Ano 3, nº 2 Trimestral 31 Março de 2007

ALUNOS DO 5.º e 6.º ANOS DE MAÇÃO GRAVAM CD “OS AMIGOS DO ZÉTHOVEN”

1

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERDE HORIZONTE

LA de A a Z

ANUNCIAÇÃO Surdo murmúrio do rio, a deslizar, pausado, na planura. Mensageiro moroso dum recado comprido, di-lo sem pressa ao alarmado ouvido dos salgueirais: a neve derreteu nos píncaros da serra; o gado berra dentro dos currais, a lembrar aos zagais o fim do cativeiro; anda no ar um perfumado cheiro
Economizando electricidade 5

Nesta edição:
Falar de ciência 2

A ESC

a terra revolvida; o vento emudeceu; o sol desceu; a primavera vai chegar, florida. Miguel Torga
Pena de morte 12 Os amigos de Zéthoven 6

Vamos à matemática

14

Desporto Escolar

18

A voz aos mais pequenos

22

Falar de Ciência

E a final, o que é o tempo? “Um dia demora a passar, mas um ano passa num instante” Como o tempo pode ser relativo !
A diferença entre o 1º e o 2º lugar numa prova olímpica de 100 m pode ser decidida por milésimas de segundo. Um milhão de anos na evolução do Universo é pouco significativa. O tempo continua com os seus mistérios para a humanidade e é assunto de debate entre os filósofos e os cientistas. O tempo sempre foi tratado como um conceito adquirido por vivência, indefinível em palavras.
A questão de tempo cíclico ou não cíclico, apareceu em função dos diversos fenómenos periódicos na Natureza: as marés, as estações do ano, os dias a seguir às noites, etc. Esses factos conhecidos desde as civilizações mais antigas, sendo evidentes fenómenos cíclicos, levaram as civilizações primitivas, bem como os pensadores da Antiguidade a imaginarem que o tempo também seria circular, ou seja, a Natureza evoluiria de forma a se repetir. matéria e do espaço, e uniforme porque em qualquer "ocasião'', ele transcorre da mesma forma, não evoluindo "mais depressa'' ou "mais devagar'' em função da região do espaço, ou da presença de matéria, do fenómeno físi-

A ideia de um tempo linear, sem retornos, parece ter sido defendida apenas pelos hebreus e persas. Essa filosofia foi incorporada pelos cristãos que introduziram a crença em acontecimentos únicos, como por exemplo a crucificação e ressurreição de Cristo. Estes fenómenos não se repetem. co que ocorra, ou de qualquer outra circunstância. Nas palavras de Newton: "o tempo absoluto, verdadeiro e matemático, por si mesmo e por sua própria natureza flui igualmente sem relação com nada de externo, e com outro nome, é chamado de duração''. O tempo é absoluto também no sentido que dois acontecimentos simultâneos, ou seja, que ocorrem no mesmo instante para um observador o serão para qualquer outro observador inercial, ou seja independente do movimento de velocidade relativa constante de um em relação ao outro.

A questão da realidade do tempo levou vários filósofos a elaborarem ideias a respeito da mesma. Para Kant (1724-1804), por exemplo, o tempo, apesar de ser essencial como parte da nossa experiência, é destituído de realidade: "tempo não é algo objectivo. Não é uma substância, nem um acidente, nem uma relação, mas uma condição subjectiva, necessariamente devida à natureza da mente humana.'' Na Física - mecânica clássica - o tempo é absoluto e uniforme. Absoluto pois existe independentemente da
Página 2

A ESC

LA DE A A Z

Falar de Ciência
No entanto, na teoria de Einstein (teoria da relatividade), que descreve fenómenos de partículas com velocidades próximas à da luz, os instantes em que ocorrem os acontecimentos e os intervalos de tempo que estes acontecimentos duram, deixam de ser independentes do referencial inercial que os observa, passando a depender da coordenada paralela à velocidade onde o evento ocorre.
Ainda em relação às características do tempo, cabe a discussão se
PONTO A PONTO ENCHE-SE O NOSSO ECOPONTO

ele é cíclico ou não cíclico. Na teoria do Universo Fechado, o Universo passa por ciclos de expansão e contracção que se repetem, não se podendo dizer, com o conhecimento de hoje, quantos ciclos já ocorreram (apenas que nos encontramos num ciclo de expansão). Dentro desta visão de Universo, ele passará no futuro, como já ocorreu no passado, por uma contracção. Esta teoria tem um aspecto cíclico no tempo, no sentido que os acontecimentos fundamentais no universo ocorrem ciclicamente. Por outro lado, pela teoria do Universo Aberto, o Universo expandir-se-à eternamente, e o tempo de existência da matéria e de tudo que há nele será finito, e por consequência linear (não cíclico). Luisa Gonçalves

Separar?!Onde? 
O Concelho de Mação encontra‐se integrado num plano multimunicipal de gestão dos RSU´s, efectuado pela empresa VAL‐ NOR. É prioridade desta empresa a recolha, valorização e tratamento de resíduos sólidos. Mação apenas foi abrangido pelo  plano de recolha selectiva de resíduos sólidos, pelo que, possui inúmeros ecopontos distribuídos pelas várias freguesias do  concelho. Assim, próximo dos vulgares recipientes para o lixo orgânico ou não reciclável, existem ecopontos amarelos, ver‐ des, azuis e ocasionalmente, de menores dimensões, os vermelhos.   A tabela seguinte resume as localizações para o concelho de Mação, dos pontos de separação dos resíduos (Ecopontos).  Mação Café Central Polidesportivo do Cerejal Doce Mel Junto ao tribunal – Av.Sá Carneiro Largo da Igreja Matriz – Largo de Stº António Frente à Escola EB 2,3/S de Mação Frente ao restaurante “Balado” – estrada  para Aboboreira Largo dos Bombeiros Voluntários Junto ao café “Galo” – recta da Av. 5 de  Outubro Junto à Caixa Geral de Depósitos Escola Preparatória – Calvário Ecomarché – Junto à estrada principal Bombas de combustível – entrada de Mação Rosmaninhal – Largo da Associação de Ros‐ maninhal Cardigos Chaveira – Largo da Vinha Velha Parque Infantil Carrascal – junto à Oficina Serralharia Vales – Centro de Dia
Página 3 A ESC LA DE A A Z

Ortiga Kabras Bar Largo Casquilho – rua da Fonte Velha Lar da 3.ª idade Parque de Campismo de Ortiga

Penhascoso Café Marques Largo de Festas Assoc. Centro Dia N. Srª do Pranto Na  Associação da Queixoperra Na Associação da Serra

Aboboreira Junto à escadaria da Igreja – Chão de  Codes Largo do Jogo – estrada principal Largo da Casa do Castelo – Castelo Na Assoc. Desportiva e Cultural do  Pereiro Aldeia de Eiras

Amêndoa Perto do Chafariz – Chão de Lopes Perto do antigo Jardim de Infância

Carvoeiro Junto ao café “Zita” Junto à Igreja do Carvoeiro

Envendos Junta de Freguesia Paragem de Autocarro – S. José das  Matas

Como se verifica, são tantos os locais para deposição dos resíduos que, certamente, existe um perto de sua casa. Mas, já sabe,  desloque‐se até eles a pé, para não gastar mais energia!
Resíduos  Sólidos Exemplos de produtos Latas de Bebidas;  Latas de conservas; Embalagens vazias de sprays Garrafas e garrafões de Plástico; Sacos  de Plástico Embalagens de plástico  de detergen‐ tes, champôs, etc. Jornais e revistas; Papel de embrulho Pacotes de Bebidas (Leite, sumos e  vinho); Embalagens de cartão espalmadas; Pilhas Garrafas de vidro (vinho, água, sumos); Frascos; Boiões
- Poupa-se matériasprimas - Preservamse recursos naturais Separar?! E Depois? Os resíduos recicláveis depositados nos ecopontos são recolhidos pela Valnor e encaminhados para a Estação de Triagem localizada em Avis onde serão separados por categorias e posteriormente, enviados para a reciclagem. Separar?!Porquê? Reciclar materiais traz diversas vantagens ambientais e económicas.

Metais Emba‐ lagens Papel/ Cartão Pilhas Vidro

- Economizase energia

Cada lata de alumínio reaproveitada gera uma economia de energia equivalente ao consumo de uma TV por três horas. 50 kg de papel velho = uma árvore poupada 1.000 kg de vidro reciclado = 1300Kg de areia extraída poupada 1.000 kg de plástico reciclado = milhares de litros de petróleo poupados 1.000 kg de alumínio reciclado = 5000Kg de minérios extraídos poupados Uma simples pastilha elástica demora 5 anos para se decompor O vidro demora 1 milhão de anos para se decompor Só os americanos produzem 2,5 milhões de garrafas de plástico por hora

Separar?! Como? 

- Reduz-se a quantidade de RSU´s depositados nos Aterros

Separar?! Hoje!!! O sucesso deste plano de recolha depende da intervenção activa, responsável e empenhada de todos os cidadãos de Mação. É tudo tão simples! No entanto, parece que as pessoas no geral, continuam sem conseguir valorizar a importância de um acto tão singelo como o da separação dos lixos. Que este artigo vos faça pensar mas, não se pode pensar muito! Urge uma mudança de atitudes e comportamentos! Só assim será possível continuar a viver neste planeta maravilhoso e único! Artigo elaborado por: JRA,Jovens Repórteres para o Ambiente, EB 2,3/S de Mação

Página 4

A ESC

LA DE A A Z

É bom pensar, já!

Economizando electricidade
A electricidade desempenha nos dias de hoje um papel preponderante: os computadores são eléctricos, a iluminação, os electrodomésticos, para nomear apenas alguns dos seus dependentes. Embora do ponto de vista do consumidor seja uma energia limpa, a sua produção pode ser poluente e é cara. Na sequência deste artigo deixamos algumas dicas que podem ser úteis ao ambiente e à carteira. A tabela seguinte dá uma ideia aproximada

Aparelhos Eléctricos
Arca Frigorífica Frigorífico Ar condicionado 10,000 BTU Chuveiro Eléctrico Lâmpada Incandescente 60w Lâmpada Fluorescente 15w Ferro de engomar Máquina de lavar roupa Microondas Televisor de 20" Ventilador de tecto

Dias de uso/mês 30 30 30 30 30 30 12 12 30 30 30

Tempo de uso/dia 24h 24h 8h 40min 5h 5h 1h 30min 40min 5h 8h

Consumo mensal Gasto mensal (Kwh) (Euros) 90 10 90 10 360 35 70 8 9 1 2.25 2 12 1 2.7 2 30 2 13.5 1.2 24 2.15

Ar condicionado

- Procura instalar o aparelho em local com boa circulação de ar e
protegido da incidência solar; - Mantém as portas e janelas fechadas, a fim de evitar a entrada de ar quente (ou frio); - Limpa com frequência os filtros, pois a poeira dificulta a circulação de ar, além de transmitir doenças; - Limita a sua utilização somente - Para o aquecedor central, procura instalá-lo próximo aos lugares onde vais utilizar a água quente. As canalizações necessitam ter um isolamento térmico a fim de evitar a perda do calor; - Planeia o uso de teu aquecedor, ligando-o em horas certas e por um tempo determinado; - Não te esqueças de desligar o aquecedor central quando não estiveres em casa nas dependências ocupadas e em situações de necessidade real, desligando o aparelho quando as salas ficam vazias;

boa vedação, o que provoca a perda do frio interno e aumenta o consumo. Nesse caso providencia a substituição das borrachas; - Lê com atenção as instruções do manual do fabricante sobre o ajuste da temperatura, descongelação e limpeza.

Iluminação

- Evita acender lâmpadas durante o dia;
- Prefere as fluorescentes compactas ou circulares para a cozinha, casas de banho, área de serviço, garagem e qualquer outro lugar exterior à casa que fique com as luzes acesas por mais de quatro horas por dia. Além de consumir 2,5 vezes menos energia que as incandescentes, essas lâmpadas duram cerca de 10 vezes mais; - Não deixes lâmpadas acesas em lugar desocupado; - Reduz o número de lâmpadas. Uma lâmpada de 60W ilumina mais que duas de 40W; - Caso haja a necessidade de maior nível de iluminação (leituras, trabalhos manuais, etc.…) procura fazer uso de iluminação localizada próxima à superfície de trabalho e desliga após o uso. - Evita pintar o tecto e paredes com cores escuras. Estas exigem lâmpadas de maior potência para a iluminação do ambiente; - Mantém sempre limpas as paredes, janelas, forros e pisos. Uma superfície limpa reflecte melhor a luz de modo que menos iluminação artificial se torna necessária; - O uso de projectores embutidos no chão além de ser anti-económico e incómodo, gera ainda poluição visual desnecessária.

Frigorífico
- Instala o frigorífico em local arejado e protegida do sol. Evita encostá-lo muito próximo de paredes, móveis ou ao fogão; - Não abras a porta sem necessidade ou por muito tempo. Guarda os alimentos de forma que se possa encontrá-los rápida e facilmente; mas deixa espaço entre eles para o ar circular; - Habitua-te, sempre que possível, a colocar e retirar os alimentos e bebidas de uma só vez; Evita colocar alimentos quentes; - Não forres as prateleiras com vidros, plásticos ou tábuas, pois impedem a circulação do ar frio; - Coloca os líquidos em recipientes com tampa, pois isso evita a acumulação de humidade no interior do frigorífico; - Observa se a vedação da porta está em perfeita condições. Para isso, abre a porta e coloque uma folha de papel entre ela e o gabinete. Fecha a porta depois tente retirar a folha. Se esta deslizar com facilidade é sinal que as borrachas não estão garantindo uma
Página 5

Máquina de lavar roupa
- Lava a quantidade máxima de roupa de uma só vez (respeitando as indicações do fabricante). Usa a dose certa de sabão especificada no manual e mantém o filtro sempre limpo;
João Paulo

A ESC

LA DE A A Z

A Escola . . .
ALUNOS DO 5.º e 6.º ANOS DE MAÇÃO GRAVAM CD “OS AMIGOS DO ZÉTHOVEN”
No 1.º Período chegou à nossa Escola a possibilidade dos alunos do 2.º ciclo de todo o país, poderem participar no concurso “Os Amigos do Zéthoven”, concurso dirigido pelo Maestro Luís Cipriano. Este concurso compreendia duas etapas. A primeira seria a de escrever um poema com os temas que poderiam ser a amizade, o racismo, a solidariedade… a segunda etapa só poderia ser concretizada se um poema da Escola fosse seleccionado, e posteriormente consistia em escolher 10 alunos com capacidades vocais para gravar um cd. Os alunos da Escola de Mação aceitaram o desafio, e com a colaboração de vários professores nas aulas de Língua Portuguesa, Educação Musical, Formação Cívica e Área de Projecto, foram surgindo os poemas, em grupo e individualmente. No total concorremos com 35 poemas. Depois foi esperar ansiosamente pelo dia da divulgação que aconteceu no dia 26 de Dezembro de 2007 na SIC no Programa "Fátima" da autoria de Fátima Lopes (que é a madrinha do concurso) as Escolas vencedoras do Concurso "Os Amigos do Zéthoven". A nossa Escola E.B. 2,3/S de Mação, foi uma das 12 Escolas com o poema vencedor "Todos Iguais" da autoria da aluna Rafaela Duarte do 6.ºC. A segunda fase foi a dos ensaios para serem escolhidos dez alunos do 2.º ciclo (5.º e 6.º anos) a fim de realizarem a gravação de um cd no dia 1 de Março (Sábado) na Covilhã. Foram ensaiadas as duas canções atribuídas à nossa Escola, “Todos Iguais” e “Amizade”. Os alunos ensaiaram as canções demonstrando grande entusiasmo e alegria, dando o seu melhor para provarem que seriam os mais afinados e que mereceriam ser os dez seleccionados. A escolha tornou-se muito difícil e no dia 14 de Fevereiro, pelas 14 horas, uma equipa do Concurso "Os Amigos do Zéthoven" veio à Escola para ouvir os alunos seccionados, para dar o aval aos alunos escolhidos. Contudo, o professor de Educação Musical levou à audição mais de dez alunos porque tinham todos grandes capacidades vocais. Qual não foi a surpresa para todos, quando

o Júri permitiu que a nossa Escola pudesse levar mais de dez alunos, para poderem gravar o cd na Covilhã. O dia da gravação tinha chegado finalmente, 1 de Março, e alunos e professores deslocaram-se até à cidade da Covilhã, num autocarro gentilmente cedido pela Câmara Municipal de Mação. A gravação foi um sucesso, pois todos os alunos demonstraram um excelente desempenho e uma correcta postura dignificando o nome da Escola. Os nossos alunos gravaram com os alunos das Escolas de Ponte-de-Sôr e de Évora, sendo acompanhados por uma orquestra sinfónica. Estavam presentes vários órgãos de comunicação social fazendo reportagens e entrevistando o maestro Luís Cipriano e os nossos alunos. Nos programas informativos e no “Regiões” da RTP1 foi noticiado a gravação deste projecto. O cd estará à venda a partir do dia 1 de Junho (dia mundial da criança) que será apresentado com um concerto ao vivo, com todas as crianças intervenientes neste projecto. É de referir que este projecto “Os Amigos do Zéthoven” e a venda do seu cd tem como finalidade ajudar várias instituições de solidariedade social. Professor de Educação Musical Pedro Passarinha

Página 6

A ESC

LA DE A A Z

As NOSSAS conquistas . . .

TODOS IGUAIS
(Rafaela Duarte - 6.ºC - n.º16)

Notícias da nossa biblioteca:
Como já é do teu conhecimento, a biblioteca da nossa escola foi alvo de uma grande remodelação, quer a nível de mobiliário quer a nível de livros e de outro material audiovisual. Agora podes requisitar ou ler na biblioteca novos livros, ver filmes em dvd, sem incomodares quem está ao teu lado, utilizando para o efeito headphones individuais. Tens também ao teu dispor diariamente o jornal “ Publico “. Podes ainda ler os seguintes jornais: “ O Mirante “, “ Primeira Linha “, “ Jornal de Letras “, “ Voz da Minha Terra “e “ Expresso do Pinhal “. No que diz respeito a revistas, a biblioteca é assinante da “ Visão “ da “ National Geographic “ da “ Super Interessante “ e da revista “ Boa Nova “. Brevemente o jornal da escola irá estar online, num blog que está a ser criado.

Ser amigo e sem maldade, Sem perigo e opressão Tratar todos com igualdade Com alegria compaixão. REFRÃO: Somos no fundo todos iguais É preciso compaixão, Não ter amigos dos virtuais Mas do fundo do coração. Ser amigo é ouvir Escutar com atenção Ajudar a decidir O melhor p’ra questão REFRÃO: Somos no fundo todos iguais É preciso compaixão Não ter amigos dos virtuais Mas do fundo do coração. REFRÃO: Somos no fundo todos iguais É preciso é compaixão

Não ter amigos dos virtuais Mas do fundo do coração
5.ºA 5.ºA 5.ºA 5.ºB 5.ºB 5.ºC 5.ºC 5.ºC 6.ºA 6.ºB 6.ºB 6.ºC 6.ºC N.º4 N.º9 N.º13 N.º7 N.º11 N.º11 N.º17 N.º18 N.º3 N.º6 N.º13 N.º1 N.º3

Carolina Gonçalves Mariana Silva Rita Marques Cláudia Crispim Joana Fernandes Maria Dias Pedro Rodrigues Tatiana Afonso António Fernandes Cláudia Branco Marisa Lourenço Ana Devder Ana Martins

Enterrem-me, quando eu morrer, No cemitério de vossos corações; E me deixai consumir toda agrura Que em vós, porventura, Há de percorrer em ilusões.
Por João Batista do Lago

O Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas Verde Horizonte dá os parabéns a todos os alunos e professores que participaram na iniciativa “Os Amigos do Zéthoven”! Esta iniciativa permitiu demonstrar que o trabalho de grupo, o espírito de equipa e colaborativo originam trabalhos que orgulham esta Escola... 

Até sempre colega!

Página 7

A ESC

LA DE A A Z

Entre Pedro e Inês, um Amor talvez . . .

Estou aqui! Sou alguém, a partilhar o amor que tenho dentro de mim, com os outros… AMOR Cada ser é tão importante, como se fosse o único que existisse ao cimo da terra… O que é o amor? É um simples olhar, um simples aperto de mão, Um leve sussurrar de carícias, Um beijo forçado entra dois seres, Que, mutuamente, sentem o inesquecível e delicioso sentimento: o Amor. Vive! Chora! Amor, o que em teu nome se faz, talvez se viesses a saber, te deixasse com vontade de te exprimir. Mas tu, amor, és forte, passas imperturbável por tudo: o ódio e a felicidade. Ana Rita Lourenço Corga E, continuas como és: puro. Tu, amor, és o melhor que existe, em mim, nele, nela, Enfim, em todos nós… Quando te sentires só, Corre ao som do vento, olha o sol a brilhar… Repara como voam as pombas… Olha em teu redor e vê como há milhões de pessoas Que se sentem mais sós do que tu… Que são mais infelizes do que tu… Que se sentem no desespero, como tu às vezes te sentes… Reage contra isso! Ultrapassa os obstáculos que te aparecem!... Gritando vai dizendo: Grita! Mas… Nunca percas esse doce sorriso que ilumina os teus olhos!... Faças o que fizeres, faz sempre com amor, Espalha-o, através do teu doce e tão simples sorriso… Dá amor, dá um pouco de ti mesmo aos outros, Porque se tu precisares do amor dos outros, Os outros sem ti não podem viver…

Página 8

A ESC

LA DE A A Z

Amar é . . .

Poema de Amor
Amar é saber amar É preciso ter alguém para amar Amar é no amor acreditar Para ter algo em que pensar… Amar é algo que se sente dentro de nós Por alguém que já passou por nós… Amar é ir no caminho para te encontrar E contente vou por te falar… Amar não tem validade Pois é para eternidade Amar é algo ardente Que se sente por inocente… Amar não tem preço É certo que te reconheço Amar é no amor acreditar Pois tenho muito que pensar…
Autor: Sofia Maia

Um Olhar!!!
Napoleão com uma espada Conquistou uma nação. Só tu meu amor Conquistaste o meu coração. O teu olhar me fitou O meu coração parou, O ar me faltou… Foi aí que eu percebi, O que de estranho acontecera… Algo transcendente à razão, Transbordando de emoção. Indescritível palpitação! Apaixonada fiquei, Presa me senti, Por ti meu Amor, . Assim nasceu o nosso Amor !!! Marta Maia

Página 9

A ESC

LA DE A A Z

Em Mação acontece . . .

COMEMORAÇÃO DO DIA DA ÁRVORE

No dia 14 de Março de 2008, último dia de aulas do 2º período, a EB1 de Mação associou-se à comemo-

coabitam no mesmo espaço doméstico), quando qualquer destes emerge como o elo mais fraco ou vulnerável da cadeia. O processo que desencadeia a violência doméstica pode eclodir a partir de palavras, de um empurrão ou de uma bofetada. (…) Com o decurso do tempo e não havendo qualquer intervenção, as agressões aumentam a sua intensidade e frequência, podendo manter lesões físicas permanentes ou provocar a morte.”
(Manuel Ferreira Antunes, Violência e Vítimas de Crime, 2003:58)

Sabia que a VIOLÊNCIA DOMÉSTICA É CRIME?! “Em Portugal, de acordo com dados do Ministério da Administração Interna, de 2000 a 2005, foram contabilizadas 89213 vítimas de violência doméstica, o que significa uma média de 40 vítimas por dia. Existem vítimas de todas as categorias de género e classes etárias. No entanto, na sua grande maioria, elas são mulheres adultas com 25 ou mais anos de idade.”
(Linda L. Baker et al, Children Exposed to Domestic Violence; adaptado por Fórum Municipal de Cascais Contra a Violência Doméstica: 2007:7)

ração antecipada do Dia Mundial da Árvore, plantando árvores nas encostas da escola. Com a colaboração da Aflomação, que preparou os terrenos, despojando-o das acácias e criando socalcos, todos os alunos, professores e auxiliares ajudaram na plantação das árvores (Carvalho americano ou Quercus rubra, Pinheiro manso ou Pinus pinea, e Sobreiro ou Quercus suber) gentilmente cedidas pela Liberty Seguros. Esta iniciativa contou ainda com a colaboração do Grupo de Trabalho Contra a Violência Doméstica, numa acção de sensibilização sobre esta problemática existente no concelho de Mação. Ao longo da semana alunos e professores da EB1 de Mação debateram questões relacionadas com a Violência Doméstica, do que resultaram algumas frases elaboradas pelos alunos: “Não se deve bater nas mulheres.” “Com amor e carinho não há violência doméstica.” “Os filhos não devem bater aos pais.” “Os pais não devem bater aos avós.” “Se sofre de violência doméstica manifeste-se!” “Os pais não devem maltratar os filhos.” “Façam com que a violência doméstica acabe!”

