As Portas De Percepção: Por que os Americanos Acreditarão em Quase Qualquer Coisa

(If the doors of perception were cleansed everything would appear to man as it is, infinite. —William Blake) (Se as portas da percepção fosse limpas tudo pareceria ao homem como é, infinito) (“The doors of perception” é um livro de Aldous Huxley, publicado pela 1ª vez em 1954) Autor: Dr. Tim O 'Shea Tradução: José Carlos B Peixoto Nós somos os seres mais condicionados e programados que o mundo jamais conheceu. Não só são nossos pensamentos e atitudes estão sendo continuamente formados e moldados; nossa macro consciência de todo o “projeto” parece estar sendo sutilmente e inexoravelmente apagada. As portas de nossa percepção são cuidadosamente e precisamente reguladas. Quem se importa, afinal? É uma tarefa exaustiva e infinita ficar explicando para as pessoas como a maioria de assuntos de sabedoria convencional estão cientificamente implantados na consciência pública por mil clipes de mídia por dia. Em um esforço para salvar tempo, eu gostaria de fornecer só um pequeno background sobre a manipulação de informações neste país. Uma vez que os princípios básicos serão ilustrados a seguir sobre como o atual sistema de controle pela mídia surgiu, historicamente, o leitor poderá ficar mais hábil em questionar qualquer informação dos noticiários atuais. Se todo mundo acreditar em algo, este algo está provavelmente errado. É o que chamamos de Sabedoria Convencional. Na América, esta Sabedoria Convencional que é aceita de forma maciça, é normalmente inventada: ou seja, alguém pagou por isto. Exemplos:

* Produtos farmacêuticos restabelecem saúde; * Vacinação traz imunidade; * A cura para câncer está próxima; * Quando uma criança está doente, ele precisa antibióticos imediatos: * Quando uma criança tiver uma febre que ele precisa Tylenol ; * Hospitais são seguros e limpos; * Os EEUU tem o melhor serviço de saúde no mundo. * E muitos, muitos mais... Isto é uma lista de ilusões, que tem um custo de bilhões e bilhões além da imaginação. Você já se perguntou por que você nunca vê o Presidente falando publicamente a menos que ele esteja lendo? Ou por que a maioria das pessoas neste país pensa geralmente o mesmo sobre a maior parte dos assuntos acima?

Como este projeto iniciou
Em “Trust Us We´re Expert”, Stauber e Rampton trazem alguns dados constrangedores descrevendo a ciência de criar opinião pública na América. Eles localizam a influência pública moderna de volta para a primeira parte do século XX, com destaque para o trabalho de sujeitos como Edward L. Bernays, o criador do “SPIN”. De sua própria e surpreendente crônica “Propaganda”, nós aprendemos como Edward L. Bernays tomou as idéias de seu tio famoso, Sigmund Freud, e as aplicou para emergir a ciência de persuasão de massa. A única diferença era que em vez de usar estes princípios para descobrir temas escondidos no inconsciente humano, propósito da psicologia freudiana, Bernays usou estas mesmas idéias para mascarar programas de trabalho e criar ilusões que enganam e falseiam, com propósitos de marketing. O Pai do Spin (NT: Spin é um termo de marketing, objetivamente pode ser traduzido como “interpretação particular dada a uma informação”) Bernays dominou a indústria de marketing até os anos 40, e foi uma força significante por mais 40 anos após. (Tye) Durante todo aquele tempo, Bernays empreendeu centenas de tarefas diversas para

