MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA,
ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ
SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

PROGRAMA PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO
MÉDIO
COORDENAÇÃO GERAL DO PIAUÍ

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE ARTICULAÇÃO
INSTITUCIONAL PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PACTO
NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO

Formador Regional da 3ª GRE

Município Pedro II

Nome da(s) atividade(s):
Organização do trabalho Pedagógico;
Plano Nacional de Educação
Ciências Humanas
Período de realização:
Dia 05/12/2014
Dia 06/12/2014
Dia 13/12/2014
Local de realização: Unidade Escolar Deputado Milton
Brandão (na própria escola).
Total de horas: 21 h
Responsável(is) pela realização: Orientador de estudos e
todos os professores.

Objetivos do evento:
Compreender como se deu a evolução dos currículos
escolares no decorrer da história e que influências teve até
os dias atuais;
Relacionar trabalho, ciência, tecnologia e cultura nas
ciências humanas;
Compreender os sujeitos do Ensino Médio e os Direitos a
aprendizagem e ao desenvolvimento na área das ciências
humanas;
Analisar o PNE, relacionando sua aplicação com a melhoria
do Ensino.
Estar atento à diversidade existente na escola, fazendo
com que todos se sintam à vontade, se sentirem “em casa”,
e a partir disso, haver aprendizagem significativa, de modo
que o estudante seja protagonista de sua própria
aprendizagem.

Anexos:

ETAPA II – ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO
Professores responsáveis: TODOS(AS)

REFLEXÃO E AÇÃO
O professor Miguel Arroyo realiza uma discussão acerca da diversidade na sociedade e na escola. Vamos assistir ao vídeo?
Faça uma reflexão com seus colegas, com base nas questões:
1- A diversidade e a pluralidade constituem desafio na organização do trabalho pedagógico escolar? Quais?
Sim, porém não deveria ser, pois o papel da escola é de acolher a todos a fim de transformar a realidade. O problema é que a
escola atual não está preparada o suficiente para lidar com tanta diversidade, pois a escola concorre com as drogas, com
famílias desestruturadas, etc.
Daniel Castro.
Infelizmente temos que concordar que embora tais desafios devessem ser uma mola propulsora para o aprimoramento de
nossas atividades docentes, muitas das vezes estas se apresentam como entrave, concorrendo com a escola que pode não
estar preparada para tais realidades.
Kádja Karla
Sim, o desafio de tratar de muitas diversidades através de um planejamento voltado para a realidade escolar, que deveria ser
constante, pois as escolas não estão preparadas para tanta diversidade.
Glauciane Gomes.

Sim, porém nossas escolas não têm estrutura para trabalhar a diversidade e a pluralidade, porém, elas além de não ter
estrutura para solucionar os problemas , não têm profissionais qualificados para isso.
Carlos Gomes.
Sim, pois essa diversidade que encontramos em sala de aula dificulta a aprendizagem e a escola não está preparada para
receber tanta diversidade.
Maria das Dores.
Com certeza, porém, não deveria ser, pois o que a escola tem que fazer é tentar transformar a real situação, mas o que
acontece é que a escola não está preparada para conviver com tanta diversidade, pois temos muitos concorrentes fortes e
perigosos como: os vícios e principalmente as famílias desequilibradas.
Maria de Fátima Santos.

2- A pluralidade e a diversidade podem ser mola propulsora de nova organização do trabalho pedagógico? Como? Por que? Essa reflexão possibilitou
um novo olhar sobre a diversidade da sua escola? Registre as conclusões dessa reflexão, destacando os aspectos que a comunidade escolar precisa considerar
na reescrita do PPP e na elaboração do Plano de Trabalho Docente. Apresente os registros dessa reflexão ao Conselho Escolar para análise, apreciação e
deliberação quanto a mudanças necessárias das práticas pedagógicas e de gestão da escola.
http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/modules/video/showVideo.php?video=17766#

Sim, mas para que aconteça de fato tem a necessidade de que haja mudanças no currículo a fim de utilizar tal diversidade,
assim sendo, acontecerá ações através dos projetos que valorizam essa pluralidade na escola. Traz assim discussões sobre
alguns temas, como: O uso de drogas, a valorização do trabalho como princípio educativo. É de fundamental importância que
seja inserido no PPP da escola ações voltadas para esse fim através de projetos interdisciplinares.
Maria de Fátima Santos.

Sim, pois é necessário uma mudança no currículo e preparar os educadores para lidar com a pluralidade na escola. Trabalhar
com projetos ainda é um dos argumentos que os educadores têm para melhorar a integração dos estudantes.
Maria das Dores.
Sim, para que isso aconteça, é necessário que a comunidade escolar, como: família, corpo docente e discente, a sociedade
em que o bairro está localizada a escola participe da elaboração da PPP e suas opiniões sejam respeitadas. Com isso, acredito
que as ações serão melhores aplicadas.
Carlos Gomes.
Sim, será necessária uma mudança na PPP da escola, reelaboração no currículo com ações voltadas para a diversidade e
pluralidade.
Glauciane Gomes.
Certamente. Enquanto docentes temos que trabalhar com todas ( mais ) diversidades apresentadas por nossos alunos. Tais
diversidades podem impulsionar mudanças no currículo que deverá voltar-se às necessidades sociais, tais quais, a luta contra
o preconceito, diversidade de gênero, formação para o trabalho, etc.
Kádja Karla.
Sim, certamente. Para isso faz-se necessário uma mudança no currículo a fim de utilizar tal diversidade para impulsionar
ações e projetos que valorize essa pluralidade na escola. Tudo isso fomentará discussões sobre temas diversos, tais como:
luta contra o preconceito, sensibilização contra o uso de drogas, a valorização do trabalho como princípio educativo, a
valorização do bairro/comunidade em que se vive, Etc. É importante inserir no PPP da escola ações voltadas para esse fim na
forma de projetos interdisciplinares.
Daniel Castro.

REFLEXÃO E AÇÃO
Professora e professor, propomos nesta lógica de organização do trabalho pedagógico escolar, uma reflexão acerca dos espaços de participação ampliada de estudantes,
professores, funcionários e familiares nos processos de gestão democrática da escola, com vistas à socialização do conhecimento e democratização das relações internas na
escola. Realize uma discussão com os estudantes em pelo menos uma de suas turmas para debater as formas de participação no Conselho Escolar, no Grêmio Estudantil e no
Conselho de Classe Participativo, como locus do exercício do diálogo enquanto ferramenta de construção da autonomia dos atores da escola, como por exemplo, a reescrita do
PPP. Nesta atividade formativa de reescrita do PPP, todos os sujeitos do processo educativo assumem o seu papel social de ator e de autor do projeto da escola em condições
de igualdade, superando os limites da democracia representativa que circunscreve o exercício de voz e voto apenas àqueles representantes eleitos. Nesta reflexão, realize as
seguintes atividades:
1) Explicite as principais características da pluralidade e diversidade dos sujeitos (professores e estudantes) como fundamentos a serem considerados no PPP.
2) Faça uma discussão com os estudantes de uma de suas turmas acerca do empoderamento e dos desafios decorrentes dessa relação democrática.
3) Realize uma reflexão sobre a dualidade estrutural do Ensino Médio, identificando as manifestações nos estudantes e professores.
4) Faça uma discussão sobre a formação continuada como espaço de debate e de aproveitamento das experiências docentes. A partir dessas reflexões e dos registros
decorrentes dessas atividades, faça uma análise com os professores cursistas de sua turma, considerando as seguintes questões:
a) Quais são os problemas que precisam ser resolvidos imediatamente na escola?
b) O que já foi feito para resolvê-los?
c) Como cada segmento pode contribuir para mudar essa situação? Destaque as contribuições dos estudantes. Agora, encaminhe os registros desta atividade ao gestor e ao
Conselho Escolar como contribuição para a reescrita do Projeto Político-Pedagógico.

AÇÃO PARA 2015.

REFLEXÃO E AÇÃO
Faça uma reflexão acerca do esquema apresentado como síntese desta unidade do Caderno. A seguir, em pequenos grupos, discuta com seus colegas e escreva
os principais problemas da escola (Ensino Médio) na coluna da tabela. Analise os impactos desses problemas na escola. Agora, proponha ações para mudar
essa realidade. Socialize os resultados desta atividade como contribuição para a reescrita do PPP.

Problema
(O que precisa ser
mudado)
Pouco uso de tecnologias

IMPACTOS
NEGATIVOS
(Do problema)
Decodificação de
saberes prejudicada
Aulas monótonas

AÇÕES
(Para resolver o
problema)
Utilizar a internet,
data show,
smartphones como
uma forma de
visualização do

Kádja Karla

conteúdo que foi
exposto oralmente.
Aulas pouco produtivas

Pouco planejamento

Conteúdo pedagógico e
forma de avaliação

Reuniões pedagógicas

Os alunos têm pouco
interesse diante das
aulas apresentadas.

As aulas sem
motivação, que não
chama a atenção do
aluno.

Diversificar as
aulas
 Usar tecnologias
 Ter mais
objetividade
 Preparar bem as
aulas
Planejamento
interdisciplinar,
elaboração de
projetos por área de
conhecimento

O desinteresse pela
disciplina,
consequentemente o
fracasso nas
avaliações.

Avaliar usando as
mais variadas formas
e fazer com que os
alunos todas as ações
combinadas com o
professor.

As tomadas de
decisões estão
concentradas apenas
com os gestores e

Fazer reuniões para
aproveitar melhor o
tempo e as tomadas
de decisões, saindo

Kádja Karla

Glauciane
Gomes

Carlos Gomes.

Carlos Gomes.

precisa ser expandido
com a comunidade
escolar.

da mesmisse.

Alunos desinteressados
e com pouco
rendimento

Ter aulas mais
criativas

Alunos não buscam
questionar os assuntos
da sala de aula.

Avaliar o cotidiano
do aluno.

Encontro com a
família/comunidade

Famílias distantes da
realidade do educando.

Reuniões e projetos
que envolta a todos.

Formação continuada

Professores buscando
pretextos e fugindo das
suas responsabilidades.

Participação de
cursos e reuniões na
escola.

Tempo resumido para se
ministrar uma boa aula

Aulas pouco
produtivas

Tempo maior para
preparar e ministrar
melhor as aulas.

Professor que trabalha
em várias escolas.

Pouca informação para
realizar um bom
trabalho.

Professor deve ser
lotado em tempo
integral na mesma
escola.

Aulas pouco produtivas

Avaliação

Maria das Dores.

Maria das Dores.

Maria das Dores.

Maria das Dores.

Maria de Fátima
Santos.

Maria de Fátima
Santos.

Formação continuada e
reuniões pedagógicas.

A tomada de decisão
fica a cargo de poucas
pessoas.

Participação maior,
para melhor planejar.

Aulas pouco produtivas

Os alunos não sentem
vontade de se
aprofundar no assunto.
Não se interessam.

Ter mais
objetividade, fazer
com que o aluno
queira realizar as
atividades não apenas
para “se livrar” delas.

Avaliar de forma
unilateral contribui
para o fracasso de
muitos alunos, pois há
muita diversidade na
escola.

Avaliar utilizando das
mais variadas formas.

Enquanto o PPP não
for elaborado por todos
que fazem a escola, as
aulas continuarão sem
mudanças
significativas.

Disponibilizar
tempos e espaços
escolares em que
todos participem da
elaboração de
maneira ativa.

A tomada de decisões
fica a cargo de poucos,
pois os professores não
têm tempo para a
escola.

Utilizar os tempos e
espaços escolares em
que todos participem
e que se doem mais
para que haja

avaliação

Formulação/reformulação
do PPP da escola

Formação continuada e
reuniões pedagógicas

Maria de Fátima
Santos.

Daniel Castro.

Daniel Castro.

Daniel Castro.

Daniel Castro.

planejamento
participativo.

REFLEXÃO E AÇÃO
Prezado Professor, prezada Professora, individualmente leia as duas atividades propostas e escolha uma para realizar. Faça os registros da atividade
selecionada e socialize as suas conclusões com seus colegas.
I - Mediante sua participação no Conselho de Classe, faça um relatório claro e objetivo com base nas seguintes questões: Anote todos os diálogos e
impressões que você puder observar nesta tarefa. Agora responda:
1-Quais foram os problemas levantados?
Situações de alunos quanto a pontuação. Ver os casos favoráveis a aprovação e os casos em que o aluno tem poucas condições de aprovação. (Daniel
Castro)
Relação de alunos que apresentavam dificuldades, avaliação dos desempenhos qualitativos dos mesmos para que isso fosse valorizado.(Kádja
Karla)
Situação de alunos em relação a aprovação e reprovação.(Glauciane Gomes).
Participação da comunidade escolar nas decisões, pois fica a critério da dos gestores. (Carlos Gomes).
Questionar a situação dos alunos e como será possível ajudar na formação do aluno. (Dorinha).
Professor que trabalha em várias escolas, por isso não tem como fazer um bom trabalho.(Fátima Santos).
2-Quais os encaminhamentos propostos?

Aos alunos que demonstrarem interesse durante o ano letivo, que teve boa frequência, etc, aprová-lo(a). Já os que não apresentaram essas condições ,
dependerão apenas de si para a aprovação, não tendo ajuda complementar. (Daniel Castro).
Ressaltar a importância da avaliação qualitativa em detrimento do quantitativo. Reavivar que embora a reprovação seja um difícil resultado
pode significar uma nova oportunidade no ano seguinte.(Kádja Karla)
Os alunos com boa participação durante o ano letivo foram ajudados para a aprovação. (Glauciane Gomes).
Convocar a comunidade escolar e acolher as decisões. (Carlos Gomes).
O aluno é a ponte que liga a situação e ele é responsável por sua aprovação. (Dorinha).
Que seja resolvido o problema de lotação dos professores em uma só escola. (Fátima Santos).
3-Quais questões de ensino e aprendizagem foram tratadas no Conselho?
Vimos as questões das noções básicas para acompanhar a série seguinte como parâmetro de aprovação.(Daniel Castro).
Novas formas de ensino-aprendizagem. Realização de aulas mais produtivas.(Kádja Karla).
Acompanhar melhor a relação aluno e escola no sentido de ensino-aprendizagem e o melhor acompanhamento. (Carlos Gomes).
Acompanhar os alunos que estão interessados. (Dorinha).
Que sejam analisados os alunos com dificuldade conforme sua frequência e interesse poderá ser aprovado. (Fátima Santos).

4-Quais foram as sugestões propostas?
Rever a situação de alguns alunos com baixo índice de aprendizagem, mas que apresentam muitos aspectos positivos que não podem ser deixados de
lado.(Daniel Castro)
Uso de tecnologias para melhorar a qualidade das aulas. Uso da pesquisa. Avaliação qualitativa. Incentivo ao aprendizado. (Kádja Karla).

Ver a situação de alguns alunos e reunião de conselho de classe pelo menos bimestralmente. (Carlos Gomes).
Aprovar alunos que realmente que querem buscar a aprovação, observando seu interesse, assiduidade, etc. (Dorinha).
Observar o aproveitamento do aluno de diferentes maneiras. (Fátima Santos).

5-Quais práticas de gestão democrática você identificou no Conselho?
O fato da não imposição de suas decisões, mas sim, da abertura para o diálogo e a construção coletiva das melhores soluções para a melhoria do
ensino-aprendizagem.(Daniel Castro)
Não imposição de decisões. (Kádja Karla).
A boa vontade de acertar e aceitar opiniões diversas. (Carlos Gomes).
Que todos os educadores estão preocupados com os alunos e na melhoria do ensino-aprendizagem. (Dorinha).
A não imposição de suas decisões, mas sim da abertura para o diálogo e a construção coletiva. (Fátima Santos).

6- Que mudanças você propõe para a realização do Conselho de Classe?
Que aconteça com muito mais frequência e que seja seguido À risca o que foi decidido e que haja a participação de outras instâncias da comunidade
escolar, como: pais, alunos e comunidade.(Daniel Castro)
Mais reuniões. Encontros mensais e extraordinários à medida que forem surgindo novas necessidades. (Kádja Karla).
Que haja encontros para discutir a situação dos alunos com maior frequência, pois problema é o que não falta para ser analisado e não
apenas para aprovar ou reprovar aluno, mas de apontar uma solução no decorrer do ano, antes que seja tarde. (Carlos Gomes).
Que haja a participação do aluno e da comunidade escolar.(Dorinha).

O que foi decidido no coletivo, que seja posto em prática e com a participação de todos. (Fátima Santos).

HISTÓRIA, GEOGRAFIA, SOCIOLOGIA E FILOSOFIA

REFLEXÃO E AÇÃO
Caro professor, cara professora, o texto abaixo sugere que o trabalho interdisciplinar exige o “encargo da compreensão”. Leia o texto e discuta este
conceito entre seus colegas. Registre em um texto as principais ideias debatidas, e em seguida, identifique um conteúdo ou tema do seu componente curricular
com potencial para uma ação interdisciplinar.
“Apesar de os estudos de processos integrativos serem pequenos em número, os autores concordam em vários pontos. Tomar
emprestado de outra disciplina exige assumir o que Janice Lauer chamou de ‘encargo da compreensão’. É necessária uma
compreensão mínima do seu mapa cognitivo, incluindo os conceitos básicos, modos de investigação, termos, categorias de
observação, técnicas de representação, padrões de prova e tipos de explicação. Aprender uma disciplina a fim de praticá-la é,
porém, diferente de usá-la para propósitos interdisciplinares. O domínio da disciplina denota conhecimento completo. O
trabalho interdisciplinar exige adequação. Os que tomam algo emprestado não reivindicam expertise em todas as áreas. Eles
identificam informações, conceitos ou teorias, métodos ou ferramentas relevantes para a compreensão de um problema
particular, processo ou fenômeno. Além disso, não há nenhum Esperanto interdisciplinar. (...) A linguagem interdisciplinar
normalmente evolui por meio do desenvolvimento de uma língua de comércio que se torna um pidgin – definido em
linguística como uma língua provisória – ou um crioulo – uma nova primeira língua de uma comunidade” (Klein, Julie
Thompson. Humanities, culture, and interdisciplinarity: the changing American academy. Albany: State University of New York
Press, 2005).
SINTETISE O QUE VOCÊ ENTENDEU.
Algumas disciplinas têm algumas afinidades. Daí serem agrupadas em uma mesma área. O fato de algumas disciplinas
“conversarem entre si” não implica que tenhamos que ter o domínio pleno da outra disciplina,o que não nos dá o direito de
ignorá-las. O mais adequado é buscarmos mais conhecimento, além do mais, a ideia é que planejemos com o colega da
outra disciplina que poderá com mais propriedade auxiliar na atividade interdisciplinar. Ex.: O professor de Geografia combina
com o professor de Matemática que lecione o conteúdo ESCALA, pois irá trabalhar este conteúdo na disciplina de Geografia.
Essa é uma oportunidade de trabalhar a interdisciplinaridade.

REFLEXÃO E AÇÃO
Caro professor, cara professora, como sugestão para o desenvolvimento de um bom trabalho e com foco no processo de humanização, sugerimos a
realização de um exercício simples com os jovens. Peça que eles escrevam (ou utilizem outra forma de expressão mais atraente, como um pequeno vídeo, uma
teatralização etc) quais são seus valores atuais, seus planos para o futuro, e como eles se imaginam daqui a 10 anos. Acreditamos que com este exercício
simples você poderá se surpreender com a beleza de muitos sonhos, com o valor que estes jovens dão a família e a escola. Esses dados podem ser expostos,
sem identificação dos autores, mas como forma de valorizar o jeito de cada um. Lembre-se que conhecer os sujeitos da aprendizagem é fundamental. Poderá
fazer toda a diferença na condução das nossas aulas. Nos tornará profissionais mais próximos do que o jovem estudante também espera de um professor.
Depois de realizar essa ação, registre as conclusões por escrito e socialize no seu grupo de estudo.
PROFESSOR(A): ESTA ATIVIDADE JÁ NÃO SERÁ MAIS POSSÍVEL REALIZAR NESTE ANO LETIVO(2014).
PORÉM, É BOM QUE SEJA REALIZADA NO PRÓXIMO ANO.

REFLEXÃO E AÇÃO

Caros professores, caras professoras, sugerimos uma atividade que possibilite refletir acerca das mudanças que envolvem os processos de seleção de
conteúdos e conhecimentos, e elaboração de ações curriculares.
Para isso você pode consultar e comparar livros didáticos distintos, Legislação Educacional de diferentes instâncias (Municipal, Estadual, Federal),
entrevistar e conversar com professores mais experientes, dentre outras possibilidades, com o objetivo de identificar mudanças e permanências nos conteúdos
ensinados. Registre em um texto suas principais conclusões.
Com base nestas reflexões, e levando em conta os exercícios feitos ao final das Unidades 1 e 2, planeje uma ação curricular que considere a realidade
específica de seus estudantes em uma abordagem interdisciplinar entre diferentes componentes curriculares. Entenda-se por “ação curricular” uma sequên cia
didática, uma unidade programática, um trabalho de campo, um projeto de ensino etc.
Este planejamento deverá ser registrado e entregue.
AÇÃO PARA 2015 – ATIVIDADE REALIZADA COLETIVAMENTE.
Realizar um projeto histórico sobre o local onde o aluno vive. Pode ser a construção de um livro histórico sobre o local,
investigando os primeiros habitantes, a economia e trabalho local, religiosidade, etc. Os alunos farão pesquisa de campo para
a coleta de informações. Entrevistando pessoas mais velhas é uma boa opção. Todas as disciplinas podem se envolver no
projeto.
Ciências Humanas: História, Geografia, Filosofia e Sociologia.

Estudo da evolução espacial e histórica, Comportamentos das famílias, quanto aos valores, culturas etc.

Ciências da Natureza: Física, Química e Biologia

Expectativa de vida local, alimentação, sustentabilidade, etc.

LINGUAGENS: Língua Portuguesa, Educação Física, Artes, Língua estrangeira, Língua materna.

Na produção dos textos do livro, Ilustrações do livro etc.

Matemática

Construção de gráficos e tabelas.