You are on page 1of 12

CORAÇÃO

Podem ficar tranquilos, porque ele disse que são muitas doenças, mas que ele vai fixar nas mais comuns e que só vai cobrar elas.

CORAÇÃO Podem ficar tranquilos, porque ele disse que são muitas doenças, mas que ele vai fixar

AP: Artéria Pulmonar AO: Aorta ascendente AE: Átrio esquerdo AD: Átrio direito

CORAÇÃO Podem ficar tranquilos, porque ele disse que são muitas doenças, mas que ele vai fixar
CORAÇÃO Podem ficar tranquilos, porque ele disse que são muitas doenças, mas que ele vai fixar

A câmara direita é o átrio direito; a câmara esquerda (ponta do coração) é o ventrículo esquerdo; a artéria pulmonar faz um botão à esquerda. A câmara mais anterior é o ventrículo direito (fica encostado na parede torácica até +/- 1/3 de toda a extensão do esterno) e a câmara mais posterior é o átrio esquerdo.

Sendo assim, um aumento do ventrículo direito vai causar um aumento da área em contato com o esterno. Um aumento do ventrículo esquerdo causa uma obliteração dessa janela retro-esternal.

Índice Cardio-torácico

É a medida do diâmetro cardíaco dividido pela medida do diâmetro da caixa torácica. Em adultos essa medida é menor que 0,5 ou 50%. Isso significa que o coração tem que caber na metade do tórax. Se tiver aumentado é uma cardiomegalia.

Sendo assim, um aumento do ventrículo direito vai causar um aumento da área em contato com

Fatores que alargam a silhueta cardíaca:

  • Doença cardíaca (cardiomegalia);

  • Derrame pericárdico;

  • Variação anatômica Pectus excavatum, que é quando o esterno apresenta uma angulação para dentro da caixa torácica, causando uma rotação do coração;

  • Problema técnico do exame (Principal) ocorre quando o paciente respira pouco ou quando ele está rodado. Se o paciente é acamado, fazemos radiografia em AP e o coração vai ficar grande. Se o paciente respirar pouco (subinspiração), o coração deita e fica aumentado. Se o paciente estiver rodado para a esquerda o coração também fica aumentado.

Sendo assim, um aumento do ventrículo direito vai causar um aumento da área em contato com
Problemas:  Acentuação das marcas vasculares nas bases  Espessamento dos hilos pulmonares  Aumento aparente

Problemas:

  • Acentuação das marcas vasculares nas bases

  • Espessamento dos hilos pulmonares

  • Aumento aparente da área cardíaca

Pectus escavatum

Problemas:  Acentuação das marcas vasculares nas bases  Espessamento dos hilos pulmonares  Aumento aparente

Pectus carinatum: não modifica a área cardíaca

Problemas:  Acentuação das marcas vasculares nas bases  Espessamento dos hilos pulmonares  Aumento aparente

Derrame pericárdio

É difícil de ser reconhecido na radiografia uma vez que ele simula problemas cardíacos, principalmente alterações do átrio direito, mas o formato do coração que chama atenção. Isso é importante quando o paciente tem radiografias anteriores, porque um derrame pericárdico é rápido e ocorre em curto prazo de tempo.

  • Normalmente existe de 15 a 50ml de líquido no espaço pericárdico;

  • O acúmulo normal do fluido se inicia posteriormente ao ventrículo esquerdo;

  • Com o aumento do derrame, ele tende a se acumular ao longo da borda direita do coração , até preencher todo o espaço pericárdico.

  • O coração fica com aspecto de delta (muringa) - indicação;

  • O derrame pericárdico não necessariamente provoca problemas cardíacos;

  • Geralmente acomete pacientes jovens, sem história de cardiopatia (insuficiência cardíaca ou coronariana, dispnéia);

  • Principal causa: ICC. Pode ser também por infecção, metástases, pericardite, doença do colágeno (Lúpus), trauma ou pós-pericardiotomia.

Átrio direito

Derrame pericárdio É difícil de ser reconhecido na radiografia uma vez que ele simula problemas cardíacos,
Derrame pericárdio É difícil de ser reconhecido na radiografia uma vez que ele simula problemas cardíacos,

É uma câmara pequena, grosseiramente ovalar, sua ponta fica geralmente entre 6 e 9 hrs. O tamanho dele é +/- 1/3 do diâmetro cardíaco total.

Quando ele está alterado, ocorre um aumento do diâmetro e a ponta dele sobe, ficando agora entre 9 e 12 hrs (anda no sentido horário).

O aumento do átrio direito é raro e pode ser causado por:

  • Cardiopatia congênita

  • Comunicação interatrial

  • Estenose ou insuficiência tricúspide

  • Anomalia de Ebstein

  • Geralmente acompanha o aumento do VD e é mais comum em crianças

  • Clínica bulha abafada, ranger dos folhetos pericárdicos, sopro na tricúspide.

Artéria pulmonar

O aumento do átrio direito é raro e pode ser causado por:  Cardiopatia congênita 

Ela tem um calibre normalmente

menor que 1,7 cm

e na prática

a

espessura

de

um

dedão.

Outra

forma

é

que

ela

tem

+/-

a

espessura

do

espaço

intervertebral.

 

Em patologias de hipertensão pulmonar, ocorre aumento do calibre da artéria pulmonar.

Aorta ascendente

O aumento do átrio direito é raro e pode ser causado por:  Cardiopatia congênita 

A aorta ascendente não

deve

ultrapassar o limite do átrio direito, podendo crescer até a linha que o delimita, uma vez que pode ser causa de aneurisma, hipertensão arterial, estenose aórtica ou dissecções. Com o passar da idade a aorta vai ficando mais alongada, mas não ultrapassa o limite.

A aorta pode ficar pequena, por problemas congênitos. Ou então pode ficar grande, por doença aterosclerótica, HAS, estenose aórtica, coarctação aórtica ou insuficiência aórtica.

Estenose da vávula aórtica

É quando a válvula fica dura, impedindo o fluxo, fazendo com que o corpo compense ao dilatar a aorta.

  • Pode ser secundária à uma válvula aórtica bicúspide congênita ou, menos freqüentemente por doença reumática do coração.

  • No início da doença o coração pode ter tamanho normal

  • A aorta ascendente pode estar proeminente devido à dilatação pós-estenótica.

Arco aórtico

Estenose da vávula aórtica É quando a válvula fica dura, impedindo o fluxo, fazendo com que

Arco ou botão da artéria pulmonar

Estenose da vávula aórtica É quando a válvula fica dura, impedindo o fluxo, fazendo com que
Estenose da vávula aórtica É quando a válvula fica dura, impedindo o fluxo, fazendo com que

Mede-se aonde ela faz a curva ou o cajado, que deve ser menor que 3,5 cm. Sua dilatação também é causada por aterosclerose, HAS, dissecção e aneurismas. Se tiver um aumento muito grande, deve ser feita uma tomografia.

Enxergamos

o

contorno

cardíaco

que

equivale

à

saída

da

artéria

pulmonar, que é um

local que fica

próximo

no

coração

do

istmo

aórtico.

A medida é feita da seguinte forma:

traça uma reta do arco aórtico

até

o

ventrículo e traça outra na saída da artéria pulmonar e mede-se a distância. Ela deve ser menor que 1,5 cm. Quando ela passa dessa reta é sinal de HAS.

Uma distância maior que 1,5 cm pode ser causada por um aumento do arco aórtico ou por um aumento do ventrículo. Por outro lado, essa distância pode encurtar, indicando um aumento do arco da artéria pulmonar.

Átrio esquerdo

É a câmara mais posterior e por isso na incidência de frente ela não aparece. Quando o átrio cresce, uma ponta dele começa a aparecer na lateral entre a artéria pulmonar e o ventrículo esquerdo. Do lado direito ele aparece encostado no contorno do átrio, que é chamado duplo contorno atrial. Não necessariamente encontraremos as duas alterações.

Uma distância maior que 1,5 cm pode ser causada por um aumento do arco aórtico ou

Sinais mais raros

Vemos o botão da artéria pulmonar e o ventrículo esquerdo, sendo que entre eles temos uma ponta que é o átrio esquerdo. Do lado direito temos o átrio direito e temos um outro contorno por dentro, que equivale ao átrio aumentado.

  • Retificação brônquica ao crescer o átrio empurra o brônquio para cima, que vai ficando cada vez mais reto, principalmente o esquerdo, até ficar perpendicular.

  • Analisar o esôfago por meio de contraste, em que ocorre um desvio posterior e para a esquerda.

Artéria aorta: 1arco Artéria pulmonar: 2arco Ventrículo esquerdo: 3arco Átrio esquerdo (quando aumentado): 4arco

Prova: Qual arco cardíaco é patológico? O quarto.

Ventrículo

Diferenciar se o aumento é do ventrículo direito ou esquerdo: ele aprendeu que se a ponta do ventrículo afundou no diafragma é esquerdo e se a ponta do ventrículo subiu, de forma que se vê a ponta, é direito. Entretanto, é errado analisar dessa forma, uma vez que o paciente pode ter um coxim gorduroso e a ponta vai ficar para baixo, mas quando faz o Ecocardiograma trata-se de ventrículo direito. Ou também o contrário.

Hoje devemos olhar quais arcos do paciente estão alterados: se o paciente tem uma alteração de aorta ascendente, arco aórtico, veias pulmonares (sinal de hipertensa venosa) ou aumento de átrio esquerdo ocorre uma cardiomegalia por aumento do ventrículo esquerdo. Se a borda posterior do coração ultrapassar a borda anterior da coluna torácica, significa que há uma cardiomegalia.

  • A câmara esquerda sai para a aorta, logo qualquer problema que ela apresentar e o coração crescer, trata-se do ventrículo esquerdo.

  • Alteração de veias pulmonares é um sinal indireto de insuficiência cardíaca, que tem como principal problema a câmara esquerda.

  • O átrio esquerdo prejudica diretamente o ventrículo esquerdo.

Se o problema for no átrio direito e na artéria pulmonar, significa que há um predomínio das câmaras direitas, especificamente o ventrículo direito.

Grandes cardiomegalias geralmente são devido a aumento de todas as câmaras.

Hoje devemos olhar quais arcos do paciente estão alterados: se o paciente tem uma alteração de

Vascularização pulmonar

  • Normofluxo

  • Hipertensão venosa

  • Hipertensão arterial

  • Hiperfluxo pulmonar tipo de hipertensão arterial em crianças

  • Hipofluxo pulmonar cardiopatia congênita

Normal

O fluxo normal do coração é de cima para baixo, então os vasos pulmonares são mais calibrosos no hilo e para baixo. Em outras palavras a circulação no ápice é menor do que na base. Além disso, o calibre do vaso vai reduzindo até a periferia.

Lembrar que vemos o vaso até cerca de 1,5 cm da parede e se passar disso é porque existe espessamento do interstício pulmonar.

Os vasos pulmonares produzem a maioria das linhas visíveis numa radiografia de tórax (interstício pulmonar).

Na posição ortostática, o fluxo sanguíneo para as bases é maior que para os ápices por causa do efeito da gravidade. Portanto, o calibre dos vasos da base pulmonar é maior que o dos vasos do ápice.

Hipertensão venosa pulmonar

Ocorre um aumento do calibre das veias, que apresentarão o mesmo calibre desde o ápice até a base, uma vez que a pressão aumenta e ocorre uma redistribuição do fluxo pulmonar (cefalização). Este é um sinal indireto de problema na câmara esquerda, principalmente ICC.

Além disso, pode ocorrer aumento da artéria pulmonar.

Obs: a artéria só é vista no centro, enquanto que as veias, nós somos capazes de ver todas as ramificações.

Normal O fluxo normal do coração é de cima para baixo, então os vasos pulmonares são

Normalmente, os vasos vem para baixo e vão ramificando, sendo finos na periferia e no ápice. Na hipertensão eles são grossos na base e no ápice.

Insuficiência Cardíaca Congestiva

Diagnóstico mais comum em pacientes hospitalizados acima de 65 anos de idade. Causas mais comuns: hipertensão doença coronariana Outras: cardiomiopatia lesões das válvulas cardíacas arritmias , hipertiroidismo, anemia severa

Estenose mitral

Causa mais comum: Doença cardíaca reumática Sintoma: dispnéia

Estenose mitral causa uma obstrução ao fluxo sanguíneo do átrio esquerdo e torna-se sintomática quando a área da válvula cai para 1/3 do seu tamanho normal. Com o aumento da pressão no átrio esquerdo, ele se alarga e o aumento da pressão nas veias pulmonares tem reflexo retrógrado na circulação pulmonar, causando hipertensão venosa pulmonar.

Hipertensão arterial pulmonar

Quando os vasos centrais estão muito maiores que os periféricos, devido ao aumento do arco da artéria pulmonar. Chama atenção o calibre da artéria pulmonar e a normalidade das veias.

Insuficiência Cardíaca Congestiva Diagnóstico mais comum em pacientes hospitalizados acima de 65 anos de idade. Causas

Pode ser idiopática (primária) ou secundária à outra doença como enfisema e estenose mitral.

O sinal principal é a discrepância de tamanho entre a vascularização pulmonar central (artérias pulmonares direita e esquerda) e a vascularização periférica. Diferença “em poda”.

Hiperfluxo pulmonar

É uma cardiopatia congênita em que ocorre uma mistura da hipertensão venosa com a hipertensão arterial.

  • Ocorre um aumento da artéria pulmonar (não tão visível como na hipertensão arterial);

  • Veias pulmonares aumentadas tanto na base quanto no ápice, mas mantém o padrão de no ápice ser menor e na base ser maior;

  • O fluxo na base é maior do que no ápice;

  • O fluxo central é maior que o periférico;

  • Frequente na comunicação inter-atrial (CIA), comunicação inter-ventricular (CIV) e na persistência do canal arterial (PCA).

Hipofluxo pulmonar

Também trata-se de uma patologia congênita, mas não é o nosso foco.

Válvulas

Hiperfluxo pulmonar É uma cardiopatia congênita em que ocorre uma mistura da hipertensão venosa com a
Hiperfluxo pulmonar É uma cardiopatia congênita em que ocorre uma mistura da hipertensão venosa com a

Linha

traçada

da

carina

ao

ápice

cardíaco

ou

ponta

do

esterno.

As

válvulas

aórtica

e

pulmonar

estão

geralmente acima da linha e as

válvulas mitral

e geralmente abaixo dela.

tricúspide

As válvulas aórtica e pulmonar estão geralmente acima da linha vermelha e as válvulas mitral e tricúspide geralmente abaixo dela. Na imagem acima vemos a aórtica e a mitral.

As válvulas aórtica e pulmonar estão geralmente acima da linha vermelha e as válvulas mitral e

Traça uma segunda linha cortando a silhueta cardíaca perpendicular ao paciente e observa- se: de azul a válvula aórtica, de rosa a válvula mitral, de verde a válvula pulmonar e de amarelo a válvula tricúspide. (Ele disse que não vai cobrar isso).

As válvulas aórtica e pulmonar estão geralmente acima da linha vermelha e as válvulas mitral e