criar uma percepção pública sobre uma determinada idéia ou produto. Alguns exemplos: Como um neófito junto ao Comitê de Informações Públicas (Commitee on Public Information), uma de primeiras tarefas do Bernays foi ajudar a vender a Primeira Guerra Mundial ao público americano com a idéia "Façam o Mundo Seguro para Democracia." (Ewen) Anos depois, Bernays obteve a proeza de popularizar a noção de mulheres fumarem cigarros. Ao organizar a Parada de Páscoa na Cidade de Nova Iorque de 1929, Bernays mostrou-se a si mesmo como uma força a ser enfrentada. Ele organizou as Tochas de Brigada da Liberdade em que as sufragistas marchavam na parada fumando cigarros como uma marca de liberação das mulheres. Tal publicidade inserida no evento propiciou as mulheres se sentiram seguras em destruir seus próprios pulmões em público, do mesmo modo que homens sempre fizeram. Bernays popularizou a idéia de bacon para o café da manhã. E foi só o início pois ele ainda criou um formato de propaganda que associava a ASSOCIAÇÃO MEDICA AMERICANA (AMA), e isto durou por quase 50 anos, para provar que cigarros eram benéficos para saúde. Dê uma olhada nos anúncios nestes assuntos nas revistas Life ou o Time entre os anos 40 e 50. Fumaça E Espelhos O trabalho do Bernay era recompor um assunto; para criar a imagem desejada que colocaria um produto ou conceito particular no foco desejado. Bernays descreveu o público como um 'rebanho que preciso ser levado.' E este pensamento das massas torna as pessoas "suscetíveis às lideranças." Bernays nunca divergiu de seu axioma fundamental: "controle as massas sem seu conhecimento.." O melhor trabalho de marketing acontece quando as pessoas estão desavisadas de sua manipulação. Stauber descreve as razões de Bernays desta forma:

"A manipulação científica de opinião pública é necessária para superar o caos e os conflitos em uma sociedade democrática." – (Trust Us, We´re Expert, pg. 42.) Estes primeiros manipuladores de massa se posicionaram, eles mesmos, como desenvolvedores de um serviço moral para humanidade em geral – a democracia seria muito bom para as pessoas; elas só precisariam ser orientadas em o que pensar, porque elas seriam incapazes de terem pensamentos racionais sem ajuda. Aqui é um parágrafo de “Propaganda” do sr. Bernays: "Aqueles que manipulam o sutil mecanismo social constitui um governo invisível que é o verdadeiro poder governante de nosso país. Nós somos governados, nossas mentes moldadas, nossos gostos formados, nossas idéias sugeridas, plenamente, por homens que nós nunca ouvimos falar.” Isto é um resultado lógico do modo como nossa sociedade democrática é organizada. A maioria dos seres humanos devem cooperar nesta maneira se eles quiserem viver juntos numa sociedade de funcionamento tranqüilo... Em quase todo ato de nossas vidas, seja na esfera da política ou dos negócios, seja em nossa conduta social ou em nosso pensamento éticos, nós somos dominados por um número relativamente pequeno de pessoas que entendem os processos mentais e padrões sociais das massas. São eles que manejam a tela que controla a mente do povo. Aqui Vem para O Dinheiro Uma vez que as possibilidades de se aplicar meios de comunicação de massas de psicologia de Freud era pouco percebida, Bernays logo teve mais clientes corporativos do que ele podia lidar. As corporações globais se debruçaram sobre si cortejando os novos “Fabricantes de Imagens”. Existiam dúzias de bens e serviços e idéias para serem vendidas para um público suscetível. Ao longo dos anos, estes “jogadores” tinham o dinheiro para fazer suas imagens acontecerem. Alguns exemplos: Philip Morris Allstate Pfizer Monsanto Union Carbide Eli Lilly

tobacco industry Coors Shell Oil Boeing General Mills Os Jogadores

Ciba Geigy DuPont Standard Oil General Motors Goodyear

lead industry Chlorox Procter & Gamble Dow Chemical

Apesar de famosos internacionalmente dentro da indústria de Marketing, estas companhias têm nomes que nós não conhecemos, por motivos compreensíveis... O melhor marketing permanece anônimo. Por décadas eles têm criado as opiniões que a maior parte de nós estamos acostumados, onde virtualmente qualquer assunto tem um valor comercial que parece muito remoto, por exemplo: • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • drogas farmacêuticas vacinas medicina como uma profissã medicina alternativa processo de adicionar flúor à água da água da cidade cloro produtos de limpeza doméstica tabaco dioxina aquecimento global gasolina com chumbo pesquisa de câncer e tratamento poluição dos oceanos florestas e madeira alimentos geneticamente modificadas aspartame aditivos alimentares; comidas processadas amálgamas de uso odontológico imagens de celebridades, inclusive controle de dano crise e gerenciamento de desastre

A primeira lição Bernays aprendeu cedo que o caminho mais efetivo para criar credibilidade para um produto ou uma imagem era o ENDOSSO do "terceiro independente". Por exemplo, se General Motors se expusesse a dizer que o aquecimento global é uma lenda inventada por algum ecologista, as pessoas suspeitariam dos motivos da GM, já que a fortuna da GM é feita pela venda de automóveis. Se porém, algum instituto de pesquisa independente com um nome que soe credibilidade, tipo “Coalizão Global do Clima” (NT: The Global Climate Coalition, é considerada a voz da indústria nos assuntos do clima global, e é, naturalmente contra a entrada dos EEUU no Tratado de Kioto) emite um relatório científico que diz que aquecimento global é realmente uma ficção, as pessoas começam a ficar confusas e a terem dúvidas sobre o tema original.

Foi exatamente que Bernays fez. Com uma política de gênio
inspirador, ele instalou "mais institutos e fundações que Rockefeller e Carnegie juntos." (Stauber p 45) Silenciosamente financiado pelas indústrias cujos produtos estavam sendo avaliados, estas "agências de pesquisas independentes” publicam estudos científicos e matérias de imprensa que poderiam criar quaisquer imagens que seus manipuladores quizessem. Tais frentes de trabalho recebem nomes que soam bem aos ouvidos em geral:
Temperature Research Foundation International Food Information Council Consumer Alert Manhattan Institute Center for Produce Quality Tobacco Institute Research Council

The Advancement of Sound Science Cato Institute Coalition Air Hygiene Foundation Industrial Health Federation American Council on Science and Health Global Climate Coalition

International Food Information Council

Alliance for Better Foods

Soa bem legal, não?

As notícias enlatadas
Como Stauber explica, estas organizações e centenas de outras semelhantes, são grupos de trabalho cuja missão exclusiva é alavancar a imagem das corporações globais que os financiam, como aquelas listadas anteriormente. Isto é realizado em parte por uma série infinita de 'press releases' anunciando "pesquisa de inovação” em todas as estações de rádio e jornais do país. (Robbins) Muitos destes relatórios enlatados são lidas como “notícia direta”, e realmente estão propositadamente moldadas no formato de notícias. Isto salva os jornalistas da dificuldade de pesquisar tais temas por iniciativa própria, especialmente em tópicos sobre que eles sabem muito pouco. Seções inteiras de “releases” ou no caso de vídeo “news releases”, o trabalho inteiro pode ser divulgado de forma intacta, sem edição, mas a linha dos créditos do artigo é do repórter ou jornal ou estação de TV - e voilá! Notícias imediatas copiadas e coladas, na linguagem da informática!!! Escritas por firmas de marketing corporativo!!! Isto realmente acontece? A cada dia, desde 1920, quando a idéia das “News Releases” foram primeiramente inventadas por Hera Lee. (Stauber, pg. 22) Às vezes quase a metade dos artigos que aparecem no “Wall Street Journal” são somente baseadas em tais informes dos escritórios de marketing. (22) Estes tipos de histórias são misturadas em com histórias legitimamente pesquisadas. A menos que você mesmo faça a pesquisa, você não estará apto a conhecer as diferenças. O Idioma da informação distorcida. Como nos anos 20 os pioneiros do “spin” ,como Hera Lee e Edward Bernays adquiriram mais experiência, eles começaram a formular regras e diretrizes para criar opinião pública. Eles aprenderam

depressa que a psicologia de massas deve ser enfocada em emoção, não em fatos. Como as massas são incapazes de pensar racionalmente, a motivação deve ser não fundada na lógica mas na apresentação. Aqui estão alguns dos axiomas da nova ciência do Marketing: - tecnologia é uma religião propriamente; - se as pessoas são incapazes de pensamento racional, a democracia real é perigosa; - decisões importantes deviam ser restritas para peritos; - quando alguns assuntos são reformados, fique-se longe da substância; crie imagens! - nunca declare uma mentira claramente demonstrável. As palavras são cuidadosamente escolhidas para seu choque sentimental. Aqui é um exemplo. Um grupo de trabalho denominado de “International Food Information Council” (Conselho de Informações de Comida Internacional) lida com a aversão natural do público aos alimentos geneticamente modificados. Palavras chaves são repetidas em todo o texto. Então, no caso de comidas transgênicas, o público está instintivamente temeroso destas novas criações experimentais que apareceram de repente em nossas prateleiras de supermercado e que parecem ter alterações de DNA. O citado IFIC quer assegurar ao público a segurança destas comidas. Então ele evita as seguintes palavras: • • • • • • • • • • • • • • "Frankenfoods" Hitler biotecnologia Química experiências DNA Manipulação segurança dinheiro Roleta radiação cientistas Transferência genética fortuito

• armas genéticas Ao invés, o bom marketing para alimentos transgênicos contém palavras tais como: • • • • • • • • • • • Hibridismo ordem natural beleza Generosidade escolha cruzamento de espécies Fazendeiro Terra diversidade Orgânico Saudável

É o básico de Freud/Tony Robbins: associação de palavras. O fato de comidas transgênicas não serem derivados do verdadeiro hibridismo, que foi sujeito a métodos científicos lentos e cuidadosos realmente não importa. Isto é pseudo-ciência, não ciência. A forma é tudo e a substância só um mito de transcurso. (Trevanian) Quem você pensa que financia o I.F.I.C.? Tome uma suposição selvagem. Correto: - Monsanto, DuPont, Frito-Lay, Cola-Coca, Nutrasweet – estas que estão posição para fazer fortunas com comidas à base de transgênicos. (Stauber pg. 20) Características da Boa Propaganda: Como a ciência de controle de massa evoluiu, Empresas de Marketing desenvolveram diretrizes adicionais para efetiva distribuição. Aqui estão algumas preciosidades: • despersonalize a parte atacada identificando e chamando pelo nome; • fale em reluzentes generalidades usando palavras emocionalmente positivas;

• quando encobrir algo, não use linguagem objetiva; protele; distraia; • consiga endossos de celebridades, igrejas, figuras de esportes, pessoas de rua - qualquer um que não tenha qualquer conhecimento do assunto em pauta; • o singelo ardil popular: nós, os bilionários somos como você; • quando minimizar uma afronta, não diga nada memorável, assinale os benefícios que acabaram de ser demonstrados, e evite assuntos morais. Guarde esta lista. Comece a assistir estas técnicas. Não são difíceis de se encontrar - olhe para o jornal de hoje ou o noticiário da TV. Veja o que eles estão fazendo; estes sujeitos são muito eficientes! Ciência de Aluguel As empresas de marketing se tornaram muito sofisticadas na preparação de “news releases”. Eles aprenderam como associar os nomes de cientistas famosos para pesquisa com aqueles cientistas até não olharam para tais temas. (Stauber, pg. 201) Isto é uma ocorrência comum. Deste modo os editores de shows, de notícias, de jornais e TV, freqüentemente, não estão mesmos cientes que um determinado relaese é uma total fabricação de marketing. Ou pelo menos eles têm como negarem seu conhecimento, certo? Stauber conta a interesante história de como o chumbo da gasolina veio a tona. Em 1922, General Motors descobriu que adicionando chumbo à gasolina os carros mais potência. Quando surgiram preocupações sobre a segurança disto, a GM pagou a Agência de Minas para fazer alguns testes fraudulentos e publicar estas pesquisas espúrias que 'provavam ' que a inalação de chumbo era inofensiva. Entre em cena Charles Kettering. Fundador do famoso instituto internacional “Sloan-Kettering Memorial” de pesquisa médica, Charles Kettering também passou ser um executivo da General Motors.

Por alguma estranha coincidência, logo aparece o Instituto Sloan Kettering emitindo relatórios declarando que o chumbo acontece naturalmente no corpo e que o corpo tem um modo de eliminar baixos níveis de exposição. Por sua associação com A Fundação Industrial de Higiene e a gigante empresa de marketing, Hill & Knowlton, Sloane Kettering se opôs a toda pesquisa anti-chumbo por anos. (Stauber pg. 92). Sem organizada oposição científica, nos próxima 60 anos cada vez mais gasolina recebia chumbo, até nos anos 70, 90% da gasolina americana já tinha chumbo. Finalmente se tornou muito óbvio para continuar ocultando que o chumbo era um carcinógeno importante, o que fez o chumbo ser removido da gasolina no final dos anos 80. Mas durante aqueles 60 anos, é estimado que cerca de 30 milhões de toneladas de chumbo foram lançados na forma de vapor sobre as ruas e estradas americanas. 30 MILHÕES de toneladas!

Isto é o marketing, meus amigos.
Junk Science – (A ciência inútil) Em 1993 um sujeito chamado Peter Huber escreveu um novo livro e cunhou um novo termo. O livro era Vingança do Galileo e o termo era Junk Science . A tese superficial de Huber era que a ciência real sustenta a tecnologia, a indústria, e a progresso. Qualquer outra coisa seria Ciência Inútil. Não surpreendentemente, Stauber explica como livro do Huber era sustentado pelo apoiado pelo patrocinador indústrial “Manhattan Institute”. O livro do Huber foi amplamente rejeitado não somente porque era muito mal escrito, mas porque falhou em perceber um fato: a pesquisa científica verdadeira começa sem conclusões. Os cientistas reais estão buscando a verdade porque eles ainda não sabem o que é a verdade. O método científico verdadeiro segue estas etapas: 1. Forme uma hipótese 2. Faça predições para aquela hipótese 3. Teste as predições 4. Rejeite ou revise a hipótese baseada na pesquisa

O cientista da Universidade de Boston Dr. David Ozonoff explica que as idéias em ciência são são semelhantes a "organismos vivos, que devem ser nutridos, sustentados, e cultivados com recursos que as fazem crescer e florescer." (Stauber pg. 205) Grandes idéias que não conseguem este suporte financeiro porque se a perspectiva comercial não é imediatamente óbvia - estas idéias murcham e morrem. Outro modo que você freqüentemente pode distinguir ciência real da falsa é que a ciência real assinala falhas em sua própria pesquisa. A ciência falsa simula não existir quaisquer falhas.

O Real Ciência Inútil
Compare o moderno marketing e suas pretensões constantes em parecer científico. As pesquisas patrocinadas por corporações, seja na área de drogas, alimentos com transgênicos, ou produtos químicos, são iniciadas com conclusões predeterminadas. É o trabalho dos cientistas então provar que estas conclusões são verdade, por que o lado econômico do que será provado devolverá para as indústrias o que foi investido nestas pesquisas. Esta abordagem odiosa da ciência alterou todo o enfoque da pesquisa na América durante os últimos 50 anos, como qualquer cientista honesto provavelmente iria admitir. Stauber documenta a quantia crescente de patrocínio corporativo de pesquisa da universidade. (206) Este não tem nada a ver com a perseguição de conhecimento. Os cientistas lamentam que a pesquisa se transformou em mais um “commodity” , um novo produto de compra e venda. (Crossen) Os Dois Objetivos Principais De "Parecer Ciência" É chocante quando Stauber mostra como a imensa maioria do marketing corporativo, hoje em dia, se opõe a qualquer pesquisa que busca proteger

