Informativo CETJ

Nascer, Morrer, Renascer Ainda, Progredir Sempre, Tal é a Lei
Outubro de 2014 - Ano X - nº 134

MEIMEI
Outubro. Foi neste mês, no ano de 1922, que
nasceu Irma de Castro, conhecida entre nós como
MEIMEI. E foi no mesmo mês, 24 anos depois,
que ela desencarnou, na cidade de Belo Horizonte,
vítima de sucessivos problemas de saúde, que culminaram com uma nefrite, a ponto de lhe cegar uma das vistas. No livro “Meimei, Vida e Mensagem”, Arnaldo Rocha, seu companheiro em vida,
conta que “nos dois dias que precederam seu desligamento já estava completamente cega. Mas mantinha a resignação, a humildade e a paciência.” Casaram-se em 1942, e apesar de muito quererem um
filhinho que lhe viessem abençoar o lar, isto não
foi possível. Tendo lido um romance onde o personagem chinês tratava sua companheira pelo nome
de Meimei (= amor puro), passou a tratar assim o
marido e este também assim a tratava na intimidade. E foi justamente este nome carinhoso, que só
era do conhecimento do casal, que fez com que,
Arnaldo Rocha, ateu radical e convicto, se convencesse de que uma mensagem recebida por Chico
Xavier era realmente de sua esposa recémdesencarnada. Arnaldo tornou-se então um
colaborador de Chico e fundou o Centro Espírita
Meimei.

www.cetj.org.br

levaram à uma rápida integração à vida espiritual.
As frustrações da última existência física (como a
impossibilidade da maternidade) não lhe causaram
revolta, e isto engrandeceu ainda mais sua alma.
É sempre bom lembrar que a crença espírita
deve fazer-nos melhores seres humanos e dar-nos
ainda uma maior compreensão do que se passa em
momentos decisivos como o do retorno à pátria
espiritual. A Doutrina Espírita não nos abre as portas do outro lado da vida tão somente pela adoção
de seus princípios. O mérito perante Deus e a sua
Justiça estão em nossas atitudes, pensamentos e
sentimentos.
Conta-nos Arnaldo Rocha que, no dia de seu
casamento, ao saírem da Igreja, viram um mendigo
sentado na escada, sujo e esfarrapado. Meimei voltou-se para ele e o beijou na testa, entregando-lhe o
seu buquê de noiva. Tudo ocorreu rapidamente e
ninguém notou seu gesto. Nunca falaram a respeito, ela era silenciosa e discreta. Somente neste livro
“Meimei – Vida e Mensagem” ele autorizou a publicação deste fato.

Espírito altamente amoroso e culto, que tem
se dedicado mais particularmente à assistência da
infância (nos dois planos da Vida), ditou muitos
livros através de Chico Xavier, dentre eles: Pai
Nosso, Cartilha do Bem, Evangelho em Casa, Mãe.
Meimei não era espírita enquanto encarnada.
Era de família católica. Portanto, é interessante
observar que sua boa índole (expressa em gestos
amáveis com todos) e seu amadurecimento espiritual (conquistado em vidas sucessivas) foi que a
DESTAQUES D E S T A E D I Ç Ã O

Editorial: Momento Feliz

Obr igada
Meimei por ter nos
deixado seu lindo
exemplo de amor
totalmente desinteressado, independente de denominação religiosa, e
por ter se tornado
uma doce mensageira à grande família humana.
Aline Abrante
CETJ
PAG.

