TEIXEIRA, MARTINS & FEITOSA - ADVOCACIA E CONSULTORIA

Rua Pedro Oliveira Rocha, 189, Farol, Maceió-AL / Fone-Fac 338-4327

PARECER
(AJ - Parecer Circular nº 028/2001)
ASSUNTO: Contribuição Sindical.
Contribuição Sindical - Obrigatoriedade Categoria Profissional dos Servidores Públicos
Municipais - Requisitos.

Trata-se de consulta dirigida a esta Assessoria
Jurídica no sentido de que se opine sobre a possibilidade legal da
retenção,

pelo

remuneração

erário

dos

municipal,

servidores

da

públicos

contribuição
municipais,

sindical
em

favor

na
da

Confederação dos Servidores Públicos do Brasil - CSPB e da Federação
Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas - FNU, tendo em
vista os ofícios enviados por essas entidades aos municípios Alagoanos
solicitando o recolhimento do tributo.
RESPOSTA:
A atual

ordem

constitucional

brasileira

permite

diversas formas de financiamento do sistema sindical, dentre elas a
contribuição sindical e a contribuição confederativa. Esta última não
nos interessa no momento, visto que a CSPB e a FNU apresentaram
notificação

somente

quanto

à

contribuição

sindical,

também

conhecida como imposto sindical. A contribuição sindical é devida por
todos aqueles que integrem uma categoria econômica ou profissional,
inclusive liberal, devendo ser recolhida pelo empregador em uma única
parcela, correspondente a um dia de trabalho realizado no mês de
março. Como em geral o pagamento do mês é feito naquele
subseqüente, o recolhimento deve ser feito no mês de abril, a teor do
que dispõem os artigos 578 e seguintes da CLT.
1

189. por ser facultado aos servidores públicos organizarem-se em sindicato.ADVOCACIA E CONSULTORIA Rua Pedro Oliveira Rocha. considerando que a corte suprema é quem confere o real sentido das normas constitucionais. sem que haja espaço para que o intérprete ou o aplicador da lei possa estendêlos. curva-se ante a decisão acima indicada para concluir que a contribuição sindical é devida pelos servidores públicos. “não vislumbro suporte jurídico à pretendida exclusão deles do regime da contribuição legal compulsória”. como o artigo 578 da CLT. como sua base de cálculo. o Supremo Tribunal Federal. e como tal deve ser recolhida pelos Municípios brasileiros no valor equivalente a 1/30 (um trinta avós) da 2 . MARTINS & FEITOSA . por tratar-se de tributo. visto que. tanto o inciso IV do artigo 8º da Constituição. e não de servidores públicos. Em sendo assim. até que uma lei específica venha a incluí-los no rol dos sujeitos passivos da relação jurídica de contribuição. e ainda os sujeitos passivos da relação jurídica. julgou devida a contribuição em análise. sob o argumento de que. Farol. que teve como Relator o eminente Ministro Sepúlveda Pertence. são elencados em lei. Isto é tão mais verdadeiro quando se considera que o parágrafo 2º do artigo 39 da Lei Maior não faz remissão ao seu artigo 8º (da CF). Não obstante. a conclusão a que se chega é a de que a contribuição sindical não é devida pelos servidores públicos. Maceió-AL / Fone-Fac 338-4327 Sopesadas todas as regras e princípios que regem a matéria.TEIXEIRA. Por esse motivo é que se pode entender não ser devida a contribuição sindical para os servidores públicos. tratam tão somente de trabalhadores privados.758-1. Ora. no julgamento do recurso em mandado de segurança nº 21. na hipótese em estudo. tanto seu fato gerador.

Assim.4. senão um sindicato diferenciado. e não econômicos. federação ou confederação na mesma base territorial (CF. Maceió-AL / Fone-Fac 338-4327 remuneração mensal de cada um. como a unicidade na mesma base territorial). Farol. auferida no mês de março por ano de competência. pois esta é diferenciada. pelo que se fará uma explicação sumária sobre os respectivos beneficiários. Destarte. das quais a CASAL e a CEAL são exemplos típicos) servem para representar a categoria profissional dos servidores públicos. nos termos do parágrafo 3º do artigo 511 da CLT. mesmo porque seus fins são sociais. Assim. Daí porque nenhum sindicato. Veja-se: A) O ordenamento jurídico pátrio adotou as normas e princípios da legislação corporativista italiana quanto ao sistema sindical. de 3. como o dos Servidores Públicos Municipais (inexistente no Município de Pão de Açúcar).ADVOCACIA E CONSULTORIA Rua Pedro Oliveira Rocha. Resta agora saber a favor de quem se recolhe o tributo. III e IV do artigo 8º da Constituição). B) só pode existir um sindicato. apresentando a Carta Sindical. art. como as sociedades de economia mista. Ora. 3 . 189. 8º. federação ou confederação comuns (como os urbanitários. deve a entidade sindical interessada comprovar sua existência como tal. documento fornecido pelo Ministério do Trabalho. órgão que controla o registro sindical no Brasil (controle objetivo. MARTINS & FEITOSA . uma categoria profissional decorre de uma categoria econômica (incisos III. os Municípios brasileiros não correspondem a uma categoria econômica.TEIXEIRA. inciso II). pode representá-los. salvo se o Ente Público descentralizou sua atuação através de pessoas jurídicas de direito privado. limitado à análise dos requisitos extrínsecos. principalmente na Lei de Rocco (lei italiana nº 563.1926). mesmo que não haja nenhuma norma expressa. na prática brasileira.

persistem dúvidas razoáveis. pois esta representa os profissionais urbanitários e não a categoria profissional diferenciada dos servidores públicos. o que se observa é que. comprovaram ser entidades sindicais com registro no MT (requisito da unicidade). da contribuição sindical equivalente a 1/30 (um 4 . nem a Federação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas .FNU. in hoc casu. desfavoravelmente. embora o recorrente disponha de BASE TERRITORIAL MÍNIMA exigida pelo texto constitucional. Esta última razão. 189. motivo pelo qual lhes deve ser negado o pedido de recolhimento da contribuição sindical. C) a preocupação aqui externada com a prova da unicidade sindical é pertinente..).ADVOCACIA E CONSULTORIA Rua Pedro Oliveira Rocha. como bem dispôs o acórdão já citado: Ora. nem a Confederação dos Servidores Públicos do Brasil . diversos se apresentaram e se intitulam como representantes dos servidores públicos.FNU. em resposta a consulta efetuada por diversos municípios Alagoanos.TEIXEIRA... invade o juízo de certeza e liquidez do alegado direito. Essa conclusão se aplica com muito mais razão à Federação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas . e muito menos comprovaram inexistir sindicatos e confederações ou federações para os fins do artigo 589 da CLT (rateio do tributo entre as entidades sindicais). na remuneração dos servidores públicos municipais. Maceió-AL / Fone-Fac 338-4327 Segundo a documentação que foi acostada com o pedido de parecer.. MARTINS & FEITOSA . (. Por tudo que foi anteriormente posto. visto que ela se configura como um dos requisitos para o recebimento da contribuição sindical. No pertinente à entidade sindical beneficiárias das contribuições. por si.CSPB. uma vez que ‘. não comprovou que atende ao princípio da UNICIDADE. Farol. entende esta Assessoria Jurídica ser legal a retenção.

deve ser recolhida em favor do Sindicato. 189. 3. 60% para o sindicato.a contribuição sindical deve ser rateada na seguinte proporção (art. Maceió-AL / Fone-Fac 338-4327 trinta avós) da remuneração percebida no mês de março. 589 da CLT): 1. II . Caso esta também inexista.ADVOCACIA E CONSULTORIA Rua Pedro Oliveira Rocha.TEIXEIRA. IV . 2. Caso inexista o Sindicato. III - deve ser comprovado pelo ente sindical interessado sua qualidade como tal. 15% para a federação. todo o montante será devido à conta especial acima indicada (art.a contribuição sindical é devida uma vez por ano mês de abril. Farol. salvo melhor juízo. e o montante do item 2 à Confederação. Inexistindo qualquer das entidades referidas. seu percentual será redistribuído para a Federação. 4. desde que obedecidos os seguintes requisitos: I . Maceió-AL. 590 e 591 da CLT). 7 de novembro de 2014. tendo por base de cálculo a folha salarial do mês de março. 5 . o porcentual do item 3 será recolhido para a conta especial. 20% para uma “Conta Especial Emprego e Salário” existente na Caixa Econômica Federal. MARTINS & FEITOSA . 5 % para a Confederação. por meio de original ou cópia autenticada do registro sindical (Carta Sindical) emitido pelo Ministério do Trabalho. Este é o nosso entendimento. Federação e/ou Confederação dos Servidores Públicos.

189. Marcelo Teixeira 6 . 7 de novembro de 2014. Maceió.OAB/AL nº 4. MARTINS & FEITOSA .810 De acordo. Farol.ADVOCACIA E CONSULTORIA Rua Pedro Oliveira Rocha. Maceió-AL / Fone-Fac 338-4327 Alexsandre Victor Leite Peixoto Advogado .TEIXEIRA.