***

VI Na Casa dos Pronomes
[...] E todos se dirigiram para a casa dos Pronomes Pessoais enquanto
Quindim ia explicando que os Pronomes são palavras que também não
possuem pernas e só se movimentam amarradas aos VERBOS.
Emília bateu na porta — toque, toque, toque.
Veio abrir o Pronome Eu.
— Entrem, não façam cerimônia.
Narizinho fez as apresentações.
— Tenho muito gosto em conhecê-los — disse amavelmente o Pronome Eu. —
Aqui na nossa cidade o assunto do dia é justamente a presença dos meninos e
deste famoso gramático africano. Vão entrando. Nada de cerimônias.
E em seguida:
— Pois é isso, meus caros. Nesta república vivemos a nossa vidinha, que é
bem importante. Sem nós os homens não conseguiriam entender-se na terra.
— Todas as outras palavras dizem o mesmo — lembrou Emília.
— E nenhuma está exagerando — advertiu o Pronome Eu. — Todas somos por
igual importantes, porque somos por igual indispensáveis à expressão do
pensamento dos homens.
— E os seus companheiros, os outros Pronomes Pessoais?
— perguntou Emília.
— Estão lá dentro, jantando.
À mesa do refeitório achavam-se os Pronomes Tu, Ele, Nós, Vós, Eles, Ela e
Elas. Esses figurões eram servidos pelos Pronomes OBLÍQUOS, que tinham o
pescoço torto e lembravam corcundinhas. Os meninos viram lá o Me, o Mim, o
Migo, o Nos, o Nosco, o Te, o Ti, o Tigo, o Vos, o Vosco, o O, o A, o Lhe, o Se,
o Si e o Sigo — dezesseis Pronomes Oblíquos.
— Sim senhor! Que luxo de criadagem! — admirou-se Emília. — Cada
Pronome tem a seu serviço vários criadinhos oblíquos. . .
— E ainda há outros serviçais, os Pronomes de TRATAMENTO — disse Eu. —
Lá no quintal estão tomando sol os Pronomes Fulano, Sicrano, Você, Vossa
Senhoria, Vossa Excelência, Vossa Majestade e outros.
— E para que servem os Senhores Pronomes Pessoais? — perguntou a
menina.
— Nós — respondeu Eu — servimos para substituir os Nomes das pessoas.
Quando a Senhorita Narizinho diz Tu, referindo-se aqui a esta senhora boneca,
está substituindo o Nome Emília pelo Pronome Tu.
Os meninos notaram um fato muito interessante — a rivalidade entre o Tu e o
Você. O Pronome Você havia entrado do quintal e sentara-se à mesa com toda
a brutalidade, empurrando o pobre Pronome Tu do lugarzinho onde ele se
achava. Via-se que era um Pronome muito mais moço que Tu, e bastante cheio
de si. Tinha ares de dono da casa.
— Que há entre aqueles dois? — perguntou Narizinho. — Parece
que são inimigos. . .

com as suas respectivas esposas e parentes. — Vamos adiante. Nenhum. Outro. etc. Mesmo. Emília. Estoutro. dado aos reis unicamente. porque já no Brasil muito pouca gente emprega o Tu. baba-se de gosto porque está falando de si própria. eu tenho vida regalada. Para nós o Tu já está velho coroca. Está contente com a sua vidinha? — Muito — respondeu Eu. etc. Senhor Eu. Os meninos despediram-se do Pronome Eu para irem visitar os "coitados" da outra casa. O Tu lá se chamava Thou e foi vencido pelo You. . Aqueloutro. . Próprio. — Muito bem — disse Narizinho. Nós lá no sítio conversamos o dia inteiro e nunca temos ocasião de empregar um só Tu. pobre ou rico. — Apareceu como? Donde veio? — Veio vindo. etc. . que achava as palavras Meu e Minha as mais gostosas de quantas existem. Veja que cara triste o coitado tem. mais adiante os meninos encontraram os Pronomes INDEFINIDOS. . . Quando uma criatura humana diz Eu. . Depois passou a ser dado aos fidalgos e foi mudando de forma. Ficou uns tempos Vossemecê e depois passou a Vosmecê e finalmente como está hoje — Você. Eram eles: Algum. Seu. Mesma. rei ou vagabundo. — O meu velho irmão Tu anda muito aborrecido porque o tal Você apareceu e anda a atropelá-lo para lhe tomar o lugar. salvo na palavra Tatu. Uns pobres coitados. E mudando de assunto: — Diga-me uma coisa. Tal.— Sim — explicou o Pronome Eu. Vosso e Seus com as respectivas esposas e com os plurais. E parecia mesmo. . muito admirados da petulância e orgulho daquele pronominho tão curto. No andar em que vai. Nosso. agarrou o casalzinho e deu um beijo no nariz de cada uma. moram aqui na casa ao lado. Vejo alguns senhores muito conhecidos. porque represento todos os homens e todas as mulheres que existem. sendo pois tratado dum modo especial. Esse. muito familiares a todos do bandinho. dizendo: — Meus amores! Depois encontraram os Pronomes DEMONSTRATIVOS — Este. Na língua inglesa aconteceu uma coisa assim. ao passo que o pobre Tu parece estar sofrendo de reumatismo. . — Estou vendo — disse a menina. no tratamento familiar ou caseiro. — Ele é moço e petulante. De fato. Todo. . — Pois o tal Tu — disse Emília — o que deve fazer é ir arrumando a trouxa e pondo-se ao fresco. Própria. Teu. entrando a ser aplicado em vez do Tu. Na outra casa os meninos encontraram os Pronomes POSSESSIVOS — Meu. Aquela. — Como os homens são criaturas sumamente egoístas. Creio que não há palavra mais usada no mundo inteiro do que Eu. que não tirava os olhos de Você. No começo havia o tratamento Vossa Mercê. creio que acabará expulsando o Tu para o bairro das palavras arcaicas. que é uma espécie de Você empregada para todo mundo. seja grande ou pequeno. e os parentes eram Essoutro. As esposas eram Esta. — Parece que tem o presidente da República na barriga — comentou a boneca. Aquele. Essa. — E fora os Pronomes Pessoais não há outros? — Há sim — disse Eu —.

• Demonstrativos. os Pronomes INTERROGATIVOS. — Temos. dentre outros saberes. Ela era a boneca que mais trabalho dava aos Senhores Pronomes Interrogativos. Pouco.. relacionando-o à pessoa do discurso. atuam como indicação de pessoa. Vol. E os meninos viram lá os Interrogativos: Quê? Qual? Quanto? Quem? Emília gostou de conhecer aqueles Pronomes. Muito. São Paulo: . Pronome é a classe gramatical responsável por substituir ou acompanhar o substantivo. Ele/ Ela. Menos.. por fim. *** Como conta-nos Emília através da estória de Lobato. Recorde-as abaixo: • Singular → Eu. etc. Para proceder a análise morfológica você aprendeu. Qualquer. [. etc. • De Tratamento. • Relativos. e o rinoceronte continuou. que servem para indicar uma coisa que está para trás. . com as suas respectivas esposas e plurais. que há três pessoas gramaticais passíveis de flexão pelo grau. • Possessivos.] — Continue. Onde. Os Pronomes ramificam-se em: • Pessoais. Vários. Todos usam um Ponto de Interrogação no fim. Emília No País Da Gramática/ Aritmética Da Emília. com as suas respectivas formas femininas e os competentes plurais. Havia ainda os Pronomes RELATIVOS. Tu. Cujo. (Monteiro Lobato) LOBATO. Quem. para que a gente veja que são perguntativos. 6. O Qual. como o próprio nome diz. Eram eles: Que. seu emprego define o agente ativo e/ ou passivo da ação expressa. Editora Brasiliense. de modo a engrandecer ou limitar sua significação. PRONOMES PESSOAIS Os Pronomes Pessoais. Certo. Monteiro. — São umas palavrinhas muito boas. Quindim — pediu Emília. que a gente emprega a toda a hora — comentou Emília. que servem para fazer perguntas. • Indefinidos.Tanto. sem entretanto beijar o nariz de nenhuma. • Interrogativos.

o/a. si. não integram do sujeito. Observe a representação abaixo para compreender essa divisão. A pessoa com quem se fala. Essas pessoas associam-se aos pronomes pelo fato de poderem ser representadas por eles.: Os bicicleteiros se atropelaram na via mal sinalizada. si. Eles/ Elas. vos e se são conhecidos como Pronomes Reflexivos Recíprocos quando indicam uma ação desenvolvida entre os componentes do sujeito. [Se = Pronome Pessoal Oblíquo. corresponde a “um ao outro”] Essa classe de pronomes divide-se. te e vos são conhecidos como Pronomes Reflexivos quando indicam uma ação praticada pelo sujeito que reflete no próprio sujeito. obviamente. [Se = Pronome Pessoal Oblíquo. pode-se trocar um vocábulo pelo outro sem haver prejuízo de sentido. vos (Plural) Ele/ ela. os/ as. sua classificação depende. Ex. Vós. te. da função exercida na frase.: Mário se machucou a derrubar a pontuda faca.• Plural → Nós. me. ou seja. . Observe um quadro explicativo onde apresenta-se a função de cada pessoa gramatical e o pronome através do qual ela pode manifestar-se. • Pronomes Pessoais Oblíquos → Atuam como complemento na oração. mim (Singular) Nós. Quando isso ocorre o pronome empregado pode ser substituído pelas expressões “um ao outro” e “uns aos outros”. ou seja. nos. Pessoa Gramatical 1ª Pessoa 2ª Pessoa 3ª Pessoa Função Comunicativa A pessoa que fala. dividem-se em Pronomes Pessoais Retos e Pronomes Pessoais Oblíquos. 3ª Pessoa. lhe A pessoa a (Singular) respeito de quem Eles/ elas. ou seja. os Pronomes nos. Os Pronomes Pessoais Oblíquos me. • Pronomes Pessoais Retos → Atuam como sujeito na oração. se. que atinge a ambos. lhes se fala. Atente para o exemplo abaixo: Ex. (Plural) Os Pronomes Pessoais são bifuncionais. se. sendo os primeiros sem preposição e os segundos com preposição. em Átonos e Tônicos. 3ª Pessoa. Pronomes Correspondentes Eu. ti (Singular) Vós. significa “a si mesmo”] Por outro lado. ainda. Para tanto. pois podem ser empregados tanto como sujeito quanto como complemento na composição de uma frase. nos (Plural) Tu.

/ VV. elas Lembre-se que Preposição é a palavra invariável que liga dois termos. Reitores Vossa Magnificência Magas. sobre. Emª. apresentam-se geralmente na 2ª pessoa gramatical. Papa . Assim. eles. duques Vossa Eminência V. M.ª / V. / VV. sem. Revma. a. o. desde. vós. ou seja. trás. / V. Exas. A. MM.S. PRONOMES DE TRATAMENTO Abreviatura Pronome Emprego Sing. te. de. sendo demonstrativos de respeito ou reverência por parte do emissor da mensagem. / V. Altas autoridades (frequente em Vossa Senhoria V. Vossa Reverendíssima Sacerdotes Revmas. Tratamento Familiar Vossa Alteza V. ante. Exª.S. com. lhes Tônicos (Com Preposição) Mim. Magª. (universidades) Vossa Majestade V. Assim sendo. / V. entre. / V. sob. as. imperadores Apenas por Vossa Meritíssima Juízes de direito Extenso V.PRONOMES PESSOAIS Átonos (Sem Preposição) Singular Me. contra. Príncipes. após. São empregados em linguagem formal. por. são preposições essenciais: → A. AA. para. / Plural. si. são vocábulos empregados para nomear a pessoa quem se dirige no ato da fala. Reis. se.as. vos. ti. Você V. Emas Cardeais Vossa Excelência V. Altas autoridades V. lhe Plural Nos. ela Nós.S. si. em. até. correspondência comercial) Vossa Santidade V. PRONOMES DE TRATAMENTO Os Pronomes De Tratamento equivalem a pronomes pessoais. se. os. ele.

sua. 2ª. meus minhas. mas sempre acordam com o ser ou a coisa sobre a qual expressam posse. das pessoas gramaticais [1ª. • Isso. essas. • Aquele. Seu. sua.PRONOMES POSSESSIVOS Os Pronomes Possessivos são responsáveis por identificar posse. Nosso. PRONOMES DEMONSTRATIVOS Reconhecem-se como pronomes demonstrativos aqueles que indicam o posicionamento pelas pessoas gramaticais.: [Eu/ Tu] Nesta manhã encontrei em minha sala coisas tuas. aqueles. também. nossos. • Isto. Vosso. esta. aquela. • Aquilo. Observe: Variáveis • Este. essa. teus. Seu. • Esse. Observe esses pronomes na tabela abaixo. 3ª – singular/ plural]. aquelas. englobando contexto linguístico. minha. sobre algo ou alguém. vossas. Pronomes Pessoais Eu → Tu → Ele → Nós → Vós → Eles → PRONOMES POSSESSIVOS Meu. nossas. seja do emissor ou do receptor da mensagem. espaço e tempo. Observe alguns exemplos: Ex. seus. estes. esses. Invariáveis . vossos. Os Pronomes Demonstrativos podem ser variáveis ou invariáveis. suas. tua. vossa. tuas. suas. [Nós/ Vós] Nosso dever é manter vossa integridade. estas. o posicionamento da pessoa possuidora. [Eles] Garanto à família a entrega de seus bens. nossa. Ao flexionarem-se seguem. ou seja. Teu. seus. Concordância – Os pronomes possessivos flexionam-se em gênero e número. bem como sua correspondência para com os pronomes pessoais.

Observe agora o emprego dos Pronomes Demonstrativos como definição de contexto linguístico. impreciso ou indeterminado. • Nenhum (ns). a 3ª pessoa da classe gramatical. aquela dos grandes amores. ser dito adiante. esta.Indicam algo quealguma coisa posterior esses. São usados em alguma coisa aquela. receptor damuito anterior ao aquilo. paralelo aos distante do aqueles. Foi a perseverança. receptor da distante) em fala. é esta a maior virtude: perseverança. esta. Indicam tempo Indicam algo ou anterior ou Esse. momento da fala. momento da fala. relação à fala. estas.já foi ditopróxima ao (embora não isso. próxima aorelação ao isto. que salvou-lhe a vida. Invariáveis . alguma (s). Variáveis Invariáveis • Alguém.: Entre tantas. Os Pronomes Indefinidos podem ser variáveis ou invariáveis. estes. • Tudo. emissor e doIndicam tempo aquelas. PRONOME CONTEXTO LINGUÍSTICO ESPAÇO TEMPO Indicam algo ouIndicam tempo Este. • Ninguém. falante. essas. PRONOMES INDEFINIDOS Os Pronomes Indefinidos aplicam-se como meio para referenciar de modo vago. Encanta-me a Era Colonial. pronomes este. nenhuma (s). Observe alguns exemplos: Ex. toda (s). essa palavra longa. espaço e tempo. • Todo (s). essa. fala. estas. Observe: Variáveis • Algum (ns). Indicam algo aalguma coisapresente em estes. anteriormente. Indicam algo ou Aquele.

alguns. dentro de uma mesma frase. O homem magro. quem. questionamento. cujos. algumas assumem sentido afirmativo quando colocados antes do substantivo. os quais. a um termo anteriormente citado. cuja saúde escasseava. • Quanto. • Pouco (s). alguma. • Onde. • Quanta. Invariáveis • Que. evitando a repetição sem prejuízo de sentido. outra (s). • Algo. cujas.: Observei atentamente a igreja. • Cuja. Os pronomes algum. as quais. qual. se colocados depois do substantivo assumem sentido negativo. certa (s). • Quem. • Certo (s). quanto. • Cada. PRONOMES RELATIVOS Os Pronomes Relativos estabelecem referência. • Qualquer. Observe: Variáveis Masculinos Femininos • O qual. quantas. • Cujo. São Pronomes Interrogativos: Que. quaisquer. quanta. quanta (s). quais. Alguma erva brota nesta terra ressequida e carente de sombras. Observe alguns exemplos: Ex. quantos. PRONOMES INTERROGATIVOS Como o próprio nome sugere. muita (s). tanta (s). pouca (s). • Tanto (s). Era aquele o carro a que nos referimos na compra.: Erva alguma brota nesta terra ressequida e carente de sombras. • Muito (s). quantas. Observe alguns exemplos: Ex. os Pronomes Interrogativos atuam como elementos de dúvida. • Outrem.: Qual é o nome da rua aonde vamos? . quantos. • A qual. onde vivi minha infância. etc. os Pronomes Relativos podem ser variáveis ou invariáveis. Assim sendo. sorriu abertamente. • Quanto (s). • Nada.• Outro (s). Observe alguns exemplos: Ex. • Quem.

1992. 6ª edição. São Paulo. ROSA. Estrutura Da Língua Portuguesa. São Paulo. FERREIRA. 1998. 2006. Editora Vozes. 9ª edição. Maria Carlota. KOCH. Editora Cortez. FERREIRA. Editora FDT. Thereza Cochar. 2° Grau. Joaquim Mattoso Câmara. Ingedore Villaça. Emília et. São Paulo.MACAMBIRA. 2° Grau. Editora Cortez. Teoria e Exercícios. Maria Aparecida. Gramática.Quanto há para se gastar hoje? Vais entregar a relíquia a quem? Referências Bibliográficas AMARAL. Editora FTD. Português Estrutural. Editora Ática. Editora FTD. Flávia de Barros. José Rebouças. 15ª edição. 2005. Literatura. Texto.). São Paulo. 1998. Gramática Reflexiva. São Paulo. São Paulo. Aurélio Buarque de Holanda. . 1996. Editora Contexto. Anna Christina e Mussalim. Neuza Terezinha. SPADOTO. 2005. Miniaurélio Eletrônico versão 5. Novas Palavras. 2004. FARACO e MOURA. 4ª edição. Domínios E Fronteiras. Fernanda (org. CEREJA. JÚNIOR. Redação e Leitura.12. Gramática. Editora Atual. Positivo Informática: 2004. Linguística Aplicada Ao Português: Morfologia. Introdução À Morfologia. 2005. William Roberto e MAGALHÃES. Morfossintaxe. São Paulo. Introdução À Linguística. São Paulo. Rio de Janeiro. BENTES. Mauro. 2005. Gramática. Semântica E Interação. São Paulo. Editora Pioneira. Editora Parma. 1997. CARONE.al. São Paulo. PASCHOALIN. 37ª edição. Aprender E Praticar Gramática.