INTRODUÇÃO

Como historiador, tenho receio de que um número de fiéis SUD parece ter sido perturbado pela leitura de Jerald e Sandra Tanner em Mormonism - SHADOW OR REALITY? Depois de preparar a seguinte carta para um amigo, sobre a sua recomendação eu decidi publicar a carta desta forma. Esta publicação ainda não foi protegido, de modo que possa ser reproduzido e distribuído livremente pelos outros, se eles sentem que os conteúdos têm valor.

Vista distorcida sobre Mormonismo: Jerald e Sandra Tanner
Uma resposta ao Mormonismo - SOMBRA ou REALIDADE? Por um Historiador Santos dos Últimos Dias

Peço desculpas pela demora em responder sua carta, mas eu senti que o seu inquérito e mereceu comentários de investigação e reflexão de minha parte. Antes de eu ir na substância do seu pedido, deixe-me expressar-me sobre algo que você implícita. Você parecia quase envergonhado de admitir a leitura de um livro que conta como anti-mórmon, e que parecia sentir que minha primeira reação à sua carta seria uma crítica ao seu pagar nenhuma atenção a tais escritos. Eu posso falar só por mim, mas eu sinto que a sua curiosidade em ler Jerald e Sandra Tanner em Mormonism trabalho - Sombra ou Realidade é uma parte legítima do processo de compreensão espiritual e testemunho de Paulo descrito quando escreveu: "Examinai tudo, retende rápido o que é bom. " (I Tessalonicenses 5:21). Com essa filosofia, comecei a ler literatura sobre as religiões do mundo, escritos pelo famoso céticos e ateus, e literatura anti-mórmon, enquanto eu estava em meados dos dez anos. Ao fazer isso, eu procurei a direção e conforto do Espírito Santo, levando-me a novas descobertas, em afirmar as verdades se acreditava anteriormente, e, suspende julgamento sobre as áreas onde eu tinha informações suficientes. Foi a minha vangloriar adolescente a meus amigos não-mórmon, que não só incentivou o mormonismo, mas exigiu que nós investigamos reivindicações conflitantes da verdade religiosa, e aceitar a verdade de qualquer origem e de rejeição de qualquer fonte de erro. Muitos anos se passaram, mas que a fé da minha juventude permanece. De sua carta que não posso ter certeza se você olhou várias publicações do Tanners, ou se a edição de 1972 da revista Shadow-Reality é o único que você leu. Em qualquer caso, você pede que eu avaliar a exatidão de seu trabalho, do meu ponto de vista de um historiador profissional treinado, que estudou história e teologia mórmon durante algum tempo. Você admite que tem sido "seriamente preocupado" com o que você leu, e você mencionar algumas áreas gerais que você me quer responder. Você é um recém-convertido ao mormonismo, e eu sinto que, apesar de sua experiência com anti-mórmon literatura deste tipo tem sacudido você, sinceramente, que você quer saber como as informações no Tanners publicação (ões) se encaixadentrodo quadro global da mormonismo. Você não me pediu para levar o meu testemunho religioso para você, mas têm-me perguntado em vez de ser um perito "sobre a verdade histórica do que você leu. No entanto as coisas, deixe-me tomar o tempo aqui para expressar meus sentimentos, tanto sobre a espiritual e sobre o mundo da mente, evidências e interpretação histórica que é a minha área escolhida. Quer falar de Deus "," ciência exata, ou o campo muito inexata da história humana, uma pessoa deve ser sinceramente dispostos a abordar o assunto em seus próprios termos e para considerar todas as evidências disponíveis. Caso contrário, ficamos imersos em uma posição onde nós realmente vai escutar somente a essas pessoas ou evidências que sustentam nossas conclusões preconcebidas: esse é o caminho para a estagnação espiritual e intelectual.

Suas perguntas lidar não só com o caráter acadêmico e histórico do mormonismo, mas com a sua verificação espiritual. Em conhecimento espiritual, devo dizer que minhas próprias experiências com a oração, o Espírito, revelação e são a prova principal, ao passo que as evidências e testemunhos das Escrituras, dos profetas e outras pessoas boas e acreditando, e do registro histórico da humanidade são secundário. Cada pessoa deve trazer os dois tipos de provas a seu relacionamento com Deus. Durante todo o resto desta carta que, a seu pedido, enfatizar as evidências de que são a parte secundária da verificação espiritual e do conhecimento. Como você se relaciona com esta informação a sua primeira experiência com a verdade espiritual é algo que só você pode decidir, mas a minha experiência confirma um conhecimento da existência de Deus, um conhecimento da realidade da salvação através do Seu Filho Jesus Cristo, um conhecimento da importância da revelação, autoridade e da comunidade dos crentes ( "a Igreja"), e uma valorização da humanidade e falibilidade dos funcionários mortal de Deus nos tempos antigos e modernos. Você pode ver já que esta vai ser uma longa carta, mas eu suponho que você esperava. Se você tiver dificuldade através Mormonismo - sombra ou realidade? com mais de quinhentas páginas de comentários de perto por escrito e excertos de documentos (os quais são apresentados com tão opressivas repetição que eu sentia que estava a sofrer uma tortura chinesa da água, quando li o livro), então você deve ser capaz de obter através desta carta tudo bem. Não posso tomar o momento de discutir o Tanners rejeição do mormonismo em um ponto-a-ponto, mas vou fazer algumas observações gerais sobre a sua abordagem, e vai passar algum tempo com vários dos problemas específicos que você me perguntou. Porque eu estou muito ciente de meus próprios limites intelectuais e enormes áreas de ignorância, vou negar ser um "expert" em muita coisa, mas vai lhe dar a minha análise histórica do Mormonismo (eo Tanners abordagem a ele) e documento declarações onde parece ser necessário. O comentário mais importante a ser feita sobre a abordagem de Jerald e Sandra Tanner ao mormonismo é o seu uso seletivo de provas. Os Tanners ter publicado algumas coleções muito útil de trechos e documentos que de outra forma teriam de ser lido na biblioteca de arquivos onde estão localizados. Disponibilização de documentos ao público, leitura e análise de um tema através desses documentos são aspectos centrais da prática da história. Mas é a perspectiva - ser capaz de ver um problema em sua totalidade e apresentando seus componentes em suas relações uns aos outros e ao todo - que é o propósito e objetivo de escrever a história. A não-mórmon historiador que passou muitos anos estudando o mormonismo comentou recentemente que a Tanners escolher apenas uma prova a mais negativa para retratar a "realidade" do mormonismo e sua história, ignorando provas ou questões inteiras que não suportam as suas interpretações. LT é justo dizer também que alguns defensores Mórmon também tem feito desserviço igual à Igreja SUD, adoptando o mesmo método no sentido inverso: apresentar provas cuidadosamente escolhidos, que mostra apenas o lado positivo do mormonismo, ignorando ou negando a existência de provas em contrário. Se os defensores Mórmon têm na ocasião sido culpado de algumas das técnicas utilizadas pelo polêmico Tanners, que ainda não se justificar ou santificar a distorção. O historiador é ao mesmo tempo semelhante e diferente para o artista em questão de perspectiva. O artista deve estudar seu assunto com cuidado, a fim de apresentá-lo em isolamento para o público da visão. Se o papel é de ser um da “realidade", o artista estuda não só assunto seu, mas o seu entorno, e os aspectos técnicos da matemática e da visão, a fim de ser fiel à aparência externa do seu objeto artístico. Se os artistas optem por apresentar uma ênfase pessoal e subjetiva para o efeito, ele pode livremente distorcer o real "imagem" para enfatizar uma interpretação seletiva. Nas artes plásticas, esta distorção para o efeito só é legítimo, mas é louvável e desejável, porque o artista está tentando comunicar realidades que são emocionais, psicológicos, sociais, religiosas, e às vezes ambos inefáveis e invisíveis. Ao escrever sobre o passado, o historiador também deve selecionar o tema, bem como os elementos disponíveis que podem ser usados para apresentar a questão de uma forma compreensível. Mas o uso seletivo de provas para fornecer uma visão distorcida do sujeito histórico é uma decepção, mesmo que involuntária ou bem-intencionada. “É um engano, porque o público leitor espera que o historiador de digerir as evidências existentes de uma determinada questão e apresentar esse evento histórico ou assunto “, como era". Como as

ferramentas do historiador incluir diários, cartas, contas de jornal, reminiscências, documentos civis, muitas vezes ele tem o potencial de compreensão de um evento histórico ou assunto melhor do que qualquer participante individual. Provas, mas as vidas humanas são complexas e eventos históricos e está continuamente a ser descobertos, reconhecidos e reavaliada. Portanto, nunca a escrita da história atinge o seu objetivo absoluto descrevendo o passado ", como era", e assim cada historiador novo trabalho histórico e tenta adicionar aos esforços anteriores de alcançar perspectiva. Quando as pessoas desrespeito perspectiva histórica, por escrito, em seguida, suas obras representam o mais característico da polêmica, ciência forense, e propaganda: fazer o que for necessário para vencer a disputa. Os Tanners são culpados de distorção, como eles buscam a repudiar o mormonismo mediante a aplicação de normas rígidas de crítica que eles parecem dispostos a aplicar para o resto da história sagrada. Por exemplo, na edição de 1972 da Shadow-Reality (página 60), a Tanners contas ridículo de alguns mórmons ter visões enquanto outros que estavam próximos não, mas como cristãos evangélicos que, presumivelmente, aceitar a experiência de Cristo quando ele ouviu a voz do Pai, enquanto outros achavam que tinha apenas um trovão (João 12:28-29), ou o fato de que aqueles com Saulo na estrada de Damasco não experimentou a mesma visão e da revelação que ele fez (Atos 9:7, 22:9) . Da mesma forma, os Tanners criticar longamente (páginas 245-51) "sigilo" no Mormonismo, apesar dos precedentes das instruções de Cristo a manter sigilo sobre curas (Mateus 8:4, Marcos 7:35-36, Lucas 5:13-14, 8 :55-56), sobre o fato de que ele era o Cristo (Mateus 16:20, Marcos 7:36 e Lucas 9:21), e sobre a transfiguração (Mateus 17:9; Marcos 9:9). Eu suspeito que a Tanners iria tentar explicar por que Jesus exigido sigilo, mas tal explicação daria um problema "bíblico" uma perspectiva que nega a um semelhante (se não idênticas) problema na história Mórmon. Neste mesmo sentido, os Tanners usar um dispositivo comum polêmicos para repudiar a validade histórica dos acontecimentos cruciais da história Mórmon, sem aplicar o mesmo padrão de história sagrada bíblica. Relativamente às contas diferentes manuscrito de "Joseph Smith's First Vision", o Tanners dramaticamente observar (na página 148): "ainda CADA UM DELES é diferente;" (página 150) que estas contas diferentes provar "que Joseph Smith fez o visão de muitos anos depois que era suposto ter ocorrido ", e (página 152):" Como podemos conciliar essas discrepâncias? Eles estão tão dispostos a negar a história da ressurreição de Cristo como Seus apóstolos fabricação porque discordaram quanto a saber se havia um ou dois anjos no sepulcro (Mateus 28:5, João 20:12)? Ou será que eles afirmam igualmente que o relatório de Lucas de visão de Saulo na estrada de Damasco foi "feito até anos depois que era suposto ter ocorrido" simplesmente porque Lucas não poderia recontar a experiência duas vezes na mesma carta, sem contradizer a si mesmo (Atos 9:7 , 22:9)? A exigência selectiva de normas rígidas de coerência é uma arma de ações em debate ea prática da lei para invalidar o depoimento de testemunhas do seu oponente. No entanto, a consistência perfeita é como muitas vezes um traço de engano como a verdade, ea verdade é muitas vezes transmitidas por testemunhas inconsistente. O registro da experiência humana raramente foi isenta de equívocos Uma arma clássico de debates e polêmicas (argumento ad hominem) é empregado em várias ocasiões pelos Tanners a questão de como o mormonismo poderia ser verdadeiro quando seus líderes são culpados do pecado, erros de julgamento, e traços de personalidade desagradável. Esta é a direção do Tanners resposta a poligamia de Joseph Smith, fumando e bebendo, os fracassos financeiros, erros de julgamento da história e das pessoas, ocasionais explosões de temperamento, e uma série de fraquezas de personalidade. Da mesma maneira, eles estão profundamente consternados e alienados que os apóstolos modernos LDS seria, ousar escrever cartas ameaçando tomar medidas legais para a reprodução não autorizada e venda de diários pessoais e sermões (páginas 12-13), ou que um apóstolo alerto-lhes para não "começar nada contra esta igreja "(p. 570; Compare II Pedro 3:12). Antes de expor os erros dos líderes da SUD, os Tanners poderia ter referido a descrição do apóstolo João da condição universal da humanidade (incluindo a si mesmo como um apóstolo): "Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade é não em nós.... todo aquele que comete pecado, transgride a lei: o pecado é a transgressão da lei "(I João 1:8, 3:4). O apóstolo Paulo, que era verdadeiramente nasceu de novo em Cristo, admitiu publicamente que, apesar de si mesmo, ele fez coisas más que não queria fazer e não

