You are on page 1of 3

O Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar:

Metodologias de Operacionalização (conclusão)

ANÁLISE E COMENTÁRIO CRÍTICO À PRESENÇA DE REFERÊNCIAS À


BE NOS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO EXTERNA

Procedi à selecção e análise de uma amostra de três relatórios de


avaliação externa de escolas a fim de realizar um pequeno comentário crítico
relativo ao ênfase dado às Bibliotecas Escolares nesses relatórios. A minha
escolha recaiu sobre três relatórios de anos diferentes das seguintes escolas:
- Escola Secundária Poeta António Aleixo – Portimão (2007)
- Agrupamento de Escolas Conde de Oeiras (2008)
- Escola Secundária com 3ºciclo do Ensino Básico de Sacavém (2009)

Da leitura dos três relatórios, foram encontradas as seguintes


referências relativas à Biblioteca Escolar:

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CONDE DE OEIRAS

2.4 Abrangência do Currículo e Valorização dos Saberes e da Aprendizagem

“Os alunos têm acesso aos equipamentos informáticos existentes (…)


podendo ainda ter acesso à Internet nos computadores disponíveis na
Biblioteca Escolar/Centro de Recursos (BE/CRE).”

“De referir ainda a dinâmica da BE/CRE que regista taxas elevadas de


ocupação e de requisição de livros. Aos alunos que efectuarem o maior número
de leituras é oferecida uma obra, estratégia que se constitui como forma de
motivar os alunos e incutir hábitos de leitura.”

2.3 Gestão dos Recursos Materiais e Financeiros

“A BE/CRE está inserida na rede de Bibliotecas Escolares”

4.3 Abertura à Inovação

“No que respeita à primeira (L. Portuguesa) tem havido um trabalho


importante de promoção da leitura e da escrita, através de actividades criativas,
nomeadamente no âmbito do PNL e da dinamização de actividades na
BE/CRE.”

4.4 Parcerias, Protocolos e Projectos

“O Agrupamento está envolvido em diferentes projectos nacionais (…) a


Rede de Bibliotecas Escolares.”
Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Sacavém

3. Organização e Gestão Escolar

“ Existem, contudo, locais bem equipados como a Biblioteca/Centro de


Recursos, acessível à comunidade local e aos alunos do ensino nocturno… .”

2.4 Abrangência do Currículo e Valorização dos Saberes e da Aprendizagem

“ São ainda dinamizadas pela Biblioteca concursos de desenho, texto


(poesia e Prosa) e fotografia, uma feira do livro e exposições temáticas.”

4.4 Parcerias, protocolos e projectos

“ Também aderiu a alguns projectos nacionais, entre os quais o


Desporto Escolar, a Rede de Bibliotecas Escolares, o Plano Nacional de
Leitura… .”

Escola Secundária Poeta António Aleixo

II. Caracterização da Unidade de Gestão

“ … existem outros espaços de apoio: auditório, Biblioteca Escolar /


Centro de Recursos (BE/CRE), Centro de Aprendizagem,… .”

COMENTÁRIO CRÍTICO

Da análise dos três relatórios pude constatar que as referências à


Biblioteca Escolar/ Centro de Recursos Educativos são em número reduzido -
cinco referências para a primeira escola, três referências para a segunda e
apenas uma referência para a última escola.
As referências à BE/CRE inserem-se, na primeira escola, nos itens de
Abrangência do Currículo e Valorização dos Saberes e da Aprendizagem,
Gestão dos Recursos Materiais e Financeiros, Abertura à Inovação, Parcerias,
Protocolos e Projectos e, na segunda escola, nos itens Organização Escolar e
Parcerias, Protocolos e Projectos . Quanto à terceira escola, existe somente
uma referência à BE/CRE como um espaço de apoio na parte da
Caracterização da Unidade de Gestão.
Os dois primeiros relatórios fazem referência ao facto da Biblioteca
Escolar estar integrada na Rede de Bibliotecas Escolares, dando relevo a este
programa.
Nota-se também alguma preocupação com os espaços e equipamentos.
Não há qualquer referência à qualidade do serviço da BE e a sua
articulação com as actividades lectivas.
Não há nenhuma referência, nos três relatórios, à auto-avaliação da
Biblioteca Escolar.
Em jeito de conclusão, parece-me que as referências à BE são, de um
modo geral, superficiais porque, provavelmente não são suportadas por
evidências concretas e claramente objectivadas, articuladas com uma auto-
avaliação que pressupõe uma valorização da Biblioteca e que dá informações
concretas às equipas de avaliação externa.
Existe uma certa valorização da BE ao nível do espaço físico,
equipamentos e trabalho ao nível da promoção da leitura mas, não tanto do
trabalho ao nível do impacto da Biblioteca nos resultados e aprendizagens dos
alunos, bem como na articulação curricular. O papel da Biblioteca Escolar
como pólo educativo essencial da escola não está ainda patente nos relatórios
de avaliação externa das escolas.
É portanto desejável que, com a implementação do novo Modelo de
Auto-Avaliação da Bibliotecas Escolares, a actividade desenvolvida pela BE
seja realmente valorizada, quer ao nível da escola, quer ao nível da avaliação
externa da IGE.

A Formanda

Isabel Santos