02

Viver com paciência
Afeto te Afeta?
E não é que a tal sintonia existe mesmo... / Se eu quiser posso ir além

03
04
05/06

Mês Espírita / Programação Mensal

07/08

2

Informativo CETJ

Outubro de 2014

Momento Feliz
Num ato revestido de muita emoção para nós, e
acreditamos que para o Centro Espírita Fonte de Luz também, foi formalizada no dia 01 de outubro de 2014, a doação do terreno que pertencia ao CETJ, para aquela querida
e respeitável instituição.
No momento em que encontramos os bravos companheiros do Fonte de Luz no Cartório, passou pela nossa
lembrança, como num filme em alta velocidade, o início
desse processo que começou lá em 2011.
Naquela oportunidade, a irmã Beth, então Presidente do Fonte de Luz, solicitou-nos oficialmente através
de carta, que o CETJ, fizesse essa doação, pois estavam
projetando obras de reformas e ampliações, as quais só
poderiam ser executadas em sua plenitude e de forma mais
organizada pelos seus associados, cumprida a formalidade
de posse pelos reais ocupantes do imóvel.
Imediatamente convocamos uma Reunião de Diretoria, para discutirmos o assunto, o qual foi aprovado por
unanimidade. Mas precisávamos cumprir o Estatuto do
CETJ e consultamos também, para validar aquela aprovação, o nosso Conselho Superior, o qual numa noite de
depoimentos sinceros e emocionados todos manifestaramse inteiramente a favor.
Na Ata realizada na época, registramos: ” O Conselho Superior do CETJ, após verificar que o trâmite de
doação atendeu tanto ao nosso Estatuto, bem como aos
aspectos legais, conforme parecer do nosso Assessor Jurídico, registra que muito menos por esses aspectos e muito
mais movidos pelo espírito de fraternidade que deve unir
todos os espíritas resolveu aprovar a doação integral e
incondicional do imóvel ao C.E.Fonte de Luz....”
Ao tempo que parabenizamos o Centro Espírita
Fonte de Luz por essa conquista, gostaríamos de registrar
os nossos agradecimentos especiais ao nosso associado
Gelson Rodrigues de Souza, pelos incansáveis esforços
para vencer as formalidades junto aos Cartórios e ao exAssessor Jurídico do CETJ, Gregório Ferreira que, na ocasião, orientou-nos de forma bastante competente, sobre os
procedimentos a serem adotados para essa inédita alienação
de patrimônio.
Seguem abaixo, algumas fotos tiradas quando
presentes no Cartório da nossa cidade o Presidente, Marcio
da Silva Alves e a nossa Tesoureira Elisa Costa, representando o CETJ, juntamente com os membros do Colegiado
do Centro Espírita Fonte de Luz, participavam do ato de
assinatura da Escritura.

(fotos gentilmente cedidas por Elisa Costa)
Atenção!
Informamos que desde o mês de setembro, o
CETJ, por iniciativa de tarefeiros experientes no assunto, passou a confeccionar os próprios salgadinhos servidos na nossa Cantina.
Além da elevação da garantia de qualidade dos
produtos que servimos, demonstra o acerto de termos
construído uma cozinha muito bem aparelhada, visando
além de gerar mais recursos para a Casa, pela ampliação
de produtos oferecidos ao público, também diminuir
nossos custos operacionais em beneficio da manutenção
das nossas atividades.
Boletim Informativo do Centro Espírita
Trabalhadores de Jesus - CETJ
CNPJ: 27.792.118/0001-76
Utilidade Pública Lei Municipal No 1640
de 5/11/2002
Avenida Teixeira e Souza, 448 - Centro
Cabo Frio - RJ CEP: 28907-410
Telefone: 2645.4468
www.cetj.org.br

3

Informativo CETJ

Outubro de 2014

VIVER COM PACIÊNCIA
Quando somos pacientes perante os obstáculos do caminho
(texto baseado em ensinamentos do espírito Joanna de Ângelis) conseguimos harmonia e inspiração pra enfrentarmos os desafios... e nisso a gente se fortalece... principalmente se lá na frente
Joanna de Ângelis nos ensi- o resultado não for lá muito satisfatório... mas com paciência
na que a paciência pode ser resignadora sabemos que o resultado foi o melhor possível pro
considerada uma virtude do nosso progresso e evolução, mesmo que haja dor e sofrimensentimento...todos sabemos to...porque confiamos em Deus, acima de tudo... e seguimos
o quanto nos custa sermos em frente!!!
virtuosos em alguma coisa... A paciência aguarda e não reclama, a paciência é gentil e enrino caso aqui uma virtudezi- quecedora, a paciência é benção que conforta, apoiando-se na
nha só... a paciência...
certeza do triunfo após a vicissitude... que beleza!!!...
Como é difícil termos paci- Vamos treinar nossa paciência?! Sim!!!
ência... No nosso dia-a-dia a Devemos a cada dia treinar a nossa paciência, nas mais variapaciência pode e deve sim ir das situações... e olhem que não nos faltam situações, nunca,
se instalando em nós... aos nós sabemos disso.
poucos...a gente pode e de- A todo instante estamos topando com situações que nos testam
ve a cada dia conquistar um a paciência... então... quanto mais treinarmos essa virtude do
pouquinho mais de paciên- sentimento que é a paciência, mais dominaremos nossos impulcia nas várias situações enfrentadas...
sos desenfreados... nossa falta de educação da alma... Sim, é
Porque vamos compreendendo o porque das coisas e sabendo isso mesmo... precisamos educar nossas almas pra paciência
que tudo tem um propósito... tudo obedece a um processo evo- também... pra chegarmos à plenitude no momento certo.
lutivo e divino... e aí então vamos amadurecendo... vamos A paciência não censura nem injuria, não revida mal por mal,
entendendo realmente que a paciência é mesmo uma virtude do nem se ensoberbece, porque inspira humildade ante a grandeza
sentimento... Sentimento amadurecido bem no nosso íntimo, da vida.
como nos ensina a autora espiritual.
A paciência é também uma forma de caridade para quem a
A paciência se expressa como resignação perante as ocorrên- cultiva e para aquele a quem é direcionada....uma forma de
cias infelizes... é mesmo!!!...
caridade... muito bom isso... Se exercitamos a paciência e não
Isso é muito bom da gente frisar aqui e refletir... todos estamos revidamos um insulto estamos sendo caridosos... se exercitaaqui com nossos problemas, nossas doenças e dores, em maior mos a paciência e esperamos que o bem vença mesmo que lenou menor grau... cada um de nós sabe...
tamente estamos sendo humildes ante os desígnios de Deus...
Porque algo saiu diferente do que a gente esperava, do que a Porque confiamos em Deus, acima de tudo!!!...
gente queria... e aí dizemos logo... “bem, paciência!”... com ar Aliás, a paciência de Deus comanda tudo perpetuando a Sua
exatamente de resignação.
criação, a paciência é vida em desdobramento... lembremo-nos
Isso porque estamos aprendendo e tentando não nos desesperar da natureza e suas mudanças... a natureza muda muito mais no
nem nos perturbar com os fatos que nos desagradam, que nos tempo lento, que a gente nem percebe, do que nos grandes
aborrecem, que nos tiram do sério... E a doença nos tira muito fenômenos sísmicos... não é verdade?!... E Jesus!...
do sério.
Jesus se fez o modelo maior da paciência... e quem somos nós
Mas aí nós nos resignamos e dizemos... “ah, paciência!”...e por pra deixar de ter paciência com o que nos cerca?!...
que?!
Quem somos nós, perante o modelo de Jesus?!... Portanto é
Porque devemos enfrentar as nossas dificuldades e aflições nossa obrigação termos paciência e sermos pacientes... é nossa
com paciência?!... Muito simples... porque confiamos em Deus, obrigação moral!... É educação de nossa alma em processo de
acima de tudo!!!...
evolução!...
Porque sabemos que todos os acontecimentos difíceis e doloro- Então gente, baseando-nos no modelo de Jesus, sempre, que
sos em nossas vidas são lutas que nos desafiam... como a Joan- possamos exercitar a virtude da paciência em nossos corações,
na de Ângelis nos mostra... lutas desafiadoras... Que nos desa- em nossas atitudes, em nossa postura perante a vida, paciência
fiam pra termos paciência... a virtude do sentimento amadure- como sentimento amadurecido bem no íntimo, amadurecido em
cido em nosso íntimo.
nossa alma que precisa se educar pra crescer e evoluir, pra que
A atitude da paciência é edificante, estimulante, harmonizadora consigamos nos tornar mais fortes e prontos a combater o bom
e inspiradora... palavras da autora que convenhamos, precisa- combate... com paciência, muita paciência!!!...
mos refletir também... Quando conseguimos ter paciência fren- Porque confiamos em Deus, acima de tudo!!!...
te às tribulações a gente fecha a porta pro desespero e pro desâ- Muita luz pra todos nós!...
nimo que só nos deixam mais enfermos ainda...
Aline Costa - CETJ

4

Informativo CETJ

Outubro de 2014

Pouca importância se dá às manifestações do
afeto, " muito frequentemente, nós subestimamos o
poder do carinho, de um sorriso, uma palavra amável, um ombro amigo, dar ouvidos, um elogio
honesto, ou o menor ato de dedicação, pois todos
têm o poder de transformar uma vida." (Buscaglia).

O amor é um sentimento inato no ser humano
com potência de expansão infinita, entretanto a manifestação do amor que varia entre as diversas
culturas, é algo que se aprende e se ensina de forma
natural e espontânea no comportamento diário, nas
pequenas ocasiões, por isso os pais são tidos como
os primeiros mestres do afeto.
Apesar de o ser humano ter a capacidade
natural de doar afeto, tem grande dificuldade de
manifestá-lo e a cada dia mais, a indiferença passa
a ser uma atitude normal enquanto que as
expressões afetivas, públicas ou não, são tidas como descabidas ou estranhas.
Bloqueamos os impulsos afetuosos com
nossos filhos, pais, companheiros, amigos enfim,
mas o que vivemos são embaraços no campo da
manifestação espontânea e não no sentimento.
Todos nós sabemos amar, só temos dificuldades de
demonstrar e ensinar afeto.
Quando “ousamos”, são de ordinário,
manifestações ainda muito ligadas ao ego (o eu de
cada um), exclusivistas, dedicadas aos familiares,
aos iguais a nós no padrão sociocultural. É o amor
preso ao nível de consciência instintiva que se volta
para a conservação e reprodução da prole ou clã;
amor que se confunde com posse impossibilitando
a liberdade e a felicidade dos envolvidos.
Exercitamos o apego amoroso, pois não temos a capacidade de expandir afeto aos grupos que se diferenciam de nós, temos dificuldades para
manifestar o “amor cósmico” oriundo de nossa consciência espiritual que desponta sem a presença do
ego e interage no nível transpessoal.

Precisamos elevar nosso sentimento de amor
e desenvolver a capacidade criativa de receber e
doar afeto. Não podemos rejeitar ondas amorosas
que venham em nossa direção e devemos acreditar
que a conduta afetiva é prevenção de muitos males
e enfermidades. Abraços curam! Sabemos que
manter atitudes e pensamentos positivos liberam
hormônios que agem em favor da saúde e do bem
estar físico. As relações afetivas, em bases sadias,
também desempenham um papel importante por
envolver os indivíduos em clima de segurança e
confiança, o que estimula o crescimento pessoal e o
despertar das responsabilidades.
Reencarnamos para nos melhorar, assim
precisamos ultrapassar as algemas do ego, defensor
da personalidade muitas vezes equivocada e presa a
preconceitos,
adquirindo
novas
faculdades
superiores nos hábitos afetuosos, superando
transtornos de consciência e alterando o atual
estado mental, que varia com a qualidade das emoções e pensamentos predominantes em cada
pessoa, abrindo assim espaço às manifestações afetivas, ao bem querer, à consciência divina e amorosa em nós.
Ainda hoje abrace e diga para alguém
especial ao seu coração: Eu te amo!
Maryane Medeiros - CETJ

5

Informativo CETJ

Outubro de 2014

Para entender como e porque ocorrem essas
influências precisamos entender que nem sempre
fomos o que somos hoje. A maioria de nós trás
dentro de si marcas de uma inferioridade que ainda
não se apagou apesar dos nossos esforços. São heranças do passado, que se convertem, nessa existência, em sinais receptores de ideias afins. Maus
hábitos que permanecem em nosso íntimo, algumas
vezes controlados, outras apenas aguardando a oportunidade de se manifestar.

A poesia de Francis Thompson, poeta inglês
já havia sido revelada pelos Espíritos Superiores, e
de forma não menos poética, por Leon Denis em
“O Grande Enigma”.
“Todos os seres estão ligados uns aos outros e se
influenciam reciprocamente. O universo inteiro
está submetido à lei da solidariedade. Os mundos
perdidos nas profundezas do éter e os astros que,
a milhares de léguas de distância, entrecruzam
seus raios de prata, conhecem-se, chamam-se e
respondem-se. Uma força, que denominamos atração, os reúne através dos abismos do espaço.
Da mesma maneira, na escala da vida, todas as
almas estão unidas por múltiplas relações”.
O princípio da afinidade rege as nossas relações. Buscamos para a nossa convivência aqueles
que nos completam e com quem nos sentimos bem.
Assim também funciona a convivência com os Espíritos, nossos pensamentos se ampliam pelas suas
ideias, nossas conversações se enriquecem ou se
pervertem nesse convívio e nos inspiramos naqueles que sentem o que sentimos.
Nesse contato psíquico, nos conhecemos e
reconhecemos, nos chamamos e respondemos uns
aos outros vibratoriamente. Vivemos como que
mergulhados num oceano de pensamentos e nos
nutrimos das substâncias mentais que alguns bilhões de seres encarnados e desencarnados emitem
incessantemente. Sem perceber absorvemos a influência alheia que nos modifica, às vezes imperceptivelmente, outras ostensivamente, ao mesmo
tempo que projetamos em torno de nós aquilo que
trazemos em nosso interior.

Esse vínculo obedece a um processo de caráter emocional, por isso é fundamental cuidar dos
pensamentos e sentimentos. Se desatentos, nos deixamos conduzir por essas inteligências que nos influenciam e sem perceber passamos a conviver em
perfeita sintonia com os seres espirituais que cativamos, porque: “onde se encontrarem nossos pensamentos e valores morais aí estarão nossas companhias espirituais.”
E pensar que tudo começa com um simples
pensamento cuja origem é sempre decorrente do
“eu quero, eu posso, eu tenho direito”. O nome que
se dá a essa atitude nem precisamos comentar, mas
é importante saber que o mau pensamento é como
um vício que penetra em nossa vida aos poucos se
fingindo de vítima, se instala aparentando coragem
e nos cativa com promessas de justiça. No entanto,
se no mundo mental se processam as possibilidades
da influência, aí também se encontram as possibilidades de reagir.
Para recusar a influência perniciosa precisamos simplesmente observar a regra que define o
grau de evolução de todo ser humano: a qualidade
dos pensamentos e sentimentos.
A terapia, seja ela preventiva ou corretiva é
manter elevado o nível de nossas aspirações, renovar as paisagens íntimas e os ideais em todos os
campos: no estudo, nas atividades profissionais e
no exercício da fé. O “vigiai” que Jesus recomenda
é fundamental para manter a liberdade e a paz interior.
Diz Emmanuel que “cada alma recebe de
acordo com aquilo que dá e vive no clima espiritual que elegeu para si mesmo”.
Da nossa capacidade de escolha depende o
nosso bem estar. Não há evolução sem esforço,
melhores resultados exigem melhores atitudes.
Arnice Salgado - CETJ

