REVISÃO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

1.1 OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS COM NÚMEROS INTEIROS
1.2 Adição:
343
Termos ou parcelas
343 + 57
+ 57
400
Soma ou Total
1.3

Subtração:

5 407 Minuendo

5407 - 258

1.4

Multiplicação:

327 . 32
fatores

1.5

- 258 Subtraendo
5 149 Resto, excesso ou diferença

327
x 32

1º fator: Multiplicando
2º fator: Multiplicador

654
981
10464

Produto

Divisão: 5 247 : 32
Dividendo(D)

Forma de apresentação:
327  32
327.32
(327)(32)

5247
32 divisor(d)
- 32
163 quociente(q)
204
Forma de apresentação:
192
5247  32
127
5247 : 32
96
5247 / 32
31 resto(r)

D= d.q+r
1.6 DIVISIBILIDADE
1.7 Definições:

Um número é divisível por outro, quando dividido por esse outro, não deixa resto.

Exemplo: 27 : 3 = 9 o resto é 0.

Um número é múltiplo de outro quando é divisível por esse outro. Exemplo: 50 é

múltiplo de 5.

Um número é divisor de outro quando o divide exatamente.

1.8Caracteres de divisibilidade mais comuns:
Um número é divisível por:

2 quando for par.
1

3 quando a soma de seus algarismos der um número divisível por 3. Ex. 78 912

somando 7+8+9+1+2=27 que é divisível por 3

5 quando terminar em 0 ou 5. Ex. 105 e 200

6 quando for divisível ao mesmo tempo por 2 e 3. Ex. 18

10 quando terminar em 0.

1.9 NÚMEROS PRIMOS
1.10 Definições:
Um número Primo é todo aquele que só é divisível por si e pela unidade. Ex. 5,23,43.
os
Obtem-se os n Primos através do CRIVO DE ERATÓSTENES.
1.11 Regra para reconhecer se um nº é primo:
os
Divide-se o número, sucessivamente, pelos n primos a partir do nº 2 e na ordem
crescente, até obter-se um quociente igual ou menor que o divisor. Se a divisão sempre
deixar resto, o nº é primo. Exemplo: Verificar se o nº 101 é primo.
Por 2, 3, 5 e 11 verificamos que não é divisível, pela aplicação direta dos caracteres de
divisibilidade; então, vamos dividi-lo sucessivamente por 7,13,17, etc...
101 7

1.12

1.13

101 13

07
14
mas 14>7 continua a dividir 91
31
28
3
Decomposição de um nº em fatores primos:
Exemplo: Decomponha o nº 120

7
10

como 7<13 o nº é primo

120 2
3
3
60 2
2
temos que: 120 = 2 .3.5
30 2
15 3
5 5
1
Números primos entre si:
São dois ou mais números que, decompostos em fatores primos não possuem fatores
comuns.
Exemplo: Verifique se 24 e 35 são primos entre si
24 2
12 2
6 2

2

3

3

temos que: 24 = 2 .3

2

3 .5 2 45 = 3 .45.3 3 1 os 2357 então os n são primos entre si. 5.5 2 60 = 2 .3.60 2 10.5 = 180 5. 5 3 5.30.15 3 logo o MMC é 2. 35 5 3 7 7 2 temos que: 35 = 5.3. 1.5 30 = 2. com os maiores expoentes. 1.15. 5 5 1.Exemplo: Achar o MMC(20.17 FRAÇÃO 1.3. 60) 20 2 10 2 5 5 1 30 2 15 3 5 5 1 45 3 15 3 5 5 1 60 30 15 5 1 2 2 3 5 2 20 = 2 .3.45. 30. 5.16 Obtenção do mmc: É o produto dos fatores comuns e não comuns. 1 180 1. 1.45.15.15.5 = 180 OU 20.5 2 2 logo o MMC é 2 .7 1 1.45.18 Fração ordinária: 3 Ex. : onde o 3 é o numerador e o 4 é o denominador 4 a) Fração própria é a que tem o numerador menor que o denominador 2 5 3 . 5.15 Definições: Mínimo Múltiplo Comum é o menor número que é divisível por dois ou mais números ao mesmo tempo.14 MMC 1.2.30 2 5.

