DIREITO CONSTITUCIONAL - PROF.

FÁBIO
RAMOS

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS

TRFs
Art. 109
JF

Regra: competências residuais
(Ex.: art. 109, I – ações: em que
Soc.Econ.Mista federal seja parte;
de falências; acidentárias contra a
União – Inss; entre outras)
Competências do TJ: art. 29, X;
96, III e 125, § 2º + Const. Estadual

TRTs

JT

Arts. 113 e 114
Causas
trabalhistas
(regidas por
contrato de
trabalho, excluídos
os estatutários)

TSE
JUSTIÇA ELEITORAL

Art. 108

JUSTIÇA TRABALHISTA

JD

TST
JUSTIÇA FEDERAL

JUSTIÇA ESTADUAL

STJ

TJs

Guardião da Constituição e
arts. 102 e 103 da CF
(lista taxativa)

STF

TREs

JE/JE

Art. 121
Causas
eleitorais
definidas
em lei

JUSTIÇA MILITAR FEDERAL

Guardião do ordenamento
jurídico federal e art. 105 da CF
(lista taxativa)

STM

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS
STF

Originárias – 102, I
Recurso Ordinário (RO) – 102, II
Recurso Extraordinário (RE) – 102, III

STJ

Originárias – 105, I
Recurso Ordinário (RO) – 105, II
Recurso Especial (REsp) – 105, III 

As competências do STF dividem-se em originárias e recursais.
As competências originárias são aquelas em que a causa será examinada em
primeira instância, ou seja, o processo terá início diretamente no STF (art. 102, I)
As competências recursais são aquelas nas quais o STF reexaminará matéria já
analisada por outro juízo ou tribunal. Dividem-se em ordinária e extraordinária,
previstas no art. 102 incisos II e III, respectivamente.

JA/CJ

Art. 124
Crimes militares
definidos em lei

(Lei 8.457/92 e
CPM - DL 1001/69)
(L 4.737/65.) Militares da Marinha,
Exército e Aeronáutica

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS 

As competências do STJ dividem-se em originárias e recursais.
As competências originárias são aquelas em que o STJ analisará a causa em
primeira instância (art. 105, I).
As competências recursais são aquelas nas quais o STJ reapreciará matéria já
examinada por outro juízo ou tribunal. Dividem-se em ordinária e especial,
previstas no art. 105 incisos II e III, respectivamente.
Cuidado para não confundir o RE,
RE, que só cabe ao STF julgar (como guardião da
REsp,, que só cabe ao STJ julgar (como guardião do direito federal).
CF), com o REsp

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS

STF: Recurso Extraordinário – art. 102, III e § 3º, CF

STJ: Recurso Especial – art. 105, III, CF

1) Conceito – mecanismo processual que viabiliza a análise, pelo STF, de

1) Conceito – mecanismo processual que viabiliza a análise, pelo STJ, de
questões legal envolvendo direito federal em determinados casos concretos.

questões constitucionais de determinados casos concretos.

2) Requisitos de admissibilidade
a) Descabimento de recurso ordinário na justiça de origem (Súm. 281, STF);
b) Prequestionamento – a questão constitucional deve ter sido ventilada no
acórdão recorrido (Súm. 282 e 356, STF);
c) Ofensa direta/frontal à Constituição, e não indireta/reflexa (Súm. 636, STF);
d) Repercussão Geral (art. 102, § 3º e Lei 11.418/06): 
No RE o recorrente deverá demonstrar a repercussão geral das questões
constitucionais discutidas no caso, nos termos da lei, a fim de que o STF, com
exclusividade, examine a admissão do recurso, somente podendo recusá-lo
por 2/3 de seus membros (8 Ministros). 
Para efeito da repercussão geral, será considerada a existência, ou não, de
questões relevantes do ponto de vista econômico, político, social ou jurídico,
que ultrapassem os interesses subjetivos da causa. 
Haverá repercussão geral sempre que o recurso impugnar decisão contrária
a súmula ou jurisprudência dominante do Tribunal.

Email: prof.fabioramos@hotmail.com

2) Requisitos de admissibilidade
a) Descabimento de recurso ordinário na justiça de origem (Súm. 287, STJ);
b) Prequestionamento – a questão constitucional deve ter sido ventilada no
acórdão recorrido (Súm. 211, STJ);
c) Ofensa à lei federal ou a tratado internacional.

3) Súmulas importantes: 
A divergência entre julgados do mesmo Tribunal não enseja recurso
especial (Súm. 13, STJ); 
Não se conhece do recurso especial pela divergência, quando a orientação
do Tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida (Súm. 83, STJ); 
Não cabe recurso especial contra decisão proferida por órgão de segundo
grau dos Juizados Especiais (Súm. 203, STJ).

1

DIREITO CONSTITUCIONAL - PROF. FÁBIO
RAMOS

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS
RECURSO EXTRAORDINÁRIO X RECURSO ESPECIAL

competência:
STF

RE

STF

RE

decisão julgou válida:
CF X

lei local (E, DF, M)

competência:
X lei federal

CF X ato de governo local X lei federal

RE
REsp

STF
STJ

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS

Membros do MP – Quem julga?
PGR

Crime Comum  STF
Crime Responsab.  Senado Federal

Membro

que oficie perante tribunais  STJ

do

(nos crimes comuns e de responsab.)

MPU

demais membros do MPU  TRF
(nos crimes comuns e de responsab.)

Membro
do

MPE

Crime Comum / Responsab.  TJ

Email: prof.fabioramos@hotmail.com

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS
Competência
LITÍGIO (CONFLITO)
ESTADO
ESTRANGEIRO
ou
ORGANISMO
INTERNACIONAL

UNIÃO,
ESTADO,
DF ou
TERRITÓRIO

ESTADO
ESTRANGEIRO
ou
ORGANISMO
INTERNACIONAL

MUNICÍPIO
ou PESSOA
domiciliada ou
residente no
Brasil

originária

em R.O.

STF

-

(art. 102, I, “e”)

JUIZ
FEDERAL

STJ

(art.109, II)

(art.105,
II, “c”)

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS
Autoridade::
Autoridade
Ministros de
Estado ou
Comandantes
da Marinha,
Exército e
Aeronáutica

Quem julga:
julga:
Crime Comum  STF
Crime de Responsab.(em regra!)  STF
Crime de Resp. conexo c/ Pres. Rep. ou
com o Vice-Pres.  Senado Federal
Pacientes em HC  STF
Coatores em HC  STJ
“Coatores” em HD ou MS*  STJ

*Importante
Importante: “O Superior Tribunal de Justiça é incompetente para processar e
julgar, originalmente, mandado de segurança contra ato de órgão colegiado
presidido por Ministro de Estado.” (Súm. 177 - STJ). Neste caso, a
competência originária é da Justiça Federal de 1º grau.

AdvogadoGeral da União

Crime Comum  STF
Crime de Responsab.  Senado Federal

2

DIREITO CONSTITUCIONAL - PROF. FÁBIO
RAMOS

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS 
REGRAS GERAIS DE COMPETÊNCIA: 
Ação rescisória 
Revisão criminal 
Mandado de Segurança 
Habeas Data 

contra ato de Juiz, quem julga é o
Tribunal imediatamente acima dele 
contra ato de Tribunal, quem
julga é o próprio Tribunal. 

Habeas Corpus  contra Juiz ou Tribunal, quem julga é o Tribunal
imediatamente acima dele.
"A jurisprudência desta Casa de Justiça firmou a orientação de que, em regra, a
competência para o julgamento de habeas corpus contra ato de autoridade é do
Tribunal a que couber a apreciação da ação penal contra essa mesma
autoridade”. (STF, RE 141.209) 

Ação Popular 
Ações Civis
em geral

contra ato de qualquer autoridade, até mesmo do
Presidente da República, é, via de regra, do juízo
competente de primeiro grau.

