You are on page 1of 4

1

ESCOLA BÁSICA DA VENDA DO PINHEIRO
PORTUGUÊS – 9.º ANO
FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO
Prof.ª Sílvia Rebocho





VAMOS RELEMBRAR:

Uma frase complexa contém várias orações. As orações podem ser independentes, isto é, cada uma ter
sentido próprio, ligadas entre si por conjunções ou locuções conjuncionais coordenativas – chamam-se
ORAÇÕES COORDENADAS.
No entanto, numa frase complexa, pode haver uma oração principal ou subordinante e uma ou várias
orações subordinadas (que dependem da oração subordinante e lhe completam o sentido). – chamam-se
ORAÇÕES SUBORDINADAS.



TIPOS DE ORAÇÕES COORDENADAS

 ORAÇÕES COORDENADAS COPULATIVAS – As orações associam-se numa relação de adição.
Ex.: O Vítor foi à livraria e comprou um livro.

 ORAÇÕES COORDENADAS ADVERSATIVAS – As orações interligam-se numa relação de oposição ou
contraste.
Ex.: A Isabel queria comprar um livro mas não tinha dinheiro.

 ORAÇÕES COORDENADAS DISJUNTIVAS – As orações apresentam na sua ligação uma ideia de alternativa.
Ex.: Ou vamos à praia ou ficamos em casa.

 ORAÇÕES COORDENADAS CONCLUSIVAS – A oração introduzida pela conjunção apresenta uma ideia de
conclusão ou consequência.
Ex.: Não tenho dinheiro, portanto não posso comprar um carro novo.


As orações coordenadas podem ser sindéticas, quando têm a conjunção expressa (é o caso dos exemplos
anteriormente apresentados), ou podem ser assindéticas, quando a conjunção não está expressa. Neste
caso, as orações apresentam-se justapostas:

Irei contigo ao cinema, compraremos pipocas, iremos deliciar-nos.

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

Divide e classifica as orações coordenadas.

1. A taxa de natalidade é baixa nos países desenvolvidos, porém é elevada nos países subdesenvolvidos.
_________________________________________________________________________

2. Este ano teremos Provas Finais de Português e também teremos a Matemática.
_________________________________________________________________________
2



3. Na vida, ora temos sorte, ora temos azar.
________________________________________________________________

4. Sou bom a Português, logo não preciso de ter explicações.
________________________________________________________________



TIPOS DE ORAÇÕES SUBORDINADAS


 ORAÇÕES SUBORDINADAS TEMPORAIS – indicam uma circunstância de tempo e são introduzidas por
uma conjunção ou locução subordinativa temporal.
Ex.: O meu pai fica estranho quando está preocupado.

 ORAÇÕES SUBORDINADAS CAUSAIS – indicam a causa e são introduzidas por uma conjunção ou locução
subordinativa causal.
Ex.: Estou cheio de fome, porque ainda não almocei.

 ORAÇÕES SUBORDINADAS FINAIS – indicam uma finalidade e são introduzidas por uma conjunção ou
locução subordinativa final.
Ex.: Fica connosco para que possamos visitar juntos a cidade.

 ORAÇÕES SUBORDINADAS CONDICIONAIS – indicam um condicionamento e são introduzidas por uma
conjunção ou locução subordinativa condicional.
Ex.: Se fores à praia, eu vou contigo.

 ORAÇÕES SUBORDINADAS COMPARATIVAS – estabelecem uma comparação e são introduzidas por uma
conjunção ou locução subordinativa comparativa.
Ex.: O cão ficava a olhar o mar como um pescador se previne do temporal.

 ORAÇÕES SUBORDINADAS CONCESSIVAS – exprimem um impedimento que não evita a realização da
ação e são introduzidas por uma conjunção ou locução subordinativa concessiva.
Ex.: Levarei o gato ao veterinário, embora não me apeteça.

