You are on page 1of 14

1

Universidade São Judas Tadeu


Anna Karoline Diniz Fortaleza
Camila Moura Favaro
Fernando dos Anjos
Reinaldo Francisco Carvalho
Tiago Souza






Tecnologia da Informação no Transporte















São Paulo
2013
2



Tecnologia da Informação no Transporte









Trabalho da matéria de Tecnologia da
Informação aplicada à Logística apresentado
no curso de Pós-Graduação em Gestão
Integrada da Logística, na Universidade São
Judas.















São Paulo
2013
3

Sumário




INTRODUÇÃO ................................................................................................... 4
1 Logística ...................................................................................................... 5
1.1 A Tecnologia da Informação e a Logística ............................................ 6
2 TMS (Sistema de Gerenciamento de Transporte) ....................................... 8
2.1 Objetivos do TMS ..................................................................................... 8
2.2 Funcionalidades do TMS .......................................................................... 8
2.2.1 Funcionalidades Operacionais ........................................................... 9
2.2.2 Funcionalidades na gestão de frotas .................................................. 9
2.2.3 Funcionalidades na Gestão de Fretes .............................................. 10
2.2.4 Funcionalidades na determinação de Rotas .................................... 10
2.3 Principais benefícios da implantação de um TMS .................................. 11
CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................. 13
Referências ...................................................................................................... 14









4

INTRODUÇÃO

A Tecnologia da Informação (TI) é uma grande aliada do
desenvolvimento e aprimoramento das atividades logísticas. Este trabalho
busca apresentar as principais ferramentas utilizadas nestas atividades, dando
foco à utilização do TMS, que é uma dos principais softwares utilizados no
gerenciamento de transporte.
O uso da tecnologia da Informação possibilita às empresas desse
segmento, com base em informações acumuladas em bancos de dados
próprios e de seus clientes, anteciparem e solucionarem problemas
relacionados aos processos produtivos e à gestão da cadeia de suprimentos.



5

Logística e Tecnologia da Informação (TI)
1 Logística

Na sua origem, o conceito de Logística esteve ligado à operações
militares de distribuição de suprimentos, transporte e armazenagem de
materiais utilizados na guerra, e transporte de efetivos militares até o campo de
batalha. A Logística Empresarial é um campo relativamente novo do estudo da
gestão integrada, das áreas tradicionais das finanças, marketing e produção.

“A logística no ambiente empresarial estuda como a
administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos
serviços de distribuição aos clientes e consumidores, através
de planejamento, organização e controle efetivo para as
atividades de movimentação e armazenagem que visam
facilitar o fluxo de produtos.” (BALLOU, 1993, p. 17)

Mais recentemente, um novo conceito surgiu, a Gestão da Cadeia de
Suprimentos (Supply Chain Management), mais abrangente que a Logística
Empresarial porque envolve a integração com os processos dos fornecedores
da empresa, ou seja, Segundo Novaes (2001), é o longo caminho que se
estende desde as fontes de matéria-prima, passando pelas fábricas dos
componentes, pela manufatura do produto, pelos distribuidores, e chegando
finalmente ao consumidor através do varejista.
Dentre as principais atividades da logística, podemos destacar as
atividades de transporte, que é uma atividade de grande importância para o
gerenciamento logístico, pois é responsável por quase 70% do custo logístico.
Além disso, utiliza grande número de ativos, que geralmente encontram-se
dispersos geograficamente, tornando a gestão mais complexa. Se isolarmos os
custos logísticos relacionados ao processo de distribuição, podemos constatar
que se trata de uma das parcelas mais representativas no Custo Logístico
Total. Essa característica financeira, aliada ao fato do processo de distribuição
ter uma participação fundamental na qualidade do atendimento ao cliente, faz
com que o mesmo tenha que ser adequadamente gerenciado.
6

Nesse contexto, as empresas procuram obter um alto nível de
desempenho e redução significativa de custos e a tecnologia da informação
não poderia deixar de dar sua contribuição, visto que pode colaborar
significativamente na redução dos custos de distribuição, bem como na
melhoria do nível de serviço aos clientes. Com a possibilidade das empresas
monitorarem em tempo real o seu produto, em todo o ciclo de distribuição, até
os mesmos chegarem às mãos de seus clientes, inúmeras possibilidades de
serviços adicionais são sugeridas por conta do cenário atual, o que poderá ser
traduzido em vantagens competitivas se as empresas souberem explorar
adequadamente estas soluções.