6

Informativo CETJ

O dia a dia imprime em
nós uma velocidade que
nem sempre conseguimos acompanhar de maneira equilibrada e coerente com nossos propósitos de vida. De repente percebemos que as
coisas em torno de nós
mudaram e ficamos sem
entender como isso aconteceu.
Se observarmos com atenção perceberemos
que vez por outra nos acomodamos e perdemos a
oportunidade de acompanhar os acontecimentos de
maneira progressiva e natural. Nos sentimos desconectados da vida.
Cada vez mais, rotinas velozes e mecanizadas
nos cerceiam o dinamismo e a criatividade e nos vemos aceitando tudo que já vem pronto, formatado
num modelo que nem é o nosso, deixando de tentar,
exercitar e inventar. Isso nos violenta o sentimento
de liberdade interior e desanimamos.
A inteligência é alimentada pelo conhecimento, o bom ânimo pela esperança e a coragem para ir
além pelo esforço e perseverança. Quando nos falta
esse alimento, a vontade enfraquece e nos colocamos à margem dos acontecimentos. Ficamos para
trás e o interesse pela vida diminui porque sentimos
que nos distanciamos demais daqueles que um dia
caminharam ao nosso lado. O que aconteceu? Eles
correram ou nós diminuímos o passo? Agora o esforço para alcançar o objetivo é ainda maior. Perdemos então o interesse, a vontade de lutar por coisas
que já foram nosso ideal de vida, ou fingimos não
querer mais, porque é difícil reconhecer que falhamos. Passamos a desdenhar tudo aquilo que antes
era tão importante simplesmente porque tememos
não conquistar. Talvez seja uma posição cômoda,
mas nada confortável.

Outubro de 2014

renovação fazem parte
da lista de prioridades
na vida de qualquer um
de nós.
Reavaliar a existência e retomar o caminho para um horizonte que julgávamos
perdido é atitude para
aqueles que entendem a
mais relevante propriedade da vida: - a continuidade. Caiu, levantou; errou, refletiu, fez as devidas correções e seguiu
em frente; parou, tomou fôlego, retomou o caminho.
Entre erros e acertos, autonomia para decidir, agir e
progredir de forma natural e constante.
Toda situação por mais constrangedora que
seja é desafio à nossa capacidade de superação e serve de alerta para não nos entregarmos à inércia que
estimula a rebeldia. Atenção para não cairmos nas
armadilhas do conformismo e da acomodação e lembrar que enfrentar essa paralisia mental é decidir-se
por viver e não deixar a vida passar.
Trazemos dentro de nós uma necessidade inata
de crescimento que não deve ser camuflada ou esquecida. Conflitos, todos temos, dores todos sentimos, decepções todos passamos, mas o ser humano
consciente da grandeza de seu destino não se acomoda, nem se deixa abater.
Podemos dizer não aos medos, pois temos a
proteção Divina; podemos superar inseguranças,
pois sabemos que estamos submetidos à lei de causa
e efeito; podemos nos arrepender de uma atitude e
mudar de posição, pois temos o perdão da vida.
A proposta é ir além do que é comum, do que
é fácil demais, do que qualquer um consegue sem
esforço; dos nossos limites, das médias conquistas,
dos conflitos que entravam a vida; dos padrões limitadores, das ideias castradoras, da vida limitada à
existência física.

Ser humilde e reconhecer que se acomodou e
perdeu o compasso é o caminho que leva à solução.
Ir além é ter propósito para viver em
Isso significa enfrentar a realidade ainda que seja consonância com as condições preconizadas pelo
amarga. Sempre é tempo de recomeçar, de se inserir Mestre Jesus em sua simplicidade e humildade.
em novos grupos, participar de novas tarefas, buscar
novas oportunidades. As tentativas muitas vezes va- REFLEXÃO: Revisar a vida e mudar de posição,
lem mais do que as conquistas, pois nos trazem ex- rever conceitos e preconceitos, empreender esforços
para mudar são tarefas árduas, mas fundamentais
periências diversas e muito aprendizado.
para os Espíritos Imortais que somos. Afinal de conO hábito de refletir diariamente sobre a vida, tas, a vida continua e precisamos ir além.
atitudes e ações nos compromete de maneira muito
positiva com a própria evolução. Transformação e
Carlos H. Salgado - CETJ

