You are on page 1of 38

Posição relativa de Portugal

Portugal situa-se no Sudoeste da Europa e a Oeste da PIberica. Açores fica a
Oeste de Portugal Continental e Madeira a Sudoeste de Portugal Continental.
Organização administrativa
Portugal está dividido em ! distritos.
Cada distrito encontra-se subdividido em
concel"os# e estes por sua ve$ em freguesias.
Outra divis%o &ue foi introdu$ida em Portugal
apos a sua ades%o ' (E foram os )(*S + &ue
tin"am fins estatisticos e mel"oravam a
aplicaç%o dos fundos comunitários# dividindo-
se em , niveis de agregaç%o-
)ivel - ,- Portugal# ..A dos Açores e Madeira
)ivel / + 0- )orte 1 Centro 1 2isboa 1 Alente3o 1
Algarve 1 ..A. dos Açores e Madeira
)ivel ,- Sao bues mm
E4istem tambem outras divisoes territoriais
como- regi5es agrárias# regi5es turismo#
delegaç5es regionais 6sa7de# educaç%o#
industrial...8
Portugal na Europa
9:0 + *ratado de .oma + ;undadores 6Itália# 2u4embrgo# ;rança# <=lgica#
>olanda# ..;.A. 8
9!? + Acto (nico europeu + Entrada de Portugal na (E
A livre-circulaçao de pessoas#a partir do mercado comum# reforçou o sentido
de cidadania europeia. Outro dos acordos tomados foi o de Sc"engen &ue
facilita a circulaçao de pessoas# estabelecendo-se regras &ue visam controlar a
entrada de cidad%os n%o signatários.
e no Mundo..
O)( + visa a manutenç%o da pa$
PA2OP@s + *ermos de 2ingua + Angola 1 moçambi&ue 1 S.tome 1 Cabo verde 1
Auine-bissau
CP2P + *ermos de lingua- Palop@s 1 <rasil 1 *imor-leste 1 Portugal
)A*O + *ermos militares
Evolução demografica
Burante a segunda metade do s=culo CC#a populaç%o residente em Portugal
aumentou# passando de cerca de !#D mil"oes em 9:E para E#, mil"oes em
/EE.
Sobressai-se a irregularidade nas decadas de ?E- em &ue se registou um
decrescimo demografico e a decada de 0E com um significativo aumento da
populaç%o.
A variaç%o deste ritmo da populaç%o e4plica-se- @
- pelo grande surto da emigraç%o nos anos ?E# para alguns paFses da Europa
Ocidental- ;rança# Aleman"a# .;A
- regresso repentino de muitos portugueses das e4-colonias# sobretudo em
90: com o processo da independencia.
- diminuiçao da ta4a de crescimento natural# mais a &uebra dda emigraçao e o
aumento da imigraç%o# o &ue permitiu um ligeiro aumento nas ultimas d=cadas.
TN , TM , TMI
A reduç%o da taxa de natalidade# iniciada 3á na primeira metade do s=c CC#
acentuou-se a partir dos anos ?E# tendo sido um dos aspectos mais marcantes
da evoluçao demografica em Portugal ate finais do s=c.
Beve-se principalmente devido-
- entrada da mul"er no mundo de trabal"o
- stress da vida urbana
- casamentos tardios
- independencia financeira dos fil"os cada ve$ mais tarde
Politicas )atalistas
- Abonos de familia progressivos
- Alargamento da licença de maternidade
- possibilidade do pai go$ar da maternidade
- dispensa a tempo parcial do trabal"o
A maior descida da Taxa de mortalidade verificou-se no decorrer da primeira
metade do s=c CC# atingindo na actualidade valores semel"antes ' (E.
Biminuiçao da mortalidade devido-
- mel"orias na assistencia medica# sanitária e "igiene
- Progressos cientificos na medecina e farmaceutica
- Mel"oria na &ualidade de vida da populaçao + mel"or "abitaçao# alimentaçao
)o &ue toca ' taxa de mortalidade infantil, manteve valores bastante
elevados at= as ultimas decadas do s=c CC# tendo sofrido um acentuado
decrescimo a partir dos anos 0E
A reduç%o deve-se devido-
- mel"oria da assistencia medica durante a gravide$# o parto e o G ano de vida
- difusao de informaçao sobre os cuidados a dispensar as crianças
Estrutura Etria
Entre 9?E e /EEE# a base das pirHmides foi diminuindo progressivamente# o
&ue reflectea cada ve$ mais acentuada reduç%o da populaç%o 3ovem.
A populaç%o adulta aumentou# revelando uma importancia crescente das
classes etarias mais altas. O topo das piramides alargou# como conse&uencia
do aumento da populaçao idosa.
Constata-se um duplo envel"ecimento da populaçao portuguesa
- diminuiçao dos 3ovens + base estreita
- aumento dos idosos + topo alargado
! piramide toma esta forma devido"
!o declinio da fecundidade + nG medio de fil"os por mul"er em idade f=rtil.
&ue e4plica o estreitamento da base.
;actores e4plicativos da abdicaç%o de ter fil"os-
- adiar o casamento e nascimento do G fil"o
- aumento das despesas da criança# nomeadamente a educaçao
- dificulda de no acesso a "abitaçao espaçosa# nomeadente em centros urbans
!o envel#ecimento demografico &ue e4plica os topos largos e 3ustifica-se
pelo aumento da esperança media de vida.
E4plica-se uma maior esperança media de vida nas mul"eres por&ue-
- menor e4posiçao a acidentes de trabal"o# profissoes de menos risco
- consumo inferior a tabaco# alcool e drogas
- maior cuidado com a alimentaçao e saude
Estrutura da População activa
Pop activa + con3unto de individuos# a partir dos : anos &ue constituem mao
de obra disponivel e entram no circuito economico# incluindo os
desempregados e a&ueles &ue cumprem serviço militar obrigatIrio
Pop Inactiva + con3unto de individuos# de &ual&uer idade# &ue n%o podem ser
considerados economicamente activos.
! proporção da população entre am$as % influenciada por factores"
- Estrutura etária# &ue determina a &uantidade de pop activa
- Saldo migratorio &ue aumenta e diminui a pop activa &uando este = positivo e
negativo
Tem vindo a aumentar a taxa de actividade, apIs a &uebra motivada pela
emigraç%o dos anos :E e ?E devido-
- na decada de 0E# a um saldo migratorio positivo pela c"egada dos
portugueses das e4-coloniasJ
- apIs os anos 0E# devido a crescente participaçao da mul"er no mundo de
trabal"o.
- e mais recentemente# ao crescimento da imigraçao.
&actores 'ue influenciam a estrutua etaria da pop activa
- prolongamento da escolaridade obrigatoria
- entrada tardia dos 3ovens no mundo de trabal"o
- antecipaçao da idd da reforma
! Estrutura do emprego
A pop activa distribui-se por tres sectores de actividade economica-
O Sector Primario + sofreu uma grande reduçao no emprego devido '
crescente mecani$aç%o e moderni$açao agricolas e ao desenvolvimento dos
outros dois sectores.
O Sector Secundario tende a empregar cada ve$ menos populaçao devido ao
desenvolvimento tecnologico das industrias e ' deslocali$açao para outros
paises dos ramos mais intensivos em mao-de-obra.
O Sector *erciario foi o &ue mais cresceu e# actualmente# emprega mais de
metade da populaç%o activa. Esta evoluçao acompan"a a tendKncia de
terciari$aç%o da economia# iniciada mais cedo nos paises da (E# e e4plica-se
pelo aparecimento de novos serviços# pelo desenvolvimento do comercio#
turismo e la$er e pela e4pansao dos serviços financeiros e dos serviços de
educaçao# saude e apoio social.
E4istem algumas diferenças regionais na situaçao de emprego por sector
- sector primario tem mais relevancia na regiao Centro
- sector secundario emprega mais populaçao no )orte# onde as industrias
ainda sao bastante intensivas em mao de obra.
- sector terciario gera mais de metade do emprego em todas as regioes#
e4cepto no norte e no centro.
O sector terciario tem grande importancia em- devido a-
- Algarve e Madeira + *urismo
- 2isboa e Lale do *e3o + moderni$açao da industria e ao desenvolvimento dos
serviços
- Alente3o + serviços sociais e de saude
Nivel de instruçao e 'ualificaçao profissional
O processo de desenvolvimento de um pais relaciona-se directamente com a
&ualificaç%o da populaç%o# vista como um recurso. )esse sentido# o seu nivel
de instruçao e de formaçao sao fundamentais para &ue se possam desenvolver
actividades tecnologicamente mais modernas e produtivas# &ue promovam o
desenvolvimento.
Em portugal a tx de !lfa$etizaçao 3á atinge valores elevados# como
conse&uencia# a de analfa$etismo tem vindo a diminuir.
Os valores mais elevados de analfabetismo relacionam-se com o
envel"ecimento e com diferentes graus de desenvolvimento das regi5es.
A ta4a de analfabetismo das mul"eres continua a ser substancialmente
superior a dos "omens em &uase todas as regioes# sobretudo pela elevada
proporçao de mul"eres entre os idosos.
O numero medio de anos de escolaridade tambem aumentou# o &ue se deve#
principalmente ao alargamento da escolaridade obrigatoria e ao consideravel
aumento da proporçao da populaçao com ensino superior.
