You are on page 1of 10

ENSINANDO FENÔMENOS DE TRANSPORTE EM UM AMBIENTE

COMPUTACIONAL INTERATIVO USANDO O MAPLE

Fabiana Vassallo Caldas, fvcaldas@terra.com.br
Rosenir Rita de Cassia Moreira da Silva, rosenir@vm.uff.br
Arlindo de Almeida Rocha, arsumalu@vm.uff.br
Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia Química, Escola de Engenharia
Rua Passos da Pátria, 156, CEP. 24210-240, Niterói, RJ, Tel. (21)2620-7070 R. 342, Fax. 2717-4446

GESET – Grupo de Estudos Sobre o Ensino Tecnológico

Resumo - O presente trabalho apresenta a montagem de um ambiente computacional interativo
utilizando o software Maple, tendo como objetivo a análise de problemas de Fenômenos de
Transporte de massa, calor e quantidade de movimento para estudantes em nível de graduação na
área de engenharia. Trata-se de um ambiente computacional interativo com uma interface amigável
e de fácil comunicação com o software de forma que o usuário não precise ser um expert em Maple
para resolver os problemas. O usuário pode partir de conceitos fundamentais obter a solução das
equações, culminando com as aplicações da teoria apresentada na forma de equações, tabelas ou de
gráficos. A utilização desse ambiente interativo globalizado na forma de “livro digital inteligente”
possibilita ao estudante uma análise mais completa, rigorosa e com profundidade da transferência de
massa, calor e quantidade de movimento em diferentes situações de interesse prático e teórico. Em
particular é apresentado um exemplo de aplicação considerando uma reação catalítica sujeita às
limitações difusionais internas de transporte de massa e calor.
Palavras-Chave: Maple. Ambiente Computacional Interativo. Difusão em catalisador poroso.

obtenção da solução e aplicação final. os quais implicam em soluções aproximadas e imprecisas para esses problemas. 2. podendo elaborar gráficos em duas ou três dimensões e gráficos animados. Problemas relativos ao mecanismo de transferência de massa. calor e quantidade de movimento geralmente apresentam um grau de dificuldade considerável para os alunos do curso de graduação em engenharia química. Fenômenos de Transporte II. o Maple pode ser utilizado em diversas áreas. o reconhecimento da informática no mundo da engenharia. simbólicos e numéricos de problemas de transferência de calor. Porém. estatística. problemas complexos podem ser facilmente resolvidos por meio de softwares especializados. somente se aplicam a determinadas situações e dependem da utilização de gráficos. CALOR E QUANTIDADE DE MOVIMENTO DA O ambiente computacional desenvolvido possibilita descrever o comportamento reacional em catalisadores porosos sujeitos às limitações difusionais internas à transferência de massa e calor de forma . simplificando essas equações gerais.1. Assim. cilíndricas e esféricas. Devido a sua grande potencialidade. Esses métodos. destacando-se o cálculo diferencial e integral. o Maple possui ferramentas gráficas para a visualização de resultados. O AMBIENTE COMPUTACIONAL INTERATIVO PARA ANÁLISE TRANSFERÊNCIA DE MASSA. massa e quantidade de movimento em sistemas de coordenadas cartesianas. Através da definição do sistema de coordenadas. Na maioria dos livros encontramos métodos simplificados para a solução de tais problemas. A partir daí. visualizar a solução analítica desse problema e finalmente. o aluno também pode dispor rapidamente de resultados exatos ou aproximados de complexidade e precisão variáveis. Fenômenos de Transporte III e Cinética Heterogênea do Curso de Engenharia Química da UFF. mais especificamente na análise do desempenho de um catalisador esférico considerando a transferência de calor e massa no interior da partícula do catalisador e a determinação da sua efetividade. que pode ser definida (Gonnet e Grunz) como a computação com variáveis e constantes de acordo com as regras da álgebra. 3. na engenharia. acredita-se que o uso da informática no ensino de engenharia pode trazer muitos benefícios. as equações diferenciais e os sistemas de equações diferenciais. como matemática. Além de trabalhar com operações algébricas. corresponde a um ponto fundamental no processo de ensino-aprendizagem. O Maple permite resolver problemas levando a soluções analíticas e exatas. o aluno pode verificar passo a passo como é formulado o problema de valor de contorno e inicial. o software gera as equações gerais da conservação de massa. os sistemas de equações algébricas. análise e outros ramos da matemática. O presente trabalho buscou desenvolver um ambiente computacional com características didáticas que possibilite o conhecimento dos passos necessários para o desenvolvimento de modelos algébricos. INTRODUÇÃO Este trabalho é parte de um projeto educacional que visa dinamizar o Ensino de Tópicos Matemáticos. variáveis e operações formais. física. química. Neste trabalho. em muitos casos. O SOFTWARE MAPLE O software Maple consiste em um sistema de computação algébrica (às vezes chamada de manipulação algébrica ou computação simbólica). a atenção será focada na utilização do Maple para a resolução de problemas de transferência de calor e massa. A utilização do software possibilita integrar todo o conhecimento necessário para a solução deste problema desde a formulação básica das equações de conservação. Desta forma. em diversas áreas da matemática. energia e quantidade de movimento. e em especial. entre outras. O ponto chave desta abordagem está no fato de que com o avanço tecnológico da informática. utilizando como ferramenta um software matemático podemos obter rapidamente soluções mais exatas e resultados mais precisos de forma mais rápida e simples. finanças. Neste trabalho é apresentado um exemplo de aplicação considerando uma reação catalítica sujeita às limitações difusionais internas de transporte de massa e calor. a álgebra linear. fazendo com que o senso crítico seja incentivado e mais conhecimento seja agregado. O software realiza manipulação de expressões que envolvem símbolos.

