You are on page 1of 48

Semanário Regional de Informação Director: João Campos www.jornalnordeste.

com
nº 687. 22 de Dezembro de 2009 . 0,75 euros

Pai Natal passeia


MACEDO
DE CAVALEIROS

em Bragança
Desfile organizado pela Associação
21 presépios no Académica do Instituto Politécnico
centro da cidade junta cerca de 400 figurantes Rª. Abílio Beça, nº 97, 1º
Tel: 273 333 883 - BRAGANÇA
IMOPPI Nº 50426

Boas Festas
Regressamos a
5 de Janeiro de 2010

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


OPINIÃO

O Natal é um infinito
Pe. José Rodrigues gesto de amor…
Hoje Alguém nasceu. Uma virgem sive aqueles pobres pastores, que fo- nós?” É possível que cada um de nós tragédia dos homens que não abrem
deu à luz do mundo a própria Luz do ram os primeiros a visitá-l’O. tenha mudado, não, porém, o Natal. espaço para Deus. É a tragédia que
mundo! Um paradoxo! Certo; mas no Por isso, Ele nasceu onde não ha- Apesar disso, quantos não tentaram se perpetua nos milhões de recém-
Natal tudo é paradoxo. É “o avesso do via portas, muros, grades, ou coisas mudar o Natal? E se olharmos bem nascidos que não têm berço, nem
avesso”. que os valham. Nasceu a céu aber- para o que se entende por Natal nos manjedoura, nem mesmo caixão ou
O nascimento de um Deus foi to, num estábulo, à disposição de dias actuais, vamos concluir que ob- sepultura, pois a lata de lixo é o ca-
muito mais simples e natural do que todos. Nasceu criança frágil, pobre tiveram sucesso: mudaram o Natal. minho mais curto que dão à torta de
o nascimento da maioria dos seres e carente, que não inibe ninguém. De que modo? Ora, muito simples. sua vida. Mas o Natal é, sobretudo,
humanos. Nós complicamos tudo; o Exactamente porque Ele é “Emanuel, Transformaram o Natal numa festi- o nosso eterno Deus assumindo a
Natal descomplica. Nós valorizamos Deus connosco”. Foi colocado numa nha ecológica só faltando mesmo os nossa tragédia de alienação e culpa.
a complexidade; o Natal supervalori- manjedoura não apenas porque não bichinhos falarem. Mas nem por isso E é só por isso que ele deixa de ser
za a simplicidade. dispunha de um berço, mas porque o o clima do “era uma vez” fica prejudi- uma tragédia para se transformar na
Jesus quis nascer de forma tão seu destino era dar-se por completo, cado, pois lá está o bebezinho gordu- maior de todas as alegrias.
simples justamente para que o Natal era ser comida e manjedoura é lugar chinho deitado na manjedoura. Alegremo-nos! Alegre-se o justo
fosse acessível a todo mundo. Se Ele de se colocar comida. Mas o Natal é uma tragédia. É a porque se aproxima da plenitude da
tivesse nascido num palácio, esse pa- O Natal é um infinito gesto de tragédia da mãe desamparada que vida. Alegre-se o pecador porque lhe
lácio iria inibir todas aquelas pessoas amor. Só entenderá sua mensagem viaja semanas para ter o filho numa é oferecido o perdão. Alegre-se o que
que nunca tiveram acesso a um palá- quem entender a linguagem do amor, terra estranha. É a tragédia do fi- anda longe porque é chamado à vida.
cio. Se tivesse nascido numa mansão, que será sempre paradoxal, estúpi- lho que, não tendo berço, é acolhido Se um cristão não rejubila, o que é
as grades de ferro, os muros altos, da e ridícula para aqueles que não numa manjedoura. É a tragédia de que se passará com ele?
o porteiro electrónico, os vigias e os amam. Deus, que, vindo ao mundo, não en-
cães iriam inibir muita gente, inclu- “Mudou o Natal, ou mudamos contra a mínima receptividade. É a Votos de um Santo Natal.

Café-concerto solidário
T.B. Eskuadrão Furtivo, Laronha e o gru-
po da escola de música - “Vamusica”.
Mercado Municipal de Bra- Os artistas brigantinos associa-
ram-se a esta causa solidária, que
gança encheu-se de música cativou alunos, encarregados de edu-
e alegria cação, professores e auxiliares educa-
tivos.
Música e muita animação invadi- Recorde-se que esta iniciativa
ram, na passada quinta-feira, o Mer- teve início há um ano para proporcio-
cado Municipal de Bragança. O II nar à comunidade escolar uma festa
Café-concerto solidário, organizado em família.
pelos professores de Educação Mo- Conscientes das dificuldades de
ral e Religiosa Católica das escolas da muitos alunos e da importância desta
cidade, em parceria com a delegação época natalícia, os professores deci-
de Bragança da Cruz Vermelha Por- diram fazer algo diferente no Natal,
tuguesa, contou a participação de di- sem esquecer a mensagem de Jesus
versos grupos da cidade. Cristo.
Os grupos musicais que abri- Este ano, a comunidade escolar
lhantaram o espectáculo foram a decidiu apoiar as famílias carencia-
Tuna da Escola Augusto Moreno, a das da região. A Cruz Vermelha asso-
Tuna S. António - Casa de Trabalho ciou-se a esta iniciativa com a recolha
de Bragança, os Bfive, Matson Mand, de alimentos e brinquedos. Grupos brigantinos associaram-se a causa solidária

FICHA TÉCNICA
Fundador: Fernando Subtil - Director: João Campos (C.P. Nº 4110) - Secretária de Redacção e Administração: Cidália M. Costa
Departamento de Marketing e Publicidade: Bruno Lopes e Orlando Bragança - ASSINATURAS: Sandra Sousa Silva
REDACÇÃO: Bruno Mateus Filena, Orlando Bragança, Sandra Canteiro (C.P. Nº 8006), Teresa Batista (C.P. Nº 7576) e Toni Rodrigues
Correspondentes - Planalto Mirandês: Francisco Pinto - Mirandela: Fernando Cordeiro e José Ramos - Torre de Moncorvo: Vítor Aleixo
email:geral@jornalnordeste.com FOTOGRAFIA: Studio 101 e RC Digital
Propriedade / Editor: Pressnordeste, Unipessoal, Lda - Contribuinte n.º: 507 505 727 - Redacção e Administração: Rua Alexandre Herculano,
Nº 178, 1º, Apartado 215, 5300-075 Bragança - Telefone: 273 329600 • Fax: 273 329601
Registo ICS N.º 110343 - Depósito Legal nº 67385/93 - Tiragem semanal: 5.000 exemplares
Impressão: Diário do Minho - Telefone: 253 609 460 • Fax: 253 609 465 - BRAGA
Assinatura Anual: Portugal - 25,00 €; Europa - 50,00 €; Resto do Mundo - 75,00 €

 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


Arte Sacra
Macedo de Cavaleiros
Presépios
vão a votos
nos roteiros turísticos
SANDRA CANTEIRO

Património religioso de
Macedo de Cavaleiros já
foi visitado por milhares de 21 presépios enchem ruas de Macedo

pessoas A criatividade imprimida nos 21


presépios de Natal que decoram as ruas
A religiosidade e devoção dos po- mais centrais de Macedo de Cavaleiros
não deixa ninguém indiferente.
vos do concelho de Macedo de Cava-
Ao longo de semanas, escolas e co-
leiros chegam até ao visitante a partir
lectividades do concelho trabalharam
de peças verdadeiramente únicas e
afincadamente para levarem a concur-
de valor incalculável. so os trabalhos natalícios. “Trata-se da
Uma viagem pelo mundo do (o) terceira edição de uma iniciativa pro-
culto e da veneração é a proposta movida pela autarquia e Santa Casa da
lançada pelo Museu de Arte Sacra de Misericórdia local, através do projecto
Macedo de Cavaleiros. Trampolim, na qual podem participar
Instalada na Casa Falcão, a expo- instituições e grupos organizados da
sição “Do Espírito à Imagem” acolhe região”, explicou Sílvia Garcia.
cerca de 80 peças que resultam da in- Dos 21 presépios, o público em ge-
ventariação do espólio da diocese de Museu de Arte Sacra já recebeu milhares de visitantes ral e o júri decidem os quatro melhores
Bragança – Miranda. que receberão prémios monetários que
“Este processo arrancou em ção, a edilidade decidiu avançar com que estão ao culto longe dos devotos vão dos 85 aos 275 euros.
2004, pelas mãos da autarquia, que a criação de um espaço que pudesse durante muito tempo, pelo que te- “Primeiro há uma votação com os
apostou na catalogação do patrimó- acolher, em regime de rotatividade, mos que as restituir às paróquias”, trabalhos sem identificação e só depois
nio religioso do nosso concelho, e da uma exposição divida em quatro te- sublinhou a responsável. é revelado o autor para que a popula-
Associação Terras Quentes, que efec- máticas: escultura imaginária, ouri- Inaugurada em Maio deste ano, a ção possa pontuar”, sublinhou Sílvia
tuou o restauro das peças”, informou vesaria, livro litúrgico e pintura. unidade recebeu, só no primeiro mês, Garcia, que adiantou, ainda: “a adesão
a vereadora da Câmara Municipal de “A Associação Terras Quentes já mais de mil visitantes, dos quais, ape- por parte dos habitantes é muito boa,
já que as próprias colectividades ape-
Macedo de Cavaleiros (CMMC), Síl- está a trabalhar nas peças que inte- nas, 30 por cento são do concelho de
lam à participação”.
via Garcia. grarão a próxima exposição, uma vez Macedo de Cavaleiros.
Assim sendo, até 4 de Janeiro os
Depois de concluída a inventaria- que não podemos manter as imagens “Como mais de metade das pes-
interessados podem votar no seu pre-
soas que passam pelo Museu são de sépio favorito no Gabinete de Apoio
fora, a autarquia promove, até Feve- ao Cidadão da autarquia. A par desta
reiro, visitas guiadas para os habi- iniciativa, o Posto de Turismo de Mace-
tantes, sendo que, todos os sábados, do de Cavaleiros acolhe, também, uma
vamos buscar os interessados às al- mostra de presépios elaborados pelos
deias”, adiantou Sílvia Garcia. alunos das escolas de 2º ciclo.

Licença Nº. 1330 AMI

Invista com confiança


Apartamento T3 - € 82.500 Apartamento T1 – Espanha T- 3 e T- 4 em construção
Usado, garagem fechada, dupla caixi- - € 90.000
lharia, bom isolamento, perto do centro A dois minutos do centro, ex-
Em zona turística, com bons
posição solar excelente, vistas
acabamentos
Apartamento T2 - € 78.000 panorâmicas, grandes áreas,
Excelente local, cozinha equipada c/ Rica Fé - Habitações de qualida- Acabamentos modernos etc.
móveis modernos, aquecimento central
completo. Óptimos acabamentos e vistas
de a preços imbatíveis
Últimos para venda – T-2 / T-3 /
panorâmicas para o Parque Natural de Escritório - Sá Carneiro
Montesinho T-4 / T-3 Duplex
Com 32 m2, venda € 32.000 /
arrendamento € 220/ mês
Apartamento T4 - € 135.000 Terreno - € 138.000
Com 182 m2, acabamentos de Av. Abade de Baçal, área 600
qualidade, junto ao Jardim da m2, com projecto Loja Comercial
Braguinha
Apartamentos T1 - Porto – € 65.000
Apartamento T3 - € 90.000 Ao bairro Santa Isabel
Ao Eixo Atlântico, último andar, Acabamentos de qualidade,
perto de tudo, mobília de cozinha, junto ao Hospital de S. João, a (antigos escritórios
grandes áreas. Como novo partir de € 90.000 Sisdouro)

R. Abílio Beça (Zn Histórica) • Tel: 273324569 • Fax: 273329657 • Bragança - www.predidomus.pt

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


NATAL 2009

 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Choque frontal CASOS DE POLÍCIA


Mirandela
Apreensão em es-
BRUNO MATEUS FILENA
tabelecimento de
Três feridos enviados, de diversão nocturna
imediato, para o hospital
A Polícia Judiciária, através da
após acidente violento Unidade Local de Investigação Cri-
minal de Vila Real, realizou, durante
Duas viaturas embateram fron- madrugada da passada quinta-feira,
talmente, no dia 15, em Bragança, uma acção policial na zona de Mi-
após tentativa de ultrapassagem de randela, incidindo o seu trabalho
uma terceira, que acabou por ser en- num conhecido estabelecimento de
volvida no acidente, na sequência da diversão nocturna, conotado com a
primeira colisão. Apesar do aparato e alegada prática dos crimes de lenocí-
dos elevados danos materiais, regis- nio e auxílio à imigração ilegal.
taram-se apenas três feridos ligeiros. Da referida acção policial, que
Na Rua Alexandre Herculano, contou com a participação do Ser-
perto das 17:40, um Seat Ibiza preto viço e Estrangeiros e Fronteiras de
de 2008, que ia no sentido da Flor- Bragança, resultou a apreensão e
Trânsito esteve interrompido nos dois sentidos
da-Ponte, parou mesmo em frente à selagem do imóvel, a apreensão de
Galp, alegadamente, para deixar um turas. O taxista, assim como o casal tiveram apenas ferimentos ligeiros e artigos correlacionados com a activi-
dade ilícita, bem como a identifica-
passageiro. Outra viatura, um Citro- que se fazia transportar no Citroen, foram encaminhados para a unida-
ção e notificação de três cidadãs de
en C4, que trazia um casal, vinha da foram rapidamente transportados de hospitalar nos 15 minutos que se
nacionalidade brasileira em situação
mesma direcção e, ao aproximar-se, para o hospital, dada a violência do seguiram.
irregular, para abandono voluntário
tentou a ultrapassagem. No entan- choque frontal. Entretanto, a PSP teve de cortar do País. Foram, ainda, notificadas
to, um taxi de marca Skoda vinha No local, e conforme informações a Rua Alexandre Herculano nos dois mais duas mulheres para diligências
em sentido contrário. Resultado: um prestadas pela PSP, os três envolvi- sentidos, enquanto os carros que ocu- processuais pendentes e identifica-
choque frontal entre ambas as via- dos, apesar de visivelmente abalados, pavam a via não eram removidos. dos vários indivíduos frequentado-
res do estabelecimento.

Carrazeda de Ansiães

Detido por tráfico Detenção por


posse de armas

de pessoas proibidas
A Polícia Judiciária identificou e
deteve, anteontem, um indivíduo do
sexo masculino, de 31 anos, trolha
BRUNO MATEUS FILENA articulada entre a delegação de Bra- O SEF refere que “ficou provado” de profissão, natural e residente em
gança do SEF e o Centro de Coope- que este homem era motorista de um Carrazeda de Ansiães, pela posse de
ração Policial e Aduaneira de Quinta- autocarro que transportava cidadãs armas e munições proibidas.
Bebés de cidadãs búlgaras nilha. búlgaras em fase final de gravidez A detenção ocorreu aquando da
realização de uma busca domiciliá-
eram vendidos por dois mil Segundo a Agência Lusa, sobre o para França, de modo a que os be-
ria ao suspeito da autoria do crime
búlgaro pendia um mandado de de- bés nascessem já naquele país, onde
euros a casais franceses tenção europeu, emitido pela França, “eram vendidos a casais franceses”, de incêndio doloso em viatura e de
para efeitos de extradição. De acordo por dois mil euros. Alegadamente, furto qualificado, sendo também ar-
O Serviço de Estrangeiros e Fron- com o comunicado do SEF, “o deti- seria também ele a receber o dinhei- guido em diversos inquéritos de di-
teiras (SEF) anunciou a detenção, em versos tipos de crimes, que correm
do foi presente a tribunal para efeitos ro da venda.
no Tribunal Judicial de Carrazeda
Bragança, de um indivíduo procura- de conclusão do processo de extradi- O estrangeiro “foi julgado à reve-
de Ansiães e na GNR local.
do na Europa por tráfico de pessoas. ção e posterior entrega às autorida- lia pela justiça francesa, na sequência
Da acção resultou a apreensão de
O cidadão, oriundo do Leste Eu- des francesas a fim de cumprir cinco de uma investigação levada a cabo diversas armas proibidas, tais como
ropeu, foi detido sexta-feira, 11 de anos de prisão pelo crime de tráfico pelo Serviço Central de Combate ao um bóxer, armas brancas, um bastão
Dezembro, no âmbito de uma acção de pessoas”. Tráfico de Seres Humanos francês”. e dezenas de munições de arma de
fogo, bem como material relaciona-
do com a investigação em curso.

Tlm:
966830231

Lavagens
MARQUES
Parque do Feira Nova
BRAGANÇA

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Idosos fazem o Natal VOZES


Glória Rufino
“Nesta época passo
SANDRA CANTEIRO sempre com a família
que se reúne. Preparo
umas comidas espe-
Mais velhos levaram a pal- ciais, como rábanos e
co peças de teatro e músi- bacalhau. Tenho netos
cas natalícias e bisnetas, pelo que lhes compro
sempre umas lembranças no Na-
Os tempos e as tradições muda- tal”.
ram, mas o espírito natalício perma-
nece intacto entre os idosos do con- Olímpia Gomes
celho de Bragança que animaram o “No Natal junto-me
Auditório Paulo Quintela, com músi- sempre aos meus fami-
cas e peças de teatro. liares e é uma época
Assim, mais de uma centena de muito feliz para mim.
utentes de sete Instituições Particu- Na minha aldeia, a tra-
lares de Solidariedade Social (IPSS) dição é acender uma
do concelho foram os protagonistas grande fogueira que reúne muita
da Festa de Natal promovida pela gente”.
Junta de Freguesia da Sé (JFS).
“Continuamos a trabalhar com as
entidades da região, que trouxeram
João Alves
“Passo o Natal jun-
os seus idosos mais independentes
to da família. Gosto
para participarem nesta iniciativa”,
muito destas festas,
adiantou a secretária da JFS, Alexan-
Idosos fizeram festa de Natal porque nos ajudam a
dra Reis.
passar o tempo. As tra-
Segundo a responsável, “tendo muito tempo disponível e estão com mas natalícios que foram ensaiados
dições natalícias são
em conta o envelhecimento popula- saudades da família”. nas respectivas instituições.
muito diferente do tempo em que
cional da região, é importante que Assim sendo, a palco foram leva- No final das actuações, a JFS ofe-
eu era rapaz. Era tudo mais alegre
continuemos a acarinhar os mais ve- das, pelas mãos dos idosos, peças de receu um lanche a todos os que mar-
do que agora”.
lhos, sobretudo nesta época que têm teatro, coreografias, músicas e poe- caram presença na festa.

 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Presépio ganha vida em Vinhais


de pessoas. mento Social, Carla Santos.
Realizado pelo terceiro ano, o O interior das muralhas de Vi-
Presépio Vivo foi, também, um pre- nhais foi, assim, preparado a rigor
texto para a angariação de bens, para acolher as cenas da celebra-
como brinquedos, alimentos e ves- ção do casamento de Maria e José,
tuário, que serão doados a pessoas o banquete e o nascimento do Me-
mais desfavorecidas. nino que foram ensaiadas ao longo
“Solicitámos a quem nos venha das últimas semanas.
ver que trouxesse algo, como uma “Começámos há algum tempo a
oferenda, que iremos distribuir em preparar esta iniciativa, até porque
parceria com o Centro de Saúde”, não tínhamos trajes para todos e ti-
explicou a coordenadora do projec- veram que ser alugados”, acrescen-
to Contrato Local de Desenvolvi- tou a responsável.

Presépio monado no Largo do Arrabalde

SANDRA CANTEIRO a representação do nascimento de


Jesus Cristo.
Promovida pela Câmara Muni-
40 pessoas representaram cipal de Vinhais, em parceria com a
vida de Maria e José e nas- Junta de Freguesia, o Agrupamento
de Escolas D. Afonso III e o pro-
cimento de Jesus Cristo jecto Contrato Local de Desenvol-
vimento Social, a iniciativa reuniu
Trajados a rigor, pastores, pa- cerca de 40 pessoas que deram vida
deiras, soldados, Maria, mãe de Je- à celebração do casamento de Maria
sus, e José fizeram da Casa da Vila, e José e ao nascimento do Menino
em Vinhais, o cenário perfeito para perante o olhar atento de dezenas Centro histórico foi palco da encenação

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Estudantes solidários Bragança


Política
de entre-ajuda
SANDRA CANTEIRO
“Porque a pobreza existe, não po-
demos fechar os olhos!”, foi o nome
Alunos das escolas secun- da campanha solidária levada a cabo
dárias de Bragança unem- pela Concelhia da Juventude Socia-
lista de Bragança, nos dias 10 e 11 de
se para angariar fundos Dezembro, em parceria com as Esco-
para a ASCUDT las Secundárias Miguel Torga, Abade
de Baçal e Emídio Garcia e respecti-
Porque ser estudante não é só vas Associações de Estudantes.
desfrutar das noites académicas ou A Associação Sócio-Cultural dos
bebidas, os alunos das escolas secun- Deficientes de Trás-os-Montes (AS-
dárias de Bragança decidiram organi- CUDT) foi a entidade seleccionada
zar, na passada sexta-feira, uma festa para a entrega dos bens recolhidos,
com o objectivo de angariar fundos sendo que, esta iniciativa tem lugar
para a Associação Sócio-Cultural dos Estudantes angariaram cerca de 200 euros para a ASCUDT pelo terceiro ano consecutivo. A ju-
Deficientes de Trás-os-Montes (AS- ventude socialista justifica esta esco-
CUDT). melhores expectativas, o que de- Mas os estudantes não preten- lha por a ASCUDT ser uma institui-
“Depois de recolhermos bens para monstra que um Associação de Estu- dem ficar por aqui, já que, ao longo ção “cuja actividade de carácter social
esta instituição, decidimos promover dantes não é só copos, mas que tam- do ano, prevêem implementar mais é reconhecida por todos”.
um evento cujas verbas revertem a bém temos uma vertente solidária”, projectos solidários, bem como para A entrega de géneros alimentares
favor da ASCUDT”, explicou o pre- sublinhou o presidente da Associação angariar fundos para suportar a via- e bens não-perecíveis como roupa,
sidente da Associação de Estudantes de Estudantes da Escola Secundária gem de finalistas dos alunos mais ca- teve lugar pela manhã do dia 14 de
da Escola Secundária Abade de Ba- Emídio Garcia, Daniel Simões. renciados. Dezembro, no edifício da Obra Kol-
çal, João Tiago. Assim sendo, cada pessoa presen- “Vamos colocar caixas nas Asso- ping, onde esteve o presidente da Ju-
Organizada pela primeira vez, te no evento pagava dois euros, que ciações de Estudantes, onde os inte- ventude Socialista de Bragança, Nuno
esta iniciativa cativou cerca de 500 foram divididos pelas três escolas se- ressados podem deixar os bens que Machado. “Para estas associações de
jovens que animaram a tenda monta- cundárias e a ASCUDT. queiram para doarmos a outras ins- carácter social, toda a ajuda possível
da para o efeito no recinto do Merca- “No total, acreditamos que conse- tituições”, adiantou a presidente da é mais que significativa, sobretudo,
do Municipal de Bragança. guimos mil euros, dos quais cerca de Associação de Estudantes da Escola quando conta com o envolvimentos
“O número de alunos que passa- 200 euros vão para esta instituição”, Secundária Miguel Torga, Filipa Bar- de jovens estudantes”, sublinha o
ram pela festa superou até as nossas informou João Tiago. reira. responsável.

 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Bolo-rei de marron glacê Uma castanha


excepcional
JOÃO CAMPOS Avantajada no tamanho, “marron
glacê” é uma variedade de castanha
Rota dos Sabores adoça que passa por um processo de fer-
mentação controlada, que lhe dá um
Natal com produto aspecto semelhante a um fruto crista-
seleccionado lizado de sabor único.
Este é o produto que protagoniza
Este ano a pastelaria Rota dos Sa- um dos tipos de bolo-rei que a Rota
bores propõe-lhe um bolo-rei capaz dos Sabores produz até final da época
de marcar a diferença em qualquer natalícia, a par do Bolo-rei tradicio-
mesa de Natal. nal e Bolo-rei de chila do estilo “es-
Diferente na massa, recheada com cangalhado”. Isto além de rabanadas,
marron-glacê e adornada com nozes, sonhos, filhoses, sonhos de abóbora e
pinhões e avelãs, eis a mais recente de cenoura, a par dos indispensáveis
proposta do mestre pasteleiro Eurico salgadinhos.
Castro, que assina a concepção e con- No que toca à parte do restauran-
fecção desta iguaria natalícia. te, o leitão, o peru assado, o cabrito e
Só pela decoração o Bolo-Rei de cordeiro fazem as honras da casa.
Marron Glacê não passa despercebi- Ouriço de Bragança enfeita o bolo-rei de marron glacê
do na vitrina da Rota dos Sabores.
Ao tamanho avantajado, cerca de 1,3 Nesta fase de lançamento, a acei- casos. Outra é a que vem do Chile, da
quilos, junta-se uma coroa “Ouriços tação do novo produto já excede as Austrália ou da África do Sul, que tem
de Castanha”, um reputado doce lan- expectativas do mestre pasteleiro, uma qualidade incomparável, mas
çado há dois anos para fazer justiça tanto mais que o preço (35,00 euros custa 3 vezes mais”, explica o profis-
ao mais característico fruto trans- por unidade) está acima dos outros sional.
montano. tipos de bolo-rei. “Pode parecer caro, A ideia, de resto, não é massificar
“A ideia é preservar o formato do mas a matéria-prima é de alta quali- o produto, mas conquistar um leque
bolo-rei e, com este tipo de decora- dade, incluindo frutos secos, que são de apreciadores que reconheçam a ex-
ção, dar oportunidade às pessoas de seleccionados. A própria sultana não celência do Bolo-Rei de Marron Glacê
provarem os ouriços de castanha”, é toda igual. Uma coisa é usar a sul- e o seleccionem para datas especiais
sublinha Eurico Castro. tana turca que se usa na maioria dos como o Natal e Fim de Ano.
Eurico Castro assina novo produto

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Escolas festejam Natal das escolas


Autarquias da região orga- O Pai Natal também chegou mais
cedo para as crianças mirandesas,
nizam festas para os mais tendo distribuído prendas a todos os
novos presentes.
A cidade também foi palco do 3º
Mais de três centenas de crianças Sarau de Natal, organizado pela As-
deram um colorido especial à Fes- sociação Mirandanças, no Auditório
ta de Natal organizada pela Câmara Municipal, com o apoio da autar-
Municipal de Vinhais, que decorreu quia.
na passada sexta-feira. Este é já um evento com alguma
Os alunos das escolas do Pré- história e tradição, uma vez que abor-
Escolar, Ensino Básico e Santa Casa da a cultura, a dança e a música mi-
da Misericórdia local reuniram-se, randesa.
assim, na Escola Sede do Agrupa- Em Alijó, a Câmara Municipal
mento de Escolas para assistirem ao ofereceu um variado leque de activi-
espectáculo circense que contou com dades culturais, como o filme “Força
a participação de palhaços, ilusionis- G”, destinado aos alunos do 1º ciclo
tas, malabaristas, contorcionistas, do ensino básico.
animais amestrados e cantores. Já os mais pequenos dos jardins-
Depois da diversão, a autarquia de-infância do concelho assistiram
presenteou os mais pequenos com Vinhais foi uma das autarquias que organizou actividades para a pequenada ao espectáculo “O Pai Natal Canta-
um gorro, um cachecol e um Pai Na- dor”, que levou a palco temas infantis
tal em chocolate. e Fernanda Lapa. plena época de Natal. tradicionais e várias canções natalí-
Em Torre de Moncorvo, as crian- As cerca de 400 crianças do con- Já em Miranda do Douro, a autar- cias tocadas por um Pai Natal e um
ças do 1º Ciclo e Jardins-de-Infância celho reuniram-se para festejar a quia reuniu os mais pequenos na sede duende.
assistiram ao filme “Max e Compa- quadra natalícia, tendo sido, ainda, de concelho e na vila de Sendim. As aventuras de “Hannah Mon-
nhia”, no Cine-Teatro da vila. brindadas com um lanche, e com pre- O teatro foi a forma artística de tana” animaram os alunos dos 2º e
O filme infantil, de Frédéric sentes saídos do saco do Pai Natal. divertir as crianças. A Associação 3º ciclos do ensino básico, enquanto
Guillaume e de Samuel Guillaume, Esta iniciativa proporcionou o Cultural Lérias subiu ao palco com que os estudantes do ensino secun-
conta com as vozes de Hélder Agapi- convívio entre os mais novos, que um conto de Natal, que foi represen- dário assistiram ao enredo do filme
to, Paula Fonseca, José Jorge Duarte desfrutaram de um dia diferente em tado durante a passada sexta-feira. “Fama”.

10 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Pais Natal solidários

Dezenas de figurantes concentraram-se na Praça da Sé

BRUNO MATEUS FILENA contribuir com géneros alimentícios,


roupa ou brinquedos, transportados
de forma original dentro de uma car-
Estudantes do Politécnico roça puxada por um burro e que, no
vestem de vermelho para final, foram entregues a instituições
distribuírem bens necessá- de carácter social.
Segundo o presidente da Asso-
rios aos mais carenciados ciação Académica do Instituto Poli-
técnico de Bragança (AAIPB), Bruno
Já passava das 15 horas quando Miranda, foram distribuídos mais de
os alunos se reuniram no Instituto 500 fatos de Pai Natal, mas muitos
Politécnico de Bragança, terça-feira alunos foram-se perdendo pelo cami-
passada, para receberem os fatos de nho, antes de chegarem ao destino.
Pai Natal providenciados pela Asso- “Coube a cada um decidir a forma
ciação Académica para o desfile nas como iria participar na ajuda às várias
ruas da cidade. A cada aluno foi dada instituições de solidariedade social,
a liberdade de poder escolher entre nomeadamente, a APADI, Entre-Fa-

mílias e Casa do Trabalho”, explicou o dade de Bragança levada a cabo pela


responsável. Na Praça da Sé decorreu comunidade estudantil do Politécni-
a entrega simbólica dos donativos, co, foi divulgada por “palavra passa
com as instituições e alguns dos seus palavra”, conta Bruno Miranda.
utentes a marcarem presença. “Hou- “Foi a maior mobilização conse-
ve estudantes que ofereceram dois guida, com cerca de 400 alunos que
ou três géneros alimentícios, outros se preocupam, de facto, em ajudar
trouxeram roupas e alguns vieram o próximo. Queremos que nos anos
com brinquedos. Mas o que se reuniu vindouros, outras instituições em-
em maior número foi, efectivamente, possem dinâmicas semelhantes, mas
comida”, adiantou o dirigente. com uma outra dimensão”, acrescen-
Esta iniciativa, a primeira na ci- tou.
Banda de vermelho e barbas brancas emprestou ainda mais alegria ao acontecimento

BOAS FESTAS!
Tunísia – a Preços irresisTíveis desde:
Partidas de Lisboa às quintas-feiras de 24 Dez.’ 09 a 11 Mar.’10
7 noites | Meia Pensão

€ 339
Hotel Marina Palace | 4 estrelas
Inclui: avião + transfers + taxas de aeroporto, segurança e combustível (€ 78) + Seguro Multiviagens
Nota: o preço desde é válido para partidas de 7 Jan. a 24 Fev.’10 por pessoa em quarto duplo

Brasil- Fortaleza desde:


Partidas aos Domingos, 2ªs, 3ªs e 4ªs feiras de 3 Jan. a 31 Mai. ‘10
7 noites | APA

€ 1.003
Hotel Oásis Atlântico Fortaleza | 4 estrelas
Inclui: avião + transfers + taxas de aeroporto, segurança e combustível (€ 287) + Seguro
Multiviagens por pessoa em quarto duplo

Exclui: Despesa de reserva (€29 por processo e não por pessoa) + suplementos;
lugares limitados; taxas sujeitas a alteração; sujeito às nossas condições gerais. CONSULTE-NOS.

ABERTO à hORA dE ALMOÇO


Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, nº 169 5300-252 Bragança
E-mail: braganca@abreu.pt - Tel: 273302400 - Fax: 273302409

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 11


12 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE
NORDESTE REGIONAL

Leitão aquece Natal de para 300 lugares, a unidade reuni-


rá todas as condições para organizar
vários tipos de festas, nomeadamen-
te casamentos, baptizados e aniver-
ra de clientes, sejam eles particulares sários. “Além do leitão vamos mon-
ou empresas. tar uma marisqueira a sério, porque
Tanto assim é que há dezenas de é coisa que não existe em Bragança”,
restaurantes da região, supermerca- recorda o empresário.
dos e cadeias de hipermercados da Sem falsa modéstia, Vítor Gomes
zona Norte e Centro que escolhem diz que nunca pensou atingir esta di-
este verdadeiro Leitão à Bairrada mensão, quando abriu o restaurante
para as suas ementas e vitrinas, o que em Vale d´Álvaro, com apenas 4 fun-
levou o empresário a reforçar a frota cionários, onde, este ano, já decorre-
de distribuição. ram várias ceias de Natal de grupos
de amigos ou empresas. No entan-
Restaurante-marisqueira to, cedo percebeu que a qualidade
é um dos próximos projectos dos seus produtos, a eficácia da sua
Leitão à Bairrada já tem lugar reservado em muitas noites de Consoada da região de Vítor dos Leitões equipa de trabalho e o seu espírito
trabalhador o iriam projectar para
J.C. É na Estrada de Vinhais que três A tendência continuará a ser a da outros voos. E assim foi. Numa altura
potentes fornos trabalham noite e dia subida, já que Vítor Gomes vai criar em que colhe os frutos deste esforço,
Bacalhau e polvo já têm para assar 200 leitões diariamente, um restaurante-marisqueira na Es- o responsável deseja Boas Festas e
um ritmo que se vai manter duran- trada de Vinhais, onde actualmente agradece o apoio de todos os clientes,
concorrência na mesa te esta quadra natalícia. Dotado da funcionam os fornos. Com capacida- amigos e fornecedores.
transmontana maior rede de distribuição em Trás-
os-Montes e Alto Douro, Vítor Go-
O Leitão à Bairrada já mede for- mes prepara-se para reforçar a linha
ças com o polvo e o bacalhau na mesa de produção com mais um forno, o
de Natal transmontana. que também implicará o aumento do
Que o diga Vítor Gomes, proprie- número de funcionários, que a curto
tário do restaurante Vítor dos Lei- prazo deverá chegar aos 18.
tões (Bragança), que só nos últimos Crescimento, aliás, tem sido sem-
15 dias já assou 3.000 mil unidades pre a tendência do restaurante, que
para distribuir em hipermercados e começou timidamente na rotunda do
restaurantes do Norte e Centro do Intermarché, em Março de 2008, e
País. nunca mais parou de alargar a cartei- A maior rede de distribuição de leitão em Trás-os-Montes e Alto Douro

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 13


NATAL 2009

14 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

A magia do Pai Natal VOZES


Rafael - 2 anos
“É giro o Pai Na-
TERESA BATISTA tal. Pedi uma pistola,
para matar os lobos
maus. O Pai Natal já
Crianças fazem extensas de me deu bombons.”
listas de pedidos ao Ve-
lhinho de Barbas Brancas Joana - 4 anos
“Pedi ao Pai Natal
para o dia de Natal uma carteira da Hello
Kitty. Portei-me bem,
Fez uma longa viagem desde o
por isso vou receber
Pólo Norte, no seu trenó puxado pe-
o presente que pedi.
las renas, para alegrar o Natal de mi-
O Pai Natal é bonito.
lhões de crianças em todo o mundo.
Gostei de o ver antes
O Pai Natal já chegou a Bragança e
do Natal. Já me deu bombons…”
desdobra-se para animar esta quadra
em toda a cidade.
O Jornal NORDESTE encontrou Diana - 9 anos
esta figura mítica sentada numa pol- “Eu acredito que é
o Pai Natal quem traz
as prendas no dia de
Natal. Vem do Pólo
Barbas brancas Norte. Eu pedi uma
bicicleta e um nenu-
solidárias co. Acredito que me
vai trazer o que eu lhe
O Bragança Shopping está a pedi”.
ajudar algumas instituições da ci-
dade na angariação de fundos du-
rante a quadra natalícia.
Dado que o registo de imagens a minha casa, onde estão as renas e
por particulares é proibido dentro alguns até querem ver o trenó, mas
do espaço comercial, a directora não lho posso mostrar, porque está
do Bragança Shopping, Mariema carregado de presentes para distri-
Gonçalves, lançou o desafio a algu- buir no dia de Natal”, conta.
Pai Natal é a alegria de miúdos e graúdos no Bragança Shopping
mas associações para fotografarem As exigências das crianças obri-
as crianças com o Pai Natal em tro- trona no Bragança Shopping, onde vez mais, as longas listas de presen- garam o Velho de Barbas Brancas a
ca de 1 euro. arranca sorrisos a miúdos e graúdos. tes. “Pedem brinquedos e mais brin- modernizar-se. “Pedem consolas,
“Todos os anos fazemos uma As barbas, os cabelos brancos e quedos. Já trazem a lista completa. É Playstations e jogos e mais jogos”,
iniciativa solidária. Este ano, achá- o fato vermelho são as principais ca- só pedir, pedir…”, desabafa o Velhi- revela.
mos engraçado proporcionar às racterísticas do Velhinho responsá- nho de Barbas Brancas. As novas tecnologias também
pessoas, por um lado, poderem ter vel pela entrega dos presentes nesta passaram a fazer parte da vida do
a fotografia dos seus filhos com o quadra festiva. A magia é a principal Pai Natal modernizou-se para Pai Natal. “Os mais crescidos querem
arma do Pai Natal, que consegue dar tirar fotos comigo para pôr no Face-
Pai Natal e, ao por outro lado, aju- satisfazer os pedidos dos mais book”, graceja.
darem uma instituição da cidade”, a volta ao Mundo num dia, trepando
chaminés, para que as prendas sejam pequenos e, até, cede a imagem Apesar de a sua figura assustar al-
realçou a responsável.
As pessoas estão a aderir à ini- colocadas no sapatinho de todas as para as redes sociais guns bebés, o Pai Natal é adorado por
ciativa, que se vai prolongar até às crianças que se portaram bem duran- miúdos e graúdos, que fazem questão
18 horas do dia 24, altura em que te o ano. Mesmo assim, o Pai Natal só está de lhe dar um beijo ou um abraço.
o Pai Natal vai iniciar a sua longa Durante a conversa, o Pai Natal bem rodeado de crianças. Os mais Pelas ruas do centro da cidade,
viagem para distribuir os presen- foi revelando a dificuldade que tem pequenos pedem, fazem perguntas e, também encontramos esta figura
tes. para satisfazer todos os pedidos, vis- os mais atrevidos, até ousam puxar- mítica, que distribui guloseimas aos
to que os mais pequenos fazem, cada lhe as barbas. “Querem saber onde é transeuntes.

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 15


NORDESTE REGIONAL

Vimioso premeia bebés Miranda do Douro

Férias de Natal
S. C. A Câmara de Miranda do Douro
criou os ateliers “Férias de Natal”
Além de mil euros, autar- , que arrancaram ontem na Biblio-
teca Municipal para dar resposta
quia ofereceu vacinação às necessidades dos pais quanto
gratuita às 29 crianças aos tempos ocupacionais dos filhos
nesta época do ano.
Um cheque no valor de mil euros, Estes ateliers consistem em jo-
um kit com brinquedos e produtos de gos de comunicação e expressão,
diversas marcas e vacinação gratuita actividades ao ar livre, música,
contra a diarreia e meningite foi o que dança, expressão plástica, musical,
levaram para casa as 29 crianças que actividades de culinária e desporti-
participaram no concurso “O bebé do vas.
ano 2009”, promovido pela Câmara Para além, de sensibilizar as
Municipal de Vimioso. crianças para a importância despor-
Recorde-se que apenas os peque- tiva e animação como factor de so-
nos, com menos de um ano, que te- cialização, pretende-se ainda criar
nham nascido e vivam no concelho e fortalecer hábitos de ocupação do
é que podem integrar esta iniciativa tempo livre de forma positiva.
que arrancou em 2002. Ao mesmo tempo deseja-se mo-
Ao longo destes sete anos, a au- Bebés receberam mil euros em cheque tivar as crianças para a descoberta
tarquia já distribuiu na ordem de 100 e participação nas tradições miran-
mil euros a cerca de 200 bebés e de- de Saúde. Uma mais-valia tendo em crianças receberam cabazes com pro- desas e leva-las a descobrir o patri-
cidiu apostar, este ano, na oferta de conta as necessidades de algumas das dutos e brinquedos oferecidos por mónio tradicional.
vacinas contra a diarreia e meningite famílias que participam na iniciativa. empresas como a Chicco, Klorane, As actividades decorrem até 31
que não constam do Plano nacional Além do cheque de mil euros, as Uriage e Nutribem. de Dezembro.

Cânticos de Natal no Hospital


TERESA BATISTA trega de presentes aos utentes inter-
nados nos diferentes serviços.
Em Macedo de Cavaleiros, a eu-
Quadra natalícia assinala- caristia foi presidida pelo bispo da
da com a implementação Diocese Bragança-Miranda, D. Antó-
de voluntariado na Unidade nio Montes Moreira, que contou com
o acompanhamento do coro dos Es-
Hospitalar de Mirandela cuteiros do Agrupamento 602.
A festa culminou com a entrega
O espírito natalício invadiu, on- de prendas, não faltando os cânticos
tem, o Centro Hospitalar do Nor- natalícios.
deste. A quadra foi festejada nas três Na Unidade Hospitalar de Mi-
unidades hospitalares com eucaris- randela, a quadra foi assinalada com
tia, cânticos e distribuição de presen- a cerimónia de tomada de posse dos
tes aos utentes. elementos do grupo de voluntariado.
Na capital de distrito, a festa teve Da parte da tarde, decorreu a
início com a celebração de uma missa missa, celebrada pelo padre Abel
de Natal, pelo padre Pedro Samões, Maia, durante a qual foi represen-
na capela da Unidade Hospitalar de tado o “Auto do Nascimento de Je-
Bragança. A eucaristia foi acompa- sus”.
Utentes brindados com canecas do CHNE
nhada pelo coro dos voluntários e dos A eucaristia foi acompanhada
funcionários do hospital. A animação pelo coro formado pelos colaborado- A entrega de presentes também curou alegrar todos os utentes inter-
continuou durante a tarde, com a en- res e utentes da unidade hospitalar. não faltou nesta iniciativa, que pro- nados nesta época festiva.

16 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


Grijó festeja o Natal VOZES
Isaura Pires - 83 anos

com sardinha assada


“Desde sempre
me lembro de se fazer
a festa em honra do
Santo Estêvão. A festa
é feita aos bairros, mas
também há quem a faça
TERESA BATISTA por promessa. É uma
festa muito bonita. Antes faziam-se
População reúne-se no dia muitas roscas para as corridas. Eu
costumava fazer sempre”.
26 de Dezembro para vene-
rar o Santo Estêvão e comer Júlia Cavaleiro - 50 anos
sardinha assada, tremoços “Participo sempre
na Festa do Santo Es-
e castanhas têvão. O povo junta-se
nesta festa e vêm mui-
A sardinha assada é rainha em tos emigrantes. Vai-se
Grijó de Parada, no concelho de Bra- à missa e depois vai-se
gança, no dia 26 de Dezembro. De- para mesa, onde não
pois do Natal, a população reúne-se faltam sardinhas. Desde criança que
para venerar o Santo Estêvão e con- participo nesta festa. Não faltava à
viver à volta das mesas onde não fal- corrida e ainda cheguei a participar
tam a sardinha assada, pão, tremoços na galhofa”.
e mamotas (castanhas cozidas).
Maria Alice transforma colchas antigas em fatos para os caretos
A tradição cumpre-se todos os Maria Alice - 64 anos
anos. Pelas 8 da manhã, o gaiteiro, casa para levarem 4 sardinhas para A vontade das pessoas é que dita “Comecei a fazer
acompanhado pelos meirinhos, re- cada pessoa. Leva também uma ca- o fim da festa à volta da fogueira. Até fatos há dois anos,
presentados pelo rei e pelo bispo, e rola de pão e um prato de tremoços porque, entre o dia 24 de Dezembro porque havia aqui um
pelos caretos, dão a volta ao povo a e outro de mamotas por família”, ex- e o dia 1 de Janeiro há baile na aldeia moço que precisava de
pedir a esmola para a missa. plica Helena Branco. Os mais antigos todas as noites. um fato para a festa
“Quando a festa é feita por mor- lembram que, antigamente, as sardi- No dia 27, o gaiteiro, acompanha- do Santo Estêvão e a
domos, costumam fazer o peditório nhas eram só para o povo. “Fazia-se do pelos mascarados e pelos mordo- minha filha pediu-me.
antes para comprarem as sardinhas e outra mesa, onde se sentava o padre, mos, voltam a sair à rua para saudar Tinha uma colcha an-
organizarem todo o repasto. Quando os meirinhos, o presidente e a pessoa a população. Em cada casa recebem tiga e fiz-lhe o fato. Depois continuei
há promessa de uma ou mais pesso- mais velha da aldeia. Esses almoça- bolo-rei e outra doçaria da quadra, a fazer e vou fazendo para quem
as, fazem sem pedirem nada a nin- vam a ceia da consoada, como baca- que, da parte da tarde, é distribuída quiser. Os fatos dão muito trabalho,
guém”, conta a presidente da Junta lhau, polvo, batata, raba e couve”, re- pelos vencedores das corridas. porque é tudo feito à mão. Têm que
de Freguesia de Grijó de Parada, He- corda Isaura Pires, de 83 anos. “Antes as pessoas faziam a rosca levar muitas franjas”.
lena Branco. (uma espécie de pão com um buraco
Depois da ronda pela povoação, Tradição da galhofa foi-se per- no meio) para darem neste dia, mas mordomos entregavam a festa no dia
realiza-se a missa em honra de San- agora já dão outro tipo de coisas, por- 26 à noite aos seguintes, que eram os
to Estêvão. No final da eucaristia,
dendo com o passar dos anos,
que já não há quem coza a rosca”, sa- responsáveis pela festa do dia 27 e do
segue-se a procissão até ao local do restando, apenas, a corrida da lienta a presidente da Junta. dia 26 do ano seguinte. Agora quem
convívio, onde o padre benze o pão e rosca no dia 27 de Dezembro Antigamente, os moldes de or- faz no dia 26 também faz o dia 27 e
as sardinhas. “ De seguida, regressa- ganização da festa também eram os mordomos só mudam de ano para
se com o santo à igreja e as pessoas A tarde de convívio também é diferentes e o dia 27 de Dezembro ano”, salienta Helena Branco.
voltam para perto da mesa e para a animada pelos caretos, que aprovei- culminava com a galhofa, uma tradi- Para fazer a indumentária para a
fogueira”, conta a autarca. tam a ocasião para reunirem algumas ção que se foi perdendo ao longo dos Festa do Santo Estêvão, há dois ar-
Entre os meandros da tradição moedas. “Andam com uma maçã na tempos, o que leva alguns “amantes” tesãos na aldeia, que são os respon-
destaque, ainda, para o facto de to- mão, chegam-se ao pé das pessoas, da modalidade a deslocarem-se à al- sáveis pela criação das máscaras em
das as pessoas terem direito à esmola chocalham, e já todos sabem o que é deia vizinha de Parada. madeira e pelos fatos coloridos que
para a família. “Trazem já sacos de que querem”, realça a autarca. “De acordo com a tradição, os trajam os caretos.

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 17


NORDESTE RURAL

Couve penca é rainha em Carvalhais


FERNANDO CORDEIRO toras da freguesia, como é o caso da
Feira da Couve.
O presidente da Junta de Fregue-
Em plena época natalícia, sia de Carvalhais, António Jacob, as-
foram muitos os visitantes sumiu, desde logo, o compromisso de
que procuraram a afamada uma campanha de sensibilização jun-
to dos agricultores, para criarem uma
couve penca associação para poderem escoar me-
lhor toda a produção de couve penca.
Com boa apresentação e osten- “É preciso sensibilizar os produtores.
tando alguns exemplares de rara A Junta de Freguesia está aberta, a
beleza e de grande porte, decorreu, Escola Profissional, o Ministério da
anteontem, a sexta edição da Feira da Agricultura também têm colaborado
Couve Penca, em carvalhais, no con- bem connosco, agora também depen-
celho de Mirandela. de deles”, enfatizou António Jacob.
O certame manifestava, para Em todo o processo ajuda o fac-
agrado de todos, algumas melhorias to da semente da couve penca já es-
na disposição e estruturas, na quanti- tar certificada e inscrita no Catálogo
dade de produtos e também de expo- Nacional de Variedades, desde 2006.
Couve penca de Carvalhais já faz parte do Catálogo Nacional de Variedades
sitores, em relação ao ano transacto. Existe, contudo, um contratempo a
A voz dos agricultores que marcaram de visitantes. Consciente desta reali- o autarca. ultrapassar, que é o processo de certi-
presença era unânime e os visitan- dade, o edil mirandelense, José Silva- ficação. A Direcção Regional de Agri-
tes não se cansavam de apreciar este no, prometeu a construção de um pa- Presidente da Junta lança cultura e Pescas do Norte já solicitou
produto, tão apreciado e imprescin- vilhão multiusos, orçado num milhão que a couve penca de Carvalhais pos-
dível na Seia de Natal. “A couve pen-
desafio aos agricultores para se sa vir a ter Identificação Geográfica
de euros, que deverá estar concluído
ca deste ano tem boa qualidade”, co- a tempo para a 7ª edição da feira. associarem, para o processo de Protegida, pelas suas características
mentavam. “O prazo de execução é de 12 certificação ganhar mais força diferenciadas, que lhe garanta gran-
Apesar da apreciável participação meses. Pelo menos, é o que está no de procura e apreciação. No entan-
de expositores e público, as baixas caderno de encargos. Por isso, pode- Segundo o presidente da Câma- to, ainda não há uma resposta. Por
temperaturas que se fazem sentir no mos dizer que daqui a um ano é uma ra, este pavilhão multiusos também outro lado, também é preciso que os
Nordeste Trasmontano não são nada boa altura para o inaugurar. Ou seja, vai servir para a prática de desporto, agricultores passem a produzir mais
favoráveis para uma grande afluência na próxima feira da couve”, garantiu bem como para actividades promo- quantidade, mantendo a qualidade.