Os Pro$lemas (ocio ) *emograficos
O envel"ecimento da populaçao portuguesa podera agravar-se# caso se
manten"a a tendencia para o declinio da ta4a de fecundidade e como tal do
decrescimo dos grupos etarios mais 3ovens# acarretando conse&uencias sociais
e economicas importantes
O aumento do no. de idosos conduzira a um acrescimo das despesas
como"
- pagamento de pensoes
- sistema de saude
- serviços sociais
- construçao e manutençao de e&uipamentos p idosos + lares por e4emplo
! diminuiçao da taxa de fecundidade conduzira a reduçao da pop em
idade activa, provocando"
- reduçao das contribuiçoes p1 seg social# o &ue gera ruptura no sistema de
pensoes e reformas
- o facto da pop activa actual n%o beneficiar das suas contribuiçoes sociais
- necessidade de alterar o funcionamento do sistema da seg. Social# na idd de
reforma# etc
O !umento da dependencia
Os 3ovens e os idosos constituem grupos etarios dependentes# pois n se
encontram na na pop activa e n%o contribuem para a produçao de ri&ue$a.
A relaçao entre estes dois grupos e a pop activa permite avaliar o grau de
dependencia# atraves do Indice de dependencia total + 3ovens M idosos 1 pop
adulta.
A dependencia pode avaliar-se tb em relaçao a cada um dos grupos
separadamente obtendo-se# respectivamente# o indice de dependencia de
3ovens e de idosos.
Be forma ligeira. O IB* tem diminuido. Beve-se devido a grande descida do
IBN# 3a &ue o IBI aumentou# ao reflectir no indice de envel"ecimento
IBN + diminui em todas as regioes# mas apresentam-se os valores mais
elevados nas regoes autonomas.
IBI + apenas diminuiu nos açores# aumentando no resto de Portugal#
verificando-se o maior acrescimo no Alente3o
IB* + maior no Alente3o# Centro e Açores
- menor nas regioes )orte# 2isboa e Lale do *e3o
*istri$uição da População
Em Portugal Continental# a densidade populacional apresenta um forte
constraste entre o 2itoral e o Interior. Os concel"os de maior densidade
populacional locali$am-se na fai4a 2itoral entre Setubal e Liana do Catelo#
sobretudo nas regioes da Arande 2isboa e Porto.
Em opoisçao# em todo o interior do pais# bem como o litoral alente3ano e a
maioria das il"as da regiao autonoma dos açores# apresentam fracas
densidades populacionais.
!s Tendencias
*endo em conta a repartiçao# conclui-se &ue o povoamento em portugal
caracteri$a-se-
Pela litorali$açao + tendencia para a concentraçao da populaçao ao longo da
fai4a litoral# acompan"ada da perda progressiva de populaçao por parte das
areas do interior
Por uma bipolari$açao + elevada densidade populacional em duas areas# em
torno de lisboa e porto# &ue se destacam claramente das restantes
&actores naturais
- clima 6ameno8
- relevo 6aplanado8
- fertilidade natural dos solos
&actores +umanos
, atracção ur$ana ) cidades apresentam maior dinamismo social e economico
e todo um con3unto de serviços &ue contribuem para uma mel"or &ualidade de
vida
, localizaçao da industria e actividades terciarias + geram emprego e
ri&ue$a
, existencia de $oas vias de comunicaçao ) encurtam as distancias#
facilitando a mobilidade e o desenvolvimento das actividades economicas.
Outra causa &ue reflecte as assimetrias regionais sao os movimentos
migratorios"
- e4odo rural
- emigraçao
- imigraçao
Pro$lemas causados pelas assimetrias
)o 2itoral
, desordenamento do espaço
- saturaçao do espaço com construçao e4cessiva de edificios
- falta de espaços verdes
- aparecimento de bairros degradados e construçao nao planeada
, so$relotação dos e'uipamentos e indraestruturas
, degradaçao am$iental
, des'ualificaçao pessoal e #umana
- desemprego
- marginilidade e insegurança
- aumento do stress e diminuiçao da &ualidade de vida
)o Interior
- envel"ecimento demografico
- despovoamento
- falta de mao de obra
- degradaçao do patrimonio natural e edificado e da paisagem
Possiveis (oluçoes aos pro$lemas
Para diminuir as assimetrias na distribuiçao da populaç%o deve-se implementar
medidas de promoçao do desenvolvimento do Interior para o tornar atractivo.
O planeamento regional e municipal assume um papel fundamental, ao
promover"
- mel"orias das acessibilidades
- ciaçao de serviços essenciais de apoio a populaçao
- desenvolvimento de actividades economicas geradoras de emprego
6 agricultura# pecuaria# artesanato# produtos tradicionais8
- subsidios e reduçao de impostos as empresas &ue se deslocam para o
interior
- &ualificar a mao de obra
+istoria do Planeta e de Portugal
Era Pr% Primaria ) Era onde uma parte de Portugal se começou a formar
Era Primaria ) O caracteri$ada como uma era com muitas alteraçoes ' face da
terra. A orogenia &ue mais se fe$ sentir foi a >ercinica  criaram-se as $onas
montan"osas do norte PSerra da EstrelaQ 6Orogenia >ercinica8
Era secundaria ) Considerava-se como uma era pacifica. )ao e4istiram
grandes formaçoes na *erra. ;ormaram-se $onas aplanadas# devido a
actuaçao dos agentes erosivos  Os agentes erosivos criaram as orlas
sedimentares. Os ventos depositaram os materiais das $onas montan"osas do
norte nas orlas sedimentares
Era Terciaria ) ;oi uma era de convulsoes. (ma das orogenias mais
importantes foi a alpina# &ue tal como o nome indica# originou os Alpes 
criaram-se $onas montan"osas na orla ocidental# devido ' orogenia alpina
6Serra de Sintra8
Era -uaternaria ) ;oi uma era pacifica# sem grandes convulsoes. ;oi nesta
era &ue começou a "istoria do "omem. O caracteri$ada como uma era pacifica#
mas com tendencia a mudar devido as variaçoes climatericas &ue se fa$em
sentir.  os agentes erosivos criaram as $onas planas das bacias do te3o e
sado.
.nidades geomorfologicas de Portugal
Maciço !ntigo / +isperico ) O a unidade mais antiga. Ocupa a maior parte do
territorio nacional e apresenta uma grande variedade de roc"as muito antigas e
de grande dure$a como o granito e o 4isto.
A norte + predominam os con3untos montan"osos# planaltos e vales
A sul + estende-se a vasta planicie alente3ana + superficie levemente ondulada
e de bai4a altitude
Orlas (edimentares ) Antigas areas deprimidas onde se foram acumulando
numerosos sedimentos# pelo &ue a diversidade geologica = menor.
Predominam as roc"as sedimentares + areias # argilas# calcarios e arenitos8 >a
tb e4istencia de roc"as magmaticas + basalto + resultantes da actividade
vulcanica.
Orla Ocidental + Estende-se ao longo do litoral. O constituida no norte por
planicies sedimentares e no sul com $onas mais montan"osas
Orla meridional + Ocupa a fai4a litoral do Algarve# onde sobressaiem algumas
colinas calcarias altas e enrugadas
<acias do *e3o e Sado + (nidade mais recente# tendo-se formado
principalmente por sedimentos fluviais de origem Continental. Bominam as
roc"as sedimentares + areias# argila# calcario8 e sao e4plorados os minerais
industriais
.egioes autonomas + as roc"as dominantes sao de origem vulcanica e
e4ploram-se principalmente as roc"as basalticas
! Industria extractiva
Industria &ue se dedica a e4tracç%o de produtos no estado bruto# directamente
da nature$a. Estes recursos destinam-se essencialmente a produçao industrial#
construçao civil# obras publicas e produçao de enrgia. A recente evoluçao desta
industria evidencia uma tendencia de aumento do valor total da produçao.
! nivel regional ) a industria e4tractiva representa um factor importante de
criaç%o de ri&ue$a e de oferta de emprego# sobretudo em regioes mais
carenciadas como o Alente3o.
Minerios metalicos
Os minerios metalicos com mais importancia sao- cobre 1 ferro 1 estan"o 1
volframio
O Pro3ecto mineiro mais importante = o de )eves-Corvo &ue da ao Alente3o
uma posiçao dominante neste subsector. A segunda mina mais importante = a
da Panas&ueira de onde se e4trai o Lolframio
Cobre + Mineral metalico com maior produçao + muito usado na industria
electrica + principais 3a$idas sao de Al3ustrel e )eves Corvo
;erro + e4iste com alguma abundancia + Principais reservas no cercal. A
produçao tem caido nos ultimos anos
Lolframio + Apenas se e4plora na mina da panas&ueira
Este subsector registou um acentuado decrescimo na produçao# provocado
pela falta de competetividade no mercado internacional e encerramento de
varias minas.
Minerios não metalicos
A sua e4ploraçao concentra-se nas regioes norte e centro# destacando-se o
&uart$o# o sal-gema# o caulino e o feldspato. As minas destes minerios
locali$am-se essencialmente nas regioes norte# centro e alente3o
(al,gema )e4plorado principalmente nas orlas sedimenares. Apresenta grande
peso neste sub-sector e destina-se a industria &uimica# agro-alimentar e raçoes
0aulino ) = e4plorado em diversas minas das regioes norte e centro# lisnoa e
vale do te3o e a sua grande aplicaçao e na industria ceramica
1oc#as Industriais
*em vindo a gan"ar grande importancia com a competetividade das empresas
Calcario sedimentar comum + usado na construçao civil e industrias de
ceramica# do cimento e da cal
Argilas comuns - industria ceramica e do cimento e na construçao civil
Areias comuns + produçao de vidro e ceramica# e muito usadas na construçao
civil# pelo &ue apresentam a maior produçao.
