You are on page 1of 30

Modelo de Auto-Avaliação

da Biblioteca Escolar

no
Agrupamento Vertical de Escolas Dr. João
Lúcio - Olhão
Índice

1. Avaliar para quê? – O papel das mais


valias da auto-avaliação da BE;
2. Descrição do Modelo de Auto-
Avaliação;
3. Envolvimento da Escola;
4. Planeamento;
5. Auto-Avaliação da Escola: avaliar
para o sucesso.
1. Avaliação da Biblioteca Escolar

 A Biblioteca Escolar é um recurso


fundamental para o ensino e para a
aprendizagem, se existir:

 Envolvimento dos Encarregados de Educação na


vida escolar dos seus educandos;

 Colaboração entre o coordenador e os professores,


com vista ao sucesso dos alunos:
 Na identificação dos recursos;
 No desenvolvimento de actividades.
1. Avaliação da Biblioteca
Escolar

 A Biblioteca Escolar é um recurso


fundamental para o ensino e para a
aprendizagem, se existir:

 Acessibilidade aos recursos;


 Qualidade nos recursos;
 Adequação da colecção e dos recursos tecnológicos.
 Apoio da hierarquia (Governo, Autarquia, Órgão de
Gestão).
1. Avaliar a Biblioteca.
Para quê?
 “As librarians, it's our job to ensure
that administrators, teachers,
parents, and decision makers fully
comprehend that effective library
programs are critical to boosting
student learning and achievement.”

 Eisenberg, Michael & Miller, Danielle (2002) “This Man


Wants to Change Your Job”, School Library Journal.
9/1/2002
1. Avaliação da Biblioteca Escolar

 Avaliar para quê?


Para…

 Objectivar a forma como se está a organizar o trabalho


na Biblioteca;

 Conhecer o impacto que a Biblioteca tem no processo


de ensino e na aprendizagem;

 Avaliar o grau de eficiência dos serviços e a satisfação


dos utilizadores.
1. Avaliação da Biblioteca Escolar

 Avaliar para quê?


Para…

 Afirmação e reconhecimento do papel da BE;

 Determinar se os objectivos estão a ser alcançados;

 Identificar práticas de sucesso;

 Identificar pontos fracos que importa melhorar;

 Aferir o grau de convergência da consecução dos


objectivos da BE com o Projecto Educativo da Escola.
2. Descrição do Modelo de Auto-
Avaliação
O Modelo está orientado para:

 A utilização eficiente dos recursos, no


sentido de obter resultados que contribuam
para os objectivos da Escola;

 A qualidade e eficácia da BE, com vista a


potenciar as suas possibilidades.
2. O Modelo de Auto-Avaliação

 Aponta para uma utilização flexível,


ajustada à realidade de cada escola;

 Pretende ser exequível, instituindo


rotinas sistemáticas de registo.
2. O Modelo de Auto-Avaliação

Modo de operacionalização baseado na

 Recolha de Evidências

 sistemática (ao longo do ano lectivo)


 Abrangente (todos os níveis de ensino)
 Relevante
2. O Modelo de Auto-Avaliação
Fontes de recolha de evidências

 Documentos de planeamento de actividades (P.C.T.),


Planificações, Plano Anual de Actividades;

 Registos (actas, relatórios);

 Materiais produzidos na BE ou com a colaboração da BE;

 Trabalhos produzidos pelos alunos no âmbito de actividades


realizadas na BE …);

 Questionários, entrevistas, registos de observação).


Evidências na perspectiva da
aprendizagem

 “Evidence-based school librarianship, according to


Ross Todd, is an approach that systematically
engages research-derived evidence, school librarian-
observed evidence, and user-reported evidence in the
ongoing processes of decision making, development,
and continuous improvement to achieve the school’s
mission and goals. These goals typically center on
student achievement and quality teaching and
learning.”
 In “If school librarians can’t prove they make a difference, they
may cease to exist” By Ross Todd -- School Library Journal,
4/1/2008

http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA6545434.html
2. Descrição do Modelo de Auto-
Avaliação
 Domínios a avaliar na BE

 A – Apoio ao desenvolvimento Curricular


 A1- Articulação curricular da BE com as
estruturas Pedagógicas e os docentes;
 A2 – Desenvolvimento da literacia da
informação;
- Formação de utilizadores;
- Ensino das competências de informação (em contexto);
- Formação da cidadania e da aprendizagem ao longo da vida.
2. Descrição do Modelo de Auto-
Avaliação
 B. Leitura e literacias

 B.1. Trabalho da BE ao serviço da


promoção da leitura

 B.2. Trabalho articulado da BE com


departamentos e docentes e com o
exterior, no âmbito da leitura
2. Descrição do Modelo de Auto-
Avaliação

 C. Projectos, Parcerias e Actividades


Livres e de Abertura à Comunidade

 C.1. Apoio a actividades livres, extra-


curriculares e de enriquecimento curricular
 C.2. Projectos e parcerias
- Colaboração nos projectos da Escola; trabalho colaborativo com outras escolas / grupo de
trabalho concelhio; participação do Pais/EE’s; colaboração com instituições /
Comunidade educativa
2. Descrição do Modelo de Auto-
Avaliação

