You are on page 1of 33

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE AMERICANA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL




GISLAINE RIBEIRO VENZEL
JOSÉ CLAUDIO ALVAREZ JUNIOR
PABLO PIRES DE OLIVEIRA




SEMINÁRIO DE GESTÃO AMBIENTAL
COCA COLA E AMBEV









AMERICANA/SP
SETEMBRO DE 2013
FACULDADE DE TECNOLOGIA DE AMERICANA
CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL




GISLAINE RIBEIRO VENZEL
JOSÉ CLAUDIO ALVAREZ JUNIOR
PABLO PIRES DE OLIVEIRA




SEMINÁRIO DE GESTÃO AMBIENTAL
COCA COLA E AMBEV

Trabalho de Gestão Ambiental sobre as
empresas Coca Cola e Ambev, visando suas
ações para contribuir com o meio ambiente.
Orientador: Renato Willian M. de
Oliveira






AMERICANA/SP
SETEMBRO DE 2013
Resumo
Este trabalho propôs uma análise às ações de sustentabilidade e gestão
ambiental das empresas Coca Cola e Ambev com base nas aulas da disciplina
de Gestão Ambiental.
Foram analisados dados como normas de qualidade e gestão ambiental,
projetos sociais, inovações tecnológicas, métodos de reaproveitamento ou
reuso de materiais e matérias-primas, reciclagem ou tratamento adequado de
resíduos e retorno dos investimentos realizados pelas empresas.
Levou-se em conta também os problemas ambientais causados por
acidentes ou descaso das empresas em questão, suas consequências e a
melhor maneira de reverter os danos ao meio ambiente.


Sumário
Introdução ........................................................................................................... 5
ISO ...................................................................................................................... 6
Ambev ................................................................................................................. 9
Movimento Cyan ............................................................................................. 9
Projeto Bacias ............................................................................................... 10
Projeto Fazenda Guaraná ............................................................................. 12
Programa Ambev Recicla .............................................................................. 13
Fábrica Verde ................................................................................................ 13
CO
2
................................................................................................................ 14
PET 100% Reciclada .................................................................................... 15
Coca Cola ......................................................................................................... 16
Viva Positivamente ........................................................................................ 16
Água .............................................................................................................. 17
Projeto Água das Florestas ........................................................................... 20
Programa de Proteção da Camada de Ozônio.............................................. 21
Geladeiras Sustentáveis ............................................................................... 21
Tratamento de Resíduos Industriais .............................................................. 22
3Rs das Embalagens .................................................................................... 22
Projeto Reciclou Ganhou .............................................................................. 24
Plantbottle ..................................................................................................... 25
Problemas ambientais ...................................................................................... 26
Ambev e o rio Parnaíba (Piauí) ..................................................................... 26
Coca Cola e o albatroz da Austrália .............................................................. 26
Considerações finais ......................................................................................... 27
Bibliografia ........................................................................................................ 28
ANEXO A - Leis, Regulamentos e Normas Ambientais .................................... 29
5
Introdução
O presente projeto foi realizado a partir de informações das empresas Coca
Cola e Ambev, líder e vice-líder, respectivamente, na produção e distribuição de
bebidas (alcoólicas, refrigerantes e bebidas não carbonatadas) no Brasil e no
mundo. Foram necessários os conhecimentos adquiridos em sala de aula, além de
pesquisas bibliográficas sobre gestão ambiental e sustentabilidade.
Primeiramente, será apresentada a norma ISO e sua importância para a
implementação da gestão de qualidade e ambiental dentro das empresas. Além de
especificar os requisitos para se obter o certificado e seus benefícios para as
empresas e para a sociedade.
Em seguida, será exposto um breve resumo sobre a Ambev como número de
vendas, lucro,número de funcionários e histórico da empresa. Depois serão listadas
e explicadas as ações que a empresa desenvolve ou apoia através de sua divisão
de sustentabilidade. Também serão informados os retornos que essas ações
representam para a empresa.
Logo após essas informações e dados, será a vez de analisar a Coca Cola.
Como na análise da Ambev, será exposto um breve resumo sobre a empresa. Então
serão levantadas as iniciativas sustentáveis que a Coca realiza ou apoia.
Então serão mostrados dois casos de descaso com o meio ambiente, um de
cada empresa, demonstrando que nem sempre as empresas têm interesse em
gastar mais para seguir a legislação ambiental.
Por fim serão feitas as considerações finais sobre os assuntos apresentados
e os dados levantados, além da bibliografia utilizada na realização do trabalho.

6
ISO
ISO é a sigla de International Organization for Standardization, ou
Organização Internacional para Padronização, em português. A ISO é uma entidade
de padronização e normatização, e foi criada em Genebra, na Suíça, em 1947.
A ISO tem como objetivo principal aprovar normas internacionais em todos os
campos técnicos, como normas técnicas, classificações de países, normas de
procedimentos e processos, e etc. No Brasil, a ISO é representada pela ABNT
(Associação Brasileira de Normas Técnicas).
A ISO promove a normatização de empresas e produtos, para manter a
qualidade permanente. Suas normas mais conhecidas são a ISO 9000, ISO 9001,
ISO 14000 e ISO 14064. As ISO 9000 e 9001 são um sistema de gestão de
qualidade aplicado em empresas, e as ISO 14000 e ISO 14064 (sobre os gases de
efeito estufa) são um sistema de gestão ambiental.

 ISO 14000 e 14001
A ISO 14000 é um conjunto de normas que definem parâmetros e diretrizes
para a gestão ambiental para as empresas em geral, estas normas foram definidas
pela Organização Internacional para Padronização. A norma ISO 14000 foi criada
para diminuir o impacto provocado pelas empresas no meio ambiente.
Muitas empresas utilizam recursos naturais, geram poluição ou causam danos
ambientais através de seus processos de produção, seguindo as normas da ISO
14000, estas empresas podem reduzir significativamente estes danos ao meio
ambiente, protegendo o mesmo e reduzindo seus custos de operação; podem
também eliminar riscos de violação da já extensa legislação ambiental e adquirirem
vantagens no mercado.
A ISO 14001 é uma norma internacionalmente aceita que define os requisitos
para estabelecer e operar um Sistema de Gestão Ambiental. A norma reconhece
que organizações podem estar preocupadas tanto com a sua lucratividade quanto
com a gestão de impactos ambientais. A ISO 14001 integra estes dois motivos e
provê uma metodologia altamente amigável para conseguir um Sistema de Gestão
Ambiental efetivo. Na prática, o que a norma oferece é a gestão de uso e disposição
de recursos. É reconhecida mundialmente como um meio de controlar custos,
reduzir os riscos e melhorar o desempenho.
7
Não é só uma norma “no papel” – ela requer um comprometimento de toda a
organização. Se os benefícios ambientais e seus lucros aumentam, as partes
interessadas verão os benefícios.
Essas normas incentivam a prevenção de processos de contaminações
ambientais, orientando a organização quanto a sua estrutura, atividade
desempenhada e levantamento, armazenamento, recuperação e disponibilização de
dados e resultados, entre outras orientações, inserindo a organização no contexto
ambiental.
Desde o seu lançamento em setembro de 1996, a ISO 14000 tem ganhado
cada vez mais importância, pois, está se tornando rapidamente reconhecida como
um fundamento básico para um Sistema de Gerenciamento Ambiental.