1oc#as Ornamentais  2 destinadas a exportaçao
.oc"as carbonatadas + marmore# calcario e brec"a calcaria
.oc"as siliciosas + granito# diorito# serpentinite
Ardosias e 4istos ardosiferos
A $ona do alente3o = a maior produtora de roc"as ornamentais# &ue contem a
$ona de marmore e granito ornamental mais importante do pais.
Maciço >isperico + granito# marmore# ardosias e 4istos
Orlas sedimentares + calcarios# brec"a calcaria
<acias do *e3o e sado + areias
O volume de e4porçao em bloco = menor &ue o de e4portaçao sem obra# mas
e4iste maior acentuaçao no valor da e4portaçao entre ambos.
1ecursos +idrominerais
Portugal dispoe de um grande potencial de recursos "idrominerais# devido a
grande diversidade "idro&uimica associada a comple4a e variada geologia do
pais.
Oficinas de engarrafento ) predominam no norte do rio te3o# &ue se relaciona
com a maior abundancia de aguas minerais
!guas termais ) ocorrem principalmente nas regioes norte e centro# na sua
maioria em areas do maciço "isperico. A regiao norte e a &ue dispoe de mais
numero de estabelecimentos termais em actividade# mas sao os da regiao
centro &ue tKm mais importancia# pois tKm grande diversidade e tratamentos
mais atractivos
*em sido registado nas aguas termais uma tendencia para crescer. O uma
actividade com grande potencial# principalmente a nivel turistico# podendo
contribuir para-
- desenvolvimento regional de uma forma sustentada
- gera emprego
- promove a criaçao de outros serviços
- incentiva o desenvolvimento do turismo rural
O engarrafamento de aguas minerais e nascente tKm registado um grande
crescimento e tem vindo a ser aproveitado pelo sector empresarial# devido a-
- aumento do consumo
- aumento do nivel de vida
- aumento do poder de compra
- aumento da e4igencia a nivel dos consumidores
1ecursos energeticos
O subsolo portugues = pobre em recursos energeticos. As reservas de carvao
estao esgotadas e as de uranio tKm vindo a descer a produçao.
)os açores a e4istencia de actividade vulcanica torna possivel a e4ploraçao de
energia geotermica + a partir do calor da terra
Larios estudos revelam indicios da presença de petroleo e gas natural em
$onas do 2itoral.
Portugal dispoe de boas condiçoes de produçao de energias renovaveis + &ue
so agora tKm vindo a ser e4ploradas.
!umento do consumo de energia devido"
- desenvolvimento dos transportes
- e4pansao da industria
- moderni$açao da agricultura
- mel"oria do nivel de vida da populaçao
- carros de maior cilindrada
Origem e 3ocalização
Na$idas de uranio portuguesas + Bestinam-se a e4portaçao. encontram-se na
regiao centro. A sua produçao tem vindo a diminuir# devido ao aparecimento de
novos paises produtores com preços mais competitivos.
Energia geotermica + = produ$ida nos açores e pode ser aproveitada como
energia termica ou produçao de electricidade + envolve grandes riscos e
investimentos + tem vindo a aumentar nos açores.
0om$ustiveis fosseis
Portugal depende largamente do estrangeiro# para o fornecimento de
combustiveis fosseis.
Aas natural + redu$iu a dependencia de petroleo. Comprado ' argelia e nigeria
Petroleo + Aolfo persico e Africa
Carvao + Colombia e Africa do Sul
0onsumo de energia
A industria = o sector &ue consome mais energia# prevendo-se uma diminuiçao
O sector dos transportes revela um constante aumento 6M carros em circulaçao#
mais cilindrada8 e mel"oria das redes de transporte e vias de comunicaçao.
E4istem assimetrias regionais no consumo de energia
O superior nos distritos onde e4iste maior concentraçao de populaçao# de
serviços# e industria e onde o nivel de vida = mais elevado# destacando-se
2isboa# Setubal e Porto.
0oncorrencia dificil
Os nossos custos e preços sao mais elevados por varias ra$oes-
-bai4o teor de minerio
-e4ploraçao em minas de grande profundidade
-perigos + na segurança e na saude
-locais de dificil acesso
-Empresas de pe&uena dimensao
-tecnologias redu$idas
-legislaçao ambiental
-salarios altos dos trabal"adores
1iscos am$ientais
- contaminaçao dos solos e aguas
- impacte na paisagem e alteraçao da configuraçao do relevo
- emissao de gases poluentes
- libertaçao de poeiras
- fre&uentes acidentes e derrames
Potencializaçao dos recursos do su$solo
- uso dos recursos de forma mais racional
- promoçao do mercado interno e e4terno
- estudos e medidas &ue relacionem a industria e4tractiva e a preservaçao
ambiental
- locali$açao de de recursos ainda n aproveitados
Potencializaçao das minas e pedreiras
- criar1mel"orar as infra-estruturas
- reactivaç%o das minas &ue possuam ri&ue$a consideravel
- valori$açao de tecnologia e e&uipamentos
- novos metodos e tecnicas de prospecç%o e investigaçao
Potencializaçao das aguas e termas
*as aguas minerais e de nascente"
- reali$açao de estudos "idrologicos para con"ecer e aproveitar mel"or os
recursos
- moderni$açao das industrias + aumentar a competetividade e garantir
&ualidade
*as estancias termais"
- alargamento do periodo de funcionamento das mesmas
- diversificaçao das ofertas
- criaçao de outras infra-estrturas de la$er e turismo
- aproveitamento energetico do calor das aguas
Potencializaçao dos recursos enrgeticos
- aumento da eficiencia energetica + atraves da racionali$açao do consumo
- produçao de energia a partir de fontes renovaveis e endogenas
- diversificaçao das fontes de energia + no &ue toca a parceiros
- prospecç%o de novas areas
Acção da atmosfera sobre a radiação solar
1adiação solar ) Energia proveniente do sol# &ue = recebida pela terra -R
factor essencial do ambiente
)o entanto# a distancia a &ue se encontra o sol da terra = tao grande &ue
apenas uma parte da radiaç%o solar atinge o limite e4terior da atmosfera.
0onstante solar ) Suantidade de energia &ue recebe# por segundo# cada
metro &uadrado de superficie da camada superior da atmosfera# e4posto
perpendicularmente ' radiaç%o solar.
Arande parte dessa energia = perdida at= c"egar ' superficie da terra. Os
processos atmosfericos &ue e4plicam essa perda da radiaç%o solar sao-
Absorçao- onde intervem o o$ono# &ue na atmosfera absorve grande parte da
radiaç%o ultravioleta. Mais responsaveis- vapor de agua# dio4 carbono# poeiras
e nuvens
.efle4%o- parte da rad solar = reflectida no topo das nuvens e na sup.
*errestre# em particular nas regi5es cobertas de gelo.
Bifus%o- intervKm os ga$es e particulas constituintes da atmosfera# dispersando
a rad solar. Apesar desta dispersao# uma parte acaba por atingir indirectamente
a sup terrestre + radiaç%o difusa.
1adiação glo$al" radiaçao total &ue atinge a sup da terra- constituida pela rad
directa + energia do sol recebida directamente e pela radiaçao difusa
Variabilidade da radiaçao solar em Portugal
(ma das maiores contibuiçoes da rad solar = o a&uecimento do nosso planeta#
sem o &ual a temperatura na terra seria negativa e a agua apenas e4istiria em
estado solido.
Ao ser absorvida pela terra# a rad solar converte-se em energia calorifica#
a&uecendo a sup terrestre. Esta ultima# por sua ve$# emite a mesma
&uantidade de energia &ue recebe# encontrando-se em e&uilibrio termico -R
relaç%o entre a energia recebida e a energia reflectida pela sup terrestre.
Efeito de estufa" e4plica o facto das temperaturas nocturnas n%o bai4arem
tanto &uanto seria de esperar# 3a &ue# durante a noite T "a radiaçao solar
*efice e Excesso energetico"
- regioes c1 defice energetico + situam-se entre os DEG e 9EG de lat norte e sul
- regioes c1 e4cesso energetico + situam-se entre os DEG ) e DEG S
Befice- ocorre por&ue a rad solar atravessa uma grande camada de atmosfera
obli&uamente e geralmente estas superficies sao de cor clara
E4cesso- ocorre por&ue a rad solar incide perpendicularmente nessas regioes e
atravessa uma menor camada de atmosfera
Movimento de translaçao- fa$ variar a inclinaç%o dos raios solares e a duraçao
dos dias e das noites# num mesmo lugar
Portugal" recebe M &uantidade de energia no solsticio de 3un"o + raios incidem
UVU
.ecebe + &uantidade de energia no solsticio de de$embro. .aios incidem mais
inclinados W e duraçao dia e menor.
Distribuição da temperatura em Portugal
A variabilidade sa$onal global &ue atinge o territorio portugues = bastante
acentuada.
Em portugal continental# os valores aumentam geralmente de norte para sul 6M
acentuado no inverno8 e sobretudo na regiao centro de oeste pa este 6M
acentuado no verao.8
;actores e4plicativos da variaçao da rad solar-
2atitude + regioes do sul# M &uantidade de rad. Solar# - inclinaçao
Pro4imidade do mar + influencia sobre a nebulosidade &ue regista regioes do
litoral com rad solar com menos intensidade.
E4posiçao das vertentes &ue influenciam a insolaçao-
Encostas soal"eiras + vertentes voltadas a sul# mais e4postas ao sol
Encostas umbrias + vertentes voltadas a norte# menos e4postas ao sol
Variação da temperatura
Isotermicas + lin"as &ue unem pontos de igual temperatura
*emperatura media em Portugal = de um modo geral amena apresentando
uma variaçao &ue acompan"a as estaçoes do ano.
A temperatura do ar esta directamente relacionada com a radiaçao global
incidente
0ontrastes regionais" Alem da oposiçao entre norte M frio e sul M &uente#
nota-se valores mais acentuados no interior e mais atenuados no litoral.
E4istencia tb de regioes de montan"a
&actores explicativos"
2atitude + a temp diminui a medida &ue aumenta a altitude
Altitude + a temp diminui a medida &ue aumenta a altitude
Bisposiçao do relevo + contribui para e4plicar a dif. *emperatura entre ) e S do
paFs
Pro4imidade e afastamento do mar + ar "umido e nebulosidade sao mais
notorias na fai4a litoral
Influencia maritima + perde-se em direç%o do interior# dependendo da disp do
relevo.
Il#as
Açores + T varia muito do continente- amplitude termica muito bai4a# depende
do relevo# e tem influencia maritima
Madeira + amp termica fraca + variaçao regional devido altitude e orientaçao
oeste + este do relevo
Turismo
.ad solar = um bom recurso &ue e aproveitado atraves do turismo. Atrai
anualmente grande numero de estrangeiros.
*urismo balnear + de verao 1 praia VV *urismo senior + dos paises cin$ntos norte
eurp
Energia solar , Portugal tem fortes potencialidades de utili$ar a energia
solar sob a forma de enrgia termica ou produçao de energia electrica.
2imitaçoes
- interrompida durante a noite
- grande investimento# materiais caros
- pro4imidade de centros urbanos -R redu$ despesas de transporte# mas no
litoral "a mais nebulosidade e redu$ as condiçoes de aproveitamento
.egiao com maior potencialidade- costa lisboeta e litoral algarvio
.egiao com menor potencialidade- litoral norte 1 centro 1 areas sombras e
altitude
A agua na atmosfera
A "umidade da atmosfera provem da evaporaçao e da evapotranspiraçao
Suanto mais elevada a temperatura do ar# maior a capacidade de absorver e
reter vapor de agua. E o inverso
* aumenta# "um abs aumenta
* aumente# PS aumenta
* aumenta# "um relativa diminui
>A- &uantidade de vapor de agua num metro cubico
PS + ponto em &ue o ar nao consegue conter mais vapor de agua
Factores que mais influenciam o clima em portugal
Principal + locali$açao geografica na $ona temperada do norte
Inverno + bai4as pressoes subpolares# massas de ar frio polares
- altas pressoes formadas sobre o continente
Ler%o + altas pressoes subtropicais 6anticiclone dos açores8 e massas de ar
tropical
Lentos do oeste + tanto no Inverno como no Lerao
Formação de frentes e a sua influencia no tempo
Portugal e afectado no inverno pelas bai4as pressoes subpolares &ue
geralmente se associam a precipitaçoes
;rente polar do "emisferio norte
Sup frontal + sup de separaçao de / massas de ar de caracteristicas diferentes
de temp e "umidade
;rente + lin"a de intersecç%o da sup frontal com a sup terrestre
. fria + avança o ar frio# introdu$-se debai4o do &uente# obrigando-o a subir
. &uente + ar &uente avança# sobrepondo-se gradualmente ao frio
A ascens%o do ar &uente provoca o seu arrefecimento# dando origem '
condensaçao do vapor de agua e formaçao de nuvens
Tipos de precipitaçao mais frequentes
&rontais ) resultam da ascens%o do ar &uente numa sup frontal
)a fria- a ascens%o do ar &uente = rapida e violenta# formando nuvens de
grande desenvolvimento vertical + precipitaçoes mais intensas do tipo
aguaceiros
)a &uente + a ascens%o do ar = M lenta# originando nuvens de
desenvolvimento "ori$ontal + precipitaçoes menos intensas mas continuas e de
maior duraçao
.egioes afectadas + norte de portugal continental + na altura do inverno
0onvectivas ) devido a um a&uecimento da terra# o ar torna-se mais &uente e
mais denso e sobe# formando bai4as press5es.
Ao subir o ar arrefece provocando condensaç%o do vapor de agua e formaçao
de nuvens de grande desenvolvimento vertical e curta duraçao + aguaceiros
.egioes afectadas + sul e interior de portugal + 6verao8
Orograficas
As montan"as constituem uma barreira de condensaçao# obrigam o ar a subir#
desencadeando o processo de arrefecimento# &ue condu$ ' condensaçao do
vapor de agua formando nuvens e precepitaçao
.egioes afectadas + $onas montan"osas principalmente do norte
Ritmo e distribuiçao da precipitaçao em portugal
A distribuiçao da precipitaçao caracteri$a-se por uma grande irregularidade#
tanto temporal como espacial.
Irregularidade anual + os valores da precipitaçao mais elevados ocorrerm no
final do outono at= ao inicio da primavera. .egistando-se os mais bai4os no
verao
Irregularidade interananual + de ano p ano + como as deslocaçoes em latitude
das bai4as pressoes subpolares e das altas pressoes subtropicais nao sao
iguais todos os anos# registam-se tambem diferenças significativas na
distribuiç%o interanual da precipitaçao.
Irregularidade na dist. Espacial.
Be um modo geral# a precipitaçao diminui de norte p sul e do litoral para
interior. )o noroeste e nas areas de montan"a# registam-se os valores mais
elevados de precipitaçao# ocorrendo os mais bai4os no vale superior do douro
e sul do paFs.
O contraste norte sul deve-se principalmente ' influencia da latitute# pois a
perturbaçao da frente polar afecta com maior fre&uencia o norte do pais#
en&uanto &ue o sul recebe uma maior influencia das altas pressoes
subtropicais pelo &ue e mais seco e luminoso
Diversidade climatica em Portugal
0lima temperado mediterranico com feiçao maritima ) norte do litoral
- temperaturas medias amenas ao longo do ano
- amp termica anual moderada ou fraca
- precipitaçao abundante# sobretudo no outono e inverno
- dois meses secos
0lima temperado mediterranico com feiçao continental ) norte interior
- temperaturas relativamente bai4as no inverno e altas no verao
- amplitude termica anual acentuada
- precipitaçao fraca
- , a D meses secos
0lima temperado mediterranico , em todo o sul do pais
- temp medias suaves no inverno e elevadas no verao
- amplitude termica anual moderada
- precipitaçao fraca
- D a ? meses secos
0lima de altitude ) serra da estrela e serra algarvia etc
- inverno mais rigoroso
- verao mais fresco
- precipitaçao elevada
- &ueda de neve no inverno nas terras mais altas
clima açores ,4 caracteristicas pro4imas do clima temp maritimo devido a
influencia do oceano
- temperaturas medias amenas ao longo de todo o ano
- amp termica anual fraca ou moderada
- precipitaçao abundante
- meses secos nunca superiores a / + apenas nas il"as mais a Este
clima madeira ,4 clima predominantemente mediterranico devido altitude mais
bai4a#
devido a orientaçao este-oeste do relevo# vertente norte M frio e M precipitaçao
vertente sul# M &uente e seca. Porto santo + temp altas# precp fraca# M meses
secos
Periodo seco estival ) con3unto de meses secos desde o final da primavera
ao inicio do outono em &ue o valor da precpitaçao e igual ou inferiorao dobro do
valor da temp media.
- O uma das caracteristicas mediterranicas &ue mais se evdencia no territorio
portugues. Provocado pela irregularidade na dist anual da precipitaçao# e4erce
grande influencia nas reservas "idricas tanto superficiais como subterraneas.
Disponibilidades hidricas
&actor condicionante ) precipitaçao
Apenas pe&uena parte do planeta constitui recursos "idricos disponiveis#
englobando-
- Aguas superficiais + rios# lagos# lagoas# albufeiras
- aguas subterraneas + 6ate !EEm de profundidade8 nascentes naturais# lençois
de agua etc
Bisponibilidades "idricas + &uantidade de agua disponivel + depende
essencialmente do volume de precipitaçao e da sua distribuiçao ao longo do
ano.
Em todo o pais as precipitaçoes sao irregulares# tanto no &ue respeita ao
volume anual como no &ue se refere ' sua distribuiçao ao longo do ano#
dificultando a gestao dos recursos "idricos# tanto mais &ue as maiores
necessidades se verificam na epoca de menor disp "idrica + verao.
Aguas superficiais
.ede "idrografica + con3unto formado pelo rio principal e seus tributarios
6afluentes e subafluentes.8 em portugal estes constituem importantes fontes de
agua utili$avel# uma ve$ &ue a rede "idrografica
apresenta uma densidade consideravel.
.ios &ue se destacam
2uso-espan"ois + douro 1 te3o 1 guadiana 1 min"o 1
lima
Portugueses + vouga 1 mondego 1 sado
Birecç%o + na maioria escoam para o atlantico no
sentido nordeste-sudoeste seguindo a inclinaçao
do relevo
E4cepçoes + guadiana ) para S VVV Sado S para )
0aracteristicas"
)orte + rede M densa# rios apresentam maior
declive ao longo do percurso e escoam vales mais
profundos
Sul + relevo mais aplanado torna os percursos dos
cursos de agua com menor declive e escoam em
vales mais largos.