b) Fração imprópria é a que tem o numerador maior que o denominador 7 6 1 5 ou 2 3 3 Observação: Se o denominador da fração é 10. 1. 1000 etc. O resto será o novo numerador (1). Exemplos: 2 5 2  5 10    3 7 3  7 21 3 2 3 6 1 2     1 5 1 5 5 5 3 3 5 15 1 5    2 7 7 1 7 7 3 11 3 33 1 2 3    8 4 4 1 4 4 2 1 5 7 35 8 1 2    3 3 3 3 3 9 9 b) Divisão (mantém a 1ª fração troca o sinal para multiplicação e inverte a 2ª fração depois multiplica numerador com numerador e multiplica denominador com denominador) 2 3 2 7 14     5 7 5 3 15 4 . Para achar o novo numerador: multiplica2 3  5  2 17 3   se o nº inteiro (3) pelo denominador(5) e 5 5 5 soma ao numerador(2).19 Transformação de fração imprópria em nº misto e vice-versa: 15 1 Será o denominador 2 a) 15 7 7 7 Será o número inteiro 14 2 1 Será o numerador Divide-se o numerador (15) pelo denominador (7). c) Número misto é a que tem uma parte inteira e outra fracionária 2 b) Número misto em fração imprópria: 1. Conserva o denominador(5) a) Multiplicação ( multiplica numerador com numerador e multiplica denominador com denominador). ela é chamada de Fração decimal 1.20 Operações com Frações: 2.. Conserva o denominador (7). O quociente será o nº inteiro (2). 100.

Exemplos: 1.1: 1.: 7.854 1. temos: Método prático 1º) Igualamos o números de casas decimais. 2º) Colocamos vírgula debaixo de vírgula.m. com o acréscimo de zeros.22 NÚMEROS DECIMAIS 1. Ex.8 + 0.c.038 Transformando em frações decimais.28 + 2.24 Operações com números decimais: a) ADIÇÃO Considere a seguinte adição: 1.1 2 1 2 3 6      6 3 1 3 1 1 1 2 1 2 1 2 5 10  2       10 1 5 1 5 1 1 1 5 2 2 3 2 1 2 3      7 7 1 7 3 21 1 11 3 11 1 11 2 3      5 5 1 5 3 15 2 3  25  21  2 5 3 1 3 5 15 c) Soma e Subtração ( Se os denominadores são iguais executa a operação nos numeradores. Se os denominadores são diferentes calcula o m.6 + 0.28 + 2.4 + 0.14 + 1.2: 3 1 2 9  1 8 2 1      4 12 3 12 12 6 3 1 4 Simplificação de Frações: Exemplo: 60 60  2 30 30  2 15 15  3 5       72 72  2 36 36  2 18 18  3 6 1.21 5 1 4   2 2 2 2 Ex. colocando a vírgula na soma alinhada com as demais.007 5 .038 35.6 + 0.75 + 47 6. para assemelhar as frações depois executa a operação nos numeradores) 2 Ex.23 Definição: é o número que tem vírgula. 3º) Efetuamos a adição.

Exemplos: 3. Exemplos: 3.5.b) SUBTRAÇÃO Considere a seguinte subtração: 3.2 . alinhada com as demais.987 c) MUTIPLICAÇÃO Considere a seguinte multiplicação: 3.146 9 . Colocamos a vírgula no resultado de modo que o número de casas decimais do produto seja igual à soma dos números de casas decimais do fatores.2.013 Observação: 6 .5 Transformando em fração decimal temos Método prático Multiplicamos os dois números decimais como se fossem naturais. colocando a vírgula na diferença.97 .013 17.2.5 1. 3º) Efetuamos a subtração.0. temos: Método prático 1º) Igualamos o números de casas decimais.49 · 2.49 · 2.97 .842 · 0. 2º) Colocamos vírgula debaixo de vírgula. com o acréscimo de zeros.013 Transformando em fração decimais.

Para se multiplicar um número decimal por 10.423 = 2..40 Suprimindo as vírgulas: 140 Logo. .05 Transformando em frações decimais. 100.8 = 5..000. Exemplo: 5 · 0... Exemplos:  Efetuando a divisão 1.05 = = 5% 1. o quociente de 1.. três. utilizamos o método prático da multiplicação. 3º) Efetuamos a divisão.05 Igualamos as casa decimais: 1.4 por 0. Exemplos: 3.05 é 28. temos: Método prático 1º) Igualamos o números de casas decimais.. Exemplos 0.17 = = 117% 5. duas. casas decimais. com o acréscimo de zeros. Nesse caso o número de casas decimais do produto é igual ao número de casas decimais do fator decimal.1.05 : 5 7 . basta deslocar a vírgula para a direita uma.4 : 0. : 0. Os números decimais podem ser transformados em porcentagens.115 2.4 : 0. Na multiplicação de um número natural por um número decimal. 1. 2º) Suprimimos as vírgulas.80 = = 580% d) DIVISÃO 1º: Divisão exata Considere a seguinte divisão: 1. .

