You are on page 1of 11

25/08/14

Suma de Teologia - Tomas de Aquino
 A suma (suma, porque para o autor é “um resumo da teologia”) é um texto em que o autor tem
pretensão de mostrar toda doutrina teológica.
 O texto é dividido em 3 partes (análise formal)
 1° Deus em si mesmo.
 2° Movimento da criatura racional para Deus (maior parte do
texto).
 3° Daquilo que une o ser humano e Deus
(para o cristão é Jesus)
 Partes dividas em questões, e as questões são dividas em artigos.
 -modo de citar: S. T. 1°(PARTE), Q.(QUESTÃO) 1. , Art (ARTIGO) 1. Pelo fato da 2°
parte ser muito grande, a subdividiram em duas, então a citação fica assim: S.T.1°2°,
Q.1, ART.12° 2°.

 Texto formulado na estrutura de QUESTION
1. Pergunta: Sim ou não
2. Argumentos iniciais (começa apresentando
argumentos que vai contra a sua tese, a sua própria
posição).
3. Em sentido contrário
4. Corpo (solução)
5. Respostas aos argumentos iniciais
 Na Escolástica eles dizem quando usam argumento de autoridade.
até hoje é usado, só mudam as autoridades.
para Tomas de Aquino o argumento de autoridade é a mais fraco, ele existe, mas ele não é
bom, é fraco.
01/09/14
Questão 1, Artigo 1

Problema: é necessária outra doutrina além das disciplinas filosóficas?
problema explicito (é útil, necessário estudar algo além das doutrinas filosóficas)
na época dele doutrina filosófica é todo conhecimento obtido pela razão a partir da
experiência.
Adotava a tese dos Aristóteles
Todo conhecimento é derivado da experiência  eu sei que o
quadrado tem duas diagonais pq eu vi um quadrado, abstrai a
noção de quadrado e percebi q ele têm 2 diagonais
≠ Platão  alguns conhecimentos são inatos

 Disciplinas filosóficas
nenhuma finalidade além delas mesmas, serve somente para matar a curiosidade humana.
 Teóricas
 Física (oq se move)
 Matemática (em quantidade)
 Metafísica: (as coisas enquanto tais)
(Filosofia primeira) - o que é ser uma coisa? O que é o ser?  Segundo Aristóteles
 Práticas
Costuma aparecer os chamados argumentos de
autoridade (contrário de argumento racional).
 “se uma pessoa de autoridade disse
isso, é verdade”.

Verdadeiro é o ser
Os smurfs existem?
Sim –no imaginário
Não – no real

 Ética- Política - mesma coisa que a ética, as pensando em sociedade
tenta responder “como devo viver”. É um conhecimento que ñ se esgota nele msm,
que tenta orientar a ação humana.

 Técnicas/Produtivas (que visam a produção de algo)
 Matemática
 Medicina
Segundo Aristóteles todos esses conhecimentos são derivados da experiência.
 Então a problemática ficaria assim: é necessário algum conhecimento/ensinamento além do qual a
razão humana pode obter a partir da experiência.
Tese 1 (linha 4-11)
 Tese de Averróis (árabe, não é um mulçumano ordotoxo, forte do conhecimento: Corão) todo
conhecimento é obtido pela razão e a partir da experiência e afirmava que quando o ser humano se
distanciava de Arist., se distanciava da verdade, portanto não seria necessário nenhum outro
conhecimento
 Para Averróis o q está escrito na Bíblia, no Corão e no Pentateco é o msm coisa que o Aristóteles
disse. Aristóteles para o povo.
90% da população não tem o conhecimento para ler e
entender Arist.
Bíblia e Corão traduz oq Aristóteles diz.
tudo o q esse pode e se precisa aprender estão na
disciplina filosófica.
1°ARGUMENTO
 Premissa maior: O ser humano ñ deve ir além da razão
 Premissa menor: essas disciplinas estão na altura da razão
 Conclusão: Vc ñ deve ir além de outras disciplinas.
ñ diz somente que ñ é útil, fala algo mais forte, o humor tem que
se limitar ao conhecimento empírico, pq ñ teria como provar.
Ir além da natureza humana ñ é só útil como impossível.
Na época dele Averróis era quem concordava disso.
2° ARGUMENTO
Ente o q é (sinônimo hj em dia de coisa)
tudo aquilo que é Qualquer coisa é uma coisa

 Premissa maior: Todo conhecimento (conhecimento sobre o ente) é conhecimento do
verdadeiro e o verdadeiro que o convertível com o ente
só se conhece o que é verdade, se conhece o que é impossível ter uma doutrina
sobre o q ñ é.