 Principais Requisitos
São requisitos do sistema de gestão ambiental:
A. Requisitos gerais;
B. Política ambiental;
C. Planejamento;
D. Implementação e operação;
E. Verificação;
F. Análise pela administração.

A ISO 14000, que trata do Sistema de Gestão Ambiental, possui
especificações com guia para uso, estabelece requisitos para as empresas
gerenciarem seus produtos e processos para que eles não agridam o meio
ambiente, que a comunidade não sofra com os resíduos gerados e que a sociedade
seja beneficiada num aspecto amplo.
Quando uma empresa segue as normas e implanta os processos indicados,
ela pode obter o Certificado ISO 14000. Este certificado é importante, pois atesta
que a organização possui responsabilidade ambiental, o que valoriza dessa forma
seus produtos e marca.
Para conseguir e manter o certificado ISO 14000, a empresa precisa seguir a
legislação ambiental do país, treinar e qualificar os funcionários para seguirem as
normas, diagnosticar os impactos ambientais que está causando e aplicar
procedimentos que visem diminuir os danos ao meio ambiente.
8

 Benefícios
 Redução do custo da gestão de resíduos.
 Economia no consumo de energia e materiais.
 Custos de distribuição mais baixos.
 Fortalecer a imagem da empresa e a participação no mercado.
 Maior controle dos riscos com acidentes ambientais.
 Satisfazer os critérios dos investidores e melhorar o acesso ao capital.
 Aumento da competitividade.
 Assegurar às partes interessadas o comprometimento com uma gestão
ambiental demonstrável.
 Propiciar redução e controle de custos ambientais.
 Melhorar o relacionamento com todas as partes interessadas (clientes,
acionistas, ONG's, fornecedores, governo e funcionários).

9
Ambev
Empresa de capital aberto, com sede em São Paulo, no Brasil, a Companhia
de Bebidas das Américas (Ambev) integra a maior plataforma de produção e
comercialização de cervejas do mundo: a Anheuser-Busch InBev. Está presente em
14 países das Américas. Individualmente, é a quarta maior cervejaria do mundo e
líder do mercado latino-americano, produzindo e comercializando cervejas,
refrigerantes e bebidas não carbonatadas.
Os produtos são distribuídos em aproximadamente dois milhões de pontos de
venda, metade deles no Brasil. Possuem as principais marcas do mercado, entre
elas as cervejas Antarctica, Brahma, Bohemia, Budweiser, Quilmes e Skol - a quarta
mais consumida no mundo. São os maiores engarrafadores da PepsiCo fora dos
Estados Unidos. A marca líder do mercado brasileiro no segmento guaraná, é o
Guaraná Antarctica, produzido pela Ambev.
No ano de 2010, atingiu volume de vendas de 165,14 milhões de hectolitros
(um hectolitro equivale a cem litros) de bebidas e receita líquida de R$ 25 bilhões,
um crescimento de 13,2% em relação ao ano de 2009.
Da criação da área de sustentabilidade até hoje, importantes projetos foram
desenvolvidos e avanços conquistados. Surgiram, por exemplo, o Movimento Cyan,
voltado à preservação da água; o Ambev Recicla, focado na reciclagem pós-
consumo; e ações da Plataforma de Responsa, que reúne o trabalho em prol do
consumo responsável de bebidas alcoólicas, além do suporte a projetos da
Comunidade.

Movimento Cyan
O Movimento CYAN - Quem vê água enxerga seu valor é um amplo conjunto
de ações que visam mobilizar e conscientizar a sociedade sobre o uso racional da
água. Em 2012, o CYAN participou da Conferência das Nações Unidas sobre
Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. Ao longo dos dias do evento no Rio de
Janeiro, a Ambev colocou um telão d’água de 600 m² na Lagoa Rodrigo de Freitas
para chamar atenção da população quanto ao uso racional da água por meio de
animações, curtas-metragens, fotografias e outros conteúdos relacionados à
sustentabilidade ambiental. Juntamente com a instalação, houve um festival cultural
10
às margens da lagoa com shows, atividades lúdicas e educativas, entre outras. A
iniciativa levou o nome de Aqualume.
Também na Rio+20, a Ambev foi convidada a apresentar suas ações em prol
do meio ambiente no Fórum de Sustentabilidade Empresarial, da ONU.
Outra importante conquista do CYAN em 2012 foi a chegada do Banco CYAN
no Rio de Janeiro, graças à parceria com a CEDAE (Companhia Estadual de Águas
e Esgotos do Rio de Janeiro). Por meio dele, as pessoas têm acesso à média de
consumo de água de seu imóvel e, à medida que elas diminuem (ou até mesmo
mantêm) o consumo, ganham pontos que podem ser usados como desconto para
compras on-line ou assinaturas de revistas. Trata-se de uma espécie de programa
de milhas às avessas, já que premia o não consumo. Desde o seu lançamento, o
Banco CYAN já proporcionou a economia de mais de 200 milhões de litros de água.

Figura 1 - Uso de água na produção em 4 anos (Fonte: Ambev)

Projeto Bacias
O projeto de Recuperação de Bacias é uma iniciativa ambiciosa dentro do
Movimento CYAN cuja missão é promover melhorias nas condições dos recursos
hídricos nas bacias hidrográficas que abastecem as 34 fábricas da Ambev no Brasil.
A primeira etapa do projeto envolve as bacias hidrográficas dos rios Paranoá
e Corumbá, no Distrito Federal, que servirão de piloto e laboratório de testes. Os
aprendizados e soluções testadas e aprovadas ali pelo WWF-Brasil (World Wild
Fund for Nature), parceiro do projeto, serão valiosas na expansão do projeto para as
demais regiões, minimizando custos e riscos e aumentando as chances de sucesso.
11
Este ano a Ambev expandiu o projeto para a bacia dos rios Piracicaba, Capivari e
Jundiaí.

 Bacia Corumbá-Paranoá
As bacias do Distrito Federal foram selecionadas por estarem em situação de
vulnerabilidade, segundo um estudo que levou em conta o grau de ameaça
ambiental e o nível de organização social local em torno do tema. Além disso, as
duas ficam localizadas em um dos biomas mais ameaçados do Brasil, o cerrado, em
uma região (o Planalto Central) onde se formam algumas das mais importantes
bacias hidrográficas do país, como as do São Francisco e do Paraná. Servem assim
como modelos para o estudo da gestão e conservação das maiores bacias
hidrográficas do país. O fato de abastecerem a capital federal permitirá ainda dar
mais visibilidade ao tema, alem de servir como símbolo da conservação.
A Recuperação de Bacias no Distrito Federal tem duas frentes principais. A
primeira envolve a recuperação de áreas degradadas e de nascentes na microbacia
do rio Crispim, pertencente à bacia do rio Corumbá, onde há uma fábrica da Ambev.
Ali, o WWF-Brasil irá mobilizar e envolver a comunidade local para a elaboração de
um plano de recuperação, que identificará as áreas mais degradadas e desenhará
as ações, envolvendo a sociedade sempre que possível.
A outra frente se dá pelo apoio à atuação organização do Comitê de Bacia
Hidrográfica do Rio Paranoá, organização formada por representantes da sociedade
civil organizada (universidades, ONGs), setores usuários de água (empresas,
companhias de abastecimento, produtores rurais) e governos. Entre outras
responsabilidades, os comitês de bacias hidrográficas são responsáveis por regular
o uso dos recursos hídricos da região.
Como em outras iniciativas do Movimento Cyan, a sensibilização da
sociedade para a conservação da água tem papel fundamental. É a partir da
ampliação da consciência para a importância e vulnerabilidade dos recursos hídricos
que as comunidades se mobilizam e se organizam em torno das ações necessárias
para garantir sua proteção e regular seu uso.
Desde o início do projeto, a CYAN trabalha para a recuperação do solo em
quatro nascentes e fez o plantio de 5.200 mudas e de 150 m² de agroflorestas. 6.500
pessoas já foram mobilizadas ou engajadas, através de oficinas, eventos,
12
entrevistas etc. Hoje, a companhia mantém um viveiro nas dependências do Clube
da Ambev com capacidade para a produção de pelo menos 10 mil mudas.

 Bacia Piracicaba-Capivari-Jundiaí
A parceria da Ambev com a organização não governamental The Nature
Conservancy (TNC) na conservação de rios no Estado de São Paulo, visa trazer os
mesmo benefícios do projeto em Corumbá e Paranoá para uma das bacias
hidrográficas mais importantes do Estado de São.
A empresa começou a atuar, não somente de forma extrativista, na bacia
hidrográfica dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. É de lá que sai boa parte da
água usada na produção de bebidas. Em Jaguariúna, no Estado de São Paulo, está
a segunda maior unidade da Ambev no mundo, e foi para lá que a equipe de Gestão
Ambiental foi convidada. Era o anúncio da parceria TNC-Ambev, com a proposta de
sistematizar a compensação financeira nas comunidades no entorno dos rios. Na
prática, pagar a produtores agrícolas que adotem medidas de sustentabilidade em
suas terras.

Projeto Fazenda Guaraná
O Guaraná Antarctica, em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa
Agropecuária (Embrapa), se dedica ao estudo e aperfeiçoamento das mudas de
guaraná. A companhia mantém em Maués a Fazenda Santa Helena, o maior banco
genético de guaraná, que, após intenso trabalho de melhoramento genético, deu
origem à cultivos que apresentam maior produtividade e resistência a pragas. Um
exemplo é a produtividade média dos atuais guaranazeiros da região: 100 g/planta.
Na fazenda já existem plantas com produtividade muito superior, acima de 1000
g/planta. Outro resultado da pesquisa deu origem à variedade BRS-MAUES, tida
como o melhor material genético de guaraná do país.
Todo o projeto da Fazenda foi desenvolvido no interior da selva amazônica e
o cultivo (que ocupa cerca de metade da área) é integrado ao ecossistema por meio
da plantação em pequenas clareiras na floresta, chamadas de quadras, o que
garante a preservação da fauna e flora locais. Foram abertas 34 quadras com mais
de 70 mil pés de guaranazeiros plantados. Circundando as quadras abertas,
13
mantiveram-se as áreas nativas, preservando assim os pássaros, animais silvestres
e árvores existentes no interior da fazenda.

Programa Ambev Recicla
A Ambev reaproveita 98,2% dos subprodutos gerados no processo de
fabricação das bebidas. Os subprodutos são comercializados pela empresa para o
devido reaproveitamento por outros segmentos: o bagaço do malte, por exemplo, é
destinado à alimentação de gado; o fermento é usado na composição de
aromatizantes, assim como a levedura. Em 2010, a Ambev obteve uma receita extra
de R$ 80, 3 milhões com essas venda.
Os investimentos na Ambev Vidros, unidade destinada a fabricar garrafas
tendo como matéria-prima principal os cacos de vidro provenientes de outras
fábricas da Ambev e também de cooperativas de catadores, tem dado retorno.

Fábrica Verde
Inaugurada em 2008, no Rio de Janeiro, a fábrica de vidros Rio já nasceu
ecoeficiente. Instalada no bairro de Campo Grande, na Zona Oeste da cidade, a
fábrica é 100% verde por adotar tecnologias de controle ambiental que permitem
reutilização de água, eliminação de gases e reaproveitamento de vidro.
Atualmente, cerca de 75% do material que vai para os fornos da unidade é
composto por cacos originários das próprias fábricas da companhia e também de
cooperativas de catadores parceiras da empresa. Isso significa que de cada 10
garrafas produzidas, aproximadamente oito são feitas com vidro reciclado. A
unidade também trata 100% dos gases resultantes de sua operação e toda a água
consumida nos processos industriais é reutilizada após tratamento.
O forno de fusão, antes alimentado exclusivamente por gás natural, passou a
queimar também biogás gerado na estação de tratamento de efluentes da Filial Rio
de Janeiro, cervejaria da Ambev próxima à fábrica de vidros.
A substituição de combustível será de cerca de 30% por hora, com
expectativa de aumentar gradativamente. A iniciativa faz parte da estratégia da
companhia de buscar alternativas para uma progressiva modificação de sua matriz
energética e, dessa forma, reduzir a emissão de CO
2
.
14
A diminuição do consumo de gás natural permitirá que 5.700 toneladas de
CO
2
deixem de ser lançadas na atmosfera por ano. O que equivale a abastecer 190
mil residências durante um ano ou percorrer 42.600.000 km de automóvel.

CO
2
Nos últimos cinco anos, a Ambev reduziu suas emissões de CO
2
em 35%, o
que é igual a plantar 1.600.000 árvores. A marca faz parte da estratégia da
companhia de diversificar sua matriz energética, priorizando a utilização de
biomassa e do biogás. Graças a essas práticas, a Ambev foi a primeira na indústria
de bebidas a negociar um certificado de crédito de carbono da ONU, em
consonância com o Protocolo de Kyoto.
Atualmente, 27% da matriz de energia da companhia são provenientes de
fontes renováveis e 34% da energia térmica utilizada é gerada a partir de oito usinas
de biomassa. Do total consumido pela Ambev, de 3% a 5% é derivado de biogás
gerado a partir das Estações de Tratamento de Efluentes Industriais (ETEIs), que é
recolhido e reutilizado para a geração de calor. Além de o gás não ser liberado para
a atmosfera, há também economia no uso de combustíveis fósseis. Ao todo, a
Ambev tem 37 plantas industriais com ETEIs instalados em suas unidades no Brasil
e em HILA-Ex, responsáveis por 100% dos efluentes industriais gerados pela
companhia.

Figura 2 - Emissão de CO2 em 4 anos (Fonte: Ambev)

Em 2009, a Ambev desenvolveu um sistema de compartilhamento de frota
com outras grandes empresas, como Unilever, Pepsico, BRF – Brasil Foods, Kraft e
15
L’Oreal. A iniciativa é simples e eficaz: caminhões que voltariam vazios depois de
abastecer os centros de distribuição e fábricas da Ambev passaram a transportar a
mercadoria das empresas parceiras. Entre 2009 e setembro de 2012, o projeto já
permitiu à Ambev economizar mais de 6,3 milhões de litros diesel e deixar de lançar
na atmosfera 663 toneladas de CO
2
. O programa também diminui o tráfego de
caminhões nas estradas e reduz os custos do transporte. Nos últimos cinco anos, a
Ambev cortou em 35% as emissões de CO
2
por hectolitro da produção.

PET 100% Reciclada
Outro importante avanço ambiental de 2012 foi o lançamento da primeira
garrafa de PET 100% reciclada do Brasil. O objetivo com essa embalagem é
aumentar os índices de reciclagem no país. A iniciativa está alinhada ao Ambev
Recicla, que reúne as iniciativas da companhia que visam promover o aumento da
reciclagem no país, a redução de uso de matéria prima e a educação dos
consumidores.
A produção desta nova PET libera cerca de 30m³ em aterros sanitários para
cada cinco toneladas de PET reciclada (uma tonelada de PET prensada representa
20.000 garrafas em média). Só em 2012, a iniciativa reduziu 1,3 milhão de quilos de
material de embalagem. A Ambev já colocou 50 milhões de garrafas PET 100%
reciclada no mercado, o equivalente a 100 milhões de litros da bebida.

Figura 3 - Reuso de resíduos em 4 anos (Fonte: Ambev)

16
Coca Cola
Empresa de capital aberto e limitado, com sede em Atlanta – Georgia, nos
EUA, a Coca Cola Company, é uma corporação multinacional americana de
bebidas, fabricante e comerciante de bebidas não-alcoólicas e concentrados de
xaropes. É mais conhecida pelo seu produto Coca Cola, inventado em 1886 pelo
farmacêutico John Pemberton, em Columbus, Geórgia. A fórmula da Coca Cola e a
marca foi comprada em 1889 por Asa Griggs Candler, que incorporou a companhia
The Coca Cola Company em 1892. Além da bebida homônima Coca Cola, a Coca
Cola oferece atualmente mais de 500 marcas em 200 países e serve 1,7 bilhões de
doses por dia.
A empresa opera um sistema de distribuição franqueada onde a empresa só
produz o concentrado de xarope que é depois vendida para várias engarrafadoras
de todo o mundo. A Coca Cola é o maior produtor e distribuidor de bebidas do
mundo, seguido pela AmBev.
Com atuação de destaque no país desde 1942, a Divisão Brasil é uma das
quatro maiores operações da companhia. O Sistema Coca Cola Brasil é composto
pela Coca Cola Brasil e por 13 grupos empresariais, que elaboram o produto final
em suas 46 unidades industriais e o distribuem aos pontos de venda. Essa estrutura
absorve cerca de 60 mil colaboradores diretos e gera mais de 600 mil empregos
indiretos. Os fabricantes têm um contrato por meio do qual se comprometem a
produzir, a engarrafar e a distribuir todos os produtos da Coca Cola Brasil,
observando um rigoroso padrão de qualidade mundial, que é marca registrada da
empresa.
As fábricas que fazem parte desse sistema encontram-se estrategicamente
localizadas em todas as regiões do país, garantindo o abastecimento de cerca de
um milhão de pontos de venda com uma ampla linha de bebidas não alcoólicas que
engloba refrigerantes, néctares e refrescos, repositores energético, bebidas infantis,
chás e água.

Viva Positivamente
Viva Positivamente é a plataforma de desenvolvimento sustentável do
Sistema Coca Cola Brasil. Reúne os princípios, os valores e as áreas de atuação
17
prioritárias para que a operação da organização esteja de acordo com um contexto
de desenvolvimento econômico e social que leve em conta a preservação ambiental.
O projeto convida os consumidores a compartilhar sua visão positiva da vida
em uma convergência de esforços na qual cada um deve dar sua colaboração para
se ter uma sociedade verdadeiramente sustentável. Viva Positivamente fundamenta-
se em sete frentes de atuação focadas em tornar a operação da Coca Cola no Brasil
cada vez mais sustentável:
1. Água
2. Embalagens Sustentáveis
3. Comunidade
4. Energia e Clima
5. Vida Saudável
6. Ambiente de Trabalho
7. Benefícios das Bebidas

Água
A economia de água está no centro das atenções da empresa. A água é um
recurso natural finito para o qual devem ser pensadas soluções de uso racional, não
só pela sustentabilidade dos negócios, mas também pela garantia de qualidade de
vida das comunidades e pela manutenção dos ecossistemas. A Coca adota a
estratégia dos 3Rs, que contempla as seguintes frentes de atuação:

Tabela 1 - 3Rs no uso de água (Fonte: Coca Cola)
REDUZIR
Alcançar a meta de utilizar 1,5 litro de água por litro de bebida
produzida.
REPOR
Devolver para a natureza 100% da água utilizada na
produção de nossas bebidas.
RECICLAR
Estar 100% em conformidade com os parâmetros de
tratamento de efluentes.

 Reduzir
A Coca Cola acumula experiências em economia de recursos hídricos. Um
dos marcos foi a Política de Qualidade de Efluentes da Coca Cola Brasil, criada em
1992. Ela proporcionou maturidade e segurança para inovar e investir em novas
18
tecnologias capazes de reduzir e otimizar o uso da água consumida na fabricação
de inúmeros produtos.
A fim de melhorar a eficiência no consumo de recursos hídricos, foi
desenvolvido o índice brasileiro de utilização de água. Capaz de medir e alavancar
medidas para a economia de água, o indicador vem caindo a cada ano. Seguindo a
tendência, o índice em 2009 foi de 2,04 litros de água utilizada por litro de produto
fabricado. Até 2020 a meta é alcançar um índice de até 1,5 litro. A empresa acredita
que será possível porque, gradativamente, se tem uma evolução na redução do
consumo nas unidades fabris. Em 2001, eram necessários 2,54 litros de água para
produzir 1 litro de bebida. Já em 2007, foi alcançado a meta de 2,19 litros de água
utilizada por litro de produto fabricado. Em comparação com 2006, o equivalente a
960 milhões de litros deixaram de ser usados - quantidade suficiente para abastecer
37.500 famílias de quatro pessoas por mês, considerando que o gasto médio de
uma pessoa de classe média é de 200 litros por dia. A média de consumo de água
em 2009 teve uma queda de 2% em relação ao ano anterior. O volume que deixou
de ser consumido nas operações da Coca Cola Brasil seria suficiente para abastecer
14,5 mil famílias de quatro pessoas durante um mês.
Na economia de recursos hídricos das instalações físicas, inovações são
adotadas: a utilização, se possível, de descargas a vácuo e a medição, a
manutenção e o controle dos gastos, além de treinamento, conscientização e
premiação pelas ações responsáveis. O escritório central da Coca, no Rio de
Janeiro, promoveu seu balanço hídrico e implantou iniciativas como a instalação de
banheiros e lavatórios inteligentes, com torneiras automáticas, além de sensores e
válvulas econômicas. O resultado foi uma redução de 21% no consumo de água.