Sabia que a necessidade que as crianças têm de viver num ambiente consistente e previsível é posto em causa pela Violência Doméstica? As crianças expostas a actos de violência doméstica, desenvolvem atitudes de stress e ansiedade, às vezes desenvolvem comportamentos agressivos, falta de interesse e concentração. “Assistir, ouvir ou ter conhecimento de actos de violência praticados contra o pai ou a mãe constitui uma

ameaça ao sentimento de estabilidade e segurança da criança que deve ser proporcionada pela família.” VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
(Linda L. Baker et al, Children Exposed to Domestic Violence; adaptado por Fórum Municipal de Cascais Contra a Violência Doméstica: 2007:8)

“A Violência Doméstica abrange múltiplas formas de violência que atingem os cônjuges ou companheiros (as crianças, os idosos e outras pessoas que
Página 10 A ESC LA DE A A Z

Visitas de Estudo
VISITA DE ESTUDO NovaDelta No dia 14 de Fevereiro de 2008 os alunos do curso Profissional de Gestão e do curso Tecnológico de Marketing, respectivamente 10º, 11º e 12º, turmas B, participaram numa visita de estudo à empresa de cafés “NovaDelta” cita em Campo Maior. O café é comprado na bolsa de valores e dá entrada nos armazéns em contentores selados, ficando depois sujeito a uma análise laboratorial e, só posteriormente, pronto para entrar na linha de produção. Após o término da visita a todas as instalações da fábrica, foi oferecido a todos os alunos e professores acompanhantes, um saco de café em grão conjuntamente com uma chávena de café. A visita saldou-se pela positiva, pois tivemos oportunidade de visualizar e consolidar os conhecimentos teóricos e práticos ministrados nas disciplinas técnicas dos cursos de marketing e de gestão.

Os alunos dos 10º, 11º e 12º B

Na década de 50, o Comendador Rui Nabeiro constituiu uma sociedade com os seus tios, a “Torrefacção Camelo” e em 1961 fundou a Delta Cafés que, actualmente, se dedica à concepção, desenvolvimento, produção e comercialização de cafés e sucedâneos, bem como, ao empacotamento e comercialização de cacau, chocolate, açúcar, adoçante, leite, chás e infusões e pau de canela. Actualmente a empresa conta com 2500 colaboradores directos e 23 centros de distribuição. Após a chegada à empresa os alunos começaram por visitar o Museu do Café ficando a conhecer alguma da história da empresa, quais os maiores produtores de café verde (África, América Central e do Sul, Vietname, sendo o maior o Brasil), tiveram oportunidade de ver e tocar nos dois tipos de café que compõem o café que bebemos (Arábica e Robusta) e de ver alguma da maquinaria utilizada nos primeiros anos de funcionamento da empresa e, ainda, a primeira carrinha de distribuição utilizada. Para marcar o final da visita ao museu foi gentilmente oferecido a todos os alunos e professores, um café e uma bolachinha da Delta. Após a visita ao museu, seguiu-se a visita à fábrica onde se processam todas as etapas do processo produtivo, desde a entrada de café verde, até à expedição do produto acabado.

Página 11

A ESC

LA DE A A Z

Pena de Morte. Sim, não ou NIM . . .
A minha opinião se o condenado for morto, é “menos um”, e o Estado não terá de o suportar. Para além disso, a família da vítima também terá de o suportar, com os sou contra a pena de morseus impostos, por exemplo. Mas isso, comparado com o que as outras pessoas do país vão fornecer a nível monetário, não é quase nada, para não dizer, nada mesmo. Face aos elementos contra a pena de morte, que são mais do que os prós, a pena de morte tem de ser abolida em todos os países, pois aqueles que ainda a aplicam são bastantes… É esta a minha opinião face ao tema “pena de morte”, actualmente tão controverso. Marta Maia

te. Na minha opinião, já todos os países a deviam ter abolido e, melhor ainda, nunca a deveriam ter tomado como lei fazendo parte de uma Constituição. Quantas pessoas morreram injustamente? Números enormes para esta resposta, com certeza. Provavelmente, sobre alguns condenados, depois de mortos, foi descoberta a verdade. Mas não a tempo… Há certos crimes que são horripilantes, e esses sim, por um lado merecem pena de morte, como o caso da última mulher a ser executada em Portugal (depois dela, apenas foram executados homens). Chamava-se Luísa de Jesus, tinha 22 anos e executara 33 bebés (por dinheiro e enxoval). Ora, os bebes são seres humanos sem nenhuma capacidade para se defenderem de um adulto. Luísa de Jesus foi executada a 1 de Julho de 1772. Pode parecer que me estou a contradizer, pois comecei por dizer que sou contra a pena de morte. E sou. Mas neste caso, esta foi bem aplicada… Os Direitos Humanos são contra a pena de morte, mas há pessoas que são a favor. Mas nesse caso, eu penso que, se a teoria desses indivíduos é “olho por olho, dente por dente”, então, agem apenas por vingança. Assim, o pensamento ultrapassa a razão. Para alguns, a pena de morte é mais “fácil”, digamos assim, porque se o condenado é preso, é preciso sustentá-lo, o que envolve dinheiro. Assim,

Eu

do, em que vários factores têm que ser analisados. Por um lado, é algo positivo, pois, ao ser aplicada acaba-se definitivamente com um assassino, um assaltante, etc, não permitindo haver outros crimes por parte deste, e, se tivermos em conta que por vezes a justiça é tardia e mal aplicada como nos podemos aperceber todos os dias ao vermos as notícias, até considero que a pena de morte seja uma opção tentadora, ainda para mais se a vítima for alguém que nos é próximo ou uma criança. Mas, e sendo esta a minha “escolha”, é algo negativo e com muitos argumentos para o ser. Começo com um acontecimento muito divulgado, o enforcamento de Saddam Hussein, esta aplicação da

A

pena de morte é um tema muito discutido a nível mundial e, principalmente um tema delica-

Página 12

A ESC

LA DE A A Z

Pena de Morte. Sim, não ou NIM . . .
pena de morte gerou uma onda de terrorismo antes e depois da sua morte, o que prova que matar alguém pode “chamar” ainda mais a violência. Como referi neste trabalho, a pena de morte é uma total negação à Declaração Universal dos Direitos Humanos, onde podemos ver ao longo de muitos artigos, que um indivíduo tem direito à vida e a todo o conforto que nela pode existir. Nós (sociedade) não temos direito algum de tirar a vida a outra pessoa, mesmo que essa tenha cometido os maiores crimes e até morto alguém, não podemos condenar enquanto não soubermos as verdadeiras razões do acto e, mesmo que soubéssemos, é desumano aplicar a pena de morte, sendo até que acabamos por cometer também um crime ao matar ou mandar fazê-lo. Na minha opinião, a culpa do comportamento de uma pessoa pode ser, em alguns casos, da sociedade, pois é esta que educa, formando uma cadeia de acontecimentos. É também impossível ter a certeza que um indivíduo tem um julgamento justo. Existem por todo o mundo frases emblemáticas que, de certa forma, são também opiniões e argumentos que transmitem aquilo que eu também defendo, temos como exemplo: “Vim ao mundo para que tenham vida e vida em abundância!” Jesus Cristo; “Pedirei a abolição da pena de morte enquanto não me provarem a infalibilidade dos juízos humanos.” Marquês de Lafayette. Pergunto agora se a pena de morte será a melhor opção? Será que o criminoso deve morrer logo ali, no momento em que se senta numa cadeira, ou em que respira o gás mortífero, ou ainda quando a corda lhe é atada ao pescoço? A Carla Matos 9º ano minha resposta a estas perguntas é “não”, até porque deste modo o criminoso não terá possibilidade de arrependimento e, se esta não for a sua opção, se o individuo é mesmo um “assassino em série”, então este deve sofrer não umas horas antes de ser condenado à morte, mas sim, até ao resto da sua vida, ficando assim em prisão perpétua, dando-lhe a possibilidade de pensar e repensar nos seus actos de maldade. Pode-se considerar que há países sem prisões adequadas para receberem este tipo de criminosos e seria um risco para a sociedade manter esses indivíduos perigosos vivos, mas, na minha opinião, seria um risco a correr e que iria compensar, pois podíamos ter pessoas arrependidas e seriam com certeza poupadas vidas inocentes.

Página 13

A ESC

LA DE A A Z

Vamos à Matemática

CARPE MAT
Carpe Mat é um jogo, um desafio resolvido pela lógica e com a ajuda da matemática, embora nos dê que pensar. Ao leva-lo para casa, por vezes até alguns familiares e amigos tentam chegar à solução. A minha participação, neste Carpe foi feita à última da hora e nem pensava em ganhar. Ao saber que ganhei fiquei contente pois o prémio era uma máquina fotográfica e um IPOD, coisas que não tinha e de que gosto. Este prémio também é para mim mais um incentivo à matemática, disciplina que sempre gostei.

Alexandra Godinho 8ºC Nº1

DESAFIOS DE MATEMÁTICA

soluções

Página 14

A ESC

LA DE A A Z

A nós a escrita . . .
ANTAGONISMOS

Sinto-me a vaguear por entre as cores vivas da alegria e a penumbra da tristeza. Oscilo entre os dois pólos opostos sem passar pelo meio termo, não conheço meias medidas, nunca as conheci em nada. Sou constantemente “atacada”pela felicidade, que me põe um sorriso enorme e parvo na cara, que me faz dizer disparates e fazer os outros felizes, que me dá vontade de viver toda a vida de uma vez só, de chegar mais longe e longe, de ser eu mesma, de contagiar os outros com toda esta sede de alegria. Porém, um pequeno pormenor, a mais ínfima coisa, que situada num contexto geral pode ser nada, mas que para mim, e naquele momento, é tudo... Vem a angústia, a incerteza, o medo, vai-se o sorriso... A insegurança toma conta de mim, nestas alturas já não há sede de viver, apenas vontade de ver a vida passar. È nestes momentos que deixo de ser eu, aquela pessoa feliz e sempre com um sorriso maior que a própria cara. Mas, há sempre quem se encarregue de me trazer de volta! Sou um “poço” de instabilidade e insegurança, que deriva num mar com belas ilhas paradisíacas e com grutas escuras e assustadoras, sou o início e o fim, o tudo e o nada, o muito e o pouco, o branco e o preto, o zero e o infinito... Ana Teresa Matos 10º A

Asa de Anjo
Quis ser céu, água, montanha Fio de sol, Calor de Estio, Asa de Anjo...

Rude Poem

Mas o calor passa E é então que sei, afinal,

I bought a car last summer That you could drive when you wanted to. Let me get a break of your hammer… Turn on your gun and Boom Boom Boom! Just shut up the girl next door, Steal a car for me… Please… I’m poor! Show the way to the little tourist. Hey! Hello! I’m a great humorist! Leave me alone…! Go take a ride…! For that special person, I would shut up and drive… To another planet, To a stupid little hamlet. Get in my little dark house, Where I have my Chin Chan mouse.
Sara Pereira nº17 10ºA

Que não era o Teu Cuidado Mas um qualquer alguém Com um agrilhoar infernal...

Arrasto então Minhas Asas já sem chão, Embarga-se-me O esvoaçar, Emudecem-se Os sonhos, Choram os sorrisos...

Albufeira, 12/15 de Agosto, 2002 MCláudia Lago Saraiva

Página 15

A ESC

LA DE A A Z

Efeméride

Dia Mundial do Teatro - 27 de Março
“O teatro é uma acção prática que nenhum discurso restitui: É: foi.”
(Osório Mateus, De Teatro e Outras Escritas)

Se quiser ir ao teatro aqui deixamos algumas sugestões, experimente aceder aos respectivos sites na Internet: - Teatro Nacional São João, Porto - Teatro Nacional D. Maria II, Lisboa - Teatro Sá da Bandeira, Porto - Teatro a Barraca, Lisboa - Teatro Politeama, Lisboa - Comuna – Teatro de Pesquisa, Lisboa - Teatro Villaret, Lisboa - Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra - Teatro Experimental do Porto - Teatro Garcia Resende, Évora - Teatro Maria Vitória, Lisboa - Teatro O Bando, Palmela - Teatro Infantil de Lisboa - Filandorra – Teatro Nordeste, Vila Real - Teatro Politeama, Lisboa - Teatro Gil Vicente, Cascais - Companhia de Teatro Almada - Teatro A Barraca, Lisboa - Vá Atão- Teatro de Castelo Branco - Cine-Teatro São Pedro, Abrantes - Cine-Teatro de Mação

A palavra Teatro tem origem no termo grego Theatron, que significa “o lugar onde se vê”, estando pois relacionado com o espaço do anfiteatro ocupado pelos espectadores. O teatro na Grécia era realizado ao ar livre e podemos afirmar que foi este o berço do teatro ocidental tal como o conhecemos actualmente, sendo o teatro desenvolvido a partir da imitação de acções humanas do seu quotidiano, emoções e cenas da vida. Muitas vezes o Teatro surge associado a rituais e festas (religiosas ou não) envolvendo dramatizações de narrativas consideradas importantes para a comunidade que nelas participam activamente. Ao longo dos anos o teatro passa a surgir como arte autónoma, e mesmo indispensável para determinados círculos da sociedade, passando a ser visto no interior de edifícios com arquitectura mais ou menos sofisticada. Em Portugal o primeiro teatro público conhecido é o Pátio das Arcas, datado do final do século XVI em Lisboa. A história do teatro foi acompanhada pelo percurso dos seus actores e dos seus autores, a cultura ocidental prestigia uns e outros e se tempos houve em que a profissão de actor era considerada menos digna, actualmente alguns são considerados verdadeiros ídolos (Sarah Bernhardt. por exemplo). A própria história da literatura esteve também, ao longo dos tempos, associada a um estilo literário específico para o teatro (Gil Vicente, Shaeskpeare e Tcheckov, são alguns exemplos). Outra componente importante do teatro é a cenografia, que actualmente conta com a ajuda dos avanços da tecnologia. Se noutros tempos a pintura mais ou menos sofisticada e exuberante dos cenários bastava para criar ilusões, nos nossos dias os engenhos tecnológicos permitem criar ambientes cada vez mais impressionistas e expressionistas. Sem dúvida que a cena (espaço onde é realizada a representação) é criada tanto pelos actores como pelo cenógrafo. (Fonte: Programa Território Artes, O que é o teatro? ; Direcção Geral das Artes; 2008)

Página 16

A ESC

LA DE A A Z

Página 17

A ESC

LA DE A A Z

Desporto Escolar
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERDE HORIZONTE Clube de Desporto Escolar 3-2 com a Escola Amato de Castelo Branco. Este ano tem sido difícil obter resultados melhores porque a maioria das alunas são do escalão de Iniciadas, mais novas. Futsal Juvenis Masculinos – Continuam com vitórias em todos os jogos: Penamacor 5-3, Amato 5-0, Alcains 7-0. Revelam-se candidatos a ser campeões.

Durante o Mês de Fevereiro o nosso Agrupamento de Escolas participou em várias actividades: Corta mato – Participámos no Distrital em Penamacor com 36 alunos e 3 Professores. Não foi obtido nenhum resultado de qualidade. Foi um momento de conhecimento de novos amigos e novas terras. Os comportamentos foram sempre correctos. Badminton – Na concentração realizada na Sertã no dia 16 de Fevereiro no escalão de Iniciados, foram vencedoras a Patrícia Santos e Susana Farinha e o Miguel Pires foi segundo. Os outros participantes revelaram algumas dificuldades e muita falta de trabalho. Quando assim acontece, está tudo dito. No próximo dia 16 de Março vamos receber as Escolas do Distrito numa concentração de Iniciados e Juvenis. Natação – Na concentração da Covilhã participaram 27 alunos tendo sido obtidos alguns vencedores. Como os resultados totais ainda não nos foram entregues, não os podemos revelar.

Nos jogos à hora do almoço, realizaram-se 24 jogos com a animação de sempre. Se os alunos fossem tão empenhados nos estudos como o são no Futebol, de certeza que as notas seriam sempre muito melhores. No fim de semana de ½ de Março realizou-se o Campeonato Nacional de BOCCIA BC3 com 37 participantes. A nossa Escola colaborou com a participação de 1 Professor e 12 alunos que foram os marcadores de serviço. Foi uma acção diferente que nos revelou outra forma de praticar desporto, com muita qualidade e solidariedade. Está a aproximar-se a parte final das competições distritais e, ao mesmo tempo o final do 2º Período. O que mais desejo é que todos consigam realizar os seus sonhos sem esquecer o facto de serem estudantes com objectivo de obterem as melhores notas possíveis, Valerá para todos?

O Coordenador do Clube de Desporto Escolar José Maia Futsal Infantis Femininos – realizou-se uma concentração na nossa Escola no dia 1 de Março tendo a nossa equipa vencido 1 jogo e perdido 2. Foi 3ª classificada. Participaram 4 escolas, realizaram-se 6 jogos no total. Futsal Juvenis Femininos – Realizou um jogo com derrota por
Página 18 A ESC LA DE A A Z

Profissões em extinção em Mação

‐ Bom dia!

 

Entrevista 

tantas da tarde, altura que chegava a casa.  ‐ E monetariamente?  ‐ Era muito difícil, nesse tempo ganhava‐se muito pouco mas  tinha‐se que se procurar ter outras compensações na agricul‐ tura e na criação de animais para nosso consumo.  ‐ O Sr. João fez sempre a sua vida aqui no Rosmaninhal?  ‐ Quase sempre, mas ainda fui umas épocas à ceifa ao Alente‐ jo e ainda fui emigrante em França mas como aí o trabalho  também era duro, decidi regressar.  ‐ Posso perguntar‐lhe a idade?  ‐ Claro, porque não? Tenho oitenta e seis anos.  ‐ Mas o Sr. com essa idade ainda tem um aspecto saudável,  trabalhou como resineiro até aos quantos anos?  ‐ Mais ou menos até aos sessenta e cinco anos, altura em que  me deram uma pequena reforma, mas ainda hoje vou traba‐ lhando na agricultura para sustento da casa.  ‐ Muito bem Sr. João, muito obrigado pela sua disponibilidade  e que Deus lhe de muita saúde e anos de vida. 

‐ Eu sou o João Miguel Salgado Ramos aluno da escola E.B.2,3  de Mação.  ‐ Queria fazer‐lhe uma entrevista para um trabalho escolar  sobre as “Profissões que estão a acabar ou já acabaram”.  ‐ Posso‐lhe fazer esta entrevista?  ‐ Sim, com certeza!   ‐ Obrigado!  ‐ Sr. João Lourenço, qual foi a sua profissão?  ‐ Olhe, comecei a trabalhar logo muito novo em varias activida‐ des agrícolas mas aquela que me dediquei mais foi à exploração  da resina.  ‐ Com quantos anos começou a trabalhar nessa actividade?  ‐ Para aí com uns doze ou treze anos.  ‐ Gostava desse tipo de trabalho?  ‐ Que remédio, é que nesse tempo, não havia dinheiro para  estudar.. então tínhamos que aproveitar o trabalho que havia e  aqui na nossa região ,o que abundava mais era o pinhal.  ‐ Pode‐me explicar como era esse tipo de trabalho?  ‐ Era duro, mesmo muito duro, levantava‐me ao romper da  manhã com o ferro e a botija e ia de pinheiro em pinheiro, gal‐ gando cabeços e vales, bebendo água em pequenas represas e  poços espalhados pelas hortas junto dos pinhais, e com uma  simples bucha numa bolça presa à cintura, muitas vezes até às 

• •

Muito obrigado também.    

Entrevistador: João Miguel Salgado Ramos Entrevistado: João Lourenço

Página 19

A ESC

LA DE A A Z

JI de Mação

Olá estimados leitores!