7

Informativo CETJ

48o Mês Espírita do 34o CEU-Outubro de 2014
“ O Evangelho Segundo o Espiritismo-150 anos-Luz Aprazível”

Outubro de 2014

8

Informativo CETJ

PROGRAMAÇÃO DA CASA
Dia

19
26

Domingo 18h

Palestrante

Origem

Tema

Hérica Gonçalves

São Gonçalo

150 anos de o Evangelho curando
almas

Daniel Pavam

C.E. Trabalhadores de Jesus
Cabo Frio/RJ

O Evangelho no fortalecimento dos
vínculos afetivos

Alexandre Moraes

C.E. Maria de Paula Brandão
Cachoeiro de Itapemirim /ES

Evangelho – Amor Essência Divina

Eredineia Costa

Rio de Janeiro

ESE 150 anos de Luz Inapagável

05

12

Outubro de 2014

Quarta-feira - 20h

Dia

Palestrante

01

Cláudia Pavam

Tema
O Suicidio e a Loucura

Cap./ Itens
Capítulo V
Item 14 a 17

O Evangelho Segundo o Espiritismo 08

Paulo Jorge

Igualdade diante do túmulo.

Capítulo IX
Itens 823 e 824.

O Livro dos Espíritos
15

Roracy Corrêa

22

Flavio Scalli

Bem e Mal Sofrer
O Evangelho Segundo o Espiritismo
Liberdade natural.

Capítulo V
Item 18
Capítulo IX
Itens 825 a 832

O Livro dos Espíritos
29

Sergio Menezes

Livraria : Segunda a Sexta-feira: 14h30 às 17h
Quarta-feira: 19h30 às 21h; Sábados:15h30 às 18h;
Domingos:17h30 às 20h
Biblioteca: quarta-feira 19h30 às 21h30;
quinta-feira: 14h30 às 17h; domingo: 17h30 às 19h30.
Domingos
18h às 19h30: Reunião pública; Grupo de Recreação
Infantil Tudo é Amor (GRITA).
Segundas-feiras
14h às 17h: Tarefas de corte e costura e bazar;
14h30 às 17h: Pechincha;
15h às 16h30 e 20h às 21h30: Reuniões de
Desenvolvimento. Mediúnico e Socorro Espiritual;
18h15 às 19h45: Estudo Sist. da Doutrina Espírita;
Estudo Livro do Espíritos
20h: Reunião de estudo da mediunidade.
Terças-feiras
14h às 16h: GEMA - Atendimento às gestantes;
19h45 às 21h30: Reunião de tratamento Espiritual.

Conhece - te a ti mesmo
Quartas-feiras
15h às 16h30: Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita
15h às 17h: Grupo de Visitas a Enfermos Milota Cabral;
20h às 21h30: Bazar;
20h às 21h30: Reunião pública; Grupo de Recreação Infantil Tudo é Amor (GRITA).
Quintas-feiras
14h30 às 17h: Bazar; Pechincha; Tarefas corte e costura
15h às 17h: Plantão de passes;
18h15 às 7:30h: Estudo Livro dos Espíritos
18h30 às 20h: Estudo das obras de André Luis;
19h: Montagem bolsas de alimentos; 1ª e 3ª de cada mês
20h às 21h30: Estudo Sist. da Doutrina Espírita
Sextas –feiras
13h30: preparação da sopa. (1a. e 3a. de cada mês)
20h às 21h30: Reunião mediúnica;
Sábados
10h às 11h30: 1o e 3o do mês, atendimento aos irmãos
cadastrados; distribuição de sopa e bolsa com alimentos.
15h às 16h - Oficina de Música
16h às 18h: Evangelização infantil; reunião da Mocidade
Espírita; Reunião do Grupo de Pais;

O CETJ fica aberto diariamente de segunda a sexta-feira, de 14h às 17h, para as atividades administrativas e informações