fazer coisas boas que ele queria fazer (Romanos 7:14-19). O Novo Testamento nos informa que apenas um homem nascido de mulher foi livre do pecado e, portanto, toda a humanidade (incluindo todos os profetas e outras pessoas santo, nascido de novo), não obstante todos os esforços em contrário continuam a permanecer na condição de mortal de cometer transgressões das leis e dos mandamentos de Deus. Embora os profetas e autores da história religiosa antiga comunicado condenação de Deus contra todo pecado, eles também apresentaram o claro entendimento de que os servos de Deus continuou a pecar ou "cometer erros", e foram, portanto, plenamente humana, apesar de uma missão divina. Noé bebeu vinho, ocasionalmente, a ponto de embriaguez e perda de consciência (Gênesis 9:21, 23). Abraão concordou com os maus tratos da mulher de sua segunda esposa (Gênesis 16:6). Jaco "com sutileza" e decepção obtido a bênção de seu irmão de seu pai cego Isaaque (Gênesis 27:12, 35), e também odiou a sua primeira esposa Lea (Gênesis 29:30-31). Moisés no homicídio cometido pelo menos antes de sua chamada como um profeta (Êxodo 2:12-14), e depois que chamam ocasionalmente exibiu dúvida na Palavra de Deus, ira, soberba e arrogante (Êxodo 4:10-14, 5:22 -23, 32:19, Números 20:10-12). O Senhor teve de intervir diretamente para impedir Samuel de escolher o homem errado como rei (1 Samuel 16:6-7). Daniel pediu perdão por seus pecados, enquanto profeta (Daniel 9:20). Jonas resistiu o mandamento de Deus para ele (Jonas 1:2-3, 4:1) Jesus bebeu álcool o suficiente em banquetes de ser criticada como um bebedor de vinho "(Mateus 11:19 e Lucas 7:34). Tiago e João, como apóstolos, ficou encantado com o pensamento de seus adversários sendo destruída (Lc 9:52-56) e cheios de orgulho, tentou elevar-se acima do resto dos filhos de Deus na eternidade (Marcos 10:35-38). Pedro foi insolente, prepotente, arrogante e covarde como um apóstolo, durante a vida de Jesus (Mateus 16:21-23, 26:69-75, João 13:8-9, 18:10-11). Apesar da ordem de Cristo para enviar o Evangelho a todas as nações a Sua ascensão (Mateus 27:19, Marcos 16:15, Lucas 24:47), é necessária uma outra revelação específicas de Pedro para convencê-lo que o Evangelho deve ser tomado para aqueles que foram não os judeus (Atos 10-11), e até mesmo anos após a revelação que Pedro continuou a demonstrar o seu preconceito (Gálatas 2:1,9,11-14). Nem Pedro hesita em criticar a abordagem de seus companheiros apóstolo Paulo nos ensinamentos do Evangelho (2 Pedro 3:15-16); Paulo também se vangloriou por ter condenado publicamente Pedro e "resisti-lhe na cara, porque ele estava a ser responsabilizado "(Gálatas 2:11-14). Além disso, os conflitos entre Barnabé e Paulo, resultou na interrupção da sua missão (Atos 13:2, 15:36-39). Fazer tais evidências da humanidade, o erro, o pecado e a falibilidade invalidar profética ou apostólica chamados? A resposta a esta questão é basicamente uma questão pessoal, mas é óbvio que, na visão hebraica da história sagrada, esses sinais da humanidade não foram considerados como um repúdio dos chamados destes homens. Os antigos escritores da história sagrada parecia sentir que, ao mostrar a humanidade de servos de Deus, a classificação e arquivo de Israel e da Igreja não iria assumir que os profetas e apóstolos eram de algum modo sobrenatural e imune aos tipos de problemas que assolam o comum " "mortal. Antiga história sagrada parecia estar dizendo a todas as pessoas: Veja, Deus escolheu estes homens fracos para fazer grandes coisas em Seu serviço, e assim cada pessoa na Terra deve perceber que ele ou ela também pode servir a Deus, receber revelação, e fazer justiça, apesar de problemas humanos e incapacidade de viver totalmente sem pecado. Ao apresentar os pontos fracos e pontos fracos de Joseph Smith e outros líderes mórmons, os Tanners escrever como se estes estavam escondidos segredos que eles têm sido capazes de trazer à tona. Pelo contrário, as revelações publicadas de Doutrina e Convênios freqüentemente condenam Joseph Smith, por falta de fé, a covardia, e outros pecados de que é comandado para se arrepender (D & C 3:6-10, 60:6-7, 90:1 , 93:47, 110:5). A partir do que fizeram os registros ocultos Tanners saber que Joseph Smith continuou a beber o vinho ea cerveja depois da Palavra de Sabedoria foi dada em geral "como consultor" e, ocasionalmente, aplicada sobre a Igreja? - Do Jornal "A História de Joseph Smith", no Deseret Notícias e LDS Millennial Star (ver páginas 406-7 para algumas das citações do próprio Tanners). Além disso, as suas referências ao temperamento violento de Joseph Smith e outras peculiaridades da personalidade vêm principalmente da LDS apóstolos que conheciam e queriam (como os antigos historiadores bíblicos) para compartilhar sua humanidade com os mórmons que não o conhecia pessoalmente.

Enquanto um traço de personalidade desagradável ou ação não se torna recomendável e menos ofensiva quando ocorre na vida de um profeta ou apóstolo, a mensagem da história sagrada é que tais falhas são inevitavelmente parte da humanidade e, portanto, será sempre com o povo de Deus, a Igreja e seus líderes. É lamentável que na nossa urbana, a experiência do século XX como uma igreja, muitos dos nossos escritores (incluindo quase todos os nossos defensores apologistas) descobriram que é necessário ignorar ou mesmo negar as deficiências, falibilidade, e a humanidade dos nossos profetas e apóstolos. Isso reflete uma falta de confiança na capacidade de convertidos SUD e membros vida para aceitar o fato de que um homem é consideravelmente menor do que "um pouco inferior aos anjos" quando ele se torna um bispo, presidente de estaca, apóstolo, ou profeta. No curto prazo, glorificando os nossos dirigentes podem ser boas relações públicas, mas no longo prazo torna vulneráveis aos Mórmons rasas, ataques ad hominem muckraking em seus líderes. Em uma questão relacionada, no entanto, que gostaria de discutir as ocasiões em que o Tanners (assim como outros, é claro) mal chamar algo que Joseph Smith e outros líderes da SUD chamado divino. O exemplo óbvio é a prática da poligamia (ou poligamia), mas se estende a uma série de outras áreas também. Na visão total da antiga e moderna história sagrada, o problema foi o melhor indicado por Joseph Smith em um documento que foi identificado como sendo escrito para sua esposa se no plural: "O que Deus requer é certo, não importa o que seja, embora possamos não vejo a razão do mesmo até muito tempo depois dos acontecimentos transpire ". O exemplo clássico no Antigo Testamento é "Não matarás" do Decálogo (Êxodo 20:13), em comparação com eventos como o mandamento de Deus através de Moisés para matar três mil dos idólatras israelitas (Êxodo 32:26-28); ordem de Josué que todo homem, mulher e criança de Jericó ser mortos, exceto Raabe e sua família (Josué 6:17, 21); comando do profeta Samuel ao rei Saul para destruir todos os seres vivos, incluindo crianças, dos amalequitas, e os fato de que quando o único sobrevivente foi apresentado a Samuel, o profeta tomou uma espada e "despedaçou a Agague perante o Senhor" (I Samuel 15:2-3, 32). Além disso, o profeta Elias pessoalmente matou 450 profetas pagãos que tinha sido desonrado e cativos (I Reis 18:19-40), Ezequiel e ordenou que o povo de Edom será destruída "pela mão do meu povo de Israel" (Ezequiel 25: 13-14). Os Tanners gostaria de ignorar a questão, afirmando que o povo do Antigo Testamento, praticavam a poligamia e "muitos outros pecados que Deus não vai nos permitir cometer agora que Cristo revelou a forma perfeita" (página 206). Os Tanners não conseguem perceber ou admitir que o mesmo Deus é a autoridade central para ambos os Velho e Novo Testamentos (convênios), e que o ministério dos profetas do Antigo Testamento tinha validade, assim como o ministério dos apóstolos que seguiram tinham validade . Além disso, o problema é o mesmo, com o Novo Testamento. Jesus de Nazaré violado abertamente os mandamentos dados por Deus a Moisés, Jeremias e Ezequiel sobre o sábado e outros estimulados a violar as leis estritas. Na ida violação de injunção do Decálogo contra roubo (Êxodo 20:15), Jesus instruiu dois de seus discípulos a tomar um potro de onde foi mantido por seus proprietários e trazê-lo para Jesus para seu próprio uso, com apenas uma explicação sumária para os proprietários que perguntou sobre a ação. A única base sobre o qual se podia considerar Jesus como um criminoso qualquer coisa, mas é pela fé em seu papel como o Cristo, o Messias, o Filho de Deus, que tinha autoridade para cumprir e não para destruir a lei. A mensagem avassaladora do primeiro capítulo do Gênesis é que o que Deus faz é bom, e que a equação não é alterada quando ele faz isso através de mortais servos falíveis. Uma extensão do uso seletivo dos Tanners de provas é o fato de que muitas vezes fazem afirmações e tirar conclusões sem se referir aos elementos de prova que qualifica desafios, ou refuta o argumento. Por exemplo, eles censuram a Igreja SUD para "SUPRESSÂO DE REGISTROS" (nas páginas 10-12 e não só) porque os pedidos dos Tanners para a compra de Microfilmes de manuscritos no Arquivo LDS foram recusados. Claro, bibliotecas manuscrito de prestígio em todo o mundo (por exemplo, o British Museum, Huntington Library, Harvard University Libraries) há muito tempo se recusou a permissão para fazer fotocópias de manuscritos, ou restringiram a fotocópia dos originais - mas isso não é mencionado pelo Tanners. Além disso, o elenco Tanners Arquivos LDS em uma luz sinistra, porque foi fechado ao público durante muitas décadas, mas deixar de comentar que essa prática de arquivo fechado, não só é coerente com a política da maioria das empresas (incluindo a rica histórica Hudson's Bay empresa), mas também com a da maioria dos religiosos e organizações de caridade. Os tutores dos manuscritos LDS têm sido às vezes defensivos sobre os documentos sob seu controle, mas este não foi menos verdadeiro em instituições que não possuem ainda o património da Igreja SUD de perseguição e de propaganda hostil.

