Os medicamentos e a Odontopediatria

Patrícia Vida Cassi Bettega¹, Eduardo Karam Saltori²,
Aline Cristina Batista Rodrigues Johann³, Ana Maria Trindade Grégio4
1

CD, Ms e professora do curso de especialização em Odontopediatria PUC-PR.
CD, Ms e Doutorando em Estomatologia e professor de Odontopediatria do curso de Odontologia PUC-PR
3
CD, Ms, PhD e professora de Patologia do curso de Odontologia PUC-PR
4
Mestre em Farmacologia e Doutora em Odontologia Professora Titular de Farmacologia do Curso de Odontologia PUC-PR
2

Autor correspondente:
Patrícia Vida Cassi Bettega
Rua Imaculada Conceição nº1155 – Curso de Odontologia, PUCPR
Prado velho - CEP: 80215-901- Paraná
email: patriciabettega@gmail.com

RESUMO

INTRODUÇÃO

O uso de medicamentos na Odontopediatria é um assunto polêmico e de extremo interesse por parte dos cirurgiões-dentistas. O
conhecimento farmacológico é necessário a fim de se prescrever de
forma adequada. O desconhecimento acerca de indicação, formas
de administração, posologia e efeitos adversos dos medicamentos
em crianças pode, muitas vezes, acarretar em efeitos colaterais,
assim como a ausências de efeitos terapêuticos desejáveis. Esse
artigo tem como objetivo enfatizar a terapêutica medicamentosa
em crianças, abordando de maneira simples os principais medicamentos utilizados na Odontopediatria. É necessária uma atenção
especial por parte do profissional prescritor, quando se diz respeito
à criança, uma vez que ocorrem alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas nesse grupo de pacientes.

O uso de medicamentos em Odontopediatria
é um assunto polêmico, apesar das pesquisas realizadas junto à farmacologia e aos laboratórios farmacêuticos. A aprovação de projetos referente aos estudos
realizados em crianças nos comitês de ética é extremamente rigorosa e controlada. Logo, os medicamentos não são suficientemente estudados nas diferentes
sub-populações pediátricas, resultado em consequên1.
cias preocupantes

A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou, em 2007, a primeira lista de medicamentos
essenciais para crianças, acompanhada de um levantamento das necessidades de pesquisa nessa área e
2
de uma campanha “Make Medicine Child Size” .

O Brasil ainda não apresenta uma regulação
específica para registro e uso de medicamentos em
crianças, como também carece de uma política de estímulo à pesquisa clínica em pediatria. Alguns estudos
realizados no país evidenciam a alta frequência da utilização de medicamentos não-licenciados ou não-padronizados nesta faixa etária, bem como outras inadequações no emprego de medicamentos. É possível
que a carência de produtos adequados para uso pediátrico seja um importante fator de risco de reações
adversas e intoxicações medicamentosas no país.

PALAVRAS-CHAVE
Medicamentos, Prescrição, Odontopediatria.

ABSTRACT
The use of drugs in Pediatric Dentistry is a controversial issue, and
of extreme interest on the part of dental surgeons. The pharmacological knowledge is necessary, to prescribe in an appropriate manner. The lack of knowledge about indication, forms of administration,
dosage and adverse effects of drugs in children can often result in
collateral effects, as well as the absence of therapeutic effects desirable. This study has the objective to emphasize the drug therapy in children, addressing in a simple way the main drugs used in
Pediatric Dentistry. For this, is necessary increased attention of the
professional prescriber, when it concerns the child, once that occur
alteration of pharmacokinetic and pharmacodynamic properties in
this group of patients.