interativa. cilíndrico ou esférico. O ambiente utilizado é estruturado em módulos. A Figura 2 mostra o resultado final das equações geradas. A Figura 1 apresenta a tela do menu principal. resolvendo numericamente as equações que governam o problema. onde cada módulo pode ser acessado apertando o botão de “+” à esquerda do modulo desejado. . energia e quantidade de movimento. A partir daí o software gera automaticamente as equações gerais da conservação de massa (para um componente puro e para misturas binárias). Pode-se acompanhar todas as etapas do processo. transferência de massa e quantidade de movimento. variando-se os diversos parâmetros. onde por meio de um menu principal o usuário seleciona o módulo desejado e pode acompanhar na seqüência todos os passos necessários para a obtenção da solução de qualquer problema de transmissão de calor. A modelagem desse fenômeno facilita o estudo de fenômenos de transporte e cinética heterogênea. Figura 1. Demonstração do Ambiente Computacional Interativo Ao acessar o primeiro módulo correspondente às equações da conservação no sistema de coordenadas adequado o usuário deverá entrar com o sistema de coordenadas que será utilizado para solução do problema: cartesiano.

Figura 2. uma diferencial (equação 8) e outra algébrica (equação 5). definida pelo próprio usuário. As equações 5 e 8 serão descritas no próximo item (Formulação do Problema). Em seguida. • dependência funcional da temperatura e a dependência funcional da taxa de geração de calor por unidade de volume. para isso o usuário deverá fornecer os seguintes dados: • componentes do vetor velocidade e a dependência funcional das mesmas e a dependência funcional da pressão e as componentes da aceleração da gravidade. . no presente caso. A definição de parâmetros para a determinação da equação 8 pode ser visualizada na Figura 4. Posteriormente. estas são efetivamente aplicadas a cada equação de conservação. Além da formulação do problema esse é resolvido numericamente e a sua solução é apresentada na forma de gráficos de maneira a facilitar a compreensão dos dados. Equações Gerais da Conservação no Maple No módulo SIMPLIFICAÇÕES é realizada a simplificação das equações. Resolve-se o sistema de equações. efetua-se a adimensionalização do problema. no módulo PROBLEMA FORMULADO são evidenciadas as equações a serem resolvidas para o problema proposto e suas respectivas condições de contorno. Após o fornecimento das simplificações. Os resultados são mostrados na Figura 3. • dependência funcional da concentração de componente A e a expressão da taxa de reação de A por unidade de volume.

Adimensionalização das equações .Figura 3. Simplificação das equações de conservação de massa e energia e obtenção da relação analítica entre temperatura e concentração Figura 4.