A falta de citar conhecida evidência que desafia suas conclusões ocorre repetidamente no Tanners análise dos sete volumes da história da Igreja. Por exemplo, ele está implícito (páginas 134-35) que a profecia de Joseph Smith sobre os mórmons que se deslocam para as Montanhas Rochosas (HC 5:85) foi adicionada a uma falsificação da história, após os Mórmons estavam realmente na Grande Bacia. No entanto, em 1964 (oito anos antes desta edição da Shadow-Realidade) Stanley B. Kimball publicou uma bibliografia de fontes para a história do mormonismo Nauvoo (da qual o Tanners deveria ter tido conhecimento), onde observou que os documentos de Oliver H. Olney (escrito em 1842-43) na Universidade de Yale ", gravado nos planos iniciais de Joseph Smith para se mover para oeste...." Se o Tanners não confiava em que a descrição, eles ou os seus amigos muito dispersas poderia ter lido o versified, antimórmon por Olney manuscrito, datado de 2 de julho de 1842: Como uma empresa é agora uma formação / In para o deserto para ir / tão longe como as Montanhas Rochosas. . . . Se este não era o sussurro secreto / Dentre os certos da Igreja de LDS / E pode ser facilmente comprovada Se o homem podia falar. Os Tanners estão cientes de que a História da Igreja foi compilada a partir de uma variedade de fontes (muitas das quais só foram emprestados para os historiadores da Igreja, a serem devolvidos, uma vez que tinham extraído as informações pertinentes), e que a fonte exata para o relato de Joseph Smith profecia de 6 de agosto de 1842 não é clara. Olney registrados os rumores sobre o oeste se mover em julho, e alguém gravou a profecia em agosto. Em outra seção do Tanners discurso sobre a História da Igreja, eles discutem uma instrução no "Manuscrito História da Igreja", em que Joseph Smith é relatado para ter declarado em 1832 que Brigham Young iria se tornar presidente da Igreja. No que diz respeito a entrada como uma falsificação, o estado Tanners "Embora os historiadores Mórmon acrescentado a parte sobre Brigham Young falar em línguas, eles nunca ousaram acrescentar a profecia de que Brigham Young foi tornar-se líder da Igreja" (p. 138). Na verdade, a profecia foi publicada por "historiadores Mórmon" em 1858, 1863, 1876, 1886, 1893, 1901, 1936 e 1968. Dois outros exemplos de supressão dos Tanners das provas "indicam seu uso inclinada de fontes. Na página 257, a citação Tanners B.H. Roberts, que não era formado em direito e história legal, para apoiar a sua conclusão de que a supressão da Nauvoo Expositor por ordens de Joseph Smith, como prefeito de Nauvoo era ilegal. Sete anos antes da edição revisada de Shadow-Realidade, Dallin H. Oaks, na época professor da University of Chicago Law School, publicou um artigo em uma revista jurídica demonstrando que a supressão de redução () do Nauvoo Expositor como uma “perturbação da ordem pública" foi no âmbito dos poderes concedidos pelo Estado de Illinois, na Carta Nauvoo, foi coerente com as interpretações contemporâneas judicial da Primeira Emenda, e foi apoiada pelos precedentes legais de apoio à supressão de jornais anteriores a 1844. Acho difícil acreditar que o Tanners não tinham conhecimento do presente artigo, tendo em conta o fato de que eles freqüentemente citam Dialogue: A Journal of Mormon Thought, e o artigo Oaks foi revisto na edição Verão 1966 do Diálogo. Em outro exemplo, o Tanners (nas páginas 204 e 208) acusam Joseph Smith de cometer adultério, segundo a definição de Lorenzo Snow, porque Joseph casou-se com esposas plural antes da revelação de 1843 sobre a poligamia. Os Tanners não indicaram o contexto histórico em que a declaração de Lorenzo Snow deve ser entendida: primeiro, ele estava sendo interrogado por um público hostil e, segundo, os Tanners estão conscientes de que sua irmã Eliza R. Snow casado Joseph Smith em uma poligamia anos antes da revelação de 1843, e ele foi mal acusando-a de adultério. Além disso, a atenção dos interrogadores Lorenzo Snow estava sobre a revelação publicada em 1843 a poligamia, mas não havia mais cedo revelações inéditas sobre a poligamia, já em 1831. Em 1831, um desertor Mórmon escreveu que Joseph Smith tinha dado uma revelação sobre a poligamia, e em 1861 um início de Mórmon escreveu uma carta a Brigham Young em que se deu o texto de tal revelação. Os Tanners não poderia ter tido conhecimento desta, quando publicou a revista Shadow-Reality em 1972, porque essa revelação foi referido no Mormonismo Desvendado 1834 (que o Tanners citar na página 58), em 1882, Helen Mar Whitney Plural Marriage como ensinado pelo Profeta Joseph, em 1887 Historical Record (que se citar, na página 203), em 1922 Fundamentos de História da Igreja (que citar na página 31), em um artigo de 1970 sobre o "Manifesto" (que se citar, na página 231), e no Journal of Discourses (volume praticamente todos de que é citado pelo Tanners). Como mencionado anteriormente nesta carta, Lorenzo Snow e outras Autoridades Gerais podem fazer declarações sobre a história LDS que são inexatas ou deturpadas quando visto

isoladamente, mas pode ser entendida ou qualificada, quando um está consciente das circunstâncias maiores e evidências. Jerald e Sandra Tanner leu amplamente suficiente para as fontes da história LDS para fornecer essa perspectiva, mas eles não. Embora o pesquisador mais consciente e honesto pode negligenciar as fontes pertinentes de informação, as omissões repetidos de provas pelo Tanners sugerir uma fuga intencional das fontes que modificam ou refutar as suas interpretações cáustica da história Mórmon. Para tirar conclusões a partir das evidências que eles não apresentam, a Tanners são muitas vezes culpados do non sequitur: em outras palavras, as conclusões a que chegou não são suportados pela evidência. Por exemplo, eles estado (na página 33) que a lei recentemente descoberto de encargos do ensaio de 1826 Joseph Smith "prova que o registro do tribunal publicado é autêntico." O registro do tribunal publicado "apareceu em versões contraditórias em 1831, 1873, 1877 e 1883, algumas das quais alegadamente citação testemunho detalhado deste julgamento. O Tanners declaração levaria o leitor a acreditar que o projeto das taxas, demonstrando todas as versões de publicação do ensaio (incluindo todos os depoimentos alegado - p. 34), considerando que estas recentes descobertas verificar fatos bastante limitados: não houve um julgamento em 1826 em que Joseph Smith foi descrito como "O espectador Glass" e acusado de um delito, doze testemunhas foram intimadas, uma ordem de prisão foi emitido, e das custas judiciais totais foram de 2,68 dólares. As provas do processo 1826, como muitas outras questões históricas do Tanners discutir, convida a algo mais do que as suas conclusões intransigente. Um non sequitur similar ocorre quando o Tanners dizer (na página 304) que "é lógico supor" que uma carta escrita por um anti-mórmon na Marissa, Illinois, 23 de novembro de 1967 (com menos de dois dias de trânsito) para o Metropolitan Museum de Nova York foi a causa do museu virar o papiro egípcio que a Igreja SUD em 27 de novembro, porque "nem a Igreja nem o Metropolitan Museum gostaria que os opositores do mormonismo ter sido a primeira a anunciar a descoberta. " A única lógica que suporta esta conclusão é o pressuposto da Tanners que ambos os mórmons e não-mórmons são intimidados por anti-mórmons. Na apresentação da sua tese, o Tanners são muitas vezes culpados de um desvio paralelo no clássico de análise histórica: por causa do inciso X Y assemelha de perto e por causa do Y existia no ponto de tempo após o ponto X, o ponto Y, necessariamente, ou obviamente derivado (foi copiado, foi influenciado por, etc) Item X. Tal linha de raciocínio em primeiro lugar, desafia um princípio freqüentemente demonstrado na história da filosofia, das ciências naturais, antropologia, matemática, literatura, economia, religião, música, e outros campos: a de que muito semelhantes (e às vezes quase idênticos) idéias, interpretações, literaturas, invenções, formas artísticas, rituais, sistemas econômicos e épocas culturais têm ocorrido intimamente relacionados no tempo, mas tão distantes na geografia e / ou meios de comunicação que nem a manifestação semelhante teve uma influência sobre os outros. Um desvio de paralelos relacionados ocorre uma vez inciso X pode ser mostrado ser capaz no ponto de tempo e lugar de influenciar o ponto Y. A conclusão é feita que o ponto X, necessariamente influenciada (foi copiado por) O ponto Y, sem comprometer seriamente considerando: 1) que, apesar a proximidade, tanto do ponto X e Y desenvolvidos de forma independente, e 2) que um ponto A, B ou C já existiam muito antes do ponto X e pode ter sido a influência direta de ambos X e Y. Não é um papel muito importante de paralelismo sobre o caráter das escrituras antigas e modernas, mas vou adiar a minha discussão sobre o assunto até mais tarde nesta carta, e vai indicar aqui outros exemplos de má utilização dos paralelos literários pelo Tanners. Os Tanners sugerem (páginas 86-88) que a Árvore de Leí "Dream of Life" no Livro de Mórmon foi emprestado de um sonho de 1811 de Joseph Smith, Sr., como encontrada na história publicada Lucy Mack Smith, de seu filho martirizado. Relacionando a história de sua família a partir da memória, em 1845, quando Lucy Mack Smith veio às visões precoce de seu filho Joseph Smith, ela (ou seu ghost writers, Howard e Martha Coray) simplesmente citado a partir da versão publicada no Times and Seasons. Quando Lucy relacionadas com as primeiras experiências visionário de seu marido que tinha ocorrido em 1811 (34 anos antes do momento em que a 69 anos mulher procurou reconstruir suas experiências de vida), pareciam notavelmente perto do sonho de Leí no Livro de Mórmon. Os Tanners concluir que o sonho 1811 original é o X do que Joseph Smith copiado para o Livro de Mórmon sonho de Leí (ponto Y). Mas o Tanners estão confundindo os elementos do paralelo textual: o tema da comparação

é a descrição escrita dos sonhos, e se insiste no post hoc ergo propter hoc das semelhanças, a Lucy Mack Smith versão escrita em 1845 foi o Y Item que era dependente, copiado, derivado, os quinze anos anteriores sonho publicado no Livro de Mórmon. (Inciso X). Se olharmos para um ponto A, B ou C, que foi um antecedente para o sonho de Leí, no Livro de Mórmon, a Árvore da Vida símbolos e os textos do mundo antigo, merece uma consideração que o Tanners não vai dar porque já estão convencidos de que o Livro de Mórmon não é um texto antigo. O Tanners tratamento do relacionamento do Mormonismo e Maçonaria (páginas 484-92) é um uso similar de paralelos históricos. Os Tanners alegação de que as ordenanças do templo Mórmon é o Y do que Joseph Smith copiado do inciso X da Maçonaria: "Nós sentimos que só há uma explicação lógica para os muitos paralelos entre a cerimônia do templo e alvenaria, e isso é que Joseph Smith emprestado dos maçons "(página 490). Este é o "só use" lógica da analogia se alegação de Joseph Smith da revelação já foi rejeitado. Primeiro, o Tanners ignorar o fato de que cinco anos antes de Joseph Smith, foi introduzida a Maçonaria, dois elementos essenciais da dotação de Mórmon eram praticados em Kirtland: a lavagem cerimonial (e não apenas dos pés) "da cabeça aos pés com sabão e aquáticas... próximo em espírito perfumado ", e a unção com óleo consagrado. Esta e a cerimônia mais completa do templo mórmon do batismo, lavagem, unção, dom (incluindo lembranças simbólicas do sacramento de Cristo), e selagem em casamento, urso impressionante semelhança com o formato de ordenanças salvação descrito no Evangelho de Filipe, que foi descoberto em Nag Hammadi, no Egito nas últimas décadas: "Para este já não é um cristão, mas um Cristo. O Senhor fez tudo num mistério, um batismo e crisma [unção com óleo consagrado] e uma eucaristia e uma redenção e uma câmara de noiva ". Início de Joseph Smith como um Mestre Maçom, em 1842, pode de fato ter agido como um catalisador para ele procurar outra revelação sobre as cerimônias que os maçons alegou veio do Templo de Salomão, e (em vista do que eu discutirei mais tarde sobre fraseologia bíblica) se É possível que a Filosofia Maçônica influenciasse o desenvolvimento da formulação utilizada para ensinar os elementos sagrados do dom LDS. No entanto, antes de repudiar as ordenanças do templo Mórmon por paralelo histórico, devem-se considerar os antigos ritos e cerimônias em documentos egípcios, manuscritos semitas, e no início de fontes cristãs. Este é um teste mais adequado, uma vez que a alegação de LDS é que as ordenanças do templo existiam antes da Maçonaria e antes do templo de Salomão. A existência de paralelos nos antigos ritos e ordenanças SUD, portanto, é de, pelo menos, igual importância como maçônicoparalelos SUD. Outra ferramenta de polémica que o Tanners utilizam freqüentemente é o "Homem de Palha" abordagem. Resumidamente, esse método cria um argumento facilmente refutável e não representativas, que deve representar a posição dos adversários, e uma vez o adversário foi criado dessa maneira, o produto polemista de devastar o "Homem de Palha", deixando a audiência com a impressão de que o adversário real foi derrotado. A adição comum de Tanners a este dispositivo é a de criar o seu homem de palha, citando fontes dos seus oponentes próprias, no caso de os defensores proeminentes e os defensores do mormonismo. Um uso do "Straw Man" pelo Tanners envolve citando Autoridades Gerais da Igreja sobre a doutrina e história, e em seguida, mostrar como as doutrinas em questão são contestados por outras Autoridades Gerais ou por escrito escrituras, e também mostrando como as declarações históricas específicas e explicações sobre as Autoridades Gerais são inadequadas ou em contradição com as evidências históricas. Os Tanners estão cientes de que a posição oficial da Igreja Mórmon é "um profeta que era um profeta só quando ele estava agindo como tal" (HC 5:265), mas sabem também que, apesar desta negação da infalibilidade, mórmons tendem a dar significado especial (se não status divino definitivas) a qualquer coisa dita por um presidente mórmon ou outra Autoridade Geral. Portanto, o uso Tanners credulidade Mórmon e lealdade deslocada para a autoridade do sacerdócio como armas para destruir a confiança nos fundamentos do mormonismo. Embora Brigham Young seja considerado como um autocrata, que exigia a aceitação incondicional de sua palavra, ao longo de sua atuação como Presidente, Brigham Young criticou a aceitação indiscriminada das declarações dos profetas, videntes e reveladores: Essas pessoas não dependem de si para a salvação, mas em cima de outro de seus pobres,

