SÍNTESE, A ESTRUTURA CRISTALINA E A CARACTERIZAÇÃO DE TRÊS NOVOS

COBRE
COMPLEXOS
DE
LEVOFLOXACINA.
ESTUDO
DAS
SUAS
PROPRIEDADES DE LIGAÇÃO DE DNA E AS ATIVIDADES BIOLÓGICAS
abstrato
Três novos complexos de cobre (II) da droga antibacteriana levofloxacina (LVX), na
presença ou ausência de ligantes heterocíclicos, tais como 1,10-fenantrolina e 2,2bipiridina, têm sido sintetizados e totalmente caracterizado. A interacção de cobre (II),
com o ligantes desprotonada LVX revela que LVX coordenado ao átomo de cobre
através da piridona e um carboxilato de oxigénio. No caso de o ligante misto
complexos do átomo de Cu é coordenado com dois átomos de LVX e ligante com dois
átomos de N do hetero-ligantes. De acordo com nossos resultados a formação de
dímeros é uma característica típica de quase todos eles. A presença de dímeros na
estrutura cristalina, também está evidente nos espectros de EPR e este método pode
ser utilizado como uma sonda para a existência de tais espécies. Uma característica
importante da estrutura é a interação intra e inter-empilhamento de dímero que rege a
embalagem de complexos na estrutura. Os compostos sintetizados foram avaliados
biologicamente. Todos os complexos mostram um aumento da actividade biológica em
comparação com o ligante livre.

1 Introdução
Sabe-se que a atividade biológica de muitos fármacos incluindo moléculas de
quinolona depende de sua química de coordenação com diferentes iões metálicos
[1,2]. O mecanismo proposto de acção dos quinolones é baseado na inibição de duas
enzimas bacterianas: de DNA girase (topoisomerase II) e a topoisomerase IV.
Topoisomer de DNA-ase II desempenha um papel crucial na replicação do ADN e de
quebra do ADN levando à morte celular [3]. O primeiro análogo de quinolona a família
é o ácido nalidíxico [4] .Em Para optimizar a eficácia das quinolonas, modificação
química em estrutura de ácido 'nalidixics apresenta um espectro de novo, mais
agentes anti-bacterianos de quinolona potente [5]. LVX (LVX), um novo Representante
da quinolona, é o isómero mais potente (isómero-S) de ofloxacina mistura racémica e
apresentar uma actividade antibac-terial exercem espectro contra bactérias grampositivas e gram-negativas como a bem como contra organismos atípicos [6]. Muitos
estudos demonstram que o análogo S-ofloxacina, LVX, é o mais potente, em contraste
com o isómero R, ofloxacina. Em uma série de estudos da literatura são os homensnado que a afinidade de ligação S-ofloxacina de cadeia dupla de DNA bezerro-timo
(CT-DNA) é quase cinco vezes mais potente que outros isómeros conhecidos [7]. Com
relação à atividade antibacteriana de LVX é interessados, é quatro vezes mais ativo do
que ofloxacina é contra uma variedade organismos de micro. Vale ressaltar que LVX é
64 vezes mais ativa do que a ciprofloxacina againstStaphylococcus aureus (resistente
à meticilina tensão) e oito vezes contra Acinetobacter spp, devido ao facto de inibir a
ofStreptococciproliferation 90%. Em contraste com os resultados acima mencionados,
LVX é duplo menos ativa do que a ciprofloxacina aeruginosa against Enterobacteria
ceaeand Pseudomo-nas [8] (seeScheme 1).

O cobre é o metal mais estudado entre todos os metais de transição íons. Ele exibe
acção bioquímica considerável tanto para ligação albuminas e outros ou proteínas de
ligação de ligantes que formam complexos que interagem com as biomoléculas, tais
como ácidos nucleicos. O principal interesse em complexos de cobre é decorrente de
seu potencial utilizar como antiviral, antimicrobiano anti-inflamatória, anti-tumoral e
como inibidores da enzima. Por exemplo, numerosas são os com-plexos de cobre de
AINEs que exercem reforçada anti-inflamatória e actividade anti-ulcerogénica em
conjunto com gastrointestinal reduzida toxicidade em comparação com o ligante livre.
Muitos são os estudos que focaram as propriedades quimioterapêuticos de cobre complexos, bem como na sua actividade anti-viral e anti-bacteriana [9-12]. Hoje, alguns
artigos têm sido relatados, relativa à coordenação propriedades de LVX, em contraste
com ofloxacina [13]. Macias e colegas de trabalho apresentaram um complexo de
cobre de ofloxacina com um pirâmide levemente distorcida quadrado base [14]. Por
outro lado, Zivec et al. refere um estudo completo sobre um complexo de valência
mista cobre oflox-ACIN e suas propriedades biológicas [15]. Além disso, um relatório
recente descreve um estudo comparativo de uma ternário misturado complexo de
cobre de LVX com fenantrolina [16] e bipiridil amina (BPA) [17]. Com base na
literatura, os complexos quinolonas inter-agir com de DNA de três maneiras diferentes:
(1) ligação groove, (2) ligam-ing para grupos fosfato e (3) intercalação. estes
obrigatório Modos de concretizar o efeito citotóxico. Em um estudo comparativo, da
complexos de cobre ternários de ofloxacina e LVX com linha fenantro, verificou-se que
o segundo complexo tem actividade antiprolifer-operatória melhor do que a ofloxacina
um [13]. Estes dados nos levou a mais estudo ambos química e actividade biológica
de um único quanto bem como dos dois complexos de cobre misturado com um de
LUX bipiridina e um com fenantrolina. Com o objetivo de comparar, por um entregar a
estrutura de cobre complexos LVX com outras quinolonas complexos e, por outro lado,
a sua actividade biológica que syn-thesized e totalmente caracterizados em complexos
de cobre LVX a pres-presença ou ausência de ligandos heterocíclicos. Segundo a
literatura, quinolonas complexos de cobre com fenantrolina e bipiridina apresentam um
efeito sinergético na sua antibacteriana e citotóxica atividade [18,19].
Relata-se a síntese e caracterização de dois novos complexos de cobre de LUX, um
único numa proporção 1: 2 e uma misturada usando ligando bipiridina heterocíclico.
Cobre LVX com-plexo com fenantrolina é sintetizado de uma forma com análogos o
bipiridina um, com objetivo de comparar a sinergética phenome-non em sua atividade
biológica. Para a caracterização destas compostos das seguintes técnicas
espectroscópicas e analíticos foram empregados: As análises elementares, termo
gravimétrica (TGA) análise, IR, EPR, espectroscopia UV-Vis, e cristalografia de raios X
bem. Também avaliamos a sua atividade antimicrobiana, contra três diferentes
microrganismos E. coli, S. aureus e Ps. aeruginosa por determinação da CIM.
Propriedades de ligação de ADN de timo de vitela dos complexos foram investigados
utilizando titulação absorção e técnicas de temperatura de fusão de DNA. Também
avaliamos o cobre complexos de estabilidade em fluidos corporais simulados (SBF a
10% em PBS 10 mM) e a sua actividade anti-cancerígena contra células MCF-7, linha
celular de cancro da mama.