CONFLITO DE COMPETÊNCIA

CONFLITO DE COMPETÊNCIA
Positivo  dois ou mais órgãos consideram-se competentes para julgar a causa
Negativa  nenhum órgão considera-se competente para julgar a causa
Alguns órgãos jurisdicionais são
escalonados verticalmente, havendo
hierarquia de jurisdição e, portanto,
os “conflitos” entre eles não se
tratam de “conflitos de competência”,
mas sim de hierarquia de jurisdição.

STF
STJ
TJs
JD

TST

TRFs TRTs
JF

JT

TSE

STM

TREs
JE

JM

Assim, por exemplo num “conflito” entre o STF e qualquer outro órgão, caberá
àquele decidir quem será competente para julgar a causa.
Conflitos e órgão com hierarquia de jurisdição que os resolverá:
STF X ?  STF

TST X TRT ou JT  TST

STJ X TJ ou JD  STJ

TRT X JT  TRT

STJ X TRF ou JF  STJ

TSE X TRE ou JE  TSE

TJ X JD  TJ

TRE X JE  TRE

TRF X JF  TRF

STM X JM  STM

PODER JUDICIÁRIO – COMPETÊNCIAS

Havendo um conflito de competência,
quem será competente para julgájulgá-lo?

Art. 102, I, “f” – Conflito de competência entre MPs

A competência para resolver o conflito será do “órgão de convergência”.
Exceção:: Se o órgão de convergência for o STF e, no conflito de competência,
Exceção
não estiver envolvido nenhum Tribunal Superior, a competência para resolver
o conflito será do STJ. 

Compete ao Supremo Tribunal Federal dirimir conflito de
atribuição entre representantes do Ministério Público de
Estados diversos, ou entre representantes do MPE e do MPU.

Exemplos da regra:
TRT X TRT  TST / JT X JT  TRT
Trib. Sup. X Trib. Sup.  STF
JT(RJ) X JT(SP)  TST
STJ X TRT, TRE, JT, JE, JM  STF
TRE X TRE  TSE / JE X JE  TRE
TST X TJ, TRF, TRE, JD, JF, JE, JM  STF
JE(RJ) X JE(SP)  TSE
TSE X TJ, TRF, TRT, JD, JF, JT, JM  STF
JM X JM  STM / CJM X CJM  STM
STM X Trib. 2º grau, JD, JF, JT, JE  STF
TJ X TJ  STJ / TRF X TRF  STJ
Exemplos das EXCEÇÕES:
TJ X JF  STJ / TRF X JD  STJ
TJ X TRT, TRE, JT, JE, JM  STJ
TRF X TRT, TRE, JT, JE, JM  STJ
JD X JF  STJ
TRT X TJ, TRF, TRE, JD, JF, JE, JM  STJ
JD X JD  TJ / JF X JF  TRF
TRE X TJ, TRF, TRT, JD, JF, JT, JM  STJ
JD(RJ) X JD(SP) STJ
JD ou JF X JT, JE, JM  STJ
JF(RJ) X JF(SP) STJ
JT X JE, JM  STJ / JE X JM  STJ

Email: prof.fabioramos@hotmail.com

STF: “1. Trata-se de conflito negativo de atribuições entre órgãos de atuação
do Ministério Público de Estados-membros a respeito dos fatos constantes
de inquérito policial. 2. O conflito negativo de atribuição se instaurou entre
Ministérios Públicos de Estados-membros diversos. 3. Com fundamento no
art. 102, I, f, da Constituição da República, deve ser conhecido o presente
conflito de atribuição entre os membros do Ministério Público dos Estados
de São Paulo e do Rio de Janeiro diante da competência do Supremo
Tribunal Federal para julgar conflito entre órgãos de Estados-membros
diversos” (ACO 889, Rel. Min. Ellen Gracie, em 11-9-08, DJE de 28-11-08)

3