You are on page 1of 3

Você também paga pelos jatos da Embraer

A Embraer é sem dúvida uma das mas importantes empresas do país. Os defensores das
privatizações sempre a usam como exemplo de que o Estado não tem vocação para ser
empresário. Para corroborar tal afirmativa, é preciso olhar apenas alguns números da
empresa.
A história que todos conhecem
Os prejuízos da Embraer entre 1990 e 1991 somavam US$500 milhões, ao passo que o seu
endividamento era de US$850 milhões. Atualmente, a empresa que começou com 500
funcionários e com o objetivo de construir dois aviões por mês, hoje conta com mais de 19000
empregados e com mais de 5000 aeronaves entregues.
Hoje, a empresa é a quarta maior do mundo no ramo de aviação, atrás apenas da canadense
Bombardier, da europeia Airbus e da norte-americana Boeing. Entretanto, ao defender a
Embraer como sucesso dos programas de privatização da década de 1990, o liberal pode estar
dando um tiro no próprio pé. Isso porque a empresa em questão ainda possui participação
estatal bastante relevante. Em um artigo publicado pelo BNDES, um contador da instituição de
nome Paulus Vinícius faz uma análise da parceria histórica entre a Embraer e o banco público.
A bengala do BNDES
Após a sua privatização, em 1994, o grupo Bozano Simonsen e outros investidores passaram a
ser os controladores da Embraer. Entretanto, já em 1995, a empresa precisou de um
financiamento de R$126 milhões para que pudesse concluir o programa da aeronave ERJ –
145. Em 1998, o BNDES comprou títulos da dívida da empresa (debêntures), por R$ 149
milhões, para que a empresa pudesse se financiar. Entre os anos de 1999 e 2006, o banco
estatal financiou o desenvolvimento de mais de 50% das aeronaves vendidas pela Embraer.
Nesse ano, o BNDES financiou, em R$ 1,4 bilhão, projetos de inovação tecnológica da empresa
aeroespacial.

Volume de vendas apoiadas pelo
BNDES
67%
60%
47%

69%

63%
56%

46%
39%

34%
20%
10%
0%

1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
Fonte: BNDES

os subsídios ainda continuam.9 bilhões) e a Odebrecht (US$5 bilhões). Embraer e Bombardier passariam a competir sem o escudo do Estado (feito com o dinheiro do pagador de impostos). Através do Programa de Financiamento às Exportações (Proex) – programa criado em 1991 que visava estimular as exportações brasileiras – o governo financia as exportações da empresa. o dinheiro do pagador de impostos não seria . forneceu CAN$1. após a mesma enviar seus produtos para o comprador no exterior. Além disso. foi calculado que os subsídios do governo canadense ao setor aeroespacial somavam cerca de CAN$7. Caso os dois governos se comprometessem a acabar com seus respectivos programas de subsídios. por mais que os programas tenham sido de fato modificados. O órgão acabou por fazer com que os governos canadense e brasileiro mudassem seus programas de subsídios às suas respectivas empresas. devido ao forte lobby do setor.Um levantamento feito pelo blog “Congresso em Foco” apurou que. recebe pesados subsídios do governo de seu país. Outras empresas como Andrade Gutierrez (US$802 milhões). como foi dito anteriormente. o Tesouro Nacional também financia a Embraer. a província de Quebec. entre os anos de 1996 e 2003.4 bilhões.6 bilhão à Bombardier. Em 2003. as empresas que mais receberam financiamento para exportarem seus produtos foram a Embraer (US$4. A média de lucro da empresa nos últimos cinco anos foi de R$741 milhões. A disputa entre as duas empresas tomou grandes proporções e acabou parando na Organização Mundial do Comércio (OMC). Dessa forma. elas teriam que se financiar utilizando o capital do mercado e pagar juros mais altos. ou se até mesmo alguma dessas empresas falisse. como uma empresa desse porte necessita de juros subsidiados para operar? Temos que proteger a indústria nacional Os defensores dessa política afirmam que a principal concorrente da empresa brasileira. a Embraer é uma das maiores empresas no setor de construção de aeronaves. nos últimos cinco anos. a canadense Bombardier. Queiroz Galvão (US$254 milhões) e Camargo Corrêa (US$216 milhões). Por mais que alguns empregos fossem perdidos. Logo. Além disso. Fonte: BNDES Além do BNDES. Contudo.

É claro que. ela faz parte do grupo de empresas consideradas estratégicas pelo governo e. a competição faria com que as duas empresas se tornassem mais eficientes. a taxas camaradas. não foi realmente privatizada. Ou seja. recebe financiamento para os seus projetos a juros baixos. Isso porque a empresa ainda é extremamente dependente de capital público. para financiar grandes empresas. O problema é que a Embraer é uma das “campeãs nacionais”.utilizado compulsoriamente. Muitas ainda se protegem da concorrência com o escudo fornecido pelo governo. Conclusão Os defensores do processo de privatização. o próximo passo é retirar os subsídios bilionários que a empresa recebe. devem tomar cuidado ao enaltecer a Embraer como exemplo de êxito do programa de desestatização. me arrisco a dizer que a Embraer. por isso. assim como outras empresas. Além do mais. atualmente. Logo. portanto. o fato de a Embraer ter passado para as mãos da iniciativa privada foi um grande avança. . Entretanto.