!o longo do percurso" atravessam areas de
caracteristicas diferentes no &ue respeita a
altitude# formas de relevo e grau de dure$a das
roc"as essas caracteristicas influenciam-
Perfil longitudinal + lin"a &ue une varios pontos do fundo do leito dum rio ate a
fo$
Pefil transversal + lin"a &ue resulta da intersecç%o# num determinado ponto# de
um plano vertical com o vale# perpendicularmente ' sua direcç%o# normalmente
= definido por vale e pode apresentar , formas-
Em L + desgaste em profundidade# nascente
)ormal + transporrte# desgaste lateral
Aberto ou planicie aluvial + pro4imo da fo$ 1 deposiçao 1
Nas regioes autonomas ) os cursos de agua sao pouco e4tensos#
designando-se de ribeiras. Bevido ao relevo acidentado# apresentam um perfil
longitudinal com declive acentuado e# na sua maioria# os vales sao encai4ados
eem forma de L. os grandes desniveis levam a formaçao de muitas cascatas
acias hidrograficas!
Area drenada por uma rede "idrografica + em portugal continental e4istem
varias bacias. A mais e4tensa = a do rio te3o# e dos &ue nascem em portugal
sao as do sado# mondego e vouga.
Escoamento anual medio + parte da agua da precipitaçao &ue em media
escorre a superficie ou em canais subterraneos durante um ano numa bacia
"idrografica
Variaçao do caudal dos rios
*anto a precipitaçao como o escoamento sao mais elevados nas bacias
situadas a norte. *al como a precipitçao# o escoamento apresenta uma grande
irregularidade interanual.
Esta irregularidade reflecte-se no caudal + volume de agua &ue passa numa
dada secçao por unidade de tempo. + tanto espacial como temporal
A diferença entre os caudais de inverno e verao permite considerar &ue o
regime dos rios + variaçao do caudal ao longo do ano + = irregular
)orte + c"eias fre&uentes no inverno e inicio da primavera# com reduçao do
caudal no verao# mas spe c1 escoamento
Sul + c"eias pouco fre&uentes# reduçao acentuada do caudal no periodo seco
estival com alguns cursos de agua c"egando a secar
Il"as + inverno caudais com volume elevado e secas no verao. )os açores "a
menos variaçao por causa da c"uva continua
Influencia da acçao #umana
Influencia o regime dos rios# construindo barragens &ue-
- evitam c"eias na epoca de precipitaçao retendo agua nas albufeiras
- impedem &ue os rios se&uem completamente garantindo escoamento minimo
na epoca estival
efeitos negativos &ue agravam c"eias-
- obstruçao da lin"a de agua + pela construçao urbana &ue dificulta
escoamento
- impermiabili$açao dos solos + devido a pavimentaçao das ruas e construçao
+ impede as aguas de se infiltrarem aumentanto escoorrencia superficial
- destruiçao da cobertura vegetal + pelos incendios e pelo pastoreio intensivo#
aumentando o escoamento superficial e a &uantidade de materias arrstados na
agua
"agos#"agoas
.eservatorios de agua doce naturais &ue correspondem a depressoes de
pouca profundidade onde a agua se acumula.
Portugal + algumas lagoas# na fai4a litoral sendo a maioria de origem marin"o-
fluvial. Podem ter ou T contacto directo com o mar
Albufeiras
.eservatorios de agua doce construidos pelo "omem &ue potenciali$am as
disponibilidades "idricas pois permitem a acumulaçao de reservas para
abastecimento da populaçao e das actividades economicas# mesm em meses
secos
O relevo e a rede "idrografica tornam mais facil a construçao de barragens no
norte e centro
)o sul as albuferias contribuem mto para uma mel"or gestao da agua# no uso
domestico e agricola
Aguas subterraneas
Parte da precipitaçao infiltra-se nos solos# alimentando as reservas de agua
subterranea + agua &ue circula ou se acumula no subsolo
Assim a precipitaçao e a principal fonte de abastecimento das toal"as freaticas
+ lençois d agua subterranea &ue se acumulam ou circulam em a&uiferos +
formaçoes geologicas permeaveis cu3o limite e constituido por roc"as
impermiaveis.
A maior ou menor permeabilidade das roc"as condiciona a infiltraçao da agua
- formaçoes roc"as de 4isto granito basalto + pouco permeaveis e dificultam a
infiltraçao da agua e formaçao de a&uiferos
- roc"as sedimentares arenitos areias + bastante permeaveis e permitem a
infiltraçao de agua e formaçao de a&uiferos
- roc"as sedimentares de nature$a calcaria ou carsica + provocam abertura de
fendas e fissuras por onde a agua se infiltra. Origina-se uma toal"a carsica
Maciço antigo + menores desp "idricas# predominam 4istos e granitos
Orlas sedimentares + ro"as sedimentares e calcarias &ue permitem e4istencia
de a&uiferos porosos e carsicos com significativa disp "idrica
<acias do te3o e sado - M e4tenso sistema a&uifero da Piberica e ' mais
importante unidade idrogeologica do pais
$tili%açao das aguas subterraneas
Os a&uiferos apresentam vantagens relativamente aos reservatorios
superficiais
- n "a perda de agua pela evaporaçao
- n "a reduçao de dimensao# por efeito de deposiçao de sedimentos
- n e4igem custos de conservaçao
- menor poluiçao 1 tratamentos
0onsumo ) mais elevado nas bacias do douro# mondego e te3o# devido a
concentraçao de maior nG de aglomerados urbanos
)a maioria das bacias# a agua consumida e subterranea# com e4cepçoes no
sul
Manutençao , depende de-
- recargas naturais + agua &ue escoa atingindo a sup freactica
- intensidade da e4ploraçao
- cuidados com preservaçao
0aptaçao e deterioraçao ) o maior consumo e4ige &ue a agua se3a captada e
canali$ada em areas cada ve$ mais longe.
O fundamental &ue a captaçao se3a inferior ' produtividade para evitar
sobre4ploraçao + &uando acontece# e4istem riscos de deterioraçao# por ve$es
irreversiveis.
A deterioraçao pode ser provocada directa ou indirectamente por processos
naturais ou "umanos# sendo mais fre&uente a acç%o con3unta de ambos
Principais problemas no uso da agua
Poluiçao ) reflecte problemas e riscos ambientais &ue comprometem a
&uantidade e a &ualidade da agua disponivel. Estes problemas relaciona-se
com o crescimento do consumo e a sua poluiçao.
Efluentes domesticos + tem grande &uantidade de bacterias e virus e sao uma
grande fonte de pouluiçao dos cursos de agua.
Efluentes industriais + tem elevadas cargas to4icas. As aguas usadas sao
contaminadas com produtos &uimicos perigosos e descarregadas em grandes
&uantidades. M no 6vale do te3o e fai4a litoral entre v castelo e aveiro8
Efluentes da actividade pecuaria + grandes agentes poluidores de aguas
superficiais e subterraneas. Compoisçao1efeitos semel"antes aos domesticos.
Poluiç%o da actividade agricola + os produtos &uimicos pesticidas dissolvem-se
na agua da rega ou da c"uva e infiltram-se no solo contaminando e4tensas
areas.
Outros pro$lemas
Eutrofi$açao + causada pelo lançamento de detritos organicos &ue fa$em surgir
algas e outras especies vegetais &ue consomem o4igenio e e4tinguem a fauna
a&uatica
Salini$açao + resulta da e4ploraçao e4cessiva e permite a entrada de agua
salgada + ocorre principalmente nas $onas pro4imas do mar.
Besflorestaçao + ao dei4ar o solo nu# facilita a escorrencia superficial da agua
da c"uva diminuindo a infiltraçao o &ue compromete a recarga dos a&uiferos
Estes problemas levam a definiçao de varias $onas sensiveis onde se incluem
as respectivas bacias drenantes# onde as descargas residuais devem obedecer
a normas para conservar a &ualidade da agua.
Abastecimento e consumo de agua
O Abastecimento de agua = um problema &ue ainda subsiste# uma ve$ &ue
nem toda a populaçao tem acesso a esse serviço. + = um factor &ue a3uda a
e4plicar o facto de ser na (E o &ue apresenta menor consumo de agua de
abastecimento publico p1"ab
Em portugal + os maiores consumos e necessidades de agua apresentam-se
nas bacias de maior dimensao# com e4cepçao do rio gaudiana. O ;actor de
diferenciaçao mais importante e a forte ocupaçao "umana nessas bacias 3unto
do litoral.
Em todas as bacias as necessidades aindao sao superiores ao consumo +
populaçao servida pela rede publica esta a&uem dos niveis &ue se pretende +
9:X
Areas rurais - onde predominam o povoamento disperso# os custos da
instalaçao sao mais caros o &ue torna dificil a construçao de infra-estruturas.
Porem# a abundancia de agua no )O permite o auto-abastecimento atraves
furos e poços
Captaç5es de agua- a maior densidade de captaç5es subterraneas verifica-se
nas orlas sedimentares e na bacia do te3o e sado + areas de grande
produtividade a&uifera. Captaçoes superficiais no maciço antigo onde as disp
subterraneas sao menores.
&istemas de abastecimento
(ma gestao eficiente dos recursos "idricos implica a garantia do abastecimento
atraves do investimento em infra estruturas e da distribuiçao e&ulibrada entre
os difernetes utli$adores.
Essa gestao de abastecimento = da responsabilidade dos municipios e da
EPA2.
Porem# nem todo o pais abrange essas empresas. Elabourou-se entao um
plano estrategico de abastecimento &ue preve a criaçao de sistemas
plurimunicipais + &ue permitira alcançar a meta dos 9:X
'ontrolo da qualidadade da agua
*b = importante controlar a &ualidade da agua. )este aspecto tem-se registado
em portugal uma evoluçao muito positiva.