O

s meninos e meninas do Jardim de Infância de Mação aqui estão outra vez para vos dar notícias. Com a chegada do Inverno que este ano foi pouco chuvoso, mas muito friorento, festejamos o Natal. A todos os que se lembraram de nós e, nos proporcionaram bons momentos o nosso muito obrigado. Este ano festejamos o dia de reis com um espectáculo de ilusionismo do qual gostamos muito. Dias mais tarde, cantamos as Janeiras. Os ensaios foram muito divertidos mas, no dia da saída pelas ruas da vila, o sol brilhava como se estivéssemos num dia de Primavera. Ora, com o calor que se fazia sentir, o sono que assolava os mais pequeninos e o cansaço, as nossas forças para afinar as cordas vocais ficaram aquém das nossas capacidades musicais. Mas, ficamos contentes com os sorrisos que vimos no rosto das pessoas, pois ver tantas crianças juntas a reavivar hábitos perdidos, traz lembranças adormecidas à memória de diferentes gerações. O Carnaval este ano pregou uma partida e chegou muito cedo! Fomos festejar com os meninos do 1º Ciclo e deliciamo-nos com tradicional arroz doce característico desta época. O frio que é useiro no Inverno, entra pelo nosso Jardim como tema
Página 20

transversal para desenvolver diferentes temas e actividades. A lã, que nos traz quentinhos, e as suas produtoras- as ovelhas, serviram de ponto de partida. Sentimos nas mãos a textura, cheiro e a pureza da lã virgem. Muitos de nós desconheciamos a proveniência da lã até chegar às nossas camisolas, meias e gorros. Mas, como podemos ver neste texto colectivo, aprendemos mais coisas acerca das ovelhas e suas famílias:

As ovelhas A ovelha é a mulher do carneiro As ovelhas são amigas Dão lã para fazer casacos quentinhos Pantufas,meias,luvas e cachecois A lã não deixa vir o frio A lã dá para fazer cobertores de lã para tapar e dormir profundamente As ovelhas dão leite para fazer o queijo

averia ainda muitas outras coisas para contar, mas como a Primavera,a Páscoa, o dia do Pai, o dia da Arvore se aproximam,temos muito que fazer. Prometemos voltar para a próxima edição com muitas novidades.Agora despedimos-nos com um grande beijinho e até qualquer dia. Para terminar deixamos o nosso aplauso à Associação de Pais, pela peça de teatro que nos ofereceu. Os Jacalupis, Lupis e Lupões ainda hoje estão na nossa memória. Até à próxima edição e um grande beijinho para todos.

H

A ESC

LA DE A A Z

Culinária

FETUCCINI COM PRESUNTO
É uma refeição bastante ligeira e rápida. Aquilo que todos gostamos!

Ingredientes para 2 pessoas:
200 gr de Fetuccini 4 fatias de presunto 1 colher de sopa de sumo de limão 1 chávena de café de parmesão ralado 4 colheres de sopa de salsa picada 1 gema de ovo 100ml de nata ligeira (10% gordura) pimenta de moinho sal q.b.

Preparação:
Cozinhe a massa em água e sal. Assim que estiver al dente escorra e volte a colocar na panela. Entretanto misture as natas, o sumo de limão, o parmesão, a gema de ovo, a salsa, o sal e a pimenta. Adicione à massa e misture bem. Distribua a massa pelos pratos e sirva com as fatias de presunto rasgadas.

BOLO FOFO DE CHOCOLATE Ingredientes:
6 ovos 75g de chocolate em pó 1dl de água quente 250g de farinha 300g de açúcar 3clh chá de fermento em pó 1clh café de sal fino 1dl de óleo 1clh sopa de açúcar para as claras

Preparação:
Dissolva o chocolate com a água quente e deixe arrefecer. Num recipiente onde possa ser batido, misture muito bem a farinha e o açúcar e abra-lhes uma cavidade ao centro. Nessa cavidade, deite as gemas, a mistura de chocolate e água, o óleo, o sal e o fermento em pó. Misture muito bem tudo e depois bata muito bem durante uns minutos. À parte, bata as claras em castelo bem firmes, adicionando-lhes quase no final o açúcar para ficarem seguras, e ligueas cuidadosamente ao batido anterior, mexendo cuidadosamente. Leve a cozer em forno moderado, em forma untada e polvilhada.

Bom Apetite!

Página 21

A ESC

LA DE A A Z

A voz aos mais pequenos...

JARDIM DE INFÂNCIA DE ORTIGA No âmbito a das profissões varias foram as visitas de estudo efectuadas pelo Jardim de Infância de Ortiga em conjunto com o Jardim de Infância de Envendos. Visitamos a GNR onde fomos muito bem recebidos pelo Sr. Comandante que nos explicou todo o funcionamento do Posto.

As crianças tiveram oportunidade de contactar com os agentes e fazer algumas perguntas que foram sempre esclarecidas . Ficaram a saber que para ser GNR é preciso estudar, e que têm mesmo uma sala de aulas que frequentam todas as semanas para estarem a par das novas Leis. No final da visita entraram no Jipe e ligaram as sirenes foi o momento alto da visita.

Visita aos Bombeiros

Nesta visita guiada aos Bombeiros as crianças depois de lhes ser explicado para que serviam os vários instrumentos que existiam no Quartel, foram elas as “ vitimas”, e tiveram um tratamento adequado a cada situação, como podemos ver a boa disposição era notória

No final todas as crianças deram uma volta a Mação no carro dos Bombeiros, adoraram e quiseram repetir.

Página 22

A ESC

LA DE A A Z

Associação de Pais

No dia 29 de Fevereiro, o movimento junto ao Cine Teatro de Mação foi notório, estava a decorrer nesse espaço um Teatro Infantil promovido pela Associação de Pais do Agrupamento de Escolas Verde Horizonte de Mação, para os Jardins de Infância e Escolas do 1º Ciclo do Agrupamento. Aqui fica um resumo do que foi aquele dia especial, e que as nossas crianças tanto apreciaram.

“ LUPIS, JACAS e LUPÕES !!! “

Nesta montanha, não se sabe por que magia da natureza, apareceram há muitos anos uns estranhos seres cor de laranja: os Lupis, os Lupões e os Jacalupis.
Aqui respirava-se harmonia, perfumada pelos aromas silvestres de todas as plantas e frutas que abundavam naquele sítio.

Em certo dia brotou do chão um pequeno riozinho de água lilás, que viria a despertar a curiosidade de todos, que viviam na montanha. Até que repararam que aquela água lilás lhes fazia bem, foi um passo para surgirem as disputas e a cobiça pela água. Tendo tornado aquele local pacato numa grande confusão.

Valores como partilha e amizade foram alguns dos conceitos que foram transmitidos às crianças de uma forma engraçada e animada. As crianças tiveram oportunidade de interagir com as personagens, conversas, tocar e participar . Pelos relatos entusiastas das crianças no final, ficamos com vontade de promover mais dias como este.

Propriedade: Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Coordenação: Ana Neves e Luísa Morgado
Página 23

Grafismo: AN

Tiragem: 300
A ESC LA DE A A Z