You are on page 1of 3

Comentário à análise crítica ao

modelo de auto-avaliação das


Bibliotecas Escolares realizada
pela Colega Maria Isabel Ferreira

Após a leitura atenta de algumas tarefas, resolvi comentar, mais uma


vez, o trabalho da colega Maria Isabel Ferreira, pelo facto de corresponder
à visão de uma professora bibliotecária com alguma experiência na
aplicação deste Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares,
contrariamente à minha situação.
Refere a colega que se sente em condições de afirmar que se trata de
um documento onde «de uma forma estruturada, mostramos o caminho que
temos de percorrer e ajuda-nos a planificar e a orientar as nossas praticas
diárias».
Embora não tenha ainda testado este modelo de auto-avaliação, esta
opinião vem, em parte, ao encontro a que o meu e o seu estudo querem
conduzir.
Considero que o trabalho da colega esta muito completo quanto aos
vários aspectos abordados e apresenta questões/situações muito pertinentes
para reflexão, evidenciando já uma boa apropriação do modelo e a
possibilidade de redireccionar experiência, contornando alguns
constrangimentos, com sabedoria.
Quanto a questão da pertinência do modelo de auto-avaliação, quero
acreditar que vai contribuir para que se caminhe no sentido da qualidade e
Comentário à análise crítica ao modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
realizada pela Colega Maria Isabel Ferreira

da melhoria e que vai permitir que a escola interiorize a biblioteca como


parceiro fundamental na aquisição de competências.

Quero ainda destacar a referência à exequibilidade do modelo de


auto-avaliação, quando refere que já se está a compreender a importância
das bibliotecas escolares pela comunidade educativa «como um espaço de
trabalho, de lazer e, ainda, no plano de actividades curriculares, como o
recurso fundamental de apoio aos processos de ensino/aprendizagem,
facultando os processos de apreender e aprender e privilegiando-se, por
esta via, os processos e não apenas os produtos de aprendizagem».
(Rodrigues-2000 pag 46).
A partilha que a colega fez na sua análise, fruto da sua experiência
nesta área, poderá servir de ensinamento a todos os professores
bibliotecários, em especial, àqueles que, como eu, estão nestas funções de
aplicação do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares, pela
primeira vez.
Concluindo, achei o trabalho da colega bem escrito, bem estruturado,
muito claro e interessante. Tenho a certeza que, com a experiência que já
tem, irá continuar a realizar um óptimo trabalho na sua biblioteca escolar.

Desejo à colega um bom trabalho.

2ª Tarefa da 2ª Sessão
2
Comentário à análise crítica ao modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
realizada pela Colega Maria Isabel Ferreira

Novembro de 2009
A Formanda: Maria Dolores Poças