 Premissa menor: As disciplinas filosóficas conhecem tudo o q é (verdadeiro) sem
exceção.
Quando Aristóteles falou de Deus ele falou de teologia natural – se as ciências
empíricas conhecem tudo, existe até msm Deus que ela conhece, ñ é preciso ir
além.
O ser humano não deve se
esforçar para ir além da razão
Qualquer ente é
um ente
Pessoas acham que a (o): aquisição de dinheiro,
perpetuação da espécie, prazer (comida/vinho),
divertimento (esporte), ação política,
conhecimento (de Deus) é o mais importante 
buscando reconhecer racionalmente o que é a
divindade.
vc conhece Deus através do q é visível, do msm jeito que vc conhece o elétron, o
próton, através da experiência (acender uma lâmpada)e através de deduções que
foram feitas a partir de experiências.
EM SENTIDO CONTRÁRIO
argumento de autoridade (ñ prova nada, deixa clara qual é a posição dele)
 Premissa maior: A escritura (Bíblia) é útil ( toda doutrina inspirada por Deus é útil).
 As escrituras são inspiradas por Deus, vai além da razão humana.
A bíblia foi produzida por Deus, ñ é produto da humanidade ≠ Averróis.

RESPONDO:
 O Fim do ser humano é Deus.
 Homem está ordenado para Deus

 Homem dirige suas ações p/ um fim
(É por acaso ou tem alguma finalidade)
(Finalismo)  os animais tbm tem um fim
 É preciso que ele conheça o fim
(Ele age segundo o seu conhecimento do fim)
 O fim ultrapassa a sua compreensão da razão.  Vai além de Aristóteles
(O verdadeiro fim da vida humano está além da que vc consegue dizer pelas ciências empíricas)
 Conclusão: É necessário um conhecimento além do filósofo além das disciplinas filosóficas para a
salvação do homem.
O homem é racional, ele pensa, ele age de acordo com o
conhecimento dele. Os outros animais, irracionais ñ
pensam, mas agem, por ex: cachorro vai atrás da comida
não pq ele pensa, mas por instinto.
Antítese: o ser humano age por meio de extintos biológicos,
o ser humano ñ age por instinto, ñ é pelo condicionamento.
 Se ele tem um fim, é preciso que ele saiba o fim e está além razão, p/ atingir as ações para o fim
Para que serve a Bíblia?
Para saber qual é o verdadeiro fim do ser humano.
(08/09/14)
QUANTO AO 1º
fé: aceitar aquilo q não pode ser comprovado pela razão
o ser humano tem outra faculdade além das razões empíricas, a fé.
Discorda com Averróis  a razão é a única forma
QUANTO AO 2*
vc pode chegar a mesma verdade por diferentes caminhos

Vocabulário da época
Aristóteles Bíblia
Tecnologia/ teologia (conhecimento revelado por Deus através da Bíblia)
Filosofia natural
Uma parte da teologia natural se confunde com oq está na Bíblia.
Não colocar a conclusão como premissa!!!!


Tese: é impossível uma doutrina revelada por Deus e necessária.
Antítese: Não é possível uma doutrina revelada por Deus ou ñ é necessária
Pressuposto: Esse ponto é um trabalho crítico.
1º Deus existe- pra T. de Aquino 1º Deus ñ existe
ñ é algo de fé, é uma razão 2º Deus ñ é capaz de se comunicar
que a razão pode provar. Com o ser humano
2º Deus é capaz de se comunicar - Averróis e Arist.
com o ser humano- polêmico 3º Deus ñ quer se comunicar
na época de T. de Aquino. 4º O ser humano ñ é capaz
3º Deus quer se comunicar de reconhecer
4º o ser humano é capaz
de reconhecer essa comunicação
RESUMO:
é além da razão humana, se ela é além da ação humana ela é impossível então vc ñ deve aceitá-la
1. o homem ñ deve se esforçar além da razão humana, ora 1 doutrina por Deus ela por definição.
2. só tem conhecimento de algo q existe – tudo que é cognitivo tem q existir
3. pensamento contrário
Argumento de autoridade linha 21  carta a Timóteo petição de princípio
toda a estrutura inspirada por Deus é útil.
Bíblia pra ele ñ foi produzida pelo homem. Concebida por Deus. Não é 1 projeção
humana, ñ é feita da cultura .
X do argumento de Tomas de Aquino
 A Bíblia mostra qual é a finalidade da vida humana. As disciplinas filosóficas ñ são capazes de
dizer qual é o fim da vida humana. –contrário do que Averróis
se vc ficar só com as ciências empíricas, vc chegará a conclusão que a vida não tem sentido pq
elas não são capazes de dizer a finalidade da vida humana. T. de Aquino
 Oq é salvação pra T. de Aquino segundo esse argumento?
Salvação sinônimo de sentido, meta, finalidade.
Argumento Secundário
 Há conhecimentos sobre Deus q podem ser obtidos pela experiência (razão)
 Aristóteles prova isso
Então para q serve a inspiração?
o Mas fácil e garantido p/ aquisição do conhecimento.
 A revelação tem um caráter pedagógico
nesse ponto ele concorda com Averróis
o povo ñ tem tempo pra ler Aristóteles, Bíblia é Aristóteles simplificada, mas discorda pq a
Bíblia é revelação divina
Principal Argumento
1. As ciências empíricas ñ conseguem dizer qual é o verdadeiro fim da vida humana.
2. Pode ser que vc até consiga adquirir conhecimento sobre Deus a partir das ciências empíricas;
mas as pessoas não tem tempo pra filosofar.