• saúde pública • o ambiente

É uma coisa curiosa que a maioria das vezes que encontramos a expressão "ciência inútil", temos um contexto de defesa contra algo que possa ameaçar ou o ambiente ou nossa saúde. Isto faz sentido quando se percebe que o capital só troca de mãos quando se vende a ilusão de saúde e a ilusão de proteção ambiental. A saúde pública verdadeira e preservação real do meio ambiente e da Terra têm baixo valor de mercado. Stauber entende como pura ironia que a indústria que se autoproclama depuradores da ciência inútil não são normalmente composta por cientistas de fato. (255) Neste ponto, novamente temos o fato de que eles podem fazer isto porque o objetivo não é a ciência, mas a criação de imagens. O Idioma Do Ataque Quando o marketing corporativo ataca legítimos grupos ambientalistas e as pessoas envolvidas em medicina alternativa, eles novamente usam palavras especiais que produzem um golpe sentimental:

Ultrajante – parece ciência – ciência inútil sensata – alarmismo responsável – Fobia frudulenta – histeria alarmista
(NT: em português como é possível depreender, os termos são outros: contra o progresso, retrocesso, nostálgicos, radicais, intolerantes, preconceituoso etc...) Na próxima vez você estiver lendo um artigo de jornal sobre um assunto de saúde ou do meio ambiente, note como o autor mostra a preconceito usando algum dos termos acima. Isto é o resultado de treinamento muito especializado. Outra tática padrão de marketing é para usar a retórica dos próprios ecologistas para defender um produto perigoso e não experimentado que possa ser uma ameaça real para a natureza. Isto nós vemos constantemente na verdadeira “cortina de fumaça” que o marketing criou sobre o tema dos alimentos transgênicos. Eles alardeiam o quanto os alimentos baseados em transgênicos são necessários para oferecer mais comida e dar um fim à fome

mundial, quando na realidade é que os produtos transgênicos realmente ainda têm rendimentos mais baixos por acre que as colheitas naturais. (Stauber, pg. 173) O projeto principal pode ficar na medida em que você percebe que quase todos as sementes transgênicas foram criadas pelos vendedores de herbicidas e praguicidas, de tal forma que estes cultivos podem resistir a quantias maiores destes mesmos agrotóxicos. (“O Feijão Mágico”) Assassine Sua TV? Espero que este capítulo tenha lhe oferecido uma dica para recomeçar a ler artigos de jornais e de revistas de forma um pouco diferente, e talvez comece a assistir notícias de TV com uma atitude levemente distinta do que fazia até então. Sempre pergunte, o que eles estão vendendo aqui, ou quem é que vende isto? E se você realmente seguir no livro do Stauber & Rampton e verificar alguns dos outros recursos abaixo, você poderia até vislumbrar a possibilidade de avançar seu quantum de vida simplesmente cessando de sujeitar seu cérebro aos meios de comunicação de massas. Isso mesmo: sem jornal, sem notícias de TV, sem Times ou Newsweek. Você realmente pode fazer isto. E pense no que você poderia fazer com o tempo extra. Realmente sinta se você precisa relaxar ou continuar descobrindo o que está acontecendo no mundo por algumas horas todo dia? Pense sobre as notícias dos últimos de anos por um minuto. Você realmente supõe que as histórias mais importantes que dominaram manchetes e notícias da TV são de fato "o que está acontendo no mundo?" Você realmente pensa que não existe nada além da inventada depressão econômica tecnológica, da perda de poder inventada, dos relatos filtrados sobre violência e desastre em outros países, e todos as outras histórias que o titereiros balançam diante de nós a cada dia? Que tal quando eles conseguem uns grandes fatos, como um OJ Simpson ou Monica Lewinsky ou o bombardeio da cidade de Oklahoma? Nós realmente precisamos saber cada detalhe, dia

