You are on page 1of 21

Ano 2 • nº 11 • setembro de 2010 • www.tnsustentavel.com.

br

Editorial

Vamos praticar a reflexão?
A noção de felicidade, atrelada à ideia de abundância, gera um
grande equívoco na sociedade, levando as pessoas ao consumo
desmedido e, consequentemente, ao desperdício.
O relatório ‘Estado do Mundo – 2010’, lançado recentemente pelo
Instituto Akatu e o Worldwatch Institute (WWI), que tem por objetivo
promover a reflexão sobre os graves problemas do mundo em que
vivemos, mostra que, além de excessivo, o consumo é desigual: em
2006, os 65 países com maior renda e que somam 16% da população
mundial foram responsáveis por 78% dos gastos em bens e serviços.
Somente os norte-americanos (apenas 5% da população mundial)
respondem por 32% do consumo global. Essa desigualdade é a fonte
de muitos conflitos relacionados ao acesso à água, alimento, moradia
e tantos outros bens essenciais à vida humana.
 O que se busca é encontrar o caminho da reflexão e colocar
na pauta do dia o que se entende por ‘valores’. Seria mais fácil se
as pessoas entendessem que a felicidade pode ser muito mais uma
forma de olhar o que se chama de ‘bens’ do que a própria obtenção
dos mesmos.
O medo da escassez gera o desejo de acumulação. Com isso,
a ameaça de escassez se torna real, porque não estamos sabendo
consumir e, principalmente, partilhar. E as verdadeiras oportunidades
de ganho estão na colaboração, e não na competição.
No relatório, a educação é apontada como responsável por “romper com o padrão do consumismo, sugerindo que todos os aspectos

da educação terão de ser pautados pela sustentabilidade. Hábitos,
valores, preferências – todos são, em grande medida, formados na
infância. Durante a vida, a educação pode ter um efeito transformador
sobre quem aprende. Portanto, explorar essa instituição poderosa
será essencial para redirecionar a humanidade para culturas de
sustentabilidade.”
Iniciativas como as da Bayer, que recentemente promoveu a
sétima edição do Programa Bayer Jovens Embaixadores Ambientais, parceria mundial com o Programa das Nações Unidas para o
Meio Ambiente (Pnuma), assim como a parceria entre a Amyris
e a BR, que visa incentivar o desenvolvimento de combustíveis
renováveis, como o diesel de cana, nos asseguram de estarmos
no caminho certo.
 Segundo Ricardo Abramovay, professor titular da Faculdade de
Economia da Universidade de São Paulo (FEA-USP) e presidente do
Conselho Acadêmico do Instituto Akatu, “o mundo não é feito apenas
de números e preços: ele é composto de outros fatores importantes
como as pessoas e as fontes de recursos”. E é com eles que devemos
querer conviver pacificamente.
Daí a importância de incentivar a existência de empresas que
almejem ter uma posição de destaque no futuro, pautando o seu
modelo de negócios na sabedoria. Esta é a categoria de empresas à
qual queremos, todos, ter orgulho de pertencer.
Lia Medeiros
Diretora do Núcleo de Sustentabilidade da TN Petróleo

Sumário

140

146

150

Programa internacional
de meio ambiente

Petrobras investe US$ 11
milhões em parceria para
produzir etanol

Qualidade em prol do
meio ambiente

Bayer e Nações Unidas

Petrobras e KL Energy Corporation

Aplysia

TN Petróleo 73

137

suplemento especial

Um sexto da humanidade consome

78% de tudo
que é produzido no mundo

O Instituto Akatu e o Worldwatch Institute (WWI), organização
com sede em Washington (EUA), lançaram no dia 30 de
junho a versão em português do relatório ‘Estado do Mundo –
2010’. O documento é uma das mais importantes publicações
periódicas mundiais sobre sustentabilidade.
por Maria Fernanda Romero

P

roduzido pelo WWI, o ‘Estado
do Mundo’ traz anualmente um balanço com números
atualizados e reflexões sobre as
questões ambientais. Este ano, em
parceria com a WWI, o Akatu fez a
tradução do documento para o português. O estudo traz anualmente
um balanço com números e reflexões sobre as questões ambientais.
Neste ano, o tema é ‘Transformando
culturas – do consumismo à sustentabilidade’ e aborda as mudanças no
consumo, sob a ótica da economia,
negócios, educação, mídia e movimentos sociais.
Um dos dados que mais chama a
atenção no relatório é que ele aponta
que apenas um sexto da humanidade
consome 78% de tudo que é produzido
no mundo. E conclui “sem uma mudança cultural que valorize a sustentabilidade em vez do consumismo, nada
poderá salvar a humanidade dos riscos
ambientais e de mudanças climáticas.
Editado há 28 anos e em cerca
de 30 idiomas, o ‘Estado do Mundo’
é publicado no Brasil desde 1999
pela Universidade Livre da Mata
Atlântica (UMA), representante do
WWI no país. Neste ano, o Akatu foi
convidado para a parceria devido ao
tema abordar especificamente sustentabilidade e consumo.
“Ao longo de sua existência, o
Akatu vem se estabelecendo como

138

TN Petróleo 73

referência no Brasil em abordagem
de questões referentes ao comportamento de consumo, razão pela
qual recebemos
essa honrosa responsabilidade do
Worldwatch Institute”, afirma Helio
Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu.
“Este relatório proporcionará o
acesso a informações abrangentes
a respeito de uma vida mais saudável ambiental e socialmente, para
toda a sociedade”,
comenta Eduardo
Athayde, diretor
do WWI.
Para o diretor-presidente do
Instituto Akatu
pelo Consumo
Consciente, o ‘Estado do Mundo’ é uma ferramenta
primordial de consulta para todos
aqueles que têm alguma intenção
de cooperar com a preservação do
planeta. “O relatório é um choque
de realidade. Um material que impulsiona a todos os que têm acesso a
ele a agirem em benefício da Terra”,
conclui Mattar.
Durante o lançamento do anuário,
em São Paulo, Ricardo Abramovay,

professor titular da Faculdade de
Economia da Universidade de São
Paulo (FEA-USP) e presidente do
Conselho Acadêmico do Instituto
Akatu, revelou que já usa o relatório
há muitos anos. “Em minhas aulas,
cito dados dos relatórios sobre o estado do mundo para que meus alunos – que são os futuros economistas
– saibam que o mundo não é feito
apenas de números e preços: ele é
composto de outros fatores importantes como as pessoas e as fontes
de recursos.”
Na ocasião, o professor também
chamou a atenção para o cuidado
que se deve ter ao discutir o consumo. Para ele, nem sempre as elevações dos padrões do consumo,
sobretudo nos países mais pobres,
significam mais impactos negativos
sobre o uso dos recursos. “A troca do
fogão a lenha por um que funcione a
gás implica em impactos ambientais
menores”, exemplificou.
Mattar concluiu recomendando a
leitura do documento, que considera
‘primordial’ para
todos aqueles que
têm alguma intenção de cooperar
com a preservação
do planeta.
O Relatório
– Segundo dados
do relatório, na úl-

