You are on page 1of 9

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT’ANA DO LIVRAMENTO
“Palácio Moisés Viana”
Unidade Cental de Contole Inteno
INFORMAÇÃO UCCI N° 003/09
UNIDADE DESTINO: Chefia a UCCI
ASSUNTO: E!"#$ $ I%&a'"$ Fi(a('ei)$ e O)*a%e("+)i$ )efe)e("e , Lei (- ./..01 e
20 e fe3e)ei)$ e 2009/
No cumprimento das atribuições estabelecidas nos arts. 31 e 74 da
Constituição Federal, na Lei Municipal 4.242, de 27!"!1, e demais normas #ue re$ulam as
atribuições do %istema de Controle &nterno, re'erentes ao e(erc)cio do controle pr*+io,
concomitante e a posteriori dos atos de $estão e, +isando orientar o ,dministrador -.blico,
e(pedimos, a se$uir, nossas considerações.
45 DA PRELIMINAR:
/rata, o presente e(pediente, de encamin0amento, 'ormulado pelo
1(mo. %r. 2ereador 314M,N5 C,M,C65, membro do Contro 1(terno Municipal, no
e(erc)cio do mandato, atra+*s do 5'icio sn7, datado de !2!32!!", #ue solicita8
9...Visto haver sido publicado a lei municipal 5.557 de 27 de fevereiro
de 2009, requer informar se houve estudo minucioso por parte do
Poder Executivo unicipal, quanto ao impacto financeiro !erado no
or"amento, por consequ#ncia da cria"$o dos car!os da lei
supramencionada.
... E, informar, ainda, se houve previs$o or"ament%ria que possibilite
suportar os !astos decorrentes da lei em quest$o.&
-rimeiramente, con+*m re'erirmos os termos do disposto no : 37, art.
;7, do 4e$imento &nterno desta <CC&, no sentido de in'ormar #ue 9a resposta = consulta não
constitui pre>ul$amento de 'ato ou caso concreto?.
2 5 DA LE6ISLAÇÃO:
 Constituição Federal@
 Lei de 4esponsabilidade Fiscal@
 Lei Federal 4.32!A4@
 Lei 5r$Bnica Municipal@
 Lei Municipal n7 ;.4"2, de 14 de outubro de 2!!C D LE5@
 Lei Municipal n7 ;.;31, de 2" de deFembro de 2!!C D L5,.
3 5 DO M7RITO:
, missão primordial do Munic)pio * promo+er o bem estar da sociedade
#ue representa. -ara atender a esta missão, o $o+erno realiFa um con>unto de ações,
dispostas no 5rçamento.
-ara #ue a ,dministração Municipal cumpra sua missão ao lon$o do
tempo, em 'unção de 'atores como o desen+ol+imento local e o crescimento da população,
essas ações criadas serão e(pandidas, ou mesmo, aper'eiçoadas. /oda ação
$o+ernamental, ao ser e(ecutada, $era uma despesa correspondente. 5 +alor da despesa
dependerG dos insumos #ue esta ação irG consumir Hrecursos 0umanos, materiais,
tecnolI$icos etc...J.
-odeKse concluir #ue o total da despesa de uma entidade $o+ernamental
poderG aumentar em 'unção da criação de uma no+a ação e da e(pansão ou
aper'eiçoamento de ação >G criada.
,ssim sendo, cabe = <nidade Central de Controle &nterno alertar 2ossa
1(celLncia, 2ereador 3ermano Camac0o, #ue a Lei Municipal n7 ;.;;7 de 27 de 'e+ereiro
de 2!!", cria car$os com caracter)sticas de despesas de carGter continuado e, por não ter
transitado por esta <nidade, não se sabe se 'oram cumpridas as e(i$Lncias da L4F, o #ue
passamos a analisar neste momento.
3/4 8 FALTA DE O9SERV:NCIA DOS PRECEITOS DA LRF
-ara mel0or entendimento, * necessGrio #ue se>am 'eitos bre+es
comentGrios a respeito da re'erida Lei de 4esponsabilidade Fiscal, #ue * a principal
disciplinadora da despesa de pessoal nos entes 'ederati+os, relacionados com o presente8
a' (e acordo com o art. )7 da *+,, considera-se obri!at.ria de car%ter
continuado a despesa corrente derivada de lei, medida provis.ria ou ato
administrativo normativo que fixem para o ente a obri!a"$o le!al de sua
execu"$o por um per/odo superior a dois exerc/cios financeiros.
b' 0 partir da publica"$o da *1 )0)22000, a cria"$o, a expans$o ou o
aperfei"oamento de uma a"$o de !overno, que acarrete aumento de
despesa, dever$o ser precedidos de al!umas provid#ncias, conforme o
que estabelece os arti!os )3 e )7 da referida lei.
c' 0 *+, imp4e, assim, s5rias restri"4es 6s despesas n$o previstas,
fa7endo com que o Executivo fa"a uma proposta or"ament%ria mais
cuidadosa e realista. 8 ordenador de despesa passa a assumir maior
responsabilidade, pois ter% de estimar o impacto or"ament%rio e
financeiro de sua a"$o !overnamental, demonstrar a ori!em de recursos
para o seu custeio, comprovar que a despesa criada ou aumentada n$o
afetar% as metas de resultados fiscais, mediante a compensa"$o pelo
aumento permanente de receita ou pela redu"$o permanente da
despesa, declarar que o aumento da despesa tem adequa"$o com a
*80 e compatibilidade com o PP0, quando for o caso, e com a *(8,
bem como responder por tal afirma"$o.

Como se +L, as despesas $eradas a partir dessas ações atendem aos
re#uisitos propostos8 $erarão despesas correntes, deri+adas de lei e e(ecução por per)odo
superior a dois e(erc)cios 'inanceiros.
Eiante do #ue estabelece a no+a lei para a #uestão do aumento nas
despesas, duas alternati+as são dadas, ambas de $rande Mnus pol)tico8 aumento
permanente de receita ou redução permanente de despesa, com o a$ra+ante do parG$ra'o
37, do art. 17 #ue, sem dei(ar mar$em para criati+idade, de'ine o aumento permanente de
receita como o 9proveniente da eleva"$o de al/quotas, amplia"$o da base de c%lculo,
ma9ora"$o ou cria"$o de tributo ou contribui"$o.& Ee nada +alerão, pelo menos para esse
'im, iniciati+as do tipo 9combate = sone$ação?, 9bolão 'iscal? e outras medidas do $Lnero. 1,
para #ue não 0a>a a menor c0ance de al$uma brec0a ou arti')cio le$al, a lei e#uipara =
aumento de despesa a prorro$ação da#uela >G criada por praFo determinado.
-ara 'ins de subsidiar uma anGlise mais apro'undada da *ei unicipal n:
5.557, de 27 de fevereiro de 2009, solicitamos ao Le$islati+o Municipal o -ro>eto de Lei n7
12!", passando a analisGKlo #uanto ao seu conte.do 'ormal e os aspectos contGbeis e
'inanceiros.
, Lei de 4esponsabilidade Fiscal estabeleceu al$uns re#uisitos #ue
de+em ser se$uidos para #ue se>a poss)+el o aumento das despesas de pessoal no
1(ecuti+o Municipal, +eri'icando o pro>eto em #uestão obser+amos #ue8
aJ 5 primeiro dos re#uisitos * #ue os atos #ue criarem ou aumentarem essas
despesas de+erão ser instru)dos com a e!"i%a"i3a $ i%&a'"$ $)*a%e("+)i$ e fi(a('ei)$
de #ue trata o arti$o 1A, inciso &, no e(erc)cio em #ue de+a entrar em +i$or e nos dois
e(erc)cios subse#uentes da criação, e(pansão ou aper'eiçoamento da ação $o+ernamental
#ue acarrete aumento da despesa, sendo #ue tal estimati+a serG acompan0ada das
&)e%i!!a! e %e"$$;$<ia e '+;'#;$ #"i;i=aa!. 8corre que no pro9eto de lei
encaminhado ao *e!islativo unicipal, n$o constam as premissas e metodolo!ia de c%lculo
utili7ada para a elabora"$o do impacto or"ament%rio e financeiro, sendo imposs/vel de se
verificar a exatid$o dos valores apresentados nos anexos do pro9eto, afrontando, em nossa
opini$o, o art.)3, ; 2: da *+,. (evido a esta falha formal, fomos obri!ados a recalcular a
estimativa de impacto or"ament%rio e financeiro, anexando, a este trabalho, as planilhas
com as premissas e metodolo!ia de c%lculo utili7adas. Para nossa surpresa, che!amos a
valores totalmente diferentes dos que acompanham o referido pro9eto, os quais
demonstraremos lo!o a baixo.
IMPACTO ORÇAMENT>RIO E FINANCEIRO NO E?ERC@CIO DE 2009
AUADRO I
CAR6OS 8 FUNÇBES 5 6RATIFICAÇBES
SITUAÇÃO ANTES DA LEI
SITUAÇÃO APCS A PU9LICAÇÃO
DA LEI
FEV a A9RIL MAIO a DED FEV a A9RIL MAIO a DED
34,/&F&C,NO5 E1 F<NNO5 K K ;.47;,"C 1;.;44,!4
F<NNP1% 34,/&F&C,E,% 43.AC1,7C 11A.4C4,7; 1!C.1;2,!; 3!A.""C,C!
C,435% CCs ;C7.CC;,7A 1.AAC.AAC,47 "AC.4C2,71 2.74".122,1;
SU9TOTAIS A31.;A7,;4 1.7C;.1;3,22 1.!C2.11!,74 3.!71.AA4,""
TOTAIS
2/E4F/0E010F E/4.3/00.103
DIFERENÇA A MAIOR COM 6ASTO EM
PESSOAL NO E?ERCICIO DE 2009
4/030/03E190
Notas8 1J 5s +alores de Maio a EeF 'oram pro>etados considerando a correção pelo &N-C&Q31 de A,43R@
2J ,s planil0as contendo as premissas e metodolo$ia de cGlculo utiliFada, acompan0am em ane(o o
presente estudo@
bJ 5 se$undo re#uisito * demonstrar a ori$em dos recursos para o custeio
desta no+a despesa como especi'ica a L4F8
“Art. 17. Considera-se obrigatória de caráter continuado a despesa corrente
derivada de lei, medida provisória ou ato administrativo normativo que fixem
para o ente a obrigação legal de sua execução por um período superior a dois
exercícios.
!" #s atos que criarem ou aumentarem despesa de que trata o caput deverão
ser instruídos com a estimativa prevista no inciso $ do art. !% e demonstrar a
origem dos recursos para seu custeio.& H$ri'o nossoJ
2eri'icamos o pro>eto de lei em #uestão e não encontramos
demonstrati+os com +alores #ue nos indicassem a ori$em dos recursos para suportar esta
no+a despesa com pessoal de +alor considerG+el. Na >usti'icati+a do pro>eto, o 1(ecuti+o 'aF
menção de uma contrapartida de #ue “... ' criação das secretarias ora propostas, a criação dos
cargos em comissão e as (unç)es *ratificadas ora estabelecidas, causam impacto orçamentário e,
em contrapartida, prop)e a redução de gastos com os cargos comissionados, ou se+a, a proibição de
venda de !,- .um terço/ das f0rias daqueles servidores que ocupam cargos em comissão. 1e igual
sorte, +á foi encamin2ado a esta Casa 3egislativa e aprovado pelos 4ereadores, pro+eto de lei que
elimina a possibilidade de pagamento de diferenças salariais para servidores de cargos em comissão
que ven2am a substituir o titular do cargo, pelo período de at0 -5 dias. 6ais aç)es geram redução de
gastos, com a finalidade de que setores prioritários do 7unicípio possam ser atendidos.&...
&mposs)+el de se mensurar a +enda de 13 das '*rias, como alude a >usti'icati+a, pois
depende da +ontade do ser+idor #uerer, ou não, +ender 1! dias de suas '*rias.
cJ 5 terceiro re#uisito * a declaração do ordenador de despesa de #ue o
aumento da despesa tem ade#uação com a L5, e compatibilidade com o --,, #uando 'or o
caso, e com a LE5, bem como responder por tal a'irmação. Verificando o pro9eto de lei n:.
)2209, encaminhado ao *e!islativo unicipal, não encontramos a declaração do
ordenador de despesa conforme determina a lei de responsabilidade fiscal<
“Art. 16. ' criação, expansão ou aperfeiçoamento de ação governamental que
acarrete aumento da despesa será acompan2ado de8
...
$$ - declaração do ordenador da despesa de que o aumento tem adequação or-
çamentária e financeira com a lei orçamentária anual e compatibilidade com
o plano plurianual e com a lei de diretri9es orçamentárias.&
dJ 5 #uarto re#uisito * #ue o aumento da despesa demandarG a+aliação #ue
compro+e a não afetação das metas de resultados fiscais, >G de'inidos no ane(o
correspondente #ue acompan0a a Lei de EiretriFes 5rçamentGrias. 1m +irtude disso, a
ele+ação mar$inal de despesa e(i$e a pre+isão de contrapartida e'eti+a em termos de8
aJ aumento permanente de receita= ou
bJ redu"$o permanente de despesa.
Examinando o pro9eto de lei que estabelece a nova estrutura administrativa da Prefeitura,
observamos que nada consta nos demonstrativos anexos ao mesmo, que se refira 6s metas
de resultados fiscais. Pelo contr%rio, no 0nexo > - Margem de Expansão das Despesas
Obrigatórias de Caráter Continuado – 2!, que acompanha a *ei unicipal n: 5.?92 de
)? de outubro de 200@ A *(8 A podemos notar no campo "#o$as DOCC%, que o valor
previsto para 2009 5 7ero, demonstrando que a 0dministra"$o n$o tinha plane9ado esta
nova a"$o !overnamental.
,s medidas de compensação de+erão inte$rar o ato #ue criou ou auK
mentou despesa obri$atIria, o #ual sI entrarG em +i$or depois #ue entrarem em +i$or as
medidas de compensação.
1m raFão da insu'iciLncia de dotação orçamentGria ade#uada para
atender as despesas com pessoal e, de+ido a não implementação das medidas de
compensação, con'orme demonstrado no #uadro abai(o, as metas 'iscais pre+istas na
LE52!!", no seu ,ne(o && D ,ne(o de Metas Fiscais, 'icaram pre>udicadas, con'orme se
demonstra a se$uir8
IMPACTO SO9RE AS METAS FISCAIS
Ga)"/ 401 H 2- a LRFI
AUADRO II
Meta de resultado primário prevista no anexo de metas fiscais 5.387.030,00
Meta de resultado nominal prevista no anexo de metas ficais 1.747.919,00
mpacto da a!"o so#re as despesas fiscais exerc$cio de %009 1.737.054, 98
mpacto do &s' mecanismo &s' de compensa!"o
(umento das receitas fiscais
)edu!"o das despesas fiscais
*"o demonstrado
)esultado primário com o impacto das a!+es 3.,49.975,0%
)esultado nominal com o impacto das a!+es 10.8,4,0%
3/2 8 FALTA DE DOTAÇÃO ORÇAMENT>RIA SUFICIENTE PARA ATENDER AS NOVAS
DESPESAS DE PESSOAL
No #ue concerne = ade#uação da Lei sob anGlise em relação = Lei de
EiretriFes 5rçamentGrias D LE5, * importante ressaltar #ue, no e(ame de mat*ria relati+a =
concessão de #ual#uer +anta$em e de criação de car$os, empre$os e 'unções, de+e ser
considerada, tamb*m, a determinação constitucional pre+ista no ,rt. 1A" da Carta Ma$na,
especialmente as restrições e e(ceções contidas no parG$ra'o primeiro desse dispositi+o,
com a redação dada pela 1menda Constitucional n7 1""C, nos se$uintes termos8
: 'rt. !%;...
!". A concessão de qualquer vantagem ou aumento de remuneração, a
criação de cargos, empregos e funç)es &-rifos nossos' ou alteração de
estrutura de carreiras, bem como a admissão ou contratação de pessoal, a
qualquer título, pelos órgãos e entidades da administração direta ou indireta,
inclusive fundaç)es instituídas e mantidas pelo poder p<blico, só poderão ser
feitas8
$ - se 2ouver prévia dotação orçamentária suficiente para atender às
projeções de despesas de pessoal e aos acréscimos dela decorrentes .grifo
nosso/=
$$ - se 2ouver autoriação espec!fica .grifo nosso/ na lei de diretri9es
orçamentárias, ressalvadas as empresas p<blicas e as sociedades de economia
mista.&
, Lei 5r$Bnica Municipal, no seu Cap)tulo &&, das Finanças -.blicas,
%eção &&, do 5rçamento, estabelece #ue8
“'rt. !>? - 's despesas com pessoal ativo e inativo não poderão exceder aos
limites estabelecidos em 3ei Complementar (ederal.
@nico - ' concessão de qualquer vantagem ou aumento de remuneração, a
criação de cargos ou alteração de estrutura de carreira, bem como a admissão
de pessoal a qualquer título, só poderão ser feitas8
$ - se "ouver prévia dotação orçamentária suficiente para atender às
projeções de despesa de pessoal e aos acréscimos dela decorrente= H$ri'o
nossoJ
$$ - se 2ouver autori9ação específica na lei de diretri9es orçamentárias.
, Lei de EiretriFes 5rçamentGrias D LE5, para o e(erc)cio 'inanceiro de
2!!" HLei n7 ;.4"2 de 14 de outubro de 2!!CJ estabelece #ue8
#$%% & 'A( '%()*(%+,-( (*./- '-()-(A( 0*1 )-((*A2
Art. 345 - # Axecutivo e o 3egislativo 7unicipal, mediante lei autori9ativa,
poderão em >55;, criar cargos e funç)es, alterar a estrutura de carreiras,
corrigir ou aumentar a remuneração dos servidores, concederem vantagens,
admitir pessoal aprovado em concurso p<blico ou em caráter temporário na
forma da lei, observados os limites e as regras da 3B(.
6 15 - ' criação ou o aumento do n<mero de cargos, al0m dos requisitos
mencionados no caput, atenderá tamb0m, os seguintes8
% 7 e8ist9ncia prévia de dotação orçamentária suficiente para atender as
projeções de despesas com pessoal e os acréscimos dela decorrentes: .grifo
nosso/
$$ - $nexistCncia de cargos, funç)es ou empregos p<blicos similares, vagos e
sem previsão de uso na administração, ressalvada sua extinção ou
transformação decorrente das medidas propostas=
$$$ - Besultar de ampliação de ação governamental decorrente de
investimentos ou de expansão de serviços devidamente previstos na 3ei
#rçamentária 'nual.
6 ;5 - #s pro+etos de lei de criação ou ampliação de cargos deverão
demonstrar em sua exposição de motivos o atendimento aos requisitos de que
trata este artigo e aqueles da 3ei Complementar !5!, de 5D de maio de >555,
especialmente ao que concerne ao impacto orçamentário e financeiro,
apresentando o efetivo acr0scimo de despesas com pessoal.&
, lei orçamentGria para o e(erc)cio de 2!!" HLei n7. ;.;31, de 2" de
deFembro de 2!!CJ, no seu 90nexo 2 A Bature7a da (espesa Ce!undo as 1ate!orias
EconDmicas& aloca dotações nas unidades 5rçamentGrias do 1(ecuti+o, relati+as a
despesas de pessoal e encar$os sociais, no limite de 4S 3A.!41.14C,43 Htrinta e seis mil0ões
#uarenta e um mil cento e #uarenta e oito reais e #uarenta e trLs centa+osJ, +alor
insu'iciente para atender =s despesas de pessoal e encar$os antes da criação da no+a
estrutura administrati+a, sendo necessGria a abertura de cr*dito suplementar, con'orme
demonstrado abai(o8
DESPESA DE PESSOAL PROJETADA PARA 2009
AUADRO III
A ! Des"esa
co# Pessoal
e$ec%cio de
&''(
) !
Cesci#ento
Ve*etati+o da
,ol-a ./01
C ! Re"osi23o
In,lacionaia
INPC4I)GE
.56/701
D ! Valo
Po8etado "aa
&''9
A:):C;D
E ! Valo Pe+isto na
LOA4&''9 "aa a
Pe,eit<a
= ! Di,een2a a
Meno
D!E;=
35.93,.,37,03 1.437.4,5,48 %.310.7%5,7, 39.,84.8%8,%7 3,.041.148,43 7>5/7>5?96(/
DEMONSTRATIVO INSUFICIKNCIA DE SALDO ORÇAMENT>RIO PARA NOVA AÇÃO
IMPLEMENTADA PELO E?ECUTIVO
AUADRO IV
Dota23o O2a#entáia
A
Ele#ento de Des"esa
)
Valo da No+a
A23o
C
Di,een2a a #eno
no O2a#ento
D
TOTAL
C:D
.essoal e /ncar-os 0ociais 3.1.00.00.00.00.00 1.737.054,98 3.,43.,79,84 @>7('>?7/>(&
Como podemos obser+ar nos Tuadros &&& e &2, apresentados acima,
constatamos #ue, com a implantação das no+as ações pela ,dministração Municipal, a
-re'eitura, #ue >G não possu)a saldo orçamentGrio su'iciente para as despesas de pessoal e
encar$os sociais, 'ica com uma insu'iciLncia orçamentGria na ordem de 4S ;.3C!.734,C2
Hcinco mil0ões treFentos e oitenta mil setecentos e trinta e #uatro reais e oitenta e dois
centa+osJ.

E 5 MANIFESTA5SE1 &$)"a("$:
4espondendo, em tese, não podem ser criados car$os sem autoriFação
espec)'ica na Lei de EiretriFes 5rçamentGrias, con'orme o disposto no inciso &&, do : 17, do
art. 1A" da Constituição Federal, com redação dada pela 1menda Constitucional n7 1""C.
5 #ue ocorre * #ue a administração p.blica, al*m de obser+ar a lei, tem
#ue ter plane>amento. Tuando a Constituição e(i$e a autoriFação espec)'ica na LE5, o seu
ob>eti+o * o de 'aFer com #ue o administrador p.blico pre+e>a os seus atos, principalmente,
a#ueles #ue acarretem aumento de despesas.
, Lei de 4esponsabilidade Fiscal re$ulamenta, dentre outros, o art. 1A"
da Constituição Federal, dispondo sobre os limites mG(imos de despesas com pessoal em
cada per)odo de apuração e em cada ente da Federação. 4e'orça a necessidade de
obser+Bncia do disposto no inciso &&, do : 17, do art. 1A" da Constituição Federal Hpre+isão
na LE5J, al*m de criar, em seu art. 17, a denominada despesa de carGter continuado, na
#ual se encai(a per'eitamente a despesa com pessoal, +eF #ue * despesa corrente deri+ada
de lei, #ue 'i(a, para o ente, a obri$ação le$al de sua e(ecução por um per)odo superior a
dois e(erc)cios.
1m s)ntese, depreendeKse da Lei de 4esponsabilidade Fiscal #ue este
tipo de despesa Hobri$atIria de carGter continuadoJ de+erG estar acompan0ada da estimati+a
do impacto orçamentGrio 'inanceiro no e(erc)cio em #ue de+a entrar em +i$or e nos dois
subse#Uentes, al*m de demonstrar a ori$em dos recursos para o seu custeio. Ee+e tamb*m
estar acompan0ada da compro+ação de #ue a despesa não a'etarG as metas de resultados
'iscais pre+istas no ane(o de metas 'iscais da LE5, de+endo seus e'eitos 'inanceiros, nos
per)odos se$uintes, ser compensados pelo aumento permanente de receita ou pela redução
permanente de despesa.
6o>e, não mais se busca o e#uil)brio orçamentGrio 'ormal, mas, sim, o
e#uil)brio amplo das 'inanças p.blicas, como ressalta Marcos NIbre$a H2!!2832J, ao
analisar a L4F e o princ)pio do e#uil)brio8
98 !rande princ/pio da *ei de +esponsabilidade ,iscal 5 o
princ/pio do equil/brio fiscal. Esse princ/pio 5 mais amplo e transcende
o mero equil/brio or"ament%rio. Equil/brio fiscal si!nifica que o Estado
dever% pautar sua !est$o pelo equil/brio entre receitas e despesa.
(essa forma, toda ve7 que a"4es ou fatos venham a desviar a !est$o
da equali7a"$o, medidas devem ser tomadas para que a tra9et.ria de
equil/brio se9a retomada.
8 art. 2) da *+, decretou nulidade absoluta, 9uris et de 9ure, dos
atos que criem despesa com pessoal sem a observEncia das
exi!#ncias previstas em seus arts. )3 e )7 e nos arts. F7, >GGG, e )39,;
):, ambos da 1onstitui"$o.
1om estes conceitos, percebe-se que o intuito do le!islador n$o
fora o de criar mais um mecanismo para burocrati7ar e emperrar os
processos de contrata"$o na administra"$o pHblica, mas sim o de
impedir que os administradores criem, expandem ou aperfei"oem
a"4es em detrimento da manuten"$o de outras 9% existentes.&
NotaKse o cuidado, no+amente, de $arantir uma situação de sol+Lncia
'inanceira em relação =s despesas. -or e(emplo, #uando se e(i$e demonstração e não
somente indicação, esperaKse #ue o ordenador compro+e realmente #ue a#uele $asto *
+iG+el e não a'etarG o e#uil)brio 'inanceiro.
, respeito do pro>eto analisado e, respondendo ao solicitado pelo
2ereador 3ermano Camac0o, podeKse c0e$ar =s se$uintes conclusões8
 1stimati+a do impacto orçamentGrioK'inanceiro 8 Ei+er$imos inteiramente dos +alores
apresentados no pro>eto de lei encamin0ado ao Le$islati+o Municipal, sendo #ue, no
mesmo, não constam as premissas e metodolo$ia de cGlculo utiliFada para a
elaboração do &mpacto orçamentGrio e 'inanceiro, sendo imposs)+el de se +eri'icar a
e(atidão dos +alores apresentados nos ane(os do pro>eto, afrontando& em nossa
opinião& o art'()& * 2+ da ,-.. 4ecalculamos o impacto orçamentGrio e 'inanceiro e
c0e$amos ao +alor de 4S 1.737.!;4,"C Hum mil0ão setecentos e trinta e sete mil
cin#uenta e #uatro reais e no+enta e oito centa+osJ somente no e(erc)cio de 2!!",
demonstrando, com isso, #ue o orçamento Municipal não comportarG esta no+a ação@
 5btenção da declaração do ordenador de despesa 8 &mporta esclarecermos #ue, na
presente anGlise, não 'oi poss)+el apurar a compatibilidade da e';a)a*L$ $
$)e(a$) e e!&e!a, in'ormando #ue tal aumento tem ade#uação com a L5, e
compatibilidade com a LE5 e com o --,, uma +eF #ue não encontramos tal
documento >unto ao pro>eto encamin0ado ao Le$islati+o Municipal, n$o cumprindo o
que determina o art. )3, inciso GG da *+,@
 Eemonstrati+o da ori$em do recurso para o custeio do aumento da despesa 8 ,s
in'ormações não compro+am a ori$em e'eti+a dos recursos para custear a no+a
despesa de carGter continuado, afrontando diretamente o art.)7, ; ): da *+,@
 Compro+ação de #ue a despesa criada ou aumentada não a'etarG as metas de
resultados 'iscais8 4estou pre>udicada tal a+aliação, pois, >unto ao pro>eto em estudo,
não consta+a nen0um documento demonstrando #ue a no+a ação a'etaria, ou não, as
metas 'iscais pre+istas no e(erc)cio de 2!!", afrontando o art. )7, ; 2: da *+,@
 &nsu'iciLncia de dotação orçamentGria para criação da no+a ação 8 5corre #ue,
+eri'icando a despesa de pessoal e encar$os sociais da -re'eitura Municipal no
e(erc)cio de 2!!C, notamos #ue 'oi despendido o +alor de 4S 3;."3A.A37,!3, sendo
#ue o orçado para o e(erc)cio de 2!!" * de 4S 3A.!41.14C,43, uma di'erença de 4S
1!4.;11,4!. Mesmo #ue não 'osse criada #ual#uer no+a despesa re'erente = pessoal,
podemos obser+ar #ue somente com o crescimento +e$etati+o da 'ol0a H4RJ e a
poss)+el reposição constitucional, 'altarG orçamento no elemento de despesa 9pessoal
e encar$os?, obri$ando a ,dministração a suplementar estas dotações, dei(ando de
cumprir com pro$ramas >G pre+istos na LE5. Ial ato confi!ura, em nossa opini$o,
afronta 6 1onstitui"$o ,ederal no seu art. )39, ; ):, inciso G= a *ei 8r!Enica unicipal
no seu art. )27, ; Jnico, inciso G= e a *ei de (iretri7es 8r"ament%ria no seu art. F0, ;
):, inciso G.
-or todo e(posto, concluiKse #ue são irre$ulares e lesi+as ao patrimMnio
p.blico as despesas criadas pela lei municipal n7 ;.;;7, de 27 de 'e+ereiro de 2!!",
de+endo, o Le$islati+o Municipal, corri$ir tal 'al0a.
V sua consideração.
W a in'ormação.
Controle &nterno, em %antX,na do Li+ramento, 1C de março de 2!!".
Marcos ,uciano de /esus 0eixoto
C4C4% A7.77;
<CC& K /C& D Matr. FK1C7A