You are on page 1of 2

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Jameson da Silva Gonçalves Júnior

Turma: AD3 10/10/2011
______________________

A Metafísica de Aristóteles inclui-se entre os livros que exerceram maior
influência na formação da cultura ocidental. Trata-se de um esforço sistemático de
impulsionar o exame das questões tendo por escopo alcançar o máximo de generalidade.
Tratando das causas dos eventos, está interessado em saber o que se pode dizer das
causas em geral. Achando-se o mundo povoado de seres, não se detém nesta
constatação. Quer saber o que se poderia dizer do ser em geral.
O Livro I trata das causas. Deve-se ter presente que Aristóteles define a filosofia
como a ciência teórica dos primeiros princípios e das primeiras causas, entendendo que
há quatro causas: material, formal, eficiente e final. A ciência moderna ocupa-se do
que Aristóteles chamou de causa eficiente, isto é, o antecedente temporal do fenômeno
estudado. A causa material diz respeito ao que contemporaneamente denominaríamos
de estrutura física ou química dos corpos. Na Grécia, a investigação desse aspecto era
de natureza filosófica. Os seres teriam componentes materiais e uma essência
unificadora. Essa essência unificadora também pode ser chamada de substância e era
sempre

de

natureza

qualitativa.

A

idéia

de

causa

final

seria

retomada

contemporaneamente para distinguir a ação humana dos processos físicos.
Em linhas gerais, pode-se afirmar que o objetivo maior de Aristóteles é pôr as
idéias de Platão nas coisas reais da experiência sensível. Neste sentido, vê-se que a
substância aristotélica tem vários significados:
- é a unidade como estrutura para todas as qualidades das coisas; tudo o que se
fala da substância é o que se pode chamar de essência;
- é o acidente, algo contrário a essência, porquanto esta é tudo o que pode-se
predicar da substância e, se caso um desses predicados faltasse, a substância não seria o
que ela é; o acidente convém a substância, embora à falta de um, não comprometeria o
sentido do todo. Assim, a substância contém aspectos essenciais e acidentais.
Desta forma, existem as coisas individuais com suas determinadas
características acidentais e essenciais e o ser é ser substância, onde dele se pode falar de
muitas formas: ou como essência ou como acidente. A necessidade é relacionada à
essência e o contingente é relacionado ao acidente.

Partindo dos dados dos sentidos e da memória. tempo. tem-se a experiência. lugar. direta ou indiretamente. Quanto à primeira. aquilo que faz com que a coisa seja o que é. ele fala sobre a memória. não existem. conhecimento prático que envolve as regras do conhecer e produz resultados. A matéria significa aquilo de que é feito algo. A gênese de tudo que é composto consiste em uma matéria informe com uma forma que a fornece unidade dando-lhe inteligibilidade. A metafísica de Aristóteles concebe o ente como um ser composto de matéria (hylé) e forma (eidos). ação e paixão. A forma é a figura dos corpos. portanto. idéias puras no mundo inteligível. Este é contemplativo. geral. As categorias são os "gêneros supremos do ser". só se forma tipos gerais em virtude da abstração das características particulares das coisas. onde a metafísica é sua forma mais elevada de expressão. denominada de filosofia primeira. quantidade. . Assim. ou seja. como suas determinações mais radicais. a forma só há para a matéria e vice-versa. verdadeiro. isto é. sendo. que ele denomina categorias. aquilo que fornece unidade a matéria. pela qual se conciliam a unidade e pluralidade deste. já que a este se referem diretamente. Aí se funda. Ela se confunde com a essência da coisa. É pelo processo de abstração que se pode saber o que a coisa é. o ter. porque esta idéia é algo comum a todos os homens. livre e não visa um fim determinado. que dá sentido ou finalidade. aquilo que a define. ressaltando dez: essência. qualidade. Então. A ciência do ser tem um objeto real. as substâncias existem. separado do mundo sensível: é pura essência. se referem todos os "gêneros supremos": a essência. para muitos. vem a téchne. ou seja. relação. Só se conhece o homem. abstrato. A matéria sempre objetiva voltar à sua forma original e desvencilhar-se da forma. contudo. a teoria da analogia do ser. aquele a que. onde ela examina o real em seu mais alto grau de abstração e pureza. A última etapa é aepisteme: saber teórico. para Aristóteles. situação. a faculdade que o ser humano tem e que faz dele alguém capaz de reter os dados sensoriais. Logo após. admite Aristóteles diferentes maneiras de ser. à qual não se pode atribuir nenhuma outra categoria além da própria essência. O ser unívoco existe.Como os sentidos são insuficientes para todo o processo do conhecer.