You are on page 1of 53

INEDI – Cursos Profissionalizantes

Técnico em Transações Imobiliárias

Noções de
Matemática Financeira
MÓDULO 02

BRASÍLIA – 2009
Os textos do presente Módulo não podem ser reproduzidos sem autorização do
INEDI – Instituto Nacional de Ensino a Distância
SDS – Ed. Boulevard Center, Salas 405/410 – Brasília - DF
Telefax: (0XX61) 3321-6614

CURSO DE FORMAÇÃO DE TÉCNICOS EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS – TTI

COORDENAÇÃO NACIONAL
André Luiz Bravim – Diretor Administrativo
Antônio Armando Cavalcante Soares – Diretor Secretário
COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA
Maria Alzira Dallla Bernardina Corassa – Pedagoga
COORDENAÇÃO DIDÁTICA COM ADAPTAÇÃO PARA EAD
Neuma Melo da Cruz Santos – Bacharel em Ciências da Educação
COORDENAÇÃO DE CONTEÚDO
José de Oliveira Rodrigues – Extensão em Didática
Josélio Lopes da Silva – Bacharel em Letras
EQUIPE DE APOIO TÉCNICO: INEDI/DF
André Luiz Bravim
Rogério Ferreira Coêlho
Robson dos Santos Souza
Francisco de Assis de Souza Martins

PRODUÇÃO EDITORIAL
Luiz Góes
EDITORAÇÃO ELETRÔNICA E CAPA
Alessandro dos Santos
IMPRESSÃO GRÁFICA
Gráfica e Editora Equipe Ltda

________________, Matemática Financeira, módulo II, INEDI, Curso


de Formação de Técnicos em Transações Imobiliárias, 3 Unidades.
Brasília. Disponível em: www.inedidf.com.br. 2009.

Conteúdo: Unidade I: números proporcionais; operações sobre


mercadorias – Unidade II: taxa de juros; inflação – Unidade III:
capitalização simples e composta; montante – Exercícios

347.46:111
C490m
Caro Aluno

O início de qualquer curso é uma oportunidade repleta de expectativas. Mas um


curso a distância, além disso, impõe ao aluno um comportamento diferente, ensejando
mudanças no seu hábito de estudo e na sua rotina diária, porque estará envolvido com
uma metodologia de ensino moderna e diferenciada, proporcionando absorção de
conhecimentos e preparação para um mercado de trabalho competitivo e dinâmico

O curso Técnico em Transações Imobiliárias ora iniciado está dividido em nove


módulos. Este módulo 02 traz para você a básica disciplina Matemática Financeira que
dividida em três grandes unidades de estudo, apresenta, dentre outros itens essenciais,
noções sobre proporções, operações sobre mercadorias, juros simples e compostos,
descontos simples e compostos, além de exercício de fixação, testes para avaliar seu
aprendizado e lista de vocabulário técnico que, com certeza, será indispensável no seu
desempenho profissional.Trata-se, como você pode perceber, de uma completa, embora
sintética, habilitação no âmbito desse conhecimento tão decisivo para o futuro profissional
do mercado imobiliário.

Se o ensino a distância garante maior flexibilidade na rotina de estudos também é


verdade que exige do aluno mais responsabilidade. Nós, do INEDI, proporcionamos as
condições didáticas necessárias para que você obtenha êxito em seus estudos, mas o sucesso
completo e definitivo depende do seu esforço pessoal. Colocamos à sua disposição, além
dos módulos impressos, um completo site (www.inedidf.com.br) com salas de aula virtuais,
fórum com alunos, tutores e professores, biblioteca virtual e salas para debates específicos
e orientação de estudos.

Em síntese, caro aluno, o estudo dedicado do conteúdo deste módulo lhe permitirá
o domínio dos conceitos mais elementares de Matemática Financeira, além do
conhecimento dos instrumentos básicos para que o futuro profissional possa atingir os
seus objetivos no mercado de imóveis. Enfim, ao concluir seus estudos neste módulo você
terá vencido uma importante etapa para atuar com destaque neste seguimento da economia
nacional.

Boa sorte!
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO.......................................................................................................................... 07

UNIDADE I
1. NÚMEROS PROPORCIONAIS..............................................................................12

2. OPERAÇÕES SOBRE MERCADORIAS ................................................................17


2.1 – Preços de custo e venda .................................................................................17
2.2 – Lucros e prejuízos .........................................................................................17

3. TAXA DE JUROS .....................................................................................................19


3.1 – Homogeneidade entre tempo e taxa ..............................................................19
3.2 – Juro exato e juro comercial ............................................................................21

4. INFLAÇÃO .............................................................................................................21

UNIDADE II
5. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES ..................................................................................25
5.1 – Juros simples .................................................................................................25
5.2 – Montante simples .........................................................................................27
5.3 – Desconto simples ..........................................................................................27

6. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA ............................................................................30


6.1 – Juros compostos ............................................................................................30
6.2 – Montante composto ......................................................................................30
6.3 – Desconto composto.......................................................................................32

TESTE SEU CONHECIMENTO ...............................................................................35


BIBLIOGRAFIA...........................................................................................................39
GABARITO........... .......................................................................................................40
TABELAS FINANCEIRAS (Tabela Price)........... ...........................................................41
INTRODUÇÃO

O serviço prestado ao cliente, pelo Corretor, pode ser classificado como


parte das relações humanas, no processo de venda. Nesta etapa, o Corretor
necessita de diferentes conhecimentos e habilidades específicas para que possa
informar, orientar e oferecer segurança ao comprador.

Dentre esses conhecimentos e habilidades, inclui-se a linguagem da


Matemática Financeira.

Nesse sentido, o presente trabalho foi elaborado e começa com uma


matemática básica e fundamental, necessária à realização de um bom negó-
cio, incluindo operações sobre mercadorias, taxas de juros, inflação, regimes
de capitalização.

O estudo do regime de Capitalização Simples é o cenário principal


desta apostila. Nele é abordada a conceituação de juros simples, montante
simples, desconto simples, cálculo de taxa acumulada, sempre com a utiliza-
ção de vários exemplos.

Todas as negociações financeiras têm como suporte um dos regimes de


capitalização. Assim, procurou-se dar ênfase a essestópicos, estando os seus
respectivos exemplos de aprendizagem, digitados no estilo passo a passo. O
livro utilizado, Concursos Públicos - Matemática Geral e Financeira, de Ben-
jamin Cesar de Azevedo Costa serviu de base para a formatação das etapas
finais dos estudos.

A matemática foi, gradativamente, aplicada ao comércio e às finanças


devido a necessidade de melhor entendimento entre as relações de troca,
para a utilização das melhores taxas em empréstimos e investimentos, para se
fazer previsões de movimentação de capital no mercado, para cálculo de
juros, montante, descontos. Dessas aplicações, originou-se o ramo específi-
co, chamado Matemática Financeira.

A Matemática Financeira deve ser bem entendida, pois, o conheci-


mento e a informação representam um grande poder para a execução de
serviços, especialmente, em um mercado econômico que não é estático.

O estudo deve ser uma constante na vida do aluno, pois, aquele que
conseguir aliar fundamentação teórica à prática, terá um poderoso instru-
mento de trabalho nas mãos, além é claro, de clientes para efetuar negócios.
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

8• INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

Unidade
I

Conceituar os termos Proporção, Juros, Inflação, Taxa


de juros;
 Realizar operações com números proporcionais, operações sobre
mercadorias, taxas de juros, inflação;
 Refletir sobre a importância da Matemática Financeira, na atualidade.