1.1 A Tecnologia da Informação e a Logística

Diante da grande competitividade dos dias de hoje, o mercado necessita
que suas operações logísticas cada vez mais eficientes. As empresas
dependem de informações precisas e não basta apenas reduzir o tempo de
fabricação do produto. O grande potencial de redução do tempo total é a troca
de informações e de materiais entre empresas, e a tecnologia da informação
tem grande importância neste processo, pois colocam à disposição da gerência
informações confiáveis sobre o local exato dos materiais e sobre o fluxo das
operações.
A Tecnologia da Informação (TI) é utilizada em larga escala e adquire
importância sem precedentes, aperfeiçoando os processos de produção,
distribuição, transporte, comunicação, comércio e finanças.
O termo Tecnologia da Informação serve para designar o conjunto de
recursos tecnológicos (hardwares, seus dispositivos e periféricos; softwares e
seus recursos; rede de telecomunicação; sistemas de gerenciamento de dados
e informações) utilizados para dar suporte para a geração e uso da informação.
Alguns dos principais hardwares utilizados em atividades logísticas são:
1. Código de barras, tecnologia de colocação de códigos legíveis por
computador em itens, meio eficaz de identificar produtos mediante a
conversão pelo computador da leitura feita por um sensor. Segundo
Gonçalves (2007, p. 336), o código de barras é uma das mais
7

importantes aplicações de hardwares na Logística, já que simplifica a
entrada de dados nos sistemas informatizados e, conseqüentemente,
facilita as operações nos pontos de vendas, despacho e recebimento de
cargas;
2. EPC (Eletronic Product Code),são etiquetas eletrônicas que servem
como identificação por rádio freqüência, tecnologia bastante utilizada em
itens de maior valor agregado;
3. coletores de dados, amplamente utilizados no varejo, seja na entrada,
na movimentação e na saída de produtos, contagem de estoque e
inventários;
4. sistemas de rádio freqüência (são constituídos de coletores de dados
operados a distância);
5. GPS (Global Positioning Systems), sistema de posicionamento global
que possibilita ao usuário determinar sua posição tridimensional em
qualquer lugar da Terra, utilizado para rastreamento de frotas.
Nas atividades de transporte pode-se citar o TMS (Transportation
Management System), uma importante e poderosa ferramenta utilizada para
gerenciar todo este sistema de transporte e distribuição, e será tratado a
seguir.


8

2 TMS (Sistema de Gerenciamento de Transporte)

TMS é um software que pode funcionar incorporado ao ERP para a
administração dos transportes, que permite ao usuário visualizar e controlar
toda sua operação logística. A gestão integrada nas organizações chegou
também aos sistemas de gestão de transportes, onde soluções específicas
para coletar, processar e fornecer informações gerenciais foram desenvolvidas
e hoje já são integradas aos ERP (sistemas corporativos). Denominados TMS,
sigla que significa Transportation Management Systems, os Sistemas de
Gerenciamento de Transporte são uma categoria de produto que vem
incrementando a qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição.
As soluções TMS, como são relacionadas com a distribuição, possuem
módulos específicos para apoiar o gerenciamento do processo em questão.
2.1 Objetivos do TMS

Um TMS permite obter o custo mínimo de operação, pois permite
visualizar e controlar todos custos inerentes à gestão de transporte, controlar a
qualidade dos serviços realizados interna e externamente ou por terceiros e
estabelecer metas de qualidade conforme as necessidades. Também aumenta
a disponibilidade da frota, prevendo possíveis problemas que possam ocorrer
nas partes mecânica e elétrica dos veículos e informações detalhadas e de fácil
acesso que permitem uma rápida tomada de decisão. Para se ter uma ideia da
importância da aplicação do TMS dentro de uma empresa é preciso saber
quanto representa o custo do transporte. Numa indústria, o custo do transporte
é, em geral, o segundo maior, ficando apenas atrás do custo de produção. Os
encargos com o transporte variam entre 1/3 e 2/3 do total dos custos logísticos
que englobam abastecimento, movimentação, armazenagem e distribuição.
2.2 Funcionalidades do TMS