18 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE RURAL

Bolo-rei com o toque de Curopos


SANDRA CANTEIRO chila, que são um verdadeiro sucesso,
Leandro Marques apresentou, este
ano, o de castanha e o de maçã.
Bolo-rei de sabores varia- “Há um ano, lancei o de chocolate
dos tem vindo a substituir e, há uns meses, foi o de castanha que
o tradicional agradou bastante e que foi uma ino-
vação. Já o de maçã, que apresentei
Em plena época natalícia, se há há pouco tempo, não teve muita pro-
coisa que não pode faltar na mesa das cura”, adiantou o responsável.
famílias transmontanas é o bolo-rei. A confeccionar bolo-rei há cerca
Depois do desaparecimento do de cinco anos, as criações de Leandro
“brinde”, a tradição também já não é Marques têm angariado adeptos um
o que era e o típico bolo-rei tem vin- pouco por toda a região, sobretudo
do a ser “substituído” pelas criações no concelho de Vinhais e Bragança.
e inovações dos pasteleiros de toda a “Os meus clientes são do distrito,
região. sendo que, numa época natalícia nor-
Com frutos secos, maçã, chocola- mal, fabrico cerca de 250 quilos de
te, castanha ou chila (ou do Leandro, bolo-rei com sabores, além do tradi-
como é conhecido), os bolos confec- cional”, informou o pasteleiro.
Bolo-rei de chocolate e chila são os mais vendidos, revela Leandro Marques
cionados por Leandro Marques, pro- Recorde-se que o preço médio
prietário da pasteleira Docinho, em por quilo é de 12,50 euros, um valor concelho de Vinhais, é que Leandro nais e formadores, Leandro Marques
Vinhais, ficam na memória de quem que, segundo o responsável, é acessí- Marques percebeu que a sua ambição começou por criar produtos tradicio-
os prova pelo sabor requintado, que vel para todas as carteiras. era dedicar-se à criação e criativida- nais, passando, mais tarde, para ver-
complementa e enriquece o pala- de que o ramo da pastelaria exige. dadeiras e saborosas obras-primas,
dar tradicional, e forma caricata que Leandro Marques cresceu no “Depois de deixar de estudar, passei como a tarte de grão-de-bico, o tron-
apresenta. a ajudar o meu pai, mas fartei-me da co de natal, as tigeladas e as queija-
sector da panificação e é paste-
“Todos os meus bolo-rei são dife- panificação pois era sempre a mesma das, entre muitas outras.
rentes, tanto na massa e no recheio, leiro há sete anos coisa, dia após dia. Então, surgiu a Já em relação ao bolo-rei, o pas-
como no formato, que é semelhante a possibilidade de avançar com a cria- teleiro partiu da receita do pai, que
um tronco”, explicou o pasteleiro. Só depois de dois anos a trabalhar ção de uma pastelaria”, recordou. foi adaptando e inovando, até chegar
Depois do bolo de chocolate e de na padaria do pai em Curopos, no Com a ajuda de outros profissio- aos bolos com sabores.

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 19


OPINIÃO

e os choupos cumprissem o papel in-

“O Rio de Janeiro cómodo de pertences que são escon-


didos nos arrumos para não lembra-
rem as origens que se pretende fazer
esquecer. E é pena, já que uma das

Paula Romão continua lindo…” grandes vantagens de viver numa ci-


dade como Bragança é a sensação de
que aqui o tempo se estende, permi-
tindo viver muito mais o espaço. Por-
Dei por mim a pensar que vivo Cruzeiro, nem o Cineteatro Camões, cipes se tinham habituado a não olhar que uma circunstância tão simples
em Bragança há, exactamente, vinte não brinquei no Picadeiro nem pati- para não verem o vazio de estruturas como o caminhar pelas ruas deveria
anos. Foi já aqui que vi, pela televi- nei no ringue do Jardim António José e de projectos. E hoje, como num jogo constituir um momento de prazer e
são, as imagens da Queda do Muro de de Almeida. Mas do ano 89 tenho, onde nos seja proposto descobrir as de aprendizagem da nossa ligação aos
Berlim. E foi o conjunto das referên- ainda claro, o quadro de um rebanho diferenças entre o antes e o depois, lugares.
cias comemorativas desse momento de ovelhas que atravessavam a Aveni- Bragança está empertigada de “atrac- E quando hoje se olha para esta
histórico que me fez pensar na forma da João da Cruz. Deixando atrás de si tividade e de modernidade”, onde an- cidade, reconhecem-se alguns sinais
como o tempo estrutura a nossa capa- novelos de poeira como trilhos mar- tes havia morros e campos desabriga- de estandardização. Porque o dese-
cidade de entender o espaço. cados no ar. Em frente à estação de dos. E se é evidente que muitos dos jo de “combater a interioridade” faz
Não ter nascido em Bragança des- um comboio que vivia então os seus novos “equipamentos” que servem o confundir o legítimo direito de aceder
condiciona o meu olhar perante as últimos arranques, ronceiro, sobre concelho são sentidos como funda- a melhores infra-estruturas (nos ser-
transformações que a cidade viveu ao velhos carris que já arrastavam os si- mentais, não é menos verdade que viços de saúde, nas acessibilidades, na
longo de vinte anos. A minha visão nais de um fim pressentido. as áreas betónicas têm uma bazófia iniciativa empresarial, no aproveita-
deste espaço é temporalmente condi- Os anos foram caminhando. E a tanto mais incompreensível quanto mento eficaz dos recursos endógenos)
cionada e está, por isso, livre da car- cidade foi-se desestruturando pouco se sabe que, numa cidade como Bra- com o chavão de que é fundamental
ga afectiva com que sentimos o local a pouco, para ganhar uma estrutura gança, muito espaço há para que não “rumarmos à modernidade”. Seja lá
onde a nossa infância cresceu. O tem- espartilhada na ausência de formas. seja necessário construir de forma isso onde for e à custa do quê.
po foi inevitavelmente moldando as Ao marasmo urbanístico sucedeu, en- tão vertical e atabalhoada. Nem para Uma cidade deve cultivar a sua
imagens que tenho de Bragança, mas tão – em contra-vaga política – a en- serem rasgadas vias que, em largura, singularidade na forma como legiti-
elas não estão dependentes de um xurrada das rotundas. Como bande- soubessem ser proporcionais à di- ma cada um dos seus locais, tornan-
passado distante que funcione como jas na expectativa de algum ansiado mensão das rotundas que as atam. do-os únicos e sempre renováveis
um corredor capaz de as suspender. progresso demográfico, elas sobrepu- E como explicar a penúria das pelo olhar de quem os sente. Nunca
Como quem apanha um comboio seram-se à sua real função, abalroan- zonas verdes – porque há quem tei- perdendo a capacidade de surpreen-
numa estação avançada em relação do as vias estreitas e arrogando-se o me que elas existem mesmo – senão der quem a visita e também quem
à linha de partida, desconhecendo os direito a um protagonismo de fotoge- por algum deslumbramento perante nela se revê todos os dias. Como um
perfis das paisagens passadas que os nia. Para brigantino ver. o cosmopolitismo da tão propalada espaço plural, capaz de fazer cada
passageiros já instalados ainda tra- E a onda de betão que se espalhou “modernidade” incompatível com pessoa reconhecer-se naquele ponto
zem nos olhos. pela cidade foi varrendo muitos dos os horizontes montanhosos que ro- quase imperceptível onde o passado e
Em Bragança, não conheci o Café espaços que, durante anos, os muní- deiam Bragança? Como se as giestas o presente se conciliam.

20 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 21
NATAL 2009

22 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


CULTURA

Férias de Natal no Centro AGENDA CULTURAL


BRAGANÇA
Cinema

de Arte Contemporânea
Forum Theatrum
Avatar
Até dia 23 de Dezembro, Sala 1
Uma Aventura na Casa Assombrada
Até dia 23 de Dezembro, Sala 2
Planeta 51
Até dia 23 de Dezembro, Sala 3
TERESA BATISTA
Exposição
Centro de Arte Contemporânea
Crianças e pais podem par- Graça Morais
Pintura e Desenho - 1986/87
tir à descoberta da exposi- Sagrado e Profano
Até dia 10 de Janeiro de 2010
ção de João Cutileiro, numa João Cutileiro
Escultura, desenho e fotografia
vertente lúdica e educativa Até dia 10 de Janeiro de 2010
Música
Durante as férias de Natal, as Teatro Municipal
Férias com Música
crianças, acompanhadas por pais ou Dias 22, 23, 29, 30 e 31 de Dezembro
outros familiares, podem partir à des-
coberta da exposição de João Cutilei- FREIXO DE ESPADA À CINTA
ro, numa vertente lúdica e educativa. Música
Praça Jorge Álvares
O Centro de Arte Contemporânea dis- Missa na Igreja Matriz
ponibiliza uma visita-jogo, que torna Fogueira do Galo
a arte acessível a todas as idades. Dia 24 de Dezembro
“Costumamos fazer uma visita- Auditório Municipal
Concerto de Natal da Banda de Música
jogo em todas as exposições, em que Dia 26 de Dezembro, às 21h30
participam estudantes das escolas, Teatro
desde a pré-primária até ao secundá- Auditório Municipal
rio. Desta vez, decidimos alargar esta O Tesouro do Capitão Arco-Íris
Crianças descobrem arte de cutileiro nas férias de Natal Dia 28 de Dezembro, às 14h30
iniciativa às férias, para que as crian- Exposição
ças e jovens possam vir com os pais”, Questionado sobre a complexida- importante aos adultos”, realça o res- Auditório Municipal
salientou o director do Centro de Arte de da mostra de João Cutileiro para ponsável. Por isso, durante as duas O Silêncio das Cegonhas
Contemporânea, Jorge da Costa. De 2 a 30 de Dezembro
os mais novos, Jorge da Costa explica semanas de férias do Natal, incluin-
As experiências anteriores são que os materiais e as formas usadas do fins-de-semana, o Centro de Arte MACEDO DE CAVALEIROS
positivas, visto que os mais novos são muito simples e adaptadas para Contemporânea assume-se como um Música
partem à descoberta da arte e conse- as diferentes faixas etárias, tornando espaço de visita familiar, onde miú- Igreja Matriz das Arcas
guem quebrar barreiras, através de a arte acessível a todos. dos e graúdos podem pedir para fazer Missa do galo cantada em latim
Dia 24 de Dezembro, às 24h00
elementos novos, que, à partida, os “Esta visita-jogo, apesar de ser a visita-jogo “guerreiros e retratis-
visitantes não estão à espera de en- pensada para os mais novos, também tas”, que desmistifica e vai ao porme- MIRANDELA
contrar na exposição. pode transmitir muita informação nor da arte de João Cutileiro. Exposição
Museu da Santa Casa da Misericórdia
Pintura de Paulo Martinez Teixeira
Até dia 31 de Janeiro

VIMIOSO

Arte ancestral
Cinema
Casa da Cultura
G-Force
Dias 26 e 27 de Dezembro, às 21h30
Exposição
Galerias de Exposição da Casa da Cultura
BRUNO MATEUS FILENA Douro e Trás-os-Montes”.
Exposição de peças em vidro “Cor de Luz”
Numa exposição patente até 30 De 29 de Novembro a 11 de Janeiro
de Janeiro no CCB, Balbina Mendes
“Máscaras Rituais do Douro demonstra, de forma artisticamente TORRE DE MONCORVO
Mostra é formada por 40 quadros
e Trás-os-Montes”, de arrojada, o seu cunho pessoal numa Cinema
Cine-Teatro
Balbina Mendes colecção de obras que impressiona grande iniciativa que a Câmara Mu- O Solista
pelo talento e ousadia da sua criado- nicipal de Bragança tem tido ao pro- Dia 26 de Dezembro, às 21h30
ra. “O artesão é o verdadeiro artista. mover a Bienal da Máscara.”
Muito público fez questão de VILA REAL
Eu apenas faço a reinterpretação”, Depois de memórias de tradição,
comparecer e lotar o Centro Cultural Exposições
revela humildemente esta autêntica a artista sentiu na vontade a época
de Bragança (CCB), a 1 de Dezembro, Teatro de Vila Real - Sala de Exposições
Mulher do Norte. ideal de transmitir nas telas um mun- Colecção de Arte do Teatro de Vila Real
dia da inauguração da exposição de
Um dos 40 quadros desta colec- do secular, intimidante, por vezes, De 6 de Novembro a 31 de Dezembro
pintura e do lançamento do livro com
ção, o “Mascararte”, trata-se de uma mas sempre “provocador, garrido e Museu do Som e da Imagem
o mesmo nome, “Máscaras Rituais do Oito décadas de fotografia aérea
homenagem de Balbina Mendes “à mordaz”. De 7 de Novembro a 31 de Dezembro

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 23


24 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE
NATAL 2009

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 25


LA FUOLHA MIRANDESA

MENSAIGES DE NATAL DE LS ALUNOS DE L 2º ANHO DE


L AGRUPAMIENTO BERTICAL DE SCUOLAS DE MIRANDA L DOURO

Pul Natal L Natal L Natal ye un die bonito Un die de Natal


L Pai Natal bai a mie casa. Ls ninos
i ls mius amigos ténen prendas. No Na- L Pai Natal fui a mie casa a lhebar ua L Pai Natal fui a la mie casa i dou- L Natal ye guapo. Ne l Natal hai
tal hai niebe por todo l lhado. L’arble stá prenda. L Pai Natal ye bonito i entra pul me prendas. Ne l die de Natal questuma muitos presentes pa ls ninos. L Pai Natal
anfeitada. L Pai Natal ye mui bonito, pus chupon. L die de Natal tamien ye un die nebar an alguas tierras. L Natal ye un die tamien ye mi guapo. You yá dei un pre-
trai prendas para todos. You gusto muito mui bonito. bonito que a mi me gusta muito. sente a mie armana. You gusto muito de
de l Natal. l Natal.
Joana João Ricardo Correia Tiago Machado Gonçalo Dias

MENSAIGES DE NATAL DE LS ALUNOS DE LS 3º I 4º ANHOS DE L AGRUPAMIEN-


TO BERTICAL DE SCUOLAS DE MIRANDA

Hai muitos, muitos i la nina cuntinórun a jogar cun las bolas pido al pai Natal. Ls mius primos i ls mius lhes todos ls dies ne l recreio.
de niebe. amigos tamien ténen muita i ye un die mui Samuel Maia, 3º anho
anhos… Ricardo Ventura A. , 3º anho feliç pa ls mais nuobos. I a todos un Bun
Hai muitos, muitos anhos, habie un Natal, son esses ls mius deseios.
nanico que nun gustaba nada de l Natal. Cristiana João, 3º anho
Un bun Natal pata todos
Un die, quijo apanhar l Pai Natal. I assi La mie scuola Ne l Natal l Pai Natal dá las prendas als
fui. Un die l nanico buscou ua jinela, truxo You gusto muito de la mie scuola i de ninos i a las ninas. You querie ua monheca i
ua cuorda, auga, rede i un aranhon i fizo a ls mius amigos. João Pedro ye l miu melhor L porsor de mirandés mais cousas. Ne l miu pobo hai pouca gien-
modo dua armadilha. amigo, mas you tamien gusto de jogar cun L porsor ye jeitoso i guapo, ajuda-mos te, solo somos quinze pessonas na Quinta
L Pai Natal passou pula armadilha de l todos. a trabalhar i you sou amigo del. El tamien de Cordeiro. You gusto muito de jogar cun
nanico i chimpou-se alhá para drento. Nis- Rúben Miguel, 3º anho ye amigo de ls outros todos de la scuola. Ua Tania i cun Érica, que son las mies melho-
tante chegou un rapaç que oubiu ua boç. beç l porsor dou-mos ua fixa de mirandés i res amigas. Un bun Natal para todos
Quando chegou alhá i biu l Pai Natal quijo you tirei buona nota. Soutordie fazimos ua Ângela de São Pedro, 3º anho
ajudá-lo. El anton biu ua casica de siete na- halbelidade porreira. Todos nós fazimos un
trabalho de la cuonta L Filico i l Nobielho,
nicos i fui-le a pedir ajuda. Ls nanicos i l
que fui colgada ne l placar de la scuola. You
Ua cuonta pequeinha
rapaç salbórun l Pai Natal de la armadilha Era ua beç, a la meia nuite, un home
i assi houbo Natal i l Pai Natal fui salbado. gustei muito disso i gusto de daprender mi-
mui malo. Solo querie denheiro i tamien
Claro stá que l nanico malo quedou anfada- randés.
querie roubar a ua pessona i fui atrás dei-
do por todo i lhembrou-se que tenie quaren- Tiago Igreja, 3º anho
lha. Çpuis essa pessona assustou-se i pediu
ta i un anhos. Apanhou cun relhampo que ajuda, dezindo assi:
nun se sabe de adonde bieno i morriu-se. L miu Natal - Acudi-me, ajudai-me, que me quie-
Claro stá que ls ninos de la tierra quedórun You passo siempre l Natal cun miu pai, ren roubar!
cuntentos cun l Pai Natal i houbo Natal. mie mai, miu armano i bamos siempre para Passou eilhi un home i ajudou-lo.
Ana Teresa Fernandes, 3º anho Zenísio. Ls mius tius tamien alhá stan. You Çpuis chamórun la polícia i l home malo
ne l Natal gusto de comer bolho rei, polbo i fui preso.
Un nino i ua nina bolha doce. You gusto de la mie família de João Pedro Vieira, 3º anho
Era ua beç un nino i ua nina que andá- Zenízio i tamien la mie família de Bilasse-
ban a jogar cun bolicas de niebe. Ls amigos co. Un Bun Natal para todos. L Naso
bírun dous lhobos malos que tenien muita Ana Rita João, 3º anho La mie tierra ye l Naso. Ne l Naso nun
fame. Anton scapórun-se a correr para casa A todos un Bun Natal hai muita giente. Ne ls dies an que hai mais
i ls lhobos quedórun a la puorta deilhes. No Natal hai muitas prendas i ls nini- Ls mius amigos giente ye por alturas de la fiesta, de l die
Apuis ls pais salírun a ber ls lhobos i ls cos gústan muito. Ls ninos ténen muitas You gusto muito de ls mius amigos. uito de Setembre. Ende inche-se todo de
lhobos malos assustórun-se tanto que zapa- prendas porque las píden al Pai Natal. You Ls mius amigos son Rúben de Malhadas i muita giente, barracas i cunjuntos. Tamien
recírun a correr chenos de miedo. I l nino no Natal tamien tengo muitas prendas que Bruno que ye de l Naso. You jogo cun ei- hai un café adonde se puoden buer finos i
>>

26 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


LA FUOLHA MIRANDESA
>>
hai cabanhales adonde se puode comer la fuolha a lhimpo… La mie tierra ye Ruolos
puosta. L Naso agora quedou cun la lhago- Luís Martins, 3º anho La mie tierra ye Ruolos. Bou alhá ne l
na mi guapa. fins de semana, a bejitar mie bó de las saias.
Bruno Miguel Fernandes, 3º anho
Ls Pauliteiros de Dues Miu bó de las calças yá se morriu. You te-
nho alhá ua bezina que se chama Mariana,
L Super Heirói Eigreijas ten catorze anhos i gusto de jogar cun eilha.
Ls pauliteiros de Dues Eigreijas dán- La mie tie ben-mos a bejitar a las bezes i
Era ua beç un Super Heirói que se cha-
çan mui bien i you tamien danço. A las be- eilha ten pinturas de cara i bernizes i dá-me
maba l Home Tigre. El tenie un GPS que
zes bamos a beilar a outras tierras: Algar- alguas. Eilha ye de la cidade de l Porto i
le dezie quien staba an peligro i alhá iba
be, Nuoba Iorque i muitas mais. You danço chama-se Sabel. Çpuis delantre de la mie
saltando de casa an casa. Un die caiu-se
alguns lhaços: ls Oufícios i la Lhiebre. A casa hai ua tie bielha que tamien se chama
duas alturas abaixo i l Home Aranhon biu-
las bezes anganho-me a dançar la Lhiebre, Sabel. You gusto muito de ir para Ruolos.
lo, mandou-le las aranheiras i salbou-lo. El
mas nun passa nada. Quien ye que nunca Patrícia Lopes, 3º anho
agradeciu-le.
se anganhou?
Ua beç l Home Tigre staba a passear
Luís Martins, 3º anho
i biu ua princesa que bibie nun castielho. L Natal de l Pai Natal
Mas la princesa staba a pedir oussílio, por
bias de l malo Home Gelatina. L home Ti-
L Natal ye guapo Que fago ne l Natal
Era ua beç ua tierra adonde era Natal,
L Natal ye guapo porque ben l Pai Na- essa tierra chamaba-se Polo Norte. L Pai
gre benciu l Home Gelatina, çpuis einamo- L Natal an mie casa pongo l penheiro i Natal staba a fazer ua sesta baliente quando
tal. Tamien gusto porque almorçamos todos
rou-se de la princesa i casou-se cun eilha. ls anfeites cun las bolicas, las fitas, la strei- fui spertado por ua barulheira de ls nani-
an família i recebimos las prendicas. Ua
Gonçalo Delgado, 3º anho lha i las lhuzes de muitas quelores i spero cos…BUM…BUM!
beç you fui al parque a festejar l Natal. Fui
pa que l Pai Natal traga las prendas. Un bun - Ye Natal, toca a dar las prendas!
alhá muita giente que me dou muitas pren-
Natal para todos.
Gusto de passar l Natal dicas i you gustei muito. La mie tie fui la
Diana Trindade, 3º anho
Tiago, que era un nino dua tierra, sta-
melhor surpresa. L miu primo tamien gusta ba cun ganas que chagasse l Natal i nunca
cun la família de l Natal i dá muitos presentes. Quando más. Por isso drumiu na sala. L Pai Natal
You i miu primo gustamos muito de
l Natal. You fago anhos ne l doze de De-
bou pa la casa del bamos a ber un filme Que nun haba spertou i fui a correr pulas tierras a dar ls
de Natal que ye mui fixe i nun ye de ter- presentes i quando chegou a la casa de Tia-
zembre. Costumo passar l Natal an Belha-
ror. Çpuis jogamos até las tantas. Jogamos
mais guerras go, dou-le un presente. Tiago quedou todo
rino de ls Galhegos cun ls mius tius i cun You querie desear un bun Natal para cuntento i fui a drumir pa l quarto del.
muito ls dous i a las bezes tamien fazemos
ls mius primos. You gusto muito de jogar todo l mundo i para que nun haba mais Lara Sofia Torrado, 3º anho
un quelóquio.
cun ls mius primos. You gusto muito de l guerras i las pessonas se déian bien. Paç
Érica Pires, 3º anho
miu tiu, de la mie tie i de l miu padrino i de para todos ls ninos de l mundo.
passar l Natal cun eilhes. Kesya Braga Vaz, 3º anho
L Pai Natal
Miu armano L Pai Natal ye un home que todos ls
Tânia Martins, 3º anho
Miu armano, a las bezes, ye algo rabi- dies binte i quatro de Dezembre trai pren-
na i mui teimon i puxa-me l pelo. Quando
Ls mius amigos das als ninicos que se pórtan bien. Todos
L Super Heirói que salba quiero drumir el nun me deixa, stá siempre
A mi gusta-me jogar muito cun ls mius ls dies de Natal diç assi miu pai para me
amigos. Na scuola gusto de jogar cun Rafa- assustar:
la nina a falar i apuis, quando calha, sperto un ca-
el no parque. Un bun Natal para todos. - L Pai Natal partiu ua pierna i nun
Era ua beç ua casa que staba a arder i chico tarde para ir pa la scuola. La porsora,
Hilário Meirinhos, 3º anho puode benir, solo de heilicoptro.
çpuis staba alhá ua nina que staba a dezir: a las bezes, ralha-me por you haber chega-
- Ajudai-me, ajudai-me! do atrasada. I cuorren ls dies assi. >>
Apuis apareciu l Super Heirói, botou Agatha Pereira, 3º anho
auga frie i apagou l fuogo i salbou la nina.
Eilha quedou toda cuntenta. Mas quando la
nina iba para salir, aquilho habie quedado
Oulá Pai Natal
Oulá Pai Natal! Stás bien? You si! Sou
todo çfeito i la nina tenie miedo de salir.
un grande admirador tou i querie ua pista
Bai anton l Super Heirói ajudou-la a salir.
de carros, ua psp i un pejama de l Nemo.
La nina quedou cuntenta.
Oubrigado i até manhana.
Leandro Nunes, 3º anho
Un bun Natal para toda la giente.
Alexandre Lourenço, 3º anho;
La cuonta dun caçador
Era ua beç un caçador que andaba pul
monte. Ls perros metírun-se nas silbas i sa-
Bun Natal para todos
You deseio a todos ls ninos de l mundo
córun ua lhiebre i bieno outro caçador por
que nun ténen comida, nien ténen roupa,
trás i matou-la. I diç l caçador:
nien brinquedos un Natal Feliç. Son esses
- La lhiebre ye mie, fúrun ls mius per-
ls mius deseios.
ros que la botórun.
João Gonçalo, 3º anho
I al mesmo tiempo que stában a renher
pula lhiebre, sal un cochino brabo de l meio
de las touças i ls caçadores mandórun-le L porsor Duarte
dous tiros al cochino brabo i matórun-lo. L porsor Duarte ye mi buono i porreiro.
Apuis lhebórun-lo para casa i çfolhórun l El ye un porsor que dá aulas de mirandés.
cochino brabo i la lhiebre. Apuis repartírun El cunta-mos muitas cuontas i nós tamien
l cochino brabo i la lhiebre puls dous. lemos yá alguas. A las bezes fazemos que-
Este acuntecimiento passou-se ne l ter- lóquios dessas cuontas, an pie de l quadro
mo de Malhadas. de la sala de aula. Outras bezes screbimos
Rúben Fernandes , 3º anho ne l quadro i apuis nós passamos para ua