INEDI - Cursos Profissionalizantes •9


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

10 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

INTRODUÇÃO

O Capitalismo começou após o enfra-


quecimento do Feudalismo, por volta do dé-
cimo segundo século depois de Cristo, consti- a) Capitalismo selvagem é expressão comum,
tuindo-se um novo sistema econômico, social especialmente partindo dos simpatizantes do
e político. socialismo. E você, o que entende por capita-
Capitalismo é o sistema econômico base- lismo?
ado na legitimidade dos bens privados e na ir- ______________________________________
restrita liberdade de comércio, indústria, com ______________________________________
o objetivo principal de conseguir lucro.
Como importantes características do Ca- b) Nossa apostila traz breves noções de eco-
pitalismo, podemos citar: nomia. Relendo o texto, responda: como pode
ser definido o capitalismo financeiro?
• a combinação de três centros econômi- ______________________________________
cos (produção, oferta e consumo) for- ______________________________________
matando a economia de mercado;
• o surgimento das grandes empresas;
• as relações de trocas monetárias;
• a preocupação com os rendimentos; e,
• principalmente, o trabalho assalariado.

Durante o seu desenvolvimento, o Capita-


lismo passou por quatro fases, sendo, atualmente,
chamado de Capitalismo Financeiro. Nesta fase,
as grandes empresas financeiras são as detentoras
do maior volume do capital em circulação.
As etapas do Capitalismo são, assim, enu-
meradas:

1ª Pré-Capitalismo: fase de implantação


desse sistema (séculos XII ao XV);

2ª Capitalismo Comercial: os comercian-


tes administravam a maior parte dos lu-
cros (séculos XV ao XVIII);

3ª Capitalismo Industrial: o capital é in-


vestido nas indústrias, transformando os
industriais em grandes capitalistas (sé-
culos XVIII, XIX, XX). É bom lembrar
que esta terceira fase, ainda, acontece;

4ª Capitalismo Financeiro: o maior volu-


me de capital em circulação é adminis-
trado pelas empresas financeiras.
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 11
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

1. NÚMEROS PROPORCIONAIS porcionais porque ele, muitas vezes, terá que


determinar a relação entre medidas de um de-
João precisava calcular a altura de um senho, de uma planta, de um mapa geográfico
poste, muito alto. Ele não podia medi-lo dire- e as medidas reais correspondentes.
tamente. Veja o exemplo:
João fez o seguinte: colocou uma pessoa
que mede 1,80 m ao lado do poste e marcou as Um corretor tinha a planta de um aparta-
duas sombras – a do poste e a da pessoa. mento. Ele precisava saber qual era a área
Ele verificou e anotou: da sala. Ele examinou a planta e verificou o
seguinte:
• a sombra da pessoa media 1,20 m.
• a sombra do poste media 20 m.
• de acordo com a escala apresentada,
cada centímetro desenhado no mapa
A partir dessas medidas, João encontrou
correspondia a 100 centímetros da re-
a altura do poste. Ele fez as seguintes opera-
alidade; portanto 1:100;
ções:
Comparou o comprimento da sombra da
• se a razão entre as medidas que aparece-
pessoa com a altura dela. Ele escreveu as medi-
ram na planta da sala e as medidas reais
NOM
das em centímetros, assim, . Depois ele sim- N
NUM era de 1 : 100 ou (lê-se 1 para 100),
NMM
NOM O isto significa que as medidas reais eram
plificou a fração e encontrou, = .
NUM P 100 vezes maiores do que as medidas as-
Portanto, a razão entre o comprimento sinaladas na planta;
O
da sombra e a da altura da pessoa foi de: ou • uma dos lados da sala media 6 cm e o
P outro 8 cm;
2:3 , ou seja de 2 para 3.
Como as medidas foram feitas no mesmo • que para conhecer as medidas reais da
local e na mesma hora, João pode concluir que sala, ele deveria multiplicar as medidas
a razão entre o comprimento da sombra do da planta por 100
O
poste e a altura do mesmo era de
.
P 6 cm . 100 = 600 cm = 6 m
Assim, João montou a operação 8 cm . 100 = 800 cm = 8 m
Portanto, as medidas reais da sala são 6m e
OMã O
= e pode concluir que a altura do pos- 8m. A área da sala é de 48m².
\ P
OM O O corretor pode adotar o mesmo proce-
te é igual a 30 m, porque a razão é igual a dimento para verificar outras medidas, tais
PM P
como área, largura e altura de outras partes
Essa igualdade é uma proporção e os núme- desenhadas na planta.
ros usados na medidas são denominados “nú- Uma razão compara dois números pela
meros proporcionais”. divisão. Quando encontramos uma igualdade
entre duas razões, a essa relação damos o nome
Para um corretor de imóveis, é muito de proporção, porque as quantidades medidas
importante saber trabalhar com números pro- são proporcionais.

12 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

Mais um exemplo: NOM NUM


= e aplicou a propriedade uti-
u O
O corretor foi mostrar uma fazenda que está
lizada, anteriormente, e encontrou:
a venda. Ele viajou 120 km e levou 2 horas.
Ele pretende visitar outra que fica a 180 km
120 . X = 2 . 180
dali. Se ele viajar na mesma velocidade, quan-
120 . X = 360
to tempo ele vai precisar para chegar até a
X = 360 : 120
outra fazenda?
X = 3

NOM NUM O corretor levará 3 horas para chegar à


Veja: =
O \ outra fazenda.

Os números que medem as distâncias e o tem- Verifique e faça o que se segue:


po são proporcionais. Quanto maior a dis-
tância, maior será o tempo que ele vai gastar • Sendo a e b, duas grandezas conhecidas, defi-
na viagem. nimos a razão entre a e b, nesta ordenação, como
o quociente entre a e b.
Como ele pode conhecer o número da
proporção desse exemplo? a
O corretor já conhece algumas propor- Então, escrevemos: ou a : b.
b
ções, tais como:
O S P OQ Observação: A grandeza que se encontra
a) = b) =
P V Q PO no denominador deve possuir, o seu valor, dife-
rente de zero.
Ele sabe que se multiplicar os denomina- a
dores pelos numeradores vai poder verificar se
b
as frações são iguais, se são proporcionais.
(a é o numerador e b é o denominador).
Veja:
2.9 = 18
3.6 = 18, logo 2.9 = 3.6

3.32 = 96
4.24 = 96, logo 3.32 = 4.24
a) Pense um pouco e responda: porque é im-
Essa frações são iguais, existe uma pro-
portante para o corretor de imóveis conhecer
porção entre elas. Porque, numa proporção
noções de razão e proporção?
os produtos do numerador de uma fração
_____________________________________
pelo denominador da outra fração são
_____________________________________
iguais.
O corretor que já conhecia essa impor-
b) Calcule a razão entre a e b, sabendo-se que
tante propriedade usada em Matemática fez o
a = 32 e b = 28.
seguinte: substituiu o ponto de interrogação
_____________________________________
pela letra “x” que fica no lugar do termo desco-
_____________________________________
nhecido.
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 13
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

A igualdade de duas razões equivalentes é


chamada Proporção.
são proporcionais
meros usados nas medidas NS U
Exemplo 1: = , 16 e 7 são os extremos
Essa igualdade é uma proporção e os nú- NQ T
da proporção e 14 e 8 são os meios da pro-
ções, obteremos o mesmo resultado. porção.
denominador, em cada uma das três fra-
tes pois dividindo-se, o numerador pelo Propriedade Fundamental: “Em toda propor-
Essas três frações são Razões Equivalen- ção, o produto dos meios é igual ao produto
dos extremos”.
b 7
= . Resposta: NO NS
a 8 Exemplo 2: As razões e são iguais, logo:
P Q
b 28 28 14 7
= , então = = Solução: NO NS
a 32 32 16 8 = , então: 3 x 16 = 4 x 12.
P Q
48 = 48.