A rede de estaçoes de verificaçao de &ualidade da agua de superficie permite
caracteri$ar a agua relativamente as propriedades fisica &uimicas e biologicas.
Encontram-se nas $onas sensiveis# de pesca# e as origens da agua para
abastecimento. -R devera ainda ser alargado# cobrindo mais locais
Suanto as aguas subterraneas# e4iste uma rede de pontos de observaçao da
&uantidade de agua nos a&uiferos e outra de verificaçao de &ualidade.
Arma%enamento de agua
Em portugal# a grande irregularidade dos factores condicionantes da
continuidade dos cursos de agua# dificultam a sua gestao. Assim# = necessario
e&uacionar as possibilidades de arma$enamento de agua doce# atraves da
construçao de barragens cu3as albufeiras possam garantir a sua distribuiçao no
tempo e espaço.
As bacias "idrograficas internacionais tKm grande numero de albufeiras e
grande capacidade de arma$enamento.
O necessario fa$er estudos previos e planeamento ade&uado e outras acç5es
de ordenamento do territorio pY a construçao e demorada# dispendiosa e tem
impactos ambientais e na vida das pessoas.
Embora o estado ten"a autoridade ma4ima na gestao dos rec. >idricos# =
necessario "aver debates M discussao e decisao
As barragens sao factor importante em $onas onde as disp "idricas sao mais
escassas. Estas permitem tb outro tipo de gestao de agua- transvases +
transferencia de reservas "idricas entre diferentes bacias# de modo a fa$er uma
redistribuiçao espacial da agua.
Embora se3a polemica# pois pode ter implicaçoes negativas. + reduçao do
escoamento e perdas de agua por causa da evaporaçao e infiltraçao.
Tratar e preservar os recursos hidricos
Apesar de ser um recurso renovavel# a e4ploraçao e4cessiva e a poluiçao
tornam a agua impropria.
Por isso as redes de drenagem e tratamento de aguas residuais desempen"am
um papel fundamental na protecç%o e conservaçao dos recursos "idricos. *em
tido uma evoluçao positiva mas ainda "a muito por fa$er.
)a maioria dos concel"os do interior e lisboa a percentagem servida por redes
de drenagem = superior a ?:X. En&unto no litoral norte a maioria dos
concel"os tem fraca ta4a de atendimento. O tipo de povoamento a3uda a
e4plicar esta diferenciaçao
A rede de sistema de aguas residuais E*A.@s esta menos desenvolvida com
muitos concel"os com menos de /:X de popuiaçao com este serviço
Plano + Plano Estarategico de abastecimento de agua e saneamento de aguas
residuais preve o alargamento ate 9EX. Para alcançar fa$ grandes
investimentos e cria sistemas pluromunicipais para gestao desses serviços.
Outras medidas para preservaçao dos recursos "idricos
- regulamentaçao e fiscali$açao + do lançamento de efluentes
- aplicaçao do principio poluidor-pagador + pagamento de multas
- incentivos as empresas para a reconversao da tecnologia + tornar M ecologica
- co-responsabili$açao dos diferentes agentes economicos
Planear para gerir( preservar e potenciali%ar
A gestao implica planeamentos cuidadosos e coordenaçao e esforços a nivel
nacional. Importante passo na gestao + conclusao do P) da agua e dos Planos
de <acia "idrografica.
*odos os planos e programas &ue definem a Politica )acional da Agua
permitirao-
- Mel"or con"ecimento das disponibilidades e potencionalidades "idricas
- Mel"or distribuiçao e uso da agua
- protecç%o conservaçao e re&ualificaçao dos recursos "idricos
- estabelecimento de um &uadro estavel de relacionamento com a espan"a +
no &ue respeita a rios internacionais
- gestao dos recursos "idricos em aticulaçao com os restantes se4tores de
ordenamento do territorio
O caso especifico das albufeiras# estrategicamente = outro elemento a ter
importancia. Beverao ser elaborados planos de ordenamento das albufeiras
POA + compreendem uma area na &ual se integra o plano de agua e a $ona
envolvente de protecç%o.
A gestao planeada permite a adopçao de medidas de potenciali$açao como-
- aumento da capacidade de aprovisionamento
- a organi$açao e rendibili$açao dos sistemas de abastecimento publico
- controlo da &ualidade da agua atraves de sistemas de monitori$açao
- tratamento das aguas residuais antes do seu retorno aos meios "idricos
- regulamentaçao de actividades associadas aos meios "idricos + navegaçao
la$er
- reabilitaçao da rede "idrografica de forma integrada promovendo a &ualidade
ambiental e o desenvolvimento socio economico
'ooperaçao internacional
A convençao luso espan"ola obriga ambos os paises a uma actuaçao de
respeito e cooperaçao# bem como definirem caudais minimos# parametros de
&ualidade das aguas# situaçao das albufeiras etc. Contudo# ainda nao e4iste
regulamentaçao sobre as normas concretas da actuaçao. E4emplo + os
caudais minimos nao definidos desfavorecem portugal.
A solidariedade na gestao dos recursos "idricos comuns = uma atitude c"ave
tanto no &ue respeita as negociaçoes entre portugal e espan"a como no &ue se
refere a partil"a da agua entre as diferentes regioes de cada pais.
Racionali%ar o consumo de agua! forma de preservar
;oi elaborado o Programa )acional para o (so Eficiente da Agua &ue aponta
para uma maior racionali$açao do consumo da agua# de modo a aumentar a
eficiencia da sua utili$açao.
E4istem desperdicios em todos os sectores# por perdas# devido a utili$açao de
tecnologia deficiente ou desade&uada# e ainda por atitues e comportamentos
&ue provocam gastos desnecessarios.
Na agricultura , actividade &Ze gasta mais agua + pode-se evitar
desperdicios-
- no transporte de agua + atraves de condutas fec"adas
- na irrigaçao usando tecnicas de rega mais eficientes
- com a selecç%o de culturas adoptadas as caracteristicas climaticas
- pela reutili$açao de agua tratada
Na industria, pode ser racionali$ado atraves-
- da utili$açao de tecnologias mais eficientes + &ue evitem a perda na produçao
- do uso da mesma agua para fins diferentes +
- da instalaçao de sistemas de tratamento das aguas residuais &ue permitam a
sua reutili$açao
No sector ur$ano ) usos domesticos e empresas de comercios e serviços #
uma maior eficiencia no uso da agua pode ser conseguida atraves-
- da utili$açao de ma&uinas com possibildade de dosear a carga
- da criaçao de "abitos pessoais &ue evitem desperdicios
- da colocaçao de autociclismos com menor volume de descarga# ou com
descrga de dupla capacidade
- do cuidado em manter os e&uipamentos em boas condiçoes 6torneiras#
ma&uinas8
- da reutili$açao de agua tratada nos autoclismos e na rega de 3ardins
Potencialidades do litoral
O mar constitui para Portugal uma importante fonte de recursos# alguns ainda
por potenciali$ar e &ue importa con"ecer e preservar
Ao longo do litoral desenvolvem-se muitas actividades &ue implicam a
utili$açao do mar como recurso# nomeadamene a pesca# a a&uicultura# a
ae4tracç%o de sal# bem como actividades de turismo# la$er e recreio# entre
ouras.
O litoral e4erce tambem uma poderosa atracç%o sobre a industria# o comercio e
os serviços em geral# principalmente pela acessibilidade &ue proporciona# o
&ue leva ao desenvolvimento das actividades portuarias.
)os ar&uipelagos da madeira e dos açores# para alem de assegurar a
subsistencia de muitas comunidades litorais# o mar constitui a unica via de
contacto fisico entre as diversas il"as e destas com o resto do mundo.
0aracteristicas da lin#a de costa
Com cerca de D:EYm de e4tensao# a costa portuguesa apresenta uma
configuraç%o linear e pouco recortada. O aspecto da lin"a de costa depende#
sobretudo# das caracteristicas das formaçoes roc"osas &ue se encontram em
contacto com o mar e da intensidade da erosao marin"a.
No litoral portugues# verifica-se uma predominancia da costa de arriba#
tal"ada nos afloramentos roc"osos de maior dure$a# &ue se paresenta ora alta
e escaropada ora mais bai4a. A costa de praia# bai4a e arenosa# ocupa uma
menor e4tensao do litoral# &uer no Continente &uer nas .autonomas# cu3a
nature$a vulcanica e4plica a predominancia de costa de arriba.
Os dois tipos de costa alternam de forma irregular. Be modo geral# nas areas
onde as roc"as &ue contactam com o mar sao de maior dure$a + granito 4isto e
calcario de formaçao recente + a costa = de arriba. !s arri$as sao mais altas
onde predomina calcario-
- desde a na$are ate a fo$ do rio te3o
- entre o Cabo Espic"el e a fo$ do .io Sado
- do Cabo de sines ao cabo de S.vicente
- <arlavento Algarvio
No litoral norte a lin"a de contacto com o mar apresenta-se
predominantemente bai4a# devido a e4istencia de uma estreita fai4a de costa
de emersao# dando origem a pe&uenas reentrancias e algumas praias
No litoral $aixo# o mar contacta com roc"as mais brandas# como arenitos e
argilas# sendo possivel encontrar reentrancias propiciasa deposiçao de areias.