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 27


28 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE
LA FUOLHA MIRANDESA
>>
de las saias, que bíben an Telões, quedei a de rezon i somos amigos.
gustar inda mais de ls Xutos e Pontapés. Diogo Frade Matos, 4º anho
La mie tierra ye Fuonte Diogo Machado, 4º anho
Aldé L jogador que a mi mais
La mie tierra ye Fuonte Aldé. La mie
casa queda algo zbiada de la aldé i a las be-
L que mais me gusta me gusta
L que mais me gusta ye dun perro. Ei-
zes bou pa la casa de miu abó de las calças i L jogador que a mi mais me gusta cha-
lhes son mui foficos i gústan de jogar cun la
jogo muito cun el. Na scuola, an Miranda, l ma-se Messi. El an 2010 bai a ser l melhor
bola. Tamien gusto de jogar cun las monhe-
miu melhor amigo ye Luís, que ye de Dues jogador de l mundo. Quien treina agora
cas, jogar a la apanhadica i de fazer ginásti-
Eigreijas. Un Feliç Natal para todos. Messi ye Maradona. El antigamente fui l
ca, que fai bien a la nuossa salude. Tamien
Nuno Rodrigues, 3º anho melhor jogador de l mundo, pus agora yá
me gusta la dança.
se reformou. Agora ye treinador de la Ar-
Rafaela Reis, 4º anho
gentina. Messi joga ne l Barcelona i, para
Çpuis a brincar, you digo-le assi:
L jogador que más me mi, tamien ye l melhor jogador de l Bar-
- Nun stá nada cun la pierna partida, el gusta Ls mius perros celona. Scusado será dezir que l Barcelona
ben cun l trenó i cun las renas a puxar! L jogador que más me gusta ye l Nuno You tengo un perro i ua perra que stán ye la melhor eiquipa spanhola. Gusto deste
Claro que l Pai Natal ben todo bestido Gomes. L Nuno Gomes ye buono a marcar siempre cun las bacas de miu abó. Quando jogador.
de burmeilho, a nun ser ls çapatos, que ls de cabeça. Tamien siempre fui un jogador miu pai bai a saber de las bacas, ls mius David Córdova, 4º anho
trai castanhos. Un bun Natal para todos. de quien miu tiu Daniel gustaba. Nuno Go- perros ban-se a atirar a mi i a miu pai. Mas
Tomás Castro, 3º anho mes ye de l Benfica i you tamien sou de l ye só na brincadeira. You gusto muito de la
Benfica. You grabo todos ls jogos de l Ben- mie perra i de l miu perro. I para arrematar,
Ls mius perros
Ls mius perros son miu listos. Son trés
fica i apuis beio-los. Tamien gusto muito de ls mius perros cháman-se Boneca i Deco.
L miu melhor amigo Simão Sabrosa. El ye mui rápido i tamien Tatiana Pires, 4º anho
ls mius perros. Un chama-se Bioleta i Ta-
Oulá, l miu nome ye Rafael i tengo reca i l miu perro chama-se Piruças. You
marca muitos golos. I ye assi.
nuobe anhos. L miu melhor amigo chama- gusto muito deilhes. Las dues perras son
Josué Concha, 4º anho
se Hilário i ten uito anhos. El ye mui deber- L acuntecimiento grandes i l perro ye pequeinho. Quando
tido i mui brincalhon. No recreio corremos eilhas éran pequeinhas, l miu perro lhadra-
muito pula scuola toda. I quando mos da- La mie eiquipa de l Natal ba-le muito, agora que eilhas son grandes
You gusto muito de l Natal. Podemos
mos de cuonta, yá stá a tocar i un ten de ir La mie eiquipa chama-se ls Anfantes. lhádran-le eilhas a el. L miu perro ten ls
fazer muitas cousas: guerra de bolas de
pa las aulas. Ye ua eiquipa mui buona, que joga contra çofinos negros i l cuorpo castanho claro.
niebe, monhecos de niebe i muitas cousas
Rafael Nunes, 3º anho l Paradela, Malhadas, Costantin, Pruoba, Las perras son las dues castanhas i ténen
mais. Ls mius familiares bénen, cumo ye l
Mogadouro, San Martino i Miranda. Yá ua mancha negra. You gusto muito deilhes.
caso de mie madrina, que ben de Anglatier-
ganhou muitas taças porende. A las bezes Las dues perras ándan cun las bacas i l miu
L Natal cun felcidade tamien perde. L jogador que más me gusta
ra. Mas quaije bénen todos ls mius abós,
perro Piruças anda comigo. I ye assi.
Ye Natal i nós cun las prendas a la pu- tius i primos. Nesta altura tamien recibo
ye André. El joga bien na eiquipa. Passai Patrícia Vicente, 4º anho
orta. Na mesa hai doces, bolho rei i mais muitos presentes. A mi nun se me ampor-
bien l die.
lhambisqueirices. Quando acabamos de ce- ta de nun recebir ningun presente. L Natal
Emanuel Cabreiro, 4º anho
nar, ls mais nuobos ban pa la cama i quan- para mi ye para recebir las pessonas. Hai Un Natal Feliç
do spértan béian ls presentes an baixo de tamien quien acredite ne l Pai Natal. You L Natal ye la quadra de l anho mais
la arble. You gusto de l Natal nien por isso. Feliç Natal para todos. guapa. You passo l Natal an Caçareilhos,
Çpuis quédan todos cuntentos. You gusto muito de l Natal porque ye David Raposo, 4º anho outras bezes cun mius abós. Ne l Natal fago
L que you quiero pa l Natal ye felcida- l Pai Natal que mos trai las prendas. L Pai l presépio i ye mui debertido. Ne l Natal hai
de pa la mie família i paç para todo l mun- Natal ye un home cuas barbas mi grandes. muitas prendas i passamos l tiempo cun la
do. Beijicos para l Pai Natal, you sei que yá You i la mie família festejamos l Natal na
Ls jogadores nuossa família. A las bezes hai choclates,
Ls jogadores que a mi mais me gústan
bai bielho, mas ls ninos gústan muito del. mie casa. A la meia nuite damos las pren- arrebuçados i outras cousas mais. Un Natal
yá stán reformados i son Eusébio i Mara-
Feliç Natal para todos. das. A mi, ne l Natal, dan-me muitas pren- Feliç para todos.
dona. You gusto de Maradona porque yá
das i you gusto deilhas. You quando chego Diana Martins, 4º anho
lo hei bisto a dar toques na telbison i fui
Sofia Martins, 3º anho a casa, bou lhougo para an pie de mie mai.
mui fixe. L Eusébio tamien ye fixe porque
Ana Maria Domingues, 4º anho
dantes jogaba na mie eiquipa, que me gusta >>
L Natal ye un die muito, que ye l Benfica. Estes dous joga-
debertido Xutos e Pontapés ye l miu dores yá fúrun ls melhores jogadores de l
mundo.
L Natal ye un die debertido. Na nuos- grupo preferido Diogo Rodrigues, 4º anho
sa tierra l Pai Natal ye nuosso amigo. Nós L miu grupo preferido ye Xutos e Pon-
quando bamos pa la cama ben l Pai Natal tapés. Ténen muito ritmo i stán siempre a
cun las prendas. passar na telbison. Ua beç fui a ber la ban- L miu melhor amigo
You astanho querie que me traísse ua da cun miu pai. You staba a las carranchicas L miu melhor amigo ye Rodrigues, que
máquina de maquilhar i un quadro para del, porque nun bie nada, por causa de las ye de la mie turma. Nós quando stamos so-
screbir. pessonas mais altas. Quando íbamos ambo- licos jogamos a la bola cun diogurte baziu.
Bun Natal para todos. ra, bimos muitas cousas. Assi que cheguei El quando anda a la porrada, you aparto-lo.
Marta Fernandes, 3º anho a casa de miu bó de las calças i de mie bó L miu amigo ye eigual a mi, ye miu amigo

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 29


LA FUOLHA MIRANDESA
>>
la rua i biu ua matilha de perros a la puorta las calças. Quiero ir a ua loija mui bonita
que stában chenos de fame i mui delgadi- de brinquedos, adonde cumprarei un jogo.
xos. La nina fui lhougo a saber duas malgas Quiero tamien ir al cinema i a un parque
L Natal
Ne l Natal la giente ajunta-se an famí-
chenas de comida. adonde hai muitos animales. I mais ua bici-
lia para comer l bacalhau i l polbo. Tamien
Soutro die aparecírun ls perros i tenien cleta, nun me calhaba mal. Mas l más am-
se come l bolho rei i passa-se bien todos
tanta raiba de la nina, que nien quérgades portante era salude i paç para todos. Feliç
juntos an pie de l lhume. Çpuis ábren-se
saber. La nina fugiu para casa i fui acender Natal.
las prendas i ye buono! Un bun Natal para
la fogueira i eilha percebiu porque ye que Eduardo Falcão, 4º anho
todos!
ls perros tenien raiba deilha. Ye que eilha
Francisco, 4º anho
era sonhámbula i tenie matado alguns des-
ses a la nuite. I soutordie, biu ls perros ne l
La aposta
Un die trés rapazes dezírun:
çofá, a brincar i a carinos…
- Bamos a fazer ua aposta?
La casa assustadora
Marlene do Carmo, 4º anho Un die quatro rapazes fúrun a ua casa.
- Qual?
La casa parecie que tenie boca, nariç, uo-
- Bamos al campo santo a ber se sós
lhos i pelo. Ls rapazes assi que antrórun
Ua nuite de Rock capaç de spetar ua faca nua fóia.
bírun un scaleto. Un de ls rapazes botou-se
La mie família Ua nuite ls Xutos i Pontapés fúrun a I alhá furun ls trés pa l campo santo.
a correr para fuora de casa. Ls outros fúrun
La mie família ye única porque ye mui tocar a Barcelona. Stában mui nerbosos i Dous quedórun na parte de fuora, anquanto
siempre palantre. Eilhes bírun un caixon i
ounida. You gusto muito deilha. Gusto de diç Tim: l outro antrou solo, algo medroso. Tirou la
un bampiro a salir de la puorta. Antrórun
mie mai, miu pai, de l miu armano i de ls - L que haberemos de tocar esta nuite? faca i spetou-la ne l chano, solo que apa-
nessa puorta i tenie un home cun seis uo-
mius abós i padrinos. You jogo cun eilhes - Nós bamos a tocar “Os peitos da nhou un cachico de la capa que el lhebaba
lhos. Ls rapazes ampeçórun a correr, mas
todos i por bezes, a la nuite, tamien faze- cabritinha”, de l Quim Barreiros, dixo Zé para se tapar. El iba-se, mas dou de cuonta
l home de ls seis uolhos agarrou ls rapa-
mos uas caminadas. You gusto muito dei- Cabeleira. que algo assiguraba nel. Anton dou-le ua
zes i metiu-los nun quarto. Eilhes gritórun,
lhes todos, ye la mie família. - Nó! Nada disso. Nós bamos a tocar “ grima tan fuorte que se puso a correr, mas
gritórun i gritórun. Anté que l outro amigo
Luana Couto, 4º anho Menina estás a janela”, dixo Kalú. nun era capaç, porque la spada prendie-le
chubiu i antrou ne l quarto. Mas la puorta
Çpuis de muito habéren çcutido, aca- la capa. I zasperado l rapaç murriu-se cun
staba aferrolhada. L rapaç fui até al home
bórun por cantar “ La quinta de l tiu Jesé”. l miedo.
Cousas que yá nun sírben André Martins, 4º anho Tiago Vale, 4º anho
de ls seis uolhos i tirou-le la chabe. Quando
abriu la puorta de l quarto, ls cinco rapazes
para nada fúrun todos a correr pa las sues casas. Ei-
Miu pai ten un polheiro an Zenízio,
que staba quaije a sbarrulhar-se. Un die re-
L Natal i la mie família Stá a chegar l Natal lhes nunca mais tornórun para essa casa.
You moro an Fuonte Lhadron i gusto Stá a chegar l Natal. Ne l Natal ls ninos Débora Irulegui, 4º anho
solbiu dá-le ua arranjadela. Dou-le ua tapa-
de la mie família. Ne l Natal mie mai i miu recíben muitas prendas. L que you querie
dela als buracos de las paredes, tirou-le las
pai i mius abós dan-me prendas cun fartu- era ua psp i uns patins. Las pessonas pó-
boteiras al telhado i na parede mais dreita
ra. Ne l Natal, an pie de l café, fázen ua nen-se al redror de la arble de Natal i de
resolbiu colgar l arado, la charrua, la ga-
fogueira mui alta cun muitos palos i muita l presépio. You no Natal costumo ir para
danha i l çacho que éran de miu abó de las
lheinha. casa de ls mius abós de la parte de mie mai.
calças. Esta parede agora ansina-mos a nós
A meia nuite, you i la mie família ba- La nuite de Natal para mi ye marabilhosa
las cousas que habie noutros tiempos.
mos para casa a drumir. A las dues de la porque mos ajuntamos i ye buono star an
João Lopes, 4º anho
manhana mie mai, miu pai i mius abós pó- família.
nen las prendas ambaixo la arble de Natal. Tiago Carvalho, 4º anho
L Magusto Çpuis quando sperto bebo l lheite i bou
Na mie tierra l magusto ye l die onze a abrir las prendas. Passado cachico hai ua
de Nobembre. La mie tierra ye Paradela. hora de missa. Quando acaba la missa, you
Nós lhebamos la merenda i ls caçadores bou-me a dar denheiro als santos i apuis
lhebántan-se a las siete de la manhana para bou-me a almorçar para poder ir un cachico
íren a caçar ne l monte. La missa costuma pa l café. I ye assi. Feliç Natal para todos.
ser a las onze de la manhana, naqueilha Flávio Esteves, 4º anho
capelhica de San Martino, a caras a Aldé
Nuoba. La associaçon de ls burros tamien
fui a fazer l magusto ne l deimingo apuis.
La fogueira de Natal
La fogueira de l Natal, an Fuonte Lha-
Tamien houbo alguns jornalistas que fúrun
dron, ye cun ls homes al redror de l lhu-
a fazer antrebistas a las pessonas de la mie
me, mas quando acaba la missa you bou
tierra. I fui assi, l die de San Martinico.
para casa a spurmentar las mies prendicas.
Ivo Sebastião, 4º anho
Apuis digo a mie mai para jogar cun nós,
mas eilha poucas bezes ten ganas de brin-
L fime de Terror cadeira. Çpuis bou pa l redror de la foguei-
Era ua beç un garotico que gustaba de ra, anquanto miu armano bai a buscar la
ber filmes de terror L garoto chamaba-se bola a mie casa. Apuis bou a casa de la mie
Tiago Vale. Ampeçou-se a biciar tanto cun amiga Anaïs, para ber se eilha quier jogar
ls filmes de terror que un die quedou malo, al meiico cun la boca.
tan malo que matou l armano. Fui assi esta Buonas Fiestas.
stória triste cun ls filmes de terror. Frederico Esteves, 4º anho
Hugo Meirinhos, 4º anho
Deseio de Natal
La nina i ls perros Ne l Natal you quiero un casaco nuobo
Era ua beç ua nina que habie de salir a i ir al Porto, a ber la casa de miu abó de

30 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


III Divisão Série A 1 BRAGANÇA
M FONTE 1
Estádio Municipal Bragança
Árbitro – António Alves (Porto)

Bragança merecia golear


EQUIPAS
Zé Luís Miguel
F Silva Nuno Mendes
Rui Gil Pinto
Marco Móbil Gonçalo
Xavier Fredy
felicidade de Zé Luís. Maria tentou aproveitar Valadares Rui Abreu
mais vezes, com remates de longa distância. (Toni 62”) Rui Novais
Badará Diogo
O Bragança nunca desistiu, com calma e orga-
Marco Fontoura (Iussane 56”)
nização, chegou ao empate por Sana, aos 80”, (Mirco 68”) Pedrinho
numa cabeçada certeira. Carlitos (Bé 67”)
Para ser um resultado justo, a goleada era (Sana 77”) Rafael
a verdade do jogo, mas como só as bolas que Pedrinha (Mota 67”)
entram contam, daí o resultado muito doloro- Pinhal Rui Lima
so para Carlitos, que colocou a equipa a jogar TREINADORES
na perfeição. Outra novidade foi Xavier, bom
Carlitos Artur Correia
de bola e muito parecido ao estilo de Hum-
berto Coelho. Golos: Diogo 29”, Sana 80”.
O juiz passou ao lado do jogo. Disciplina: Amarelos – Rui Novais 40”,
Pinto 52”, Fredy 60”, Toni 78”.

GDB fez uma exibição de encher o olho

Foi um jogo grande para o GD fez pingue-pongue, bola no poste e


Bragança, que fez uma exibição de na barra. Depois o mesmo jogador
encher o olho, com futebol rápido, cruzou directamente contra o ferro e
objectivo e a procura do golo nasceu o desespero nunca bateu à porta da
logo no primeiro minuto. Os minho- equipa, que se mostrou calma e com
tos, com bom meio campo, lá foram futebol de boas transições. Mas, no
conseguindo adiar o golo dos cana- melhor pano cai a nódoa. Cruzamen-
rinhos, após vária oportunidades. to sem perigo de Rui Abreu, Zé Luís
Badará, isolado, atirou ao lado ao tenta encaixar a bola, mas deixa fugir
minuto 13. Marco Fontoura, depois para os pés de Diogo, que nem sequer
de um bom trabalho de Valadares, precisou de rematar, encostou e a in-

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 31


NORDESTE DESPORTIVO

III Divisão Série B


CLASSIFICAÇÕES

Liga Sagres Liga Vitalis III Divisão Série A AFB
0 MONCORVO
LEÇA 0
Complexo Desportivo Eng.º José Aires
14ª. Jornada 14ª. Jornada 11ª Jornada 8ª Jornada em Moncorvo
Classificação Classificação Classificação Classificação Árbitro – Bruno Nave (AF Bragança)
Clubes P J Clubes P J Clubes P J Clubes P J
1 Maria da Fonte 24 11 1 Argozelo 22 8 EQUIPAS
1 Sp. Braga 33 14 1 Beira-Mar 26 14 2 Rebordelo 21 8
2 Montalegre 23 11
2 Benfica 33 14 2 Santa Clara 25 14
3 Macedo de Cavaleiros 22 11 3 FC Vinhais 17 8 Vítor Bruno Festas
3 FC Porto 29 14 3 Portimonense 23 14 4 Vila Flor 17 8
4 Mirandela 20 11 Leandro Magalhães
4 Nacional 24 14 4 Feirense 22 14 5 Mirandês 17 8
5 Bragança 19 11
5 Sporting 21 14 5 Chaves 20 14 6 Alfandeguense 13 8 Fernando Madalena
6 Limianos 16 11
6 U. Leiria 20 14 6 Fátima 20 13 7 Mogadourense 12 8
7 Valenciano 14 11
7 V. Guimarães 19 14 7 Trofense 19 14 8 Sendim 12 8
Glauber Zé Soares
8 Amares 13 11
8 Rio Ave 19 14 8 Estoril Praia 19 14 9 Talhas 11 8 Zé Borges João Pedro
9 Marinhas 11 11
9 Marítimo 19 14 9 Desp. Aves 17 14 10 Carção 9 8
10 Santa Maria FC 10 11
10 Naval 15 14 10 Gil Vicente 17 14
11 Fão 8 11 11 Vimioso 4 8
Paulo Dores Carlos
11 Oliveirense 17 13
11 P. Ferreira 14 14 12 Morais FC 7 11 12 GD Poiares 3 8 Filipe Mesquita Rui Ramos
12 Académica 13 14 12 Sp. Covilhã 15 14 13 CCR Lamas 1 8
13 V. Setúbal 11 14 13 Freamunde 14 14 14 GD Milhão 0 8
Jaime Patrão
14 Belenenses 10 14 14 Varzim
15 Penafiel
14
13
14
14
Resultados Elísio (Sequeira 90´´)
15 Leixões
16 Olhanense
10
9
13
13 16 Carregado 10 14 Resultados André Pinto João André
Santa Maria FC  2-1  Fão
(Joca 64´´) (Benicio 63´´)
Resultados Resultados Bragança  1-1  Maria da Fonte
Morais FC  0-2  Amares
Carção  2-1  Talhas
Santa Clara  0-0  Gil Vicente Limianos  1-2  Macedo de Cavaleiros
GD Milhão  0-2  Sendim Rafa Sérgio
V. Guimarães  1-0  Rio Ave Rebordelo  6-1  Vimioso
V. Setúbal  3-2  Marítimo Beira-Mar  3-2  Desp. Aves Valenciano  2-0  Mirandela
Mirandês  7-1  GD Poiares (Baba 51´´) Álvaro
Benfica  1-0  FC Porto Freamunde  3-0  Carregado Marinhas  1-1  Montalegre
U. Leiria  1-0  Belenenses Trofense  0-0  Penafiel
Vila Flor  1-1  FC Vinhais (Rateira 27´´)
Alfandeguense  3-3  Mogadourense
Leixões  21/12  Olhanense Oliveirense  0-0  Feirense
Naval  0-1  Sporting Varzim  0-0  Portimonense Próxima Jornada Argozelo  2-0  CCR Lamas
TREINADORES
Nacional  4-3  Académica Estoril Praia  0-1  Fátima Próxima Jornada
P. Ferreira  0-1  Sp. Braga Chaves  3-1  Sp. Covilhã Valenciano  03/01  Marinhas Sílvio Carvalho Pedro Mesquita
Limianos  03/01  Mirandela
Próxima Jornada Próxima Jornada Morais FC  03/01  Macedo de Cavaleiros
Mogadourense  27/12  Talhas
Sendim  27/12  Carção
Feirense  10/01  Estoril Praia Bragança  03/01  Amares Disciplina: Amarelos – João André 39´´;
Sp. Braga  10/01  Nacional Vimioso  27/12  GD Milhão
Penafiel  10/01  Freamunde Santa Maria FC  03/01  Maria da Fonte Magalhães 43´´; Zé Borges 61´´; Rui Ra-
Académica  10/01  Naval GD Poiares  27/12  Rebordelo
Desp. Aves  10/01  Santa Clara Fão  03/01  Montalegre
Sporting  10/01  Leixões FC Vinhais  27/12  Mirandês
Olhanense  10/01  P. Ferreira Fátima  10/01  Chaves Alfandeguense  27/12  Argozelo
mos 79´´; João Pedro 80´´; Madalena 81´´
FC Porto  10/01  U. Leiria Sp. Covilhã  10/01  Varzim CCR Lamas  27/12  Vila Flor e 86´´; Festas 90´´+2´´ e Fernando 90´´+3´´
Belenenses  10/01  V. Setúbal Carregado  10/01  Beira-Mar
Marítimo  10/01  V. Guimarães Portimonense  10/01  Oliveirense
Rio Ave  10/01  Benfica Gil Vicente  10/01  Trofense

