You are on page 1of 5

3.

O PROBLEMA DA NATUREZA DO
CONHECIMENTO:
Em todo o acto de conhecimento, como vimos, podemos considerar
três elementos: o sujeito que conhece, o objecto conhecido e a
relação entre o sujeito e o objecto. Para conhecer, o sujeito tem como
que sair de si mesmo para ir ao encontro do objecto e apreender as
suas propriedades, de modo a representá-lo no espírito. O
conhecimento apresenta-se, assim, como uma representação na
consciência.
Pode perguntar-se agora: essa representação foi provocada pelo
objecto existente fora do sujeito? Neste caso, o conhecimento tem
valor objectivo, porque atinge uma realidade que existe
independentemente da nossa representação; o conhecimento é a
representação das coisas de facto existentes. Ou essa representação
será simplesmente uma criação da nossa consciência, à qual nada
corresponde fora do sujeito ou, se corresponde, é como se não
existisse, porque não pode conhecer-se? O conhecimento, assim, terá
unicamente valor subjectivo; representará as modificações subjectivas
e atingirá os nossos estádios de consciência.
Ora, perguntar pela natureza do conhecimento consiste
precisamente em indagar qual dos dois pólos, sujeito ou objecto
do conhecimento, é determinante; ou seja, se o que se conhece
directamente é a representação do real, poder-se-á considerar que se
conhece efectivamente o real ou apenas a sua representação, a sua
imagem? Em resposta a esta perguntas temos duas teorias opostas: o
Realismo e o Idealismo.

3.1 O Realismo:
A nossa atitude habitual é acreditar que existe um mundo de
objectos físicos que existem independentemente do facto de
estarem a ser percebidos por um sujeito, que são causa das
nossas percepções e que estas nos dão a conhecer o mundo tal como
ele é em si. Esta atitude é habitualmente designada por Realismo.
doutrina que afirma que por meio do conhecimento atingimos uma
realidade distinta da nossa representação e independente dela, mas
que lhe corresponde. Por outras palavras, o realismo admite a
existência da realidade exterior (ou do mundo externo) como sendo
coisa distinta do pensamento ou das nossas representações, o que

Berkeley. Existe um mundo de objectos físicos (árvores. como também quando não estão a ser percepcionados. As impressões que temos das coisas físicas nos sentidos. estão justificadas. São independentes da percepção. Por exemplo. e que podemos saber diversas coisas sobre ele.atinge o que é. o que significa que o conhecimento é produto do sujeito e que as coisas não são mais do que conteúdos de consciência. Estes objectos não só existem quando estão a ser percepcionados. que não reflectiu muito sobre o problema da percepção e do mundo físico.2 O ldealismo: Contrariamente ao realismo. edifícios. Qual poderia ser a base da sua dúvida ?" 3. o nosso conhecimento atinge a própria realidade e não apenas as representações subjectivas . é realista: crê que existe um mundo físico que está aí. às vezes. colinas. são causadas por essas mesmas coisas físicas. e o conjunto constituído pelas quatro primeiras fundamenta a opinião que. e não o que pensamos que seja. se denominou "realismo ingénuo". as nossas pretensões ao seu conhecimento. pensava que o mundo exterior que percepcionamos só existe na nossa percepção. Pode conhecer-se a verdade dos enunciados acerca destes objectos por meio da experiência sensorial. 3. 2. Em geral. a minha consciência da mesa é causada pela própria mesa. As cinco crenças seguintes parecem ser partilhadas por todos os seres humanos. Porém. . Daí a expressão: esse = percipi. o idealismo afirma que o objecto de conhecimento é produto do espírito. para o realismo. quer o percebamos ou não. Por meio dos nossos sentidos. "0 homem da rua.). 1. não há uma única destas proposições que não tenho sido questionada por pessoas que sobre elas pensaram de modo sistemático. isto é.significa que. etc. 4. há uma identidade entre o ser de algo e o ser apercebido. por exemplo. percepcionamos o mundo físico quase tal qual ele é.

porque vale só para nós e para todos os seres constituídos como nós . Terá carácter subjectivo. no espírito'. e aquilo pelo qual se supõe que se devem orientar as acções humanas.e às vezes a atitude . o que as coisas são para nós e não a própria realidade em si e.. a maneira como pensamos a realidade. Dicionário de Filosofia. 'ser conteúdo da consciência. também o respectivo conhecimento terá carácter absoluto . entendido como a doutrina . ao pensamento. assim. 'ser' significa primariamente 'ser dado na consciência. se apenas atingir as modificações subjectivas. pois. por isto. e aquilo pelo qual se supõe que se devem orientar as acções humanas são as 'realidades' . Então.e às vezes a toda a atitude . 'estar contido na consciência. mas quase sempre imaginados como realizáveis.atinge o que pensamos e não o que é. são ideais .. pois sendo imutável a realidade essencial.segundo a qual o mais fundamental. os objectos. ) Para o idealismo.segundo a qual o mais fundamental. o . no sujeito. Como tal. ). do espírito'. o idealismo como idealismo moderno e tendo em conta que o ponto de partida do pensamento idealista é o sujeito. o idealismo contrapõe-se ao realismo..F. mas reduz este às representações. também terá valor relativo. do sujeito. tendo também.relativismo.. em geral. pode dizer-se que este constitui um esforço para responder à pergunta: 'Como podem. "Chama-se idealismo a toda a doutrina .' Mora.realizáveis ou não. o nosso conhecimento atinge apenas as modificações subjectivas e não a própria realidade . às ideias. conhecer-se as coisas ?' (. no sujeito e no espírito. J. o empirismo. podemos agora perguntarmo-nos: o nosso conhecimento intelectual terá valor objectivo e absoluto.realismo. ou seja. ou apenas valor subjectivo e relativo ? Terá valor objectivo se atingir o real.O PROBLEMA DO VALOR DO CONHECIMENTO: Posto isto. O valor e limites do conhecimento estão dependentes da atitude que se tomar quanto à sua origem e à sua natureza. tomo I 4. um valor absoluto.. Considerando.O idealismo não nega propriamente a existência do mundo externo. a essência das coisas.as 'duras realidades' (. Assim.

para o Idealismo. porque as características gerais (ideias) que afirmamos dos indivíduos. assim. por ser fruto de elaboração intelectual a partir das realidades percepcionadas.e não a realidade em si . tem valor objectivo. vale só para o mundo constituído pelos fenómenos. o conhecimento. não se limitando ao conhecimento das suas aparências ou das suas manifestações. a realidade é interpretada em função de certos dados da razão que traduzem as possibilidades do espírito humano nesse sentido e. ou das coisas.os númenos (Kant). De facto.os fenómenos .racionalismo. urna vez que é válido apenas para os seres que tenham uma constituição psicológica como a nossa. e o idealismo são teorias relativistas. não só porque varia com a experiência (o que é verdadeiro para a experiência deste mundo poderá não o ser para um mundo diverso). o conhecimento tem um valor relativo. ou a conhecer as aparências da realidade . para o Racionalismo. existem de facto nelas. portanto. enquanto que o empírico-racionalismo e o próprio realismo conferem ao conhecimento valor absoluto. mas porque se limita a conhecer os fenómenos e. porque atinge o fundo da realidade ou a sua essência. o seu valor também é relativo. às quais nada de material corresponde na realidade (Berkeley). o conhecimento tem valor puramente subjectivo e relativo. para estas duas doutrinas. uma cópia do . Senão vejamos:    para o Empirismo. O mundo do conhecimento não é. por isso. Estas três doutrinas são. portanto relativistas Mas outras há que conferem ao conhecimento um valor objectivo e absoluto:  para o Empírico-Racionalismo e para o realismo o conhecimento tem um valor objectivo e absoluto. limitando-se o homem a conhecer apenas as suas modificações subjectivas.

A verdade total é uma aspiração que se impõe tanto mais quanto maior for o número de conhecimentos que se possui. mas é uma construção intelectual e técnica. vai enriquecendo o seu conhecimento . vai descobrindo na realidade . não estamos a dizer que conhecemos a realidade total e perfeitamente. sempre sedento de conhecer. sê-lo-á para todos. Isto significa que é o conhecimento da verdade que varia. pois. É conveniente precisar em que sentido é que o conhecimento do homem tem valor absoluto. uma vez que o homem.é neste sentido que afirmamos que o conhecimento tem um valor absoluto.é assim que funciona o conhecimento científico que. A verdade de hoje será sempre verdade.mundo real. sob este aspecto. a partir dessa mesma realidade. se o é para um indivíduo. o conhecimento é relativo. é dinâmico e está em perpétua renovação. O que varia não é a verdade. Quando falamos no conhecimento como valor absoluto. de todos os tempos e lugares . mas o nosso conhecimento acerca dessa verdade. nesse sentido. O que é realmente verdadeiro ficará sempre verdadeiro e será integrado em novos conhecimentos.novas propriedades e. e não a própria verdade. por estar em contínua evolução e ser maior para uns do que para outros. . assim.