fracos, semelhantes mortais.... dizem que ... Eu dependo de ti irmão Joseph em cima de você, irmão de Brigham, em cima de você, irmão Heber, ou em cima de você, irmão de Tiago, eu acredito que seu julgamento é superior à minha, e, conseqüentemente, eu deixo você julgar por mim .... Agora, esses homens, ou aquelas mulheres, que não sabem nada sobre o poder de Deus, e as influências do Espírito Santo, que para ser inteiramente conduzido por outra pessoa, que suspende a sua própria compreensão, e deposita sua fé em cima do outro manga, nunca ser capaz de entrar na glória celestial, para ser coroado como antecipar ... Eu não desejo nenhum santo dos últimos dias neste mundo, nem no céu, para estar satisfeito com nada que eu faça, a menos que o Espírito do Senhor Jesus Cristo, o espírito de revelação, torna-los satisfeitos .... Como muitas vezes tem sido ensinado que se você depende inteiramente da voz, o julgamento e a sagacidade dos nomeados para levá-lo, e negligência de desfrutar do Espírito para si mesmos, como você pode facilmente ser induzido em erro e, finalmente, ser lançado para fora a mão esquerda? Tenho mais medo que esse povo tem tanta confiança em seus dirigentes que eles não vão perguntar por si de Deus se eles são levados por ele. Estou com medo que eles se estabelecerem em um estado de auto-cego de segurança, confiando seu destino eterno nas mãos de seus líderes com uma confiança temerária.... Agora, deixe-me perguntar-lhe, se você confiar a minha fé, as minhas palavras e ensinamentos, conselhos e aconselhar, e não buscam ao Senhor que o Seu Espírito para guiar e direcioná-lo, eu não posso enganar você, eu não posso levar você em erro? . . . Agora, deixe-me perguntar o Santos dos Últimos Dias, vocês que estão aqui nesta casa, neste dia, como você sabe que o seu humilde servo é realmente, honestamente, orientar e aconselhar você corretamente, e dirigir os assuntos do reino corretamente? . . Como você sabe, mas eu estou ensinando falsas doutrinas? . . . viver de modo que você pode distinguir entre a verdade e o erro, entre luz e trevas, entre as coisas de Deus e os que não de Deus, pelas revelações do Senhor, e estes por si só, você e eu entendo as coisas de Deus Autoridades Gerais tem as limitações de todos os homens nas matérias em discussão. Eles podem entrar em especulações doutrinárias, defender válidas ou inválidas interpretações doutrinárias a partir de uma compreensão deficiente da escritura escrito, e fazer afirmações ou negações sobre a história sagrada e secular que se baseiam na investigação inadequada ou mal-entendida. Isso não deve ser mais surpreendente do que admitem que os profetas e apóstolos bíblicos aceitos a antiga crença de que a Terra era uma superfície plana, retangular, apoiada em seus quatro cantos por pilares, como indicado pelas referências de Isaías, Jeremias e João o Revelador aos "quatro cantos da terra", pelas referências de Moisés, Jó, Davi, Salomão, Isaías, Jeremias, Miquéias, Zacarias e Paulo aos confins da terra ", e pela declaração em I Samuel 2:8: "para os pilares da terra é o Senhor, e ele pôs o mundo sobre eles". Devemos também lembrar que, quando Moroni escreveu sobre os erros "dos homens", no prefácio do Livro de Mórmon, os homens que se refere o foram os profetas nefitas e escribas. Outro "Straw Man" abordagem do Tanners é para citar alguns defensores Mórmons sobre sua visão do que viria a constituir uma refutação do mormonismo, e em seguida demonstrar (ou tentar) que a refutação foi cumprida. A citação Tanners de dois defensores recente Mórmon (nas páginas 35-36) que, se o registro de corte de 1826 foi publicado preciso, então (de acordo com Francis W. Kirkham) Joseph Smith "crentes devem negar sua alegou orientação divina", e (de acordo a Hugh Nibley) "é a prova mais na existência de condenação contra Joseph Smith." Deixando de lado o fato de que nenhuma evidência contemporânea tenha verificado o alegado testemunho no julgamento de 1826 (ao contrário do derrame do Tanners), gostaria de comentar sobre a abordagem de aceitar as normas simples de alguém de refutação. Eu não posso dizer se realmente Nibley Kirkham e considerariam o testemunho julgamento verificou1826 como uma refutação do Mormonismo (o Tanners levaria o leitor a acreditar que sim), mas posso afirmar como um historiador que simplesmente verificar o testemunho 1826 não validar no Mormonismo ou rejeitar pedidos profético de Joseph Smith. Ambos os mórmons e AntiMórmons têm usado compulsivamente-argumentação, ou seja: se tal e tal aconteceu, a Igreja Mórmon é falsa ou verdadeira. Todas as provas possíveis de apoio e refutação de qualquer

proposição ideológica ou histórica deve ser colocada em perspectiva, e é essa perspectiva que impede que a pressa de julgamento. Debatedores e polemistas recorrer ao "Straw Man técnica", precisamente porque refutação total não é uma conquista fácil. Embora o Tanners abandonar toda a pretensão de perspectiva histórica, por outros métodos que descrevi, eles ainda destilar sua distorção através do seu estilo editorial bizarro. Em primeiro lugar está o uso de reticências (...). Por exemplo, (página 95) os Tanners escrever que "Joseph Smith certamente tinha a habilidade para criar 'novos nomes", e em seguida, citar uma conta de Joseph Smith, dando um "menino o nome de Mahonri Moriancumer..." (que é onde termina a sua cotação). Ao consultar as fontes dos Tanners citados para essa cotação, no entanto, aprende-se que propositadamente excluída a seguinte frase: "Quando ele terminou a bênção, colocou a criança na cama, e virando-se para Élder Cahoon disse ele, o nome que eu tenha dado o seu filho é o nome do irmão de Jared [no Livro de Mórmon], o senhor acaba de mostrar (ou revelado) para mim. " A parte da esquerda pela Tanners exigiria o leitor a decidir se Joseph Smith poderia agir como um revelador divino, mas porque o Tanners já concluir que ele era uma fraude, que eliminam a sua explicação para o nome incomum. O uso de elipses é uma ferramenta bem estabelecida de erudição, mas também pode ser utilizado para efeitos de distorção. Em segundo lugar, é usar o Tanners de repetição. A citação Curtidores e requote, no todo ou em parte, os mesmos documentos e outra vez, às vezes dentro de algumas páginas de cada um. Eles também repetir as mesmas idéias concluir ao longo de cada capítulo (por exemplo, no capítulo sobre o Livro de Abraão, quase todas as páginas tem alguma declaração por eles que Joseph Smith não compreender a língua egípcia - páginas 344-61 especialmente). Esta alternadamente aborrecida comigo e me levou a distração, mas como uma metodologia de repetição, como tem uma função mais específica. Uma certa quantidade de re-ênfase é necessário que toda a comunicação e ensino, mas a repetição incessante não foi projetado para convencer pela lógica, mas ao invés de induzir o leitor ou ouvinte a suspender o pensamento racional em favor da aceitação total. As conseqüências negativas de tal técnica são óbvias. Os Tanners introduzir a prática editorial terceiro com uma declaração na última página de seu prefácio: "Capitalização e sublinhado são utilizados para dar ênfase ao longo deste livro." Como é verdadeiro de elipses, o uso ocasional de sublinhado ou itálico para ênfase é plenamente aceitável e até desejável. Com a exceção de páginas 75-79,462-73, e 500-511, no entanto, cada página de Shadow-Reality está vivo com sublinhados e frases COMPLETO DE CAPITAL. Esse uso extensivo de ênfase no texto espaçadas da página 587Shadow-Reality realmente desestimula a leitura de cada palavra ou até mesmo a cada frase e parágrafo, mas incentiva os olhos do leitor para saltar de palavras enfatizadas as palavras enfatizaram que estão nas proximidades, e pouca atenção às palavras bem espaçados entre eles. Esta prática permite que o editorial Tanners citar documentos longos "em contexto", com a garantia de que o leitor assimilar apenas as manchetes sensacionalistas e ênfase. Por exemplo, na página 413 do Tanners citar uma longa passagem de uma palestra da conferência de Joseph F. Smith, em que muitas palavras e frases são enfatizadas, incluindo a frase: "... LICORES ZCMI MANTIDOS de várias espécies para fins medicinais." As práticas Tanners editorial desencorajar o leitor de perceber as palavras e frases de ligação que modificar ou alterar a impressão sensacional das palavras enfatizou. Neste ponto, gostaria apenas, logo acabar com essa carta, e deixar que você decida como as minhas observações se aplicam ao que você leu as publicações por Jerald e Sandra Tanner. No entanto, você me pediu para lhe escrever especificamente sobre vários temas importantes tratados pela Tanners, e ao invés disso, tomei todo esse tempo para escrever sobre a abordagem geral da Tanners. Minhas observações gerais sobre Shadow-Reality pode ser aplicado em várias combinações para cada tópico que analisar, mas vou passar algum tempo com as grandes questões que você perguntou, aproximadamente. Já me referi brevemente ao que eu considero como uma aplicação seletiva dos Tanners de critérios de referência para a Primeira Visão, mas sua carta indica que você queria um comentário mais detalhado de mim sobre a confiabilidade histórica da Primeira Visão. O ataque polêmico contra a historicidade dos centros de Primeira Visão sobre as contas variando por Joseph Smith de que a experiência, e sobre estas questões derivadas: a data da experiência, a evidência para um revival contemporâneo, o uso do termo "anjos" para descrever a experiência, a questão de saber se havia um ou dois representantes da Divindade, e a questão de por Joseph Smith levou tanto tempo para gravar (e até mesmo deixar de publicar) um relato

dessa experiência. Durante a discussão das contas "estranhas", o estado Tanners (página 155): "É muito difícil acreditar na autenticidade de Primeira Visão de Joseph Smith quando há tantas evidências contra ela", mas os Tanners já tinha rejeitado Primeira Visão vários anos antes da publicação precoce dessas contas variando em 1965, por Jerald Tanner inicialmente solicitados excomunhão da Igreja Mórmon em 1958 e em 1960, Sandra Tanner solicitou medidas similares para seus próprios membros ", pois eu já não acreditava Joseph Smith para ser um profeta.... " (Página 574). Embora o Tanners ter usado as contas diferentes da Primeira Visão para apoiar a sua rejeição preconcebida da experiência, não só estes documentos históricos permitem, mas exigem uma interpretação diferente. Uma questão crucial que é o ponto de partida para a interpretação da Primeira Visão é: Qual o significado dessa experiência (como relacionado em qualquer e todas as descrições dele por Joseph Smith) têm para o mormonismo como um movimento e o pedido da igreja de LDS para ser um profeta levou a restauração da antiga Igreja de Cristo? James B. Allen, agora assistente Historiador da Igreja, na Igreja de LDS, discutiu esta questão em 1966, mas não indicou a questão como incisivamente como eu sinto as exigências de prova. A primeira experiência da visão de Joseph Smith, Jr. não teve nenhum significado para suas reivindicações mais tarde sobre o Livro de Mórmon, a sua vocação profética, ou o conceito de um sacerdócio divinamente restaurado e igreja. Na verdade, toda descrição por Joseph Smith desta visão inicial indica que ele considerava como uma experiência pessoal para ser conectado com o mormonismo só porque havia ocorrido para o tradutor do Livro de Mórmon e o primeiro presidente da nova igreja. Em nenhum lugar em qualquer versão da Primeira Visão pode encontrar um que Joseph Smith foi designado profeta ou do agente da restauração, ou que era para entregar qualquer mensagem para qualquer um (ao contrário do primeiro capítulo da obra de praticamente todos os profetas do Antigo Testamento). Várias contas de Joseph Smith desta experiência indicam que o seu objeto principal, em oração, para obter o perdão dos pecados e sua menor objeto era saber sobre a sua filiação religiosa. “Comunhão de Joseph Smith com a Deidade respondeu a ambas as preocupações e as suas contas da experiência indicam que ele estava disposto a aceitá-lo como a Final Visão” em vez de o primeiro de muitos que virão. Agora, se quisermos acreditar que a interpretação de Fawn Brodie como destilado e refinado por Tanners (páginas 152-53), contas de Joseph Smith de a Primeira Visão provar que ele foi retroativamente tentando inventar um conjunto de credenciais impressionantes para sua pretensão de ser profeta restaurador. A prova dos documentos e do contexto da história Mórmon, entretanto, fazer essa interpretação um total absurdo. Se a "Primeira Visão" foi uma invenção para sustentar suas pretensões proféticas, Joseph Smith falhou repetidamente para incluir qualquer referência ao seu recebimento de uma comissão especial durante a sua epifania que fazer um trabalho profético, evangelístico, ou apostólico entre os filhos dos homens. As contas da Primeira Visão consistentemente descrevem uma experiência que foi intensamente pessoal para Joseph Smith, ao invés de uma revelação do significado de seus seguidores. Joseph Smith afirmou que a sua comissão para fazer um trabalho profético entre os homens (o Livro de Mórmon) veio de um anjo que nunca ninguém tinha ouvido antes. Se Joseph Smith estava nas atividades "improvisação" ou "fantasia evolutiva” para fornecer credenciais impressionantes de seu ofício profético, seus esforços foram singularmente inexpressivos. Esta é uma conclusão curiosa a fazer sobre um jovem que Brodie e os Tanners estão convencidos de que o bom senso de fictionalize uma história de cinco centenas de povos antigos como uma fraude intencional. Além disso, a distinção entre a experiência privada e chamada divino explica a publicidade dada ao contrastar a história Anjo Moroni e a história da Primeira Visão. A visita do anjo foi pregado e publicado em 1829 em diante, ainda mesmo que a "Primeira Visão" experiência foi descrito no manuscrito de 1832, "A história da vida de Joseph Smith, Jr.," mais uma década se passaram antes que Joseph Smith publicamente alinhado à sua autobiografia espiritual com a história oficial do mormonismo. É esta distinção que o Tanners encobrir em sua análise (páginas 150-52) do que eles chamam de "Primeira História", publicado por Oliver Cowdery, em 1834, no qual ele não conseguiu incluir a "Primeira Visão", apesar de ter sido lavrado já em 1832. A versão manuscrita de 1832 a visão era na escrita de Joseph Smith (apesar de um escriba escreveu o resto), e foi, sem dúvida, conhecido Cowdery (que era um historiador da