Educação – Segundo o relatório. os líderes devem apresentar visões arrojadas e devem envolver suas organizações em discussões diversas. os 65 países com maior renda. 14 vezes. o consumo de petróleo subiu oito vezes e o de gás natural. em grande medida. maior será o número de pessoas que internalizarão estes ensinamentos desde a infância. O documento considera o poder de alcance do setor: “em 2006. explorar essa instituição poderosa será essencial para redirecionar a humanidade para culturas de sustentabilidade. Atualmente. No transcorrer desse tempo. Para essas companhias.4 milhões de pessoas com um volume de vendas de US$ 7 trilhões – o equivalente a 15% do produto mundial bruto”. as cem maiores companhias transnacionais empregavam 15. Para alcançar esse nível de mudança. A partir de então. Além disso. E durante a vida. planeta e pessoas. Nenhum sistema educacional é isento de valores. Se todos vivessem como os americanos. valores e hábitos se tornarão “naturais”. ou sustentabilidade. Somente os americanos. 85 milhões de refrigeradores. Atualmente já somos quase sete algumas das conclusões do relatório Economia e Negócios – No âmbito da economia e negócios. a educação pode ter um efeito transformador sobre quem aprende. equivalente ao de países como Tailândia ou Jordânia. quer seja o consumismo. um europeu consome em média 43 quilos em recursos naturais diariamente – enquanto um americano consome 88 quilos. Além de excessivo. o consumo é desigual. sobre o objetivo e a responsabilidade da empresa em oferecer valor verdadeiro para os clientes e a sociedade. não haverá esforços governamentais ou avanços tecnológicos capazes de salvar a humanidade dos riscos ambientais e de mudanças climáticas. por meio de um conjunto de estratégias. um dos aspetos fortemente recomendados é a “reavaliação do papel das grandes corporações”. valores. que somam 16% da população mundial. o engajamento de toda a empresa é essencial. foram responsáveis por 78% dos gastos em bens e serviços. mais profundas. Portanto. enquanto a importância atribuída à construção de uma filosofia de vida plena de sentido diminuiu de 75% para pouco mais de 45%. a importância atribuída a ter boa situação financeira aumentou de pouco mais de 40% para quase 80%. as ideias. de que a condução de seus negócios seja efetuada de maneira sustentável”. por exemplo. A indústria de água engarrafada movimenta hoje US$ 60 bilhões e vendeu 241 bilhões de litros de água em 2008. Muito se pode aprender com empresas que foram além das mudanças superficiais para abraçarem plenamente a sustentabilidade e que. seria suficiente para atender igualmente a todos os habitantes do planeta. a gestão ambiental e a responsabilidade social.4 bilhão de pessoas. é preciso usar cada vez mais recursos naturais. Mídia – A maior parte da mídia ainda reforça o consumismo. ressalta o documento. foram vendidos no mundo 68 milhões de veículos. uma pesquisa anual com alunos de primeiro ano de faculdades nos Estados Unidos investigou durante mais de 35 anos as prioridades de vida dos alunos. abocanharam uma fatia de 32% do consumo global. determinaram mudanças profundas em sua cultura organizacional. mais saborosa e está mais na moda do que a boa e velha água ‘da torneira’. mais que o dobro da quantidade vendida em 2000. pois todos ensinam bilhões. Entre 1950 e 2005. o planeta só comportaria uma população de 1. assim. Quanto mais a sustentabilidade puder estar integrada aos sistemas escolares atuais. No âmbito social. ou seja: lucro. a sustentabilidade tem papel fundamental como um conjunto de valores que integram a prosperidade econômica. Para romper com o padrão do consumismo. Em 2006. Somente em 2008. valores e comportamentos. crenças religiosas. 83% das residências no mundo têm aparelhos de televisão e 21 em cada cem pessoas têm acesso a internet. Mudar uma organização costuma ser um processo ainda mais longo do que o da mudança pessoal. o setor de água engarrafada. formados na infância. TN Petróleo 73 139 . Para produzir tantos bens. mesmo quando estudos demonstram que algumas marcas de água engarrafada são menos seguras do que a da rede e custam de 240 a dez mil vezes mais. Segundo o relatório.tima década a humanidade aumentou seu consumo de bens e serviços em 28%. e são orientados por um determinado conjunto de ideias.2 bilhão de celulares. preferências – todos são. A pior notícia é que nem mesmo um padrão de consumo médio. e projetam-se nove bilhões para 2050. E “este não é um fenômeno apenas americano”. com apenas 5% da população mundial. a compreensão e a adoção de práticas de sustentabilidade são limitadas. E conclui que “um sistema econômico sustentável dependerá de convencer as companhias. empresarial e pessoal. A conclusão do relatório não deixa dúvidas: sem uma mudança cultural que valorize a sustentabilidade e não o consumismo. 297 milhões de computadores e 1. Hábitos. comunismo. Por meio de ações publicitárias globais. mas existem esforços no mundo todo para que seu vasto poder e alcance seja utilizado para promover culturas sustentáveis. Dessa forma. mais do que o próprio peso da maior parte da população. todos os aspectos da educação terão de ser pautados pela sustentabilidade. a educação funcionará como ferramenta poderosa para criar sociedades sustentáveis. ajudou a criar a impressão de que água na garrafinha é mais saudável. a produção de metais cresceu seis vezes.

A escolha dos vencedores será feita por uma comissão formada por profissionais com conhecimentos em projetos socioambientais. “Nosso programa tem como objetivo reunir e incentivar jovens engajados em causas socioambientais. O projeto pode ser um empreendimento próprio ou conduzido por intermédio da iniciativa privada. em novembro deste ano. Para tomar parte no programa.2 milhão de euros por ano à instituição internacional. a catarinense Thayrine Andressa Pereira Leite. África e Europa. falar inglês e participar ativamente de projetos que atuem em defesa do meio ambiente. presentes em várias cidades”. Todas as despesas da viagem serão pagas pela Bayer. Os oito projetos com as notas mais altas serão classificados para a fase final e visitados por profissionais da Bayer. e quatro projetos serão os vencedores. de associações. por Maria Fernanda Romero J ovens que participam ativamente de projetos de defesa do meio ambiente podem se tornar embaixadores ambientais do Brasil. encerrado dia 27 de agosto. com o . permitindo um intercâmbio internacional e o conhecimento das melhores práticas. Primeira empresa a fazer uma parceria mundial de longo prazo com a Pnuma na área da juventude e do meio ambiente. Os jovens serão entrevistados. Os critérios de avaliação são: contribuição do projeto para a preservação do meio ambiente. Alfabetização ecológica No ano passado. cursos universitários ou de pós-graduação reconhecidos pelo MEC. Também é necessário que o jovem esteja regularmente matriculado no ensino médio. de 19 anos. diretor de comunicação corporativa do Grupo Bayer e principal responsável pelo programa no Brasil. resultados obtidos ou esperados e a possibilidade de sua replicação em maior escala. uma parceria mundial entre a empresa alemã e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).suplemento especial Bayer e Nações Unidas selecionam jovens para programa internacional de meio ambiente na Alemanha Realizado desde 1998. Os projetos podem ser desde atividades realizadas no bairro. os jovens precisam ter entre 18 e 24 anos de idade. a Bayer destina cerca de 1. Ásia. conta Leandro Conti. nível de participação do estudante. em pequenas comunidades. Os vencedores dos quatro melhores projetos irão representar o Brasil no Encontro Internacional de Jovens Embaixadores Ambientais na Alemanha. O programa possibilitará o intercâmbio com os vencedores de outros 18 países da América Latina. se tiverem seus projetos selcionados na 7ª edição do Programa Bayer Jovens Embaixadores Ambientais. o Programa Bayer Jovens Embaixadores Ambientais já premiou quase 400 jovens de 19 países. além de palestras e visitas a instituições com as melhores práticas ambientais da 140 TN Petróleo 73 Alemanha. até iniciativas maiores. entidades e/ou Organizações Não Governamentais (ONGs). A análise seguirá o mesmo critério. foi a escolhida.

