Resposta 1

:
O neoclassicismo foi um movimento cultural nascido na Europa em meados do
século XVIII, que teve larga influência na arte e cultura de todo o ocidente até
meados do século XIX. Teve como base os ideais do iluminismo e um renovado
interesse pela cultura daAntiguidade clássica, advogando os princípios da
moderação, equilíbrio e idealismo como uma reação contra os excessos
decorativistas e dramáticos do Barroco.
Resposta 2
O dodecafonismo (do grego dodeka: 'doze' e fonos: 'som') é um sistema de
organização de alturas musicais criada na década de 1920 pelo compositor
austríaco Arnold Schoenberg.
1
Como o esgotamento do sistema tonal no início do
século XX os compositores buscaram maneiras alternativas de organização das
notas musicais,
3
posteriormente denominadas atonalismo, que não fossem
baseadas na polarização de um eixo harmônico central como ocorre no tonalismo.
Schoenberg compôs algumas peças desta maneira, porém, logo considerou o
atonalismo demasiadamente sem regras. Construiu, então, um método para
organizar os doze tons da escala cromática igualmente. Essa técnica foi
apresentada como "sistema dos 12 tons", que logo ficou conhecida
como dodecafonismo serial. Décadas depois, compositores como Pierre
Boulez e Milton Babbitt ampliaram o conceito original e criaram o serialismo
integral. Nesta variação da técnica todos os parâmetros musicais,
como duração, timbre, altura e intensidade são ordenados segundo os princípios
elaborados por Schoenberg.
Resposta 3:
Música Atonal, em seu sentido mais amplo, é a música desprovida de um centro
tonal, ou principal, não tendo, portanto, uma tonalidade preponderante.
Atonalidade, neste sentido, geralmente se aplica a composições escritas
de 1908 até os dias atuais, embora anteriormente já fosse usada com menos
frequência. Na música atonal, as notas da escala cromática trabalham
independentemente uma da outra (Anon. 1994). Em sentido mais restrito, musica
atonal é aquela que não se conforma com o sistema de hierarquias que
caracterizam a música tonal clássica européia, produzida entre os séculos
XVII e XIX (Lansky, Perle e Headlam 2001). Em sentido ainda mais restrito, música
atonal se refere à música que não é tonal nem serial, em especial a música pré-
dodecafônica da Segunda Escola de Viena, principalmente a de Alban
Berg, Arnold Schoenberg e Anton Webern (Lansky, Perle e Headlam , 2001).
Segundo John Rahn, no entanto, "como rótulo categorial, atonal geralmente
significa apenas que a peça se insere na tradição ocidental e não é tonal "(Rahn
1980, 1). "O serialismo surgiu em parte como um meio de organizar de forma mais
coerente as relações utilizadas na música pré-serial atonal livre (...) Assim, muitos
esclarecimentos úteis e fundamentais, até mesmo sobre a música estritamente
serial, dependem apenas de teoria atonal básica."(1980 Rahn, 2)
Entre o fim do século XIX e o início do século XX, compositores como Alexander
Scriabin, Claude Debussy, Béla Bartók, Paul Hindemith, Sergei Prokofiev, Igor
Stravinsky e Edgard Varèse escreveram música que tem sido descrita, no todo ou
em parte, como atonal (Baker 1980 e 1986; Bertram 2000; Griffiths 2001, 1983
Kohlhase; Lansky e Perle 2001; 2004 Obert; 1974 Orvis; Parks, 1985; 2000 Rülke;
1995-1996 Teboul, Zimmerman 2002).

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.