após dia? E nós temos algum modo de verificar cada detalhe, se nós realmente o quiséssemos ? Qual é o propósito da notícia? Para informar o público? Dificilmente. O propósito exclusivo de notícias é manter o público em um estado de medo e incerteza de forma que eles assistirão novamente amanhã estando sujeitos à mesma publicidade. Muita simplificação? Claro. Isto é a marca de domínio de meios de comunicação de massas - simplicidade. A mão invisível. Como Edward Bernays disse, as pessoas devem ser controladas sem elas perceberem isto. Considere o seguinte: o que realmente está se passando no mundo enquanto eles têm nos distraído com todo aquele estúpido e inquietante teatro diario? Medo e incerteza - é isso que mantém as pessoas retornando diariamente à frente da TV... Se isto parece uma radical perspectiva, vamos ir um passo além: O que você perderia de sua vida se você parasse assistir de TV e parasse de ler jornais completamente? Sua vida realmente sofreria alguma perda financeira, moral, intelectual ou acadêmica por tal decisão? Você realmente precisa ter sua família continuamente absorvendo esta sub-cultura, esses valores amorais, falsos, iletrados, imensamente sem juízo por esse pessoal da programação noturna da TV? São esta fraude, esses robôs programados o "normal"? Você precisa ter seus valores de vidas constantemente fornecidos a você? Esses shows são realmente para divertir, ou só uma distração necessária para afastar você de olhar para realidade, ou tentando parecer para você que estão fazendo uma leitura um pouco independente? Cite um exemplo de como sua vida é melhorada assistindo notícias de TV e lendo o jornal da noite. Que ganho mensurável existe para você?

Planeta dos Macacos?
Sem dúvida alguma esta é uma nação que está ficando mais estúpida ano a ano. Olhe para os presidentes que nós ultimamente temos escolhido. Já percebeu os ostensivos erros de gramática tão onipresentes nos anúncios e outdoors de hoje em dia? A alfabetização é marginal na maioria das escolas secundárias Americanas. Três quartos do formandos do segundo grau da Califórnia não podem ler bem suficiente para passar por seus exames de saída. (SJ Mercury, 20/07/01) Se você pensa que outros locais do país são mais espertos, tente o seguinte: ofereça a qualquer formando de segundo grau um livro de A.. Dumas ou Jane Austen, e peça a eles para abrir qualquer página aleatória e que leia um parágrafo em voz alta. Vá em frente, faça isto. A Escala SAT (NT: “SAT scores” é uma forma de avaliação dos alunos de segundo grau nos EEUU) são arbitrariamente alteradas para baixo e mais baixo para disfarçar o quão embotadas estão ficando as crianças ano após ano. Pelo menos em 10% é relatado "inaptidão de aprendizado", que é reforçado e recompensado por tratamento especial e drogas especiais. Já ouviu falar de alguém repetindo um ano nos últimos tempos? Ou observe o nível intelectual do filme médio das últimas semanas nos cinemas, especialmente se tem um número insuficiente de: explosões, cenas de perseguição, silicone, falsas artes marciais, ou diálogos cretinos? Rádio? Considere as qualificações mentais baixas do falsamente animados símios corporativos que são contratados como DJs – só lhes é permitido ter 50 pensamentos, que eles só repetem ao acaso. E qual o objetivo da música popular cessar a exigência do estudo de algum instrumento musical ou qualquer conhecimento teórico, muito menos lírico? Talvez nós não entendemos esta forma emergente de arte, certo? O Darwinismo da MTV - macacos descedem do homem.