Acontece nas fai4as costeiras entre-
- Espin"o e S. Pedro de Moel
- Estuario do rio te3o
- fo$ do rio sado e cabe de sines
- Satavento algarvio
! acção do mar so$re a lin#a da costa
O mar e4erce sobre a lin"a da costa uma acç%o de desgaste# transporte e
acumulaçao de materiais roc"osos designada por erosao marin"a
Este desgaste e provocado pela força das ondas 6enrgia cinetica8 &ue# com o
seu movimento# provocam a fragmentaçao das roc"as
Esta acç%o = reforçada pela areia e fragmentos roc"osos arrancados as roc"as
do litoral ou transportados pelas correntes maritimas ou pelos rios ate ao mar.
Estes materiais# pela acçao das ondas# sao pro3ectados contra as formaçoes
roc"osas do litoral &ue sofrem assim uma intensa erosao mecanica + abrasao
marin"a
Esta acç%o de desgaste = mais intensa 3unto das arribas e condu$ ao seu
progressivo recurso.
A acçao do mar sobre a lin"a da costa con3ugada com a deposiçao de
sedimentos marin"os e fluviais# deu origem a algumas areas do litoral com
caracteristicas proprias na costa portuguesa + acidentes do litoral
!s rias de aveiro e &aro
! ria de aveiro = uma laguna separada do mar por uma espessa restinga +
cordao arenoso &ue resultou da acumulaçao de sedimentos transportados
pelas correntes maritimas do Louga
! ria &ormosa ou de &aro resultou da acumulaçao de materiais transportados
pela deriva litoral &ue corre de oeste para leste. O tb uma area lagunar na parte
mais poeminente do litoral algarvio# &ue se encontra igualmente separada do
mar por uma restinga.
Assumem grande importancia no litoral portugues# pela ri&ue$a e variedade de
recursos disponiveis.
Os estuarios do Te5o e do sado
A fo$ destes rios constituiem os unicos recortes verdadeiramente acentuados
no litoral portugues# ra$ao pelo &ual se deu a origem dos principais portos. Os
seus estuarios + areas da fo$ dos rios &ue desaguam directamente no mar e
onde a influencia das correntes e das mares = importante por constituirem
$onas "umidas de grande ri&ue$a ecologica onde e4istem reservas naturais.
Outros acidentes do litoral
Conc"a de sao martin"o do porto + pe&uena baia com uma estreita abertura
para o mar. Outrora um grande golfo# foi redu$indo a sua dimensao devido a
acumulaçao de sedimentos marin"os.
*ombolo de Penic"e + = um istmo &ue se formou pela acumulaçao de materiais
arenosos transportados pelas correntes maritimas# unindo o &ue era uma
pe&uena il"a ao continente
Cabos + encontram-se tambem ao longo da costa portuguesa e constituem
saliencias tal"adas em formaçoes roc"osas de maior resistencia# geralmente
em areas de costa alta e roc"osa.
3ocalização dos principais portos
Os portos locali$am-se geralmente no flanco sul dos cabos. Por e4emplo# o
porto de Penic"e locali$a-se a sul do cabo carvoeiro
Apesar de e4tensa# a costa maritima e pouco cortada e# como tal# pouco
abrigada dos ventos e muito abatida pelas vagas. Beste modo n e4istem boas
condiçoes naturais para a instalaçao de portos maritimos# o &ue levou a
construçao de abrigos e portos arteficiais.
Principais factores 'ue influenciam os recursos piscatorios
A abundancia de pei4e e influenciada pelas condiçoes de
- temperatura
- iluminaçao
- salinidade
- o4igenaçao das aguas de &ue depende a e4istencia de maior ou menor
&uantidade de plancton vegetal 6fitoplancton8 ou animais 6$ooplancton8 + dos
&uais muitas especies se alimentam
estas condiçoes dependem da profundidade das aguas e das correntes
maritimas
Plataforma continental ) e4tensao da placa continental &ue se encontra
submersa e cu3a profundidade nao ultrapassa os /EE metros + aF as aguas-
- sao pouco profundas# o &ue permite uma maior penetraçao de lu$
- sao mais agitadas e por isso mais ricas em o4igenio
- possuem menor teor de sal# devido a agitaçao e ao facto de receberem as
aguas dos rios
- sao mais ricas em nutrientes devido ao o4igenio e lu$ e formaçao de plancton
Por isso a &uantidade e diversidade de fauna marin"a sao maiores nestas
areas
*Km apenas EX dos fundos marin"os mas representam !EX das capturas
dos "omens. Por outro lado = la &ue se depositam os residuos fluviais com
perigo para a fauna
O &uase ine4istente nos ar&uipelagos devido a origem vulcanica dos mesmos
0orrentes maritimas
As correntes maritimas + deslocaçoes de grandes massas de agua
individuali$adas pelas suas caracteristicas de temperatura e densidade + sao
tambem favoraveis a abundancia do pescado# principlamente na area da
confluencia de uma corrente fria e uma corrente &uente. As aguas agitadas
proporcionam a renovaçao da agua e do plancton e renovaçao dos stocYs.
)os meses de Lerao# a nortada + ventos fortes de norte + sopra 3unto ao litoral#
provocando o afastamento das aguas superficiais para o largo.
Aera-se uma corrente de compensaçao + aguas profundas ascendem a
superficie para substituir as &ue foram afastadas pelo vento + provocando uma
maior agitaç%o das aguas e diminuiçao da temperatura.  (p[elling
Esta ascendencia fa$ ascender a superficie grandes &uantidades de nutrientes#
atraindo os cardumes. + sardin"a e carapau no verao
*e 'uem e o mar"
Mar *erritorial - águas &ue se encontram at= / mil"as dos limites e4teriores da
costa e sobre os &uais o paFs e4erce soberania.
\ona ContFgua - $ona de mar alto entre as /1/D mil"as# na &ual o Estado pode
e4ercer fiscali$aç%o para prevenir ou repirmir infracç5es 's suas leis.

Em !/ definiu-se a \ona EconImica E4clusiva + \EE + área &ue se prolonga
at= 's /EE mil"as da costa# onde o respectivo Estado costeiro pode e4ercer o
seu direito de soberania. Esse Estado tem o direito a e4plorar# investigar#
conservar# gerir e defender de &ual&uer PameaçaQ# como por e4emplo a
poluiç%o.
]guas internacionais - n%o s%o de ningu=m mas tamb=m n%o podem usufrir
dessas águas &ual&uer um# pois e4istem organi$aç5es prIprias &ue gerem
isso.
! importancia da pesca
Esta continua a ter alguma relevancia# sobretudo nas areas costeiras# onde
assume# por ve$es# um papel importante a nivel local# dela dependendo
diversas comunidades piscatorias.
O peso da actividade piscatoria na economia nacional# incluindo as actividades
da industria transformadora e da a&uicultura# tem vindoa decrescer.
A populaçao empregada neste sector tem vindo tambem a diminuir# nao
ultrapassando E.:X da pop activa# o &ue se prende com a resstruturaçao do
sector# tanto ao nivel da frota de pesca como da industria de transformaçao do
pescado.
Principais areas de pesca
Besde a adesao a (E # portugal beneficiou dos acordos de pesca celebrados
entre a (E e paises terceiros. Bestacam-se a captura de em aguas de Atlantico
)orte# Atlantico )oroeste# Atlantico Centro e Atlantico Sudeste e Sudoeste#
areas onde sao capturados bacal"au# pescada# atum# gamba# etc.
&rota de Pesca
Em$arcaç6es da pesca local
- pe&uenas dimensoes
- construidas em madeira
- aguas perto da costa# ate ? e E mil"as
- artes de pesca diversificadas
- curtos periodos de tempo no mar
Em$arcaçoes da pesca costeira
- Actividade para lá das ? mil"as de distancia da costa
- Podem operar em areas para la da \EE nacional
- detem meios de conservaçao do pescado
- mais potencia e autonomia &ue a frota local
- permanecem no mar at= / e , semanas
Em$arcaç6es da pesca do largo
- grandes dimensoes
- para la das / mil"as# aguas internacionais e \EE estrangeiras
- podem estar longos meses no mar
- tecnicas de captura e detecç%o de cardumes atraves de tecnologias mel"ores
- tecnologias de transformaçao# conservaçao e congelaçao do pescado
O numero de embarcaçoes tem vindo a diminuir# deve-se ao facto de-
- Criaçao das \EE
- instabilidade politica em alguns paises cu3as aguas actuava a frota portuguesa
- aumento das restriçoes em areas onde portugal tradicionalmente e4ercia esta
actividade
Apesar da reduçao ddo numero de embarcaçoes de pesca local# constata-se
um aumento da potencia motri$# o &ue significa mais e mel"ores motores
instalados. Este = um dado positivo# por&uanto a frota local = a mais
significatia.
1epartiçao regional
A regiao com maior numero de embarcaçoes registadas = de lisboa e vale do
te3o# seguida do algarve# pelo facto de terem mais portos. O numero de
embarcaçoes tem vindo a diminuir em &uase todas as regioes# sendo no
algarve a &ueda &ue mais se fe$ sentir# embora mel"orando as caracteristicas
das suas embarcaçoes. Em lisboa e vale do te3o "ouve perda na tonelagem e
potencia das embarcaç5es.
Especies capturadas
)os ultimos anos tem vindo a verificar-se uma reduçao acentuada da
&uantidade de pescado descarregada nos portos nacionais# embora se
constate um ligeiro aumento da &ue prov=m de pes&ueiros e4ternos.
