You are on page 1of 6

Relatorio de lentes

Lentes são instrumentos cuja função é desviar os raios de luz. É um meio transparente
limitado por duas superfícies refringentes, de tal modo que a onda luminosa ao
atravessá-la sofre desvios, mais especificamente, duas refrações. O que determina seu
comportamento é o seu formato e seu índice de refração, este primeiro pode ter mais
influencia, uma vez que na grande maioria das lentes, o índice de refração é maior do
que o ar, se está imersa neste meio.
As lentes esféricas podem ser classificadas em: Lentes de bordos delgados, convexas
ou convergentes, nas quais a luz sofrerá uma convergência de seus raios, e Lentes de
bordos espessos, côncavas ou divergentes, nas quais a luz sofre um fenômeno de
divergência. A Figura 1, traz as representações para cada tipo de lente.

Lentes convergentes

Lentes divergentes
Duas peças de material com superfícies esféricas, uma côncava e outra convexa,
ambas com o mesmo raio de curvatura, encaixam perfeitamente uma na outra, seja
qual for a sua orientação relativa. Quando dois objetos aproximadamente esféricos
com a curvatura adequada, sendo um deles um utensílio de polimento e o outro um
disco de vidro, separados por um abrasivo, são friccionados um contra o outro com
movimentos aleatórios, os pontos salientes desaparecem e as superfícies tornam-se
cada vez mais esféricas com o desgaste.
Atualmente, a maior parte das lentes de qualidade que se utilizam possuem superfícies
esféricas. Estas superfícies permitem a formação de imagens de objetos extensos com
luz não necessariamente monocromática. Os erros de formação de imagens, ou

aberrações. As lentes podem ser classificadas de acordo com a sua espessura. São quase sempre esféricas e frequentemente revestidas de filmes dielétricos que permitem controlar a sua transmissão. . Uma lente constituída por um só elemento (dois dioptros) é uma lente simples. são inevitáveis e estão sempre presentes. mas a tecnologia atual permite construir sistemas de lentes esféricas de alta qualidade. As superfícies não planas tem os respectivos centros de curvatura sobre um eixo comum. Uma lente é normalmente um sistema óptico constituído por dois ou mais dioptros um dos quais pelo menos é curvo. convergentes ou positivas as lentes mais espessas no centro e que tendem a fazer diminuir o raio de curvatura das frentes de onda incidentes (pressupondo-se que o índice da lente é superior ao do meio em que esta se encontra). sendo as convexas. com aberrações controladas ate o limite da difração As lentes podem ter uma grande variedade de formas. Uma lente composta é constituída por vários elementos (dioptros).

as lentes côncavas. e facilitam um avanço mais rápido da frente de onda nessa zona.Por outro lado. divergentes ou negativas são mais finas no centro. aumentando o raio de curvatura e fazendo-a divergir mais acentuadamente. .

O contorno da lente foi desenhado no papel. Na chapa com fendas. . Utilizando-se uma nova folha de papel o procedimento anterior foi repetido para a lente divergente. 1. de acordo com a posição indicada no experimento.Objetivos Estudar o comportamento da luz com o uso de lentes Conhecer o que são lentes convergentes e lentes divergentes Material Parte experimental PROCEDIMENTO 1: Determinação da distância focal de lentes convergentes e divergentes.se no mesmo a lente convergente. utilizou-se a posição com tres fendas e posicionou-a em frente a fonte luminosa. A fonte luminosa foi ligada e utilizou-se o diafragma de três fendas na saída de luz através da lente. Posicionou. Em seguida. Este aparato serviu como alvo para o feixe de luz com o cuidado de alinhar o feixe de luz do centro com o ponto 0° do tranferidor. com a face plana da lente voltada para a lâmpada. Existem indicativos na base para o posicionamento das lentes. Montou-se o aparato óptico comofoi explicado pelo professor. Sobre ela foi colocada a lente plano-convexa com a face plana junto à linha vertical e voltada para a lâmpada. A folha anexa para Lente convergente foi destacada e colocada sobre a mesa. ligou-se a fonte de luz branca pra criar um feixe de luz ao final da segunda lente. Mediu-se a distância do ponto onde se cruzaram os raios luminosos até o centro da lente. 2. A trajetória dos feixes superior e inferior antes e depois de atravessar a lente foi marcada. e o feixe de luz central foi passado no centro da lente no eixo principal. 3.

O procedimento descrito acima foi repetido para a lente divergente. As características das imagens estão registradas na tabela abaixo.Lente Convergente Distância focal: 109 cm Divergente 86 cm PROCEDIMENTO 2: Formação da imagem por lentes convergente e divergente. com suas faces planas exatamente sobre esta linha (uma em contato com a outra). A trajetória do feixe foi marcada. A imagem I1 da seta O1(objeto) foi desenhada. As trajetórias foram marcadas. 1.2 13. Novamente a caixa luminosa foi deslocada para que o feixe de luz incidisse na lente passando pelo seu centro e pela extremidade da seta.3 . As duas lentes plano-convexas foram colocadas entre as marcas da linha vertical. O contorno da lente biconvexa foi desenhado. A posição da caixa luminosa foi ajustada de modo que o feixe de luz passasse exatamente sobre a linha auxiliar e a trajetória do feixe incidente e refratado foi marcada. 4. Foi desenhada uma linha auxiliar paralela ao eixo ótico passando pela extremidade superior da seta. 3. O diafragma de uma fenda foi colocado na caixa luminosa pela saída através da lente.5 5. A imagem I2 do objeto O2 foi desenhada. e esta foi colocada sobre a extremidade da folha de papel. invertida) Direita Invertida Direita Direita Distância p ou p’ (cm) 12.9 9. Objeto O1 Imagem I1 Objeto O2 Imagem I2 Tamanho (mm) 10 6 20 8 Posição relativa ao eixo ótico (direita. A caixa luminosa foi deslocada de modo que o feixe de luz passasse sobre a extremidade superior da seta e pelo ponto F (foco). 2.

sofre refração e pode convergir para um ponto ou divergir de forma que seu prolongamento passe por um ponto que é chamado de foco. Utilizando os raios característicos. No procedimento. sendo que a imagem formada por uma lente convergente é real e a imagem formada por uma lente divergente é virtual. . ao incidir numa lente.CONCLUSÃO Um feixe luminoso. foi possível determinar graficamente a imagem de um objeto numa lente. foi possível determinar a distância focal de uma lente convergente e de uma lente divergente.