Vamos trabalhar, com a Divisão em Par-


tes Proporcionais, através da análise do exem-
plo a seguir:

EXEMPLO
Dividir o número 850 em partes proporcio-
nais aos números 1, 4 e 5.
Observação: como a divisão é proporcional
a três números, o número 850 será dividido
em três partes.
Solução: vamos supor que as três partes do
número 850 sejam representadas, respecti-
vamente, pelas letras X, Y e Z.
URM
X= G N = URK
N+ Q + R

URM
Y= G Q = PQMK
N+ Q + R

URM
Z= G R = QORK
N+ Q + R

Somando-se os números 85, 340 e 425 obte-


remos o número 850, provando assim, que a
divisão em partes proporcionais está correta.
14 • INEDI - Cursos Profissionalizantes
MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

No cálculo de cada uma das letras (X , Y NKOMM


e Z), devemos sempre dividir o número princi- • 2ª parte: G N = QMMK
O +N
pal (neste caso o número 850), pelo somatório
das partes proporcionais (no exemplo foram os
4º passo: Somando-se os números 800 e
números 1, 4 e 5), e em seguida, multiplicar o
400 obteremos o número 1.200, provando as-
resultado desta divisão por cada uma das partes
sim que, a divisão em partes inversamente pro-
proporcionais.
porcionais está correta.
Divisão em Partes Inversamente Propor-
cionais utilizando uma exemplificação:

Exemplo: Dividir o número 1.200 em


partes inversamente proporcionais aos núme-
ros 2 e 4.
a) dividir o n° 450 em partes proporcionais aos
números 2, 3 e 5.
1º passo: Deve-se inverter os números,
_____________________________________
N N _____________________________________
tornando-os e .
O Q
b) dividir o número 600 em partes proporcio-
2º passo: Deve-se agora, colocar as fra- nais aos números 1 e 3.
ções em um mesmo denominador _____________________________________
(denominador comum). Vamos fazer o míni- _____________________________________
mo múltiplo comum e depois dividir, o míni-
mo múltiplo encontrado, pelo denominador.
Em seguida multiplicaremos o resultado desta
divisão pelo numerador, lembrando que, estes
N
b) Resposta: 450 e 150
cálculos estão acontecendo com as frações e a) Resposta: 90, 135 e 225.
O
N
. Como o valor do mínimo múltiplo comum
Q
O N
será 4, as frações se modificarão para e .
Q Q
3º passo: Um novo problema aparecerá,
pois agora serão utilizados apenas os numera-
dores das novas frações encontradas no 2º pas-
so. A partir daqui teremos uma resolução se-
melhante à divisão em partes proporcionais ,
pois o número principal ( neste caso o número
1.200 ) será dividido pelo somatório das partes
( números 2 e 1 ), sendo o resultado desta divi-
são multiplicado por cada uma das partes.
NKOMM
• 1ª parte: G O = UMMK
O +N
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 15
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

ATENÇÃO: nesta parte, vamos estudar no-


ções básicas que serão de grande valia no tra-
balho com porcentagens (percentagens).

Exemplo 1: Escreva a taxa de 14,45% na for-


ma unitária. a) qual a forma unitária dos seguintes per-
centuais:
Solução: devemos dividir a taxa por 100. 1) 5 % =____________________

NQIQR 2) 3,8 % =____________________


14,45% = = MINQQRK 0,1445 é a
NMM
3) 0,25 % =____________________
forma unitária.

P b) qual a forma percentual dos seguintes


Exemplo 2: Colocar a fração na forma per-
Q números:
centual. 1) 0,025 =___________________

Solução: devemos utilizar as Razões 2) 0,0025 =___________________


Equivalentes e a propriedade fundamental
das Proporções que estão citadas no início 3) ,25 =___________________
deste tópico.

P x
=
Q NMM

4 . x = 3 . 100

4x = 300
P TR
x = 75, então = = TRBK
Q NMM

Exemplo 3: Calcular 27% de 270.

Solução: transformar 27% na forma uni-


tária e depois multiplicar o número encontra-
do por 270.

OT
27% = = MIOTK Assim: 0,27 x 270 = 72,9.
NMM

72,9 corresponde a 27% de 270.

16 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

2. OPERAÇÕES SOBRE Exemplo 2: Lucro sobre a venda.


MERCADORIAS
Uma mesa de escritório foi comprada por
2.1 – PREÇOS DE CUSTO E VENDA R$550,00 e vendida por R$705,00. Calcule
o lucro, na forma percentual, sobre o preço de
Vamos trabalhar com problemas de por- venda.
centagens relacionados às operações de com- Solução: PRC = 550
pra e venda. PRV = 705 705  → 100%
Ao se efetuar a venda de uma mercado-
PRV = PRC + LC 155  → X
ria pode-se ter lucro ou prejuízo, sendo que os
mesmos podem ser calculados sobre o preço de LC = PRV – PRC 705 . X = 100 . 155
custo ou sobre o preço de venda da mercado- LC = 705 – 550 X = 21,986%
ria em questão. LC = 155

FÓRMULA BÁSICA Obs: O lucro sobre o custo foi de 21,986%.

PRV = PRC + LC Exemplo 3:

Onde: Uma mercadoria foi vendida por


PRV = Preço de Venda; R$430,00. Sabendo-se que o lucro foi de 15%
PRC = Preço de Custo ou Preço de Compra; sobre o preço da venda, calcule esse lucro.
LC = Lucro obtido na Venda. Solução: 430  → 100%
X → 15%
2.2 – LUCROS E PREJUÍZOS
100 . X = 430 . 15
O estudo será feito com base nos exemplos a X = 64,5
seguir:
O lucro foi de R$64,50.
Exemplo 1: Lucro sobre o custo.
Sendo o lucro calculado sobre o preço
Uma mercadoria foi comprada por da venda, este terá o valor de 100% .
R$3.000,00 e vendida por R$ 3.850,00. Cal-
cule o lucro, na forma percentual, sobre o pre- Exemplo 4:
ço de compra.
Um monitor foi vendido por R$670,00,
Solução: PRC = 3.000 dando um lucro de R$152,00. Calcule o lu-
PRV = 3.850 3.000 
→ 100% cro, em porcentagem, sobre o preço de custo.
PRV = PRC + LC 850 
→ X
Solução:
LC = PRV - PRC PRV = PRC + LC 518 
→ 100%
PRC = PRV – LC 152 
→ X
LC = 3.850 – 3.000 3.000 . X = 100 . 850 PRC = 670 – 152
LC = 850 X = 28,333% PRC = 518
518 . X = 100 . 152
Obs.: O lucro sobre o custo foi de 28,333%. X = 29,344%.

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 17


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

Sendo o lucro calculado sobre o preço para 8. Determine o preço de venda sabendo-
de custo, este terá o valor de 100%. se que o preço de custo foi de R$2.500,00.

Exemplo 5: Solução:
Custo Prejuízo Venda
Uma mercadoria que foi comprada por OKRMM P PRV
R$1.050,00 foi vendida, com um prejuízo de
NO Q U
42%, sobre o preço de venda. Calcule o preço
de venda.
OKRMM PRV
=
Solução: NO U
142%  → 1.050 12 . PRV = 2500 . 8
100%  PRV = 1666,67.
→ X
142 . X = 100 . 1050
X = 739,44. O preço de venda é R$1.666,67.
O preço de venda é R$739,44.
A relação de proporcionalidade entre o
Como o prejuízo é de 42% sobre o pre- prejuízo e o preço de venda é estabelecida
ço de venda, este corresponderá a pela taxa 4 para 8. Temos assim 8 unida-
100%. O preço de custo corresponde- des de preço de venda para 4 unidades de
rá então a 142%. prejuízo e, conseqüentemente, para cada
12 unidades de custo, neste exercício.
Exemplo 6:

Uns móveis de escritório foram vendidos


com prejuízo de 15% sobre o preço de venda.
Calcule o preço de venda sabendo-se que o
preço de custo foi de R$445,00.

