You are on page 1of 127

DIOCESE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

Pastoral Catequética

ENCONTROS EM PREPARAÇÃO PARA A
PRIMEIRA EUCARISTIA

Etapa I – Módulo III

Apostila do Catequista

1

2

Diocese de São José dos Campos
Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III
CONTEÚDO
O Perfil do Catequista.......................................................................................................................................................... 5
Compromissos do Catequista............................................................................................................................................... 6
Espiritualidade do Catequista............................................................................................................................................. 6
Planejamento da Catequese................................................................................................................................................. 7
1º Encontro: Acolhida e Entrosamento – Jesus está entre nós..................................................................................9
2º Encontro: Missa: Origem, Gestos e Símbolos........................................................................................................... 11
3º Encontro: Ano Litúrgico................................................................................................................................................ 17
4º Encontro: Missa – Mesa da Palavra............................................................................................................................ 22
5º Encontro: Missa – Mesa da Eucaristia....................................................................................................................... 26
6º Encontro: Introdução ao Credo – Creio em Deus Pai............................................................................................. 30
7º Encontro – Creio em Jesus Cristo e no Espírito Santo.........................................................................................36
8º Encontro: A Igreja é Una, Santa, Católica e Apostólica........................................................................................... 42
9º Encontro: Creio na Comunhão dos Santos, na Remissãodos Pecadoso e na Vida Eterna.............................................47
10º Encontro: Os Mandamentos da Igreja.................................................................................................................... 50
11º Encontro: O Pecado e Suas Consequências............................................................................................................. 53
12º Encontro: O Sacramento da Reconciliação............................................................................................................. 57
13º Encontro: O Sacramento da Reconciliação............................................................................................................. 62
14º Encontro: Vamos Aprender a Confessar................................................................................................................. 65
15º Encontro: Instituição da Eucaristia......................................................................................................................... 66
16º Encontro: Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus............................................................................................... 70
17º Encontro: Sacramento da Eucaristia....................................................................................................................... 73
18º Encontro: Sacramento da Eucaristia....................................................................................................................... 76
19º Encontro: Catequizandos a Caminho......................................................................................................................... 80
20º Encontro: Acolhendo o Perdão de Deus.................................................................................................................. 81
1º Tema Extra: Quaresma e Campanha da Fraternidade........................................................................................... 82
2º Tema Extra: Quaresma e Campanha da Fraternidade..........................................................................................83
3º Tema Extra: Semana Santa e Páscoa......................................................................................................................... 91
4º Tema Extra: O Santo Padroeiro................................................................................................................................. 92
5º Tema Extra: Maio, Mês de Maria e Dia das Mães.................................................................................................. 98
6º Tema Extra: Corpus Christi....................................................................................................................................... 100
7º Tema Extra:Vocação – Dia dos Pais......................................................................................................................... 104
8º Tema Extra: Setembro – Mês da Bíblia.................................................................................................................. 108
9º Tema Extra: Missões................................................................................................................................................... 112
10º Tema Extra:Dízimo..................................................................................................................................................... 114
Bibligrafia............................................................................................................................................................................ 119
Dinâmica para serem usadas nos encontros da Campanha da Fraternidade
2012.................................................120

3

4 .

Responsabilidade e perseverança. Capacidade de diálogo e de trabalho em Equipe. Liderança. vida de oração. engajamento e espírito de serviço à comunidade. 01 (um) ano. Participação. (Fonte: Objetivos e Diretrizes da Pastoral Catequética. 86) 5 . Criatividade e iniciativa. Boa comunicação. Vida coerente com a fé Participação na formação inicial de. Vocação para catequista. Ter no mínimo 16 anos e ter sido crismado. no Disposição para progredir na fé mínimo. Amor preferencial pelos pobres. maturidade humana e afetiva.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III O PERFIL DO CATEQUISTA Faz parte do necessário perfil do catequista: Equilíbrio psicológico. e espiritualidade (conversão (não esteja impedido de contínua. vida sacramental).

fé. todos. evangeliza. Integração Integraçãodos dosaspectos aspectoscelebrativos celebrativosda daliturgia liturgiaeeda da piedade popular. concreta. em em equipe. Sentido Sentidode deserviço serviçopara paratodos. espiritualidade. oração.ààPalavra Palavrade deDeus Deusque quese semanifesta manifestana naBíblia. cursos. deve estar integradana na vida vidaconcreta.de demodo modoespecífico. Palavra. Igreja e nos acontecimentos. piedade popular. Maria. Dedicar-se. os os encontros encontros catequéticos catequéticos ee encontros encontros para para as as famílias famílias dos dos catequizandos catequizandos (pensar (pensar em em gestos gestos concretos com os catequizandos nas famílias).diz dizque queaaformação formação deve ter cuidado de desenvolver principalmente sua vivência pessoal deve ter cuidado de desenvolver principalmente sua vivência pessoalee comunitária comunitáriada dafé. uma adesão sincera. livros. mundo. ESPIRITUALIDADE DO CATEQUISTA ESPIRITUALIDADE DO CATEQUISTA AACatequese CatequeseRenovada Renovadaqualifica qualificaoocatequista catequistacomo comopessoa pessoade deprofunda profunda espiritualidade.ao aoserviço serviçoda daPalavra.fruto frutode de uma adesão sincera. permanente e retiros. Leitura Leituraassídua assíduade delivros. Dedicar-se. Escuta. específico. comunidade Comunhão com a Igreja. Escuta. participando assiduamente Atualizar-se. formação formação permanente e retiros. Participar Participarativamente ativamentedos doseventos eventosparoquiais paroquiaiseereuniões reuniõesde deCatequese Catequese (núcleo paroquial. Jesus Cristo. catequistas. encarnada na vida do povo.na na Igreja e nos acontecimentos. evangélica.COMPROMISSOS DO CATEQUISTA COMPROMISSOS DO CATEQUISTA Comunicar ComunicaraaPalavra Palavrade deDeus Deuscom comootestemunho testemunho(experiência (experiênciade deféféee vida). Vida Vidasacramental.seu seucompromisso compromissocom comaatransformação transformaçãodo domundo. ação. Docilidade Docilidadeààação açãodo doEspírito EspíritoSanto.de decontemplação contemplação encarnada na vida do povo. Santo. sacramental.Por Porisso.celebra celebraeetestemunha testemunha Jesus Cristo. Vivência do mistério cristão e da missão catequizadora Vivência do mistério cristão e da missão catequizadoradentro dentrodo dogrupo grupode de catequistas. Amor Amorfilial filialààVirgem VirgemMaria. comunidadeque queevangeliza. deve estar integrada espiritualidade do catequista. Deus. Deus. para ser autêntica.compreendendo compreendendoas asatitudes atitudesde: de: Relacionamento Relacionamentopessoal pessoaleeprofundo profundocom comDeus. equipe. Elaborar Elaborar antecipadamente. Seguimento de Cristo nas atitudes e interesse Seguimento de Cristo nas atitudes e interessepelo peloReino Reinode deDeus. Anunciar a Palavra e denunciar o que impede Anunciar a Palavra e denunciar o que impede oo homem homem de de ser ser ele ele mesmo e de viver sua vocação de filho de Deus. aos empobrecidos e vivência 6 Amor Amor aos empobrecidos e vivênciaevangélica. fidelidade. 87-88) . (núcleo paroquial. catequista. vida). mesmo e de viver sua vocação de filho de Deus. Região Pastoral e Diocese). isso.AA espiritualidade do catequista. participando assiduamente de de cursos. Alegria de ser evangelizador Alegria de ser evangelizador (Fonte: Objetivos e Diretrizes da Pastoral Catequética. Comunhão com a Igreja.que queleva levauma umavida vidade deoração. Região Pastoral e Diocese). Bíblia. concretos com os catequizandos nas famílias).revistas revistaseeboletins.Mãe MãeeeModelo Modelode decatequista.com comféféeefidelidade. para ser autêntica. antecipadamente. Atualizar-se. oração. Espiritualidade do trabalho Espiritualidade do trabalhoeeda daação. boletins.de deoração.

Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III PLANEJAMENTO DA CATEQUESE ETAPA I – INICIAÇÃO À VIDA EUCARÍSTICA – MÓDULO III DATA ENCONTRO TEMA 7 .

8 .

Conteúdo do Encontro: De forma dinâmica refletir a citação bíblica que nos ensina.  Ler o versículo Mt 18.  Jesus quer ser nosso amigo. sou catequista há cinco anos.  Colocar a gravura voltada para o chão. não é isso? É isso que vamos fazer agora.. será que é por isso mesmo? Eu acredito que fomos chamados. o gesto concreto do amor ao próximo.. estou aqui para conhecer JESUS) e assim por diante com a participação de todos. Dar tempo para que cada um possa escrever e desenhar no seu crachá. O nosso 2º chamado foi no dia do nosso batismo e fomos convidados a ser santos e hoje estamos aqui e. Dinâmica – teia de aranha (com um rolo de barbante). o cansaço do final do dia. dos doentes. formar um círculo em volta. igualmente. O nosso 1º chamado foi à vida.  Cada um de nós falou o porquê de estar aqui. Vamos saber o nome de todos. com certeza.Esta dinâmica ajudará no conhecimento e entrosamento da turma). Comentários: Vocês já imaginaram se algum de nós soltar o dedo.  Desenrolar um pouco laçando em seu dedo (começa pela catequista). na atitude do bom samaritano. mesmo que não se perceba a sua presença. Jesus ensina-nos como devemos amar a Deus e ao próximo. gosto de ir à praia”  Em seguida jogar o rolo para o próximo (sou fulano. virar a figura que está no chão mostrando que Jesus está no meio de nós e quer ser nosso amigo. 20. É toda a base de uma vida verdadeiramente cristã. mas acredito que cada um de nós foi chamado para estar aqui. é o alicerce do Reino de Deus. o frio. Desenvolvimento do tema: Dar boas vindas – Motivação: quando encontramos uma pessoa qual é a primeira coisa que queremos saber dela? (pausa) O que vocês estão querendo saber de mim? (pausa) O nome.  Jesus está sempre conosco. Ele estará presente em nossos encontros porque no reunimos em Nome do Pai. Quem conhece a teia de aranha? Alguém já viu aranha? (pausa . do Filho e do Espírito Santo. cada um vai enfeitar o seu. o que vai acontecer? (pausa) Vai ficar um buraco. no centro da sala. assim como foi amigo dos apóstolos.  Ler e comentar o texto da apostila e preencher o quadro com os nomes dos amigos. 3. não sabemos exatamente o porquê.  Comentar a teia formada: O que parece isso? (pausa) Uma teia de aranha. 2..Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 1º ENCONTRO: ACOLHIDA E ENTROSAMENTO – JESUS ESTÁ ENTRE NÓS 1. pois afinal passaremos o ano juntos! Para guardar melhor vamos preparar um crachá.  Estabelecer critérios de compromisso dos catequizandos. sou casada. bem bonito e escrever o seu nome. Não podemos deixar que nada nos atrapalhe. Com o passar dos encontros cada um irá descobrir o motivo verdadeiro. o sono depois do almoço. tenho três filhos. a chuva. Objetivo  Promover um ambiente acolhedor recebendo com alegria cada catequizando.. o seu lugar só você pode ocupar. Cada um de nós é muito importante. 9 . Dizer o nome e mais alguma coisa. o calor de verão. Por isso cada um vai fazer o possível para não faltar aos encontros. do pobres e dos pecadores. Deverá vencer o sono de manhã. Será que vai fazer falta? (pausa) Vai. nos momentos tristes e nos momentos felizes. por exemplo: “Meu nome é Maria Auxiliadora.

2008 – p. Em seguida oriente-os a fazer a oração que está na apostila. pois alegria de conhecer a Deus e ser por Ele conhecido. imagens. encantando-se com Ele e sua amizade. Amou a todos os que dele se 48 ed. vida nele e moldar suas ações de acordo com a vida e Por querigma devemos entender o anúncio o ensinamento do Mestre. ressuscitando. 7. 20. de conversão constante e crescente. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA O centro do primeiro anúncio (querigma) é a das pessoas que quiseram ser amigas de Jesus e pessoa de Jesus. explicando que para isso Jesus quer cativar os O querigma apresenta os principais fatos da catequizandos e ser cativado por eles. 66-69) aproximaram e. Material utilizado: Um rolo de barbante. para fazer uma comparação com a proposta. 6. ou apenas feita uma nós. 11. com todos. alegre de Jesus. Livro do Catequista. só quem conheceu o Salvador pode aprofundar sua de o ver e se entregar a Ele” (DNC 30). Uma gravura de Jesus. p. nosso mais e mais íntimo narrativas com arte. Vozes. Vol. sobretudo do pecado e do maligno. “Essa salvação é o ‘grande dom de Deus’. libertação de tudo aquilo que oprime a pessoa Só quem fez esta experiência de Jesus humana. 10 . Diante do querigma. Atividades: Fazer com os pais as atividades propostas – trazer esta página assinada pelos pais. portanto. Rio de Janeiro: Agir. com entusiasmo. 8. 4. Ambientação: Arrumar as cadeiras em círculo. Leitura utilizada: Mt 18. que o fazem reconhecê-lo como narrativas! Elas são sempre bem vindas! Conte as Senhor de nossas vidas. Aproveite as vida de Jesus. Momento de Oração: Aproveitar a figura de Jesus que está no centro do círculo para que cada catequizando faça a sua oração espontaneamente. que nos leva a conhecer e amar a O querigma também pode ser aprofundado sua pessoa como presença a salvadora de Deus na sob a ótica da amizade. Para isso poderá utilizar do história da humanidade e em nossa história pessoal livro O pequeno príncipe o encontro do príncipe com de vida. 5. para que o amigo. sendo muito bom para leitura. Bíblia. a pessoa se decide a raposa em que se estabelecem uma profunda livremente pelo Cristo. por amar tanto. (Cf. I. Pode ser Deus. O pequeno príncipe. Viveu igual a nós em tudo. Crachás para serem preenchidos pelos catequizandos. enfrentou a morte e a venceu. proporciona poder superior àquele que utilizou na criação do experiência de amor profundo de Cristo. A Igreja é a comunidade Fonte: Crescer em Comunhão. 2002. Ed. enviado pelo Pai para ser uma pessoa como organizado um pequeno teatro. Falar sobre as boas atitudes – seguindo a apostila do catequizando. na Cristo pode passar pelo processo catequético. Peça que conversem com Jesus enquanto sua imagem vai passando de mão em mão. gerando mundo. mesa com toalha. flores. sua oração a Jesus. reorientando toda a sua vida num processo amizade que Ele quer aprofundar com cada um. SAINT-EXUPERY. nova e definitiva invenção de Deus que salva com um O querigma. adesão a Ele. proclamando o Reino como uma seguir seus passos. E preciso apresentar que Ele é o Filho de catequizando saboreie o que é contado.

pois tem coisas muito importantes para dizer. explicando o sentido de cada gesto. sem correrias. qual fato está representado. o que sentem? Peça que abram os presentes e pergunte o que sentiram ao recebê-lo. levantar.  Na Igreja que nasceu com os primeiros cristãos. a partir da leitura explicar que nesta Ceia Jesus nos deixou a Eucaristia. Convide-os a imaginar a seguinte cena: Uma pessoa está à beira da morte.  Converse com os catequizandos sobre os presentes que eles recebem no Natal ou aniversário.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 2º ENCONTRO: MISSA: ORIGEM.. perguntando o que significa a imagem. como deve ser a nossa participação e os símbolos litúrgicos presentes na missa. 3. introduzindo o tema. obedeceram a ordem de Jesus de fazer memória daquele dia como vemos em 1Cor 11. Objetivo:  Levar o catequizando a compreender que sua participação na missa faz crescer a sua unidade com os outros e com Deus.  Compreender que os gestos e símbolos usados na liturgia ajudam a participar melhor das celebrações. 7-20. GESTOS E SÍMBOLOS 1. Conteúdo do Encontro:  Explicar a Instituição da Eucaristia.  Jesus disse a eles que deveriam celebrar inúmeras vezes aquela ceia.  Mostre o quadro da Santa Ceia. Ele estaria presente. pode-se usar o canto “Deus Trino” cantando e fazendo gestos durante o canto. a Igreja foi se organizando e orientando e então temos a missa como ela é hoje. E todas as vezes que repetissem tal gesto. sentar.. Pode ser colocada uma bala para acompanhar o bilhete.  Leve os catequizandos á Igreja e converse sobre os gestos que usamos no cotidiano. até que Ele retornasse. Ele sabe que vai morrer e a única coisa que resta é deixar suas últimas palavras. Dentro deve estar um pedaço de papel escrito “Eu dou minha vida por você” e uma imagem de Jesus impressa colada no fundo da caixa. 2.  Nos bancos repita com eles os gestos mais comuns. ajoelhar. Desenvolvimento do Tema:  Distribua caixinhas de presente para cada catequizando. Conversar sobre os principais gestos para bem participar da missa e as atitudes de respeito dentro da Igreja. deixou-nos um presente. diante do Santíssimo – andar de forma respeitosa. 23-26. reúne seus familiares e amigos. 11 . Explique que este é o maior presente que Deus nos dá: sua vida por nós!  Explicar que a Missa se parece com uma festa de aniversário (ver a história no final do Aprofundamento).  Ler Lucas 22.

Ex 30. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA “Fazei isto em memória de mim” E fundamental compreender que o termo Jesus amou os seus até o fim. Atividades: conforme o tempo disponível. " (1 Cor 11. 6. acontece novamente a páscoa.. da Eucaristia (cf. pois a salvação de Cristo se memória de sua morte e de sua ressurreição. para nunca se afastar sempre atual: todas as vezes que se celebra no dos seus e para fazê-los participantes da sua altar o sacrifício da cruz. Momento de Oração: Rezar o Salmo 140(141). 8. Leitura utilizada: Lc 22. fazendo gestos.  Falar sobre os demais objetos e símbolos litúrgicos – mostrar o que está dentro da Igreja e em seguida voltar para a sala e utilizar as figuras. da sua vida. Em At 2. CIC 1337). ao celebrar a última ceia em que ela se coloca: com seus apóstolos. Muitos símbolos usados na Liturgia têm sua origem no Antigo Testamento: era no altar que o sacerdote fazia os sacrifícios a Deus. 26). Orientá-los de modo que reclinem a cabeça num momento de interiorização  e escutem a Palavra de pé.  Incentivá-los a fazer preces espontâneas  Encerrar com o canto “Deus Trino”. pois o ao Pai. é aos seus discípulos seu Corpo e seu Sangue (cf Lc necessário perceber as três dimensões de tempo 22. At 4. A missa não é um teatro. do memorial de Cristo. no decorrer de uma refeição. flor. 4. 7. Ler Ex 30. Material utilizado: Quadro ou cartaz da Santa Ceia – Caixinhas de presente conforme a dinâmica e figuras de objetos litúrgicos. da sua Ressurreição e da sua intercessão junto ao Pai" (CIC 1341). Ambientação: Arrumar a mesa com o Quadro da Santa Ceia e as figuras.23).46. Sabendo que "memorial" não significa uma mera lembrança de chegara a hora de partir deste mundo para voltar um fato passado. da sua Morte.. durante a refeição pascal.7-20). "Era sobretudo 'no primeiro dia da semana'. imagens e Bíblia – parte do encontro deve ser dado na Igreja para que se possa vivenciar melhor e tirar dúvidas. 7-20. 23-26.  Passado (recordação da ceia): "na noite em  que foi entregue . a dia da Ressurreição . Futuro: antecipação da vinda do Senhor e a esperança de sua volta "até que Ele venha" (1Cor 11. podem ser feitas no momento que o catequista explica ou em casa como reforço para o catequizando. " (1Cor 11. No entanto. 12  "Todas as vezes . instituindo igualmente o sacerdócio salvífico que é continuamente atualizado na mesa (cf. vela. Presente (memória atualizante do sacrifício e Jesus deu novo sentido à páscoa judaica (cf. a Eucaristia Jesus escolheu o tempo da páscoa para dar Para se compreender melhor a Eucaristia. 26b). deixou-lhes sacrifício que Cristo ofereceu na cruz torna-se uma garantia deste amor. 1-11. já se percebe que os primeiros cristãos são fiéis ao mandato do Senhor. estende a todos os homens e mulheres de todos ordenando que seus apóstolos celebrassem-na até os tempos. 1-11.. como nossa redenção. ação de graças pela sua obra salvadora): "O mandamento de Jesus de repetir seus gestos e suas palavras 'até que Ele volte' não pede somente que se recorde de Jesus e do que Ele fez.. no domingo.42. CIC 1364). 5. Visa a celebração litúrgica. assim. pelos apóstolos e seus sucessores. 1Cor 11. Instituiu. A Páscoa de Cristo tem um significado a sua volta. isto é. 32-35. CIC 1339-1340).

Um 1374). expressa o da transubstanciação.. e sob uma forma que. com a mesma estrutura fundamental. instrumentos de trabalho. Nossa experiência cristã é marcada por muitos símbolos. os sinais sagrados que servem como "pontes" que nos levam ao encontro com Deus. O ato de consagrar torna real o mistério gesto. Muitos se. símbolos. maior que o de ser simplesmente um anel. participação Concilium ativa na adverte Liturgia sobre através a das Gestos e Símbolos aclamações do povo. ou Mesa da consagração repetidas pelo Palavra. Ela sela um compromisso de vida entre duas pessoas que se amam.o Corpo e o Sangue do Senhor. tornando Cristo realmente presente. o a pão' (At 20. emoções. Para nós cristãos tem um forte 13 . a vela. No entanto. na Igreja. o substância. as imagens. afetos . pois as substâncias do pão e que uma pessoa pensa ou sente. uma aliança de casamento tem um sentido muito alimentos. um sorriso. ou pelo menos discretos." (CIC humano.. o ambão. porém é preciso prestar atenção. abraçar. ele envolve os sentimentos. para falar mais de perto conosco. com as pessoas e com Deus. não modificou apesar da mudança dos exagero pode ser empecilho para se perceber a tempos e das liturgias." (CIC 1356). de estarmos ligados ao mandato de Jesus." (CIC 1343). as coisas e os acontecimentos querem prostrar-se. que expressam nossas idéias e sentimentos. Embora as origens. flores. de sorte que hoje a encontramos em toda desses símbolos estão presentes numa Celebração parte Eucarística. De preferência sem 'contidos enfeites. os cânticos. damos sentido ao mundo que nos rodeia. o Cristo todo. a água. ver e ouvir o valorizados na celebração: elevar as mãos.24-25). adereços e “Se os cristãos celebram a Eucaristia desde enfeites no ambiente de celebração. SC 30. são são elementos simbólicos que devem ter um destaque eficazes. a Mesa da Eucaristia. Também são usados símbolos fortes que expressam a podemos facilitar nossa comunicação. oferecer velas. 568). o pão. Assim. pois Ele mesmo se fez Cristo e. é importante a distinção entre símbolos litúrgicos e arranjos. por conseguinte. ou seja. na sua agrade aos olhos um bom arranjo de flores. e o altar. Por exemplo: luta do povo: cruz.. o símbolo vai além do aspecto racional da pessoa. A Constituição do Sacrosanctum vinho se transformam: tornam-se outra realidade . bater palmas.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III de Jesus. sacerdote elementos estabelecer véspera de sua paixão: 'Fazei isto em memória de Cabe ainda ressaltar que as palavras da nos preciso realmente e substancialmente a Corpo e a Sangue juntamente Ninguém mais que Jesus mostrou o quanto o com a alma e a Divindade de Nosso Senhor Jesus ser humano é importante. Ela continua sendo a centro da vida da Igreja.. caminhar em nos dizer. Desde aqueles tempos até as vinho. Tudo nos Muitos gestos podem ser utilizados e fala. curvar-se. especial no espaço do ambiente de celebração. dançar. Celebração Eucarística.. "No Santíssimo Sacramento da Eucaristia estão Devem ser belos por si. um aperto de mão .7).. verdadeiramente. Muitos dos gestos são ligados a cultura do mundo. dado na Também é uma simbólicos numa hierarquia mim' (1Cor 11. gestos e o porte do corpo (cf. é porque temos consciência presença do símbolo litúrgico. Isto nos possibilita relacionarmos com o procissão. as respostas. a terra . que as pessoas. por sermos dotados de razão. os Nós humanos. Através desses povo: dar as mãos. o óleo e tantos outros símbolos que nossos dias a celebração da Eucaristia perpetuou- nos colocam em comunhão com Deus. que os cristãos se reuniam 'para partir significado a cruz.

se faz presente o Sacrifício da Cruz da igreja. da qual brotam os sacramentos do Mistério Pascal. Patena: pequeno prato de metal. alma. o padre. A hóstia usada pelo sacerdote é de tamanho maior. O vinho usado é puro de uva. se volta espontaneamente a atenção dos fieis" (CIC 1184). as leituras e a homilia. a comunhão da comunidade com Deus. todo joelho se dobre no céu. para ouvir e acolher sentados Âmbula. símbolo a símbolo. sinal da Os Gestos e posturas são muito importantes como atitudes da assembléia em oração. luzes. que e o centro Mistério Pascal. no qual é colocada a hóstia grande. Sobre o altar. . gestos e atitudes especiais de pessoas: "mesa" da palavra tem uma forma de uma estante. durante a Liturgia da Palavra. aquele que louva. proclamando as palavras de Cristo. mãos em cima da qual se coloca a Bíblia. gesto de repartir o pão. Mas pode ter postas. Mãos levantadas: sinal de Ressurreição. simboliza sua presença como ministro que conduz a sua presença como ministro que conduz a comunidade e repete a ação de Jesus Cristo no comunidade e repete a ação de Jesus Cristo no gesto de repartir o pão. Ele e também a mesa do Senhor.10: "Ao nome do Senhor. ajudados pelos símbolos sagrados. "Em nossas celebrações religiosas há muitos Ambão ou mesa da Palavra: geralmente esta objetos. na oração do ato penitencial e na hora de dar o "sim" durante a bênção. cruz. Também são formas de rezar. emoções e pensamentos. que e o centro da igreja. De joelhos: ajoelhar-se diante de alguém e reconhecer sua soberania. Ele e também a sob os sinais sacramentais. Eis os principais: Altar: é a mesa da ceia do Senhor. na terra e debaixo da terra". a atenção dos fieis" (CIC 1184). para a qual o povo de Deus e mesa do Senhor. também a forma de um púlpito ou "ambão". toalhas. Inclinado: em sinal de penitência. durante a anuncio desta Palavra e para a qual. da qual brotam os sacramentos do Senhor. Em pé: sinal de Ressurreição. Ao celebrarmos. palavras. mãos estendidas. Cálice: onde se deposita o vinho que vai ser consagrado. apenas para permitir que seja mais bem vista pela assembléia. Também permanecemos durante o ofertório. procissões . A mesa da como símbolos ou sinais significativos" (AVLB 40). Sobre o altar. o padre. onde e celebrada a Eucaristia. 14 tampa para conservação e distribuição das hóstias aos fiéis. Posição daquele que ouve e está pronto para obedecer. dia-a-dia. Eles entram na Liturgia principalmente nas igrejas maiores. para a qual o povo de Deus e convidado" (CIC 1182). Palavra fica do lado direito do altar. fortalecidos pela Palavra de Deus que nos orienta. Eis os principais gestos e posturas assumidos pela comunidade que celebra: Genuflexão: gesto de adoração diante do Santíssimo Sacramento. que sempre vem em nossa direção. se volta espontaneamente Liturgia da Palavra. aquele que entrega. livros.. passo a passo. cruz. Após a celebração o vaso sagrado. aquele que suplica. corpo. genuflexão. quando as oferendas são apresentadas ao Senhor. envolvidos por inteiro. "A dignidade da Palavra de Deus exige "A dignidade da Palavra de Deus exige que exista na igreja um lugar que favoreça o que exista na igreja um lugar que favoreça o anuncio desta Palavra e para a qual. Diz São Paulo aos Filipenses 2.."O altar da nova aliança e a cruz do "O altar da nova aliança e a cruz do Senhor. convidado" (CIC 1182). Também os símbolos Iitúrgicos são de grande importância para favorecer a oração. se faz presente o Sacrifício da Cruz sob os sinais sacramentais. altar. contendo as hóstias consagradas é Sentado: posição de escuta. em cada celebração. Sinal de disponibilidade. Em procissão: a história da salvação começou com uma procissão: Abraão e sua família saem rumo à terra prometida. Cibório ou Pixide: espécie de cálice com guardado no Sacrário. vamos caminhando na direção de Deus e acolhendo a Ele. simboliza proclamando as palavras de Cristo. Simbolizam o orante. atualmente seu sentido é o de uma peregrinação do povo de Deus rumo à casa do Pai.

de alegria e solenidade. e para purificar o cálice. É um manual de derramado na cruz. Dona Maria Cebola. Estola: paramento em forma de faixa vertical Fonte: Crescer em Comunhão. pai do Cebolinha. abraçou o Cebolinha e pediu desculpas. Livro do Catequista. Crucifixo: lembra o calvário. Sanguíneo: toalhinha comprida. sobre seus problemas e suas alegrias. A SANTA MISSA E A FESTA DO CEBOLINHA Você também foi convidado para a festa de aniversário do Cebolinha. humanidade salva em Cristo pelo seu sangue com exceção das partes móveis. do poder sacerdotal. 58-59 e 76 a 78. no batismo e na crisma. brincadeiras. preparou tudo com muito carinho: bolo. mas Cascão aceitou o convite do amigo e quando chegou à festa. Galhetas: duas garrafinhas que contem água e vinho. usada Flores: para purificar (enxugar por dentro) o cálice. o modo de vestir do seu do dia tempo. o Evangelho e o Salmo lembra a túnica de Jesus. enfeites. que serve para cobrir o Toalha: é algo próprio da mesa da refeição. na cruz. sobre os acontecimentos da última semana. celebração. mesa. Cada pessoa que chegava para a festa era recebida com alegria pela família. o Seu Cebola. Corporal: é uma espécie de toalhinha quadrada que fica no centro do altar. o Corpo de Cristo. Túnica: manto branco ou de cor neutra que Lecionário: traz as leituras. músicas. depois nós vamos ver que a Missa é uma festa também! Cebolinha está muito feliz! É seu aniversário! Ele convidou muitas pessoas para sua festa. Vozes. da túnica. inteligente. Tem cálice. Desce do pescoço e é colocada por cima III.. Significa que o padre está a serviço. Representam Manustérgio: toalha usada pelo sacerdote para enxugar as mãos. Falava com orgulho de como o seu filho era esperto. vol. 15 . A água vai ser usada para ser misturada para a ornamentação também do altar.. No altar celebramos o Sacrifício no qual Cristo. comprida. significando toda a Missal: livro grosso que contem os ritos da Missa. Preste muita atenção em tudo que acontece.. As pessoas estavam animadas e conversavam sobre suas vidas. branca. onde se coloca a hóstia consagrada. A chama da vela é o símbolo da fé que recebemos de Jesus "Luz do Mundo". aspecto de festa. É distintivo do ministro ordenado. manifestação da sensibilidade da vida.. 2004 – p. começou a contar coisas de quando ele ainda era bem pequenino. O Cascão e o Cebolinha estavam de mal por causa de uma briga no futebol. bonzinho. Então. deixando todos muito à vontade.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III Pala: peça quadrada dura. Vela ou Círio: representam a luz de Cristo. ofereceu-se ao Pai com o vinho no ofertório. a mãe do Cebolinha.

que bom que o Padle João veio. por tudo. pela receptividade. junto com os refrigerantes. junto com Nossa Senhola. desejando-lhe feliz aniversário. Cebolinha foi brincar com seus presentes.. mãe? No ano passado a vovó estava aqui também.. ele viu que tinha muitos.Muitas pessoas começaram a abraçar o Cebolinha. Ele batizou você quando ainda era um bebê e agora tá aqui festejando seu aniversário!” Chegou a hora de cantar PARABÉNS. e eu sei que um dia nos vamos nos encontlar com ela. As pessoas que chegavam. Agola ela já está lá no céu. Cebolinha estava abrindo seus presentes. ele olhou para sua mãe e falou: “Lembla. Partiu-se o bolo e serviu-se o refrigerante. Por falar em santo. Todos comeram e beberam. muitos brinquedos e resolveu dar alguns deles para o Cascão. os anjos e os santos. cada um lhe dava mais alegria que o outro. vinham lhe ofertar seu presente com um grande sorriso de felicidade. se aproximaram da mesa e cantaram com entusiasmo. Então... No dia seguinte. Estava uma delícia!!! Cada um que ia embora agradecia a família pela festa. Todos ficaram de pé. O Cebolinha ganhou muitos presentes. E se despediam com um sorriso e um até breve. tudo de bom e que Deus lhe iluminasse e lhe cobrisse de bênçãos. Vamos entender Convite para a festa A mãe prepara a festa Os convidados são recebidos Cascão pede desculpas Conversa dos convidados Abraçam o Cebolinha Ganhando presentes Bolo e refrigerante na mesa Abrindo os presentes Cebolinha fala da avó e do padre Parabéns Comer e beber Ir embora e agradecer Dia seguinte e repartir brinquedos 16 Jesus nos convida para a Missa (seu banquete) Alguém prepara a Missa Entrada / Saudação Ato Penitencial Glória / Liturgia da Palavra Oração da comunidade Apresentação das ofertas Consagração Ofertório Oração eucarística Amém / Pai Nosso / Abraço da paz Comunhão Ação de graças / Despedida Nosso compromisso para a semana que a Missa nos pede . Sua mãe trouxe um bolo lindo e colocou sobre a mesa. né mãe?” “É mesmo Cebolinha. Então.

5. as mesmas leituras e os sacerdotes utilizam os paramentos das mesmas cores. Ambientação: Arrumar as cadeiras em círculo. Mc 16. Leituras utilizadas: Mt 28. Desenvolvimento do Tema:  Motivar os catequizandos perguntando: quando começa o ano? Quando acaba? E na escola. 2.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 3º ENCONTRO: ANO LITÚRGICO 1. B e C para a Solenidade da Ascensão do Senhor fazendo uma comparação entre as três. as cores litúrgicas e seus significados. As leituras bíblicas. Conteúdo do Encontro: O esquema do Ano Litúrgico. manifestação.  Mostrar no diagrama da Apostila. Fazer as leituras dos anos A. 3. momentos fortes e o tempo comum. vela.  Assimilar que a Eucaristia deve ser vivida todos os dias procurando o fortalecimento para viver como Jesus ensinou. flores. 15-20 (Ano B).  Falar depois do Ciclo da Páscoa que inicia na Quaresma e termina no dia de Pentecostes. imagens.  Utilizar os folhetos de missa para mostrar como a Igreja se organiza de modo que em todo o mundo todos celebram o mesmo tempo litúrgico. quando começamos a nos preparar para o Natal – falar do ciclo do Natal. 17 . morte e ressurreição de Cristo. Lc 24. o ano letivo. 4. paixão. mesa c/toalha. Bíblia. quando começa? E acaba quando? Perguntar se sabem como é na Igreja – é a mesma coisa? Quando começa?  Partindo da data do Natal mostrar que o ano começa 4 semanas antes. Objetivo:  Compreender como a Igreja organizou o Ano Litúrgico para ajudar a vivenciar os principais mistérios da fé: encarnação. 16-20 (Ano A).  Explicar as leituras bíblicas – Escolher leituras dos anos A.  Falar do Tempo Comum – que é dividido em duas partes. Explicar as cores litúrgicas e seu significado. 46-53 (Ano C). B e C nos Evangelhos sinóticos mostrando que a cada 3 anos lemos junto com a Igreja todos os Evangelhos.  Ler as orações do folheto (Coleta ou Prefácio da Oração Eucarística) ressaltando o tempo litúrgico vivenciado através das orações.

Esta realidade é celebrada e vivida no Advento. Páscoa. porém. em que ele aparece como o Messias que proclamação de Cristo como nosso Rei. 7. visita dos pastores. Inspirando-se no Ano Litúrgico dos judeus que. Pentecostes. A S C E N S A O D O S E N H O R P D B B L P R H M V P X T P Z Q R X S E V M B A T I S M O X X L E P V A B M E V N C U G P H Y S W P N R T C P A N R S D W M O P Q Z T A T N N T V N A T X P A S N B O J H I I E J G J M O C Á N A T A L N M P W C O U P V S C X S M N T R U Y Y Z X O C P L M A X Z C V D E X X V M N P S R S V Z N X B O C X Z X G H I J K T N Y Y O T D E A F X X L P Q U A R E S M A V A O U M C S W K K S T V X S Z C C B P 8. na experiência anual do tempo. imitando ou comemorando o que Cristo fez mesma festa temos o aspecto da manifestação na pelos homens. verificamos que o Ano Litúrgico consta de dois ciclos. o manifesta aos povos como Salvador. a marcha pelo deserto e a Aliança do Sinai. a saber:  Ciclo do Natal .. hoje Tempo de preparação para o nascimento de Cristo chamada de Solenidade de Nossa Senhora. para vivê- nascimento em Belém. em que Cristo se manifesta como quem Esperança e Vinda do Senhor. Deus torna-se humano para que o homem se torne 18 . o Batismo de dia de Pentecostes e encerrando-se com a Jesus. Católica. mas atinge as demais festas em que Testamento.6. Senhor Jesus!” O Ciclo de Natal não se restringe à Festa Antigo do Natal. Cristo se manifesta de alguma forma como Distribuiu-se através de um ano as principais Salvador. Advento. apresentando-nos as Verdades da Fé vivemos. fazendo-nos meditar a respeito e. Atividades: Fazer as atividades no final do encontro. colaborando no aprofundamento desta mesma fé. Na los. Mãe (Tempo do Advento). Temos assim sua manifestação no ações salvíficas ou mistérios de Cristo. caminhando ao encontro de Cristo. seguindo com a celebração de Deus. A Festa da Oitava de Natal.neste ciclo encontram-se o Tempo do Advento e o Tempo do Natal: festa da Apresentação de Jesus Cristo ao Templo encerra este ciclo de festas da manifestação do Senhor. celebravam os benefícios de Deus em favor do povo escolhido. A Festa da Epifania. etc. sobretudo sua libertação do Egito. entre o divino e o humano. O refrão que perpassa todo o tempo do Advento é: “Vinde. a consciência cristã assumiu a forma das festas do O Advento apresenta sempre a tríplice vinda de Cristo: Cristo veio. Material utilizado: figuras simbolizando o Natal. Momento de Oração: Rezar juntos a oração escolhida no folheto litúrgico. Segue a Festa da Sagrada O Ano Litúrgico tem o seu início com o Família. No Natal vivemos o mistério do encontro entre o céu e a terra. celebrado no Natal. novo conteúdo. dando-lhes. onde inicia sua missão. Cristo vem e Cristo virá. em que o Senhor se da Natividade até Sua Ressurreição e Ascensão. Por fim a Analisando o esquema abaixo. Os discípulos crêem nele. Temos ainda o primeiro milagre apresentamos também nossa expectativa da feliz em Caná. tem poder. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA O Ano Litúrgico é o ano elaborado pela O Advento é o ponto de partida e o ponto Igreja Católica para nos guiar no Mistério de de chegada de um círculo da espiral dos anos que Cristo.

É a festa batismal da Igreja. A eternidade penetrou no tempo para que o comunidade cristã. Vaticano Na nova terminologia A Vigília Pascal é o centro e o núcleo do litúrgica chamamos de Tempo comum o período do Mistério Pascal de Cristo e dos cristãos e. vocação e missão batismais de sacerdote. Por isso a cor que já foram batizados. sexta-feira santa e Pentecostes nos comunica o Espírito da sábado até a missa da “Noite Santa” – Vigília unidade em que todos compreendem a mensagem Pascal) e o Tempo Pascal. aos poucos. este Cristo que se manifestou. simbolizada na água do devemos alimentar nossa vida naquela fonte rica Batismo e no pão e vinho do Sacrifício Eucarístico. a mãe de existem tempos fortes de festa e tempos todas as vigílias. Nesta noite. comunidade. 19 . Entre os dois ciclos citados acima. comuns. manifestação do Senhor na presença do Cristo ressuscitado entre os irmãos história dos homens. o pão e o vinho. dos tempos fortes que celebramos. Isto místico de Cristo. o Tríduo profeta. como em nossa vida. Pascal (quinta-feira santa. Por isso os dois grandes litúrgica é o verde. determinado pelo variedade de línguas. Cada dia somos convidados a invocar o A Quaresma só pode ser entendida e vivida Espírito Santo para que. apesar da primeiro domingo da Páscoa.6). O Tempo Comum foi assim denominado pelo Concílio II1. No Cristo morto e encontra-se o Tempo Comum. a linguagem do amor. e dos cristãos.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III divino. “Caminho. Morte e no seio da Virgem Maria e o torna presente sobre Ressurreição de Cristo. o óleo. porque existe a linguagem da primeiro domingo de lua cheia da primavera em fé comum em Cristo. Cada Páscoa é um marco de renovação da Como fazer com que o Tempo comum não se transforme em tempo de rotina? Primeiro. por Ano Litúrgico que se estende da Epifania até a isso. São A Vigília Pascal constitui a grande Páscoa 34 semanas. de todo o Ano Litúrgico. a Cabeça. fonte de vida. prolongar a ação de nascer e manifestar-se após Para que o cristão possa realizar sua missão de sinal e testemunho do Cristo ressuscitado entre os homens. santifica e nos faz ir ao encontro do Senhor O Tríduo Pascal é o centro e a síntese da celebração do Mistério da Paixão-Morte Jesus. a luz. que nos segunda conversão. Natal Cada cristão é convidado a se tornar significa nascimento. deseja Cristo na caridade do irmão. Roma. Quaresma e do Pentecostes até o Advento. em que se celebram os O comum distingue-se do extraordinário. plasme também em cada um de nós a Fundamentalmente o Tríduo Pascal é a comemoração da morte e da ressurreição de imagem do cristo. e. os seus membros. para que possa viver sua acontecerá. este Cristo que de tal modo que os homens reconheçam a face do nasceu. o qual começa no do Evangelho anunciado por Pedro. falam alto os símbolos da vida: o ordinários. que tem como ressuscitado ela celebra o novo nascimento dos objetivo próprio despertar-nos para viver a graça que são batizados e renova a Aliança batismal dos recebida no Tempo festivo anterior. os altares. promessas do Batismo. fogo. Cristo garante sua presença através do seu Espírito. se Cristo nasceu em nós. formando mais e mais o Corpo tempo possa mergulhar na eternidade. Verdade e Vida” (Jo 14. rei e  Ciclo da Páscoa – neste ciclo encontram-se o Tempo da Quaresma. do Sacramentos da Iniciação cristã e se renovam as festivo. que simboliza a esperança de temas são o batismo e a penitência: a primeira e a ver crescer em nós o amor de Deus. para que possa viver o ideal da 1 O Concílio Vaticano II iniciou-se em 1962 sob o pontificado de João XXIII e encerrou-se em 1965 sob o pontificado de Paulo VI. anual dos cristãos. Então. a água. Assim. No Ano Litúrgico. como ele formou o Cristo à luz do Tríduo Pascal da Paixão. vá formando o Cristo místico que é a Igreja. e Ressurreição de Cristo no Ano Litúrgico. Cristo. e encerra-se com a festa de Pentecostes.

cresça e dê muito fruto.htm . a descrição do domingo que litúrgico para serem lidos os quatro evangelhos estamos vivendo. temos os anos litúrgicos A. Marcos e do sexto capítulo do evangelho de S. B e calendário do Ano Litúrgico. meditamos à luz do evangelho de S.. Será consecutivos serão o A e B. Assim sendo. considerando ainda. tempos festivos de Natal e Páscoa. É tempo de a Igreja continuar a obra de Cristo nas lutas e nos trabalhos pelo Reino. é lido em todos os três anos nos Na Páscoa vivemos o mistério da redenção. No ano litúrgico A. A. Os grandes e os vim para que todos tenham vida e a tenham em pequenos no plenitude” – Jo 10. João. isto é. determinou que o fizéssemos em três Pascal. o mistério da número seja divisível por 3 é o ano C e os novidade de vida em Cristo ressuscitado. e fazem perceber o tempo. 2000. desabroche. Comum ou 3º Domingo do Tempo C. Por fim. litúrgico C. 132) Cristo no tempo da Igreja. que cresce à medida em que vivemos o mistério do acontecimentos são percebidos "O Tempo comum não é tempo vazio. No ano B.. pois este tem a mesma finalidade da O Tempo Comum nos leva a valorizar o vinda do Senhor Jesus: dar-nos a vida eterna (“Eu tempo que Deus nos concede. evangelho." (CNBB Documento 43. acompanhar a celebração. Beckhäuser. 20 Fontes: Celebrar a vida cristã. chamado de quarto através dos tempos. Site: www. nasça. litúrgico A. adquirida no momento de tempo e. já que 2010 é divisível por 3.as solenidades. Cristo quer encarnar-se cada dia Lucas. e fecundada pelo dom do Espírito de Pentecostes germine. 9ª ed. Marcos. os acontecimentos nos nosso batismo.org.. Mateus. encontra-se no alto da que não há tempo suficiente em apenas um ano primeira página. no ano C. Em 2011 estaremos vivendo o ano quando renovamos as promessas batismais. Todo ano cujo da morte e ressurreição de Cristo.auxiliadora. o ano Páscoa.10). É válido lembrar que no folheto de missa. João. por outro lado. graças à Ressurreição de Jesus. meditamos à luz do evangelho de S. distribuído nas Igrejas para que possamos O Concílio Vaticano II. Em 2010 vivemos o necessário que a semente lançada à terra na ano C. meditamos o Mistério do Cristo à luz do evangelho de S. por exemplo: 20º Domingo do (Mateus.Desta forma poderemos nos situar no anos. celebrando cada tempo litúrgico.. É importante que vivenciemos o ano litúrgico. Vozes. Lucas e João) nas missas de Tempo domingo.br/liturgia/anoliturgico. O evangelho de S.

em todo o Tempo Pascal. dos Santos Anjos. para distingui-lo da Quaresma. usa-se então a cor da festa). chamado "Gaudete". São elas:  O BRANCO .  O VERDE . no Tempo do Natal. na Sexta-Feira santa. mas à ressurreição. nas festas dos Apóstolos.É a cor da esperança. pois Advento é tempo de feliz expectativa e de esperança. num viver sóbrio. chamado aqui "Laetare".Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III CORES LITÚRGICAS Dizem respeito às vestes litúrgicas. e à toalha do ambão .  O ROXO . São João Evangelista. na Vigília Pascal do Sábado Santo. a alma pura. a alegria.  O VERMELHO .É símbolo de luto. o martírio. É a cor predominante da ressurreição. São João Batista. ambos domingos da alegria. e no 4º Domingo da Quaresma. nas festas e memória da Bemaventurada Virgem Maria. a paz.  O ROSA . em vez do roxo. Pode ser usado nas missas pelos mortos.Simboliza a penitência. o amor divino. como a Quaresma). Pode-se também usar nos ofícios e missas pelos mortos. Usa-se: na Quinta-feira Santa.  O PRETO .Simboliza o fogo. no Domingo de Pentecostes. nas festas dos santos (quando não mártires) e nas festas do Senhor (exceto as da Paixão). dando-se então ênfase não à dor.Simboliza a vitória. o sangue. Pode ser usado no 3º Domingo do Advento. mas nessas celebrações pode-se usar também o branco. no Natal. É usado: no Domingo de Ramos e da Paixão. e não de penitência. 21 . Usa-se no Tempo do Advento e da Quaresma. está havendo uma tendência a se usar o violeta. dos Santos mártires e dos Evangelistas.Simboliza também a alegria. (Quando no TC se celebra uma festa do Senhor ou dos santos. Usa-se no Tempo Comum. Cátedra de São Pedro e Conversão de São Paulo. (Quanto ao Advento. na festa de Todos os Santos.