Descarte, Hegel, Spinozza concordam 
15/09/14
Questão 2, Artigo I

A existência de Deus é evidente (imediatamente vc percebe que é verdade) por si mesma? (Não)

Verdades evidentes por si msm (ñ precisa ser “o tudo é maior que
Teses demonstrada a partir de outras) suas partes”
Proposições teses - basta entender a significação da premissa, imediatamente
se reconhece a vdd de preposição.

Demonstrável-ela é “A soma dos ângulos
evidente a partir de internos do triângulo
outras teses é igual a 180º”
se uma verdade é evidente ñ é uma questão da crença, mas sim de entender as demonstrações.
se alguém negar isso está negando as teses evidentes.
1º ARGUMENTO
1. João Damasceno maior autoridade das igrejas ordotoxas
Premissa maior: é evidente o q nos é natural
Premissa menor: ora, o conhecimento da existência de Deus nos é natural,
Portanto o da existência de Deus.
2º ARGUMENTO
 Anselmo de Cantuária ou Anselmo de Aosta.
Inventou um totalmente original  argumento ontológico - da definição da palavra Deus.
(Kant nomeou)
 Definição: “Triangulo” é o espaço delimitados por 3 retas. Tem 3 lados (evidente)
O triangulo tem 3 lados (predicado contido no sujeito).
 “Deus” (o conceito) é aquilo em relação ao qual inventou argumento nada maior pode ser pensado.
Evidente: Deus existe.
 Vc pode concluir a existência de Deus
 Para Anselmo quando vc usa “Deus” quer dizer pensável
 Usando a palavra MAIOR no sentido ontológico- oq é mais: Um cachorro ou uma pedra?- ele tem
o ser material( do msm jeito q a pedra) mas ele tem a vida.
conseguimos pensar algo mais que o ser humano? –sim
Nesse conceito o predicado existir está contido?
pensar em algo q ñ existe é pensar menor, pensar que
existe é pensar em algo maior.
Se isso é vdd, então a proposição é evidente, o predicado
está contido em Deus, assim Deus existe como o triângulo
tem 3 lados.  com a definição de Deus vc pode provar sua
existência
muita polemica a história da filosofia.
Kant e T. de Aquino ñ concordam
Para T. de Aqui. se tivéssemos um conceito adequado de Deus
nessa vida, ai a existência estaria evidente , mas ñ temos um
conceito pq o ser humano não tem uma experiência com a
realidade divina, então ñ temos um conceito adequado contido
na palavra de Deus.
X da questão: aquilo q existia na realidade e no intelecto é maior do q existe só no intelecto.
3º ARGUMENTO
 É evidente que a verdade existe
quem nega q a vdd ñ existe, cai em contradição
a vdd existe? Não
Mas isso q vc está dizendo é vdd?
se ele concorda, a vdd existe.
se dizer não, entra em contradição
argumento contra os céticos.
 Deus é a verdade (ñ é evidente q Deus é a verdade)
 Portanto, é evidente que Deus existe.
EM SENTIDO CONTRÁRIO
 O q é evidente por si é impossível pensar o contrário.
 Fato empírico (é algo que a própria Bíblia diz): existem pessoas que falam que Deus ñ existe
 Não é evidente que Deus existe
RESPONDO:
Distingue dois tipos de evidencia:
 em si mas não por nós  uma coisa em si é evidente, mas por uma pessoa ñ entender o
significado dos termos não é evidente
 em si e para nós
As coisas imateriais: ñ ocupam lugar no espaço.
é uma proposição evidente pra aqueles q entendem
Não conhecemos a existência de Deus.
precisa ser demonstrada
 Deus existe
não é uma proposição evidente por si mas não para nós.
 O ser humano normal não tem experiência direta com a verdade divina, portanto não temos um
conceito do q seja Deus, mesmo q um ser humano tenha tido ñ vale nada pq a experiência ñ é
transmissível.
QUANTO AO 1º
 O ser humano deseja naturalmente a felicidade
 Ora, todo desejo supõe conhecimento do objeto do desejo
 Portanto, o ser humano conhece naturalmente a felicidade
 Ora, a felicidade é Deus. (T. de Aquino ñ concorda que é evidente)
 Portanto, o ser humano conhece naturalmente Deus.
Ele ñ discorda q a felicidade é Deus, mas discorda que é evidente.
(29/09/14)
QUANTO AO 2º
 Quando as pessoas ouvem o som de Deus isso ñ significa q ela tem o conceito “maior”, portanto ñ
é evidente. (1º resposta)
 msm que as pessoas conceitam a definição q Anselino e Deus, vc ñ consegue pensar isso na
realidade.
O triângulo tem 3 lados ñ significa que existe
aceitar que o triângulo tem 3 lados não significa necessariamente que ele existe.
Deus é existente
(se não existisse seria maior menor) seria uma contradição
 Para T. de Aquino de fato, é impossível pensar Deus como ñ existente, mas isso ñ significa q seja
real fora do intelecto. –outras palavras, o modo como nós pensamos o real não é necessariamente
o real.
QUANTO AO 3º
 Tomas de Aquino ñ concorda que Deus é a verdade - contradiz o Evangelho “Eu sou o caminho, a
verdade e a vida” Jesus diz.
Artigo 2