TN Petróleo 73 141 .

que é promovido pela empresa esportiva e escolherá talentos do futebol no mundo inteiro. multiplicadas pelo jovem embaixador. que teve a participação de 64 equipes no estado do Rio de Janeiro. Dos 12 aos 17 anos. aulas de inclusão digital e. jogador do time masculino da Escola de Futebol da Bayer. O jogador reside no mesmo município. quando foi convidada pela coordenadora por seu interesse no assunto. . A Escola de Futebol da Bayer foi vice-campeã da Copa Nike. De acordo com Thayrine. sua participação abriu oportunidades no início de sua carreira. se reuniu em São Paulo para uma bateria de treinamentos. quando tinha 12 anos. entre jovens com idades de 18 a 20 anos. As atividades são realizadas no sítio pertencente ao colégio Salesiano. Foi maravilhoso compreender como os jovens de várias partes do mundo são dotados de ideias criativas e fazem a diferença no país onde vivem”. O projeto Escola de Futebol da Bayer é mantido pela empresa em Belford Roxo (RJ) e completa 17 anos em 2010. em Itajaí. Ele é filho de um colaborador de uma empresa prestadora de serviço do Parque Industrial da Bayer. já foi convidado a integrar outros times. para os que estão concluindo o ensino médio. 142 TN Petróleo 73 Escola de Futebol da Bayer revela craque Jovem jogador foi selecionado entre mais de dois mil atletas para disputar vaga em treinamento internacional. em que serão selecionados os quatro melhores. foi eleito o artilheiro da Copa Nike. inclusive profissionais. já que atualmente ela é estagiária na Secretaria do Meio Ambiente do Balneário Camboriú. entre outras compatíveis com cada faixa etária. “A experiência que pude adquirir. Além disso. Aqui tenho mais oportunidades e orientações quando não me sinto tão bem preparado”. o Programa Bayer Jovens Embaixadores Ambientais é um incentivo para que estas ideias sejam reconhecidas e. mas acabou retornando à Escola de Futebol da Bayer. Além disso. na Baixada Fluminense. e está em fase de conclusão do ensino médio. desenhos. Craque no futebol. Estes vencedores irão para a Inglaterra e disputarão dez vagas com outros 96 jogadores de todo o mundo para passar aproximadamente um ano treinando na Nike Academy. “Em outros clubes fui dispensado. oficinas de redação. totalizando seis gols. oferecido pelo projeto. mais de três mil jovens já passaram pelo projeto. frequenta regularmente o curso técnico de montagem e manutenção de microcomputadores. somada à possibilidade de conhecer projetos ambientais de outros segmentos foram fundamentais para minha formação pessoal e profissional. escolhidos entre mais de dois mil rapazes.suplemento especial projeto Convívio: Vivências LúdicoReflexivas no Processo de Alfabetização Ecológica. Atualmente. está cursando Engenharia Ambiental na Univali. pois a pressão era muito grande. poemas. Diego é meio-campo do time juniores e está no projeto desde 2004. por meio de atividades práticas e artísticas como trilhas. afirma Diego. e os técnicos não querem entender se você está bem ou não. A iniciativa faz parte do concurso cultural A Chance. começou a atuar como monitora na parte prática. onde a jovem estudou. assim. e oferece aos alunos aulas de reforço escolar em matemática e português. gincanas. Estes jovens se juntarão a outros 22 melhores atletas do campeonato da Nike disputado em São Paulo. em Belford Roxo. O garoto de 18 anos foi selecionado para compor um grupo dos 22 melhores jogadores da competição no estado do Rio de Janeiro. O projeto reúne mais de 250 meninos e meninas da Baixada Fluminense. os participantes são convidados a serem voluntários no processo de educação dos mais novos. O contato com os outros participantes também está incluso nas melhores recordações e contribuições da viagem. músicas. Santa Catarina. Esta é uma grande chance para estes campeões estarem mais perto do mundo dos profissionais. há ainda o curso técnico de montagem e manutenção de microcomputadores. em Itajaí. Desde sua criação. O grupo de 44 jovens. Thayrine ingressou no projeto aos 14 anos como aprendiz. Pouco tempo depois. entre 11 e 19 anos. afirmou Thayrine. Diego Amaral. A iniciativa tem por objetivo a conscientização e o ensinamento de questões socioambientais às crianças de dois a dez anos.

TN Petróleo 73 143 .

org/seminario Novembro 9 a 11 – Brasil FIMAI/SIMAI 2010 Local: São Paulo Tel/Fax: 55 (11) 3917-2878 rmai@rmai.org www. o contínuo investimento na melhoria da eficiência industrial nas unidades da Brasil Ecodiesel proporcionou.1 milhões para um caixa líquido de R$ 65. Crescimento acima da média Desde a adoção da política de mistura obrigatória. no primeiro semestre de 2010. na ordem de 23.pt http://itsc2010.: +1 732 981 0060 Fax: +1 732 562 6380 itsc2010@isr.com. Essas reduções foram consequência direta da suspensão do Selo e da não-homologação de 24 mil m³ do 17º Leilão. presidente da empresa.2% entre o 2T09 e o 2T10.9 milhões. o volume contratado com a Petrobras para entrega no segundo trimestre de 2010 foi reduzido de 69 mil m³ para 45 mil m³. implantado em junho do ano passado. e conseguiu reduzir seu endividamento de R$ 65. Além disso. BA Tel. por Maria Fernanda Romero C omparando com o mesmo período do ano passado. Por outro lado. tanto as vendas quanto o faturamento da Brasil Ecodiesel apresentaram redução em relação ao trimestre anterior. enquanto a Brasil Ecodiesel apresentou. a produção de biodiesel no país apresentou um crescimento de 69. R$ 2. O Ebitda foi R$ 9.9%. BA Tel/Fax: 55 21 2483-2250 cebds@cebds.ftc.7% no consumo de metanol para a produção de biodiesel.4 milhões.org.cebds. Feiras e Congressos 19 a 22 – Portugal 13th International IEEE Conference Local: Ilha da Madeira Tel.org www. e o lucro líquido. Inter. e o Ebitda Ajustado foi de R$ 10.5% na redução do consumo do óleo vegetal e de 10.com 23 – Brasil SUSTENTÁVEL 2010 – Encontro sobre Rede de Mercados Inclusivos: uma oportunidade de negócios0 Local: Salvador.pt/site/ Setembro 13 a 15 – Brasil Simpósio Internacional sobre Sustentabilidade Local: Salvador. afirma Mauro Cerchiari. a receita líquida da empresa no segundo trimestre foi de R$ 107. Com esse objetivo temos trabalhado para colocar as unidades de esmagamento de São Luís Gonzaga (RS) e Iraquara (BA) para funcionar e firmado parcerias estratégicas no setor da soja. O Lucro Líquido do período foi de R$ 2.8 milhões.fimai. Tudo isso faz parte do nosso redirecionamento estratégico”. sobre Remediação e Revitalização de Áreas Contaminadas Local: São Paulo Tel/Fax: 55 11 5505-6371 seminario2010@ekosbrasil. ocasionando uma perda estimada de faturamento próxima a R$ 60 milhões no segundo trimestre de 2010.ekosbrasil.8 milhões (1T10) para R$ 65 milhões (2T10).isr.8 milhões.9 milhões.3%. a empresa entregou 4. um crescimento de 123. Em agosto. fato de grande importância e que contribuiu para o crescimento do interesse por parte dos investidores institucionais nas ações da Brasil Ecodiesel.119 m³.9% e 26.br www.9 milhões. enquanto no último trimestre foi de R$ 12. a notícia é a entrada da empresa no Ibovespa e no IBrx50. Fato positivo que marcou o período.br/sustentavel .005% (1º prévia – setembro a dezembro/2010). com a suspensão do Selo Combustível Social das usi- nas de Itaqui (MA) e Iraquara (BA).br portal. respectivamente. a BM&Fbovespa divulgou a primeira prévia das carteiras teóricas dos índices que irão vigorar de setembro a dezembro de 2010.: 0800-284-3220 sustentabilidade@ftc. Ainda assim.br/eventos/sustentabilidade 144 TN Petróleo 73 Outubro 20 a 21 – Brasil Sem. Já a receita líquida do segundo trimestre foi de R$ 107. A empresa aumentou sua participação no índice de 0.suplemento especial Brasil Ecodiesel Brasil Ecodiesel mantém redirecionamento estratégico Pioneira e uma das principais produtoras de biodiesel do país. a Brasil Ecodiesel continua a por pautar suas ações de acordo com o novo direcionamento estratégico da empresa.uc. a empresa passou de uma dívida líquida de R$ 227. Empresa comemora entrada no Ibovespa e no IBrx50 No mercado de capitais.uc.941% (carteira de maio a agosto/2010) para 1. “Para aumentarmos ainda mais essa produção. No segundo trimestre de 2010 (2T10). é fundamental que a empresa viabilize maior integração com a cadeia de matéria-prima de forma a reduzir os seus custos e melhorar sua competitividade.5 milhões.6 milhões.7% a mais do que o contratado. to talizando 47. para o mesmo período. ganhos da ordem de 1.5 milhões e o Lucro Líquido Ajustado foi de R$ 3.

TN Petróleo 73 145 .

146 TN Petróleo 73 Foto: Divulgação UNICA A última geração do processo da KLE traz importantes melhorias em comparação com a primeira geração da tecnologia. gerente de gestão tecnológica da Petrobras Biocombustível. a Petrobras busca desenvolver mais uma alternativa para produção de biocombustíveis e produtos químicos renováveis e sustentáveis. para a otimização da tecnologia da KLE de processamento de etanol celulósico para a utilização de bagaço de cana-de-açúcar como matéria-prima. O contrato com a KLE irá acelerar esse esforço de desenvolvimento”. a estatal já desenvolve projetos de etanol de 2ª geração desde 2004 e. Com este investimento. fechou parceria para desenvolvimento conjunto com a KL Energy Corporation (KLE). US$ 6 milhões serão para a adaptação da unidade. implementada em 2008 na unidade de demonstração da empresa localizada em Upton.suplemento especial Petrobras investe US$ 11 milhões em parceria para produzir etanol A Petrobras. A unidade utiliza resíduos de madeira como matéria-prima. “O Brasil é líder mundial na produção de biocombustíveis competitivos de biomassa. O contrato. o processo para a produção de etanol celulósico. será possível produzir mais 40% do combustível”. A parceria visa tornar viável a produção de etanol a partir do insumo em escala industrial. por meio de testes. “Com o bagaço resultante da produção do etanol a partir da cana-deaçúcar. líder no desenvolvimento e comercialização de produtos energéticos de segunda geração à base de celulose. Norberto afirmou que o processo trará vantagens para o meio ambiente. presidente da KL Energy Corporation. e pode ser otimizada para trabalhar com vários outros tipos de matérias-primas. Norberto discriminou ainda que dos U$ 11 milhões investidos. a Petrobras pretende instalar uma usina utilizando a tecnologia no Brasil. caso os testes realizados tenham êxito. no Brasil. de forma complementar às iniciativas em andamento. presidente da Petrobras Biocombustível. uma vez que será possível produzir maior quantidade de etanol sem que seja necessário plantar mais cana-de-açúcar. e acreditamos que o bagaço de cana seja uma matéria-prima adequada para o nosso processo. . durante coletiva à imprensa. apontou o executivo. A KLE pretende estar na vanguarda do mercado emergente de etanol celulósico no Brasil ”. Segundo Miguel Rossetto. além de melhorar a sustentabilidade de suas usinas. prevê exclusividade mútua na área de desenvolvimento de etanol celulósico a partir do bagaço de cana. cujo prazo inicial é de 18 meses. Caso os testes sejam bem-sucedidos. por meio da Petrobras America. com a parceria com a KLE. “a Petrobras vê o etanol celulósico como uma tecnologia promissora para aumentar a produção de etanol em cerca de 40% sem majorar a área plantada. O restante será para pagar os royalties de propriedade intelectual à KL Energy. como por exemplo as pesquisas com microalgas para produção de óleo. e oferece à Petrobras a opção de obter uma licença para utilizar a tecnologia da KLE nos ativos do Grupo Petrobras. A Petrobras e a KLE desenvolverão um projeto de usina de etanol celulósico em escala industrial. disse Peter Gross. A Petrobras investirá US$ 11 milhões para adaptar as instalações de demonstração da KLE para utilizar o bagaço e validar. a Petrobras irá acelerar esse desenvolvimento. que deverá ser totalmente integrado a uma usina de cana-de-açúcar pertencente ao Grupo Petrobras. A usina está programada para entrar em funcionamento em 2013. estado de Wyoming (EUA). De acordo com João Norberto Noschang Neto.

Host Sponsor Platinum Sponsors Gold Sponsors Silver Sponsors Official Auditor and Business Advisor TN Petróleo 73 147 . Visit www.com for more information.Call for papers is now open.20wpc.

um dos principais objetos encontrados nos lixões e aterros sanitários de todo o Brasil. Copinhos de plástico e garrafas PET. embalagens de cosméticos. que chegarão às prateleiras em 2011. A empresa lançou a plant bottle. estamos desenvolvendo soluções criativas e sustentáveis baseadas em ciência”. a sacarose é transformada no biopolímero. localizada no Polo de Triunfo. calçados. são produzidos por ano cerca de 10 milhões de garrafas PET no Brasil e apenas uma pequena parte deste material é destinado ao local correto: a reciclagem. não impactam o meio ambiente. com vários outros produtos. garrafa PET que utiliza 70% de petróleo e 30% de materiais à base de cana-de-açúcar. A embalagem derivada da cana permanece 100% reciclável.suplemento especial Plástico açucarado Feito a partir do etanol da cana-deaçúcar. “A P&G está fazendo progressos significativos em relação ao meio ambiente ao trabalhar com parceiros externos. Esses produtos quando descartados em ambiente natural e com presença de bactérias e fungos. como a Procter & Gamble (P&G). Juntos. A PHB Industrial também está investindo na produção de um plástico biodegradável que tem como matéria-prima a cana-de-açúcar. Segundo a empresa. associados à temperatura e umidade. A companhia petroquímica Braskem está aplicando altos recursos no desenvolvimento do polietileno de fonte renovável. no meio ambiente. um tipo comumente usado para embalar produtos. no Rio Grande do Sul. O projeto piloto acontecerá no mundo todo durante os próximos dois anos. copos e talheres. além dos benefícios ambientais. juntos. O biocycle é um biopolímero com ciclo de vida totalmente sustentável. Com investimentos de R$ 500 milhões. o polihidroxibutirato (PHB). Inovação sustentável – “Usar plástico derivado da cana-de-açúcar representa outro passo no comprometimento da P&G com o meio ambiente e com o desenvolvimento de produtos que apresentem inovações sustentáveis”.  148 TN Petróleo 73 Foto: Divulgação por Rodrigo Miguez Para ajudar na identificação de seu plástico de cana-de-açúcar. O logotipo poderá ser usado por indústrias de embalagens que utilizarem o plástico como matéria-prima. É possível aplicar o biocycle em produtos como: peças automotivas. em 2010. tubetes para crescimento de eucalipto. de longe.5 toneladas de CO2 da atmosfera. Depois. pois devolve para a natureza os componentes usados no início da fabricação. são transformados novamente em gás carbônico e água. Para se ter uma ideia. dentre outros. a petroquímica lançou o selo I’m Green (Sou verde). O processo consiste na transformação da cana em sacarose e fibra. que vai comprar o plástico feito da cana da companhia para produzir embalagens de xampu no Brasil. Para ajudar a diminuir os efeitos do despejo de material plástico que é feito de derivados do petróleo. empresas estão investindo na produção de plástico a partir do etanol da cana-de-açúcar. será inaugurada em setembro e terá capacidade de produzir 200 mil toneladas anuais destes polímeros. O plástico é. Além disso. vice-presidente Global de Sustentabilidade da P&G. O plástico ‘verde’ é feito por meio de um processo que transforma a cana-de-açúcar em plástico polietileno de alta densidade (HDPE). brinquedos. o bioplástico começa a ganhar espaço no mercado brasileiro. Esta é parte de uma estratégia da companhia para ser líder mundial nos chamados polímeros “verdes”. levam mais de 700 anos para se decomporem no meio ambiente. a expectativa é de que. através do processo de fermentação. cartões de crédito. completou. ou seja. . para cada tonelada de plástico de cana produzida são retiradas até 2. a produção inicial das garrafas plant bottle resulte na redução de uso de mais de cinco mil barris de petróleo. a fábrica. afirma Len Sauers. Outra grande companhia que está investindo em embalagens feitas com este tipo de plástico é a Coca-Cola. uma fonte renovável.

O sucesso da ação se traduz em números. universidade corporativa para seus revendedores exclusivos. O treinamento O Especialista em Atendimento consistiu na criação de uma metodologia inovadora. permitindo uma gestão mais eficaz do negócio e uma fidelização no relacionamento com a rede e desta com o consumidor final. foram abordados conhecimentos específicos. focados em segurança e com as principais dúvidas dos consumidores. com a missão de treinar o vendedor da empresa para um melhor atendimento ao cliente e aprimorar o reconhecimento da atuação da Ultragaz como empresa sustentável. como parte do conteúdo. foram mais de duas mil revendas treinadas. LOCAÇÃO. no entanto. com a missão de preparar o vendedor da empresa para um melhor atendimento ao cliente. Uma mostra do aproveitamento do programa foi o resultado extremamente positivo obtido pelos participantes. Em 2009. explica. como uma das dez melhores práticas sociais de 2009. Com a missão de capacitar sua rede. com cerca de 15 mil horas de atividades.200 existentes.SH Acessos Ultragaz recebe prêmio por práticas sociais Parte do programa de recursos humanos da empresa. a empresa é destaque na gestão estratégica do conhecimento. Estruturas tubulares de acesso Tecnologia e segurança em equipamentos que ajudam você a chegar lá. afirma que o diferencial da empresa está na excelência do serviço é prestado. segurança. utilizando personagens criados por computação gráfica e. A Ultragaz. O ponto principal do treinamento. Com o Programa de Capacitação para Funcionários Revenda Ultragaz – Especialista em Atendimento. um dos projetos da área de recursos humanos.br 0800 282-2125 . “Por isso. fôrmas • andaimes • escoramentos Rio de Janeiro • São Paulo • Minas Gerais Espírito Santo • Paraná • Rio Grande do Sul Bahia • Ceará • Pernambuco • Goiás Distrito Federal • Mato Grosso Mato Grosso do Sul • Pará www.sh. saúde. das 4. MONTAGEM E VENDA • Estruturas tubulares convencionais • Torres modulares de encaixe • Plataformas de trabalho Acessos para Montagem e Manutenção Industrial em conformidade com a NR-18. Em 2009. a nossa vantagem competitiva depende de um revendedor especialista. foi criado um material em 3D. A gerente de recursos humanos da Ultragaz. meio ambiente e responsabilidade social. 85% obtiveram de 90% a 100% de aproveitamento nos testes finais. Especialista em atendimento – Desde a criação da Academia Ultragaz Revenda. foram por Maria Fernanda Romero mais de duas mil revendas treinadas. que amplie e conquiste cada vez mais a confiança e a simpatia do consumidor”. Dos 7. o projeto de capacitação de funcionários das revendas é reconhecido por sua metodologia inovadora. Para isso. educação corporativa e aprendizagem organizacional.181 funcionários treinados. interativo. acaba de conquistar o Top Social 2010. reconhecida por suas iniciativas nas áreas de qualidade. ocorreu com uma dinâmica interativa de valorização e motivação dos participantes. a Ultragaz ajuda o revendedor a ter uma gestão eficaz do seu negócio. a empresa consagrou-se vitoriosa da premiação realizada pela Associação dos dirigentes de vendas e marketing do Brasil. Outro passo rumo à implementação do programa foi o treinamento dos MIT (Multiplicadores Internos de Treinamento). Rosane Lima.com.

Testes fundamentais Tatiana explica que verificar a toxicidade de um efluente produ150 TN Petróleo 73 Foto: Divulgação U ma empresa de tecnologia precisa avaliar se os dejetos de seu processo produtivo lançados no mar ou em um rio vão causar danos ao meio ambiente. um desenvolvimento normal. Tudo isso pode influir no resultado e. até a questão da calibração dos equipamentos. ressalta. Em todas elas. norma internacional que estabelece padrões que devem ser utilizados por laboratórios de ensaios que prezam pela qualidade. por isso. e são feitos testes para avaliar se tiveram. todo esse processo é rastreável. considera. contrata um laboratório especializado na realização de testes ecotoxicológicos e faz a análise. a Aplysia é o único laboratório de serviços ambientais do Espírito Santo e um dos poucos do país a conquistar a acreditação. Os testes funcionam assim: são recolhidas amostras do efluente para serem diluídas em laboratório em diferentes proporções. no rio ou em outro corpo receptor que funcione como destino final do material. empresa que realiza ensaios de ecotoxicidade e que acaba de ser acreditada pelo Inmetro na ISO 17025. “A norma estabelece critérios a serem cumpridos em todo o processo de avaliação. explica Tatiana Furley. “São ferramentas de controle. facilitando a interpretação do cliente”. conseguese concluir se o efluente oferece risco ao meio ambiente e em que proporção. e da temperatura do lugar.suplemento especial Qualidade em prol do meio ambiente Empresa com sede em Vitória (ES) e atuação em todo o Brasil. Para isso. peixe e um crustáceo. norteando as ações das indústrias. . “O trabalho é minucioso. simulando o período de dia e noite. Segundo ela. ou não. A partir deste resultado. Segundo ela. Temos que estar atentos a itens que vão desde a luminosidade do ambiente. diretora da Aplysia. que avaliam os efeitos ambientais de um efluente industrial no mar e nos rios. que trazem confiança e credibilidade ao processo”. são colocados organismos-teste que vivem naquele ambiente no qual o efluente é lançado (tipos específicos de ouriço. zido por uma indústria é fundamental para evitar que ele contamine o meio e cause danos aos organismos vivos presentes no mar. “A conquista demonstra nossa busca por sistemas de qualidade efetivos e atesta nossa capacidade em produzir resultados tecnicamente válidos. o que dá ao cliente a possibilidade de levantar qualquer dado de qualquer etapa do ensaio realizado depois da avaliação concluída. a Aplysia é uma das únicas do país creditada pelo Inmetro a fazer ensaios ecotoxicológicos. previstas pela ISO 17025. que garantem a qualidade do trabalho e a competência técnica”. Mas o que dá a ela a garantia de que o teste corresponde à realidade? A resposta a essa pergunta está diretamente ligada à ISO 17025. que deve ser feita em laboratórios também acreditados pelo Inmetro. Os organismos ficam na água durante um período previamente determinado. afirma Tatiana Furley. sensíveis à toxicidade). é preciso controle e precisão”.

. O encerramento dos testes está previsto para o mês de dezembro de 2010. Os primeiros ônibus com diesel de cana circularão durante seis Foto: Agência Petrobras Amyris e BR abastecem ônibus movido a diesel de cana-de-açúcar meses em linhas com grande fluxo atendidas pela Viação Santa Brígida com total monitoramento da SPTrans. desenvolvido pela parceira Amyris do Brasil S/A. Este programa representa um passo importante no cumprimento das metas determinadas pela lei municipal de mudanças climáticas 14. C om o objetivo de incentivar o desenvolvimento de produtos renováveis.A Petrobras Distribuidora é a responsável pelo abastecimento dos primeiros ônibus movidos a óleo diesel proveniente de cana-de-açúcar (AMD 10). O produto é feito a partir de um processo de fermentação do bagaço da cana por meio de tecnologia detida. O diesel de cana será testado em seis ônibus da Viação Santa Brígida – uma das principais companhias de transporte de passageiros de São Paulo – dos quais três circularão com mistura de 10% de diesel Amyris e 90% de diesel da BR.933/2009. a Petrobras Distribuidora participa da iniciativa por meio do abastecimento dos veículos testados com o diesel Amyris (AMD 10). O combustível da empresa de capital norteamericano se equipara aos padrões dos combustíveis derivados do petróleo. desenvolvido e produzido exclusivamente pela Amyris do Brasil S/A. Os outros três ônibus circularão somente com diesel comercial. para fins de referência. mas com o diferencial de ter emissão reduzida de poluentes em mais de 80%. que prevê a redução gradual do uso de combustíveis fósseis. com eliminação total até 2018.

conforto e. 1985). tem-se que as potenciais interferências mais importantes estão voltadas para a vida marinha e para setores socioeconômicos que compartilham o uso do espaço marítimo. inerentemente a qualquer atividade antrópica (industrial ou não). como a madeira e o óleo de baleia. fertilizantes e uma infinidade de outros produtos presentes no nosso dia a dia. Por outro lado. conforme se pode constatar ao longo das últimas décadas e. comparar. organizar e apresentar as informações e os dados sobre os prováveis impactos ambientais de uma atividade (Moreira. utilizados como fonte de energia até então. Como processo. no acidente envolvendo o descontrole de um poço petrolífero no Golfo do México. asfalto. analisar. juntamente como outras leis e regulamentações sobre segurança industrial e controle ambiental nos principais países industrializados. que se dá a aplicação da Avaliação de Impactos Ambientais (AIA). voltava-se quase que exclusivamente para projetos de engenharia. A AIA pode ser aplicada em diferentes níveis de análise. Em sua origem. A Ricardo Alves de Souza é formado em Engenharia Química pela UFRJ e pós-graduado em Química Ambiental pela Uerj. fruto de insatisfação da sociedade após alguns acidentes de grande repercussão. A AIA surgiu no início da década de 1970. todo o seu ciclo de vida – desde a exploração até o uso como combustível – envolve riscos e impactos ambientais. fibras sintéticas. mais recentemente. programas e políticas . a partir da política nacional de meio ambiente dos EUA (National Environmental Policy Act/Nepa). lubrificantes. tendo garantido à história humana níveis incomparáveis de prosperidade. com a finalidade de analisar a viabilidade ambiental de projetos. é um mecanismo estruturado destinado a coletar. visa identificar.suplemento especial Avaliação de impactos ambientais na indústria petrolífera É notória a importância da indústria petrolífera considerando-se o petróleo como a principal matéria-prima energética do planeta. as atividades turísticas e pesqueira – sobretudo a artesanal. mobilidade – e nos permitido substituir o uso de outros recursos. por exemplo. 2006). prever e interpretar as consequências de determinada ação humana sobre o meio ambiente. a AIA pode ser entendida tanto como um processo quanto como um método. Como método. tintas. como a petrolífera. é a partir do petróleo que se pode obter os plásticos. é um conjunto de procedimentos concatenados de maneira lógica. Basicamente. No Brasil. ou seja. Existem inúmeras definições na literatura especializada para Avaliação de Impactos Ambientais. É na análise e balanceamento dos benefícios e ônus de uma atividade humana. Leciona no MBA em Gestão de SMS na Indústria do Petróleo (Funcefet) e na Universidade Corporativa Petrobras. Atua há cerca de dez anos em gestão ambiental de projetos de exploração e produção de petróleo e gás natural. 152 TN Petróleo 73 lém de ser o principal combustível utilizado nos meios de transporte. como a exploração e produção do petróleo se dão em sua quase totalidade no mar a centenas de quilômetros da costa e em grandes profundidades – a ser reforçado pelo uso das reservas descobertas no présal. e fundamentar uma decisão a respeito (Sanchéz. seu campo de aplicação inclui planos. principalmente. Atualmente. planos e programas.

938/81). juntamente com um instrumento complementar e inter-relacionado básico para a sua implementação. espacial (local e regional). favorecer a inclusão da variável ambiental desde a fase conceitual de um projeto de engenharia. que exija um estudo ambiental contemplando a avaliação dos impactos ambientais (daí o termo “estudo de impacto ambiental” ou. sim. para uma atividade ser sustentável. 1979 Figura 1: Conceito de Impacto Ambiental Qualidade ambiental (sob a forma de Avaliação Ambiental Estratégica/AAE. temporal (temporários e permanentes) e de momento (imediatos e a médio e longo prazo). considerando a dimensão dinâmica dos processos naturais e sociais. mas também. o processo de AIA foi institucionalizado como instrumento da Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6. de forma . A rigor. ordem (diretos e indiretos). qual seja: o “licenciamento ambiental” de atividade utilizadora de recursos naturais e considerada efetiva ou potencialmente poluidora. Os impactos ambientais de um projeto devem ser identificados. mas. 1988. consolidada a partir da década de 1980) e bens e serviços (sob a forma da Avaliação do Ciclo de Vida/ACV. “impacto ambiental” seria a mudança de um parâmetro ambiental. Desta forma. que resulta de dada Impacto ambiental Condição do ambiente “com a atividade” Início da atividade Tempo atividade. discriminando suas diversas características (conforme estabelece a Resolução Conama n. No Brasil. 01/86). consolidada na década seguinte). tais como: natureza (positivos/benéficos e negativos/adversos). ambientalmente responsável e socialmente includente. comparada com a situação que ocorreria se tal atividade não tivesse sido iniciada (Warthern. Enquanto que a previsão dos impactos ambientais informa sobre a “magnitude” (ou intensidade. num sentido holístico. além de reversibilidade e cumulatividade (Figura 2). deve apresentar um projeto não apenas tecnicamente possível e economicamente viável. EIA). Deve-se destacar que o objetivo da AIA não é induzir o tomador de decisão na escolha da alternativa de projeto de menor dano ambiental. simplesmente.Condição do ambiente “sem a atividade” Fonte: Munn. ver Figura 1). previstos e interpretados. em determinado período e em determinada área.

pode não ser necessariamente correta. Em que pese a grandes dificuldades práticas e teóricas de se aplicar tal conceito em sua plenitude. Harmn. De fato. ser considerados mais importantes que aqueles que se manifestam apenas localmente”. de forma qualitativa e baseada em julgamento técnico-profissional (incluindo um juízo de valor e sua inevitável subjetividade). Todavia. Sanchéz (2006) aponta. ainda. priorizando-as para a adequada gestão ambiental (Figura 3). não se ignorando ou relegando a uma importância secundária determinado impacto apenas porque ele seja essencialmente qualitativo (Enk e Hornick. 2006 Qualidade ambiental Figura 2: Características dos impactos ambientais Impacto irreversível Término do projeto Tempo Figura 3: Fases da AIA (como método) Quais serão as possíveis consequências ambientais futuras de uma ação humana? Identificação Previsão Aplicação de métodos científicos Qual a magnitude. 1994. numa análise mais cautelosa. duração e reversibilidade. Na prática. daí a origem do termo “significância”) de tais alterações. pode-se considerar não apenas possível como desejável e razoável trabalhar com critérios de forma a abordar as modificações nas características dos fatores ambientais em relação à sua integridade (meio físico). Glasson et al. Thompson. encerra o objetivo fundamental de uma AIA: apontar para o gestor os elementos de um projeto que deverão . um impacto poder ser mais facilmente avaliado a partir do seu aspecto ambiental (o que geralmente pode estar associado à sua dimensão espacial). a interpretação discorre sobre a “importância” (ou o significado. dentre outros) – de que se subentende que a magnitude não deva ser a conjugação destes mesmos atributos (pois se o fosse. por exigir necessariamente uma equipe técnica competente e experiente tanto nos aspectos quanto na dinâmica ecológica e socioeconômica. a “importância” é o principal atributo de uma AIA uma vez que. deve-se assumir como premissa que nem todos os impactos são passíveis de previsão quantitativa e que nem todos são suficientemente importantes para serem quantificados (Sanchéz. pode-se simplificar o problema comparando a situação do ambiente pósempreendimento com a situação diagnosticada antes da implantação do mesmo. ter-se-ia uma redundância metodológica). intensidade ou grandeza de um impacto) têm induzido diversos estudos ambientais da área petrolífera a aplicá-la como a conjugação das características espaciais e temporais do impacto. 1996. além das características do ambiente modificado. com a ressalva de que “impactos de escala regional poderão. diversos autores (Duinker & Beanlands. Esta forma de aplicação pode ser conveniente se considerarmos: 1) a notória dificuldade em se prever as condições futuras de um ambiente (com e sem uma determinada ação humana) e 2) o fato de.-Vitoro. tal forma de aplicação ainda reduziria uma suposta subjetividade da avaliação deste atributo. a suposta proporcionalidade direta da magnitude com a abrangência temporal e espacial (quanto maior a área e a duração de impacto. 1980 apud Farah. Para isto. Erickson.suplemento especial Cenário tendencial Impacto reversível Impacto temporário Impacto imediato Impacto de médio prazo Início do projeto Fonte: Sanchéz. a complexidade na avaliação do atributo “magnitude” ao destacar que sua determinação demanda um entendimento detalhado das relações ecológicas e das interações sociais. 1988. conforme atenta Sanchéz 154 TN Petróleo 73 (2006) ao afirmar que “frequentemente os impactos locais são intensos (de grande magnitude). Canter & Canty. ao passo que os impactos regionais são difusos e de baixa magnitude”. às vezes. Sadler. Complementarmente. abrangência e duração das consequências ambientais identificadas? Qual o significado dessas consequências ambientais? Qual a importância? Interpretação Julgamento de valor absoluta) e abrangências espacial e temporal do grau de alteração do ambiente impactado. ao permitir classificar os impactos mais relevantes dos demais. 1980. em certos casos. dentre outras. Coneza Fdez. 1999. As definições clássicas de “magnitude” (no sentido de extensão. 1986. considerando o elevado grau de incerteza na previsão da evolução do meio ambiente sem a implantação de um empreendimento. Espinosa. 2002) corroboram o entendimento sobre a natureza absoluta da “magnitude” ao sugerirem-na para a determinação da “importância” de um impacto ambiental. maior a sua magnitude). 2006). a partir de indicadores de impacto representativos da qualidade ambiental.. juntamente com diversos outros atributos (abrangência espacial. Enquanto a “magnitude” é decerto o atributo com maior dificuldade para ser determinado. 1993). 1997. 1993. função ecológica (meio biótico) ou função socioeconômica (meio antrópico).

na qual se indicam claramente os aspectos e impactos ambientais classificados por fase da atividade/ empreendimento e os componentes ambientais afetados. com profissionais atendendo na revisão do estudo de viabilidade da área.com. na qual os atributos que caracterizam os impactos são agregados por meio de algum procedimento racional (ponderal ou matricial. além dos atributos de avaliação. Bernardo Moreira Sócio-líder Setor de Petróleo & Gás (21) 3515-9413 bmoreira@kpmg. convém que as mesmas sejam combinadas considerando: • o tipo e o porte do empreendimento/atividade em análise. os resultados são consolidados numa chamada “Matriz de Avaliação de Impactos”. • a experiência da equipe com a técnica. em que o julgamento de valor sobre o que é importante resulta da interação entre as partes interessadas. • a importância relativa esperada para o impacto. outros atributos podem (e devem) também ser considerados.br KPMG: conhecimento e experiência no setor de Petróleo & Gás. Nossa estrutura permite que nossos profissionais atinjam o equilíbrio perfeito entre a identificação e o entendimento dos mercados locais. ou de uma abordagem colaborativa. é fundamental que a equipe técnica © 2010 KPMG Auditores Independentes. Basicamente. a partir de técnicas participativas (Lawrence. Para a identificação e avaliação de impactos ambientais. Na etapa final de uma avaliação. ainda. Conhecimento: explore esse recurso renovável. • Projeção de cenários. 2007). N. tais como: • Matrizes de interações. tempo e pessoal. a “sensibilidade ambiental” (atributo que expressa as características do ambiente a ser impactado). kpmg. reduzir ou compensar os impactos ambientais adversos. • Experiência (julgamento) profissional. do desenvolvimento até a comercialização e com um time voltado para oferecer o serviço adequado à sua estratégia. abrangência espacial. • Estudos de caso. Prestamos serviços de Audit.com. tais como os mais sugeridos pela literatura: duração. por exemplo). podem ser aplicadas técnicas clássicas consagradas pelo estado da arte. reversibilidade e sensibilidade ambiental por meio de uma matriz (agregação do tipo matricial). a importância de um impacto ambiental pode ser determinada a partir de uma abordagem técnica. • Redes de interações. Além da magnitude.ser objeto de mobilização de recursos com o intuito de evitar. No Brasil. auxiliando na implantação consistente de estratégias e práticas globais. Por envolver diversas áreas das ciências ambientais e de engenharia. uma entidade suíça. • Mapas de sobreposição (overlay mapping) com a utilização de SIG. • a natureza e a conveniência da técnica. A Figura 4 exemplifica uma forma simples de se combinar os atributos magnitude. • os recursos disponíveis – custo. uma sociedade simples brasileira e firma-membro da rede KPMG de firmas-membro independentes e afiliadas à KPMG International Cooperative (“KPMG International”). Martins Gerente Sênior Setor de Petróleo & Gás (21) 3515-9166 ecmartins@kpmg. Tax e Advisory para as principais empresas de petróleo e gás no mundo.br . ou simplesmente “Matriz de Impactos Am- bientais”. Todos os direitos reservados. a KPMG possui uma das maiores práticas de petróleo & gás.br Eduardo C. reversibilidade e. informação. da exploração.com. • Modelos de simulação (modelos matemáticos). indubitavelmente o atributo mais fundamental para a determinação da importância de um impacto ambiental. Não sendo nenhuma técnica necessariamente a mais adequada para todos os casos. além de valorizar ou potencializar os impactos benéficos.

Feema.. Wathern. Avaliação de Impacto Ambiental .D. International Study of the Effectiveness of Environmental Assessment. 1979. sendo mais apropriada e eficaz no contexto estratégico da AAE (Avaliação Ambiental Estratégica). Glasson J. 2002. 1986. Impact significance determination – Designing an approach.AIA . Somando-se a tudo isso a inexistência de uniformização de conceitos. Pode-se. Avaliação de Impacto Ambiental: conceitos e métodos . de impactos cumulativos e sinérgicos. 156 TN Petróleo 73 . 1999. Determining Impact Significance in EIA: A review of 24 Methodologies. sendo importante instrumento para manter a qualidade ambiental aceitável em atendimento às necessidades humanas atuais sem comprometer as necessidades futuras. Thompson M. a AIA é a base da gestão ambiental de atividades utilizadoras de recursos naturais e consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras. p. uma falta de rigor aos requisitos básicos para este tipo de avaliação. 1-10. Farah. International Association for Impact Assessment. Espinosa G. não há receitas universais para AIA. The significance of environmental impacts: an exploration of the concept. Referências bibliográficas Canter L. MA. November 2007.F. tais metodologias têm sido evidentemente objeto de constante aperfeiçoamento. Toronto. De modo geral. com critérios pouco claros e julgamentos baseados em simples apreciação pessoal com discutível fundamentação ou justificativa (muitas vezes com base em referências bibliográficas fora de contexto). Sánchez L. além da figura de um coordenador para mediar as discussões entre os especialistas das diversas áreas e garantir o pleno atendimento do escopo de avaliação. Munn RE. de modo a assegurar a conformidade de requisitos legais e não legais. Guia metodologica para la evaluación del impacto ambiental . 1985. Final Report.W.). Sadler B.C. 1993. E. quais sejam: reprodutibilidade. apresenta óbvias limitações no âmbito de uma AIA de projeto. nomenclaturas e critérios de avaliação têm-se avaliações incoerentemente díspares para projetos similares impossibilitando.. Boston. España (3 ed. PPE/Coppe/UFRJ. Impact Significance Determination – basic considerations and a sequenced approach. 2008. a uniformização de metodologias (requisitos mínimos) e a regulamentação da AIA em nível estratégico (Avaliação Ambiental Estratégica). UCL Press. Nesse sentido. visando à melhoria contínua do entendimento e aplicação dos conceitos com o transcorrer das discussões nos próximos anos envolvendo órgãos ambientais. In: P. Sánchez L. Journal of Environmental Management. An introductory guide to EIA. & Richards B. Therivel R. 1993. London. Coneza-Vitoria.P. Considerações finais A gestão ambiental de uma atividade deve ser realizada a partir de um conjunto de medidas técnicas e gerenciais para evitar. London. São Paulo: Oficina de Textos.730-754. E. Environmental Impact Assessment Review. Canty G. 1996. dentro de seu contexto. devendo as metodologias ser adaptadas ou mesmo criadas ao problema que se pretende resolver. transparência e representatividade. Introduction to Environmental Impact Assessment . 1997. 256p. Observa-se também a falta de entendimento do escopo de uma AIA de projeto. academia e consultores especializados. De fato. Uma análise crítica das metodologias de AIA dos estudos ambientais indica. no entanto. portanto. Avaliação Ambiental Estratégica e sua aplicação no Brasil . Ediciones Mundi-Prensa.suplemento especial Figura 4: Exemplo de matriz de importância Magnitude Reversibilidade Baixa Média Alta Sensibilidade ambiental Baixa Média Alta Reversível Pequena Pequena Média Irreversível Pequena Média Média Reversível Pequena Média Média Irreversível Média Média Grande Reversível Média Média Grande Irreversível Média Grande Grande de AIA seja composta por profissionais em quantidade suficiente e com notória e comprovada especialização e competência relativas aos aspectos e impactos ambientais da atividade/empreendimento em análise. e ed. cuja mitigação requer uma ação governamental coordenada – muito além. The Scientific Committee on Problems of the Environment (Scope). A análise aprofundada de alternativas tecnológicas e locacionais. a desejável comparação entre os mesmos. as avaliações são excessivamente subjetivas. Environmental Impact Assessment Review . p. Fundamentals of Environmental Impact Assessment Inter-American Development Bank – IDB. Wathern (ed.A. Dissertação de Mestrado.). I. Lawrence D. Environmental Management v. 2007.A. Scope 5. v.27. observar o estabelecimento incoerente de medidas mitigadoras e compensatórias em relação à importância do impacto. Canada. Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo. desta forma. Rio de Janeiro. impactos indiretos e de grande abrangência espacial. das atribuições e competências institucionais de empresas proponentes de projetos (Sanchéz 2008). Moreira. deveriam ser iguais) também deve respeitar a importância do impacto avaliado. Environmental Impact Assessment. a definição de indicadores ambientais (tanto da fase preditiva da AIA quanto os de monitoramento pós-implantação – em tese. Contudo. 1988. Canadian Environmental Assessment Agency.V. Por fim. P. Madrid. 2006. Ottawa. espera-se uma ampliação do debate sobre a definição de critérios para “impacto significativo”. Instrumentos metodológicos para avaliação do impacto ambiental de empreendimentos de geração hidrelétrica. Unwin Hyman. P. Duinker & Beanlands. ainda. mitigar ou compensar impactos previamente identificados e avaliados. Environmental Impact Assessment: Theory and Practice .M. Issue 8. Nesse sentido. empreendedores.10: 01. Chadwick A. Oklahoma. V. 1988. Environmental Assessment in a Changing World: Evaluating Practice to Improve Performance.

TN Petróleo 73 157 . o da sustentabilidade. Acesse diariamente as informações mais relevantes sobre sustentabilidade em: www. O momento é de muita reflexão e as decisões precisam ser tomadas com base em informações seguras. acompanhando a evolução. a TN Petróleo introduziu no mercado o tema da responsabilidade social Informações diárias sobre tudo o que acontece no mercado de sustentabilidade.Fotos: Banco de Imagens Stock. há dez anos.tnsustentavel. principalmente quando este passa por mudanças profundas como nos dias de hoje.com.tnsustentavel.com. Desde que foi criada.br e entenda melhor o modelo de negócios que já está fazendo a diferença no mundo corporativo.br A comunicação e a informação são poderosas aliadas do ambiente corporativo.xcng www. Acesse! 90 TN Petróleo 69 e.