Igreja 1830-31 Gravador e Igreja de 1835-37), No entanto, a "Primeira Visão" não está na narrativa Cowdery. O motivo da omissão é indicado no prefácio Cowdery para este 1834 narrativa: "a história completa da ascensão da Igreja de Santos dos Últimos Dias" A aparição do Anjo Morôni e suas instruções para Joseph Smith sobre o Livro de Mórmon constituiu o mais adiantado sine qua non do mormonismo. Cowdery definido como sua história de 1834, era natural de começar a esse ponto, ao invés de lidar com a experiência privada da Primeira Visão que não tinha nada a ver com o aumento do mormonismo, exceto que ele (como a cirurgia óssea incidente Joseph Smith incluídos em uma das histórias manuscrito de sua infância) foi um de uma massa de detalhes autobiográficos que seria do interesse de pessoas tentando entender a vida do homem que trouxe à luz o Livro de Mórmon e mormonismo si. Quando Joseph Smith, finalmente, publicou um relato da Primeira Visão, ele apropriadamente intitulado-lo (em contraste significativo para a narrativa Cowdery 1834): "História de Joseph Smith." A questão do datamento da Primeira Visão é uma questão que dá crédito às alegações de Joseph Smith, em vez de prejudicá-los. Na crítica dos outros, tem sido apontado que Joseph Smith não foi consistente nas datas que ele atribuído a essa primeira experiência: No documento de 1832 que foi em seu ano de "16", em 1835 considerando que era "aproximadamente 14 anos idade ", e a versão de 1834 era uma massa de precisão e ambigüidade:" na primavera de mil oitocentos e vinte... no meu quinto ano... entre quatorze e quinze anos ou por aí... um pouco mais de quatorze anos de idade. " Se Joseph Smith foi ditando uma improvisação "artificial" para o incauto que agiam como seus escribas, que teria sido nenhum problema para tal um charlatão para selecionar uma data arbitrária para a Primeira Visão e cumpri-lo. Isso seria especialmente nenhum problema para um jovem que (de acordo com os Tanners) tinham sido capazes de ditar a narrativa complexa do livro de ficção de Mórmon. Pelo contrário, as variações em datas indicar que ali estava um homem que tenta reconstruir os eventos de sua infância que ele inicialmente considerado de importância para si, mas agora tornaram-se de interesse para as pessoas que são seus seguidores e curiosos inquisidores. Na minha juventude, eu próprio tive uma experiência religiosa (um dos principais evidências que referi anteriormente), que foi muito convincente para mim. Ao contrário de Joseph Smith, que registrou a experiência no dia em que ocorreu, mas foi cerca de dez anos antes que eu sentia suficientemente confiante de mim mesmo e à integridade dos outros para relacionar o incidente a uns associados próximos anos. Achei que, como tentei descrever o evento a partir da memória que eu não conseguia me lembrar da minha idade na época da experiência: durante um período de tempo, diversas outras pessoas disseram que tinha ocorrido quando eu tinha 15, 16 e 17 anos, e é necessária uma re-leitura dos meus contemporâneos gravação do evento para verificar a minha idade. Ou tinha de Joseph Smith ou eu a tentar inventar uma epifania jovem para validar pretensões de adultos, a coerência teria sido fácil. A questão da data da Primeira Visão leva diretamente à questão dos revivals Palmyra, qual o reverendo Wesley P. Walters (The Tanners esteio na análise da Primeira Visão - ver páginas 155-62) insiste que não poderia ter ocorrido em 1820. Além disso, para cobrir o que considera todas as alternativas razoáveis, Walters também afirma que não tinha Palmyra revivals no período 1819-23. Evidência negativa Walters 'parece impressionante, mas realmente é o produto de um campo de investigação árdua estreitada. Primeiro de tudo, os historiadores mórmons têm feito toda a questão vulnerável ao ataque, colocando muita ênfase na primavera de 1820 como a data da Primeira Visão. A margem de erro evidente de memória que o adulto de Joseph Smith e a ambigüidade de suas descrições de idade proporcionar um espaço de tempo possível calendário para a Primeira Visão que se estende desde a primavera de 1818 antes de seu décimo quarto aniversário ( "Eu tinha uns 14 anos") para Na primavera de 1822 ( "Nos 16 anos da minha idade"). Não só é possível que a escolha de Joseph Smith de 1820 foi um compromisso entre as datas extremas, desde sua memória, mas nos quatro anos de duração indicada em seus esforços para reconstruir sua história antiga, o termo "primavera" pode designar qualquer dia a partir de um início Março de descongelar a meados de junho. Além disso, é difícil ter certeza que ano Joseph Smith realmente lembrado os avivamentos como tendo ocorrido. Afora o fato de que a cronologia da conta de 1838 que as datas de

revivals são ambíguas, a conta de 1838 também sugere que exigia um longo período de tempo entre o reavivamento despertar e oração de Joseph Smith para o perdão e da iluminação: "No processo de tempo minha mente tornou-se um pouco para a seita metodista, "e mais tarde na narrativa:" Finalmente cheguei à conclusão de que teria de permanecer em trevas e confusão, ou então fazer como Tiago aconselha, isto é pedir a Deus. I finalmente veio à vontade de pedir a Deus.... " Considerando que a versão 1838 é vago sobre o comprimento de Joseph Smith religiosa ponderando, a versão 1832 não menciona revivals ou excitação religiosa além de sua própria, mas indica que o seu interesse religioso (que a versão de 1838 diz que foi incitado pelos revivals) durou vários anos antes, ele recebeu a visão: "Mais ou menos a idade de doze anos, minha mente ficou gravemente fundos relativamente a todas as questões importantes para o bem estar de minha alma imortal. . . assim, a partir da idade de doze anos a quinze Ponderei muitas coisas no meu coração. " Os dados combinados de 1838 a 1832 e as contas, portanto, estabelecer a possibilidade de que os avivamentos religiosos que impressionou Joseph Smith tivesse ocorrido já em 18171818. Apesar de sua insistência em relação ao ano de 1820, os Tanners informações presentes que se apoia a possibilidade acima: Na página 65 se citar o livro de 1887 de MT Cordeiro, que o renascimento ocorreu "sessenta ou setenta anos atrás" (1817-1827), e na página 156 Eles citam o Reverendo Walter verificação de que um reavivamento religioso ocorreu em Palmyra em 1817. Mesmo se aceitarmos a insistência dos Walters e os Tanners que a emoção religiosa falada por Joseph Smith em 1838 a conta tinha que ocorrer em Palmyra (em vez de uma maior área circundante), a ambigüidade de Joseph Smith do própria data não permite a ano 1820 a ser encaradas como a única data para o renascimento, a visão, ou ambos. Entrelaçada com a questão histórica da datação dos renascimentos é a questão da localização dos revivals que Joseph Smith disse que precedeu a visão. Muitos escritores Mórmon até os últimos anos interpretou referência Joseph Smith 1838 para o local da excitação religiosa ( "... No lugar onde vivemos... Nessa região do país, na verdade todo o distrito do País parecia afetada por ele.. . ") no sentido de que houve um ressurgimento religioso em Palmyra em 1820. Reverendo Walters demonstrou que não houve reavivamento em Palmyra em 1820, e, portanto, ele e os Tanners alegam ter refutado a historicidade da Primeira Visão, quando todos eles têm feito é mostrar que os escritores Mórmons têm interpretado a descrição sumária da Primeira Visão. Em um artigo publicado no Diálogo antes da edição revisada de Shadow-Reality (mas que os Tanners optou por não mencionar em seu despedimento sarcástico de qualquer alegação de que Joseph referidos revivals distantes Palmyra), Peter Crawley analisou a autobiografia religiosa de David Marks . Ele era um garoto de fazenda que nasceu apenas sete semanas antes de Joseph Smith e que 1815-1821 viveu em Junius, Nova York, apenas quinze milhas da fazenda Smith. Em mais uma coincidência (possivelmente relacionados com a história de Joseph Smith 1832 e verificação Reverendo Walters 'de um revival 1817), Marks disse que seu grande interesse na religião também começou em seu décimo segundo ano. De 1819 a 1821, Marks caminhou para revivals numerosos nas cidades, tanto quanto um raio de trinta milhas de sua casa em Junius, mas que ele descreveu como "confinado a algumas cidades nos arredores de Junius." Se alguém insiste em 1819-20 como o momento do pré-revivals visão de Joseph Smith descreveu (em vez de um muito provável renascimento 1817 que ocorreu em Palmyra e que é apoiado pela conta de 1832), em seguida, pesquisas recentes demonstraram que dentro de um raio de trinta milhas da fazenda Smith uma dezena de comunidades estavam experimentando avivamentos religiosos no período 1819-20. A rejeição categórica dessas evidências por Walters e os Tanners polêmica faz bem, mas a história não é bom. Uma questão final sobre o avivamento e da historicidade da Primeira Visão diz respeito ao papel do reverendo Lane e o papel dos renascimentos como catalisadores para a Primeira Visão e experiência do Anjo Moroni. Quando Oliver Cowdery apresentou sua história do mormonismo em 1834, ele afirmou que o entusiasmo religioso que precedeu o Anjo Moroni experiência foi representada em Palmyra por "Sr. Lane, um ancião presidente da Igreja Metodista...." Mais tarde, comentadores do início da história de Joseph Smith, alinhado a pregação da pista com a Primeira Visão e colocar ambos os eventos em 1820, que a investigação por Walters e outros indicou que Palmyra não foi incluído no ministério do reverendo George Lane até aproximadamente 1824. Walters e os Tanners têm utilizado esta informação para afirmar que

