You are on page 1of 2

5.

A CORAGEM
A coragem é a virtude mais ambigua – se é que é uma virtude, por si.
Ambigua porque pode servir tanto ao bem quanto ao mal a!inal, "# canal"as e$tramamente
cora%osos&, e mesmo uma a'(o repugnante pode revelar uma coragem admir#vel. )# algo no cr#pula
cora%oso que o !a* parecer superior, em certo aspecto, ao su%eito é bon*in"o mas um grande
covarde.
+or isso, ,ponville precisa en!rentar a quest(o de saber se a coragem é mesmo uma virtude, pela sua
indi!eren'a quanto - moral. .m na*ista cora%oso é menos culpado/ .m terrorista cora%oso tem algo
a nos ensinar, em termos de virtude/ A intelig0ncia e a bele*a, também admir#veis, também s(o
indi!erentes quanto - moral, e n(o s(o virtudes.
Esse é o ponto mais delicado do cap1tulo, porque ,ponville de!ende que sim, que mesmo aqueles
que consideramos cr#pulas, se tiverem coragem, uma 2coragem desinteressada3 /&, uma coragem
que atua 2a servi'o de uma causa geral e generosa3 /&, age com alguma virtude e n(o pode ser
totalmente despre*ado. Ainda n(o assimilei isso, porque é muito di!1cil imaginar um terrorista
generoso, que com uma coragem desinteressada. Mas ent(o lembro que ninguém é inteiramente
mau, e que aqueles que s(o c"amados de 2terroristas3 normalmente s(o os derrotados – os
vitoriosos, ainda que muitas ve*es atuem de modo muito semel"ante aos terroristas, s(o c"amados
de 2"er4is3. 5embro também que, nas situa'6es7limite, como na guerra ou no combate ao crime
organi*ado, é preciso coragem até para !a*er aquilo que em situa'6es normais seria repugnante, e ali
a coragem mais uma ve* se torna ambigua, porque o mal menor é pre!er1vel ao mal maior, embora
ambos se%am males.
Essa parte n(o !icou bem resolvida na min"a cabe'a.
Mas tr0s coisas !icaram bem claras para mim, e me levaram a re!letir muito. 8ou tratar apenas da
primeira, depois continuo em outras postagens – sen(o a re!le$(o vai !icar longa demais.
9. A coragem é muito di!1cil, para uma pessoa comum. :i!1cil porque o medo e o con!orto s(o
inclina'6es da nossa constitui'(o animal, s(o tend0ncias que a nature*a mesma nos imp;s para a
nossa sobreviv0ncia. A busca por seguran'a e por con!orto é parte da nossa estrutura ps1quica. Até
para pensar é preciso coragem, porque !requentemente pre!erimos as ideias e in!orma'6es que
apenas con!irmam nossas cren'as – o que os psic4logos c"amam de 2viés de con!irma'(o3. Mas
quando nossas cren'as s(o con!rontadas, a inclina'(o natural é a re%ei'(o. 5# no !undo, d# medo
pensar que aquilo em que acreditamos pode n(o ser verdade, e a d<vida, nesse conte$to, é sinal de
!raque*a. E o medo atrai mais medo. +or isso a coragem é necess#ria, para en!rentar o medo.
=> por isso, ali#s, que é preciso coragem para pensar, -s ve*es, como é preciso para so!rer e lutar,
porque ninguém pode pensar em nosso lugar – nem so!rer em nosso lugar, nem lutar em nosso lugar
7, e porque a ra*(o n(o basta, porque a verdade n(o basta, porque é necess#rio ainda superar em si
tudo o que estremece ou resiste, tudo o que pre!eriria uma ilus(o tranq?ili*adora ou uma mentira
con!ort#vel. :a1 o que c"amamos de coragem intelectual, que é a recusa, no pensamento, de ceder
ao medo, a recusa de se submeter a outra coisa que n(o a verdade, - qual nada assusta e ainda que
ela !osse assustadora.@ p. 5A7BC&
> preciso coragem para en!rentar o que est# errado. Em n4s e no mundo. E se ser c"amado de
2covarde3 é uma grande o!ensa, uma das maiores, n(o é porque a covardia é das piores das coisas,
mas porque sem coragem nada podemos !a*er contra as piores coisas, em n4s e no mundo.
=+orque a coragem, notemos de passagem, é o contr#rio da covardia, decerto, mas também da
pregui'a ou da !rou$id(o. > a mesma coragem nos dois casos/ ,em d<vida n(o. O perigo n(o é o
trabal"oD o medo n(o é o cansa'o. Mas é preciso superar, nos dois casos, o impulso primeiro ou
animal, que pre!eriria o repouso, o pra*er ou a !uga. Ea medida em que a virtude é um es!or'o –
sempre o é, !ora a gra'a ou o amor 7, toda virtude é coragem, e é por isso que a palavra 2covarde3,
notava Alain, é 2a mais grave das in%<rias3. E(o porque a covardia se%a o pior no "omem, mas
porque sem coragem n(o se poderia resistir ao pior em si ou em outrem.@ p. 5F75G&
> por isso que o COE)ECHMEEIO n(o basta. E(o basta ,AJER o que é o certo a se !a*er. ,e n(o
"ouver coragem, !or'a interior, para !a*er, de que adianta/
=8# demonstrar, sob tortura, que EKO ,E :E8E !alarL Ali#s, se essa demonstra'(o !osse poss1vel,
quem poderia acreditar que bastasse/ A ra*(o é a mesma e em qualquer outro. Mas a vontade n(oD
mas a coragem n(o, e a coragem nada mais é que a vontade mais determinada e, diante do perigo ou
do so!rimento, mais necess#ria.=aspas@ p. 5A&
A coragem é sempre uma decis(o pessoal, instran!er1vel, porque ninguém pode ser cora%oso por
voc0 ou por mim. E ,poville conclui esse trec"o di*endoM
=.m deus n(o precisaria dela Nda coragemO. Eem um s#bio, talve*, se s4 vivesse nos bens imortais
ou eternos evocados por Epicuro ou ,pino*a. Mas isso n(o é poss1vel, e é por isso que, de novo,
precisamos de coragem. Coragem para durar e aguentar, coragem para viver e para morrer, coragem
para suportar, para combater, para en!rentar, para resistir, para perseverarP ,pino*a c"ama de
!irme*a de alma animositas& esse 2dese%o pelo qual cada um se es!or'a por conservar seu ser sob o
e$clusivo ditame da ra*(o3. Mas a coragem est# no dese%o, n(o na ra*(oD no es!or'o, n(o no
ditame.@ p. BC&