Continuamos a divisão para determinar os centésimos acrescentando outro zero ao novo resto. Assim: Continuamos a divisão. Em algumas divisões.73 : 5 Efetuando a divisão Igualamos as casas decimais 0.6 é 2.000 Suprimindo as vírgulas 6.56 é exato. pois o resto é nulo. Exemplos: 8 .73 por 5 é 0.096 : 1. O quociente 2.73 : 5.56.000 Logo.096 : 1. uma vez que 896 unidades corresponde a 8. Nesse caso.015 é 400. o quociente de 6 por 0.146.015 : 15 Efetuando a divisão  4.6 Igualamos as casas decimais 4. o quociente de 4. o quociente de 0. Para a determinação dos décimos. colocamos uma vírgula no quociente e acrescentamos um zero resto.960 décimos. Logo. o acréscimo de um zero ao resto ainda não torna possível a divisão. devemos colocar um zero no quociente e acrescentar mais um zero ao resto.00 Suprimindo as vírgulas 73 : 500 Podemos prosseguir a divisão. obtemos: Logo. 6 : 0. Podemos prosseguir a divisão determinando a parte decimal do quociente. : 0.  0. uma vez que 960 décimos correspondem a 9600 centésimos.600 Suprimindo as vírgulas 4.096 : 1.096 por 1.600 Observe que na divisão acima o quociente inteiro é 2 e o resto corresponde a 896 unidades. colocando uma vírgula no quociente e acrescentamos um zero à direita do três.015 Igualamos as casas decimais Efetuando a divisão 6.

o quociente de 2. é menor que 24000 então acrescenta um zero no quociente e um 24000 73452 72000 3..300).0 24000 3. .3 Verifique 460 (décimos) é inferior ao divisor (2. 2..346 : 2.000.. Colocamos. Observação: Para se dividir um número decimal por 10.0605 9 . casas decimais.452 : 24 é igual a: 73452 : 24000 73452 72000 1452 73452 72000 14520 24000 3. um zero no quociente e acrescentamos mais um zero ao resto.02.3 é 1. basta deslocar a vírgula para a esquerda uma. 1. 100.060 145200 144000 12000 é menor que 24000 então acrescenta um zero no quociente e 73452 72000 145200 144000 1200 73452 72000 145200 144000 120000 120000 0 24000 3 24000 3. Exemplos:  73. duas. então. três.346 por 2. Logo.

3151515.15  100 37 0.53333 . seguidos de tantos zeros quantos forem os algarismos da parte nãoperiódica.1..28 Regras para resolução das expressões( seqüência das operações): 1º fazer as divisões 2º fazer as multiplicações 3º fazer as somas e subtrações 10 . 15  15 5  99 33 d) Geratriz de uma dízima periódica composta é a fração ordinária cujo numerador é a parte não periódica.. seguida de um período. = 0. 53  5 48 8 0. Representação: 0. menos a parte não-periódica. c) Geratriz de uma dízima periódica simples é uma fração ordinária que tem para numerador um período e para denominador.2: 2  2 : 5  0. e cujo denominador é um nº formado de tantos noves quantos forem os algarismos do período.037  1000 0.5  Ex. 0... Representação: 0.3 b) Exemplo de dízima periódica composta cujo período é 15 e cuja a parte não periódica é 3.    90 90 15 1.(3) = 0.3(15) =0. É composta porque o período não vem logo após a vírgula.27 EXPRESSÕES ARITMÉTICAS 1. = 0.3[15] = 0..[3]=0. tantos noves quantos são os algarismos do período.1: Ex.8 5 1.4 5 14  2.26 Geratriz e Dízimas periódicas: a) Exemplo de dízima periódica simples cujo período é 3..333. É simples porque o período vem logo após a vírgula.25 Conversão de nº decimal em fração decimal e de fração decimal em nº decimal: 5 10 215 2.315 Geratriz de uma dízima é a fração ordinária irredutível que dá origem à dízima.  7  7 9 0.

a =axa . 3 =1.: 2 =1 .   =1  6 1.: 2 =2 .30 POTÊNCIAS 1. colchetes e chaves.31 Definição: Potência de um número é o produto de fatores iguais a esse número. Deve se resolver sempre de dentro para fora isto é:  5   3  2  12  10  2  1  2  1º os parêntesis Ex. x =1. 1 =1x1x1x1x1 =1 .Ex. Ex.33 Expoente negativo ( Todo nº elevado a expoente negativo é igual a uma fração que tem para numerador a unidade e para denominador o próprio nº com expoente positivo 3 2  1 Exemplos:  2    3 1. Exemplo: Grau ou expoente da potência 3 2 =2 x 2 x 2 = 8 Base da potência 2 3 5 2 3 Exemplos:3 =3x3 =9 . s =sxsxs 1 1 Obs.: 3 x 2 + 10 : 5 – 3 = 3 x 2 + 2 – 3 = 6 + 2 – 3 = 5 1. 3 =3 2ª O expoente 2 é chamado de quadrado 3ª O expoente 3 é chamado de cubo 1. 0 0 0 0  5 Ex.:  5   3  2  12  5  1  2  2º os colchetes  5   3  2  8  2  3º as chaves  5   6  4   5  2  3 1. 5 =5x5x5 =125 .: 1ª Quando o expoente for 1 não se escreve.29 Regras para resolução das expressões quando houver parêntesis.34 1 32 a 1   2    3 1 3  2 2 3 1 1  a1 a 2  1  2    3 2  32 9  22 4 Operações com potências: a) Multiplicação de potências de mesma base Conserva-se a base e5 soma-se os expoentes 3 5  ( 3 ) 4 3 2 5 4  5 3  5 4 3  5 7 x x  x 4  1    2 3 2  1   2  43 x 3  1   2  5 5 7 x 23  1   2  5 1  1    2 5 x x 3 2  1   2  5 1 3 x 3  1   2  5 2  2  ( 3 )  1   2 5  11 .32 Expoente zero: Quando o expoente for ZERO o número será 1.

b) Multiplicação de potências semelhantes Multiplicam-se as bases e dá-se ao resultado o expoente 32  5 2  7 2   3  5  7   105 2 2 c) Divisão de potências de mesma base Conserva-se a base e subtraem-se os expoentes 55  53  55  3  5 2 x1  x 3  x13  x  2 2  1    2  1    2 3  1    2 2 3  1    2 1 2 55  53  55( 3)  553  58 x 1  x 3  x 13  x  4  1    2 d) 2  1    2 3  1    2  2  ( 3 )  1    2  23 1 1  1    2  2 Divisão de potências semelhantes Dividem-se as bases e dá-se ao resultado o expoente 63  23   6  2   33  27 3 e) Potência de potência Conserva-se a base e multiplicam-se os expoentes 5  2 3 f) 5 23  5  3125 6 Potência de fração ordinária Eleva-se cada termo( numerador e denominador à potência)  4    7 g) 3 2 a2  2 b Potência de produto  5  7  3 a h)  a    b 43  3 7 2 Eleva-se cada fator à potência 2  5 7 3 2  2 2 3  b 3  c  (a 2 ) 3  (b 3 ) 3  c 3  a 23  b 33  c 3  a 6b 9 c 3 Potência de nº decimal Transforma o nº decimal em fração decimal e eleva-se cada termo à potência 12 .

Exemplo: 81  2 81  9 f) Raiz cúbica é o resultado de um radical cujo índice é três. Índice ou grau é o nº ou a expressão algébrica que fica acima e à esquerda do sinal de radical. No exemplo é o nº5 Raiz é o resultado de um radical Raiz quadrada é o resultado de um radical cujo índice é dois.35 5  75 1005 Potência de ordem superior: 32 33 9 2 2 2 15 23 2 2 11111 23 2 1 23 3  2 2  2 222  28 1. seja igual ao primeiro. No exemplo é o nº12.  0. Exemplo: 3 1. Exemplos: 1  1 porque 12  1 16  4 porque 4 2  16 4  2 porque 22  4 81  9 9  3 porque 3 2  9 100  10 porque 9 2  81 porque 10 2  100 Raiz quadrada de frações ordinárias: a) 1º caso: Os dois termos são quadrados.37 Definições: a) radical é uma operação matemática que faz o uso do seguinte sinal que é chamado de radical 5 b) c) d) e) 12 Exemplo: radicando é o nº ou a expressão algébrica que fica dentro do sinal de radical. Extraí-se a raiz do numerador e a do denominador. O índice 2 não aparece no radical.07    7   100  5 1. Exemplo: 36 36 6 2    81 81 9 3 b) 2º caso: Só o denominador é quadrado.39 81  3 Raiz quadrada: Achar a raiz quadrada de um nº é obter outro nº que elevado ao quadrado. 5 5 5   49 7 49 13 .38 1.36 RADICAIS 1.