Nacional Juniores B
Nacional Juniores C Nacional Juniores A Empate
III Divisão Série B 14ª. Jornada 15ª Jornada
11ª. Jornada 14ª. Jornada Classificação Classificação castigou as
Classificação
Classificação
Clubes P J Clubes P J
Clubes
1 V. Guimarães
2 Sp. Braga
P
40
32
J
14
14
Clubes
1 Freamunde
2 Famalicão
P
33
26
J
15
15
duas equipas
1 Vila Meã 24 11 1 V. Guimarães 31 14 3 Varzim 26 14 3 Fafe 26 15
2 Padroense 30 14 4 Bragança 26 14
2 Fafe
3 Amarante
21
20
11
11 3 Varzim 30 14 5 Vizela 24 14
4 Moreirense
5 Trofense
25
23
15
15 Vítor Aleixo
4 Joane 17 11 4 Freamunde 27 14 6 Gil Vicente 23 14 6 Chaves 22 15
5 AD Oliveirense 16 11 5 Sp. Braga 26 14 7 AD Barroselas 23 14 7 Limianos 22 15
6 Rebordosa 15 11 6 Diogo Cão
7 Vizela
22
22
14
14
8 Famalicão
9 Marinhas
13
12
14
14
8 Diogo Cão 21 15 Foi o Moncorvo que teve
7 Famalicão 15 11 9 Vizela 20 15
8 Torre Moncorvo 14 11 8 Rio Ave 22 14 10 Chaves 8 13 10 Caç. Taipas 16 15 a melhor ocasião do jogo para
9 Leça 13 11 9 Fafe 13 14 11 Ribeirão 8 14
10 Serzedelo 10 11 10 Régua 11 14 12 ARC Paçô 3 13
11 Bragança
12 Valdevez
15
0
15
15
marcar, quando, aos 26 mi-
11 Infesta
12 Pedrouços
9
3
11
11
11 Limianos
12 GD Cachão
8
0
14
14
nutos, Rafa, isolado em frente
Resultados Resultados ao guarda – redes, Festas, não
Resultados Resultados consegue inaugurar o mar-
Vizela  10/01  Marinhas
Pedrouços  1-3  Amarante Fafe  1-0  Bragança
Fafe  2-2  Infesta Rio Ave  4-0  Régua Ribeirão  10/01  Famalicão
Sp. Braga  10/01  Gil Vicente
Caç. Taipas  0-1  Vizela cador. O Leça tentou reagir,
Torre Moncorvo  0-0  Leça V. Guimarães  2-1  Padroense Freamunde  1-1  Moreirense
Famalicão  1-0  Serzedelo Fafe  0-1  Diogo Cão Bragança  10/01  Chaves
Trofense  1-2  Limianos mas os centrais do Moncorvo
Vizela  1-0  Freamunde V. Guimarães  10/01  Varzim
AD Oliveirense  0-2  Joane
Vila Meã  0-3  Rebordosa Varzim  12-0  GD Cachão ARC Paçô  10/01  AD Barroselas
Diogo Cão  0-0  Famalicão
Valdevez  0-3  Chaves
estiveram impecáveis e cum-
Sp. Braga  6-0  Limianos priram o seu papel, não per-
Próxima Jornada Próxima Jornada Próxima Jornada mitindo aos atacantes do Leça
Vila Meã  03/01  Leça Limianos  03/01  Rio Ave Famalicão  27/12  Marinhas Próxima Jornada que se aproximassem da ba-
Torre Moncorvo  03/01  Infesta Régua  03/01  V. Guimarães Gil Vicente  27/12  Ribeirão
Fafe  03/01  Amarante Padroense  03/01  Fafe Chaves  27/12  Sp. Braga Vizela  02/01  Bragança liza defendida por Vítor Bru-
Famalicão  03/01  Rebordosa Diogo Cão  03/01  Vizela
Serzedelo  03/01  Joane Freamunde  03/01  Varzim
Varzim  27/12  Bragança
AD Barroselas  27/12  V. Guimarães
Moreirense  02/01  Caç. Taipas
Limianos  02/01  Freamunde
no. Na segunda parte, o Leça
Pedrouços  03/01  AD Oliveirense GD Cachão  02/01  Sp. Braga ARC Paçô  27/12  Vizela Famalicão  02/01  Trofense reagiu, subindo no terreno e
Chaves  02/01  Diogo Cão
Valdevez  02/01  Fafe imprimindo mais velocida-
Resultados de, mas os lances de golo não
Futsal - I Divisão Benfica  10-1  Freixieiro surgiam. Aos 64 minutos, Síl-
15ª. Jornada
SL Olivais  6-5  Boticas
Onze Unidos  1-6  Belenenses Futsal Distrital vio Carvalho faz entrar Joca
AAUTAD/Real Fut  3-5  Mogadouro
Ins. D.João V  7-3  Vila Verde 9ª Jornada na equipa. A partir daqui, os
Classificação AD Fundão  2-2  Alpendorada
Sporting  3-1  FJ Antunes Classificação
transmontanos superioriza-
Clubes P J Clubes P J ram-se ao Leça, abrindo o
Clubes P J
1 Benfica 39 15 8 Boticas 19 15 Próxima Jornada 1 Vila Flor 21 9 seu jogo, criando muitos ca-
2 Belenenses 39 15 9 Alpendorada 18 15
3 Sporting 35 15 10 FJ Antunes 18 15 Boticas  16/01  Freixieiro
2 C. Ansiães
3 FC Mirandela
17
17
8
9
lafrios à defensiva forasteira
Belenenses  16/01  SL Olivais
4 Ins. D.João V
5 Mogadouro
28
27
15
15
11 SL Olivais
12 AAUTAD/Real Fut
13
7
15
15 Mogadouro  16/01  Onze Unidos
4 SC Moncorvo 16 8 que, nos minutos finais, teve
5 GD Poiares 14 9
6 AD Fundão 24 15 13 Vila Verde 6 15 Vila Verde  16/01  AAUTAD/Real Fut
Alpendorada  16/01  Ins. D.João V
6 Torre D. Chama 12 8 dificuldade em alguns lances.
7 Freixieiro 23 15 14 Onze Unidos 5 15 7 GDC Roios 11 9
FJ Antunes  16/01  AD Fundão
8 Stº Cristo 10 9 A três minutos do final, Filipe
Sporting  16/01  Benfica
9 UD Felgar
10 CA Carviçais
3
3
9
8
Mesquita, de bola parada, faz
tremer a equipa do Leça, com
o esférico a raspar no poste e a
Resultados Resultados
Paredes  5-9  Contacto
sair. Embora o Moncorvo fos-
Futsal - III Divisão - Série A Macedense  1-5  Chaves Futsal C. Ansiães  ADI  SC Moncorvo se superior aos seus adversá-
Barranha SC  2-2  Monte Pedras FC Mirandela  4-3  UD Felgar
11ª. Jornada Santa Luzia  3-10  Gualtar Vila Flor  5-3  GDC Roios rios durante grande parte do
A.R.C.A.  2-4  Pioneiros Bragança
Guimarães Futsal  4-2  Mondim de Basto
CA Carviçais  19/12  Torre D. Chama jogo, o empate acaba por se
Classificação Amanhã Criança  1-6  Junqueira
Stº Cristo  7-5  GD Poiares
aceitar. A equipa de arbitra-
Clubes P J Clubes P J gem realizou uma excelente
Próxima Jornada Próxima Jornada
1 Chaves Futsal
2 Contacto
31
27
11
11
8 Guimarães Futsal
9 Paredes
16
15
11
11 Amanhã Criança  03/01  Contacto
exibição, com Bruno Nave a
3 Junqueira 22 11 10 A.R.C.A. 9 11 Chaves Futsal  03/01  Paredes SC Moncorvo  15/01  UD Felgar cumprir as leis de jogo, quase
4 Monte Pedras 21 11 11 Macedense 9 11 Monte Pedras  03/01  Macedense FC Mirandela  15/01  GDC Roios
5 Mondim de Basto 20 11 12 Amanhã Criança 6 11 Gualtar  03/01  Barranha SC Vila Flor  15/01  Torre D. Chama sempre com rigor, o que con-
6 Barranha SC 18 11 13 Santa Luzia 5 11 CA Carviçais  15/01  GD Poiares
7 Gualtar 16 11 14 Pioneiros Bragança 4 11
Pioneiros Bragança  03/01  Santa Luzia
Mondim de Basto  03/01  A.R.C.A. C. Ansiães  15/01  Stº Cristo
tribuiu positivamente para o
Junqueira  03/01  Guimarães Futsal espectáculo.

32 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

III Divisão Série A 0 MORAIS


AMARES 2
Estádio de Santo André – Morais
Árbitro: Manuel Oliveira (A. F. Porto)

Melhor adaptação forasteira EQUIPAS


Armando
Ismael
Márcio
Hélder
André Ramoa
FERNANDO CORDEIRO Rui Vaz Hugo
Passi Bruno
Típico jogo do futebol de (Alex 75’) Duarte
Stigas Filipe
Inverno, com o estado do ter-
Ademir (Paulo Gomes 89’)
reno a condicionar o futebol (Filipe 69’) David
bem jogado, com níveis técni- Renato (cap) Tiago Carneiro
cos elevados. O desporto saiu Luís (Armando Santa
a perder, dado o lamaçal em Rudi 73’)
que o pelado se transformou. Vitó Tiririca
Foi um jogo mais disputado (Ismael 63’)

que jogado, a prevalecer a TREINADORES


guerra táctica muito interes- Lopes da Silva Alberto Mendes
sante entre os técnicos e a
sorte do jogo a decidir o ven- Golos: Armando 13’ e 45’+1’
cedor. Disciplina: Ademir 42’, Vitó 72´, Hugo
71’, Duarte 78’, Santa 85’
Excelente entrada dos lo-
cais, a conseguirem fazer cir-
cular a bola, mas ao chegar à Estado do pelado limitou o jogo
zona de finalização a falharem Não temos qualquer dú-
e a bola a ficar presa, possibi- e quando pretende sair a jo- o Amares quem conseguia o etapa complementar dos lo- vida que o futebol praticado
litando aos forasteiros aliviar gar a bola fica presa, isolando golo, bem anulado por carga cais na procura do prejuízo, com outra estrelinha na con-
para o mais longe possível. Armando, que não teve qual- sobre o keeper local. No en- mas estes não defraudaram cretização ou com o terreno
Ao quarto de hora já o quer dificuldade em bater Ar- tanto, a sorte do jogo ainda as expectativas em termos de a deixar circular a bola seria
Morais justificava a vanta- mando. viria a sorrir ao Amares, mes- intensidade de jogo. Supre- outra história e o vencedor
gem e teve mesmo ensejo de Excelente reacção local, mo em cima do apito para o macia e situações para fazer teria sido outro, mas no fute-
a concretizar, não o conse- a conseguir fazer uma pres- descanso. Também em canto golo, a falta de estrelinha e as bol quem marca vence e soma
guindo pelo estado do terre- são alta, mas a não conseguir da direita, a bola sobra para condições do terreno favorá- os pontos em disputa.
no. No alívio de um ataque concretizar. Adivinhava-se Armando, que faz o segundo veis para quem defende, não Quanto aos árbitros, fize-
local, a bola aparece na área, o empate, mas na sequência golo do jogo. deram oportunidades a mais ram um trabalho de qualida-
a defensiva controla o lance de um canto da direita, era Esperava-se muito para a golos. de.

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 33


NORDESTE DESPORTIVO

Juniores A 1 PRADO
MACEDO 1 Juniores B 12 VARZIM
CACHÃO 0
Campo nº 2 Parque de Fafe Campo 2 Povoa de Varzim

Falta um “Cabaz
Árbitro – B r (Porto) Árbitro – L M (Braga)
EQUIPAS EQUIPAS

de Natal”
Cunha Nelson Gomes Ricardo

“matador”
Ribeiro Nélio Marques Furos
Nuno Jaime Gonzalez Rafael
Pedro Valentim Milhazes Daniel Ramos
Joel Sousa Guerra
Sem história o jogo na Ramos Freixeada
Ivo Capello Póvoa, mas com uma verda- Serra Vila Franca
Soares Ricardo de clara: o Cachão comparece Silva JP
Mota Paulo Lima aos jogos com maior ou me- Torres Ricardo Martins
Carneiro V Hugo nor dificuldade. Esta partida Craveiro Tózé
Castro Padrão provou, claramente, que esta André Lima Chico
Costa Eddas Ricardo Craveiro Castelões
fornada não é da melhor, vai
Ricardo Castilho Santos
Brochado Filipe
daí, foram golos atrás de go- Lima
Miguel Valdo los como um capaz de natal. Pedro Sá
Pouco mais se pode dizer
TREINADORES do que chamar à responsabili- TREINADORES
Tenev Marcelo Alves e dade jogadores que têm boas João Mota Hermínio
João Genesio condições de trabalho e a boa Golos: André Lima 4”, 23”,27”,37”,54”,Ri-
Golos: Carneiro 76” vontade de Pedro Grilo como cardo Craveiro 56”80”,Torres 45”,48”Serra
presidente é aquilo a que po- 61”,Craveiro 76”,Milhazes 77”
fixo na área, o chamado pon- demos chamar de glória. Ele
ta de lança moderno, se qui- luta, mas não pode fazer tudo. dirigente. Para Hermínio, o
serem, ou “matador”. Desta Qualquer dia, em vez de Ca- treinador, paciência, os resul-
Equipa de Marcelo e Genésio perdeu inúmeras oportunidades
forma, perdem-se muitas chão, será FC do Grilo, tanta tados têm o condão de fazer
Não se pode tirar mérito tunidades acabou por perder jogadas criadas por jogado- é a vontade deste incansável parte da história
ao vencedor, mas, neste caso, injustamente. res fantásticos, com muita
o Bragança jogou muito fu- São mais 3 pontos “des- imaginação que, de um fim-
tebol e mesmo criando opor- viados” num campo onde os de-semana para o outro, se
transmontanos tiveram espa- perdem sem se perceber bem
Distrital Juniores ço para mostrar o seu valor. o porquê.
Aos 47”, Capello fez tremer a Fica um aviso à navegação,

1 MÃE D’ÁGUA
MONCORVO 2 barra da baliza de Cunha na
marcação de um livre directo,
mas Padrão acabou mesmo
para já, não há problemas de
maior, faltam 18 pontos para
decidir o grupo e é esperar
Campo da CEE
Árbitro – Sá Carneiro (Bragança) por marcar um golo que o pelos adversários mais direc-
EQUIPAS auxiliar anulou por pretenso tos. O golo do Fafe nasceu de
Gervásio Fábio
fora de jogo. uma jogada de classe e Car-
Neca Rui Mesmo assim, os canari- neiro facturou para alegria do
Ivo Hélder nhos têm um pecado mortal treinador, Tenev, que vê a sua
Rego João Luís na equipa, não há um homem equipa “galgar” na tabela. Cachão não falha um jogo
Abel Sérgio
Petit Favas Carlitos
Zito João Dias
Pedro Canadas
Laganha
Portela
Diogo
Mikael
“Mau demais”
Zé Nicola
Mateus J Alves
Um dia negro para o fu- podia esperar grande coisa, to, regressou tudo à estaca
Mikael Messi tebol júnior, tal o desinteres- mas à passagem do minuto zero. Próximo do intervalo,
Quaresma se que esta partida atingiu 40”, aconteceu o impensá- Canadas empatou e ao abrir a
dentro do campo. Pouca en- vel, grande triangulação do 2ª parte fez o 2-1.
TREINADORES
trega, maus passes, jogadas ataque tricolor e à meia volta O líder venceu e não con-
Palhau Urgel Carvalho a monte e pontapé, sem rei Portela marcou um autêntico venceu, mas teve a sorte do
Golos: Portela 40”, Canadas 45”,51”
nem roque, com o futebol a golo de mestre. Mas foi sol de seu lado. Em grande, Sá Car-
Cartão vermelho directo – Zé 57” ser muito mal tratado. Não se pouca dura, pois, de imedia- neiro e seus pares. Jogo muito frio

34 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NATAL 2009

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 35


NORDESTE DESPORTIVO

III Divisão Série A 2 VALENCIANO


MIRANDELA 0 Veteranos 7 BRAGANÇA
PAÇOS BRANDÃO 3
Jogo com
Estádio Dr. Lourenço Raimundo
Árbitro: Flávio Sousa (A. F. Braga)
EQUIPAS
Com muitos passos
Victor Nuno Norinho

expressão Fusco
Hélder Oliveira
Linhares
Jonas
(Pires 63’)
Nana K
Luís Carlos (Maktar int)
Braima Álvaro
Ruizinho Adriano
(Luís Ramos 83’) Breno
David Ivo Calado
Tiago Lenho (Igor 73’)
Tchocamar Rui Lopes (cap)
(Everton 70’) Aires
Baciro Rui Borges
(Francês 89’) Zé Luís
Bragança marcou como quis
TREINADORES
O clube de Bragança “go- gadores e fez um parcial de 4-
Berto Fernandes Carlos Correia
leou” o Paços de Brandão, por 3. Nessa altura, os aveirenses
Golos: 1-0 ao intervalo – 1-0 e 2-0 Baciro 7-3, no campo do CEE, num mostraram mais qualidade e
Mirandela não conseguiu dar a volta ao marcador 23’ e 66’ final de tarde gelado, com deram para ver debilidades
Disciplina: Nana K 22’, Jonas 56’, Rui futebol e alta qualidade. Fo- no sistema defensivo do clu-
Excelente entrada dos golo que tranquilizou a equi- Lopes 80’ ram 10 golos, mas poderiam be da cidade de Bragança. Os
transmontanos a imporem pa do Valenciano que passou ter sido mais. Luís Audi abriu golos da turma da casa foram
o seu habitual bom futebol, a equilibrar o jogo. através das quais podia ter hostilidades na esquerda, marcados por Luís Audi (2),
com atitude e a abrirem pe- Desfalcado e nervoso, feito o gosto ao golo. Num demonstrando o seu grande Rui (2), Jorge, Xaninha e Tó
las laterais, conseguindo um acusando demasiado o golo erro defensivo, o Mirandela nível, não fosse veterano e os Parente. Da parte da turma
apreciável volume de situa- contra a corrente do jogo, o sofre o 2-0 que os enervou seus compromissos profissio- do Paços, Luís Miguel e Ro-
ções de ruptura com eminên- Mirandela perdeu acutilân- ainda mais. Só nos últimos nais, estaria à vontade num gério, que bisou, deram mais
cia de golo, pecando, apenas, cia e profundidade, passou 10’ puxou dos galões, mas não clube da distrital. O mesmo cor ao resultado. 2009 acaba
na finalização. a uma defesa mais baixa e a conseguiu reduzir a diferen- se pode dizer de “Peixinho” em grande para os veteranos
No primeiro remate que apostar na transição rápida ça. Pode dizer-se que foi uma e Tó Parente. Com 3-0 ao in- e pode vir aí 2010 cheio de su-
os locais fizeram à baliza de após o roubo de bola e, com tarde em que tudo correu mal tervalo, o treinador Scolari cesso, para o maior represen-
Norinho, aos 23’, conseguem esta atitude, ainda construiu aos transmontanos e bem aos não esteve para brincadeiras, tante de veteranos do distrito
inaugurar o marcador, um uma mão cheia de situações minhotos. carregou baterias aos seus jo- de Bragança a nível nacional.

36 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Taça AF Bragança 0 TALHAS


ARGOZELO 5 Taça AF Bragança 1 VILA FLOR
VINHAIS 4
Campo do Talhas Estádio Municipal Vila Flor

Talhas, para
Árbitro – Rui Paulo (Bragança)
EQUIPAS
Vila Flor Árbitro – NB (Bragança)
EQUIPAS
Balela Pedro Vila
forma Tiago André

onde vais?
Marco Adolfo Hernâni Antero
Ricardo Nuno Jp Joli
Depois de um empate na
Luís Paulo Zamalek Rafa Nuno
Bruninho Joel Jarrete semana passada, para o cam- Gabriel Pik
André Luízinho peonato, e com Pedro a falhar Márito João
Nuno Pires Pedro Martins uma grande penalidade, o Vi- Byor Miguel
Avelino Jorginho nhais, desta vez para a Taça, Ybá Infesta
N Miguel Kita não deu possibilidades à tur- Octávio Pedro
Hélinho Ricardo Diz Sérgio Rui
ma de Gilberto Gomes e es-
Ricardinho Samuel Mário Márcio
teve à vontade no marcador,
Valente JP Brown Filipe
Paulo Serginho que ficou em 4-1. Mas, não Pinheiro Tiago
João foram favas contadas, foi pre- Saul Mário
ciso jogar melhor e aí esteve
TREINADORES a diferença. Também na codi- TREINADORES
Carlos Silva F Teixeira “Guardiola” cia dos dianteiros do fumeiro, Gilberto Gomes Carlos Garcia

Golos: Ricardo Diz 20”, 23” (gp), Kita 43”,


foi uma partida atraente. Gil- Golos: Márcio 10”, 71”, Rui 15”, Sérgio
Serginho 65”, JP 77” berto Gomes tem um trabalho 32”, Tiago 71”
Pedro Vila: um guarda-redes imbatíve Disciplina: vermelho - Nuno Pires de luxo no Vila Flor e lançou
Carlos Silva não este- como o “Benfica de Jesus”, (depois de duplo amarelo 23”) alguns juniores.
ve muito feliz na sua estreia arrasadores nas goleadas e Os vinhaenses
como técnico ao serviço do quase todas no início das par- não quiseram
Talhas, sucedendo a Valde- tidas. O Talhas viu-se com Talhas, abandonou o clube surpresas e até
mar Afonso. Perdeu por 0-5 10 elementos aos 23”. Nuno desencantado com os diri- o “baixinho”
frente a uma equipa tritu- Pires, fundamental na defe- gentes) e Serginho, o ponta Marco marcou,
radora, com um futebol de sa, acabou expulso ao come- de lança de raiz e secador de de cabeça, o 4º
muito nível, num campo, que ter penalti para os donos da defesas. O árbitro Rui Paulo golo. A respos-
primeiro, esteve duro com o casa, que foi duvidoso, mas ganhou frio numa tarde cal- ta da equipa da
gelo e, mais tarde, ficou lama- concretizado por Ricardo Diz. ma. Carlos Silva vai ter pro- casa foi sempre
cento. Na verdade, era bem Depois, Kita selou o 3-0 e, na blemas para reabilitar o clube de boa postura,
melhor ter adiado o jogo. Os 2ª parte, a história foram os que, na pré- época, queria ser mas a taça fica
atletas de F. Teixeira estão golos de JP (zangado com o campeão. longe.
Vinhais segue em frente na Taça da AFB

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 37


NORDESTE DESPORTIVO

Infantis - Vila Flor 3


– Montes de Vinhais 5
Recuperação
impressionante

Infantis deram a volta por cima


Na primeira parte, o
Monte de Vinhais procurou
sempre o golo mas, na hora
da verdade, ou o guarda-re-
des defendia ou os avançados
falhavam o alvo.
Na segunda parte os visi-
tantes entram em campo com
vontade de virar o jogo, mas
o Vila Flor marca o 3º golo.
Contudo, a equipa de Nuno
Pinto iniciou uma recupera-
ção notável, fechando a con-
tagem em 3-5.