Solução: a) Um imóvel foi comprado por R$ 100.000,00


e vendido por R$ 156.000,00. Calcule o lucro
115% 
→ 445 da operação, na forma percentual.
100% → X ____________________________________
____________________________________
115 . X = 100 . 445 ____________________________________
X = 386,96 ____________________________________
O preço venda de é R$386,96.
b) Na venda de um apartamento o proprietá-
Como o prejuízo é de 15% sobre o pre- rio obteve um lucro de 20%. Se o preço pago
ço de venda, este corresponderá a 100%. pelo comprador foi de R$ 600.000,00, qual foi
O preço de custo corresponderá a 115%. o preço pago inicialmente pelo proprietário.
____________________________________
Exemplo 7: Utilização de índices. ____________________________________
____________________________________
Em uma operação de compra e venda, a ____________________________________
taxa de prejuízo para o preço de venda foi de 4
18 • INEDI - Cursos Profissionalizantes
MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

3. TAXA DE JUROS
b) R$ 500.000,00 Quando pedimos emprestado uma certa
valor inicial do imóvel.
a) o lucro corresponde a 56% do quantia a uma pessoa ou a uma instituição fi-
nanceira é normal, pelo transcurso do tempo,
pagarmos o valor que nos foi emprestado, acres-
cido de “ outra quantia que representa o alu-
guel pago pelo empréstimo”.
Essa outra quantia representa o juro, ou
seja, representa o bônus que se paga por um
capital emprestado.
O juro que é produzido em uma determi-
nada unidade de tempo ( ao ano, ao mês, ao dia),
representa uma certa porcentagem do capital ou
do montante, cuja taxa se chama Taxa de Juros.

3.1 – HOMOGENEIDADE ENTRE


TEMPO E TAXA

O prazo de aplicação (representado pela


letra n) deve estar, sempre, na mesma unidade
de tempo (anos, meses, dias) em que está a taxa
de juros (representada pela letra i ).

CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES
1º) - O mês comercial possui 30 dias;
- O ano comercial possui 360 dias;
- O ano civil possui 365 dias.

2º) Normalmente, a taxa de juros i está ex-


pressa na forma percentual. Assim, para usá-
la em qualquer fórmula de matemática finan-
ceira, deve-se antes, transformá-la para a for-
ma unitária.
Ex.:
i = 25,8% → forma unitária  → i = 0,258.

Exemplo 1: A taxa de juros de 18% ao ano,


considerando-se ano comercial, equivale a
quantos % (por cento) ao dia?

Solução: ano comercial = 360 dias.


NUB
i= = MIMRB ao dia.
PSM
resposta: 0,05% ao dia.
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 19
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

Exemplo 2: A taxa de juros de 12% ao ano,


equivale a quantos % (por cento) ao mês? b) 21,6% a.m.
Solução: i = 12% ao ano. a) 1% a.m.

NOB
i= = NB ao mês.
NO
resposta: 1% ao mês.

Exemplo 3: A taxa de juros de 3% ao mês,


considerando-se o mês comercial, equivale a
quantos % (por cento) ao dia?

Solução: mês comercial = 30 dias.


PB
i= = MINB ao dia.
PM
resposta: 0,1% ao dia.

Exemplo 4: A taxa de juros de 4,5% ao mês,


equivale a quantos % ( por cento) ao ano?

Solução: ( 4,5% ao mês) x 12 = 54% ao ano.


i = 54% ao ano.
resposta: 54% ao ano.

Exemplo 5: A taxa de juros de 0,03% ao


dia, equivale a quantos % ( por cento) ao ano,
levando-se em consideração o ano civil?

Solução: ( 0,03% ao dia ) x 365 = 10,95%


ao ano.
i = 10,95% ao ano.
resposta: 10,95% ao ano.

a) A taxa de juros de 12,0 % ao ano, equivale a


quantos % ( por cento) ao mês?
_______________________________________
_______________________________________

b) A taxa de 1,8 % ao mês equivale a quantos


% (por cento) ao ano?
_______________________________________
20 • INEDI - Cursos Profissionalizantes
MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

3.2 – JURO EXATO E JURO COMERCIAL Uma família pobre tende a utilizar o pou-
co dinheiro conseguido para comprar gêneros
Geralmente, nas operações correntes, a alimentícios. O restante do dinheiro, geralmen-
curto prazo, os bancos comerciais utilizam o te, é utilizado para o pagamento de serviços de
prazo n ( tempo ) expresso em dias. Assim, no água, luz e esgoto.
cálculo do juro exato, teremos a taxa de juros i Em uma família abastada, além dos gas-
dividida por 365 dias, pois o ano utilizado é o tos com alimentos, água tratada e eletricidade,
ano civil. costuma-se também gastar com roupas, carros,
No cálculo do juro comercial, teremos a viagens, clínicas de beleza e estética, entre ou-
taxa de juros i dividida por 360 dias, pois o ano tras coisas mais.
utilizado é o ano comercial. Assim, um aumento nos preços dos pro-
i dutos de beleza e rejuvenescimento, terá peso
Juro Exato 
→ J = C x PSR x n. zero no custo de vida da família pobre e um
acréscimo no orçamento da família rica.
Em suma, o custo de vida aumenta quan-
i do um produto que possui um determinado
Juro Comercial 
→ J = C x PSM x n.
peso nas contas mensais, sofre também um au-
mento.
Obs: As fórmulas do juro exato e do juro
comercial serão abordadas no tópico capitali- EXEMPLO DE AUMENTO DO
zação simples. Por enquanto, basta compreen- CUSTO DE VIDA
der que as divisões feitas nas duas fórmulas fo-
ram necessárias para que, a unidade de tempo, Um casal gasta de seu orçamento mensal
entre n e i, fossem iguais. 12% com alimentação, 10% com vestuá-
rio, 8% com plano de saúde e 5% com o
4. INFLAÇÃO lazer.

A inflação é caracterizada por um au- Acontece, então, uma elevação geral nos
mento geral e cumulativo dos preços. Esse au- preços, acrescentando um aumento de 3%
mento não atinge apenas alguns setores, mas o nos gastos com alimento, 5% nos gastos com
bloco econômico, como um todo. O aumento vestuário, 4% nos gastos com plano de saú-
cumulativo dos preços acontece de forma con- de e 2% nos gastos com o lazer. Calcule o
tínua, prolongando-se, ainda, por um tempo aumento do custo de vida no mês.
indeterminado.
O Estado, em associação com a rede ban- Solução:
cária, aumenta o volume do montante dos meios
de pagamento para atender a uma necessidade Para o cálculo do aumento, proporciona-
de demanda por moeda legal. Associado a esse do por cada produto, deve-se multiplicar
aumento do montante de pagamento aconte- o gasto no orçamento na forma unitária
ce, também, o aumento dos preços. com o aumento dos produtos na forma
O aumento dos preços gera a elevação do unitária.
custo de vida, popularmente chamado de ca-
restia. Alimentos: 0,12 x 0,03 = 0,0036.
O custo de vida apresenta-se com peso Vestuário: 0,10 x 0,05 = 0,005.
variado nas diferentes classes econômicas. Plano de Saúde: 0,08 x 0,04 = 0,0032.
Lazer: 0,05 x 0,02 = 0,001.
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 21
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

Gasto no Gasto no Orçamento Aumento dos Aumento dos Produtos


Produtos Orçamento na Forma Unitária Produtos na Forma Unitária
Alimentos 12% 0,12 3% 0,03
Vestuário 10% 0,10 5% 0,05
Plano de Saúde 8% 0,08 4% 0,04
Lazer 5% 0,05 2% 0,02

Aumento do Custo do Aumento do Custo do


Produtos Produto na Forma Unitária Produto na Forma Percentual
Alimentos 0,0036 0,36%
Vestuário 0,005 0,50%
Plano de Saúde 0,0032 0,32%
Lazer 0,001 0,10%

Com o somatório dos aumentos de cada


produto na forma percentual obtemos o au-
mento do custo de vida no mês em questão:
0,36% + 0,50% + 0,32% + 0,10% = 1,28%.
Nesse mês, o aumento no custo de vida
para a família do exemplo foi de 1,28%, devi-
do a elevação dos preços de quatro produtos
utilizados pelo casal.

a) Decorar não é bom. Tente entender cada


incógnita e escreva abaixo a fórmula para
cálculo de juros simples.
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________

b) Relendo as noções de inflação, com suas


palavras defina: o que vem a ser aumento do
custo de vida?
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________

22 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade II

Unidade
II

 Conceituar os termos Capitalização, Juros simples e


compostos, Montante, Desconto;
 Realizar operações sobre, taxas de juros, regimes de capitalização;
 Refletir sobre a importância desses conhecimentos e operações, na
atualidade.

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 23


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

24 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade II

5. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES C = 8825 J = 8825 x 0,02 x 2


i = 2% ao mês = 0,02 J = 353
Capitalização é a formação ou acumula- n = 2 meses J = R$353,00
ção de bens de capital, de bem econômico. Em Obs: i e n estão na mesma unidade de
um processo de capitalização, a pessoa aplica tempo.
determinada quantia, por um certo período e
ao final recebe o capital empregado mais os ju- Exemplo 2: Se um capital de R$550,00
ros relativos a esse tempo. A soma, o ajuntamen- for aplicado durante 4 meses, à taxa de 9%
to dos juros obtidos com o capital empregado é ao ano, qual será o valor dos juros simples?
o que se chama capitalização. Solução: J = C x i x n.
Existem dois tipos de capitalização: sim- C = 550.
ples e composta VB
No regime de capitalização simples, temos i = 9% ao ano 
→ = 0,75% ao
NO
a taxa ( i ) incidindo somente sobre o capital
mês = 0,0075.
inicial ( C ), proporcionando, assim, a obten-
n = 4 meses.
ção de juros simples, ao final do período de tem-
J = 550 x 0,0075 x 4.
po ( n ).
J = 16,50.
No regime de capitalização composta,
J = R$16,50.
temos o capital principal, acrescido de juros
obtidos em mais de um período de aplicação.
Exemplo 3: Calcule o capital necessário
Assim, a cada nova aplicação, por outros perí-
para que haja um rendimento de
odos, tem-se um novo capital.
R$650,00, sabendo-se que a taxa utilizada
é de 5% ao mês e o período de tempo igual
5.1 – JUROS SIMPLES
a 6 meses.
* Juro produzido pelo capital C ao final de um
Solução: J = C x i x n, mas isolando-se C
período de tempo: J = C x i.
* Juro produzido pelo capital C ao final de n ( J
temos, C = J = 650.
vários ) períodos de tempo: J = C x i x n. i Kn
SRM
FÓRMULA BÁSICA i = 5% ao mês = 0,05. C=
MIMR G S
J=Cxixn n = 6 meses. C = 2166,67
C = R$2.166,67
Onde:
J = juros simples. Exemplo 4: Um capital de R$425,00 foi apli-
C = capital inicial ou principal. cado durante 6 meses, rendendo R$105,00
i = taxa de juros. de juros simples. Calcule a taxa mensal i.
n = tempo de aplicação ou prazo de tempo. Solução: J = C x i x n, mas isolando-se i
J
temos, i = K
Exemplo 1: Se um capital de R$8.825,00 C Kn
for aplicado durante 2 meses, à taxa de 2% J = 105
ao mês, qual será o valor dos juros simples? NMR
C = 425. i=
QOR G S
Solução: J = C x i x n n = 6 meses. i = 0,04117
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 25
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

i = 0,04117 está na forma unitária. Para


colocarmos o resultado na forma percentu-
al devemos multiplicar i por 100, ficando
então como resposta, i = 4,117% ao mês.

Na taxa i a unidade de tempo utilizada foi


o mês porque o período de aplicação esta-
va, em meses.

a) Calcule os juros simples de um capital de R$


35.400,00, aplicado durante 15 meses à taxa de
2,6 % ao mês.
__________________________________________
__________________________________________
__________________________________________
__________________________________________
____________________________________________________________________________________
__________________________________________

b) Calcule a taxa aplicada a um capital de R$


12.600,00, durante 3 meses, e que rendeu juros
simples de R$ 680,40.
__________________________________________
__________________________________________
__________________________________________
__________________________________________
____________________________________________________________________________________
__________________________________________

b) i = 1,80% a.m.
a) R$ 13.650,00.

26 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade II

5.2 – MONTANTE SIMPLES S


(ixn+1)=
C
À soma dos juros simples (relativo ao pe-
i = 16% ao mês = 0,16.
ríodo de aplicação) com o capital inicial ou prin-
cipal dá-se o nome de montante simples. PSMKMMM
(i x n + 1) =
OMMKMMM
FÓRMULAS (i x n + 1) = 1,8.
i x n = 1,8 – 1.
S = J + C ou S = C x i x n + C i x n = 0,8.
S = C x ( i x n + 1) 0,16 x n = 0,8.
n = 5 meses.
Onde:
S = Montante Simples. A unidade utilizada para n foi meses, devi-
J = Juros Simples. do ao fato, de i também estar em meses.
i = Taxa de Juros.
n = Período de Aplicação. 5.3 – DESCONTO SIMPLES

Exemplo 1: Um capital de R$1.550,00 foi Toda vez que se paga um título, antes da
aplicado durante um período de 8 meses, à data de seu vencimento, obtemos um desconto
taxa de 24% ao ano, no regime de capitali- (abatimento).
zação simples. Calcule o montante.
Algumas considerações:
Solução: S = J + C • Valor Nominal (VN) é o valor indicado
C = 1550. no título, na data de seu vencimento.
OQB • Valor Atual (VA) é o valor do título no
i = 24% ao ano 
→ = OB ao dia do seu pagamento antecipado, ou
NO
seja, antes da data de vencimento.
mês = 0,02.
D =VN – VA
n = 8 meses.
Onde: D = Desconto.
J = C x i x n.
• Desconto Racional ou “Por Dentro”:
J = 1550 x 0,02 x 8.
Equivale aos juros simples produzidos pelo va-
J = 248.
lor atual, à taxa utilizada e ao período de tempo
S = J + C.
correspondente.
S = 248 + 1550.
S = 1798.
FÓRMULA
S = R$1.798,00.
VA DR VN
= =
Exemplo 2: Calcule o tempo no qual deve- N i Kn N + i Kn
se aplicar uma quantia de R$ 200.000,00,
para obter um montante simples de Onde:
R$360.000,00, à taxa de 16% ao mês. DR = Desconto Racional;
VA = Valor Atual;
Solução: C = 200.000. VN = Valor Nominal;
S = C x (i x n + 1) i = taxa;
S = 360.000. n = Período de Tempo.
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 27
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

Exemplo 1: Calcule o desconto racional para Exemplo 1: Calcule o desconto bancário


um título com valor atual de R$16.000,00, para um compromisso de valor nominal igual
à taxa de 2,6% ao mês e com prazo de 3 meses à R$ 2.700,00, à taxa de 18% ao ano, e pra-
para o vencimento. zo de 33 dias antes do vencimento. (Consi-
VA DR derar o ano comercial).
Solução: = VA = 16.000
N i Kn DB VN
=
Solução: VN= 2.700.
i = 2,6% ao mês = 0,026 i Kn N
n = 3 meses. NUB
DR = VA x i x n i = 18% ao ano 
→ = MIMRB
PSM
DR = 16.000 x 0,026 x 3
ao dia = 0,0005.
DR = 1.248
DR = R$1.248,00
DB = VN x i x n
DB = 2700 x 0,0005 x 33
Exemplo 2: Se um empréstimo com valor atu-
DB = 44,55
al de R$ 750,00, calcule o desconto racional,
DB = R$44,55.
sabendo-se que a taxa de juros é de 12% ao
ano e o prazo é de 5 meses para o vencimento.
Exemplo 2: Calcule o desconto “por fora”
VA DR para um pagamento antecipado, à taxa de
Solução: = VA = 750.
N i Kn 5,8% ao mês e prazo de 5 meses, sabendo-se
NOB que o valor nominal é de R$ 42.000,00.
i = 12% ao ano 
→ = NB ao mês = 0,01.
NO
DR = VA x i x n DB VN
Solução: = VN = 42.000
DR = 750 x 0,01 x 5 i Kn N
DR = 37,5 i = 5,8% ao mês =
DR = R$37,5. 0,058.

• Desconto Bancário ou Comercial ou “Por DB = VN x i x n


Fora”: DB = 42.000 x 0,058 x 5
DB = 12.180
Equivale aos juros simples produzidos DB = R$12.180,00.
pelo valor nominal, à taxa utilizada e ao perío-
do de tempo correspondente. • Considerações finais dentro da
capitalização simples:
FÓRMULA
- Como calcular uma taxa acumulada (ao ano)
VA DB VN que é aplicada pelo período de n meses:
= =
N − i Kn i Kn N
Exemplo: No regime de capitalização simples,
calcular a taxa acumulada a 36% ao ano, apli-
Onde:
cada durante 8 meses.
DB = Desconto Bancário
VA = Valor Atual;
Solução:
VN = Valor Nominal;
1º) Verifica-se a taxa, neste caso i =36%
i = Taxa;
ao ano;
n = Período de Tempo.
28 • INEDI - Cursos Profissionalizantes
MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade II

2º) Verifica-se o número de meses de apli-


cação, neste exemplo são 8 meses;

3º) Calcula-se o valor da taxa i no mês;


PSB
ex.: = PB ao mês.
NO

4º) Multiplica-se a taxa encontrada pelo


número de meses;
ex.: 3% x 8 = 24%.

5º) Resultado Final: 24%.

a) Calcule o tempo necessário para aplicar uma


quantia de R$ 100.000,00, e obter um montante
simples de R$ 180.000,00, à taxa de 8 % ao mês.
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________

b) Se um empréstimo foi feito com valor atual


de R$ 1.500,00, calcule o desconto racional,
sabendo-se que a taxa de juros é de 6% ao ano
e o prazo é de 10 meses para o vencimento.
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________

b) R$ 900,00.
a) t = 10 meses.

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 29


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

6. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA j = 829,30 x [NIMTPTQO − N]


j = 61,15
Como foi visto anteriormente, no início j = R$ 61,15.
de uma aplicação, temos o capital principal;
após um período, esse capital sofre uma remu- Exemplo 2: Calcule o valor dos juros com-
neração (juros), sendo então, capital e juros so- postos para um capital de R$777,56, aplica-
mados para, assim, formarem um novo capital do à taxa de 6% ao ano, durante um período
(1º montante). de 2 meses.
Esse novo capital, após um segundo perí-
odo, sofre uma outra remuneração (juros), sen- Solução: C = 777,56.
do então, novo capital e juros somados para,
assim, formarem um segundo montante. (E as- i = 6% ao ano = 0,5%
sim por diante).
Então as remunerações acontecerão sem- ao mês = 0,005. [
j = C x (N + i )n − N ]
pre, “em cima” do montante do período ante- n = 2 meses.
[ ]
rior, caracterizando o que chamamos de capi-
talização composta. j = 777,56 x (N + MIMMR)O − N
j = 777,56 x [(NIMMR) O
−N ]
6.1 – JUROS COMPOSTOS
j = 777,56 x [NIMNMMOR − N]
FÓRMULA j = 7,80 j = R$7,80.

[
j = C x (N + i )n − N ] 6.2 – MONTANTE COMPOSTO

FÓRMULA
Onde:
j = Juros Compostos;
s = C x ( 1+i ) n
C = Capital Inicial;
( 1+i ) n = Fator de Capitalização;
Onde:
i = Taxa de Juros;
s = Montante Composto;
n = Período de Tempo.
C = Capital Principal;
( 1+i ) n = Fator de Capitalização.
Exemplo 1: Ao se aplicar um capital de
R$829,30, no regime de capitalização com- i = Taxa de Juros;
posta, por um período de 3 meses, à taxa de n = Período de Tempo.
2,4% ao mês, qual será o juro obtido?
Exemplo 1: Calcule o montante composto para
Solução: C = 829,30. um capital de R$627,43, aplicado à taxa de 2%

[ ]
ao bimestre, durante um período de 6 meses.
j = C x (N + i )n − N
i = 2,4% ao mês = 0,024. Solução: C = 627,43.
[
j = 829,30 x (N + MIMOQ )P − N ] i = 2% ao bimestre = 0,02.
n = 6 meses
n = 3 meses.
Como 6 meses correspondem a três bimes-
[
j = 829,30 x (NIMOQ )P − N ] tres, o n será igual a 3, pois o período de
capitalização é bimestral.
30 • INEDI - Cursos Profissionalizantes
MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade II

s = C x ( 1+i ) n Exemplo 4: Calcule a taxa composta para


s = 627,43 x (1+0,02) 3 que, um capital de R$300,00, consiga gerar
s = 627,43 x (1,02) 3 um montante de R$ 4.800,00, em um perí-
odo de 2 meses.
s = 627,43 x (1,061202)
Solução: C = 300.
s = 665,83
s = C x (1+i ) n
s = R$665,83.
s
(1+i ) n =
Exemplo 2: Calcule o montante produzido C
por um capital de R$15.600,70, aplicado à QKUMM
O
taxa de 7,2% ao mês, durante 4 meses. (1+i ) =
PMM
Solução: C = 15.600,70. (1+i ) = 16.
2

s = C x ( 1+i ) n (1+i ) = NS
s = 4.800
i = 7,2% ao mês = 0,072. 1+ i = 4 n = 2 meses
s = 15.600,70 x (1+0,072) 4 i=4–1
n = 4 meses. i=3
s = 15.600,70 x (1,072) 4
s = 15.600,70 x (1,320623) • i = 3 representa a taxa na forma unitária;
s = 20.602,64. • Ao multiplicarmos por 100 obteremos
s = R$20.602,64. a taxa i na forma percentual: i = 300%;
• Para se descobrir a unidade de tempo
Exemplo 3: Calcule o capital que gera um da taxa, é só lembrar que, o período de
montante composto de R$7.656,70, à taxa tempo n está sendo usado em meses.
de 18% ao ano, durante um período de apli- • Resposta: i = 300% ao mês.
cação de 4 meses.
Solução: s = 7.656,70.
NUB
i = 18% ao ano 
→ = NIRB
NO
ao mês = 0,015.
n = 4 meses.
s = C x ( 1+i ) n a) Ao se aplicar um capital de R$ 5.000,00, no
s regime de capitalização composta, por um
C= período de 4 meses, à taxa de 3,0% ao mês,
EN + i Fn
qual será o juro obtido?
TKSRSITM ______________________________________
C=
EN + MIMNRFQ ______________________________________
______________________________________
TKSRSITM
C=
ENIMNRFQ b) Calcule a taxa mensal que, aplicada a um
TKSRSITM capital de R$ 7.300,00 durante quatro meses,
C= rendeu juros compostos de R$ 601,75.
NIMSNPSP
______________________________________
C = 7.214,03. ______________________________________
C = R$ 7.214,03. ______________________________________
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 31
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

6.3 – DESCONTO COMPOSTO Exemplo 2: Calcular o valor atual de um


título de R$753,53, à taxa de 18% ao ano, 3
No desconto composto, a taxa incide so- meses antes do vencimento.
bre uma determinada quantia que equivale ao
capital. Essa determinada quantia é chamada Solução: VN = 753,53.
de valor atual. NUB
Nos cálculos deste tipo de desconto, o i = 18% ao ano 
→ = NIRB
NO
montante, equivale ao valor nominal.
ao mês = 0,015.
n = 3 meses.
FÓRMULA:
VN = VA x (N + i )n
VN = VA x (1 + i )n D = VN - VA VN
VA =
(N + i )n
Onde:
VN = Valor Nominal;
VA = Valor Atual; TRPIRP
D = Desconto Composto.
VA =
(N + MIMNR)P
TRPIRP
VA =
Exemplo 1: Determine o desconto compos- NIMQRSTU
to de um capital de R$1.250,52, à taxa de VA = 720,61
1,7% ao mês, 2 meses antes do vencimento. VA = R$ 720,61.

Solução : VN = 1.250,52. • Considerações finais dentro da capitalização


i = 1,7% ao mês = 0,017. composta:
n = 2 meses.
- Cálculo do montante a partir de uma
série de vários depósitos:
VN = VA x (N + i )n
VN FÓRMULA:
VA =
(N + i )n
NKORMIRO (N + i )n − N
M = Dep x
VA =
(N + MIMNT )O i

NKORMIRO Onde:
VA =
(NIMNT )O M = Montante;
Dep = Depósitos.
NKORMIRO
VA =
NIMPQOUV Exemplo: Calcule o montante de uma série
VA = 1.209,06. de 4 depósitos de R$ 230,00 cada um, efe-
D = VN – VA tuados no fim de cada mês, à taxa de 2% ao
D = 1.250,52 – 1.209,06 mês, após o quarto depósito.
D = 41,46
D = R$41,46. Solução: Dep = 230.
i = 2% ao mês = 0,02.
32 • INEDI - Cursos Profissionalizantes
MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade II

(N + i )n − N
M = Dep x
i
(N + MIMO )Q − N
M = 230 x
MIMO a) Um título bancário no valor de R$ 18.500,00
foi descontado 4 meses antes de seu
(NIMO )Q − N vencimento, gerando um valor líquido para o
M = 230 x
MIMO credor de R$ 12.500,00. Qual a taxa de
desconto percentual mensal usada na operação?
(NIMUOQPO ) − N _______________________________________
M = 230 x
MIMO _______________________________________
MIMUOQPO
M = 230 x
MIMO
M = 230 x 4,1216 1. i = 12% a.m.
M = 947,96
M = R$947,96.

• Equivalência entre taxa anual composta e


taxa mensal composta:

FÓRMULA:

(N + i a ) = (N + im )NO (N + i a ) = (N + im )NO

Onde:
ia= Taxa anual composta;
im= Taxa mensal composta.

Exemplo: Determine a taxa anual composta


equivalente à taxa mensal de 3%.
Solução:
(N + i a ) = (N + im )NO
(N + i a ) = (N + MIMP)NO
(N + i a ) = (NIMP)NO
(1 + ia ) = (1,425760)
i a = 1,425760 - 1
i a = 0,425760

Ao se multiplicar a taxa anual composta


por 100, obtém-se o valor da referida taxa
na forma percentual, ficando o valor igual
a 42,5760%.
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 33
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

34 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA

6. Uma mesa de escritório foi comprada por R$


275,00 e vendida por R$ 345,00. Calcule o lucro,
na forma percentual, sobre o preço de compra:
a) 25,45%
b) 25,75%
c) 22,40%
NS d) 23,45%
1. Escreva a fração na forma percentual: e) 26,40%
NU
a) 88,889%
7. Uma mercadoria foi comprada por R$ 150,00
b) 86,800%
e vendida por R$ 205,00. Calcule o lucro, na
c) 80,600%
forma percentual, sobre o preço de venda:
d) 90,889%
a) 25,20%
e) 92,800%
b) 26,75%
c) 25,89%
2. A taxa de juros de 23,5% na forma uni-
d) 26,50%
tária é:
e) 26,83%
a) 235,0
b) 0,023
8. Um monitor de computador foi vendido com
c) 023,5
um prejuízo de 9% sobre o preço de venda.
d) 02,35
Calcule o preço de venda sabendo-se que o
e) 0,235
preço de custo foi de R$ 327,00:
a) R$ 300,00
3. Calcular o valor do somatório de: 42% de
b) R$ 305,00
350 com 16% de 102:
c) R$ 310,00
a) 160,40
d) R$ 295,00
b) 163,32
e) R$ 290,00
c) 165,45
d) 167,32
9. Em uma determinada operação imobiliária
e) 161,23
(compra e venda), a taxa de prejuízo para o pre-
ço de venda foi de 2 para 6. Determine o preço
4. Dividir o número 540 em partes proporcio-
de venda sabendo-se que o preço de custo foi
nais aos números 4, 5 e 6:
de R$ 705,00:
a) 148, 180, 212.
a) R$ 515,45
b) 180, 212, 148.
b) R$ 522,75
c) 100, 200, 240.
c) R$ 538,75
d) 144, 180, 216.
d) R$ 532,75
e) 200, 216, 124.
e) R$ 528,75
5. Dividir o número 325 em partes inversamen-
10. A taxa de juros de 24% ao ano, considerando-
te proporcionais aos números 2, 3 e 4:
se o ano comercial, equivale a quantos % ao dia?
a) 200, 100, 25.
a) 0,050% ao dia.
b) 50, 75, 200.
b) 0,056% ao dia.
c) 150, 100, 75.
c) 0,067% ao dia.
d) 300, 10, 15.
d) 0,072% ao dia.
e) 20, 85, 220.
e) 0,035% ao dia.
INEDI - Cursos Profissionalizantes • 35
TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

11. A taxa de juros de 18% ao ano, equivale a 16. Calcule o montante de uma série de 3 de-
quantos % ao mês? pósitos de R$ 150,00 cada um, efetuados no
a) 1,50% ao mês. fim de cada mês, à taxa de 1% ao mês, após o
b) 1,30% ao mês. terceiro depósito:
c) 1,25% ao mês. a) R$ 450,47
d) 1,35% ao mês. b) R$ 454,51
e) 1,55% ao mês. c) R$ 460,51
d) R$ 458,87
12. A taxa de juros de 3,75% ao mês, equivale e) R$ 465,00
a quantos % ao ano?
a) 40% ao ano. 17. Calcule o montante, da aplicação de um
b) 45% ao ano. capital de R$ 35.000,00, durante um período
c) 35% ao ano. de 4 meses, a juros compostos de 7% ao mês:
d) 30% ao ano. a) R$ 50.887,86
e) 42% ao ano. b) R$ 48.787,90
c) R$ 46.560,86
13. Calcule os juros simples para um d) R$ 45.877,86
capital de R$ 823,00, aplicado à taxa e) R$ 42.900,86
de 24% ao ano, durante um período
de 6 meses: 18. No regime de capitalização simples, a taxa
a) R$ 101,00. acumulada a 18% ao ano, aplicada durante 4
b) R$ 99,40. meses é de:
c) R$ 98,76. a) 7%
d) R$ 95,20. b) 4%
e) R$ 97,40. c) 6%
d) 8%
14. Calcule a taxa necessária para transfor- e) 10%
mar R$ 15.000,00 em R$ 25.000,00 no
prazo de 3 meses no regime de capitalização 19. No regime de capitalização composta,
simples (juros simples): determine a taxa anual equivalente à taxa
a) 22,22% ao mês. mensal de 1,5%:
b) 22,23% ao ano. a) 19,56%
c) 2,22% ao ano. b) 20,06%
d) 2,22% ao mês. c) 22,07%
e) 88,22% ao mês. d) 18,40%
e) 18,56%
15. Aplicando-se a juros simples a quantia de
R$ 30.000,00, durante 8 meses, à taxa de 5% 20. Um capital C foi aplicado em um sistema de
ao mês, qual será o montante obtido no final capitalização que, pagou juros compostos, à taxa
do período? de 10% ao mês. Após um bimestre, o montante
a) R$ 34.000,00 era de R$ 1.050,00. Calcule o valor do capital C:
b) R$ 36.000,00 a) R$ 850,50
c) R$ 38.000,00 b) R$ 855,46
d) R$ 40.000,00 c) R$ 867,76
e) R$ 42.000,00 d) R$ 870,40
e) R$ 872,76
36 • INEDI - Cursos Profissionalizantes
MATEMÁTICA FINANCEIRA

21. Um capital de R$ 2.330,00 eleva-se para 26. Calcule o montante produzido pelo capi-
R$ 2.790,00 , em 1 ano, no regime de capita- tal de R$ 7.702,00, a juros compostos de 6,2%
lização simples. Calcule a taxa de aplicação ao ao ano, em um período de 3 anos:
ano. a) R$ 8.340,00
a) 19,50% ao ano b) R$ 8.400,65
b) 19,74% ao ano c) R$ 8.686,65
c) 18,56% ao ano d) R$ 8.540,70
d) 13,74% ao ano e) R$ 7.680,00
e) 15,64% ao ano
27. Calcule o valor do desconto composto para
22. Calcule o montante simples para um capi- uma dívida de R$ 6.000,00 que foi desconta-
tal de R$11.111,00, aplicado por um período da 1 ano antes do vencimento, à taxa de 15%
de 72 dias, à taxa de 18% ao ano: ao ano:
a) R$ 11.350,60 a) R$ 640,00
b) R$ 11.430,23 b) R$ 690,61
c) R$ 12.400,00 c) R$ 794,61
d) R$ 11.510,99 d) R$ 760,60
e) R$ 10.540,99 e) R$ 782,61

23. Uma Letra de R$ 555,55 reduziu-se a R$ 28. Um produto obteve dois aumentos conse-
490,00 quando foi paga um mês antes do ven- cutivos de 5% e 9%. No regime de capitaliza-
cimento. Calcule a taxa de desconto comercial ção composta, calcule o aumento final do pro-
simples: duto:
a) 12,33% ao mês a) 12,45%
b) 11,55% ao mês b) 13,00%
c) 13,55% ao mês c) 13,45%
d) 12,40% ao mês d) 14,00%
e) 11,80% ao mês e) 14,45%

24. Sabendo-se que a taxa semestral é de 3,24%, 29. Calcule a taxa semestral proporcional a
calcule o valor da taxa nominal anual: 47,42% ao ano:
a) 6,40% ao ano a) 4,74%
b) 6,48% ao ano b) 20,42%
c) 5,72% ao ano c) 25,00%
d) 6,58% ao ano d) 23,71%
e) 6,48% ao mês e) 23,00%

25. Calcular os juros compostos de um capital 30. Calcule os juros simples para um capital de
de R$ 14.401,00, à taxa de 8,6% ao ano, du- R$ 57,57, à taxa de 9% ao mês,durante um
rante um período de 3 anos: período de 23 dias:
a) R$ 4.300,00 a) R$ 4,50
b) R$ 3.390,15 b) R$ 5,97
c) R$ 4.100,15 c) R$ 3,97
d) R$ 4.044,15 d) R$ 2,62
e) R$ 4.032,00 e) R$ 3,45

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 37


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

38 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA

BIBLIOGRAFIA

ARRUDA, J. J. A (1988) História Moderna e Contemporânea. 3ª Ed. São


Paulo: Editora Ática, 263p.

COSTA, B. C. A (1996) Concursos Públicos - Matemática Geral e Financeira.


2ª Ed. Rio de Janeiro: Oficina do Autor, 206 p.

CRESPO, A A. (1991) Matemática Comercial e Financeira. 6ª Ed. São Paulo:


Editora Saraiva.

D’AMBRÓSIO, N. & D’AMBRÓSIO, U. (1977) Matemática Comercial e


Financeira com complementos de matemática e introdução ao cálculo. 25ª Ed.
São Paulo: Companhia Editora Nacional, 287 p.

FARIA, R. G. (1979) Matemática Comercial e Financeira. Belo Horizonte:


Editora Mc Graw-Hill do Brasil, 219 p.

MARZAGÃO, L. J. (1996) Matemática Financeira: noções básicas. Belo


Horizonte: Edição do Autor, 173 p.

SANTOS, C. A. M.; GENTIL, N. & GRECO, S. E. (2003) Matemática.


Série Novo Ensino Médio – Volume Único. São Paulo: Editora Ática, 424 p.

SINGER, P. (1983) Guia da Inflação para o povo. 9ª Ed. Petrópolis: Vozes,


80 p.

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 39


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

GABARITO

1-A 16-B
2-E 17-D
3-B 18-C
4-D 19-A
5-C 20-C
6-A 21-B
7-E 22-D
8-A 23-E
9-E 24-B
10-C 25-D
11-A 26-C
12-B 27-E
13-C 28-E
14-A 29-D
15-E 30-C

40 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

TABELAS FINANCEIRAS
Apresentamos a seguir, algumas tabelas finaceiras (Tabela Price) para algumas
taxas de juros mais usuais. Por exemplo: 0,01%, 0,10%, 0,50%, 1%, 2%,
3%, 4%, 5%, 6%, 7%, 8%, 9% e 10%. Para outras taxa deve-se consultar
tabelas mais amplas ou calculadoras financeiras mais complexas.
TAXA DE JURO: 0,01%

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 41


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

TAXA DE JURO: 0,10%

42 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

TAXA DE JURO: 0,50%

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 43


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

TAXA DE JURO: 1,00%

44 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

TAXA DE JURO: 2,00%

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 45


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

TAXA DE JURO: 3,00%

46 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

TAXA DE JURO: 4,00%

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 47


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

TAXA DE JURO: 5,00%

48 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

TAXA DE JURO: 6,00%

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 49


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

TAXA DE JURO: 7,00%

50 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

TAXA DE JURO: 8,00%

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 51


TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

TAXA DE JURO: 9,00%

52 • INEDI - Cursos Profissionalizantes


MATEMÁTICA FINANCEIRA – Unidade I

TAXA DE JURO: 10,00%

INEDI - Cursos Profissionalizantes • 53