O TMS é composto por vários módulos que juntos pretendem
automatizar os serviços administrativos de planejamento de transportadoras,
agentes de carga, operadores logísticos ou outras empresas que operem com
9

transporte ou distribuição de cargas, controlando toda operação logística e
custo. Suas funcionalidades estão estruturadas a seguir.
2.2.1 Funcionalidades Operacionais

Cadastro do veículo: armazenamento de todas as informações
necessárias relacionadas a cada veículo da frota (seguros, leasing, etc.);
Gerenciamento da documentação: licenciamento, impostos, taxas,
boletins de ocorrência, pagamentos etc.;
Planejamento e controle de manutenção: controla as atividades
relacionadas à manutenção dos veículos e equipamentos (garantias,
manutenção preventiva, corretiva, etc.);
Controle de estoque de peças: envolve o cadastro de componentes,
localização de componentes, etc.;
Controle de funcionários agregados: controla o cadastro de funcionários
agregados às atividades de transporte;
Gerenciamento de combustíveis e de lubrificantes: controla todas as
informações de atividades relacionadas com abastecimento de
combustíveis e lubrificantes (frota, data, veículo, custo, local, etc.);
Controle de velocidade: monitora o comportamento do motorista durante
toda a viagem;
Controle de pneus e câmaras: por meio do número gravado a fogo do
pneu e etiquetas nas câmaras, pode-se gerenciar a manutenção de
pneus, quilometragem rodada por pneu etc.;
Controle de engates e desengates de carretas;
Controle de frete;
Controle das cargas: rastreamento lógico das cargas e dos veículos
podendo disponibilizar as informações pela internet;
Controle de custos;
Planejamento de rotas e modais: permite a elaboração de rotas,
podendo ser interligado a roteirizadores, elemento essencial para
logística de cargas fracionadas.
2.2.2 Funcionalidades na gestão de frotas

10

Identificar qual o pneu, em que posição ele está e quantos quilômetros
ele rodou nesta posição; Gerenciar o rodízio por quilômetro rodado ou
por sulco;
Liberar o abastecimento de combustível para o veículo por meio de uma
tecnologia que permite a troca de informações eletrônicas entre o
veículo e o posto;
Gerenciar o consumo de combustível e pneus de tal forma que qualquer
roubo desses itens no veículo é rapidamente identificado pelo sistema;
Emitir relatórios gerenciais, geralmente utilizados para tomada de
decisão.
2.2.3 Funcionalidades na Gestão de Fretes

Controlar por meio de um cadastro de empresas as transportadoras, as
rotas, as taxas etc.;
Controlar tabelas de fretes de diferentes empresas;
Analisar e calcular o custo do frete por transportadora para subsidiar a
escolha da melhor empresa;
Possibilitar cálculos e simulações de frete, para que uma transportadora
possa avaliar diferentes alternativas de custo e prazo de entrega,
oferecendo um melhor serviço ao cliente;
Calcular fretes considerando os diferentes modais, por trecho percorrido,
bem como todos os custos associados;
Controlar conhecimentos de carga voltados a multimodalidade;
Apontar as rotas mais adequadas;
Controlar o fluxo de informações por EDI ou via Internet;
Liberar pagamentos e recebimentos;
Conferir documentação.
2.2.4 Funcionalidades na determinação de Rotas

Funcionalidades quanto à determinação de rotas:
Determinação das melhores rotas a serem utilizadas;
11

Integração da sequencia de entrega proposta com o WMS que
direcionará a separação dos pedidos respeitando a programação de
carregamento;
Análise da distribuição a partir de mais de um centro de distribuição,
consolidando o melhor cenário;
Gerenciamento do tempo de entrega por cliente, a fim de identificar as
dificuldades específicas de carga e descarga em cada empresa;
Reprogramações de entrega em função de imprevistos ocorridos
(problemas de quebras, acidentes, congestionamentos etc.).

