Avaliação da Aprendizagem

:
um guia prático
Learning Assessment: a practical guide
DEPRESBITERIS, Lea; TAVARES, Marialva Rossi. Diversificar
é preciso: instrumentos e técnicas de avaliação da aprendizagem.
São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009, 192 pág., ISBN:
9788573598520, R$ 42,00.
Esse livro chegou na hora certa! Ocasião em que muitos estudos
e pesquisas estão sendo desenvolvidos sobre as diferentes formas de
avaliação, juntamente com as questões de equidade, igualdade social e a
busca da boa qualidade na educação para todos.
De modo geral, as avaliações sempre estão relacionadas à ideia de
resultado, que afere ou interfere em alguma coisa, por exemplo, aquelas
feitas pelos professores com o objetivo de aferirem a aprendizagem dos
alunos e determinarem se eles podem avançar no sistema educacional.
Em relação à equidade na educação, estabelecer metas é um passo
importante na tentativa de assegurar aos indivíduos a educação como
um direito social, com o objetivo de combater as desigualdades sociais e
proporcionar a inclusão de todos, lembrando que, acima de tudo, o direito
à aprendizagem é garantido na Constituição.
Na tentativa de corrigir os severos erros do passado, os sistemas
de ensino passaram a adotar o accountability, termo inglês que pode ser
interpretado por “prestação de contas”. As autoras apontam que muitos
estudiosos consideram importante a sua aplicação, com a finalidade de
eximir dúvidas sobre a visibilidade social implícita na avaliação, pois,
numa democracia, as informações devem ser socializadas e não podem
ficar centralizadas nas mãos de poucos, havendo assim, obrigação ética na
prestação de contas.
A avaliação pode ter diferentes funções, desde a formativa, com o
intuito de promover a melhoria da aprendizagem, até as de classificação,
hierarquização, discriminação e de competição. A decisão sobre qual função
utilizar cabe ao profissional, de acordo com as suas finalidades, entretanto
o livro em questão trata da avaliação da aprendizagem significativa na vida
do aluno, ou seja, aquela que pretende que esse sujeito se torne agente
transformador da sua prática social.
Depresbiteris e Tavares lembram o perigo que a educação enfrenta
quando as práticas dos professores caem na rotina e, em especial, nas
avaliações, quando, no momento de aplicá­‑las, são utilizados sempre

Impulso, Piracicaba, 19 (48): 95-97, jul. – dez. 2010

JURANDIR DOS SANTOS
Serviço Nacional de
Aprendizagem Comercial (Senac)
contato@jurandirsantos.com.br

95

Nesse sentido. análise de casos. 96 Impulso. Ao discutir as relações entre abordagens de aprendizado e instrumentos de avaliação. como o currículo e as filosofias e políticas adotadas pelos sistemas de ensino. então. prática da observação. As autoras propõem. enfatizar o papel da metacognição. diagnosticar os conhecimentos prévios trazidos por eles. 2010 . Já em relação ao segundo. a motivação é vista como externa e há o apoio de premiação para reforçar e potencializar a aprendizagem. Além disso. jogo de funções. na avaliação. utilização do portfólio. entrevistas. levar em conta a multiplicidade de critérios de julgamento. época em que as transformações propostas pela era da tecnologia da comunicação e da informação imperam. o processo de negociação. a avaliação deixa de ter foco exclusivo no desempenho dos alunos e começa a analisar outros aspectos mais amplos. Piracicaba. dimensões da prova­‑protocolo. nos estudos e nas pesquisas.os mesmos instrumentos. questões objetivas e dissertativas. ensinar conteúdos capazes de: atribuir significados para os alunos. Diante das contribuições e propostas levantadas nessa obra. jul. a grande meta da avaliação está direcionada em reconhecer o que é importante saber e como utilizar essa informação em prol de uma aprendizagem significativa. exposição oral. propondo uma discussão mais ampla a partir de suas finalidades. incorporar. procurar mobilizar profundos esforços nos alunos para o enriquecimento do aprendizado deles. torna­‑se um grande desafio a mudança da mentalidade dos professores e dos alunos para uma visão mais abrangente e inovadora de avaliação. leva­‑se em consideração a mente do aprendiz. 19 (48): 95-97. evitar pré­‑julgamentos. redações. ter a impressão da dimensão da avaliação diagnóstica. No primeiro caso. A cultura da prova (testing) gradativamente abre espaço para a cultura da avaliação (assessment). vale acrescentar que a intencionalidade do professor no fazer pedagógico é determinante para influenciar positiva e significativamente nas melhores formas de avaliação e na definição da prática pedagógica que devemos adotar no século XXI. É um guia que pode orientar os profissionais nas seguintes tarefas: provas escritas. que inclui a forma de planejamento dos estudos. atualmente. suas estruturas mentais e as crenças utilizadas para interpretar objetos e acontecimentos. a principal inovação de Depresbiteris e Tavares nessa obra são as preciosas dicas de procedimentos para educadores em diferentes formas de avaliar. provas operatórias. roteiro de autoavaliação. formativa e mediadora. e representação de uma situação real. mapas conceituais. – dez. com base na experiência docente. as autoras buscam o significado de aprender de acordo com o condutivismo e com o construtivismo. Dessa forma. provas situacionais. com aplicação do que aprenderam e com a utilização das estratégias de estudo estimular a resolução de problemas. e diversificar instrumentos e questões de avaliação. metodologia de projetos. Dessa forma.

contextualizada e enriquecida com as experiências das professoras Léa e Marialva. Recebido: 21/12/09 Aprovado: 23/12/09 Impulso.Trata­‑se de uma obra atual. reservo ao leitor o prazer da leitura do livro. jul. – dez. É gerente do Senac ­‑ São Carlos. Sem mais palavras. 2010 97 . conselheiro da Fundação Educacional de São Carlos (Fesc) e membro da Associação Brasileira de Avaliação Educacional (Abave). 19 (48): 95-97. psicoterapeuta clínico e institucional. Piracicaba. Possui especialização em E­‑Business pela Faculdade Senac de Ciência e Tecnologia. prática. e mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Dados do autor Jurandir dos Santos Graduado em Psicologia pelo Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas.