ABERTURA E SOBREVIVÊNCIA DE EMPRESAS

MARCELO SOUZA DA SILVA

Trabalho apresentado à Universidade Estácio de Sá
como requisito parcial para obtenção do Grau de
Bacharel em Administração.

Orientador: Marco Antônio Maia Souto

RIO DE JANEIRO
DEZEMBRO/2006

Empreendedorismo – Negócios ABSTRACT: Study of principal reasons that take the micro and small recent entreprises to not resist to the first years of life. em geral os mais críticos.2 ABERTURA E SOBREVIVÊNCIA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS MARCELO SOUZA DA SILVA* RESUMO: Estudo dos principais motivos que levam as micro e pequenas empresas recémconstituídas a não resistirem aos primeiros anos de existência. levando a empresa a se desenvolver ou a atravessar dificuldades de gestão. utilizando-se de linhas com juros absurdos. como o planejamento e o controle. onde existem diversos processos e várias escolhas se fazem necessárias. in general most critical. carring the enterprise to develop yourself or to cross __________________________________ * Aluno do curso de Administração da Universidade Estácio de Sá . PALAVRAS-CHAVE: Empresa . de necessidade de capital ou outros problemas que aparecem normalmente quando os empresários não possuem experiência no ramo de negócio ou não se utilizam de ferramentas da Administração moderna. Esse artigo propõe também algumas soluções para novos empreendedores iniciarem seu negócio com assessoria especializada a baixo ou nenhum custo. bem como a pesquisa de mercado e análise da concorrência e assim recorrem a fontes onerosas de capital. where there are a lot of process and very choises to be necessaries.

3 dificulties of administration. como . Procurou-se estabelecer um perfil com as principais características pesquisadas em livros e sites que tratam de abertura de empresas. mas sim caminhos que podem levar os empresários a se interessarem em formalizar a abertura de sua empresa. This article propose too some solutions for new enterprising begins their business with specialize advice with low price or none. of money that need or others problems that normaly appears when the enterpriser don’t be experience in the branch of the business or don’t utilize yorself by tools of modern Administration. muito comum nos dias atuais no Brasil. que não espelham necessariamente os atributos únicos ou exclusivos que devem ter os empreendedores. KEYWORDS: Enterprise – Entrepreneurship – Business INTRODUÇÃO Quais os principais problemas para o empresário que quer formalizar a abertura de sua empresa? como garantir a sua sobrevivência? As empresas observadas neste artigo científico são micro e pequenas empresas. Foram abordadas características citadas por autores consagrados que fizeram uma busca no mercado. well like the market research and the competition analysis and so to appeal to onerouss fountain of capital. que têm a condição necessária para aderir ao imposto Simples. using lines with absurd interest. like plan and control. mas traçar um caminho para aqueles que não conhecem os passos a serem dados ao decidir iniciar um negócio. Esse processo envolve muita burocracia e desgaste e alguns cuidados podem evitar desperdício de tempo e dinheiro. Também não está em discussão a informalidade. Não se pretende criar soluções.

aqueles que irão prescindir de armas poderosas como o plano de negócios e que podem utilizar-se de iniciativas como as incubadoras para evitar o perecimento precoce. 1997. 3) A metodologia utilizada neste artigo é a pesquisa descritiva.161) É uma etapa de planejamento. . 1997. financeira. aquele que obtém sucesso na sua empreitada. p. (LONGENECKER. onde serão realizadas considerações de ordem gerencial. Foram realizadas consultas em sites especializados e livros de empreendedorismo. “os que fornecem empregos. Nessas consultas foram observados os relatos das dificuldades encontradas na hora de formalizar a abertura da empresa e de que forma o novo empresariado poderia caminhar para obter sucesso no seu empreendimento. Um plano de negócios é um documento que contém a idéia básica e todas as considerações relacionadas ao início de um novo negócio. introduzem inovações e estimulam o crescimento econômico”. operacional e de mercado. uma série de questões devem ser respondidas para se ter certeza de que o negócio não irá nascer na base da improvisação. O artigo chama a atenção para os empresários do futuro. nesse sentido. pg. com coleta de dados em fontes primárias e secundárias. (LONGENECKER. Esse perfil é o do empreendedor. o plano de negócios é um esboço do trabalho que se pretende implementar. E.4 DOLABELA (2002). 1 O PLANO DE NEGÓCIOS Antes de decidir qual negócio o empreendedor vai iniciar.

Segundo o SEBRAE (2006). Cada estado pode. que aborda concorrência. O plano de negócios fornece. em plano de marketing. verificar se naquela localidade existe consumidor para o seu produto. é considerada microempresa aquela que possui receita anual bruta igual ou inferior a R$ 240 mil. média ou grande é o faturamento ou receita anual bruta. No Brasil esse instrumento ainda é pouco utilizado. em aspectos da empresa. por exemplo. Já as empresas de pequeno porte são as que têm faturamento superior a R$ 240 mil e igual ou inferior a R$ 2 milhões e 400 mil. a necessidade de financiamento. e plano financeiro. “existem duas esferas para definição do porte: a federal e a estadual. . ou seja. devem ser discutidos o porquê do negócio e os resultados da pesquisa de mercado. Na elaboração do plano. a seu critério. Não que todos os possíveis erros deixem de ocorrer. fatores esses de conhecimento de poucos empreendedores. estratégias e relacionamento. mas é uma ferramenta que pode evitar. mas a probabilidade de atravessar uma falha que não tenha sido pensada é menor. O plano é dividido em sumário executivo. como missão. se ela é micro. o lançamento prematuro de um produto ou serviço. das leis tributárias e trabalhistas e de ambiente sócio-econômico. 2 DEFINIÇÃO DE MICRO E PEQUENA EMPRESA O principal critério para definir o “tamanho” de uma empresa. uma visão de mercado. objetivos e parcerias.5 O plano de negócios é uma ferramenta que leva o administrador a evitar erros que são comuns quando não se planeja uma atividade. pequena. ou seja. desde o investimento inicial até custos e receitas. ou seja. que traz questões de mercado e apresenta o projeto financeiramente.” No âmbito federal. ainda.

constituindo elemento da empresa. Anônima e em Comandita por Ações. literária ou artística. ainda. salvo se o exercício da profissão constituir elemento da empresa (a montagem de um consultório por dois dentistas. no Brasil. No comércio e nos serviços esses limites são de até 9 nas micro e até 49 funcionários nas pequenas (Sebrae apud DOLABELA 2002). franquias. empresas familiares e administração profissional. Limitada. formada por pessoas que exercem atividade intelectual. mais de quatro milhões de pequenas e médias empresas formais. que varia segundo diferentes autores. por exemplo).6 flexibilizar esses valores como forma de beneficiar as empresas para fins de recolhimento de tributos estaduais. (SEBRAE. As sociedades pelo novo Código Civil podem ser: Simples. por 70 % das vendas e participação na ordem de 25 % do PIB nacional (SEBRAE. Essas empresas. possuindo legislação própria. científica. Elas são responsáveis por mais de 50 % dos empregos. podem estar aderindo ao Imposto Simples (sistema integrado de pagamento de impostos e contribuições das microempresas e empresas de pequeno porte). Existe. Esses números dão a dimensão da importância das micro e pequenas empresas. São empresas que vão desde um escritório em casa (office home). um critério baseado no número de funcionários. cooperativas. dependendo do segmento em que atuam. 2006). Esse tipo de sociedade deve ser constituída por um dos seguintes tipos: Sociedade em Nome Coletivo. Empresária. São por exemplo as sociedades comerciais em geral. as micro possuem menos de 20 funcionários e as pequenas até 99. que é aquela que exerce atividade econômica organizada para a produção ou prestação de serviço. Há hoje. 2006) . Na indústria. passando por associações. em Comandita Simples. Todas responsáveis por grande do mercado produtivo nacional.

na Receita Federal. Isso porque não podem instalar-se em qualquer local. Então. inscrevê-la no CNPJ. o empresário deverá seguir alguns passos: escolher o endereço da empresa. tendo validade em todo o território nacional. deve registrá-la junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial. no Sindicato Patronal e solicitar a autorização de impressão de documentos fiscais (INFOMONEY. que não é feita na hora. na Secretaria de Fazenda Estadual. O registro é o arquivamento dos atos da empresa. 2006). Outros cuidados devem ser tomados. Isto é uma forma de proteção às razões e nomes fantasia já consagrados. comprovante de residência e CPF). principalmente em áreas residenciais. Caso a empresa crie uma marca. Não pode haver dentro da mesma Junta Comercial Estadual duas empresas com nomes idênticos. registrá-la. pelo aspecto da poluição. obter alvará de funcionamento. O nome da empresa (razão social) é a segunda dificuldade quando da redação do Contrato Social. estando sujeitas a multas e sanções dos órgãos fiscalizadores. É emitido um certificado com validade de 10 anos e para obtê-lo deve ser entregue a documentação .7 3 REGISTRO NO CNPJ E NA JUCERJA / REGISTRO CIVIL DE PESSOAS JURÍDICAS Ao decidir o ramo de negócio que irá atuar. o nome. um sinal que distingue os produtos e serviços de outros semelhantes. como assinar todas as vias do contrato. inscrevê-la na Previdência Social. As indústrias encontram maior dificuldade na escolha do endereço. o INPI. O registro das empresas ocorre nas Juntas Comerciais. cópias dos documentos dos sócios (identidade. é imprescindível que o empresário forneça pelo menos três nomes para verificação. O registro garante o direito de uso exclusivo dentro do território nacional.

(SEBRAE. é feita simultaneamente a emissão do CNPJ.receita. Em seguida é preciso fazer a inscrição estadual. 4 ADESÃO AO SIMPLES O SIMPLES é o sistema de Pagamento de Impostos e Contribuições das microempresas e empresas de pequeno porte. muitas empresas já começam a atuar (aquelas que não trabalhavam na informalidade). Deve-se cuidar que nenhum dos sócios esteja com o CPF pendente de regularização na Receita Federal. com envio dos documentos via Sedex.fazenda. Ocorre ainda a inscrição no Sindicato Patronal. Para saber a que sindicato a empresa estará vinculada. mas os procedimentos iniciais não terminam aqui.br). 2006) A inscrição no CNPJ (Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas) pode ser feita eletronicamente no site da Receita Federal (www. Aquelas empresas que não possuem CNPJ.gov. Os cuidados que devem ser tomados são: informar o código de enquadramento da empresa no CNAE-fiscal (Classificação Nacional de Atividades Econômicas). ou ainda em um dos postos da Receita. nem possuir participação em empresa com pendência de Declaração de Informações de Pessoa Jurídica (RECEITA FEDERAL. Após esses procedimentos. neste artigo tratado de Simples. além de 15 etiquetas contendo o logo conforme especificações do INPI. pode-se solicitar auxílio à Federação das Indústrias ou do Comércio. devem efetuar a matrícula perante o INSS com até 30 dias após o início das atividades. 2006).8 da empresa junto com uma guia de solicitação e um formulário de pedido. A Inscrição na Previdência Social (INSS). É um regime . que só é obtida mediante a Certidão Negativa de Débitos que deve ser solicitada à Fazenda Estadual.

Além disso.(RECEITA FEDERAL. a sonegação de impostos é muito alta no país. Segundo o IBGE existem mais de 12 milhões de empresas nessa situação. 2006) A divisão entre micro. mesmo aquelas que hoje não se enquadram por causa do . Deve-se ter ainda outros cuidados. O Simples de uma empresa que fatura até R$ 60 mil por mês é hoje de 3 % da Receita Bruta. Utiliza-se a aplicação de percentuais progressivos sobre a Receita Bruta. As microempresas são as que possuem faturamento anual inferior a R$ 120 mil. pequenas. PIS de 0. contribuição patronal e sindical. pagará de Simples 8. simplificado e favorecido. Conforme informado anteriormente. ou reenquadrá-la caso o faturamento da empresa aumente durante o ano.6 % da Receita.9 diferenciado. como manter a empresa devidamente enquadrada na faixa de faturamento informada. dentre outras.(INFOMONEY 2006) O primeiro entrave ao imposto Simples e ao sistema de arrecadação é a informalidade. como o valor máximo de faturamento para aderir.2006) As MPEs (micro e pequenas empresas) podem se enquadrar em três regimes de tributação: Simples.65 %. Quem não opta pelo Simples paga ainda 20 % de INSS sobre a folha de pagamento. Existe um projeto que incluirá todas as MPE no novo regime. a não permissão para empresas que atuem na prestação de serviço. o Simples possui legislação própria. lucro presumido e lucro real. Por outro lado. há várias limitações. já que a carga tributária no Brasil é uma das mais altas do mundo. Cofins de 3 %. (SEBRAE. No início do empreendimento a economia com custos de Impostos é fundamental. médias e grandes empresas é muito importante na questão tributária por motivos como o exemplificado a seguir. Já uma que fature acima de R$ 1 milhão e 80 mil até R$ 1 milhão e 200 mil.

a saída é solicitar um empréstimo bancário. já aprovada pelo Congresso Nacional. Destas empresas. Este regime encontra-se em votação no Senado Federal. além do alto custo. muitas ainda conservam a esperança de reativar o negócio. o risco de emprestar às empresas recém-constituídas é deveras alto. Segundo Gibb (apud DOLABELA 2002). . 132). O novo sistema foi batizado de Super Simples e deverá unificar os impostos e contribuições das esferas federal. pg. em tramitação a Lei Geral das micro e pequenas empresas. Nessas horas é importante negociar prazo com os fornecedores e receber o máximo possível à vista. 1989. Mas como isso não é verificado na maioria dos casos. “ O ideal para iniciar um novo negócio é que os sócios disponham dos recursos financeiros para iniciar o empreendimento” (Degen. do ramo de atuação e do faturamento. Esse novo regime deverá ter sistemas diferenciados. “um dos grandes entraves é a exigência de garantias reais para a obtenção do empréstimo”. 5 POLÍTICAS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO Os bancos hoje estão bastante agressivos com relação a concessão de crédito. tendo boa parte destas deixado de dar baixa nas Juntas Comerciais em função das dificuldades e da morosidade que existe no encerramento das atividades. estadual e municipal. No entanto.10 segmento. também. Está. que poderá tirar da informalidade cerca de 10 mil empresas. Essas medidas são se suma importância para reverter a mortalidade precoce das empresas que gira na ordem dos 60 % nos quatro primeiros anos de existência. de forma a estabelecer um ciclo financeiro favorável.

muito cobrado junto ao governo. assume o risco da inadimplência. chegando a quase 50 % no segundo ano de vida. Fatores como escolaridade e experiência prévia também contam muito. por exemplo. estudos comprovam que mais de 30 % das empresas “morrem” no primeiro ano de existência. Primeiro a empresa obtém um capital de giro que é utilizado muitas vezes para pagamento de despesas e não para compra de matéria-prima ou melhorias de processo. hoje ainda é um sonho distante. ambos no Centro do Rio. Para se obter crédito é necessário não possuir restrições cadastrais e ter um avalista ou um grupo de avalistas. Além disso. muito em função do crédito. No Rio de Janeiro. as tarifas são altas como um compensatório pelo risco da inadimplência. a empresa tem que honrar a dívida com recursos próprios. começa a utilizar o cheque especial como capital de giro. principalmente por parte do empresariado. a Socialcred e o Banco da Mulher. O microcrédito. localizada na Rocinha. Existem pouco mais de 100 unidades de atendimento ao microempresário no Brasil que atuam na assistência à empresa em instalação. há três instituições: a Vivacred.11 Para se ter uma idéia do risco de emprestar a empresa recém-formadas. pagando taxas que giram na casa dos dez por cento. Quando ocorre uma inadimplência do sacado. o que hoje é muito difícil de conseguir. Os lucros dos bancos são cada vez maiores. Tomar crédito torna-se um ciclo vicioso. Mas ainda ocorrem muitas reclamações. Em seguida. Os recebíveis da empresa são negociados com os bancos ou mesmo com empresas de factoring. . de que o crédito para a micro e pequena empresa é caro e difícil. pois a maioria das pessoas quer preservar o seu nome e não se presta a dar fiança ou aval. ou seja.

repetindo-se os mesmos caminhos que consagradamente tendem a dar em nada. Eles reconhecem que é cada vez mais difícil entrar em um ramo onde a concorrência é . que tenha aceitação no mercado. criatividade. Drucker (2003) em seu Inovação e Espírito Empreendedor (entrepreneurship) destaca o surgimento de uma “sociedade empreendedora”. 1989.12 6 O PERFIL DO EMPREENDEDOR DE SUCESSO Empresários bem-sucedidos costumam afirmar que a empresa que começa o empreendimento se endividando já começa com problema.1). o que se pretende só dará certo com conhecimento. segundo Dolabela (2002). além de constituir uma reserva financeira. Dolabela (2002) já citava o termo como designando uma área de grande abrangência que trata. acrescenta-se o fato de o aluno de Administração sair da Universidade sem nenhuma noção do processo de criação de empresas.” Schumpeter (1942. apud DEGEN. intuição. ser bem relacionado com compradores e concorrentes são muito citadas pelas diversas fontes pesquisadas. da abertura de empresas. onde os indivíduos convivem com o aprendizado e reaprendizado contínuos. p. Características como perseverança. como Degen (1989) e o Sebrae (2006). se possível não onerosa. que o negócio tenha boas perspectivas. habilidade e atitude. Num país empreendedor como o Brasil isso é um jogo dos erros. conhecer o produto e o mercado. em outras palavras. A isso. Então. É importante. Os livros sobre novos empreendimentos não contemplam os empreendimentos que deram errado. traçar metas pessoais. dentre outros temas. O empreendedor é o “agente do processo de destruição criativa que é o impulso fundamental que aciona e mantém em marcha o motor capitalista.

As Empresas Júnior são associações sem fins lucrativos. “ O importante é você ser diferente e agressivo. se não o próprio mercado trata de derrubar você”. mas explorando o seu espaço ao máximo para você ser notado. Atribuem principalmente à inexperiência seus próprios erros e reconhecem que fariam diferente se pudessem começar de novo. Dornelas (2001) afirma que o empreendedor de sucesso tem as seguintes características: são visionários. têm habilidade para implementar seus sonhos. Existem ainda os balcões do Sebrae (localizados em diversas cidades). desde o Plano de Negócios. sabem tomar decisões e transformam algo abstrato em concreto.13 muito acirrada e o poder de barganha é mínimo. 11 postos de atendimento. Pessoas que desistiram de montar um negócio ou que fecharam a empresa afirmam que os principais fatores que influenciaram foram os altos custos fixos. 7 SOLUÇÕES DE SUPORTE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS O SEBRAE oferece em seu site um vasto conjunto de informações necessárias para abrir uma empresa. A Universidade Estácio de Sá possui diversas em suas diversas unidades escritórios . que funciona. passando pela escolha do tipo de empresa até a formalização. agregando valor aos produtos que criam. concluiu um dos empresários. que prestam serviço de consultoria a um preço inferior ao do mercado. possuindo só na cidade do Rio de Janeiro. Ter um negócio próprio requer muita disciplina e um planejamento sólido que te possibilite crescer com os pés no chão e a cabeça no lugar. respeitando o próximo. uma vez que os projetos são desenvolvidos por alunos orientados por professor. a carga tributária e erro na estratégia de colocação dos seus produtos. geralmente vinculadas a uma Universidade.

213). o desenvolvimento tecnológico e a redução dos processos de falência. A criação da ANPROTEC.. como a criação de novos empregos. Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas foi o principal marco para o desenvolvimento da atividade no cenário nacional. para empresas que passaram pela experiência das incubadoras esse índice é de apenas 20% (DOLABELA. de prestação de serviços. Secretariado e Turismo. ou a distância. Enquanto que a mortalidade de empresas no primeiro ano gira em torno de 80%. 2002.14 realizando projetos de Comércio Exterior. p. a Universidade Federal do Rio de Janeiro possui projeto semelhante. Além do SEBRAE. na medida que reduz o risco de quebra das novas empresas. gerencial e formação complementar do empreendedor (SEBRAE 2006). Existem hoje no Brasil cerca de 300 empresas incubadoras em atividade e quase 100 em instalação. Uma incubadora de empresas é um mecanismo que estimula a criação e o desenvolvimento de micro e pequenas empresas (indústrias. abrigando mais de 1000 empresas. Posteriormente. Pesquisa. oferecendo suporte técnico. Possui parceiros como o Banco do Brasil. de base tecnológica ou de manufaturas leves). Esse tipo de iniciativa existe desde a década de 80. Gestão. dentre elas SEBRAE.) nos seus dois primeiros anos de vida (DOLABELA 2002).. A incubação de empresas pode ser física em que os empreendimentos ficam instalados nos módulos dentro da incubadora. Finanças. CNPq e FINEP. além daquelas assistidas através de cursos de capacitação (REDE INCUBAR 2006). . diversas parcerias ocorreram. Ela abriga empresas emergentes (. processo em que o negócio recebe todo o suporte da incubadora (ANPROTEC 2006). As vantagens de crescer numa incubadora são várias.

15 CONSIDERAÇÕES FINAIS O roteiro descrito por esse artigo não desconsidera outros passos considerados imprescindíveis ao negócio. sendo importante pela geração de muitos empregos e pela renda desses trabalhadores. também muito complicada. como a lentidão para se conseguir emitir o CNPJ e registrar o contrato. prática não recomendável A questão do endereço. iniciativas em andamento em alguns estados como o “FÁCIL” processo de abertura e encerramento de empresas. muitos empresários são levados à sonegação e a trabalhar na informalidade. Há. Existem outros tipos de entraves não discutidos neste artigo. aumentando o volume das contribuições e proporcionando melhoria nas alíquotas dos Impostos. Essas questões muitas vezes inviabilizam a empresa. ainda. pois o que se observa são indústrias deixando de tratar dejetos. muitas vezes resolvidos na base da propina. É importante ter sempre atualizado o Plano de Negócios e estar preparado para o chamado “plano B” caso as expectativas daquele segmento empresarial não se concretizem. gerando prejuízos a atividade comercial e ao fomento do desenvolvimento nacional. A micro e a pequena empresa têm importante papel na economia do país e para o seu desenvolvimento. Sem apoio governamental e sem ferramentas para organizar melhor a empresa. O novo Simples pode contribuir nesse sentido para melhoria de sistema de arrecadação do Governo tirando diversas empresas da informalidade. pesadíssimas. quando aplicadas. pois os gastos com a manutenção de um negócio mal feito são imensos e as multas. que desburocratiza o .

Rio de Janeiro: Elvesier. Carlos W. Justin G. William.gov.br. São Paulo: McGraw-Hill. O segredo de Luísa. RECEITA FEDERAL. MOORE. Peter F. José Carlos Assis.br. São Paulo: Pioneira Thompson. Disponível em http://www.. Disponível em http://www. Fernando. 2003. PETTY. Acesso em . DOLABELA.org. DEGEN. DRUCKER. Acesso em: Junho de 2006. Administração de pequenas empresas (ênfase na Gerência Empresarial). 1997. 2001.br. Ronald Jean.receita. O empreendedor: fundamentos da iniciativa empresarial. Consulta em Junho de 2006.com. Empreendedorismo – Transformando idéias em negócios.infomoney. IBGE. INFOMONEY. 1989.fazenda. Disponível em http://www.16 REFERÊNCIAS ANPROTEC. Acesso em Setembro de 2006. DORNELAS. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship). J..anprotec. LONGENECKER. Disponível em http://www. São Paulo: Cultura editores associados.br Outubro de 2006.gov. 2002.ibge. São Paulo: Makron Books.

Acesso em: Novembro de 2006. .anprotec.br.com.17 REDE INCUBAR (ANPROTEC). Acesso em: Outubro de 2006.sebrae. SEBRAE. Disponível em http://www. Disponível em http://www.org.br.redeincubar.

18 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ABERTURA E SOBREVIVÊNCIA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS MARCELO SOUZA DA SILVA RIO DE JANEIRO DEZ/2006 .

19 .