Exemplos: 7 3 57  5 3 2 9 9 4  4 1 3 27  2 3 27  1 42  1. só diferem nos coeficientes). desdobramos os expoentes. simplificar o expoente e retransformar em radical. 6 3 6 2 2  2 1  23  8 16 12  81 1. Exemplo: 5 53 15 15 15     12 12  3 36 6 36 1.c) 3º caso: O denominador não é quadrado. o numerador do expoente fracionário é o expoente do radicando.40 Transformação de radicais em potência e vice-versa: Todo radical é transformável numa potência de expoente fracionário cuja base é a própria base do radicando.43 12 16  12 81 12 ou 16  12 81 12 12 22  2 4 34  2 3 26  4 12 4 12  2 3 64  8 1 3 1 3  2    3 1 3  3 2 3 Soma e Subtração de radicais: IMPORTANTE! SÓ PODEMOS SOMAR E SUBTRAIR RADICAIS SEMELHANTES (são os que possuem o mesmo índice e o mesmo radicando.41 3 33  3 3 4 2 22  23  8 2 Passagem de um fator para fora ou para dentro do radical: Decompomos em fatores primos o coeficiente do radicando. usando as regras da potenciação e finalmente.42 Simplificação ou redução de radicais de mesmo índice: Basta transformar em potência de expoente fracionário. e o denominador é o índice do radical. depois.Exemplos: a) b) 3 2 5 2  2  2 2  4 2  7 2  3 2 243  675  2 12  3 2 3  3  5 3  2  2 3   9 3  15 3  4 3  2 3 14 . Exemplo: 2 3 25  81  32  2 3 3 1 4 5 5 2  3 4  25  5 3  3 3  2 3  3 2 2 1 2  5 3  3 3 x3 3  2 3  2 3  5 3  31 x3 3  21  2 3  2 1 2  31 x 21  5 3  3 3  2 3  3  2  3 5 2  3   6  3 25  3  6  3 75 1. transformamos o radical em potências de expoentes fracionários. Substituir a fração por outra equivalente cujo denominador é quadrado e recai no 2º caso. retransformamos as potências de expoentes fracionários em radical.

eleva-se somente o radicando.47 2 2  2   2  22   2  2  422 Divisão de radicais: REGRA: Só podemos dividir radicais de mesmo índice. mais o quadrado do 2º 2  2  2  22  2  2  2   2 2  44 2 2 64 2 REGRA: o quadrado do 1º. Exemplos:  1. reduzimos ao mesmo índice e recai no caso acima. menos 2 vezes o 1º pelo 2º . 1 3 2 1 3 2  3  2 3  3 2  2 6  3 6  6 22  6 33   6 2 2  3 3  6 4  27  6 108 1.48 4 3 1. Multiplique o numerador e o denominador pelo radical. Conserva-se o índice e dividemse os radicandos.45 Potenciação de radicais: Para elevar um radical a uma potência. Exemplos: a) 6 15  6 3  6 15  3  6 5 3 2  3 b) c) 2 2 6 22 6   33 3 2  3 2  6 6   4  27   3 2 3 2 6  4 27  2 3 2 3  3  2 2  3   2  44 3 3 74 3  74 3 43 1 Radiciação de radicais REGRA: Conserva-se o radicando e multiplicam-se os índices.44 Multiplicação de radicais: IMPORTANTE! SÓ PODEMOS MULTIPLICAR RADICAIS DE MESMO ÍNDICE. Exemplo: 15 .46 3  3  33  3  3 3 3 Produtos notáveis de expressões irracionais: REGRA: o quadrado do 1º. Conserva-se o índice e multiplicam-se os radicandos.1. Exemplo:  1. mais o quadrado do 2º 2  2   22  2  2  2   2 2  44 2 264 2 REGRA: o quadrado do 1º menos o quadrado do 2º 2  1. 3 23 3  23  3 3 6 Quando os índices forem diferentes. mais 2 vezes o 1º pelo 2º .49 2  9 27  3 8 2 9 2  27  6 3  2 2  33  6 3 4  33  6 37  3  6 3  3 6 3 Racionalização dos denominadores 1º caso: O denominador é um radical.

5. e cujo radicando seja constituído da mesma base do radicando primitivo.. Multiplique o numerador e o denominador por um radical tal que tenha o índice igual ao radical dado. Exemplo: 1 1 3 2 3 2 3 2 3 2      2 92 7 3 2 3 2 3 2 32  2   1. Multiplique o numerador e o denominador pela expressão conjugada do denominador. Exemplo: 2 5 32  2 5 32  5 33 5 33  2. 3  3. da Divisão e da Fração Ordinária.50 NÚMEROS RELATIVOS 1. etc. 3 2.  5  2  3  7  2  5  8  3  1  9  3  6  15  2  2  10  17  12  5 os 2ª) Da multiplicação de dois n . 5 . precedido do sinal(+) ou do sinal (-).52 Regra dos sinais os 1ª) Da adição ou subtração de n relativos.51 Definições a) Número relativo é um nº aritmético. 7 7  5  5.  3 2  3 2 c) Números simétricos são números relativos de mesmo valor absoluto. mais sinais diferentes  3 e  3. depois subtrai-se os resultados com o nº maior menos o nº menor.3  2 3 2 3 2 3 2   2 2 2 2 2   2º caso: O denominador é um radical de grau superior a 2.5 3 3 5 3 2.  3 3  . soma-se todos os n negativos e coloca o sinal .5 3 3 3 3º caso: O denominador é uma expressão irracional. 7 b) Valor absoluto ou módulo de um número relativo é o próprio número sem o sinal  3  3.  5  5. . SINAIS IGUAISResultado (+) SINAIS DIFERENTESResultado (-) Exemplos: 16 . e finalmente coloca o sinal do nº maior. os os Soma-se todos os n positivos e coloca o sinal +.  2 2 e  . 7 7  8 e  8 1.3 3  2. elevado a um expoente igual a diferença entre o índice e o expoente do radicando inicial.

e o nº3 é impar logo o sinal será negativo e 1. Se a contagem der par o resultado será (+) e se for ímpar o resultado será (-). em álgebra às operações de soma e subtração.54 Definições a) Expressão algébrica (EA) é uma reunião de letras.  3     2  6   3     2  6   20     5   4   20     5   4   3     2  6   3     2  6   20     5   4   20     5   4  20  5 4  20  5 4  20  5 4  20  5 4 os 3ª) Da multiplicação de vários n relativos.2. .  (ab  a 2b 2 )  1  2ab  8  ab  a 2b 2  1  2ab  8  a 2b 2  ab  9 d) Polinômio (P.3=30) os 4ª) Da potenciação de n relativos os Potência de n relativos (+)será sempre POSITIVA se o expoente for ÍMPAR   2 3  8.2.1. feitas simultaneamente.5.1. Contam-se os fatores negativos. Exemplo:  ab  a 2b 2  1  2ab  8  a 2b 2  ab  9 Observe que quando existir um sinal negativo antes do parêntesis o sinal dos termos dentro do parêntesis muda. só possui um termo. Depois multiplicam-se os valores absolutos.   1   2   1   5   3   30 (são 3 os nos que são negativos. e o nº4 é par logo o sinal será positivo e 1. 2 17 .3=30)   1   2   1   5    3  30 (são 4 os nos que são negativos. ou letras e números.53 EXPRESSÕES ALGÉBRICAS 1. Exemplo: c) Soma algébrica de termos semelhantes é o nome que se dá. os quais denomina-se termos do polinômio. Exemplo: a 2b  ab  a 2b 2  1 2 a b b) Monômio é a EA mais simples. ligados por sinais de operação.) é a soma algébrica de 2 ou mais monômios. Um dos termos também pode ser um número.5. Exemplo: at 2 s  vt 2  2t s  vt  .   2 2  4 os Potência de n relativos (-) será sempre: POSITIVA se o expoente for PAR   2  2  4 será sempre NEGATIVA   2 3  8 1.