Perceba como a maioria de artigos de qualquer uma das brilhantes revistas soam como se eles fossem todos escritos pelo mesmo sujeito? E este sujeito seria um graduado de academia básica? E ainda ele tem todas as opiniões corretas em assuntos sociais, nenhuma idéia original, superficial, presunçoso, dentro da onisciência homogeneizada corporativa, que o habilita a nos assegurar que tudo está bem... Tudo isso é grande notícia para a indústria do marketing - faz seu trabalho tanto mais fácil. Não só muito poucos estão prestando atenção para o processo de condicionamento; poucos são capazes de entendê-lo mesmo se alguém tentasse explicar. Chá Na Lanchonete Vamos dizer que você esteja em uma lanchonete lotada, e que você pedisse uma xícara de chá. Quando você vai sentar você vê um amigo atravessando o ambiente. Então você deixa o chá na mesa e vai a direção do seu amigo e conversa por alguns minutos. Agora, retorne ao seu chá, você vai pegá-lo e bebê-lo? Lembre, isto é um lugar lotado e você acabou de deixar seu chá desacompanhado para vários minutos. Você deu a qualquer um naquele ambiente acesso a seu chá. Por que sua mente seria diferente? Ligando a TV, ou absorvendo sem crítica publicações de massa todo dia - estas atividades permitem acesso a nossas mentes por "qualquer um" - qualquer um que tenha um programa, qualquer um com os recursos para criar uma imagem pública via mídia popular. Como nós vimos anteriormente, só porque nós lemos algo ou vemos algo na televisão não significa que é verdade ou algum valor de conhecimento. Então a idéia aqui é, como o chá, vale a pena proteger a mente, é valioso limitar o acesso a ela. Esta é a única vida que nós temos. Tempo é nosso capital total. Por que desperdiçar permitindo nosso potencial, nossa personalidade, nossos valores serem formados, feitos artesanalmente, e limitados de acordo com os caprichos de alcoviteiros de massas? Existem muitos assuntos importantes que são cruciais para nosso bem-estar físico, mental, e espiritual. Se ele for um assunto onde o

dinheiro está envolvido, os dados objetivos não serão tão fáceis de obter. Lembre, se todo mundo souber a mesma coisa de algo, este algo tem imagem que foi comprada e paga por alguém. O conhecimento real requer um pouco de esforço, um pouco de aprofundamento, pelo menos um nível abaixo daquilo que "todo mundo sabe." Tim O'Shea é quiroprático e clínico nutrólogo em San Jose, California. Seus artigos tem sido publicados em periódicos holísticos em todo o mundo. Seu website é: www.thedoctorwithin.com com uma completa lista de artigos para leitura. Referências:
Stauber & Rampton, "Trust Us, We're Experts", Tarcher/Putnam 2001 Ewen, Stuart PR!: A Social History of Spin 1996 ISBN: 0-465-06168-0 Published by Basic Books, A Division of Harper Collins Tye, Larry The Father of Spin: Edward L. Bernays and the Birth of Public Relations Crown Publishers, Inc. 2001 King, R Medical journals rarely disclose researchers' ties Wall St. Journal, 2 Feb 99. Engler, R et al. Misrepresentation and Responsibility in Medical Research New England Journal of Medicine v 317 p 1383 26 Nov 1987 Black, D PhD Health At the Crossroads Tapestry 1988. revanian Shibumi 1983. Crossen, C Tainted Truth: The Manipulation of Fact in America 1996. Robbins, J Reclaiming Our Health Kramer 1996. O'Shea T The Magic Bean 2000. Inhibitory effect of conjugated dienoic derivatives of linoleic acid and beta-carotene on the in vitro growth of human cancer cells CANCER LETT. (Ireland) , 1992, 63/2 (125-133) Inhibition of Listeria monocytogenes by fatty acids and monoglycerides APPL. ENVIRON. MICROBIOL. (USA) , 1992, 58/2 (624-629)

Fonte: http://www.umaoutravisao.com.br/portas.html Visite o site do Dr José Carlos Brasil Peixoto: http://www.umaoutravisao.com.br/index.html