 É possível demonstrar a existência de Deus?
Sim, é algo que vc pode demonstrar racionalmente.
A existência de Deus ñ é questão de fé, da crença é uma demonstração racional.
Não tem sentido perguntar, vc acredita em Deus? Do msm modo q não tem sentido perguntar
q vc acredita q a soma dos ângulos internos do triangulo é 180º?- demonstrável
racionalmente.
“vc pergunta se entendeu a demonstração, se conhece ou não.”
1º ARGUMENTO
 A existência de Deus é artigo de fé.
Artigo de fé é ≠ da ciência
conhecimento absolutamente certo, como 2 +2=4
 Ciência é demonstrável
 Portanto, A existência de Deus ñ é demonstrável
 Carta aos Hebreus II,I
oq é fé não é visível a ciência
argumento baseado na autoridade bíblica
ñ conclui o que quer concluir, é uma me interpretação da carta aos Hebreus.
2º ARGUMENTO
1. Todo homem é mortal
2. Ora, Sócrates é homem
3. Portanto, Sócrates é mortal Todo homem é mortal
o Todo homem é mortal
o Ora Sócrates ñ é uma pedra
o Sócrates é mortal
não pode deduzir, demonstrar,pq não sabemos o q Deus é.
 A demonstração parte das obras,
 Ora, as obras são finitas, a Deus é infinito
 Portanto, a existência de Deus(infinito) não é a partir das obras(finito)
EM SENTIDO CONTRÁRIO (argumento de autoridade  Apóstolo Paulo aos Romanos)
 É possível conhecer Deus a partir de suas obras
o msm autor diz que é possível demonstrar e diz q não é possível demonstrar a existência de
Deus a partir das obras.  Epistola aos Hebreus era atribuída aos Apóstolo Paulo (1º argumento)
demonstração certos sensos –se vc
aceita as premissas, vc aceita a
conclusão.

A Bíblia pode provar tanto A quanto B
argumento de autoridade ñ é suficiente p/ provar algo.
 “As perfeições invisíveis de Deus a tornaram visíveis a inteligência, por suas obras”
td ser humano é culpado de não obedecer a Deus sem exceção –pq todo homem conhece
Deus se não é demonstrável, qualquer, é yuma r um pode alegar: eu não sabia. Então vc não tem
culpa. Se for demonstrável racionalmente e o ser humano é racional vc não pode falar: eu não sabia.
RESPONDO
 Um dos pressupostos - propt erquid
De causa para o efeito. Só é possível se vc já conhece a causa. Pq ex:
 Demonstração---------quia
(já q) de efeito p/ a causa Eclipse da Lua a Lua é um corpo q não produz luz própria,
recebe do Sol...
Principio de casualidade
 Todo evento tem uma causa, do nada pode surgir. Se vc não aceita, vc diz q algo pode surgir do
nada (nada = um conjunto vazio).
Colário (consequência): não pode haver nada no efeito q não esteja na causa. Do contrário, algo teria
surgido do nada.
 se uma coisa não existia e passou a existir:
surgiu de algo q já existia ou- surgiu do nada.
não quer dizer q tudo q existe tinha uma coisa anterior.
para T. de Aquino é indiscutível inquestionável
* Kant na critica da razão pura questiona isso.
------x------
 Seres humanos normais não tem experiência de realidade divina, então ning sabe quem é Deus, mas
isso não significa q não pode partir do efeito( o mundo) vc chega a conclusão demonstrativa, racional
q existe uma causa nessa vida – pq Deus não é visível
QUANTO AO 1º
 Pra Aquino uma demonstração racional partindo do efeito p/ deduzir a causa contrariando Paulo com
seu artigo de fé.
 Pra Aquino o artigo de fé é pretensão da profecia de fé, algo não demonstrável.
QUANTO AO 2º
 Numa tem a partir dos efeitos vc não conheceu oq é a causa, só conhece a grosso modo q há uma
causa e tenta descobrir a causa c/ exatidão e nd prova q descobrirão.
QUANTO AO 3º
 Vc não consegue demonstrar racionalmente o q é Deus pq vc não tem um experiência divina, mas não
significa q vc não possa demonstrar racionalmente o efeito. Pelo efeito vc deduz q há uma.
Artigo 3
 Começa argumentando um sentido contrário  apresenta 2 principais argumentos.
1º ARGUMENTO
 se Deus existe, não deveria existir o mal.
 O mal existe- só conclui algo na medida q o mal é real
 Portando, Deus não existe.

Problema: Teodicéia  teo=Deus, Dicéia =
justiça.
Como Deus pode ser chamado justo se há mal
no mundo?
Se Deus ñ é justo, então não é Deus
 O mal existe- sai do pressuposto q o mal é real.
Ele concluiu algo com essa definição.
Se aquilo q se chama mal o diga q é real, figurativo, o pressuposto ñ se realiza.
1. De um lado, se um é infinito o outro não pode existir.
Ex: quente x frio
Calor é algo q vc não pode pensar crescendo. O conceito de luz. Luz x trevas
Não impõe limite.
Se vc não tem limite, ela é infinita, logo não tem frio, se tiver um pouco frio o calor não é infinito.
2. Deus é o bem infinito
3. O mal existe – verdade empírica
4. Bem e o mal são contrários
Deus não existe.
Se dois contrários, em deles sendo infinito o outro não existe.
Entendendo Deus como infinito e o mal como existente e não pode existir um bem infinito. Logo,
Deus não existe.

 O q é mal? ≠ De onde surgiu o mal? Para Aquino (concepção de mal e bem que ele adota)  vem
de Plotino. Bem é = ser. Mal é a ausência do bem.
Mal = nada ou ser q poderia existir, mas não existe.
2º ARGUMENTO CONTRÁRIO
 Segundo principal argumento da história contra a existência de Deus.
 Principio de economia (Aristóteles)
Atualmente conhecido como Navalha ou Oucam
Os entes não devem ser multiplicados sem necessidade.
Se é possível encontrar uma explicação do texto se postula a existência de um
ente, então ele não existe. – exemplo do boto
 1 premissa: na se deve postular a existência de um ente sem necessidade.
 2 premissa: é possível explicar tudo o q existe no mundo sem (postular a existência de) Deus.
os fenômenos naturais <-> natureza.
fatos humanos <–> razão, vontade humana
<-> = consegue explicar através
 Portanto não é necessário postular a existencia de Deus.
EM SENTIDO CONTRÁRIO
 argumento de autoridade - êxodo
 a bíblia diz q Deus existe