2. Experimental

14 mmol) em metanol (5 ml) foi adicionado a uma solução de 2. vasym1617 (C @ O). 2. 0. A solução resultante foi agitada durante meia hora. Calc.0 mg. H.2-bipiridina (bipy) (21.9 mg. Síntese de {[Cu2 (LVX) 4] /1.37) . durante pelo menos três horas. N. Arrefecimento da amostra foi realizada com um sistema de fluxo de líquido com azoto (T = 120 K). Um produto amorfo fino de cor verde foi obtido.8CuF2N6O10. MP Hendrich.69.14 mmol) em metanol (5 ml). Bandas selecionadas: IV (KBr) vmax3421 (OH). enquanto se aquece. Soluções de ADN foram preparadas por diluição da TC-de DNA para o tampão (contendo NaCl 150 mM e citrato de tris-sódio 15 mM a pH 7. filtrou-se e lavou-se com água fria água e secou-se em secador de vácuo sobre gel de sílica. Os espectros de IV foram registados usando um sedimento de KBr em um espectrofotómetro Perkin Elmer 880 de IR. A solução resultante foi agitada sob refluxo.0 mg. A TGA foi determinado. Carnegie Mellon University).2. para C37.10fenantrolina foram pur-perseguido da Sigma-Aldrich. fil-trou e lavado com metanol frio e secou-se em vácuo des-iccator sobre gel de sílica. Síntese de complexos 2. Foram registados espectros de UV-Vis utilizando um espectrofotómetro Cary 3E.2 H2O} n (1) Uma solução de CuCl2 2H2O (48. O metanol foi obtido de Merck utilizados como recebidos. 0.2. v1586 (COO). Encontrado: C.88% (média de 3) 2. Di-hidrato de cloreto de cobre e LVX obtido a partir da Sigma foram usadas com-a mais purificação.2.40. O pH foi ajustado para ~ 8 usando CH3ONa solução diluída (0. V520 (Cu-O). 5.W: 1426.30 aparelho de análise térmica diferencial que opera a uma velocidade de aquecimento de 10 º C por minuto na gama 25-800o CinN2.28 mmol) em água (5 ml).1 M). utilizando a Star Mettler e SW9. (M.8 (1): C.14 mmol) em metanol (5 ml) na presença de CH3ONa. 9. 5.0 mg.08. Materiais e métodos Todos os produtos químicos utilizados na síntese eram de grau analítico. N.50. Síntese de {[Cu2 (LVX) 2 (bipi) 2Cl2] /10.2. seguido pela adição de uma solução pré-preparada de riormente LVX (50. A CW EPR espectros foram simulados com o pacote EasySpin [20] ou com o pacote SpinCount (Prof. seguido por agitação exaustiva a 4 º C durante três dias e mantidos nesse local durante não mais do que uma semana.84H2O} (2) Uma solução de CuCl2 2H2O (23. vsym 1365 (COO). seguido de concentração até à sua metade volume. 52.0. As concentrações de nucleótidos foram determinadas pela sua absorção a 260 nm = 6600 M usinge? um centimetro-1 [18]. Rendimento: 43%.1.2.2-bipiridina e 1.1.28 mmol) em água (5 ml) foi adicionado a uma solução previamente preparada de LVX (100. 51.81. (PM: 857.15) recristalização do produto amorfo a partir de metanol e evaporação lenta a 4 º C proporcionou raios-X de qualidade crys-tals depois de 10 dias (1).6H46. H. 2.9 mg. O pH foi ajustado para ? 8 usando diluído NH3 (2 M).6 MeOH/1. Rendimento: 65%.0). 9. 0. 0. ElementalAnal. Um produto amorfo fino de cor verde foi obtido. Medições CW EPR em banda X foram realizadas em um espectrômetro Bruker ESP 380E equipado com um retangular ER 4102ST cavidade ou em um espectrômetro Bruker ER-200D atualizado equipado com cavidade modo dual que permite a execução de espectros de EPR com o fieldB1oscillating microondas magnética perpendicular ou paralelamente ao fieldB0 magnético externo.

438 /? 0. V515 (Cu-O). 47.68Cl2Cu2F2N10O18.25.A recristalização de o produto amorfo anterior proporciona cristais verdes após poucos semanas adequados para cristalografia de raios-X (2). 5. 43.12). 2. Síntese de {[Cu2 (LVX) 2 (phen) 2Cl2] /20 H2O} (3) Uma solução de CuCl2/2H2O (23.28. Os estruturas foram resolvidos através de métodos diretos usingSHELXS-97 [21a.25? 0.54.25? 0. H. 32924/7310 [Rint = 0. 835 parâmetros refinado.14 mmol) na presença de CH3ONa.2. 5.04% (média de 3). 9.0999 / 0.W: 1638.725 E / A . N. H. R1 / wR2 (para todos os dados).9 mg. Encontrado: C. 43. (D / r) max = 0. b].14 mmol) em metanol (5 ml) foi adicionado a uma solução metanólica (5 mL) de 1.3. v1581 (COO).29? 0. Bandas selecionadas: IV (KBr) vmax3421 (OH). v549 (Cu-N). Reflexões recolhidas / única / utilizado.96. Para C30H47CuClFN5O14 (3): C. 2. 9. (Dq) max / (Dq) min = 1.978 /? 0. 0.30 milímetros) e um cristal dicróico azul-verde de (2) (0. 5. Calc. vasym1614 (C @ O). para C56H75.0321] / 9277. 4.2452. 8.37. por filtração e lavou-se com metanol frio e seco no exsicador de vácuo sobre gel de sílica.004. N.19? 0.87. 10.589 E / A 3 . Calc. Mais Detalhes experimentais de cristalografia FOR1: 2hmax = 130 ?. A coleta de dados (x-scans) e processamento (célula refinamento. Elemental Anal.46.10-phenan-throline (fen) (27. (M.40 milímetros) foram feita a partir do licor mãe e imediatamente arrefecida a ? 113? C.000. 0. H. 48. 557 parâmetros refinado. redução de dados e correção de absorção empírica) foram realizadas utilizando o pacote de programas CrystalClear [20]. O pH foi ajustado para ~ 8 utilizando uma solução de CH3-ONa diluído (0. 42226/9277 [Rint = 0.Um produto de cor verde amorfo fino foi obtido. (D / r) max = 0.14 mmol). A solução resultante foi agitada durante meia horas enquanto aquecimento. 0. Encontrado: C.0 mg.8 mg. H. v1579 (COO). (Dq) max / (Dq) min = 0. Bandas selecionadas: IV (KBr) vmax3421 (OH).37. De raios-X a determinação da estrutura de cristal Um cristal dicróico azul-verde de (1) (0. vasym1631 (C @ O).1 M). 0. Elementar Anal. seguido pela adição de uma solução em metanol (5 ml) LVX (50.3. v554 (Cu-N).0637] / 7310. N. vsym 1380 (COO). vsym 1385 (COO).27. Complexo (3) Rendimento: 2%. seguido por uma concentração até metade do seu volume. N. Dados cristalográficos importantes são listados na Tabela 1. reflec-ções recolhidas / única / usado. Além disso experimentais detalhes cristalográficas for2: 2hmax = 130 ?.04% (média de 3).44 (2): C.77. Medidas de difração foram feitas em um Rigaku R-AXIS SPIDER placa difratômetro com grafite monocromada Cu Karadiation. V511 (Cu-O).

Este comportamento é de grande importância no que diz respeito à função biológica relativa de quinolona antibióticos no organismo. . O dados foram anteriormente utilizados.0 foi utilizado para a experiência de titulação de absorção. Todos os átomos que não sejam hidrogénio em ambas as estruturas foram refinados anisotropicamente. obrigatório o grupo de fosfato e intercalação.2215. de modo a obter a constante de ligação intrínseca. Os espectros de absorção foram registrados após cada adição da solução de bezerro-timo de DNA (CT) seguinte por permitir-ing-lo para atingir o equilíbrio.3 . As experiências de ligação de DNA 2. A titulação foi realizada a absorção pelo aumento da vitela-tua-mus (CT) e a concentração de ADN mantendo constante uma concen-tração do complexo. O rácio de A260 a A280 foi considerado 1. exceto aqueles das moléculas solvatados que não foram incluídos no refinamento.8.4.4.0899 / 0. absorvências a 260 nm (A260) e a 280 nm (A 280) foram medidos para verificar a pureza do de DNA. Os átomos de hidrogênio em ambas as estruturas foram introduzidas no cálculo posições como andar sobre átomos ligados. Estudos de Ligação com base na absorção A interação dos complexos de cobre com bezerro-timo de DNA (CT) foi investigado usando espectroscopia de absorção. 0. indicando que bezerro-timo (CT) de DNA era suficientemente livre de proteína. R1 / wR2 (para todos os dados). como mencionamos acima.1. 2. Um tampão que continha NaCl 150 mM e 15 mM trissódico citrato a pH 7. de DNA pode fornecer três sítios de ligação distintos para quinolonas de metal interação covalente complexesvianon: ligação groove. A concentração de de DNA foi medida utilizando-se o seu padrão coeficiente de extinção a 260 nm (6600 M ?1 cm ?1 ). A interação de complexos quinolonas com bezerro-timo de DNA (CT) é de suma importância uma vez que sua ação antibacteriana é baseada na inibição replicação de de DNA por ADN-girase e a topoisomerase IV.

(2).6. Com o objetivo de investigating o comportamento complexos nos fluidos corporais simulados nós (. e duas bactérias Gram negativas. térmica As curvas de fusão para o DNA e os seus complexos de cobre foram determinados seguindo as mudanças de absorção a 260 nm como uma função do temperatura [22]. Medições AbsorBance foram tiradas a cada 30 minutos durante um período de 24 h.2-bipiridina e 1. (A figura está representado na Suplementar S1). Os traços espectrais eletrônicos são dadas inFig. PBS 10 mM) solução de tratá-las em uma solução salina tamponada com fosfato que contém 10% (v / v) de proteínas de soro bovino fetal (FBS).O de DNA intrínseca ligação constantKbfor tudo complexeswith bezerro-thy-mus (CT) podem ser obtidos através do monitoramento das mudanças na Absor-bancewith concentrações crescentes de bezerro-timo (CT) de de DNA parcelas [de DNA] / (eA? ef) e de [de DNA] e é dada pela razão de inclinação para a intercepção y. a Gram positivo Staphylococcus aureus (S. 2.2-bipiridina e 1.7. 2.10-fenantrolina. bactérias Gram (+)). Actividade antibacteriana ensaio MIC A atividade antibacteriana de LVX e seus complexos de cobre com o heteroligands 2. 2.5. Ex vitro estabilidade dos complexos (1-3) De acordo com a literatura. . as proteínas do soro desempenham um papel importante para o fornecimento de complexos na área patogénico. (3)] ef = coeficiente de extinção para a livre andeb complexo = coeficiente de extinção para cada complexo na totalmente forma ligada. Temperatura de fusão (Tm) LVX. era Estudou contra três tipos de microrganismos. bem como os seus complexos de cobre (1-3) com o heteroli-Gands 2. de acordo com a seguinte equação: ½DNA? = DEA? Ef Þ¼½DNA? = Deb? EfÞþ1 = Kbðeb? EFTH whereea = Aobsd / [(1).10-fenantrolina foram estudados objetivo-ing investigar o possível mecanismo de ação. 6. Aureus.

MCF-7.8.5% w / v de NaCl e 0. coli. linha celular foi principaltained em DMEM suplementado com 10% de FBS. Em uma segunda cultura semelhante. 0. 0. bem como o composto testado na concentração desejada foram adicionados. aeruginosa. 2 mM de L-glutamina.5% w / v de NH4Cl.125lg / mL. Screeningwas realizada pela determinação o MIC. 0.1% w / v de NaCl. 0.01% w / v MgSO4? 7H2O e 0. Todas as culturas foram incubadas a 37 º C. 0. Se uma determinada concentração de um composto inibiu o crescimento bacteriano. bactérias Gram (?)) E Pseudomonas aeruginosa (P. cultura celular As células de adenocarcinoma da mama humano. Gram (?)).8. contendo 1% w / v de triptona. Ensaio de viabilidade celular 2.1% w / v de extracto de levedura)] foram usadas. contendo 1. Todos os equipamentos e meios de cultura foram esterilizados.Escherichia coli (E. Esta cultura foi usada como controlo. Dois meios diferentes [Luria meio de caldo (= LB. Nós monitoramos o crescimento bacteriano através da medição da turmorbidade da cultura após 12 e 24 h. A menor concen-tração que inibiu o crescimento bacteriano foi determinada como a Valor MIC. foram . Testes de controle.5% w / v K2HPO4. A pré-cultura de bactérias foi crescido durante a noite em LB à temperatura óptima de cada espécie. de 256 para 0. As com-£ foram dissolvidos em água destilada (com 1% de DMSO) com duas diluições sucessivas vezes. metade da concentração do composto foi testado. 20ll das bactérias. Este procedimento foi realizado para uma concentração onde as bactérias crescem normalmente. Dois ml de MMS foram inoculada com 20 mL de pré-cultura deste.1. para examinar se o crescimento de todas as bactérias testadas é normal.5% w / v de glucose. 100 unidades / unidades de penicilina e 100 mL / mL de estreptomicina. Todas as amostras foram medidas em duplicar.5% w / v de extracto de levedura) e caldo de meio mínimo de sais (= MMS. sem ingredientes ativos foram também se apresentou. 2. Um terceiro amostra contendo 2 MMS mL suplementadas com a mesma concentração com-quilo foi utilizado como um segundo controlo para verificar o efeito do composto em MMS.

10 e 5LG / ml de cada um dos compostos e. 10 e 5LG / ml).5 mg / ml.2. Sabe-se que o MTT é absorvida pela mitocôndria de células. enquanto que na fase de crescimento exponencial. Os resultados do ensaio de MTT são apresentados com base nas absorções a 520 ± SD.mantidas em meio DMEM de glicose elevada com 37? Cin5% CO2atmosphere. Ensaio de MTT foi usado . 25. 50. utilizando os dados de dois diferentes experimentos (ensaios em triplicado) [22-24]. 50. após o tratamento de 24 h para logarítmica bated-INCU fase. as células tratadas com LVX e os complexos sintetizados. Subsequentemente. Inicialmente 1? 10 4 células semeadas numa placa de 96 poços e tratadas durante 24 h com 100. . 5% CO2. 2. em seguida. adicionou-se MTT a uma concentração final de 0. Os cristais para-mazan foram solubilizadas durante 4 h após a adição de DMSO e incubadas a 37 º C. e as células foram incubadas durante mais 4 horas a mesmas condições. em diferentes con-centração. A absorvância da solução de cada lisado poço foi medida com um espectrómetro de UV a 520 nm (Referência comprimento de onda de 640 nm). a fim de investigar a viabilidade celular após 24 horas de incubação da LVX e os complexos de cobre em diferentes concentrações (100. com o objetivo de medir o MTT (amarelo) transfor-mação em cristais de formazan (roxo) por parte das células viáveis. onde ele é transformado em formazano pela enzima hidrogenase. a 37 º C.8. MTT MTT foi utilizado com o objetivo de investigar a viabilidade celular após 24 horas de incubação. de LVX e complexos (1-3). 1? 10 4 As células foram semeadas numa placa de 96 poços e 24 h após a incuba-ção. 25.

1. conforme detalhado na seção experimental. que passam através de Cu (II) e os iões situado quase paralelo para o plano médio de ligantes coordenados e que LVX resulta em um arranjo cis dos dois ligados LVX desprotonadas ligantes. 1 e seleccionados distâncias de ligação e ângulos são dadas em Tabela 2 Cada Cu (LVX) 2molecule possui um de dois eixos de dobragem paralelos para the caxis. respectivamente que em ambos os casos são parcialmente ocupada. e por infravermelhos espectroscopia de ultravioleta. EPR e termogravimetria (TGA). Todos os dados espectrais foram comparados com o livre-quino solitário LVX e os heteroligands.6 metanol e 1.2 água moléculas distribuídas em três e cinco locais diferentes. 3.2-bipiridina heteroligands e 1. Resultados e discussão 3. Caracterização de raios-X de complexos (1) e (2) foi também realizada. 1. Cobre com-plexos foram caracterizados por análise elementar. Descrição da estrutura do composto (1) Os compound1crystallizes no espaço não simétrica centro grupo F2 2 2 e na unidade assimétrica da célula existem dois metades de dois [Cu (LVX) 2] unidades neutras.2.2. em conjunto com os átomos O 0 .3. O arranjo da estrutura de [Cu (LVX) 2] é mostrada unidades na fig.1. onde o estrutura de [(C36H44CuF2N6O8) + ] n [(Br5Cu3) ? n]? 2n (H2O) Composto É relatado. O Cu (1) o primeiro catião de simetria independente com-plex está ligado a um carboxilato (O (2)) e uma piridona (O (3)) átomos de oxigénio de LVX1 ligando que. A características estruturais de [Cu (LVX) 2] unidades e também as cadeias poliméricas formadas por estas entidades são semelhantes ao observado em [26]. síntese Os complexos foram sintetizados misturando uma solução de quinolona LVX e uma solução de 2.10-fenantrolina em solvente apropriado (água ou metanol) e CuCl2/2H2O. A cristalografia de raios-X 3.

O (22) 0 e O (23) 0 [code simetria ( 00 ):? 1. ó 0 (2). z] a partir de LVX2 e LVX2 00 ânions. O (23).908 Â. y. z] a partir do ânion symmet-rically LVX1 equivalente ». O 0 (22). Cu (1) -O (3) e Cu (2) O (22).905 e 1. Os quatro S (2). 0. O (3). Cu (1) -O (2).5 y. respec-tivamente. Cu (2) reside num ambiente equivalente ligado a O (22). Cu (2) -O (23) são 1.(2) e S 0 (3) [code simetria ( 0 ):? 1 x.891. ó 0 (23) são quase planar com uma leve distorção tetraédrico.5 x. O (23). O 0 (3) e S (22).894 e 1. Vizinho [Cu (LVX) 2] moléculas são empilhados de uma maneira que com-pletar um octaedro CuO6 alongado em torno de ambos os átomos de Cu ou . preencha o equatorial Environ-ment de Cu (1) átomos que impliquem um arranjo plano quadrado. 1.

5 + y. tanto quanto nós sabe. O código de simetria ( // ?): 0. eles são mencionados porque. 0.5 + x. simetria código ( / ): 0. são o maior observado para Cu octaedro com axial distor-ção e empilhamento semelhante de ligantes ligados. O (24) 00 e O (24) // Para o Cu (1) átomos e O (4) 0 e O (4) / para Cu (2) forma duas ligações alongadas com valores de 3. z]. Embora estas distâncias. z] e 2. juntamente com a sobreposição de vizinhos moléculas LVX .918 Å para Cu (2) -O (4) 0 [Cu = (2) -O (4) / .falando mais precisamente uma esfera 4 + 2 coordenação.5 + y. dois oxigênio átomos de anéis benzoxazina de dois LVX simetricamente relacionados ligantes.410 A para Cu (1)? O (24) 00 [= Cu (1)? O (24) // . ? 0.5 + x.

6170 e 2.8779 Â.9 ?.9? e 92.3? 85. respectivamente. em [28]. ?. o que compara com a de . mas eles têm sido observadas em outros casos de Cu (II) em 4 + 2 [36-40] ou ambiente planar quadrada [33].3 89.33]. Ambos os tipos de ângulos de cair dentro do intervalo observado de análogo ambiente [26. Valores para o SIM-lhantes ligações fracas de átomos de Cu para os átomos vizinhos são S 2. Outra característica da estrutura e em geral para todas as estruturas que contêm ligantes LVX neutras ou deproto-nado ou protonados. a Cu-O ligação comprimentos no plano equatorial queda no valor baixo limite de bidentado de Cu (II) ions ligados a átomos de oxigénio pertencentes a seis anéis membros.099 Å.7518 Â.7971 e 2. gratuitos ou coordenados. S (22) -Cu (2)? O (22) 0 e S (23) Cu (2)? O (23) 0 são 88. a valores de mordida ângulos O (2) -Cu (1) -O (3) e S (22) -Cu (2) -O (23) são 92. 86.regulam as características de construção da estrutura. é a forma-ção de dímeros ou extensas colunas de entidades LVX baseado ORA-p interações. em [27].9 ?. A distância dos planos da vizinha sobreposta LVX1 0 e LVX2 00 ligandos definidos pela fenil ea pirazina anéis da molécula LVX é 3. O (3) -Cu (1) -O (3) 0 .29-31. Os ângulos do lado de O (2) Cu (1) -O (2) 0 .1? correspondentemente. 2.

apenas a metade de um Cu (LVX) 2 unidade é independente e simetria as distâncias Cu-S estão na faixa de 1. Em todos os outros . Em [39].205 Å para o axial de oxigênio pertencentes a anéis benzoxazina de vizinho sobreposto ânions LVX situado de uma maneira semelhante como na estrutura sob estudo. as estruturas de [Mg (S-oflo) 2 (H2O) 2]? 2H2O e os análogos misto S-oflo / R-com-plexos oflo são estudados. possuem uma dobra de dois eixos de simetria e.905 Å para os átomos de oxigênio Equatorial-rial e 3. Além disso.282 em [34]. isto é. Uma característica interessante de ligantes LVX é o estereoisomeria de oxazina grupo metilo no centro quiral ie átomos de C (18) para LVX1 e C (38) para LVX2 ligandos ligados ao átomo de carbono assimétrico C (7) e C (27) correspondentemente.3. por um dos dois oflo ligantes ligados ao Mg cátions (II) está na posição equatorial e em a outra ligada a Mg (II) é catiónica em posição axial. este é um grupo metilo na posição axial. Cu (1) catiões são coordenados com ligantes LVX tendo o grupo metilo oxazina no quiral centro em posição equatorial e em ligantes LVX2 ligados a Cu (2). Cu (LVX) 2 unidades também consequentemente. no presente e no [26] estuda dois ânions LVX são coordenados a um metal de transição. Na estrutura análoga dada em [26]. Em outras estruturas estudadas que contêm LVX moléculas livres [34-36] ou formando complexos com diferentes metais de transição [37-42] só em último caso uma das duas moléculas de LVX-nadas Coor ao Zn (II) cátions têm o correspondente grupo metilo na posição axial. Na primeira delas (a livre um R-oflo) o grupo metil oxa-zine. Em [26] só LVX ligandos com os grupos metílicos correspondentes na posição axial estão ligados a átomos de Cu. No presente estudo C (18) átomo de ânions LVX1 está na posição equatorial e C (38) em Aniões LVX2 está em posição axial. no centro quiral. como já foi mencionado no arranjo cis. Para o sec-ond complexa (S / Roflo mistura) em ambos os ligandos ligados oflo os grupos metílicos correspondentes são axial.895-1.

3.2. Ambos os íons de cobre são cinco coordenada e exibir um ambiente de pirâmide de base quadrada torted-dis. estes cadeias estão bem separadas e formam camadas paralelas ao (001) e plano cristalográfico em canais formados entre eles moléculas de solvente (estudo dos pais) ou o [Br5Cu3) ? Unidades] [26] estão situados [Fig. consiste em dois grupos neutros (pos-gnóstico Cu1 e Cu2 átomos respectivamente).InFig. É claro que os valores para os parâmetros de compound2fall no intervalo observado de valores para as com-libras listados. 2].2. com dois átomos de azoto provenientes de . neste caso. com ocupação parcial. descritos pela fórmula Cu (LVX) (bipy) Cl e 10. 1B a cadeia em ziguezague formado por Cu (LVX) 2 unidades através das ligações fracas de Cu cátions (ii) os átomos de oxigênio pertencente ao vizinho e sobrepostas. 3A e distâncias de ligação selecionados e ângulos estão listados na Tabela 3 Comparação da característica geométrica parâmetros for2and compostos análogos estão listados em (Tabela S1 Suplementar). Descrição da estrutura do composto (2) A estrutura do composto (2) é descrita no espaço groupp ? 1 e o conteúdo de toda a célula.84 moléculas de água com 7 deles sendo em locais totalmente ocupada eo restante sendo distribuído às seis diferentes locais. 2B.39-42] . O arranjo da dois simetria Cu (LVX) clusters (bipy) Cl independentes apresentados na célula são mostrados na fig. que os ligandos LVX prolongam-se paralelamente ao [110] eixo cristalográfica é mostrado. como o índice de trigonality toma um valor próximo de zero (Tabela 4).casos conhecidos a par de ânions LVX coordenados está em arranjo trans [38. A embalagem das cadeias de 3D é mostrado inFig. que é a unidade assimétrica da estrutura.

Na verdade.51]. Vale a pena mencionar neste ponto que o grupo metil oxa-zine no centro quiral para ambos os ligantes apresentados em a célula está em posição axial (C (18) e C (46) átomos. 4A. em uma extremidade do O-O ligando quelante. Outra característica da estrutura é a intra-e inter-dímero interação p-pstacking que rege a embalagem de complexos na estrutura. em (Tabela S1 Suplementar) estão listados os parâmetros de com-libras encontrados em Cambridge base de dados Estrutura (versão CSD 5. Os intra-dimerp-pinterac-ções decorrentes da sobreposição de bipy vizinha e LVX . a Environ-ment de cada cobre é 5 + 1.51] e esta método pode ser utilizado como uma sonda para a existência de tais espécies. Outra restrição imposta foi o carboxilato de seg-mento. fazendo uma pesquisa usando a mesma pirâmide de base quadrada núcleo ao do composto 2. [49]. isto é. 3A).34). O-S ligantes quelantes formando anéis de seis membros no o plano da base da pirâmide e um átomo de cloro no apical posição. mas também as características de cristal de embalagem. [43]. N-N ligandos quelantes formando cinco anéis membros. [50] e [51]. na base da pirâmide e um átomo de cloro na posição apical. também é evidente nos espectros EPR [47. as restrições imposta durante a pesquisa deu uma família de compostos com comum características relativas não apenas o núcleo dos clusters. com o sexto átomo fracamente ligados a ser um átomo de oxigénio a partir de um ião LVX que vem a partir do segundo complexo apresentado na célula (O (7) para o Cu (1) e S (3) para o Cu (2). fig. A presença de dímeros em a estrutura de cristal (previamente discutidas apenas em [22]. Estas ligações fracas resulta na formação de dímeros como mostrado inFig. A formação de dímeros é um característica típica de quase todos eles e exceções são as estudadas nas referências [45].bipi e dois átomos de oxigénio (um carboxilato e o outro ser a uma piridona da LVX ligandos). Figo. 4A). Uma discussão geral da P-pinteractions é dado em quase todos os trabalhos [44.50.

S3). Além de os intra. inter-dimerp-pinteractions também estão presentes entre vizinha moléculas bipy e esses resultados em uma formação de escada por dímeros vizinhos. Neste composto os dímeros são formados entre semelhante complexos. no caso de o composto estudado em [48] na estrutura têm co-cristalizado além o complexo com Cl na posição apical e um com H2O neste posição. S1resulting na formação de camadas paralelo ao (001) plano cristalográfico. É interessante notar que. mas as escadas são misturados (Fig.365 centímetros ?1 . Vizinhos escadas de dímeros são embalados na forma apresentada inFig. em todos os casos (exceto os que estudaram em refs. devido ao grupo carboxílico livre v (C @ O) está ausente do espectro de todos os complexos de cobre e foi substituída por duas fortes bandas características em 1. a banda característica a 1720 centímetros ?1 no espectro de HLVX. Como já foi mencionado os complexos apresentados nas refs.Os ligandos que formam os dímeros estão ilustrados na figura.586 centímetros ?1 e 1.50]) os contra-íons ou as moléculas de solvente (água no presente estudo) situa-se entre as camadas. [44. 3B é comum a quase todos os membros do série de complexos análogos listadas na Tabela 1 e sua embalagem diagramas são mostrados inFig. 4A. 3.46.3. S3. A embalagem de dímeros apresentado inFig.44] não formam dímeros e eles também não apresenta esta característica embalagem. [22. Espectros de infravermelho e análise de dados espectroscópicos de UV-Vis No que diz respeito aos espectros de IV.

579 centímetros ?1 e 1.380 centímetros ?1 para o complexo (3). respectivamente. v (COO). TheDvalue cai a 221 centímetros ?1 para complexo de (1). o que indica um modo de coordenação monodentado do grupo carboxilato. O Dv = v (CO2) asym-v (CO2) symvalue é usado para determinar o modo de coor-denação dos ligandos.para o complexo (1). estendendo-se as vibrações. a banda forte atribuído para fora do plano do anel de vibração fenantrolina heterocyclic em (3) é observada a 724 centímetros ?1 . Além disso. e 201 centímetros ?1 para complexa (3).614 centímetros ?1 de complexo (2) e em 1631 para a com-plexo (3) sobre a coordenação. De acordo com os dados acima mencionados podemos inferir que LVX é coordenado ao metalviathe piridona oxigénio e um átomo de oxigénio carboxilato. em 1. que pode ser atribuído como assimétrica e sym-métrica. de 1. enquanto o stretchv piridona (C @ O) cm p1617 ?1 para complexos (1). em 194 centímetros ?1 para (2) complexos.385 centímetros ?1 para o complexo (2) e em 1581 centímetros ? 1 e 1.

Em conclusão. aqua do ligando complexos de [52]. o qual . que aparecem em 554 centímetros ?1 de complexo (2). indicativo da formação do complexo. que foram descritas para LVX e ofloxacina em estudos anteriores [40]. a banda em 3421 centimetros ?1 no espectro de IV dos complexos pode ser atribuída à vibração v (O-H). Mais especificamente. o modo de coordenação acima é ainda portado-sup BYV (Cu-O). a exposição intraabsorções ligante OCM única-plex em 302 nm e 332 nm em enquanto que o d-d-baseado em metal de transição situa-se a 670 nm. mas um pouco deslocado. enquanto que para o complexo (3) é observada a 549 centímetros ?1 [16]. que aparecem em 520 centímetros ?1 para o único complexo com (1). Finalmente. Os espectros de UV da molécula LVX em solução de metanol mostrou duas bandas características a 297 nm e a 325 nm de acordo com os resultados. em 515 centímetros ?1 para o segundo complexo e a 511 centímetros ?1 para o terceiro complexo e por v (Cu-N). observa-se a 774 centímetros ?1 .2-bipiridina em (2). O espectro eletrônico de LVX cobre com-plexos são praticamente idêntica à de LVX.enquanto o banda devido a 2.

8. A análise térmica A análise gravimétrica térmica dos complexos (1. No primeiro passo. no segundo passo (220550 C) a perda de peso de cerca de (exp:. enquanto complexo (2) em 251 nm. theor. a fim de determinar os N2in passos decompo-sição dos complexos (1.1%. De acordo com a TGA. O padrão espectral de UV em nujol em metanol e solução sugere que todos os complexos de manter a sua integridade em solução.30 térmica diferencial aparelhos de análise a funcionar a uma velocidade de aquecimento de 10 o C por minuto na gama (25-800 º C). O perfil de TGA do complexo (2) consiste em três etapas distintamente. theor:. é obvi-oso que a perda de peso de (exp:. 297 nm e em 329 nm. 3) foi determinado. 3. que é característica de ambiente distorcida piramidal quadrada. 84.: 13. 74. 6. respectivamente [16]. No complexo de addi-ção (3) exibe suas absorções ligante intra em 272 nm.5%) durante a primeira etapa do complexo (1) (25-120 C?) Corresponde à remoção da de água e a molécula de metanol.7 theor . 11.É característico para complexos com geometria plana quadrada. com uma estrela Mettler e SW9.10-fenantrolina estão preocupados. 3). A perda de peso de (exp:. como medida em que agora. ambos mostraram a base de transição d-d de metal característica em 630 nm.9%. theor:.4 %%. (126-800 º C) a perda de peso de (exp:. enquanto que. 72.0%) Corre-ponde à decomposição de duas moléculas LVX deixando para trás CuO como um resíduo [53].7%) é atribuído à remoção de moléculas de água de cristalização. 2.4%) corresponde ao . Durante o segundo e terceiro passo. 2. os complexos de cobre de LUX mistos com 2.4. 86. 300 nm e a 333 nm. gama (28-116 C?).2-bipiridina e 1.

|? MHz2or 31 ± 2 | A || |? 30 ± 2 MHz3and tendo em conta a mudança de acoplamento hiperfina cobre devido aos dois 63 Cu e . Na medida do complexo (3) está em causa. 19. durante as etapas três e quatro a decomposição de 1. deixando um resíduo como CuO.2-bipiridina e a maioria da LVX. com valores hiperfinas | Um || . Durante a primeira etapa e o segundo passo de perda de peso (exp:. O frozen-solução sinais EPR em banda X (Fig. enquanto que.9%) Corre-ponde a dez moléculas de água (32-187 C?). theor:. as unidades monoméricas que estudou complexo (2) e complexo (3) em soluções congeladas de metanol com uma concentração de 2? 10 ?3 M. A região de baixo campo de ambos exibem espectros bem resolvida estruturas hiperfinas ligando com o padrão de intensidade de 1: 2: 3: 2: 1. 4) mostram a formação de Cu (II) complexos com bem definida GeoMe tentar.4%.5. 64. A sorte do acordo entre teórico e experimental valores pode ser atribuída à remoção de moléculas de solvente no temperatura ambiente. 66. a decomposição do complexo ocorre em quatro etapas distintamente. theor:.10-fenantrolina e Molécula LVX é ocorreu (exp:. espectroscopia de EPR A fim de obter insights sobre a estrutura eletrônica do Cu (II).1%) no intervalo (188-800 º C). indicando a interação com dois eu magneticamente equivalente = 1 núcleos.6%. deixando para trás um resíduo de CuO.decomposição de 2. Esta parte do espectro pode ser simulado com precisão assumindo que dois núcleos de azoto. 21. 3.

2. | A ||| = 535 ± 5 MHz (para o complexo 2) e (gx. gy. 'Meio-campo' "transição".005 e | A \ |? = 30 10 MHz.Mais especi-ficamente. este é ainda apoiada pela ge 63 Valores hiperfina principais Cu determinada a partir da simulação do espectro EPR CW: (gx.269) ± 0. 2. Valores ThegzandAzprincipal estão em linha com a não pareado elétron estar em thedx 2? Y 2 orbital ea coordenação equatorial modo de '2N2O' '[54]. os fortes ressonâncias redor g? 2 são atribuídos ao allowedDMs = ± 1 transições fromsuch um dímero. A maioria dos sinais observados no espectro de modo perpendicular não são consistentes com Cu (II) toCudimers monómeros mas são facilmente atribuídas [55] . Inorder tostudy thepossibleexistenceof dimericunits insample 3 (para o qual a estrutura de cristal de raios-X não pode ser obtido).061. Em princípio. duplo Modo de X-band EPR espectros foram coletados a partir de um pó sólido of3 à temperatura ambiente (.65 Cu (4 Fig. gy.061. gz ) = (2. Neste caso dos 'Mestres = ± 1' 'tran-sições são suprimidos enquanto os' 'Mestres = ± 2' transições são .005 e | A \ | = 30 ± 10 MHz. com geometria quadrado-planar. ião está directamente coordenada com dois átomos de nitrogênio.276) ± 0. | A ||| = 540 ± 5 MHz (para com-plex3). A EXAME-tionof mais perto theperpendicularmodespectrumrevealsamuchweaker sig-nal ATG? 4. Fig 4). que é consistente com os 'proibido' '' 'Mestres = ± 2'.061. presumivelmente..061. inserir) isótopos. 2. 2. isso pode ser confirmado pela gerência ning EPR espectros em modo paralelo. gz) = (2. Esta observação é uma prova clara de que em ambos os complexos de Cu (II).

Isto é atribuído ao componente perpendicular de um axial a partir de um sinal de espécies monoméricas de Cu (II). Devido à sobreposição grave com theDMs = ± 1 transições das unidades diméricas.25. As linhas cinzas inFig.3 Å na distância inter-cobre pode explicar a ausência de linhas hiperfinas resolvidos (seeFig.2 \ = 50 (± 10) MHz) era necessário cor-rectamente conta para o line-forma e da intensidade relativa do transições. tal como determinado pela .07 denotado por um arrow.02) andr = 4. assumimos que este termo reflete principalmente ponto dipolo.25 (± 0. não é pos-sível determinar a componente paralela da espécie Accu-damente. A distribuição ofrr = 0. A distância entre os iões de cobre. Simulações aproximadas (material suplementar Fig. Apesar de não terem linhas hiperfinas são resolvidos os espectros experimentais da fig. g1.2 || = 550 (± 50) MHz. 4depend apenas em parte e em anisotrópica no presente caso. De facto.1) Å. ainda. que tensores thegi Andai são colineares eo vetor inter-spin é Paral-lel ao eixo z-diretor do g-tensor.reforçada [56]. assumindo. Os espectros ofFig.02). o espectro de modo paralelo (caixa da FIG 4. 5). A1. 4 são simulações dos dados experimentais.2 || = 2. foram g1. representa o tensor da troca inter-acção que consiste em ambos os isotrópicos e anisotrópicos termos [57]. S2) indicam que a proporção entre as espécies monoméricas e dímero é de aproximadamente 0. Sob estas condições.07 (± 0. Analisamos os espectros EPR modo dual X-band assumindo o hamiltoniano de spin: No exemplo acima equationJ.3 (± 0. Os parâmetros obtidos a partir das simulações. a inclusão desses termos (A1.2 || = 2. 4. Para além dos sinais atribuídos às unidades diméricas a spec-trum também consiste de uma característica derivado atg 2.) apresenta uma característica atg recurso derivado? 4 fornecendo evidências compelling para a atribuição da transição no valor thisg para a '' Mestres = ± 2 'transição proibida a partir de um sistema de di-cobre. a análise do espec-tra pode determinar a distância interrotação.

Isto constitui forte evidência de que as características de conformação dos dímeros in3are semelhantes com estes sistemas.1. Para o complexo de cobre misturado com 1. apresenta um hipocromismo inferior de cerca de 5% com a 1 nm desvio para o vermelho (a 333 nm).2-bipiridina é bastante semelhante ao de complexo (1). ou seja. A banda a 332 nm. Isto sugere que os com-plexos interagir com o DNA mais susceptível por meio de um modo que envolve uma interacção entre o empilhamento e o cromóforo aromático pares de bases de de DNA [13]. um hipocromismo de 5% para a banda a 290 nm e 4% para da banda a 311 nm. 3. mostrando forte associação para o bezerro-timo (CT) -DNA possivelmente por intercalação. os compostos que formam dímeros (Tabela S1 Material Suplementar). O comportamento de cobre misturado complexo com 2.10-fenantrolina um hipocromismo de cerca de 6% observada para thebandat274 nm. enquanto a banda centrada a 288 nm exibe um hypochro-mismo de cerca de 5%.simulação do espectro está na gama encontrada para a outra estruturalmente caracterizado Cu (II). enquanto que um hipocromismo de 2% para a banda em 332 nm e um desvio para o vermelho (a 335 nm). andahypochromismof about2% para theband a 332 nm.6. Estudos de ligação com base na absorção Como se pode ver no espectro de UV do complexo (1). As experiências de ligação de DNA 3. é claro. que a adição de de DNA à Complexos de rendimentos para hipocromismo.6.-neverthe menos a existência de hipocromismo para os três complexos pode ser considerado como uma prova de que os complexos se ligam ao DNA através . Como se sabe o mecanismo exato de A ligação não pode ser apenas proposto por espectroscopia UV-. Para todos os complexos. enquanto causando hypochro-mismo em torno de 13%. acompanhado por um deslocamento para o azul de 2 nm (a 286 nm). a adição de quantidades crescentes de bezerro-timo (CT) -DNA não altera o posição da banda de transição em 288 nm.

em comparação com o ligante livre mostram um .intercalação. uma vez que é suportada pela literatura [58].7. Além disso todo o complexos acima exibe afinidade de ligação mais elevada em comparação com zinco. cobre e platina LVX complexos da bibliografia respectivamente [42.71? 10 7M? 1 ). com o resultado de ligando coorde-nadas penetra mais profundamente. A maior afinidade de ligação dos complexos provavelmente é atribuída à extensão de Thep-psys-tempore do ligando intercalada.36? 10 4M? 1 ) [42]. além disso.59. indicando que a coordenação do ligando de Cu (II) aumenta de iões significativamente a capacidade de se ligar para o bezerro-timo (CT) -DNA. todos os complexos de cobre theKbfor é muito maior thanKb calculada para LVX (= 4. e empilha mais fortemente para os pares de bases.00? 10 7M? 1 ) Sugere uma forte ligação de complexos (1).60]. Supl. (2) e (3) a de DNA CT. (As experiências ofKbcalculations em MeOH são apresentado inFig. O elevado valor de Kb obtido para o complexo (1) (= 5. Temperatura de fusão (Tm) Complexos de cobre de LVX. leva a uma planar área maior do que a do ligante livre. Complexo (2) (= 3.33? 10 6M? 1 ) E complexo (3) (= 1. thatKbof complexo (1) é muito maior do que a do complexo de valência mista correspondente de ofloxacina ligante. 3. o que. Alémaliado. Na verdade. vale a pena mencionar. 2).

o ponto de fusão de todos os complexos. é um dos dois enantiómeros da mistura racémica ofloxacina (S-enantiómero) a mais activo contra bactérias Gram (+) e Gram (?) bactérias. De acordo com nossos resultados. 3.8.9 º C para o complexo (1). pode-se concluir que durante o curso de cinco primeiras horas. 3.). Actividade antibacteriana ensaio MIC LVX. O aumento na intensidade do espectro após as primeiras cinco horas pode ser atribuído à hidrólise progressiva dos com-plexos de cobre para os derivados solúveis em água de acordo com mais literatura [61] (.7 º C para o complexo (2) e 88. aureus).ligeira mudança da temperatura para valores mais elevados. Supl. 87. Escherichia coliATCC 25922 (E.2 º C para o complexo (3). o que indica que a COPper complexos. estes valores indicam que existe uma estabilização adicional da dupla hélice de DNA de timo de bezerro após o tratamento com os complexos de (1-3).9.0 º C) aumenta em 89. Em estudos in vitro 3. A atividade antibac-terial dos compostos (ligantes e complexos) foi estu-IED contra Staphylococcus aureus ATCC 29213 (S. Os resultados são apresentados na tabela .9. aeruginosa). formar um novo complexo com o DNA. Fig 7).1. bem como a molécula de LVX permanecem sta-vel. coli) e Pseudomonas aeruginosa ATCC 27853 (P. este comportamento pode ser explicado considerando-se que os anéis aromáticos de complexos de cobre para se intercalam os pares de bases de vitelo-timo de DNA o desenvolvimento de interações hidrofóbicas. bem como para ligante LVX livre (85. podemos indicar que os complexos de cobre de LVX interagir com bezerro-timo (CT) -DNA levando a estabilização da dupla hélice do que isso. bem-pinterac-ções asp com suas bases (Fig. que liga stron-ger os pares de bases do DNA. De acordo com a litera-tura [22]. Ex vitro estabilidade dos complexos de cobre LVX A monitorização das alterações de absorvência em função do tempo em 37 º C a cada 30 minutos. 1. os complexos. a temperatura de ponto de fusão específico do (CT) -DNA é cerca de 65 º C. um antibiótico fluoroquinolona bem conhecido.

e os grupos carbonilo de piridona e interações grupo carboxilo de LVX. as fluoroquinolonas penetram na superfície exterior por meio da via de porina orvia difusão passiva. os compostos acima mencionados são ativos suficiente. Como ele é resultado da atividade antimicrobiana segue a linha-pondente corre: Complexo 1 <Complex 2 <Complex 3 <LVX. A diferença entre o complexo (2) e (3) podem ser atribuídas ao anel heterocíclico diferente no esfera de coordenação. complexo (3) é mais activa contra bactérias Gram negativas e Microrganismos Gram-positivas (S. a lipophylicity complexo desempenha também um papel chave nesta linha actividade devido ao facto de os compostos mistos são mais reactivas do que a um simples [25. No nosso caso. Complex (1) e (2).10-phenathroline . são ambos os complexos ativos comparando com outros complexos quinolonic principalmente de quinolonas mais velhos generção. Por esta razão a Mg 2+ O cátion não desempenhar o papel mediador. que existe na superfície da célula. Em detalhe. a droga já mascarou a quinolonas quelantes grupos devido à sua participação em cobre complexação induzir um novo complexo não-polar. Apesar disso. a fim de ser utilizada como agentes activos. Como se observa cobre complexos são menos ativas do que a livre droga. Com base na literatura é 1. Em geral.32]. LVX como outras fluoroquinolonas. mas o possível mecanismo de interacção com base desejados neutros carregados com-plexos que penetram na membrana celular mais fácil do que a livre droga. aureus) do que os outros dois plexos COM.abaixo (Tabela 4). penetra na bacteriana membrana celular criando manchas lipófobos entre o Mg 2+ íons.

LVX. um fato que está de acordo com os dados bibliográficos. Além disso. De acordo com o que a viabilidade celular% de todos os complexos diminui como uma função da concentração. bem como Estudos espectroscópicos revelou que LVX coordenado ao cobre através do átomo de piridona e um átomo de oxigénio e com carboxilato dois átomos de azoto a partir do 1. Mais especificamente.2. Ensaio de viabilidade celular 3. é o mais tóxico de tudo. Os resultados do estudo de complexos citotóxica (1-3) e HLVX em células MCF-7 são apresentados inFig. MTT assay.2. cristalografia de raios X. pelo contrário. A estrutura cristalina do complexo (1) e complexo (2) foi determinada por cristalografia de raios-X. 4. a viabilidade celular% dos complexos diminui. 8.2-bipiridina. como as Concentra-ção aumenta. Mais particularmente.2-bipiridina e estes dados estão em bom acordar-mento com os resultados de citotoxicidade abaixo. Complexos (1 a 3) na região 25-100lg / ml foram tóxicos na linha de célula específica e mais especificamente complexa (3). caracterização e avaliação biológica de três de cobre (II) com o quinolonas de terceira geração. verificou-se que no complexo (1) . nesta experiência.Complexes (1-3) foram testados quanto à sua in vitro actividade anti-proliferativa contra células MCF-7.9.10-fenantrolina ligantes hetero-ou 2. mesmo a altas con-centração. todos os complexos deu muito diferente Ficha como eles eram mais ativos do que o fármaco livre.9.mais ativo do que 2. em os complexos acima mencionados. IC50values-a concentração do composto em (LML) que inibe uma taxa de proliferação das células tumorais em 50% em comparação com As células não tratadas foram-calculada e os resultados são descritos em A tabela belowTable 5. como nós pode ver HLVX. não era tóxico. linha celular (mama humana A linha de células de cancro). Conclusões Neste trabalho foi analisada a síntese.1. 3.

O estudo EPR em solução congelada suporta o cristalográfica Dados para o complexo (2) [Cu (LVX) (bipy) Cl] 2? 10. Além disso. bem como HLVX ligante com bezerro-timo (CT) -DNA. a natureza de N-doador afectar a actividade antibacteriana da seguinte ordem fen> bipi Considerando o melhor entre a inibição de cobre . mostra o estudo de cristalografia interação que governa intra e inter-dímero p-pstacking a embalagem.2-bipiridina analógico. observa-se que complexo de (1) formar cadeias poliméricas semelhantes a outro análogo complexos. Medidas de RPE de complexo (3) em pó mostra que a Cu (II) espécies estão dispostos principalmente em unidades diméricas. o que implica que as espécies monoméricas em estas duas amostras têm modos de coordenação semelhantes.84H2O respeito o modo de coordenação dos monómeros de Cu (II). Os estudos spec-troscopy UV revelaram que os complexos apresentam maior As constantes de ligação do ligando livre ao passo que o comparando acima dos resultados com os dos complexos de cobre de ofloxacina em litro-tura. Além disso.3 indica conformação semelhante à de um observada por (1) e (2) com a cristalografia de raios-X. Além disso. linha celular. Ela também mostra que complexos de (2) e (3) [Cu (LVX) (fen) Cl]? H2O 10 têm idêntica parâmetros magnéticos. conforme extensa pesquisa dos dados cristalográfica. que os complexos resultantes da LVX pode vincular mais forte para o bezerro-thy-mus (CT) -DNA de um 'ofloxacins [14]. Além disso.a geometria em torno do átomo de cobre é planar quadrado enquanto que em complexos de cobre misturado com 2.10-phenantro-line a geometria é distorcida pirâmide de base quadrada. de complexos na estrutura. foi encontrado que a complexação do ligando para o ião de metal aumentar a sua actividade antitumoral contra células MCF-7. vamos examinar a interação dos complexos (13).2-bipiridina e 1. O Cu-Cu obtida Uma distância de 4. No caso de o complexo de cobre de ligantes mistos LVX e 2.

Note-capaz. De acordo com os dados acima. o tratamento dos complexos com o fluido corporal simulado revelou que a estabilidade de complexos de (1-3) em solução tem sido influenciada como uma função do tempo. bem como o ligante livre é fornecido por cobre misturado complexo com 1.10-fenantrolina (3) contra S. . nós pode-se concluir que a diferença na esfera ea coordenação tipo de hetero-ligando podem afectar a actividade biológica totalmente dos complexos.complexos. aureus.