não havia experiência Primeira Visão, Joseph Smith, mas que é fabricado como um prelúdio para as suas pretensões para a visitação Anjo Moroni (páginas 157-58). A chave para este problema pode ser uma pergunta que me intrigava sobre as primeiras experiências de Joseph Smith muito antes de eu estudei a história a sério. Por que houve um período de três anos entre a Primeira Visão e convicção de obrigação de Joseph Smith, em 1823, que estava novamente em estado de pecado que exigem fundamentos sérios para o perdão? Acho que a resposta tem sido historicamente fornecida pelo Reverendo Walters: "nenhum avivamento ocorrido entre 1819 e 1823 nos arredores de Palmyra" (página 155). Como aconteceu com noventa por cento da população dos Estados Unidos nas décadas seguintes irreligioso da Revolução Americana, "a convicção do pecado" e do desejo sincero de obter a salvação e o perdão de Deus, leigos latentes e, muitas vezes até desbotada chicoteado em fúria dolorosa por um renascimento religioso. No início da história de Joseph Smith religioso, havia dois distintos avivamentos religiosos, não um, que serviu como catalisador dramático e compulsões para ele ser "condenado por pecados" e buscar a Deus em oração. O primeiro reavivamento que Joseph Smith afetado tão fortemente ocorreu em 1817-18 e 1819-20 e antecedeu a sua primeira oração e visão. O renascimento segundo (na qual o reverendo Lane parece ter desempenhado um papel) ocorreu há cerca de três anos após a Primeira Visão e resultou na seriedade de oração segundo Joseph Smith, que ocasionou a visita do Anjo Moroni. O intervalo de três anos no fervor religioso de Joseph Smith nunca pareceu muito elogioso para o futuro profeta, mas é historicamente coerente com a situação religiosa dos americanos rural, ao mesmo tempo, com a alteração verificável da indiferença religiosa e revivalismo dramáticas no oeste de Nova York, e também com a tendência da história para revelar profetas como pessoas muito humanas e falíveis. Eu reconheço livremente o caráter superficial das contas de Joseph Smith de suas primeiras experiências religiosas e que alguns escritores mórmons têm sido errado ou inadequado em seu uso das fontes da história. “Mas a admissão central da historiografia profissional é que ambas as fontes históricas e historiadores se são inadequadas para a tarefa de recriar o passado “, como era". Quanto à historicidade da Primeira Visão de Joseph Smith, Jr., os documentos existentes e evidências de apoio a sinceridade das afirmações de Joseph Smith e da memória, apesar de sua evidente dificuldade em lembrar cronologia exata. Se um escolhe acreditar ou não acreditar que Joseph Smith realmente comunhão com a Deidade e anjos está além do campo da história, e é uma questão de fé (como é o caso das revelações de profetas e apóstolos bíblicos, de Maomé, de Jean D'Arc , de Ann Lee, de Bernadete, e muitos outros em todas as culturas e em todos os momentos). No final de referência para a Primeira Visão, deixe-me discutir algumas das descrições de Joseph Smith da experiência que têm sido utilizadas para a crítica ou o ridículo. Uma objeção é que a conta de 1832 indicou que Joseph Smith comungou com apenas um representante da Divindade, e não tanto com o Pai e o Filho como personagens distintas, como indicado na conta de 1838 convencionais. Um historiador Mórmon disse que o personagem descrito na conta de 1832 "era, obviamente, o Filho, pois ele falou de ter sido crucificado." Isso não é necessariamente o caso: o personagem que levou João o Revelador através de sua visão falou como se ele fosse Jesus Cristo, mas quando João tentou adorá-lo, o personagem protestou e disse que era um anjo e um "dos teus irmãos, os profetas" ( Apocalipse 22:6-16). Além disso, uma revelação em Doutrina e Convênios começa com o alto-falante identificando-se como Jesus Cristo, só para falar de alguns versos mais tarde, como se fosse o Pai de Jesus Cristo (D & C 29:1, 42), e uma outra revelação começa com a Local identificando-se como o Pai de Jesus Cristo e termina com o orador identificandose como Cristo (D & C 49:5, 28). Além de citar as palavras faladas na visão de Joseph Smith a cada releitura da experiência refere-se apenas "personagens" e identifica o falante (se a todos) como "o Senhor". Além disso, em 1835, 1843 e 1844 as contas, Joseph Smith declarou que os dois personagens não aparecem de uma só vez, mas que o segundo personagem apareceu "em breve" ou "depois de um tempo." Não vejo nenhum problema com a visualização da descrição 1832 como destaque de Joseph Smith sobre apenas uma parte de uma experiência avassaladora, e a ausência de referência específica aos dois personagens não provar as contas depois de ser ficção. Do mesmo modo, a evidência mais dramática da ressurreição de Cristo é a alegação de João de que os

apóstolos tocou as feridas em Seu lado e mãos (João 20:20, 25-28, cf. I João 1:1), enquanto que a evidência mais crucial da historicidade da ressurreição de Cristo não é mencionado nos Evangelhos anteriores do Mateus e Marcos, nem nas cartas de Paulo, Pedro, Tiago ou Judas. Mesmo quando mencionado no Evangelho de Lucas (Lc 24:39-40), poderia ser entendido que os apóstolos viram, mas não toque nas feridas. Em uma luz semelhante, estou impressionado com a aflição do polêmico Tanners sobre a conta de 1835 da Primeira Visão: "Como se isso não é ruim o suficiente, afirma Joseph Smith, que havia" Muitos anjos nesta visão. Nenhuma das outras versões indicam que houve `" muitos anjos '(página 147). Isso não é mais perturbador do que reconhecer que apenas três dos quatro Evangelhos mencionam que Cristo estava no deserto quarenta dias após o Seu batismo, e que apenas Mateus e Marcos declarou que os anjos o serviam lá (Mateus 4:11, Marcos 1: 13, Lucas 4:13). Quanto à indignação da Tanners que Joseph e outros, às vezes referida como a Primeira Visão a visita de um anjo ou anjos (páginas 154-55), a versão King James da Bíblia (que foi a fonte para a terminologia religiosa de Mórmon dirigentes, bem como para a maioria de Inglês - falando eclesiásticos), muitas vezes usou os termos "homem", "Angel", "Deus", e "Senhor", indiferentemente para identificar o mesmo personagem em uma epifania ou visão (por exemplo, Gênesis 18:1 -3, 19:1, 17-18,32:24-30; Êxodo 3:2-6; Josué 5:13, 6:1-2, incluindo títulos de página). Enquanto estamos a falar de vários relatos históricos da história Mórmon, gostaria de responder ao Tanners crítica (páginas 126-42) sobre a maneira em que a história oficial da Igreja Mórmon foi escrito. Eles criticam o fato de que supressões e os aditamentos foram introduzidas no texto original, sem confirmações da história impressa, que a história de Joseph Smith "autobiográfica" foi escrito em grande parte, após a sua morte por funcionários e "historiadores" que transformou as contas de terceira pessoa por outros de Joseph Smith em autobiografia em primeira pessoa de Joseph Smith, e que entre a primeira publicação da história serializada (1840-1860) e a edição de sete volumes da História da Igreja no século XX, houve milhares de supressões e aditamentos não foi observado no texto ou notas de rodapé. Esta é, certamente, tudo verdade, e como um historiador Lamento a confusão que tais práticas editoriais ter causado. No entanto, até recentemente oficial LDS história foi escrita por homens (muitas vezes de educação limitada) que não foram treinados em métodos de edição e história. Além disso, embora altamente respeitado histórias americanos e publicado documentos do passado refletem os mesmos problemas que têm assolado a redação inicial da história Mórmon. James Madison feitos grandes mudanças em suas próprias notas da Convenção Constitucional de vinte anos depois de terem sido originalmente escritos, e suas Notas "contemporânea" foram publicados como ele tinha mudado e não como ele havia originalmente escrito deles; Comércio autobiográfico Josias de Gregg das Pradarias e Charles A. Dana 's Lembranças da Guerra Civil foram ambos fantasma escrito; Life Chief Justice John Marshall, de George Washington (altamente elogiado por historiadores do século XIX) foi quase totalmente plagiadas de outras obras impressas e Jared Sparks' volumosas edições dos escritos de de George Washington e Benjamin Franklin contida tanto como como trinta unacknowledged supressões e adições em cada documento. Os nossos padrões atuais sobre plagiar, nota de rodapé, editorial e aderência ao manuscrito original não começam a penetrar até mesmo profissionais da escrita histórica na América até cerca de cinqüenta anos depois da composição original e edição da história de Joseph Smith, e geralmente não foram refletidas na não-profissionais histórias até muito tempo depois de BH Roberts preparou a segunda edição do que a história em 1900. O que o Tanners isolar no Mormonismo como prova de esforço tortuoso para deturpar e enganar foi mais precisamente uma evidência de problemas convencionais na escrita da história. Mesmo historiadores respeitáveis documentos distorcida para melhorar a imagem dos protagonistas, e esta prática foi, lamentavelmente, mas compreensivelmente, espelhado pelos historiadores mórmons que se viam como defensores contra a propaganda anti-mórmon. Meticulosamente precisos, acadêmicas e não-história Mórmon defensiva não aparecer até décadas recentes, mas é cada vez mais a marca de ambos os oficiais e não oficiais história Mórmon. Neste ponto, vou discutir longamente a natureza da escritura escrita. Isto irá tocar, direita ou indiretamente, sobre qualquer outro assunto importante que você me pediu para discutir: as mudanças nos textos de revelações escritas, quase idênticos incidentes históricos que ocorrem

na Bíblia e o Livro de Mórmon narrativa, as cotações aparentem do Livro de Mórmon, Doutrina e Convênios e Pérola de Grande Valor de frases e passagens da Bíblia e documentos seculares, a aparente má aplicação das profecias bíblicas para LDS história, o conceito e a prática de "traduzir" no Mormonismo, e da historicidade do Livro de Mórmon e o Livro de Abraão. Em uma revelação de Joseph Smith, ditada em 1831, ele diz: "Esses mandamentos são de mim, e foram dados para meus servos em sua fraqueza, após a sua maneira de falar...." (Doutrina e Convênios 1:24). Isto foi dito de outra forma pelo Apóstolo e Historiador da Igreja George A. Smith: "Quando o Senhor revela alguma coisa para os homens Ele revela que na linguagem que está de acordo com as suas próprias" (Journal of Discourses 12:335). Em outras palavras, um revelador de comunicação entre Deus e o homem será gravado na expressão diferente e estrutura da linguagem, de acordo com a identidade da pessoa que recebe e gravação a revelação. Isso “fica evidente quando se compara a palavra do Senhor “, como revelou a Moisés, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel, e os profetas menores do Antigo Testamento. A menos que haja um esforço consciente para duplicar a formulação de uma revelação dada a um profeta anterior (ver discussão abaixo), a mesma "palavra de Deus" para duas pessoas diferentes, será diferente. Além da palavra do Senhor a ser formulada de modo diferente pelos profetas individuais, há uma questão mais fundamental sobre a capacidade da linguagem para comunicar uma revelação divina. Brigham Young declarou o problema da língua, desta forma: "A linguagem, para transmitir toda a verdade, não existe. Mesmo na Bíblia, e todos os livros que foram revelados ao homem do céu, a linguagem não consegue transmitir toda a verdade como ela é ". Se a formulação de uma revelação divina em palavras é difícil ou impossível para o homem mortal, então isso reflete diretamente sobre a palavra estrita significado de qualquer palavra revelação escrita. Sobre este problema, Brigham Young também disse: . . . Eu nem acredito que há uma revelação única, entre as muitas Deus deu à Igreja, que é perfeito em sua plenitude. As revelações de Deus contêm a doutrina correta e em princípio, na medida em que vá, mas é impossível para os pobres, fracos, baixo, rastejante, os habitantes pecaminosos da terra para receber uma revelação do Todo-poderoso em todas as suas perfeições. Ele tem que falar-nos de forma a atender na medida das nossas capacidades. Assim, o problema da revelação é duplo: o profeta mortal é incapaz de assimilar ou compreender a integralidade do conhecimento e da revelação divina e, portanto, o profetareceptor próprias habilidades, conhecimentos e quadro de referência são fatores limitantes das revelações recebidas por ele; Em segundo lugar, como o profeta-receptor procura expressar a revelação de Deus na linguagem, as palavras só pode aproximar a plenitude da mensagem. Tanto quanto nós resistir incerteza ao insistir no palavra por palavra conteúdo das revelações escritas (os jotas "e títulos", referido por Cristo), a revelação escrita é uma aproximação imperfeita de uma comunicação entre a divindade e o homem que é, em última instância inefável. Portanto, é de se esperar que, como o profeta-receptor da revelação procura registrar essa experiência, ele pode experimentar não só com o fraseado, mas também com conteúdo. E como o profeta (ou seus sucessores) foi a revelação de novas experiências que ampliam a compreensão de comunicações anteriores, essas idéias podem ser simplesmente incorporados retroativamente nos textos anteriores. Essa adição posterior de nova revelação nos textos da revelação antiga, não só foi feito com algumas das revelações de Joseph Smith, mas os estudiosos modernos sugerem também que isso aconteceu no livro de Isaías. Mórmons de diversos escalões têm sido responsáveis por equívocos sobre o caráter irrevogável e imutável das palavras da revelação, mas os documentos da história sagrada não apoiar tais atitudes. As provas de história LDS também não suportam a Tanners conclusão de que as mudanças entre o Livro de Mandamentos 1833 e 1835 a Doutrina e Convênios provar que Joseph Smith foi um impostor "(página 28). Se Joseph Smith foram ilusoriamente tentar introduzir novas doutrinas que ele não tinha que inventar em alguma revelação anterior, ele poderia simplesmente ter inventado uma nova revelação, com as novas informações. Em vez