é possível. Partindo-se das equações de conservação de massa e de energia. sujeito às limitações difusionais internas à transferência de calor e massa. que expressa a razão entre a taxa real sujeita a limitação difusional e a taxa intrínseca (sem limitação). definido como: φ =R ks D A . verifica-se que a taxa de reação é uma função fortemente dependente da concentração e da temperatura. cilíndricas e de placa plana. em regime permanente e considerando-se que os fluxos radiais predominam. As condições de contorno são definidas na superfície e no centro de forma a garantir simetria radial e podem ser relacionadas a seguir: dCA =0 dr dT =0 dr C = C As T = Ts em r = 0 (3) em r = R (4) A solução dessas equações para determinação dos perfis de concentração e calor ao longo de r é difícil de ser obtida analiticamente. Desta forma. obter-se uma relação analítica entre a concentração e a temperatura em cada ponto do grão. em função do módulo de Thiele. T − Ts = (− ∆Hr )D A . ocorrendo num grão de catalisador. introduzindo os parâmetros e as variáveis adimensionais sugeridas por Weisz e Hicks (1966): γ= E RTs β= (− ∆HR )D A. ef C As λTs x= r R e y= C C As (7) . FORMULAÇÃO DO PROBLEMA O problema a ser estudado considera a reação química catalítica irreversível A → B. Pode-se então adimensionalizar as equações. é preciso dividir as equações diferenciais pela taxa de reação nas condições de superfície.4. ef (6) sendo ks = ko exp(-E/RTs). η. Os grãos podem ter geometrias esféricas. as seguintes equações diferenciais simplificadas:  D A . No entanto. por exemplo. cuja taxa de reação (-rA) é de primeira ordem em relação à concentração de A (CA).ef d 2 dC A r − rA = 0 dr r 2 dr  (1)  λ d  dT r + (− ∆HR )(rA ) = 0 dr r 2 dr  2 (2)  Sendo (-rA) = kCA . φ. ef λ (C As − C A ) (5) Para resolver este problema e obter-se o fator de efetividade. obtém-se para um catalisador esférico. pois devem ser resolvidas simultaneamente. onde k é a constante de Arrhenius que depende da temperatura e pode ser descrita como k = ko exp(-E/RT).

Após as devidas substituições chega-se a seguinte equação: d2 y 2 dy γβ (1 − y) + = φ 2 y exp dx 2 x dx 1 + β (1 − y )   (8)  com as seguintes condições de contorno: .

.

foram escolhidos valores de =40.2 a 20. como exemplo. correspondendo os valores médios a um estado instável. = -0. dy (0 ) = 0 dr e y(1) = 1 (9) A resolução dessa equação não é trivial. 6 e 7. Os gráficos para o fator de efetividade ( ) versus os valores de para coordenadas esféricas. conduzindo a soluções múltiplas da equação. pois trata-se de um problema não linear de elevada complexidade. Este comportamento resulta da solução da equação do balanço de energia ser uma função fortemente não linear da temperatura.3. maiores do que 1. cilíndricas e retangulares são apresentados nas Figuras 5. o positivo para reações exotérmicas e o nulo para reações isotérmicas.   Para reações exotérmicas ( >0) devido ao aumento significativo da temperatura na superfície e no interior dos catalisadores.     A partir desses valores foram executadas as rotinas construídas resolvendo numericamente a equação obtida. Para valores elevados de e na zona dos baixos valores de .3 e um intervalo de de 0. O valor de negativo corresponde às reações endotérmicas.      Figura 5. 0. 5. RESULTADOS OBTIDOS Para o problema em questão. correspondem três valores de não mostrados no intervalo analisado para o exemplo. Nessa situação de múltiplo estado estacionário somente os valores mais altos ou mais baixos de são atingidos conforme a direção da aproximação. as taxas de reação tornam-se maiores resultando em valores altos para o fator de efetividade. inclusive possuindo soluções múltiplas para certos valores dos parâmetros. o que corresponde a uma instabilidade físico-química. Fator de Efetividade (η η) versus o Módulo de Thiele (φ φ) – Grão esférico . 0.

Fator de Efetividade (η η) versus o Módulo de Thiele (φ φ) – Grão cilíndrico Também se verifica os perfis adimensionais para concentração e temperatura em função da distância para coordenadas esféricas. pelas Figuras 8 e 9. . Fator de Efetividade (η η) versus o Módulo de Thiele (φ φ) – Grão retangular Figura 7.Figura 6.

