You are on page 1of 7

HIDROLOGIA 05

EVAPORAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO
Informações quantitativas dos processos de evaporação e evapotranspiração, que se
constituem em importante fase do ciclo hidrológico, são utilizadas na resolução de
numerosos problemas que envolvem o manejo da água.
Apesar da grande importância desses fatores no planejamento hidráulico e hidrológico,
as informações obtidas por medidas diretas de diferentes locais e condições meteorológicas
distintas, não existem em condições suficientes. Sendo assim, estimativas baseadas em
princípios físicos e principalmente equações empíricas são utilizadas como alternativas para
suprir estas carências.
As condições básicas para a ocorrência da evaporação são:
a) Existência de uma fonte de energia que pode ser a radiação solar, calor sensível da
atmosfera ou da superfície evaporante; e
b) Existência de um gradiente de concentração de vapor, isto é, uma diferença entre a
pressão de saturação do vapor à temperatura da superfície e a pressão de vapor do
ar.
1) FATORES INTERVENIENTES
Estes fatores podem ser relativos à atmosfera, pelo seu poder evaporante, ou à
superfície de água livre, solo nu ou vegetação.
Os fatores são:
a) Umidade Relativa do Ar
UR = (ea/es) 100
ea = pressão parcial de vapor d’água na atmosfera
es = pressão de vapor de saturação na atmosfera (função da temperatura) (tabelado)
b) Radiação solar
Encontrado por medição e tabela, para cada longitude e latitude de onde se deseja.
c) Vento
Aumenta a intensidade de evaporação pela renovação das massas com elevado teor de
umidade das proximidades da superfície evaporante.
d) Temperatura
Aumento da temperatura torna maior a quantidade de vapor d’água que pode estar no
mesmo volume de ar.
Para cada 10o C de elevação da temperatura, a pressão de vapor praticamente dobra.
e) Salinidade da água
A intensidade de evaporação diminui com o aumento do teor de salinidade da água.
Em igualdade de condições, há uma diminuição de 2 a 3% ao se passar de água doce
para a água do mar.
f) Umidade do solo
Implica na granulometria do solo: em uma superfície livre de água, um solo mais argiloso
retém mais água do que um solo arenoso.
Profundidade do Lençol Freático
1

P: precipitação ocorrida no período. cuja função é a de propiciar uma superfície sem ondas para permitir uma leitura exata do nível da água no tanque. A leitura é feita por meio de um micrômetro de gancho.5 cm . A ETP é determinada multiplicando-se a ECA por um coeficiente de tanque(kt): ECA   h n  h n 1   P ETo = k t . Dentro do tanque instala-se um poço tranqüilizados. temos o volume de água que evaporou. no dia n.diâmetro interno: 121 cm .estrado de madeira: 15 cm de altura . cujos modelos mais comuns permitem uma precisão de até 0.micrômetro de gancho de posse da altura da água evaporada e a área da seção transversal. A leitura do nível do tanque deve ser realizada todos os dias às 9:00 horas (10:00 no período de horário de verão). 2 . 2) MÉTODOS PARA A DETERMINAÇÃO DA EVAPORAÇÃO a) Tanque Classe A O tanque USWB classe A é talvez o método mais utilizado de estimativa de ETP em todo o mundo. estágio de desenvolvimento e das condições reinantes na atmosfera local.profundidade: 25. É um evaporímetro de aço galvanizado que possui as seguintes características: .05mm. ECA Em que: h n : leitura do nível d´água no tanque.variação de nível: 2 cm (de 5 a 7 da borda) . em mm. sendo que a diferença entre duas leituraS consecutivas nos dá o valor da evaporação no tanque classe A (ECA).Teor de umidade do solo g) Transpiração Depende do tipo de cultura.

60 100 0.50 0.50 0.55 1 0.70 0.9 – 8.80 0.45 0.0 –4.0 m/s 100 0.85 0. devido ao seu tamanho. Apesar de ser um instrumento extremamente prático.70 0.65 0.60 0.65 0.65 0.70 4.80 2.45 3 .65 0.55 0. e o fluxo horizontal de vapor d´água é muito maior no caso do tanque do que no açude.45 0.45 0.55 0.85 0.40 0.60 0. O leitor deve reparar que todos os coeficientes do Quadro de Coeficientes de K c são menores que a unidade.55 0.65  700Km/dia 10 0.1 m/s 100 0. .65 0.local adequado de instalação. Coeficiente para Conversão da Evaporação no Tanque Classe A em Evapotranspiração Potencial (ETP) Velocidade do Raio da Tanque circundado por Tanque circundado por Vento a 2 m de Área grama solo nu altura Tampão Umidade Relativa (%) Umidade Relativa (%) (m) 40-70  40 70  40 40-70 70 1 0.80 0.85 175Km/dia 10 0. adimensional.65 0.60 425 – 700 Km/dia 1 0.70 175 – 425 Km/dia 1 0.40 0.75 0. para evitar que a energia que seria gasta na evaporação seja utilizada para aquecer esta água.55  8.50 0.9 m/s 10 0.55 0. por exemplo.1 m/s 10 0.65 0.75 1000 0.45 0.75 0.60 0. O coeficiente k t depende do tipo e da extensão da superfície sobre a qual o tanque foi instalado.75 0.60 0.50 1000 0.70 0.65 0. e pode ser encontrado em Quadro pré estabelecido.60 0.65 0.75 0.50 0.60 1000 0.55 0. .70 0.80 0.70 0. porque.80 0.50 0.60 0.50 0. utilize a seguinte relação: 1 U 2m  2 7   Uz  Z em que Z é a altura em que o vento foi medido.70 0. o tanque classe A deve ser utilizado com técnicas de manejo adequadas para não fornecer medidas irreais.cuidado para que animais não consumam água do tanque. . Se não estiverem disponíveis leituras da velocidade do vento a 2 m de altura.50 0. Dentre os cuidados que se deve tomar destacam-se: .55 0. o tanque classe A apresenta uma perda excessiva de água (por unidade de área) em relação a uma superfície de água livre.60 0.70 100 0.85 0.60 0.65 0. procurar adicionar água na mesma temperatura que a água interna do tanque.55 0.45 0.75 0.80 0.85 0.45 0.fazer limpeza periódica do tanque.75 0.80 2. da umidade relativa do ar e da velocidade do vento.45 0.60 0.60 0.40 0.75 0. como um açude.75 0.50 0.65 0.50 0.65 0.60 0.55 0.35 0.65 1000 0.50 0.40 0.65 0.k t : coeficiente do Tanque Classe A.60 0.60 0.sempre que se repor água ao tanque.45 0.

Em que: P: precipitação sobre o lisímetro (mm). os quais podem ser de diversos tipos. transporte de calor sensível e condução de calor através do recipiente de abastecimento. a diferença entre a quantidade de água que entra em um sistema (E) e a quantidade de água que sai do mesmo (S) é igual à variação da quantidade armazenada de água no sistema (ΔA). Consiste de um certo número (geralmente 3) de tanques impermeáveis enterrados no solo e enchidos com o solo local. No caso de lisímetro. por essa razão. A instalação. A determinação da ET é baseada na equação da continuidade: E – S =ΔA Ou seja. O fato de se medir a ETR. tornando-o pouco confiável. l: água adicionada ao lisímetro para fazê-lo atingir novamente a capacidade de campo (1 l/m = 1mm).b) Atmômetro de Piché São equipamentos que dispõem de um recipiente contendo água. Impedindo que o solo se torne saturado dentro dos tanques. afetam as reações deste aparelho. faremos ΔA = 0. O volume evaporado é medido diretamente. c) Balanço Hídrico c1) Lisímetro de Drenagem (Percolação) A evapotranspiração é medida diretamente em instrumentos denominados lisímetros. o instrumento medirá a ETP. e após decorrido certo tempo fizemos o solo retornar a essa mesma situação. conectado a uma placa porosa. onde se dá a evaporação A energia para a evaporação provém da radiação. Se a cultura plantada no lisímetro for grama batatais e o teor de umidade no solo do lisímetro for mantido próximo à capacidade de campo. Portanto E=S. ETC ou a ETP dependerá do respeito ou não às condições estabelecidas na definição da ETP. o instrumento requer um pluviômetro associado para funcionar adequadamente. Caso outra cultura seja plantada ou o solo do lisímetro não for irrigado periodicamente. potencial ou da cultura (mm). geralmente acima da superfície do solo e o meio circundante. Um dreno permite o escoamento do excesso da água. estar-se-á medindo a ETC ou a ETR. 4 . Se partimos de um teor de umidade no solo conhecido. ET: evapotranspiração.seja ela real. por exemplo a capacidade de campo. P + l = ET + C. C: água drenada e coletada nos baldes(1 l/m 2 = 1mm).