Momento de Oração: Motivar os catequizandos a fazer preces espontâneas.  Conhecer os fundamentos da missa para melhor participar dela e vivenciá-la. 5.  Faça a oração do Credo e conclua com a Oração da Comunidade que podem ser espontâneas ou preparadas pelo catequista.  Faça a comparação do que se passa na leitura com a missa: (1) o encontro dos personagens com Jesus. Tornamo-nos um só corpo em Cristo. o ato penitencial. explicando a importância de cada momento: a procissão de entrada. o glória. Fazer a leitura do texto do Antigo Testamento.  Realizar uma procissão levando os objetos para compor a Mesa da Palavra: toalha branca. deste povo que Deus ama. a saudação do sacerdote. Ambientação: Arrumar as cadeiras em círculo. (3) os ensinamentos de Jesus.  Recordar com os catequizandos o que acontece no início da missa (acompanhar no folheto litúrgico). 13-34. Desenvolvimento do Tema:  Converse com os catequizandos para saber que vivência eles têm sobre a missa.. vela.  Explicar a missa parte por parte.  Despertar o desejo de participar da missa e entender os vários momentos da celebração. 22 . mesa c/toalha. (5) a alegria ao reconhecer Jesus Ressuscitado. Leitura utilizada: Lc 24. Atividades: Levar folheto da missa da próxima semana ou Liturgia Diária para ajudar os catequizandos na atividade. 13-34 e motive-os a conversar sobre os personagens do texto e o que se passa com eles. em especial sobre o que acontece no ambão e no altar – mostrar as duas partes principais da missa. da fraternidade e da partilha 2. 6. da pessoa do sacerdote. Bíblia.  Reconhecer a Eucaristia como sacramento do amor.4º ENCONTRO: MISSA – MESA DA PALAVRA 1.. através da Palavra. as flores e as velas acesas. Objetivo:  Despertar os catequizandos para o sentido da Santa Missa em nossa vida cristã. do altar e da Eucaristia.  Na missa cumprimos o importante papel de povo de Deus. desta união de fé e amor. do salmo e do Evangelho. precedido por um canto de Aclamação. a oração da Coleta. 4. 8. 3. a bíblia.. Conteúdo do Encontro:  A presença de Jesus na celebração da missa.  Cada catequizando faz parte desta comunhão.  Leia o texto bíblico Lc 24. flores.  Faça uma breve reflexão dos textos mostrando como se inter-relacionam (aproveitar a homilia do domingo anterior). imagens. Material utilizado: Providenciar o material da Mesa da Palavra. 7. o beijo no altar.  Escolher para a Liturgia da Palavra os textos do domingo que antecede o encontro. (2) o desânimo. (4) a refeição.

antes do rito penitencial. Entrada e saudação são dois elementos iniciais que se completam. introduzindo-lhes a mente no mistério do tempo litúrgico ou da festa. abrir a celebração. O sacerdote convida os fiéis à oração. Assim. Mas nela há momentos distintos. atos e omissões) juntamente com um pedido de intercessão à Igreja Triunfante e Militante: a chamada comunhão dos santos. e acompanhar a procissão do sacerdote e dos ministros. saudação do altar e do povo reunido. da própria vontade de Jesus de se encontrar com os Saudação do altar e do povo. desejando-lhe o é conhecer seu significado na vida da Igreja. e a comunhão do da família e na vida de cada cristão. na vida amor do Pai. participar da missa é assembléia. em isso. Mesmo quando não cantado. se o povo vier em procissão de outro lugar. Terminado o Ato Penitencial. E o melhor meio para participar da missa Trindade e saúda a assembléia. Na como dividi-la. Apenas quando ninguém da assembléia proclama o canto. convém que seja proclamado por alguém da assembléia. nas Solenidades Festas e Oração coleta. abre a celebração em nome da Santíssima par Jesus. Não há consciência e reconheçam os seus pecados. Normalmente a entrada é o canto que acompanha a entrada dos ministros. O Ato Penitencial é um convite que o o seu ritual. Liturgia Eucarística. por exemplo. A 23 . e compreender Espírito Santo. A assembléia homens de todos os tempos: "Tenho desejado está reunida em nome da Santíssima Trindade. não se realiza o rito penitencial. É composta de quatro momentos:     Ritos Iniciais. o próprio Celebrante o faz depois da saudação. Portanto. Assim.  Como celebramos? sacerdote faz para que todos façam um exame de A Celebração Eucarística é um todo. O ardentemente comer convosco esta Páscoa antes de Cristo está presente no símbolo do altar e na sofrer" (Lc 22. Por isso o Celebrante saúda o altar com responder positivamente ao convite de amor feito um beijo. a graça de Cristo. e os Ritos Finais Os ritos iniciais da Missa como a temos hoje são os seguintes: canto de entrada. O encerramento do rito de acolhimento ou de entrada é feito pela Oração da coleta.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA A Eucaristia é celebrada na missa. São João. A finalidade desse canto é abrir a celebração. todos nós somos pecadores. Deve-se dar O Ato Penitencial deve ser precedido do convite para a penitência. palavras. ato penitencial. Em seguida o povo é convidado a cantar ou recitar o Glória. mas resultado preferência aos cantos que traduzem o conteúdo da festa ou da ocasião. Por verdade. promover a união da assembléia. não é uma simples celebração humana. tende piedade de nós”.15). Liturgia da Palavra. Este convite deve ser feito pelo sacerdote e pode ser espontâneo ou seguir uma fórmula pré-estabelecida. O canto de entrada quer apresentar o tema do dia. Normalmente é cantado ou recitado nos Domingos fora do tempo do Advento e da Quaresma. O sacerdote pode ajudar a despertar a oração silenciosa através de algumas palavras. Os elementos como os temos hoje foram assim dispostos pela reforma do Vaticano II. nas solenidades e festas e em celebrações especiais mais solenes. e a assembléia conclui com um Amém! O Ato Penitencial pode ser substituído por outros ritos que tenham o mesmo caráter. Aqui é necessário que se deixe um tempo conveniente para a oração silenciosa dos fiéis. “ Senhor. da celebração. o sacerdote concede a absolvição. Trata-se de um reconhecimento de todo tipo de culpa (pensamentos. é importante conhecer o sentido de cada sua primeira epístola diz: “Aquele que disser que não momento e compreender sua finalidade no conjunto possui pecado é um mentiroso”. Glória.

Aconteceu que Cristo passou por entre Vistes o que fiz aos egípcios. consagrada. “uma vez que o próprio Cristo está continua a falar aos homens. obedecerdes a minha voz”. o normalmente três leituras na seguinte ordem: povo da herança. e se guardardes o seguinte: “Nunca a Igreja deixou de se reunir para minha aliança. a sua resposta será de Em seguida iniciamos a Liturgia da Palavra. Na Constituição Litúrgica do Vaticano II se lê pois. exigência é o fato de tê-lo libertado do Egito. A justificação dessa incluindo os Atos e o Apocalipse.3-8). Ex 24. celebrações com mais de três leituras. Há. Compreenderemos melhor a Liturgia louvor. mas não demorou que se opuseram a ele e o Jacó. e o Senhor o chamou do alto da No início. liturgia da Palavra se compõe essencialmente da Segue a proclamação dos Mandamentos e de outras leis que manifestavam a vontade de Deus. mensagem.28-30). Lc 4. nos fecharmos. A proclamação da 2) A resposta do povo – o povo de Israel Palavra de Deus se prolonga no confronto da homilia. unindo-se a ela e dando converter-se. no entanto. a primeira proclamação consta de um concluiu com o Sacrifício da Aliança (Cf. a reunir o seu povo disperso. Toda a terra é minha. a transmitir-lhes sua presente pela sua palavra. trecho do Antigo Testamento ou do Novo. acontecerá o que se deu na sinagoga de Nazaré. fim o encontro do povo de Israel com seu Deus se Assim. Aos Domingos e Festas poderá haver proposta. e Evangelhos. porém. Veio Moisés e comunicou-lhes as Desde os primeiros séculos do Cristianismo. Ele propõe quando se lêem as Sagradas Escrituras na igreja”. por sua vez. eis o que anunciarás aos filhos de Israel: expulsaram. subiu para Deus. descobre a Deus. proclamada na Liturgia da Palavra. renova continuamente a Aliança com seu 24 . disse”.27) e sereis um reino de sacerdotes e uma nação celebrando a Eucaristia” (nº 6). os sempre de novo uma aliança à assembléia reunida. como antigamente. Cartas do Novo Testamento. Hoje. Se ela não for conforme. a palavras que o Senhor lhe ordenara. Se descobrirem nas palavras do o seu assentimento através da aclamação: Amém! Senhor a sua grandeza.3-8). mas vós me se referia em todas as Escrituras' (Lc 24. como fala como quem tem poder. pedirão da que Deus renove neles as suas maravilhas (Cf. vós sereis o meu povo particular entre celebrar o mistério pascal: lendo 'tudo quanto a ele todos os povos. Agora. se obedecerdes a minha voz. se nos Deus havia libertado o povo de Israel do Egito para com ele fazer uma aliança no Sinai: “Moisés abrirmos a ela. E todo o povo Celebração Eucarística era precedida de leituras da respondeu a uma voz: 'Faremos tudo o que o Senhor Sagrada Escritura. ao passo que a segunda é tirada desses 1) A proposta de Deus – Deus faz uma últimos. colocou-se numa atitude de abertura para Deus. pois é ele mesmo que fala mensagem. trazido sob asas de águia para junto de mim. deverão e assim. Coloca. de Deus. a disse'” (Ex 19. se considerarmos o que nos ensina a A Palavra de Deus será de criação como no Sagrada Escritura: início do mundo e aos pés do Monte Sinai. pois porém. Pela proclamação de sua Palavra. fiéis reunidos em assembléia também são Esta. todos tinham os olhos fixos em montanha nestes termos: Eis o que dirás à família de Jesus. exceto os Vejamos os elementos: Evangelhos. Deus Ora. contempla e proclama sempre de novo e Terão que confrontar sua vida com a vontade cada vez mais as maravilhas operadas em seu favor. por exemplo a Vigília Pascal. Ne 9). uma condição: “se Antigo Testamento. escutando a Palavra e convidados a tomar uma atitude diante da Palavra de auxiliada pelas palavras da homilia. Se. Se se sentirem pequenos e fracos. Palavra. pelo Creio e pela própria vida a ela: “Faremos tudo o que o Senhor oração dos fiéis. Por proclamação da Palavra de Deus e da resposta da assembléia pela oração. Quer fazer daquele povo o seu povo.assembléia faz sua a oração. e como vos tenho eles e se retirou (Cf. A resposta de assentimento da assembléia se Dispôs-se a escutar a sua vontade. a conformar a expressa pelo canto de meditação.

Será normalmente o Aleluia com um verso do Igreja.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III Deus. Importante é fazer coincidir a aclamação com o Cabe ao sacerdote celebrante dirigir a momento em que o Livro dos Evangelhos é conduzido oração. quer. escutai a nossa prece!). Eis por que o Salmo Responsorial tem um súplicas e orações. Deus fala através da atitude orante do São Paulo recomenda a Timóteo “que se façam homem. pede forças para cumprir vontade de Deus. Toda da proclamação. porém. 1-2). através de Cristo. Toda a Liturgia da Palavra. invocação comum após a intenção proclamada A homilia explana a Palavra de Deus. seja por uma oração em silêncio (cf Instrução Geral nº 45-47). Livro do Catequista. para que tenhamos vida calma e correspondente. Celebrar a vida cristã. bem como recordar- quando se lêem as Sagradas Escrituras na Igreja e lhe as regras de fé antes de iniciar a celebração da quando a Igreja ora e salmodia. e preparar. a exemplo de Cristo. o Povo de salmo em resposta à primeira leitura. se não a considerarmos como simples povo a dar seu assentimento à Palavra de Deus leitura. comunidade local. para desertar neles a conversão que então se expressará através da profissão de fé. pelos poderes públicos e pela salvação do Evangelho fora do tempo da Quaresma e outra mundo. 7). pelos reis e por todos aqueles que têm Missa. dúvida. como. por meio de uma solenemente pelo Sacerdote ou Diácono para o lugar breve exortação e concluindo com uma súplica. de sua fraqueza. constitui como que “Faremos tudo conforme o Senhor disse e seremos mais uma Leitura. despertar os motivos de ação de graças. mas se crermos que é Cristo mesmo que fala ouvida nas leituras e na homilia. Nele. a assembléia fortifica sua fé. tirada do Livro dos Salmos. prolongada na (Senhor. Ed. ações de graças por todos os lugar privilegiado entre todos os demais cantos da homens. Era comum no Antigo Testamento que o povo desse O Canto que segue a primeira leitura é o sua resposta de louvor e de pedido à Palavra de Salmo Responsorial. Pois o que se aclama é o Cristo a assembléia exprime a sua súplica. com toda a piedade e honestidade” (1Tm Se o Salmo se refere à leitura que precedeu. A oração do Creio é rezada apenas nas missas Cristo.Vozes. Salmo. 9ª Ed. obedientes” (Ex 24. a Eucaristia. Não deve ser substituído por outro canto autoridade. pelos que sofrem qualquer dificuldade e pela aclamação correspondente durante a Quaresma. seja por uma presente no seu Evangelho. tranqüila. 112-113. ajuda os fiéis a confrontarem sua vida com a Palavra de Deus proclamada. 2. Fonte: Crescer em Comunhão. por exemplo. Vol. ou seja. É o canto ou a recitação de um Deus proclamada. Faz parte Israel aos pés do Monte Sinai. ou melhor aumenta sua esperança e intensifica o amor ao seu desencadear uma atitude sacrifical que brota. 2008 – p. da conversão. Ed. 2001 homilia. Frei A. isto é. Eucaristia” (Instrução Geral nº 43). que respondeu: integrante da Liturgia da Palavra. Beckhäuser. sem Deus. Vozes. da vontade de nos Consciente. no contexto da Eucaristia. a exemplo de conformarmos com a vontade do Pai. sem a interposição de algum canto ou elemento importante em toda Liturgia da Palavra. III. convidando os fiéis a rezar. Na Liturgia nunca se proclamam duas leituras A oração dos fiéis ou Oração universal é um seguidas. através da oração dos fiéis e da própria Liturgia Eucarística. São os cantos interlecionais. despertar a 25 . Só compreenderemos o alcance da Liturgia da dominicais e solenidades “tendo por objetivo levar o Palavra. Recordando as maravilhas operadas por Deus conversão. a Aclamação do Evangelho se refere ao que vai A comunidade pede pelas necessidades da seguir.

 Convidá-los a assumir um compromisso de não mais faltar às missas. através da Palavra. tradicionalmente chamada vinho). 7. 3.  Cada catequizando faz parte desta comunhão. 14-20.  Reconhecer a Eucaristia como sacramento do amor.5º ENCONTRO: MISSA – MESA DA EUCARISTIA 1. Conteúdo do Encontro:  A presença de Jesus na celebração da missa. Banquete. Atividades: Ajudar os catequizandos a refletirem sobre o texto bíblico e comparar com a missa.  Ler o texto bíblico Lc 22. e fazer a comparação com as palavras do sacerdote na missa. Leitura utilizada: Lucas 22. no altar e na Eucaristia – por isso a importância da missa e do amor que devemos ter por ela.  Conhecer os fundamentos da missa para melhor participar dela e vivenciá-la. nos ajudará a penetrar mais no sentido do 26 . da pessoa do sacerdote. 8. Material utilizado: Providenciar material para a mesa da Eucaristia. a consagração e a comunhão. 5. Tornamo-nos um só corpo em Cristo. do altar e da Eucaristia. 4. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA Liturgia Eucarística A Liturgia A Eucaristia como ação de graças nos levou Eucarística comporta três a refletir mais sobre a parte central da momentos: a apresentação das oferendas (pão e Celebração Eucarística. fraternidade e unidade.  Explicar que Jesus está presente na missa na pessoa do sacerdote. Objetivo:  Despertar os catequizandos para o sentido da Santa Missa em nossa vida cristã.  Explicar as partes da Liturgia Eucarística ajudando os a perceber o significado das orações e dos símbolos usados na celebração. cálice com suco de uva e pão e/ou arranjo com uvas e ramos de trigo. Desenvolvimento do Tema:  Reler o texto bíblico Lc 24. Momento de Oração: Rezar de mãos dadas a oração do Pai Nosso. da fraternidade e da partilha 2. Ceia fraterna e como Ceia do Senhor Nosso olhar se concentra no altar.  Realizar a procissão levando os objetos para compor a Mesa da Eucaristia. 6.  Na missa cumprimos o importante papel de povo de Deus.  Ao encerrar o encontro convidá-los a rezar o Pai Nosso de mãos dadas ao redor da mesa e repartir o pão e o suco de uva – voltando ao encontro anterior lembrar os gestos de partilha. 13-34 e reiniciar a comparação do ponto onde parou na Liturgia da Palavra. desta união de fé e amor. na Palavra proclamada. Ambientação: toalha branca. deste povo que Deus ama.  Despertar o desejo de participar da missa e entender os vários momentos da celebração.  Explicar a missa parte por parte. A reflexão da Eucaristia como mesa que nos alimenta: a Mesa da Eucaristia. 14-20. É a segunda Consagração.

enquanto ele depois o cálice. como Jesus o fez antes de ser céu e a terra. Ele prepara a terra. Mói o trigo. Durante a oração Eucarística repetem-se os gestos de vinho são símbolo daquilo que o homem é. há todo um processo ceia comum. saborear o fruto da videira. a vida. uma permuta entre o em forma de ceia. mas também o intercâmbio. na hora em que estes sinais adquirem o seu significado na Celebração Eucarística. a nossa ação. realiza-se mais fácil de perceber. No fundo. transforma-o em anunciareis a morte do Senhor até que Ele venha” massa. do jantar ou uma refeição fraterna significam a ação e o trabalho do homem. Através do para. Têm caráter simbólico Sangue seriam verdadeiramente comida e bebida não só no seu ser pão e vinho. Temos o altar. Realizamos a maior homenagem que podemos prestar a Deus por Cristo. com sua morte salvadora. com Deus e com os homens em Cristo. No simbolismo do pão e do vinho podemos encontrar três níveis de significação: a) Pão e vinho. Jo 6) e São Paulo. unida a Cristo. Para que o pão chegue a ser pão e o do Banquete Eucarístico. cuida. Na Última Ceia. Esta forma ele transmitiu à Igreja para que repetisse em memória de sua morte e ressurreição. de sua Paixão-Morte e Ressurreição. Não só a vida. b) Pão e vinho. distigüindo-o de uma vinho chegue a ser vinho. símbolo de nova vida e Vários são os elementos que lembram esta de toda a criação – simbolizam nossa vida ceia. cuida dela. com seu sangue da nova e eterna aliança. A Eucaristia é um agradecimento por excelência. o pão e o vinho exprimem a nossa vida. comerdes este pão e beberdes deste cálice. Quer partilhar com ele o que há de mais precioso. semeia. conservada por Deus. renova-se a aliança A ceia ou banquete é o sinal mais imediato. fá-la O banquete ou jantar tem por objetivo passar por todo um processo de fermentação exprimir uma atitude de festa. deseja fazêlo conviver. O sacerdote toma o pão e simbolizam a criação do homem. Representam nossa vida. portanto. colhe a uva. Assim. Cristo declara que seu Corpo e continua a criação de Deus. então. tornando a todos irmãos. conforme Cristo. mas tudo quanto é dado com a dúvida o pão e o vinho – comida e bebida – vida: a criação toda como obra de Deus. em que celebramos Cristo. Se aplicarmos agora a riqueza de sentido do banquete ou da ceia à Eucaristia. colhe. um serviço. a mesa do sacrifício cristão. si. realiza-se na maior amizade. o pão e o vinho com o mistério de sua Páscoa. banquete. em torno da qual se congrega a assembléia dos enquanto é criação de Deus. realiza-se uma união. mas no seu tornar- (cf.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III Ofertório ou da preparação das oferendas para o pois Cristo reconciliou a todos com o Pai e entre Sacrifício. comer. enquanto é dom de fiéis. Os elementos mais significativos são sem Deus. entregue. Comemoramos a Morte e Ressurreição de Cristo com tudo o que significam para nós. símbolo do que o homem cria – Cristo na Última Ceia. A Eucaristia celebra-se um verdadeiro intercâmbio. c) O pão e o vinho simbolizam Jesus Cristo. uma aliança. 26) planta a videira. na intimidade da vida divina. O pão e o apresentados em bandejas e cálices. descobriremos que a Celebração Eucarística é uma festa por excelência. aquilo que somos e o que fazemos relacionado com Cristo. Jesus relacionou o pão com seu Corpo dado. e o vinho com o Cálice do seu sangue que é derramado. em que ele mesmo se nos dá em alimento. que ele faz e possui através da sua ação criadora realiza-se um convívio. de união com Deus em Cristo e com os irmãos. com tudo o que somos e temos. Quem convida alguém para como colaborador na obra de Deus. uma permuta. um encontro. afirma: “Pois todas as vezes que desencadeado pelo homem. Se o pão e o vinho significam a nossa vida. 27 . um Abrangem não só o que o homem é. interpretando o significado se pão e vinho. entre Deus e os homens. e na Comunhão. Por isso. Cristo relacionou. para que finalmente chegue a ser pão. Realizamo-la em atitude de alegria. quer partilhar a vida com ele. Ele (1Cor 11.

antes da unidos a Cristo. No Antigo Testamento o Cordeiro a Jesus Cristo. nosso. em que Deus dá de si mesmo 28 . as nossas realizações. à intimidade do amor. fazer-nos um com Ele. os assume pela ação de graças por “Cordeiro de Deus. a sua ressurreição. segundo a Comunhão: a conversão a Deus e ao próximo. Cristo. o sacerdote Nosso e antes da comunhão. como rei e da imortalidade. ao passo Comunhão. assim preparados. a síntese final da própria à maior intimidade possível. rezando em silêncio: “Esta união águas e o novo povo de Deus nascido das águas do do Corpo e do Sangue de Jesus. esta é a minha filha muito amados. o nosso trabalho. ação de graças. lembra a redenção pelo sangue Após a fração do pão que precede o rito da e de modo particular a Paixão de Cristo.. Ela se dirige a todos os que se tornou-se símbolo de libertação e vida de um povo inseriram na atitude de Cristo: “Este é o meu quando aspergiram os umbrais das portas com o filho. identificar- simbolizar nos com Ele. Deus os aceita em Cristo. O vinho. com Cristo e em Cristo. Páscoa. a Cristo no dia do seu batismo e no Monte Tabor que tira os pecados do mundo”. Mas esta palavra não se restringe Escrituras. que podem Quando. A palavra dirigida tende piedade de nós”. à intimidade do Oração Eucarística. um Cristo alimento. o Cristo e Senhor Batismo. Podemos dizer que no mistério nós Comunhão. eles levam a nossa do mesmo Pai. celebrando a tenho posto minha complacência”. É na atitude do Pai nosso. garantia orientação ao Senhor e Criador. Não só os aceita.então o rito da preparação das oferendas é de conseqüentemente como grande importância. que tirais o pecado do mundo. Vendo nossa generosidade. mas os Em todas as missas cantamos ou recitamos transforma. que se vida. representantes da assembléia Nessa linha do Pai nosso. no O cordeiro um símbolo considerarmos as cheio de momento em que Cristo se torna presente pela significados. o rito da paz. Deus nos convida como que uma resposta. mas o Cristo morto e Vendo a disposição do homem. que vamos receber nos sirva para a vida Assim como as gotas de água colocadas no eterna”. as famílias dos hebreus comiam o cordeiro A seguir. assim dispostos se é Sagradas pascal em comemoração à libertação do Egito. banquete. celebra não o Cristo morto.. o Celebrante coloca uma partícula da que a água traz à mente o povo de Deus salvo das hóstia no cálice. pois só quem for capaz nos colocamos com Cristo sobre o altar para de viver a paz com o irmão pode participar da sermos transformados em Cristo e por Cristo mesa do mesmo Pai. após a Oração Eucarística e o Pai- Ao preparar as oferendas. irmãos. e “Eis o Cordeiro de Deus. podem aclamar: o Pai Nosso. no Sacrifício da memorial da morte de Jesus Cristo é feita para Missão nós devemos entrar em Cristo. transformando esta relação todos ao Pai como filhos. dos filhos e filhas levam as oferendas ao altar. E cada ano. participar da mesma mesa. Sagrada Escritura. alimento para a vida eterna. são assumidas pelo A união dos dois elementos separados pelo vinho. Por isso. amam e se perdoam é de importância. vinho somem totalmente. renova-se em cada celebração Eucarística. pois. e reconciliados. A Eucaristia sua ressuscitado. pão vivo descido dos céus. expressar por um gesto de união e de amor o que Sabemos que os judeus usavam o vinho misturado se realizou na oração comum e se há de com água na celebração da Páscoa. A oração fala de um Cristo vivo sacerdote da criação com tudo o que é e possui que é Senhor nosso. os cristãos desejam deposita um pouco de água no cálice com vinho. e num comércio santo. nos quais sangue do cordeiro. que torna todos irmãos. sermos apresentados ao Pai. gesto com manifestar ainda mais profundamente na hora da certeza praticado por Jesus. à intimidade da orientados comunhão de vida. um Cristo representados pelo símbolo do pão e do vinho. transformadas em vinho.

Após esta oração e antes dos ritos pois ele nos deve acompanhar ou. a Eucaristia continua. nós devemos ser finais é o momento apropriado para avisos a presença dele no mundo. 2008 – p. A Oração missão a cumprir”. de paz. tendes uma saudação. 9ª Ed. ele mesmo é o alimento. serve de conclusão do rito de com os irmãos. Deus nos faz participar de Portanto. Vozes.Vozes. O presidente dá a benção e envia os fiéis para continuar a Eucaristia em suas vidas. Fonte: Crescer em Comunhão. Ritos Finais Após a oração pós-comunhão. 2001 29 . Comunhão. paroquiais. Na forma original: “Ide. em união. Ed. Livro do Catequista. Ed. de vida. pois a comunidade sua mesa.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III em alimento. iniciam os Ritos Finais. Celebrar a vida cristã. mesa de alegria. Frei A. No fim de cada missa o Sacerdote ou o Diácono diz: “Vamos em paz e o Senhor nos A Celebração Eucarística se encerra com a acompanhe”. Beckhäuser. Missão de paz com Cristo e depois da comunhão. a benção e a despedida. ele nos faz participar da sua imortalidade. 112-1113. onde celebrante parte em missão. uma missão de viver com o Senhor. III. Vol.

 Converse sobre as maravilhas criadas. 30 .. 15-17 para que possam perceber que apesar de não ser possível provar podemos dar razões de nossa fé – ou seja podemos com a nossa própria vida explicar porque acreditamos em Deus. do corpo humano. Objetivo:  Conhecer o símbolo dos apóstolos. TodoPoderoso e Criador. Refletir sobre que imagem de Deus nós temos. Conteúdo do Encontro:  Trabalhar os termos credo..  Conscientizar que o cristão que foi batizado professa sua fé no Deus Verdadeiro. do universo. nossa visão.  Agora pergunte que imagem têm de Deus – quem é Deus para eles. Desenvolvimento do Tema:  Converse com os catequizandos sobre questões que aceitamos como verdades para mostrar que crer faz parte de nossa vida. como funcionam. o DNA...  A oração do credo é rezada em especial na missa e no início do terço. as descobertas dos cientistas.  Exemplos de questões: o O homem foi para a lua.. da Igreja (CIC 166-169). não questionamos! Mas quando o assunto é religião ficamos cheios de porquês! As pessoas acreditam em muitas coisas.. Aceitamos muitas coisas como verdades..  Convide-os a ler Hb 11. 1-12 e 1Pd 3. o funcionamento do cérebro. gerando em nós uma comunhão com os irmãos e com a Santíssima Trindade. símbolo dos apóstolos.  Comparar e explicar os dois – indicando as semelhanças – usar a apostila.  Recordar a criação do mundo que é o começo e o fundamento de todas as obras de Deus. Por causa disso. quanto mais os cientistas nos revelam suas descobertas mais percebemos que seria difícil existir tanta perfeição sem que o autor fosse Deus. mas com facilidade duvidam da Palavra de Deus. culturas e ritos. muitas vezes sem provas.  Mostrar nossa profissão de fé no Deus único.6º ENCONTRO: INTRODUÇÃO AO CREDO – CREIO EM DEUS PAI 1.. profissão de fé. 3. certo? Como sabemos que é verdade? o A terra gira em torno do Sol? Como podemos ter certeza? o Quando doente você foi ao médico e ele lhe deu remédios. isto é.  Com o texto da apostila: explicar que a fé é um ato pessoal (Deus nos fez livres para acreditar ou não) – mas é também um ato eclesial. 2.. na qual é a expressão da estrutura e profissão de fé cristã. desde os primeiros séculos a Igreja adotou uma fórmula para que todos os cristãos em todas as partes do mundo usassem uma linguagem comum para exprimir a sua fé – daí nasceu a oração do Credo ou Símbolo dos Apóstolos.. você tomou? Como pode ter certeza de que ele não estava lhe dando um veneno?  Explore a relação em acreditar nestas e em outras questões e na Palavra de Deus.  A Igreja é formada por pessoas de diferentes línguas. a perfeição da natureza. apresentando os seus atributos de Pai..  Esta oração apresenta as verdades que cremos.

 Explicar o que isto significa dizer que: Deus está na origem de tudo. 15-17. 1-12 e 1Pd 3.  Discutir as respostas eliminando do quadro as respostas incorretas. 6. transcendente. mas aumenta a minha fé! Catequizando: Creio em Deus. todas as coisas que acontecem são do conhecimento Dele. 5. Material utilizado: figuras representando Deus (Deus-castigo e Deus-amor). Catequizando: Creio que Deus está presente em todos os lugares ao mesmo tempo. eu Creio. é paciente. flores. Ambientação: Arrumar as cadeiras em círculo.  Descobrir como é o Deus que está no coração dos seus catequizandos – com quem Ele se parece? 4. pois foi Ele quem deu inteligência para o ser humano. é misericordioso. 31 . Catequizando: Creio que as verdades de nossa fé. é verdade. Catequizando: Creio que Deus é eterno – Nunca houve nem haverá um tempo. perfeito e santo. eterno. Catequizando: Creio que Deus sabe tudo. Todos ao redor da vela acesa (se achar difícil mantêla acesa durante todo o encontro acendê-la somente no momento da oração)  Catequista: A luz da vela é o símbolo da fé (está presente na missa.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III  Pedir que fechem as apostilas e faça uma tempestade de idéias formulando perguntas usando o texto da apostila sobre as características de Deus – onisciente. Leitura utilizada: Hb 11. nos sacramentos. é compassivo. imutável. como criador de tudo o que existe. afirmamos que somos pessoas que acreditam em Deus e em seus ensinamentos: Catequizandos: (cada um lê o seu) e todos respondem: Todos: Senhor. vamos fazer a nossa profissão de fé. no sacrário). 7. Ele nos criou à sua imagem e semelhança.  Discutir as qualidades de Deus: é bom. Catequizando: Creio que as coisas extraordinárias que o homem descobre pela ciência revelam a bondade e o poder de Deus. Momento de Oração:  Distribuir as frases entre os catequizandos. Ele não está limitado ao tempo humano. trino. onipresente. também é obra de Deus. Catequizando: Creio que Jesus Cristo veio ao mundo para nos salvar. Catequizando: Creio que a ciência.  Tudo o que os catequizandos responderem será escrito no quadro. que nos ama e nos quer felizes. Catequizando: Creio que Deus criou todas as coisas que existem no mundo. imagem e uma vela acesa.. a busca da verdade pelo estudo. mesa com toalha. é amor. Catequizando: Creio que Jesus Cristo é o filho de Deus que veio ao mundo revelar o amor do Pai. Catequizando: Creio que Deus tem autoridade total sobre todas as coisas e sobre todas as criaturas. em que Deus não existisse ou que não existirá. onipotente. nem no passado nem no futuro. Com a ajuda do símbolo da fé. 8. foram transmitidas por dois mil anos e que muitas pessoas deram a vida em nome desta fé. Atividades: Acompanhar e orientar as atividades. é fiel e é justo.

em primeiro lugar. mostrando a sua que nos é dito pelas pessoas. relações pessoais gira em torno da crença que Eles ocorreram no povo da Antiga Aliança. move nosso coração e converte-o. é um dom de Essas perguntas são feitas por muitas Deus. nem nossa liberdade.APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA O ser humano sente dentro de si uma Assim é também com Deus e a fé que n'Ele profunda sede do Infinito.nós simplesmente acreditamos é digna de fé. não poderíamos pessoas em nosso tempo.1). é uma enganar-nos.559). ) se impõe a si mesmo. Não comprovamos tudo na Nova Aliança. na vida o que nos dizem. depositamos nas pessoas. p. DV 5). dizendo seu humana? Como podemos saber se Deus é ou não "sim" a tudo o que Ele disse e fez (cf. Deus os precisamos estudar todo o curso de medicina para realiza não para mostrar seu poder. cremos em nossos pais quando nos contam nossa história. O Espírito Santo ilumina nosso não se pode comprovar. mas Deus quis se utilizar de campo das relações humanas não é contrário à meios externos para comprová-la a fim de que nós nossa própria dignidade crer no que outras pudéssemos ter segurança no nosso crer. 2000. e não uma doutrina completamente nelas. " (Schneider. Pela fé o homem livremente se Mas como poderíamos saber com certeza se entrega o conteúdo da revelação é pura invenção da mente inteiramente ao Deus que se revela. 552 . nem para comprovarmos a veracidade das palavras do fazer um espetáculo. Deus até o laboratório e verificar que Ele é Amor. Quando pessoas nos dizem . Deus nunca.. cristãos. menos ainda podemos acontecem porque Deus quer comprovar sua penetrar no interior das pessoas para saber se doutrina. "Deus ( . certeza a respeito do que não se vê. 32 . cremos no pela nossa razão. Os milagres são ou não mentirosas. Eicher. ser.. que se questionam sobre conhecer e nem sequer perceber a presença de a validade de crer ou não em Deus. nem muito menos para médico." (Hb 11. Os seres humanos verdadeira face. Ele garante-nos provas que acreditamos em nossos semelhantes. p.. maluca.. podemos dar muito mais provoca em nós essa sede. que preenche nossa vida. Muitos alegam Deus se não fosse Ele mesmo quem nos inspirasse que a hipótese de Deus existir não é válida porque e nos conduzisse. se faz experienciar perante Um dos meios externos dos quais Deus se utiliza são os milagres. Confiamos n'Ele Deus. (CIC 156). É Deus mesmo quem depositamos. mas é também um ato humano. 55). Não poderíamos crer.. nossa inteligência. Alias. ao mesmo tempo em crédito àquilo que Deus nos revela do que aquilo que vem ao nosso encontro. aderindo ser provado cientificamente. Como resposta a essa ação de podem enganar-se. CIC 156. em especial com Jesus. cremos em isto nossos amigos quando nos revelam seus segredos e testemunhas .. um belo engano da humanidade? Essa fé. DV 5). "Já no A fé é dom. Na verdade nós. nem muito menos podemos refazer todas agradar aqueles que querem exigir de Deus uma as experiências científicas para comprovar que resposta mágica para seus problemas. abre nossos sabemos que o conteúdo da Revelação não pode olhos a fim de que vejamos e aceitemos. A maioria das nossas é. cientista que nos expõe suas teorias. " (CIC 154). 1993. A fé é dom de Deus. temos a fé. porque isso seria impossível! Não dos santos e santas e ocorrem ainda hoje. Crer em Deus é confiar n'Ele não diminui porque crer nisso é dom de Deus e não fruto dos esforços humanos. porque Ele não pode nem enganar-se e nem "A fé é o fundamento da esperança. inventada pelos homens (cf. Ninguém pode levar à verdade que nos foi revelada (cf. suas intenções. Cremos no tornam o conteúdo da revelação digno e ser aceito médico que nos dá seu diagnóstico. porque ele quer garantir que a revelação são sinceras . Com freqüência Deus se revela.

A fé. tanto como dom de Deus quanto como Tiago. Porque é que a fé é um ato pessoal e ao Tradição Apostólica. mediante 31. juntamente com outros. transmitida ou escrita. enquanto resposta livre do homem a Deus de salvação. ela. auxiliar na resposta às questões que a ciência não Os mártires não são "malucos desvairados". Deus jamais nos deixará de iluminar com seu "A fé é certa. ao pessoas de diferentes línguas. O que são os Símbolos da Fé? (185-188 – 192. Ninguém morre por uma mentira.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III Para nos ajudar a comprovar a credibilidade incoerente com a ciência. Vol e capaz de crer. Porque é que a profissão de fé começa com “Creio em Deus”? (198-199) – Porque a afirmação 32. mesmo tempo eclesial? (166-169) – A fé é um ato Filho e Espírito Santo – e manifesta uma única via pessoal. GS 36). De fato. Fé e ciência não se consegue responder (cf. professa. linguagem normativa e comum a todos os fiéis. capazes de doar toda sua vida. com a graça do Espírito Santo. Eles não podiam intensa de oração. 33. esclarecendo as dificuldades negar tal fato. Eles de fato tinham certeza de sua em Deus. inclusive pagando o A verdade científica pode ajudar a esclarecer caro preço do martírio a fim de não negar suas pontos obscuros da fé. pode estar em desarmonia com a razão. 2002 – p. mas complementam-se mutuamente. precede. Tomé e os demais apóstolos sabiam que ato tinham visto e comprovado que Jesus havia alimentá-la com a Palavra de Deus e com uma vida ressuscitado dentre os mortos. mais certa do que qualquer conhecimento humano" (CIC 157). Porque é que as fórmulas da fé são as quais a Igreja. fé e ciência se III. Pedro. é a Igreja que crê: deste modo. De que maneira a fé da Igreja é uma só? “Creio em Deus” é a mais importante. Vozes. Jo 16. assimilar. Não faltam pessoas que negam a veracidade da Revelação afirmando que ela seria O QUE O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA FALA SOBRE O TEMA: 30. num só que se revela. 197) – São fórmulas articuladas. exprimiu importantes? (170-171) – As fórmulas da fé são resumidamente e transmitiu a própria fé. nós acreditamos. Por isso. as verdades da fé. tudo o que está contido eclesial. mundo e à nossa vida de crentes n’Ele. celebrar e partilhar. 36. utilizando uma linguagem comum. culturas e ritos. numa importantes porque permitem exprimir. Livro do Catequista. Mas é ao mesmo tempo um ato coração e numa só alma. fé. e nos é cremos”. também chamadas “profissões de fé” ou “Credo”. a única fé. alguns dos da fé temos também uma imensa "nuvem de grandes cientistas da história acreditavam e testemunhas" (Hb 12. Porém. a fonte das (172-175) – A Igreja. complementam. Porque professamos um só Deus? (200-202) – Porque Ele se revelou ao povo de Israel como o 33 . que se exprime na confissão: “Nós na Palavra de Deus. proposto pela Igreja como divinamente revelado. ela não humano. Por isso a Igreja é Mãe e Mestra. desde as suas origens. 32-34. que nos ensina "toda a verdade" (cf. Devemos Santo Espírito. Portanto. É o mesmo Deus quem criou o ser humano capaz de raciocinar Fonte: Crescer em Comunhão. embora formada por outras verdades respeitantes ao homem. bem como a fé pode convicções.1) a nos cercar .são os acreditam homens e mulheres que acreditaram e foram contradizem. unânime e a uma só voz. pois era a verdade. Assim. Por isso.13). deve ser cultivada. Professa um só Deus – Pai. gera e nutre a fé do indivíduo. recebida dum só Senhor e transmitida pela única 37. Ed. Por isso que se nos apresentam com a confiança de que morreram.

criados às outras: o Pai gera o Filho. As três 227. Elas são realmente distintas adversidades. Professar que Jesus e o da sua substância” (Heb1. e universal. ser conhecido só pela razão humana? (237) – 50. Mas no único agir divino. Por isso a Igreja dirige a 46. não introduz nenhuma divisão no Deus Uno. Ele é Deus. 48. viver em delas é idêntica à plenitude da única e indivisível ação de graças.4). cada Filho e do Espírito Santo. 26).22). (Jo 3. no seu seio. O mistério da Santíssima Trindade pode próprio na Trindade. o Espírito Santo procede do Pai e do Filho. completa e gratuitamente. “resplendor da sua glória.16-17). O que implica crer em um só Deus? (222- Pessoas: Pai e Filho e Espírito Santo. e imagem Senhor” (Mc 12. 267) – Inseparáveis na sua única cristã? (232-237) – O mistério central da fé e da substância. Aquele para quem “nada é do seu Ser como Trindade Santa constitui um impossível” mistério inacessível à razão humana sozinha. o Único. Quem é o Espírito Santo que Jesus Cristo nos revelou? (243-248) – É a terceira Pessoa da 42. Como é que a Igreja exprime a sua fé trinitária? (249-256. antes da Encarnação do do mundo a partir do nada e na criação do homem Filho de Deus e do envio do Espírito Santo. “é amor” (1 Jo 4. no dom da adoção filial de todos os outros mistérios. em Si mesmo. e no perdão dos pecados. De que maneira Deus revela que é amor? Santíssima Trindade. Tal por amor. 49. porque cada uma conhecer a sua grandeza e majestade. O que nos revela Jesus Cristo sobre o mistério do Pai? (240-242) – Jesus Cristo revela-nos que Deus é “Pai”. 8-10). mas sobretudo na Encarnação e na mistério foi revelado por Jesus Cristo e é a fonte Ressurreição do Seu Filho. o Espírito mundo que lhe deu o seu próprio Filho unigênito. Ele. O porque. reconhecer a unidade e Ele criadas. “que tanto amou o Enviado pelo Pai e pelo Filho encarnado. pelas relações que as referenciam umas verdadeira dignidade de todos os homens. quando disse: “Escuta Israel. E procede também do Filho (Filioque). que próprio Jesus o confirmou: Deus é “o único é o seu Verbo. que tem um amor mais forte que o pai ou a mãe princípio sem princípio. Santo conduz a Igreja “ao conhecimento da para que o mundo seja salvo por seu intermédio” Verdade total” (Jo 16. Qual é o mistério central da fé e da vida (257-260. Enviando o seu Filho e o Espírito Santo. Ele “procede do Pai” (Jo 15. 13). é a origem de toda a vida pelos seus filhos ou o esposo pela sua esposa. Deus revela que Ele próprio é eterna permuta de amor. 3). o Filho é gerado pelo à imagem de Deus. gera eternamente o Filho. “Deus A sua onipotência onipotente (“Omipotens sempiterne Deus”). 266) – A Igreja exprime a sua fé trinitária confessando um só Deus em três 43. trinitária. e manifesta-se na criação mesmo à fé de Israel. 229) – Crer em Deus. Espírito Santo são também eles Deus e Senhor. e é eterno” . Pessoa está presente segundo o modo que lhe é 45.16).29). o qual. que se dá pelo dom eterno que o Pai faz de Si ao Filho. confiar sempre n’Ele. a entre si. misteriosa. 47. mas a intimidade Potente” (Sal 24. até nas natureza divina. o Senhor é Criador do universo e do homem. o criação e no Antigo Testamento. as Pessoas divinas são inseparáveis vida cristã é o mistério da Santíssima Trindade. usar retamente as coisas por Pai. uno e igual ao Pai (218-221) – Deus revela-se a Israel como Aquele e ao Filho. também no seu operar: a Trindade tem uma só e Os cristãos são batizados no nome do Pai e do mesma operação.8. não só enquanto é 34 sua oração (Lc ao 1. implica: Pessoas divinas são um só Deus. Como operam as três Pessoas divinas? 44. O que significa que Deus é onipotente? Deus deixou alguns traços do seu ser trinitário na (268-278) – Deus revelou-se como “o Forte.37). “não há outros” (Is 45. mas sobretudo um só” (Dt 6.Único.

dá às criaturas a dignidade de agirem por amor onipotente e sapiente de Deus. a morte do Seu Filho. Ele retirou de agir.28). ainda que a obra da criação do mundo seja particularmente atribuída ao Pai. 400) – A 53. nem diretamente nem verdade e beleza. em Cristo. só 319) – O mundo foi criado para a glória de Deus. é o início da história da salvação que culmina em Cristo. manifesta o tempo. 57. a glorificação de Cristo e a nossa do seu Filho e do Espírito Santo. Deus é o autor soberano do seu desígnio. 56. Porque é que Deus permite o mal? (311- o produto duma necessidade. Ao mesmo todos os projetos divinos de salvação.va) 35 . Porque é importante afirmar: “No princípio chamou. por meio os bens maiores. Como é que Deus criou o universo? (295301 – 317-320) – Deus criou o universo mal moral que é o pecado dos homens e que é a raiz dos outros males. o Filho e o Espírito Santo são o princípio único segundo os seus benévolos desígnios” (Filp 2. Quem criou o mundo? (290-292. Deus criou “do nada” ( ex nihilo: 2Mac permitiria o mal se do próprio mal não extraísse o 7. esta pergunta. criou Deus o céu e a terra” (Gn 1. é uma primeira resposta às questões fundamentais do homem acerca da sua própria origem e do seu fim. passo para a Aliança do Deus único com o seu povo.324) – A fé dá-nos a certeza de que Deus não do acaso.vatican. o conjunto da fé cristã pode dar resposta. a causa do mal. Deus realizou admiravelmente isso mesmo na transcende infinitamente. à qual Ele as Fonte: Compêndio do Catecismo da Igreja Católica (Site: www. tão dolorosa quanto misteriosa.1)? (279- Mas para a realização do mesmo serve-se também 289. 324. 315) – Porque a Criação é o fundamento de da cooperação das suas criaturas. 316) – O sofrimentos. 321) – A Providência divina consiste nas disposições com as quais Deus conduz as suas criaturas para a perfeição última. das suas orações e mesmo com os seus 52. morreu e ressuscitou para vencer aquele grande 54. Em que consiste a Providência divina? (302306. de serem causas umas das outras. a colaboração através das suas ações. 55. que Ele bem. redenção. do sua criação e sustenta-a.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 51. é o primeiro si mesmas. Deus que quis manifestar e comunicar a sua bondade. Deus conserva no ser a morte e ressurreição de Cristo: com efeito. livremente. suscitando nele “o querer e o operar Pai.28) um mundo ordenado e bom. Como é que o homem colabora com a Providência divina? (307-308. Ele ilumina o Deus. O fim último da criação é que indiretamente. dando-lhe a capacidade maior mal moral. com sabedoria e amor. não é de maneira nenhuma. que 15.13). e conduzindo-a à sua realização. respeitando a sua liberdade.323) – Ao homem. e indivisível do mundo. Deus concede e requer. Se Deus é onipotente e providente porque é que existe o mal? (309-310. dum destino cego ou 314. possa ser “tudo em todos” (1 Cor mistério do mal no seu Filho Jesus Cristo. Para que foi criado o mundo? (293-294. O mundo não é 58. para a sua glória e para a nossa felicidade.

nasceu da Virgem Maria (CIC 456-478/484-507) c. a. vela. Foi concebido pelo poder do Espírito Santo.  Mostrar que o Espírito Santo se faz presente no nosso dia-a-dia. mesa com toalha. Leitura utilizada: Lc 3. 2. Jesus é Filho único de Deus (CIC 430-451) b.  Fortalecer a fé no Espírito Santo reconhecendo-o no cotidiano da vida. 7 5. 4.  Encerrar com a Profissão de Fé (Credo) 36 . um caminho que conduz a uma vida feliz com Deus. Leia o texto calmamente). a salvação dada a todas as pessoas e a vida eterna. flores e imagem. Desceu aos infernos (CIC 632-635) f. Donde há de vir julgar os vivos e os mortos (CIC 668-679)  Ler o texto da apostila sobre o Espírito Santo e conversar sobre o que já conhecem: h.  Mostrar que Jesus nos ensina o caminho que nos leva ao Pai. que veio ao mundo e viveu com as pessoas de seu tempo. Ambientação: Arrumar as cadeiras em círculo. 5. 7. 22. 8. Creio no Espírito Santo (687-688) (se quiser pode aprofundar até o 741). Momento de Oração:  Invocar o Espírito Santo  Ler 1Jo4. Mt 17.  Com Jesus temos o perdão dos pecados. Padeceu sob Pôncio Pilatos (CIC 571-573 / 595-618) d. Objetivo:  Reconhecer Jesus Cristo presente na sua vida diária. Ressuscitou ao terceiro dia e subiu aos céus (CIC 638-655) g. 3. Atividades: Fazer as atividades da apostila junto com os catequizandos.  Apresentar o Espírito Santo como luz para andar na direção de Deus. 6. Conteúdo do Encontro:  Mostrar o significado do nome Jesus Cristo.  Pedir que leiam o versículo que mais gostaram e comentem. verdadeiro Deus e verdadeiro Homem. Foi sepultado (CIC 624-628) e. Rm 5. Material utilizado: Apostila e Bíblia. 7-16 (de preferência coloque uma música instrumental e peça aos catequizandos que fechem os olhos. Desenvolvimento do Tema:  Fazer a leitura do texto da apostila e conversar sobre o que conhecem sobre Jesus.7º ENCONTRO – CREIO EM JESUS CRISTO E NO ESPÍRITO SANTO 1. com fé e amor por Ele que tanto nos ama. CD com música instrumental para o momento de oração.

23). consubstancial ao Pai”. precisando porém o seu sentido: “descido do céu” ( Jo fez-se verdadeiramente homem. momento do Batismo e da Transfiguração. Que significa a palavra “Encarnação”? (461-463) significa “Deus salva”. perfeito na sua divindade e perfeito na sua Deus”? (441-445) – No sentido único e perfeito. segundo a divindade e. não criado. sobretudo com a sua Ressurreição. para nos tornar “participantes da 81.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA “E EM JESUS CRISTO. Ele é o Senhor do mundo e da história. 85. a voz do Pai composto de alma racional e de corpo. nosso irmão. ou seja: para nos plenamente os desígnios eternos que Ele viera revelar. Penetrava igualmente Virgem Maria pelo poder do Espírito Santo. sobre os demônios. Exprime a sua identidade e a sua – A Igreja chama “Encarnação” ao mistério da admirável missão.28). o debaixo do céu outro Nome dado aos homens pelo qual Filho de Deus fez-se “carne” ( Jo 1. mas estão unidas na Pessoa do Verbo. Pai pela sua divindade. na unidade da sua Pessoa divina. a honra e a divina. O Filho de Deus feito homem tinha uma alma Deus “deu-Lhe o Nome que está acima de todos os nomes” (Fil 2. Deus. o Filho de ao mundo pelo Pai. Que ensina acerca disto o Concílio de Calcedônia (Mt 20. Porque é que o Filho de Deus se fez homem? como homem. sem com 3. Ele. Jesus afirma a Sua relação única e pecado” (Heb 4. consubstancial ao designa predileto”. consubstancial a nós pela Apresentando-se a Si mesmo como o Filho que “conhece humanidade. Sua glória. O que significa o título “Senhor”? (446-451) – Na Encarnação? (464-469) – Exprime-o afirmando que Bíblia. “em tudo semelhante a nós. nosso Senhor. por causa os pensamentos secretos dos homens e conhecia de nós homens e para nossa salvação. Como é que a Igreja exprime do mistério da 84. confundem. para ser o nosso modelo NOSSO SENHOR” de santidade. 440) – “Cristo” em grego. a divina e a humana. o nome “Jesus” 86. Que significa o nome “Jesus”? (430-435) – Dado natureza divina” (2 Ped 1. com um conhecimento humano? (470-474) – O Filho de Deus assumiu um corpo animado por uma alma racional humana. Mas também. Pedro afirma que “não existe Pessoa divina do Verbo. que é “gerado. que age através da natureza humana assumida. o único a quem o homem deve submeter completamente a própria liberdade pessoal. É o por nós homens e para nossa salvação. 4).21). como de Unigênito do Pai” (Jo 1. Em que sentido Jesus é o “Filho Unigênito de Cristo. a segunda Pessoa da Trindade. nestes últimos tempos. na humanidade de Jesus. que se não soberania divina através do poder sobre a natureza. gerado pelo Pai antes de todos os eterna com Deus Seu Pai. reconciliar a nós pecadores com Deus. Para realizar a nossa salvação. Jesus atribui-o a si mesmo e revela a sua habitualmente com duas naturezas. A fé na Encarnação é o sinal 82.9).14) tornando-se possamos ser salvos” (Act 4. enviado homem. Ele é “o Filho Unigênito de séculos. ungido pelo Espírito Santo para a missão inseparavelmente. Porque é que Jesus é chamado “Cristo”? (436- distintivo da fé cristã. redentora. o Filho de Deus tinha um conhecimento (456-460) – O Filho de Deus encarnou no seio da íntimo e imediato de Deus seu Pai. Jesus este como título seu designa “Filho Deus Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem.O Concílio de Calcedônia ensina a confessar “um só e mesmo Filho.12). Sofredor “que dá a sua vida em resgate pela multidão” 88. Ele é o Servo isto deixar de ser Deus. Deus” (1 Jo 2. De que modo Jesus Cristo é verdadeiro Deus e significa “ungido”. No humanidade. nascido da centro da pregação apostólica: os Apóstolos viram “a Virgem Maria e Mãe de Deus. exceto no o Pai” (Mt 11. Jesus é o Cristo porque é consagrado verdadeiro por Deus. crucificado e depois ressuscitado. Com a sua inteligência humana. Jesus aprendeu muitas coisas através da experiência. “porque é Ele que salvará o seu povo dos seus união da natureza divina e da natureza humana na única pecados” (Mt 1. verdadeiro (ano 451)? (467) . nosso Senhor Jesus 83. Portanto. As primeiras sofrimento.13). Jesus aceitou o título de Messias. Do nome Cristo é que veio para nós o nome de cristãos. sobre o pecado e sobre a morte. glória devidas a Deus Pai são também devidas a Jesus: 90. tudo – milagres. “Messias” em hebraico. 87. verdadeiro Deus e verdadeiro homem.27). 89. SEU ÚNICO FILHO. 15). morte – deve ser atribuído à sua Pessoa confissões cristãs proclamam que o poder. Ele é o Messias esperado por Israel. pelo Anjo no momento da Anunciação. para nos fazer 37 . segundo a humanidade”. 14). verdadeiramente homem. conhecer o seu amor infinito. Soberano. homem? (464-467) verdadeiro Deus – e Jesus é.

ao lado do novo Adão. suas naturezas. Qual é a importância do Mistério pascal de Jesus? (571-573) – O Mistério pascal de Jesus. Virgem e Mãe. 38 (595-598) – A paixão e a morte de Jesus não podem ser imputadas indistintamente nem a todos os judeus então vivos. 96. Que significa a conceição virginal de Jesus? encarnado? (475) – Jesus tem uma vontade divina e (496-498) – Significa que Jesus foi concebido no seio uma vontade humana. A segundo a natureza divina. Maria foi preservada do pecado original desde a sua concepção. sobretudo se são cristãos. O Seu coração trespassado para nossa salvação Sagrada Escritura.”: o que Filho. 92. 35). pela graça de Deus e em previsão dos méritos de Jesus Cristo. Virgem razão. 118. o Filho de da Virgem apenas pelo poder do Espírito Santo. Agostinho). Maria entrega-se totalmente à Pessoa e obra do seu Filho Jesus. a morte de Jesus acontece “segundo as Escrituras”. disse-lhe o Anjo na Anunciação. Em que sentido Maria é “sempre Virgem”? (499- 477) – Cristo assumiu um verdadeiro corpo humano. que coopera com amor de mãe no seu nascimento e na sua formação na ordem da graça. Como colabora Maria no desígnio divino da salvação? (493-494) – Durante toda a sua existência. . Como se harmonizam as duas vontades do Verbo 98. ou melhor. Por esta concepção do seu Filho. dá livremente o seu assentimento com a “obediência da fé” (Rm 1. mas propriamente Filho de Deus nas relutância. 97. Maria conservou-se imune de todo o pecado pessoal. nem aos outros judeus que depois viveram no tempo e no espaço. “Concebido por obra do Espírito Santo. Cristo tinha um verdadeiro corpo humano? (476- 99.91. o Pai e o Espírito Santo para a nossa salvação. por graça de Deus. Com efeito. está subordinada a ela. Maria é a figura da Igreja e a sua realização mais perfeita. 507) – No sentido de que Maria “permaneceu Virgem na através do qual Deus invisível se tornou visível. Jesus Cristo. mas.5). Virgem no parto. porque o desígnio salvífico de Deus se realizou uma vez por todas Deus Pai. a verdadeira mãe dos vivos. Na sua vida terrena. que mais freqüentemente caem no pecado ou se deleitam nos vícios.28) e a “Toda Santa”. a sua maternidade espiritual significa esta expressão? (484-486) – Significa que a Virgem Maria concebeu o Filho eterno no seu seio. Obediente.32). e culpa maior têm aqueles. Aquele que foi concebido por obra do Espírito Santo e que se tornou verdadeiramente Filho de Maria é o Filho eterno de estende-se a todos os homens que Ele veio salvar. Isto significa que. Portanto. que compreende a sua paixão. foi concebida imaculada. O que significa “Imaculada Conceição”? (487- 117. cada homem. Ele é o Filho do Pai celeste. santas imagens. Porque é que a morte de Cristo faz parte do desígnio de Deus? (599-605) – Para reconciliar consigo todos os homens condenados à morte por causa do pecado. morte. É a “cheia de graça” (Lc 1. “…Nascido da Virgem Maria”: porque é que Maria é verdadeiramente Mãe de Deus? (495) – Maria é verdadeiramente Mãe de Deus porque é a mãe de Jesus (Jo 2. Anunciada no Antigo Testamento. Jesus. existindo nele uma única Pessoa. Virgem perpétua” (Santo próximos de Jesus. Maria é universal? (501-507) – Maria tem um único 94.. trata-se de parentes Jesus conheceu-nos e amou-nos com um coração Virgem mãe. O que significa o Coração de Jesus? (478) – “irmãos e irmãs de Jesus”. a a vontade divina. sem Deus quis humanamente o que divinamente decidiu com intervenção de homem. sem oposição ou natureza humana. é realmente causa e instrumento dos sofrimentos do Redentor. Deus tomou a iniciativa amorosa de enviar o Seu Filho para que se entregasse à morte pelos pecadores. É Ele mesmo Deus. a Virgem é a nova Eva.25). quando os Evangelhos falam de 93. por obra do Espírito Santo e sem a colaboração de homem: “O Espírito Santo descerá sobre ti” (Lc 1. Jesus Cristo. com a morte redentora do seu Filho. 112. n’Ele. ressurreição e glorificação. 19. em particular como sacrifício do Servo sofredor. segundo uma expressão usual na humano. isto é. Quando o Anjo lhe anuncia que dará à luz “o Filho do Altíssimo” (Lc 1.. Cristo pode ser representado e venerado nas grávida. Cada pecador.1. divina. abraçando com toda a alma a vontade divina de salvação. está no centro da fé cristã. Quem é responsável pela morte de Jesus? 492) – Deus escolheu gratuitamente Maria desde toda a eternidade para que fosse a Mãe de seu Filho: para cumprir tal missão. De que modo é que a maternidade espiritual de Pai e cada um dos homens. é o símbolo daquele infinito amor com o qual Ele ama o 100. 95. e Filho de Maria segundo a vontade humana de Cristo segue.

como mistério da fé. os justos da Encarnação. com a Cruz. Jesus? (645-646) – A Ressurreição de Cristo não foi um regresso à vida terrena. Jesus “apareceu a Cefas (Pedro) e depois aos Doze. Cristo em sacrifício de expiação. Jesus quer razão. apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez” (1 Cor 15. Em que condições estava o corpo de Cristo no 130.. 609) – Toda a vida de Cristo é oferta livre ao Pai para ter vencido a morte e o diabo “que da morte tem o realizar o seu desígnio de salvação. onde Ele dele sãos os primeiros beneficiários. Com a alma unida à sua Ressurreição? (651-655) – A Ressurreição é o culminar Pessoa divina. e abriu-lhes as portas do Céu. Jesus alcançou. Porque é que Jesus convida os discípulos a Sua Paixão. alma e o Seu corpo. a Ressurreição. “fazendo-se obediente até à morte” (Fil 2. constatável e atestado através dos sinais e testemunhos. fazendo deles as suas testemunhas junto do Este “amor até ao fim” ( Jo 13. libertou os justos que esperavam o em resgate por muitos” (Mc 10. Mas o poder divino Cristo é uma obra transcendente de Deus.15). isto é. Os Apóstolos não teriam podido inventar a Ressurreição. que é derramado.5-6) e a outros ainda. Porque é que a Ressurreição é ao mesmo tempo próprio “Autor da vida” (Act 3. O que são “os infernos”. reconcilia com Deus toda a humanidade. uma parte essencial do Mistério pascal. enquanto entrada da humanidade de 122. nos infernos. Como se manifesta na última Ceia a oferta de 121. 120. Getsemani? (612) – Apesar do horror que a morte Jesus repreendeu-os pela sua incredulidade. Por este motivo. O sacrifício 129. O seu 126. um acontecimento transcendente? (647.19-20). 656-657) – Embora seja um acontecimento histórico. horto do uma vez que esta lhes parecia impossível: de fato. e que também tudo o que Ele fez e ensinou. discípulos.25) do seu sacrifício e os seus Apóstolos como sacerdotes da nova Aliança.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 119. o Filho “retoma” a desceu? (632-637) – Os “infernos” (não confundir com vida que livremente ofereceu (Jo 10. Que lugar ocupa a ressurreição de Cristo na sofrimento e a sua morte manifestam como a sua humanidade é o instrumento livre e perfeito do Amor divino que quer a salvação de todos os homens. a vontade humana do Filho de Deus adere à vontade do Pai: para nos salvar. transcende e supera a cruz? (613-617) – Jesus ofereceu livremente a Sua vida história. Seguidamente. 124.. Jesus ressuscitado é soberanamente livre de associar ao seu sacrifício redentor aqueles mesmos que aparecer aos seus discípulos como Ele quer. Que acontece na agonia do verdade culminante da nossa fé em Cristo e representa. a Ressurreição de Jesus é atestada pelas mulheres que foram as primeiras a encontrar Jesus e o anunciaram aos Apóstolos. Com é que Cristo se ofereceu ao Pai? (606- finalmente à visão de Deus. De que modo a Ressurreição é obra da sepulcro? (624-630) – Cristo conheceu uma verdadeira Santíssima Trindade? (648-650) – A Ressurreição de morte e uma verdadeira sepultura. Pessoas atuam conjuntamente segundo o que lhes é 125. na vigília da paixão. Depois de com a sua morte.17) reunindo a Sua o inferno da condenação) ou mansão dos mortos. nossa fé? (631.” (Lc 22. quer e sob aspectos diversos. Qual é o estado do corpo ressuscitado de pascal de Cristo resgata portanto os homens num modo único. Ele institui assim ao mesmo tempo a Eucaristia como “memorial” (1 Cor 11. reparou as nossas ressuscitado não se manifestou ao mundo mas aos seus culpas com a plena obediência do Seu amor até à morte. Quais os efeitos do sacrifício de Cristo na Cristo na glória de Deus. Por esta “tomar a sua cruz e a segui-Lo” ( Mt 16. Ele dá “a sua vida poder” (Heb 2. justos ou 131. “este é o meu sangue. Que “sinais” atestam a ressurreição de Jesus? (639-644) – Para além do sinal essencial constituído pelo túmulo vazio.1) do Filho de Deus povo. significa e realiza antecipadamente a oferta voluntária de Si mesmo: “este é o meu corpo entregue por vós”. provoca na humanidade santíssima d’Aquele que é o 128. que o Espírito vivifica e glorifica. mas é doravante participante da vida divina tomar a sua cruz? (618) – Chamando os discípulos a com as propriedades dum corpo glorioso. O Seu corpo ressuscitado é Aquele que foi crucificado e apresenta os vestígios da 123. Jesus? (610-611) – Na última Ceia com os Apóstolos. morreram antes de Cristo. As três preservou o seu corpo da corrupção. e realiza todas as esperavam o seu Redentor para acederem Qual o sentido e a importância da 39 . Ela confirma a divindade de Cristo. 638) – A Ressurreição de Jesus é a 127. perfeito e definitivo. Jesus aceita carregar sobre Si os nossos pecados no seu corpo.45) e deste modo Redentor.24). aos quais Jesus próprio: o Pai manifesta o Seu poder. designam o estado de todos aqueles que. e abre-lhes a comunhão com Deus. reconcilia com o Pai toda a humanidade.14).8). A seguir. Jesus antecipa. isto é. maus.

a vinda gloriosa de Cristo acontecerá com o Espírito Santo para falar em nome de Deus. De forma única enche-a de graça e torna fecunda a sua virgindade para dar à luz o Filho de Deus encarnado. Cabeça da sua Igreja. desde o princípio até ao final dos 40 (687-688. quando o Espírito inaugura os “últimos tempos” com a manifestação da Igreja. O que é que o Espírito Santo realiza em João adquirido como Redentor do mundo. mortos? (678-679) – Cristo julgará com o poder 141. como princípio da nossa justificação e da nossa Ressurreição: filhos adotivos. Espírito agora reina com a sua humanidade na glória eterna de da glória. a imposição terra. Antigo Testamento é cheio do Espírito Santo. De fato.13). na missão terrena? (727-730 ) – O Filho de Deus é consagrado Messias através da unção do Espírito na sua . que o bem como o procedimento de cada um em relação a envia a “preparar para o Senhor um povo bem disposto” Deus e ao próximo. a nuvem. 138. Como é que Cristo julgará os vivos e os Novo Testamento. Ele é o Senhor que ainda: Espírito de Cristo. de Jesus Cabeça e da Igreja que é o seu corpo. rezando: batismo. Assim se cumprirá o Reino de Deus. vivemos vigilantes. Santo? (694-701) – São numerosos: a água viva que jorra do coração trespassado de Cristo. Cristo sobe e Espírito de Verdade. Quais são as designações do Espírito Santo? 132. de quem revela o mistério no 135. O que é que significa a Ascensão? (659-667) – (691-693) – “Espírito Santo” é o nome próprio da Passados os quarenta dias em que se mostrou aos terceira Pessoa da Santíssima Trindade. na qual se revela a glória divina. Senhor” (Ap 22. mas nós conhecemo-lo através da filial que é a participação real na sua vida de Filho sua ação quando nos revela o Verbo e quando age na unigênito. envia também o Ressuscitado. vencedor do pecado e da morte. 140. para. “Aquele que batiza no Espírito” (Jo 1. Como se realizará a vinda do Senhor na glória? profetas”? (675-677) – Após o último abalo cósmico deste mundo profetas entende-se todos os que foram inspirados pelo que passa. O que significa que o Espírito “falou pelos 134. Ele garante-nos a graça da adoção O Espírito é invisível. vindo para salvar os Batista? (717-720) – João Batista.28). Jesus chama- Apóstolos sob as aparências duma humanidade normal lhe também: Espírito Paráclito (Consolador. de Deus. depois. a unção com o 133. da promessa. o nosso corpo. a partir de agora. a pomba início na Igreja. o Espírito Santo realiza as expectativas e a preparação do Antigo Testamento para a vinda de Cristo. quando o Pai envia o Seu Filho. Aquele sobre o qual João viu o Espírito descer e Assim se realizará “a plenitude de Cristo” ( Ef 4. Filho de Deus: condenado para a eternidade segundo as suas obras. O Espírito foi “enviado aos nossos corações” (Gal 4. que procede do Pai e do Filho.33). Que quer dizer a Igreja quando professa: “Creio no Espírito Santo”?(683-686) – Crer no Espírito Santo é professar a terceira Pessoa da Santíssima Trindade. Cada homem será repleto de vida ou (Lc 1. o fogo Senhor do cosmos e da história. Além disso. Filho de Deus e sem cessar intercede por nós junto do 139. na permanecer. é o Seu Espírito que nos une a Cristo na fé. o tempos. Advogado) que ocultavam a sua glória de Ressuscitado.promessas divinas em nosso favor. 702-706) – Com o termo – Em Maria. Qual a relação entre o Espírito e Cristo Jesus. isto é.20). o Filho e o Espírito são distintos mas inseparáveis. 137. Como reina agora o Senhor Jesus? (668-674) – óleo que é o sinal sacramental da Confirmação. 742-743) – Na Trindade indivisível. 142. qual “Deus será tudo em todos” (1 Cor 15. Qual é a obra do Espírito em Maria? (721-726) “CREIO NO ESPÍRITO SANTO” 136. Ele um dia voltará em glória. Envia-nos o Seu Espírito e tendo-nos preparado um lugar. obscura e Cristo glorificado permanece misteriosamente sobre a luminosa. Maria está com os Doze no dia de Pentecostes. Com que símbolos se representa o Espírito Pai.17) e a anunciar a vinda de Cristo. mas não que desce sobre Cristo e permanece sobre Ele no sabemos quando. 143. no final dos tempos. O Espírito triunfo definitivo de Deus na Parusia de Cristo e com o conduz as profecias do Antigo Testamento ao seu pleno Juízo final. Faz dela a Mãe do “Cristo total”. Por isso. onde o Seu Reino já está presente como germe e das mãos mediante a qual é dado o Espírito. o último profeta do homens. Os segredos dos corações serão revelados. podermos chamar Deus “Pai” ( Rm 8. cumprimento em Cristo. Ele ressuscitará Igreja.15). que transforma o que toca. “Vem.6) para recebermos a vida nova de filhos de Deus. do Senhor. O Novo Testamento chama-o ao céu e senta-se à direita do Pai. dá-nos a esperança de um dia ir ter com Ele. e “com o Pai e o Filho é adorado e glorificado”. Porque é que as missões do Filho e do Espírito são inseparáveis? (687-690.

Como atuam Cristo e o seu Espírito no coração Jesus em dos fiéis? (738-741) – Por meio dos sacramentos. Cinqüenta dias após a Ressurreição. cumprindo a promessa feita aos antepassados e Cristo da própria Vida da Santíssima Trindade. Finalmente.22). 146.va) 41 . comunhão trinitária. para que todos dêem “o fruto do 144. A Espírito e a graça de Deus que produz os frutos de vida Missão de Cristo e do Espírito torna-se a Missão da nova. anima e santifica a Igreja: Espírito de Amor. suas mútuas funções. 145. Que faz o Espírito Santo na Igreja? (733-741) – O Espírito edifica.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III humanidade desde a Encarnação. abundância e manifesta-O como Pessoa divina. soprando sobre os a testemunhar a Verdade de Cristo e organiza-os nas Apóstolos depois da Ressurreição. de modo Cristo glorificado infunde o Espírito Cristo comunica aos membros do Seu Corpo o Seu que a Santíssima Trindade é plenamente revelada. Envia-os comunica-O à Igreja nascente. O que acontece no Pentecostes? (731-732) – Espírito” (Gal 5. Ele revela-O no seu divina perdida por causa do pecado e os faz viver em ensino. enviada a anunciar e a difundir o mistério da o Mestre da oração.vatican. segundo o Espírito. no Pentecostes. o Espírito Santo é Igreja. Ele torna a dar aos batizados a semelhança Fonte: Compêndio do Catecismo da Igreja Católica (Site: www.

 Passar para o texto da apostila explicando os atributos da Igreja – estes atributos são como colunas que sustentam a Igreja.  É importante saber que Jesus constituiu os apóstolos como líderes da Igreja com a responsabilidade de formar comunidades nas quais se celebrasse e se vivesse os valores do Reino de Deus. Católica por ser universal e Apostólica por transmitir e testemunhar os ensinamentos dos apóstolos sobre a Igreja de Cristo. o Defende a vida. Santa porque tem uma missão redentora (salvadora) e santificadora.  Perceber que fazem parte desta identidade. Desenvolvimento do Tema:  Iniciar o assunto perguntando o que sabem sobre a nossa Igreja: o Quem fundou a nossa Igreja? Quando? o Quem é o chefe da Igreja no mundo? Quem escolheu o primeiro chefe? Como acontece a escolha hoje? o E aqui em nossa região? Como ele é escolhido? o E aqui na nossa Igreja Catedral? Falar do Pároco. Vigário Paroquial. o Denuncia as injustiças sociais. o Está comprometida com os valores do Evangelho propostos por Jesus “Que todos tenham vida.  Jesus estabeleceu o amor fraterno como a principal regra da Igreja – os cristãos punham tudo em comum (Atos 2. tiranias e falta de liberdade. SANTA. 10). 42-47).  Jesus sabia que seus líderes não eram perfeitos e livres de cometer pecados e a Igreja passou e passa ainda por momentos em que necessita refletir e revisar os seus atos para andar conforme as regras estabelecidas por Jesus. Santa. especialmente diante dos avanços científicos (falar da Gincana pela Vida) o Motiva a sociedade a adotar formas dignas e saudáveis de viver. terremotos. conforme o plano de Deus. deste Povo de Deus. 2. e vida em abundância” (Jo 10. nós somos os seus membros.  Também é importante saber que a Igreja é formada por cada um de nós.8º ENCONTRO: A IGREJA É UNA. o Ajuda no desenvolvimento da educação. 3. Católica e Apostólica.  No dia de Pentecostes Jesus enviou o Espírito Santo para iluminar o caminho da Igreja. O Espírito Santo nos inspira os bons propósitos e nós agimos. Diáconos e Seminarista. desta missão. o Falar do Projeto Ficha Limpa que nasceu na Igreja Católica (nós aqui na Catedral assinamos o documento que foi levado ao Congresso para evitar que políticos ladrões se candidatassem a cargos políticos). 42 . Conteúdo do Encontro:  Explicar cada característica mostrando que a Igreja é Una por possuir uma só doutrina. CATÓLICA E APOSTÓLICA 1. Caritas (ajuda aos flagelados de enchentes.  Nossa Igreja em sua história de mais de dois mil anos de fundação: o Promove a caridade aos mais necessitados – Ex. pessoas pobres). Objetivo:  Apresentar as quatro características como a identidade e missão da Igreja: Una. Jesus é a cabeça da Igreja.

por cabeça Jesus Cristo. que se descobre unicamente com os olhos da fé. Que significa que a Igreja é sacramento 148. agrícola (campo. Foi depois manifestada como mistério de salvação mediante a efusão do Espírito Santo. dai força para construirmos juntos o Vosso Reino que também é nosso. Fundada pelas palavras e ações de Jesus Cristo. Quais são as origens e a realização plena da Igreja? (758-766) – A Igreja encontra a sua origem e a sua realização plena no eterno desígnio de Deus. membros de Cristo e templo do Espírito divina. o germe e o início deste Reino 147. por missão a de ser o sal da terra e a luz do mundo. Ela é. foi realizada. Em que sentido a Igreja é Mistério? (770-773) todos os confins da terra. Em que sentido o povo de Deus participa das três funções de Cristo: Sacerdote. por lei o mandamento novo do amor. de Deus. na terra. 150.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 4. Ambientação: Arrumar as cadeiras em círculo. sobretudo mediante a sua morte redentora e a sua ressurreição. pedra. de que nos tornamos membros mediante a fé em Cristo e o Batismo. salvífico. por fim o Reino de Deus. Ef 2. corpo de Cristo. pela fé e pelo Batismo. Leitura utilizada: Atos 2. Há. 8. 5. Antigo Testamento privilegia as imagens ligadas ao povo A Igreja: povo de Deus. família). templo do de Deus. templo). 149. por condição a dignidade e a liberdade dos filhos de Deus. já iniciado na terra. tem por origem Deus Pai. rebanho. através da Igreja e pedir a sua ajuda rezando (escrever no quadro ou numa cartolina): “E a nós. 6. Profeta e Rei? (783-786) – O povo de Deus participa no ministério sacerdotal de Cristo. 155. se tornam filhos está presente e operante uma realidade espiritual. Atividades: Acompanhar e orientar as atividades. O que significa a palavra Igreja? (751-752. Momento de Oração:  Invocar o Espírito Santo  Vamos agradecer a Deus por querer a nossa ajuda na construção do Reino. Foi preparada na Antiga Aliança com a eleição de Israel. Por Cristo. O gênero humano. para constituir a assembléia – A Igreja é Mistério enquanto na sua realidade visível daqueles que. enquanto os batizados são consagrados pelo Espírito Santo para oferecer sacrifícios espirituais. 154. que agora estamos reunidos e somos povo santo e pecador. ovelhas). outros nomes e imagens para universal de salvação? (774-776) – Significa que é indicar a Igreja? (758-766) – Na Sagrada Escritura sinal e instrumento da reconciliação e da comunhão de encontramos muitas imagens que põem em evidência toda a humanidade com Deus e da unidade de todo o aspectos complementares do mistério da Igreja. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA “CREIO NA SANTA IGREJA CATÓLICA” Cristo. 152. Porque é que a Igreja é povo de Deus? (781. como assembléia celeste de todos os redimidos. familiar (esposa. oliveira. Nosso Senhor. 19-20. Terá a sua realização plena no fim dos tempos. Quais são as características do povo de Deus? (782) – Este povo. participa no seu ministério 43 . flores. o Novo Testamento privilegia as imagens ligadas a Cristo como Cabeça deste povo que é o Seu Corpo. mesa com toalha. no dia de Pentecostes. mãe. Material utilizado: Foto do Papa Bento XVI e de Dom Moacir. 42-47. Qual é a missão da Igreja? (767-769) – A missão da Igreja é a de anunciar e instaurar no meio de todos os povos o Reino de Deus inaugurado por Jesus Espírito Santo 153. sinal da reunião futura de todas as nações. Santo. Amém” (Oração Eucarística V da Liturgia da Missa)  Encerrar com a Profissão de Fé. na Bíblia. reunido pela unidade do Pai e do Filho e do Espírito Santo. vinha) habitacional (morada. 777-804) – Designa o povo que Deus convoca e reúne de 151. e as imagens retiradas da vida pastoril (redil. imagem. 802-804) – A Igreja é o povo de Deus porque Deus quis santificar e salvar os homens não isoladamente mas constituindo-os num só povo. 7.

44 inumeráveis Santos. o como o “Esposo” (Mc 2. porque Deus Santíssimo é o seu autor. “Cabeça e 164. Agostinho). pois o 156. Todos estes bens provêm de Cristo e 157. sempre necessitados de conversão e de purificação. uma única sucessão apostólica. A Igrejas e comunidades são incorporados em Cristo pelo Igreja vive d’Ele. Nela se encontra a plenitude dos meios de termo “esposa” sublinha a distinção dos dois na relação salvação. porque nela está presente Cristo: “Onde está Cristo Jesus. governada pelo sucessor de Pedro e pelos servo de todos. enquanto unidos estreitamente a (817-819) – Nas Igrejas e comunidades eclesiais. Os membros destas Cristo “é a Cabeça do corpo. nós reconhecemo-los como irmãos. o caridade. união de todos os cristãos é um dom de Cristo e um 158. uma só vida sacramental. une intimamente a Si os seus fiéis. enquanto. aqui. Deste modo. Ele edifica a Igreja na caridade com a Palavra de Deus. a Si por uma Aliança eterna. e porque tem como alma o Espírito Santo. para purificá-la com o Seu sangue. Tomás de Aquino). é enviada em missão a todos os povos. formada pela comunidade de fiéis cristãos que estão em comunhão de fé e de sacramentos seja com o seu Bispo. além disso. Como é que a Igreja é corpo de Cristo? (787- Senhor confiou todos os bens da Nova Aliança ao único 791) – Por meio do Espírito. rei do universo. Ela anuncia a totalidade e a integridade da fé. torná-la santa” (Ef 5. sobretudo dos pobres e dos que Bispos em comunhão com ele.profético. Porque é que a Igreja é chamada esposa de apelo do Espírito. obter toda a plenitude dos meios de salvação. porque tem como fundador e cabeça Jesus Cristo. Cristo morto e ressuscitado colégio apostólico. na terra. Porque é que a Igreja se chama católica? (830-831) – A Igreja é católica. Ele entregou-se a Si 165. A 159. É também católica a Igreja particular? (832835) – É católica toda a Igreja particular (isto é. a cujo Magistério compete o seu discernimento. que é a Igreja ( Col 1. a aprofunda e testemunha. Quem é a cabeça deste corpo? (792-795) – conduzem para a unidade católica. sobretudo na Eucaristia. A santidade é a vocação de cada um dos seus pessoal. e o Espírito Santo vivifica-a com a evidencia a unidade da “cabeça” com os membros. se reconhecem todos pecadores. que. “para A Igreja é santa. uma comum esperança e a mesma caridade.18). católica e apostólica 161. a oração. 166. que. membros e o fim de cada uma das suas atividades. A santidade da Igreja é a fonte da santificação dos seus filhos. formam o “Cristo total” (S. A Igreja é una. Enquanto a palavra “corpo” dela santificadora. por assim dizer. Como empenhar-se em favor da unidade dos membros são. com o sentido sobrenatural da fé. Cristo e a Igreja Batismo: por isso. isto é. leva e administra a plenitude dos meios de salvação. unindo-a recíproco conhecimento fraterno. subsiste (subsistit in) na Igreja imitando Jesus Cristo. Inácio de Antioquia). Porque é que a Igreja é una? (813-815) – A Igreja é una porque tem como origem e modelo a unidade na Trindade das Pessoas de um só Deus. A única Igreja de Cristo. Ela tem uma só fé. universal.26) e fazer dela mãe fecunda de Cristo entregou-se por ela. n’Ele e para Ele. cuja unidade encontram-se muitos elementos de santificação e de se realiza na diversidade dos membros e das funções. 167. Porque é que a Igreja é designada templo do Igreja inclui no seu interior a Virgem Maria e Espírito Santo? (797-798) – Porque o Espírito Santo reside no corpo que é a Igreja: na sua Cabeça e nos seus membros. que se Ele. que restabelece a unidade de todos os povos num só corpo. os 163. a diocese e a paróquia).19). 162. aí está a Igreja católica” (S. caridade. Só por meio dela se pode sofrem. formando um só corpo. Ele diz respeito a toda a Igreja e Cristo? (796) – Porque o próprio Senhor Se definiu realiza-se mediante a conversão do coração. para as necessidades do mundo e em particular para a edificação da Igreja. uma só pessoa mística” cristãos? (820-822) – O desejo de restabelecer a (S. como modelos e intercessores. que amou a Igreja. Em que sentido a Igreja é santa? (823-829) – mesmo por ela. Como considerar os cristãos não católicos? crentes em Cristo. Onde subsiste a única Igreja de Cristo? (816) – a esta adere infalivelmente. em todos os tempos e qualquer que seja a cultura a que eles pertençam. organizada no mundo. para. como sociedade constituída e e participa no seu ministério real com o serviço. verdade. ordenado na . se fez católica. a Igreja. Que são os carismas? (799-801) – Os carismas são dons especiais do Espírito concedidos a alguém para o bem dos homens. santa. cuja cabeça é Pedro. para santificá-la e fazer todos os filhos de Deus. o diálogo teológico. que une todos os fiéis na comunhão em Cristo. os 160. são unidos entre si na desligaram da plena comunhão da Igreja católica.

Inácio de Antioquia). sendo construída sobre o “fundamento dos Apóstolos” (Ef 2. pelos Apóstolos. se encontram por Cristo. é o seu corpo. 4). Jesus. relação com o povo judeu no fato de Deus ter escolhido graças aos seus sucessores. os Bispos em comunhão. chamou a Si doze entre os Seus discípulos e constituiu-os como seus Apóstolos. da função sacerdotal. 174. dele provém Cristo segundo a carne” (Rm 9. o culto. Os cristãos. ainda que imperfeita. Quem são os fiéis? (871 – 872) – Os fiéis são aqueles que. as alianças. Em que consiste a missão dos Apóstolos? (858 – filhos. enquanto ao longo dos séculos há salvação”? orienta todo o seu apostolado para a difusão do Reino (846-848) – Significa que toda a salvação vem de Cristo-Cabeça por meio da Igreja. da história a missão do próprio Cristo. mediante o sacramento da Ordem. Entre eles subsiste uma verdadeira igualdade.19). 178. assim também Eu vos envio a vós” ( Jo 20. os Bispos. que se consagram de modo especial a Deus com a profissão dos 45 . do governo eclesiástico e da comunhão. até ao regresso de Cristo. provêm fiéis. sob o influxo da graça. Ao mesmo tempo. sacramentos. a Igreja continua no curso estão ordenados à unidade católica do povo de Deus. segundo a sua condição. Como é formado o povo de Deus? (873) – Na Igreja. com a Igreja Católica. são constituídos membros do povo de Deus. este povo entre todos. Os outros são chamados leigos.20). por instituição divina. dizendo: “Como o Pai me religiões não cristãs? (846-848) – Antes de tudo. – A Igreja é apostólica pela sua origem. profética e real de Cristo. são chamados a exercer a missão confiada por Deus à Igreja.5). a glória. pela estrutura. Portanto não poderiam ser salvos os que. santificada e 861) – A palavra Apóstolo significa enviado. que Espírito porque “quer que todos os homens sejam salvos “preside à caridade” (S. 169. seja com a Igreja de Roma. Palavra. sucessão apostólica é a transmissão. pertencem ou Guiada pelo Espírito Santo. batizando-as no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” ( Mt 28. Que ligação há entre a Igreja católica e as continuarem a sua missão. podem conseguir a salvação eterna todos os que.21). os patriarcas. sem culpa própria. que enviou o seu Filho e o seu 177. que de Cristo na terra. se esforçam por cumprir a sua vontade.865) – A verdadeiro existe nas outras religiões vem de Deus. Estão plenamente incorporados na Igreja católica portanto devem anunciar a todos a Boa Nova trazida aqueles que. para primeiro acolher a sua com o sucessor de Pedro. Quem pertence à Igreja católica? (836-838) – 173. dispostos também unidos a ela pelos vínculos da profissão de fé. enquanto instruída. Que significa a afirmação: “Fora da Igreja não de vida com a sua origem. de diferentes modos. Os fiéis: hierarquia. há o enviou. Tornados participantes. conhecida através do que a consciência lhes dita. Diferentemente das outras religiões não cristãs. tendo o Espírito de Cristo. é reflexo da sua verdade. as promessas.Porque Cristo ordenou: “ide e ensinai todas as nações. mas procuram sinceramente Deus e. na sua dignidade de filhos de Deus. Graças a esta transmissão. existem os ministros sagrados que receberam o sacramento da Ordem e formam a hierarquia da Igreja. a legislação. vida consagrada conhecendo a Igreja como fundada por Cristo e necessária à salvação. leigos. E laço comum da origem e fim de todo o gênero humano. 168.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III sucessão apostólica. Como é que a Igreja é missionária? (852-856) – Todos os homens. a fé judaica é já resposta à Revelação de Deus na Antiga Aliança. fazendo deles testemunhas escolhidas da sua ressurreição e fundamentos da sua Igreja. Igreja católica reconhece que tudo o que de bom e de 176. o Enviado do Pai. que é o mesmo dos Apóstolos. da missão e do poder dos Apóstolos aos seus sucessores. pode preparar para acolher o Evangelho e mover em direção à unidade da humanidade na Igreja de Cristo. Deu-lhes o mandato de 170. a Igreja permanece em comunhão de fé e 171. nela não entrassem e nela não perseverassem. seguindo o seu caminho. Este mandato missionário do Senhor tem a sua fonte no amor eterno de Deus. É ao povo judeu que pertencem “a adoção a 175. Porque é que a Igreja deve anunciar o Evangelho a todo o mundo? (849-851) . graças a Cristo e à sua Igreja. De uns e de outros. ignoram o Evangelho de Cristo e a sua Igreja. A prometeu estar com eles até ao fim do mundo. 172. dos ao sacrifício de si mesmos até ao martírio. Qual a relação da Igreja católica com o povo sua judeu? (839-840) – A Igreja católica reconhece a sua governada. Porque é que a Igreja é apostólica? (857-869) Os batizados que não se encontram plenamente nesta unidade católica estão numa certa comunhão. pelo ensino. O que é a sucessão apostólica? (861. incorporados em Cristo pelo Batismo. e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Tim 2.

em comunhão com o Papa e nunca sem ele. 188. dedicados a Cristo e consagrados pelo Espírito Santo. em comunhão com o Papa.vatican. a vida familiar.882. fielmente e testemunhas com da fé autoridade. as orações e as iniciativas apostólicas. por instituição divina. oferecem a Deus o próprio mundo. Como participam na sua função real? (908 – 913) – O leigos participam na função real de Cristo. Bispo de Roma e Sucessor de S. as dificuldades da vida suportadas com paciência e os lazeres corporais e espirituais. Correspondem assim ao Deus por Jesus Cristo” (1Ped 2. dirigido a todos os batizados. imediato e universal. pleno. a ação evangelizadora e a catequese. exerce também sobre a Igreja supremo e pleno poder. 184. os leigos. têm o dever de anunciar o Evangelho a todos. 190. é o perpétuo e visível princípio e fundamento da unidade da Igreja.va) 46 .conselhos evangélicos: castidade no celibato. 936 – 937) oferecendo – como sacrifício espiritual “agradável a – O Papa. Mediante o sentido sobrenatural da fé. Qual é a vocação dos fiéis leigos? (897-900) – Os fiéis leigos têm como vocação própria a de procurar o reino de Deus. Pedro. iluminando e ordenando as realidades temporais segundo Deus. Como participam na sua função profética? (904-907) – Participam nela acolhendo cada vez mais na fé a Palavra de Cristo e anunciando-a ao mundo com o testemunho da vida e da palavra. tem poder. Qual é a missão do colégio dos Bispos? (883 – 885) – O colégio dos Bispos. supremo. o Povo de Deus. chamamento à santidade e ao apostolado. cabeça do colégio dos Bispos e pastor de toda a Igreja. sob a condução do Magistério vivo da Igreja. Esta ação evangelizadora adquire uma particular eficácia pelo fato de ser realizada nas condições ordinárias da vida secular. sobre a qual. Deste modo. Como é que os Bispos exercem a sua missão de ensinar? (886-890) – Os Bispos. tendo recebido d’Ele o poder de vencer o pecado em si mesmos e no mundo. Qual é a missão do Papa? (881. Fonte: Compêndio do Catecismo da Igreja Católica (Site: www. o trabalho de cada dia.5). Como participam os fiéis leigos na função obediência. 191. sobretudo na Eucaristia – a sua vida com todas as obras. apostólica como e autênticas revestidos da autoridade de Cristo. É o vigário de Cristo. pobreza e 189. 183. adere perfeitamente à fé. sacerdotal de Cristo? (901-903) – Participam nela 182. mediante a abnegação de si e a santidade de vida. Exercem vários ministérios ao serviço da comunidade e impregnam de valor moral as atividades temporais do homem e as instituições da sociedade.

fazer em casa. Atividades:Acompanhar e orientar as atividades. vive a graça e a misericórdia e nos reconcilia com Deus. anotando no quadro o que os catequizandos responderem.  1. 2Cor 5. imagem. 4. Jo 11. Momento de Oração:  Agradecer a Jesus pelo seu amor por nos ter enviado seu Espírito Santo para nos ajudar a chegar ao céu. Esclarecê-las. 45-48.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 9º ENCONTRO: CREIO NA COMUNHÃO DOS SANTOS. 12. Desenvolvimento do Tema:  Com a apostila fechada. Objetivo:  Compreender que a Comunhão dos Santos é a comunhão da igreja que vive sua unidade com Cristo.  Conscientizar o catequizando que a vida cristã nos leva à vida eterna em Deus. 25. Jo 14. 17-21. se não. Conteúdo do Encontro:  Explicação do significado dos termos: Comunhão dos Santos. 2-3. 2. Refletir sobre os novíssimos do homem. 1Cor 13. 5. 47 . Remissão dos Pecados e Vida Eterna. Leitura utilizada: Lc 24. 51-52.  Sobre a remissão dos pecados – deixar que falem – o que entendem?  Fazer as leituras bíblicas e refletir sobre elas. NA REMISSÃO DOS PECADOSO E NA VIDA ETERNA 1. 6. fazer uma tempestade de idéias.  Perguntas sobre a Comunhão dos Santos: o que é ser santo? Quem são os santos? Nós podemos ser santos? Como? O que é intercessão dos santos? O que é Comunhão dos Santos? Quem participa da comunhão dos santos?  Discutir as respostas eliminando as incorretas. 1Cor 15.  Cremos na vida eterna – refletir sobre a morte e os novíssimos do homem – deixar que coloquem suas dúvidas. 3. Ambientação: Arrumar as cadeiras em círculo.  Encerrar com a oração do Símbolo Niceno-Constantinopolitano. mesa com toalha. Material utilizado:Apostila.  Se houver tempo fazer as atividades durante o encontro. flores. 2.

Na sempre. cremos na ressurreição da carne. . O que se entende por “céu”? (1023 – 1026) – Por “céu” entende-se o estado de felicidade suprema e definitiva. 961–962) nossa alma? (992 – 1004. 203. nós cremos em Deus que é o Criador da carne. Com a morte. qual o batizado é reconciliado com Deus e com a Igreja. perdoados. os carismas e os outros dons espirituais. julgamento de retribuição imediata. Todos juntos formam. mas 48 em relação à sua fé e às suas obras. sem pecado 200. onde vêem Deus “face a face” (1 Cor 13. O que significa a expressão comunhão dos a vida. Os que morrem na graça de Deus e não precisam de ulterior purificação são reunidos à volta de Jesus e de Maria. Como são perdoados os pecados? (976 – 980. “É certa esta palavra: se morrermos com Ele. Formam assim a Igreja do céu. Que indica a palavra carne e qual é a sua importância? (990. “CREIO NA VIDA ETERNA” 201. mesmo os próprios tiverem bens materiais ao serviço dos pobres. por meio do mortal. O que significa ainda a expressão comunhão 205. e a nossa? (988 – 991.11). acabamento da criação e da redenção da carne. imediatamente ou depois de uma adequada purificação. ressuscitar no regresso do Senhor. 1016 –1018) – Com a morte. assim Ele próprio nos ressuscitará a todos no raiz da comunhão está a caridade que “não procura o último dia. 206. Com efeito. Cristo instituiu o sacramento da Reconciliação ou Penitência. porque o próprio Cristo lho conferiu: “Recebei o Espírito Santo: eterna é a que se iniciará imediatamente após a morte. para louvor e glória da Trindade. os sacramentos. enfim. Que significa morrer em Cristo Jesus? (1005- “CREIO NA REMISSÃO DOS PECADOS” 1014) – Significa morrer na graça de Deus. estão a purificar-se. 984 – 985) – O primeiro e principal sacramento para o perdão dos pecados é o Batismo. (sancti). vivem em comunhão de amor com a Santíssima Trindade e intercedem por nós. juiz dos vivos e àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão dos mortos. também com Ele viveremos” (2 Tim 2. transformado. 1015) – O termo carne designa o homem na sua condição de debilidade e de mortalidade. Ela não terá fim. O que significa a “ressurreição da carne”? (990) – Significa que o estado definitivo do homem não será só a alma espiritual separada do corpo. e àqueles a quem os retiverdes serão 208. O que é a vida eterna? (1020 1051) – A vida os pecados? (981–983. Será precedida para cada um por um juízo particular realizado por Cristo. Qual a relação entre a Ressurreição de Cristo participação de todos os membros da Igreja nas coisas (946–953) – Indica.12).APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA Creio na Comunhão dos santos também que os nossos corpos mortais um dia retomarão 194. mas move o fiel “a feito o bem para uma ressurreição de vida. 195. em Cristo. Porque é que a Igreja tem o poder de perdoar 207. com um corpo incorruptível: “os que tiverem próprio interesse” (1 Cor 13. antes de mais. 986–987) – A Igreja tem a missão e o poder de perdoar os pecados. O que crê em Cristo e segue o Seu exemplo pode assim transformar a própria morte num ato de obediência e de amor ao Pai. entre os que. pela graça. recebe de Deus na sua alma imortal. 5). Designa ainda a comunhão entre as pessoas santas separação da alma e do corpo. 32). outros. gozam já da glória de Deus e intercedem feito o mal para uma ressurreição de enquanto a alma. que é imortal. que cada um. e será confirmada pelo juízo final. que sucede ao nosso corpo e à dos santos? (954–959. em especial a verdadeiramente ressuscitou dos mortos e vive para Eucaristia. uma só entendimento. outros. cremos no Verbo que se fez carne para redimir a carne. Para os pecados cometidos depois do Batismo. o corpo cai na corrupção. a Igreja. a “CREIO NA RESSURREIÇÃO DA CARNE” partir da morte. O que é o juízo particular? (1021 – 1022) – É o retidos” (Jo 20. Compreender como acontecerá a ressurreição supera as possibilidades da nossa imaginação e do nosso por nós. 209. isto é. família. e os que colocar tudo em comum” (Act 4. ajudados também pelas nossas orações. 202. santos? a 204. dos anjos e dos santos. “A carne é o eixo da salvação” (Tertuliano). condenação”. estão unidos a Cristo morto e ressuscitado. Tal retribuição consiste no acesso à bem-aventurança do céu. vai ao encontro do Julgamento divino e espera reunir-se ao corpo quando este. Alguns são peregrinos na terra. ou então à condenação eterna no inferno. 1002 – 1003) – Como Cristo santas (sancta): a fé. 22-23). que já partiram desta vida.

vatican. que conclui a nossa todos tenham modo de se arrepender” ( 2Ped 3. Em que consiste o inferno? (1033–1035.10). apesar de querer “que 217. o corpo Deus. para o fogo eterno” (Mt 25. 1058–1059) – O juízo final (universal) consistirá na sentença de vida bem-aventurada ou de condenação Fonte: Compêndio do Catecismo da Igreja Católica (Site: www. persiste no pecado mortal. Deus será malditos. recusando o amor misericordioso de Deus. tendo criado o homem livre e responsável. participará na glória de Cristo com a por escolha livre. confiando totalmente n’Aquele que é o “Amém” (Ap 3. do qual só Deus as almas do purgatório oferecendo as suas orações de conhece o dia e a hora. algumas orações do Novo Testamento e as orações litúrgicas da Igreja.va) 49 . Será assim alcançada a plenitude do Reino de único em quem o homem encontra a vida e a felicidade Deus. Em que consistirá o Juízo final? (1038–1041. respeita as suas decisões.13). ou seja a realização definitiva do desígnio para quê foi criado. ressuscitado participará na retribuição que a alma teve 211. embora seguros da sua salvação eterna. 213.14) definitivo: Cristo Senhor. até ao momento da própria morte. profissão de fé? (1064 – 1065) – A palavra hebraica Amén que conclui o último livro da Sagrada Escritura. e a que aspira. 41). no seu regresso como juiz purgatório é o estado dos que morrem na amizade de dos vivos e dos mortos. A seguir a tal juízo final. da nova terra? (1042 – 1050. A pena inauguração dos “novos céus e da nova terra” (2 Ped principal do inferno é a eterna separação de Deus. o 3. se exclui voluntariamente da comunhão com Deus se. que o Senhor Jesus.O santos. Que significa o Amém. morrem em pecado mortal. do purgatório? (1032) – Em virtude da comunhão dos 215. libertado da escravidão da 1057) – Consiste na condenação eterna daqueles que. Em que consiste a esperança dos novos céus e também esmolas.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 210. as do céu e as da terra” ( Ef 1. Portanto. na vida eterna. então “tudo em todos” (1 Cor 15. em particular o Sacrifício eucarístico. Cristo exprime esta salvífico de Deus de “recapitular em Cristo todas as realidade com as palavras: “Afastai-vos de mim. corrupção. em plena autonomia. os fiéis ainda peregrinos na terra podem ajudar juízo final terá lugar no fim do mundo. o próprio universo. Como podemos ajudar a purificação das almas no juízo particular. é o próprio homem que. sufrágio. pronunciará em relação aos Deus. mas 216. indulgências e obras de penitência. significa o nosso “sim” confiante e total a tudo o que professamos crer. O que é o purgatório? (1030 – 1031) – O eterna. mas. Quando terá lugar este juízo final? (1040) . 1056– final. “justos e injustos” (Act 24. 1060) – Depois do juízo 212.9). coisas.28). 214. reunidos todos juntos precisam ainda de purificação para entrar na alegria de diante d’Ele. 15). Como conciliar o inferno com a bondade infinita “AMÉM” de Deus? (1036 – 1037) – Deus.

imagem. De modo que para a salvação do povo de Deus. se acertar prende-se à locomotiva que parte ao reiniciar a música. e conseqüentemente a Deus Pai. Domingos. e quem me rejeita. Apóstolo.  Motivá-los a cultivar aqueles mandamentos que já podem vivenciar. 22-23. Conteúdo do Encontro: Cultivar os mandamentos como valores próprios. Mt 23. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA Uma coisa que muitos católicos não sabem – e por isso rejeita a mim rejeita. os demais representarão os vagões que formarão um círculo. Bíblia. Respostas da cruzadinha: 1. Desenvolvimento do Tema:  Conversar com os catequizandos sobre os mandamentos da Igreja – mostrando que eles nos ajudam a cultivar valores morais e espirituais que nos ajudarão a ser bons cristãos. além dos Dez Mandamentos conhecidos. 11. Comungar. a Igreja estabeleceu cinco obrigações que todo católico tem de cumprir. conforme ensina o Catecismo da Igreja . será também Catecismo de João Paulo II (1992).  Outra dica para memorização é a confecção de um cartaz com figuras que representem os mandamentos.” (Mt 18. Objetivo:  Praticar os mandamentos da Igreja como povo de Deus. Dt 14.18) que mandamento é algo obrigatório para todos os Então. E prossegue: “Em verdade. rejeita Aquele não cumprem – é que existem os "Cinco Mandamentos que me enviou" (Lc 10. 8. 3.  Viver o compromisso de cristão católico. a Igreja legisla com o "poder de Cristo". nosso Bispo. por Dom Moacir. entre outros. 10º ENCONTRO: OS MANDAMENTOS DA IGREJA 1. 4. Fé.7. 14. 8. Testemunho. 5. Confessar. ao parar a música o vagão que estiver em frente à locomotiva deve dizer os mandamentos da Igreja. Ao parar a música novamente o vagão que estiver em frente à locomotiva deve repetir os cinco mandamentos e assim sucessivamente. 3. Ambientação: toalha. Ele disse aos Apóstolos: "Quem vos ouve a mim ouve. Material utilizado: providenciar material para confecção do cartaz se for utilizar a dinâmica . quem vos 50 quem não a obedece.16). 7.  Poderá usar a dinâmica da Locomotiva para ajudar a memorizar os mandamentos o O catequista colocará um fundo musical e escolherá um catequizando para ser a locomotiva. 6. 2. o Ao iniciar a música a locomotiva sai caminhando pelo círculo.Vida. 6. O catequizando só poderá percorrer os trilhos se souber as cinco dicas que o tornarão um verdadeiro Cristão. conselhos. Leitura utilizada: Lv 27. 4. diferente de recomendações. Cristo deu poderes à Sua Igreja a fim de estabelecer normas para a salvação da humanidade. tudo o que ligardes sobre a terra. flores e vela. 2. É preciso entender desligado no céu. 12. será ligado no céu. 13. Curou. Atividades:Orientar as atividades. 10. e católicos. 9. Missão. 7. pelo nosso Pároco e Vigário Paroquial. Amor. e Eles não foram revogados pela Igreja com o novo tudo o que desligardes sobre a terra. Dízimo. 23. 5. da Igreja". Carne. Crianças. como uma prática de vida que o cristão deve assumir ao longo da caminhada na Igreja. Unir. 30-31. Momento de Oração:Rezar pelo Santo Padre o Papa Bento XVI. não obedece a Cristo.

e se abstendo de trabalhos e negócios que possam impedir tal santificação desses dias (Código de Direito Canônico-CDC . 222). em que se reúne a comunidade cristã. cân. sem mais nada no meio do dia. Os que já têm mais de sessenta anos estão dispensados da obrigatoriedade. 5º . contribuem para nos fazer adquirir o domínio sobre nossos instintos e a liberdade de coração (CDC. de São José (19 de março). Mãe de Deus (1º de janeiro). sabiamente. 2Cor 9. cân. são Diz o Catecismo que o jejum "Determina os tempos de esses.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III Católica (CIC). conforme a sua realidade. como Mãe. cân.1. origem e centro da Liturgia cristã (CDC. nem o Catecismo nem o Código de Direito Canônico obrigam esta porcentagem. E devemos fazer mais. e por fim. fiéis." (§2041) do Sacramento da Reconciliação. como disse São Paulo. no crescimento do amor de Deus e do próximo.Terceiro mandamento: "Receber o sacramento apenas o mínimo obrigado pela Igreja. da Epifania (domingo no Brasil). e as festas litúrgicas em honra dos mistérios do Senhor. O caráter obrigatório Assegura a preparação para a Eucaristia pela recepção dessas leis positivas promulgadas pelas autoridades pastorais tem como fim garantir aos fiéis o mínimo indispensável no espírito de oração e no esforço moral. 2043 após nota 252) (§2177). 7). de Todos os Santos (domingo)” (CDC. É claro que é pouco se confessar uma vez ao ano. da Eucaristia ao menos pela Páscoa da ressurreição" (O período pascal vai da Páscoa até festa da Ascenção) e garante um mínimo na recepção do Corpo e do Sangue do Senhor em ligação com as festas pascais. dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo (domingo). um almoço leve e um lanche também leve à tarde. Esta ajuda às necessidades da Igreja pode ser dada uma parte na paróquia e em outras obras da Igreja. Este jejum consiste em um leve café da manhã. 1246. da santíssima Virgem Maria e dos santos. Podemos e devemos fazer muito mais.Segundo mandamento: "Confessar-se ao menos situam-se nesta linha de uma vida moral ligada à vida uma vez por ano". Ordena aos fiéis que santifiquem o dia em que se comemora a ressurreição do Senhor. as Conferências Episcopais de cada país 51 . o obrigatório é o mínimo. conforme o Catecismo: “Devem ser guardados [além dos domingos] o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. Não é obrigatório que o dízimo seja de 10% do salário. cân. da Ascensão (domingo) e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo (Corpus Christi). Ela sabe que. apenas o mínimo necessário.Quinto mandamento: "Ajudar a Igreja em suas necessidades" Recorda aos fiéis que devem ir ao encontro das necessidades materiais da Igreja. 882)". seria bom que cada um se confessasse ao menos uma vez por mês. pois “Deus ama aquele que dá com alegria” (cf. mas podem Os Dias Santos – com obrigação de participar da missa. pois isso é 3º . Nota: Conforme preceitua o Código de Direito Canônico. O importante é. fixa. A Igreja recomenda (não obriga) a comunhão diária. litúrgica e que dela se alimenta. Também é muito pouco comungar ao menos uma vez ao ano. faça mais. cada um conforme as próprias possibilidades (CDC. cân. 920). 1º – Primeiro mandamento da Igreja: "Participar da missa inteira nos domingos e outras festas de guarda e abster-se de ocupações de trabalho". de Santa Maria. ascese e penitência que nos preparam para as festas litúrgicas. 4º .Quarto mandamento: "Jejuar e abster-se de carne. 989). de sua Imaculada Conceição (8 de dezembro) e Assunção (domingo). nem o cafezinho. fazê-lo se desejarem. mas é bom e bonito se assim o for. 1246-1248) (§2042). cân. que continua a obra de conversão e perdão do Batismo (CDC. Este ensina: "Os mandamentos da Igreja 2º . tem filhos de todos os tipos e condições. deixando que cada um. portanto. n. pois Note que o Catecismo diz que isso é o "mínimo fica mais fácil de se recordar dos pecados e de ter a indispensável" para o crescimento na vida espiritual dos graça para vencê-los. em primeiro lugar participando da celebração eucarística. conforme manda a Santa Mãe Igreja" (No Brasil isso deve ser feito na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa). dar com alegria. Quem desejar pode fazer um jejum mais rigoroso.

ensinamentos da «Lei de Cristo» ( Gal 6. O Papa Paulo VI disse que "quem não ama a (2041 -2048) . cân.2).podem estabelecer outros preceitos eclesiásticos para natural. 2047) – A Igreja é a comunidade abstinência e jejuar nos dias marcados pela Igreja. Qual a finalidade dos preceitos da Igreja? guia. com a sua vida conforme ao Senhor Jesus. 432. do empenho moral e do Prof. 2) confessar os pecados recebendo o sacramento da Reconciliação ao menos uma vez cada ano. une-se à oferta eucarística de Cristo de modo que a sua vida moral seja um culto espiritual. Como é que a Igreja alimenta a vida moral do ao menos pela Páscoa da Ressurreição. 3) comungar 429. modelam o mundo com o no campo moral? (2032-2040. 455) (§2043).Os cinco preceitos da Igreja têm por Igreja não ama Jesus Cristo". edificam a Igreja. Demos graças a Deus pela Santa Mãe Igreja que nos 431.vatican.com/portal/canais/formacao/ O que nos diz o Catecismo da Igreja Católica: A IGREJA MÃE E MESTRA crescimento do amor de Deus e do próximo. Felipe Aquino http://www. 433.va) 52 . da vida sacramental. 5) onde o cristão acolhe a Palavra de Deus que contém os contribuir para as necessidades materiais da Igreja. ser acreditada e aplicada na vida prática. recebe a graça dos sacramentos. Porque é que a vida moral dos cristãos é indispensável para o anúncio do Evangelho? (20442046) – Porque. e aprende o exemplo da santidade da Virgem Maria e dos Santos. 4) guardar a cristão? (2030-2031. os cristãos atraem os homens à fé no verdadeiro 430. cada um segundo as próprias possibilidades.cancaonova. fim garantir aos fiéis o mínimo indispensável do espírito de oração. salvação. Quais são os preceitos da Igreja? (2042 – 2043) – São: 1) participar na missa do Domingo e Dias Santos de Guarda e abster-se de trabalhos e atividades que impeçam a santificação desses dias. porque a sua observância é necessária para a o seu território (CDC. 2049-2051) – Porque é espírito do Evangelho e apressam a vinda do Reino de missão do Magistério da Igreja pregar a fé que deve Deus. Essa missão estende-se também aos preceitos específicos da lei Fonte: Compêndio do Catecismo da Igreja Católica (Site: www. Porque é que o Magistério da Igreja intervém Deus.

10-13 e ajude-os a compreender o que foi este primeiro pecado...  Pedir que todos comentem o que perceberam. Material utilizado: Velas. 3. Quando Deus já está bem distante o catequista conta que a criança sente falta de Deus e vai procurar as pessoas que feriu com seu pecado e pede perdão. 5.. Passeia e conversa com Deus.  Leia com os catequizandos Gn 3..  Explicar o que são os pecados capitais e a sua gravidade. a cada pecado cometido (Brigou com a mãe. uma acesa e outra apagada. etc. xingou o amigo.. Homem e mulher quiseram ser como Deus.  Conduza a conversa até que concluam que nossa vida sem Deus é como uma vela apagada. sem vaso. galho seco. Ao lado da vela acesa coloque um vaso com água e uma flor bem bonita dentro dele. até que não consegue mais abraçá-lo. Objetivo:  Mostrar aos catequizandos que o pecado gera conseqüências em nossa vida e como ele se torna obstáculo para nossa santidade.  Explicar o significado de pecado mortal e pecado venial.. 10-13. Outro catequizando faz a personagem da criança que é feliz ao lado de Deus. 53 .  Apresente as distinções entre pecado mortal e pecado venial. Ou é como uma flor que sem água. até que o último sai e ela pode finalmente abraçar Deus de novo. desrespeitou a professora.. entre Deus e a criança.. 7. Ao lado da vela apagada coloque um galho seco.  Fazer a seguinte dinâmica: o Escolher um catequizando para ser Deus. 6.. roubou uma caneta do colega. dor e injustiças. Conteúdo do Encontro:  Explicar o que é Pecado e suas conseqüências para a vida. de modo que a criança vai ficando cada vez mais longe de Deus. Ambientação: Preparar em lugar visível na sala de catequese duas velas. Ao se afastar de Deus criaram injustiças e maldades.. abandonando os ensinamentos de seu Criador.. O pecado original é a fonte de todo o pecado: quando queremos ser deuses para nós mesmos e nos afastamos de Deus.. Desenvolvimento do Tema:  Peça para os catequizandos olharem bem para as velas e as flores.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 11º ENCONTRO: O PECADO E SUAS CONSEQUÊNCIAS 1. vaso. A cada pedido de perdão um catequizando volta para seu lugar e a criança vai chegando mais perto de Deus..) coloca um catequizando no meio. Pergunte qual a diferença entre os símbolos e o que isso tem a ver com a nossa vida em Deus. não tem sentido... Pode abraçar Deus! o O catequista vai contando a história e descrevendo os pecados que a criança comete. perde a vida. flor. 2. desrespeitamos o irmão e criamos sofrimentos. Leitura utilizada: Gn 3. 4. a fim de que saibam fazer um bom exame de consciência. Atividades: Acompanhar e orientar as atividades.  Recordar e propor de vivência dos Dez Mandamentos. Fomos feitos para brilhar e ter vida! Mas o pecado nos afasta de Deus.

Se amamos.31). A este primeiro afastamento chamamos "pecado original". fere a razão mesma da existência humana: o amor. Auto proclamaram-se donos de sua vida.  tomando-se cada vez melhor no amor. e afastaram-se da comunhão com Ele. deixa de ser cuidadora da natureza criada e passa a explorá-la por ganância. O pecado fere essa relação. desumanizaram-se. (cf. a comunhão com Deus era perfeita. a morte da vida interior.cf. exploração e escravidão que vemos ao nosso redor"? (Catequese Renovada 182). Perderam a harmonia da perfeita 54  Existem pecados "maiores e menores"? O que existe são pecados graves (ou mortais) e pecados leves (ou veniais). deveria escolher viver em comunhão com Deus e amando seus semelhantes. Por isso nos desumaniza. Este se quisesse crescer e tornar-se cada melhor. e pedir a Jesus que os ajude a fazer uma boa confissão.23-24). não pecamos. Deus criou o ser humano para o amor. pois escolheram estar longe de Deus (é esse o significado da “expulsão do paraíso" . comunhão com Deus. Estar longe de Deus é estar longe do amor. O pecado de nossos primeiros pais não foi o simples fato de roubar um "fruto proibido". mais realizado como pessoa. Deus não tinha mais vez no coração humano. conhecedores. felicidade. Homem e mulher quiseram ser deuses para si mesmos. mais humano. Por isso. Ninguém tem maior amor do que este. Donde. Porém. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA "Deus é bom. Momento de Oração: Rezar a oração do Credo. Deus fez o ser humano livre. Os pecados graves . é bom também (Gn 1. O pecado em nossa vida. portanto. a morte da natureza criada. nossa fé ensina que no início nossos primeiros pais optaram por fechar-se em si mesmos. Por isso. criado para a comunhão. Perderam a sua razão de obedecendo os mandamentos de Deus e os ser. a comunhão: com Deus. menos humanos porque gera a morte do irmão. o ser humano dilacera sua identidade e perde a capacidade de desenvolverse como pessoa. e o homem. os irmãos.37-39). o mundo e nós mesmos. então. Imperfeitos e inacabados. de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Assim. fechados em seu orgulho. Gn 3. e mais em seus erros. Ao romper com Deus.914). que é amor perfeito.8. No paraíso. a pessoa rompe consigo mesma. Vós sois meus amigos. os seres humanos caíram sempre mais Como saber se uma determinada ação é pecado? Basta verificar se nesta ação estamos amando a Deus e ao próximo (cf. com o mundo. se fizerdes o que eu vos mando" (Jo 15. fomos criados para ser relacionais: com Deus.4). auto-suficientes do que era o bem e o mal para si mesmos. Jesus nos disse: "O meu mandamento e este: Que vos ameis uns aos outros. ou seja. foi muito mais do que isso. a morte da humanidade. usa o próximo explorando-o e prejudicando-o. ódio. tanta violência. o ser humano poderia ter crescido em Deus. escolheram abandonar a Deus. No entanto. mas um "estado de ser". que não pode entendido como um "lugar". pois o pecado nos faz menos gente. nossos primeiros pais não quiseram ouvir a voz de Deus que soava em seus corações. Mt 22. Basta verificar se nesta ação estamos não podiam mais crescer. assim como eu vos amei. Pois Esta tem sido uma escolha das pessoas em muitos momentos de suas vidas. com os outros. Assim. Gn 3. como o próprio Deus havia planejado ao criar o mundo o ser humano. perderam a raiz de ensinamentos da Igreja. parceiros no cuidado da obra da criação.

com atos graves. O PECADO ordinariamente se comete o mediante pecado os venial? (1862-1864. ou venial. por Somos libertados de um pecado mortal pelo Sacramento reconhecimento Reconciliação ou Penitência. Caso uma má ação cometida não possua uma ou mais das características do pecado mortal. Distinguem-se segundo o seu objeto. se dele não nos arrependermos. a saber. 392. arrependimento dos nossos pecados. ao próximo e a nos mesmos. jejum. embora sejam também um mal e misericórdia de Deus? (1846-1848. grave ou palavras. mas sem pleno conhecimento ou sem total consentimento. Nada pode perdoado nos separar de Deus. Os 391. ensino cristãos não estão centrados no pecado: o 396. A pregação e o Reconciliação.13-l4) . sem ser obrigada por ninguém. mas enfraquece a caridade. Quando principal anúncio da Igreja e a vitória de Deus. fidelidade na vida cristã. Existe uma variedade de pecados? (1852– 1853. a pessoa sabe claramente que o que faz e gravemente errado e mesmo assim decide fazê-lo. É uma ofensa a Deus. não tem a força de romper o nossa união com Deus e com a Igreja. um ato ou um desejo contrários à Lei eterna» (S.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III nos separam radicalmente da graça de Deus.A variedade dos pecados é grande. O que exige de nós o acolhimento da pecados veniais. obras de caridade. É leve. e nos transportou para o reino do seu Filho amado. 395. ou mesmo grave. A pessoa precisa decidir livremente fazer o mal. exercícios espirituais. Pela sua Pecados mortais são aqueles que reúnem conjuntamente as três características seguintes: 1ª Matéria grave . plena consciência e deliberado consentimento. em quem temos a redenção. ao mesmo tempo. na desobediência ao seu amor. comete-se quando se trata de matéria leve. revela plenamente a gravidade do pecado e venceo com a sua misericórdia. E como a poeira sobre a mesa. comete-se pecado mortal. Podemos ainda distinguir entre pecados por pensamentos. há matéria grave. Como se distingue o pecado quanto à gravidade? (1854) – Distingue-se entre pecado mortal e venial. O que é o pecado? (1849 – 1851. Agostinho). Não quebra a aliança com Deus. Cristo. que difere essencialmente do pecado mortal.São ações realizadas sem coação exterior. o próprio Deus nos revela os nossos pecados. através do arrependimento e da confissão desse pecado. Quando se comete o pecado mortal? (1855-1861. manifesta um afeto 55 . 1873) . 393. na sua Paixão. Apesar do poder do pecado humano. Basta uma simples espanada para tirá-la: orações. 1870) – Exige exijam conversão. Este pecado destrói a caridade. ou seja. "que nos tirou do poder das trevas. contra o próximo e contra nós mesmos. Ao deixar de cumprir os mandamentos. Fere a natureza do homem e atenta contra a solidariedade humana. 1875) – O pecado venial. pois na cruz de Jesus nosso sacramentos do Batismo e da Penitência ou pecado foi vencido pelo amor. Podem ser diretamente contra Deus. 3ª Consciência plena - Tem-se plena consciência de que o que se está fazendo e pecado. a remissão dos pecados" (Cl 1. 2ª Plena liberdade . 394. ou segundo as virtudes ou os mandamentos a que se opõem. 1874) – Comete-se pecado mortal quando. 18711872) – É «uma palavra. e considerada pecado leve. e de absolvição do padre. Os mandamentos nos ensinam como podemos amar a Deus.São contra um dos Dez Mandamentos da Lei de Deus. Deus e sua graça são mais fortes. da das nossas culpas e o Palavra e pelo seu Espírito. dá-nos a verdade da consciência e a esperança do perdão. por ações e por omissões. priva-nos da graça santificante e conduz-nos à morte eterna do inferno.

Vol. avareza. 2008. Compêndio do Catecismo da Igreja Católica (Site: www. impede o 399. 56 Fonte: Crescer em Comunhão. Como prolifera em nós o pecado? (1865. 397. Livro do Catequista. luxúria. O que são as estruturas de pecado? 1876) – O pecado arrasta ao pecado e a sua (1869) . 63-65.va). que são: soberba. Ed.desordenado pelos bens criados. ira. cooperamos. sendo contrários às virtudes. III. quando conscientemente neles do bem moral. gula e preguiça ou negligência. . O que são os vícios? (1866-1867) – Os pecados pessoais.Vozes. inveja. expressão e efeito de 398. Temos responsabilidade nos pecados progresso da alma no exercício das virtudes e na cometidos por outros? (1868) – Existe esta prática responsabilidade. contrárias à lei divina.São situações sociais ou instituições repetição gera o vício. 400. são hábitos perversos que obscurecem a consciência e inclinam ao mal. P.vatican. Os vícios podem estar ligados aos chamados sete pecados capitais. merece penas purificatórias temporais. vícios.

 Se não tiverem a iniciativa de arrumar a sala. Compare o desastre da vida de pecado do filho pródigo com a bagunça que estava na sala.. 8.. 57 . Desenvolvimento do Tema:  Deixe a sala fechada de modo que todos entrem com o catequista.  Comente que assim é o nosso Deus.  Explique que somente a confiança gera perdão. foi preciso muita humildade. Compare com a nossa vida.  Explicar que este sacramento também chamado de sacramento do Perdão e sacramento da Conversão.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 12º ENCONTRO: O SACRAMENTO DA RECONCILIAÇÃO 1.  Em seguida coloque sobre a mesa o vaso com a flor vida ao lado da flor murcha e um castiçal com a vela acesa ao lado da vela apagada.  Ajude-os a entender que a atitude do filho em quere voltar não foi fácil. ao mesmo tempo.. 11-32.  Acentuar que a graça da misericórdia de Deus nos é concedida através do ato da confissão.  Converse sobre a parábola e a gravidade das atitudes do filho mais novo..  Leia com os catequizados a Parábola do Filho Pródigo – Lc 15. Ele confia em nós!  Pergunte: E nós confiamos Nele?  Mostre o vaso com a flor murcha e a vela apagada. o As atitudes do irmão mais velho quando soube que o mais novo havia voltado.  Explique a atitude do pai que acolheu o filho com muito amor. Objetivo:  Reconhecer que através do Sacramento da Reconciliação nos encontramos com a misericórdia de Deus.  Inicie o encontro deixando que os catequizandos observem e comentem a bagunça na sala.  Através deste sacramento somos reconciliados com o Pai e com a Igreja. É preciso muita força de vontade.  Perceber que Deus deseja estar próximo de nós 2. Sabe que precisamos ser felizes e nos ajuda a arrumar a bagunça que criamos com os nossos pecados. E o perdão é capaz de arrumar a bagunça que o pecado gera em nossa vida.  Converse sobre como é difícil organizar o que está bagunçado. Escuteos e aguarde para verificar se tomam a iniciativa de arrumar ou se ficam apenas observando. Mas ele confiava no pai.  Leia com eles os pecados e fale da “bagunça” que eles podem causar na vida das pessoas e converse sobre a possibilidade de se fazer uma “arrumação” na vida.  Em seguida converse sobre: o As atitudes que fizeram com que ele quisesse “arrumar a bagunça” de sua vida. Conteúdo do Encontro:  A necessidade do arrependimento e conversão para obter a misericórdia divina. o As atitudes do pai quando o viu chegando de volta. peça que o façam e peça que os cartazes com os pecados sejam colocados no centro da sala. Ele é Pai e confia na nossa capacidade de sermos melhores. porque confiava na capacidade de seu filho em ser uma pessoa melhor.

Devido a uma um Deus que é um Pai de amor e misericórdia. o mundo não te esperando conheceu" (Jo 17. 4. Falar mentiras ou fofocas. 11-32. Desrespeitar os pais. impossibilitam um encontro 58 fundamentalista Testamento boas e más. Porém. Roubar. Se for possível leve os catequizandos à Capela do Santíssimo. sobretudo. Material utilizado:  Jornais velhos  Cartazes sujos (usar papelão escrito com carvão – ou outra forma que fiquem bem feios) com as frases:          Não amar a Deus. coloque-se fora de lugar. perdão porque íntimo e pessoal de muitas pessoas com o Pai de pequei" (Lc 15. Faltar à missa aos domingos (sábados) por preguiça.21) quem descobriu a intimidade de Nosso Senhor Jesus Cristo. que está um duro . espalhe pela sala jornais amassados e rasgados. olho. Momento de Oração:  Propor a memorização da fórmula do Ato de Contrição. castigador.25). fraternidade e união como ação concreta de preparação para este momento. dente por dente". um julgamento após a morte aos moldes de "olho por grande desconhecido. baseada. Pergunte qual a diferença entre os símbolos e o que isso tem a ver com a nossa vida com Deus. O próprio Cristo disse: "Pai Santo. 5. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA Só diz sinceramente "Pai. Ambientação:  Antes que os catequizandos cheguem desorganize a sala de catequese: vire as cadeiras de pernas para o ar. realizando gestos de partilha. ou a balança das ações Algumas concepções de Deus. Ele é Pai.  Recomende que os catequizandos pensem e rezem pedindo ajuda para se prepararem dignamente para a celebração da Primeira Eucaristia. 10.  Conduza a conversa até que concluam que nossa vida sem Deus é como uma vela apagada e não tem sentido. Ou como uma flor que sem água perde a vida. Fomos feitos para brilhar e ter vida! Mas o pecado estraga tudo. infelizmente. Querer destruir um matrimônio. Deus Pai é.  Faça com os catequizandos uma oração pedindo que o Espírito Santo os ajude a fazer uma boa confissão. construídas durante muito tempo. Esta interpretação é a mais importante descoberta da fé cristã: Escritura. Atividades: Acompanhe e oriente as atividades conforme a leitura bíblica. 11.. Desrespeitar o nome e a pessoa de Deus. Leitura utilizada: Lc 15. e Apresentam cada um da Sagrada interpretando-os um para Deus realizar mal. Matar ou promover a morte do irmão. Invejar as coisas alheias. e os cartazes sujos 9.. em textos do Temos um Deus que veio ao nosso encontro e Antigo misericordiosamente nos salvou. para muitos. muitos pregam e crêem num Deus vingador e muitas pessoas ainda não conhecem esta verdade.

Eclo 2. Deus nos revela seu Porque do Perdão. nem haverá mais pranto. Deus Pai sai de si para nos chamar a participar de sua vida e de sua glória. sacramento da da Reconciliação depois do Batismo? (1425 – 1426) – Porque a nova vida da graça. que perdoa incansavelmente (cf. existe um da Confissão. cujo centro é "O pai misericordioso" (CIC 1440). vivendo o amor num tempo em que "Ele enxugará 297.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III A grande alegria da fé cristã é a descoberta 'nas redes da morte' (Sl 116. Ao falarmos que Deus é misericordioso não devemos ter medo de desvalorizarmos sua justiça. envolvido conversão é um empenho contínuo para toda a Igreja. Ex 3. nem lamento. mas com a plena convicção de que nosso Deus faz tudo para nos dar a verdadeira vida. se mostrou aos Apóstolos e lhes disse: «Recebei o Espírito Santo. Is 38.7-10). projeto de vida. Mas pelo pecado nós é que nos fechamos a Ele e já não recebemos seu amor e sua vivos (Mc 12. Cristo instituiu este sacramento para a conversão dos batizados que pelo pecado d’Ele se afastaram.3). e não haverá mais morte. "Por assim dizer. sua vida e sua santidade. 298. A justiça de Deus serve para nos corrigir e colocar no caminho do bem. Cada vez que Israel procurou e 299.diferente dos ídolos . Quando foi instituído este sacramento? (1485) – O Senhor ressuscitado instituiu este sacramento quando. Por isso. deve nascer imediatamente em nós a iniciativa de correr para os braços do Pai que acolhe sempre a todos. A justiça deste Pai só é dura porque está fundamentada no amor. a expressão "Pai. perdão porque pequei" nunca deveria ser dita por medo. Deste Deus . da pecados. povo que fez seu.4).11) e que restitui a salvação perdida quando o povo. Ecl 34. Mediante Israel. E Ele sabe que a grande maioria de nossas O que nos diz o Catecismo da Igreja Católica dores são provocadas por nós mesmos. que é santa mas contém pecadores no seu seio. Jesus Jesus afirmará que ‘não e um Deus de mortos. não suprimiu a fragilidade da natureza humana nem a inclinação para o pecado (isto é. todas as vezes que a vida é ferida. A justiça divina triunfa soberanamente sobre todas as injustiças humanas. Os batizados têm ainda necessidade de necessitou de seu Deus. Por isso. O que é a penitência interior? (1430 – 1433) – É o dinamismo do «coração contrito» (Sal 59 . Ele é puro amor! Nossas maldades. que o fazia partícipe de sua verdade. dirige-se a Ele de quem realmente é Deus Pai. porque já as primeiras coisas são passadas" (Ap 21. na tarde de Páscoa. Como é chamado este sacramento?(1422 – convertermos a Ele. passaremos para uma vida nova. ofensas. Esta com Ele. mas de revela a face misericordiosa de Deus. distâncias não diminuem o amor que Ele sente por nós! Seu amor é tão grande que não suporta ver nosso sofrimento. Ninguém pode suplicante (cf. O que não provem do amor não tem espaço no Reino de Deus. Deus quer nossa conversão não porque Reconciliação: fica ofendido conosco. graça. sobretudo nas desgraças conversão? (1427 – 1429) – O apelo à conversão nacionais. "O dinamismo da conversão e da penitência foi maravilhosamente descrito por Jesus na Parábola do Filho Pródigo. De fato. Assim. recebida no Batismo. teve uma singular experiência de comunhão ressoa continuamente na vida dos batizados. nem dor.e o 'Deus vivo' (Dt 5. curando-nos e ajudando-nos a sermos melhores.que é seu Pai - conhecer o Pai a não ser por Jesus Cristo.16). 300.26) que o liberta dos opressores (cf.6. de seus olhos toda lágrima. pedindo perdão dos nossos 1424) – É chamado sacramento da Penitência. a concupiscência). e àqueles a quem os retiverdes serão retidos» (Jo 20. mas porque sabe que se nos 296. àqueles a quem perdoardes os pecados serão perdoados.27) (DA 129)’". com nossos sobre o Sacramento da Penitência e da pecados. não demorou em testemunhar que seu Deus . O Reconciliação. grande sonho do Pai é ver todos os seus filhos Conversão. 22-23).

A quem é reservada a absolvição de São dois: os atos realizados pelo homem que se alguns pecados? (1463) – A absolvição de alguns converte sob a ação do Espírito Santo e a pecados particularmente graves (como os punidos absolvição do sacerdote. Estas e muitas outras formas sucessores e aos presbíteros seus colaboradores. das penas temporais que são 305. 301. que confessor está consiste na acusação dos pecados feita diante do sacramental. a paz e a serenidade da pecados graves? (1457) – Todo o fiel. a se encontra em perigo de morte. a recuperação.51. Quais são os atos do penitente? (1450 – absolver de qualquer pecado e excomunhão a quem 1460) – São: um diligente exame de consciência. Quais os elementos essenciais do pela Igreja. embora todo o sacerdote possa 303. é imperfeita. é obrigado a confessar os seus pecados graves ao menos uma vez por ano e antes de receber a Sagrada Comunhão. Porque é que os pecados veniais podem ser também objeto da confissão sacramental? 60 consciência. ou seja. Quem é o ministro deste sacramento? cristã? (1434 – 1439) – A penitência manifesta-se (1461 – 1466) – Cristo confiou o ministério da de muitas maneiras. exercem o poder de perdoar os pecados no Nome 302.19). . impõe ao penitente para reparar o dano causado 310. contrição (ou arrependimento). autorizados. que o confessor exceção e sob penas severíssimas. sacramento da Reconciliação? (1440 – 1449) – 308. movido pela graça divina a responder ao (1458) – A confissão dos pecados veniais é muito amor misericordioso de Deus. a reconciliação aos seus Apóstolos. e que inclui o ministério e o respeito devido às pessoas. aos Bispos seus oração e a esmola. 306. de penitência podem ser praticadas na vida os quais. o cumprimento pecados conhecidos em confissão. sem nenhuma de certos atos de penitência. a satisfação. se perdida. Quais são os efeitos deste sacramento? pelo pecado. em especial pelo jejum. Como se manifesta a penitência na vida 307. dos quais nos recordamos com a Igreja. O Confessor é obrigado ao segredo? quando é motivada pelo amor a Deus. A estado de graça. a reconciliação ainda não confessados. porque nos ajuda a firme de não mais pecar e a confiança na ajuda de formar uma consciência reta e a lutar contra as Deus. do depois dum diligente exame de consciência. a remissão da pena eterna confissão dos pecados graves é o único modo merecida por causa dos pecados mortais e. para nos deixarmos curar por divina. portanto se convertem em instrumentos quotidiana do cristão. embora não do Pai e do Filho e do Espírito Santo . isto é. o absoluto segredo acerca dos sacerdote. 309. Alimenta-se da esperança na misericórdia más inclinações. obtida a idade da razão. obrigado a manter o sigilo (1468 – 1470) – Os efeitos do sacramento da 304. que em Nome de Cristo com a excomunhão) é reservada à Sé Apostólica concede o perdão e estabelece a modalidade da ou ao Bispo do lugar ou aos presbíteros por ele satisfação. Eles Quaresma e no dia penitencial de Sexta-feira. Cristo e progredirmos na vida do Espírito. Implica a dor e a recomendada repulsa pelos pecados cometidos. (1467) – Dada a delicadeza e a grandeza deste se fundada sobre outros motivos. Que pecados se devem confessar? (1456) Penitência são: a reconciliação com Deus e – Devem-se confessar todos os pecados graves portanto o perdão dos pecados. menos em parte. a confissão. o propósito estritamente necessária. que é perfeita. ao ordinário para obter o perdão. todo o propósito de não mais pecar. e a consolação do espírito. Quando se é obrigado a confessar os conseqüência do pecado. o acréscimo das forças espirituais para o combate cristão. especialmente no tempo da da misericórdia e da justiça de Deus.

recorrer à celebração comunitária da Reconciliação com confissão genérica e absolvição coletiva.vatican. Livro do Catequista. 2008 – p. como dispensadora (1480 – 1484) – Em casos de grave necessidade da redenção. III. respeitando as normas da Igreja e com o propósito de confessar individualmente os pecados graves no tempo oportuno. pode-se Cristo e dos Santos.69-70. já perdoados Fonte: Crescer em Comunhão. Ed. Quando se pode celebrar este sacramento fiel adquire para si ou para os defuntos mediante com confissão genérica e absolvição coletiva? o ministério da Igreja. o 61 . distribui o tesouro dos méritos de (como o perigo iminente de morte).va) quanto à culpa. a qual.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 311. Vol. Vozes. 312. que. O que são as indulgências? ( 1471-1479) – As indulgências são a remissão diante de Deus da pena temporal devida aos pecados. em determinadas condições. Compêndio do Catecismo da Igreja Católica (Site: www.

confissão e satisfação. Quem antecede o nosso desejo de nos aproximar dele. 1-10. Como era e o que faz para mudar de vida.  Ajude-os a refletir sobre as atitudes de Jesus: Ele foi ao encontro de Zaqueu mesmo quando este ainda estava em pecado (ele roubava cobrando impostos indevidos e desviando o dinheiro para seu próprio bolso). Leitura utilizada: Lc 19. 1-10.  Zaqueu não teve medo de confessar publicamente seus erros. Material utilizado: Cartazes. nunca errou? Quem nunca sentiu aquele nó na vindo ao nosso encontro mesmo diante de nosso garganta. Conteúdo do Encontro:  Explicar a celebração do Sacramento da Reconciliação através dos cinco passos: Exame de consciência. Objetivo:  Examinar a própria vida e perceber as faltas. favorecendo o arrependimento e o propósito de uma sincera conversão. propósito. pois para ela o mais importante era o novo homem que ele seria dali por diante. Ele confiava em Jesus e na vida nova que Jesus propunha. Jesus não evitou Zaqueu e não se preocupou por estar na casa de um pecador. 18. 15. Sua presença amorosa convidou 62 . que se encontram nos balões desenhados na Apostila do catequizando. (Lc 19. 13. aquele aperto no peito e o amargo na pecado. é amor e quero entrar na sua casa!" e a Zaqueu coube perdão! Ele nos ama primeiro! A sua graça acolher o Senhor.13º ENCONTRO: O SACRAMENTO DA RECONCILIAÇÃO 1. 14. Jesus confiava que Zaqueu podia ser melhor do que era.  Leia o texto de Lc 19. Desenvolvimento do Tema:  Dialogue com os catequizandos sobre o encontro anterior e colha as diversas opiniões sobre o Sacramento da Reconciliação. fraternidade e união como ação concreta de preparação para este momento APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA A experiência do pecado nos invade. E o que se percebe na história de Zaqueu boca apos ter cometido um erro? Nós falhamos. Ambientação: Organize a sala de catequese espalhando cartazes com as idéias a respeito do Sacramento da Reconciliação.  Em seguida peça que descrevam as atitudes de Zaqueu.1-10): Jesus se adianta e é Ele quem diz "Eu somos imperfeitos! Deus. 17. 12. Atividades: Acompanhe e oriente as atividades.  Apresente os cinco passos de Zaqueu para a conversão e leia na apostila os cinco passos para uma boa celebração do Sacramento da Reconciliação. contudo. Momento de Oração: Reze com eles pedindo a Deus para que façam uma boa confissão e se prepararem dignamente para a celebração da Primeira Eucaristia. arrependimento.  Aproveite para reforçar os aspectos positivos e tirar as dúvidas ou medos. 16.  Contar ou encenar a história de Zaqueu valorizando as falas de Jesus e de Zaqueu. realizando gestos de partilha.

convida ao popularmente Sacramento conhecido da como "Confissão". com os irmãos. e mesmo assim esse alguém continuar a nos amar. Jesus não só mesmo. da última qual o pecado os havia afastado ou ate excluído também os veniais. Olhando para o mais íntimo de nós mesmos mal. Que é um irmão na fé. na consciência. com a natureza e metade dos meus bens aos pobres e.. a apresentação explícita de nossas falhas. Deus se nos apresenta como o Pai acolhedor. 4. mas o servo do perdão de Deus" (CIC 1466).18. para nós o Senhor nos Reconciliação. o penitente precisa desejar não mais cometer pecados no futuro.. significa sentir a dor e a maldade de nossos atos pecaminosos. É Deus quem perdoa os pecados. Acusar-se sem medo e admitir tudo quanto tenha feito. a autoridade de reconciliar os pecadores com a 2. perdoa nossas faltas. e ele aceitou. CONFISSÃO É o ato de procurar o ministro da Igreja (padre) e dizer explicitamente o pecado que cometeu. não é algo que deva nos amedrontar. restituirei o quádruplo" (Lc aproximarmos do ministro da Reconciliação é de 19. Arrepender-se reconciliação com Deus" (CIC 1443-1445). “Consiste numa dor na alma e detestação do pecado cometido” (CIC 1451) 3. Cabe lembrar que o padre tem a obrigação de guardar o sigilo sacramental. EXAME DE CONSCIÊNCIA A voz de Deus fala ao ser humano em seu interior. analisar antes de sinceramente nos nossa perdoou os pecados.16-20). se julgarmos oportuno.. É perceber como eles nos fizeram Assim como para Zaqueu Jesus ofereceu a oportunidade de reconciliar-se com Deus. fundamental importância parar por um tempo "Durante sua vida publica. 28. [ . A podemos descobrir o que rompe a nossa amizade reconciliação aconteceu: "Senhor. acolhendo o pecador e dando-lhe a absolvição: "O confessor não é o Senhor. Neste sacramento celebramos o Deus que nos acolhe. GS 16). se tiver conosco defraudado alguém.. que entende nossas angústias. PROPÓSITO Para que o arrependimento seja sincero e a reconciliação perfeita. nos aponta o caminho de retorno à plena comunhão com Deus e com sua Igreja. suficiente e Por isso. vou dar a com Deus. Dizemos para o padre. Conferindo aos apóstolos seu próprio poder nos curar. mas sim uma oportunidade carinhosa e delicada que a Igreja nos oferece para avaliarmos nossa vida e descobrirmos como ser melhor e viver realmente felizes na presença de Deus. Na pessoa do confessor (padre ou bispo). e ele pode nos dizer em nome dos demais irmãos e do próprio Deus que eles ainda nos amam e nos perdoam.. Para que o Divino Médico possa [ . O Sacramento da Reconciliação. ] A De nada adianta enumerarmos nossos pecados reconciliação com a Igreja é inseparável da se não nos arrependermos deles. O propósito de não mais pecar é o fruto imediato de um arrependimento sincero. como prejudicaram nosso próximo. mas também manifestou o consciência.8b). e como feriram nossa comunhão com Deus. Faz-nos bem admitir para alguém que erramos. confissão e. É lá que Ele coloca a sua lei: "faça o bem e evite o mal" (cf. ARREPENDIMENTO Igreja [ .Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III Zaqueu a mudar de vida. o perdão celebrado é a reconciliação oferecida por Deus. É importante enumerarmos quais efeito desse perdão: reintegrou os pecadores foram os pecados mortais cometidos desde a perdoados na comunidade do Povo de Deus. o Senhor também lhes dá nossas doenças para Ele.. Uma boa maneira de entender como Deus nos reconcilia consigo é dividir didaticamente a celebração do Sacramento da Reconciliação em cinco passos: 1. sem ocultar nenhuma. é preciso apresentar corretamente de perdoar os pecados. ] (cf. pois o padre age na pessoa de Cristo. ou seja. portanto. meditando sobre o modo de evitar as faltas já cometidas. ]. Este é o lado humano da confissão dos pecados. não 63 . Mt 18.

poderá revelar os pecados confessados ou fazer

5. SATISFAÇÃO

uso do conhecimento da vida dos penitentes. Caso

É também chamada de PENITÊNCIA e

isso aconteça, ele será punido com a excomunhão.

consiste na reparação dos erros cometidos. É

Quanto à maneira correta de se confessar,
apresentamos os seguintes momentos:


proposta pelo padre (confessor) um pouco antes
da absolvição dos pecados. Não consiste numa

Aproxime-se do padre e, após sua acolhida e

punição a ser cumprida, mas sim numa maneira de

bênção (se houver), diga-lhe quando foi a sua

aprofundar a conversão tentando reverter ou

última confissão e manifeste seu desejo de

amenizar o mal cometido e de agradecer pelo

conversão.

perdão recebido. É um remédio a ser tomado, em

Apresente o seu estado de vida (solteiro,

vista de própria conversão.

casado, ministro, ordenado, religioso, viúvo...).

É importante notar que os cinco passos para

Diga os pecados de modo claro, simples e

uma boa reconciliação envolvem a vida toda do

objetivo,

e

penitente. Dos cinco passos, apenas o quarto

concluindo com os mais leves. Confesse-se

acontece na presença do padre. Os demais

sem medo com o padre. Ele é um amigo que

acontecem antes ou depois da celebração do

deseja lhe ajudar.

sacramento em si. O Sacramento da Reconciliação

Não tente se justificar, não culpe outras

nos ajuda a viver constantemente em processo de

pessoas por seus pecados, não entre em

conversão, aproveitando todos os momentos de

detalhes da história de seus pecados, não

nossa vida para nos avaliarmos, revermos posições

faça da confissão uma conversa, um bate-

e mudarmos de vida se for necessário. Além do

papo. Este é um sacramento de amor de Deus.

Sacramento

Escute

a

oferece vários caminhos penitenciais que podem

for

nos ajudar a viver em contínuo processo de

iniciando

pelos

atentamente

penitência

imposta

os
pelo

mais

graves

conselhos
padre.

Se

e

da

Reconciliação,

a

Igreja

nos

necessário, esclareça alguma dúvida.

conversão: a ascese, os "atos penitenciais" da

Diga o Ato de Contrição.

missa e dos demais sacramentos, os tempos

Acolha a absolvição do padre.

penitenciais – “todas as sextas-feiras do ano e o
Tempo

da

Quaresma"

(Código

de

Direito

Canônico, c. 1250), a prática diária do exame de
consciência recomendado antes de dormir; oração
do Pai-Nosso, onde se pede o perdão; a correção
fraterna, os exercícios de piedade.

"O sigilo sacramental é inviolável; por isso é
absolutamente ilícito ao confessor de alguma
forma trair o penitente, por palavras ou de
qualquer outro modo e por qualquer que seja a
causa. [...] É absolutamente proibido ao confessor
o uso [...] de conhecimento adquirido por meio da
confissão, mesmo sem perigo algum de revelação
do sigilo" (Código de Direito Canônico, c. 983-984).

64

Diocese de São José dos Campos
Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III
14º ENCONTRO: VAMOS APRENDER A CONFESSAR
1. Objetivo:
 Examinar a própria vida e perceber as faltas.
 Obter o arrependimento e o propósito de uma sincera conversão.
2. Conteúdo do Encontro:
 Praticar o exame de consciência.
 Aprender a confessar.
3. Desenvolvimento do Tema:
 Dialogue com os catequizandos sobre o encontro anterior e colha as
diversas opiniões sobre o Sacramento da Reconciliação.
 Reforce a atitude do Pai bondoso ao receber de volta o filho que havia saído de casa.
 Ajude-os a refletir sobre as atitudes de Jesus, que foi ao encontro de Zaqueu mesmo quando este
ainda estava em pecado (ele roubava cobrando impostos indevidos e desviando o dinheiro para seu
próprio bolso).
 Jesus não evitou Zaqueu e não se preocupou por estar na casa de um pecador. Jesus confiava que
Zaqueu podia ser melhor do que era.
 Em seguida peça que descrevam as atitudes de Zaqueu. Como ele era e o que faz para mudar de
vida.
 Zaqueu não teve medo de confessar publicamente seus erros, pois para ele o mais importante era o
novo homem que ele seria dali por diante. Ele confiava em Jesus e na vida nova que Jesus propunha.
 Apresente os cinco passos de Zaqueu para a conversão e leia na apostila os cinco passos para uma
boa celebração do Sacramento da Reconciliação.
 Agora leia junto com os catequizandos o texto da apostila – ajudando-os a se prepararem para a
Confissão.
 Prepará-los para fazer o exame de consciência pedindo que anotem num papel os pecados que
forem se lembrando durante a reflexão. Explicar que este papel será queimado no final do
encontro (ou colocado numa bacia com água para se dissolver, se o catequista achar melhor)
4. Leitura utilizada: Lc 19, 1-10.
5. Ambientação:
Cadeiras em círculo, toalha na mesa, flores, vaso, vela, Bíblia – colocar no centro da sala uma peça de
barro para queimar os papéis ou uma bacia com água.
6. Material utilizado: vaso de barro ou bacia para queimar os papéis.
7. Atividades: reflexão e exame de consciência.
8. Momento de Oração:
Reze com eles pedindo a Deus para que façam uma boa confissão e se prepararem dignamente para a
celebração da Primeira Eucaristia, realizando gestos de partilha, fraternidade e união como ação
concreta de preparação para este momento
APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA
Reler o aprofundamento dos encontros 11º ao 13º.

65

15º ENCONTRO: INSTITUIÇÃO DA EUCARISTIA
1. Objetivo:
 Entender que a Eucaristia nos foi dada por Jesus para
celebrarmos a Sua vida em nossa vida.
 Perceber que o sofrimento de Jesus por amor a nós, foi
para nos levar a viver com Ele a sua ressurreição.
2. Conteúdo do Encontro:
 Narrar como aconteceu a Instituição da Eucaristia.
 Relacionar com a Missa.
 Contar os milagres Eucarísticos.
3. Desenvolvimento do Tema:
 Prepare o ambiente conforme o item 5.
 Conforme os catequizandos chegam, peça que se sentem no chão e façam silêncio.
 Comece o encontro conversando com os catequizandos sobre o quadro da Santa Ceia e explorando o
seu significado.
 A partir deste diálogo, introduzir o tema.
 Ler o texto de Lc 22, 7-20.
 Convide-os a dramatizar a leitura do Evangelho. Escolha um dos catequizandos para representar
Jesus e explique o que será dito pelos personagens de acordo com o texto e como o pão e o sucoa
de uva serão distribuídos.
 Procure fazer a dramatização em clima de espiritualidade.
 Faça a comparação com a missa e explique que pelas palavras do padre, o pão e o vinho se
transformam em Cristo, realmente presente.
 Conte novamente o Milagre de Lanciano (6º Tema Extra – Corpus Christi) ou acrescente outros
milagres Eucarísticos.
 Traga folhetos
litúrgicos pedindo que encontrem na Oração Eucarística o momento da
consagração. Ensinar que existem 14 fórmulas de Oração Eucarística.
4.

Leitura utilizada: Lc 22, 7-23.

5. Ambientação:

Preparar a sala com um tapete no chão e música instrumental, deixando num clima de silêncio, e o
ambiente bem espiritualizado.

No centro do tapete estender uma toalha com pão, suco de uva, copos e túnicas (se houver
possibilidade – podem ser improvisadas com lençóis que poderão ser solicitados aos catequizandos
no encontro anterior).

Providenciar um quadro da Santa Ceia, ou cartazes alusivos ao tema.

Providenciar cartazes com as frases ditas por Jesus e hoje pelo padre na Oração Eucarística.

6. Material utilizado: Citados acima.
7. Atividades:Acompanhar e orientar as atividades.
Respostas da cruzadinha: a) alimento; b) apóstolos; c) Eucaristia; d) Ceia; e) Nova; f) Aliança; g) Paixão.
8. Momento de Oração:
 Agradecer a Jesus pelo seu amor por nós e por ter nos deixado a Eucaristia como nosso alimento
espiritual.
 Encerrar com a oração do Símbolo Niceno-Constantinopolitano .
APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA
66

É o sinal os pães ázimos. sacrifício. o banquete libertadora partida do Egito. Qual o lugar da Eucaristia no desígnio da Jesus. 1365) Eucaristia? (1345 – 1355) – Desenrola-se em dois – Depois de reunir os Apóstolos no Cenáculo. incruento na Eucaristia.23). celebrada cada ano pelos judeus com memorial da sua Morte e Ressurreição. 273. para Pela perpetuar Como se desenrola eucarística. 24). Santo Sacrifício. que age na Igreja? (1324-1327) – É fonte e cume da vida Pessoa de Cristo Cabeça e em nome da Igreja. 1337-1340) – Instituiu-a na «Fazei isto em memória de mim» (1 Cor 11. A comunhão da vida divina e a sacrifício de Cristo? (1362– 1367) – A eucaristia unidade do Povo de Deus são significadas e é memorial no sentido que torna presente e atual realizadas celebração o sacrifício que Cristo ofereceu ao Pai. da morte e da ressurreição oferece. Na Eucaristia.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III O SACRAMENTO DA EUCARISTIA Liturgia. Fazei isto em 278. Santos Mistérios. Os mais derramado por vós» (Lc 22. durante um banquete 272. derramado por vós e por a comunhão. em que se recebe Cristo. Eucaristia? (1348) – É o sacerdote (Bispo ou 274. Santa Missa. Como é que a instituiu? (1337-1340. que vai ser entregue por vós» e «este exprime-se com diferentes nomes que evocam cálice é a nova aliança no meu sangue. Fração do pão. sobretudo ao entregue» (1Cor 11. cristã. O que significa a Eucaristia na vida da presbítero). dia da ressurreição de Jesus. na cruz.19-20). 277. Idênticos são a vítima e Aquele que Memorial da paixão. fiel ao mandamento do Senhor: Eucaristia? (1323. Celebração Eucarística. o vínculo da caridade. Apóstolos a última Ceia. próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor 276. que contém as palavras da consagração. diverso é só o modo de oferecer-se: do Senhor. Nela está contido todo o São o pão de trigo e o vinho da videira. e nova e eterna aliança. atingem o auge. partiu-o e deu- culto: a liturgia da Palavra. o salvação? (1333 – 1344) – Na Antiga Aliança. validamente ordenado. todos para a remissão dos pecados. a alma se enche seu ensino e institui-a. sobretudo na ceia seu regresso. celebrando com os seus de graça e nos é dado o penhor da vida eterna. confiando assim à sua Igreja o pascal anual. O antecipamos a vida eterna. Quando é que Jesus Cristo instituiu a pascal. O sacrifício da comuns são: Eucaristia. a sacrifício da cruz no decorrer dos séculos até ao Eucaristia é preanunciada. em favor da humanidade. tesouro espiritual da Igreja: o próprio Cristo. Santa Comunhão. caráter sacrifical da Eucaristia manifesta-se nas 275. Santa e Divina cruento na cruz. que compreende a lho dizendo: «Tomai e comei todos: isto é o meu proclamação e escuta da Palavra de Deus. que vai ser alguns dos seus aspectos particulares. Como é chamado este sacramento? (1328 – próprias palavras da instituição: «Isto é o meu 1332) – A insondável riqueza deste sacramento corpo. Como é que a Eucaristia é memorial do nossa Páscoa. a ação 279. Quem é o ministro da celebração da memória de mim». Quais os a que elementos celebração compreende essenciais da a e 67 . uma vez eucarística unimo-nos desde já à liturgia do Céu e por todas. Jesus anuncia-a no pascal. 280. Quinta Feira Santa. Santíssimo 271. para recordar a imprevista e da unidade. Depois tomou em suas liturgia mãos o cálice do vinho e disse-lhes: «tomai e apresentação do pão e do vinho. A Igreja. grandes momentos que formam um só ato de Jesus tomou em suas mãos o pão. ao celebrar a Última Ceia Domingo. a oração ou bebei todos: este é o cálice do meu sangue para a anáfora. «na noite em que foi sempre celebrou a Eucaristia. Ceia do cruz e o sacrifício da Eucaristia são um único Senhor. e a corpo entregue por vós». santificadora de Deus em nosso favor e o nosso necessários para realizar a Eucaristia? (1412) – culto para com Ele. O que é a Eucaristia? (1322-1323) – É o Sacramento do altar. que Ele na instituiu Eucaristia. com os seus Apóstolos.

sacrifício da cruz) e como Eucaristia? (1373 – 1375) – Jesus Cristo está alimento celeste que se nos dá (altar-mesa presente eucarística). Que significa transubstanciação? (1376 – Igreja recomenda aos fiéis que participam na 1377) – Transubstanciação significa a conversão santa Missa que também recebam. Comunhão é preciso estar plenamente incorporado Todavia as características sensíveis do pão e do à Igreja católica e em estado de graça. vinho. o seu sofrimento. na Eucaristia dum modo único e incomparável. de adoração reservado só a Deus Igreja. real. 292. o sacrifício dos membros do seu Corpo. conserva e renova a vida da graça quer durante a celebração eucarística quer fora recebida no Batismo e no Crisma. isto é. a observância do jejum inteiro em cada uma das espécies eucarísticas e em cada uma das suas partes. Que se requer para receber a sagrada se na oração eucarística mediante a eficácia da Comunhão? (1385–1389) – Para receber a sagrada palavra de Cristo e a ação do Espírito Santo. Esta conversão realiza- 291.281. leva-as em procissão e convida (1368 – 1372) – Na à visita freqüente e à adoração do Santíssimo Eucaristia. a Eucaristia é também oferecida por sacramental da sua Páscoa. Quando se deve comungar? (1389) – A 283. prescrevendo a Corpo de Cristo e de toda a substância do vinho na obrigação de a receber ao menos pela Páscoa. Que tipo de culto é devido ao sacramento Comunhão? (1391 – 1397) – A sagrada Comunhão da Eucaristia? (1378 – 1381) – É devido o culto de aumenta a nossa união com Cristo e com a sua latria. Como é que Jesus está presente na sacrifical (altar. apresenta-as à solene 68 futuro. com as devidas de toda a substância do pão na substância do disposições. De fato. sem consciência de pecado mortal. está presente de modo 289. São também importante o espírito de todo recolhimento e de oração. Quem tem isto é as «espécies eucarísticas». 1391 – 1396) – A Eucaristia o seu trabalho são unidos aos de Cristo. trajes). isto é. e pecados de todos os homens e para obter de Deus nos une a si e entre nós no seu sacrifício. A vida dos 287. festas de preceito. consciência de ter cometido pecado grave deve 284. permanecem inalteradas. Quando é que a Igreja obriga a participar verdadeiro. enquanto subsistem as espécies eucarísticas. (gestos. o seu louvor. e recomenda a participação sob as espécies eucarísticas do pão e do vinho. porque Cristo. oferecidos como alimento e bebida. prescrito pela Igreja e ainda a atitude corporal 285. perdoa os pecados enfermos veniais e preserva-nos dos pecados mortais. Como sacrifício é que a eucarístico? Igreja participa no adoração dos fiéis. presente como vítima 282. a sagrada Comunhão. a participar na santa Missa cada Domingo e nas Nela está presente em modo sacramental. nela também nos outros dias. benefícios espirituais e temporais. no e às pessoas impossibilitadas de participar na Santa Missa. Enquanto é o banquete pascal. como sinal de respeito para com Até quando continua a presença eucarística de Cristo? (1377) . . 286. a Igreja conserva com a maior crescer diligência as Hóstias consagradas. em reparação dos seu Sangue. pela realização sacrifício. substância do seu Sangue. A fração do pão divide Cristo? (1377) – A receber o sacramento da Reconciliação antes da fração do pão não divide Cristo: Ele está presente Comunhão. leva-as aos Fortalecendo-nos na caridade. A Igreja do 288. pascal? (1382 – 1384.Ela continua Cristo. com a sua Alma e a sua Divindade. De fato. o sacrifício de Cristo torna-se também Sacramento conservado no tabernáculo. Porque é que a Eucaristia é banquete fiéis. substancial: com o seu Corpo e o na santa Missa? (1389) – A Igreja obriga os fiéis seu Sangue. símbolo do próprio Cristo. isto é. a sua oração. Cristo completo: Deus e homem. nos dá o seu Corpo e o todos os fiéis vivos e defuntos. Que significa o altar? (1383) – O altar é o céu está unida também à oferta de Cristo. e faz-nos dela. Quais no são amor os frutos para com da o sagrada próximo. 290.

os ministros católicos que. à santíssima Virgem e a todos os santos. administram licitamente a sagrada comunhão aos 69 .Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 293. nos desejar a vida eterna. espontaneamente a peçam e com as devidas fortalece-nos para a peregrinação desta vida. tenham as devidas disposições ministros católicos administram licitamente a e manifestem a fé católica acerca do sacramento. Quando é possível administrar a sagrada fiéis. sagrada comunhão aos membros das Igrejas 294. faz- disposições. unindo-nos desde já a No que católica. Comunhão aos outros cristãos? (1398-1401) – Os espontaneamente. à Igreja do Céu. a peçam (1402 – 1405) – Porque a Cristo. Porque é que a Eucaristia é «penhor da orientais que não têm plena comunhão com a futura Igreja estes Eucaristia nos enche das graças e bênçãos do Céu. por glória»? motivos graves. se refere sempre aos que membros doutras Comunidades eclesiais. sentado à direita do Pai.

por amor a nós. da treva para a luz. os doentes. etc.  O caminho do sofrimento de Jesus rumo à ressurreição marca a passagem das trevas para a luz. em nossas famílias e comunidades.  Comentar: quantas pessoas hoje estragam sua vida ou a vida do irmão. brigas. escrever em quadradinhos de papel.. a droga. corrupção.. aos discípulos de Emaús que o reconheceram ao partir o pão. com o vício. vela. Bíblia e crucifixo – e uma bacia com água. Mt 27. traições. Justiça para todos. a morte. Atividades:Fazer as leituras bíblicas indicadas para completar a atividade. Jesus Morreu para nos dar vida em abundância – Jo 10. 15.16º ENCONTRO: PAIXÃO. Leitura utilizada: Mt 26. da morte para a vida.  Jesus entregou a sua vida na Cruz. Acompanhar na apostila. situações de morte – violência. Material utilizado: Cruz e Água.  Ler Mt 28. 1-10. a Pedro e João.  Despertar o desejo de conhecer e amar o Cristo Ressuscitado.  Acompanhar na apostila. inveja. 9. torturado. roubos.  Perceber o que sofrimento de Jesus por amor a nós foi para nos levar a viver com Ele a sua ressurreição. Conteúdo do Encontro:  Recordar a Paixão. Amor. 14. Morte e Ressurreição de Jesus.  Após a ressurreição Jesus apareceu a várias pessoas: às mulheres que foram ao túmulo no domingo bem cedinho. 13. os pecadores. Desenvolvimento do Tema:  Fazer ligação com os encontros anteriores (a Última Ceia)  Fazer a leitura do texto de Lucas 23. mentiras. Ambientação: toalha. os marginalizados. 1-4 Lc 23. 33–44. Deus Pai torna a criar todas as coisas. 1-10 12. para nos libertar do mal e nos dar a vida eterna no Céu. ciúmes. MORTE E RESSURREIÇÃO DE JESUS 1. Mt 28. anunciado pelos profetas. principalmente na Eucaristia e na proclamação da Palavra. Objetivo:  Compreender o motivo da condenação e morte de Jesus Cristo (nossos pecados e nossa salvação). poluição. mais tarde aos Onze.  Jesus ensinou como viver já aqui o Reino de Deus e ganhar a vida eterna. Os poderosos daquele tempo ficaram com medo que Jesus tomasse os seus tronos. Jesus pregava um reino diferente. coroado de espinhos e crucificado. 30-35. um reino que acolhia os pobres. o desespero. da tristeza para a alegria.  Mas Jesus é Deus todo poderoso e então não fica morto. Momento de Oração:  Encerrar o encontro fazendo uma celebração em dois momentos: 70 . por Jesus e em Jesus. 11. o consumismo. desmatamento.  Jesus continua a viver no meio de nós. 10. mas Ressuscita. da tristeza para a alegria. e aclamava Jesus como Rei. 10. desamor.  Cristo Ressuscitado marca a passagem da morte para a vida. O povo sofrido esperava um Messias. Refletir com os catequizandos: Jesus foi preso.  Mas Jesus disse que o Reino de Deus é diferente: Reino de Paz.

pois todos são iguais torna participantes da força salvadora de sua perante Deus e com os mesmos deveres e morte. desemprego. "A Ressurreição é o ápice da por isso curava no sábado (considerado dia Encarnação. por um lado. O cumprimento dessa missão custou-lhe a Tais atitudes geravam confronto com a vida. a ganância e a vaidade cegam a sociedade da época. chamava o Pai de Abba. as observâncias religiosas que a retoma livremente. A ressurreição é a vitória de Cristo sobre Perdoou os pecadores e curou os doentes numa a morte e sobre todos os poderes contrários à sociedade em que as pessoas que sofriam eram vida humana. riqueza o povo a querer a morte de Cristo. que o fizessem aos outros (1o 13. pela vossa graça. por liberdade aos cativos. enviou-me a anunciar a boa-nova aos pobres. nos fizestes filhos da luz.. porque admitiu mulheres como suas a curar os quebrantados de coração e proclamar a discípulas e ensinou a humildade e o serviço. porque o Senhor me (Mc 2. A Eucaristia. seu tempo. Se Cristo não ressuscitou. Para Jesus. Pedir pelas pessoas que passam por situações de morte: fome. rezando a oração: “Ó Deus. vazia é também a nossa fé (1Cor vida e a tenham em abundância (Jo 10. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. o Pai devolve a vida a seu Filho. foi tido como blasfemo. e não o homem para o sábado do Senhor está sobre mim. a proclamar um ano aceitável ao Senhor". 15."! de Jesus quebrou estruturas para restituir a A ressurreição de Cristo e o centro de dignidade dos filhos de Deus: o ladrão vem só para nossa fé. assim como as Deus.14). Após ser injustas que favoreciam apenas uma pequena traído. foi entregue aos tribunais do Império e do parcela da sociedade. vosso Filho.14-15). abandono.. que morreu na cruz por todos nós. em nossas vidas. desentendimentos. a sentença do discriminadas e excluídas por serem consideradas mundo contra o Senhor decretou sua morte na pecadoras. As incompreensões dos humanidade. a luz da vossa verdade. por outro. Por se considerar desigualdades sociais. E afirmou: o sábado foi início sua missão conforme Is 61. foi imolado. Era um mestre diferente daqueles do ungiu. vivifica e glorifica. Amém. o 2º Momento – Água (ressurreição) – acender a vela: Colocar na água todas as situações que trazem tristeza e sofrimento para nossa vida. vazia é a roubar. drogas. injustiças. Anunciou o renova a aliança selada com seu sangue e nos Reino de justiça.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III o 1º momento – Cruz (morte): diante da Cruz fazer uma oração a Jesus agradecendo a Ele pelo sacrifício que fez dando sua vida por nós. Se. "Esta noite em que Cristo. mas brilhe. matar e destruir.27). Filho de construídos a custa da opressão. brigas. a libertação aos que estão isso lavou os pés dos seus apóstolos e recomendou presos. O poder. 71 . doenças. Jesus. as leis filho de Deus. Concedei que não sejamos envolvidos pelas trevas do erro. que agora celebramos. Ela confirma a divindade de Cristo. porque ele é o verdadeiro cordeiro Condenava o poder e a Ao longo de sua vida missionária. cruz. uso da religião em proveito próprio. Eu vim para que tenham nossa pregação. nossa páscoa.”  Terminar a celebração com o canto: “Deus enviou seu Filho amando. 1-2: "O espírito feito para o homem. Jesus não hesitou em defender os dirigentes e das autoridades religiosas insuflaram oprimidos. as discriminações.10). Não aceitou a hipocrisia e o Sinédrio.” APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA Com o Batismo de Jesus no Jordão tem sagrado para os judeus). amor e paz. a pregação que tirou o pecado do mundo. na unidade do Espírito Santo. e o Espírito Santo a deviam ajudar o ser humano e não escravizá-lo. direitos.

Ele já não sofre. nem tempo e do espaço. Núcleo de Catequese Paulinas. os limites do poderá separar da vida e do amor em Cristo. para sua nova vida como se fosse um só dia de festa. 72 Fonte: Iniciação à Eucaristia. por seu Espírito. celebramos a passagem de Cristo Sua ressurreição é a garantia de que. Ibid. menor desses pequeninos. ou melhor. nº 133. o que fizestes ao suas vidas. Recordemo-nos dos apóstolos e sacramentos. Livro do Catequista. está presente em deste mundo e herdeiros da vida eterna. como glorioso. onde o seu reino já está presente como germe e início na Igreja. 40). nº 131. mas não sabemos o momento. Sua suas limitações. a mim o fizestes (Mt Cabeça 25. derramando Cristo glorificado a oração ou para a celebração permanece misteriosamente na terra. Nada nos nós. em Cristo. que da testemunharam. sua Igreja. Por isso este presente na sua ressurreição é atestada pelos apóstolos. prega e mártires o dá testemunho e se dedica ao serviço dos irmãos próprio sangue. "Senhor do cosmo e da história. Senhor Jesus" (Ap 22)3 2 3 Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. nós alcançamos a vida plena e. dos . celebra a Palavra de Deus.como também tudo o que ele fez e ensinou. Está libertado da matéria e de o maior sofrimento. vivemos na vigilância. pelas Igreja em todo momento: quando se congrega mulheres e por tantos discípulos que o viram para ressuscitado." 2 Tempo Pascal. e "A Vigília Pascal é a principal celebração da realiza todas as promessas divinas a nosso ressurreição do Senhor. com ele. 2008. orando: Vem. Um dia voltará na glória. nem mesmo a morte. que ele está vivo e atuante em nas obras de misericórdia. Nos cinqüenta dias do favor. como um grande domingo. somos igualmente vitoriosos sobre toda a maldade Cristo. Por isso.

Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 73 .

Atividades: Acompanhar e orientar as atividades.  Após o sinal os catequizandos deverão pegar os objetos – alguns ficarão com muitos e outros ficarão com poucos objetos.  Sentir-se motivados para viver em profundidade o mistério da Eucaristia.  A mesa é.  Explicar o tema da Comunhão como sinal de partilha. na qual o pão e o vinho são partilhados ao redor de uma mesa. 5. É mais do que matar a fome e sede. que são: o O aumento da nossa união com Cristo – como o alimento fortalece o corpo. 16-17 como complementação. ou até sem nenhum deles. Utilize o texto 1Cor 10. Por isso precisamos participar do Sacramento da Reconciliação. 3.  A Eucaristia sinal de partilha.  Ler o texto de At 4. pois nos reunimos como irmãos para partilhar o que existe de mais precioso – o próprio Deus. 4. 16-17. o Estar em estado de graça – A Igreja nos pede que estejamos em estado de graça. vaso com flores e uma bandeja com balas. Jesus aproveita a força do significado do alimento para instituir o Sacramento da Eucaristia. Leitura utilizada: Mc 14. imagens. Material utilizado: balas.  A Eucaristia é ponto mais importante da vida cristã. At 4.  Pelo Sacramento da Eucaristia recebemos os frutos da comunhão. o Viver separados/longe do pecado: A Eucaristia fortalece a vivência do amor. 32-35 e reflita sobre o sentido da fraternidade nas primeiras comunidades cristãs. É Jesus quem nos convida.  A partir da fala. 32-35. Conteúdo do Encontro:  Os vários nomes deste Sacramento.  Mostre que ter vida eucarística exige uma atitude solidária e fraterna. Ambientação: toalha. será fácil explorar o tema da partilha. Desenvolvimento do Tema:  Iniciar o assunto com a seguinte dinâmica: balas ou pãezinhos em número igual ou superior ao de participantes. nos dá forças para lutarmos contra o mal e apaga os pecados veniais. o Participar da Igreja: A Eucaristia faz a Igreja. renovando a graça que recebemos no batismo. 6. Objetivo:  Entender que o Sacramento da Eucaristia é essencial à vida cristã.  Peça que os catequizandos relatem a experiência que tiveram com esta atividade. 7.  Convide os catequizandos a formarem um círculo ao redor da mesa e em cima coloque os objetos descritos acima. Trata-se de uma refeição sagrada. Somos alimentados no espírito para vivermos como Jesus. 74 .17º ENCONTRO: SACRAMENTO DA EUCARISTIA 1. 22-24. 1Cor 10. lugar de festa e alegria. o pão Eucarístico nos dá uma graça invisível. de fraternidade. fraternidade e unidade. Somos chamados pelo batismo a sermos um só corpo com Jesus Cristo. 2.. de união. fraternidade e união com Cristo. em muitas ocasiões. que não tenhamos pecado gravemente. A refeição é sinal de amizade.  Os frutos da comunhão.

Quando comemoramos algo Jesus (cf.o próprio 17). sejamos reunidos pelo Celebração Eucarística era chamada de "Fração Espírito Santo num só corpo" (Oração Eucarística do Pão". Também o gesto de partir importante como um aniversário ou um casamento. Talvez.30-31). participando do Por esta razão. Deus. como nos diz São Paulo: "0 cálice da alimento para instituir o Sacramento da bênção que abençoamos não é comunhão com o Eucaristia. depois da "E nós vos suplicamos que. somos um só corpo. realizando gestos de partilha. A refeição é sinal de Comunhão Eucarística. pois pois nos reunimos como irmãos e irmãs para todos participamos deste único pão" (1 Cor 1 0. fraternidade e união como ação concreta de preparação para este momento.16- partilhar o que existe de mais precioso . o mesmo gesto do Mestre na Última Ceia II). o padre ora pedindo que todos sejam e. o pão foi o sinal visível que fez os discípulos chamamos a família e os amigos para comer e reconhecerem beber.42-46). em muitas ocasiões. Lc 24. passa a viver uma vida de amizade. ainda muitas vezes as famílias se Quando uma criança (ou adulto) faz sua Primeira sentam à mesa para comer. Somos da mesma família (irmãos em Cristo) consagração. por partilha e solidariedade. portanto. Trata-se de uma refeição sagrada. no início da Igreja. embora muitos. a Corpo e Sangue de Cristo. é lugar de agora repetido pela comunidade dos seguidores de festa e de alegria. Momento de Oração:  Propor a memorização da fórmula de Adoração: “Graças e louvores se dêem a todo momento. o alimento é algo sagrado nas culturas. A Mesa da Eucaristia renova e fortalece a Jesus aproveitou a força do significado do comunhão. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA A mesa. comemos e bebemos ao redor da um só corpo: mesma mesa.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 1) 2) J E 3) M A 4) J U 6) M A 7) A P E V U S R C O D A S C R U R I A Ó S T O S 5) 8) R E S 9) A N G E L O S A H O S S Z S U S C I T O U E U C A R I S T I A M O R 10) L 8. esta razão. At 2.  Procurar estar diante do Sacrário e ressaltar a importância do nosso respeito diante de Cristo Eucarístico. É mais do que matar a fome e a sede. na sangue de Cristo? O pão que partimos não é qual o pão e o vinho são partilhados ao redor de comunhão com o corpo de Cristo? Porque há um só uma mesa.  Recomende que os catequizandos pensem e rezem pedindo ajuda para se prepararem dignamente para a celebração da Primeira Eucaristia. de união. e do mesmo Senhor. Na Oração Eucarística. Apesar da correria da vida e do O Senhor ressuscitado (cf. pão. de fraternidade. nós. ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento”. 75 . individualismo.

São João Crisóstomo exortava: Querem em verdade honrar o corpo de Cristo? Não consintam que esteja nu.57). 76 . assim. nos exigem um espírito comunitário. Mas todos os dons de Deus requerem uma disposição adequada para que possam produzir frutos de mudança. A Eucaristia é o centro vital do universo."Em sua palavra e em todos os sacramentos Jesus nos oferece um alimento para o caminho. capaz de saciar a fome de vida e de felicidade: 'Aquele que come de mim. enquanto fora o deixam passar frio e nudez" (DA 354). Não o honrem no templo com mantos de seda. Nesse banquete feliz participamos da vida eterna e. viverá' (Jo 6. que abramos os olhos para reconhecê-lo e servi-lo nos mais pobres: 'No mais humilde encontramos o próprio Jesus'. Par isso. nossa existência cotidiana se converte em uma missa prolongada. Especialmente.

Diocese de São José dos Campos
Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III
18º ENCONTRO: SACRAMENTO DA EUCARISTIA
1. Objetivo:
 Recapitular o tema já visto, lembrando que Eucaristia é compromisso com Cristo e partilha de dons.
 Ensinar na prática a maneira correta de receber a comunhão nas duas espécies.
2. Conteúdo do Encontro:
 Este encontro pode ser dado por um Ministro Extraordinário da Comunhão que irá orientar o
catequizando a maneira correta de comungar, posturas e atitudes. Vai relembrar o que o catequista
já ensinou e apresentar os objetos litúrgicos utilizados na mesa da comunhão.
3. Desenvolvimento do Tema:
(Entregar uma cópia deste Roteiro ao Ministro Extraordinário da Comunhão que irá conduzir o
encontro)
a)

Eucaristia quer dizer “Ação de Graças” – chama-se também Comunhão que significa comum união,
porque recebendo o Corpo de Cristo nos unimos a Cristo e aos irmãos.

b)

Recordar com os catequizandos como Jesus instituiu a Eucaristia lendo (Lc 22, 7-20).

Na quinta-feira, sabendo que chegara a hora, Jesus pediu a Pedro e João que fossem preparar
a ceia da Páscoa, para Ele e os doze apóstolos (Lc 22, 7-8). Como todo judeu Jesus celebrava
todos os anos a festa de Páscoa (cartaz 1).

Antes da Ceia, Jesus pegou uma toalha e uma bacia e lavou os pés dos apóstolos (Jo 13, 2-17).
Jesus com este gesto de humildade nos deixou um novo mandamento, para que nos amemos
uns aos outros como Ele nos amou (cartaz 2) .

No decorrer daquela ceia Jesus nos deixou a garantia de seu amor por nós, deixou-nos como
alimento a Eucaristia que nos faria participantes do reino de Deus, e ao mesmo tempo a
garantia da sua presença no meio de nós.

Instituiu assim a Eucaristia como memória de sua morte e de sua ressurreição, (Lc 22, 17-19)
ordenando que seus apóstolos celebrassem-na até a sua volta, neste momento Jesus estava
instituindo também o sacerdócio (CIC 1337).

Jesus quando pregava dizia que deveríamos trabalhar, não pelo pão que estraga, mas pelo pão
que dura até a vida eterna, e prometeu que nos daria deste pão. Esta promessa Ele cumpriu nos
deixando a Eucaristia.

Na véspera de sua morte, Jesus abençoou o pão, deu aos Apóstolos e disse: “Tomai e comei,
todos vós, ISTO É O MEU CORPO que é dado por vós” (cartaz 3) , depois abençoou o cálice
e disse “Tomai todos e bebei todos vós, ESTE É O MEU SANGUE, que será derramado
por vós para o perdão dos pecados” (cartaz 4), é disse também “Fazei isto em memória de
mim” (cartaz 5).

O mandamento de Jesus de repetir seus gestos e suas palavras “até que Ele volte” não pede
somente que se recorde de Jesus e do que Ele fez. Este mandamento aponta para a celebração
litúrgica, pelos apóstolos e seus sucessores, do memorial de Cristo, da sua vida, da sua Morte,
da sua Ressurreição e da sua intercessão junto ao Pai (CIC 1341). Memorial não significa uma
mera lembrança de um fato passado, mas a atualização daquele acontecimento, isto é o
efeito daquele fato torna a acontecer.

A missa não é um teatro. O sacrifício que Jesus ofereceu na cruz torna-se sempre atual:
todas as vezes que se celebra no altar o sacrifício da cruz, acontece novamente a nossa
redenção, pois a salvação de Cristo se estende a todos os homens e mulheres de todos os
tempos (CIC 1364).
77

c)

Encontra-se no centro da celebração da Eucaristia o pão e o vinho, os quais, pelas palavras de
Cristo e pela invocação do Espírito Santo (ditas pelo sacerdote), se tornam o Corpo e o Sangue
de Cristo.

Ao se tornarem misteriosamente o Corpo e o Sangue de Cristo, os sinais do pão e do vinho
continuam a significar também a bondade da criação. Assim, no ofertório, damos graças ao
Deus Criador pelo pão e pelo vinho, fruto do “trabalho do homem”, mas antes “fruto de terra e
da videira”, “dons do criador” (CIC 1333).

“No Santíssimo Sacramento da Eucaristia estão contidos verdadeiramente, realmente e
substancialmente o Corpo e o Sangue juntamente com a alma e a Divindade de Nosso
Senhor Jesus Cristo e, por conseguinte, o Cristo todo” (CIC 1374). O ato de consagrar torna
real o mistério da transubstanciação, pois a substância do pão e do vinho se transformam:
tornam-se uma outra realidade – Corpo e o Sangue do Senhor. Sem fé ninguém entende a
Eucaristia. É por isso que o padre diz após a consagração: “Eis o Mistério da Fé”.

Neste momento nos levantamos para responder “Anunciamos Senhor a Vossa Morte e
Proclamamos a Vossa Ressurreição” – não permanecemos de joelhos porque aquele que anuncia
o faz em pé.

“Felizes os convidados para a ceia de Jesus” (cartaz 6). Nós somos os convidados para a Ceia do
Senhor. Jesus nos convidou pessoalmente, Ele mesmo nos chamou para estar aqui e recebê-lo. Ele
nos convidou para a festa, mas para responder a este convite, devemos preparar-nos para este
momento tão grande e tão santo. Devemos fazer um exame de consciência antes de comer deste
pão e deste cálice: “Todo aquele que comer do pão ou beber do cálice do Senhor indignamente,
estará comente e bebendo a própria condenação” (1Cor 11, 27-29).

O sacerdote diz “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (cartaz 7). Jesus se
ofereceu em sacrifício ao Pai, para pagar por nossos pecados. E nós humildemente respondemos
“Senhor, eu não sou digno(a) de que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e
serei salvo(a)” (cartaz 8).

Se participamos bem da missa neste momento estamos preparados para receber Jesus em
nosso coração (cartaz 9).

Expor e explicar cada um dos objetos usados na missa:

78

Em nossas celebrações religiosas há muitos gestos e objetos. Os símbolos litúrgicos são de
grande importância para favorecer a oração, a comunhão da comunidade com Deus.
1

Toalha branca: é próprio da mesa de refeição, em um aspecto de festa, de alegria, de
solenidade.

2

Vela: representam a luz de Cristo. A chama da vela é o símbolo da fé que recebemos de
Jesus “Luz do Mundo”, no batismo e na crisma.

3

Cálice: onde se deposita o vinho que vai ser consagrado. O vinho usado é puro de uva e o
cálice deve ser de material nobre.

4

Pala: peça quadrada, dura, que serve pra cobrir o cálice.

5

Corporal: é uma espécie de toalhinha quadrada que fica no centro do altar, onde se colocam
a patena ou as âmbulas com a hóstia consagrada, o Corpo de Cristo. Tem a finalidade de
guardar os minúsculos pedaços da hóstia que possam cair. É dobrada de modo especial
(mostrar) de maneira a proteger estas minúsculas partículas. São lavadas de modo especial.

6

Sanguíneo: toalhinha comprida, branca, usada para purificar (enxugar por dentro) o cálice.
Também é lavado com cuidado especial.

7

Âmbula: espécie de cálice com tampa para conservação e distribuição das hóstias aos fiéis.

Diocese de São José dos Campos
Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III

d)

8

Patena: pequeno prato de metal, no qual é colocada a hóstia grande.

9

Galhetas: duas garrafinhas que contém a água e o vinho. A água vai ser usada para
purificação do das âmbulas e do cálice e para misturar com o vinho no ofertório,
significando toda a humanidade salva em Cristo pelo sangue derramado na cruz.

Os gestos e posturas são muito importantes e também são formas de rezar. Orientar como
os catequizandos devem se dirigir à mesa da comunhão:
 Devagar, em silêncio, em oração ou cantando o canto da comunhão. No dia da Primeira Comunhão,
os que permanecem nos bancos devem cantar o canto da comunhão.
 Aproximar-se do altar (aqui na Catedral ficar o mais próximo possível do primeiro degrau preto)
e aguardar que o ministro chegue até você.
 Quando receberem a comunhão apenas na espécie de pão, podem recebê-la na mão ou na boca.
 A posição das mãos – recebe-se a hóstia na palma da mão esquerda, pega-se com a direita e
coloca-se na boca, na frente do ministro. Não consumir diretamente com a boca na mão
esquerda. Os canhotos fazem o contrário.
 Não ficar com o dedo em pinça para pegar a partícula, aguardar que seja colocada na palma da
mão – Eucaristia é dom, é presente, e presente a gente recebe com amor e gratidão, e
não pega.
 Ter as mãos limpas (sem rabiscos de caneta, nº de telefone, recados, etc). Se tiver as mãos
sujas é melhor receber a comunhão diretamente na boca.
 Ter as mãos vazias (não trazer chaves, terços, papéis, etc)
 Observar bem as mãos depois que consumiu a hóstia para ver se não ficaram minúsculas
partículas nas mãos, caso tenham ficado consumir também estes (com delicadeza, sem lamber as
mãos). Lembrando que no menor pedaço da Eucaristia se existir, Jesus estará presente
 Quando a comunhão for servida em duas espécies, receber diretamente na boca.

e)

f)
g)

Condição para se aproximar da mesa da comunhão:

Estar em estado de graça. Isto significa ausência de pecado mortal. Quem está consciente de
um pecado grave deve se confessar antes de receber a Comunhão (CIC 1385).

A atitude corporal (gestos e roupas) deverá traduzir o respeito, a solenidade, a alegria deste
momento em que Cristo se torna nosso hóspede (CIC 1387).

Saber e pensar que o que se vai receber é o Corpo de Cristo, por isso quando nos é dado o
“Corpo de Cristo” respondemos “Amém” como expressão da própria fé.

Observar o jejum eucarístico: abster-se de alimentos, bebidas (com exceção de água e
remédios somente), balas, chicletes... pelo menos uma hora antes da comunhão.

Os catequizandos vão receber o pão e o vinho na boca, e depois apenas o pão na mão.
Ministro e catequistas devem observar e corrigir na hora os erros que acontecerem.
Tirar as dúvidas se necessário.

4. Leitura utilizada: Lc 22, 7-20.
16. Ambientação: Catequista prepara a sala com cartazes, mesa com toalha branca. O M.E.C. junto
ao(à) sacristão(ã) preparam os objetos litúrgicos, as partículas e o vinho que serão utilizados.
17. Material utilizado:Objetos litúrgicos e cartazes.
4. Atividades: A atividade deste encontro será a experiência vivida pelos catequizandos com a
orientação do Ministro Extraordinário da Comunhão.
79

ESTE É O MEU SANGUE. que será derramado por vós para o perdão dos pecados” Cartaz 5 –“Fazei isto em memória de mim” Cartaz 6 –“Felizes os convidados para a ceia de Jesus” Cartaz 7 – “Eis o Cordeiro de Deus. eu não sou digno(a) de que entreis em minha morada.5. ISTO É O MEU CORPO que é dado por vós” Cartaz 4 –“Tomai todos e bebei todos vós. que tira o pecado do mundo” Cartaz 8 . todos vós.“Senhor. mas dizei uma palavra e serei salvo(a)” Cartaz 9 – Foto de uma criança recebendo a Primeira Comunhão 80 . Momento de Oração: Preparada pelo Ministro Extraordinário da Comunhão. Preparar os cartazes conforme abaixo: Cartaz 1 – Figura da Santa Ceia Cartaz 2 – Figura do Lava-Pés Cartaz 3 – “Tomai e comei.

 Convidar adolescentes e jovens que se engajaram na comunidade para falar do trabalho que fazem na Igreja: coroinha. na escola. da história de cada um. Conteúdo do Encontro:  Assim como há uma continuidade da vida. Objetivo:  Ter consciência que a caminhada não termina com o sacramento da Eucaristia. cerimoniários. no trabalho. flores.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 19º ENCONTRO: CATEQUIZANDOS A CAMINHO 1. anunciando e fazendo crescer o Reino de Deus. da mesma forma segue a nossa vida sacramental. Momento de Oração: rezar juntos a Oração do Evangelizador. 18. mesa com toalha. mas. 2.  Contar a sua caminhada na Igreja.. 23. ao contrário. Leitura utilizada: Lc 24. Atividades: Contar a história e fazer a atividade proposta.  Se for possível trazer um catequizando da Crisma (que tenha feito Perseverança) ou da perseverança para falar da caminhada na Perseverança. 81 . Ambientação: Arrumar as cadeiras em círculo. vivendo uma vida cada vez mais aberta a amar e a servir o próximo. 19. Material utilizado: (a critério do catequista) 22. podemos estar em missão no nosso dia a dia. crescendo na comunhão com Ele. 21.. em casa. monitores de Crisma. 13-35. deixando que Cristo conosco na nossa história. nos leva a vivenciá-lo no caminho da vida que continua com a Perseverança. imagem. músicos.  Apresentar o trabalho voltado para os jovens oferecido pela paróquia e motivar os catequizandos a permanecerem na caminhada da Catequese. etc. catequistas. 20. no lazer – mas precisamos da força da Igreja para cumprir bem esta missão. Desenvolvimento do Tema:  Acompanhar na Apostila seguindo o conteúdo.  Ao sermos batizados assumimos a missão de anunciar Cristo aos nossos irmãos.

20º ENCONTRO: ACOLHENDO O PERDÃO DE DEUS Nota: Este tema pode ser substituído pelo atendimento de confissões conforme a programação da paróquia. Neste caso o catequista. ou o próprio confessor. em sua primeira confissão. Objetivo:  Fazer com que o catequizando se sinta à vontade para se apresentar diante do confessor. dúvidas e preocupações em relação à primeira confissão. Momento de Oração: Rezar o Ato de Contrição. Conteúdo do Encontro:  Refletir os textos bíblicos em que Jesus nos ensina que quando pecamos Deus nos espera de braços abertos. Leitura utilizada:Lucas 15. 2. sabendo que está ali para receber o abraço carinhoso do Pai que está feliz com a sua volta. 82 . 3-7 26. 1. pode falar brevemente com os catequizandos para que se sintam à vontade para se apresentar diante do confessor. Desenvolvimento do Tema:  Ler os textos bíblicos e deixar livre para os catequizandos expressarem seus medos. 24.  Relembrar os passos para uma boa confissão e o exame de consciência.  Dar as orientações necessárias. 25.

Às margens de um riacho cristalino. a mesma que tinha acabado de ser salva pela pomba! Bem depressa. (mostrar o cartaz)  Tema: Fraternidade e Saúde Pública  Lema: “Que a saúde se difunda sobre a terra” (Eclo 38. Então. Ficou imaginando o belo prato de pomba assada.  Combinar em cada encontro as ações da semana. a pomba jogou na água um raminho de mato. Objetivos:  Refletir o que é quaresma e como o cristão vive este período. quando viu uma formiga no meio da correnteza. pensou em abatê-la. suscitando o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos enfermos e mobilizar por melhoria no sistema público de saúde. a solidariedade. Conteúdo do Encontro:  Criar um quadro com os 40 dias da quaresma. sentiu uma picada no calcanhar. 3. ao ver a pomba.  Refletir sobre o tema e lema da Campanha da Fraternidade 2012. Em vão a formiga se esforçava par alcançar a margem. a pomba aproveitou para fugir da mira do caçador. Era a formiga. Nesse mesmo tempo. passava um caçador que. 8). e a formiga conseguiu agarrar e se salvar. Comentar a história:  Quando é que eu ajo do mesmo jeito que a formiga?  Quando é que sou pomba?  Quando sou caçador?  Quem foi solidário e fraterno? A cada ano a Campanha da Fraternidade faz importantes reflexões sobre alguma problemática que aflige nossa sociedade. colocando os quarenta dias da quaresma. contar a história – A pomba e a formiga. que deverão dobrar ao meio. 83 . durante a quaresma.  Para explicar sobre a fraternidade. explicando passo a passo sobre a Quaresma. Quando se preparava para atirar. seu almoço tinha desaparecido. O caçador abaixou-se para ver o que o tinha picado. Neste ano a CF nos convida a pensar na SAÚDE PÚBLICA. Quando este olhou de novo para o rio. uma boa ação que deverá ser feita naquele dia.  Refletir sobre a realidade da saúde no Brasil em vista de uma vida saudável. Desenvolvimento do Tema:  Ler com os catequizandos o texto da apostila. incluindo o dia da Páscoa.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 1º TEMA EXTRA: QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1. uma pomba bebia água. (ver modelo – após o aprofundamento)  Distribuir pedaços de folhas coloridas (15 cm X 10 cm) para os catequizandos.  Colar os pedados dos papéis em um papel cartão. 2. (Objetivo Geral de CF-2012).  Fazer em conjunto com a classe o registro da semana – escrever em cada quadrinho uma atitude.

4. flores. 5. Entendendo ser um anseio da população. 29-37 5. Sensibilizar as pessoas para o serviço aos enfermos. a Campanha da Fraternidade 2012 aborda o tema da saúde. É uma realidade que clama por ações transformadoras. o sofrimento e a morte apresentam-se como realidades . um atendimento de saúde digno e de qualidade. 6. sobretudo os mais necessitados desses serviços. No entanto. mesmo com todo a aparato tecnológico hoje disponível. Disseminar o conceito de bem viver e sensibilizar para a prática de hábitos de vida saudável. bíblia. a saúde e a doença são realidades profundas. A conversão pede que as estruturas de morte sejam transformadas. cuja proposta é atender a todos. 38. O Sistema Único de Saúde – SUS . a mente e o espírito. ele ainda não conseguiu ser implantado em sua totalidade e ainda não atende a contento. 3. Leitura utilizada: da própria apostila. do cuidado com o corpo. Este ano a campanha nos pede para olharmos para a nossa saúde e a de nossos irmãos e perceber que as nossas atitudes podemos mudar para contribuir para melhorar a nossa saúde. 4. Objetivo Geral: Refletir a realidade da saúde no Brasil. fiscalização e deliberação das políticas públicas de saúde. fortalecer onde está incipiente e dinamizá-la onde ela já existe. à luz da Palavra de Deus. das ações de prevenção. imagem cartaz da Campanha da Fraternidade. em detrimento dos que comprometem a boa saúde. Alertar para a importância da organização da Pastoral da Saúde nas comunidades: criar onde não existe. inspirado em belos princípios como o da universalidade.dois lados da mesma realidade A vida. Objetivos Específicos: 1. APROFUNDAMENTO PARFA O CATEQUISTA Introdução A Campanha da Fraternidade de 2012 mobiliza os catequizandos a contemplarem a vida como um dom de Deus e para a compreensão de que o cuidado com a saúde depende de uma alimentação saudável. envoltas em mistérios. Saúde e Doença . deseja iluminar a dura realidade da saúde pública e levar os discípulos missionários a serem consolo na doença. ao mesmo tempo. conforme os objetivos a seguir propostos. A Igreja propõe como tema da Campanha deste ano: A Fraternidade e a Saúde Pública. cartolina e folhas cortadas 7. Material utilizado: Apostila. Estimular e fortalecer a mobilização popular em defesa do SUS e de seu justo financiamento. na dor. da bíblia – Lc 10. bíblia. na morte.8). da prática de esportes. Deseja assim sensibilizar a todos sobre a dura realidade de irmãos e irmãs que não têm acesso à assistência de saúde pública condizente com suas necessidades e dignidade. as enfermidades. deveria ser modelo para o mundo. Assim. em vista de uma vida saudável. Difundir dados sobre a realidade da saúde no Brasil e seus desafios. indiscriminadamente. a exigir que os pobres tenham um atendimento digno em relação à saúde. Momento de Oração – orientar a escrita da oração da apostila. Ambientação: toalha. Despertar. Levá-los. mobilizando o espírito fraterno e 84 comunitário das pessoas. como lema: Que a Saúde se difunda sobre a terra (Eclo. A Igreja. especialmente da mais carente. levá-las ao acompanhamento da prática da cidadania no trato da causa pública e à exigência de qualificação dos gestores da área da saúde. Organizar este serviço nas comunidades que ainda não despertaram para esta exigência evangélica. Atividades: orientar as atividades 8. no sofrimento. 6. A Campanha da Fraternidade é um tempo para crescer na fé e sermos solidários com os irmãos. cartaz da CF/12. as ciências não se encontram em condições de oferecer uma palavra definitiva. nas comunidades. Diante delas. nessa Quaresma. 2. a discussão sobre a realidade da saúde pública. bem como sua estreita relação com os aspectos socioculturais de nossa sociedade. orientando a comunidade sobre seus direitos e deveres em relação ao sistema de saúde como a participação nos espaços de controle. o suprimento de suas necessidades e integração na comunidade. na atenção aos enfermos e na busca por melhoria no sistema público de saúde.

Em latim. que resultam em contribuição da Igreja para o cumprimento das “Metas do Milênio” com as quais o governo brasileiro comprometeu-se perante a comunidade internacional. à espera da misericórdia do próximo. Saúde e salvação para a Igreja A experiência da doença mostra que o ser humano é uma profunda unidade pneumossomática. com satisfação identificam-se ações pastorais. em 1981. a falta de saúde. jovens. Nas línguas antigas é comum a utilização de um mesmo termo para expressar os significados de saúde e de salvação. A doença é. em nosso país. a Campanha da Fraternidade: “Saúde e Fraternidade” apresentou o lema: “Saúde para todos”. a sofrer. o Guia para a Pastoral da Saúde. a fim de que. a qualidade de vida e a participação cidadã. 85 . mobilizando diretamente seus vários setores: “Metas do Milênio” propostas pela ONU (Organização das Nações Unidas) com objetivos a serem alcançados até 2015:  Reduzir pela metade o número de pessoas que vivem na miséria e passam fome. escancara-se diante de todos nossa profunda igualdade. Contribuições recentes da Igreja para a Saúde no Brasil Em mais uma manifestação da preocupação da Igreja com a realidade social da população. paralisados. a atitude mais lógica é a da fraternidade e da solidariedade. a convergência destes significados para um único termo é reflexo da dura experiência existencial diante destes fenômenos e a percepção de que o doente necessita ser curado ou salvo da moléstia pela ação de outrem. a promoção da mulher. doente. entre personalidade e responsabilidade. Na época o Papa João Paulo II escreveu. soter e aquele que cura e ao mesmo tempo é salvador. A doença se impõe. da ecologia. tanto no campo da saúde como no da saúde pública. que vence o egoísmo. um forte convite à reconciliação e à harmonização com nosso próprio ser. não é só a presença da dor ou o mal físico. Com a doença passamos a perceber o corpo como um 'outro'. Com a doença.  Melhoria da saúde materna. local e paroquial. a experiência é de profunda unidade. a educação. entre pessoa e ambiente. Tais iniciativas constituem marcos importantes da ação da Igreja. do início até o seu fim. do meio ambiente etc.  Redução da mortalidade infantil. pois não discrimina ninguém. à beira do caminho. a justiça. A vida saudável requer harmonia entre corpo e espírito. A doença é também um apelo à fraternidade e à igualdade. por isso.  Combate a epidemias e doenças. articular o tema saúde com a alimentação. Ninguém escolhe ficar doente. ocorre a mesmo com salus. a preocupação com as ações de promoção da saúde e defesa da vida. Como o contrário . Esta Campanha buscou ser um sinal de esperança para as comunidades cristãs e para todo o povo brasileiro. de um lado.  Educação básica de qualidade para todos. é de profunda ruptura. e cuidaste de mim” (Mt 25.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III duras de serem enfrentadas e contrariam os anseios de vida e bem-estar do ser humano.. da criança. ela também tolhe nosso direito de ir e vir. Não é possível separar corpo e alma. a democracia. que respondem a necessidades imediatas das pessoas. em sua mensagem para a Campanha. Certamente. b. Nesse sentido. 35-36). o trabalho. que a “boa saúde não é apenas ausência de doenças: é vida plenamente vivida em todas as suas dimensões pessoais e sociais. A Campanha contribuiu para a reflexão nacional do conceito ampliado de saúde. idosos. Verifica-se o mesmo em outras línguas. entendendo que a saúde é uma condição essencial para o desenvolvimento pessoal e comunitário. sem a qual jamais poderão superar o estados de semimortos”.  Igualdade entre os sexos e mais autonomia para as mulheres. apresenta algumas exigências para sua melhoria: a.  Garantia da sustentabilidade ambiental. calcada em valores como: a igualdade. partindo da citação bíblica: “pois eu estava com fome e me deste de comer. independente.. de outro. Alem de não respeitar nossa liberdade. o pecado e a morte. Na língua grega. rebelde e opressor. que estas ações contribuam para a construção de políticas públicas e de projetos de desenvolvimento nacional. crianças. das coletividades e das relações interpessoais. Há tantos nossos irmãos enfermos por causa inevitáveis ou evitáveis. a doença impede o espírito de voar. Por ser amplo o leque destas atividades. Diante de tal realidade. No entanto. Ao paralisar o corpo. A discussão sobre a saúde foi retomada na CF de 1984. próprias do múnus eclesial.. Atinge a todos: ricos. pobres. em um panorama de sombras e de atentados à vida. a solidariedade. Mas se. reforçando os princípios norteadores da valorização da vida. como tema Fraternidade e Vida e o lema “Para que todos tenham vida”. sentissem a luz de Cristo. a remuneração..

apresenta a origem do mal e do sofrimento. 23). o pecado. Com sua ação evangelizadora. ferido. Mas indica que os seguidores de Jesus devem descobrir a importância do cuidado. de alguém que teve seus direitos violentados e que se encontro à margem da estrada. mas porque o faz em prejuízo dos seus próprios planos iniciais. A parábola do Bom Samaritano nos lembra a condição da fragilidade humana a que todos estamos condicionados desde a criação. Diz o evangelho: “Jesus percorria toda a Galiléia. 15-23). aos fariseus. reconheceu seu próximo. mas promover o ser humano para ter uma vida digna. De acordo com o relato. Não apenas no aspecto biológico. a compaixão não são simplesmente sentimentos benevolentes voltados ao outro. o fato de recorrer a médicos era visto como falta de fé no Deus vivo e verdadeiro. 2) . mas resgata o ser humano para o meio da sociedade. nem seus pais pecaram. b) COMPARECER-SE – a percepção da presença do caído conduziu o samaritano à atitude de compaixão. Saúde e doença no Novo Testamento O capítulo nono do Evangelho de São João relata o encontro de Jesus com um cego de nascença (cf Jo 9. saudável e reintegrada à sociedade. 1-41). 3). porque a doença significava a exclusão social. 18). somente eliminando a causa da doença. foi ao seu encontro. não passou adiante. pode-se obter novamente de Deus a saúde. O Novo Testamento é repleto de relatos de Jesus curando os doentes. A resposta de Jesus é clara: “nem ele. mas é uma ocasião para se manifestarem nele as obras de Deus” (cf Jo 9. Ele deixou-se afetar pela presença do violentado que jazia quase morto. quem não a observa terá a maldição. mas descartando qualquer possibilidade de participação divina. O livro do Eclesiástico considera a doença como o pior de todos os males (cf 30. No entanto em toda ação de Jesus. Assim a preservação da saúde mais do que a cura da doença. O povo judeu entendia que a falta de saúde estava intimamente ligada com a culpa. necessitado. já nas primeiras páginas. parcerias mundiais para o Doença e saúde no Antigo Testamento A bíblia hebraica. percebem a presença do cego e propõem uma questão a Jesus. Elas se . c) APROXIMAR-SE – ao contrário dos que antecederam. Estabelecer desenvolvimento. por isso. que entre os judeus piedosos. A cura para as doenças deveria ser obtida. aos judeus e familiares do cego e ao próprio cego uma catequese sobre sua missão. O samaritano é aquele que em face da necessidade do outro a assimila e se deixa transformar por ela. O anúncio da missão de Jesus na sinagoga de Nazaré inclui “a recuperação da vista aos cegos” (cf Lc 86 4. A doença é vista como castigo de Deus ao pecado do ser humano. que passaram a ser vistos como conseqüência do pecado e da desobediência. 2). em primeiro lugar. Houve. Jesus apresenta-se como “luz do mundo” e luz que se manifesta pelas obras que realiza. que pode iluminar o engajamento da Igreja e dos cristãos no campo da saúde pública: a) VER – a primeira atitude do samaritano que descia pelo caminho foi enxergar a realidade. a infelicidade. um mal que faz perder o sono (cf 31. 17). Não ignorou a presença de alguém caído. A compaixão desencadeou as demais atitudes tomadas pelo Samaritano. Cuida-se da própria vulnerabilidade quando se consente a proximidade do outro. outros conceitos e outras justificativas foram sendo desenvolvidas a respeito da doença e do sofrimento. dando-lhe dignidade e apresenta uma nova forma de relacionar-se com as pessoas necessitadas. Essa experiência permite que o próprio cego se transforme em discípulo. pela oração (cf 2Sm 12. A dúvida dos discípulos é de ordem teológica: “Quem pecou para ele nascer cego?” Teria o homem pecado ou teriam sido seus pais (cf Jo 9. o pecado. ou seja. Não só porque cuida do ferido e lhe dá abrigo. em primeiro lugar. A fragilidade somente se cura mediante a proximidade daquele que se dispõe a cuidar do debilitado. percebemos inúmeros gestos de quem está preocupado em recuperar a saúde. No homem assaltado. ensinando nas sinagogas deles. pois a doença era compreendida como forma de punição por parte de Deus. anunciando a Boa Nova do Reino e curando toda espécie de doença e enfermidade do povo” (Mt 4. o viajante estrangeiro aproximou-se do caído. No decorrer da caminhada do povo hebreu. um tempo. Esta atitude é revelada nos sete verbos desta parábola e indica um modo de ser diante do outro. apesar de muitas diferenças entre ambos. Jesus não apenas cura os doentes. 15ss). d) CURAR – a presença do outro exige cuidado. era obtida pela observância da Lei de Deus. os quais testemunham que a ação salvífica de Jesus também acontecia em suas intervenções no cuidado e atenção com os que sofrem. Cristo interrompe a tradição de vincular doença e pecado e oferece aos discípulos. Porém. são os discípulos que. as doenças e a opressão (cf Dt 28. A aproximação.

ao meditar a parábola do bom samaritano (cf Lc 10. o que falta à paixão de Cristo. defender e celebrar a vida ou promover ações em prol da vida saudável e plena de todo o povo de Deus. Pelo contrário. educar. 1. A razão do retorno é que agora ela incluía outra pessoa.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III tornam obra. buscando atendimento digno. Como as famílias podem colaborar para a saúde se difundir A família ocupa o lugar primário na humanização da pessoa e da sociedade. numa UTI. Pelo contrário. é expressão de sua missão e manifesta a ternura de Deus para com a humanidade que sofre. é um sacramento eclesial que. além de comprometer toda a Igreja. Por isso é chamada a ser uma comunidade de saúde. Faz parte do ministério de cura que atualiza e significa a presença do Reino no hoje das pessoas. cura e salva. confiando ao doente a missão de completar. f) LEVAR À HOSPEDARIA – mudou seu itinerário e acabou mobilizando e envolvendo outras pessoas. uma situação de doença. mostrar que os doentes não são seres passivos. o sacramento da unção dos enfermos ainda não tenha se desconectado suficientemente de sua relação com a morte. entende que não é licito delegar o alivio do sofrimento apenas à medicina. no contexto do ministério de cura que toda Igreja exerce junto aos enfermos. dos presbíteros cujo ministério exige deles. a ação libertadora de Cristo na área da saúde. compromete todos na comunidade: o próprio doente em atitude plenamente ativa de identificação com Jesus Cristo. mas é necessário ampliar o significado desta atividade humana. não só a visita. Este passo. a um moribundo totalmente inconsciente. Trata-se de um cuidado coletivo. de aceitação da própria debilidade e de contribuição para o bem do povo de Deus e a salvação de todo o mundo. g) CUIDAR – esse é o sétimo verbo e expressa o conjunto da intervenção do samaritano. num trabalho de coordenação pastoral e evangelizadora. dos bispos que precisam. estruturas que o viajante. não dispunha e o compromisso de retornar. recuperar. Unção dos Enfermos. mas comprometidos com o Corpo de Cristo. humano e com qualidade nos serviços de saúde. A figura do bom samaritano assume a condição de modelo para a ação evangelizadora da Igreja no campo da saúde e no campo da defesa das políticas públicas. Nem sempre conseguimos responder a todas as demandas. precisa ser dado. No Brasil esta Pastoral conta com 80 mil agentes voluntários. no entanto. e) COLOCAR NO PRÓPRIO ANIMAL – colocou a serviço do outro os próprios bens. fazendo presente no mundo a pessoa de Cristo que se preocupa e cura os doentes. um compromisso que não estava planejado no início da viagem. Seguem algumas propostas de ação concreta para esta esfera: a) Incentivar o cuidado pleno aos extremos da vida (criança e idosos). na mentalidade comum dos fiéis e até mesmo dos agentes de pastoral. a promover o bem estar de seus membros e do ambiente que a cerca. de todos os crentes em atitude de amor e presença junto aos pobres e doentes. dos religiosos. ou seja. o que trazia para seu próprio cuidado e seu dinheiro. Por ser um serviço de toda a Igreja. que se celebra de forma quase mágica. ou seja. mas não pode mais ser ignorado. é também o ápice de um processo em favor e a serviço dos irmãos enfermos de uma comunidade. a educar para viver bem. Seu objetivo é promover. Não temeu disponibilizar ao desconhecido ferido tudo o que dispunha: seu meio de transporte. recursos financeiros. A Igreja. A Pastoral da Saúde A Pastoral da Saúde que representa a atividade desempenhada pela Igreja no Setor da Saúde. Todos precisam ter muito claro que o sacramento da unção dos enfermos já não é mais nem sacramento que consagra a morte nem preparação imediata para a eternidade. A unção não é um sacramento pontual e isolado. cuidar. cuidar passa a ser uma missão. que envolveu outros personagens. prevenir. no próprio corpo. sacramento da cura O sacramento da unção dos enfermos é compreendido no âmbito da missão salvífica da Igreja. mas podemos mobilizar outras forças para atender e cuidar de quem sofre. Sua atuação é em âmbito nacional e de referência internacional. é o sacramento que consagra uma situação de vida. b) Garantir que a prevenção avance para além da informação. a atenção e a animação dos doentes. mas também a visibilidade da presença viva do Senhor que unge. 25-37). É pena que. É necessário visar não só ao 87 . nos três níveis de governo. tornando presente no mundo de hoje. É importante recuperar a família como colaboradora essencial no cuidado e no acompanhamento de seus membros. Vários dos condicionantes e determinantes da saúde dependem da adesão das famílias e da educação prática das crianças. se transformam em ação que lança mão dos elementos que tem disponíveis para salvar o outro.

pais. empresários. c) Buscar a sensibilização e a mobilização de familiares e amigos quanto à ações básicas de prevenção e promoção da saúde. divulgadas em empresas. g) Incentivar e difundir programas de coleta seletiva e de reciclagem. Até reeducação alimentar e incentivo à atividade física regular.bem estar individual. organizada e cuidadosa. no suporte a projetos de pesquisa na área ambiental e no estímulo de práticas sustentáveis. d) Estimular a doção e a manutenção de padrões e estilos de vida saudáveis e a abolição de hábitos inadequados de vida. Brasília – DF. sindicatos. Fonte: Texto Base da Campanha da Fraternidade 2012. f) Estimular a disseminação do conceito de que a prevenção ao uso de drogas é de responsabilidade de todos.como manter o cartão de vacinas atualizado. CNBB. ou seja. QUARESMA SEGTERQUAQUISEXSABDOM22/0223/0224/0225/0226/0227/0228/0229/ 0201/0302/0303/0304/0305/0306/0307/0308/0309/0310/0311/0312/0313 /0314/0315/0316/0317/0318/0319/0320/0321/0322/0323/0324/0325/032 6/0327/0328/0329/0330/0331/0301/0402/0403/0404/0405/0406/0407/04 08/04 19/03 Boas atitudes da semana 88 . professores. escolas e comunidades. igrejas e autoridades. mas também ao familiar e ao de todos. líderes comunitários. de forma consciente. visando à otimização de recursos públicos. através de ações educativas abrangentes. e) Estimular o uso dos serviços de saúde.

Ela é uma águia. Olhava distraidamente ao redor. Então decidiram fazer uma prova. suscitando o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos enfermos e mobilizar por melhoria no sistema público de saúde. Vamos experimentar novamente. No dia seguinte. ergueu-a bem alto e. Objetivos: Refletir sobre a realidade da saúde no Brasil em vista de uma vida saudável.  Utilizar uma das dinâmicas propostas no Apêndice no final da Apostila. 3. contar a história – A águia e a galinha. abra suas asas e voe! 89 . (Objetivo Geral de CF- 2012). uma boa ação que deverá ser feita naquele dia. e sempre será uma águia. 2. Conteúdo do Encontro:  Tema e lema da Campanha da Fraternidade 2012. ela virou uma simples galinha!  Não – tornou a insistir o naturalista. E pulou para junto delas. na direção do sol e  ordenou-lhe: Águia. já que você pertence ao céu e não a terra. disse: Já que você de fato é uma águia.  Para explicar sobre a fraternidade.  De fato – disse o camponês. E uma águia será sempre uma águia. conforme a idade. o naturalista pegou a águia e a levou para o alto de uma montanha.  Fazer em conjunto com a classe o registro da semana – escrever em cada quadrinho uma atitude. este homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista e. mas eu criei como galinha. Comia milho e ração própria para galinhas. já que você pertence ao céu e não a terra. O naturalista ergueu a águia para o alto. O sol nascente dourava os picos das montanhas. É águia.  Não – retrucou o naturalista. Usar o dado do amor para escolher as boas atitudes a serem vividas em cada semana. durante a quaresma. Era uma vez um camponês que pegou um filhote de águia e o colocou no galinheiro junto com as galinhas. embora a águia fosse o rei/rainha de todos os pássaros. O camponês comentou:  Eu lhe disse. O naturalista tomou a águia. Desenvolvimento do Tema:  Combinar em cada encontro as ações da semana. Esse coração a fará um dia voar às alturas. Depois de cinco anos.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 2º TEMA EXTRA: QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1. enquanto passeavam ele viu á águia e disse:  Esse pássaro aí não é galinha. Pois tem coração de águia. ciscando grãos. Ela é. mas uma águia. Por mais uma vez ele experimento e a águia voltou para junto das galinhas. a dignidade da pessoa humana e a cidadania. desafiando-a. Viu as galinhas lá embaixo. já que você é uma águia. então abra suas  asas e voe! A águia pousou sobre o braço estendido do naturalista.

As duas condições são essenciais para a realização humana. Isso é fraternidade. hábitos de higiene. a nossa conversão. Busca as alturas. no sofrimento e na 90 . Neste ano a CF nos convida a pensar na SAÚDE PÚBLICA. Este ano a Campanha deseja sensibilizar a todos a dura realidade de irmãos e irmãs que não têm acesso à assistência de Saúde Pública condizente com suas necessidades e dignidade. voar para o alto. 3.. foi feita para grandes ideais e os grandes sentimentos. porém. nessa quaresma. Águia: capacidade de amar. A cruz recorda a salvação que Jesus Cristo nos conquistou. E começou a voar. A mão do profissional da saúde. superar dificuldades. sinceridade. A cada ano a Campanha da Fraternidade faz importantes reflexões sobre alguma problemática que aflige nossa sociedade. Reflexão: Observando a águia e a galinha. coragem para arriscar. roupa. a voar cada vez mais para o alto. buscar a felicidade... deseja iluminar a dura realidade da Saúde Pública e levar os discípulos-missionários a serem consolo na doença. Voou.  Todos os seres humanos são irmãos porque são filhos de Deus. bem na direção do sol. praticar esportes. trabalho. É uma realidade que clama por ações transformadoras. 29-37 – A parábola do Bom Samaritano  Comentar que o cartaz atualiza este encontro do Bom Samaritano com o doente que necessita de cuidado. A conversão pede que as estruturas de morte sejam transformadas.. A alegria do encontro recorda aos profissionais da saúde que foram escolhidos para atualizarem a atitude do Bom Samaritano em relação aos enfermos. cuidado com o meio ambiente (mostrar figuras para ilustrar) 2.A águia olhou ao redor.. Criados à imagem e semelhança de Deus. na dor. fica presa a coisas como uma galinha ciscando no galinheiro. ela abriu suas potentes asas. moradia. Nesse momento. o que concluímos? Agimos. grasnou e ergueu-se. até confundir-se com o azul do firmamento. para possibilitar atendimento digno. voou. realizar a vocação.  A Campanha da Fraternidade é um tempo para crescer na fé e sermos solidários com os irmãos. Muitas vezes. Ser irmão é ser fraterno. Galinha: alimentação. para que a saúde se difunda sobre a Terra. mas sempre sabedores de nossa pequenez.. (Leonardo Boff) Comentar a história:  Como será que Deus nos criou?  Somos águias ou galinhas?  Ou será que somos as duas juntas?  É possível viver a condição “galinha”.. (mostrar o cartaz)  Tema: Fraternidade e a Saúde Pública  Lema: “Que a saúde se difunda sobre a Terra”. precisam se ajudar uns aos outros. segurando as mãos da pessoa doente. Não nascemos só para cuidar de comida. somos apenas como uma delas? Ou as duas condições são essenciais para a realização humana? 4.  A Igreja. sobre si mesma. Tremia como se experimentasse nova vida. Concluir: cada pessoa tem dentro de si uma águia. afasta a cultura da morte e visibiliza a acolhida entre irmãos (o próximo).  Ler Lc 10.. para que seus olhos pudessem encher-se da claridade solar e da vastidão do horizonte. mas o naturalista segurou-a firmemente. o sol. a busca por Deus. à luz da Palavra de Deus. temos que buscar sempre a perfeição. persistência. amor ao próximo. Como irmãos. satisfatoriamente nos dias de hoje?  Como a condição “águia” pode ajudar para termos mais qualidade de vida?  Pense:  Características que predominam em cada condição: 1. soberana. ir à escola.

ao mesmo tempo. da bíblia – Lc 10. Leitura utilizada: da própria apostila. do dia a dia.  Que compromisso vou assumir.  É hora de assumir compromisso. Momento de Oração: Rezar a oração da Campanha da Fraternidade (na apostila). Atividades: orientar as atividades da apostila 8. Material utilizado: Apostila. 6. exigir que os pobres tenham um atendimento digno em relação à saúde. ver o que o texto nos leva a viver. cartaz da CF/12. qual gesto concreto essa parábola despertou em mim? Como vou ser “o próximo” de pessoas que precisam de ajuda? 4. 29-37 5. bíblia. figura de uma águia e de uma galinha. Com sua graça. vamos converter nossa vida procurando “Ter em nós os mesmos sentimentos que animavam Jesus”. cartolina e folhas cortadas 7. bíblia. E.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III morte. (Fl 2. O Evangelho de Lucas nos mostra que nem todos que conhecem a Bíblia são os que a praticam. Ambientação: toalha. cartaz da Campanha da Fraternidade. para a vida. flores. são os melhores exemplos. 91 . Jesus pede que olhemos para a realidade.5). O desafio para fazer o bem surge quando menos se espera. imagem. movido pela compaixão diante de um acontecimento da vida. APROFUNDAMENTO PARFA O CATEQUISTA Ler o Texto-Base da Campanha da Fraternidade – 2012 e participar das formações oferecidas pela Diocese e pela Paróquia.  O samaritano faz o papel de Jesus.

Lc 24.  Reconhecer a alegria da vida nova que Jesus veio nos propor e valorizar os símbolos dessa proposta. 1-15.3º TEMA EXTRA: SEMANA SANTA E PÁSCOA 1. 1-10. Ambientação: toalha. Mc 16. 18-40. Atividades: orientar as atividades 8. Jo 12. ESTÁ VIVO NO MEIO DE NÓS!” . SEXTA-FEIRA SANTA: Jesus é condenado e carrega a sua Cruz até o Monte Calvário. 12-16. bíblia. 2. onde entrega a Sua vida num sacrifício de Amor por toda a humanidade. 1-10. É DOMINGO DE PÁSCOA! 4. Momento de Oração – fazer a Via Sacra (página seguinte) APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA Ler e refletir sobre as leituras utilizadas para o encontro  Citações bíblicas:  Domingo de Ramos: Mt 21. cheia do Espírito Santo para todos nós!. Objetivos:  Favorecer ao catequizando a percepção de que o sofrimento de Jesus por amor a nós foi para nos levar a vive com Ele a sua ressurreição.  Incentivar os catequizandos para que participem dos dias da Semana Santa na paróquia .  Paixão e Morte: Jo 18. 42. SÁBADO SANTO: Tempo de silêncio. Desenvolvimento do Tema:  Utilizar cartazes para explicar cada dia da Semana Santa e ler com os catequizandos o texto da apostila. recolhimento e espera pela Ressurreição de Jesus. Mc 11. Conteúdo do Encontro:  Explicar cada dia da Semana Santa (do Domingo de Ramos até o Domingo de Páscoa)  Retomar o compromisso da quaresma. Material utilizado: Apostila. Leitura utilizada: da própria apostila 5. 1 a 19. 1-12.  Fazer a Via Sacra (sugestão em anexo).  Ceia do Senhor: Jo 13. 3. QUINTA-FEIRA SANTA: Jesus reúne os apóstolos e institui a Eucaristia na sua última ceia. 7. DOMINGO DE RAMOS: Jesus entra em Jerusalém e é aclamado com ramos de Palmeira e cantos de hosana. bíblia e cartazes para a Via Sacra. 1-11. 92 . cartaz da Semana Santa 6. Lc 19.  Ressurreição: Mt 28. DOMINGO: “Aleluia! JESUS RESSUSCITOU”. 1-18. flores.traz vida renovada.

Momento de Oração – Levar as crianças até a imagem do Santo Padroeiro e rezar a oração (no verso do santinho) 93 .   Falar dos santos dos nossos dias – pessoas santas como Madre Teresa de Calcutá e seu trabalho..  Falar das crianças que foram canonizadas – Santo Domingos Sávio. bíblia. em 24 de abril de 1994 no Ano Internacional da Família. Material utilizado: Apostila. na ocasião da gestação e do parto.  O que podemos fazer para melhorar as nossas atitudes no dia a dia. cartaz da Semana Santa 6.  Para sermos santos é preciso descobrir qual a vontade de Deus para nossa vida. foi Beatificada pelo Papa João Paulo II.48 e I Ts 4.3)  Perguntar se sabem o que é ser santo. em 11 de maio de 2007. Leitura utilizada: Usar as citações usadas pela paróquia nas celebrações do Santo Padroeiro 5. (deixar que falem)  Perguntar se conhecem algum santo e sua história ou se têm algum santo de devoção deixar que falem). médica dedicada e mãe heróica. Santa Maria Goretti. que renunciou à própria vida em favor da vida da filha. bíblia Orações e santinhos do Santo Padroeiro 7.  Falar do Padroeiro – ler as leituras indicadas pela paróquia  Contar a história do Santo a partir da leitura bíblica. Papa João Paulo II e seu exemplo de amor perdão e santidade de vida.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 4º TEMA EXTRA: O SANTO PADROEIRO 1. tendo sido considerada esposa amorosa. canonizado pelo Papa Bento XVI.  Santa Gianna. Falar dos Santos recém canonizados:  Frei Galvão o primeiro Santo brasileiro.  Explicar que a partir do nosso Batismo todos somos chamados ser santos. Atividades: orientar as atividades 8. e isso se descobre através da oração e da leitura da Palavra de Deus. Desenvolvimento do tema:  Todos nós somos chamados à santidade (Mt 5. Ambientação: toalha.  Falar sobre a Paróquia – completar as atividades 4. Fazer com que conheçam a sua Paróquia 2.. flores. Conteúdo:  Nós também podemos e devemos ser santos  História do Santo Padroeiro e história da Paróquia 3. Objetivo:  Fazer com que os catequizandos conheçam o santo padroeiro e conscientizá-los sobre o chamado de Deus para uma vida santa.

que são o seu sinal e o seu uma estratégia expansionista da Igreja católica. Franz de Castro Holzwarth. nem o que é um homem". Na Carta Apostólica Novo millennio nos Pensamentos. há quem veja nas santos e há de fazê-lo em nome daquele anúncio canonizações e no culto dos santos um resíduo da santidade que a enche e a transforma anacrônico de triunfalismo religioso.APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA Pesquisar a história do Santo Padroeiro de sua Paróquia. dada pelo Papa João Paulo II às ao vivo o rosto de Cristo". "Para fazer de um homem um santo. ou São conhecidas as inúmeras objeções que humildes figuras de leigos e de religiosos. leitura a sua presença e o seu rosto na vida daqueles que. é necessário Pontificado. ela representa também numérica. se sociológica do nosso tema corre o risco de ser não transformam mais perfeitamente na imagem de 94 uma "Deus manifesta de forma viva aos homens . a Carta que o Papa João Paulo II indicar as duas perspectivas destas reflexões: entregou à Igreja no encerramento do Grande no a celebração de Deus Jubileu do Ano 2000. 7 da Carta a santidade pareceu prática tradicional e ininterrupta da Igreja. da Igreja católica. A Igreja deve proclamar civil contemporânea. Quem duvida disto não sabe o compreensão deste fenômeno. a proposta de novos beatos e santos. seria apenas uma preciso olhar para os santos que "representam com profundamente o rosto de Cristo" ( Ibidem). é nacionalidades e culturas. de um hoje se levantam contra o conceito de "santidade" extremo ao outro do globo observou o Papa João e de "santo". Evidentemente. No "grande exército homem. de santos e de mártires". Pesquisa histórias de santos canonizados recentemente ou a vida de pessoas que estão processo de canonização na Diocese ou na nossa região. Por fim. nos seus limites. Para contemplar o rosto de Cristo nas mutáveis e categorias. mas também desviante da necessária a Graça. de mais do que nunca a dimensão que melhor exprime reconhecer e proclamar "santos" alguns dos seus o mistério da Igreja. não tem necessidade de palavras. tão característico que é um santo. nas suas potencialidades. diversas situações do mundo contemporâneo. houve quem insinuasse a existência de conhecer os santos. da sua Graça) e a celebração do realce do tema da santidade. Não poucas críticas são dirigidas à Paulo II. Pontífices. apenas embora possuindo uma natureza igual à nossa. beatificações e canonizações durante o seu Para compreender a Igreja. que realçou com muita força a vocação à santidade de todos os cristãos. fala-se com um profundo (nomeadamente. onde nasceu e porque se tornou santo. fruto Para outros. só é só redutiva. como: Frei Galvão. suas qualidades e virtudes. no n. alheio e até precisamente em instrumento de santidade no contrário ao espírito e à orientação do Concílio mundo. como foi sua vida. tão diversificados amadurecido e eloquente. observava Pascal com o seu esmero característico 2. CONGREGAÇÃO PARA AS CAUSAS DOS SANTOS REFLEXÃO DO CARDEAL JOSÉ SARAIVA MARTINS O SIGNIFICADO DOS SANTOS HOJE NUM MUNDO EM MUDANÇA 1. Recorro a esta observação para ineunte. que inclui "Sumos nas suas aspirações e nas suas realizações. como finalidades de liderança do Papado na sociedade nos recorda o Papa. Madre Tereza do Jesus Eucarístico. Mensagem eloqüente. Na grande relevância. que filhos mais exemplares. Vaticano II. operação de marketing por mais da santidade. santo convergem bem conhecidos da história.

Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III Cristo (cf. diferentes entre si e em tal harmonia com Cristo Hb 12. Neste trecho da Lumen assunção do núcleo germinativo cristão. e sem dinamismos de qual somos fortemente atraídos. continua a ser de sistema de valores. profunda atualidade. chamada a estudar e reconhecer a cristã cria um sentido de admiração que nunca santidade e os santos através de um esmoreceu na vida da Igreja e que não pode procedimento minucioso e sábio. de que hoje se fala com tanta confiada pelo Mestre divino. tão 3. rosto vivo de Cristo. de explosões 5. os seus pecados corroem todos os caminhos da católicos. impositivos ou fala e nos mostra um sinal do seu reino (. Este internacionalismo confirma que a eles fazem experimentar que o Evangelho e a vida santidade não tem limites e que não morreu na nova em Cristo não são uma utopia ou um mero Igreja mas. 18). porventura. Neles é Deus quem nos que. Refiro-me em particular ao verità. grande nuvem de testemunhas que nos envolve (cf. dos sacramentos e da prática da caridade. mas viveram a imitada.. 50). conserva e santidade através dos caminhos da evangelização. que gentium encontramos a profunda razão do culto depois desenvolve tanta diversidade e beleza na aos beatos e santos. da catolicidade ou universalidade da de fé cristã e da Igreja. nos diversos fase do processo de canonização os candidatos à contextos históricos. É da admiração que reconhecendo por intuição da fé a "fama de deriva a pergunta: o que é que faz com que a fé santidade". é o próprio povo cristão que. 1) e tais provas da verdade do Evangelho" e com a sua Igreja? O que é que leva à livre (Lumen gentium. pelo contrário. à Congregação 95 . sob o ponto de vista cultural. valores como de costumes. de erros e de vinganças. regiões geográficas e épocas se transforma. sobretudo hoje. Esta notável Aquele internacionalismo do catolicismo. entre as mais variadas canonização categorias e estados de vida? Como é possível competente da Santa Sé. mesma fé. deixar de surpreender até um observador laico renovado e renovável no tempo. que a santidade pode ser contextos de referência histórica. Cardeal Giuseppe Siri nunca é claro. embora também mudem com o mundo que das várias culturas. Não existe nisto. porque eles mostram que a santidade é pelas santas que pertencem aos mais diversos acessível às multidões. A certeza de que os santos interessante fazer uma observação sobre o modo continuarão a acompanhar os homens é uma das como a Igreja católica reconhece e proclama os poucas garantias do futuro" (Il primato della beatos e os santos. em seguida. que essa fé vive. representam sempre o mesmo históricas. indica ao seu Bispo titular da primeira encarne em todas as latitudes. num mundo fragmentado com um movimento que parte de baixo para cima. é e de interrupções. ao vermos tão uniformidade. atento. que estímulos não é procurado com vista ao poder. "sobrenatural" é a palavra justa do história e levam a uma dialética cheia de causas e anúncio e da Graça cristã? de efeitos. é confirmado pelos santos e santos. O fenômeno dos santos e da santidade Santos. tanto a nível de Ainda hoje. de ser instrumento frequência. pág. O mundo muda.). unidade da santidade? Como é diferente a existam tantos santos. 154. A Igreja realiza a missão que lhe foi globalização.. trabalho da Congregação para as Causas dos 4. num mundo que muda Os santos e a santidade são reconhecidos contínua e rapidamente. Nem a Congregação para e. mas ao espirituais. mas "fermento" e "sal". porque todos meta-cultural e meta-histórica para nós. consolidado. Neste contexto de pensamentos. Com a sua existência pessoal e histórica. mas os capazes de fazer viver a fé cristã dentro e fora santos. 2 Cor 3.) para o persuasivos que sejam. sem dinamismos de poder. também da proclamação dos beatos e serviço e à salvação. contribuição de missão recebe conteúdos e uma difunde! de "O futuro dos homens observava o saudoso um indício inconfundível da vitalidade peculiar.

que seguiram Cristo nas que viveram aquelas verdades e aqueles valores de várias formas da vocação cristã" (n. Já num "Decreto" de Pio X. Por fim. e. 23). cada um. Que este Na Carta Tertio Apostólica millennio mesmo Espírito como diz o Evangelho "sopra onde adveniente. Os leigos concedido. poucos. total. O Evangelho espalhou-se Sacrosanctum concilium. 31). em reunião e o estudo de todos os documentos históricos relativos às causas. Com as Causas dos Santos.299 pessoas. "fabricam" os santos. que se santificaram nas condições ordinárias da trata-se de 268 beatos e de 246 santos. 401 dos quais de encontraram a morte no martírio. isto é obra do Espírito Santo. pelo considera que eles são demasiados.029 das quais são da santidade são variados e apropriados à vocação mártires. muito mais partes do mundo e em todas as camadas sociais. Como todos os cristãos 13 de Junho de 1994). Eis a resposta do Papa a estudo que precede e que se segue à sua este propósito: "Às vezes diz-se que hoje há canonização. e pastoral" plenamente precisamente de modo vivo a ação do Espírito O cuidado pela verdade histórica esteve Santo e a vitalidade que dele brota no campo mais sempre presente no trabalho da Congregação para essencial para a Igreja.as Causas dos Santos. canonizações e as beatificações. o 6. para outros. o da santidade. foi o Concílio que realçou de forma de 26 de Agosto de 1913. histórica. "Nestes é uma constatação a que estamos anos. No que diz respeito ao número de santos. na Carta Apostólica Novo portanto. "inventam" ou preparação para o Grande Jubileu do Ano 2000. entre os quais numerosos leigos mais do que geralmente se pensa: com efeito. João Paulo II millennio ineunte. Esta indicação já de tal maneira no mundo e a sua mensagem encontrou a Congregação para as Causas dos mergulhou as suas raízes de modo tão profundo. Além disso. eles são muitos. deve reconhecer-se que o Papa João primeiro milênio. nestes anos. Santos que o elevado número de beatificações reflete experimentada. sabem. Pelo contrário. Durante o seu Pontificado. Ele será a demonstração da presença modo exemplar. desde 1978 até hoje. 514 no vida" (n. ao tantas Senhor ter-me beatificações e canonizações são também um sinal da capacidade de inculturação da vida da fé cristã e da Igreja. mediante os frutos de acompanhar a pregação das verdades e dos fé. Mas isto. corresponde também ao desejo acompanhasse a proposta do culto dos santos (cf. e hoje muito mais. além de O Concílio Vaticano II pediu que uma "cuidadosa refletir a realidade. A maior homenagem que todas as Paulo II fez da proclamação de novos beatos e Igrejas prestarão a Cristo no limiar do terceiro santos uma autêntica e constante forma de milênio. foram-se multiplicando as habituados desde há séculos. e canonizou 464 beatos. numerosas hoje do que nos primeiros séculos e no Assim. Mas a novidade 96 . demasiadas beatificações. seu culto e pelo ardente e sério trabalho de fala disto explicitamente. que por graça de Deus é investigação aquela que é. nem o Papa. 37). e de magistério. expresso pelo Concílio. efeito. gostaria de me debruçar sobre a Papa João Paulo II não ignora o parecer de quem contribuição cultural oferecida pelos santos. o Papa João Paulo II escreveu: quer". Elas manifestam uma vez que a Igreja está espalhada em todas as a vivacidade das Igrejas locais. esperança e caridade em homens e mulheres valores evangélicos com a apresentação de santos de tantas línguas e raças. 1. Sem Para alguns. preparada teológica e. evangelização quis onipotente do Redentor. beatificar e canonizar elevados às honras dos altares são também muito muitos cristãos. hoje. pedia a (Discurso de vocação universal abertura do à santidade" Consistório. mais tarde inserido no particular a Código de Direito Canónico de 1917. Agradeço dúvida. o Papa observa: "Os caminhos beatificou 1.

de 25 de Janeiro dispõe. também historicamente isto é. da maiorias ocasionais que se formam aqui ou ali na cultura. da vida civil. suscitada pelos significativas. a Constituição Apostólica aos homens as possibilidades de que o ser humano Divinus perfectionis magister. observou santos. mas em todo o caso eficaz para o aspiramos! Eles traduzem o divino no humano. porque a tornar-se sujeitos ainda mais Numa época de crise das utopias coletivas. segundo a qual nos orientamos. independentemente da de Fevereiro de 1983. e em todas as fases do (Novo millennio ineunte. ao mesmo para a relação das suas teses de licenciatura. Assim. etc. a missão A este propósito. eterno no tempo". processo. Ratzinger afirmou justamente que "não são as mas a todos aqueles que se ocupam da história. pedagogia. E Jean procurada por motivos teológicos e pastorais. Por isso. a dos Ritos a "Secção histórica". dos santos. Desta maneira. mas parece que devo concluir já não é freqüentado somente por "pessoas interessadas pelo trabalho eclesiástico". Os novos beatos e santos "saíram da grandes impulsos da história do cristianismo sacristia" para serem estudados e apresentados foram caracterizados por um retorno às fontes. um historiador do catolicismo de muitos benefícios também à apresentação cultural Quinhentos.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III fundamental foi apresentada pelo Motu Proprio encontram um material "Já há algum tempo". estão mas também por estudiosos leigos que recorrem interessantes e credíveis. mas fazer frutificar num perene dever de "recentes". aumentando a sensibilidade histórico- gratidão e num renovado propósito de imitação" crítica a todos os níveis. eles indicaram Finalmente. os santos que o Arquivo da Congregação para as Causas dos não só não permanecem marginalizados histórica Santos ou culturalmente. religiosa e de estudo com que a contribuição determinante do método e da nos aproximemos deles. Igreja. traz Delumeau. sancionou definitivamente abordagem cultural. etc. está a nascer uma nova atenção para com os santos. de num período de desconfiança e de incredulidade ali em relação ao que é teórico e ideológico. santos e pelos movimentos de santidade na Igreja. Portanto. destes os santos. historicamente credível. em seguida denominada história. é significativo o fato de 8. Eles. 97 . são interessantes também do de 1983. foi não se deve perder insistiu muitas vezes o Santo alargado a todas as causas. o bem de toda a sociedade. O serviço prestado desenvolvimentos de humanidade no caminho da pela "Secção histórica". das que não culturais. para de estudos sociologia. mas os santos". que "as maiores personagens da história não são A verdade histórica. ou seja. novas respostas aos problemas e aos contavam grandes com testemunhas contemporâneas desafios dos povos e novos relativas às mesmas causas. mesmo às mais Padre. com o seu valor particular. Num mundo que se transforma. Henry Bergson. seguida das Normae servandae.. do dia 7 ponto de vista cultural. que decidem o seu e o nosso caminho. É a ela que maneira diversa. como personagens da sua sociedade e do seu tempo. à santidade do Evangelho. da pedagogia. Um grande filósofo qualidade histórica na abordagem das causas dos francês do século XX. tão diligentemente os conquistadores. verificar o como Cardeal os Joseph interessam mais unicamente à Igreja e aos fiéis. no contexto da vida da sua Igreja. são a verdadeira e determinante extraordinários homens de Deus continua de maioria. da política. Os oferecer a contribuição eficaz para a abordagem santos permitiram que se criassem novos modelos das causas "históricas". A herança dos santos "é uma herança que como "Departamento histórico-hagiográfico". com a tarefa de santidade diz respeito também à cultura. não Nos convidava últimos a anos. 7). históricos. Os santos são como faróis. de 6 de Fevereiro de 1930. abundante e com que o Papa Pio XI instituiu na Congregação 7.

98 . porque "o homem vivo é das vocações em particular..html 5º TEMA EXTRA: MAIO. jamais verdadeiramente devemos esquecer de ver nela o rosto da "mãe fascinante.vatican. constituem um patrimônio da humanidade Santo. num Sedis. MÊS DE MARIA E DIA DAS MÃES 1. derramada pelo Espírito todos. inseparavelmente Fonte: vinculada à dignidade batismal de cada cristão e. na Igreja tudo. santidade! E é indubitavelmente neste sentido Quero ler tudo o que consideramos até aqui. XCIV. Objetivo:  Mostrar que através do “sim” de Maria concretiza-se o plano da Salvação na pessoa do seu Filho Jesus Cristo.. que gera santidade com fecundidade minha opinião. a quem refletir sobre e generosidade superabundantes. pelo menos uma idéia da visão do Sumo Pontífice sobre a santidade. porque eles são de caridade de Cristo. constitui a sua alma" ( Acta Apostolicae que progride para além de si mesma. na dos santos".) a Igreja é "a casa da santidade" e a de atenção para com os santos. Pontificado de Karol Wojtyla. nestes vinte e cinco anos de nova teoria e nem sequer simplesmente uma moral. A mensagem é a que mas um desígnio de vida a narrar.va/roman_curia/congregations/csai por conseguinte. e cada uma também dá glória a Deus. vol. é acompanhar os cristãos pelos caminhos da Só podemos alegrar-nos com este despertar santidade (. explicar melhor também o papel nts/documents/rc_con_csaints_doc_20030315_martin das beatificações e canonizações no caminho s-saints_po. está ao serviço da a glória de Deus" (Santo Ireneu de Lião).figuras singulares em que se encontra não uma pastoral da Igreja. enquanto honra o homem. a amar com devoção e a vocações de 2002: "A primeira tarefa da Igreja realizar mediante a imitação. à luz de uma mensagem. pode dar. 3 de Maio de 2002. este tema. 5). Por conseguinte. http://www. que. desenvolvimento que. n. quando olhamos para a Igreja. do Santo Padre João Paulo II que. a descobrir foi enviada para o dia mundial de oração pelas através do estudo.

Por isso.  É importante valorizar a mãe e no seu dia fazer uma linda homenagem para ela. pertencia a uma família simples da cidade de Nazaré. É o Deus que nela faz grandes coisas. trabalhadora e cheia de coragem.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III  Resgatar a importância do dia das mães. Sua preocupação era ajudar os outros. Só existe uma Nossa Senhora. Esta e a primeira e  Maria e a Mãe de Jesus.só Cristo é Mediador  Assunta. da Igreja e nossa. Desenvolvimento do Encontro:  Maria era uma moça como as outras. o exílio. mas é o Deus dos pequenos. atitude de discípula de Cristo.  Ela procurava viver a Aliança. foi totalmente aberta à Palavra de Deus.  Explicar que todos os nomes de Nossa Senhora são nomes que o povo dá.  Cheia de graça. 25-27 / At 1. Seus pais eram Joaquim e Ana. Material utilizado: Apostila. aquela que Deus escolheu para ser a Mãe de Jesus. Deus morou nela e a fez mãe de seu Filho único – Jesus.  Os católicos veneram Maria porque é Mãe de Jesus. Deus nasceu no seu coração. humilde. flores. (1Tm 2. 99 . mas nos Maria se doou a Deus e ao povo e teve mostra que: fidelidade ao Plano de Deus. ela desenvolve um papel importante na obra da Salvação. por isso observava os 10 Mandamentos.  (A Igreja declarou dogma de fé em 1950) O Documento de Puebla ressalta:  Mulher de luta: não se acomoda. ser amiga de todas as pessoas. Como mulher. Ambientação: toalha. não toma o seu lugar.  Maria era bondosa. Conheceu de perto a pobreza. nos mostra a emancipação  Imaculada Conceição.  Única criatura que ao mesmo tempo e: Filha Esposa ¸Mãe de Deus. 26-38 / Jô 2. Maria é:  Se a devoção a Maria não tiver Cristo.5).  Falar que ela intercede por nós junto a Deus. da mulher. Maria é a mulher forte.  Maria. O Deus de Maria não é um deus pequeno. na Palestina. Conteúdo do Encontro:  Maria é aquela que acreditou que Deus é o todo poderoso e que a escolheu para ser a Mãe de Jesus. o sofrimento. 3.  Valorizar a mãe e todos que cuidam de nós todos os dias.  Mostra como Maria viveu e agiu. sem o seu caráter comercial. 2. 8. (A Igreja declarou dogma de fé em 1854). figuras de mãe 6. Teve perfeita Maria  Co-Mediadora . Bíblia 7. mês dedicado à ela. bíblia. Momento de Oração: APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA O Evangelho fala pouco de Maria. conforme a situação da vida. abre caminhos. não é evangélica. 14 5. Leitura utilizada: da própria apostila / bíblia – Lc 1. Essa devoção consiste em imitá-la nesse grande amor a Deus e aos mais necessitados. comemoramos o dia de Nossa Senhora de Fátima e Nossa Senhora Auxiliadora.  Maria é a Nossa Senhora que nós invocamos com diversos títulos e neste mês de maio. 1-12 / Jô 19. o Filho de Deus. imagem de Nossa Senhora. 4. Disse “sim”. Atividades: orientar a execução das atividades. mas fundamental exigência da catequese. Foi assumida ao céu onde esta de corpo e alma.

Amém". 157-158.. Livro do Catequista. as homenagens às mães eram feitas com festas. É o modelo indispensável para seguir a Cristo. as  Rezemos a Ave Maria. 100 . então presidente.  Mas. Hoje em dia. em 1873. Vida e Comunidade. a exploração do homem. e não apenas em fazer como o egoísmo. uma esperança de Fátima. declamações."Maria e a imagem perfeita da Igreja". 267). 2003 – p. não é escrava de mais ninguém. vocação porque viveu. Só depois de três anos é que a comemoração idealizada por Anna Jarvis foi oficializada no estado da Virgínia Ocidental. Fonte: Fé. redentora do Cristo. em outras cidades. promessas. Em 1907. N. novenas. Fazendo-se escrava do Senhor  A verdadeira devoção a Maria consiste em promove a libertação da mulher. Informação complementar sobre o Dia das Mães: O primeiro dia das mães foi festejado em Boston. podendo lutar contra as demais escravidões. DEVOÇÃO A MARIA Paulus. de povo brasileiro tem profunda devoção a Maria sob o título de N. desfrutar dos bens que Deus criou para todos (P. No dizer do Concílio Vaticano II . a sua vocação. etc. ela é "aquela que acreditou" que "Deus é o Todo Poderoso". Se é escrava imitá-la nesse grande amor a Deus e aos mais do Senhor. antes de ser Maria de Nazaré. Em 1915. No Brasil. de libertação. Mas foi só em 1932 que Getúlio Vargas. Sra.  Maria é para a America Latina. a primeira comemoração ocorreu no dia 12 de maio de 1918. Sra. Aparecida. No começo. o presidente dos Estados Unidos decidiu oficializar a data. com fidelidade. pedindo a Ela que nos estruturas que impedem uma participação mostre o Plano de Deus e interceda por nos fraterna na construção da sociedade para "agora e na hora de nossa morte. assinou uma lei oficializando o Dia das Mães. a norte americana Anna Jarvis resolveu homenagear sua mãe. etc. Maria recebe outros nomes. necessitados. cantos e flores. onde ela morava. que havia morrido alguns anos antes. Nossa Senhora do Rosário. e em  Ela é a primeira leiga associada a obra  Exemplo  O outros lugares. as propagandas incentivam a compra de presentes. poesias.

7-20 e da própria apostila. Atividades: orientar a execução das atividades 8. bíblia.  A festa teve origem no ano de 1264 e foi instituída pelo então Papa Urbano IV em 1264. 3. celebra-se também em uma quinta-feira. 2. flores.  A Eucaristia não é uma representação de Cristo. É neste momento que a fé se manifesta. 51-59 . esta é uma forma de mostrarmos que somos uma comunidade composta de irmãos que possuem dons diferentes. 51-59 e Lc 22. Material utilizado: Apostila – fichas . onde Cristo instituiu o Sacramento da Eucaristia.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 6º TEMA EXTRA: CORPUS CHRISTI 1. 4. acerca da Festa de Corpus Christi. mas o próprio Cristo que se faz presente. pelas ruas da nossa cidade. ainda temos os maravilhosos milagres eucarísticos reconhecidos pela Igreja Católica.  Aplicar a dinâmica “Fala sério” “Com certeza”. isto é crer naquilo que está escondido. após a festa da Santíssima Trindade porque seguindo a passagem bíblica. Conteúdo do Encontro:  Explicar porque existe a Festa de Corpus Christi. imagem etc. 6.Com certeza e Fala sério 7. Objetivo:  Possibilitar aos catequizandos um maior conhecimento. para os mais descrentes. o Papa João XXII determinou a procissão em vias públicas.  Porém. presente na figura do pão. 101 .  A Igreja dedica duas grandes festas ao sacramento da Eucaristia: Quinta-feira Santa e Corpus Christi. Ambientação: toalha. É celebrada na quinta-feira. Jesus disse: “Bem aventurados o que crêem sem ter visto”. Como filhos da Igreja. Corpus Christi significa Corpo de Cristo.  Em 1317. Falar sobre os milagres eucarísticos e mostrar como Deus vai permitindo que coisas extraordinárias aconteçam para nos ajudar a crer mais ainda no Sacramento da Eucaristia. Desenvolvimento do tema:  Nos próximos dias.  Convidar os catequizandos participar da confecção dos tapetes. A festa de Corpus Christi passou a ter dois grandes momentos: a celebração da Santa Missa e a Procissão sobre os tapetes.  Ler com eles o texto da apostila e comentar cada parágrafo. levamos Cristo.Jesus afirma que seu corpo é verdadeira comida e seu sangue verdadeira bebida. Comentar sobre o milagre de Lanciano e contar outros milagres aconteceram (conforme texto anexo – não é preciso citar todos – escolher alguns e citar local e ano em que aconteceram). Momento de Oração – rezar juntos a oração da apostila. Leitura utilizada: Jo 6. em função do seu significado e o seu papel como devoção especial à Cristo Eucarístico. 5. celebramos a solenidade do Corpo e Sangue de Cristo (Corpus Christi) no mundo todo.  Ler Jo 6.

DINÂMICA
Fala sério / Com certeza.
OBJETIVO: Reforçar os temas Corpus Christi e Eucaristia.
Obs.: Adaptar as perguntas de acordo com o Módulo – e com a quantidade de catequizandos
DESENVOLVIMENTO:

Fazer pequenos cartões com as respostas FALA SÉRIO e COM CERTEZA, conforme o

número de catequizandos. Entregar a cada um, um par de respostas. Fazer as perguntas abaixo, os catequizandos
deverão mostrar o cartaz com a resposta que considerar correta: FALA SÉRIO (quando a afirmação estiver errada)
ou COM CERTEZA (quando a afirmação estiver correta). A cada afirmação o catequista deve aproveitar para dar a
explicação a respeito do assunto.

1.

Corpus Christi significa o Corpo de Cristo. – Com certeza –

2.

Corpus Christi é celebrado no domingo após o Natal. – Fala sério – primeira quinta-feira após o domingo da
Santíssima Trindade

3.

Quando comungamos passamos a ser sacrários vivos porque Cristo carregamos Cristo vivo em nós. – Com
certeza – Ao comungarmos Cristo passa a viver em nós.

4.

A Eucaristia foi instituída, isto é, celebrada pela primeira vez, na Sexta-feira Santa. – Fala sério - Quintafeira Santa, dia da Santa Ceia

5.

Cada vez que a comunidade realiza o gesto do pão e do vinho, ela faz Jesus presente, vivo e verdadeiro
entre nós. – Com certeza – Jesus vivo se faz presente na comunhão.

6.

A Igreja dedica duas grandes festas ao sacramento da Eucaristia: Natal e Corpus Christi. – Fala sério –
Quinta-feira Santa e Corpus Christi;

7.

Participar da confecção dos tapetes é uma forma de mostrarmos que somos uma comunidade composta de
irmãos que possuem dons iguais. – Fala sério - cada um de nós possui dons distintos, diferentes.

8.

Na Procissão sobre os tapetes, como filhos da Igreja, levamos Cristo, presente na figura do pão, pelas
ruas da nossa cidade. – Com certeza - Na Eucaristia Jesus está vivo no meio de nós.

9.

Jesus disse: “É preciso ver para crer” – Fala sério - Jesus disse: “Bem aventurados os que crerem ser ter
visto”.

10. A festa de Corpus Christi tem dois grandes momentos: a celebração da Santa Missa e a entrega das
ofertas. – Fala Sério, o segundo momento é a Procissão sobre os tapetes

11. Na festa do Corpo de Cristo, como filhos da Igreja, levamos Maria, presente na figura do pão, pelas ruas
da nossa cidade. – Fala sério, levamos o próprio Cristo

12. Nos gesto memorial (porque recorda a vida de Jesus) do pão e do vinho, somos convidados a amar até as

últimas conseqüências, como JESUS nos amou, aceitando perder tudo e se entregando totalmente por causa
do Amor. – Com certeza - devemos imitar Jesus.

13.

Para comungar é preciso se preparar com piedade e devoção e se estiver em pecado procurar se
confessar. – Com certeza – o encontro com Jesus na Eucaristia é um momento muito especial, por isso devemos
nos preparar bem e estar puros de coração.

14.

Deus permite que aconteçam fatos extraordinários como o milagre de Lanciano para nos mostrar o seu
poder – Fala sério – Deus permite que aconteçam milagres para nos ajudar a crer mais no Sacramento da
Eucaristia e para nos ajudar a avançar em nossa peregrinação de fé.

APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA
A revista “Jesus”, das Edições Paulinas de

milagres eucarísticos no mundo todo. Por exemplo,

Roma, publicou uma matéria do escritor Antonio

Marthe Robin, uma francesa, milagre eucarístico

Gentili, em abril de 1983, pp. 64-67, onde apresenta

vivo, alimentou-se durante mais de quarenta anos só

uma resenha de milagres eucarísticos. Há tempos,

de Eucaristia. Teresa Newmann, na Alemanha,

foi traçado um “Mapa Eucarístico”, que registra o

durante mais de 36 anos alimentou-se só de

local e a data de mais de 130 milagres, metade dos

Eucaristia.

quais
102

ocorridos

na Itália. São

muitíssimos

os

Diocese de São José dos Campos
Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III
1 - Lanciano - Itália – no ano 700

mais importante deu-se em Londres, em 1981, foi

Em Lanciano – séc. VIII. Um monge da ordem
de São Basílio estava celebrando na Igreja dos

encontrado um documento de 1197 narrando o fato.
4 - Offida - Itália – 1273

santos Degonciano e Domiciano. Terminada a
Consagração,

que

ele

realizara,

a

hóstia

Ricciarella

Stasio

-

devota

imprudente,

realizava práticas supersticiosas com a Eucaristia;

transformou-se em carne e o vinho em sangue

em

depositado dentro do cálice. O exame das relíquias,

transformou em carne e sangue. Foram entregues ao

uma

dessas

profanações,

a

Hóstia

se

segundo critérios rigorosamente científicos, foi

pe. Giacomo Diattollevi, e são conservadas até hoje.

efetuado em 1970-71 e outra vez em 1981 pelo

Há muitos testemunhos históricos sobre este fato.

Professor Odoardo Linoli, catedrático de Anatomia

5 - Sena – Cássia - Itália – 1330

e Histologia Patológica e Química e Microscopia

Hoje este milagre é celebrado em Cássia,

Clínica, Coadjuvado pelo Professor Ruggero Bertelli,

terra de Santa Rita de Cássia. Em 1330, um

da Universidade de Siena. Resultados:

sacerdote foi levar o viático a um enfermo e colocou

1) A hóstia é realmente constituída por fibras
musculares estriadas, pertencentes ao miocárdio.

indevidamente, de maneira apressada e irreverente,
uma Hóstia dentro do seu Breviário para levá-la ao

2) Quanto ao sangue, trata-se de genuíno

doente grave. No momento da Comunhão, abriu o

sangue humano. Mais: o grupo sangüíneo ‘A’ que

livro e viu que a Hóstia se liquefez e, quase reduzida

pertencem os vestígios de sangue, o sangue contido

a sangue, molhou as páginas do Livro. Então o

na carne e o sangue do cálice revelam tratar-se

sacerdote negligente apressou-se a entregar o livro

sempre do mesmo sangue grupo ‘AB’ (sangue comum

e a Hóstia a um frade agostiniano de Sena, o qual

aos Judeus). Este é também o grupo que o professor

levou para Perúgia a página manchada de sangue e

Pierluigi Baima Bollone, da universidade de Turim,

para Cássia a outra página onde a Hóstia ficou presa.

identificou no Santo Sudário.

A primeira página perdeu-se em 1866, mas a relíquia

3) Apesar da sua antiguidade, a carne e o

chamada de “Corpus Domini” é atualmente venerada

sangue se apresentam com uma estrutura de base

na basílica de Santa Rita.

intacta e sem sinais de alterações substanciais; este

6 - Turim - Itália – 1453

fenômeno se dá sem que tenham sido utilizadas

Na Alta Itália ocorria uma guerra furiosa pelo

substâncias ou outros fatores aptos a conservar a

ducado de Milão. Os Piemonteses saquearam a

matéria humana, mas, ao contrário, apesar da ação

cidade;

dos mais variados agentes físicos, atmosféricos,

Tabernáculo. Tiraram o ostensório de prata, no qual

ambientais e biológicos.

se guardava o corpo de Cristo ocultando-no dentro

2 - Orvieto - Bolsena - Itália – 1263

de uma carruagem juntamente com os outros

Início da Festa de Corpus Christi.

objetos roubados, e dirigiram-se para Turim.

3 - Ferrara - 28/03/1171

ao

chegarem

a

Igreja,

forçaram

o

Crônicas antigas relatam que, na altura da Igreja de

Aconteceu este milagre na Basílica de Santa

São Silvestre, o cavalo parou bruscamente a

Maria in Vado, no século XII. Propagava-se com

carruagem – o que ocasionou a queda, por terra, do

perigo a heresia de Berengário de Tours (†1088),

ostensório – o ostensório se levantou nos ares “com

que negava a Presença real de Cristo na Eucaristia.

grande esplendor e com raios que pareciam os do

Aos 28 de março de 1171, o Pe. Pedro de Verona,

sol”. Os espectadores chamaram o Bispo da cidade,

com três sacerdotes celebravam a Missa de Páscoa;

Ludovico Romagnano, que foi prontamente ao local

no momento de partir o pão consagrado, a Hóstia se

do prodígio. Quando chegou, “O ostensório caiu por

transformou em carne, da qual saiu um fluxo de

terra, ficando o corpo de Cristo nos ares a emitir

sangue que atingiu a parte superior do altar, cujas

raios refulgentes”. O Bispo, diante dos fatos, pediu

marcas são visíveis ainda hoje. Há documentos que

que lhe levassem um cálice. Dentro do cálice, desceu

narram o fato: um “Breve’ do Cardeal Migliatori

a hóstia, que foi levada para a catedral com grande

(1404). - Bula de Eugênio IV (1442), cujo original foi

solenidade. Era o dia 9 de junho de 1453. Existem

encontrado em Roma em 1975. Mas, a descoberta

testemunhos contemporâneos do acontecimento
103

(Atti Capitolari de 1454 a 1456). A Igreja de

Bispo de Santarém, a Igreja de S. Estevão, onde

“Corpus Domini” (1609), que até hoje atesta o

está a relíquia, foi elevada a Santuário Eucarístico

prodígio.

do Santíssimo Sangue.

7 - Sena - Itália – 1730

9 – Faverney, na França, em 1600

Na Basílica de São Francisco, em Sena, pátria

O Milagre Eucarístico que aconteceu em

de Santa Catarina de Sena, durante a noite de 14

Faverney,

para 15 de março de 1730, foram jogadas no chão

demonstração sobrenatural de superação da lei da

223 hóstias consagradas, por ladrões que roubaram

gravidade.

o cibório de prata onde elas estavam. Dois dias

quilômetros de Vesoul, distante 68,7 quilômetros de

depois, as Hóstias foram achadas em caixa de

Besançon. Um dos noviços chamado Hudelot, notou

esmolas misturadas com dinheiro. Elas foram limpas

que

e guardadas na Basílica de São Francisco; ninguém

Santíssimo Sacramento sobre o Altar, elevou-se e

as consumiu; e logo o milagre aconteceu visto que

ficou suspenso no ar e que as chamas se inclinavam e

com o passar do tempo as Hóstias não se

não tocavam nele. Os Frades Capuchinhos de Vesoul

estragaram, o que é um grande milagre. A partir de

também

1914

que

testemunhar o fenômeno. Embora os monges com a

de

ajuda do povo, conseguiram apagar o incêndio que

foram

comprovaram

feitos
pão

em

exames
perfeito

químicos
estado

o

na

França

Faverney

Ostensório

consistiu
está

que

notável

localizado

se

apressaram-se

numa

a

encontrava

para

20

junto

observar

e

conservação.

queria consumir toda a Igreja, o Milagre não cessou,

8 - Milagre Eucarístico de Santarém – Portugal

o Ostensório com JESUS Sacramentado continuou

(1247)

flutuando no espaço.

Aconteceu no dia 16 de fevereiro de 1247, em

10 - Em Stich, Alemanha, 1970

Santarém, 65 km ao norte de Lisboa. O milagre se

Na região Bávara da Alemanha, junto à

deu com uma dona de casa, Euvira, casada com Pero

fronteira suíça, em 9 de junho de 1970, enquanto um

Moniz, a qual sofrendo com a infidelidade do marido,

padre visitante da Suíça estava celebrando uma

decidiu consultar uma bruxa judia que morava perto

Missa numa capela, uma série incomum de eventos

da igreja da Graça. Esta bruxa prometeu-lhe

aconteceu. Depois da Consagração, o celebrante

resolver o problema se como pagamento recebesse

notou

uma Hóstia Consagrada. Para obter a Hóstia, a

começou a aparecer no corporal, no lugar onde o

mulher fingiu-se de doente e enganou o padre da

cálice tinha estado descansando. Desejando saber

igreja de S. Estevão, que lhe deu a sagrada

se o cálice tinha começado a vazar, o padre correu a

Comunhão num dia de semana. Assim que ela recebeu

mão

a Hóstia, sem o padre notar, colocou-a nas dobras

completamente seco. A esta altura, a mancha

do seu véu. De imediato a Hóstia começou a sangrar.

crescera, atingindo o tamanho de uma moeda de dez

Assustada, a mulher correu para casa na Rua das

centavos. Depois de completar a Missa, o padre

Esteiras, perto da Igreja e escondeu o véu e a

inspecionou todo o altar, mas não conseguiu

Hóstia numa arca de cedro onde guardava os linhos

encontrar

lavados. À noite o casal foi acordado com uma visão

remotamente a fonte da mancha avermelhada. Ele

espetacular de Anjos em adoração à sagrada Hóstia

trancou o corporal que apresentava a mancha num

sangrando. Várias investigações eclesiásticas foram

local seguro, até que pudesse discutir o assunto com

feitas durante 750 anos. As realizadas em 1340 e

o pároco.

que

dele

uma

pequena

debaixo

qualquer

do

coisa

mancha

cálice,

que

avermelhada

mas

achou-o

pudesse

1612 provaram a sua autenticidade. Em 5 de abril de
1997, por decreto de D. Antonio Francisco Marques,

104

Fonte: Prof. Felipe Aquino - www.cleofas.com.br

ser

chamado de Deus para uma missão. preocupação principal: o "ter". não somente nesta data. é vivida 24 horas por dia 5. falta o necessário para viver. Leitura utilizada: da própria apostila / Lc 5. espírito de serviço e responsabilidade. na vocação eu vivo A profissão dignifica a pessoa quando é exercida com amor. é o caminho de santidade. na profissão eu faço 7. Podemos mostrar nosso carinho e amor compartilhando nossos momentos. que se origina na pessoa como reação-aspiração do ser 2. É preciso distinguir bem vocação de profissão.  Conscientizar os catequizandos a respeito da responsabilidade.  Conversar com os catequizandos sobre a importância de amar e valorizar o pai ou o responsável em todos os dias do ano. não tem remuneração ou salário 6. tem remuneração 5. preocupação exclusiva: "o ser" . pode ser trocada 1. bem como da importância de descobrirmos e vivermos nossa vocação. onde todos são convidados a expressar as suas idéias relativamente ao que lhes sugere a palavra “VOCAÇÃO”:  “Quando ouvem a palavra “Vocação” o que é que vos vem à cabeça?”  Ir colaborando com os catequizandos para dar o verdadeiro sentido da palavra vocação. 3. quando não é exercida. bíblia. o amor e o serviço 3.  Esclarecer que presentes não demonstram o tamanho do nosso amor. Ambientação: toalha. o sustento da vida 3. tem aposentadoria 6.  Resgatar a importância do papel do pai em nossas vidas.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 7º TEMA EXTRA:VOCAÇÃO – DIA DOS PAIS 1. quanto amamos os nossos pais ou quanto somos amados por eles. A vocação vivida na fidelidade e na alegria confere ao exercício da profissão uma beleza particular. é exercida em determinadas horas 4.  Segue-se um período de discussão aberta a todo o grupo. Colocar para os catequizandos o quadro abaixo para observarem a distinção entre uma e outra: Profissão Vocação 1 . 105 . vive da providência divina 8. aptidão ou escolha pessoal para exercer um trabalho 2. Desenvolvimento do tema: História – A vocação de Pierre (em anexo)  Trazer para o encontro da catequese um cartaz com a palavra VOCAÇÃO. 4. 8. é para sempre 4. 10-11 5. imagem etc. pois não são exatamente a mesma coisa. 2. Objetivos:  Distinguir o significado de Vocação e Profissão. de cada um. não tem aposentadoria 7. flores. para com as vocações. Conteúdos do Encontro:  Trabalhar o tema Vocação através da história – A vocação de Pierre.

Nesta floresta. E desde muito cedo eles descobrem qual é a sua vocação específica. inseto ou animal tem uma vocação específica. Material utilizado: Apostila. principalmente pelo dia dos pais. tenho observado os meus amigos. . me lembro! . esperança. Infelizmente eu não posso lhe dizer qual é a sua vocação! Cabe a você  descobrir sozinho! A única coisa que posso fazer por você é apontar caminhos! Mas tenha certeza de uma coisa Pierre: a sua vocação se encontra no seu coração. onde todas as manhãs Pierre cantarolava.. ainda não conseguiu descobrir qual é a sua vocação específica. Para que cantar se eu não sei qual é a minha vocação?  Você se lembra do dia em que eu lhe disse que eu poderia apontar caminhos para que você pudesse por si mesmo descobrir qual era a sua vocação? Sim. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA A Vocação de Pierre.  Pierre. figura de um pássaro. já é um pássaro jovem. 8. E para os velhinhos daquele asilo o canto de Pierre simbolizava vida. pois seu avô lhe havia dito que ele também possuía uma vocação! Mas também saiu com mais dúvidas ainda: se todos tinham uma vocação. Porém Pierre. este momento chegou!  O avô de Pierre o conduziu até a pitangueira que ficava em frente ao asilo.6. Bíblia. . . o mês que vem ele vai se casar com a andorinha Teté! E o João-de-Barro. . próximo da “Floresta das Vocações”.Querido netinho Pierre. Momento de Oração – fazer um momento de oração pelas vocações. Pierre saiu um pouco feliz. Mas um dia Pierre cansou de cantarolar. amor. . esperança.Pois bem. . . Os velhinhos daquele asilo começaram a se entristecer e conseqüentemente ficaram doentes. veja só as lindas casas que ele projeta e constrói! E eu? Qual é a minha vocação? . cada pássaro. e segundo ele. e percebi que cada um deles já descobriu qual é a sua  vocação! Veja o Canário Zé.  Olhe para estes velhinhos Pierre! Como você os vê?  Eles estão muito tristes vovô!  Além de estarem tristes. Atividades: orientar a execução das atividades. 106 . Pierre é um pássaro. porque você não está cantando mais?  Sabe o que é vovô? Eu desanimei. é um arquiteto perfeito. qual era a sua??? Todas as manhãs Pierre gostava de cantarolar em uma pitangueira que ficava em frente a um antigo asilo. . meu neto querido. Após conversar com seu avô. ..Vovô Pardal. . cartaz 7. . eles também estão doentes!  Mas porque vovô?  Por um simples motivo meu neto querido! Você era o motivo da alegria destas pessoas! Quando você cantava estes velhinhos tinham vida. Ele vive na “Floresta das Vocações”.

deitar-te e. foi para junto de Eli e disse: "Tu me chamaste. e correu para junto de Eli. pode seguir a leitura na respondeu. Certo dia. 3: O jovem Samuel "Fala. esse dia é comemorado no segundo domingo do mês de agosto. No Brasil. onde se encontrava a arca de Deus. Puxa vovô! Então está é a minha vocação!!!  Levar vida. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA "A VOCAÇÃO DE SAMUEL" 1 Sm 3. Eli compreendeu. . Samuel!" "Aqui estou!". aqui estou!" Eli respondeu: vida. o terceiro domingo de junho como o dia dos pais. O 2º passo A resposta de Samuel ao chamado de Deus foi pronta e decidida. vamos Samuel levantou-se. que acabou se espalhando por todo o país. se alguém te chamar. Samuel. 1-10 Introdução Senhor chamou de novo: "Samuel. então. voltou a seu lugar para dormir. Eli respondeu: "Eu não te chamei. desafios. que Deus deu a Samuel. alegria e esperança para as outras pessoas!!! A partir daquele dia Pierre se tornou o pássaro mais feliz da “Floresta das Vocações”. Foi escolhido. meu filho. Este e outros sacerdotes. porque você era sinal de vida para eles. Em 1924. O Senhor veio. Resolveu falar sobre isso com o sacerdote da igreja de sua cidade. Samuel!" Estamos no Mês das Vocações. O chamado de Deus 107 . aqui estou!". com muita atenção. Volta a dormir!" O Senhor chamou pela terceira vez: "Samuel! Samuel!" Ele levantou-se. pôs-se junto dele e chamou-o como das outras Samuel estava dormindo no santuário do Senhor. então. . pelos habitantes da cidade de Spokane. juntamente com uma associação cristã. que teu servo escuta!" E Samuel servia ao Senhor sob as ordens (do sacerdote) Eli. o que teu servo escuta!". em Washington. que sentiu o chamado de Deus e soube responder. divulgaram a idéia.No lº livro de Samuel encontramos uma narração bonita de um jovem. (Leia na Bíblia o primeiro capítulo do 1º livro de Samuel) "Não te chamei. responderás: uma parte do texto do cap. E hoje você só é feliz porque pode dizer um sim maduro a sua vocação! Dia dos Pais O dia dos pais começou a ser comemorado nos Estados Unidos em 1910. já nasce com uma vocação gravada em nosso coração! Mas temos a liberdade de dizer: sim ou não a ela! Mas para que possamos dizer sim ou não é necessário passarmos por várias etapas de amadurecimento: medo. questionamentos. aqui estou!". "Tu me Bíblia) chamaste. que era o Senhor que estava chamando o menino e disse a Samuel: "Volta a 1º passo: Vamos ler. o presidente americano pediu aos habitantes dos Estados Unidos que homenageassem os pais num dia especial. (Querendo saber a missão Senhor chamou: "Samuel. muito obrigado por me indicar o caminho!  . Senhor. vezes: "Samuel! Samuel!" E ele respondeu: "Fala. Hoje. .  Vovô. Então. Volta a dormir!" E Samuel foi deitar-se. Eli estava dormindo no seu quarto. A sra. que vivia nessa cidade.Cada um de nós Pierre. foi ter com Eli e disse: "Tu refletir sobre o chamado de Deus em nossa me chamaste. visão da realidade. Brice Dood.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III Você era sinal de que Deus não os havia abandonado! Eles acreditavam na vida. . Samuel era um grande profeta no tempo dos reis Saul e Daví. achava que deveria haver um dia especialmente dedicado aos pais.

de idades diferentes. se Primeiro.se dá também em nossa vida. Depois. à resposta ao chamado de Deus. 1-14. Pode ser o chamado para um estado de de cada um e em diversas situações. do trabalho. mas muitas vezes. sua falta de chamado de Deus? Como reagi? É sempre fácil dar generosidade. Jer 1. O segundo (Ex 3.. Deus chama na vida missões. para silêncio. consciência de um seu comodismo... agosto de 2004 108 . Igualmente o construir um mundo justo e fraterno. Reflita: como respondo aos apelos de determinadas funções e serviços: dentro da Deus na minha vida? Onde Deus está me família. como tal.. Coloque-se diante de Deus... muitas vezes. 10-16. grupo. 4... 4-10) Deus chama chamado Fomos pessoas de todo tipo. não uma só vez. Podemos conferir isto na Bíblia. uma resposta? (Quando a reflexão for feita em pode-se terminar com um canto: "Eis-me aqui. não querendo aceitar a missão.") Inês Broshuis – Catequeta Fonte: Jornal Missão Jovem. onde haja profeta Jeremias. em o chamado de Deus vem. lugar para todos serem felizes. chamados a seguir Jesus Cristo no seu modo de casadas ou solteiras. homens e mulheres. (Se a reflexão for em grupo. e para levar sua mensagem ao podemos pensar que o chamado é só para um mundo. quando menos vida: casamento. vem o chamado para diversas determinado estado de vida. Não viver e doar-se. deu Quando no fomos nosso tomei chamados 3º passo Nem sempre é fácil dar uma Batismo. Moisés lutou com existência e. Mas o esperamos. vida consagrada. ser padre. temos uma missão: Deus. da comunidade. pode haver um momento de partilha) Senhor" ou "Senhor. Vamos chamando? Como? Fale com Deus sobre seus refletir: medos. se tu me chamas.

já está traduzida em todas as línguas oficiais e em inúmeras línguas e dialetos mais falados. flores. quantos livros tem cada parte. imagem etc.  A palavra “bíblia” vem da língua dos gregos e quer dizer: “coleção de livros”. Mas. noções iniciais a respeito dos capítulos e versículos. para que foi escrita. Material utilizado: Apostila. quais as relações que teve com os outros povos e nações.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 8º TEMA EXTRA: SETEMBRO – MÊS DA BÍBLIA 1. também. Atividades: orientar a execução das atividades. O QUE É A BÍBLIA? Os cristãos colocaram os fundamentos de sua fé na revelação de Deus ao antigo Povo hebraico. É composto por 46 livros. como foi governado. Deus fala às pessoas. Bíblia 7. bíblia. seus conflitos. PARTES DA BIBLIA a) ANTIGO TESTAMENTO (AT) Fala da História do Povo que Deus escolheu para fazer com Ele uma Aliança. Ela contém 73 livros sendo que: 46 livros são do Antigo Testamento e 27 livros do Novo Testamento. Esta revelação teve a sua plenitude em Jesus Cristo. em que língua foi escrita. Leitura utilizada: da própria apostila e da Bíblia 5. Ambientação: toalha. a Bíblia e mais do que um L1vro: e uma coleção de Livros. Apresenta seus costumes. 6.  Conversar sobre o que os catequizandos já sabem sobre a bíblia e comentar. como possuiu uma terra. 4. o seu 109 .  Cantar um canto sobre a bíblia e ler um texto bíblico e. onde foi escrita. b. Conteúdo do Encontro:  Respeito à Palavra de Deus. 2. Esta grande experiência hist6ricoreligiosa se encontra no Livro da Bíblia. derrotas e esperanças. quem escreveu. sua cultura.  A bíblia ajuda o povo a viver conforme o desejo de Deus. porque através dela.  Como foi escrita a Bíblia. como esse povo se comportou em relação à Aliança com Javé. “biblioteca”.  A bíblia é o livro mais conhecido do mundo inteiro. Bíblia é uma palavra grega. O AT mostra como surgiu esse povo. Desenvolvimento do Encontro:  A bíblia é a Palavra de Deus. é um substantivo plural que quer dizer: Livros. como organizou as suas leis e como viveu a sua religião. APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA a. sem nunca desanimar. antes do nascimento de Jesus. 3.  Organizar uma pequena Celebração da Palavra de Deus  Trazer uma bíblia grande. mostrando que ela deve nos acompanhar por toda a vida. O AT mostra. Objetivo:  Estimular o conhecimento da proposta de amor de Deus através da aproximação e da leitura da Bíblia. em seguida pedir que cada catequizando beije a bíblia em sinal de respeito. como viveu na escravidão no Egito. fazer a entrada com ela. colocar em lugar de destaque. mostrar o Antigo e o Novo Testamento.  De modo ilustrativo. É através da bíblia que Deus anima e orienta o seu povo para continuar a lutar e a viver.

e só depois foi escrita. e qual foi o Projeto que Deus quis realizar no meio da humanidade. A memória mantinha-se viva e. 110 O povo se esforçava para colocar Deus na vida. arcebispo de Cantuária. A divisão em capítulos aconteceu pelo ano 1214. A maior preocupação do povo era "contar" sua experiência para não esquecer os fatos de sua história. Outras partes foram escritas no Egito para onde o povo emigrou depois do cativeiro. foram escritas na Bíblia. começada com Moisés no Sinai. por onde Jesus andou e onde nasceu a Igreja. A Bíblia saiu da memória do povo. organizando a vida pessoal e social de acordo com a justiça. para que ela não se apagasse. em rodas de conversa. e a divisão em versículos foi feita em 1527. Nasceu da preocupação de não esquecer o passado. quando Salomão era rei. no ano 1450 depois de Cristo. uma Nova Aliança.C. constitui o documento de nossa fé . assim eles decoravam e transmitiam as histórias as leis. ONDE FOI ESCRITA A BÍBLIA? A Bíblia foi escrita em lugares diferentes. as profecias. O importante era transmitir aos outros uma nova consciência comunitária. e outros até mais de 500 anos. em latim. d. mas o 1º livro a ser escrito foi o Livro dos Juízes que apareceu pelo ano 1000 a. Os livros do NT foram escritos depois da morte de Jesus. onde o povo viveu no cativeiro. A maior parte dela foi escrita na Palestina. os salmos. pelo ano 100 depois de Cristo. Estas partes da Bíblia têm o nome de TESTAMENTO (palavra latina: "Testamentum") que significa "documento importante". o AT é um documento antigo . não eram divididos em capítulos e versículos como estão divididos hoje. confirmada e aprofundada ao longo de toda a história deste povo.C. A Bíblia começou a ser escrita em torno do ano 1250 a. A Bíblia levou 11 séculos (1100 anos) para ser escrita. Durante muitos anos foi falada e recordada muitas vezes no meio do Povo. onde o Povo vivia. Para compreender o NT e necessário saber se Israel foi fiel ou não ao Projeto de Deus e como Deus agiu no meio dele. O Testamento na Bíblia. Jesus assumiu sua história. e o ponto final foi colocado 100 anos depois do nascimento de Jesus. c. Por isso. em primeiro lugar. suas tradições. Para o povo não havia diferença do "dizer" e do "escrever". O NT apresenta a Encarnação de Jesus na terra concreta do povo de Israel. como aquele documento (testamento) que alguns pais fazem para os seus filhos. Alguns fatos foram escritos 100 anos depois que as coisas aconteceram.. depois. um encontro definitivo com Deus. sua cultura e sua religião e o compromisso de realizar o Projeto do Pai O NT apresenta. vivida pelo Povo de Deus. QUANDO FOI ESCRITA A BÍBLIA? A Bíblia não foi escrita de um dia para outro. registraram por escrito. Algumas partes do AT foram escritas na Babilônia. . Israel foi um povo escolhido. também. Quando os livros da Bíblia foram escritos. 600 anos a. tudo o que Jesus disse e fez e tudo o que foi proclamado sobre Jesus pelos seus apóstolos e discípulos.C. O Apocalipse foi o último.uma Antiga Aliança. é o 1º livro da Bíblia. outros 200 anos. Como nós hoje decoramos a letra dos cânticos. Com a vinda de Jesus realiza-se um Testamento Novo. A Bíblia foi impressa pela primeira vez. feita pelo inglês Estevão Langton. b) NOVO TESTAMENTO (NT) Foi escrito depois da Ressurreição de Jesus. através desse povo. a experiência e a reflexão religiosa de Jesus e dos primeiros cristãos. Contavam os fatos mais importantes do passado.o Novo Testamento.Deus. Por ex: o Gênesis que conta a criação. pelo dominicano Pagnini. Depois do Exílio surge o Pentateuco (os cinco primeiros livros da Bíblia). no meio das famílias. nascida no povo a partir da experiência com Deus. Os livros da Bíblia não foram escritos na ordem em que estão. porque foi escolhido para realizar o Projeto de Deus. relembra a ALIANÇA feita entre Deus e o povo. É bom lembrar que a Palavra de Deus foi. O AT é para os cristãos como um documento de fé para conhecer melhor a Deus e tudo aquilo que Ele falou e fez pela humanidade. os provérbios e tantas coisas que.

Foram diversos autores. de cultura. Isto não quer dizer que Deus foi ditando. com 7 livros menos: Tobias. Isto é importante conhecer e considerar para que não fiquemos presos aos símbolos e aos sinais que são usados na Bíblia. a Bíblia é o livro mais importante dentre as milhões de livros já escritos até hoje. 111 . Judite. 13).2) . Por essa razão pode-se dizer que a Bíblia é obra de Deus. As protestantes ficaram com a Bíblia hebraica.A Bíblia foi traduzida para ser compreendida. não é fácil compreender o que está escrito porque a linguagem é diferente da nossa. Esta língua foi falada por eles até a entrada na Terra de Canaã. aramaico e grego. a fraternidade. proféticos. Tudo isto deixou marcas na Bíblia e teve influência na maneira da Bíblia nos apresentar a mensagem de Deus. Às vezes. sacerdotes e profetas. na posse das suas faculdades e capacidades. Muitas vezes não entendemos palavras usadas por nossos avós 50 anos atrás. os gêneros literários em uso naquela época. na Ásia Menor. os modos de sentir e narrar. todos convertidos e unidos na mesma preocupação de construir um povo irmão. Nesses povos havia diferença de costumes. A Bíblia é a Palavra de Deus em forma humana (1 T8 2. doutores e pastores. a sensibilidade humana. apenas foram escritos os fatos mais importantes da grande História do Povo de Deus. Todo menino israelita devia estudá-la. Em Canaã a povo teve que aprender o hebraico. mas é também Livro da Fé e da Vida de um Povo. o que dizer das palavras que foram escritas há mais de 2. Deus se serviu de diversos tipos de pessoas para escrever a Bíblia: homens e mulheres. Há uma diferença entre a Bíblia dos católicos e a Bíblia dos protestantes. "Para escrever os livros sagrados.16-17). f. Quando foi feita. surgiram as traduções gregas. O hebraico foi sempre a língua sagrada. de religião. para que. e o Livro de Deus. de situação econômica. jovens e velhos. (2Tm 3. sua fantasia e reflexão. "Para descobrir a intenção dos autores sagrados. na Grécia e na Itália. poéticos ou outros" (DV 12.(CIC 106) Eles escreveram os acontecimentos do Povo de Deus. escrevessem. 70 sábios. a justiça. EM QUE LÍNGUA FOI ESCRITA A BÍBLIA A Bíblia foi escrita em 3 línguas diferentes: hebraico. Quando a Palestina foi invadida pelos gregos. QUEM ESCREVEU A BÍBLIA? Não foi uma única pessoa que escreveu a Bíblia. A língua familiar dos hebreus era o aramaico. fundadas pelo Apóstolo Paulo. Gente de todas as classes. agindo Ele neles e através deles. pelo ano 250 a. reis. Como o hebraico era muito difícil e não era a língua falada pelo povo.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III O NT foi escrito na Síria. lá do céu e eles foram escrevendo. a fidelidade a Deus. quando se trata de gêneros históricos. onde reinasse a fé. "Toda Escritura é divinamente inspirada". O modo de falar da Bíblia é o mesmo modo de falar da época em que cada Livro foi escrito. social e política. tudo aquilo e só aquilo que Ele próprio quisesse" (DV11) .000 anos? A fé do antigo povo e dos cristãos reconhece que a Bíblia foi escrita por homens que sentiram a inspiração de Deus e colocaram a seu serviço a inteligência e o conhecimento que tinham da vida e da história do povo. é preciso ter em conta as condições do seu tempo e da sua cultura. onde havia muitas comunidades. Eram homens que receberam a inspiração de Deus. em Alexandria. a língua que falava Abraão. Traduções . Para os cristãos. Eles escreveram por inspiração de Deus. pelo ano 333 a. correntes naquela época. e.C. nem oprimido. Gente viajada e gente que nunca saiu de casa. mães de família.C. operários de várias profissões. foram acrescentados 7 livros que não constavam da Bíblia hebraica. Gente instruída que sabia ler e escrever e gente simples que só sabia contar histórias. como verdadeiros autores. A mais famosa tradução foi a dos "Setenta" feita por. Deus escolheu e serviu-se de homens. Porque a verdade é proposta e expressa de modos diversos. Então.(CIC 110). Mas nem todos os acontecimentos foram escritos. o povo foi obrigado a falar a língua grega.. e onde não houvesse opressor.

Ficamos corajosos quando sentimos que fomos ajudados a vencer na vida. olhando as coisas que Deus tinha feito para ele no passado. as promessas feitas por Deus para o futuro.C. Tradução para o Latim: São Jerônimo traduziu a Bíblia para o latim.Provérbios Eclesiastes . se animava a caminhar para frente. Catequista.Lamentações . Fonte: Fé.Naum . possuamos a esperança" (Rm 15.Cântico dos Cânticos . Vida e Comunidade. Sabedoria. 1 e 2 Macabeus.Judite .projeto de uma nova sociedade). Paulus.Sofonias – Ageu Zacarias .Juízes . São 7. tudo o que foi escrito. foi escrito para nossa instrução.Malaquias. e esta tradução se chama "Vulgata" ou popular. c) mostrar o presente.Reis (1 e 2) .Esdras Neemias . buscando soluções para seus problemas. Assim aconteceu com o Povo da Bíblia quando começou a caminhar com Deus. Fazendo referência a Ele. anteriormente. na nossa vida presente e com nossos problemas. "Tendo Deus falado outrora muitas vezes e de muitas maneiras pelos Profetas. g.4). Hoje a Bíblia esta traduzida nas principais línguas de todos os povos e as traduções populares crescem dia-a-dia.Macabeus (1 e 2). a fim de que.Joel . pelos profetas.Abdias . 112 Livro do . pela constância e consolação que provêm das Escrituras. o presente e o futuro.Sabedoria Eclesiástico. Os livros que falam do futuro do povo de Israel se chamam Livros Proféticos: Isaías Jeremias . São 16 os livros históricos. 1-2). parte do livro de Daniel e Ester. os livros Proféticos. Nascem em nós a esperança.Salmos . agora falounos nestes últimos tempos pelo Filho. Assim também o povo de Deus (o povo da Bíblia). b) Anunciar o futuro Ficamos animados quando olhamos para as possibilidades que temos no futuro.Ester . Eclesiástico. c) Mostrar o presente Ficamos felizes quando sentimos que Deus caminha conosco.  Livros Históricos: Josué . mas também o presente.Ezequiel Daniel . "Com efeito.Rute . os livros Sapienciais. 2003 – p.Crônicas (1 e 2) . no século IV d. Levítico (formação de um povo santo e instruções para o culto). nem só o futuro. Números (a caminho da Terra Prometida) e Deuteronômio (segunda lei . Os livros que falam do passado do povo de Israel chamam-se:  Pentateuco: (Lei ou Tora).Oséias .Baruc. ficando com a tradução grega dos Setenta.. 34 a 39.Samuel (1 e 2) .Habacuc . Cristo é a luz que ilumina o passado.Jonas Miquéias . PARA QUÊ FOI ESCRITA A BÍBLIA? A Bíblia foi escrita para manter o povo na caminhada. Olhava não só o passado. São 18. Assim o Povo de Deus (o povo da Bíblia) se animava a caminhar para frente. Êxodo (saída do Egito). a quem constituiu herdeiro de tudo e por quem igualmente criou o mundo" (Hb 1. a) Contar o passado Nos não nos esquecemos do passado da nossa vida. São assim chamados os cinco primeiros livros da Bíblia: Gênesis (Origem da vida e da história do povo no Egito).Tobias .Amós . b) anunciar o futuro. podemos entender a mensagem da Bíblia hoje. a força e a coragem. Os católicos seguiram o exemplo dos apóstolos.Baruc . quando eram colocadas. Três coisas animam o povo a caminhar: a) contar o passado. Tudo isto está escrito nos Livros Sapienciais: Jó .

imitá-Lo. Momento de Oração – fazer um momento de oração pelas missionários.  Solicitar aos catequizandos que pensem e dêem exemplos de situações onde somos “sal” e “luz” para o mundo. Desenvolvimento do Tema:  É desejo de Deus que todos se salvem.  O que você pode fazer para ser missionário? 4. estará sendo um missionário. 2. pela vida e pela Palavra. Rezou e se sacrificou tanto pelos missionários que é considerada Padroeira dos Missionários. Conteúdo do Encontro:  Iniciar a reflexão com o texto da apostila. imagem etc. 7. proclamai o Evangelho a toda criatura”.  Santa Teresinha foi religiosa de clausura. Objetivos:  Refletir sobre as missões e sua importância na vida cristã e da Igreja. na escola.  Comentar sobre a importância do sal na nossa vida: dar sabor e mesmo conservar alguns alimentos (carne seca e salgada). 8. pois podemos falar de Jesus. Se cada um de vocês viver realmente o que aprende na catequese. mas há pessoas que até deixam sua pátria e partem para longe para levar a Boa Nova da Salvação trazida por Jesus.  Identificar a vocação do cristão no mundo de hoje. Leitura utilizada: da própria apostila 5. bíblia. Estas pessoas são os missionários.  Identificar nossa presença no mundo. na comunidade como missionário. Atividades: orientar a execução das atividades. atuante e transformador à da Palavra de Deus . flores. Ambientação: toalha. o Evangelho. deus a seguinte ordem aos discípulos: “Ide por todo o mundo. 113 .  Podemos ser missionários em nossa própria família. 3. por isso Jesus antes de subir ao céu. 15  É desejo do Senhor que todos conheçam e pratiquem o Evangelho. 6. São Francisco Xavier também é o patrono dos missionários.  Todos os cristãos são chamados a anunciar.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 9º TEMA EXTRA: MISSÕES 1. Bíblia. Material utilizado: Apostila. (Mc 16.  Todos nós somos convidados a ser missionários. fazê-Lo conhecido e amado.

meditações e ações. mês missionário Padre Wagner Augusto Portugal O mundo não conhece a Deus. Deus e a caridade àqueles que ainda não vivem esquecendo que a humildade. alma da Missão. servir o Evangelho não deve ser considerado Estes precisam que um missionário lhes mostre. crianças. O mês de outubro é considerado no seio da Igreja Católica como o mês das missões para 114 melhor. simples: que aplaude a para um trabalho que. é o intimistas. se acham tão melhores do que os que possamos como missionários levar o amor de outros. que se assentam em sua afasta d'Ele. cujo não sejamos individualistas e vivendo uma fé caminho não é o mais fácil. com sua oração e Há aqueles que já foram informados sobre cooperação. para isso mesmo. levando a civilizações se desenvolvem. exorta: “Queridos irmãos e irmãs. de uma maneira ou homem conquista grandes descobertas . graças à colaboração de projeto de felicidade que Deus tem para nós. diz respeito a todos. a tecnologia avança. Desejo que o egoísmo não lhes deixam conhecer realmente o esta co-participação. preciso que alguém lhes abra os olhos e os faça Por isso. a existência de compartilhado de todas as comunidades. que o Dia superstições. contribuem. idolatrias e buscas de filosofias que Mundial das Missões seja ocasião útil para não são cristãs como o espiritismo que nega a compreender sempre melhor que o testemunho do ressurreição de Cristo e. É todos. há também aqueles que missionários de Jesus Cristo. de várias formas. na partilha e na caridade. O Santo Padre Bento XVI em sua Há aqueles que não o conhecem porque mensagem para o dia das missões de 2010 nos sempre viveram em um ambiente de crendices. enxergar e viver as maravilhas do céu. tomemos o mês de outubro missionários dispostos a mostrar ao mundo o Deus como ocasião de reflexão e de ponto de partida verdadeiro. embora seja árduo. . para a esse Pai amantíssimo. a violência. difusão do Reino de Deus na terra. é humildade compensador e nos ajudará a construir um mundo e o esses. como nos convoca o Santo Padre. por isso. mas. De com a fé cristã católica. As lembrar-nos de nos tornar missionários. mas um compromisso com palavras. a simplicidade nos uma fé que nos coloca nos espírito de redes de conservam mais perto do Pai e que o orgulho nos comunidade. não a conhecem realmente. colocando a mão no conhecem a ternura e o amor de Deus. a Igreja nos coloquemos como discípulos- Infelizmente. através do amor aos nossos semelhantes. que é amoroso. sendo até antagônica. certamente. por arado e nos apresentando ao nosso Pároco. uma aventura solitária. mas. mundo ainda não conhece Deus. mas a ganância. o Palavra de Deus a todos que. mas na missão de juntos construirmos mais seguro. incompatível amor. jovens e adultos. Ao lado um Deus uno e trino – Pai.APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA Outubro. que cada vez mais de pareça com o Céu. aumente sempre”. muitos outros. serviço urge que espontâneo e desinteressado. Filho e Espírito Santo – dos que estão na linha de frente nas fronteiras da que nos ama e que quer ser amado por nós. que somos todos surjam cristãos conscientes. evangelização – e refiro-me aqui com gratidão aos principalmente missionários e missionárias -. Para Por isso é preciso que nós. fato.mas o de outra. altivez.

exorta seus fiéis para que assumam sua responsabilidade nesta tarefa.  Deus é amor partilhado. tudo Ele nos dá e por disso dizemos que “Dízimo é Partilha”. O que você pode fazer para ser dizimista mirim ? Como você pode partilhar? 4. 7. 6. imagem etc. tudo pertence a Ele e nada mais somos que administradores fiéis. Deus reparte conosco a vida através da criação. Material utilizado: Apostila. Ambientação: toalha. 2. 8.  Assumir a responsabilidade de assumir as necessidades da igreja e colaborar com a sua missão. explicando sobre o Dízimo Mirim e o quanto a partilha de cada catequizando ajuda a igreja na sua missão. lembrando que. e suas necessidades são nossas”. 3. tudo é de Deus.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 10º TEMA EXTRA:DÍZIMO 1. 2. flores. Atividades: orientar a execução das atividades. da natureza. Por isso. Dimensão Religiosa . Dimensão Social – uma parte do dízimo que contribui para ajudar as pessoas que precisam. 115 . bíblia. Leitura utilizada: da própria apostila 5. Bíblia.  Somos convidados a colaborar com a missão da igreja. 3. Dimensão Missionária . Momento de Oração: Rezar juntos a oração do dizimista. pois “igreja somos todos nós.Uma parte do dízimo que contribui para manutenção da Igreja.  Explicar: 1. Objetivos:  Levar os catequizandos a refletirem que a igreja necessita de recursos para realizar sua missão. Desenvolvimento do Tema:  Contar a história – Dízimo é Partilha (em anexo)  Comentar sobre a história.uma parte do dízimo que contribui para formação de novos Padres. Conteúdo do Encontro:  A igreja necessita de recursos para realizar a sua missão.

 E a outra finalidade?  A outra é SOCIAL – uma parte do dízimo é usada para ajudar quem necessita. Além do mais a igreja tem muitas despesas: funcionários. como vou ser dizimista?  Você não recebe mesada dos seus pais?  É às vezes eu ganho um dinheirinho do meu pai. materiais para as catequistas darem os encontros de catequese etc.. Deus nos dá tudo o que temos. as toalhas. da água. hóstias. etc.  Oi Fernanda. A primeira é RELIGIOSA – tem muitas coisas que precisam ser comprada: livros. a casa de todos nós..  Então.  E é a sua casa.  Nossa é muito importante contribuir com a igreja. onde você vai?  Vou até a igreja devolver o meu dízimo.  Como assim?  Olha só o Dízimo tem 3 finalidades. velas.  Isso mesmo – DÍZIMO É PARTILHA. Também tem que pagar as contas do telefone.  O Dízimo também tem outra finalidade que é MISSIONÁRIA – ajuda os missionários. da minha madrinha. você pode doar um pouco do que você ganha.  Você paga dízimo?  Claro que sim. Pagando o dízimo estamos devolvendo a Deus uma parte que recebemos. Nós. 116 .  Mas se a gente dá para Deus. som. objetos litúrgicos. eu não sabia que ser dizimista era tão importante!!!!!  É importante para a IGREJA . jovens e crianças também podemos e devemos pagar o dízimo. o que Ele faz com o dinheiro?  O Dízimo é entregue à igreja e é todo usado para as coisas de Deus.. mas é mais importante ainda para Deus . Dízimo não é esmola ou doação do resto que nos sobra: DÍZIMO É PARTILHA!  Mas Fernanda.. eu não trabalho.  Nossa parece a minha casa. por isso cada um tem que ajudar com a sua parte. ajuda a formar novos padres.. da luz.. eu sou dizimista mirim.  Entendeu Lu.HISTÓRIA – DÍZIMO É PARTILHA Um dia a Luciana encontrou com a Fernanda. Ela tem uma Obra Social. essas são as coisas de Deus que eu falei. Viu porque a Igreja precisa de DIZIMISTAS???  É. material de limpeza.

É angariar fundos para suprir as necessidades de uma comunidade que é fiel à palavra de Deus uma pastoral – os fins não justificam os meios. entre tantas outras. e oferta. Para continuar a sua missão no mundo. Vendiam as suas "Dízimo é partilha. nos dá a própria Mãe para ser Mãe de todos nós. no livro dos Atos dos Apóstolos. No Sacramento da haver Igreja sem partilha vivida entre cristãos. durado muito tempo. deve ser comunidade de oração. é limitada a uma realizar a partilha. da Igreja como comunidade de salvação. 2. isso a Eucaristia é o Sacramento da Partilha total. mais precioso que é seu próprio Filho. através da centro de sua vida a Eucaristia. Jesus Cristo deixa-nos a sua Igreja que se caracteriza como uma comunidade de partilha. como Amor. são formas de inspirada pelo Espírito Santo. única comunidade que vivia o entusiasmo do Para podermos entender o que é a partilha. Só é dízimo o que Eucaristia Ele partilha conosco. a sua intimidade. Por 2. na hora de sua morte. transmitida pelos seus legítimos Pastores. Já no Domingo de Páscoa. Sendo partilha Deus. Como Encarnação e a Redenção são mistérios da não pode haver Igreja verdadeira sem fidelidade partilha de Deus com a humanidade. transmitida pelos Apóstolos. na celebração da Eucaristia e na "partilha passam ao largo da pastoral quando são utilizados dos bens". por natureza. reafirmando nossa fé no mistério Jesus. assim. sem restrições. também não pode dizemos que mergulhar Deus é no primeiro amor logo no início do cristianismo. ou sem oração. tinham tudo em comum. aos Pastores. sendo partilhados seus materiais para a manutenção dos serviços de que dons entre todos os crentes. "todos os que criam estavam unidos. deve ter como através da criação. Deus reparte conosco a vida. Só é pastoral quando há identificação com toda a ação o fim dos tempos. o Espírito Santo é legítima a preocupação de buscar os meios efundido sobre a Igreja. o seu corpo que é "doado" e o seu sangue "derramado" para a salvação de todos. Dízimo (Atos." propriedades e distribuíam o preço por todos. Para ser Igreja de três pessoas. e partilha conosco o que Ele tem de partilha dos bens. até Temos que ter em mente que nem tudo o que fazemos para resolver os problemas financeiros da comunidade é pastoral. deve praticar a Revelação. Jesus Cristo partilha sua vida conosco e. nos sinais do pão entregamos na comunidade. A e do vinho. porque Deus é PARTILHA. é a forma mais simples para nós 117 . e como meios para suprir necessidades financeiras. a comunidade deve ser fiel à Palavra de inefável da Santíssima Trindade. é assídua na oração Por isso que rifas. A uma dimensão da Igreja de Jesus Cristo. mas é o ideal proposto para Quando nós toda a comunidade que queira ser verdadeira afirmamos que Deus é Amor partilhado entre comunidade de Jesus Cristo.45). A partilha torna-se. O dízimo faz parte de uma realidade segundo as necessidades que cada um tinha " muito maior que se chama "PARTIILHA". bingos e outros expedientes comum. a comunidade cristã necessita. precisamos próprio é verdade que esta realidade não deve ter mistério de Deus. É bem verdade que esta descrição.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III APROFUNDAMENTO PARA O CATEQUISTA DÍZIMO É EXPRESSÃO FORTE DE COMUNIDADE Sem comunidade não é dízimo. Por comunidade retira o aspecto meramente jurídico do dízimo para imprimir-lhe o sentido cristão e pastoral.42-47 nos mostra as características da exemplo: Uma venda recorde de bebidas para comunidade cristã. Lucas. e de forma Através da comunidade passa a ser plena no dia de Pentecostes. Dízimo e Oferta são gestos concretos de partilha. idealizada por Jesus Cristo.

07 .vivermos a partilha hoje. O Recado. minha contribuição é prova de fé e de confiança.Sou dizimista porque amo a Deus e amo o sabe que vocês precisam de tudo isso. em coração. segundo Lucas. 31- um dê conforme decidir em seu coração. conforme manda meu Deus e a sua justiça.Sou dizimista porque gosto de viver em alimento em minha casa. todas essas coisas” (Mateus 6.Sou dizimista porque minha gratidão a ajunta tesouros para si mesmo. 01 . e sei que o “Tudo o que fizestes a um dos meus irmãos mais dízimo é fonte de bênçãos. Mas a viúva. quem vão ficar?” Assim acontece com quem 03 . que recebo. o único pai 04 . se "Vou preparar-vos um lugar" (João 14. contrário. dizendo: O Tatto. para as necessidades dos irmãos e para o que possuía para viver” (Lucas 21. 08 .Sou dizimista porque quero ver minha Erguendo os olhos. depositou tudo oferta.Sou dizimista porque aceito como palavra rico. Façam essa experiência liberdade e alegria. 10). testemunhar o Evangelho no mundo inteiro.Sou dizimista porque Deus. Deus Pai. celebrando desde já a comigo – diz Javé dos Exércitos. dar à Igreja condições de realizar a sua missão 05 ." (Mateus 25. social e missionária. não fiquem preocupados. a mim o fizestes" (Mateus 25.1).7). mas a devolução de pobre depositou mais do que todos. sem 33). 11-19). ver.Sou dizimista porque o partilhar mata o dá com alegria.Sou dizimista porque creio na vida cristã Sobre fé e gratidão encontramos no Evangelho em comunidade. 34)."Vocês estão os outros nove?” Só um voltou para dar são todos irmãos". 7).. e confio.11 a 13. e Deus dará a vocês. não derramo sobre vocês minhas bênçãos de "Vinde. O Pai de vocês. p. Vocês hão de vida plena. que está no céu. 118 colheita e este crescer resolveu e minha construir Igreja . seguindo as palavras de São Paulo: “Cada acréscimo. grande "O Senhor é meu pastor nada me faltará" (Salmo celeiros maiores para guardar todo o trigo junto 23. E as coisas que você preparou. pena ou constrangimento. se não abro as comportas do céu.” (2 Coríntios 9. mas não é rico Deus me leva a devolver um pouco do muito para Deus” (Lucas 12.Sou dizimista porque creio. Fonte: Dízimo Ministério da Partilha. 20). Pelo meu próximo. meu egoísmo. 02 . na sua pobreza. em primeiro lugar busquem o Reino de Partilho com alegria. Jesus viu pessoas ricas que comunidade depositavam ofertas no Tesouro do Templo. 40). não quer ninguém passando necessidade. em na dimensão religiosa. 16-21). glória a Deus? (Lucas 17. Antoninho “Portanto. Pois todos os uma pequena parte dos bens que Ele próprio outros depositaram o que estava sobrando para coloca em nossas mãos. pequenos. de Deus o que leio na Bíblia. 10 . 1-5). que vamos comer? O que vamos beber? O que Os dez Mandamentos do Dízimo vamos vestir? Os pagãos é que ficam procurando essas coisas.Sou dizimista porque reconheço que tudo A parábola do homem rico cuja terra deu uma recebo de Deus. em forma de dízimo e de eles. então.. quando Cristo encontrou os dez "Onde dois ou mais se juntarem em meu nome. Trazei o dízimo integral ao Templo para que haja 09 . Deus não nos pede para Então disse: “Eu garanto a vocês: essa viúva vendermos todos os bens. 1-4). benditos de meu Pai. fartura” (Malaquias 3. com seus bens: Mas Deus lhe disse: “Insensato! "Vejamos: em que você é mais do que os outros? Nesta mesma noite você vai ter que devolver a O que é que você possui que não tenha recebido?" sua vida. eu leprosos: "Não foram dez os curados? Onde estarei no meio deles" (Mateus 18. porque Deus ama quem 06 . para (1 Coríntios 4.

O dízimo que você oferece vai se transformar em Fonte: http://www. retribuindo. 3. 9. 10. a pessoa à comunidade. 119 . 19-20. 4. Marcos 16. parte do que d’Ele você recebeu. grande. cada vez mais. 15). patrimônio de todos . do Filho e do Espírito Santo" quando você verificar. o (Mateus 28. os que vivem para o 8. participar da vida paroquial com seu dízimo.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III "Ide por toda a terra. Dez boas razões para ser Dizimista 1. A sua oferta permanente tornará vitoriosa a Pastoral do Dízimo. Evangelho. A oferta do dízimo é o reconhecimento dos dons gratuitos recebidos de Deus Pai. em missão. 5. O dízimo mantém. 2. Sua 7. em remédio. daqui a algum tempo. pregai a Boa Nova.br Evangelho. Com a oferta do dízimo. Seu dízimo ajuda a manter a comunidade religiosa. A prática do dízimo integra. que. você vai se sentir grato e O dízimo é uma profunda relação entre você e agradecido a Deus por lhe dar condições de Deus. extremamente. de forma justa. também. em pão. Batizai alegria será. se tornou possível. Em vez de obrigação.paroquiasantoafonso.org. em nome do Pai. você será participante ativo na construção do Reino de Deus. com o seu dízimo. 6.

Caminhando com Jesus – Catequese – 1º e 2º ano. 5. Editora Vozes. 11. Pastoral Catequética e Pastoral da Crisma. 13. II e III. Educação para a Comunidade de Fé – Livro do catequista I. Projeto Alicerce – Conteúdo Programático. Diretório Nacional da Catequese – 84. 3. Vida e Comunidade. Venham Cear Comigo – Coleção Deus conosco – Livro do catequista e catequizando. Vol. 12. 2011. Equipe Regional de Catequese – Votuporanga – SP.Livro do catequista e catequizando – 1ª fase. III e IV. 4. Editora Paulinas. Correndo ao Encontro de Jesus – 1ª e 2ª ano. 8. 10. Maria de Lurdes Mezzalira Pincinato. Edições CNBB. Editora Vozes. 2. II e III e Catequizando I. Editora Vozes. Catecismo da Igreja Católica. Editora Ave Maria. Editora Santuário.Ave Maria. Maria do Carmo Saraiva. 7. 2008. DOCUMENTOS DA CNBB. Livro do Catequista. Pastoral Catequética de Ponta Grossa – PR. Livro do Catequista. 2003. Caminhando na Construção do Reino – Livro do Catequista e Catequizando 1. A Caminho da Eucaristia 1ª e 2ª Etapa. Catequese de Primeira Eucaristia – Edição revisada e ampliada. Ed. Bíblia Sagrada . Editora Vozes. Sementes de Vida – Primeira Eucaristia . Paulus. . Editora Vozes e Loyola. Fé. Comissão Arquidiocesana de Iniciação Eucarística – Arquidiocese Niterói. Diocese São José dos Campos. 14. Crescer em Comunhão. 120 Texto Base da Campanha da Fraternidade 2012. Editora Ave Maria. I. 6. Gabriel Benedito Isaac Chalita.BIBLIGRAFIA 1. Brasília – DF. II. Editora Salesiana 9. Editora Paulinas.

viver a dignidade e proclamá-la a toda pessoa. despetalando e outra bonita. doença. psíquico.  Dispor de um recipiente com água. entre pessoa e ambiente. DINÂMICA: “SEGURA. objetos cortantes. mexer o suco e distribuir um copo para cada um. processo que capacita o ser humano a cumprir a missão que Deus lhe destinou. de acordo com a etapa e a condição de vida em que se encontre. uma murcha.. usar em demasia a internet. saches de açúcar (ou providenciar um açucareiro com uma colherinha). dor. É ponto de partida para amar.  Em clima de celebração e oração. dormir muito tarde. lembrar aos catequizandos que podemos fazer um mundo melhor: “remediar”. brincar com fogo. jogar demais videogame. que a CF nos propõe. pedir que coloque seu “ingrediente” na jarra que está sobre a mesa.. mal estar.”  Criar mais situações como: expor-se ao frio sem agasalho. descobrir o próprio valor.  Completar o conceito de saúde que vai além da ausência de doenças:  “Saúde é um processo harmonioso de bem estar físico. Esta é a força capaz de estabelecer relacionamentos fraternos. “A vida saudável requer harmonia entre corpo e espírito.  Se fôssemos escolher uma destas flores para oferecer a alguém.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III DINÂMICAS PARA SEREM USADAS NOS ENCONTROS DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012 PARA FALAR DE SAÚDE  Apresentar duas rosas (ou outra flor) aos catequizandos.” “Jesus ajude-me a dominar a preguiça e fazer mais exercícios físicos.” “Jesus fortaleça-me para não cair na tentação de colocar em risco minha saúde. o telefone celular. ORAÇÃO DOS BONS PROPÓSITOS  Distribuir aos catequizandos. Ela quer suscitar o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos enfermos e mobilizar por melhorias no sistema público de saúde. as situações de sofrimento. álcool. Para vocês o que é saúde? ( as respostas vão girar em torno de: não ter doença. ver TV em excesso. Não nos doamos.”. e não apenas a ausência de doença. deu-nos dignidade de filhos. Por exemplo:  “Jesus dê-me forças para controlar a vontade de comer doces. nos mostram a doença e a saúde. qual seria? A bonita.NÃO DEIXA CAIR!” 121 . Os propósitos devem se manifestados em voz alta. etc. não escovar os dentes. dor. Para isso peçamos a Jesus que nos ajude a modificar nosso comportamento e nossas ações em prol da nossa saúde.  À medida que cada um for fazendo seu “propósito”. cheia de vida. refrigerantes em   excesso.  Depois que todos colocarem na jarra suas “orações”. de pessoa humana com capacidade de amar. outro com gelo. colocando-me em situações de risco: drogas. suco em pó ou um copo de concentrado. entre  personalidade e responsabilidade”. chocolates. como orações. saudável.  Deus criou o homem e a mulher à sua imagem. social e espiritual.  Estas duas flores. com bons propósitos. solidários. se não gostamos de nós mesmos. claro! Não oferecemos aquilo que julgamos que não agrada. acrescentar a água. etc. estar forte etc).

Assim o médico vai lendo os diagnósticos até chegar a doenças de maior incidência.  Como se sentiram ao serem taxados de “doentes”? Como viram a doença que cada um recebeu?  Comentar da importância de ter alguém que segure e dê apoio num momento em que tudo parece que vai desmoronar. Não se alimenta com alimentos saudáveis. como se fosse um desmaio. colesterol alto. doenças do pulmão. diabetes. (doenças do pulmão)  Falta de cuidado com os quintais e os vãos de plantas. (anemia)  Consome alimentos muito calóricos. Torna-se difícil segurar. não pratica exercícios físicos.  Concluir falando da importância da presença. abusa de alimentos gordurosos e de doces. (gripe)  Poluição do ar contato com fumantes ou fumar. (Podem ser acrescentadas outras doenças com os respectivos diagnósticos). dos cuidados com o corpo e o ambiente. Ao final. Não faz exercícios físicos. a pessoa ‘doente’ volta o corpo ao normal. As duas pessoas que estão ao seu lado. portanto é preciso envolver mais pessoas. por exemplo. O “médico” lê um dos diagnósticos (sugestões abaixo). hipertensão. dores de ouvido e cabeça. ingere alimentos gordurosos e não saudáveis. (obesidade)  Não se alimenta corretamente.  Depois de ser amparada. não lavar as mãos. (dengue)  A pessoa não cuida da alimentação. da solidariedade. tipo salgadinhos (chips). dependendo do número de participantes (colocá-la para um terço das pessoas). deixar que os participantes falem sobre o que sentiram. da compaixão junto àqueles que sofrem. a seguram para não deixála cair. deixando água parada. Pedir para não contarem uns aos outros o que está escrito no papel. dependência química (drogas). A papeleta ‘gripe’ deve ser repetida cinco ou mais vezes.  Após a execução da dinâmica. de não deixar a doença se espalhar. estabelecer uma ligação entre o que ocorreu no círculo com o que está acontecendo com a saúde pública. a gripe ou a dengue. Falta de higiene. (diabetes)  A pessoa não toma água várias vezes ao dia. ela morre.. evitando que alguém caia. Consome doces em excesso. cáries e placas nos dentes. mas a pessoa nunca fez exames preventivos.  No meio do círculo fica o “doutor”.  Como foi estar atento ao outro.. DIAGNÓSTICOS:  Exposição ao ar frio (mudanças climáticas) e contato com pessoas doentes. DOENÇAS: Gripe. muita gente vai “cair” ao mesmo tempo e o círculo vai se desmantelar. Ingere muito sal. quando há grande o número de doentes? Salientar a importância da prevenção. refrigerante. verduras e outros alimentos saudáveis. obesidade. alergia. Formar um círculo com os catequizandos: distribuir para cada um uma papeleta em que esteja escrito um dos “males” (doenças). relacionados abaixo. A pessoa que estiver com a “doença” correspondente amolece o corpo para cair. formando uma espécie de corrente. cuidar do problema do outro?  Como é a dificuldade de apoiar. dengue. Como há várias pessoas com esta “doença”. organizar toda a sociedade. gengivite. Não cuida da alimentação. Se a pessoa cair. cair. (colesterol alto) 122 . anemia. problemas renais. (hipertensão)  Há pessoas diabéticas em sua família. a pessoa que vai conduzir a brincadeira. (problemas renais)  Faltam em sua alimentação frutas.  Os participantes engancham os braços uns nos outros.

. placas bacterianas. o catequista apresentará ao grupo o desenho do contorno da grande mão   (como se fosse a raiz de uma árvore) e pergunta: De quem pode ser essa mão? (deixar a pergunta no ar). todos eram dependentes do Senhor. 15-  20. Então. O livro do Deuteronômio apresenta saúde como bênção e doença como maldição. a Bíblia aqui nos fala de castigo de Deus. formar uma árvore. pede que se recorra ao Senhor e evite o pecado. o outro lado dessa mão? Como Ele viu a doença? N cartolina com a mão marrom desenhada. que é o nosso lema nesta Campanha da Fraternidade. Nas Crônicas. Mas logo a seguir. Por exemplo. concluir com rápidas palavras.. (modelo  abaixo) Cada catequizando coloca a mão que desenhou e recortou. como instrui sobre saúde e doença – Eclo 38. os sofrimentos de modo geral. 12-13. maus espíritos. pesquisando na Bíblia. 2Cr 16. quem era o “médico” da tribo? O pajé. (gengivite. 1-2. Procurar ajuda de um médio em lugar de Deus. Quando estudamos os povos. que servirá para ser a raiz e o tronco da árvore / fita crepe ou cola / várias tesouras / folhas em branco para todos / lápis de cor verde e amarelo (para pintar folhas). nossas mãos não podem fazer nada? O que será que depende de nós? Em que os povos da Bíblia acreditavam? Vamos descobrir. tendo essa mão como raiz. de se ter os meios para que a saúde se difunda sobre a terra. Pedir que coloquem. para cada um. Não cuida devidamente da higiene pessoa. Consome doces exageradamente. uma folha de papel em branco e lápis de cor. conforme uma sequência pré. (alergia)  A pessoa ouve música em volume demasiadamente alto. (dores de ouvido e de cabeça)  A pessoa não escova os dentes. 2Cr 16. formando as folhas da árvore. Dt 28. 1-15 – Este texto realça a importância da saúde. demônios. ao afastamento de Deus. devido ao pecado. 7. Freqüenta ambientes poluídos. era derrota na guerra e morte  certa. num canto. Deuses. Consome alimentos contaminados. 123 . (TB. Mas será que Jesus mostrou o  outro lado da moeda. E nós? O que pensamos sobre a existência do mal. freqüenta ambientes com poluição sonora.   Distribuir. a morte. pintado de marrom. escrevam: SAÚDE. Vamos ler no livro de Eclesiástico. no meio da mão desenhada. sem responder diretamente às indagações). com muita poeira. Após a confecção das mãos.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III  A pessoa deixou-se levar por falsos amigos e acabou experimentando drogas.: Dt 28. 09) aparecem com explicação para a dor. discutam. pintar de verde e   recortar. sem fazer a adequada higiene bucal. o peso do pecado em todas essas leituras. Como em Deuteronômio.determinada. Vimos a força. sujos. misturado com religião. desenho do contorno de uma grande mão. da doença? São castigo de Deus? Ele é o culpado?   (deixar que falem. desde as mais antigas civilizações. (dependência química)  A pessoa se expõe ao ar poluído. encontramos sempre o assunto saúde e doença. magia. Após a leitura. o próprio nome e que. Pedir para desenhar o contorno de uma das mãos com os dedos ligeiramente abertos. cárie) UM OLHAR SOBRE A REALIDADE MATERIAL: uma folha de cartolina. no caso dos indígenas  brasileiros.

Formamos o Corpo de Cristo. Deus nos criou por amor para sermos felizes. São Galvão (cf. Deus. TB. A Igreja somos nós. como se fossem folhas e galhos da árvore. todos os batizados. Mas nossos primeiros pais recusaram a amizade com o Pai Criador e. Com o pecado veio a dor. fraldas. colar na cartolina as mãos que confeccionaram. na “raiztronco”. Santa Paulina. O que podemos levar aos outros com nossas mãos? Como podemos agir em prol  da saúde? Orientar os catequizandos para pensar num gesto concreto: visitar um doente. Beata Ir. fazer doação de medicamentos. Ele funda a igreja para continuar a oferecer a salvação. os nomes dos santos que dedicaram suas vidas ao atendimento e ao conforto dos doentes: São Camilo. enviou seu Filho Jesus para salvar a humanidade. o pecado entrou na vida das pessoas. Ao som de uma música (da CF-2012 ou outra). São João de Deus. rezar pelos que sofrem. a não ser as nossas. Jesus não tem outras mãos. pela desobediência. E Deus não quer sofrimento. Ao morrer na cruz. ouvir um  idoso em suas aflições. 221) 124 . Dulce. alimentos. Ao terminar todos juntos dão as mãos e pedem: “QUE A SAÚDE SE DIFUNDA SOBRE A TERRA!” Modelo da árvore: podem ser escrito. em sua infinita bondade. a morte. consolar um amigo que sofre. Tudo que Ele fez mostra quem Ele é. para construir o mundo como Deus quer.

a quantidade de catequizandos que você tem e a faixa etária. Faça o seu comentário e entregue ao seu coordenador. 125 . Você estará ajudando a melhorar este material com a sua valiosa contribuição.Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III Este espaço está reservado para a sua avaliação. comentários e sugestões. Anote o número do encontro.

126 .

Diocese de São José dos Campos Pastoral Catequética – Apostila do Catequista – Etapa I – Módulo III 127 .