2 c) 2t+2t-8-4=0 2t  2t  8  4  0 2t  2t  8  0 4t  8 8 t 2 4 e)-2t+8-2t=0  2t  8  2t  0  2t  2t  8  4t  8  1 4t  8 8 t 2 4 4t  12  0 4t  12 t  f) -2t+8-2t+4=0 2t  8 8 t2   4 2 t  4  2 2 g) 2t=0  2t  8  2t  4  0  2t  2t  8  4  4t  12  1 4t  12 12 t 3 4 Exemplos equações 2º grau: 2 2 a) 2t –8=0 b) 2t –8=0 2t 2  8  0 12 3 4 2t 2  8  0 2t  0 0 t  0 2 c) 2 2t =0 2t  t  4   0 2t 2  0 0 0 2 t 4 0t  4 t2  2t  0  t  0 0 2 18 . Exemplo: 5 t 4  2t 2  2  5 t 4  0 t 3  2t 2  0 t  2 1. Quando as potencias de determinada letra de um polinômio(desde a de expoente mais baixo até a de expoente mais elevado) não os seguem a ordem natural dos n inteiros. Exemplo: Coloque em ordem crescente ( ordenatriz t) at 2 at 2 s  vt  s  vt  2 2 5 t  6  8 t 2  6  5 t  8 t 2 f) Completar um polinômio.e) Ordenar Polinômio é dispor todos os seus termos de tal forma que os expoentes de uma mesma letra desse polinômio cresçam ou decresçam ( ordem crescente ou decrescente).55 Exemplos equações 1º grau: a) 2t-8=0 b) 2t-8+2t=0 2t  8  0 2t  8 8 t 4 2 d) -2t+8=0  2t  8  0  2t  8  1 2t  8 8 t 4 2 5. diz-se que o polinômio está INCOMPLETO.

01 = 1/100 e 1/100 = 1/10² e 0 1 1. c  6   b 2  4ac  5 2  4  1  6  25  24  1 b     5   2a 21 51 6 t  3 2 2 5 1 4 t  2 2 2 1 t  51 2 1 – TRANSFORMAÇÕES: 1.Medidas de Área(no SI = MKS): 6 4 x10 x10 2 2 2 2 a) Km m b) m cm -6 -4 x10 x10 Km mm 6 c) m 2 dm cm 2 x10 2 mm -6 x10 2 2 mm 1 0 0 0 0 0 0 0.2 .1 . 0 0 0 0 0 1 19 .2 d) t –5t+6=0 t 2  5t  6  0 a  1. 0 0 0 0 mm 2 a) 2 hm 2 dam 2 m Lembre-se que: 0.Medidas de Comprimento(no SI = MKS): x 10³ a) Km x 10² m b) m X 10¯³ a) x 10³ cm c) m x 10¯² Km hm dam m 1 0. 0 0 0 0 0 1 b) c) x 10¯³ dm cm 1 0. 0 0 0 1 1 0. b  -5.

0 0 0 0 ml Lembre-se que: 0.Medidas de Massa: 20 .b) 1 0 0 0 0 0.Medidas de Volume (no SI = MKS): 9 3 x10 x10 3 3 3 3 a) Km m b) m dm -9 -3 x10 x10 3 Km 3 hm 3 dam m 9 x10 3 3 c) m mm -9 x10 3 3 dm cm 3 3 mm 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 a) 0. 0 0 0 1 1 0. 0 0 0 1 c) 1 0 0 0 0 0 0 0. 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 b) 0.4 . 0 0 0 0 0 1 1. 0 0 0 0 0 0 0 0 1 Outras Medidas de Volume 3 -3 3 1l (um litro) = 1 dm = 10 m x 10³ a) Kl x 10² l b) l X 10¯³ a) x 10³ cl c) l x 10¯² Kl hl dal l 1 0. 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 c) 0. 0 0 0 0 0 1 b) c) ml x 10¯³ dl cl 1 0.3 .01 = 1/100 e 1/100 = 1/10² 0 1 e 1.

440min 3. 0 0 0 0 0 1 b) c) mg x 10¯³ dg cg 1 0.5 .6 3 .600s = 86.Conversão de Unidades (só para velocidade) Para se passar de Km/h para m/s : 3. 0 0 0 0 mg Lembre-se que: 0.6 A 2 21 . 0 0 0 1 1 0.Elementos de Trigonometria B Cateto oposto Hipotenusa C CB =  Cateto adjacente 2 CA + BA mutiplica-se por 3.6 m/s Para se passar de m/s para Km/h x 3.400s x 60 b) hora min : 60 x 60 c) min s : 60 O mês adotar 30 dias O ano adotar 365 dias 2 .6 Km / h divide-se por 3.Medidas de Tempo 1dia 1h 1min = 24h = 60min = 60s x 24 a) dia hora : 24 = = 1.01 = 1/100 e 1/100 = 1/10² 0 1 e 1.x 10³ a) Kg x 10² g b) g X 10¯³ a) x 10³ cg c) g x 10¯² Kg hg dag g 1 0.

c EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE MATEMÁTICA 1) Efetue as operações a) 17 : 8 b) 70 : 1.4 l) 0.4 d) 3.BA = CA tg tg = BA /CA BA = CB sen sen = BA/CB CA = CB cos cos = CA/CB 4 – Áreas Retângulo Triângulo Trapézio b1 h l1 l2 b A= l1 x l2 A= Círculo h xb 2 h b2 A= (b1 + b2 ) x h Quadrado r Losango D l 2 A=  .3 f) 1.24 : 0.1 h) 4. d A= 2 5 – Volumes Cilindro Cubo r Paralelepípedo b a h a a c a V  .r .687 : 4.h 2 V  a3 V  a .1 j) 0.118 : 8.98 : 0.7 : 3.0072 : 0.51 22 .06 : 34 g) 34.92 : 1.b .09 i) 34.2 k) 19.7 : 3. r l 2 A = l x l=l d D.44 : 5.16 o) 16.0096 : 0.18 m) 30.4 c) 48 : 2.14 n) 0.76 : 3.3 e) 78.

: 2 1 Resp.92 : 1.p) 264 : 75 q) 78.:   2 Resp.7 : 3.: a1=0 e a2= 1 1 5 23 .:   3 2 3  4 5 3 2  3  5 Resp.: m1=0 e m2= 5 x2  2  3x  1 2 Resp.1    1  2 47 2 1 45 45 1 Resp.: t1=0 e t2=8 Resp.3 r) 1.: 5 3 pelo quadrado de a b c 3 2 Resp.06 : 34 s) 34.: 2  3  53  2 3 5  3 5  2 j) 2 k) 30  32  15  3 l)    4 3 1 236 Resp.: x1=0 e x2=6 p) 5a2  6  2a  2 q) 3 1 3 c7 b Resp.: n) t 2  8t  0 o) 5m 2  3m  0 3 Resp.: 1 1 b) 3  2 3   3  2  4  12  2    a  b  c c) a  b  c  2 2 d) 4 b 3 2 a 3    3   a 5b 9 Resp.: 1 6 Resp.1 2) Resolva:  5 1 2  a) 3   9  3  9  0.: 2 2 4  32  5 6 Resp.:0 3   23 2  3  3 h)      i) 1 36 Resp.: 9 0 3  2 21    2  7 m) Divida o cubo de a bc 2 Resp.:2 f)   2    3    2 3    1 2    2 g)    2    2 3 2    2 96 3 Resp.: c2 1 2 3 2 1584 0 e) 2  0  3 8 3 Resp.

7  4  0.: b1=+2 e b2=-2 4t 2  25  0 Resp.064 d) (Fac.:2 c) 2 1 3 2  3 2 2 1  4) Resolva: a) 3 8a  5 2a  2 32a  128a  b) 4a 2  8ab  4b 2  Resp.5 ) : 16.8 .5  0.: t1= e t2= 5x 2  0 Resp. obtém-se : 0.01 é: 0.: x1=5 e x2=-3 2 5 b  20  0 t) u) Resp.012 + 1.: 1 7 4a 2  6ab  d) 8a 2  18b 2 Resp.: E  1 2 2n  4  2  2n b) E  2  2n  3 Resp.8 é b) (Fac.SP ) O valor de 0.: t1= 3 e t2=  13 5 3) Calcule e Simplifique: 2 n 2  2 n 3  2n1 Resp.SP ) O valor de 0.008 é: e) (MACK .: t1= 2 t t 6  0 v) w) 5 5  2= e t 2 2 Resp.: a 2a  3b e) x  2 x  1  x  2 x  1  Resp.: E  7 8 a) E  Resp.: t1= 4 e t2= 9 36t 2  13t  1  0 x)  t  2    t  3  15 2 y)  2 Resp.: 2a Resp.2 24 .s)  x  5    x  3  0 Resp.0045 é : c) (UFRN ) Simplificando a expressão ( 0. Oswaldo Cruz .SP ) O valor de 315 : 0.012 + 1. Objetivo .: t1=3 e t2=-2 1 1 Resp.: x1=0 e x2=0 1 t2 z) 2t  19  t  2 2 Resp.: 2 a  b  5) Questões de vestibular: a) (UFAL ) O valor da expressão ( 0.2  0.5 ) : 16.

25 .