AS COMPARAÇÕES DE JESUS A RESPEITO DO REINO DOS CÉUS MATEUS 13.44-52 É passado o Natal; o mundo volta ao normal.

Os magos voltaram para o Oriente (MT 2.12). José precisou fugir para o Egito com sua família, pois Herodes queria matar o menino Jesus (MT 2.13-15). Herodes era apenas um falso adorador (MT 2.8). Tudo voltou ao normal. Já não se ouvem o cântico dos pastores. É hora de voltarmos do século 1º para o século 21. As nossas autoridades fazem o levantamento das ocorrências. Algumas famílias choraram perdas destes dias; a irresponsabilidade deixou as suas marcas. Estamos no século 21, mas voltaremos a pensar nas coisas que foram ditas bem lá atrás, por Jesus e por outros. A igreja vive esse vai-e-vem, hora lá, hora cá. Os ensinos de Jesus falavam também a respeito do Reino de Deus. Afinal, Ele veio por causa do Reino. Ele não veio para fazer da estrebaria uma maternidade, e nem mesmo para deslocar os magos adoradores de terras distantes, do Oriente. Neste momento deixamos de falar da manjedoura, dos magos, dos pastores, dos anjos e de presentes; é hora de falarmos do Reino. Jesus, jovem pregador da Galileia, usa um recurso chamado ‘parábola’ e na própria parábola outro chamado ‘símile’. São três as personagens que as compõem: possivelmente um ‘peão de fazenda’ (Mounce), um rico negociante de pérolas e a ‘cooperativa’ de pescadores anônimos. Mounce nos diz que as duas primeiras comparações ‘salientam o ponto básico, de que o reino dos céus tem tão grande importância e valor, que tudo o mais deve ser sacrificado a fim de podermos entrar nele’. I – O REINO DO CÉU É SEMELHANTE A UM TESOURO ESCONDIDO (v.44).
1. O homem encontra um tesouro escondido e torna a escondê-lo. Quem o havia

escondido talvez nem se lembrasse mais onde o pusera (Minhas irmãs dizem que minha mãe quando recebe algum dinheiro, guarda para a posteridade; quase sempre ela não lembra onde o colocou).

1

2. O homem que acha é um personagem anônimo, possivelmente pobre, de poucos

recursos, não era um caçador de tesouros, talvez fosse um bóia-fria; mas que, dada a importância do seu achado, decide vender tudo o que tem para comprar o campo onde está o tesouro.
3. Não sei se ele foi chamado de louco pelo proponente vendedor; também não

sabemos o valor monetário do campo, se estava inflacionado ou não; mas Jesus diz que ele fez tudo ‘em sua alegria’, ou seja, ele vislumbrava um futuro diferente, pois naquele campo estava o seu tesouro.
4. Quando almejamos algo superior não devemos nos apegar ao inferior. É isso

mesmo que é dito a respeito de Moisés: “Ele considerou a afronta de Cristo como uma riqueza maior do que os tesouros do Egito, pois tinha em vista a recompensa” (Hb 11.26). Moisés tinha à sua frente um tesouro muito mais precioso que qualquer coisa que se achasse no Egito.
5. É verdade que tem muito gente trocando as delícias do reino por um punhado de

alfarrobas (O filho pródigo desejou comer as alfarrobas que eram servidas para engordar os porcos que cuidava (A alfarroba é uma vagem). 6. Mas a despeito de tudo que alguém pudesse dizer, aquele homem foi capaz de tudo para adquirir algo que mudaria a sua vida.
7. Essa é a proposta de Jesus quando ensina a respeito do reino dos céus; só tem

acesso ao reino, como bem superior, quem tem a coragem de dizer não às coisas do mundo, que são infinitamente inferiores.

II – O REINO DOS CÉUS É SEMELHANTE A UMA PÉROLA DE GRANDE VALOR (v.45,46).
1. O segundo homem era conhecedor de pérolas, assim procurava negociar sempre

as melhores, portanto, mais caras. Quanto valeria a pérola da parábola? Não sabemos. Mas a título de curiosidade citamos o que escreveu Herbert Lockyer em seu livro ‘Todas as Parábolas da Bíblia’: “Todos conhecemos a história da dissoluta Cleópatra que, durante um jantar com Antônio, tirou da orelha uma pérola em forma de brinco, que junto com a outra valeriam hoje 120 mil doláres
2

(R$ 210.000,00) e, dissolvendo-as em vinagre, bebeu aquela mistura preciosa em honra do príncipe romano”.
2. O tempo da procura pela melhor pérola havia chegado ao fim; o mercador a

encontrou a pérola de grande valor (v.46). Aquele homem soube comparar tudo o que já havia visto com o que acabava de ver; não havia nada igual.
3. Novamente nos deparamos com alguém que vendeu tudo o que possuía para

adquirir um bem de mais alto preço. Comparativamente, tudo o que ele conseguiu durante tanto anos, daria suficientemente para que ele comprasse aquela pérola de grande valor.
4. Ele adquiriu aquela pérola, pois sabia o seu real valor; o seu valor era

imensurável. É até possível que os seus amigos, vizinhos e parentes lhe chamassem de louco. Não é diferente com aqueles que se apropriam do reino dos céus. Também não é difícil imaginar que os amigos de Paulo chamando-o de louco por trocar o Sinédrio pela missão.
5. Sendo o reino dos céus comparado a esses bens preciosos, o tesouro e a pérola

de grande valor, não devemos medir esforços para nos apropriarmos dele, ou por ele sermos apropriados.

III – O REINO DOS CÉUS É SEMELHANTE A UMA REDE LANÇADA AO MAR (V.47,48). 1. As duas primeiras parábolas contam de escolhas pessoais; os homens fizeram de tudo para adquirir o que queriam (tesouro e pérola).
2. A parábola da rede nos fala escatologicamente, nos fala de consumação de

tempos. A rede só foi puxada para a praia ‘quando ficou cheia’. Enquanto não se enchia continuava em alto mar.
3. A rede representa a proclamação do evangelho. A rede arremessada ao mar não é

seletiva, pois todos os tipos de peixes são por ela alcançados (v.47).

3

4. Quando a rede se enche e é puxada para a praia, passa então a ser seletiva:

“Puseram os bons em cestos, mas, jogaram fora os ruins” (v.48). Comparando duas parábolas Lockyer diz: “Se não somos trigo de Deus, somos com certeza joio de Satanás”.
5. Jesus explica a parábola da rede: “Os anjos sairão e separarão os maus dentre

os justos” (v.49). Assim como aconteceu com o joio (v.40) acontecerá com o peixe ruim: “Os lançarão na fornalha de fogo” (v.50).

CONCLUSÃO

Nas comparações do tesouro e da pérola, podemos perceber um tempo de decisão pessoal; aqueles dois homens se empenharam por adquirir os bens que julgavam ser extremamente valiosos. Assim devemos ser também em relação ao reino dos céus. Não há neste mundo bem algum que possa comparar ao reino que nos oferece Jesus. Na parábola da rede vemos a proclamação a todos, sem distinção. Mas a pesca é escatológica também, isto é, terá o seu final. Voltemos à introdução. O menino da manjedoura, crescido, morto pelos nossos pecados, mas ressuscitado ao terceiro dia, voltará como justo juiz para julgar todos os homens. Paulo, porém nos escreve: “Nenhuma condenação há para quem está em Cristo Jesus”.

PR. Eli da Rocha Silva 27/12/2009 Igreja Batista em Jardim Helena – São Paulo - SP

4

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful