UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ – UVA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA

LUCIA SILVA DE LIMA CARVALHO

EDUCAÇAO EM SAUDE:
no cotidiano escolar.

Recife/PE
2014

FICHA CATALOGRÁFICA

LUCIA SILVA DE LIMA CARVALHO

EDUCAÇAO EM SAUDE:
no cotidiano escolar.

Trabalho de conclusão de curso (TCC)
apresentado à Universidade Estadual Vale
do Acaraú – UVA, como requisito para a
conclusão do curso de Pedagogia.

Orientador: Denise Luiza da Silva

Recife/PE
2014

LUCIA SILVA DE LIMA CARVALHO

EDUCAÇAO EM SAUDE:
no cotidiano escolar.

Trabalho de conclusão de curso (TCC),
apresentado

a

Universidade

Estadual

Vale do Acaraú – UVA, como requisito
para conclusão do curso de pedagogia.

Recife/PE, ____ de _____________ de _____.

BANCA EXAMINADORA

________________________________________
Profª. MS - Orientadora - Denise Luiza Da Silva

________________________________________
Profª. MS - examinador

________________________________________
Profº. MS - examinador

.Dedico este trabalho a minha filha Yasmim e Luanny que estar para chegar.

. que tanto.AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus. especialmente a minha mãe Mirian Salustiano que iluminou o meu caminho durante esta trajetória a minha avo Maria da Penha. mim acolheu e acolhe com carinho o meu esposo Jonatha e a todos aqueles que de alguma forma contribuíram para a construção de mais uma conquista na minha vida.

" (Paulo Freire) . é sempre uma teoria do conhecimento posta em prática."A Educação qualquer que seja ela.

Saúde. (2011). profissionais da educação.RESUMO Educação em saúde no cotidiano escolar é uma abordagem a questão relacionada ao cotidiano do aluno para o cuidar com sua saúde. MAIA. Para a concretização deste trabalho foi realizada uma pesquisa quantitativa e qualitativa se caracterizou por pesquisa de campo e bibliográfico de vários autores como: VALADAO (2004). ARIANO (2008) e BRASIL (2011) dentre outras que aborda a temática. pois o aluno que apresenta alguns problemas de saúde são aqueles cujo comportamento. garantido um ensinoaprendizagem de qualidade. consiste nas realizações preventivas em pro da promoção em saúde a passar conhecimento intermediando por profissionais da saúde. Ambiente. A integração saúde e educação e necessário o envolvimento de todo os segmentos escolar pois esta parceria beneficia a mudança de hábitos comportamento dos escolares beneficiados para o auto cuidado individual e coletivo. por observação do trabalho realizado pelo programa saúde na escola visa favorecer aos escolares melhores condições de aprendizagens. torna-se um multiplicador de informações o resultado maior é alunos com maior concentração e desempenho no processo do conhecimento em sala de aula. Esta pesquisa foi idealizada a partir de uma vivencia no ambiente escolar. Aluno. observado durante esta vivencia no ambiente escolar apresentam dificuldade de aprendizagem presente estudo descrito refere-se às ações e métodos adotados pelo ministério da saúde e educação e as praticas por parte dos segmentos dos profissionais de saúde e educação no ambiente escolar. utilizou-se um questionário direcionado aos educadores da creche e do ensino fundamental e uma entrevista com a enfermeira do Programa Saúde na Escola. Palavras-chave: Educação. TEXEIRA (1954). . Prevenção. levando em questão como a prevenção a saúde dos escolares podem ajudar na aprendizagem ? O estudo tem como objetivo identificar às ações preventivas a saúde no espaço escolar.

secured a teaching-learning quality. education professionals. TEXEIRA (1954).ABSTRACT Health education in the school routine is an approach the issue related to the everyday student to care about their health. This research was hatched from an experienced school environment by observing the work done by the school health program aims to encourage students to better conditions for learning. Student. taking into question as the prevention of school health can help in learning? The study aims to identify the preventive health actions at school. For the realization of this work a quantitative and qualitative research was characterized by field research and literature by various authors as performed: VALADÃO (2004). Maya (2011). . ARIANO (2008) and BRAZIL (2011) among others that addresses the issue. for the student who has some health problems are those whose behavior observed during this experiences the school environment have difficulty in this study described learning refers to actions and methods adopted by the ministry of health and education and the practices on the part of segments of healthcare and education in the school environment. consists of preventive pro accomplishments in the promotion health spending mediating knowledge by health professionals. A health and education necessary to involve all segments of the school integration because this partnership benefits the changing lifestyle behavior educational benefit to the individual and collective self-care becomes a multiplier of information the major result is students with greater concentration and performance in the process of knowledge in the classroom. Prevention. Keywords: Education. Environmental Health. used a questionnaire given to the teachers of kindergarten and elementary school and an interview with Nurse Health Program school.

...... 35 7 RELATÓRIO DO QUESTIONARIO .....................1 Os protagonistas da saúde no ambiente escolar................................................. 19 3........... 44 APÊNDICE .........................................................................PSE .................................... .....1 Programas saúde na escola..............................................................................................................................................2......................................... 14 3...................................................2................................ 42 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................. 32 6 ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA ENTREVISTA COM A COORDENADORA DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA .......................................1 Análise e interpretação dos dados obtidos pelos educadores ............................................. 18 3................................................................................................................................... ..... 11 3 SAÚDE E EDUCAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR ............... 34 6.....................................................SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ............. 17 3....................2 Saúde bucal ....... 22 4 PROJETOS E PROGRAMAS RELACIONADO A SAÚDE NO AMBIENTE ESCOLAR .........................................1 Alimentação saudável......... 29 METODOLOGIA ........................................................ 10 2 BREVE RELATO DA SAUDE .......................................................................................... 43 REFERÊNCIA ................................. 46 ................................................2 Projeto saúde e prevenção nas escolas (SPE ................................................................... 24 5 4...................... 24 4.................................................2 Os principais temas abordados no cotidiano escolar envolvendo educação em saúde dos escolares.....................................................

Este trabalho vem a contribuir para a reflexão da importância de educar para saúde. (2011) dentre outras que aborda a temática. .10 1 INTRODUÇÃO Este trabalho é uma pesquisa em relação à educação em saúde cujo presente tema Educação em Saúde no Cotidiano Escolar. Utilizou-se como instrumento uma entrevista. Conceito segundo a OMS (organização mundial de saúde). aos poucos foi se conscientizando sobre a potencialidade das escolas em promover a saúde das crianças e dos jovens. Uma ação preventiva da saúde realizada com escolares visa favorecer a aprendizagem e desempenho escolar cujos motivos estão relacionados à saúde para desenvolvê-lo deste trabalho que teve como fundamentação teórica: VALADAO. Este trabalho esta dividido em três partes. 2ª a saúde e educação no ambiente escolar percebe-se. questionário com perguntas fechadas direcionado a enfermeira componente da coordenação do Programa Saúde na Escola. o que não dependia apenas do ensino da saúde no currículo. (2011). ao qual visa o acompanhamento dos alunos da rede publica de ensino com objetivo de contribuir para formação integral dos alunos por meio de ações de promoção e atenção a saúde. MAIA. Caracterizou-se pesquisa de campo realizada com a equipe da coordenação do Programa Saúde na Escola. portanto que a década vem sendo discutido e valorizando a integração de Programas Sociais em especial a saúde no sistema curricular da educação. E por fim encontram-se os passos metodológicos e análise e interpretação de dados e as considerações finais. e educadores da rede de ensino de escolas municipais de Olinda. TEXEIRA. foi idealizado a partir de uma vivencia no ambiente escolar. 1° Parte resume breve relato da saúde no Brasil. ARIANO (2008) e BRASIL. e entrevista com professores da escola publica da rede de ensino município de Olinda no ano de 2014. 3ª descreve as ações de promoção e prevenção à saúde realizada pelo Programa Saúde na Escola. (2004). (1954). a saúde como estado de completo bem estar físico mental e social e não apenas a ausência de doença.

encontra se o conceito da saúde de acordo com a OMS ao qual se subtende que um cidadão para estar com saúde precisa estar em pleno gozo do seu bem estar englobando "biopsicossocioespiritual". A medicação utilizada por eles eram extraídas das ervas. reforçando a ação comunitária. Nesta época os mais beneficiados eram os burgueses. p. 2011. o individuo será mais saudável quanto mais conhecimento tiver em relação ao seu organismo e as maneiras de preservá-lo e melhorá-lo ( MAIA . cantos e rituais indígenas. criando ambientes favoráveis. pelo fato de quer os hábitos de prevenção á saúde dos escolares proporcionam aos mesmos o auto cuidado do corpo. Na carta Ottawa de 1986 apresenta cinco estratégias. as medida governamental de 1808 teve grande influência com a vinda da família real portuguesa a partir daí deu-se origem a criação das primeiras escolas brasileiras de medicina. o colégio médico – cirúrgico no Brasil e o Hospital Militar da cidade de Salvador e a escola de cirurgia do Rio de janeiro.89). Sendo a saúde atualmente como um estado dinâmico de bem . enquanto que a classe de baixa renda era excluída dos sistemas e serviços de Saúde oferecidos. Verificou-se.11 2 BREVE RELATO DA SAUDE Antes de o Brasil ser colonizado. seus habitantes eram os índios.2011. A Organização Mundial de Saúde (OMS) conceituou a saúde e o estado de completo bem estar físico mental e social e não apenas a ausência de doença nos Parâmetro Curricular Nacional (PCN. Neste contexto observa-se que desde muito tempo os indivíduos buscava sempre o equilíbrio psíquico de diversas maneiras. desenvolvimento de habilidades pessoais. os quais ditavam normas e maneira de curar as doenças através de crendices.32). psicológico e social.estar biológico. p. a primeira e de relevância a promoção da saúde. portanto que a educação e saúde se entrelaçam. as quais eram repassadas para as comunidades como forma de cura. Com o passar dos tempos após a colonização brasileira. reorientação de serviços de .

. sem qualquer descriminação as ações de saúde assim explicita o dever publico em promover pleno acesso desse direito implantado pelo governo. Universalidade. particularmente ao tratamento medico. obedecendo ainda aos seguintes princípios. as políticas públicas para o setor favorecem a cultura de que a saúde se concretiza mediante o acesso a serviços. A implementação de modelos centrados em hospitais em consultas medica .22-24). vem se incorporando progressivamente a cultura e a legislação à concepção progressivamente a cultura e a legislação a concepção de que saúde e direito de todos e dever do estado. No Brasil. mas a direitos humanos. (PCN. a qual previu a implantação do Sistema Único de Saúde (SUS) com o principal objetivo de promover “saúde para todos” beneficiando cidadãos sem diferenciar a classe social. Trata-se.080 Conselho Nacional de Saúde referente princípios e diretrizes ART 7º as ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o sistema Único de Saúde (SUS). Entretanto. Nesta ótica a constituição legítima o direito de todos. baseada em princípios doutrinários que dão valor legal ao exercício de uma pratica de saúde ética. De acordo com a lei n° 8. porem voltada para os menos favorecidos. portanto: De uma formulação política e organizacional para o reodenamento dos serviços e ações de saúde. Essa estratégia resulta como esperado processo de capacitação das pessoas para aumentar o controle sobre a saúde e melhorá-la (BRASIL. 2002. Mas adiante aconteceu um fato importante onde foi promulgada a constituição de 1988.93) Pode-se dizer quer estes princípios estão voltados para a “Universalidade” objetivando garantir toda e qualquer atenção à saúde dos cidadãos.p. que responda não a relações de mercado. Descentralização.. na ultima década.2001. pp.198 da constituição Federal. Integralidade.12 saúde. são desenvolvidas de acordo com as diretrizes previstas no ART.

2011.92) Contudo e necessário ações para remediar assim diminuir o risco a saúde e demanda de medicações ao recitar para a cura por uma doença que poderia ser evitada se a pessoa no estado da doença estive-se orientada a prevenção e conscientizada da sua importância. (PCN. desencadeadas apenas quando uma doença já instalada e o individuo precisa de socorro. historicamente. p. numa atenção a saúde baseada principalmente em ações curativas.13 e no incentivo ao consumo abusivo de medicamentos vem resultando. .

portanto . p. 2004. relatado por Jacques. De acordo com Valadão: Sem duvida a escola é um cenário importante na vida das pessoas que nela estudam e trabalham e a saúde é parte da experiência cotidiana de ser. 2004. aprender. Aprender a conviver pode-se fazer um paralelo com o campo do autocuidado com o corpo e a vulnerabilidade as drogas e outros agravos. Aprender a fazer é também adquirir uma formação profissional. no que é de relevância. devem também compreender e exercer um “outro” papel que diz respeito á saúde dos alunos.133) Sob o titulo educação e um tesouro a descobrir de Jacques Delors para a (UNESCO) o autor Valadão faz um paralelo ao que se refere aos quatros pilares da educação. envolvendo a educação em saúde. Mas para que a escola possa promover a saúde faz-se necessário uma articulação da saúde e educação. (VALADÃO. é necessariamente uma dimensão inerente ao dia da experiência escolar. Entende-se que aprender a conhecer é onde se aplica o ensino das múltiplas áreas do conhecimento em quer pode-se inclui a saúde.14 3 SAÚDE E EDUCAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR Historicamente as questões voltadas para a saúde escolar consolidou-se da ideia de que "os programas e ações que dizem respeito aos escolares incluem entre as responsabilidades da escolar e do professor" (VALADÃO. pelos demais espaços públicos e privados. p.133). viver e conviver. Entende-se. quando a criança ao longo da vida escolar adquire o conhecimento para proteção e prevenção do seu bem estar estará apto para enfrentar variadas situações e por em praticas seus conhecimentos. objetivando uma melhor compreensão em relação a esses dois campos os quais caminham juntos. pois ao se comparar os quatros pilares do conhecimento.que os professores além de dominarem suas atividades na área de educação as quais se especializaram. contudo se faz presente que a educação deve contribuir para o . Se a saúde é construída vida cotidiana. Aprender a ser.

133). A escola que integra e permite a relação da educação com a saúde. 2001. Ainda a contemplar a citação de Valadão. por exemplo. prevenir agravos e. p. Dessa forma de acordo como Parâmetro Curricular Nacional (PCN). contribui para uma sociedade sadia e menos vulnerável. Na pratica o professor assume o papel de educador em saúde ao desenvolver com seus alunos conteúdos que atendam as situações concretas do dia a dia escolar através de projetos campanhas e outras necessidades que são observadas em cada aluno individualmente as quais muitas vezes acarretam na dificuldade da aprendizagem e desempenho dos mesmos. Anísio Teixeira um dos mentores intelectuais do manifesto dos pioneiros da Escola Nova. desde que. portanto. e mais artes industriais. inclusive educar crianças e adolescentes (VALADÃO. físicas. dança educação física. propunha uma educação em que a escola desce as crianças um programa completo de leitura. "É preciso educar para saúde". p. ou seja. sociais. 2004. tornando-se e transformando em uma escola de qualidade e de bons desempenhos no que diz respeito à aprendizagem dos seus escolares. Nesse sentido não se pode compreender ou transformar a situação de saúde de um individuo ou de uma coletividade sem levar em conta que é produzida nas relações com o meio físico. musica. pesando na prática de um sistema público de ensino para os pais. social e cultural (PCN. podendo envolver para adquiri o outro cuidado do corpo e mente. ciências. saúde e alimentação a criança visto não ser possível educá-la no grau de desnutrição e . Compreende-se. aritmética e escrita. Na década de 30. para que a escola promova a saúde seja necessário urgentemente que ela deixe de ser entendida e responsabilizada como única instituição social adequada para acolher promover a saúde. São neste contexto que a saúde e a doença são temas tradicionais já inseridos no ensino formal. educando para desenvolver a responsabilidade social. desenho. 90).15 desenvolvimento total da pessoa.

portanto. e pelas instituições governamentais (BRASIL. portanto como potentes ambientais para a promoção e a educação em saúde e para o desenvolvimento de outras ações que se a escola pode realizar para proteger a melhorar a saúde da comunidade escolar. Sabe-se que “a criança quando inicia sua vida escolar traz consigo a valorização de comportamentos. A escola passa a assumir papel destacado devido a sua função social e assumir explicitamente a responsabilidade pela educação para a saúde (PCN. o que não dependia apenas do ensino da saúde. A revisão de experiências educativas realizadas em diferentes escolas e realidade permite constatar quer programas focalizados em temas variados como . Aos poucos foi se conscientizando sobre a potencialidade das crianças e dos jovens. voluntários. As escolas eram vistas.16 abandono em que viviam (TEXEIRA. Contudo como já foi citado por vários autores ao decorre deste trabalho que a escola é ambiente propicio para a promoção a saúde é na escola onde os programas de educação e saúde pode ter a maior repercussão. p. 2011. o que inclui o enfretamento das doenças crônicas e causas externas. preparando-as para as diversas fases da existência. 2002. voluntários. É essencial capacitar as pessoas para aprender durante toda a vida. Esta tarefa deve ser realizada por intermédio de organizações educacionais profissionais. favoráveis ou desfavoráveis à saúde oriunda da família e outros grupos de relação mais direta”. que há décadas tem sido discutido e valorizado a integração de programas sociais em especial a saúde no sistema curricular da educação. comerciais. e pelas instituições. 1959).97). Percebe-se. no currículo. p.42). beneficiando os estudantes na infância e na adolescência.

6) Profissionais da área de saúde também estão em parceria para este aprendizado. tem alguma eficiência em mudar atitude e. Não é pressuposto da educação para a saúde a existência do professor especialista. gravidez na adolescência.1 Os protagonistas da saúde no ambiente escolar. (BRASIL. a distribuição da merenda realizada com higiene. O educador não esta só nesta parceria os demais funcionários da escola também estar apto a educar para a saúde.17 drogas. Quando se fala educação em saúde a ideia e pensar um profissional da educação com habilitação a ensinar saúde. BRASIL.) deve também ser pedagógica em sua intenção e execução e em sintonia com a programação pedagógica e da escola. "Qualquer intervenção da saúde (educativa. nutrição ou transito são muito eficiente em aumentar conhecimento. p. No ambiente escolar não basta só à educação em saúde por administração dos ensinamentos do professor acredita-se que o ambiente esteja propicio a este objetivo. 2011 p 14). pois se trata de um processo de adesão que visa á melhoria da qualidade da educação e saúde dos educandos. preventiva clinica etc. estaduais e municipais. . e ser contada como momento de aprendizagem” (BRASIL. 2011. 2011. por sua objetividade e ganho de escala em ambiente coletivo" (BRASIL. com raras exceções. praticas sexuais desprotegidas. que tenha banheiros e salas limpas. porem o objetivo e o perfil do educador mediador e facilitador de assuntos do cotidiano dos seus educados que envolva a temática saúde relacionada a outras disciplinas. Se faz presente demais profissionais a exemplo. "O espaço escolar não deve ser utilizado para consultas medicas com o objetivo da medicalização ou de diagnostico clinico psíquico dos fracassos do processo ensinoaprendizagem. mas apenas para triagem. 3.25 . a importância do apoio dos gestores da área de educação e saúde. são ineficazes na mudança de praticas relacionadas à saúde (BARTLET. 6). p. desenvolvendo suas habilidades no ambiente escolar. inclusive álcool e tabaco. 2006). p. que se dará á luz dos compromissos e pactos estabelecidos em ambos os setores.

Espera-se que as famílias estejam. governamental. alguns para sua realização parte para sua execução de diretrizes e princípios de alguns projetos e programas do qual faz parte das área federal. p. Pois o envolvimento de pais e responsáveis na agenda da avaliação clinica e psicossocial amplia o Universo de cuidado ao qual queremos envolver o educando.16). 2011. para consulta anuais dos filhos.2 Os principais temas abordados no cotidiano escolar envolvendo educação em saúde dos escolares. 3. Essa parceria agrega o cuidar no olhar atento a possíveis sinais e sintomas de doenças e pode trazer mudanças importantes e efetivas nos hábitos familiares como a alimentação. pp.15-16).18 Se a entrada da equipe de saúde da família (e SF os gentes de saúde da comunidade e demais profissionais da unidade básica d saúde USB) na escola for organizada de maneira coletiva entre saúde e educação. mas presentes ao serviço de saúde oferecido na Unidade Básica de Saúde – UBS. . Faz parte também dos pais. então a presença dos profissionais de saúde que trabalha nesta parceria varia de acordo com os projetos e programas. 2011. com a inclusão dos pais e responsáveis e o envolvimento dos educando aumentamos o compromisso dessa comunidade com o enfretamento das vulnerabilidades sociais para cotidiano mais prazeroso e múltiplos (BRASIL. estadual. Os principais temas de abordagem no cotidiano escolar . impactando na comunidade como um todo (BRASIL. Sabe-se quer o maior beneficiado e protagonista deste contexto é o educando que ao adquirir o conhecimento com a junção de seus conhecimentos empíricos torna-se um multiplicador de informações ao que se pretende repassar o aprendizado ao seu convívio. As ações realizadas no espaço escolar referente à saúde veem sendo realizada por projetos e programas relacionados ao tema em presente estudo.

Quando não se tem uma alimentação saudável pode afetar o desenvolvimento físico e cerebral da criança além de obter doenças por carência nutricional. eles . (PCN.2. altura. pois relaciona ao ganho de peso.1 Alimentação saudável A alimentação adequada desde infância. nos três primeiros anos de vida e na préadolescência requer uma atenção especial.19 municipal.15 o escritor Ariano Suassuna relata: [. que nem na cidade moravam. a começar pelo período de amamentação é fundamental para o desenvolvimento físico da criança. 3. de forma contextualizada e sistemática o professor e a comunidade escolar contribuir de maneira decisiva na formação de cidadão capaz de melhoria dos níveis de saúde pessoais e da coletividade. 2008. p.] La eu tinha três colegas.. Em uma entrevista para revista brasileira.. organizando conteúdos. três irmãos. 2011. e participação de professores de outras áreas para melhor compreensão dos conteúdos a ser trabalhado com os educandos. ou excesso de determinada alimento. Com essas propostas os educadores de acordo com as necessidade e realidade dos seus alunos inserirem esses temas realizando a junção com demais assuntos de diversas disciplinas podendo se limitar a sala ou espaço em torno da escola ou ate mesmo visita a outros espaços. saúde da família. p.Sendo levado em consideração projetos ou planos de aula elaborado por professores de acordo com a proposta do Parâmetro Curricular Nacional ( PCN) Meio Ambiente e Saúde ao quer se refere na primeira parte: Ao educar para a saúde. critérios de avaliação e orientações didáticas para as atividades integradas às áreas curriculares aos demais temas transversais e ao cotidiano da vida escolar. 85) Neste contexto foram apresentadas as possibilidades de trabalho com as quatro primeiras series do ensino fundamental.

15).Obesidade. que era pequeno. e os outros meninos passavam e davam-lhes bilhetinhos (tapas na cabeça – Ariano mostra dando um tapa de leve em sua própria nuca). Este relato ainda é realidade em algumas escolas publicas sabe .Como uma criança pode assimilar os conteúdos sala de aula. a má alimentação que atinge a todas as classes sociais causando. Não podendo esquecer dos alimentos industrializados.Pois como uma alimentação e que dar ostentação para funcionamento do corpo tanto físico como mental. ele era um faminto! Então desde menino eu tomei consciência desse abismo social que separa os privilegiados dos despossuídos neste país (SUASSUNA. aquele pedaço de pão era o primeiro e único café da manhã que agente tomava. Então vencendo aquela situação.se que muitos estudantes não tem uma refeição adequada. . eles ficavam em pé.dia e a cabeça doíam de fome. só faziam baixar a cabeça.20 eram da zona rural e iam a pé por quilômetros para a escola. eu naturalmente me aproximei deles e ficamos amigos. Pois bem. é essencial para o crescimento e desenvolvimento no desempenho das atividades escolares. Esses meninos eram alvo de zombaria pelos outros porque eram considerados “burros” sem inteligência. p. Por que não tinham condições. encostados numa parede . Eles chamavam Ozório. percebi o mais velho dos irmãos olhando e eu instintivamente perguntei: você quer metade? Ele disse Quero! Dei a ele a metade do pão oferecida e ele partiu esse pedaço em três e deu aos outros dois irmãos. mas dava para brincar um pouco . Eles não se integravam aos demais na hora do recreio. anos depois encontrou com Pedro e conversando com ele me disse: Ariano. Uma boa alimentação rica em vitaminas nutrientes.Hipertensão e outras doenças decorrentes de alimentos não saudável. nem ao menos antes de ir a escola . “E como é que um menino desses ia ter condições de estudar”? Por isso ele era chamado de burro. Um dia na hora que fui comer o meu pão. mas ele não era burro nada. minha mãe me dava. para fazer o lanche. Ele disse que tinha que estudar até meio . 2008. E eles não reagem. Pedro e Davi. o professor nos deixava meia hora no quintal da escola. um pão com manteiga e isso era o meu lanche. ao qual fundamenta para evitar uma desnutrição e anemias. Ai eu fiquei dando o pão todo dia e eles comendo. Nessa época.

O sistema implantando após varias pesquisas sobre .gov. em seguida a prefeitura licitou o serviço para adquiri a merenda pronta para garantir regularidade na entrega. além de informações sobre higiene pessoal e do ambiente e a importância do uso dos equipamentos de proteção individual). (www.br.21 Ainda a contemplar o relato de da vivencia de Ariano Suassuna. mesmo quando este direito não chega a todos. Atualmente são poucas as escolas que produzem merenda escolar. antes era preparada por merendeiras. por meio da oferta da alimentação escolar e de ações de educação alimentar e nutricional. Entende-se que o acesso à alimentação escolar e um direito garantido. pois já citado nem todas as escolas tem este beneficio. dos alunos durante a permanência no espaço escolar. O Programa Nacional de alimentação escolar (PNAE) implantado 1955 beneficia estudantes com merenda escolar desde educação básica ao ensino médio e EJA (educação de jovens e adultos). Contribuindo para o crescimento.5 toneladas de alimentos estavam estragados e varias unidades de ensino estavam sem receber os alimentos. quando a produção era descentralizado. se faz presente reflexão em situação da merenda escolar em escolas publicas. na grande maioria as refeições ou lanches já veem prontas para ser distribuídas aos alunos. O cardápio escolar é elaborado por nutricionista do município que deverá balancear o valor nutricional dos alimentos oferecidos a supri as necessidades. inicialmente o fornecimento foi regularizado. cerca de 1.fne. acesso 28-05-2014 as 09:26). A merenda escolar em Olinda não é produzida nas escolas desde o ano 2003. o desenvolvimento a aprendizagem o rendimento escolar dos estudantes e a formação de hábitos alimentares saudáveis. A mudança veio em contraponto a problemática encontrada na rede publica em 2001 . higiene e qualidade nutricional. em entidades comunitárias (conveniada ao poder publico). quer estejam devidamente matriculados em escolas e creches públicas. hoje esta profissão denomina-se auxiliares da ação educativa na alimentação escolar (esses profissionais recebem treinamento sobre praticas de manipulação e armazenamento de alimento e utensílios.

conter qualidade dos alimentos e não pesar a quantidade.pegov. A desenvolver ação avaliativa do estado de saúde bucal dos educandos identificar aqueles com necessidades de cuidado em saúde.24) As ações desenvolvidas pela equipe Saúde da Família (S. Os educando torna-se multiplicador de informação podendo implantar uma horta em sua residência. Os educadores podem correlacionar a teoria a pratica.22 a produção e distribuição dos lanches em todas as escolas do país. sendo de acordo com as necessidades de idade de cada indivíduo.F) em parceria com escolas que aderiu o Programa Saúde na Escola (PSE) foram contempladas com a construção do escovódromo torna-se impacto positivo de escolas promotoras de saúde também foi comprovado sobre a condição de saúde . www.br/nutrição. O aluno é visto como sujeito do conhecimento. técnico desejado (FRAZÃO. a plantar. (BRASIL. www. 1995. p. p.2. acesso: 07-06-2014 às 04:53) Horta escolar vem sendo uma ótima metodologia de trabalhar a alimentação saudável. 3. isto é trabalha aparte da pratica é a vivencia dos alunos para chegar à construção do conhecimento. (MOTA.33) Vem consolidar a pratica diante das ações realizadas por professores.2 Saúde bucal Atualmente a incorporação das ações de saúde bucal pelas equipes de saúde da família (SF) usam os espaços sociais como as escolas e os espaços da Unidade Básica de Saúde. verduras e hortaliças.olinda.br) Uma alimentação saudável deve ser acessível rica em nutrientes. Os alunos aprendem a cultivar a terra. A promoção da alimentação saudável é respaldada pelas políticas nacionais de alimentação saudável e nutrição (PNAN) e da promoção da saúde (PNPS). o tempo da colheita a importância de consumir frutas e verduras sem agrotóxicos.saude. acesso 05-06-2001.gov. deve considera o consumo de alimentos regionais saudáveis e suas praticas culturais. fontes de vitaminas.2011. adquirir conhecimentos referente às fontes de vitaminas e nutrientes presentes nas frutas.

2003). Ações de aplicação de flúor. elaboradas a partir de site de referencia. atividades com pinturas e desenhos. al. Ao consultar artigos. pesquisas realizadas em site e observação no cotidiano escolar a pratica de abordagem da saúde bucal e adotado por professores a metodologia aplicada em sala de aula é de forma lúdica. através de teatro com fantoches. avaliação odontológica. técnica em saúde bucal (TSB) e auxiliar em saúde bucal (ASB) esta equipe é responsável em promover. palestra são realizadas por cirurgiã dentista. esclarecer sobre a higiene no ambiente escolar. escovação supervisionada. planos de aula de professores. atividades estas. especialmente relacionado à experiência de cárie e trauma dental (MOYSES. vídeos textos relacionada à temática. . livros didáticos ao conteúdo de pesquisa.23 bucal de crianças. et.

Para isso. Vem para contribuir o fortalecimento de ações na perspectiva do desenvolvimento integral e proporcionar à comunidade escolar a participação em programas e projetos que articulem saúde e educação para o enfretamento das vulnerabilidades que comprometem o pleno desenvolvimento de crianças adolescentes e jovens brasileiros.286 de 5 de dezembro de 2007. . aos adolescentes e aos jovens a uma qualidade de vida melhor (BRASIL. dos compromissos. fruto do esforço do Governo Federal em construir políticas Inter setoriais para a melhoria da qualidade de vida da população brasileira. do Ministério da Educação. Essa iniciativa reconhece e acolhe as ações de integração entre saúde e educação já existentes e que tem impacto positivamente na qualidade de vida dos educandos (BRASIL.15). Neste contexto para que o PSE alcance seus objetivo e primordial que: Á pratica cotidiana da Intersetorialidade nos campos da gestão.PSE Atualmente foi implantado o Programa Saúde na Escola (PSE). faz-se necessário de acordo às ações propostas no PSE considera os quatros pontos que visam garantir melhores condições e qualidades de vida para os escolares. p.24 4 PROJETOS E PROGRAMAS RELACIONADO A SAÚDE NO AMBIENTE ESCOLAR 4. uma articulação.05-06). 2011.1 Programas saúde na escola. decreto presidencial nº 6. dos dois setores e da abordagem nos territórios onde se encontra as unidades escolares e as equipes de saúde e família. pp. do planejamento. 2011. Assim a sinergia entre as políticas de saúde e de educação pode garantir as crianças. O PSE visa o acompanhamento dos alunos da rede publica de ensino com o objetivo de contribuir para formação integral dos alunos por meio de ações de promoção e atenção a saúde.

o Programa Saúde na Escola proporcionará á comunidade escolar a participação em programas e projetos que articulem saúde e educação para o enfretamento das vulnerabilidades que possam comprometer o pleno desenvolvimento das crianças e jovens brasileiros. (equipe de saúde da família) não deve competir ou se sobrepor aos momentos de atuação do professor ou atividade dos educandos. c) Qualquer intervenção da saúde (educativa. ou seja. clinica etc.25 a) O momento de atuação das ações realizadas pelas e sf. literatura. O lançamento do Programa Saúde na Escola foi oficialmente lançado na cidade de Recife no dia 4 de setembro de 2007. e ser contada como de aprendizagem (inclusive carga horária simultânea para a escola para as atividades de saúde realizadas. uma atividade clinica como o exame de vista deve ser trabalhado anteriormente num contexto interdisciplinar. d) É necessário e importante que os educandos sejam preparados sobre as atividades em saúde que serão desenvolvidas realizadas. b) O espaço físico a ser utilizado deve considerar e respeitar a dinâmica de atividades escolares já programadas. com a presença do Excelentíssimo Senhor Luiz Inácio Lula da Silva que sancionou este programa. Claunara Schilling Mendonça. do Ministério da Saúde. Segundo a diretora do departamento de Atenção Básica. . PP. e não somente avisados. preventiva.14-15). 2011. historia etc. de forma situada e legitima em sala de aula (seja numa aula de ciências.) deve também ser pedagógica em sua intenção e execução e em sintonia com a programação pedagógica da escola.) de maneira que a atividade em saúde a ser desenvolvida realizada tenha sentido e esteja relacionada com o momento pedagógico ou conteúdo que os alunos estão trabalhando e interessados (BRASIL.

Tratar a saúde e educação integrais como parte de uma formação ampla para a cidadania e o usufruto pleno dos direitos humanos. d) Monitoramento e avaliação da saúde dos estudantes por intermédio de duas pesquisas. Diretrizes do PSE são desenvolvidas de acordo com: 1.  Acuidade visual e auditiva. e ainda avaliação psicológica do estudante. e observara os temas da saúde e constituição das equipes que atuarão nos territórios do PSE.  Incidência precoce de hipertensão e diabetes saúde bucal (controle de cárie e outros). Permitir a progressiva ampliação intersetorial das ações executadas pelos sistemas de saúde e de educação com vistas à atenção integral a saúde e de educação com vistas à atenção integral a saúde de crianças e adolescentes. c) Educação permanente e capacitação de profissionais e de jovens.  Promovida pela Universidade Aberta do Brasil.26 O PSE atua nas seguintes áreas: a) Avaliação das condições de saúde dos alunos. do Ministério da Educação. em interface com os núcleos de Telessaúde. . tabaco e outros bem como a abordagem a educação sexual e reprodutiva além de estimulo a atividades físicas e praticas corporal.  Trabalha as dimensões da construção de uma cultura de paz e combate as diferentes expressões de violência.  Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PENSE) e encarte Saúde no Censo da Educação Básica (Brasília 2008). b) Promoção à saúde e prevenção.  Avaliação clinica e psicossocial Estado nutricional. 2. consumo de álcool.

Atuar. O PSE no município de Olinda. caso ocorra um assunto relacionado à saúde e que não esteja na programação de ações a ser realizada. assegurando as ações de atenção e cuidado sobre as condições de saúde dos estudantes. que possam comprometer o pleno desenvolvimento escolar. Fortalecer o enfretamento das vulnerabilidades. Promover a comunicação. 5. agente de saúde e motorista. na reorientação dos serviços de saúde para além de suas responsabilidades técnicas no atendimento clinico para oferecer uma atenção básica e integral aos educados e a comunidade. otimizando a utilização dos espaços. hoje é 63 escolas municipais que adere ao programa. encaminhamento e resolutividade entre escolas e unidades de saúde. efetivamente. equipamentos e recursos disponíveis. no campo da saúde. técnico administrativo. 7. 8. Promover a saúde e a cultura da paz. favorecendo a prevenção de agravos à saúde. Articular as ações do sistema único de saúde (SUS) ações das redes de educação publica de forma a ampliar alcance e o impacto de suas famílias.27 3. através de uma palestra ou . 8 enfermeira Programa de valorização capacitação profissional na atenção básica PROVAB-. pais. conta como componentes da equipe coordenadora Maria Clara. bem como fortalecer a relação entre as redes publicas de saúde e educação. caso solicitado estar temática é possível à intervenção do PSE para a abordagem do prezado tema ser trabalhado com grupo ou ate os escolares em geral dependendo do assunto. 4. Promover a articulação de saberes a participação dos educando. 6. As ações são realizadas de acordo com as metas determinadas pelo Ministério da Saúde para o atual ano. por campanhas ou necessidade da comunidade escolar. comunidade escolar e sociedade em geral na construção e controle social das políticas publicam da saúde e educação.

redação. envolvendo 2.052 alunos da rede municipal de ensino da prefeitura de Olinda. Programa Saúde na escola é uma referência por promover concurso relacionado à educação em saúde. 3° lugar.gov. parodia.olinda. A quarta edição do concurso em 2013. os participantes que concorreram nas categorias produção artística. desenho. . já os professores. concorreram com trabalhos na categoria volta para projeto de intervenção. com o tema Saúde Além dos Muros da Escola. Acesso: www. No total foram 27 escolas escritas.28 triagem com especialistas no assunto e outros. poesia. 2°. cordel. conforme houver a necessidade. sendo premiados os 1°. pintura. proporcionou a produção de trabalhos culturais e educativos voltados para a promoção e prevenção de saúde que são parceria do PSE. historias em quadrinhos e musical.br 09-04-2013 as 00:30. pe.

Desenvolve ações de promoção abordando a temática Saúde sexual e saúde reprodutiva tendo como objetivo redução à vulnerabilidade de adolescentes transmissíveis infecção pelo HIV. p. e um convite à articulação entre educação. 2010.16). Sendo estas ações realizadas no espaço escolar. ao mesmo tempo.29 4. fale. e conta com profissionais das Unidades Básicas de Saúde (USB). O projeto Saúde e Prevenção nas Escolas levam em consideração a importância das ações em saúde sexual e saúde reprodutiva realizada nas diferentes regiões do País. esse projeto representa um marco na integração dos sistemas de educação e saúde e privilegia a escola como espaço para a articulação das políticas voltadas para adolescente e jovem. gravidez na adolescência. Municipal. mediante a participação dos sujeitos desse processo: estudantes. O projeto.8). Estadual. saúde e as demais instâncias cujas ações repercutem na formação dos jovens (BRASILIA. Juntas atuam no planejamento. comente dialogue. famílias. tendo como apoio do Fundo das Nações Unidas para a infância (UNICEF). na linguagem jovem. Fundo de população das nações unidas (UNFA). profissionais da educação e da saúde. a determinar por avaliação do perfil da comunidade de jovens e adolescentes em situações vulnerável a falta de informações de maneira diferenciada que descreva. Subtendem-se as atividades realizadas são determinadas e realizadas de acordo com a necessidade local . Organização das Nações para a Educação e a ciência e a cultura (UNESCO). monitoramento e avaliação das ações desenvolvidas em âmbito Federal. para o que se pretende alcançar o maior publico de jovens a obter e absorver essas informações. na execução. assumindo que essa riqueza de experiências deve ser valorizada e potencializada quando da implantação do projeto (BRASILIA. que teve lançamento oficial em agosto de 2003 em Curitiba. p.2 Projeto saúde e prevenção nas escolas (SPE ) O projeto Saúde e Prevenção nas Escolas também e uma articulação do Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Produto da experiência e da reflexão de diferentes atores sociais. AIDS. 2010. .

riscos e danos do uso de álcool. onde a comunidade escolar terá a participação da escolha do tema a serem abordadas. alem dos profissionais na área de saúde para a formação de um grande grupo com a finalidade. vidro de diabetes. crack outros drogas no cotidiano da escola (BRASIL. ET. e. que estão relacionados com a maior suscetibilidade ao adoecimento e. o social e o programático ou institucional (AYRES. ações educativas e participativas sobre saúde sexual. De acordo com a linha de ação: Saúde e Prevenção na Escola (SPE): educação para saúde sexual. como a resultante de um conjunto de aspectos não apenas individuais. relevante a informação ao incentivar o despertar e enriquecer a mudança de hábitos com alto cuidado do corpo. AL. prevenção das DST/AIDS e de hepatites virais. 39). 2011p. roda de conversas. coordenação pedagógica e os estudantes e famílias. Compreende-se que as ações de Promoção e Prevenção neste contexto torna-se. ao mesmo tempo com a maior ou menor disponibilidade de recursos de proteção.30 Vulnerabilidade pode ser compreendida como a chance de exposição das pessoas ao adoecimento. saúde reprodutiva das DST /AIDS e de Hepatites virais nos projetos político . debates. 2003). inicial de realizar o diagnostico referente à componente II do PSE e a elaboração do planejamento das ações a serem realizadas no espaço escolar. também. Em 2007. realização de peças de teatro com o prezado tema abordado. oficinas temáticas. a partir de expressões artísticas.pedagógico (PPP). gincanas. mas também coletivos e contextuais. Esta nova aliança do SPE ao PSE conta com a participação de professores direção. Os resultados esperados são inclusão das temáticas da saúde sexual. tabaco. Sendo assim. as diferentes situações de vulnerabilidade dos sujeitos individuais e coletivos podem ser particularizadas pelo reconhecimento de três componentes interligados o individual. saúde reprodutiva e prevenção das DST/AIDS e hepatites virais acontecendo de forma continuam nas . mesmo quando o individuo é de todo saber a suas próprias escolhas. saúde reprodutiva e prevenção das DST /AIDS e de hepatites virais. o SPE passa a integrar o componente II do Programa Saúde na Escola (PSE) e se constitui como a principal estratégia para trabalhar as questões de educação para a saúde sexual saúde reprodutiva.

p. adolescentes grávidas se houver encaminhadas pela Unidade de Saúde Básica de referencia (pré-natal e pós-parto) (BRASIL. 2011. Na pratica o professor assume o papel de educador em saúde ao desenvolver com seus alunos conteúdos que atendam as situações concretas do dia a dia escolar através de projetos campanhas e outras necessidades que são observadas em cada aluno individualmente as quais muitas vezes acarretam na dificuldade da aprendizagem e desempenho dos mesmos. . p. 40). Compreende-se.133). responsáveis e com a comunidade). prevenir agravos e. que ´´para que a escola promova a saúde seja necessário urgentemente que ela deixe de ser entendida e responsabilizada como única instituição social adequada para acolher promover a saúde. E neste contexto que a saúde e a doença são temas transversais já inseridos no ensino formal. inclusive educar crianças e adolescente (VALADÃO. disponibilizadas de preservativos nas escolas (requer. acordo com os pais. Dessa forma de acordo com o Parâmetro Curricular Nacional (PCN). "É preciso educar para a saúde". adesão dos educando e da comunidade escolar as atividades. 2004. portanto.31 escolas.

levando em questão. O interesse pela temática surgiu pela vivência no ambiente escolar idealizado para a construção de um entendimento maior diante das ações e prevenções da saúde na educação. Como a prevenção a saúde dos escolares pode ajudar na aprendizagem? Para o desenvolvimento deste trabalho foi realizado uma pesquisa bibliográfica e de campo de vários autores como: Valadão (2004). balança. Na pesquisa foi realizada uma entrevista com uma (1) enfermeira do programa saúde na escola pública de Olinda em maio 2014 e com professores da mesma escola. (1993). as grandes massas de dados são quebradas em unidades menores e. Teixeira (1954). Identificar as ações preventivas à saúde no espaço escolar. desenvolve o ensino direcionado aos alunos matriculados desde a modalidade creche. localizada no bairro de Ouro Preto. . biblioteca. temas e conceitos. compreender a importância das temáticas de saúde desenvolvidas no ambiente escolar.32 5 METODOLOGIA Para a realização desta pesquisa utilizou-se uma pesquisa quantitativa e qualitativa. que aborda a temática. os espaços são compostos de uma (1) sala multimídia. instrumento para triagem visual. O estudo tem como objetivo analisar as ações desenvolvidas na educação em saúde. em seguida. reagrupadas em categorias que se relacionam entre si de forma a ressaltar padrões. Utilizou-se um questionário com oito (8) questões fechadas direcionado aos educadores de Creche. ensino fundamental e educação de jovem e adulto – EJA tem aproximadamente 25 professores. Maia (2011). dentre outros. como Kit bocão. livros relacionados a atividades de acordo de abordagem saúde. uma (1) onde funciona o Programa Mais Educação (do qual serve de suporte ao programa saúde na escola). que segundo Bradley. uma (1) multifuncional direcionada a complementação do ensino para alunos especiais. Ariano (2008) e Brasil (2011). A instituição pertence à rede pública municipal de ensino de Olinda. do Ensino Fundamental e com a enfermeira (já citada anteriormente) onde os resultados da pesquisa serão apresentados através de gráficos estatísticos. pois possui instrumento para a realização de algumas ações de saúde.

possui um escovódromo que contempla a realização de higiene bucal auxiliando nas atividades de escovação e aplicação de flúor. uma horta e jardim. secretaria e direção. parque infantil com escorrego e balanço.33 laboratório de informática ao total são 11 salas de aula. cozinha. masculino. mas tem uma coberta para desenvolvimento de atividades físicas e também uma praça com quadra próxima a escola que favorece a pratica de educação física dos alunos. . sala para professores. WC para funcionário. feminino. não possui quadra.

de vida e de relacionamento do homem consigo mesmo. processos e movimentos que. O programa este ano tem como meta vacinar as adolescentes do sexo feminino de 9 a 13 anos com intuito de prevenção ao vírus HPV. isto é visualizado através do comportamento dos alunos. p.34 6 ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA ENTREVISTA COORDENADORA DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA COM A Os dados obtidos através de uma entrevista com a coordenadora do programa saúde na escola pública de Olinda em 2014. o qual atende as necessidades da população escolar.. as condições de saúde não são só determinadas pelo Poder Público. a mesma afirma que são eficazes. pela Escola ou pelo indivíduo isoladamente. propostas. Entretanto.. porque nem sempre as ações são aceitas pelos mesmos. Foi questionada sobre metas prevista pelo programa determinado pelo ministério da saúde. A promoção da saúde é uma estratégia bem delineada por Ferraz (1996.] intervenções. 279) que salienta que são: [. . com seu semelhante e com o meio ambiente. por falta de apoio da Unidade básica de Saúde. atacando as causas mais básicas das doenças e apontando para novas formas ou condições de trabalho. Porém percebe-se que essas ações deveriam acontecer em conjunto com os profissionais da educação.

35 6.1 Análise e interpretação dos dados obtidos pelos educadores 1. . 60 % lecionam na modalidade de ensino fundamental. Que modalidade de ensino você trabalha? 40% creche 60% fundamental Fonte dados da pesquisa Ao que se refere à análise do questionário aplicado aos professores que lecionam em escolas da rede pública de Olinda. a respeito da educação em saúde no espaço escolar. 40% direcionada a creche.

garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para a promoção. 196. Estes resultados nos rementem que ainda a educação e saúde para alguns profissionais da educação estão distantes da vinculação da saúde e educação no seu campo de estudo. deixando apenas para se trabalhado a saúde como tema transversal. no PPP da escola. proteção e recuperação.36 2. . Que segundo a constituição Federal em seu artigo 196 (p.Quais disciplinas você trabalha fazendo enfoque com a saúde 10% 20% português ciências 70% todas Fonte dados da pesquisa Ao indagar quais as disciplinas que o professor trabalha fazendo enfoque com a saúde 70% contemplam a temática em todas as disciplinas. não existindo uma sistemática. 20% nas disciplinas de ciências e 10% disciplinas de português. A saúde é direito de todos e dever do Estado.91) diz: Art.

afirmaram que a escola realiza projetos envolvendo a saúde.37 3. Isso nos leva a compreender que a escola e uma referência a ações de promoção a saúde. Em seu planejamento é incluido a prevenção e promoção a saúde? 100% sim não as vezes . 4. Porem diante da observação realizada ao decore da vivencia escolar são poucos os envolvidos. A sua escola realiza projetos referente a educação e saúde? 100% Fonte dados da pesquisa Diante do achado da pesquisa 100% dos professores. mas diante dos poucos protagonistas a desenvolver este trabalho. quando sabemos que na prática os projetos realizados ficam apenas na intencionalidade.

p.52) que é forte o argumento de que “a criança não aprende porque não tem saúde” .Na sua escola existe horta como cutivo de uma alimentação saudável? 100% sim não Fonte dados da pesquisa Este dado demonstra que 100% dos professores se utilizam de um espaço que existe na escola como ação didática para desenvolver uma conscientização a respeito de uma alimentação saudável. objetivos metas a alcançar não adianta planejar. confirmando mais uma vez que se não houver uma intencionalidade. 5. diante da elaboração do seu planejamento. Entre profissionais de educação e de saúde salienta Silva (2002.38 O referido resultado da pesquisa mostra que 100% dos profissionais inclui a temática saúde. a qual possibilita desde a infância a conscientização de uma boa alimentação para manutenção da saúde. Porem diante das observações estes dados não contempla a pratica de todos os profissionais.

39 6. Quais tematicas você aborda em sala? 20% 20% ALIMENTAÇÃO SAUDAVEL 30% DST SAUDE BUCAL 60% Fonte dados da pesquisa Diante dos dados obtidos com relação aos temas em sala de aula 60% dos professores trabalham a doenças sexualmente transmissíveis (DST). . 20% alimentação saudável e 20% saúde bucal. Porém não descuidar de outras formas de cuidados para preservação da saúde. como apenas 20% dá referência à saúde bucal e alimentação saudável. que para que a escola promova a saúde seja necessário urgentemente que ela deixe de ser entendida e responsabilizada como única instituição social adequada para acolher promover a saúde. p. Compreende-se. devido à mudança de comportamento dos adolescentes que cada vez cedo o sexo faz parte da vida dos mesmos. inclusive educar crianças e adolescente (VALADÃO 2004. portanto. percebe-se que a DST é um tema que deve ser realmente discutido na escola.133). prevenir agravos e.

Existe profissional de saúde realizando atividade de promoção e prevenção a saúde em sua escola? 100% sim não Fonte dados da pesquisa Ao indagar se existe na escola um profissional de saúde cuidando da prevenção a saúde na escola 100% dos professores afirmou que sim.40 7. 8. Isto nos leva entender que o programa do ministério da saúde existe e que se faz necessário uma articulação constante. pois sabemos que fatores relacionados . você já vivêciou alunos com baixo desempenho escolar por motivos de saúde? 100% sim não Com relação ao baixo desempenho dos alunos por motivo de saúde 100% dos professores comprovam essa realidade.

.41 à saúde influenciam no aproveitamento dos alunos e os professores deverão ter um olhar diferenciado diante das causas que impedem aos alunos aprenderem.

neste ano realizado a campanha de vacina contra o vírus Papiloma Humano HPV usada na prevenção do colo do útero.Atualmente a equipe e composta por. motorista. Ao perguntar se estas ações surte efeito ao comportamento do educando contemplado. . A concluir de prevenção e diagnose Hanseníase.42 7 RELATÓRIO DO QUESTIONARIO Realizado uma pesquisa a coordenação do Programa Saúde na Escola referente a realização das ações aplicada no ambiente escolar municipais da rede publica das 63 escolas do município de Olinda. e Avaliação antropométrica. porem importante seria o envolvimento de todos os profissionais por que nem sempre as ações são bem aceitas com profissionais da saúde e educação.a resposta obtida Sim. Conforme as respostas do questionário foram obtidas as seguintes informações. as metas são determinadas pelo ministério da saúde ao qual a enfermeira entrevistada enfatiza o objetivo de realizar pelo menos 80% das ações que são propostas pelo Ministérios da Saúde. uma coordenadora .8 enfermeira do PROVAB (Programa de Valorização e Capacitação de Profissional na Atenção Básica) técnica administrativo.Para a realização de tais ações e preciso que a USB (Unidade Básica de Saúde) e profissionais da educação de suporte auxiliando reforçando as informações. agente de saúde.atendendo maior quantitativo de alunos. Direcionada a adolescente de 9 a 13 anos do sexo feminino.

profissionais de saúde um distanciamento no que diz respeito ao deslocamento da Unidade Básica de Saúde (USB) para realizar suas atividades no ambiente escolar as ações que vem sendo realizadas tem sido de suma importância para saúde. Neste sentido apesar de ainda existir por parte de alguns. a qual vem refletindo na aprendizagem e comportamento dos escolares atendidos. O presente estudo focou as ações e métodos adotados pelo ministério da saúde e educação e algumas praticas desenvolvida pelos profissionais de saúde e educação no ambiente escolar. Enfim. muitos são os projetos e programas integrados nos planos e ações das escolas. os quais realizam atividades diversas como: avaliação antropométrica. bem como a mudança de hábitos e comportamento dos alunos. promoção à higiene bucal. . beneficiando o ensino aprendizagem. na qual teve o envolvimento de todos os segmentos dos profissionais de educação. jovens e adolescentes matriculados nas escolas publicas municipais de Olinda. acuidade visual. A importância dessas atividades realizadas obteve como principal objetivo a conscientização e a pontecialidade das escolas em promover a saúde das crianças. diagnose hanseníase. avaliação odontológica. as quais desenvolvem atividades relacionadas à temática saúde em educação. Neste contexto foi possível verificar as ações do Programa Saúde na Escola atuante em 63 escolas da rede municipal de Olinda. e outros direcionados a necessidade dos escolares.43 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao desenvolver esta pesquisa. porém faz-se necessário sair da teoria e focar a necessidade da junção da saúde e educação sem a qual alunos não obterão êxito no que diz respeito à aprendizagem. concluo que a educação em saúde aborda questões relacionadas ao dia-a-dia dos alunos no que diz respeito às informações voltada para o cuidado com a saúde dos mesmos.

P. 1999. 01-11-1995] acesso 09-06-2014 ás 23:59. Heber. Departamento de Atenção Básica.Brasileiro-Ministério da Saúde. FRAZÃO. BARTLET. il (Serie B. 1994. Departamento de Atenção Básica.52P: IL. Jacques. Educação.Frutas CM. Ministério da Saúde. BRASIL.. Secretaria de Atenção á saúde.. JRCM. Neuro educação: A relação entre saúde educação /Rio De Janeiro: edwak 2011. Textos Básicos em Saúde).A. DELORS. BRASIL.(Serie Mais Educação). organizadores.44 REFERÊNCIA AYRES.2011. EE.Promoção da Saúde :Conceitos. Ministério da Saúde. 2002. França-Junior I Calazans GJ Salitte-filho HC. Instrutivo PSE/Ministério da Saúde. Secretaria de políticas de Saúde.In:c zeresnia D. 2009. O conceito de Vulnerabilidade a as Praticas de Saúde:Novas Perspectivas e desafios. As Cartas da Promoção da saúde/Ministério da Saúde. . Um Tesouro a Descobrir. The contribution of school health education to community health: what can we reasonably expect? Ajph 1984-91. [dissertação de mestrado apresenta a Faculdade de Saúde Publica da Universidade de São Paulo. Projeto Promoção da Saúde. Secretaria de Atenção á Saúde. São Paulo: Cortez. MAIA. Diretrizes Para Implementação do projeto e Prevenção Nas Escolas/Ministério da saúde Secretaria de vigilância em saúde-Brasília: 2008-(A normas manuais e técnicas). Secretaria de Políticas de saúde. Educação Integral: Texto Referencia Para O Debate Nacional: MEC SECOD. Brasília da Saúde. Participação do pessoal auxiliar odontológico em dês sistema locais de saúde de cinco municípios do estado de São Paulo.

Brasília:A Secretaria./legislação lei 8.. PARAMETROS CURRICULARES NACIONAIS: Meio Ambiente: Saúde/Ministério Da Educação.br..L].gov. westphalmf.fnde. n.20(out.ED.(acesso 28-03-2014 as 09:22) www.Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos./programas/.45 MOYSES.3. MM./secretaria–de-educação-realiza-formação-continuada –sobre Alimentação-Escolar.pe. Hialth Promot int.Ano Ix. Promoção da Saúde Na Escola: Repercussões Nas Secretarias Estaduais De Educação Do Brasil./mar.-3.olinda. Brasília: Ministério da Saúde.. Anísio. (acesso 28-05-2014) www.V. . VALADÃO..209- 218..2008).br. bydlowski. www úde.[ S.n.Rio de Janeiro.escolar/alimentação-escolar-apresentação.br/.T. IN: Escolas Promotoras de Saúde: Experiências Do Brasil (No Prelo)./dez.jan.. 2001. Secretaria Da Educação Fundamental.p.73..gov.pe.(acesso 28-05-2014 às 09:26).br/. gov./programa-saude-na-escola-entrega–premiação-em-Olinda (acesso 09 de abril de 2014 as 00h30min).S.. TEIXEIRA.2008.080.2003.ET AL. pereira imtb. Revista Brasileira Da Família .gov.080-conselho nacional de saúde ministério da saúde.18. www. Centro educacional carneiro ribeiro. Associations between health promoting schools policies and indicators of oral health in Brazil.. V.htm-lei n:8.1959.n.31.

A sua escola realiza projetos referente a educação e saúde? Sim ( ) Não ( ) 4. Quais as disciplinas você trabalha fazendo enfoque com a saúde? Língua Português ( Matemática ( Ciência ( ) Historia ( ) Artes ( ) ) ) Todas ( ) 3. Em quer modalidade de ensino você trabalha? Maternal ao 1º ano ( ) 2º ano ao 4°ano ( ) 5° ano ao 9º ano ( ) 2. Em seu planejamento é incluído a prevenção e promoção a saúde? Sim ( ) Às vezes ( Não ( ) ) 5.46 APÊNDICE QUESTIONÁRO 1. Na sua escola existe horta como cultivo de uma alimentação saudável? Sim ( ) Não ( ) 6. Quais as temáticas você aborda em sala de aula? .

Existe profissional de saúde realizando atividade de promoção e prevenção a saúde em sua escola? Sim ( ) Não ( ) 8. Você já vivenciou alunos com baixo desempenho escolar por motivos de saúde? Sim ( ) Não ( ) .47 Higiene pessoal e coletiva ( Alimentação saudável ( Verminose ( Saúde bucal ( ) ) ) ) Vulnerabilidade a drogas licita e ilícita ( ) Doenças sexualmente transmissíveis ( ) Gravidez na adolescência ( ) 7.