RESPONDO- 5 VIAS
1º VIA
Pressuposto q ele parte: o mundo existe
I. Há um movimento no mundo (ele não prova, é evidente não para a razão, mas para os
sentidos) (não só movimento espacial, ex: uma banana verde e no outro está amarela  houve
uma mudança mas não espacial)
É constatado empiricamente q há mudança no mundo, o mundo não é imóvel.
II. Ora, tudo q se move é movido por outro.  uma coisa é sempre movida por outra coisa, não
existe automovimento.
Portanto, o q esta em movimento foi movido por outro.
Ora, não é possível ir ao infinito na serie das causas motoras.
Portanto, tem q existir um primeiro motor q chamamos de Deus.
prova q existe algo q colocou o universo em movimento, é q podemos chamar de Deus
bíblico
argumento tirado de Aristóteles.- Física e Metafísica.
não fala q Deus criou o mundo, só fala q o mundo teve como origem uma coisa q deu
movimento q não se prova.
Para T. de Aquino é uma demonstração racional ,não depende de fé.
(13/10/14)
2* VIA
 Causa eficiente = aquilo q produz o ser de algo
 constata q antes coisas não existem em um momento, umas em outro existe.
 uma estátua- em um certo período ela não existia, mas um escultor a fez e ele
veio a existir, então o escultor é a causa eficiente.-causa eficiente de um bebe-
pai e mãe
 é constatado no mundo empiricamente q existe uma ordem de causas eficientes.
 Uma coisa pode ser causa eficiente de si própria?
Não, senão ela existiria antes de existir.
não pode ir ao infinito uma serie de causas eficientes.
tem q existir uma causa eficiente primeira pq senão não existiria as causas eficientes
intermediárias e nem as ultimas.
O aqui e agora.
*** Argumentos Demonstrativos.
3º VIA
Necessário (eterno) = o que existe sempre.
Possível (temporário) = o que não existe sempre (nasce e perece)
O que existe é só possível ou existe algo necessário?
é racionalmente demonstrável
se td é temporário (inclusive o td cosmo) houve um tempo q nd existia, nem o todo- definição.
Ora, é absurdo afirmar q existiu um tempo onde nada é porque as coisas existem.
Que é necessária ter algo q existiu desde sempre, e pode ser chamado de Deus.
não explica oq é essa coisa.
4º VIA
 na física medieval- o fogo era aquilo q mais quente (algo + ou -) existe.
o fogo do sol é mais quente do que de fósforo.
Ideia: + ou – fogo na medida em que se aproxima de um padrão.
um cachorro é mais q uma pedra.
é mais nobre
tem uma perfeição maior.
Se vc usa o termo mais ou menos para os entes, vc tem q ter um padrão para comparar
Se vc fala q um humano é mais que um cachorro deve existir algo sumamente nobre, do
contrário não tem sentido.
referencia implícita a algo sumamente perfeito
 Mais finito ou menos finito
falo de algo implicitamente q é finito.
suposição de um padrão com o qual se está comparando.
 Nobre  Nobre
Algo sumamente  perfeito Por outro lado  Perfeito
 infinito algo menos  Finito

 A comparação é real ou não?
 nós encontramos mas coisas mais ou menos bom( perfeito,verdadeiro, nobre)
 fato empírico: encontramos a diferença nessas coisas.
 se a cmparação é real, o Maximo tem q ser real.
 entao tem q existir algo que é sumamente perfeito
 mas não mostra oq é.
Presumindo:
Tem q existir 1 motor
1 causa eficiente
 algo necessário
 algo sumamente perfeito
um ordenador do mundo
não fala em nenhuma das vias o que é só fala em nomes genéricos
ele não unifica as argumentações
e ele não demonstra o Deus bíblico, mas não contradiz.
5º VIA
 Tudo se move em direção a um fim (verdade empírica Mem os corpos físicos(sem razão)
Ex: vc vê um alvo, e vê uma flecha indo p/ a mirra- a flecha tem racionalidade? Não.
 Alguém ou alguma coisa (racional) tem a intenção de fazer com q a flecha chega no alvo.
 Vc tem q postular q existe alguma coisa q tem a intenção de fazer o movimento do corpo.
necessidade de existir um ordenador senão é incompreensível a existência da ordem do mundo.
QUANTO AO 1º
 Deus permite a existência do mal porque como ele é sumamente poderoso consegue tirar do mal
algo melhor, o bem.
argumento de autoridade, deve-se dizer como Agostinho disse, não responde a objeção.
Como é compatível a existência do mal se Deus existe?
 teologia negativa- o Deus de T. de Aquino é negativo.
não pode dizer o q Deus é, só o que ele não é.
QUANTO AO 2º
 Necessita postular a existência de movimento(existência através das causas é necessária formular
o 1 motor.
 Ultima instancia deve se explicar a ideia de algo superior
 não fere o principio da economia, pq expolica a existência de algo é necessário.