KEYWORDS

Drugs, Prescription, Pediatric Dentistry.
20

Diferenças farmacológicas e fisiológicas da criança

Os principais eventos de intoxicação, citotoxicidade e reações adversas a medicamentos em
crianças ocorrem pelas diferenças da função renal,
hepática, respiratória, cardiovascular, imunológica,
3
sistema de coagulação e metabolismo . As diferenças

Jornal ILAPEO

podem-se 1 utilizar as fórmulas do quadro . a via de administração de eleição na odontopediatria é a via oral. sendo que a posologia deve ser calculada com base no peso ou na superfície corporal da criança. o estado nutricional é importante pela quantidade de proteína 4 circulante e armazenada . Fev. entretanto a dose pediátrica não está dis9 ponível em todos os medicamentos . não devem ser utilizadas se o fabricante fornecer a dose pediátrica. aborda a necessidade do cirurgião dentista em tomar precauções no que diz respeito à administração de medicamentos em pediatria. A biodisponibilidade dos fármacos também deve ser considerada no momento da prescrição. pressão sanguínea e resistência cardio-pulmonar. Forma farmacêutica e via de administração A escolha do fármaco e da forma farmacêutica deve ser fundamentada no desenvolvimento da criança. pois os cálculos baseados na idade ou no peso são conservadoras e tendem a subestimar a dose necessária. bem como o nome genérico. por meio da agitação do frasco antes de cada uso. há necessidade de ajuste de doses. bem como o nome genérico. Na clínica odontológica. Caso essa dose não esteja especificada. como: idade. antitérmicos e antiinflamatórios não esteroidais (AINEs) estão entre os medica10 mentos mais utilizados por adultos e crianças . indicação terapêutica. a melhor fórmula a ser utilizada seria da su9 perfície corpórea. estado nutricional. contra-indicações e considerações . portanto são mais suscetíveis aos efeitos adversos dos medicamentos. tamanho. Mar . elixir e suspensão deve ser cautelosa. 6. informações relacionadas à posologia contidas nas bulas fornecidas pelo fabricante são confiáveis. ho5 rário da administração e doença pré-existente .Fórmulas para cálculo de dose em odontopediatria. na capacidade da mesma deglutir drágeas e comprimidos. ou seja. sendo a via de mais fácil acesso e manipu8 lação . Koren afirma que estas fórmulas não são precisas. administração concomitante com outros fármacos. como por exemplo. peso corporal. A suspensão contém partículas não dissolvidas do fármaco que necessitam ser distribuídas no veículo. De acordo com Mello . mecanismo de ação e contra-indicações. ela deve ser calculada individualmente. estágio de desenvolvimento. as primeiras doses teriam menos medicamento que as últimas. para se calcular a dose ideal para cada criança. No quadro 2 encontram-se os principais medicamentos utilizados em odontopediatria. Volume 06 | nº 01 | Jan. pois a concentração plasmática varia de acordo com a forma farmacêutica. Nas crianças. De outra forma. Quadro 1. Ressalta-se que a resposta da criança aos medicamentos é condicionada por fatores. os AINEs e os antibióticos. A administração de xarope. os corticosteróides. CONCLUSÃO Esse artigo apresenta os principais medicamentos utilizados em odontopediatria. pois se observa grande variação de peso em crianças da mesma faixa etária. As preparações líquidas apresentam melhor biodisponibilidade. levando-se em consideração as alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas dos pacientes pediátricos. uma vez que o xarope é rico em sacarose e deve ser administrado com muita cautela em crianças que apresentam suscetibilidade genética para o desenvolvimento do diabetes mellitus.73 m) Regra de Clark (<30 kg) dose do adulto × peso (70 kg) Regra de Law (<1 ano de idade) dose do adulto × idade da criança (meses) Fórmula de Young (1 a 12 anos de idade) [dose do adulto × idade da criança (anos)]/ idade da criança + 12 7 Segundo Silva . Posologia Em geral. velocidades de distribuição sanguínea. da superfície corporal 6.7 8 ou da idade da criança . em função do peso. mecanismo de 11-26 ação. os mais utilizados são os analgésicos. Assim. 2012 21 . Fórmula Cálculo da dose pediátrica Superfície corporal (peso × 4 + 7)/ (peso + 90) Dose pediátrica (dose do adulto × superfície corporal da criança)/ superfície corporal do adulto (1. resultando em um menor ou maior efeito do medicamento. Desse modo. a dosagem baseada apenas na idade da criança é falha. os órgãos e tecidos estão em desenvolvimento. concentração de hemoglobina. Além disso. que desaceleram o 8 crescimento linear . Entretanto. indicação terapêutica.são significativas desde a taxa de fluxo sanguíneo. Além disso. além dos anestésicos locais. 7 já que não existem doses infantis padronizadas . Assim. Alguns compostos podem alterar o crescimento e o desenvolvimento peculiares dessa fase da vida. sendo as formas farmacêuticas de eleição para crianças. Na pediatria. podendo ocorrer toxicidade ao término da terapêutica. metabolismo. Grupos de fármacos Os analgésicos. Os elixires são soluções alcoólicas.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária [citado em 2007 Abr 4].120:742-4. JAMA 2003. Agentes antifúngicos e antivirais. 2003. 2004.Anderson BJ. 4a. 10. Rev Bras Otorrinolaringol. terapia anticoagulante e alergia a qualquer AINE Medicamento com alta margem de segurança e maior tempo de ação Antiinflamatório não-esteroidal (AINE) Benzidamina Analgésico e antiinflamatório. 33:287-94.ed.Kang LW. 13. Pediatria .890-7. Arnell H. Allen CM. p. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.Díaz JM. 17.anvisa. Ministério da Saúde. Cabrerizo S.38(4):256-62. 2ªed. 2004. 8.1999. Analgésicos. Ribeiro UJ.Mello ED. J Pediatr. Masotti RR. Prática Hospitalar. 2009. preparado em farmácias de manipulação Anestésicos locais Lidocaína 2% com epinefrina Situação de dor e desconforto Bloqueador do fluxo de íons sódio para interior do nervo Hipersensibilidade aos componentes.ed.5:343-7. Antimicrobianos – inibidores da síntese proteica e antibacterianos diversos. 2003.574-9. Rio de Janeiro: Mc Graw Hill.ed. Watanabe EM.Conroy S. 4ª.290:72-6. medo ou fobia frente ao tratamento odontológico Depressor do sistema nervoso central Hipersensibilidade. 2000. Choonara I. EA. antitérmicos e anti-inflamatórios não hormonais: toxicidade – parte I. 21.ed.Temple ME. Terapêutica medicamentosa em odontologia. Ribeiro TK. Inibidor da síntese de prostaglandinas. Miller JC. 2004. Gracia BMT.Bortoluzzi MC. 4:341-9. Disponível em: http://www.Primeira escolha.162-76. São Paulo: Artes Médicas. 2001. J Pediatr. Pediatric Dermatol. Allen CM. www. Avaliação do nível de compreensão da prescrição pediátrica. Cordeiro JA. Neidle.Brasil. Survey of unlicensed and off label drug use in pediatric wards in European countries. 16.positivas orais Alergia ao medicamento Medicamento de baixa toxicidade Ansiolíticos Benzodiazepínicos Presença de ansiedade. 2. Dowd FJ. Silveira VAS. Rosa LEB. distúrbios gastrointestinais erosivos ou ulcerativos. Prescrição de medicamentos de uso sistêmico por cirurgiões-dentistas. Manfro R. In: Neville BW.html.Sano PY. (2005).São Paulo. clínicos gerais. renais e hipersensibilidade ao medicamento Mais utilizado na clínica infantil Ansiolíticos Hidrato de Cloral Presença de ansiedade. 9.Bricks LF. alterações hepáticas. p. Farmacologia e terapêutica para dentistas. Indivíduos com AIDS que utilizam AZT Sua absorção pode diminuir quando administrado com alimentos ricos em carboidratos. Farmacologia básica & clínica. 2000.p. 18.Park NH. br.praticahospitalar. 5. Michael J. Pérez MA. Farmacoterapia pediátrica. Farmacologia. p.2006. In: Park NH. Antiinflamatório não-esteroidal (AINE) Ibuprofeno Analgésico e antiinflamatório Inibidor das cicloxigenases e síntese de prostaglandina Nefropatia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.7(40)[citado em 2005 Nov 20].18(1):66–7. BMJ 2000. Primeira escolha Inibidor das cicloxigenases e síntese de prostaglandina Nefropatia. Aspectos atuais do uso da dipirona no tratamento da dor. 4. 3. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Robinson RF. 2007.Silva LR. 1999. 2004. Doenças fúngicas e protozoários. Chong NK.Doreen M. 2007.183-204. Joubert.Neville BW. Pediatric Drug Labeling Improving the Safety and Efficacy of Pediatric Therapies.2003. 22. MD.Castilho LS. 2000. Arch Pediatr Adolesc Med.Andrade MP. Perini E. Disponível em: http://www. In: Goodman LS. Drug Safety. 23-. Pediatrics. 503-15. Rev Gaucha Odontol.Chambers HF. 2005.br/pratica%2040/ pgs/materia%2022-40. Pereira AC. Impicciatore P. As bases farmacológicas da terapêutica.320:79–82. Rev Bras Saúde Matern Infant . 25. Aspectos especiais da farmacologia perinatal e pediátrica. 14. Damm DD.com. 19. Paixão HH. 27:819-29. p. Nahata MC. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Farmacologia clínica para dentistas. 2. Comparing the efficacy of NSAIDs and paraceta22 mol in children. Reações adversas a medicamentos em pediatria: uma revisão sistemática de estudos prospectivos. 6. William R. 12. 8. distúrbios de coagulação.Promoting safety of medicines for children [EB/OL]. Jornal ILAPEO . Severe anaphylactic reaction to ibuprofen in a child with recurrent urticaria. medo ou fobia frente ao tratamento odontológico Depressor do sistema nervoso central Problemas hepáticos. 11. 2002. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Uso judicioso de medicamentos em crianças.Koren G.54:195-8. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.Yagiela JA. Farmacologia e terapêutica para dentistas. renais e cardíacas e asma brônquica Sedativo hipnótico popular. Drugs prescription in pediatric dentistry. Bouquot JE. Dianne M. Allergic reactions due to ibuprofen in children.20:126-36. Ensaio clínico randomizado comparativo do nível de dor pós-operatória da cirurgia dentária tratados com naproxeno ou celecoxibe: estudo piloto. Hayes JR. 1998. Rocha RF. Damm DD. 6ª ed. Bouquot JE. Chin CW. Patologia oral e maxilofacial. Coelho HLL. Metemoglobinemia induzida pela benzocaína. Hwee CY. Hoon LS. terapia anticoagulante e alergia a qualquer AINE Poucos efeitos colaterais Antibióticos Amoxicilina Antibiótico. Grandi CF.ed.1(4):12-4. Sumee D.Santos DB. In: Katzung BG. Gary IE. 7. 24.who. In: Wannmacher L.78:140-5.com 2010. Rev Saúde Pública.Andrade ED.274-80. Rev Odontol UNESP. Kidon MI. Prescrição de medicamentos em odontopediatria. Zapatero L. Restelato JMF. 79: 107-14.gov. Martínez MMI.Rosimery R. Paediatric Anaesth. p. Mohn A. Santos AAC. Chiquito SA. 15. Frequency and preventability of adverse drug reactions in paediatric patients. p. 26. 10. pacientes deficientes mentais Grupo de escolha na clínica pediátrica REFERÊNCIAS 1. Amadei SU.Carmo ED. distúrbios gastrointestinais erosivos ou ulcerativos.Bricks LF. 889-98. Compliance With Prescription Filling in the Pediatric Emergency Department.4:201-17. In: Silva P. 20. Ferreira MBC. Gilman A. escolha Primeira Inibidor do crescimento bacteriano Alergia ao medicamento Absorção não alterada quando administrada com alimentos Antibióticos Cefalosporina Antibiótico quando há sensibilidade à penicilina Inibidor do crescimento bacteriano Alergia ao medicamento Bactericida e espectro de ação mais amplo que o das penicilinas Antibióticos Eritromicina Antibiótico quando há sensibilidade à penicilina Inibidor da atividade de bactérias anaeróbicas e aeróbicas gram. 2002:1205-19.Grupo/ Medicamento Nome genérico Indicação terapêutica Mecanismo de ação Contra-indicação Considerações Analgésico Paracetamol Analgésico e antipirético.