You are on page 1of 4

As teorias do crescimento econômico

1. O modelo H-D tem um teor keynesiano e analisa o investimento sob suas duas faces:
como componente de demanda agregada e como criador de nova capacidade
produtiva, ou seja, considera os aspectos de multiplicador e acelerador do
investimento.
2. Os investimentos dependem das decisões das empresas, que são feitas a partir de
expectativas incertas quanto ao futuro.
3. A equação fundamental do modelo H-D diz que, para que haja um equilíbrio entre S e I
ao longo do tempo, é preciso que a taxa de crescimento da renda ou do produto seja
igual à taxa de crescimento garantida (s/v): como s e v são constantes, a taxa de
crescimento da renda nacional precisa ser constante.
4. O primeiro problema do modelo H-D tem a ver com a baixa probabilidade de se atingir
a longo prazo uma taxa de crescimento estável com pleno emprego, ainda que isso
seja uma possibilidade: para que isso aconteça necessariamente é preciso que Gw =
s/v = n.
5. O segundo problema do modelo H-D refere-se à instabilidade de Gw; as divergências
de Ga em relação a Gw não apenas não se corrigem mas também produzem
divergências ainda maiores das duas taxas em períodos posteriores.
6. O equilíbrio dinâmico instável previsto pelo modelo H-D é conhecido como “equilíbrio
em fio de navalha”.
7. Uma das principais diferenças entre a abordagem de Solow, em relação ao modelo H-
D, é assumir a hipótese de uma função de produção continua, que permite a perfeita
substituição entre os fatores K e L.
8. Esta viabiliza a existência de um equilíbrio único da economia no mercado de bens,
denominado crescimento estacionário, para qual a economia sempre tenderá.
9. No modelo, a variação do capital por trabalhador depende três fatores: positivamente,
do investimento por trabalhador; negativamente, da parcela do capital por
trabalhador depreciada; negativamente, do crescimento populacional.
10. No modelo simples de Solow, o produto por trabalhador da economia f(k) é alocado
para atender 3 finalidades: ao consumo por trabalhador (c); ao investimento que tem
de ser feito para manter k constante, tendo em vista a necessidade de compensar o
crescimento exógeno da força de trabalho de nk e a depreciação do capital dk.
11. Qualquer que seja o nível de k que não seja k* (relação capital-trabalho no EE), o
modelo prevê que haja um processo de convergência para k*.
12. Quando se atinge k*, o produto e o capital crescem à mesma






Lucas (1988), em sua contribuição pioneira à Teoria do Crescimento Endógeno enfatizou a acumulação do CAPITAL HUMANO como sendo uma fonte alternativa de crescimento econômico
sustentado através da educação e do learning by doing ("aprendendo fazendo")Assim, as diferenças nas taxa de crescimento entre os países é atribuível principalmente as diferenças nas
taxas de acumulação de capital humano ao longo do tempo.


O modelo de Solow é conhecido como teoria neoclássica do crescimento, sendo que esta
afirma que o PIB per capita de um país cresce porque a melhoria tecnológica leva a realização
de investimentos por empresas, a partir da poupança disponível.
Nesse modelo, considerando o nível de progresso tecnológico constante, o crescimento
economico é dado pelo nível de capital empregado.
Podemos afirmar que o produto por trabalhador é igual a Y/L, sendo esta representada pelo
símbolo “y”. Um novo e importante conceito a ser introduzido refere-se ao chamado estoque
de capital (K) por unidade de trabalhador (L), sendo este chamado de “k”. Sendo assim,
temos:
Produto por trabalhador = Y / L = y;
Capital por trabalhador = K / L = k;

Dessa forma, é fácil perceber que pelo modelo o capital é considerado um recurso
homogêneo, não sendo discriminado quanto as suas características.
Além disso, como o modelo simplifica o crescimento econômico ajustando tanto o produto
quanto o capital ao nível de trabalhadores, tabém nota-se que o capital é ajustado para o nível
de emprego de mão de obra nesta dada economia.




a) Ambos os modelos admitem o crescimentos populacional, apesar de que em cada modelo
esse crescimento populacional exerce um papel diferente na explicação para o crescimento
econômico;

b) Correta. A função de produção no modelo Solow é Y = F(K,L) = K
a
L
1-a
, apresentando retornos
constantes de escala e permitindo a substituição dos fatores. No crescimento equilibrado, a
taxa de crescimento da produtividade é quem determina o quanto as outras variáveis
macroeconômicas vão crescer. A contabilidade do crescimento (vista no conhecido livro do
Jones) permite observar a contribuição de cada um dos fatores de produção para a tx. de
cresc. da economia. Já para o modelo HD o equilíbrio é em termos de "fio de navalha", já que
existe uma única taxa de crescimento do investimento e renda que assegura o equilíbrio.

c) No modelo de Solow a taxa de poupança pode variar no tempo, mas seria uma variação
exógena. Mas a poupança no estado estacionário é uma fração constante da renda das
pessoas. E essas variações na poupança não afetam o nível de produto por trabalhador no
longo prazo. No modelo HD a taxa de poupança está relacionada com a propensão marginal a
consumir da população.

d) nenhum dos 2 modelos admite o desemprego dos fatores de produção

e) No modelo de Solow as economias alcançam o estado estacionário. Já no HD, esse equilíbrio
é instável ("fio de navalha"), se uma economia sair do equilíbrio, não conseguirá voltar.


No modelo de crescimento econômico de Solow com progresso tecnológico, vamos denominar
de "g" a taxa de progresso tecnológico incrementador de mão de obra. Chamemos de "n" a
taxa de crescimento populacional, que será considerada igual a da mão de obra. Segundo esse
modelo, as principais variáveis têm as seguintes taxas de crescimento:
I) PIB real: cresce segundo a taxa "n + g"

II) Estoque de capital: cresce segundo a taxa "n + g"

III) Mão de obra (trabalho): cresce segundo a taxa "n"

III) Razão PIB real por trabalhador: cresce segundo a taxa "g"

IV) Razão capital por trabalhador: cresce segundo a taxa "g"

Analisando os itens:

I) FALSO. Capital por trabalhador e PIB real por trabalhador crescem à taxa "g". Há, portanto,
alteração nos níveis.

II) VERDADEIRO. O crescimento ocorre tanto no curto quanto no longo prazo.

III) VERDADEIRO. A taxa de crescimento do capital por trabalhador é igual a "g" e não se altera
no longo prazo.

RESPOSTA: D