You are on page 1of 1

Dom Pedro II (Rio de Janeiro, 2 de dezembro de 1825 Paris, 5 de dezembro de 1891

), alcunhado o Magnânimo1 2 foi o segundo e último monarca do Império do Brasil, tendo
reinado o país durante um período de 58 anos.nota 1 Nascido no Rio de Janeiro, foi
o filho mais novo do Imperador Dom Pedro I do Brasil e da Imperatriz Dona Maria
Leopoldina de Áustria e, portanto, membro do ramo brasileiro da Casa de Bragança. A
abrupta abdicação do pai e sua viagem para a Europa tornaram Pedro imperador com ape
nas cinco anos, resultando em uma infância e adolescência tristes e solitárias. Obriga
do a passar a maior parte do seu tempo estudando em preparação para imperar, ele con
heceu momentos breves de alegria e poucos amigos de sua idade. Suas experiências c
om intrigas palacianas e disputas políticas durante este período tiveram grande impa
cto na formação de seu caráter. Pedro II cresceu para se tornar um homem com forte sen
so de dever e devoção ao seu país e seu povo. Por outro lado, ele ressentiu-se cada ve
z mais de seu papel como monarca.
Herdando um Império no limiar da desintegração, Pedro II transformou o Brasil numa potên
cia emergente na arena internacional. A nação cresceu para distinguir-se de seus viz
inhos hispano-americanos devido a sua estabilidade política, a liberdade de expres
são zelosamente defendida, respeito aos direitos civis, a seu crescimento econômico
vibrante e especialmente por sua forma de governo: uma funcional monarquia parla
mentar constitucional. O Brasil também foi vitorioso em três conflitos internacionai
s (a Guerra do Prata, a Guerra do Uruguai e a Guerra do Paraguai) sob seu reinad
o, assim como prevaleceu em outras disputas internacionais e tensões domésticas. Ped
ro II impôs com firmeza a abolição da escravidão apesar da oposição poderosa de interesses p
olíticos e econômicos. Um erudito, o Imperador estabeleceu uma reputação como um vigoros
o patrocinador do conhecimento, cultura e ciências. Ganhou o respeito e admiração de e
studiosos como Graham Bell, Charles Darwin, Victor Hugo e Friedrich Nietzsche, e
foi amigo de Richard Wagner, Louis Pasteur e Henry Wadsworth Longfellow, dentre
outros.
Apesar de não haver desejo por uma mudança na forma de governo da maior parte dos br
asileiros, o Imperador foi retirado do poder num súbito golpe de Estado que não tinh
a maior apoio fora de um pequeno grupo de líderes militares que desejam uma repúblic
a governada por um ditador. Pedro II havia se cansado da posição de Imperador e se t
ornado desiludido quanto as perspectivas do futuro da monarquia, apesar de seu g
rande apoio popular. Ele não permitiu qualquer medida contra sua remoção e não apoiou qu
alquer tentativa de restauração da monarquia. Passou os seus últimos dois anos de vida
no exílio na Europa, vivendo só e com poucos recursos.
O reinado de Pedro II veio a um final incomum ele foi deposto apesar de altament
e apreciado pelo povo e no auge de sua popularidade, e algumas de suas realizações l
ogo foram desfeitas visto que o Brasil deslizou para um longo período de governos
fracos, ditaduras e crises constitucionais e econômicas. Os homens que o exilaram
logo começaram a enxergá-lo como um modelo para a república brasileira. Algumas décadas
após sua morte, sua reputação foi restaurada e seus restos mortais foram trazidos de v
olta ao Brasil como os de um herói nacional. Sua reputação perdura até o presente. Os hi
storiadores o enxergam numa visão extremamente positiva, sendo considerado por vário
s o maior brasileiro.