Carlos M. G.

Reis

Botânica

2.MORFOLOGIA EXTERNA DAS ESPERMATÓFITAS Sumário 2.2 variabilidade morfológica de órgãos reprodutores: Peças florais. Diversidade da morfologia floral. Sistemas de fecundação. Mecanismos de polinização. Tipos de inflorescências.

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

1

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

2

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor Carpelo (gineceu) Estame (androceu)

Pétala (corola) Sépala (cálice) pedicelo

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

3

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor - Partes constituintes
• Folhas florais férteis Estames – Androceu: conjunto dos estames Filete Antera (4 sacos polínicos) Carpelos – Gineceu: conjunto dos carpelos Ovário Estilete Estigma • Folhas florais estéreis (protecção) Pétalas – Corola: conjunto das pétalas Sépalas – Cálice: conjunto das sépalas
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

4

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor completa

E
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

5

Carlos M. G. Reis

Botânica

Estames
Número: Definidos ou indefinidos (A) Didinâmicos, tetradinâmicos 4+2 (B) Coerência: livres ou unidos Unidos pelos filetes: Monadelfos (C), diadelfos 9+1 (D) Unidos pelas anteras: sinantéricos Aderência: livres ou unidos às pétalas (epipétalos) (E)

A

B

C D

D

E
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

6

Carlos M. G. Reis

Botânica

Carpelos
Número de unidades estruturais (pistilos) Monocarpelar (A) unipistilado cenocárpico Paracárpico C) multipistilado = apocárpico (D) Sincárpico (B)

A

B

Gineceu

D

D

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

7

Carlos M. G. Reis

Botânica

Simetria Radial ou actinomórfica (A)

A A

A

Bilateral ou zigomórfica (B)

B B

C Assimétrica (C)

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

8

Carlos M. G. Reis

Botânica

Corola – coerência
Dialipétala: pétalas livres (A) Simpétala: Pétalas unidas (B)

A

B

Cálice – coerência
Dialisépalo: sépalas livres (C) Sinsépalo: sépalas unidas (D)

D

E
Flor completa: flor com perianto (cálice + corola) Flor nua ou aclamídea: flor sem perianto (E) Perigónio: conjunto de peças (tépalas) de um ou
mais verticilos não distinguíveis em cálice e corola.
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

E

9

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor – Tipos de corola • Actinomórficas: Dialipétalas Crucífera, cravinosa, rosácea • Zigomórficas: Papilionácea, pseudopapilionácea • Actinomórficas: Simpétalas Rodada, tubulosa, afunilada, campanulada, assalveada, gomilosa • Zigomórficas: Labiada, personada, ligulada, unilabiada
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

10

Carlos M. G. Reis

tipos de corola

Botânica

crucífera

cravinosa

rosácea

campanulada papilionácea rodada

assalveada

gomilosa labiada labiada personda personada

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

11

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor – Inserção dos estames e Posição do ovário

Hipanto

Hipogínica

Perigínica

Epigínica

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

12

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor - Posição do ovário Hipogínica

Perigínica

Epigínica

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

13

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor - Expressão sexual Hermafrodita Masculina (flor estaminada) Unissexual Feminina (pistilada) Espécie monóica: ex. milho, meloeiro,castanheiro,
carvalhos, betula,etc.

Espécie dióica: ex.
azevinho, kiwi
Ilex aquifolium
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

Betula nigra

14

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor - Expressão sexual
Espécie hermafrodita: estames e carpelos na mesma flor

Espécie monóica: flores unissexuadas masculinas e femininas no mesmo indivíduo
O milho é uma espécie monóica

Espécie dióica: indivíduos com flores unissexuadas masculinas e indivíduos com flores unissexuadas femininas.
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

15

Carlos M. G. Reis

Botânica

Flor - polinização
Directa: entre órgãos da mesma flor, ou flores do mesmo indivíduo Indirecta: entre flores de indivíduos diferentes Tipos de fecundação: Autogamia: resulta da polinização directa Alogamia: resulta da polinização indirecta Factores que favorecem a alogamia: Heterostilia: diferenças de comprimento entre filetes e anteras Protandria: maturação precoce das anteras Dicogamia Protoginia: maturação precoce dos carpelos
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

16

Carlos M. G. Reis

Botânica

Polinização - Agentes polinizadores Polinização anemófila Polinização entomófila Polinização ornitófila Polinização quiropterófila

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

17

Carlos M. G. Reis

Botânica

Inflorescências

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

18

Carlos M. G. Reis

Botânica

Inflorescência - Tipos Definidas ou cimeiras
- O eixo da inflorescência termina por uma flor que é a primeira a abrir. - As flores abrem do centro para a priferia (centrífugas). Monocásio, dicásio, pleiocásio, glomérulos, verticilastros, ciato

Indefinidas
- Pode existir ou não eixo; quando existe e tem flor terminal esta é a última a evolucionar, podendo mesmo não chegar a abrir. - As flores abrem da base para o cimo ou da periferia para o centro, caso não haja um eixo (centrípetas). Cacho, panícula, tirso, espiga, espádice, amentilho, umbela simples, umbela composta, capítulo.
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

19

Carlos M. G. Reis

Botânica

Definidas ou cimeiras Monocásio ou cimeira unípara
1. Cimeiras helicóides: o eixo principal,
possui ramificação em que os eixos sucessivos formam-se sempre para o mesmo lado Ex. Monocásios falciformes ou drepânio

2. Cimeiras escorpióides: o eixo principal, possui
ramificação em que os eixos sucessivos formam-se alternadamente para para um lado e para outro

Ex. Monocásio flabeliforme ou rípido
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

20

Carlos M. G. Reis

Botânica

Dicásio ou cimeira bípara

Pleiocásio

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

21

Carlos M. G. Reis

Botânica

Glomérulo
Inflorescência de eixos muito curtos, ficando as flores aglomeradas. Característica de numerosas Labiadas.

Ciato
Inflorescência característica das Euforbiáceas

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

22

Carlos M. G. Reis

Botânica

Inflorescências Indefinidas
Cacho ou rácimo
Pedicelo

Corimbo Panícula

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

23

Carlos M. G. Reis

Botânica

Inflorescências Indefinidas
Espiga

Espádice Amentilho

Espata

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

24

Carlos M. G. Reis

Botânica

Espiga de espiguetas

Trigo Cevada

Centeio
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

25

Carlos M. G. Reis

Botânica

Espigueta do trigo

Flor 3

Glumela aristada glumela

Glumela aristada glumela gluma Flor 2
Escola Superior Agrária de Castelo Branco

gluma Flor 1
Esquema de uma espigueta

26

Carlos M. G. Reis

Botânica

Inflorescências Indefinidas (cont.) Umbela simples

Umbela composta
Inflorescência característica da famíla das Umbelíferas

Capítulo
Inflorescência característica da família das Compostas

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

27

Carlos M. G. Reis

Botânica

Capítulo

brácteas

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

28

Carlos M. G. Reis

Botânica

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

29

Carlos M. G. Reis

Botânica

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

30

Carlos M. G. Reis

Botânica

Escola Superior Agrária de Castelo Branco

31