Podem ser muito precisos. Por essa razão. 3º) A percolação da água nos tanques é demorada. Outra vantagem deste tipo de instrumento é que permite leituras a intervalos de tempo muito reduzidos (poucos minutos). por exemplo). Da diferença entre duas pesagens consecutivas (dividida pela área do lisímetro) será determinada a ET. deverá ser abandonado. basta dividir este valor pela área de cada tanque do lisímetro. o balanço de água deve ser feito individualmente para cada tanque. em m 2. A drenagem não poderá ocorrer livremente. dispensa-se o uso de pluviômetros. instalado sobre uma balança. o balanço de água só deve ser feito após um período de tempo de vários dias. A precisão do instrumento dependerá da precisão da balança. apesar de serem bastante caros. pois possivelmente este tanque apresenta problemas (pode estar trincado. Para transforma-los em mim. 5 . podendo levar horas para se completar. 2º) Os parâmetros l e C são medidos em litros. Se a balança for do tipo registradora. O instrumento consiste basicamente num tanque semelhante ao anterior. Se um dos mesmos fornecer um resultado muito diferente dos demais (geralmente maior). 4º) O volume de água adicionada (l) deve ser o mesmo em cada tanque. deverá ser monitorada.LISÍMETRO DE PERCOLAÇÃO Grama Solo Grama Tampa Tanque Solo Solo Coletor Brita Cano Aspectos importantes: 1º) Em primeiro lugar. C2) Lisímetro de Pesagem Mecânica É considerado o instrumento padrão para a medição da evapotranspiração. A média dos resultados semelhantes deve ser utilizada para definir a ET.

LISÍMETRO DE PESAGEM Grama Solo Grama Tanque de Drenagem Tampa Grama Solo Solo Escada Brita Túnel Solo Balanç a C3) Lisímetro de Flutuação Apresenta um preço intermediário entre o de percolação e o de pesagem mecânica. Consiste em dois tanques. sendo que o maior é parcialmente enchido com água. A ET é calculada pela variação no nível da água no tubo de medida. recebendo o menor. de diâmetros diferentes. LISÍMETRO DE FLUTUAÇÃO Grama Solo Tubo de drenagem por sucção Grama Solo Bolsa de ar Tampa Grama Solo Tanque externo Bolsa de ar Água Brita 6 Solo Água . que contém o solo. mas tem a vantagem de permitir leituras a intervalos de tempo menores que o primeiro. Não é tão preciso quanto este último.

d) Equação da Continuidade em Lago ou Reservatório dV/dt = I – Q – EoA + P A Eo = [(I – Q)/A] + P – (dV/dt)/A onde: V = volume de água do reservatório t = tempo I = vazão total de entrada no reservatório Q = vazão de saída do reservatório Eo = evaporação P = precipitação sobre o reservatório A = área do reservatório 7 .