Além disso. préexistentes e limitados. a ordem da reação. como conseqüência das altas taxas de reação observadas. pode-se verificar que para reações na qual a limitação difusional interna exerce extrema importância a reação química ocorre quase completamente na superfície do catalisador. e os valores de módulo de Thiele. Por exemplo. essa concentração converge para um pequeno valor positivo. Certamente torna o aprendizado mais dinâmico e voltado à análise conceitual. a utilização deste software propicia um entendimento maior do assunto em sala de aula. um avanço na forma de ensinar. Didaticamente representa uma alternativa promissora.5. fazendo com que o usuário.5 até 0. tornando a aula mais dinâmica. O problema aqui proposto pode ter uma série de variações. Isto visto. sempre haverá um vestígio de concentração de reagente no interior do catalisador. 6. preparados para solucionar problemas em ambiente de elevada complexidade tecnológica. Em particular neste caso. podem assumir valores acima de zero e à medida que crescem. A introdução de um software de matemática com um pacote didático no curso de engenharia traz consigo uma dinâmica diferenciada onde o aluno tem uma participação mais efetiva e menos passiva. com base nos resultados que vão sendo obtidos. pois como a velocidade da reação é baixa. a forma do catalisador como visto. Perfil de Temperatura e Concentração para Reações Endotérmicas Figura 9. que podem ser analisadas. sem ter que recorrer a gráficos ou tabelas.Figura 8. geralmente na prática variam de -0. já que o software permite uma abordagem seqüencial. É uma ferramenta que permite ao aluno juntamente com o professor fazer os cálculos em qualquer momento. verificar suas influências e decidir os novos caminhos. Essa concentração é nula no interior do catalisador para reações exotérmicas. os valores de β que podem variar de valores negativos a positivos. há que se fazê-lo buscando uma ampla e sólida base nos fundamentos da análise conceitual. CONSIDERAÇÕES FINAIS O uso do ambiente computacional usando MAPLE é interessante para solucionar problemas complicados como esse apresentado. Já para reações endotérmicas. Os valores de γ podem assumir qualquer valor positivo. para qualquer hipótese. A visualização dessas soluções de forma interativa faz com que o aluno perceba as influências dos diversos fatores. pois terá . Perfil de Temperatura e Concentração para Reações Exotérmicas É possível analisar os resultados para cada parâmetro proposto. pois ele pode escolher os parâmetros. também positivos. venha a decidir os novos parâmetros a serem inseridos. quando se planeja a formação de engenheiros capazes de atender às necessidades da sociedade. aumentam as limitações difusionais internas. passando pelo zero (reações isotérmicas). comumente estão entre 0 e 60. tornando o ensino mais facilitado.

. 1960. M. 7. S. The Shooting Technique for the Solution of Two-Point Boundary Value Problems. HECK.. Introduction to Maple New York: Springer-Verlag. Mathematical Methods in the Physical Sciences New York: John Wiley & Sons.. Journal. Rio de Janeiro. ROCHA. (2002). pp. Catalytic Oxidation of Hydrogen – Intrapellet Heat and Mass Transfer. 1989 FOGLER. B. Alicação do maple como um ambiente didático para ensino. Rio de Janeiro. F. . da 3a ed.. 265-275. R.Ch. H. 12. Fundamentos de transferência de calor e de massa: LTC-Livros técnicos científicos editora. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 1999 BIRD... I.. WEISZ. P. 1999. 1996. R. E. MAPLE V by Ex-ample New York: Academic Press. vol. M. 845-854. Transport Phenomena New York: John Wiley & Sons. J. F.I. et al. Ed. vol. SILVA. C. WHITE. F. London: Pergamon Press Ltd. J. 1966. pp.. no 1. no 5. A. . 1998. REFERÊNCIAS ABEL.. The Behaviour of Porous Catalyst Particles in View of Internal Mass and Heat Diffusion Effects. 2003. MITRE. Fundamentos de Transferência de Massa. M. 3. Elementos de Engenharia das Reações Químicas. B. 1993. South Carolina: Waterloo Maple Inc. MEADE. BOAS.A. J. . 1983 CREMASCO. M. RIBEIRO. Mapletech Computer Algebra. R. L.. A. INCROPERA.E. Editora da Unicamp. F. em inglês Elements of Chemical Reaction. R. B. et al. Chemical Engineering Science. FIGUEIREDO. HICKS. R. 1962.. especialmente se o problema proposto for baseado num caso de interesse industrial. Livros Técnicos e Científicos. Traduzido por Flávio Faria de Moraes e Luismar Marques Porto. Anais do IX EEE. et al. R. Catálise Heterogênea. L. S. D. modelagem e simulação de reatores PFR.. 17. LACERDA. ou seja num caso real do ponto de vista do corpo discente. B. J. M.a oportunidade de colocar o conhecimento adquirido nas aulas teóricas em prática para analisar e resolver um problema proposto. P. HARAN. 2004. MAYMO. A. vol.. J. A. S. RJ. SMITH... A.