 ORAÇÕES SUBORDINADAS CONSECUTIVAS – indicam um facto que é consequência de outro e são
introduzidas por uma conjunção ou locução subordinativa consecutiva.
Ex.: Chovia tanto que ficámos em casa.

 ORAÇÕES SUBORDINADAS COMPLETIVAS OU INTEGRANTES - são introduzidas por uma conjunção
subordinativa integrante e desempenham as funções sintáticas de complemento direto, sujeito ou outras.
Ex.: Ela pediu ao pai que a desculpasse.


ORAÇÕES SUBORDINADAS RELATIVAS (têm, na frase, a função sintática de um atributo)

 ORAÇÕES SUBORDINADAS RELATIVAS RESTRITIVAS – estas orações restringem, isto é, limitam,
especificam o sentido do nome (ou pronome) antecedente, sendo, por isso, indispensáveis ao sentido da
frase. São introduzidas por um pronome relativo e não se separam na escrita por vírgula.

Era um cão que não queria ser cão.

antecedente oração subordinada relativa restritiva
Neste exemplo, trata-se de um determinado
cão e nenhum outro mais.
3


 ORAÇÕES SUBORDINADAS RELATIVAS EXPLICATIVAS – estas orações acrescentam ao antecedente uma
informação acessória, podendo, portanto, ser suprimidas na frase. Separam-se por vírgula.

Um amigo do meu pai, que é médico, fez o diagnóstico.

antecedente oração subordinada relativa explicativa





EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO


1. Nas frases seguintes, sublinha a oração subordinada e classifica-a.

Assim que o Alexandre saiu da água, a cadela foi ter com ele.
__________________________________________________________________________________

A criança faz habilidades para que se repare nela.
__________________________________________________________________________________

Não é um cão como os outros são.
__________________________________________________________________________________

Não direi que a Manuela é uma pessoa simpática.
__________________________________________________________________________________

Ainda que não goste de pescar, vou contigo à pesca.
__________________________________________________________________________________



2. Liga as frases seguintes através de uma relação de subordinação, fazendo as transformações necessárias, de
acordo com o exemplo:

Os alunos acabaram o trabalho; foram brincar para o pátio.
Quando os alunos acabaram o trabalho, foram brincar para o pátio. (temporal)

O cão estava muito inquieto; o dono levou-o à rua.
_________________________________________________________________________________ (consecutiva)

O meu pai dizia alguma coisa; não gostava da cerveja.
_______________________________________________________________________ (completiva / integrante)

Vens cá a casa; verás as fotografias da minha viagem à Madeira.
_________________________________________________________________________________ (condicional)

Não contes o meu segredo a ninguém; eu continuo a confiar em ti.
_______________________________________________________________________________________ (final)

A mãe foi espreitar o bebé; o bebé dormia tranquilamente.
_____________________________________________________________________________ (relativa restritiva)

Se retirarmos a oração subordinada relativa
explicativa – que é médico – não se altera o
sentido da frase: Um amigo do meu pai fez o
diagnóstico.
4


3. Três dos provérbios abaixo têm orações subordinadas concessivas. Identifica-as e sublinha as referidas
orações.





quem de ovelhas há de entender.



4. Nas frases abaixo, todas as orações subordinadas são introduzidas por “que”, mas apenas uma é uma oração
relativa restritiva. Assinala com (X) e sublinha a referida oração.





-lo.


4.1 Assinala com (X) as frases que incluem uma oração subordinada consecutiva.





4.2 Indica agora as frases com orações subordinadas integrantes.





5. Nas próximas frases, sublinha as orações subordinadas relativas e depois indica se são restritivas ou
explicativas.

Só as mulheres que entravam em seus domínios é que lhe prestavam contas. ____________________________

Tinha vindo com a tia que era sua madrinha. ______________________________________________________

Chorou ainda desoladamente a esposa, que era formosa e alegre. ____________________________________

Manuel da Silva Lopes, que conduzia um daqueles irritantes camiões carregados de grades de cerveja, resolveu
em má hora abandonar o volante. ______________________________________________________________