38 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Taça AF Bragança 1 MILHÃO


MOGADOURENSE 4 Infantis 6 MONCORVO B
MOGADOURENSE 2
Campo de Jogos Camilo José Sobri-
Mogadourense
Mogadourense
nho em Moncorvo
Árbitro – Rui Domingues
escorrega em (AF Bragança)
EQUIPAS
Moncorvo
mais perto da Taça Diogo Brás
Pedro Miguel
Kevin
Luís
Francisco Cordeiro
Caseiro
Jorge Miguel Rafael
O Mogadourense veio a Hélder Toni
Bragança dar um passo im- Rui Miguel Rui
Paçó Fábio
portante para conseguir che-
Ruben Francisco Mendes
gar a um dos mais procura- Pedro Durão Luca
dos troféus da A F Bragança e Diogo
ganhou por 4-1. Houve mui- Francisco
ta juventude dos dois lados.
Moncorvo chegou cedo ao golo TREINADORES
Azevedo, treinador do Planal-
Zé Tó Rui Gaspar
to, trouxe seis juniores e utili- VÍTOR ALEIXO
zou-os todos. Já na equipa de Golos: Kevin 4´´, 22´´ e 48´´; Jorge Miguel
Milhão a idade média rondar Oito golos deram o ânimo 31´´; Hélder 32´´ e 37´´; Luca 36´´ e Fran-
os 18 anos. Os golos aparece- necessário para aquecer uma cisco Mendes 46´´;
ram muito cedo para o Moga- manhã que se apresentava
douro, logo aos 6”, Paulo fez o fria. Os miúdos da casa esti- B foi superior, mostrou-o
0-1. Aos 11”, o 2-0 por Nuno. veram sempre em vantagem, durante quase todo o jogo,
Reduziu o Milhão, por Eva- chegando muito cedo ao golo principalmente na primei-
niltom, e, ainda na primeira e marcando logo aos quatro ra parte, onde desperdiçou
parte, Nuno repetiu e colocou minutos por Kevin. muitas ocasiões para dilatar
o marcador em 3-1. A segunda parte foi mais o placard.
Já na 2ª metade, a vitória equilibrada, após o Moga- Mais três pontos que a
justa da equipa do Planalto dourense reagir, marcando equipa de Zé Tó mais uma
Defesa do Milhão nada pôde fazer para travar nova goleada
ficou mais robusta, com o 4-1 dois golos, o primeiro deles vez justificou, o Moncorvo B
de Nuno, que acabou por ser golos. Sílvio Gouveia, sem to frio, como a maior parte do por Luca, que mostrou ter mostrou melhor futebol, teve
o homem do jogo, ao fazer 3 problemas, acabou com mui- púbico. qualidade, destacando-se mais posse de bola e criou
nesta equipa. O Moncorvo mais oportunidades de golo.

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 39


NORDESTE DESPORTIVO

Infantis 6 ESCOLA CRESCER


ALFANDEGUENSE 3
Campo do CEE
Árbitro – Fernando Lhano (Bragança)

Pedro Gouveia dá o exemplo EQUIPAS


Pedro Gouveia
Fernandes
Costa
Rui
Jerónimo Morais
O guarda-redes e capi- ções só de génios. Hugo Lo-
F. Martins Correia
tão da Escola Crescer sofreu pes é um terror na área, Boris Vinhas Beto
três golos, viu uma bola no anda a aprender a transição e Rui Dinis Dias Neves
travessão e acabou o jogo a Kiki Baquero é a alegria. Hugo Lopes Toni Rodrigues
defender. Muito se podia fa- O ARA tem muitos no- Pedro Padrão Diogo
lar deste jogo, porque muito mes, como Toni, Gomes, Rodrigo Gomes
se podia contar, já que o Al- Escobar, Diogo e Monteiro, F Lopes Pinto
Boris Pereira
fandeguense é uma equipa criou muitas oportunidades
“Kiko” Vaqueiro Escobar
poderosa fisicamente, com como a Escola Crescer, mas Monteiro
trabalho de casa feito e muito não concretizou.
TREINADORES
disciplinada tacticamente. Fica, assim, um jogo po-
Nuno Pereira A J Serrano
Com velocidade, Rui Di- sitivo numa manhã de gelo e
nis Dias rebentou de um jogo ter um treinador como Nuno Golos: Luís Filipe 3”, Fernandes 9”, Rui
para o outro e é tão pequeno Pereira é saber estar e lidar Dinis Dias 12”, Vinhas 17”, 29”, Correia
que galga terreno com situa- com esta pequenada. ARA deu que fazer ao guarda-redes da Escola Crescer 20”, Hugo Lopes 38”, Rodrigo 53”, Toni
Rodrigues 60”

Escolas e Infantis Escolas 3 POIARES


MÃE D’ÁGUA 3
Com sabor
Campo do Zonzinho - Árbitros – Rui
Paulo e M Carlos (Bragança)

Frio insuportável a “canelão”


Não fosse o Campo do
EQUIPAS
Ricardo
Portela
Tefa
Ricardo
Perante um frio insupor- Zonzinho estar muito “pe- Rui Mendes Bruninho
sado” para miúdos de tenra CO Rodrigo
tável, o Bragança A e B jo-
Leo I Xico
garam esta 6ª feira na CEE. idade e poderíamos ter tido
Leo II Canelão
Foram dois jogos com muita um grande jogo de futebol, Eustácio Rafa
intensidade e acima de tudo mesmo assim houve muita Alex Edu
com 19 golos no total para os emoção e golos para todos os Ângelo Paulinho
“a”, 13-0 em Escolas e 6-0 em gostos. O Mãe D´ Água está, Vasconcelos Padrão
Infantis. Em termos de gole- de dia para dia, a construir Taborda Inácio
uma equipa de luxo, com es- Luís Pinto Queirós
adores, curiosamente, nem
houve grandes destaques. pírito de sacrifício e grandes TREINADORES
Em escolas, sete jogadores executantes. Para empatar Manssano “Careca”
marcaram, o que não deixa aconteceu o mais bonito, fu-
tebol 100% eficaz, com 3 re- Golos: Rafa 10”, 29”, Alex 15”, Canelão
de ser curioso, no entanto,
32”, Vasconcelos 31”,43”
dois atletas fizeram 3 golos mates o Poiares fez 3 golos.
cada, Ricardo e Nuno Filipe. O poste “roubou” os 3 pontos
Nos infantis, aconteceu qua- aos miúdos de Careca, mas o
se o mesmo com 5 jogadores jogo é mesmo assim. Outra
a marcar 6 golos, só Fábio garantia foi dada, o Poiares
“bisou”. Os jogos foram an- está a crescer e tal como Ca-
Verdadeiros heróis lutaram contra o frio
tecipados à ultima hora e reca, Rui Portela é o chefe
deixaram uma marca negati- entanto, o esforço e glória dos peraturas impróprias para a máximo desta caminhada na
va da AF Bragança, valeu, no jogadores em actuar sob tem- sua idade. aldeia a sul do distrito. Haja
gente assim e a bola nunca
conhecerá um fim. Poiares surpreendeu

40 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Futsal I Divisão 3 UTAD


AC MOGADOURO 5 Futsal III Divisão 1 MACEDENSE
CHAVES 5
Castigo pesado
Pavilhão da UTAD-Árbitros – António Jogo no Pavilhão Municipal de

Universitários
Cardoso e Ricardo Silva (Coimbra) Macedo de Cavaleiros
EQUIPAS Dupla de arbitragem e cronometrista
da A. F. de Viseu: Telmo Corunha e
do futsal
para os locais
Cláudio Pina Francisco Costa, Hélder Almeida
Paulo Duarte Ricardinho
Resende Mancuso EQUIPAS
O Académico de Moga- Jander Maniche
douro visitou o pavilhão da Paulo santos Tiago
Berto Boi
Leonardo (cap) Barroso
UTAD e venceu por 5-3. Os Babalú Allyson
Ruben Passarinho
forasteiros marcaram aos 10 Rafael Wallace
Play Fabinho
minutos, por intermédio de Ney
Ricardinho Carlitos
Bruno
Bruno Pereira. A UTAD em- Nisga Tiaguinho
patou pouco antes do interva- TREINADORES Nelson Pika Durão (cap)
lo, com o golo a ser marcado A.S. Artur Pereira Camané Virgílio
por Rafael. Capulho Branca
Golos: Bruno 10”, Rafael 18”, 25”, 32”, Patrick Bruno Moreno
Já na 2ª parte, o Moga-
Boi 24”, 26”, Ricardinho 29”, Ney 33”. Lino Paulo Abreu
douro voltou a à vantagem. Diogo Domingos
Boi marcou o golo que permi-
tiu à equipa visitante voltar a nal. Já na etapa final da parti- TREINADORES

estar em vantagem, mas essa da, a UTAD ainda conseguiu Leonardo e Play António Aires
Cahves reforçou liderança no pavilhão de Macedo
durou pouco tempo. Rafael reduzir para 4-3, com Rafael Golos: 1-1 ao intervalo – 0-1 Barroso, 1-1
bisou logo no minuto a seguir a completar o hat-trick. FERNANDO CORDEIRO lecendo o empate. Play, 1-2 Play (autogolo), 1-3 Barroso, 1-4
e restabeleceu a igualdade. Mas, Neyzinho acabou No recomeço, o mesmo Virgílio, 1-5 Durão
Porém, o Mogadouro tam- com as esperanças da equipa Cerca dos 10’, um erro de- filme, com o Macedense a Disciplina: Fabinho, Carlitos, Passarinho,
bém não deu tempo à UTAD da casa, ao apontar o golo fi- fensivo local permite a Barro- poder fazer o 2-1 e na respos- e Bruno Moreno
de pensar num assalto a novo nal, ou seja o 5-3. Na verda- so, contra a corrente do jogo, ta um auto-golo a dar o 1-2,
golo. de, a equipa do Planalto espa- inaugurar o marcador, dando novamente grande atitude na bas as áreas, funcionando a
Logo após o tento do em- lha bom futsal pelos recintos a vantagem aos forasteiros. procura do prejuízo, até que eficácia no desequilibrar do
pate, Boi voltou a colocar o do País e ainda a meio desta Reage muito bem o Mace- aos 27’, Barroso faz o 1-3 em marcador. O Macedense cria-
Mogadouro a vencer por 3-2 semana deixou para trás os dense e volvidos 3’ Play põe jogada bem desenvolvida ao va e desperdiçava situações
e Ricardinho ampliou a van- algarvios dos Onze, por 3-2. o pavilhão em êxtase com um primeiro toque. de ruptura com eminência de
tagem para 4-2.Uma equipa Está também em grande, na golo de antologia em lance É então que o ascendente golo e não conseguia concre-
forte, decidida a ficar entre os Taça de Portugal, a dupla de individual desde a sua baliza local dá lugar a um equilíbrio tizar, enquanto que, o Chaves
8 clubes que querem fazer fi- Coimbra, que dirigiu bem o disparando à gaveta em ân- perfeito, com os lances de pe- descia na resposta e factura-
gura na luta pelo título nacio- jogo. gulo muito apertado, restabe- rigo a sucederem-se em am- va.

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 41


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – semanário Regional de Informação Nº 687 de 186, 4° Esq., Bragança; Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de
22 de Dezembro de 2009 Carlos Manuel Borges Dias, residente na Rua Alferes João Batis- 22 de Dezembro de 2009
22 de Dezembro de 2009
ta, Edf. Nova Era, Bloco 4 – 5 A, Chaves.
MODALIDADE DA VENDA:
Carla Pereira Proposta em carta fechada.
VALOR BASE:
Solicitadora de Execução
4.100,00 euros (quatro mil e cem euros).
VALOR MÍNIMO DAS PROPOSTAS:
Serão aceites as propostas iguais ou superiores a 2.870,00€ (dois
Tribunal do Trabalho de Bragança,
mil oitocentos e setenta euros), correspondente a 70% do valor ANÚNCIO DE VENDA (2ª e última Publicação)
Processo: 185/07.5TTBGC-A, Secção Única
base.
Valor: 3.508,82 €
FIEL DEPOSITÁRIO: Processo 88/07.3TBVMS EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO
Referência interna: PE/8/2008
É fiel depositária do veículo, Carla Pereira, com domicílio na Rua Execução Comum CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por
ANÚNCIO DE VENDA EM PROCESSO EXECUTIVO
5 de Outubro, n°34°, 1° dto. Frt., em Bragança. Ref. Interna: PE- 184/2007 escritura lavrada no dia catorze de Dezembro de dois mil e nove no
As propostas enviadas pelo correio deverão conter, sob comina- Tribunal Judicial de Vimioso – Secção Única Cartório Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves
ção de não serem consideradas, fotocópia do bilhete de identida- Data: 10-12-2009 Andrade, sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragan-
2ª e última Publicação
de e número de contribuinte do proponente e/ou seu legal repre- ça, exarada de trinta e quatro a folhas trinta e seis do livro de notas
sentante, bem como telefone de contacto. Os proponentes devem Exequente(s): Granitos Martins & Martins, Lda. para escrituras diversas número “Setenta e dois – B” MANUEL
CARLA PEREIRA, Solicitadora de Execução com a Cédula n.°
juntar à sua proposta, como caução, um cheque visado à ordem Executado (s): José Raimundo Rodrigues Meirinho ANTÓNIO FERNANDES e mulher ELVIRA FELICIDADE LINO
4234, com escritório na Rua 5 de Outubro, n° 34, 1° em Bragan-
do solicitador de execução no montante correspondente a 20% do FERREIRA FERNANDES, casados sob o regime da comunhão de
ça, faz saber que se encontra designado o dia 12 de Janeiro de
valor base dos bens, ou garantia bancária no mesmo valor. adquiridos, ele natural da freguesia de Baçal, concelho de Bragan-
2010, pelas 09H30, no Tribunal do Trabalho de Bragança, sito Agente de Execução, Alexandra Gomes CPN 4009, com en-
Sendo a proponente pessoa colectiva, deverá a referida proposta ça, onde reside, no lugar de Sacoias e ela da freguesia de S. Julião
na Praça Cavaleiro Ferreira, em Bragança, para abertura de pro- dereço profissional Av. João da Cruz, 70, Ed. S. José, 2° Esq
ser acompanhada por documento onde se possa aferir, sem mar- de Palácios, concelho de Bragança, NIF 220 396 990 e 217 878
postas que sejam entregues até esse momento na Secretaria deste Ft. 5300-178 Bragança
gem para dúvidas, que quem a representa tem poderes para o 547, fizeram as declarações constantes desta certidão, que com esta
Tribunal, pelos interessados na compra do seguinte bem móvel: Nos termos do disposto no artigo 890° do Código de Processo se compõe de três laudas e vai conforme o original.
acto.
BEM A VENDER Civil, anuncia-se a venda dos bens adiante designados: Bragança, Cartório Notarial, catorze de Dezembro de dois mil e
Nos termos do n° 5 do artigo 890° do CPC, não se encontra pen-
Verba Única – Veículo automóvel ligeiro de passageiros, matrícu- nove.
dente nenhuma oposição à execução ou à penhora.
la 43-41-MN, marca Suzuki, modelo (EGC 11 S) Baleno 1.3 4D,
cilindrada 1298, branco, gasóleo, do ano de 1998.
Bens em Venda A Colaboradora Autorizada
A Solicitadora de Execução Bernardete Isabel C. Simões Afonso
EXECUTADOS: Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem,
Ana Cristina Soares Mendes, residente na Av. Sá Carneiro, Lote
Carla Pereira TIPO DE BEM: Veiculo
dos seguintes bens:
DESCRIÇÃO: Veiculo Automóvel ligeiro de mercadorias, de
a) Prédio rústico, sito em Brunheiro, freguesia de Baçal, concelho
matricula 89-89-ZB, de marca Citroen, modelo Jumber Four-
de Bragança, composto por cultura, com a área de dois mil metros

VENDE-SE
gon (233B52), a gasóleo de cor Branco, com o n° de quadro quadrados, a confrontar do norte com Virgílio António Fernandes,
VF7233B5215629602. do nascente com Luciano da Assunção Vidal, do sul com Manuel
Bem situado. No Loteamento PENHORADO EM : 10-01-2008
INTERVENIENTES ASSOCIADOS AO BEM:
Augusto Fernandes e do poente com Anunciação Fernandes, não
descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas ins-

Boa Oportunidade! Laranja, Nº 4, paralelo EXECUTADOS: José Raimundo Rodrigues Meirinho, BI n°


5799080, residente em Vimioso.
crito na matriz respectiva, sob o artigo 2347, sendo de 4,78 euros o
seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros.
à Avª. do Sabor, junto ao novo MODALIDADE DA VENDA: Venda mediante propostas
em carta fechada, a serem entregues na Secretaria do supra
b) Prédio rústico, sito em Chara, freguesia de Baçal, concelho de
Bragança, composto por cultura, com a área de três mil e trezentos
T3, T4 e Duplex Lar da Obra Padre Miguel, mencionado Tribunal, pelos interessados na compra, ficando metros quadrados, a confrontar do norte com Manuel dos Santos da
Eira, do nascente com Anunciação Fernandes do sul com António
como data para abertura das propostas o dia 07 de Janeiro de
Cozinha, casas de banho em Bragança 2010, pelas 14:00 Horas. Pinelo e do poente com Teresa Amélia Rodrigues, não descrito na
Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na ma-
VALOR BASE DA VENDA: 2000.00 euros
triz respectiva, sob o artigo 2285, sendo de 8,30 euros o seu valor
mobiladas. Aquecimento Será aceite a proposta do melhor preço, acima do valor de
1.400,00€, correspondente a 70% do valor base.
patrimonial, a que atribuem o valor de dez euros.

completo. Garagens individuais, Calmo como se fosse um c) Prédio rústico, sito em Forcadas, freguesia de Baçal, concelho de
Bragança, composto por pastagem, com a área de dois mil e qui-
A sentença que se executa está pendente nhentos metros quadrados, a confrontar do norte com Maria Cân-
com bons acessos. condomínio fechado. de recurso ordinário
Está pendente oposição à execução Não
Não dida Tisa, do nascente com Francisco Pires, do sul com Caminho
Público e do poente com Maria Amélia Fernandes, não descrito na
Bons acabamentos. Está pendente oposição à penhora Não Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na ma-
triz respectiva, sob o artigo 2559, sendo de 0,38 euros o seu valor
Prédio só com 3 andares Contacto: 964 648 090 Agente de Execução patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros.
Que os seus representados entraram na posse dos referidos prédios,
Alexandra Gomes
em mil novecentos e oitenta e cinco, por compra verbal que deles
fizeram, os dois primeiros a Manuel António Brás Miranda e outro
a Anunciação dos Anjos Fernandes, residente que foi no lugar de
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nª 687 de
Sacoias, da referida freguesia de Baçal, sem que no entanto ficas-
22 de Dezembro de 2009 22 de Dezembro de 2009
sem a dispor de título formal que lhes permita, o respectivo registo
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO
NOTÁRIA : FATIMA MENDES Soluções do Passatempo na Conservatória do Registo Predial; mas, desde logo, entraram na
posse e fruição dos identificados prédios, em nome próprio, posse
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO
Certifico, para efeitos de publicação que por escritura outorgada
em 14 de Dezembro de 2009, no Cartório Notarial de Mogadouro,
de 15/12/2009 assim detêm há muito mais de vinte anos, sem interrupção ou ocul-
tação de quem quer que seja.
Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi-
sito no Palácio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, a ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome
cargo da Notária Fátima do Carmo Major Mendes, exarada a folhas
quarenta e duas e seguinte do livro de notas para escrituras diversas Sudoku próprio e com aproveitamento de todas as utilidades dos prédios,
nomeadamente, amanhando-os, adubando-os, cultivando-os e co-
número Sessenta e dois, foram alterados os estatutos da “ASSO- EXTRACTO
lhendo os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente
CIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS ao exercício do direito de propriedade, quer usufruindo como tal
DE MOGADOURO”, que por efeito das alterações efectuadas pas- Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por
os imóveis, quer beneficiando dos seus rendimentos, quer supor-
sou a denominar-se ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOM- escritura de hoje, exarada de folhas setenta e cinco a folhas se-
tando os respectivos encargos, quer ainda pagando as respectivas
BEIROS VOLUNTÁRIOS DE MOGADOURO”, P.C.U.P N.I.P.C. tenta e sete do respectivo livro número cento e quarenta e cinco,
contribuições e impostos, mantendo-os sempre na sua inteira dis-
501 341 307, com sede na Avenida Regimento de Comandos, nú- MIQUELINA DOMINGUES, NIF 158 389 620, viúva, natural ponibilidade.
mero 21, na freguesia e concelho de Mogadouro, matriculada na da mencionada freguesia de Genísio, residente na Praceta Óscar Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, con-
Conservatória do Registo Comercial de Mogadouro sob o número Silva, n.º 8, 2º Dtº, Santa Marta do Pinhal, Corroios; duziu à aquisição dos imóveis, por usucapião, que invocam, justi-
único de pessoa colectiva e matrícula cinco zero um três quatro um Que, com exclusão de outrem, a sua representada é dona e legí- ficando o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado
três zero sete, que tem os seguintes fins: tima possuidora dos prédios a seguir identificados, ambos locali- que esta forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer
1 - Tem como escopo principal a protecção de pessoas e bens, de- zados na freguesia de Genísio, concelho de Miranda do Douro: outro título formal extrajudicial.
signadamente o socorro a feridos, doentes ou náufragos e a extin- número um - prédio urbano, composto por casa de habitação e
ção de incêndios, detendo e mantendo em actividade, para o efeito, palheiro, de rés-do-chão, com a superfície coberta de noventa
um corpo de bombeiros voluntários, com observância do definido e cinco metros quadrados, sito em “Molinico”, a confrontar de
no regime jurídico dos corpos de bombeiros e de mais legislação norte, sul, nascente e poente com terreno público, inscrito na res-
aplicável. Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de 22 Que o referido prédio veio à posse dos justificantes, já no estado de
pectiva matriz sob o artigo 327, com o valor patrimonial tributá- de Dezembro de 2009 casados, por volta do ano de mil novecentos e setenta e nove, por com-
2 - Com estrita observância do seu fim não lucrativo e sem prejuí-
rio de € 613,37 e ao qual atribui o valor de quatro mil setecentos pra meramente verbal que fizeram a Maria do Rosário Pires, viúva e
zo do seu escopo principal, a Associação pode desenvolver outras
e dezanove euros e vinte e sete cêntimos; e CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO residente que foi na mencionada freguesia de Sendim, actualmente
actividades, individualmente ou em associação, com outras pessoas
número dois - prédio urbano, composto por casa de habitação e falecida, não tendo nunca porém sido celebrada a competente escritura
singulares ou colectivas, desde que permitidas por deliberação da
Assembleia-geral, nomeadamente:
palheiro, de rés-do-chão, com a superfície coberta de quarenta NOTÁRIA : FÁTIMA MENDES de compra e venda.
a) Prestação de cuidados de saúde, actividades desportivas, cultu- metros quadrados, sito em “Molinico”, a confrontar de norte, Que assim, os justificantes possuem o dito prédio há mais de vinte
rais e recreativas, conducentes a uma melhor preparação física e sul, nascente com terreno baldio e poente com Miquelina Do- EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO anos, em nome próprio, na convicção de serem os únicos donos e ple-
intelectual dos seus associados, mantendo uma Banda Filarmónica mingues, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 334, com o namente convencidos de que não lesavam quaisquer direitos de outrem,
e uma Escola de Música; valor patrimonial tributário de € 296,43 e ao qual atribui o valor Certifico, para efeitos de publicação, que no dia dezassete Dezembro à vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem quer que fosse
b) Actividades de carácter social de apoio e protecção à infância, de dois mil duzentos e oitenta euros e setenta e três cêntimos; de dois mil e nove, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio desde o início dessa posse, a qual sempre exerceram sem interrupção,
à juventude, á deficiência e aos idosos ou em qualquer situação de não descritos na Conservatória do Registo Predial de Miranda do da Justiça, na freguesia e conceiho de Mogadouro, de fls. 61, á fls. gozando todas as utilidades por ele proporcionadas, com o ânimo de
carência que justifique uma actuação pró humanitária; Douro, conforme certidão que da mesma apresenta.. 62,. verso, do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta quem exerce direito próprio, nomeadamente nele lavrando, plantando
3 – Pode ainda desenvolver outras actividades, a título gratuito ou Que os identificados prédios vieram à sua posse por adjudica- e dois, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual comparece- videiras e fruteiras, podando, sulfatando, adubando, tratando e colhen-
remunerado, nomeadamente a prestação de serviços, comerciais ou ção em partilha efectuada com os demais interessados, por óbito ram como outorgantes, FRANCISCO AMADO RODRIGUES, NIF do os respectivos frutos, nomeadamente as uvas, procedendo a actos
industriais, individualmente ou através de parceria, associação ou de José Emílio Pires, seu marido, residente que foi na aludida 116 793 511, e mulher MARIA DELFINA GERALDES, NIF 165 191 de limpeza e usufruindo de resto de todos os proventos e utilidades
por qualquer outra forma legalmente prevista, desde que permiti- freguesia de Genísio, partilha essa efectuada no ano de mil no- 511, casados sob o regime da comunhão geral de bens, naturais, ele da proporcionados pelo referido bem imóvel, praticando assim os mais di-
das, por deliberação da Assembleia-geral e os lucros dessas activi- freguesia de Picote, concelho de Miranda do Douro, e ela da freguesia versos actos de uso, fruição e defesa do mesmo, à vista de toda a gente
vecentos e oitenta e oito e nunca formalizada pela outorga da
dades revelam para os seus fins estatutários. de Sendim, concelho de Miranda do Douro, onde residem na Rua da e portanto de eventuais interessados, tudo como fazem os verdadeiros
necessária escritura pública.
São órgãos da associação, a Assembleia-geral, a Direcção e o Con- Padaria, número 2 `, os quais declararam: donos, sendo por isso uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública,
Que, assim, a sua representada não é detentora de qualquer título
celho Fiscal. Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem do pelo que, dadas as enumeradas características de tal posse, adquiriram
formal que legitime o domínio dos mencionados prédios. por usucapião o identificado prédio, figura jurídica que invocam, por
É certidão de teor parcial, e está conforme o original, na parte seguinte prédio:
Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil não terem documento que lhes permita fazer prova do seu direito de
transcrita. Rústico, sito em Bezindeira, também conhecido por Mina, na fregue-
novecentos e oitenta e oito, a sua representada passou a utili- propriedade, pelos meios extrajudiciais normais, dado o seu referido
Cartório Notarial de Mogadouro, 14 de Dezembro de 2009. sia de Sendim, concelho de Miranda do Douro, composto de vinha,
zar os referidos prédios, gozando de todas as utilidades por eles modo de aquisição.
A Notária, com área de quinze mil e duzentos metros quadrados, a confrontar de
proporcionadas, guardando neles seus haveres, efectuando regu- norte com limite de Prado Gatão, sul com Comissão Fabriqueira da Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
Fátima Mendes larmente obras de conservação e reparação, como substituição Igreja, nascente com estrada, e de poente com António Galvão, inscri- Mogadouro e Cartório Notarial, em 17 de Dezembro de 2009.
de elementos danificados e de benfeitorização, to na respectiva matriz sob o artigo 1345 com o valor patrimonial de
agindo assim, sempre com ânimo de quem 283,79€, e atribuído de oitocentos euros, não descrito Conservatória A Notária,
exerce direito próprio, na convicção de tais do Registo Predial de Miranda do Douro, a cuja área pertence. Fátima Mendes
prédios lhe pertencerem e de ser a sua verda-
deira dona, como tal sendo reconhecida por
toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorar
lesar direito alheio, pacificamente, porque sem
violência, contínua e publicamente, à vista e
com o conhecimento de todos e sem oposição
de ninguém.
Que dadas as enunciadas características de tal
posse que, da forma indicada vem exercendo
há mais de vinte anos, adquiriu o domínio dos
ditos prédios por usucapião, título esse que, por
sua natureza, não é susceptível de ser compro-
vado por meios normais. Que para suprir tal tí-
tulo fazem esta declaração de justificação para
fins de primeira inscrição no registo predial.
Está conforme.

Leia, assine e divulgue


Bragança, 14 de Dezembro de 2009.

A colaboradora autorizada,
Elisabete Maria C. Melgo

42 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de 22 buído de quatrocentos e cinquenta euros;

Astrólogo Curandeiro
de Dezembro de 2009 Que a restante parte do identificado prédio pertence a Domingos dos
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO Santos Marcos e José Joaquim Marcos, ambos casados, residentes no
NOTÁRIA : FÁTIMA MENDES lugar de Variz, da menciona freguesia de Penas Roias, pessoas com
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO quem têm vindo a exercer a posse sobre o dito prédio;

Prof. SALOMÉ
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia sete de Dezembro de Doze - Prédio rústico, sito em Entradinha, composto de horta e cultura
dois mil e nove, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio arvense, com área de dois mil novecentos e noventa e nove metros qua-
da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 1 verso, a fls. drados, a confrontar de norte com Ana Maria Leite, sul com Joaquim
6, verso, do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta e Marcos, nascente com caminho, e de poente com António Fernandes,
dois, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual compareceram inscrito na respectiva matriz sob o artigo 604 da secção K, com o valor
como outorgantes, ANA MARIA LEITE, NIF 159 582 911, e marido patrimonial de 47,76€, e o atribuído de mil cento e vinte euros;
FRANCISCO ANTÓNIO MARCOS, NIF 151 249 830, casados sob Treze - Metade indivisa do prédio rústico, sito em Entradinha, compos-
Especialista dos casos amorosos, resolução o regime da comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia de
Penas Roias, concelho de Mogadouro, onde residem no lugar de Variz,
to de horta e cultura arvense, com área de dois mil seiscentos e vinte
e quatro metros quadrados, a confrontar de norte e poente com Ana
Maria Leite, sul com Joaquim Marcos, e de nascente com caminho,
969209609 em uma semana dos casos mais desespera- os quais declararam:
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, dos
seguintes bens imóveis, todos sitos na freguesia de Penas Roias, con-
inscrito na respectiva matriz sob o artigo 603 da secção K, com o valor
patrimonial correspondente à fracção de 19,05€, e o atribuído de qua-
dos tais como: Amarração, Afastamento, celho de Mogadouro:
Um – A quarta parte indivisa do prédio rústico, sito em Assumada,
trocentos e cinquenta euros;
Que a restante parte do identificado prédio pertence aos herdeiros de
934074237 Problemas Profissionais e Familiares, composto de cultura arvense, mata de carvalhos e terreno estéril, com
área de cento e quinze mil quinhentos e trinta metros quadrados, a
Joaquim dos Anjos Marcos, residentes no lugar de Variz, da referida
freguesia de Penas Roias, pessoas com quem têm vindo a exercer a
confrontar de norte e nascente com José Rodrigues, sul com Manuel posse sobre o dito prédio;
Negócios, Sorte, Justiça, Doenças estranhas Branco, e de poente com caminho, descrito na Conservatória do Re- Catorze - Prédio rústico, sito em Malhada, composto de árvores disper-
sas, cultura arvense, castanheiros, vinha e horta, com área de seis mil
917049293 e crónicas, e Impotência sexual.
gisto Predial sob o número quatrocentos e trinta e oito - Penas Roias,
não se mostrando porem registada a aquisição da dita parte indivisa oitocentos e setenta e quatro metros quadrados, a confrontar de norte
a favor de ninguém, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 203 da e poente com caminho público, sul com Aquilino Mamede Bento, e de
secção J, com o valor patrimonial correspondente à fracção de 35,92€, nascente com Estrada Nacional, inscrito na respectiva matriz sob o ar-
e o atribuído de oitocentos e cinquenta euros; tigo 437 da secção K, com o valor patrimonial de 33,19€, e o atribuído

BRAGANÇA Não fique na Sombra Que a restante parte do identificado prédio pertence a Francisco Maria
Rodrigues, casado, a Maria da Natividade Leite, casada, e a Maria Isa-
bel Leite Rodrigues Marcos, casada, Isabel dos Santos Leite, casada,
de setecentos e oitenta euros;
Quinze – A quarta parte indivisa do prédio rústico, sito em Vale de
Urufins, ou Vale de Unfins, composto de cultura arvense, com área
todos residentes no lugar de Variz, da dita freguesia de Penas Roias, e de onze mil oitocentos e setenta e cinco metros quadrados, a confron-

PAGAMENTO APÓS RESULTADO a José Maria Leite, residente em França, pessoas com quem têm vindo
a exercer a posse sobre o dito prédio;
tar de norte com António Maria Vaz, sul com Eduardo Augusto Bior,
nascente com Martinho José Fernandes, e de poente com Isabel Maria
Dois – Prédio rústico, sito em Vale da Vinha, composto de cultura ar- Fernandes, descrito na Conservatória o Registo Predial sob o número
vense, com área de quatro mil cento e vinte e cinco metros quadrados, quatrocentos e setenta e três - Penas Roias, não se mostrando porem
a confrontar de norte com caminho, sul com Manuel Gomes, nascente registada a aquisição da dita parte indivisa a favor de ninguém, ins-
com Francisco Caetano, e de poente com Francisco Marcos, inscrito crito na respectiva matriz sob o artigo 297 da secção I, com o valor
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de na respectiva matriz sob o artigo 167 da secção K, com o valor patri- patrimonial correspondente à fracção de 5,25€, e o atribuído de cento
22 de Dezembro de 2009 22 de Dezembro de 2009 monial de 7,42€, e o atribuído de cento e oitenta euros; e trinta euros;
Três – Prédio rústico, sito em Entradinha, composto de horta e cul- Que a restante parte do identificado prédio pertence a Francisco Maria
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO tura arvense, com área de mil trezentos e doze metros quadrados, a Rodrigues, casado, e a José Joaquim Preto, casado, ambos residentes
confrontar de norte com Manuel Gomes, sul com Manuel Sabino, nas- no lugar de Variz, da referida freguesia de Penas Roias, pessoas com
NOTÁRIA : FÁTIMA MENDES NOTÁRIA : FÁTIMA MENDES cente com Francisco Marcos, e de poente com caminho, inscrito na quem têm vindo a exercer a posse sobre o dito prédio;
respectiva matriz sob o artigo 149 da secção I, com o valor patrimonial Dezasseis - Metade indivisa do prédio rústico, sito em Queimadas,
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO de 22,88€, e o atribuído de quinhentos e quarenta euros; composto de prado natural e cultura arvense, com área de vinte e um
Quatro – Prédio rústico, sito em Entradinha, composto de horta e cul- mil seiscentos e cinquenta e cinco metros quadrados, a confrontar de
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia dezassete de De- Certifico, para efeitos de publicação, que no dia dezasseis de De- tura arvense, com área de mil quatrocentos e quarenta metros quadra- norte com Manuel Paulo Rodrigues, sul com Francisco Maria Lopes,
zembro de dois mil e nove, no Cartório Notarial de Mogadouro, zembro de dois mil e nove, no Cartório Notarial de Mogadouro, dos, a confrontar de norte com Francisco Marcos, sul com Manuel nascente com José Maria Cascais, e de poente com António Maria Ba-
sito no Palácio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, sito no Palácio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, Marcelino, e de nascente e poente com caminho, inscrito na respectiva tista, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 116 da secção I, com o
de fls. 63, a fls. 64, verso, do livro de notas para escrituras diversas de fls. 52, a fls.53, verso, do livro de notas para escrituras diversas matriz sob o artigo 148 da secção I, com o valor patrimonial de 25,90€, valor patrimonial correspondente à fracção de 10,75€, e o atribuído de
número Sessenta e dois, foi lavrada uma escritura de justificação, número Sessenta e dois, foi lavrada uma escritura de justificação, e o atribuído de seiscentos e dez euros; duzentos e sessenta euros;
na qual compareceram como outorgantes, ADÍLIA DA CONCEI- na qual compareceram como outorgantes, ANTÓNIO AUGUSTO Cinco - Prédio rústico, sito em Queimadas, composto de cultura arven- Que a restante parte do identificado prédio pertence a Fernando Maria
ÇÃO MARCOS, NIF 145 902 919, e marido MANUEL JOSÉ DE CASTRO, NIF 132 843 145, e mulher MARIA JOSÉ FALCÃO se, com área de quinze mil e trinta e um metros quadrados, a confron- Bolhaqueiro, casado, residente no lugar de Variz, da referida freguesia
PERES, NIF 180 833 820, casados sob o regime da comunhão DE CASTRO, NIF 132 843 137, casados sob o regime da comu- tar de norte com Manuel Gomes, sul com Manuel Marcelino, nascente de Penas Roias, pessoa com quem têm vindo a exercer a posse sobre
geral de bens, ambos naturais da freguesia de Sendim, concelho de nhão geral de bens, naturais. ele da freguesia de Picote, concelho com caminho, e de poente com Manuel Sabino, inscrito na respectiva o dito prédio; e
Miranda do Douro, onde residem na Travessa do Pombal, número de Miranda do Douro, e ela da freguesia de Sendim, concelho de matriz sob o artigo 111 da secção I, com o valor patrimonial de 14,96€, Dezassete - A quarta parte indivisa do prédio rústico, sito em Grifo,
3, e declararam: Miranda do Douro, onde residem na Rua do Baiunco, número 1, e o atribuído de trezentos e cinquenta euros; composto de cultura arvense, com área de trinta e dois mil e quinhentos
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem os quais declararam: Seis - Metade indivisa do prédio rústico, sito em Calujo, composto metros quadrados, a confrontar de norte, sul e poente com caminho, e
do seguinte prédio: Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem de cultura arvense, com área de mil seiscentos e vinte e cinco metros de nascente com António Bolhaqueiro, inscrito na respectiva matriz
Rústico, sito em Juncos Torrados, na freguesia de Sendim, conce- do seguinte prédio: quadrados, a confrontar de norte com caminho, sul com Manuel de sob o artigo 175 da secção J, com o valor patrimonial correspondente à
lho de Miranda do Douro, composto de terra de centeio, com área Rústico, sito em Penhas Falcão, na freguesia de Sendim, concelho Jesus Gomes, nascente com António da Ressurreição Marcos, e de fracção de 5,31€, e atribuído de cento e noventa euros;
de quatro mil novecentos e cinquenta metros quadrados, a confron- de Miranda do Douro, composto de terra de centeio, com área de poente com passagem particular, descrito na Conservatória do Registo Que a restante parte do identificado prédio pertence a José Maria Leite,
tar de norte com José Maria Boticário, sul com Manuel dos Santos quinze mil e setecentos metros quadrados, a confrontar de norte e Predial sob o número sessenta e nove - Penas Roias, não se mostrando casado, residente em França, e aos herdeiros de Adelina Augusta Lei-
Amaro, nascente com José Cangueiro, e de poente com caminho, nascente corn Ramiro Bento, de sul com estrada, e de poente com porem registada a aquisição da dita parte indivisa a favor de ninguém, te, residentes em Bragança, pessoas com quem têm vindo a exercer a
inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1554 com o valor patri- Manuel Joaquim Xavier, inscrito na respectiva matriz sob o artigo inscrito na respectiva matriz sob o artigo 129 da secção J, com o valor posse sobre o dito prédio.
monial de 12,07€, e atribuído de quinhentos euros, não descrito 7655 com o valor patrimonial de 28,26 €, e atribuído de cem euros, patrimonial correspondente à fracção de 5,85€, e o atribuído de cento Que, com excepção dos prédios identificados nas verbas números um,
Conservatória do Registo Predial de Miranda do Douro, a cuja área não descrito Conservatória do Registo Predial de Miranda do Dou- e quarenta euros; seis, oito e quinze, que se encontram descritos na Conservatória do
pertence. ro, a cuja área pertence. Que a restante parte do identificado prédio pertence a Manuel Maria Registo Predial de Mogadouro, conforme mencionado nas respectivas
Que o referido prédio veio à posse dos justificantes, já no estado de Que o referido prédio veio à posse dos justificastes, já no estado de Sabino, casado, residente nesta vila de Mogadouro, pessoa com quem verbas em que se identificam, nenhum dos restantes prédios se mostra
casados, por volta do ano de mil novecentos e oitenta, por doação casados, por volta do ano de mil novecentos e setenta e nove, por têm vindo a exercer a posse sobre o dito prédio; descrito na Conservatória do Registo Predial de Mogadouro, a cuja
meramente verbal que lhes foi feita pela mãe da justificante mulher, partilha verbal a que com os demais interessados procederam por Sete - Prédio rústico, sito em Tapada, composto de cultura arvense, área pertencem, e somam todos os bens imóveis supra identificados
Cândida Morgado, viúva e residente que foi na Rua Caminho do óbito dos pais do justificante marido, Abílio José de Castro e Ma- com área de novecentos e trinta e sete metros quadrados, a confrontar o valor patrimonial global de 394,96€, e o atribuído de nove mil e
Prado, sem número, na dita freguesia e Sendim, actualmente fale- ria Cândida Pires, residentes que foram na mencionada freguesia de norte com António Joaquim Gomes, sul com António Maria Mar- quinhentos euros.
cida, não tendo nunca porém sido celebrada a competente escritura de Sendim, não tendo nunca porém sido celebrada a competente cos, de poente com Eduardo Fernandes, e de nascente com Eduardo Que todos os bens imóveis supra identificados vieram à posse dos
de doação. escritura de partilha. Fernandes e Adelina Canuto, inscrito na respectiva matriz sob o artigo justificantes, já no estado de casados, tendo o identificado na verba
Que assim, os justificantes possuem o dito prédio há mais de vinte Que assim, os justificantes possuem o dito prédio há mais de vinte 524 da secção K, com o valor patrimonial de 6,79€, e o atribuído de número seis sido por compra meramente verbal que por volta do ano de
anos, em nome próprio, na convicção de serem os únicos donos e anos, em nome próprio, na convicção de serem os únicos donos e cento e setenta euros; mil novecentos e oitenta e cinco fizeram a António do Espírito Santo
plenamente convencidos de que não lesavam quaisquer direitos de plenamente convencidos de que não lesavam quaisquer direitos de Oito - A quinta parte indivisa do prédio rústico, sito em Fonte, com- Marcos e sua mulher, Perpétua Marcos, residentes no lugar de Variz;
outrem, à vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem outrem, à vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem posto de rado natural e horta, com área de sete mil metros quadrados, e tendo os restantes bens sido por volta do ano de mil novecentos e
quer que fosse desde o início dessa posse, a qual sempre exerceram quer que fosse desde o início dessa posse, a qual sempre exerceram a confrontar de nascente com Manuel Rodrigues, poente com Manuel setenta e nove, por partilha meramente verbal a que com os demais
sem interrupção, gozando todas as utilidades por ele proporciona- sem interrupção, gozando todas as utilidades por ele proporciona- dos Santos, norte com José Cascais, e de sul com caminho, descrito na interessados procederam por óbito do pai da justificante mulher, Casi-
das, com o ânimo de quem exerce direito próprio, nomeadamente das, com o ânimo de quem exerce direito próprio, nomeadamente Conservatória o Registo Predial sob o número vinte e quatro mil cento miro Maria Leite, casado com Arminda Augusta dos Santos, a mesma
nele lavrando, semeando, tratando e colhendo os respectivos frutos, nele lavrando, plantando, semeando, tratando e colhendo os respec- e vinte e sete, a folhas cento e setenta do Livro B – Sessenta, não se que Erminda Augusta dos Santos, residentes que foram no lugar de
nomeadamente cereal, procedendo a actos de limpeza e usufruin- tivos frutos, nomeadamente cereal, procedendo a actos de limpeza e mostrando porem registada a aquisição da dita parte indivisa a favor Variz, da dita freguesia de Penas Roias, ambos actualmente falecidos,
do de todos os proventos e utilidades proporcionados pelo referido usufruindo de todos os proventos e utilidades proporcionados pelo de ninguém, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 449 da secção não tendo nunca porém sido celebradas as competentes escrituras de
bem imóvel, praticando assim os mais diversos actos de uso, frui- referido bem imóvel, praticando assim os mais diversos actos de K, com o valor patrimonial correspondente à fracção de 18,91€, e o compra e venda e partilha, respectivamente.
ção e defesa do mesmo, à vista de toda a gente e portanto de even- uso, fruição e defesa do mesmo, à vista de toda a gente e portanto atribuído de quinhentos e essenta euros; Que assim, os justificantes possuem todos os ditos bens imóveis há
tuais interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, sendo de eventuais interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, Que a restante parte do identificado prédio pertence a Francisco Maria mais de vinte anos, em nome próprio, na convicção de serem os úni-
por isso uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo que, sendo por isso urna posse de boa fé, pacifica, contínua e pública, Rodrigues, casado, e a herdeiros de José Manuel Leite, todos residen- cos donos e plenamente convencidos de que não lesavam quaisquer
dadas as enumeradas características de tal posse, adquiriram por pelo que, dadas as enumeradas características de tal posse, adqui- tes no lugar de Variz, da dita freguesia de Penas Roias, pessoas com direitos de outrem, à vista de toda a gente e sem a menor oposição de
usucapião o identificado prédio, figura jurídica que invocam, por riram por usucapião o identificado prédio, figura jurídica que invo- quem têm vindo a exercer a posse sobre o dito prédio; quem quer que fosse, desde o início dessa posse e composse, que sem-
não terem documento que lhes permita fazer prova do seu direito cam, por não terem documento que lhes permitam fazer prova do Nove – Prédio rústico, sito em Cabeço, composto de cultura arvense pre exerceram sem interrupção, gozando todas as utilidades por eles
de propriedade, pelos meios extrajudiciais normais, dado o seu re- seu direito de propriedade, dado o seu referido modo de aquisição. e vinha, com área de nove mil quinhentos e sessenta e dois metros proporcionadas, corn o ânimo de quem exerce direito próprio, nome-
ferido modo de aquisição. Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico. quadrados, a confrontar de norte e nascente com caminho, sul com adamente neles lavrando, semeando, sulfatando, tratando e colhendo
Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico. Mogadouro e Cartório Notarial, em 16 de Dezembro de 2009. António Santos, e de poente com António Fernandes, inscrito na res- os respectivos frutos, como azeitona, uvas, cereal, batatas, feijão e os
Mogadouro e Cartório Notarial, em 17 de Dezembro de 2009. pectiva matriz sob o artigo 611 da secção K, com o valor patrimonial mais diversos produtos agrícolas, cortando mato e silvas e procedendo
A Notária, de 99,80€, e o atribuído de dois mil trezentos e quarenta euros; a outros actos de limpeza, neles apascentando animais, e usufruindo
A Notária, Fátima Mendes Dez - Prédio rústico, sito em Queimadas, composto de cultura arven- de todos os proventos e utilidades proporcionados pelos referidos bens
Fátima Mendes se, com área de dezasseis mil duzentos e dezoito metros quadrados, imóveis, praticando assim os mais diversos actos de uso, fruição e
a confrontar de norte com Norberto Evangelista Fernandes, sul com defesa dos mesmos, à vista de toda a gente e portanto de eventuais
Casimiro Leite, nascente com Francisco Maria Lopes, e de poente interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, sendo por isso
com Manuel Gomes, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 118 da uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo que, dadas as
secção I, com o valor patrimonial de 16,09€, e o atribuído de trezentos enumeradas características de tal posse, adquiriram por usucapião os
e oitenta euros; identificados bens imóveis, figura jurídica que invocam, por não terem
Onze – A quarta parte indivisa do prédio rústico, sito em Vale de Porco, documentos que lhes permitam fazer prova do seu direito de proprieda-
na indicada freguesia de Penas Roias, composto de árvores dispersa, de, pelos meios extrajudiciais normais, dado os seus referidos modos
cultura arvense, castanheiros e prado natural, com área de vinte e um de aquisição._
mil duzentos e sete metros quadrados, a confrontar de norte Fernando Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
Bolhaqueiro, sul e nascente com caminho, e de poente com Jacinto Mogadouro e Cartório Notarial, em 7 de Dezembro de 2009.
Rodrigues, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 76 da secção J. A Notária,
com o valor patrimonial correspondente à fracção de 19,14€, e o atri- Fátima Mendes

Farmácias Sexta - Confiança


Sábado - Atlântico
de Serviço Domingo - Bem Saúde
Segunda- M. Machado
- Bragança -
Hoje: M. Machado
Amanhã - Mariano Mais informações em
Quinta - Soeiro www.jornalnordeste.com

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 43


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de 22 de Dezembro de 2009


CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO
NOTÁRIA : FÁTIMA MENDES
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia dezasseis de Dezembro de dois mil e nove, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio
da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 56 a fls.57, verso, do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta e dois, foi
lavrada uma escritura de justificação, na qual compareceu como outorgante, MARIA ADELINA FREITAS, casada, natural da freguesia de Castelo
Branco, concelho de Mogadouro, onde reside, outorgando na qualidade de procuradora em representação de CARLOS ALBERTO PARREIRA,
NIF 260 868 205, casado sob o regime da comunhão de adquiridos com Maria Helena Gonçalves Martins Parreira (NIF 192 813 447), natural
da referida freguesia de Castelo Branco, onde reside quando em Portugal, habitualmente residente em França, devidamente autorizado por sua
esposa, a qual é ela natural da freguesia de Aboim, concelhio de Fafe, e com ele residente na morada indicada, no uso dos poderes que lhe foram
conferidos pela procuração que já se encontra arquivada neste Cartório Notarial, no maço de documentos respeitante ao Livro de Notas para
Escrituras Diversas número Sessenta, a instruir a escritura nele exarada a folhas noventa e oito e seguintes, a qual declarou na citada qualidade de
procuradora em que outorga:
Que o seu representado é dono e legítimo possuidor, com exclusão de outrem, do seguinte prédio:
Urbana, sito em Eiras, na freguesia de Castelo Branco, concelho de Mogadouro, composto de casa de habitação de rés do chão, primeiro e segundo
andares e quintal, com área coberta de cento e quatro metros quadrados, e descoberta de noventa metros quadrados, a confrontar de norte, nascente
e poente com Rua Pública, e de sul com Manuel António Peixoto, inscrito na respectiva matriz, sob o artigo 540, com o valor patrimonial e atribu-
ído de treze mil quinhentos e oitenta euros, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Mogadouro, a cuja área pertence.
Que o referido prédio veio à posse do justificante, seu representado, ainda no estado de solteiro, por volta do ano de mil novecentos e oitenta e oito,
por doação meramente verbal que lhe foi feita por seus pais, Manuel António Parreira e Maria Adelina Freitas, residentes na mencionada freguesia
de Castelo Branco, não tendo nunca sido porém celebrada a competente escritura de doação.
Que não obstante, logo no referido ano o justificante passou a ocupar o mencionado prédio, posse que exerce portanto há mais de vinte anos, em Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de
nome próprio, na convicção de ser o único dono e plenamente convencido de que não lesava quaisquer direitos de outrem, à vista de toda a gente 22 de Dezembro de 2009 22 de Dezembro de 2009
e sem a menor oposição de quem quer que fosse desde o início dessa posse, a qual sempre exerceu sem interrupção, nele guardando os seus per-
tences, habitando-o temporariamente, procedendo a actos de limpeza, obras de reparação e conservação, usufruindo de todas as utilidades por ele
proporcionadas, e praticando os mais diversos actos de uso, fruição e defesa do mesmo, cultivando o quintal, nele escavando, plantando, regando Abília Alves Gomes
e colhendo os frutos, e/ou mandando-o fazer em seu nome, nele depositando materiais e objectos agrícolas, à vista de toda a gente e portanto de Solicitadora de Execução
eventuais interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, sendo por isso uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo que, dadas CÉDULA N.° 2271
as enumeradas características de tal posse, o justificante seu representado, adquiriu por usucapião o referido prédio, figura jurídica que invoca por
não poder fazer prova do seu direito de propriedade pelos meios extrajudiciais normais, dado o referido modo de aquisição. ANÚNCIO -EDITAL DE VENDA
Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
Mogadouro e Cartório Notarial, em 16 de Dezembro de 2009. 1º Anúncio
A Notária,
Fátima Mendes Tribunal Judicial da Comarca de Bragança - 1° Juízo
EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO Acção Executiva sob a Forma de Processo Comum
CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por
Processo: 397/07.1 TBBGC-A
escritura lavrada no dia dezasseis de Dezembro de dois mil e nove
N/Ref.: PE/0138/2007
no Cartório Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gon-
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de 22 de Dezembro de 2009 çalves Andrade, sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em
Exequente: Jaime Manuel de Campos Pereira
Bragança, exarada de cinquenta e quatro a folhas cinquenta e cinco
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO Executado: Lucília Assunção Gonçalves
verso do livro de notas para escrituras diversas número “Setenta
NOTÁRIA : FÁTIMA MENDES e dois – B” FRANCISCO ALFREDO GONÇALVES e mulher
Faz-se saber que nos autos acima identificados, encontra-se desig-
MARIA NOÉMIA GOMES DA GAMA GONÇALVES, casados
nado o dia 19 de Janeiro de 2010, pelas 09:30 horas, no Tribunal
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO sob o regime da comunhão de adquiridos, ele natural da freguesia
Judicial da Comarca de Bragança, para a abertura de propos-
de Mofreita, concelho de Vinhais e ela da freguesia e concelho de
tas em carta fechada, que sejam entregues até esse momento, na
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia quinze de Dezembro de dois mil e nove, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Vinhais, residentes na Rua Dr. Adrião Amado, nº 16, 1º, em Bra-
secretaria do Tribunal, pelos interessados na compra do seguinte
Palácio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 46, a fls. 47, verso, do livro de notas para escrituras diversas número gança, NIFS 166 787 124 e 184 985 811, fizeram as declarações
bem:
Sessenta e dois, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual compareceram como outorgantes, SILVIO DO NASCIMENTO FER- constantes desta certidão, que com esta se compõe de duas laudas
NANDES, NIF 151 987 831, e mulher AIDA DOS SANTOS FERNANDES, NIF 151 987 840, casados sob o regime da comunhão de e vai conforme o original.
Espécie: Bem imóvel a vender:
adquiridos, naturais, ele da freguesia de Izeda, concelho de Bragança, e ela da freguesia de Faia, concelho da Guarda, residentes na Rua Bragança, Cartório Notarial, dezasseis de Dezembro de dois mil
e nove.
de Santa Ana, número 13, nesta vila de Mogadouro, tendo o marido declarado:
A Colaboradora Autorizada LOTE DESCRIÇÃO
Que é dono e legitimo possuidor, com exclusão de outrem, do seguinte prédio:
Bernardete Isabel C. Simões Afonso
Urbano, sito no Largo do Toural, na freguesia de Izeda, concelho de Bragança, composto de casa de habitação de rés do chão e primeiro Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, PRÉDIO URBANO - sito em “Alto das Cantarias”,
andar, com área coberta de oitenta metros quadrados, a confrontar de norte com José Inácio, sul com Abílio Carlos, nascente com Largo do prédio rústico, sito em Vilar, freguesia de Mofreita, concelho de composto de uma casa de habitação de rés do chão
do Toural, e de poente com Francisco Américo, inscrito na respectiva matriz, sob a artigo 314, com o valor patrimonial de 1.103,80€, e Vinhais, composto por cultura, com a área de novecentos e noventa e primeiro andar e logradouro, com área coberta de
atribuído de mil e duzentos euros, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, a cuja área pertence. metros quadrados, a confrontar do norte com Albertina Aires, do 90m2 e descoberta de 420m2, a confrontar do Norte
Que o referido prédio veio à posse do justificante, ainda no estado de solteiro, por volta do ano de mil novecentos e setenta, por doação nascente com Aurinda Amélia Afonso, do sul com João António 1 com Rua Pública, do Sul com Luís Gonçalves, do
meramente verbal que lhe foi feita por sua mãe, Maria Clemência Fernandes, solteira, maior, residente na Rua Cinco de Outubro, nesta Fontes e do poente com Domingos Afonso, não descrito na Con- Nascente com Cecília Pires e do Poente com José
vila de Mogadouro, não tendo nunca sido porém celebrada a competente escritura de doação. servatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz Martinho, com o valor patrimonial de 33.676,46€,
Que não obstante, logo no referido ano o justificante passou a ocupar o mencionado prédio, posse que exerce portanto há mais de vinte respectiva, sob o artigo 287, sendo de 1,01 euros o seu valor patri- inscrito na Matriz respectiva sob o art. 2.477.° e des-
anos, em nome próprio, na convicção de ser o único dono e plenamente convencido de que não lesava quaisquer direitos de outrem, à monial, a que atribuem o valor de cinco euros. crito na Conservatória do Registo Predial de Bragan-
vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem quer que fosse desde o início dessa posse, a qual sempre exerceu sem interrupção, Que entraram na posse do referido prédio, em mil novecentos e ça sob o n.° 2735/19980603, freguesia de Sé.
oitenta e quatro, por doação verbal que dele lhes fizeram, Izidoro
nele guardando os seus pertences, habitando-o temporariamente, procedendo a actos de limpeza, substituindo elementos danificados
António Gonçalves e Helena da Conceição Fernandes, residentes Serão aceites as propostas de aquisição do bem a quem melhor
e fazendo obras de reparação e conservação, usufruindo de todas as utilidades por ele proporcionadas, e praticando os mais diversos
na referida freguesia de Mofreita, sem que no entanto ficassem a preço oferecer igual ou acima de 35.000,00€ (trinta e cinco mil
actos de uso, fruição e defesa do mesmo, à vista de toda a gente e portanto de eventuais interessados, tudo como fazem os verdadeiros dispor de título formal que lhes permita, o respectivo registo na euros), correspondente a 70% do valor base de 50.000,00€,
donos, sendo por isso uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo que, dadas as enumeradas características de tal posse, Conservatória do Registo Predial; mas, desde logo, entraram na (cinquenta mil euros), penhorado a executada Lucília Assunção
adquiriu por usucapião o referido prédio, figura jurídica que invoca por não poder fazer prova do seu direito de propriedade pelos meios posse e fruição do identificado prédio, em nome próprio, posse que Gonçalves, residente em Rua 5 de Outubro, loja n.° 5 - Edifício
extrajudiciais normais, dado o referido modo de aquisição, e tendo a mulher dito que confirma as declarações prestadas por seu referido assim detêm há muito mais de vinte anos, sem interrupção ou ocul- Domingos Lopes, Bragança, 5300-112, BRAGANÇA.
marido e que presta a este a necessário consentimento para a prática e inteira validade deste acto. tação de quem quer que seja. Os proponentes devem juntar á sua proposta, como caução, um
Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico. Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi- cheque visado, à ordem da Solicitadora de Execução, no montante
Mogadouro e Cartório Notarial, em 15 de Dezembro de 2009 ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome correspondente a 5% do valor atribuído aos bens ou garantia bancá-
A Notária, próprio e com aproveitamento de todas as utilidades do prédio, no- ria no mesmo valor - n.°1 do art. 897.° do C.P. Civil.
Fátima Mendes meadamente, amanhando-o, adubando-o, cultivando-o e colhendo Serão consideradas todas as propostas recebidas na secretaria do
os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente ao exercí- Tribunal. As Propostas devem vir em envelope fechado, contendo a
cio do direito de propriedade, quer usufruindo como tal o imóvel, identificação completa do proponente, por quem exiba documento
quer beneficiando dos seus rendimentos, quer suportando os res- de identificação bastante.
pectivos encargos, quer ainda pagando as respectivas contribuições As propostas enviadas por correio deverão conter, sob pena de não
e impostos, mantendo-o sempre na sua inteira disponibilidade. serem consideradas, fotocópia do B.I. e NIF do proponente e/ou seu

ASSINATURA
Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, con- legal representante bem como telefone de contacto.
duziu à aquisição do imóvel, por usucapião, que invocam, justifi- Sendo o proponente pessoa colectiva, deverá a referida proposta
cando o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado ser acompanhada por documento de onde se possa aferir de quem a

TODO O ANO que esta forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer
outro título formal extrajudicial.
representa e que tem poderes para o acto.
É fiel depositário, que os deve mostrar, a pedido, Lucília Assunção
Gonçalves, residente em Rua 5 de Outubro, loja n.° 5 - Edifício
Domingos Lopes, Bragança, 5300-112, BRAGANÇA.
Recorte e entregue ou envie este cupão devidamente preenchido para: Não se encontra pendente oposição à execução.
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 687 de 22 de Não foram reclamados créditos.

Jornal Nordeste
Dezembro de 2009
A Solicitadora
CARTÓRIO NOTARIAL Abília Alves Gomes
Rua Alexandre Herculano, Nº 178, 1º - Apartado 215
5300-075 BRAGANÇA - Tel.: 273 329 600 - Fax: 273 329 601 A cargo da Notária Lic. Ana Maria Gomes dos Santos Reis

estado de casados por compra verbal a. António Manuel Moreiras,


Território Nacional: 25,00 euros Europa: 50,00 euros Resto do Mundo: 75,00 euros Alameda Nossa Senhora de Fátima número 8 em Macedo de Ca-
valeiros. casado, residente no lugar de Santiago, freguesia e concelho de
Enviem-me o jornal para: Certifico para efeitos de publicação que. por escritura de justifi- Mogadouro, compra essa feita por volta do ano de mil novecentos
e oitenta e oito. não tendo sido formalizada por documento autên-
cação Notarial lavrada neste Cartório Notarial no dia dezoito de
Nome _____________________________________________________________________ Dezembro de dois mil e nove com início a folhas quarenta e três do tico a referida aquisição.
Que desde então portanto há mais de vinte anos, têm possuído o
Endereço __________________________________________________________________ livro de notas CENTO E SESSENTA E DOIS TRAÇO-A.
referido prédio, retirando as utilidades pelo mesmo proporciona-
NORBERTO ARMANDO BENTO (N.I.F.. 213 235 102), natu-
Localidade ___________________________________ C.P. __________________________ ral da freguesia e concelho de Mogadouro, onde reside. e mulher, das, guardando nele haveres, com o ânimo de quem exerce direito
próprio, sendo reconhecidos como seus donos por toda a gente, fa-
País _______________________________________________________________________ MARIA ELISA FERNANDES DE CASTRO BENTO (N.I.F. 213
213 206), natural da freguesia de Azurém, concelho de Guimarães, zendo-o de boa-fé, por ignorarem lesar direito alheio, pacificamen-
Telefone: _____________________________ Nº Contr. _____________________________ residente em França, que se declaram com exclusão de outrem, te porque sem violência, continua e publicamente, à vista e com o
donos e possuidores do seguinte prédio: conhecimento de toda a gente e sem oposição de ninguém.
Modalidades de pagamento: Prédio urbano destinado a armazém, sito no lugar de “Figueira” na Que dadas as características de tal posse, os justificantes adqui-
Junto cheque nº _____________________________________ à ordem de Jornal Nordeste freguesia e concelho de Mogadouro com a superfície coberta de riram o prédio por usucapião, título esse que pela sua natureza
quarenta e oito metros quadrados, inscrito na matriz sob o artigo susceptível de ser comprovado pelos meios extrajudicial normais.
sobre o Banco ______________________________________________________________ 518, com o valor patrimonial e 91.98 € a confrontar de norte com Está conforme o original.
Junto Vale Postal nº _________________________________ à ordem de Jornal Nordeste Manuel Maria Bento, de sul com Próprio, de nascente, com Rua Macedo de Cavaleiros, 18 de Dezembro de dois mil e nove.
Pública e poente com Próprio, omisso na Conservatória do Registo
Assinatura _________________________________________________________________ Predial de Mogadouro. O Colaborador,
O referido prédio veio à posse e domínio dos justificantes, já no Carlos Manuel Lázaro Sequeira

44 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


Boas
Festas

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 45


LAZER

TECNOLOGIA & INTERNET PASSATEMPOS

“O caminho faz-se , Sudoku


caminhando” O objectivo é preen-
cher um quadrado
http://escolapaisnee.blogspot.com 9x9 com números
Dedicada a famílias
de crianças com Neces-
de 1 a 9, sem repetir
sidades Educativas Es- números em cada
peciais (NEE) do distrito
de Bragança, a Escola de linha e cada coluna.
Pais pretende aproximar-
se da população em geral
Também não se pode
através do blogue http:// repetir números em
escolapaisnee.blogspot.
com. cada quadrado de
Este espaço interacti-
vo funciona, assim, como uma ponte entre a população em geral e aqueles que 3x3.
lutam pelos direitos e interesses das pessoas com NEE.
Recorde-se que na região existem cerca de 500 famílias, pelo que a Escola
Soluções no próximo número
de Pais está presente um pouco por todo o distrito de Bragança.

HORÓSCOPO Por Maysa

CARNEIRO GÉMEOS LEÃO BALANÇA SAGITÁRIO AQUÁRIO


Papisa Amantes Lua Justiça Estrela Louco
“Somos peregrinos nesta terra “Faça com que as coisas mais belas “O homem começa a morrer na “Nada pior na vida do que desejar o “Viver é aceitar que cada minuto “As pessoas tiram da vida exac-
e não sabemos até quando. De- da sua vida sejam actos e não apenas idade em que perde o entusiasmo”. impossível e lamentar não ter feito o é um milagre que não poderá ser tamente o que investem nela”
vemos encarar a vida, não com palavras sejam factos e não apenas Existe alguma incerteza ou mesmo possível”. repetido” Está na hora de se pôr em movi-
tristeza, mas com serenidade e desejos”. ilusão acerca dos teus sentimentos. Talvez tenha necessidade de parar, pe- É importante que se sinta bem con- mento e de encontrar o caminho
esperança” Convém não subesti- Sentimentos que neste momento se Talvez tenha necessidade de ques- sar os prós e os contras e olhar para sigo, que saiba aproveitar o que certo. Esqueça o passado, assu-
mar o poder do adversário. Um manifestam no seu interior, estão di- tionar tudo o que tem á sua volta, o a situação compreender a realidade, tem á sua volta, sem questionar ma as mudanças que lhe estão a
ficeis de controlar e ao tentar resistir, tentando ignorar as emoções acal-
comportamento obsessivo ou cenário poderá ter enganos, com- ou interpretar as atitudes de quem ser pedidas, não fique á espera
surge sempre a voz interior “Resistir mando e observando os factos, tendo
a chantagem emocional, neste plicados e dolorosos. Seja realista o rodeia. Já teve algumas estrelas do momento certo, porque este
é Inútil”. Tem receio de estragar ami- coragem para se manter firme. Depois
momento não serão convenien- zade!!?, mas.. quem sabe se actuar
encare as situações e defina o que de tudo acalmar quer pessoas ou situ-
importantes na sua vida e não con- pode nunca chegar. É importan-
tes. Pondere e reconheça que em vez de reprimir, não irá encontrar pretende para a sua vida. ações que deixou para trás foram be- seguiu ver a mensagem, talvez seja te que empreenda esta viagem
nem sempre tudo pode ser ou a sua verdadeira alma gémea. Tenha cuidado com os seus inves- neficas para si. altura de perceber o que lhe que- sozinho.
estar á sua maneira. A nível profissional mostre firmeza timentos. Obstáculos burocraticos poderão ser rem transmitir. Procure não deixar que emoções
Cuidado com algum documento nas suas decisões. Instabilidade nervosa. ultrapassados. Momento favorável a negociações ou factores subjectivos o levem
que necessite da sua assinatura. Procure combater o nervosismo e a Adquira novos conhecimentos, sobre que envolvam instituições. a rupturas profissionais.
Algum cansaço. fadiga. praticas alimentares. Nada assinalar. Algum desgaste emocional.

TOURO CARANGUEJO VIRGEM ESCORPIÃO CAPRICÓRNIO PEIXES


Força Carro Julgamento Diabo Roda Fortuna Temperança
“Não faça da sua vida um ras- “Estar cheio de vida é respirar pro- “Viver é uma coisa rara no mun- “O verdadeiro poder chega: sem “ Se quer ser feliz tente hoje mes- “As paixões cegam. O verda-
cunho, pois poderá ser tarde de- fundamente, mover-se livremente e do. A maioria das pessoas apenas ruído, sem alarde e sem violência” mo”. deiro amor torna-nos lúcidos”.
mais, quando o quiser passar a sentir com intensidade”. existe”. Existe algum pesadelo pois sente Cada roda na nossa vida é um re- Não é bom procurar o impossível
limpo”. Talvez tenha chegado a hora de Neste momento sente uma certa li- que os seus recursos estão a ser começo, uma viragem para melhor ou apressar-se imprudentemente
Precisa de ser forte, isto poderá assumir um papel activo e não pas- bertação uma quase plenitude, pois testados até ao limite. As suas emo- e também a finalização de alguma em busca do inatingível. Deixe
implicar atenuar ou calar os seus sivo. Tem nas suas mãos a opor- o portão está aberto e tudo o que ções perante triangulos amorosos, coisa. Tem tudo na mão para dar a que as suas acções sejam o espe-
sentimentos. O anseio a frustra- lho dos seus sentimentos, e para
tunidade para alterar as situações, tem a fazer é transpô-lo. O impor- não são faceis de manter, brinca volta as situações menos agrada-
ção devem ser contidos e supor- que tal suceda necessita de algu-
apenas necessita de coragem, con- tante é que não se afaste do cami- com o fogo e sente que poderá estar veis dentro da sua relação. Não se
tados. Não é fácil ter que se meter ma harmonia, de modo a com-
fiança e alguma estratégia para de- nho, já que o mesmo foi tão dificil a arranjar lenha para se queimar se- trata de um “golpe de sorte “ mas bater dúvidas que coabitam no
na “boca do leão” sem mais ar- pois entrar em acção. de encontrar. Pense em si e naquilo riamente. Seja sensato. um “toque” de sorte que poderá fa-
mas que o protejam além da sua seu interior. Estas mudanças de
A conjuntura é favorável a mudan- a que tem direito: A Felicidade Precisa de serenidade para consoli- zer a diferença. Aproveite. atitude poderão trazer alterações
força interior e das suas convic-
ças, e poderá atingir os seus objec- No plano material, boas influên- dar objectivos. A nível material pondere situações importantes para a sua vida.
ções. Realismo é absolutamente
tivos. cias. Saúde instável. novas ou inesperadas. Progressos no plano material.
essencial nas questões economi-
Não se distraia quando conduz. Julgamentos emocionais, podem Faça passeios ao ar livre, mas res- Proteja-se das diferenças de tem-
cas. A sua vitalidade poderá não
ser a melhor, tente relaxar.
perturbar a sua saúde. guarde-se das diferenças de tempe- peratura.
ratura.

46 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE


INZONICES

INCLINÓMETRO Pelourinho
POSITIVO POSITIVO Nevão – Com os nevões em força começa o tormento no Comando Distrital
de Operações de Socorro Bragança. Na 4ª feira, 16 de Dezembro, Fernando
Gomes teve dificuldades em sair de Chaves, onde reside. E o mesmo aconteceu
ao 2º Comandante, Guilherme Mamede, que mora em Freixo de Espada à
Cinta. Dir-se-ia que há alturas em que o melhor é residir em Bragança e esta é
uma delas, sem dúvida.

PSD a votos - José Silvano é o primeiro candidato assumido à Comissão


Política Distrital do PSD, mas ainda falta saber quem será o seu opositor. Telmo
Moreno é o nome mais apontado, mas também já se fala em Paulo Xavier, pelo
apoio manifestado por Adão Silva nas eleições para a Concelhia de Bragança.
Câmara Municipal Estudantes de Bragança
Governo Civil – Jorge Gomes acaba de mexer no seu staff no Governo Civil
de Vimioso Associações de Estudantes das de Bragança. Leonel Afonso sai do lugar de Chefe de Gabinete e regressa à
A autarquia juntou ao incen- Escolas Secundárias e do Instituto Inspecção Escolar, ao passo que Elisa Pereira deixa o cargo de Adjunta para
tivo monetário um conjunto de Politécnico de Bragança organiza- assumir funções no Centro de Ciência Viva de Bragança. No
bens onde se destaca uma vacina ram acções de recolha de fundos e lugar de Adjunto mantém-se Tiago Relhas, um jovem que foi
para meningite. Por incrível que bens para apoiar instituições de so- o braço direito de Jorge Gomes na campanha autárquica.
pareça, apenas uma das três in- lidariedade da cidade. Eis um gesto
jecções que fazem parte do plano que merece ser realçado pela posi- Centro de Emprego – A notícia caiu que nem uma bomba
de vacinação contra a meningite tiva.
é comparticipada pelo Estado, no Centro de Emprego de Bragança. Ao que parece, já não
pelo que a iniciativa da edilida- será João Cruz a dirigir este organismo público, mas Alcídio
de é uma boa prenda de Natal Castanheira, que poderá abandonar o Centro de Área
para a bolsa dos pais e saúde das Educativa. É a segunda vez que o lugar é prometido a João
crianças. Cruz, mas depois alguém dá o dito por não dito…

foto
Tenho que pôr um ... e uma garrafa de
limpa-neve no sapa- Água do Marão para
tinho da Câmara de o Ministro das Obras
Bragança... Públicas.

Novela

Diz-me “Jesus” que


Deixa lá, meu menino, este ano não é só
para o ano a Câmara o Sporting que não
faz as pazes com a chega ao Natal.
Junta da Sé e voltas a
ter a festa de Natal.

22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE 47


Última Hora
Trás-os-Montes

Neve volta
à região

Protecção Civil a espalhar sal

A neve regressou à região


transmontana no primeiro dia de
Inverno, condicionando algumas
estradas nos distritos de Bragança
e Vila Real. O IP4 esteve encerra-
do durante a noite, devido à queda
intensa de flocos, mas foi reaberto
depois dos limpa-neves terem cria-
do as condições para o trânsito vol-
tar a circular.
No distrito de Bragança, esteve,
apenas, uma estrada cortada du-
rante a manhã. A EN315, na zona
de Bornes, foi a via que causou
mais problemas às autoridades.
Apesar de se poder circular, a
precaução era a palavra de ordem
para todos os automobilistas, visto
que as baixas temperaturas tam-
bém originaram formação de gelo.
Na cidade, a Protecção Civil
municipal também espalhou sal
nos pontos mais problemáticos,
onde alguns veículos ficaram mes-
mo retidos, devido às más condi-
ções do piso.
Esta é a segunda vez que a re-
gião acorda pintada de branco. Já
na passada quarta-feira, a neve
obrigou ao encerramento das es-
colas no concelho de Bragança.
A Câmara Municipal de Bra-
gança (CMB) justificou a suspensão
das aulas com o condicionamento
da mobilidade nas estradas da re-
gião, o que impediu os transportes
urbanos e escolares de circular.
Ontem não houve aulas devido
à pausa lectiva das férias do Natal,
mas as escolas estiveram abertas
para a realização de reuniões.
Apesar das baixas temperatu-
ras, a neve já deu lugar à chuva,
que, segundo o Instituto de Mete-
orologia, deverá continuar a cair
durante nos próximos dias.

Teresa Batista

48 22 de Dezembro de 2009 JORNAL NORDESTE