Esa diminuiçao tem-se reflectido nos nossos stocYs
As principais especies capturadas nos portos de maior pescado + Matosin"os#
penic"e# portimao + sao-
- sardin"a
- carapau
- polvo
- pei4e espada preto
- cavala
Mao de o$ra
Maioritariamente masculino# o grupo de profissionais da pesca caracteri$a-se
por um peso importante nos niveis etarios mais elevados.
A idade elevada de uma boa parte da populaçao empregada na pesca a3uda a
e4plicar o redu$ido nFvel de escolaridade- a maioria apeas fre&uentou o
primeiro ciclo um numero significativo nao tera se&uer fre&uentado a escola
A integraçao na Politica comum das pescas teve efeitos ao nivel da formaçao
profissional. Para incentivar o re3uvenescimento e a &ualificaçao# foram criados
centros de formaçao nos principais portos do pais.
)ao tem sido acompan"ada com grande interesse por parte dos pescadores.
Este decrescimo pode estar relacionado com-
- condiçoes pouco aliciantes da actividade# nomeadamente para os 3ovens &ue
nao se sentem atraidos para este tipo de trabal"o
- crise do sector
- apoios insuficientes para a fre&uencia de acç5es de formaçao para
profissionais no activo.
Infra,estruturas portuarias
Para &ue a actividade piscatoria se possa desenvolver# = necessario &ue
e4istam em terra# infra-estruturas &ue permitam efectuar as descargas do
pescado de forma rapida e "igienica# a sua conservaçao e um bom
escoamento no mercado.
*em-se vindo a fa$er um esforço de moderni$açao no sentido de apro4imaç%o
aos padroes europeus.
A fiscali$aç%o do cumprimento das regras de captura e "igiene foram
mel"oradas# sendo controladas permanentemente por profissionais
Os apoios comunitarios tem-se revelado importantes# sobretudo no &ue di$
respeito aos e&uipamentos de apoio nos principais portos. Alguns portos de
pesca encontram-se 3a e&uipados com camaras frigorificas# tuneis de
congelaçao e fabricas de gelo# para apoio as actividades de comerciali$açao.
Muitos disponibili$am instalaçoes mel"ores como- escritorios# arma$ens#
abastecimento de combustiveis# restaurantes etc
!'uicultura
- cultura de especies a&uaticas em ambientes controlados pelo "omem# tanto
em agua doce com em agua salgada + constitui uma alternativa as formas
tradicionais de abastecimento do pescado# permitindo diminuir a pressao sobre
os recursos piscicolas marin"os e em conse&uencia a recuperaçao dos stocYs.
Permite tb a produçao de pei4es em vias de e4tinçao.
A &uantidade de recursos produ$idos em a&uicultura tem vindo a aumentar#
sobretudo nos establecimentos de aguas salgadas# embora ten"a fraca
representatividade no volume total de produçao de pescado fresco
E4istem estabelecimetnos &ue funcionam como unidades de reproduçao e
outros como unidades de crescimento1engorda podendo ser tan&ues#
estruturas flutuantes ou viveiros.
! industria transformadora da pesca
*al como a a&uicultura# a industria transformadora dos produtos da pesca#
incluida neste sector# manteve algum dinamismo# numa adaptaçao ' evoluçao
dos mercados
0onservas e semiconservas
O um dos mais importantes# &uer pela imagem de tradiçao e bem-fa$er &uer
pela importancia &ue detem na balança comercial dos produtos de pesca
A produçao baseia-se na sardin"a# no atum e na cavala# sendo a sardin"a o
principal produto e4portado# en&uanto o atum = o mais consumido no mercado
interno. )o segmento das semiconservas# o bi&ueir%o = a especie mais
importante.
0ongelados
A preparaçao e a transformaçao de pescado congelado constitui o vector mais
recente da industria de produtos de pesca# e tende a afirmar-se como um dos
mais importantes. Os produtos congelados. + sao cada ve$ mais fre&uentes no
consumo das familias pela sua adaptaçao as caracteristicas da vida moderna e
pela segurança alimentar &ue proporcionam
Este sector assum-se como complemento da actividade piscatoria nacional#
pois absorve tambem uma parte importante da materia prima de origem
nacional
(alga e secagem
Este sector tem tambem uma implantaçao tradicional no nosso pais# na
dependencia &uase e4clusiva do bacal"au
Portugal = o maior consumidor de bacal"au salgado seco do mundo# &ue
representa cerca de metade do consumo de pescado nacional. A noruega = o
principal fornecedor de materia prima
Outras actividades
E4istem ainda outras actividades &ue se dedicam a transformaçao dos
produtos da pesca. O o caso dos pre co$in"ados ou da fumagem. *em vindo a
implantar-se valori$ando especies como o espadarte e produtos da a&uicultura.
*ependencia do exterior
A reduçao das capturas# tanto em aguas nacionais como em pes&ueiros
e4ternos# con3ugada com a tradicional apetencia dos Portugueses para o
consumo de pei4e# contribuem para o crescimento das importaçoes. A
produçao nacional apenas consegue satisfa$er metade das necessidades do
mercado.
Pro$lemas e soluçoes
A intensa litorali$açao tem condu$ido a impactes negativos &ue podem
observar-se ao longo da costa.
(o$reexploraçao dos recursos
A poluiçao maritima afecta os recursos piscatorios das nossas aguas# mas a
sobree4ploraçao = a principal causa da sua reduçao. A pesca portuguesa ao
incidir em pes&ueiros situados a curta distancia da costa e na e4ploraçao de
um redu$ido numero de especies# tem condu$ido a progressiva diminuiçao dos
stocYs
O fundamental desenvolver a investigaçao no dominio da gestao dos recursos.
Em con3ugaçao com a Politica comum das pescas# foram estabelecidas
medidas de protecç%o para as principais especies capturadas em Portugal#
destacando-se-
- estabelecimento de &uotas de pesca + &uantidade ma4ima de pesca
permitida em funçao de especie
- implementaçao de novos taman"os minimos de desembar&ue
- estabelecimento de restriçoes nas capturas
Poluiçao das aguas
A poluiçao das aguas costeiras em Portugal deve-se a actividade portuaria# as
cargas elevadas de nutrientes# pesticidas e outros produtos &uimicos
provenientes da escorrencia dos terrenos agricolas e a descarga de aguas
residuais industriais e domesticas por ve$es nao tratadas.
Os derrames de petroleo constituem a principal ameaça# resultando em mares
negas.
A enorme e4tensao da \EE portuguesa dificulta o controlo do nosso espaço
maritimo. Por isso# o reforço da capacidade de vigilancia = um factor
fundamental para a optimi$açao dos recursos marin"os e para a sua
sustentabilidade.
Pressao ur$anistica
A degradaçao da paisagem litoral# com a construçao desordenada# tem
dei4ado marcas em todo o litoral portugues# colocando em risco o seu e&uilibrio
Causas da degradaçao do litoral portugues-
- diminuiçao da &uantidade de sedimentos &ue atingem a costa + devido a
acç%o das barragens e e4tracç%o de areias dos rios
- pressao "umana sobre as dunas
- construçao sobre as arribas + aceleram o seu recuo e desmoronamento
- subida do nivel medio das aguas do mar + provocada pelo a&uecimento
global
A configuraçao rectilinea da nossa costa fa$ com &ue esta se3a e4posta a
acç%o erosiva do mar e dos ventos dominantes de oeste.
!ctividades de lazer e exploraçao da Natureza
As inegaveis capacidades turisticas de todo o litoral portugues# potenciali$adas
pela amenidade do clima# condu$iram a um acentuado desenvolvimento do
turismo de sol e praia no nosso Pais# a partir da decada de ?E. Esta e4plosao
turistica teve conse&uencias nefastas# em particular na regiao do algarve# por
nao ter sido acompan"ada de um pro3ecto de desenvolvimento sustentado
A grande concentraçao de turistas na epoca balnear tem condu$ido a uma forte
pressao ambiental sobre o litoral.
O importante &ue a actividade turistica continue a desenvolver-se# mas de uma
forma sustentavel# preservando e valori$ando os recursos ambientais e
turisticos do litoral. Para tal devem ser desincentivadas as acç5es &ue implicam
a sobrecarga de regioes &ue 3a se encontram saturadas# ou a ocupaçao de
areas sensiveis# do ponto de vista ambiental
POO0
Atendendo a importancia &ue o litoral assume e aos problemas &ue o afectam#
= fundamental &ue se tomem medidas# nomeadamente ao nivel legislativo e
tecnico# &ue permitam mel"orar e proteger a fai4a costeira.
Os POOC foram definidos# visando planear de forma integrada os recursos do
litoral.
*ratam-se de planos &ue se encontram em articulaçao com outros planos de
orddenamento de territorio como os planos directores municipais PBM.
*Km como ob3ectivos-
- ordenamento dos usos e actividades especificas da fai4a costeira
- classificaçao# valori$açao e &ualificaçao das praias estrategicas
- en&uadramento das actividades especificas da fai4a costeira
- defesa e conservaçao da nature$a
- racionali$ar a construçao na orla costeira
A implementaçao destes planos permitiu a inventariaçao das areas de risco#
das areas onde = necessaria a intervençao em arribas# etc.
7alorizaçao e potencializaçao de outros recursos"
- produçao de energias renovaveis + a partir das ondas e mares e ventos
- e4ploraçao de minerais e "idrocarbonetos
- preservaçao da ri&ue$a patrimonial# ar&ueologica e cientifica
- e4tracç%o de sal
- recol"a de algas
- dessalini$aç%o + permite retirar o sal da agua salgada e torna-la potavel