Outras tecnologias podem ser associadas aos TMS, como:
Rastreamento de veículos: sistema de comunicação móvel para
transmissão de dados, monitoramento e rastreamento de frotas, que
utiliza recursos de comunicação via satélite e de posicionamento por
GPS;
Etiquetas de radiofrequência / transponders: a partir da identificação de
uma carga (ou de um veículo) com essa tecnologia, a mesma, quando
chega ao seu ponto de destino, é identificada automaticamente pelo
sistema, visto que a transmissão de dados é baseada em um sistema
automático de identificação por sinal de rádio. Isso possibilita um
direcionamento automático do veículo para a carga ou descarga,
tornando mais ágil a operação.
2.3 Principais benefícios da implantação de um TMS

1. Redução nos custos de transportes e melhoria do nível de serviço;
2. Melhor utilização dos recursos de transportes;
3. Melhoria na composição de cargas (consolidação) e rotas;
4. Menor tempo necessário para planejar a distribuição e a montagem de
cargas;
5. Disponibilidade de dados acurados dos custos de frete mostrado de
várias formas, como por exemplos, por cliente ou por produto;
6. Acompanhamento da evolução dos custos com transportes;
12

7. Disponibilidade de informações on-line;
8. Suporte de indicadores de desempenho para aferir a gestão de
transportes.

13

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Não se pode pensar em logística de forma estratégica sem associá-la a
tecnologia da informação, que é uma poderosa ferramenta da logística no seu
trabalho, pois a tecnologia da informação vem contribuindo não só para que a
logística alcance altos níveis de primazia competitiva, mas também que se
torne cada vez mais eficiente e eficaz na geração de valores para as
empresas.Com a tecnologia da informação os processos logísticos são
agilizados, além do que são baseados em informações confiáveis.
Um TMS é uma ferramenta valiosa e serve para solução em grandes
grupos de empresas de transporte (transportadoras, operadores logísticos),
empresas que usam transporte próprio como apoio ao seu negócio, empresas
que utilizam transportes de terceiros. O custo de um TMS varia de acordo com
as necessidades da empresa e a sua área de actuação, já que os módulos são
independentes. É interessante lembrar que se pode encontrar uma variedade
de soluções no mercado, sendo necessário avaliar a real necessidade de
determinados recursos disponíveis nos programas de TMS. Um TMS é uma
solução que, se for bem implementada, proporciona economias e maior
controle dos recursos materiais, humanos e monetários na gestão do
transporte, reduzindo, assim, os custos logísticos relacionados com o
transporte, o qual representa uma parcela significativa de custos dentro da
cadeia logística.

14

Referências

BALLOU, Ronald H. Logística empresarial. São Paulo: Atlas, 1993.

BANDEIRA, Renata A. de Mello; MAÇADA, Antonio C. G. Tecnologia da
informação na gestão da cadeia de suprimentos: o caso da indústria de
gases. Produção, v. 18, n. 2, maio/ago. 2008, p. 287-301.

BANZATO, Eduardo. Warehouse Management System WMS: Sistema de
Gerenciamento de Armazéns. São Paulo: IMAM, 1998.

GONÇALVES, Paulo Sérgio. Administração de materiais. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2007.

NOVAES, Antonio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de
distribuição: estratégia, operação e avaliação.Rio de Janeiro: Campus, 2001.

PATTERSON, K.; GRIMM, C.; CORSI, T. Adopting new technologies for
supply chain management.Transportation Research Part E, v. 39, p. 95-121,
2003.

SILVA, Washington Luís Vieira da. Haveria logística sem TI? Qualitas, v. 3, n.
1, 2004.

SOUZA, Alessandro José. Sistema de erência de informação de processos
industriais via WEB. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica) – Centro
de Tecnologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2005