 D. Gestão da BE

 D.1. Integração da BE na Escola/


Agrupamento
 D.2. Condições humanas e materiais para
prestação dos serviços

- Avaliação sistemática/planeamento; intervenção nos órgãos pedagógicos,


liderança, qualidade e adequação dos equipamentos; qualidade dos
serviços, níveis de utilização dos recursos; articulação com outras escolas,
etc.
2. Perfis de desempenho
 São os perfis de desempenho que caracterizam o
que se espera da BE. Nem sempre esse perfil de
desempenho depende da acção isolada da própria
BE. Nela intervêm outros actores:

 Direcção
 Assistentes operacionais
 Professores
 Autarquia
 Pais
 Alunos
Assim, as acções para a melhoria devem constituir um
compromisso da Escola, na sua globalidade.
2. Perfis de desempenho

Nível Descrição
4 (Excelente) A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho
desenvolvido é de grande utilidade e com um impacto
bastante positivo;
3 (Bom) A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio,
sendo necessário melhorar o desempenho para que o seu
impacto seja mais efectivo.
2 (Satisfatório) A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo
necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto
seja mais efectivo.
1 (Fraco) A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio,
o seu impacto é bastante reduzido, sendo necessário
intervir com urgência.
2. Metodologia a seguir
 1. Caracterizar a Biblioteca Escolar: Ficha de
construção do Perfil;

 2. Seleccionar o domínio (A., B., C., ou D.)

 3. Recolher evidências;

 4. Confrontar os dados recolhidos com os perfis de


desempenho;

 5. Registar a auto-avaliação (preencher o quadro-


síntese), definindo estratégias de melhoria.
Finalidade da Avaliação
 “The library media program ensures
that students "are effective users of
ideas and information."

Information Power (ALA, 1998)


3. Envolvimento da
Escola/Agrupamento
1. Análise dos dados recolhidos no ano lectivo 2008/2009,
através da aplicação do questionário referente ao
Domínio A.
2. Breve inquirição a uma amostra sobre o desempenho da
BE nos seguintes domínios:

Domínios Pontos Fortes Pontos Fracos


Apoio ao Desenvolvimento Curricular

Leitura e literacias

Projectos. Parcerias. Actividades Livres


e de Abertura à Comunidade

Gestão da Biblioteca Escolar


3. Envolvimento da
Escola/Agrupamento
3. Análise dos dados recolhidos e
apresentação de proposta de Domínio
a avaliar, tendo em conta os seguintes
critérios:

- Valorização do investimento desenvolvido


num determinado domínio;
- Aperfeiçoamento das práticas de rotina e
introdução de novas experiências técnico-
pedagógicas.
3. Envolvimento da
Escola/Agrupamento
4. Conceber instrumentos de
recolha de evidências;

- Apresentar os documentos à Comissão de


Avaliação do Conselho Pedagógico para
melhoramento;
- Apresentar os documentos de recolha de
evidências ao Conselho Pedagógico e
divulgação junto da comunidade.
3. Envolvimento da
Escola/Agrupamento
5. Avaliar as práticas
 Concluída uma actividade, proceder à
recolha de opiniões junto do público-alvo;

 No final de cada período, fazer uma síntese


dos dados recolhidos e apresentar os
resultados à comunidade, utilizando os
diversos canais de comunicação existentes
na escola (Conselho Pedagógico, página da
internet, expositor).
4. Planeamento

6. A partir das conclusões sobre o grau de


execução das actividades propostas, tomar
decisões em função das metas previstas no
Projecto Educativo:

 Manter os procedimentos correctos;


 Aperfeiçoar algumas práticas;
 Sugerir medidas de melhoria.
5. Auto-avaliação da Escola

 A comissão de Avaliação do Conselho


Pedagógico deve integrar o Modelo de
Auto-Avaliação da BE nos
instrumentos de avaliação, tais como
o inquérito a efectuar junto da
comunidade.
6. Auto-avaliação da Escola
 O Plano Anual de Actividades do Agrupamento foi desenhado tendo
em perspectiva as metas e objectivos de Projecto Educativo, bem
como as fontes de recolha de evidências. Assim, o caminho já foi
facilitado. Esta estrutura foi seguida por todos os Departamentos e
pela Biblioteca Escolar.

 Metas/Objectivos do PEE que se pretendem atingir com a


actividade
 Objectivos gerais
 Actividade;
 Competências a desenvolver;
 Calendarização;
 Dinamizadores/Responsáveis;
 Público-Alvo;
 Custos e Fontes de Financiamento;
 Indicadores de Avaliação
6. Auto-avaliação da Escola
Tendo por referência:
Nível
 o perfil de desempenho;
 a concretização das 4 (Excelente)
actividades;
 o seu impacto nas
aprendizagens; 3 (Bom)
 a qualidade de ensino
 A qualidade dos serviços
prestados… 2 (Satisfatório)

proceder-se-á ao
posicionamento da BE, 1 (Fraco)
em termos de Nível de
desempenho.
Avaliar para o sucesso

Auto-Avaliação
Projecto
Da BE e da
Escola Educativo

Melhoria
dos
resultados
Execução
Recolha
escolares Modelo de
Auto-Avaliação
de
Evidências

Plano de
Actividades
Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Trabalho realizado por:

Norberta Sousa
Professora Bibliotecária

Agrupamento Vertical de Escolas Dr. João Lúcio