disso, ele apresentou o novo material nos textos de revelações publicadas anteriormente. Isso é quase uma tentativa de enganar, pois quem vive em 1835 (ou posteriormente, para essa matéria) poderia comparar as duas versões, mas indica impressionante atitude de Joseph Smith para a elasticidade da revelação escrita. Assim, o apóstolo Orson Pratt poderia questão de estado sem rodeios: "Por isso, pontos retirados revelações de uma última data, são, em alguns casos integrados com as de uma data anterior. Na verdade, no momento da compilação, o Profeta foi inspirado em várias ocasiões para escrever frases e parágrafos adicionais para as revelações anteriores. Nossa resistência a este conceito é fundamentalmente uma manifestação religiosa de nossa incapacidade de aceitar a incerteza da mudança. A característica da literatura antiga (incluindo a história sagrada do Antigo e Novo Testamento) é que ele corta a impermanência da vida, apresentando a história, teatro e religião em padrões repetitivos. Uma autoridade tem escrito que, para estas sociedades "um objeto ou um ato se torna real apenas na medida em que imita ou repete uma arquétipo". Essa insistência em apresentar os elementos fundamentais da vida e da religião em arquétipos ou padrões repetitivos é fundamental para a literatura do Oriente Próximo. É por isso que é tão ridículo que o Tanners (páginas 72-74) criticar o Livro de Mórmon para a apresentação de incidentes que ocorreram de forma muito semelhante na Bíblia ou apócrifos. O Tanners, eu confio, não negam a historicidade do maior evento do Novo Testamento por causa de sua semelhança com um mito sumério, que datam de 2000 AC: Inanna, a rainha do céu, os desejos de se tornar mortal, a fim de visitar o mundo dos mortos. Sua morte vem como ela é pendurada em uma estaca por três dias e noites, após o que ela está de volta à vida por dois mensageiros enviados a partir do deus supremo, e após a sua restauração vida para que ela traz do mundo espiritual todos os mortos. Se o Livro de Mórmon não contém eventos que eram repetitivas de outras literaturas do Oriente Próximo antigo, que a ausência seria uma evidência significativa interna contra a sua autenticidade como um texto antigo. Essa insistência sobre antigos padrões repetitivos e arquétipos se reflete em uma aversão a "originalidade" que permeia escrito escritura. Os Tanners ter feito um trabalho louvável de mostrar as passagens do Livro de Mórmon citações que são virtuais ou paráfrases da Bíblia (páginas 74-79), e teve que queriam que eles poderiam ter citado a partir de estudos mostrando paralelismos semelhantes nas revelações de Doutrina e Convênios. Ao contrário do que desacreditar estes dois livros como obras legítimas da Escritura, que a característica de empréstimo aparente é completamente consistente com as escrituras bíblicas. Grandes passagens de revelação de Isaías, Jeremias, Ezequiel, Naum, Obadias e Sofonias são tão semelhantes que parecem ter sido utilizadas de forma indiscriminada pelos seus autores que procuraram reconstruir a palavra do Senhor "para eles. Além disso, muitos textos padrão do Novo Testamento em grego lista das centenas de citações e paráfrases do Antigo Testamento e Apócrifos. Empréstimo "similares" ocorreu no Novo Testamento. No que respeita ao livro do Apocalipse, afirma um estudo acadêmico: "João era completamente familiarizados com o Antigo Testamento, e cita ou alude a ele todo o seu livro. Estimou-se que 278 versos de um total de 404 contêm referências de um tipo ou outra para o Antigo Testamento.... “Mas em nenhum caso, ele menciona especificamente um livro das escrituras judaicas, e raramente ele citar textualmente “. “Além disso, como José Smith citou o familiar Bíblia King James em expressar a palavra do Senhor “, como ele alegou para encontrá-lo no antigo texto do Livro de Mórmon, os escritores do Novo Testamento consistentemente citado a partir da versão Septuaginta grega do Antigo Testamento, que foi mais utilizado na época de Cristo, ao invés de voltar aos textos anteriores, hebraico do Antigo Testamento, e "os judeus considerou este um uso indevido da Sagrada Escritura, e eles pararam de usar a Septuaginta". O Tanners também sentir que têm repudiado as reivindicações antigas do Livro de Mórmon através de seu exame minucioso da literatura secular que estava disponível para Joseph Smith, passagens que são muito similares às passagens do Livro de Mórmon. Antes de me relacionar esta questão com as escrituras antigas, deixe-me dar alguns exemplos do Tanners mais zelo para provar seu ponto nesta questão. Por exemplo, o Tanners (página 68) acusam Joseph Smith de empréstimo uma frase do livro de Mórmon (ponto Y) que o ministério do Evangelho deve ser "sem dinheiro e sem preço" a partir do 1827 Wayne Sentinel (inciso X). Um

antecedente muito mais antigo e mais conhecido por um ou ambos é Isaías 55:1. Os Tanners levantar a objeção familiar (pp. 84-85) para o Livro de Mórmon passagem em 2 Néfi 1:14, que a descrição da morte "de onde nenhum viajante pode voltar" é um plágio de Hamlet, de Shakespeare, 1825 Josias Priest's Maravilhas Natureza e da Providência apresentados, ou ambos. O Tanners crítica não é apenas um exemplo de seus paralelos em completas, mas também de sua supressão de provas: Na abordagem Hugh Nibley do Livro de Mórmon (que citar na página 101) e, desde Cumôra (que citar na página 88), Nibley salienta que o fraseado de 2 Néfi 1:14 relativas à morte não só é semelhante ao um poema do século I aC Poeta romano Catulo, mas também está muito perto de descrições de morte em documentos muito mais antigos do Oriente Médio. Em outras palavras, Josias Priest pode ter sido citando Shakespeare, que foi Catulo parafraseando, que se limitou a indicar um comum antigo Oriente Próximo poesia sobre a morte. Desde o Tanners estão convencidos de que o Livro de Mórmon é ficção do século XIX, eles deixam procurando analogias além da disponibilidade contemporânea de Joseph Smith em 1829. Para voltar à questão da Sagrada Escritura, citando ou parafraseando contemporâneos trabalhos seculares, não há qualquer dificuldade em admitir (e mesmo acolhedora) Demonstração dos Tanners que em muitas passagens do Livro de Mórmon, este pode ter sido verdade. Lembre-se, aqueles que cometem a palavra de Deus para o papel (se de uma tradução ou uma revelação) tirar partido da sua própria língua e conhecimento para fazê-lo, e este é precisamente o que nós encontramos na Bíblia. Por exemplo, existem cerca de 700 passagens (representando todos os livros do Antigo Testamento), que são as citações, paráfrases, ou alusões a textos anteriores do egípcia, suméria, hitita, acadiano, ugarítico, assírios e outros do Oriente Próximo, Literaturas da Mesopotâmia (muito dele bastante "pagão" em um sentido religioso). O endividamento resulta do Livro do Gênesis a anteriores protótipos da Mesopotâmia é tal que o século XIX assiriólogo Delitzch concluiu "que a Bíblia foi, portanto, culpado de plágio grosseiro", enquanto um estudioso mais moderado recente observou que "não há nada de surpreendente o fato de que a literatura hebraica precoce está repleta de motivos da Mesopotâmia, principalmente motivos relacionados com a época pré-israelita. Só falta desses temas que seriam motivos de suspeita. " Provérbios 22:17 às 24:22 foi "modelado na Instrução egípcio de Amen-em-ope," que por sua vez, provavelmente foi modelado em máximas fenício. Muitos dos Salmos espelho poesia acadiano e ugarítico, e Salmo 29 é "uma adaptação relativamente pouco mudou de um hino Baal ..." Além disso, as passagens nos Salmos, Provérbios, Isaías, Habacuque e usar nomes dos deuses pagãos ugarítico para nomes de objetos representados por esses deuses. Além disso, paralelos entre a literatura não-bíblica e os textos bíblicos mais continuar no Novo Testamento. Em uma apresentação muito cauteloso das semelhanças entre o Mar Morto da comunidade de Qumran ( "composto em várias datas entre aproximadamente 250 aC e 68 dC) e do Novo Testamento, Theodor H. Gaster listas de 140 passagens do Novo Testamento que são paralelos conceituais ou citações textuais do Mar Morto. O significado desses paralelos ainda está sendo avaliada por especialistas, mas uma interpretação cuidadosa destes paralelos é indicado por Pierre Benoit: "Temos de aceitar como indiscutível que muitas passagens nos escritos recentemente descobertas de Qumran e o Novo Testamento, que exibem os contatos são muito perto, mesmo impressionante. Enquanto isto pode ser o resultado de uma dependência imediata (caso em que o Novo Testamento deve ser o mutuário), que pode também ser um exemplo em que as duas comunidades de um modo de pensar e falar comum em toda a Palestina No início da era cristã. " Muitos paralelos, tanto diretos e indiretos, existem entre os ensinamentos de Cristo no Novo Testamento e na Mishná, Tannaim Midrash, e outros escritos rabínicos que data de antes ou contemporânea com os textos mais antigos do Novo Testamento. Alguns dos paralelos mais evidentes são: (Lucas 11:2): "Tua será feito como no céu, assim na terra." Cf. Rabínico: "fazer a tua vontade em cima no céu e dar a tranqüilidade de espírito, para aqueles que temem a ti na terra". (Mateus 6:13): "Porque teu é o reino...." Cf.Rabbinical: "Porque Teu é o reino". (Mateus 6:14): "Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, vosso Pai celeste

também vos perdoará." Cf.Rabbinical: "Sempre que você tem misericórdia de outras criaturas, que do céu, tenha piedade de você." (Mateus 6:26): "Olhai para as aves do céu: não semeiam, nem segam...." Cf. Rabínico: "Alguma vez na sua vida ver um animal ou um pássaro que tinha um comércio? E eles se sustentar sem problemas." (Mateus 7:2): "... E com que tiverdes medido, vos hão de medir a você outra vez." Cf. Rabínico: "Na medida em que um homem medes é medida para ele." (Mateus 7:7): "... Buscai, e achareis Cf.. Rabínica:" Procurar e encontrar ". (Marcos 2:27): "O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado." Cf. Rabínico: "O sábado é comprometido com você, e você não estão comprometidos com o sábado." (Lucas 17:34): "Digo-vos que naquela noite estarão dois numa cama: um será tomado, e o outro será deixado". Cf. Rabínico: "Se um egípcio e israelita estava deitado na cama, só o israelita foi preterido." (Ref. a última praga do Egito no Êxodo.) Tais paralelos não invalidam a originalidade nem a importação espiritual dos ensinamentos de Jesus, e os estudiosos têm sugerido que, apesar das semelhanças, as idéias podem ter desenvolvido de forma independente ou que tenham sido derivados de uma fonte comum. Moderados estudiosos judeus têm criticado severamente os judeus que têm utilizado o Rabínico-paralelos Evangelho como um ataque polêmico sobre Jesus. No entanto, como os muitos paralelos citados pela Tanners, essas semelhanças existem. Depois de estudar a relação entre os escritos rabínicos e as epístolas de Paulo, um estudioso concluiu: "A origem do cristianismo paulino está no fato de Cristo, mas na luta para interpretar o sentido e as implicações desse fato Paulo constantemente inspirou-se em conceitos derivados do judaísmo rabínico, era essas que formavam a urdidura e a trama se não o material de seu pensamento. " Com referência ao primeiro capítulo do Evangelho de João, a maneira pela qual o Verbo (Logos) é distintamente empregados também é muito semelhante aos escritos anteriores do filósofo judeu Philo (ca. 30B.C.-40 dC), no entanto, um comentarista bíblico faz a mesma sugestão sobre essa semelhança que tem sido feitas por estudiosos mórmons como Hugh Nibley e Sperry Sidney sobre os paralelos entre passagens do Livro de Mórmon e as passagens do Novo Testamento: "as evidências apontam em direção a um fundo comum partilhado por ambos ..." Outra questão central para o paralelismo e arquétipos em escrituras antigas é a questão da profecia. Nas páginas 95-96, os Tanners disputa o uso de Isaías 29 e Ezequiel 37:16-17 como a aplicação do Livro de Mórmon (como indicado em 2 Néfi 26:15-17 e D & C 27:5), e os Tanners corretamente afirmar que Isaías 29 foi citada por escritores do Novo Testamento como sendo cumprida a missão de Cristo e que o contexto da profecia de Ezequiel diz respeito à restauração de Israel dividido, ao invés de unir os registros que a palavra hebraica para "furar" na passagem não significar. Mas a interpretação mórmon destas passagens em Isaías e Ezequiel apresenta um problema que é idêntico a profecia mais famoso que é citado como sendo cumprida em Cristo: A citação em Mateus 1:23 é retirado da LXX [Septuaginta], não a partir do hebraico, e é um de uma série de tais citações usadas pelo autor de que o Evangelho para mostrar que o VT prenunciava a vida de Jesus Cristo. Que ele usa esses sem levar em conta especial para o seu significado no seu contexto original é claro a partir da citação do Hos. Em Mt 11:1. 2:15. Esta interpretação “mais messiânica” é derivada da convicção de que a esperança messiânica foi cumprida em Jesus. Esta convicção que possamos manter firme, mesmo reconhecendo que o uso do NT de Isa. 7:14 é baseado em um erro na tradução do texto hebraico, que não prejudica a nossa interpretação desse versículo na sua configuração original. Almah A palavra significa "uma mulher jovem em idade de casar", possivelmente uma virgem (cf. Gn 24:43, Ex. 28:8 Prov. 30:19), se Isaías quisesse deixar claro que ele tinha em mente um nascimento milagroso virgem, ele teria que usar o bethulah termo específico. . . . A interpretação tradicional messiânica, por outro lado, o produto da premissa de que essa passagem deve prever o