 Reciclar
Considerando os últimos 15 anos, o consumo de água pela Coca Cola caiu
pela metade. Foram fundamentais para o alcance desse resultado os investimentos
na reutilização e na busca por fontes alternativas, como a captação de água da
chuva para limpeza de veículos e descargas. Além disso, foram desenvolvidas
tecnologias apropriadas, inovando na etapa de limpeza das latas e das garrafas. Há
dez anos as unidades já adotam um sistema, nessa fase, pelo qual a água usada
para enxaguar volta à Estação de Tratamento de Água (ETA) para ser novamente
aproveitada. Esse processo pode gerar uma economia de água em uma fábrica de
19
até 5%. Outra inovação é o mecanismo chamado rinser a ar. Nele, em vez de água
para a limpeza e a eliminação de resíduos das garrafas e latas, usa-se ar. A Spaipa
de Maringá (PR) é uma das fábricas que utilizam a tecnologia. Foi desenvolvido
também processos para a recuperação e o uso da água de retrolavagem de filtros,
bem como para a utilização de rejeitos de sistemas de filtração por membranas. As
experiências com a adoção das várias iniciativas demonstraram que o potencial de
reuso de água nas atividades industriais pode chegar a 100%.
A captação de água da chuva tornou-se uma iniciativa importante para o
alcance da meta de economia de recursos hídricos. Além da sede, no Rio de
Janeiro, 14 fabricantes do Sistema utilizam essa alternativa de coleta. Já há 15
projetos de captação de água da chuva, com potencial de coleta de 190 milhões de
litros por ano, ou cerca de 1% do consumo total do Sistema. A Spaipa de Maringá
(PR) e a fábrica de Marília (SP) fazem parte dessa lista de parceiros com práticas de
referência. Desde janeiro de 2009, a fabricante paranaense adotou o sistema e já
captou 1,75 milhões de litros - 0,3% do total de água consumido no período. Já a
unidade de Marília deu início à primeira etapa do projeto, que terá uma área inicial
de 5 mil metros quadrados da cobertura para captação. As cisternas têm capacidade
para estocar 150 metros cúbicos, em Maringá, e 900 metros cúbicos, em Marília. O
sistema de captação de água da chuva possibilita a redução em até 12% na média
de consumo. O armazenamento é feito por um mecanismo simples: a água bate no
telhado e cai numa Estação de Tratamento de Água (ETA). Desde janeiro de 2006,
também funciona na sede, no Rio de Janeiro, um sistema de captação implantado
no telhado do prédio. Com 200 metros quadrados de área, a capacidade de
captação é de até 12 metros cúbicos de água em períodos de chuva forte - índice
equivalente a 80% do consumo diário das torres de resfriamento.

 Repor
A recuperação e a proteção florestal são importantes soluções ambientais,
quando se pensa na sustentabilidade dos mananciais de água no longo prazo. A
companhia Coca Cola tem desenvolvido ações nas duas frentes e conta com o
apoio de parceiros como a Fundação SOS Mata Atlântica. Juntos é realizado, por
meio do Instituto Coca Cola Brasil (ICCB), o Programa Água das Florestas Tropicais
Brasileiras. É resultado de uma parceria que soma conhecimentos, tecnologia e
recursos atuando de forma integrada com a comunidade local.
20
Projeto Água das Florestas
O Água das Florestas visa à restauração de bacias hidrográficas por meio de
plantio de espécies nativas em APPs (Áreas de Preservação Permanente) de
córregos, rios, nascentes e reservatórios, além da formação de corredores florestais
e o monitoramento da qualidade dá água e da cobertura florestal. Por meio de um
modelo replicável, o projeto busca contribuir para a preservação dos ecossistemas e
garantir o acesso das populações à água, em qualidade e quantidade sustentáveis.
O programa contempla ações de recuperação, conservação, preservação e
gestão integrada da água e da floresta, em microbacias hidrográficas, com
mobilização, capacitação e engajamento social, bem como a ampliação dos
instrumentos econômicos e de políticas públicas baseadas em serviços ambientais.
O projeto conta com uma unidade de gestão local, em Itu, que permite a integração
das equipes técnicas de restauração e conservação com atividades de
monitoramento da qualidade da água realizadas com grupos formados por
comunidades e instituições locais, como proprietários, alunos e professores de
escolas da região e representantes de ONGs.
O projeto Água das Florestas conta com a parceria da Fundação S.O.S. Mata
Atlântica e da TNC (The Nature Conservancy). Nos últimos anos, foram plantados
265 hectares com cerca de 1.800 mudas nativas por hectare na Bacia do Rio Piraí
(SP) e no Guandu (RJ) com a melhoria de 100% da qualidade da água nos pontos
monitorados pelo projeto. Após três anos, a Fundação e a empresa divulgam os
resultados do projeto, com destaque para a melhoria dos indicadores de qualidade
de água, a restauração de 217 hectares de Áreas de Preservação Permanente
(APPs) e o envolvimento da comunidade local na gestão participativa da bacia.
No que se refere aos indicadores de qualidade da água, os resultados são
significativos: nas 13 propriedades inseridas no projeto, foram selecionados 28
pontos de coleta de água distribuídos entre os principais rios e córregos da bacia.
No início das atividades, 14 dos 28 pontos apresentavam qualidade ruim, enquanto
os outros 14 eram classificados como regular. Após três anos de projeto, apenas 1
ponto continua com o indicador ruim, 21 pontos com qualidade regular, próxima a
bom, e 2 pontos classificados como bom.

21
Programa de Proteção da Camada de Ozônio
Uma das primeiras empresas em âmbito mundial a adotar medidas efetivas
de preservação da camada de ozônio, a Coca Cola empreendeu, em 1995, um
amplo esforço para eliminar de suas atividades industriais o uso de gases nocivos à
atmosfera como o CFC, um dos gases mais utilizados em sistemas de refrigeração e
isolamento térmico. Uma vez que o uso de gases refrigerantes e isolantes tem
importância fundamental para a indústria de bebidas, a Coca Cola elaborou sua
Estratégia de Proteção do Ozônio. Praticada por todos os Fabricantes ao redor do
mundo, essa política tem como pontos fundamentais os seguintes itens:
 A empresa deixou de comprar equipamentos que continham ou eram
fabricados com CFC, em todos os países do mundo onde desenvolve
atividades;
 Substituiu o CFC-12 por uma alternativa mais viável, o gás HFC-134a
(Tetrafluoroetano), que não contém cloro e, portanto, não afeta a camada de
ozônio. Além dessas medidas, a Coca Cola passou a exigir de seus
Fabricantes, durante a manutenção de seus equipamentos, a coleta dos
gases em cilindros para sua posterior reutilização.

Apesar de contribuir para a intensificação do efeito estufa, o HFC-134a ainda
se apresenta como a alternativa mais viável para uso em sistemas de
condicionadores de ar e de refrigeração. A Coca Cola apóia o estudo de novas
tecnologias que permitirão sua substituição em um futuro próximo.

Geladeiras Sustentáveis
Foi Desenvolvido uma nova geração de geladeiras sustentáveis de acordo
com o Greenpeace. Elas contem o dispositivo EMS-55, que possibilita uma
economia de até 35% de energia. Essa inovação é patenteada pela The Coca-Cola
Company. A tecnologia estabelece um perfil de funcionamento da geladeira, levando
em consideração o fluxo de pessoas e de abertura de portas nas horas de picos e
de menor uso. Sensores colaboram para que seja traçado o perfil, indicando o
período em que o estabelecimento comercial será fechado. Assim, a geladeira passa
a funcionar com as luzes apagadas e com temperatura no modo standby, voltando
ao modo operacional (de 0°C a 5°C) duas horas antes da abertura do ponto de
22
venda. No período de pouco movimento, a temperatura interna fica um pouco mais
elevada (8°C a 9°C), reduzindo o consumo de energia sem afetar a integridade do
produto, uma vez que a porta não será aberta. Além disso, as geladeiras não
emitem o gás HFC e usam luz de LED, cuja redução do consumo gira em torno de
15% de energia. Assim, somando-se aos 35% proporcionados pelo uso do
controlador digital inteligente, atingiu-se a meta de 50% de eficiência energética.

Tratamento de Resíduos Industriais
Em 1992, o Sistema Coca Cola Brasil participou da criação do Cempre
(Compromisso Empresarial para Reciclagem). Em parceria com instituições de
renome, como o Instituto de Pesquisa Tecnológica de São Paulo (IPT), suas
atuações se concentram em pesquisa tecnológica, orientação de projetos e difusão
de informações sobre o gerenciamento de resíduos sólidos e reciclagem. Ao reduzir
os despejos industriais e controlar a qualidade desses resíduos para que não sejam
lançadas no meio ambiente substâncias nocivas ao seu equilíbrio, o Sistema Coca
Cola Brasil consolida práticas de ecoeficiência industrial. Hoje, as fábricas do
Sistema Coca Cola Brasil reciclam, em média, 79% dos resíduos sólidos gerados na
sua produção e atingem um volume de descarte de resíduos sólidos equivalente a
7,82 gramas por litro de bebida, índice significativo quando comparado com outras
indústrias do setor.

3Rs das Embalagens
Tabela 2 - 3Rs das embalgens (Fonte: Coca Cola)
REDUZIR O peso das embalagens, no limite da sua segurança.
REUTILIZAR Sempre que possível.
RECICLAR 100% de suas embalagens.

 Reciclar
Gerar renda e impulsionar o aprimoramento da gestão das cooperativas de
catadores Criado pela Coca Cola Brasil em 1996, o Programa Reciclou, Ganhou,
têm como foco principal o apoio material e técnico a cooperativas de catadores de
materiais recicláveis. Desde 1996, o programa já reciclou quatro milhões de quilos
de embalagens. O Brasil é hoje o país com o maior índice mundial de reciclagem de
23
alumínio (91,5%) e um dos maiores em reciclagem de PET (54,8%). A Coca Cola
Brasil e o Wal-Mart Brasil, por meio de seus institutos socioambientais, lançaram o
programa conjunto de coleta de resíduos recicláveis. São recolhidos metal, vidro e
plástico. As Estações de Reciclagem serão instaladas em todas as lojas da rede
Wal-Mart. Os programas de reciclagem apoiam 134 cooperativas em todo o Brasil. A
Coca Cola Brasil foi uma das líderes do movimento pela aprovação do Bottle to
Bottle, projeto pelo qual se produz uma embalagem PET nova a partir da resina PET
reciclada. Em dezembro de 2007 - após quatro anos de debates e análises entre
empresas, especialistas do setor de alimentos e órgãos de governo, como a Agência
Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) - o projeto foi aprovado e as estimativas
indicam que ele contribuirá com um incremento de 15% na reciclagem de PET no
País, transformando a embalagem usada numa matéria-prima de valor cada vez
maior e contribuindo para o desenvolvimento de toda a cadeia de reciclagem.

 Reutilizar
Por meio de pesquisas e do desenvolvimento de novas tecnologias, a Coca
Cola Brasil vem buscando cada vez mais usos para o PET reciclado, que agora
serve de matéria-prima para equipamentos utilizados na promoção de vendas de
suas bebidas. Os primeiros lançamentos foram o rack e o menu board (display para
exposição do cardápio em pontos de venda). Além disso, ela utiliza o material em
todas as suas camisetas promocionais, cuja malha é feita com 50% de resina PET
reciclada. Garrafas "duráveis" de tamanho individual ou família, de vidro ou refpet,
têm uma vida útil maior, fazendo várias viagens entre o ponto de venda e o
consumidor. O tempo de vida médio dessas embalagens retornáveis é 10 anos.

 Reduzir
Incentivando inovações tecnológicas que permitam a redução do consumo de
matérias-primas na produção das embalagens A Coca Cola Brasil vem reduzindo o
peso das embalagens PET, empregando menor quantidade de resina, há mais de
dez anos. No último ano, por exemplo, o peso da embalagem de dois litros foi
reduzido em 8%, e o da embalagem de 600 ml, em 22%. Com a implementação total
do programa de redução de peso das embalagens PET, a redução total chegará a
13 mil toneladas/ano, o que é o equivalente à não fabricação de 270 milhões de
embalagens de dois litros.
24

Projeto Reciclou Ganhou
Em 1996, o Programa foi criado para estimular a reciclagem de embalagens e
apoiar as cooperativas de catadores. Hoje, milhares de brasileiros têm nessa
atividade sua única fonte de renda e contribuem para a formação de uma cultura de
reciclagem nas próprias comunidades em que moram e de onde retiram boa parte
do material coletado.

Tabela 3 - Índices de reciclagem no Brasil em 2009 (Fonte: Coca Cola Brasil)
Alumínio PET Vidro Tetra Pak
98% 56% 47% 26%

Com 100% dos engarrafadores envolvidos, o Reciclou, Ganhou apoiou nos
últimos anos:
 4.700 instituições.
 5.000 catadores em mais de 200 cooperativas em 21 estados brasileiros

Os recursos gerados pela reciclagem são investidos na infraestrutura das
cooperativas, como compra de caminhão, prensa, balcão, uniformes, aluguel de
galpão e capacitação de funcionários. Tudo para que essas organizações sejam
cada vez mais produtivas.
A linha de embalagens sustentáveis já está fazendo uma grande diferença
para a natureza. Bottle to Bottle
1
, Plantbottle
2
e a nova Crystal Eco são os tipos de
embalagens sustentáveis que integram essa família. Botle to Bottle são garrafas
feitas do PET reciclado de outras garrafas, a forma mais inovadora de reciclar o
PET. Plant Bottle nada mais é que uma embalagem feita até 30% à base de cana-
de-açúcar, uma fonte renovável que diminui a dependência do petróleo e emite
menos CO2, além de ser 100% reciclável. A Crystal Eco é uma garrafa flexível que,
depois de usada, pode ser totalmente retorcida, ocupando menos volume e abrindo
mais espaço para a sustentabilidade.


1
Bottle to bottle: Garrafa para garrafa (tradução livre)
2
Plantbottle: Garrafa de planta(tradução livre)
25
Plantbottle
A embalagem é a primeira feita com 30% de material de origem vegetal, o
etanol da cana-de-açúcar. O etanol substitui parte do petróleo usado como matéria-
prima, diminuindo a dependência desse recurso natural, podendo reduzir até 25% as
emissões de CO
2
, além de impulsionar o setor sucroalcooleiro do Brasil. A iniciativa
foi desenvolvida por uma equipe multifuncional formada no Sistema Coca Cola
Brasil, tornando-se um marco no compromisso da empresa com o planeta.
A expectativa é de que a produção inicial de Plantbottle resulte na redução do
uso de mais de cinco mil barris de petróleo. Além dos benefícios ambientais, o uso
da nova garrafa também traz vantagens à economia do Brasil.
Sem mudança de cor, peso ou aparência em relação ao PET convencional, a
garrafa Plantbottle começou a ser comercializada no Brasil em abril, inicialmente nas
embalagens de Coca Cola de 500ml e 600 ml, nas capitais dos estados do Rio de
Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco e Rio Grande do Sul. A
cidade de Porto Alegre tornou-se a primeira da América Latina a trocar suas garrafas
de Coca Cola 600ml de PET convencional pelas Plantbottle. A troca integral das
garrafas PETs em todo Brasil deverá acontecer até 2014.

26
Problemas ambientais
Nem só de sucessos e campanhas notáveis vivem as empresas. Há alguns
relatos de descaso ou de acidentes que causam grandes problemas ambientais,
além de multas pesadas, processos, isso cria insegurança nos consumidores.

Ambev e o rio Parnaíba (Piauí)
Em julho deste ano, foram detectados altos níveis de cevada no rio Parnaíba,
em Teresina, Piauí, o que resultou na interrupção no abastecimento de água para a
cidade, para o devido tratamento. A Ambev foi apontada como responsável por
descartar os resíduos de sua produção sem tratamento diretamente no rio.
No dia 27 de agosto, a Ambev entregou os laudos requisitados pelo Ministério
Público que comprovam que a empresa não foi responsável pela poluição detectada.
O diretor de Comunicação da Ambev, Alexandre Loures afirmou que substância da
cevada (bagaço do malte) não está sendo enviada para o rio Parnaíba porque é
100% vendida. "Não vamos jogar R$ 80 milhões, que é o lucro da empresa com
bagaço de malte, no rio Parnaíba. Essa hipótese está descartada", completou.
Os órgãos responsáveis pela investigação ainda não chegaram a uma
conclusão.

Coca Cola e o albatroz da Austrália
A ONG ambientalista Greenpeace fez um comercial falso com pessoas
bebendo Coca Cola e depois mostra o plástico do refrigerante poluindo oceanos e
matando a fauna marinha na Austrália. Em março, a Coca ganhou na Justiça o
direito de impedir uma política de reembolso de 10 centavos para incentivar a
reciclagem no norte do país. Segundo a ONG, o lixo provocado pode afetar até 65%
das aves australianas, que confundem o plástico com alimento. No sul da Austrália,
o incentivo já existe há mais de 30 anos, evitando com que dezenas de milhões de
plásticos sejam jogados nas praias e oceanos.
A Coca argumenta que a medida é ilegal e ineficiente, mas recicla apenas
33% das embalagens produzidas no norte do país. Para o presidente da campanha
"Limpando a Austrália" Ian Kiernan, a razão real é a companhia não querer
acrescentar 10 centavos ao preço real do refrigerante.
27
Considerações finais
A cada dia fica mais claro a importância de ações sustentáveis e que pensem
no futuro do meio ambiente. Os recursos como água e terra não são infinitos, é
preciso agir com sabedoria para garantir que as próximas gerações tenham acesso
aos bens necessários para sua subsistência.
Empresa de grande porte como a Coca Cola e a Ambev são responsáveis
pelo consumo de quantidades enormes de recursos básicos para criar bens que são
considerados supérfluos, que são dispensáveis para a vida das pessoas. Nada mais
justo que essas mesmas empresas se responsabilizem para conscientizar seus
consumidores sobre a importância da sustentabilidade.
Seja através de inovações tecnológicas ou simples ações de prevenção, a
gestão ambiental é essencial para a continuidade da vida na terra. Por isso é preciso
que os órgãos responsáveis pela gestão de qualidade das cidades onde estão
instaladas essas empresas se certifiquem que todas as leis e normas estão sendo
atendidas.
Além de ser uma obrigação, tratar os resíduos gerados resulta em diminuição
de custos na produção e no retorno de matérias-primas, além de gerar lucro para a
empresa e melhorar sua imagem para seus consumidores. Hoje, na era digital, é
impossível para as companhias esconderem de seus consumidores o descarte
irregular de resíduos.
Por isso fica evidente que uma boa gestão ambiental é essencial para garantir
o futuro do planeta e, consequentemente, da empresa.

28
Bibliografia
AMBEV. Relatório anual 2012. Disponível em: < http://www.ambev.com.br/relatorio-
anual-2012/>. Acesso em <12/09/2013>.

CIDADE VERDE. Ambev divulga laudos e garante... Disponível em:
<http://www.cidadeverde.com/ambev-divulga-laudos-e-garante-que-nao-polui-o-rio-
parnaiba-com-cevada-141795>. Acesso em <15/09/2013>.

COCA COLA. Viva positivamente. Disponível em:
<http://www.vivapositivamente.com.br/>. Acesso em <14/09/2013>.

COCA COLA BRASIL. A empresa no Brasil. Disponível em:
<http://www.cocacolabrasil.com.br/coca-cola-brasil/a-empresa-no-brasil/>. Acesso
em <14/09/2013>.

UOL. ONG faz comercial falso... Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/meio-
ambiente/ultimas-noticias/redacao/2013/05/07/ong-faz-comercial-falso-para-mostrar-
como-a-coca-cola-mata-aves-marinhas.htm>. Acesso em <15/09/2013>.

DIÁRIO DO NORDESTE. Economia de água é premiada... Disponível em:
<http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1246626>. Acesso em
<13/09/2013>.

EBAH. ISO 14000. Disponível em
<http://www.ebah.com.br/content/ABAAAA4UgAF/analise-relatorio-impacto-
ambiental-rima>. Acesso em <13/09/2013>.

SIGNIFICADOS. O que é ISO. Disponível em <http://www.significados.com.br/iso/>.
Acesso em <13/09/2013>.

WIKIPEDIA. ISO 14001. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/ISO_14001>.
Acesso em <14/09/2013>.
29
ANEXO A - Leis, Regulamentos e Normas Ambientais
Resolução CONAMA 358/05 Retificada em 21.06.05
Tema: Resíduos/ Serviço de Saúde
Assunto: Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços
de saúde/ Revoga a Resolução CONAMA 283/01

Lei 13.796/00
Tema: Perigosos/Resíduos
Assunto: Dispõe sobre o gerenciamento de resíduos perigosos

Deliberação Normativa COPAM 97/06
Tema: Resíduos
Assunto: Estabelece diretrizes para a disposição final adequada dos resíduos dos
estabelecimentos dos serviços de saúde.

Portaria IGAM 87/08
Tema: Recursos Hídricos
Assunto: Dispõe sobre a possibilidade de obtenção de autorização prévia para
intervenção em corpo hídrico, anteriormente à obtenção da outorga nas situações
emergenciais que causem riscos à saúde, à segurança e ao bem-estar da população

Portaria Conjunta MMA/IBAMA/ICMBio 205/08
Tema: MEIO AMBIENTE
Assunto: Cria a Câmara Federal de Compensação Ambiental - CFCA, de caráter
deliberativo, encarregada de decidir sobre critérios de gradação de impactos
ambientais

Lei 10.165/00
Tema: Taxa de Controle Fiscalização Ambiental
Assunto: Altera a Lei 6.938/81, institui a Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental-
TCFA e o Relatório Anual das Atividades Desenvolvidas no Ano Anterior


30
Decreto 24.643/34
Tema: Águas
Assunto: Institui o Código de Águas

Portaria MINTER 53/79
Tema: Resíduos / Lixo / Solo
Assunto: Estabelece normas para disposição de resíduo sólidos / Proíbe a
utilização do solo como destinação final de resíduos

Portaria MINTER 124/80
Tema: Água/Licenciamento
Assunto: Exige a licença ambiental e sistema de contenção para as atividades
poluidoras situadas a menos de 200 m dos cursos d'água

Resolução CIMGC 04/06, alterada pela Resolução CIMGC 07/08
Tema: Protocolo de Quioto
Assunto: Estabelece procedimentos para aprovação, pela Comissão Interministerial
de Mudança Global do Clima, de projetos no âmbito do Mecanismo de
Desenvolvimento Limpo do Protocolo de Quioto.

Resolução CNRH 58/06
Tema: Água / Recursos Hídricos
Assunto: Aprova o Plano Nacional de Recursos Hídricos

Resolução CONAMA 313/02
Tema: Resíduos/
Assunto: Dispõe sobre o Inventário Nacional de Resíduos e aprova modelo a ser
apresentado ao órgão estadual de Meio Ambiente/ Relaciona as empresas
obrigadas à apresentação do Inventário de Resíduos/ Revoga a Resolução
CONAMA 06/88




31
Resolução CONAMA 316/02, alterada pela Resolução CONAMA 386/06
Tema: Resíduos/Tratamento Térmico
Assunto: Disciplina os processos de tratamento térmico de resíduos, definido como
qualquer processo cuja operação seja realizada acima da temperatura mínima de
800 graus Celsius, exceto para rejeitos radioativos e para co-processamento em
fornos de clínquer/Concede prazo, até 20.02.03 para os sistemas de tratamento não
licenciados formalizem o requerimento da Licença Ambiental

Resolução ANA 61/05, alterada pela Resolução ANA 122/06
Tema: Recursos Hídricos
Assunto: Estabelece procedimentos para cadastramento de usuários e
regularização dos usos de recursos hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio São
Francisco

Resolução CONAMA 357/05, alterada pela Resolução CONAMA 397/08
Tema: Água/ Efluentes Líquidos
Assunto: Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e sobre o seu
enquadramento/ Estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes em
corpos de água/ Revoga a Resolução CONAMA 20/86

Resolução CONAMA 371/06
Tema: Unidades de Conservação
Assunto: Estabelece diretrizes para cálculo, cobrança, aplicação, aprovação e
controle de gastos de recursos advindos de compensação ambiental

Resolução CONAMA 375/06, alterada pela Resolução CONAMA 380/06
Tema: Efluentes Líquidos
Assunto: Define critérios e procedimentos para o uso agrícola de lodos de esgoto
gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário e seus produtos derivados





32
Instrução Normativa IBAMA 96/06
Tema: Cadastro Técnico Federal
Assunto: Dispõe sobre o registro no Cadastro Técnico Federal de Atividades
Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais e no Cadastro
Técnico Federal de Instrumentos de Defesa Ambiental

Lei 7.772/80, alterada pela Lei 16.918/07
Tema: Poluição / Licenciamento
Assunto: Dispõe sobre a proteção, conservação e melhoria do Meio Ambiente /
proíbe a poluição e obriga o licenciamento

Lei 13.199/99, alterada pela Lei 17.727/08
Tema: Água / Recursos Hídricos
Assunto: Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos / Condiciona o uso
dos recursos hídricos à autorização do órgão competente

Lei 14.508/02
Tema: Licenciamento Ambiental
Assunto: Dispõe sobre o licenciamento ambiental de estabelecimentos situados às
margens de rodovia

Lei 14.940/03, alterada pela Lei 17.608/08
Tema: Cadastro Técnico Estadual/
Assunto: Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente
Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais e a Taxa de Controle e
Fiscalização Ambiental do Estado de Minas Gerais – TFAMG

Lei 18.031/09
Tema: Resíduos
Assunto: Dispõe sobre a Política de Resíduos Sólidos no Estado de Minas
Gerais/MG



33
Decreto 41.578/01, alterado pelo Decreto 44.945/08
Tema: Águas/Recursos Hídricos
Assunto: Regulamenta a Lei 13.199/99, que dispõe sobre a Política Estadual de
Recursos hídricos. Revoga o Decreto 41.512/00

Decreto 44.844/08
Tema: Poluição-Licenciamento-Recursos Naturais
Assunto: Dispõe sobre o licenciamento ambiental, tipifica e classifica as infrações
às normas de proteção ao Meio Ambiente e aos recursos hídricos, aprova o
procedimento administrativo de fiscalização e aplicação das penalidades/ Revoga o
Decreto 44.309/06.

Deliberação Normativa COPAM 13/95
Tema: Licenciamento
Assunto: Dispõe sobre a publicação do pedido, da concessão e da renovação de
licenças ambientais

Deliberação Normativa COPAM 14/95
Tema: Água
Assunto: Dispõe sobre o enquadramento das águas do rio Paraopeba

Deliberação Normativa COPAM 17/96, alterada pela DN 23/97
Tema: Licenciamento
Assunto: Dispõe sobre o prazo de validade das Licenças Ambientais e sua
Revalidação / Prazo de validade: 4, 6 ou 8 anos, de acordo com o porte e o potencial
poluidor da atividade.

Deliberação Normativa COPAM 26/98, Alterada pela Deliberação Normativa
COPAM 83/05
Tema: Licenciamento / Punições
Assunto: Dispõe sobre o co-processamento de resíduos em fornos de clínquer