sozinho; quando você não sente
mais nenhuma alegria em seu trabalho.
E também quando você sente que a juventude inteira já se passou.
Que aquele brilho que carregava no olhar, na esperança de dias melhores, se foi.
Que aquela pessoa forte, talentosa, especial, habilidosa, corajosa e que sempre vence só existe
nos seus sonhos.
A imagem que você tem de si mesmo é bem diferente da realidade.
Você não é tão corajoso e superador como gostaria de ser.
Suas realizações não vão tão longe quanto você gostaria que fossem.
Tudo o que fez até então se tornou insuportável.
No final, você entende que a vida é uma lapidadora impassível, que vai te calejar
incessantemente, até que você entenda que existe algo muito além do ego.
Sim, Deus existe, e ele vai te fazer sofrer até que toda vaidade seja eliminada.
Até que todo o ódio se transforme em compreensão.
Até que toda a ilusão se transforme em sabedoria.
Até que toda sua agonia, todo seu medo, toda sua incerteza se transforme em paz interior.

Será que este dia chegará? Espero que eu consiga aprender o que preciso aprender, para que a
vontade de jogar tudo para o alto não venha primeiro.