nascimento virgem de um Messias, porque Mat. 1:23 assim interpreta. . . . Este método de raciocínio não é convincente, se não por outro motivo que a previsão do nascimento milagroso de um Messias mais de sete séculos mais tarde, dificilmente poderia ter servido como um sinal para [King] Acaz. Assim, encontramos a escritura do Novo Testamento, fazendo a mesma coisa que a escritura de restauração dos últimos dias é: alegando que as profecias (que no seu contexto foram preenchidas antes do prazo) tem um cumprimento mais tarde. Santos dos Últimos Dias e outros cristãos, portanto, enfrentar uma questão idêntica, a resposta para o que deve valer também para o Novo Testamento como faz para créditos Mórmon: é válida a respeito de uma profecia divina única como tendo pedido aos eventos completamente diferentes, separados por grandes períodos de tempo? Creio que tal atitude em direção a profecia é válido, porque a profecia bíblica é apresentado em forma poética, a característica mais central do que é paralelismo. Portanto, os mesmos elementos de uma profecia podem ter uma realização que corresponde de forma explícita, e uma realização em separado que é enigmático. Isso certamente é a implicação da afirmação do Novo Testamento que coisas como o teste de Abraão Isaque, o cordeiro pascal, e a serpente no estandarte foram proféticos “tipos” do sacrifício de Jesus Cristo. Apesar das críticas de muitos analistas bíblicos de tal caráter paralelo da profecia, tem havido uma tradição consistente de respeito profecia como paralelo no preenchimento. Este paralelismo entre profecia e cumprimento dá maior significado para advertência de Pedro que "nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram movidos pelo do Espírito Santo "(II Pedro 1:20-21). Somente um profeta, cheio do Espírito Santo, pode compreender e declarar o cumprimento escondido paralelo de uma profecia cujo cumprimento fora já ocorreu. Por esta razão, parece-me que mesmo os mais conservadores e honestos estudiosos bíblicos não é suficiente para criticar Mateus, como são os menos conservadores e menos honestos Tanners para criticar o Livro de Mórmon e Doutrina e Convênios identificação de realizações paralelas. Isto leva-me agora à questão final vou discutir nesta carta já muito tempo, o conceito mórmon de "traduzir" as escrituras e da historicidade do Livro de Mórmon e o Livro de Abraão. Acho que a melhor explicação detalhada de "traduzir", como aplicado ao Livro de Mórmon, revisão de Joseph Smith da Bíblia e o Livro de Abraão foi dada por Hugh Nibley, mas vou sugerir alguns pontos essenciais aqui. Apesar das afirmações extravagantes de Martin Harris, David Whitmer, William Smith, e Emma Smith (todos eles alegaram que Joseph Smith mostrou as palavras exatas do Livro de Mórmon até o Urim eo Tumim (ou Seer Stone), uma revelação ditada por Joseph Smith indicou que não houve processo de tradução automática em que o "direito" palavras são em Inglês, mas sim um processo de pensamento, de energia, testar e pesquisar as palavras que o caso seria o tradutor para sentir a queima dentro do espírito que tinha finalmente chegado a uma capitulação aceitável (D & C 9). Os Tanners ironizar a afirmação de que a tradução de Joseph Smith "dos papiros poderiam ter sido feitas de forma independente do próprio texto dos papiros, mas todas as evidências indicam que, quando Joseph Smith revisa Bíblia (processo que foi repetidamente chamado de" traduzir ") que ele fez não voltar para os textos grego e hebraico disponível durante sua vida. Assim, para Joseph Smith, "revelação" e "tradução" eram sinônimos, e eu já discutimos a natureza fluida de qualquer revelação escrita. Em contraste com os comentários pejorativos pelos Tanners, Jay Dee Nelson, e outros sobre a insignificância de uma tradução literal dos papiros de Joseph Smith, em termos de religião abraâmica, o trabalho de Hugh Nibley, Michael Rhodes, e Eric Olson sobre a Joseph Smith papiros indicaram algumas informações valiosas para publicar o livro de Abraão, em particular e mormonismo em geral. Agora eu tenho tempo nem energia para me debruçar sobre as questões específicas da tradução literal do hypocephali e textos papiro, mas eu gostaria de mencionar duas coisas que o retorno Tanners repetidamente em seu repúdio do Livro de Abraão: Em primeiro lugar, que não houve enigmático, escondido, segundo significado para os papiros além do conteúdo literal (páginas 319-20), e segundo que os papiros são espiritualmente e biblicamente inútil e pagãos, pois eles contêm símbolos de magia, os nomes dos deuses egípcios, e imaginário sexual (321 páginas, 341-43, 345-46). Já me referi ao fato de que muitos livros do Antigo Testamento,

incluindo o Isaías ricamente profética, conter os nomes de deuses ugaríticos, e referindo-se a um trabalho de Albright também pode encontrar referências a símbolos de magia e nomes que também são incorporadas no Antigo Testamento , mas que são usados em um contexto religioso diferente das religiões pagãs de onde foram tiradas. Mais ao ponto é o Cântico dos Cânticos, no Antigo Testamento, que não tem qualquer referência a qualquer assunto explicitamente religiosas e que está repleta de imagens sexuais, mas que tem sido tradicionalmente interpretado pelos judeus como uma alegoria da relação entre Javé e Israel e pelos intérpretes cristã como uma alegoria de Cristo e da Igreja Cristã (ou individual), ou como uma alegoria de Deus e da Virgem Maria. Eu não sei o Tanners atitude para com o Cântico dos Cânticos e não estou confiante em mim mesmo que o Cântico dos Cânticos é uma alegoria religiosa, mas não posso negar que devoto, judeus e cristãos inteligentes ter lido o conteúdo exclusivamente sexual fora do Cântico dos Cânticos e de ter encontrado uma profunda mensagem religiosa. Acho que é mais plausível acreditar que um livro ostensivo de Respirações (que lida com a vida, morte, ressurreição, a sexualidade, e os deuses) poderia ter sido o veículo para expressar enigmaticamente os padrões antigos do que o Evangelho de Filipe denominado o "mistério" ", e os Mórmons chamam de" dom ". Agora, deixe-me ir para o que eu insisto é o cerne da Tanners argumento contra ambos o Livro de Mórmon e o Livro de Abraão, que são obras de Joseph Smith próprios ativos, imaginação tortuosa (páginas 88 e 332). Neste ponto, irá tornar-se anedótico: Quando eu servi em uma missão de proselitismo da Igreja SUD e fui muito menos ignorante do que sou agora, meu companheiro e eu apresentei uma cópia do Livro de Mórmon para uma mulher que havia conhecido em nossa porta - para visitas de porta. A nossa experiência foi que, se as pessoas aceitavam uma cópia do Livro de Mórmon de nós, eles raramente ler qualquer um, e o que pouco que leu foi o resultado de múltiplos avisos de nós. Assim, em dois dias, paramos por encorajar a mulher a ler vinte e cinco páginas do livro. Fiquei estupefato ao ouvi-la dizer que tinha lido completamente e estava a meio caminho através de uma segunda leitura, em que ela estava fazendo referência cruzada. Ela explicou que havia obtido seu Doutorado. em antigas línguas semíticas e literatura, e disse: "Você me trouxe uma tradução do semita antigo. Onde está o texto original?" Ela não havia lido o material prefacio sobre Joseph Smith, e devo admitir que se contorceu um pouco como eu disse a ela que o texto original não estava disponível para exame porque tinha sido devolvida ao anjo que deu a Joseph Smith. Ela ficou desapontada, mas disse que estava muito contente por ter esta tradução e, em seguida começou a folheá-lo e lê-nos troços que ela descreveu como poesia semita. Depois de alguns minutos, ela parou e disse: "Você sabe, era impossível para qualquer pessoa em 1830 para compensar estas passagens, pois as formas originais poéticas que são evidentes no presente tradução não foram reconhecidos pelos estudiosos nessa data." Meu companheiro missionário e fui para casa naquele dia convencido de que tínhamos um novo convertido ao mormonismo, mas estávamos errados. Passamos muitas noites com a mulher (que era uma devota protestante) e seu marido (que era um físico e um ateu), apenas para descobrir que ambos eram um pouco (embora educadamente) divertindo-se com a nossa crença no "um" verdadeiro igreja, e outros créditos de Joseph Smith. Ela estava convencida do Livro de Mórmon era autêntico, mas considerou que o resto do mormonismo como irrelevante. Suponho que ela secretamente acreditava Joseph Smith havia adquirido de alguma forma um texto antigo, se tivesse traduzido, e em seguida passou a fazer outras reivindicações. De qualquer forma, nós paramos de nossas visitas depois de algumas semanas, e nosso encontro permanece uma das mais frustrantes e interessantes da minha experiência. Outros tiveram experiências semelhantes em encontrar um grande respeito para o Livro de Mórmon entre os estudiosos da literatura antiga. A importação desse episódio de minha própria vida é que tanto o Livro de Mórmon e o Livro de Abraão como narrativas no idioma Inglês devem ser consistentes com a evidência de antigas literaturas do Oriente Médio a fim de que sua autenticidade de ter qualquer significado. Hugh Nibley dedicou vários anos para pesquisar e escrever sobre as evidências de apoio de documentos e percepções da antiga literatura que não estavam disponíveis para Joseph Smith. Suas notas são muito mais extensas e eruditas do que qualquer coisa que tenho apresentado aqui, e quem tem tempo e disposição pode voltar para as fontes que ele cita para verificar suas citações e conclusões sobre o suporte para o Livro de Mórmon e o Livro de Abraão . As provas da minha experiência e meus estudos que me leva a aceitar a historicidade desses dois trabalhos, apesar dos problemas que existem nos mitos arqueológicos por mórmons excesso

de zelo e o papel exato dos papiros. A questão Jerald e Sandra Tanner perguntar sobre o mormonismo na sombra ou realidade é mais adequado para ser questionado sobre sua proposta para analisar o mormonismo. Eles não têm apresentado a realidade do mormonismo, e eles nem sequer apresentou a realidade do que eles consideram como o sensacionalista, as questões negativas do mormonismo. A única coisa realmente triste é que as pessoas parecem aceitar a sua apresentação como honesto, corajoso e significativo. Os Tanners se proclamam como cruzados cristãos contra um monstruoso anti-Cristo, mas muito do que eles ridicularizam Mórmon sobre a história e é fundamental para a escritura judaico-cristã e história sagrada escritura. O Tanners ataque contra o mormonismo é realmente uma manifestação de sua rejeição à religião institucionalizada: "Deus não estava preocupado com filiações dos povos da igreja, mas com um relacionamento pessoal. Cristo ensinou uma forma de amor, não um sistema religioso" (página 569) . Estou quase imparcial na análise do seu trabalho, e talvez você deveria ter escrito um não-mórmon, que é divorciada ou ignorantes da tradição judaicocristã. No entanto, apesar do meu viés, tentei apresentar todas as provas e análise da forma mais sincera e honesta que eu puder. Como você reage ao que eu escrevi ou como você incorporar a minha opinião em seu próprio sistema de fé e de prova é até você. Eu tenho tido o tempo eu senti que era necessário para responder à urgência do seu pedido, e espero que esta carta tenha sido de alguma utilidade para você. sinceramente

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful