1199300916

: 1111111111111111111111111111111111111111

l~

ESCOLA

DE ADMINISTRAÇÃO
FUNDAÇÃO

DE EMPRESAS DE SÃO PAULO
DA
GETÚLIO VARGAS

"\

WILLIAM

UM SISTEMA DE APURAÇÃO
EM UMA EMPRESA

KERN

DE RESULTADO

INDUSTRIALIZADORA

GERENCIAL
DE SOJA

Dissertação apresentada ao Curso
de Pós-Graduação da EAESP/FGV.
Área
de Concentração: Administração Contábil/Financeira,
como
requisito para a obtenção do título de Mestre em Administração.
Orientador:

(

i

I

I

São Paulo
-1992-

-~

Prof. João C. Hopp

'-~---~--

'~.

FG V

-

,".--

-

F.~hdação GetU.liO Vargas

.:_
•.

,.,~ EmPr:e~

\_,

Eticola de Ad ministração
de S:ln P"lJlo

BIhtlntp"..~

;.-;
'\

~""7:::"\;.

~

'r~l

-.: .....:;.. ...•.-"

:~.1

À

Lilinha

e Rafa

AGRADECIMENTOS

Este trabalho não teria sido possível sem a colaboração de
família, sem dúvida, a grande sacrificada neste período.

minha

À Liliane, obrigado de coração. Pelo apoio, pelo conforto,
pelas
duras. Resta a certeza de que, sem você, não teria conseguido.
Ao Rafael,

razão de tudo.

Ao Prof.
importante

João
Carlos
Hopp,
pela
orientação
apoio nos momentos difíceis.

segura

Geld, pela oportunidade

A Timothy Carter pela inestimável
trabalho teria sido impossível.

pelo

ainda
imatura,
Espero
que o

A Rogério
Cajado, por ter investido numa idéia
dando-me
condições
de realizar
este trabalho.
esforço tenha valido a pena.
A Stephen

e

que me proporcionou.
prestatividade,

sem a qual este

A todos aqueles que, na empresa, me ajudaram a desenvolver
este
trabalho.
A stopiglia, Garibaldi, Caio, Wilson, Adernar, Geraldo
Magella e Nádia, meu muito obrigado.
A vitor José Fabiano,
acreditava.
A Rogério

que acreditou

Fava e Maurício

A Ana Elwing,

Montilha,

em mim quando

pela amizade

mesmo

eu

e apoio.

pela sua paciência.

À minha mãe e a meu irmão, com quem compartilhei
este
período.
obrigado por tudo.
Ao meu pai que, infelizmente,
comigo neste momento.
A Roberto Nunes
me inspira.
Àqueles

nem

não teve a oportunidade

Szente, que mesmo

que não acreditavam,

tão intensamente

longe e após tantos

pois consegui 1

de

estar

anos, ainda

..1 .. .2 ...•...5 .3 .. ...... 1 ..4 . 28 4.. INTRODUÇÃO 1... .Breve Histórico 3.. ....Produção de Soja 3. .ÍNDICE 1. .............3 ..Mot ivação 1.. de Soja 23 24 comerciais DE "COMMODITIES": DO COMPLEXO 20 24 SUA IMPORTÂNCIA NA COMERCIALIZAÇÃO SOJA 4.. .. ..Descrição 2.2 .. ....Práticas 4. ..Contabilidade Financeira 2..Processamento 3.. ..5 . ... 18 SOJA 3.Histórico 6 2................... .Cadeia Mercadológica 3..1 ......Crescimento "Commodities" e Organização do Mercado de ....4 ...A Obsolescência e Gerencial: dos sistemas Diferenças de Contabilidade Gerenciais 2..............Hedge 34 4. ..Base 38 ..2 - Escopo -.3 ..•....sistema 3.. 3 4 dos Capítulos GERENCIAL 1 PARA TOMADA DE DECISÃO 2.. ...Busca por Relevância 9 2....CONTABILIDADE '. ..1 .... ..... . .3 ...... . ...2 ... MERCADO 13 . 1.. . O COMPLEXO 14 Contábil Gerencial na Empresa 16 .. .... .....

Esmagador em São Paulo.Modelo Atual ao Modelo Contábil 87 Contábil da Empresa 92 Proposto 7.5.Esmagador em São Paulo 116 8.80 Contábeis 7.1 .5 .1 .2 .Grãos Disponíveis 56 para Negociação 5.4 . IMPLICAÇÕES .2 .3 .3.Decisão de Margem 59 6.1 .2 do "Trader" 64 Decisório do "Trader" 65 de Hedge 68 de Margem 70 CONTÁBEIS 7.Decisão de Hedge 58 5.Avaliação de Decisões 6. SISTEMA DE APOIO AO PROCESSO à Inflação.3 . Estoque 8.5.2 .Modelo GERENCIAL de Decisão 6.4 .2 .Decisão 6.Decisão 61 Passadas do Modelo 6.Esmagador em Chicago 109 8. A EMPRESA 5.sistema Contábil 7.Venda Física de Grãos 56 5.Compra Física de Grãos 54 5.Detalhamento 7.Ajustar os Valores 7.Modelos Gerais 76 das Medições contábeis . PROCESSO DECISÓRIO 6. Correntes DECISÓRIO 97 98 GERENCIAL 8.Receita de Vendas: Reconhecimento Medição Diferente e Momento de Zero 123 de 132 .5 .1 .2 .3 .1 .4 .Críticas 7.5.Objetivos 7 .3.Trabalhar 97 Históricos com Valores 8.3 .1 .

....8........8....Custo de capital de Giro 153 8.... 167 8... 163 pela Manutenção 8..1 .....•.•..Custos e Despesas 142 8....8.8 .......5 .... de "Hedge" 165 165 ...........2 .......3 .....•.7 .....• 161 ....8..8. 165 ...............•.... 166 ..Custo de Capital de Giro 8..........8.sistema de Resultado de Apuração de Resultado 8...4 ... SUMÁRIO de Base 178 ..Margem de Esmagamento 8......5 ...Ganhoj(Perda) .Resultado das Operações BIBLIOGRAFIA E CONCLUSÕES CONSULTADA ..Demais Contas 9.6 ...Apuração 158 8..

1. INTRODUÇÃO
Muito

se tem comentado

como

suporte

a respeito

ao processo

cenário

econômico

governo

têm

decisório.

e o excesso

concentrado

da inadequação

da contabilidade

As freqüentes

mudanças

de regulamentação

os esforços

dos

por

do

parte

contadores

em

do

outras

áreas que não a gestão do negócio.
Os

executivos

conseguem

se

tornam cada vez mais

entender,

refletidas

de forma simples,

nos demonstrativos

as operações

contábeis.

cada vez mais técnica e menos voltada
Esta

trata

monografia

para a gerência

apuração

de

resultado

adequada,

os pontos

críticos

não

de sua empresa

a

trazer

tema:

de forma

está

final.

da criação

do negócio,

quando

contabilidade

deste

através

que reflita,

A

ao usuário

exatamente

contabilidade

incrédulos

de um sistema

clara,

auxiliando

de

simples

e

sua condução.

1.1 - MOTIVAÇÃO
O tema da monografia
empresa

quando

surgiu a partir

da

adequadamente

seus

distintamente

com

necessidade
resultados.

os conceitos

gerencial,

os

elaborados,

não permitem

A operação

demonstrativos

soja demanda

safra

(fevereiro

ano.

A utilização

rotação

de

inviabilizando
isso

análise

de

Apesar
de

observada

entender
da

e

companhia

contabilidade

contábeis,
adequada

da

forma

estoque

distorce

qualquer

processo

1

e
são

como

o

de decisão.

da operação,

tais

utilização

da

ao longo

em uma operação

de tomada

do preço da matéria-prima,

trabalhar

na colheita

significativamente

específicas

explicar

da operação.

a compra de matéria-prima

do custo histórico

na

financeira

a junho) e sua venda e distribuição

particularidades

volatilidade

da inquietação

com

do

baixa

resultado,
Junte-se
como

a

alta

de mecanismos

de proteção
fixar,

de preços

realização

instigante

compra

de produtos

de vendas para entrega

desafio:

que reflita

("hedge"),

preparar

o processo

Qual é o resultado

um sistema

decisório

futura

com preço

e

de apuração

teremos
de

a
um

resultado

do negócio.

da companhia?

Como apurá-lo?
Quando
Como

reconhecê-lo?
valorizar

nominais

o

estoque:

valores

históricos

ou

correntes,

ou corrigidos?

Como registrar

o resultado

das operações

de "hedge"?

Como registrar

o custo de uma matéria-prima

que já foi

utilizada

mas ainda não faturada?
Qual

é

o ponto

crítico do negócio:

farelo

ou a comercialização

preços

de

compra

possibilitem

a manufatura

dos'produtos

óleo

e

- o estabelecimento

de grãos e de venda de

a cobertura

do

óleo

e

de

farelo

dos custos variáveis, fixos e a

do

que

apuração

de lucro?
Estas

são

algumas

perguntas

que tentaremos

responder

ao

longo

desta dissertação.
A

contabilidade,

atualmente
um

como

abordagem
medida
pode

.

tanto

fiscal

como uma obrigação

instrumento

útil

dificulta

a comunicação

tão diferente

valor·· adequado,

para

e

a

formal

tomada

de

entre gerentes

não entendem

presos
2

a

vistas

a cumprir

e não

decisão.

Esta

e contadores,

como o resultado

do que intuitivamente

os últimos,

são

gerencial,

na companhia

em que os primeiros
ser

quanto

entendem
conceitos

na

apurado
como

um

contábeis

confundem

tradicionais,
resultados

para

gestão

estudo das necessidades
dos

fatores

ao processo

criticos

demonstrativos
do negócio.

decisório

fins

fiscais

Procuraremos,

de informações
da operação,

para

através

dos gerentes

preparar

com

e da

do

análise

demonstrativos

úteis

gerencial.

1.2 -ESCOPO DA DISSERTAÇÃO
O objetivo

de nosso trabalho

de resultado
na apuração
negócio,

em urna empresa
de resultado,

decisório

Procuraremos

aplicar

relevantes

devido

de esmagamento

da operação

da gerência

na prática

para o processo

utilizados

às

um sistema

os fatores

criticos

de comercialização

do

de soja

da companhia.

conceitos

decisório

restrições

de apuração

de soja que considere,

primordialmente

as peculiaridades

e o processo

é desenvolver

contábeis

que

mas que não são
impostas

pela

julgamos

normalmente
contabilidade

tradicional.
Desenvolveremos,
empirica,

portanto,

de

análise

teórico-

a

correspondência

entre

teorias

na área contábil

e um caso real.

estabelecendo

desenvolvidas
Consideraremos
aquelas

que as informações

definidas

é nossa intenção

pelos usuários

relatórios

objetivando
acionistas

relevantes

por qualquer

emitidos

atender

para o sistema

nesta empresa

criar um modelo genérico

indiscriminadamente
Os

uma dissertação

empresa

que possa

3

ser utilizado

internamente

fiscal nem prover

e a terceiros.

Não

do setor.

serão apenas utilizados

a legislação

em particular.

são

informações

não
a

de grãos e as decisões No sexto capítulo. tanto no Brasil quanto soja. procuraremos desenvolvido e o conceito adaptar um modelo para uma comercializadora também as decisões de decisório de trigo "hedge" ao e de pelo "trader". Definiremos . da predominância um breve histórico no cenário mundial. capítulo. do do negócio suas falhas proposta de um novo modelo contábil. Detalharemos margem tomadas No sétimo processo refletidas sobre aspectos os mecanismos de base. No quarto capítulo. mercadológica a sobre a contabilidade dos demonstrativos capítulo. histórico perda de relevância comentando de e risco futuro do como um sua evolução nosso e trabalho: o \ "- conceito de "hedge". . críticas por Sterling nosso caso. decisório: pelos avaliaremos as implicações como as informações demonstrativos críticas tradicionais.1.DESCRIÇÃO Iniciaremos DOS CAPÍTULOS trabalho nosso contabilidade gerencial desenvolvimento contabilidade No mercado soja. os conceitos mais Em seguida. esmagador e ressaltaremos mecanismo de proteção. No quinto empresa suas limitações capítulo.3 . ~ sendo\ o principal objetivo das medições contábeis 4 contábeis o lucro são e a como e mostramos a . comentaremos até o futuro. operacionais de da comercialização do negócio. financeira terceiro importância a para a tomada de decisão. ligados ao a cadeia esmagamento do mercado o mercado importantes e da evolução os fatores a importância descrevemos o da gerencial no desde o plantio produção Mostraremos contábeis. discorreremos que estamos estudando. de importância da contabilidade. Comentaremos a do e sua exterior. daremos da de óleo e farelo.

e produtor esmagador e critério de e desenvolvemos de g+egoriano apuração apuração e apontaremos de atribuir capital de giro considerando a um custo preferência de de uma ao de da empresa. resultado capitulo Escolhido critério contábil de um critério a um resumo de nosso maior relevância frente ao sistema contábil 5 do trabalho sistema tradicional. Questionaremos de receita utilização de manutenção um sistema bem como os aspectos situados realização de a empregar os aspectos desenvolvendo chicago. resultado de valores de acordo risco-retorno da gerência concluiremos apuração de levantados no um o per iodo uma maneira da empresa. de capital. operacionais para capital escolheremos conceituais posteriormente propondo investimento No e o modelo para um esmagador Questionaremos nova proposta. definiremos modelo No o oitavo em anterior. produtor de medição desenvolveremos considerando Iniciaremos o critério de manutenção que mais se adequa às necessidades capitulo. de uma nova abordagem estimados o da empresa. a evoluindo resultado. apresentaremos demostrando proposto o com o calendário em apuração de custos para a também Desenvolvemos nono capitulo. em São Paulo. e de .importância da definição para sua apuração.

of 6 de aço formadas de . H Thomas e Kaplan. Johnson.. Robert S. que ganhos poderiam obtenção mais O sucesso ser obtidos hierarquizadas.1 HISTÓRICO: Há quinhentos um sistema sistema é. CONTABILIDADE GERENCIAL PARA TOMADA DE DECISÃO Como esta monografia com o processo mostrar a busca em essência decisório o desenvolvimento perda de companhias. o valor pago principalmente As da através facilmente do caixa obtido na venda versus de orientação proprietário/empresário e não haviam eram a base para por informações recente. Management Accounting. Jan 1987. Fra Lucca pacioli de partidas contábil entretanto. temporariamente de fatores existente. 2. e das empresas a Exemplo eficiente de empresas através clássico no do é meio do 1.1 indivíduos medidas dobradas. histórico relevância empresa integrar o modelo nada mais oportuno da contabilidade como suporte aos objeto deste trabalho é contábil do que gerencial executivos apenas e das um caso deste processo. dando uma nova que não eram parte da organização. ao gerenciais quase todas as e Os empregados níveis eram de gerência. descreveu pelos mão-de-obra e materiais. anos atrás. sua A particular gerencial.2. A partir ganhos a da através contratação Revolução Industrial de economias de escala e tornou-se de mão-de-obra "gerenciadas" revelou gerenciamento de organizações o caso das ferrovias foi possível permanente. "The Rise and FalI Management Accounting". eram transações contratados A demanda Antes do século feitas entre o sucesso confrontação 19 entrada obtidas na produção.

Desta era mais eficiente comenta contabilidade registro quem gerenciar necessidade e avaliar para apoiar contábeis. contabilidade um de lucro hierarquizadas Revolução de larga escala ênfase na contabilidade administrativamente da que a contabilidade que gerenciar unidade de negócios maior As empresas principalmente das relaç6es forma. medidas gerência as atividades contínuas "antes a de mão-de-obra Estas final. das outros relaç6es negócios. Harvard Business School.. dispersa com a companhia. apud Johnson.. no mercado. 1987. Scott D. Relevance Lost The Rise and FalI of Management Accounting. pela qual em produto através de transações Scott D. 21-22.R. neste momento. contábeis gerencial. 7 . gerou a a eficiência produtivo.. A internalização uma nova demanda do processo criar medidas que sumariassem e eram convertidos materiais também eram utilizadas supervisionava gerencial vários para processos conversão externas que era de uma das operações determinadas produtivas sobre o uso de registros companhias necessários com de a Industrial. Surge. foi desenvolvida empresários. p. com o advento surgiu como trouxeram sistemas coordenar a necessidade dentro maneira grandes de da unidade de e controlar conversão e de sumariadas de desempenho de distribuição uma contribuiç6es gerência as e atividades prover à eram eficazes contábeis eficientemente de em grandes processos registro com interesse logística. H. 2. Robert S. produtivo para motivar o processo de informaç6es de medidas descentralizada e áreas geográficas. Boston. The Cultural Significance of Accounts.Thomas and Kaplan.~ress..R.2 ferroviárias para de no mercado. um Mas.século.

A partir um registrasse e Guerra o de existir gerencial financeiros financiar na obtenção proprietários após a primeira esta forma. então a companhia alternativo. os a aumenta mercado captar demonstraram a ter um maior interesse bem definidos Os contábeis eram tributários. em um único produto gerencial na atividade financeiros que seria lucrativa recebimentos perder desenhadas era bem feita. quando as empresas sua demonstrativos financeiro. de processos atividade de contabilidade sistema eram em medir o lucro total da companhia. Johnson auditados. Segundo Johnson e Kaplan3 de quando. chave da companhia. Relevance de e instituíram E como confiança a os nos independentes estabelecer procedimentos corporativos. 8 dos auditores financeiros para valorização de recursos exigências independentes. relatórios contábeis necessitaram expansão. as de informações sempre do da passam Mundial. investidores aumentaram a demanda necessidade de as auditorias investidores criar externos demonstrativos passaram para demonstrativos procedimentos 3. estoques Lost. p. apenas sistema gerencial adotados pelos . empresa. no feita: final.129. Poderia transações. em e Kaplan. e os demonstrativos a estar credores e de órgãos para Desta produzisse de órgãos regulamentadores mercado Se podia que capitais.As medidas motivar da contabilidade e avaliar preocupação tinham a eficiência uma conversão de atividade básica certa que de eficiência matéria-prima e periódicos em para os separadamente. que e corporações bem foi importante Mas estes dois sistemas. por parte de 1900. despesas relevância deveria a longo baseado operados a internos. demanda ser para Havia pouca As prazo.

155. p. 2. seus sua do custo do produto seu deveriam por certamente. studies in Economics Johnson e Kaplan.2 BUSCA POR RELEVÂNCIA Clark.1I4 4. em interessados montantes que que na do que estoques objetivos. a utilização e problemas devem haver estudos parte livros e não devem ser limitados padrões é dos vários atendê-las. dos a e análises relevância "Não há governada negócios. Clark.auditores independentes contabilidade de gerencial. que na (b) para com obter controlar as aumento de geravam resultados. se esta na época. em "diferentes utilização necessidades. 9 of Overhead Costs. manufatura dois através atividades (a) avaliar de a contabilidade oportunidades seus próprios internas profundo efeito um Antes de tais procedimentos. haviam desenvolvido propósitos: ganhos tiveram e os processos as empresas de custos internas recursos. apud . Os auditores.Maurice. situações vez propósitos". para vez. relevância pelo impacto ser auditáveis No estavam menos para decisões gerenciais Insistiam no lucro informado. eram e conservadores. de custo para atender Certamente propósitos alternativa os gerentes poderiam gerenciais não necessitavam a contadores ter mantido viável financeiros sistemas e para relatórios fosse economicamente desenhar e separados externos. Relevance Lost. J. custos de apresenta para pela primeira diferentes custos correta. valorizados princípio. 1923. de custos que não por nenhum de de uma pelas Para são seus de procedimento. sistemas auditores.

relevante distinguir para o tomador 5. Lost. A livro flexibilidade importância necessitar"/ base seu . on Cost".ibi~~. Managerial Kaplan/ Relevance Lost. 10 e Accounting. Para os certa ." do tempo: "Para deve estar disponível não se limitando claramente Ressalta. apud Johnson 6. Vatter conceitos os Accounting/6 Managerial enfatizando/ de dados financeiros oposição contabilidade à dados gerencial/ gerência/ uso que Por esta procedimentos sob o devem ser tomadas Vatter7 emissão o dos gerente demonstrativos de externo contabilidade. gerencial..160 .Em 1930/ um grupo de economistas reforça a proposição relevantes a utilização decisões particulares financeiros.. Id.160.E.. p. Essays razão para ponto de em de se vista propósitos com· o classificar sobre nos financeira gerencial. Há quase tantas maneiras dados de custo quanto eles. Vatter.S. da informação financeiros. 1950/ na contabilidade os dados financeiros custos ainda de forma experimental. gerencial gerencial do deve no de a uso ser de decisão. Kaplan. William J. a informação necessidade da haver a no que podem ser levantadas estas partes reconhecia a contra devem ser relacionados a uma dada decisão gerenciais/ que deve para colocar também propósitos há questões razão que são relevantes tempo " A única se faz deles. "L.156.5 dos livros contábeis/ de Clark a utilização da e de dados de custos oriundos adota Business de Clark na ênfase da computação dos demonstrativos obter da "London p. o uso informação data à também. de um negócio/ é que decisões de argumentam em financeira: financeiros SChool.. p.. apud Relevance Johnson e . 7.

com a relevância". As a atividades disponíveis possuem contábeis utilizam ser tomadas prontamente sejam ou inconclusos. Prentice Hall. precisão de extrema em qualquer contadores ou seja. desejável a são contábil é válido para a gerência mas porque as levanta. Horngren. Departamentos relatórios lucro ou a posição gerenciais irrelevantes precisão conceitual precisos. sUb-objetivo importância "Idealmente relevantes Entretanto. de decisão. Introduction to Management Englewood Cliffs. dados para planejamento da os dados contábeis (pertinentes. 1978. 11 do não porque desempenho levantamento encontrar Accounting. . p. são necessárias. questões.. decisões futuras. inteligente básica estão muito preocupados quando com referência sistema planejado Alguns ser tomadas quando ser feitas gerenciais é importância.Já Horngren relevância devem acrescenta e precisão.8 preocupam-se para a a orientação são de uso gerencial tomada que entre gerenciais e e Mas relevância Mesmo e freqüentemente distinção válidos) podem ser precisos relevantes. 3. exageradamente apenas prover medir devem devem mesmo devem que incompletos Também o responde os ou para seja a sempre é realmente um para obtenção de gerentes ressaltam que no que diz respeito somente porque históricos financeira dados de com uma de a a estes têm registros transações. gerencial. cada desvio ocorre Do possibilita 8. Charles T. ser os imprecisos porém contabilidade números muitos precisão e pouco "Registros para a abordagem e controle. alguma quando para para decisões conseqüência. inverteram e relevância. decisão esta base negócios ao final de ano. dados do porquê que levantam Desvios questões.

e também o custo de decisão.A... p. Manaqerial Accounting.9 a fazer um trabalho melhor gerência Mas. surge uma nova abordagem conteúdo e Informação" contábil da o valor enfatiza econômico e a demanda os sistemas em pesquisa "Economia abordou gerentes..173. de alcançar conclui: e os objetivos "Contabilidade não deve ser pensada para como tal. p.. Feltham..162. Relevance Lost.10 No final dos anos 60.. Id. o que de decisão aos tomadores por em um nível formal de como a informação e recompensas o de informação. 10.melhores maneiras Vatter ainda gerência.11 Informação" de sistemas verdadeiros" de da deve analisar de como sistemas Informação" A demanda pelos tomadores contábeis fundamental Ela da derivação de sistemas de informação da escolha a é o termo dado à pesquisa "Economia A contábeis. p. pretendeu modelo da informação vista gerenciais o assunto não tentando ou "Economia o contábil. apud Johnson e Kaplan. 12 . um decisões . G. gerencial não é contabilidade e pode ajudar do que poderia ser feito a sem ela. ibid. de sua utilidade Informação' virmos dos sistemas para dos da informação afetar opiniões. Relevance Lost. a necessidade Ao invés disto. 11. Vatter. Se então a disciplina como seu status entender derivar dos tomadores de suprir estas informações 9.ser contábeis alcançou por analisar de decisão: "'Economia que analisa impacto alternativos. "FinanciaI Accounting Research Contribution of Infbrmation Economics and Agency Theory" apud Johnson e Kaplan. de são a "custos informações o valor vai atacar fundamental. ..161-162. pode ser feita para servir ao controle gerência da companhia.

p.. p..12 principal 2.3 CONTABILIDADE custo- é bom ou quão na seja inquestionável. filosofia que qualquer invés disso. que. 1982. ou as tomadas na DIFERENÇAS mais detidamente informação reside sob de informações da 13. p. a contabilidade de decisão um enfoque mais que será comunicada decisão o comportamento de diferentes foi reais.. extremamente Não abordagem do custo benefício notado por quem desenvolve explorar comportamental efeitos comportamentais E GERENCIAL: premissas tanto O foi o de elevar a importante a ser gerenciais. Richard D.ed. 13 Theory. Homewood..2. Hendricksen.173. Accounting Irwing. Horngren. frente a informação ou possa da Informação" simples relatórios e maluco problema da Informação" sistemas FINANCEIRA o foi descritivamente aspecto ruim. Johnson traga aplicada como um assunto relevância "enfatiza baseadas voltado aos no seu os nos para tomadores indivíduos ou a de grupos contábil... segundo Hendricksen. sob "a benefíció: estabelecer Ao este enfoque. método de parecer primeira Embora conceito o aplicação..14 a contabilidade 12.. Lost.. 13 normativamente se que qualquer (não importando Até hoje. Eldon S. a abordagem somente relação custo-benefício estabelece vista) incrementais a sistema de contabilidade a filosofia benefícios aplicada de contabilização à também enfatiza Introduction e Kaplan. áreas 6. 4. 14. .Horngren. da empresa to Management Relevance como se fosse duas Accounting. quanto o é desejável restritivas. sistema medida da "Economia em casos extremamente impacto da "Economia É nossa intenção a recusa em excesso aos seus custos. que a organizações tem Abordaremos e ainda contábeis .

. p. os terceiros e a tem o direito acordo geralmente aceitos. princípios julgue ou não com algum padrão de a "proporcionar e a acumulação.. dos sistemas Introduction foram dos computadores contábeis não ocorreu to Managernent Accounting. para . pouco Auxiliou quando apenas das partindo o não a mesmas custo do era elevado. pela alta regras próprias conformarem procedimentos velhos utilizadas e Kaplan." contabilidade básica informação que organizacionais com auxilia necessidades.ib i.4 A OBSOLESCÊNCIA convenções como acionistas. 17. que Segundo alterados trouxe classificação implícita a mais para automatização premissas os sistemas 15. os executivos e Kaplan17 Johnson acordo (contabilidade sem se preocupar 2.7. mudanças de "tem outras com o fato de elas se desde os anos 30.objetivos com contabilidade gerencial. Johnson objetivos suas contábeis conceituais. . definições gerência. Mesmo a chegada grandes contábeis os quaisquer úteis seja e interpretação atingir as Os recebida ou explicitamente pode elaborar com tradicionais.d.. da informação A obsolescência da DOS SISTEMAS DE CONTABILIDADE GERENCIAIS: simplificadoras processamento como externo. Id. 14 da noite p. externa15 contabilidade informação outros distintos: técnicas.183. Horngren. interna). 16.16 A administração e as Horngren de esperar que a informação gerencial preocupação por governamentais e e financeira vista terceiros regulamentos de A A primeira. agências preparada contabilidade tem o objetivo primário financeira credores a Relevance Lost. revelados definições de banqueiros.

muitas organizações para gerar seus relatórios Se os sistemas em prover de produtos. falência. de dos numa época pela complexa importante primeiramente é são inibidas às bases. inibiu o ajuste à realidade dinâmico do dos ambiente contemporâneo. hoje n~o mais atendem e Kaplan especulam tanto na educação sistemas que a dominância de sua criação esta necessidade. contábeis quando gerenciais financeira. que deve ser buscado controle. há 60 anos atrás. ou difícil. não excelentes para o para esboçar funções estas para sistemas 15 a grande. e é Ao o que é necessária muita deveríamos si sistemas lucidez da área contábil. gerenciar suas grandes sistemas de levarão contabilidade as asseguram companhias ou sobrevivência Johnson e Kaplan profissionais de tecnologia corrente. Nem existe e as possibilidades A informação com precedentes. Embora funcionassem adequadamente. e acadêmicos oportunidades de processo dos executivos o sucesso. de só. perguntar o informações consistentes que que planejamento satisfazer a prática organização. Tudo faz externos. Apesar do enorme aumento nas capacidades informação. gerencial sinais úteis para a medição rentabilidade processamento ainda utilizam financeiros da contabilidade de de e um relatórios com a .o dia. Mas eles certamente declínio falham diminuirá. colocam sem sênior e das organizações. Johnson da contabilidade quanto na prática. gerencial à sistema das organizações da eficiência a habilidade corporações um único da e gerenciais. as desafio " Estamos é o retorno para o A necessidade invés de tentar extrair desenvolvido por podem contribuir tarefa não é particularmente sentido sistema fracos.

2. 19. GERENCIAL que estamos contábeis esta decisão na mão dos contadores". companhia. não guardam da empresa.. deixadas decisões informacional sistemas na guerra para os generais.5 SISTEMA CONTÁBIL A empresa sistemas contabilidades conceitos não atrelados processo sendo Os números operação trabalhe a gerencial uma formalidade de real teremos Isto franquia "Assim gerenciais.tecnologia estrutura Para da atualmente. como um sistema para satisfazer está exclusiva desenvolvido errado. Great . March-April 16 The 1976. para serem importante para sofisticado de à contabilidade gestão do a oportunidade a segunda Como negócio. Harvard F. ibid. não devem são muito ser deixada tem produto e processado Contadores para desenvolver muitas requer de o sistema de contabilidade a necessidade claramente como sua estratégia organizacional. a atualmente contábeis utilizados obtidos ter é muito é contadores importantes sofisticados os demonstrativos preencher conforme o gerencial por atua num mercado companhia fortemente com conseqüência. p. processo apenas central decisório uma relação sua de demonstrar duas com são utilizados dificultando e tradicional. Id. da da razoável com interpretação. a distintas. junto à administração no que informações e a financeira.. gerência. Visando atender a este obj7tivo. Richard Controversy" . incompatíveis a sua NA EMPRESA estudando igualmente Embora controle. Vancil.261. "Inflation Accounting Business Review. ao longo deste trabalho."18 muitos visto organização..19 para e dos contadores. iniciaremos mostrando de forma 18.

maneira pela demonstrativos se insere. a relação da empresa qual suas operações contábeis 17 seus mecanismos com este mercado são refletidas e a nos .genérica de o mercado no qual a companhia comercialização.

Kaufman. 10.3. início pode extração em 1712 e nos dos anos vegetais. ibid . 1 civilização da indústria estar relacionado como sendo um dos de Unidos farinha preparação e a diminuição constitui de rações. 18 promovido a Commodity. face à Este atrativo crise começou na possibilitou a se oferta valorizar mundial de a disseminação da em outros países. John Sons.a e uma base forte para o desenvolvimento entãoi significativamente. perry J. no no século XVIII industrialmente de soja que se adaptassem plantada sagrados desenvolvimento da soja na Europa a ser processada Unidos americanos. O COMPLEXO 3.1 BREVE o SOJA HISTÓRICO grão de soja teve sua origem no norte da China e em escritos 2828 AC foi essenciais descrito para comercial a do xx. internacional 70. cap..2 Unidos A soja começou O de soja iniciou-se óleo de soja e a introdução Estados cinco chinesa. Handbook of Future Market FinanciaI. Stock Index and Options..30 p. grande impulso veio em 1973. tipos formando Desde tendo-se preço da soja no mercado proteínas cultura O a dos Estados Unidos. cereais da pesca da anchova o principal forçou de os componente grandes no Peru. Id.000 variedades Estados grãos em 1804. Wiley and . O com dois grandes desenvolvimentos Perto de 1937. protêico para consumidores 1.3. 2. New York. haviam apenas no sido trazidas século para os às condições produção tornado de clima e de americana a de subido tem terceira solo área maior atrás apenas do trigo e milho.. O embargo pelos Estados cuja . 1984.

19 . governamental agricultor investimento em terras nitrogênio na terra. de auto-suficiência na produção de trigo. tornando-a 3. disso. a soja fixa mais fértil para a cultura O do trigo. com o mesmo e no abriram-se o Brasil. trabalho interno de Metalúrgica Matarazzo S. cultivo sucessivo com o obtém duas safras por ano. Mauro A.diversificar portas suas fontes para a entrada dentre os quais.A. podemos.. Estudo Exploratório do Mercado de Óleo de Soja no Brasil. Programas de crédito participação 6. Mercado Assim Além trigo. lev~u o Brasil a tornar-se atrás apenas dos Estados o Unidos. ver no quadro da safra brasileira corresponde americana. de comercialização da entre-safra destes maior produtor agrícola fatores mundial. no Brasil devido a uma dentre os quais destacamos: em expansão. não publicado. Malheiros. A cultura de suprimento. Facilidade do rapidamente máquinas.3 interno 2. 1989. de soja expandiu-se 1. segundo conforme abaixo: 3. Política mercado as mundial. de outros produtores série de fatores favoráveis. p. 5. O período ao período O conjunto à produção e comercialização com ativa das cooperativas.4. 4. Cultura mais mecanizado modernizada e com com sistema de apoio e cultivo acompanhamento totalmente pesquisas de tecnológicas.

5 1.0 102.0 1.0 ----103.0 ----107.5 10.8 10.1 8. da pelo soja Indústrias governo transformou-se nacionais adaptaram-se principalmente no voltadas à nova cultura multinacionais. tendo soja um Podemos pela Esta sua ecossistema observar.6 52.5 17.4 20. 3. a industrialização numa atividade altamente ao esmagamento de outras oleaginosas e adotados surgiram novas aproveitando rentável.0 9. o novo mercado.8 11.3 90/91(*) ----- 91/92 ----- (**) 49.0 Fonte: Counselor and Attache Reports. na sul e centro-oeste no da soja.0 52.8 42.6 10.8 1. 4.5 10.2 CADEIA MERCADOLÓGICA A soja foi inicialmente mais recentemente cultivada se alastrado mostrou propícia topografia e adequados estável boa infra-estrutura região tabela cultivo se e abaixo.2 6. USDA Estimates Data: Setembro 1991 (pag. Européia Paraguai Outros Total 87/88 ----- 88/89 89/90 ----- ----- 52. 6 1.13) (*) estimativa preliminar (**) estimativa efetuada em setembroj91 à Face início política dos fiscal e a subsídios anos 70.2 2. empresas.8 ----95. de mecanização.6 10. solos a predominância no sul e sudeste para a região plantação à à centro-oeste.5 11.9 ----- ----- 103. Malheiros.8 Mauro.8 1.6 8.PRODUÇÃO MUNDIAL DE GRÃo DE SOJA (Milhões de Toneladas) Estados Unidos Brasil Argentina China Com. O 2.3 9.2 23.7 1. p.7 12.3 10.8 1.4 das regiões do país. Official Statistics.8 10. Brasil.7 18.3 15.2 1. Estudo Exploratório 20 de Mercado de Óleo no . de apoio.

o óleo e o farelo. Os fatores que influenciam regiões nominal sua cultura produtoras. de grão fornece 805 kg de farelo e 185 kg de 21 sim óleo.3 6.4 ----11.2 0.1 1.EVOLUÇÃO DA ÁREA PLANTADA (Milhares de hectares) 87/88 ----- 6.6 2. esmagadoras e sua conversão a segunda maior atrás apenas da cultura com os esmagadores.5 milhões de com que possuem são responsáveis são o mercado de safra do milho. na Normalmente. As unidades 83.3 ----9. há uma capacidade de toneladas/ano 35%.8% produzidas. Este aspecto de compra e os portos do país. Vale ressaltar de 17.7 Total 88/89 ----- 89/90 ----- 90/91 ----- 91/92 6.7 5. em óleo e farelo.3 Sul Centro-Oeste Sudeste Outros ----- 10.1 3. encontra-se também enfatiza uma a necessidade da safra do produtor nas a capacidade instalada para uma safra ou seja. de 1992 capacidade de por parte da uma boa indústria de esmagamento.4 1. em toneladas brasileira Os de 1991 de grãos.0 3.2 ----9.3 3.CONAB Ministério de Agricultura e Reforma Agrária Data: A Dezembro soja é hoje.0 0.0 0. produtores diretamente próximos comercializam às fazendas localização da capacidade Sul e Sudeste ociosa na indústria prevista ociosa de estratégia cooperativas escritórios ou de compra pelo recebimento consumidor esmagamento de esmagamento: 27 milhões nominal de da soja de toneladas.2 0. A soja forma uma não é comumente de seus produtos tonelada utilizada na forma de grão. 6 5.9 1.5 ----12. sua exportação. mas finais.7 1. .9 0.4 ----- Fonte: Boletim de Previsão e Acompanhamento de Safras Companhia Nacional de Abastecimento .5 4.1 0.

2 4.4 27% 19% 13% 15% 7% 5% 5% 3% 3% 3% 1% ----100% Counselor and Attache Reports.5 ------58.9) 22 FARELOS .8 3.6 1.8 6.7 ------119. Official Statistics. Official Statistics.8 3. o óleo de soja domina o mercado mundial de óleos comestíveis como o farelo de soja domina o mercado como podemos ver nos quadros SUPRIMENTO MUNDIAL de Total Fonte: Data: DOS PRINCIPAIS ÓLEOS· VEGETAIS (Milhões de Toneladas) ----- 15.6 1.10) Grão de Soja Caroço de Algodão "Rapeseed" Semente de Girassol Peixe Amendoim "Copra" "Linseed" "Palm Kernel" Fonte: Data: ~ MARINHOS % ------- SUPRIMENTO MUNDIAL (Milhões de Toneladas) Total protêicos. abaixo: 90/91 Grão de Soja Palma Semente de Girassol "Rapeseed" Caroço de Algodão Amendoim Coco Oliva Peixe "Palm Kernel" "Linseed" alimentos bem DOS PRINCIPAIS ~o 90/91 ------- ----- 68.7 1.8 12.8 8. O 7. USDA Estimates Setembro 1991 (pag.7 1.3 14.9 1.7 8. USDA Estimates Setembro 1991 (pag.0 1.5 0.3 2.9 57% 10% 12% 8% 6% 4% 1% 1% 1% ----100% Counselor and Attache Reports.sendo o restante perdido no processo.6 11.

seca. p. CONAB. p. united States Department of Agriculture. CONAB. localização centro-sul boa O rendimento da Grosso até a Dois.546 kg/ha. 12% é de óleo é consumida (70% maior exportador de grãos.6 óleo farelo. A planta soja em vagens tem um sistema 1.22.7 mundial de três a cinco. September 1991. três ou mais grãos podem desenvolver-se aproximadamente Mato de (base de farelo. Situation and Out160k. Id. por vários e tempo.Do total 90/91) da produção e nacional o restante utilizado Grande parte dá produção base 90/91) parte epquanto exportada 3. obteve arenoso Em 1990/91.. Ministério da Agricultura Reforma Agrária. Dezembro de 1991..14.370 kg/ha.3 PRODUÇÃO A planta que a produção base 90/91). 8. Boletim Previsão g Acompanhamento de Safras.8 O plantio e a é normalmente colheita feito entre os meses de outubro entre os meses de fevereiro e junho. 23. soja. A na produção exportado de soja é um legume que cresce usualmente da cintura. Brasília. da região foi de 1. e janeiro Define-se 5. 7. do país tipo média estado com de 2. Oilseed p. Boletim de Previsão g Acompanhamento 23 World de Safras.5 e internamente de farelo é O Brasil na é (79% sua maior atualmente o DE SOJA A soja desenvolve-se cada vagem. ibid. de e 6. Companhia Nacional de Abastecimento. .21. por resistência que à também da plantação varia incluindo o a produtividade sendo que o a maior produtividade em é fatores.5 metros. cresce melhor adequado para algodão bastante e é influenciado que crescem altura em cachos de raízes que se estende dando à planta em terreno e milho. p.

4 PROCESSAMENTO DA SOJA o grão de soja contém 38 a 45% de proteína. entre são hidráulica."ano-safra" período como sendo o período compreendido entre as colheitas. de grãos Os o componente é então evaporado. e solvente maioria do por solvente. a é feito pelo método de extração eficiente que os métodos resíduo. após a extração o solvente ser utilizados oleaginoso e e cozidos em flocos. O solvente O esmagamento. de forma As cascas limpeza proteína através é primeiramente secagem. pedaços transformados um o por solvente. grão o são limpeza então podem deixando que permanece a evaporar e dentro de grão de que foram removidas do o óleo de soja cru. normalmente entre 18 a 22% de óleo e O processamento do grão-consiste este óleo e farelo do grão de soja. deixando que os métodos mecânicos em separar diferentes grãos: Atualmente. mais apenas deixam 1% do óleo no algo em torno de 4 a 15%. solvente no Brasil. e 31 de janeiro do o ano seguinte. farelo com solvente.5 PRÁTICAS COMERCIAIS A disponibilidade complexo soja de contratos futuros nas três provê uma grande variedade 24 de "commodities" do oportunidades de . entre 1 de fevereiro ou seja. que por sua vez são colocados soja. No processo preparado quebra de extração para em solvente. 3. 3. cozido de menores. Quatro métodos utilizados pressão para em processamento parafuso pré-pressionado. enquanto mecânicos. do óleo. que dissolve farelo. processamento dos pressão (expelidor contínuo). é apenas o permanecer anteriormente para ajustar a do farelo de acordo com as especificações no processo quantidade do de comprador.

flexibilidade cada uma provendo e cada uma tendo diferentes produtor pode fixar o seu preço no momento soja ao esmagador mais apropriada outras produção forma o fazendeiro diferentes graus de da venda. é então um importante rentabilidade retorno econômico da cadeia mercadológica processamento. O de exemplo abaixo esmagamento. obtido pelo processador ("Crush Margin") é uma medida Ela mede a extensão na venda de produtos o custo de comprar o grão de soja e convertê-lo na qual cobre em óleo da o (ou e farelo. Sob o ponto de vista do mercado. e outros que manipulam a soja e seus produtos. PARA O ESMAGADOR o processamento porque a soja adquirir seu processamento procura A margem da soja é o ponto crucial deve ser convertida . O entregar a uma no mercado época futuro e mais."hedging" é uma aos participantes parte do mercado físico. de os insumos de e tem degraus risco. ilustra simplificadamente Neste gênero de cálculo 25 um cálculo o preço do da margem farelo por . "hedging" muitos fazendeiros. de processadores De fato. sem a fixação do preço aguardando para a venda. exportadores. integral das negociações armazenadores. transacionar alternativas de grãos a um preço que cubra os custos série de alternativas. PARA O PRODUTOR o produtor eficiente produza uma procura combinar e comercializar lucro.valor no complexo não) A farelo antes lucratividade fator na situação de do de oferta e de soja. bruta de processamento do em óleo e completo.

204.355*36. b) risco de flutuação do preço do óleo.25*2.1023)*805 $196. o bushel convertidos são possibilitar Exemplo preço do óleo por libra e o preço ao comparabilidade de cálculo da Margem preço por tonelada do grão por a fim de dos números. os custos para cobrir fixos e gerar os custos um lucro satisfatório.80 por t de Esmagamento A margem de esmagamento variávéis de deve ser suficiente esmagamento.355 por Bushel Contribuição do Farelo ($221*1. de Esmagamento Rendimentos por t de Grãos Preços Farel.26 por t ($7.6)*185 $101.96 por t $298. o objetivo do esmagador preço "commodities" das produção não é ganhar dinheiro mas sim na sua no mercado um mecanismo com a variação atividade de óleo e farelo pelo esmagamento deve ter. c) risco de flutuação do preço do farelo. O que o proteja do existe e de está .00 cents por lb 185kg Grãos de Soja $7.10 por t Contribuição do Óleo ($0.o de Soja $221 por short-ton 805 kg Óleo de Soja 25. o processador de soja claramente encontra a) risco de flutuação do preço do grão."short-ton".7454) $ 27.06 por t Valor dos Produtos Custo do Grão Margem $270.' Este mecanismo 26 operacional: do grão. preço três tipos de risco: esmagador das flutuações de "commodities". portanto.

ligado ao mercado a termo. . objeto do próximo 27 capitulo.

. eram formalizadas comércio O hábito de mercados fixas. para a realização os permuta. locais isolados. indícios no ano 2000 AC. Bolsa Mercantil e de Futuros.. Luiz F. padrões de bens em consignação já apresentavam instalações a prática monetários e ampla e a de mercadores com a fixação de um período a existência de trocas. em por com a especialização a (formadas ao mesmo tempo que as práticas na Inglaterra. se desenvolvia. 28 Medieval.4. MERCADO DE "COMMODITIES": SUA IMPORTÂNCIA NA DO .1 Mais na Grécia e em Roma. este conceito já vigorava contrate a futuro há fortes para permuta na Índia. entre as feiras da "Magna Carta". e de um um específicas generalizada de -diferida de entrega mercadorias. foi estabelecido estrangeiros pré-anunciados na forma da associações e promotores restringia-se no Mercados .1 CRESCIMENTO COMERCIALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO MERCADO DE "COMMODITIES" ORIGENS O princípio acerte que do básico depois da negociação . Forbes. Na época mercados locais feudal. 1986. viajarem Feira de comércio Em 15 de junho de 1215. início do milênio. os mercados tarde. certo grau de formalização. Princípios Básicos Para Aplicar nos Futuros. Na verdade. quando que é hoje o emirado do Bahrein recebiam agora. e ocasiões organizada a abrangência pelas primeiras artesões autoridades políticas. ressurgiu mercadores. local para o comércio. São Paulo. No do de vendas) com a assinatura livremente o direito incrementando auxílio das comerciais dos mercadores da o Inglaterra comércio 1. COMPLEXO SOJA: 4.é muito antigo.

contrapartida.3. Inglaterra fixa possibilitava um a contratação de qualidade Provada viabilidade para transações.1 p. a Inglaterra que os comerciantes em de mercadorias feiras como bolsas. Com à obtenção quanto mais certos quanto de qualidade à dos produtos. Básicos. para entrega de amostras-padrão ano Em era já estabelecidos. O pelo pagamento arroz e o .3. da oportunidade do negócio. operações 1734. 29 mercado rurais de arroz. das se vai e~contrar Sua necessidade receitas arrendamento era um obtidas ao ocidente. imediata. e os compradores de preços lucros em época Esses intermediários mercadorias de beneficiando- de geração tarde.país.3 a adquirir colocá-las. surgiram se. boa parte do comércio realizado fisicamente. junto a compradores isso. mercadores conhecidos o ao como Este fechamento agentes dispostos desejavam a absorver evitar Isto básico onde os primárias e bens passaram a ser os riscos a todo custo. sobre a colheita século de variabilidade proprietários de suas terras para produção percentual do do de cap. a verdadeira surge a partir pelos grande origem da grande estabelecido 2. p. F6rbes. Handbook 3. que futuros. os vendedores preço a posterior elemento lugares a termo . 2 de criou locais permanentes. podiam comprar e vender mercadorias manufaturados Logo entrega sistema de qualificação com padrões a com nas em posterior pouco a pouco dos vendedores para interessados. ainda não aberto XVII. Mas é no Japão Feudal. principios of Futures Markets.com entrega da mercadoria passaram um metais. Kaufman. No século XVIII. mais diretamente ficaram mais confiantes justo. inteiro.

. Com açougueiros. mesmo carregados de oferta isso.4. poucos de grão ou de reses. b) os contratos c) eram padronizados. preços de safras ou de escassez disparavam e as pessoas p. 30 de carne passavam ocorria fome o nas . de preço. mercado similares fatores Os A de fim "arroz às do comércio atual Unidos: eram estabelecidos com prazo de duração pré- determinado. com relação acabavam e de todos de curto mercê que lhes um dos pagavam preço baixo pelos produtos. final de colheita chegando fazendeiros.4 a) os alterações em função como clima e outras características reduzir de futuros grandes se ressentiam problema foi das flutuações criado com normas bastante dos Estados contratos um de sazonais. à os mercados geravam imediata inteiramente anos. Id. gado. Em anos inverso: de quebra os 4. regionais do início do século passado. as d) todas operações eram liquidadas por uma de câmara compensação.ibid. ao processadores tempo engorda aos ficando à demanda os de de carne e moleiros. qualidade a básica estipulada era mercadorias das antecipadamente.preço 'deste sofria incontroláveis comerciantes de também o escritural". EVOLUÇÃO: Nos Estados Unidos nos períodos de alto existentes excesso prazo.

a termo era utilizada comerciais. não foi para entrega diferida.1 p.. of Futures Markets. inexistência Leste já haviam começado ou um vendedor em seus negócios.ll. da Guerra de Secessão e apropriados. a firmar a Chicago de quebras de safras. portuárias enfrentavam A cap. Embora os contratos podiam livre e com o agravamento a não o apesar em Chicago operações contratos 6. a os compradores comprador cidade impedia o tolerada e comerciantes alto risco pela falta de armazéns Além disso. contratos agropecuária. interesses Depois quando. ao menos. preço de navios. p.5. transporte partir e daí. escoadouro o problema de natural era particularmente vias de transporte instalações comércio aquático manufaturados mercadorias chegavam para arrumar Esta grãos o Oeste. Isto. dos problemas a termo um comprador 31 Alguns tempo. para locais de estocagem situação fazendeiros agravado convenientes de para para girar interno da produção adequadas. básicos de descobrir decorrente resultantes fazer de inadequados 5. os comerciantes de falência por falta de matéria-prima Em Chicago. onde passaram oferta a praticar e demanda. Handbook e o fluxo de retorno de as tudo. perdas armazenagem e representantes estímulo problemas financeiro de assegurava termo. por constituíram surgiu o vice-versa. de para suas mercadorias. Em 1848. Nestas situações. Id. 82 pessoas. viam-se muito às voltas contratos que tivessem Esta prática desde a de fundação Board um da de vastos of Trade. a termo e à vista. Kaufman.cidades.ibid. E a Chicago. fatores econômicos. .6 ao nada para alterações desenvolvimento de os vendedor controlar o de dos resolvessem para um e risco imprevistas.5 1833.

. o mercado uma físico está principalmente lIcommodity" específica transação "trade normalmente house". enquanto futura são conhecidos quanto O contrato denominados entrega resultam no piso a um da .8. mercados Os contratos contratos à qualquer trabalham especificação restrição mercado futuro definido quanto em entrega específico e a entrega que estipulam com entrega baseia-se no momento não há Andersen. ser quantidade em uma data futura BOlsa.. para imediata para Uma vez que restrições comercializadas. que tentará mantendo preocupado o o da "commodity" de alta quando ou a e o produtor ainda fornece um serviço durante períodos Esta "merchand" colocar em contato de adicional oferta a oferta às para estiver baixa. Os contratos geralmente há de tamanho qualquer são estes período.desenvolveu-se o mecanismo de "hedging" para minimizar o risco puro. das "commodities" pode a entrega que como contratos como "um acordo para comprar padronizada física dos bens. consumidor. CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DE "COMMODITIES" o de lIcommoditiesll pode ser classificado mercado em dois tipos: físico e futuro. de uma "commodity" preço decidido ser contratos a termo. partes. Arthur Não aos termos do contrato. que ou vender específica uma em que o contrato Commodities. "spot". no contrato de futuro.7 7. física. London. 32 pode nem é fechado 1983. p. envolve um terceiro. manter de um produtor A "trade house" estoques a disponibilidade com a entrega a um consumidor.

em si. normalmente.quanto feita a entrega custa. (padronização da conversão do contrato preços utiliza que as em devido a e do vendedor. seus termos de cada contratante por de tratar que mais a intenção de compra de esperarmos de com a haja compensação operações inversas deve a uma venda e o vendedor contrato). dos nomes do comprador do e do mês em que a mercadoria disso. contratos os contratos detalhes ser dos minuciosos de compra e venda nos a termo são muito mais simples. padronizado. comprador da mesma da que foi contratada. um ou seu representante. evitando integridade o futuro.das homogêneos do cumprir o vencimento registrando-se proceder elementos do vencimento que este pode ser liquidado mantidas de a preocupação uma Num mercado Além flutuações e fará cumprir rígida quantidade as além do comprador de lotes e prefixação muito bastando entregue. envolve. é fazer com mais facilmente obrigação vez vendedor. a Bolsa de "Commodities" a validade de e quantidade. de futuros. . ou venda antes de sua . problema de qualidade contrato terceiro padronizada o . 33 a maturidade posições às anteriores que são. pelos "hedgers" as posições de contrato e pelos especuladores.Diferentemente vista. o a uma compra. do contrato de Ao invés e assim por diante . aonde edo deve ser ao contrário preço traduzam sem diferenças de futuro. o futuro elemento: compromisso. . quais os termos apenas da data. um contrato sempre o qualidade objetivo variações valores. contrato estabelece deve futuros de um à vista. Esta garante de à para as mercadorias. do outro.um contrato necessita preço mercados do do contrato i - assumidas.

e de mercados e fabricante não faz "hedge" está especulando desfavorável Alterações da cadeia de distribuição. suficientemente preocupar com sua 8. Em particular. do risco. maior um desvalorização de nível a importância o financeiro commodities "dealer". IIhedgeada" IIhedging" empresa obter cap. por melhor do envolvimento moedas e nos últimos demanda aumentaram risco industriais entre possa lucro pode se na . de "hedging" os produziu dos do gerenciamento o risco e aumentar assumir financeira do governo e a expansão pelo produtor. Uma firma no mercado preços e o subseqüente a percentagem é como uma ferramenta volumes eliminar das o produto de futuros uma indústria um mundiais "merchant" . aumento mundial. como a indústria se a posição para e uma baixas margens devastada uma de lucro.4. utilização técnica que às exportador Quanto riscos dos maior condições no alterações de armazenador. Kaufman. 34 resultado. Handbook Um o risco para que a atividade principal: of Futures Markets. se move A processador.8.8 maior o risco e o efeito pode dos necessário. estiver bom sobre por de altos grãos. enquanto através dos mercados em importância as oportunidades financeiros associados de material à vista a impacto no aumento ou queda de preços. a hiperinflação.9 p.2 HEDGE o desbalanceamento de "commodities" variações de padrões cada vez mais freqüente agrícolas. total do custo do produto. que tem crescido minimizar e demanda capitalização associado é assumido através de oferta anos. durante comércio preço companhia. preços voláteis climáticos. o nos lucros da caracterizada física não deve variação não IIhedgeadoll de lucro. ser vida.

temporária de a uma mais tarde". Quando a queda de valor do produto Por exemplo. nota que a soja para Dezembro Básicos.55 por Bushel seus custos e retornar as posições no mercado Princípios da O de futuros.22. 35 em está .comercialização de produtos. Unidos. é parcialmente contrabalançada espera colher 10. TIPOS DE HEDGE Há basicamente "hedge" de dois tipos de "hedge": venda ou "short hedge" aquisição de quantidade no mercado uma posição por lucro na posição Dezembro físico a propriedade venda um produtor ou mesma esta posição é estabelecida. Forbes.9 sobre o como de uma preços do posição à é transferido lucros através de uma usualmente especulador "hedging" o. para cobrir 9.risco do "hedge" o risco do preço absoluto que procura obter funcione de futuros que venha a ocorrer regulador definiu para minimizar um especulador tempo. p. é um lucro razoável.000 Bushels e crê que um preço de US$ 7.CFTC. decorrente de à vista uma alteração favorável preços. de O oposta de continuidade provê necessárias para perda adversa. OBJETIVOS DO HEDGING A Commodity mercado "tomar Futures de futuros nos Estados uma assumida posição no mercado financeira compra. de soja suficiente Observando futuro. envolve física e a imediata futuro. em um mercado à vista. . o de compra e o de venda. órgão ou a venda de futuros como substituta transação Através Trade Comission diferentes mercado que o com a processo de para alteração períodos de liquidez e "hedging" adequadamente.

de compra.33 por Bushel Perda: Ganho ($3 . Mercado Mercado Físico Futuro 01/Set Tem 10. futuro para estabelecer 36 todos tem compromisso criadores necessidade "hedge" de compra.200 foi protegido. reduz a então a perda "hedge".sendo· cotada ao seu preço objetivo.55 por Bushel Vende 10. O "hedge" inversa.55 por Bushel perdeu US$ 0. de . ou "long hedge" é "hedge" de compra envolve a compra matéria-prima futuro. "Hedges" de como forma de fixar o custo de utilizados contra ou de estabelecer de armazéns fabricantes usar o mercado posições para se proteger são geralmente gado. e exportadores.23 por Bushel Compra 10. venda futura para utilizando venda potencial uma queda bem como estabelece uma margem o esperada.2 O O) Resultado O preço no mercado 7.23.000 Bushels de soja a $7.000 Bushels de soja cujo objetivo de preço é de $7. O variações US$ físico mas seu contrato líquido das para futuro preço no mercado a posição físico.32 por Bushel no mercado ganhou US$ 0. O produtor produtor faz uma futura se os como preços de lucro futura Numericamente. O mercado preço uma exatamente "commodity" Operadores no eventuais aumentos de antes de sua compra efetiva.65 por Bushel 01/Dez Vende 10.000 Bushels de soja para Dezembro a $7. O produtor Líquido: $0. apesar foi zero.32 por Bushel quando recomprou abaixo do que havia pago.00 físico caiu de US$ 7. processadores. futuro da compra de o preço de de um de grãos. O resultado do produtor $3.000 Bushels de soja de Dezembro a $7. sofrerem dezembro.

os preços à vista caem US$ 0.OS LIMITES DA PROTEÇÃO Normalmente. 1971.32. pela qual o "hedging" exemplo. º resulta da total da diferença Manual do .55 por Bushel Vende 10.19. que os preços atento para o fato de que os preços não variam fundamental Por parte-se Contudo.10 suponhamos cai. 37 & smith o custo menor.000 Bushels de soja cujo objetivo de preço é de $7.29 por Bushel. no mercado futuro caem apenas US$ 0. vista Tomando como base.900 ($300) resultante da aplicação do "hedge" foi de US$ 0. da Inc. realidade. Merril Lynch.23 por Bushel Compra 10. à vista Esta é não pode garantir à a e a razão a ninguém uma aos riscos de preço..36 por Bushel Perda: Ganho ($3 .2OO) Resultado Neste apenas Na caso.000 Bushels de soja de Dezembro a $7. Fenner Hedger.por um risco 10. O resultado Mercado Mercado Físico os seria: Futuro OljSet Tem 10. na mesma proporção. substituição mercadoria o benefício da utilização de um risco elevado que se negocia do "hedging" .29. mas preços. p.000 Bushels de soja a $7. a proteção Líquido: $2.65 por Bushel 01/Dez Vende 10. mas no mercado nosso exemplo que o preço da soja no mercado à futuro a queda é menos pronunciada. Pierce.000 Bushels de soja para Dezembro a $7. São Paulo. vista e deve-se termo do mercado estar completa do princípio futuro movem-se exatamente na mesma proteção do mercado direção.envolvendo .

US$ 0. A esta diferença os investidores entre os dos preços dá-se o nome de à base ("basis") . vimos. Neste caso. em (Free on Board) é o preço da mercadoria 38 significando no local de .50 por Bushel. Dada uma "commodity" específica. localidade entre o seu preço à vista e o seu preço futuro.50 ou de . FOB embarque. a base é de "30 abaixo". soja número de Maio Chicago em 10 de Fevereiro. para um determinado Se.permanece extra. daquele feito o "hedge". chama-se com qualidade definida. base à diferença por exemplo. que teria Obviamente. 2 amarela uma mês.30. por uma perda em variarem fração perda de US$ 3.20 por Bushel fechou a US$ 6. FOB11 à vista e o preço então a base de para futuro soja em para futuro de Maio seria de US$ 6. mercado de se obter um lucro futuro e vista à não na mesma proporção. 4.20 menos US$ 6. dos bens à vista e no mas somente numa pequena defrontaria trocamos se uma houvéssemos não se utilizasse o "hedge". o preço estava US$ 6. dos preços no mercado No O risco com o qual nosso ocorrido se exemplo.3 BASE O conceito mercado de base é importante de volatilidade Conforme pequenos vista futuros para se entender como instrumento a aplicação de proteção do do risco de dos preços.200. o "hedge" não pode resguardar riscos resultantes e no mercado das diferenças futuro. 11. caso não de US$ 300. também a possibilidade função futuro.entre OS preços permanece.

a soja de uma qualidade em New Orleans e a qualidade superior. se alteram.por um muito menor.03.30 abaixo do futuro de Maio. pois as "bases" eram iguais. O "hedge" não foi efetivo. A base na data da Os liquidação do era também de -US$ 0. ("10 abaixo"). em 01 de dezembro. cap. No segundo mas entre a exemplo. digamos da "commodity" dia. de base. 13. (10. bem este aspecto: no era data da contratação. ou um equivalente de cotada no mesmo a soja amarela pode estar sendo comercializada CIF13 a 117 acimall (custo 1 físico a US$ 6. Por exemplo. CIF (Cost.57 por Bushel. número no mercado do futuro de Maio. O resultado foi nulo.que o preço à vista está US$ 0. E. demonstram 01 de setembro.12 Quando a localização.ll. Handbook 0. 39 no . Kaufman.000 Bushels) 300. a termo e a data de sua liquidação. o custo de manutenção do estoque armazenagem e taxa de juros). diferença pela multiplicada apresenta . era de -US$ o uma perda forma o preço envolvendo de US$ produtor total da alterações risco. já pagos os custos de frete e seguros. de -US$ 0.10. o mesmo ocorre com a base.13. que mas de qualquer envolvendo A 0.9 p. of Futures Markets.10. a "base" em 01 de setembro "base" em 01 de dezembro as quantidade "bases" foi negociada de US$ pode trocar "commodity" o risco negociada maior lucro adicional 12. com este pequeno obter era de . o que torna o "hedge" efetivo é a variação da "base" entre a data de contratação da operação dois do item anterior exemplos a "base" em primeiro.US$ 0.10 contrato. também vem a possibilidade de se a "base" se move a favor do "hedger". Insurance and Freight) é o custo da mercadoria local de entrega.

estabeleceram termo seria posto um armazém seria a qualidade no Comércio 1986. para Orleans básica a consumo portos de do país. era centro explicarmos o de os três tipos de base. nas duas bolsas. Hedging em estudo). de mercadorias. que a entrega qualificado ou New York. internacional. em New York e New Orleans as negociações desde o início. dos Estados a produção Unidos Estados centralizado população naquela Os mercados e. envolvidas. para o mercado externo da costa atlântica algodão devido à foram estabelecidos americano concentração sul era da a operação. Ficou também estabelecido 14.14 Naquela época. de maior no o algodão volume. negociar Mundial. no sudoeste área. no era centralizada e os portos de embarque eram o de New Orleans dos de algodão que a em de New qualidade mais comum no comércio.A base reflete: a) Diferenças quanto à localização b) Diferenças quanto c) Diferenças em termos de equilíbrio localidades o mercado à qualidade futuro que provavelmente "bases" americano de algodão. comércio O entre oferta e procura desenvolveu a era o produto e prática foi à anteriores nas primeira os Estados de algodão é um excelente e exemplo para Guerra em termos Unidos também de mercado o básico mais negociado. simplificar venda O nordeste futuros que eram separadas uma e os diversos Unidos. exportador algodão internacional Nas décadas no comércio produtor consumo. Exterior (Publicação 40 interna da companhia . da mercadoria.

porque o ou tipos com comum cotada em com fibra mais comprida uma qualidade e cor teria um desconto inferior no preço. ignoradas. devido do Mississipi a base paga por um Osaka seria positiva de mesmo localidade Analogamente. seria um daquela A a desconto localidade na Bolsa de New York teria uma base muito do interior e elevada. de New Orleans. o segundo qualidade tipo de base - por .diferenças mercadoria exemplo negociada de um Mississipi. Isto frete é. valores bolsa.o primeiro tipo de base . Desse modo. . No mesmo sentido. o terceiro setor mercado no do fator influenciando mercado ou localidade em geral. podemos 41 existente em do produtor generalizar relação de num ao algodão afirmando que.pode ser explicado no para os respectivos as demais no de algodão vende seu algodão "base" sendo negociada daquela físico quanto importador refletindo maior à para New japonês em o frete de New Orleans para Osaka. um algodão alcança um prêmio diversas qualidades à qualidade diferenças quanto à pelo algodão. estado o do que a do mercado a bolsa. em que está situada daquela futuro. e mais branco sobre o valor do comum ou médio bolsa. no mercado produtor que se localidade todas "base" igual para interior interior baseado no mercados do mercado do estado do Mississipi algodão sendo vendido mais negativa distância York. Voltando interior a base é a procura que não é comum para o exemplo do Mississipi. o futuros. da com o refletir forem ao frete e outros custos de transporte a cidade do preço ali deve necessariamente influências localização à . fibra causado Por em cor negociado na em comprimento em relação de qualidade à média.também pode ser exemplificado algodão possui variáveis relativamente exemplo.

à "commodities" juros. de uma a certa o desconto. custos aspectos transportes. falta de pressão de venda deveria constantemente. Uma vez que a posição física foi tomada.). com o deságio normal pela qualidade. a dos de um algodão de baixa qualidade do frete para o mercado de a outras numa dada localidade.ex.durante a colheita deveria excede em muito algodão durante a procura localidade entre-safra a daquela durante ser base que entendido determinando negativa os durante Antes de examinar que maneira Como os diversos o operador estão muitos envolvidos armazenagem. etc. qualidade a a excesso O incentivasse e depois da liquidação base fosse mais alta em relação localidade comum porque localidade. outros comercialização forem transacionadas. (p. no ou interior à concretiza a . de custo. é uma parte da "base". Mississipi safra.do somatória entender a ligação futuro. três entre a "base" e o preço de um contrato LIGAÇÃO Ao a base de um produto a colheita. nível sem de no nível de está feita. A das "bases" ignora o 42 estes vista. de retirada estoques fatores deveria oferta localidades. além do preço de em preços reais. Desde que podem ser convertidos comercialização que FUTURO comercialização esta razão muitas do combinam da base é preciso se somente as "bases" Por se ser superior pode ser simplificada preços fazer com Nesse sentido. DA BASE COM O MERCADO vimos. ou o comerciante elementos na contrário. entretanto transações a somente às "bases". faria com que o desconto daquela a produtor. referência preços da . a alteração a aritmética são completadas ao nível de preços. Deve a base daquela ser "fraca" em relação ao mercado disponibilidade do da safra de algodão.

de commodities no caso de um contrato seus maioria futuro. mercadorias do canal internacional em de contratos consideração implicitamente desconto no ato inclui em relação no ou tendência: Dia 1 ----$198 +7 em que preço. soja mercadoria duas partes tem por fixo de base. siga 1987. Na cobertura Sendo ou não no mercado O esmagadora. entre físico e previsível preço separadamente. física o Dia 2 ----$199 +6 ----- $205 $205 Dia 3 ----- $205 +6 ----$211 Introducing 43 Hedging. p. Penfield no de distribuição. . que corresponde que a composição Preço Fixo das duas negociadas caso de soja procura da formação Suponhamos A Termo Base definição como vende normalmente para um intermediário dos casos. preço é o consideração do que o nível de preços. do cereais. ao preço vigente a seguinte 15.15 de qualquer duas partes: o principal mercado estável o A Dia 4 ----$204 +4 Dia 5 ----$206 +3 ----- ----- $208 $209 USA. participa produtor da a "base".14. de preço do farelo por tonelada ----- Commodity./ . subprodutos. a sua uma a termo em bolsa. sendo a somatória fixo. obter a produção quer levada preço ao fixo prêmio ou futuro. envolvendo e com operação Estas que seria um contrato Operações e mercado valor o nível a termo e a base. por exemplo. o comprador vendas mais ou combinadas para sua compra quer por meio de venda da mercadoria pelas é que ser podem são mais comuns de soja. preço diferença de preço fixo. uma base."commodity". com preço fixo.

fica fixar a parte a termo a termo ao comprar para a formação das feita de forma separada. fixo no dia 1 e venda por tonelada são na verdade explicados no preço a termo e perda sido feita somente no mercado de à base. Por exemplo. Ao ser formado negociada a um pode antecipar de farelo pode primeiro contratos exportador. normalmente. o preço de daria um preço o exportador com líquido pode antecipar a no ser venda para o a venda fixar a parte do preço correspondente ao a termo. por um $4 por a compra o resultado seria um lucro de $8. de que a base represente elevado.Imaginando uma compra de farelo a preço dia 5. em base e posteriormente mercado Devemos conhecer do preço. Alternativamente. sem procurar Os Venda Custo $209 $205 Lucro $4 $4 cobertura de tonelada tivesse $8 na no teríamos: (206-198)+(3-7) \-------/ \---/ PFixo Base $4 de lucro por tonelada lucro a termo. Este caso ilustra a noção de que preço fixo é sempre a de nível de preço a termo e base. somado à base vendida. Se parte do preço correspondente a termo. a negociação exportador venda de campo. partes hora negociar operador como no caso da soja. duas A a critério do o outro. envolvem que somatória Neste físicos a base poderia caso. termo. um os produtos o lote para exportação. compreender todas as as diversas ramificações 44 funções do da base mercado. para melhor Explicamos . mesmo prêmio substancial operações Em ou um desconto internacionalmente. a base e o preço a termo e qualquer um transacionadas "commodities" do preço fixo é.

de soja envolvidas. do grão é Rotterdam. é indiferente Admitimos comprar Granite city e Rio Grande. e do custo dos localidades. de de soja. as diferenças a localização diferenças quanto localidade. em comparação Para simplificar esta comparação. venda mercadoria utilizando estes fatores afetam mercado da entre oferta mais específicos. holandês da as A BASE soja principal em exemplos preço da e e procura o caso da base da soja numa cidade de Illinois.anteriormente por três que a base de qualquer fatores: mercadoria. da localização que e que para a soja brasileira cada localidade das partes 45 do o o ou a fretes Sul. FATORES QUE INFLUENCIAM A) Localização Vamos Física considerar estado o Estados Unidos. como influenciada é física ou o ponto de qualidade ao equilíbrio Seremos detalhados de mercadoria dos sejam preços entre as . mercado comprador americana. Abaixo. esquema em mais base no sul do com a base da vamos supor Holanda. ao Rio Grande ainda que suas únicas opções de origens praticados uma ou Ponto de Venda da Mercadoria FOB em um navio no porto de Rio Grande.

Se somente pensássemos de 30 cents em Granite dariam um base de 30 Orleans. para de deveria refletir 30 acima. 46 em ao acima é preço termos city.80 em preço adicionando em Granite orleans. city é $0.30jton ou $0. abaixo na ou para exportação.60 por bushel. o de frete em New . ou $6.20 por bushel.30 o fixo em Granite city seria de $6.25jton $0.97 6.30 Base -------- ------ \ $0. A base em New Orleans uma base calculado de $6.50 por bushel. que Este city. mais cents faria preço o frete de $0. Chicago diferença frete entre O vendedor a preço a termo de supondo é o preço para a soja entregue (sem prêmio) tem a opção (neste exemplo.60 NEW ORLEANS----+ (porto) $6. preço entre Chicago e Granite os dois pontos que em Granitecity fisicamente em (ou Granite ou para exportação. city é também indiferente mas o custo de transporte de custo por vender para Chicago do o preço ou 30 pontos Para o vendedor A bushel).20 base.60 para New Orleans a base negativa New esta diferença.69 Chicago Granite city New Orleans Rotterdam Rio G~de GRANITE CITY ou ROTTERDAM $10.50 6.Preços ($jbu) CHICAGO $0. o preço a termo seja de $6. cents) do preço de Chicago. da soja para o porto e sua colocação a bordo de um navio é de $0.20 6. fixo.17jbu sjpremio -30 +30 +47 +19 6.80 6.28jbu (porto) RIO GRANDE ----+ O preço em Chicago cidade de vender Chicago.

.

19 no porto. diretamente Grande está. é então 47 em Rotterdam colocação para de acima do preço de Chicago). O farelo de soja normalmente combinadas. contra o custo de transportar concorrente gordura no mercado em Chicago a soja americana a do de ligada indiretamente Neste caso. o a sua soja a acima CIF A base despesas ($ 0. $6. brasileiro Rotterdam em terá também e absorver Rio frete Para concorrer Grande e perfazendo com este que vender Rotterdan seria 17 um preço preço.5%. Ao contrário deste do exemplo do produtor capítulo. no caso tem como ou a venda para exportação. é indiferente para a em Rio Grande porque para vender de do país para a soja brasileira de uma mercadoria cents o maior o produto a 47 ou "even board" em Chicago.28 por bushel. Devido a Variações Vamos início ao preço de Chicago Chicago está então condicionada em Rotterdam B) Diferenças estado Rio no para exportação. Grande em base de 19 desta mercadoria utilizar soja exportados Sul não está A base em Rio Granite City. entretanto. porque A a de algodão.97 Rotterdam. no concorrente exportador alternativas acima base citado ligada ao custo do frete até Rotterdam. aos de um ponto no interior custos acima. mais ao norte normalmente de de 45. a localização determina Grande porto localizado a entrega relação Rotterdam. A soja rende um farelo 47 farelo produzido contém de 45 a 46% ou "pro-fat" de no proteínas de Rio e plantada nos que contém 48% . de Qualidade o caso dos dois tipos mais comuns do Brasil. de New Orleans a base em Rotterdam mais alta que a base em New Orleans.Imaginando seja que o frete marítimo de 17 cents por bushel. o maior citado o com transportar Europa. ou seja 19 acima de exportador 47 menos· 28 em cents fixo o custo do frete de $0.

Depois a a base em Rio Grande deve ser de mais ou menos (ou tipo é Isto é. base Chicago.00 Chicago. Ao contrário. localização compra é para ou $200.00.de proteína Os e óleo. farelo para entrega brasileiros Devemos de em relação na 44% de bolsa ser pelo Brasil.00 $ 48) .5% a norte. de qualidade. quando o preço fixo está em termo respectivas Em porque o farelo de soja normalmente bases média. são valores deste farelo. O de 2 a 4~o. para o farelo 45/46 e farelo de de mais ou menos o $6. em Termos de Equilíbrio entre Oferta e Procura em Localidades de levar em consideração diferenças de qualidade. isto não possam a base FOB Brasil leva em conta não somente da mercadoria. Neste ou desestímulo numa certa localidade. consumo e de as venda a de base uma . não a soja do Rio Grande prima $6.00 abaixo da base preço em Chicago pese dizer negociados farelo que os aceitável farelos "pro-fat" $6. 48 ao sentido. como diferentes fonte de menos de proteína proteína valor no mercado mais ou menos devem refletir acima lembrar que tem 2.00. ou em uma determinada também mercadoria o As qualidade. 48 farelo dos dois tipos mais comuns exportados quer de a qualidade do para principal mais ao reflete uma diferença que é uma terceira diferente serve do Sul do que o farelo dos estados esta diferença seja que proteína. se a base do farelo de 48 for de $15. e matéria a localização da mercadoria a base leva em conta a pressão como incentivo localidade. respectivos rações. como também a diferença aos mercados ser para um devida à principais. ou 3% em acima de a diferença C) Diferenças Diversas 9.

Ao mesmo tempo.Imaginemos o seguinte quadro: produtores e Passo Fundo. compradores portos de paranaguá $24 $15 Ponta Grossa em São Paulo ou exportação e Rio Grande. suficiente da soja. em relação senão a 49 óleo superiores a nível à venda interno. que no caso venderia de indiferente Se São Paulo irá atrair São Paulo não é atraente bem mantida em Maringá em paranaguá. fábricas 30 menos mercado Grossa . à um ou no mercado para uma esmagadora ou Passo Fundo. preço a termo. Esquematicamente através teríamos: PONTA GROSSA PASSO FUNDO $14 $20 SÃO PAULO Os PARANAGUÁ (porto) fretes entre as localidades base dos nos portos. pelo o em Ponta para exportação. RIO GRANDE (porto) estão ressaltados regida pelo mercado em itálico. é de A $40 acima. menor do que a outras acima do grande em de óleo de soja pois sua distância localidades. parte da produção de Maringá. MARINGÁ em Maringá. a São Paulo é mantiver-se maior. SITUAÇÃO I: ÓLEO EM EXCESSO Durante a estão colheita comprando procura interna. de exportação. época em que as quantidades a para tornar base em São Paulo é o vendedor de seu óleo para exportação Maringá é escolhida.

CIF Paranaguá. 11: ÓLEO NORMAL Com o passar do tempo. ÓLEO NORMAL BASE DO VENDEDOR COMPRADOR --------- BASE São Paulo +43 +29 Portos +40 +16 ----- MARINGA ------- PONTA GROSSA -----------+-----+ +28 +28 +-----+ 50 PASSO FUNDO ----------- +13 +20 A . para Ponta indiferente de que Vamos Grossa. observamos o FOB a 40 acima Maringá é indiferente no caso de Ponta Grossa acima. preço o frete. Ou seja. o ponto em no mercado. PASSO FUNDO Paulo para. atender começa suficiente a começam de óleo somente a procura aumentar até a ser vendidas exportar a mercadoria ou vendê-la Maringá de São Paulo. que isto ocorra no ponto em que.ÓLEO EM EXCESSO BASE DO VENDEDOR COMPRADOR BASE MARINGA PONTA GROSSA São Paulo +30 +-----+ +16 +15 Portos +40 Maringá frete +16 +-----+ pode vender de Maringá $14 será de 16 acima. análogo para Raciocínio e Passo Fundo. o fornecimento a ser insuficiente em São quantidades supor pode vender Mas. o valor FOB a soja para São Paulo ou o quadro um a soja também de 16 acima. Maringá temos pode ser seguido Analisando mais atraente SITUAÇÃO exportar Paranaguá. Descontando Maringá começa +28 entre São Paulo e Maringá. que para ambas as cidades é a soja colhida. se descontarmos vender base +20 soja CIF São Paulo a 30 acima. no mercado seja interno. nestas condições.

ÓLEO EM FALTA BASE DO VENDEDOR COMPRADOR --------- BASE MARINGA ------- PONTA GROSSA ------------ São Paulo +50 +36 +35 Portos +40 +16 +28 ----- Esta situação é eliminada ou na próxima +20 +-----+ safra. ou se a demanda São Paulo for menor do que a oferta de óleo.A base de São Paulo sobe para 43 acima para atrair o vendedor Ponta Grossa. que é o ponto Nesta situação. 51 PASSO FUNDO ----------+-----+ +20 em . completamente quando ao mais para São Paulo do que para o porto.00 superior o custo do frete da esmagadora já estará porque se dedicando consegue estão Nesta altura. do para exportação. vendendo Maringá interno até 50 acima.00 de de a Maringá São Paulo as vendas para exportação começam de produção interno e só um de óleo (o terço de externo. Nesta altura seu óleo no mercado subiria mais para a esmagadora de porto. preço no porque Este ponto de indiferença mercado só é atingido de São Paulo é $3. dedicadas Com o sentir base é $3. poderia acontecer falta de óleo. em base. em Passo Fundo. do o mercado pagar uma base ou um prêmio que convidaria vender o que ao mercado Passo Fundo) vai para o mercado SITUAÇÃO ao mercado porque dois terços da capacidade sendo do em Ponta Grossa um preço $11 a mais. 111: ÓLEO EM FALTA passar do tempo. A esmagadora de mercado interno começaria a esmagadora ao invés de exportar. a diminuir. e Ponta Grossa estão totalmente interno de a gaúcha a Então a indiferença as esmagadoras dedicadas ao mercado interno.

do óleo fenômeno exportável.Embora como simples. que por sua vez está ligado é a base que determina não o preço dos contratos com qualquer produto a que tenha excedente 52 a o destino termo. tais exportação. que o preço em São Paulo está diretamente de paranaguá. . podemos produzido pois não considera Este o ligado Chicago. ICMS. exemplo ao Como preço prazo mostra acontece de pagamento e outros fatores ou incentivos à relevantes observar.

A EMPRESA A empresa farelos é uma industrializadora vegetais destinados de soja. a o serem e são . interno. óleos e quanto à . vimos. favoráveis a operação que possibilite a obtenção grão localizados maior reside na compra da matéria-prima competitivo farelo. com inúmeras alternativas outras particularidades. estabelecimento de compradas/vendidas freqüentemente conforme preços envolvem tomadas As decisões e de valores com muita rapidez. "commodities". e em ou não de condições de compra e quantidades significativos venda. esmagamento de produtores ou através de escritórios às áreas de plantio o recebimento de diretamente produzindo de que o farelo é exportado. 53 sofisticado.5. processo de comercialização. grande parte. que cubra os custos de a de Não há e transformação de um lucro satisfatório. de cooperativas o grão de soja passa por um processo Grande vista de no sul e centro-oeste comercializados. Após posteriormente destinado soja parece ao mercado relativamente a venda de produtos. enquanto ou às de negociação. produzindo tanto ao mercado interno. O resultado . O problema compra óleo e farelo de soja. um óleo Tanto e o preço do os preços do óleo e do farelo são estabelecidos mercado com diferenciação de nem de marca entre os produtos. preço a um possibilite quanto base no qualidade O preço do país. é esquemas de "hedging" da companhia de acordo com o estabelecimento negociações. é definido. parte do óleo é forma genérica.exportação. simples. A soja é comprada pelas fábricas próximos da mercadoria.

A compra interessante com preço do processo. mais detalhadamente formando sobre o a base para entendermos a de um sistema de informações gerenciais diferenciado. A modalidades de compra a preço fixo e compra compra de quantidades disponível de escritório grãos. Ao longo deste capítulo. recebe a quantidade do de a ou no entrega. 5.o negócio inicia e separada. com os "traders". de compra já com a mercadoria comprador efetua três e de compra. Caso o volume o fechamento o preço de maior deve ser ao "trader". Na compra acordo à é a' aquisição O compra com preço a fixar. fixar é O produtor 54 modalidade mais ou . estabelece produtor o chega a preço fixo. conectada Mercantil de São termina a com Paulo. fluxo de operações necessidade discorremos da empresa. com a cotação de mercado o limite estipulado.1 COMPRA FÍSICA DE GRÃOS Existem basicamente disponível.e conseqüentemente "hedge". risco pelo preço de compra dos São responsáveis de flutuação e Chicago pela Em uma com a Bolsa definição de grãos sala soja. Bolsa de eles respondem quantidades e do quantidades e preço de venda dos produtos esmagamento. O mercadoria e o pagamento. O pagamento é feito 48 horas ª talvez a entrega o grão na fábrica após a compra. feito mediante consulta diariamente pelos compradores O preço é da operação seja e nas estipulado do dia. pelas das pelas margens de também pelo nível de exposição ao e de preços da companhia. o "trader" na de grãos: pequenas fábrica para pronta divulga máxima que pode ser negociada fábricas nos escritórios que vista preço na hora.

de recebe companhia através serviço mercado pois entende lhe são desfavoráveis no o grão. verificar se se . que é a compra antecipada. limite ou entende que de fixação (principal mais juros). o gerente de cada localidade transação da debitados os serviços Ao informando para obedecendo de preço Nela. entrega e a data limite para a fixação entregue é dada como garantia necessita lhe favorável. mesma de preços forma respeitar em também contrato. onde são estabelecidos os juros. a recentemente. são A diferença mantiveram aos da deve os de limpeza. Além preço. confere preço estabelecido adianta telex "trader" o disso. a quantidade e por modalidade. quando A este sua de fixação. fixa o preço da soja. Há também ao produtor contrato a possibilidade da companhia conceder por conta da soja com preço a fixar. uma quarta modalidade data um para o dia da fixação. desenvolvida um O soja é paga em 48 horas. produtor quantidade sempre fixo. a companhia antes da colheita determinada o de compra. o produtor limites a adiantamento do preço. adiantamentos secagem Há de dinheiro e quantidade que as válidos vez fixado da soja e outros débitos. Parte Quando é um as de envia ao compras bem como as fixações operações a fim dentro dos limites estabelecidos.nos escritórios as condições de compra mas não fixa o preço. final do dia. cobrando no preço de compra. seca. contra a garantia numerário de fornecimento ao de de grãos. 55 de "trader" efetuadas por de preço do dia. limpa e o armazena de um deságio que momento. compras a preço o prazo máximo Uma Prepara-se do contrato.

ao cliente. para efetuar operação contendo é um pouco registra-a previsto embarca de embarque O pagamento de a mais na CACEX embarque. não são necessariamente Normalmente é as o navio. dos e No caso de entra em contato produtos. um especificações No é o comprador fechada pedido do produto externo informando preço. a quantidade Esta posição é obtida preocupação Produtos de mercadorias conforme 56 do "trader" Disponíveis que dispõe demonstrativo abaixo: para para . entrega agente ou o a emitido. os documentos documentação é e a data prevista O "trader".3 GRÃOS DISPONÍVEIS PARA NEGOCIAÇÃO: Tendo o registro das compras. a venda. de caso de venda ao mercado Neste de corretor. quantidade a principal de ou seja. e período nomeia comprobatórios imediata. o comprador recebe a Vale ressaltar a venda. prepara para com a empresa compra complicado. é a determinar Negociação. quantidade meio tempo. 5. a Guia de Exportação. exportação venda Caso haja interesse. após o embarque. do porto e envia 40 dias de câmbio.5. o processo após efetuar ao comprador.2 VENDA FÍSICA DE PRODUTOS A venda física de produtos diretamente O uma cotação simples. é feita através feitas para entrega para futura. chega ao país o contrato são efetuadas de mercadoria. O departamento quando é então fechado que as vendas mercado de entrega. procedimento interno.

para Negociação é calculado abaixo: Estoque Inicial de Produtos Quantidades Equivalentes em Produto dos Grãos Disponíveis (-) Vendas Não Embarcadas (+) (=) Em realidade. o "trader" procede decisões. Os 10 kg restantes esmagamento. Uma vez determinada negociação. preço dos produtos. a do processo demos o de nome de dos Grão Disponíveis. Produtos Disponíveis o cálculo de produtos feito por tipo de produto. óleo e farelo. Total de Grãos Disponíveis de grãos disponíveis considerando é então convertida que cada tonelada Quantidades O total conforme Ao resultado Equivalentes de Produtos desta Disponíveis demonstrativo são perdas conversão em Produto produto de grão gera 185 kg de óleo e 805 kg de farelo. deve com os preços segunda decisão bruta através para negociação à comercialização. 57 do de sua posição diz respeito para tomando cobertura ou seja.Estoque Inicial de Grãos (+) Compras de Grãos (-) Quantidade (-) Exportação de Grãos Esmagada de grãos (=) Estoque Final de Grãos (+) Quantidades Compradas mas Não Entregues (=) A quantidade final. ou se especula disponíveis. para Negociação de risco se duas de faz produtos fechamento da . margem a quantidade primeira disponíveis ou seja. variação "hedge" A de diz A de produtos respeito disponíveis à é decidir ao da venda de base dos produtos.

Numa operação a termo uma posição já mostrado do complexo IIhedge" em qualquer e farelo. duas o preço fixo de uma "commodity" partes: decisão de o preço a termo "hegde" diz (mercado futuro) respeito ou não com o preço a termo.5. ou último originado e a da operação da empresa: o processamento venda de óleo e farelo. "trader" utiliza soja. A o termo escolha de base de cada uma das detalhe mais com em Se. há a possibilidade uma das duas pontas mercado a do inversa no capítulo escolha depende relação e Caso não queira de preço dos produtos. por físico. o da companhia lucro farelo a vem da oportunidade de vender para a completou a o óleo o um preço tal que cubra o custo do grão. aquele do grão de soja ainda que este . A ao exemplo. Resta ainda fechar o lucro do processamento. Devemos 58 observar e custos de entender seja.5 DECISÃO DE MARGEM Quando o "trader" negociação e tem a posição de produtos disponíveis efetua o "hedge" não quer dizer que operação. de óleo e 805 kg de farelo a espectativa o 1000 kg de grãos no mercado pode ser feito tanto vendendo-se de correr à sua no da sensibilidade "hedgell A anterior. Podemos este como sendo o "lucro operacional". 1000 kg de grão a vista o grão ou óleo "hedge". e de sua estratégia comprou base.4 DECISÃO DE HEDGE Conforme em vimos. 5. no mercado conforme decisão à especular da pode ser dividido posteriormente. a empresa quanto 185 kg dependende da alternativas. os processamento e que gere um lucro satisfatório. risco variação tomando físico. mercado de fazermos da operação: de do "trader" termo. Esta de variação operação será o "hedgell.

Isto significa que o comprador pagará pelo farelo 6. De posse da quantidade de produtos disponíveis para negociação. . o "trader" não negocia total condições. mas apenas as mais bases. da "commodity". Ou seja.00 abaixo da cotação de Chicago no dia da entrega em independentemente do valor desta cotação. em 15 de Agosto fecha com comprador uma venda de farelo "6 abaixo" para Dezembro. a negociação dos produtos finais é feita o Nestas sómente em termos de base. o "trader" estabelece de com o comprador o valor acima ou abaixo da cotação de Chicago pelo qual venderá sua mercadoria. 59 entrega o em US$ Dezembro.lucro'ê diferente daquele que pode ser obtido na especulação com a variação do preço total das "commodities". Uma preço vez estabelecido o "hedge". o "trader" venda negocia com os compradores de soja física a base do óleo e o farelo. Por exemplo.

O sistema abordagem adequada de será aos usuários. denominada A também descreve é uma problema particular "recebedor" valorizar Neste Gondição desta informação de forma com real fielmente.6. Sterling.l para "A relevância Assim o processo da informação para de um pelo seu valor relativo para sendo. necessidades da companhia. verídico. para relevante esta a gerência decisório. ibid. Lawrence. 46. Id. a realidade.erá denominada informação ser Verídico "informação". ser.. 1970. para esta empresa obviamente. objeto o de "conformidade o mundo será determinada particular. 60 .40. Robert S. estipuladas destacadas não será focado pela gerência serão aquelas de há julgadas processo decisório. p. decisão. p. gerencial. Theory of the Measurement of Enterprise Income. conceitos segundo a informação". refletindo auxilie o processo informações verídica mundo contábeis de Sterling. um útil no sentido s. Se a mensagem e prover que. ser de Os alguma 1. não podem de As informações particulares.. e comunicado deve ser importante deve ser relevante. generalizada mas apenas desenvolvidos.. nas relevantes de acordo com suas necessidades O sistema. necessária reflete então para ser fielmente o "desinformação"". resultado forma desta pelos tomadores de com seu forma. real.2 aspecto. para todo o sistema apuração monografia.não decisão. visa basicamente em tem aplicação particular. de um adequadamente deve Se a informação. PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL O tema de nosso trabalho sistema de informações fluxo operacional. 2. University Press of Kansas.

refinamento Devem também de na elaboração aspectos acerca "Os transmissores devotar das teorias parte de seus do sistema é importante. entender o o apurar. que sterling4 deve basicamente posição em comercializadora a sua posição abordagem DO "TRADER" o desenvolvimento para uma empresa sua relevância. presente conclui que alternativas: o (a) ou (b) transformar Para escolher entre uma ou . de com de receptores. ibid. p. a contabilidade importante sistema principal..utilidade para outras empresas que atuam ou não no mesmo embora este seja nosso objetivo sterling comenta importância um grupo da comunicação de avaliação. devemos que e o aquele Income.63.1 MODELO modelo "trader" de nosso modelo por sterling de decisão Theory decidir presente tomamos lhe procurar como base of The Measurement para caixa. de trigo. Em vista do exposto. para a educação papel definição muita propriedade da informação. 4.. DE DECISÃO desenvolvido sua Definida nossa sistema modelo de a um explicação na o objetivo manter tem na definir O de informações.. (no nosso caso. apoio ao processo bem de como do decisório "trader". ibid. antes de definirmos gerencial. p.133.. a contabilidade) processo decisão também setor.3. de que as torne verídicas. 61 desenvolve entre duas de "commodities" 3. o conjunto de informações relevantes. junto com a gerência. do Para no recursos decisão são como devem ser envolvidos e construção relevantes da aos seus usuários. Ou seja.. apropriadas. Id. sistema de mensuração 6. Id.

de "commodities" complexo. de correr preço total da "commodity". coeficiente Na "trader" risco verdade. o modelo entre o "trader" de Sterling. a gerência ou No seja. mencionadas. No nosso caso. avaliando. O modelo a decisão do avalia. flutuação modelo além o modelo de (o Caso contrário. preço de transformação ter de que ou seja a decisão em seu processo sua transforma decidir é sua mais entre as pelo tipo ou composição por Sterling a possibilidade manter decisão ou farelo) que quer proposto atual) é de um aumento por manter em não contempla. O "trader" o mercado a termo. ou não o Na sómente de seu em que o a variação do preço total da mercadoria. que estamos O coeficiente Se sua expectativa de transformação. de "hedge" na medida decisório. da (grão. ligada à curva de utilidade estabeleceu de capítulo o risco de flutuação sua posição está no máximo 62 ou manter Esta a decisão empresa. sua também. desconsidera "trader" de deve decidir óleo de "hedge". alternativas carteira. o "trader" de "hedge".alternativa. não escolhe . da companhia à já ao risco de flutuação mercadorias de em aberto. aversão preço. que podem ser avaliadas A primeira correr sua a decisão é "travada" anterior. máximo um de exposição valor caso da posição entre suas alternativas escolhe de preço da "commodity" utilizando um montante conforme toma duas separadamente. o futura deste coeficiente posição empresa compara da "commodity" de preço futuro). outra transformação com sua presente expectativa (expectativa do o posição em caixa. "trader". "hedgeadas". "commodities" em caixa então decide presente. do indivíduo ou da ao risco. Conforme vimos decisões.

bases Para Se sim. é a de margem. Nada mais é relevante ser relevantes esta decisão. relevância. b) A margem que que posso obter no futuro será menor do que o terei neste mesmo trocar por uma posição De forma compacta. modo a implica que o "trader" implica em maximizar a deve escolher entre: a) manter a suas bases de óleo e farelo em aberto b) vendê-las. para As . de Esta. Tal decisão de vimos. que posso obter no futuro será maior do que o terei neste mesmo instante? Se sim. para a avaliação de decisões somente as informações informações têm conteúdo Outras passadas acima têm informacional 63 informações podem mas.trocando a) A margem que por uma posição ou de caixa. zero.A segunda vender decisão a base rentabilidade. manter as caixa bases de óleo e farelo. demais para a decisão. instante? o critério de maximização de óleo e farelo se é esperado aumente 11 • esta decisão são as bases e de caixa. vender caixa necessárias seria que a margem somente "manter dos duas as produtos informações relevantes: a) a margem futura esperada. conforme óleo e de farelo. b) a margem presente.

64 informações não a permitem partir definir gerencial e veracidade p. as Pretendemos. O "trader" A quantidade pela base estoques A que as informações não tem controle necessárias sobre elas. óleo na bolsa de Chicago. decisório de decisão.136. que que da informação um do novo contemple para os . São são premissas. de decisão de apoio ao processo primordialmente tomadores propósito da forma corno são atualmente avaliação sistema é nosso a relevância 5.2 AVALIAÇÃO DE DECISÕES Não é objetivo "trader" desta monografia preparar de apuração passadas. única variável de safra internacional·de preços sob a qual exerce é futuras americana. contábeis. é dada de óleo e farelo ou caixa que ele pode manter presente. do "trader".É importante exógenas. grãos. a preparar suas previsões de resultado decisões para PASSADAS: detalhamento de decisões demonstrar do modelo passadas. posição de bases e caixa. composição farelo. das a verificação na teoria ao sistema urna avaliação Embora não possa alterá-las. disponíveis. e então pode. controle é a sua urna e etc. utilizadas.. aspecto.5 6.. demanda desvalorização cambial. Id. decisões passadas fazer decisão Neste um modelo mas sim desenvolver gerencial que permita pode causar urna alteração um das utilizada indiretamente. ressaltar A de previsões sua previsão bases sobre safra brasileira. previsões que permita alterar a corrente.ibid.

desconsiderar utilizaremos para eliminar a e que a devem de estoque e supor que cada tonelada em I: PRODUTOR também é aquela padronizada por do um produtor Suponhamos 200 kg de óleo e 800 kg de farelo. 01/Fev Vende 200 kg de óleo a $480 por t e 800 kg de farelo a $195 por t. ambos para março. 65 por tonelada.6 por t. Vende 200 kg de óleo a $552 por t e 800 kg de farelo a $259 por t. Imaginemos a ambos vamos por tonelada E ESMAGADOR seguinte operação pela ser momento.6. $552 por março são custos fixos . Perda: ($25.6 $40.0) Resultado o "trader" Observa tonelada o suficientes $65. de manutenção produz do os preços praticados aos cotados Simplificando custos o seguinte que se encontram Desta DO "TRADER" o entendimento elaboramos um esmagador bolsa. comercializados conversão de unidades. facilitar qualidade dos produtos idênticos forma processo suponhamos em Chicago. Compra 200 kg de óleo a $480 por t e 800 kg de farelo a $195 por t.6 paga pelo grão em 01 de janeiro mercado de Líquido: Ganho: futuro e percebe $277 que os preços óleo e $259 por tonelada de de farelo para para cobrir seus custos de esmagamento.3 DETALHAMENTO A fim de "trader". US$ decisório no Chicago Board of Trade naquele cotações SITUAÇÃO exemplo: ainda mais nosso exemplo. DO MODELO DECISÓRIO os de grão também necessidade de EM CHICAGO com o produtor e o operador em Chicago: Mercado Físico Mercado Futuro 01/Jan Tem 1.000 kg de grão a $277 por t com um objetivo de margem de $40.

agora o produtor comercialização exemplo "hedge". São os Paulo. Sejam as seguintes cotações --------------- M. chama-se em São O exemplo o conseguiu Paulo. físico. base.6 apesar da queda de preços no mercado SITUAÇÃO eles que espera produzir seria de: No mês de fevereiro. manter de esperado respectivamente. utilizados cotados em que bases em São Paulo. utilizaremos considerando Quando preços só 277 552 259 é EM SÃO PAULO e o esmagador diferentes M.Futuro -------- vimos.8*259 . comercialização em Grão Óleo Farelo de forma a manter Nesta operação.Futuro -------- Base ------ 220 480 195 (7) (51) (14) acima em São Paulo. esperada 11: PRODUTOR Imaginemos se encontram diferença.000kg A margem comprados: esperada Margem = de produtos entretanto. 0.2*552 + 0. Base -----(7) (4O) ( 1) A mesmo para dos .277 contrabalançada Neste momento.6 por tonelada. o vende no 200 kg de óleo e 800 de farelo. de $40. E ESMAGADOR são conforme acima. para $480 e $195 por tonelada numa operação resultado "trader". esta perda Conforme no mercado futuro. daqueles vimos. seria: 66 o hipotéticas 01 de Fevereiro 01 de Janeiro ---------------- na Chicago. o preço do óleo e do farelo por um ganho no mercado a margem com $40. futuro a quantidade os 1. físico produtos: Data caem para sua operação.e gerar uma margem mercado de lucro satisfatória.

Data ...

Mercado

Fisico

Mercado

Futuro

01jJan

Tem 1,000 kg de grão
a $270 por t.

Vende 200 kg de óleo a
$552 por t e 800 kg de
farelo a $259 por t,
ambos para março.

01jFev

Vende 200 kg de óleo a
$440 por t e 800 kg
de farelo a $194 por t.

Compra 200 kg de óleo
a $480 por t e 800 kg
de farelo a $195 por t.

Perda:
Resultado

Em

01 de janeiro,

US$

7.00

mercado

abaixo
futuro

margens

mas

tem

uma

a) não

b) fazer

as

seja

cotações

no

calcula

as

e

óleo

- (277-7) = $26.2

+ (259-14)*0.8

não é adequada

que

esta

para sua operação,

situação

se

reverta

em

tem então duas opções:

e farelo no mercado

fisico

aguardando

um

no preço dos produtos;
o

mercado
vender

Observa

ou

obtidas:

O "trader"

aumento

compra o grão "7 abaixo",

para março e as bases praticadas

expectativa

vender

$65.6

$38.8

de Chicago.

acha que esta margem

fevereiro.

Vimos

o esmagador

(552-51)*0.2

O "trader"

Liquido:

da cotação

que seriam

Margem

Ganho:

($26.8)

"hedge"
futuro

se protegendo
e

aguardar

das

variações

um momento

mais

de

preço

favorável

no
para

a base de produtos.

que

a

primeira

alternativa

"trader"

se

expõe tanto na variação

variação

da

base. Podemos

"hedge",

o "trader",

é

mais

do preço

ver que, caso não

em nosso exemplo,

US$26.8.

67

arriscada,
futuro
houvesse

teria tido uma

pois

quanto
feito
perda

o
na
o
de

Na

segunda alternativa, o "trader", protegido das

preço

no

óleo

e

mercado

variações

mercado futuro, aguarda o momento em que as
farelo

lhe sejam favoráveis para

físico.

Podemos

observar que,

efetuar
embora

a

os

de

bases

de

venda

no

preços

dos

produtos tivesem sofrido uma queda, o resultado final do "trader"
foi

melhor

janeiro.

do

que se houvesse vendido os

produtos

em

Se tivesse fechado a operação em janeiro, teria

01

de

obtido

uma margem de US$26.2. Como efetuou a venda física em

fevereiro,

obteve

margens

uma

margem

de US$38.8. A variação entre

as

explicada pela variação das bases no período, conforme

é

mostramos

no quadro abaixo.

VARIAÇÃO DE MARGEM
Variação de Base
Óleo
Farelo

-40 -

(-Sl)

20%
80%

11

-1 - (-14)

Contribuição

Rendimento

13

2.2

10.4

Variação de Base Total

US$ 12.6
$38.8 - $26.2 =

Variação de Margem =

6.3.1 DECISÃO
Podemos
"trader"

DE HEDGE

definir
de

"commodity",

US$ 12.6

se

então

a decisão de "hedge"

proteger

também

contra

denominada

as

como

variações

proteção

sendo

a

do

de

preço

da

o

risco

de

contra

variação do preço "flat".
O

complexo

soja,

estabelecimento

de

comercialização:
demonstramos
importância.

por

suas

"hedge"

características,
em

qualquer

uma

possibilita
das

grão ou óleo e farelo. Nos exemplos

pontas
acima,

a forma de "hedge" mais usual, em produtos,

o

"trader"

pode

entretanto
68

decidir,

por

e

o
de

sua
uma

circunstância
grãos.

de

Vejamos

mercado,

pela opção de efetuar

o que aconteceria

no exemplo

o

"hedge"

acima se esta

em

opção

fosse a escolhida:

Mercado

Físico

Mercado

Futuro

01/Jan

Tem 1,000 kg de grão
a $270 por t.

Vende 1,000kg
$277"por t.

01/Fev

Vende 200 kg de óleo a
$440 por t e 800 kg
de farelo a $194 por t.

Compra 1000kg de grão
a $220 por t.

Perda:
Resultado

Observamos
menor

que,

do

Líquido:

neste exemplo,

que obteria

pela variação

valor

a

conversão
ser

obteve

um

resultado

feito o "hedge"

em

produtos.

desfavorável

do "Board Crush",
pela

de grão de soja em óleo e farelo.

esmagador.

para

cobrir os custos

e a

que é

atividade

Este

valor

margem

de

o
de

deveria
lucro

do

por excesso de oferta de óleo e farelo

no

Em 01 de janeiro este valor era de

Board Crush

0.2*552 + 0.8*259 - 277

Em 01 de fevereiro,
Board

o "trader"

bolsa de Chicago está pagando

adequado

$57.0

$30.2

se houvesse

Isto ocorre
que

Ganho:

($26.8)

de grão a

Crush

$40.6

este valor era de

0.2*480 + 0.8*195 - 220

Ou seja, em fevereiro,
mercado,

ou

por

atividade

de esmagamento

janeiro.

A

variação

entre

$32.0

aumento da demanda por grãos

diferença
o

no

exterior,

estava sendo menos remunerada
entre os dois

resultado

"Board

utilizando

69

o

Crush"

"hedge"

do que
explica

em

a
em
a

produtos

estoques uma decisão no mercado com as respectivas especulação seu operações é um fator de "hedge". mercado. Crush: $40. anormais ou duas das que reconhecemos situações margem. deve ser devidamente mensurada. o lucro resta ao "trader" do lucro operacional 70 operacional da empresa da só empresa. variação da Margem: $38. o confronto com estes limites deve ser controlada Tomada faz OU "trader" 6. a decisão vimos. à medida adiante que ganho sentido do "hedge". seja.0 $8. Os demonstram exemplos resultado das comparada mercado acima A físico. apenas de do futuro só variações eficiência ser a valores valor claramente do "trader" com a variação valorizações. estará .2 DECISÃO do resultado ao risco de variação efeitos análise no pelo que.8 . Lembramos limites no "commodity" exposição para da do preço dos produtos no de físico. no mercado que este também de "commodities".3. especulativos.6 .6 Variação de Board.$30. na empresa que estamos de que de preço da mercadoria variações de uma operação "trader" a e não reconhecemos acordo com as ou se que.daquele utilizando o "hedge" em grãos.2 $8.$32. do de estaremos a termo sem considerarmos mercado os preço total do conformidade pela da gerência e tomar a decisão de devem ser relatadas. pode apurando medida Veremos de históricos o resultado correspondente variação demonstrativos contábeis. DE MARGEM a decisão Conforme as variações mercado. perda portanto. A a distorcendo os o "trader" tem avaliando.6 Concluímos.

200 1.05 21. A partir deste momento. mas apenas as a do interessa flutuações "base". mantido pelos "traders".06 03.05 18. vamos supor que. ele imediatamente faz o "hedge" no mercado termo vendendo momento mais em as óleo e farelo futuro em Chicago.300 1.08 01. o "trader" só fala em "base" e não mais em preço total.73 abaixo e farelo a 14 abaixo e realizei urnamargem por mencionado tonelada". A cada lote (quantidade de grãos) comprado uma grão foi corresponde base. Cornopodemos ver. pois são estas que definem o seu lucro operacional e da não a variação do preço total dos produtos.estabelecido quando da venda da base de óleo e farelo. quando efetua a compra. vendi óleo a 68 14. no momento em que o "trader" faz a sua compra do no grão mercado físico.11 Quantidade (t) ------------- ------- 500 2. como Seu por valor exemplo expectativa de safra. expectativa da taxa de juros. em o preço total de nenhuma nenhum das de US$ momento foi "commodities" comercializadas. da Transação Data ---------- -------- 01 02 03 04 05 Os grãos varia de 15. que é registrada em um relatório auxiliar de controle de estoque. "comprei grão 20 abaixo. época do ano. A que o "trader" efetuou o "hedge" não partir lhe variações do preço total. o "trader".400 1. 71 .200 não são sempre comprados na mesma acordo Base (US$) com fatores já comentados. não mantém registrado o preço pelo qual comprou o grão mas sim a "base" pela qual o comprado. A fim de eliminarmos a decisão de risco de nossa análise. Por exemplo. (34) (42) (7) 13 11 "base". conforme exemplo abaixo: Nro.

óleo e farelo. atingir para fecha então a base de venda baixa a transação Se hoje e dado no inicio do item 6. 72 de "68 . completo que o "trader" efetua para avaliar bases de grão.3 e que caso. "crushing de esmagamento. e farelo matéria-prima.0 por tonelada. é ou margem que neste ou aguarda uma base mais dadas as bases de venda de produto a margem Vimos o seu obtemos uma margem número objetivo tonelada.2 por tonelada. de esmagamento produtos. que. observa vamos supor que o "trader" verifica uma base de "51 abaixo" para o óleo e "14 abaixo" farelo. ser com uma estratégia Periodicamente. e O "trader" a margem "trader" o condições. conforme objetivo de margem o exemplo seja de US$ 26. A decisão de fechamento tomada de acordo companhia.etc.0 produtos de de por nestas favorável se há alguma base de compra no mercado de no momento. para uma base de compra de "7 abaixo" óleo o mercado a denominado margem. considera uma base de "20 abaixo" para o grão para o óleo e de "14· abaixo" para o farelo. da objetivo na venda esta margem para cobrir os custos fixos e variáveis de deve e para gerar um lucro objetivado. Por exemplo. permite objetivo. US$ 26. Teria duas opções: e posterga sua venda ou verifica não poderia O cálculo dadas margin" O as exemplo abaixo" 3 fosse vender do de os estoque US$ 40. de base de venda de produtos estabelecida a gerência que deve ser utilizada Dado um volume suficiente esperado é sempre pela gerência define uma margem como parâmetro de operações.

sendo razoavelmente objetivada produção óleo a 68 abaixo de US$ 14. (=) Contribuição Demonstrativo de Resultados: Contribuição (+) Contribuição do Óleo do Farelo 64.98 80.42 15. dólar dos custos suficiente fixos ao longo do ano.Percentuais 6.200 ÓLEO (+) Mês Unidade Preço Chicago Prêmio +/- Agosto cents/pound 0.1023 0. A deve os custos ser com base apropriação em Os custos de conversão um padrão em fixos por são metas estipuladas de acordo previsto.2500 (0. estimados margem que se a empresa vender soja de 20 abaixo.204.Variáveis 26.73 por tonelada Esta margem custos de conversão.50% 206.00 8.44 243.50 13.50 7.355 36.62 216.42 (=) Margem de contribuição 14.1820 2. 24 7. FARELO GRÃo Agosto US$/short ton 235.50 7.26 14. (-) Frete p/Porto 12.80 18. 73 e não ainda sofrem conhecidos.62 Contribuição dos Produtos (-) Custo do Grão (=) 231. (*) Fator de Conversão 221.73 Bruta O quadro acima e farelo 14 abaixo.59% 9. (=) Preço por t(US$) 8.15 216.00 222.00% 37.20 (14.80 18.7454 401.98 8. 20 1'.55% 20.84 10. cobrir prover significa estipulado tonelada e com o volume a de . 2• 3• 4.00) Agosto US$/bushel 7. (*) Rendimento Produção 348.0680) 5.no Porto 374. (-) Desp.50% 216.50 232. um lucro satisfatório. (=) Sub Total 6.53 166. (-) Desp. (=) Sub Total 11.83 8.555 0.MARGEM DE ESMAGAMENTO ("CRUSHING MARGIN") ÍTENS 1.42 8. ao comprar para grande São os consegue uma margem variação anualmente.6 7.42 64. (=) Preço Posto Fábrica 14.85 270. Fator Desp.53 166.

do mercado. e quebra PIS. Todo o critério resumido de decisão na planilha o "trader" de cálculo transforma sua decisão demonstrada do "trader" acima. para o porto. somente em é que não necessariamente fechadas base no mesmo dia. a Este 74 ser procedimento fechada da pelo complica a . interno e impostos. valor presente período são sempre calculados do O valor dia. de a serem percorridas. em números e torna de vender ou não a base. é o percentual de óleo e farelo gerados partir do grão. Tudo depende A base do óleo poderia Setembro. fator importante do óleo e do farelo são comprador de posição suas expectativas Um condição de trocar de a destacar mercado.Observações: a) todos os valores de referência b) os valores no mercado c) fator de itens pagos em cruzeiro. futuras está Com base nela. com base no valor do frete com as distâncias a em US$ por tonelada. são primeiramente à taxa da cotação do produto fator frete utilizado acordo de Vendedores f) rendimento a para incorpora na produção converter despesas que a são tais como ICMS. de peso. aos preços de compra/venda Comissão vendas de taxa de juros para o e) frete para o porto é o frete da fábrica do que é a moeda como por exemplo com base na expectativa e depois convertidos de em dólar. percentuais é estimado descontados do dólar do dia. unidade d) o conversão é o fator de despesas proporcionais FINSOCIAL.

A operador. exemplo.definição quando do momento em que será apurado a base de. necessariamente que aquele O "trader" mas assume o risco de base. para total.um produto estiver o lucro fechada da ou somente operação: quando o "trader" tiver fechado a base de ambos os produtos? A venda de base também não instante em que distintas. é estabelecido decisão de quando baseado o ocorre na o "hedge". 75 de era no duas é decisões tomada mercado. o mesmo No melhor não assume o risco pelo nosso momento do preço . São feçhar a margem sua sensibilidade "trader" entendeu fechar a operação.

Como útil. 76 variando valor de de . Iniciremos.7. 7. O sistema de contabilidade gerencial a é aquele que fornece subsídios ao processo decisório da companhia e também é um dos demonstrativos utilizados Ele desempenho. se diferencia basicamente no custo manutenção pela uma taxa acordo contabilidade de capital de giro de financeira de um e na operacional financeiros em dólar. trabalha-se com reposição. é calculada com base no valor de reposição do bem a atribuída com avaliação tratamento da depreciação. adequa fornecer se a identificação das decisões críticas do negócio: de medição por não e relevantes o sistema contábil gerencial em uso na companhia para em resta-nos de desenvolvidos que modelo melhor de se decisão utilizado. critérios modelos as no informações "hedge". IMPLICAÇÕES CONTÁBEIS Uma vez saber conhecido o modelo de decisão como do "trader". na atribuição conversão dos demonstrativos A depreciação da para o de acordo com sua vida equipamento.1 SISTEMA CONTÁBIL ATUAL A empresa trabalha atualmente com duas contabilidades. financeira e a gerencial. os bens nunca são totalmente depreciados. este modelo é refletido pela contabilidade informações providas processo decisório. este capítulo principalmente possibilitem decisão margem comentaremos para e os e a discorreremos às decisão de descrevendo criticá-lo sobre os vários Em seus que Escolheremos dentre eles o necessidades da empresa à luz do a seguida. pela contabilidade são seguida. vários aspectos do lucro e representá-lo. então.

O Demonstrativo de Resultado Operacional 77 segue o seguinte padrão: . independente administração divisões. giro os demonstrativos operacional. das que as despesas central. válidos com os princípios para fins de Imposto de Renda. Na verdade. O resultado o capital de da giro aplicação do operacional da menos contas é carregado a pagar) no demonstrativo no de Lucros e Perdas mensalmente. Vale ressaltar preparados grupo ainda até o resultado divisionalizado. caixa é centralizada. Os demonstrativos simplesmente pela financeiros divisão são convertidos dólar em do valor de cada conta pela taxa de dólar do final do mês.o custo de capital de giro é obtido através índice inflacionário sobre empresa (estoques mais contas a receber início do mês. Todas as demais contábeis convenções geralmente são feitas de acordo aceitos. de um responde de forma são relatadas que a origina-se é faz parte responsabilidade do pressuposto financeiras como de são Como a administração financeiras sendo gerenciais lançado de pela das contribuição do no capital de resultado divisional. divisões não parte-se às despesas operacional. onde cada A empresa divisão pelo seu lucro operacional. que vimos.

Nota pelo seu valor acordo com os receita.Receita Bruta (-) Impostos s/Vendas (-) Comissões s/Vendas (=) RECEITAS LÍQUIDAS (-) Custo do Produto Vendido (-) Despesas de Distribuição (=) MARGEM DE ESMAGAMENTO (-) Custo s/Capital de Giro (=) MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DO PRODUTO (-) Despesas Fixas da Fábrica (-) "Overhead" (=) RESULTADO OPERACIONAL Vejamos mais detalhadamente as utilizam em cada uma destas contas. Editora Atlas. tradicionais o do fornecimento industriais venda. Manual de Contabilidade das Sociedades por Acões: Aplicável Também às Demais Sociedades. Atuariais e Financeiras. notas fiscais simultânea à ao a de da SOBRE VENDAS impostos também que a entrega dos produtos Este da e nas empresas das vendas pode ser feita pelas já Os de nominal. ICMS. ed. 1990. sobre vendas. Fundação Instituto de Pesquisas contábeis.l reconhecimento da de tais bens é quase comerciais. 78 . p.. 3 a. PIS e pelo seu valor nominal independente quando do prazo de recolhimento FINSOCIAL da emissão são da do imposto. da incidentes contabilizados nota fiscal. convenções contábeis que se Fiscal ao RECEITA A receita cliente é reconhecida e registrada tratamento está realização da vendas de quando da emissão contabilmente comprador. IMPOSTOS princípios onde "o momento deve ser. 1. 87 . normalmente. São Paulo. Nas empresas contabilização emissão das notas fiscais".

ao valor de mercado. a de materia-prima um problema fixar. a matéria-prima duas modalidades: preço fixo. é valorizado na valorização Embora a mercadoria do estoque ainda não normalmente a companhia valoriza 79 a média ao preço médio de tenha na produção o estoque móvel de grão seu com preço de óleo grão e com . farelo. por objeto assim como almoxarifado. O consumo do estoque no final do mês. A apuração do custo é feita ponderada. CUSTO DO PRODUTO Conforme em vimos. tudo sem valor de acordo se com a passa do estoque conforme valor com preço e o a preço conveniência como se a é feita pelo valor de aquisição estipulado é do companhia pela Lei das Sociedades em seu Item II do artigo 183: "Os direitos mercadorias um o grão para o produtor. a pode ser adquirida. porém. preço fixo e preço a fixar. da quando deduzido da este for inferior". em fabricação serão avaliados que tiverem e bens em ou Anônimas. produtos do comércio produtos da pelo custo de aquisição provisão ajustá-lo para companhia. recebe a mercadoria modalidade por pago em 48 horas. produção. preço fixado. fixar. Na armazenasse verdade. conhecido. utilizando-se ela pode ser utilizada Atualmente. Na matéria-prima a empresa produtor. No caso de mercadorias estabelecido A VENDIDO e matérias-primas.COMISSÕES É um SOBRE VENDAS percentual fixo sobre vendas de produtos efetuadas por agentes. posteriormente. avaliação mercadoria. empresa adquire a basicamente. Há.

E OVERHEAD: competência. contabilidade preço são agregadas. É o custo CUSTO DE CAPITAL em atribuir divisão. fixado mantém-se mão-de-obra de estoque O resto do estoque o custo de produção e os gastos gerais de produto acabado. conforme os princípios aceitos. é um dos poucos O objetivo parte e Pela DE GIRO gerencial a pagar. as vendido.2 OBJETIVOS GERAIS DAS MEDIÇÕES CONTÁBEIS Certamente. de distribuição. A fim de se apurar de pelo valor de mercado da menos reconhecer demonstrativos de níveis de estoque capital de mínimos. despesas da nota fiscal.preço a fixar consumido de fechamento na produção do resultado. Em objetivo geral não 80 das medições há contábeis discordância quanto é a ao . também com data à sem valor. obrigando DESPESAS São em relação do produto além das O frete é contabilizado como estoques do geralmente mais contas da o de penalizar por inflação a na financeira. Consiste contas não com a contabilidade. comentamos. receber é o de nos a manutenção a manter efetuados de giro operacional deste procedimento efeito FIXAS DA FÁBRICA ajustes contabilidade à uma taxa ao capital as divisões contabilizadas contábeis o custo flutuação óleo e farelo. 7. entendido pelo menos contábeis também giro. determina-se DESPESAS DE DISTRIBUIÇÃO Registra todos os fretes sobre produtos. despesas do departamento na emissão Conforme já integrado de fabricação. apuração do o principal lucro.

estando consagrada do lucro em termos da quantidade este pensamento. 1985. Measurement of Business Income. Fluxos Contábeis: Rendas. subjetivo na sendo o consumo excesso de pensa que está ao final do período do lucro se destina a tantos Jaedicke dependem de requerer dados poderia que podemos pessoa quão sobre objetivos não pode servir a todos os propósitos afirmam é o de o por medida real da melhor quão o melhor que estava no início do período". Robert K. Jaedicke.24. seu e Sprouse. ("as a clássica assim.' Edwards.2 entendimento o práticos well off") quanto estava no início. de em que às pessoas lucro objetivo Seguindo como durante "0 a indicação empobrecer. 81 .7 3. p. Fundos ~ Capital apud Szuster. e Sprouse. liaescolha Certamente quantitativos ser escolhido igualmente de conceitos decisões diferentes. uso. p. California.. São Paulo. propósito definição que elas podem consumir uma semana e ainda permanecer. James R. Edgar O. e Bell. Robert T.conceito Hicks. Value and Capital. uma problema exemplo. Tese de Doutorado. bem lucro. Theory The Theory University of and of 4. em comentam durante indivíduo pensava que uma dar consumir semana. USP. apropriados diferentes conceito Como de podem lucro com sua utilização". Lembrando de lucro é o de servir eu creio que este sem definir pode ao final da tão que como deveria que o conceito o é bastante interpretado período Edwards o base ser mais o como e Bell. Phillip W. que "é usualmente pessoa de central".4 2.6.. California Press. the Measurement of Enterprise Income. apud Sterling. Hicks.. 1967.3 A medição único parece reside no método de valorização. p. Análise do Lucro Passível de Distribuição: Uma Abordagem Reconhecendo À Manutenção do Capital da Empresa. de acordo que um O conceito bem. Natan. sendo o valor máximo prático do conceito para conduta prudente.

fazer melhor Hendricksen governo as classifica 5. de ou futuros para alcançar pela gerência julgamento várias "0 que como.138. de forma bastante principal pessoas da contabilidade interessadas todos os usuários de distinguir é o de prover em recebê-las.Hendricksen coloca.6 tais tem duas a segunda.271. mais exemplo.como parte de processo que Um dos objetivos dos demonstrativos entre capital objetivos genérica.i b d . Edwards and Income. e Accounting í 82 futuras medida das gerenciais. observados dados a avaliação dizendo negócios ou que às básicos da· contabilidade. pela informações passadas coleta úteis ainda em gerência.. medida distribuições realizações previsão dividendos ser da de do lucro. contabilidade. The Theory por propósito o desempenho Theory. e principal a em teorias o de forma a tomar as melhores com respeito abordagens como decisões que lia avaliação futuros é Mas. eficiência a de devem objetivo e lucro .5 dos objetivos da contábeis é prover de o de decisões de ser negócios decisões". e o uso do lucro utilizados é a avaliação decisões dos para e os métodos Prosseguem primeira Comentam úteis necessitam gerência. dados a e outros usuários Bell. facetas: avaliação da firma visto que também a do lucro na relacionadas da por podem da firma.entre estoques descritivo e Bell são mais específicos medição Existem de para históricos Edwards específicos o informações financeiros investido fluxos . .. credores. Hendricksen. acionistas.7 às atividades da medição Id. e como um guia para futuras alcançado 7. p. 6. uso na definição dados mais amplamente. com a estrutura p. and Measurement Df Business .

p. encaixa a do Segundo questionado é enquanto excesso de tempo". lucros contadores por sua vez.9 é um estoque Accounting e com é a soma de destes para manter 8. convenções comportamentais. serviços constante". do de relacionem que o "lucro contábil de significado correspondência comenta de no mundo real".227.8 interpretativo também carecerá coleta e por tanto tempo que tendem e negativos. a o estes aceitá- o capital o carecem lucro de líquido estabelecer e os conceitos investido de.. ibid. 10. algum muitos interpretativas..contábil. conceito lucro termos de continua itens positivos significado se As teorias econômicos conceituação O estoque lucro é o conceito ou muitos e fluxo ser lógicas usam itens são materiais. Id.. p...lO de capital constante é bastante 9. Dentro desta abordagem lucro Retornando custo dos quais não tem significado entre a contabilidade que distingue Irving Fisher. ibid. Id. se uma físicos do lucro. buscam um fluxo ao conceito necessário O "capital de riquezas é que "os mundo real. são estruturais e dados interpretacionais em internamente consistentes. tão freqüentemente los como tendo voltados do custo histórico. ligadas ao processo financeiro A respeito baseados estão e teorias o o daquele quanto à . tempo.142 83 p. Os de sistema mesmo que não se interpretação ainda dizendo ao e regras que devem dos economistas.138.. de riqueza de Hicks aplicado de riqueza muitos interpretativo. As teorias teorias informe histórico. Hendricksen. "capital futuros em o capital e em um instante através serviços Theory. interpretativo. serviços que pode prover ou à empresa.

Exemplifica método demonstra apresentando de Corrente Revsine Custo as demonstrações Histórico. cruzeiros nominais de custo histórico de capital financeiro o lucro representando tradicional porque as 11.227. que não de cada da definição Conforme deliberado de conceito. Análise Distribuição. e Custo Corrente 100% dos deles é coerente com o conceito afirma a "que fundamentada com seu objetivo. liACapital Maintenance Approach Measurementll. corno inadequados porém Custo Corrigido. Gynter. . Reg S. Hendricksen. The Accounting Review. Accounting Theory.13 conceito capital do a ele. demonstra Hicks. o valor do lucro a ser considerado urna conseqüência manterll. IICapital Maintenance Determinationll. p.. 12.9. mensuração de resultadoll. tem pelo avaliador. No conceito do manutenção importante do A do capital número de abordagem de manutenção financeiro. capital observa Gynther.sua mensuração.12 o conceito de manutenção de capital é então bastante urna vez que a medição do lucro está atrelada pode em ser dividido manutenção capital do monetário de manutenção aumento capital. Este conceito financeiro. capital corrigido e manutenção do físico. 84 resulta é o um receitas to Income price Changes and Profit do Lucro Passível de p. Revsine. considerados esforço a abrangênia que de na há o capital.apud Szuster. 13. contábeis Admitindo escolha entre os diversos em critérios desta Histórico lucros obtidos em cada método. ser Revsine que de sua determinação é utilizada que se ser acordo exata corno parâmetro será pretenda IInão significa em se manter urna quantia um podendo métodos o Custo a distribuição com base neste introduzidos segundo Assim.11 de afirmação. April 1981. Corrigido. Lawrence.

adotada manter a bens e de de seus ativos não integrando o é lucro do período.. 15. a reposição serão caso de enfoque. Id.. as variações lucro.devem exceder os contabilidade a ganhos/perdas pela resultado A o valores a de forma. contabilidade conceito custos físico.15 Szuster comenta devemos que numa economia ignorar Acrescenta "consistente a primeira abordagem ainda que o conceito com o conceito corno. corrigido que é deseja . ibid . Os considerada corrigido. se a empresa é capaz mesmo tipo ou se é urna quantidade ganhos/perdas pela parte do patrimônio a premissa de capaz repor de constante manutenção líquido. atualmente. sobre do produzir o Desta da de correntes custos de geral de pelo índice na manutenção do caso dos é incluídas No custos corrigidOS capital preços. capital. Id. 85 a do Brasil. manutenção início no históricos do período.14 do capital é mantido outros capacidade no valores de reposição. os O lucro não são são ~ubtraídos Estes de ativos. efeitos monetário investidor práticos. no lucro do período. para de capital básico do 14. para chegar ao ganho/perda Na abordagem é pelo índice geral de do início do período ganhos/perdas ativos este do índice geral de preços final do reposição do capital monetário corrigido mas contabilidade que No corrigidos capital ao final do período do período é sob dos ativos custos históricos de manutenção excesso preços nominais. ibid .. de reposição. os incluídos no baseada no sim diretamente do período serão incluídos de manutenção o capital com de serviços.

geral relevantes inflação tomadores de em dólares. lucro contas a a já receber em dólar. A gerência início da importante converteu contas Ora. 16.preservar sem e incrementar considerar empresa". de importantes.ll. todo o da gerência grão. como safra grãos safra. são cotados de geração de decisão. monetário de manutenção do lucro da empresa. é avaliado. na geração o capital questionar variação da gerência capacidade leva de maximizar Podemos dois aspectos desempenho baixa entre o valor aplicado ao final da safra. do seu investimento. da precisão. dólares. para tanto. do a utilização preço. importantes 86 capital do Estes fatores. uma vez que estoques. Szuster. do que de à cruzeiro. 16 A empresa industrializadora de soja. em nos no final. vez. sua o ao está em linha com o conceito índice considerar o o valor obtido caixa o objetivo monetário mais e define a pagar tem valor quase 'que nulo. da em é que os fatores pela empresa. substancialmente como sendo a diferença de de investe lucro no negócio aquisição início p. óleo e farelo. corrigido. os . É se e pela relevância em detrimento Temos então duas premissas Análise dólar devemos antes os O segundo preços fator é em termos à inflação do informação aliados do Lucro Passível para para o nosso modelo: de Distribuição. o valor monetário de manutenção com o raciocínio devendo. o a forma e a qualidade conceito coerente "é atividade. do dólar em se comparada escolher mas O primeiro de dólares. dos ativos utilizados do capital que a efetuar a por físico. a cada que serão na esmagados e comercializados ao longo do ano. empresa pela sua permanece reposição dos em seus ativos". notar que.

de da gerência. 1984.17 Miller 17. como funcionam que "os Buenos Aires. Newton. e que tentam de algum dos seus aspectos". restam tomadas de e o impacto as decisão comportamentais da informação frente à ou grupos o tem que será comportamento de informação da contábil.. Contabilidad Macchi. Fowler da realidade Newton. ativos da gerência serão incluidos teorias comportamentais. para embasar interessado gerência com o que vai acontecer afetar apenas eventos contadores Este está no futuro. a futuros. é o As nosso CONTÁBEIS dos conceitos que. que enfatizam financeiros externos decisões. contabilidade formais são dirigidos da informação a gerência primordialmente principal 7. em dólar. Ed. .3 MODELOS de contábil. os com bons instrumentos fluxo de dividendos podem modelos as As teorias Assim como o investidor decisões A partir contábeis. p. no primeiramente Mas. financeiros continuando último. aos usuários boas a abordagem tomadores conceito monetário pela manutenção devem ser emitidos mais voltado para a relevância comunicada Dentro capital no lucro do periodo. baseadas nos relatórios aos diferentes individuos deste processo decisório Os demonstrativos devem também suprir primeiramente interessada no decisão situa-se enfoque. de Hendricksen. um enfoque do Desta forma. Antonio F. "representações explorados conforme no item anterior.a) o objetivo corrigido. 114. 87 foram criados explicar o comportamento e Starr acrescentam Superior. os ganhos e perdas b) os demonstrativos Por é a manutenção externo está futuros.

M.. o nosso e a evolução contábeis. fundamentais do patrimônio da é contabilidade líquido (incluindo as grandes a a medição divergências e onde se diferenciam. . dados da realidade.119.. do patrimônio devem considerar 1. 18. as Newton. a medição das entidades neste item é o de caracterizar contábeis que pretendem sendo todos estes. Contabilidad Superior.18 tipos de modelos vimos patrimonial que a líquido e medição as seguintes do capital regras serem para fixadas dos ganhos e perdas questões: investido. apud Newton. onde existem as seguintes principais: predominantemente valores comercializados valores correntes sem dificuldades históricos. Starr. para valorizar e valores bens os históricos para .. que para todos os efeitos pode considerar-se: a) um capital físico b) um capital financeiro 2. Segundo utilizados um dos problemas da evolução os modelos contábeis Fowler valorização e em seu poder e que certas onde residem os principais na prática. Miller. Investigación p. os critérios alternativas a) empregar b) empregar de medição a empregar. objetivo TIPOS DE MODELOS CONTÁBEIS mensuração do lucro do período). assim como os bens de terceiros contingências. 88 .demonstrativos contábeis são modelos descrever a situação os emitem.. .K.W. Acuerdos Ejecutivos ~ de operaciones. j D.

CONTABILIDADE TRADICIONAL A contabilidade tradicional se baseia na aplicação dos seguintes conceitos: a) o capital b) os a manter critérios é o financeiro. as seguintes medições alternativas principais: a) considerar b) ajustar os valores nominais. distorções monetárias da inflação. de medição predominante são os baseados em considerar os custo histórico. PARA A INFLAÇÃO a inflação é uma diferentes daqueles das financeiros. obtidos os principal de valor. c) não se efeitos os Sãos INCORPORAÇÃO bem estritamente para geralmente aceitos. os valores para a inflação. 3. 89 Sua como critério PARCIAIS dos demonstrativos segundo elaborados DE AJUSTES parciais resultados financeiros é que o custo prevalece sabemos. correntes medida que como base principal a empregar têm também para as efetuar de valor. contábeis característica ajustes correções demonstrativos princípios Como efetuam grandes obrigando contábeis. que modificam os modelos que seriam as regras de custo histórico. causas à criação das de produzindo se aplicássemos Um bom exemplo é o da .o resto das contas patrimoniais. c) utilizar valores a de unidade contábeis.

mensurado pagos em de financeiros. ajustados comum... O atributo entretanto. Adjustments for Changing Prentice Hall. O ao é "colocar obtendo. unidade de medida uniforme". 20. Hendricksen. Para os estoques. "reflete na A VALORES CORRENTES a contabilidade os preços que deveriam a valores é o preço corrente de aquisição custo corrente de produzí-Ia.. uma unidade ainda é o de ao nominal. termos longo de da do tempo compra. melhor medida é o custo corrente condição e da mesma objetivo reposição o valor corrente da Para fábricas mercadoria e ou equipamentos.4. 1986. os em uma contabilidade todos os montantes a em desta forma. não são baseados objetivo medido valorizados poder tradicionais moeda de mesmo poder de compra.Correção Monetária Anônimas que distorções custo histórico os e a unidade cruzeiros representam diferentes demonstrativos unidade de medida valores históricos medida constante. . que a inflação provoca demonstrativos Como de acordo ajusta os balanços CONTABILIDADE Os do Balanço uma custo histórico. na de um ativo similar de o a mesma idade que o ativo possUído".P. 19 CONTABILIDADE Em essência.20 da contabilidade a valores correntes 19. 90 p. reposição O correntes Accounting Theory.226. cap. de ou são é o cruzeiro de medida quantidades financeiros as AJUSTADOS tradicionais recebidos Sociedades reduzindo nos demonstrativos A VALORES HISTÓRICOS financeiros com a lei das para a inflação. de ser pagos por um ativo ou seu uso data do seu balanço . é o de prices. New "relatar Jersey. Stickney.31 p. C.

que o custo de aquisição CONTABILIDADE A VALORES o anterior. reconhece. cap. mais relevante CORRENTES Como específicos contábil a valores dos índices específicos correntes preços. Adjustments converter os custos correntes do ativo sobre o investimento. O ajuste para cálculo dos O modelo para a inflação prices. conforme giro aos efeitos mensais à medida em Apesar ajustes. valorização da inflação. decisão de preço financeira a valor corrente. sistema apuração o sistema mantém de estoques. a inflação capital de resultados ocorre com ajustes parciais pois. e feita pelo seu valor nominal. claras principalmente feita pelo custo de vendas. dólar. a valores históricos de preços Desta correntes ajustados: e o impacto da inflação.31 p.os efeitos operacional das alterações e na posição de um atributo. pela . stickney.21 AJUSTADOS também utiliza valores pelo índice geral de do modelo de contabilidade a variação da empresa. parciais do além de para ligações no que com o concerne à histórico. só que ajustados forma combina as vantagens com as do modelo reflete este modelo no desempenho Ela provê medidas para a tomada de histórico".30. como base. que o sistema utiliza da depreciação tem ajustes vimos. MODELO CONTÁBIL DA EMPRESA o modelo contábil utilizado atualmente pela empresa é um mixto de contabilidade tradicional contabilidade para a custos correntes. da receita 21. for Changing 91 e a exposição o valor corrente e do retorno de custo tradicional.

de os ao sob de custos e analogamente. um significado o significado das custo o método pretendem e concluir é prova de que ele se os contadores então é seu dever explicar Hendricksen. tradicional... a aponte as vantagens falhamos explícita. de "veracidade" Sterling DA EMPRESA em uso atende tomando como base e "relevância" quem critica ferozmente "Em nossa revisão das situações teorias decisão detectar foram especificados até histórico que são Prossegue "Embora ainda questionando gerais..276. as aplicáveis modelo da informação. somas indica capazes falhamos descritas significado para as embora ponto de vista do controle. Este é empresa um com em aspecto que trabalha 22. fornece o números a não informacional. o significado de descrever não que portanto em encontrar e empírico que. de por nós.4 CRÍTICAS A nossa de intenção decisão sterling É AO MODELO o do CONTÁBIL é avaliar próprio se o sistema "trader". custo Theory que custos informativos". .. p. devemos e de contabilidade decisões. numa A operação Enterprise Income. não dos números de não empírico obtidos: cálculo empírico falta que para de um existe. decisão irrelevantes sejamos a por uma teoria de decisão se torne conhecida históricos termos a estas uma teoria de conceitos problemáticas um único exemplo em que os números forma. com produtos sujeitos of the Measurement 92 of principalmente a safra. em dos números.22 a comparabilidade correntes. mas informações. materiais adquiridos confrontação relevantes. do custo histórico e.7. histórico especifique comunicar datas diferentes receitas sem conteúdo critica em Desta diferenças . bastante importante.. sterling..

a termo.soja requer sua a compra de matéria-prima estocagem rotação das "commodities" comparação Junte-se trazem a apuração contabilmente valor de entrada de contábeis.. Além das distorções produzidas custo (decisão de margem). A valorização: do dos significativas custos empresa de compras Atualmente dia de então custo corrente à históricos. Asset Valuation Determination. R. Em um "hedge" perfeito.. Ijiri. Kansas. o Já vimos que o futuro. Entretanto. com preço a fixar. tem esta soja é valorizada fechamento trabalha demonstrativos dos com ao dois para soja com preço critérios a fixar e de custo para as demais. de tal forma que o variações com das variações de "hedge".S. Yuji. Scholars Book Co. de preços de venda correntes prejudicando preço longo do ano para de estoque aliada à inflação preços Como ao em quatro meses que defende sua abordagen a custo histórico do fluxo financeiro a contabilidade acaba mostrando é muito mais uma da empresa a custos que a ferramenta de do que um instrumento de apoio à tomada de decisão. "A Defense for Historical Cost reproduzido em Sterling. and Income . a isso ainda a modalidade tratar do comercialização. estoque distorce "hedge" é um mecanismo o' mercado variação preço da da decisão de proteção de preço no mercado das no mercado duas da receita o não reconhecimento à variação físico O espera-se que a uma variação ganho 23. contrária soma a apuração na confrontação e cada de resultado perda das Accounting" . contabilidade controle e baixa volatilidade distorções com A uma soja que já foi moída mas não no estoque? mercado histórico e a alta ano do resultado. Yuji Igiri23 é um dos poucos históricos. 1971 93 de de preço utilizando corresponda se anule.

atividades de de estoques manutenção especificamente. os período demonstrativos por período. Se os dados contábeis decisões passadas abordagem mudanças que devem ser úteis para avaliação em uma operação estes dados devem prover no valor de mercado que estas alterações de "commodities".operações no diferentes daqueles dos mercado estoques. deve e não também ambas tem o os mesmo significado. a) do lucro nas operações b) dos ganhos preços Estes são desta sobre e naquelas daquelas resultantes ("holding gains"). fechamento a são reconhecidas em que são reconhecidas Enquanto da operação o primeiro a termo. diferentes. devem ser apropriadamente das atividades operacionais. Outro aspecto mercado. uma medida as pela empresa. os elementos chave de informação 94 necessários para a . divididas contábeis das das Mais prover devem precisa: e ou perdas resultantes subiram segue informações dos ativos mantidos resultantes interna da manutenção de ativos cujos ou baixaram. é o princípio Esta conservadora adotada necessariamente significado apenas reconhecer ganhos? Do é pela uma contábil de conseqüência da contabilidade de que não tem no mundo real. físico são reconhecidas estamos reconhecendo gerando termo somente eventos demonstrativos em períodos as variações de preço é geralmente as variações reconhecido de preço no quando do faturamento. Por que a empresa as perdas em relação ponto abordagem vista ao mercado econômico. separadamente. o importante menor". complementares inconsistentes em datas no mercado Ou seja. sob o ponto de vista do "custo ou "trader" .

73. Edgard o. importante tipos de ganho sejam cuidadosamente tipos de decisão. para dois decidir empresas quanto operacionais.avaliação das atividades informação sobre os pontos críticos função da contabilidade Edwards e Bell freqüentemente usualmente manterá resultado liberdade processo produtivo. para e as possível reduzir atribuídos ao W. e Bell. é não separados estão interrelacionadas da através a de obter lucros. Edwards. 1961. afirmam produção obter da empresa pela gerência. Philip Measurement of Business Income. A de ganho são liA empresa tem dois de fazer lucros tão de preços porém. ativos outras serviço. muitas adequadamente". pela utilização entradas diferença tipos que seus oportunidade atividades e enquanto alternativa a a de ativos estará comprometida A oportunidade ativos uma é de dois tipos de decisão. que quantidade manutenção Há. . de provavelmente. operacionais de ganhos do desempenho 95 das produto ou empresa de a eventos requerem que em como dois lucros. através e venda de um conceito de com para entre as forças que motivam os dois métodos críticas ativos sobem. fazer na produção se estas puderem quanto ao Samuelson coloca manutenção são úteis como indicador manutenção lucros decisões de manutenção avaliá-las lucros separadamente. Comenta que as decisões o dos serviços. de ou em todos os estágios lucros por um ou por outro meio e a diferença doa quais dependem esta principal quantidade isto é.. dos ganhos de da gerência na operacionais e não é então os benefícios 24. que estes ao longo do tempo em qualquer e os do negócio Prover gerencial.24 ser avaliadas "Se um ativo é adquirido futuros. dos alguma dúvida se a interpretação de ativos. University Los Angeles. The Theory and of California Press. p.

96 gregoriano o da safra? da receita Conforme 25. não cabe no processo avaliando. Richard A. e Bell. do preço dos ativos quando de sua manutenação".ativo estão refletidos alteração que sua argumentação que decisório decisão estamos com estabelece Conforme não na na claramente expectativa de de tomada de vimos. o Changes be .25 Entendemos decisão nos lucros operacionais função entre as decisões vimos que são abordadas separadamente. forma que ajustes para mudanças como custos como função da contabilidade". da realização gerencial. "Should Replacement Cost Included in Income?".26 seguida contadores que os responsabilidade. April 1980. Edwards sentido como vimos. p. operacionais Embora haja alguma valorização e as decisões interrelação de manutenção. do "trader" de trocar tomada futuros. o ajuste de em si Acrescentam em conscientizando para a os desta efeitos da do resultado da ainda é muito precário. em que uma Esta decisão em é da futura O gerente pode e deve ser então avaliado de sua decisão. 26. segundo também o princípio processo de apuração o Será que faz calendário outro período. Edwards e Bell também criticam monetário medição tal alegando o princípio que os contadores de magnitudes monetárias do denominador "adotam (receitas. Samuelson. processo o um momento de posição deve ser considerada. base "commodity". ser criticado apurar objetivo do valor do dinheiro não são assumidas comum também o período de acordo com o calendário o resultado da empresa seu ciclo operacional Devemos criticar válido no obedece decisório fiscal. Accounting Review. inflação Deve No empresa quando e lucros) já estão se nosso caso..9. Business Income.

de seus ativos cremos que este seja o modelo as entre períodos. diferentemente.5. uma vez CONTÁBIL a Sob o operação. o impacto da inflação idade e composição Apesar de resultados ante ante urna históricos contra um padrão geral da moeda e não na .fechamento da margem e conseqüentemente são feitos normalmente ponto de vista resultado emissão do "trader". fechada crítico OS VALORES HISTÓRICOS contabilidade da Por que então reconhecê-lo da Nota Fiscal se o evento 7. como por exemplo: a) melhora o receitas significado e despesas e a medição do lucro líquido. adequado ítens entre empresas. o resultado na variação pois não é relevante A estratégia normalmente genérica. de queda. baseado à contabilidade do negócio. 7.5 MODELO a apuração tem vantagens a custo histórico. de aumento de preço. da Nota Fiscal.1 AJUSTAR A bem antes da emissão já está apurado. são confrontadas já em moeda de mesmo que poder de compra. b) permite a comparação c) permite avaliar inflação impacta as empresas das vantagens em relação decisões críticas monetários não ítens específicos preços de urna cesta de produtos urna expectativa expectativa ajustados. da destas decisões do poder de compra empresa de da adquire a é julgado para para dos e não nos é vendido valores não preços A soja é comprada O produto Sob a contabilidade 97 dependendo tradicional. está focada nas variações que a companhia já que a e passivos. somente o na já ocorreu? PROPOSTO À INFLAÇÃO a valores históricos ajustados em relação à contabilidade significativas receita.

e expostos. que o esmagamento pela manutenção IItraderll tem A primeira decisão lucro no seu componente da empresa. segunda fundamentalmente. capital. da do complexo comentamos A sistema segregar de operações óleo farelo. pela atividades empresa são como operacionais. perda através Um exaustivamente. decisório a analogia horizontal. intrinsicamente companhia. é duas de· IIhedgell. estoques CORRENTES a serem tomadas. são lucros operacionais. .variação de preços 7. no mercado de ativos. soja. do lucro operacional anulando IIQualquer ganho que a empresa movimento de de para cima e também no a diferença decisão obter um ganho na manutenção e no seu componente único a é. move a a de arriscar operação perdas é de apoio ao processo o o ligada à maximização ou não correr este risco. obtido ou a ganhos de e medição medição rolante a que se horizontal para do ativo e lucro tenha como de em resultado manutenção.5. 98 é de uma escada entre ganho pela manutenção Qualquer ganho futuro. Edwards e Bell utilizaram de baixo explicar operacional. o que atende valores correntes.2 TRABALHAR COM VALORES Conforme já decisões críticas margem. de movimentos ou deve então resultante da do grão e sua transformação proveniente de Dentre os critérios a estes quesitos sentido ou atividades ganho verticais. de um ganhos de resultado o possível gerencial operacional.

de temporal. produtos em grão e produção ~rodutivo. tem mais sentido do que a I . a a decisão de do de margem. Os dois sentidos tipos de ganho. Corrente lucros sobem. representa confrontadas contábil o valor que a empresa teria para obter o ativo ou seus serviços. a melhor medida com a receita b) a soma de ativos do modelo a " custo corrente pagar outras vantagens a valores do valor das entradas corrente correntes 99 para efeitos que desta sendo de previsão.Vendas I P R tempo Correntes P R tempo P R tempo P R tempo tempo -------->0-------->0-------->0-------->0--------> D U D U D U D U Ã Ã Ã Ã I I I I ç ç o ç ç o o o ----+---------+---------+-~-------+---------+---------+--------> Início do Período Corrente Fim do TEMPO Período Corrente Aquisição Figura Estes dois decisão. de através da um ganho de soja. através de óleo e farelo. é sua é tipos É industrializadora de preço. A manutenção decisão expectativa obter primeira é a decisão ativos manter de enquanto do grão um aumento lucro através esmagamento o do Fluxo são conseqüência ou de de obter os preços No caso de uma empresa de de Entradas 1. A segunda do processo dois posição a na decisão neste caso. Hendricksen aponta valor de reposição: a) o também representa correntemente forma.

100 . medido. 228-229. de observadores como simplesmente a definição objetivos em si (que é um aspecto é principal inerente as normas) senão em fixar normas não está claras que "desde que a objetividade o mensurador. Lawrence~ Cost Accounting. correntes. BOEDECKER p. New Jersey. o sistema é importante Accounting o as medições". para quem "o problema objetividade quem aplica "ao invés existência objetividade por Fowler que que p. Objectivity Replacement 1973. Robert K. Contabilidad Superior. Newton.238. "Realiability anci/ of Accounting Measurements". Ijiri.76. objeto sendo 27. Hendricksen. de que limi~em Revsine com na à personalidade de quem pratica acordo grupo corroborada grau de discricionaridade ainda acrescenta são realista entre um ou mensuradores~.29 de mensuração entender Theory. varia aplicado a de e o objetividade " 28.28 Esta afirmação de que é muito mais o consenso e Newton. A.. apud Revsine. Yuji and Jaedicke.soma de custos históricos c) permite devem a demonstração ser incorridos em diferentes dos lucros operacionais utilizados para a previsão de datas. Prentice Hall Inc. alegam. 1127 Talvez a maior valores correntes poderá chegar crítica que se faz ao sistema diz respeito à objetividade a ser tão objetiva quanto de contabilidade que. OBJETIVIDADE Yuji Ijiri afirma na objetividade independentes definir de de basear fatores das pessoas que os percebem... a contabilidade a nunca a valores históricos. p. 29. fluxo de que caixa futuros.

. Cost Accounting. desta regra dificilmente definisse ao seu custo histórico 30.76.existe Se apenas em termos de grau". será pequena. sair de se a ou . que os a sair ou último preço médio ponderado Contabilidad obtido p. as cifras dos demonstrativos (certamente as diferenças de valorização contábei$ de entradas' etc. Revsine. 101 bens a a entrar. valorizarãd o que for menor'" . se define que os "'bens de troca se ao a ou a valor de mercado.47. outra valorizarão que ou. Superior. e definidas objetivas claramente.. aplique para que o preparador a seu gosto qualquer dos demonstrativos método (PEPS. de faturas cotação A aplicação do que aquelas i de base primeiro troca primeiro a o menor. 31. corrigidas que uma entrar. 'os sobre ou valor de mercado. UEPS. Newton. preço médio ponderado. por exemplo.30 as normas não são estabelecidas probabilidade de conseguir medições no caso de custos correntes Se. teria menos objetividade que primeiro poderia~ pela inflação) . Replacement 'os bens de troca através de da datas. seu custo histórico se dá margem tanto quanto para custos históricos.). quem pratica resultar serão nos modelos é possível as medições da aplicação valorizados contábeis que não homogeinizam as que os efeitos da subjetividade de seja maior de uma norma clara em que ao seu custo de reposição fornecedores de próximas (no seu caso. o que permite contábeis resultantes maneja~ dentro de certos da aplicação dos limites diverso~ ! métodos são maiores Dada esta situação. . na sua falta.31 p.

seus preços informações a qualquer pois pode ser verificado indivíduo. são apesar sendo este muito de ser portanto na valorização acabados. utilizados. Accounting Theory. índice Poderíamos todo o tempo a um custo baixo e os produtos mercado histórico As decisório. p. problema. Hendricksen. na Bolsa de . onde as o preço da do que o apenas observando Chicago. 32 Na empresa que objetividade avaliações uma residem o feita valores a máterial principal estoques são disponíveis são feitas a cada três anos por entre as pelo avaliações. 32. contábil que. por qualquer quantidade "commodities". objetivo corrigido. ativo de reavaliação correntes. é muito baixo. mercadoria custo de Mas. em um mercado comercializados do imobilizado. para efeito gerencial empresa geral estamos as cotações podem ser No caso cotada histórico momento estão ou a é custo momento.78. para sujeito a verificação se podem ser de profissionais quem "objetividade por outro investigador competente". residiria em qualquer e produtos eficiente. significa um cita enviesado.Hendricksen à comenta objetividade. dentre todos os significados o mais expressivo é o que define verificadas por qualificados". problemas do Como os ativos de matérias-primas cotados de impacto da depreciação no processo os e os bens são corrigidos sobre os critérios é o nosso objetivo. o na especializada de preços discorrer não avaliando. maiores avaliação nos intervalos antigos. mas imobilizados no resultado. para a teoria que "medições consenso da mensuração são objetivas intersubjetivo também atribuídos Moonitz. 102 tempo. não certamente de mais no nosso caso.

preços sistema que este critério a unidade correntes Alterações entre que se faz ao p. pelo da IGP no soja em pois seu e seu preço de venda são em cruzeiros. relevantes os demonstrativos aos caso. no caso de uma for Changing 103 prices. Adjustments e atendendo Desta forma. o papel de um índice de preços 33.42. correntes final unidade observando de ajustar lhe faz sentido. contabilidade apuração sempre a mesma mesma não ajuste de no início do ano e o balanço correntes ao de medida de no índice geral de preços torna os montantes incomparáveis. seria de Ajustar a em calcular os longo período não dólares é. objetivo de lucro. . do que "as alterações dos ganhos do preço da soja no entretanto.31 na inflação como a brasileira. tempo.UNIDADE Uma DE MEDIDA outra valores crítica correntes reconhecer valores que é o não balanço é Da constante. de manutenção correntes tomador para o variação relatórios de que. utilizada na contabilidade Reconhecemos para ao relativas a valores de preços. este de do preço gastos menores. satisfaz. Stickney.33 suas matérias-primas dólares. que fazem. no nosso uma medida que lhe são fixadas valores a no índice os valores mas entendemos Apenas ano de reposição"." continua nos correntes custos estão forma. como mão-de-obra para em dólares a gerência. A outras despesas uma na medição no a "falha líquido a alterações pouca relevância variação lucro em ainda Stickney a importância índices gerais o baseadas não são discriminadas verdade. fixados em correntes do objetivo trabalharemos de fornecer com medida geral de mercado decisão. cap.

de entrada podem ser definidos utilizados 34. Os tipos de valores a) Valor Presente ao valor de saída apropriados de Fluxos de Caixa Futuros: presente ou valor descontado líquido esperado fatores importantes possam pela venda ou prazo fluxo "primeiro. Os valores recursos de todos antecipados como o preço os custos e relacionados corrente despesas com a venda e entrega da mercadoria.COMO SERÁ MEDIDO Estando que claro o conceito será utilizada. atacar o problema Há varias critérios cada um dos quais sobre o impacto das alterações podem e a unidade ser medidos a valores de de como para o o valor cálculo provendo do diferentes de preços.34 b) Valor Líquido de Realização: é definido de saída menos o valor corrente incrementais adicionais confecção. corrente será valores correntes. de caixa devem caixa que antes que os a quantidade é igual de em termos de fluxo de caixa futura ou troca da mercadoria dos do devem ser conhecidos futuros: determináveis esta medida de um ativo. fixados ou o ser quase definitivos". 104 ativo p. Hendricksen. como uma na sua medição condição dos e . coloca com um razoável recebimentos devem estar dois ativos descontado a ser recebida ser definitivas grau de certeza.302. informações correntes de valor corrente devemos medido. Hendricksen ser valorizados de benefícios a este caso são: Segundo. para Accounting obter o Theory. de entrada medida Os valores ou a valores de saída.

respostas até que realmente de uma venda.36 A escolha entre a utilização definida com bastante fundamental entre o uso de valores que implicam de produção valorizados empresa de ativos com resultado ponto de entrada. Business prices. realização para definição relação valorização 11 sugere contábeis das que com o conceito é uma versão da venda ou e Bell comentam da aquisição de saída original Este tratamento reconhecido ser deixe nenhum se forem contábil de critério de principal de devem que esta abordagem dominar das entradas os registros até a venda final requer que o lucro operacional a soma do valor de saída de todas as entradas 35. correntemente No nosso caso. saídas.79-80. p. Edwards base do lucro operacional. produção Segue de saída como medida os dominância de entrada ao uso dos valores que processo até que a venda seja consumada. Adjustments a lucro tão logo o valor de saída do ativo em um estágio exceda 37. aplica-se o montante que a empresa para repor o serviço potencial apenas teria o custo que pagar incorporado em seus ativos específicos. ibid.35 localização corrente. de vista é consistente de uma empresa. Income. de ativos. stickney.. p. 1137 Edwards valores como devem contabilidade. 36. na de saída do de saída assumir é diferença ou valores Em que estágio O uso de valores reconhecido os valores 11A implica que todos os ativos operações Em questão: base na sua entrada seria operacional Este dos ativos? como utilizados de entrada e venda devem os valores valorização e Bell: ou de saída os ativos reside nas diferentes para a seguinte na valorização de entrada lucidez por Edwards como forma de valorizar de de valores for Changing and Bell.presentes. seja da (se .305. Id. ou seja. 105 cap..31 p.30.

recebimentos do lucro entendemos e pagamentos 38. A venda do produto forma. A venda do produto uma troca de um ativo por outro. A valores de como a soma contínua de O lucro surge quando um um valor de entrada. com a venda real do produto final representará de devem ser completados cliente.forem matérias-primas movimentação abordagem do ou produtos ativo do estágio precedente de lucro operacional utiliza realização para o reconhecimento os estágios da produção mercadoria ao relacionado intermediários) produção. de de o de conceito vendas. utilizadas da estará final. No nosso caso. não gera lucro no conceito as saídas a valores são valorizadas correntes valor de saída substitui venda substitui o valor de entrada. 106 é que futuros de do então Desta pelos vendas os e valores representam . saída não requer de enquanto conhecimento das si só..38 Podemos observar entrada não requer de valores produção. de valorização dos ativos No caso de receita entretanto. recolher. impostos de acordo com a produção o de saída. dos e reconhecimento conseqüentemente é a venda de base. corrente valores quando entrada o preço dos de produtos vendidos. ambos tendo o mesmo valor nos livros". entrada de por porque entradas que a utilização conhecimento do conceito da produção. ibid . Id. O fator 'crítico para a determinação operacional fundamental para a gerência operacional.. os critérios nenhum Esta Se e todos antes da entrega operacional lucro na de produção do lucro operacional. não é relevante do lucro operacional com os valores lucro para o reconhecimento utilizaremos valores correntes descontados a a abordagem de entrada.

mais ~dequadamente o valor corrente decisão.39 são utilizados disponíveis.. a companhia realização "preços de do negócio". p. O conceito e devem fluxo temporal. conforme explicaremos DIMENSÃO TEMPORAL E DA PRODUÇÃO Se adotamos a proposição prevalecer nos consumada. da contabilidade aplicação de adiante.. serão utilizados Edwards até que um preço corrente quando na o historicamente conceito tomada e Bell chamam final.89. todos os ativos são carregados os devidos 39. ganhos de na valorização obtém tradicional no uso do princípio de entrada DE REALIZAÇÃO serão utilizados de produção da venda. datados "Valores ativos do critério que entrada devem venda seja a de "visão de at~vos ser os preços suas definindo base simplesmente correntes entradas. 107 carregam a custo corrente. estágios mercados valor até que os preços a serem utilizados em diferentes nos DO CRITÉRIO contábeis adotando valorização dizendo mais detalhadamene de que os valores registros da operação no processo a de datas mas venda . como base para valorização mas estes valores à produção estamos como seja realizado". Id. estamos contábil Quando para dizemos a o que Edwards que valores de de entrada até a venda onde de produção do fluxo vertical. realização para o das duas venda dimensões. é baseado produção longo do de entrada correntes. ibid. que estamos de realização a a a como base de ao realização mesmo desenvolvendo com base na da realização ao tempo. não são reconhecidos até e tempo. e Bell enfatizam o É também critério como reconhece e temporal.

de sistema de capital com e as unidades os demonstrativos apoio É o que faremos a seguir. utilizadas. . ibid.. 40. 10. que conceito os atributos manutenção no de que mediremos só nos resta detalhar utilizaremos gerencial. p...90. Id.final.40 Definidos o trabalharemos.8 ao processo o qual de medida financeiros decisório .

no instante implica físico na Bolsa de Chicago. aos de materiais preços pode ser . conforme Q quantidade e os venda na forma de FI F2 02 G1 1-------------------------------------------------1 compra física o·1 esmagador comercializados praticados G2 venda física e respectivamente.8.1 . apuração de DE RESULTADO uma advindas das deste modelo. Sejam de G·1 os preços no mercado em Chicago no mercado do farelo. que são A margem dada por: 109 os e óleo i. 8. prover um modelo até chegar Acrescentaremos utilizadas da julgadas relevantes "trader" sofisticado forma contas são de resultados a este objetivo. local. da e a gerência componentes iniciaremos margem geral. do produtos quadro abaixo: 01. SISTEMA ° DE APURAÇÃO sistema de apuração informações que principais. da empresa da de materiais gradativamente. processe-os 2. apuração pelos deve seus companhia. fim detalhando longo do chamamos demais os cada conceituais de simples ao que posteriormente de resultado.ESMAGADOR EM CHICAGO Suponhamos esmagador um grãos no instante no instante em Chicago. definindo que e as implicações usuários A ao será. que compre 1. A localização ele por preços iguais grão. o atender de capítulo.

F1 e 01 na equação 1. o entendimento vamos admitir.(1) onde MM = nf = rendimento do farelo rendimento ROF Resultado da margem como contrapostas de do óleo de mercado materiais "hedge" .quantidade de farelo comprometido qo . no momento compra do grão. futuro.quantidade de grãos de soja comprometida no mercado futuro. à variação e subtraindo unitária de Operações das operações utilizadas Somando de materiais no O resultado parte margem só no Mercado Futuro futuro será considerado uma vez têm que conteúdo estas como operações.quantidade de óleo comprometido 110 no mercado no m~rcado futuro. carregamento produtos. qf . são desprezíveis Isto implica que. informacional se de preço da matérias-primas. obtemos: (2 ) MM A fim de simplificar mercado futuro. de estoque do resultado por enquanto. o preço que os em relação de variação O das Operações de custos de ao preço em que o "trader" dos efetua futuro do óleo e do farelo embutem expectativas Resultado das operações a apenas na safra de produtos. . no Mercado Futuro pode então ser dada por: ( 3) ROF onde: q g .

efetuo uma venda no mercado de "hedge" perfeito. uma vez que o preço do grão pode variar mais ou Um "hedge" perfeito o mercado hipótese. não produtos. do que os produtos Este nesta de seus menos equivalentes. o "trader" objetiva de preços de produtos comprometa sua margem. quando o "hedge" é perfeito 111 e o esmagador se . quando físico. fazer o "hedge" em grãos. no mercado as operações efetuo uma compra no mercado futuro Em pois futuro são sempre que a flutuação objetivo Por mercado exemplo. o também o são. seria então obtido na equação (3) quando (4 ) Substituindo (4) em (3) obtemos: (5) Substituindo Isto significa (5) em (2) obtemos: que. uma operação preço inversas quando. às do e vice-versa. é atingido de venda futuro. do óleo e do farelo vendendo em quantidades "trader" na compra o grão. o "trader" pode também estará equivalentes contratos evitar fecha no de produtos. só garantindo venda o preço de que.As variações físico.

112 1 com trabalhando mesma data: receita A de no instante estamos a operacionais manutenção de vendas 1. Desta operação já está fechado. ganhosjperdaspela comparamos correntes custo de preços onde mencionamos suas obtém pela sua decisão está de acordo com os conceitos correntes. A parcela forma. da compra do grão no mercado no mercado a termo. de das "commodities". A Margem de Materiais (equação pode então ser separada (2)) em dois componentes: Margem e Esmagamento (7) Resultado das Operações de "Hedge" A Margem Esmagamento atividades "Hedge" operacionais enquanto ou não com a variação Esta separação valores ser separados dos estoques. diferença ganho pela a variação manutenção de de com vendas em estoque do preço do matéria-prima. Quando os custos de matéria-prima valores versus de corrente abordagem é que calculado sobre o das Operações que os a receita no instante de contabilidade lucros corrente de matéria-prima. a margem de materiais Qualquer é fechada farelo variação físico de preço no mercado será anulada por uma variação mercado futuro. Materiais oposta resultado denominaremos no da Margem Esmagamento.encontra em Chicago. no instante da Margem momento físico e da venda de óleo e de óleo ou farelo esta no de iguale o 1. obtém pelas que o Resultado é o ganho ou perda que a companhia de especular devem é o lucro que a companhia nossa não mas é sim .

de Seu momento estoque pela decisão de quando de comprar grãos. operação Ganho: ($25.000 kg de grão a $277 por t. Perda: Resultado Neste uma exemplo. conceitos SITUAÇÃO através de alguns exemplos numéricos. I: PRODUTOR Suponhamos E ESMAGADOR a seguinte EM CHICAGO . Vende 200 kg de óleo a $552 por t e 800 kg de farelo a $259 por t. ambos para março 01/Fev Vende 200 kg de óleo a $480 por t e 800 kg de farelo a $195 por t. barganha está voltado O ganho/perda do pela manutenção do que pela decisão Estes "trader". é limitada da safra e pela capacidade quando "commodities" mesmo que os produtos A compra da de acabado.0) Líquido: o "trader" de $65.6 $40.HEDGE PERFEITO operação: Mercado Mercado Físico Futuro 01/Jan Compra 1. pela época de colheita esmagadora. fatores reduzem processo decisório. venda a portanto. Compra 200 kg de óleo a $480 por t e 800 kg de farelo a $195 por t. Vamos agora.pela variação A de preço do produto liquidez do comercialização comprado. nos óleo e farelo para por sua vez. para o melhor é desta forma mais influenciado produtos permite um ainda não tenham ociosa na indústria capacidade de produtos.6 compra o grão e no mesmo venda no 113 mercado momento futuro faz das . ("holding gain") vender de dado a grão sido produzidos. demonstrar os acima. mercado imediata de de grãos.

114 foi efetivamente . temos: ME = 1*(0.6 + 0. a Margem realizada de Hedge indica que houve uma operação de ou seja. a definição de Margem Esmagamento (ME) exposta acima.8*(259-195) (ROH) seria: + 0. apesar da queda de preço dos produtos.0 O Resultado da Margem de Materiais seria: MM = ME + ROH MM = 40. supondo que l.6 ===== O Resultado "hedge" da Operação perfeito.quantidadesequivalentes grão produzam utilizando de óleo e farelo.8*259 + 0. Esmagamento objetivada em 01 de janeiro em 01 de fevereiro.0 MM $40.6 --------- o Resultado das Operações ROH 1*(0.8*(195-259) de Hedge 0.2*(552-480) ROH = $0.OOOkg de 200kg de óleo e 800kg de farelo.2*(480-552)+ + 0.277) ME = $40.2*552 .

Físico Mercado Futuro 01/Jan Compra 1. aumento no ME Líquido: o "trader" Esmagamento 1*(0. na expectativa fazendo seria: + 0. Perda: Resultado Neste exemplo.8 $7.8*(195-259) 0. Compra 100 kg de óleo a $480 por t e 400 kg de farelo a $195 por t.0) + 0.SITUAÇÃO 11: PRODUTOR Suponhamos especular agora E ESMAGADOR EM CHICAGO urna outra operação com a variação Mercado de preço .1*(552-480) ($32.2*552 ROH das Operações .277) de Hedge seria: 1*(0. o .2*(480-552)+ + 0. por t e 400 kg de farelo a $259 por t. Vende 100 kg de óleo a $552.4*(259-195) ROH especular "hedge" de apenas parte ME = $40. decide preço das mercadorias A Margem Ganho: ($25.6 O Resultado $32.HEDGE em que o IMPERFEITO "trader" decide "flat".8 preço do óleo e do farelo. ambos para março.000 kg de grão a $277 por t.8*259 compra o grão e. 01/Fev Vende 200 kg de óleo a $480 por t e 800 kg de farelo a $195 por t.8) 115 de urna com da compra.

Sua decisão tornando diferença indicam que o resultado ou seja. Sejam gi' fi' oi os preços do grão. Já vimos que existe uma diferença pago pela soja e seus derivados Bolsa de Futuros e o entre o em São Paulo e o preço na em Chicago. 8. farelo e óleo em São Paulo no instante i. se o "trader" tivesse em 01 de janeiro.6 . demonstra os ganhos na manutenção com clareza de estoques e o a lucro operacional. temos: 116 farelo e óleo em São Paulo .ESMAGADOR utilizemos produtor preço o EM SÃO PAULO mesmo exemplo acima.32.A Margem MM de Materiais = + ME ROR MM 40. só que com o esmagador em São Paulo. que o preço em Chicago mais a base.8 Os resultados se alterou. menor do que o desejado.6.8 MM $7. alcançados com o preço dos produtos o resultado Podemos observar entre operacional fechado não a sua operação teria obtido um lucro de $40.8. especular seria gerou uma final da operação que este modelo perda de de $32.2 . Lembrando grão. A Margem de Materiais em São Paulo seria dada por: (8) MM Sejam respectivamente é igual ao preço boi as no instante bases do i.

f2 F2 + bf2 02 = 02 + b02 gl (9) G1 + bg1 Substituindo (9) em (8).bo1) + (10) (11) A Margem de Materiais a) Margem "traderll Esmagamento obteria (equação iMEl: (11)) pode ser dividida é o resultado se fechasse a operação de em: materiais que o de venda no momento de compra do grão.(G1+bg1)) + . (12) 117 . temos: MM (G1+bg1)) MM = Q*(nf*(F1+bf1) Q*nf*(bf2 + ROF + no*(01+bo1) .bf1) + Q*nO*(b02 .

o É a decisão ganho/perda de segurar na expectativa de (13) c) Resultado líquido das Operações de "Hedge" obtido pelo "trader" e sua cobertura no mercado (ROR): entre a variação é o resultado de preço "flat" futuro. perfeitamente o ganho pela Chicago que é e por isso deve manutenção de momento de um aumento ser a "hedgeada". convenientemente apurada. BA o o do é importante negócio. Numa operação objetivo bases um de margem. entre fechar a base naquele mais um pouco. "HEDGE" PERFEITO as seguintes cotações do complexo e fevereiro: 118 soja nos meses de . (14) ROR A negociação das "commodities" acrescenta um variabilidade ou ao risco do "trader" é maximizar (BA). acima através de alguns exemplos numéricos: SITUAÇÃO I: ESMAGADOR Suponhamos janeiro EM SÃO PAULO. Caso o "trader" dos produtos espelhado Vamos decida também especular no mercado no Resultado ilustrar com o aumento futuro. O "trader" decide aguardar Esta componente em qualquer das bases. na expectativa decisão local fora de de BA. o resultado das Operações os conceitos de de sua decisão preço estará de Hedge.b) Ganho/Perda adicional pela que o "trader" fechamento aumento Manutenção de Base~: é obtém pela sua decisão da base de venda de produtos do resultado.

ambos para março. Mercado conta o Físico Mercado teríamos: Futuro 01jJan Compra 1.8) numa expectativa ou seja. maior especulando Aplicando os conceitos a) Margem Esmagamento ME Líquido: Ganho: $65. como vimos. na expectativa com a base. qualidade locais pelos produtos utilizando ------ 220 480 195 A base. Vende 200 kg de óleo a $552 por t e 800 kg de farelo a $259 por t. desenvolvidos 1*(0.6 $38.8*(259-14)+0. obtemos: . 01jFev Vende 200 kg de óleo a $440 por t e 800 kg de farelo a $194 por t. é a resultante local Base M.(277-7)) de obter .8 não realiza a venda em 01 de janeiro variação ME ($26.000 kg de grão a $270 por t.Data 01 de Janeiro 01 de Fevereiro ---------------- M.Futuro -------- ------ das despesas dos ajustes e dos ajustes do complexo (7) (40) (1) de frete entre no preço por entre oferta e das demanda soja. o mesmo exemplo do item 8.1 em São Paulo. Perda: Resultado o de "trader" um resultado de base favorável.Futuro -------Grão Óleo Farelo --------------- Base 277 552 259 (7) (51) (14) produtor diferenças de e o cliente. Compra 200 kg de óleo a $480 por t e 800 kg de farelo a $195 por t.2*(552-51) $26.2 ======= 119 acima.

de fazendo não o .2*(480-552) 0. 01 de seu Em 01 de resultado. adicional de $12. com a variação 120 favorável.2*(-40-(-51» BA = $12. i~dicam que.6 ===== c) Resultado ROH = ROH d) Margem das Operações de "Hedge": 1*0. uma acima o "trader" expectativa Tomou então janeiro.= $38. e em com a variação o "trader" $26.2*(552-480) + $0. a decisão efetua pela sua decisão Em 01 de especular tinha uma Margem de que haveria esperando fevereiro.2 + 12.2 o óleo e farelo a venda e apura um resultado de especular de 01 a decisão futuro.b) Ganhoj(Perda) pela Manutenção BA = 1*0.6 de base. tomou de preços no mercado "hedge".8*(-1-(-14» de Base: + 1*0.0 de Materiais: MM = ME + BA + ROH MM = 26. na data da compra do grão em uma variação de não vender um aumento Esmagamento no de bases janeiro também.8*(195-259) + 1*0.8 Os resultados de janeiro.8*(259-195) + 1*0.6 + O MM.

Este

é

exemplo

embora houvesse
o

"trader"

aguardando

bastante

interessante.

Podemos

urna queda no preço dos produtos

obteve

um lucro adicional

um momento

mais apropriado

observar

que,

do complexo

soja,

efetuando

o

para efetuar

"hedge"

a venda

e

física

de óleo e farelo.
SITUAÇÃO

11: ESMAGADOR

Trabalharemos
o

"trader"

"hedgeando"

EM SÃO PAULO,"HEDGE"

IMPERFEITO

com o mesmo exemplo acima, considerando
quer correr o risco de variação

de

apenas parte de sua compra no mercado

Mercado

preços

que

"flat",

futuro.

Mercado

Físico

apenas

Futuro

01jJan

Compra 1,000 kg de
grão a $270 por t.

Vende 50 kg de óleo a
$552 por t e 200 kg de
farelo a $259 por t,
ambos para março

01/Fev

Vende 200 kg de óleo a
$440 por t e 800 kg
de farelo a $194 por t.

Compra 50 kg de óleo
a $480 por t e 200 kg
de farelo a $195 por t.

Perda:
Resultado
Aplicando

os conceitos

a) Margem

Esmagamento

ME
ME

Ganho:

($26.8)
Líquido:

$16.4

($10.4)

desenvolvidos

1*(0.8*(259-14)+0.2*(552-51)
$26.2
=====

121

acima,

obtemos:

- (277-7))

b) Ganhoj(Perda)

BA

pela Manutenção

1*0.8~(-1-(-14))

de Base:

+ 1*0.2*(-40-(-51))

BA = $12.6

=====

c) Resultado

ROR

=

das Operações

1*0.8*(195-259)
0.2*(259-195)

de "Redge":

+ 1*0.2*(480-552)

+

+ 1*0.05*(552-480)

ROR = ($49.2)
-------------

d) Margem

de Materiais:

MM = ME + BA + ROR
MM = 26.2 + 12.6 - 49.2
MM = ($10.4)
=======
O

modelo

decompor
suas

de

apuração

o resultado

duas decisões

"hedge".

A decisão

um ganho adicional

de resultados

negativo

básicas:
de margem

nos

permite

de $10.4 obtido pelo "trader"

a decisão

de margem

foi adequada,

de $12.6 efetuando

ao invés de efetuá-la

desenvolvido

e a

nas

decisão

pois o "trader"

de

obteve

a venda em 01 de fevereiro,

em 01 de janeiro.

A margem

total do negócio

foi de $38.8.
A decisão
uma

de "hedge" foi, por sua vez, infeliz.

expectativa

de

aumento

O "trader"

do preço dos produtos
122

e

por

tinha
isso

decidiu

especular

concretizaram
Entendemos
conteúdo
do

e a companhia
que

o

atualmente,

sistema

críticos

Sofisticando
apenas

restante
Data

Suas

segregar

01 de Janeiro

----------------

277
552
259

Base
-----(7)
(51)
(14)

não

se

tem

um

DIFERENTE

é vendida

em 01 de

01 de Fevereiro

123

utilizado
os

do "trader".

DE ZERO

fevereiro

agora
e

o

cotações:

---------------

220
480
195

decisões

vamos considerar

Sejam as seguintes

M.Futuro
--------

de

de forma clara

decisório

ainda mais o nosso exemplo,
parte do estoque

resultado

tradicional

e o processo

EM SÃO PAULO, ESTOQUE

de

para o tomador

contabilidade

em que permite

em 01 de março.

expectativas

teve uma perda de $49.2.

mais relevante

do negócio

M.Futuro
-------Grão
Óleo
Farelo

"flat".

modelo de apuração

de

na medida

8.3 - ESMAGADOR

que

este

informacional

que

fatores

com o preço

01 de Março

---------------

Base

M.Futuro
--------

(7)
(40)
(1)

309
607
285

------

Base
-----(15)
(7O)
(2O)

8*(259-14)+0. 25 do preço "flat". ambos para março. t. OI/Mar Vende 50 kg de óleo a $537 por t e 150 kg de farelo a $265 por Compra 50kg de óleo a $607 por t e 150kg de farelo a $285 por t. Vende 200 kgde óleo a $552 por t e 800 kg de farelo a $259 por t. Compra 150 kg de óleo a $480 por t e 600 kg de farelo a $195 por t.75*(0. Esmagamento . Perda: Resultado A não novidade Ganho: ($7.2*(552-51) ME $19.75) Líquido: $33. da companhia do Esta é uma medida dimensionar ganho/perda importante a sua exposição de flutuação de base e ao risco de flutuação Em FEVEREIRO temos: a) Margem $41.(277-7» .000 kg de grão a $270 por t.65 124 ao risco .SITUAÇÃO I: "HEDGE" PERFEITO As operações realizadas Mercado foram: Mercado Físico Futuro 01/Jan Compra 1.5 neste exemplo está no reconhecimento realizado para a gerência no mês de fevereiro. 01/Fev Vende 150 kg de óleo a $440 por t e 600 kg de farelo a $194 por t.Realizado ME = 0.

Não Realizado BA 0..Realizado ROH 0.0 125 .55 ===== b) Ganhoj(Perda) pela Manutenção de Base: .05*(-40-(-51» $3.(277-7» ME = $6.6*(-1-(-14» + 0.45 .2*(552-51) .Não Realizado ME 0.6*(259-195) + 0.15 --------- das Operações de "Hedge": .25*(0.15*(480-552) + 0.6*(195-259) + 0.15*(552-480) ROH $0.8*(259-14)+0.2*(-1-(-14» BA c) Resultado + 0.15*(-40-(-51» BA = $9.Realizado BA 0.

2*(259-195) + 0. 126 I .70 ===== Em MARÇO. temos: a) Margem Esmagamento .0 MM = $29.55 + 3.Realizado MM 19.10 .55 ====== .45 + 0.15 + 0.65 + 9.(277-7» ME = $6.05*(552-480) ROR d) Margem + $0.8*(259-14)+0.2*(195-259) + 0.Não Realizado MM = 6.Realizado ME = 0.25*(0.05*(480-552) 0.Não Realizado ROR = 0..2*(552-51) .0 MM = $9.0 de Materiais: MM = ME + BA + ROR .

05*(607-552) 0.2.2*(259-285) + 0.40 I 127 .15) ======= c) Resultado das Operações de "Hedge": ROH = 0.0 d) Margem de Materiais: MM = ME + BA + ROH MM 6.2*(-20-(-14» + 0.b) Ganhoj(Perda) pela Manutenção de Base: .05*(552-607) + ROH = $0.Realizado BA = 0.2*(285-259) + 0.55 .05*(-70-(-51» BA = ($2.15 + 0.0 MM $4.

4 "commodities" adicional ($29.55 6.1 mais $9.00 0.Real 26.55 Ganhoj(Perda) pela Manut. resultado A de $29.45 de base favorável.2 Real o resultado 128 em março de foi base de fevereiro de no mercado de do mês.65 são parte decorrente parcela de uma variação da companhia variação tivesse de materiais preço gerou um resultado da margem esmagamento dos apurada produtos seria de $38.7).1.2 19. da companhia. de base não realizada realizado N. teríamos: Janeiro Real Fevereiro Março N.7.Real ------ ----- 26.65 6. nos 29. de Base 9. A realização do em Fevereiro estoque $19.15 (2. pois o "trader" havia tomado desfavorável contra ganho no de dos todo o estoque em fevereiro.2. decisão e $9. Neste caso.15) Res.Real Real N .40 conclusões tirar efetuado a venda em Janeiro. o aumento de preços dos produtos não impactou uma afetou estoque $2. .15.45 3.Resumindo em demonstrativos mensais. A queda de de realizar de 75% quais estoque.00 0. da companhia $4. A margem de materiais também porém (ROF = O).00 Margem Esmagamento de -----Margem de Materiais Este demonstrativo interessantes.10 9.8 no mercado "hedgear" todos os seus produtos diminuiu do "trader" o resultado Restou de "commodities" uma margem passível parte do não Se a a margem o a decisão de devido a uma variação realizada de realização em $9. Operações "Hedge" 0. a companhia teria apurado um ganho de $26.70 possibilita Se o "trader" tivesse 4.

Perda: Resultado Não vamos refazer Ganho/(Perda) alteraram. ambos para março. Vende 100 kg de óleo a $552 por t e 400 kg de farelo a $259 por t.15*(480-552) 0.75) 0. t.SITUAÇÃO Suponha 11: "HEDGE" IMPERFEITO as seguintes operações: Mercado Mercado Físico Futuro 01/Jan Compra 1.60) 129 + e do não se refletida no .3*(259-195) + 0. 01/Mar Vende 50 kg de óleo a $537 por t e 150 kg de farelo a $265 por Compra 25kg de óleo a $607 por t e 100kg de farelo a $285 por t. Resultado Líquido: as única variação das Operações da Margem Esmagamento de Base. 01/Fev Vende 150 kg de óleo a $440 por t e 600 kg de farelo a $194 por t.88 contas pela Manutenção A Ganho: ($7. pois estes valores deste exemplo está de "Hedge": Em FEVEREIRO: a) Resultado das Operações de "Hedge": .Realizado ROH ROH $20.000 kg de grão a $270 por t.6*(195-259) + 0. Compra 75 kg de óleo a $480 por t e 300 kg de farelo a $195 por t.075*(552-480) ($24.63 $12.

05*(480-552) + + 0.24.20 MM $1.60 MM $4.2*(285-259) 0.Realizado MM = 19.50 ====== .025*(552-607) ROH = $3.-~Não Realizado ROH = 0.1*(259-285) + 0.025*(552-480) ($8.15 .65 + 9.2*(195-259) 0.2) ====== de Materiais: MM = ME + BA + ROH .8.98 ===== 130 + .55 + 3.1*(259-195) ROH b) Margem = + 0. 50 ===== Em MARÇO a) Resultado das Operações de "Hedge": ROH = 0.05*(607-552) + 0.45 .Não Realizado MM 6.

6.0 estoque .50 em N.15 ) (24.20) 3. gerou um ganho adicional que de Base.45 3.38 Preparando os demonstrativos fevereiro e março. de Base Em janeiro.38 de Materiais.55 .Real Real ----- de fevereiro ------------ Real N.60) (8. foi de $4.15 + 3.Real 26.98 MM = $8.15 (2. menor do todo o estoque desfavorável dos produtos Pela Manutenção em fevereiro.2 19.65 6. A queda de $24.5). mensais Real Esmagamento ------------- ------ N.50 4. Operações "Hedge" de obtemos: ------------- Margem para os meses teríamos $1. especular ------ ----- 1. farelo.5 na decisão de A equivocada. Se todo o estoque uma Margem do "trader" 131 de Materiais de realizar o o se fosse de $6.55 6. da variação realizado foi gerou uma perda no resultado líquida ------ ----8. mais adequada que se A a sido fechada em 01 de janeiro.Real Ganhoj(Perda) pela Manut. A decisão em março foi de base de óleo e de acertada. Março Fevereiro Janeiro Res.50.98 ----- ------ ------ Margem de Materiais medida ------ a decisão de margem que maximizou do "trader" a Margem cqm o preço "flat" foi entretanto de dos produtos preços margem de operação A materiais tivesse decisão Apesar de não realizar aumento de preços sobrepôs à Perda ($4.55 9.2.b) Margem de Materiais: MM ME + BA + ROH MM 6.

É o chamado o com limites com bases e com o preço "flat". realizar evitar o exemplo.posteriormente gerou uma Margem de Materiais Acumulada maior. A apuração do lucro não realizado é uma medida importante para que a gerência da companhia possa avaliar sua posição de risco. Uma vez atingida a meta. para evitar o risco de não mesmo que conseguir ele tenha uma expectativa de margem realizar manter ganhos esta ainda maiores. ponto de a companhia a fim suas posições. mesmo que com prejuízo. prejuízo. pode ser bastante criticado sob o ponto de momento vista de reconhecimento da receita. O modelo de apuração proposto é então uma ferramenta bastante útil no controle do nível de risco da companhia. Se. conforme vimos no capítulo 7. perda em qualquer operação de de "stop loss". Hendricksen.RECEITA DE VENDAS: MEDIÇÃO E MOMENTO DE RECONHECIMENTO O é feita atualmente na companhia. de sair do mercado e realizar a sua posição.5 mais $8. 132 conceito de .88 ($4. de forma muito interessante. 8. existem especulação deve especulativa. momento realizada de base for de US$ 3 milhões. no valor de $12. da forma como de relevância para a apuração do resultado. É muito importante. o mesmo ocorre para os ganhos. o "trader" deve sua posição margem. por não saber mesmo Na empresa que estamos avaliando. Os "traders" tem metas de por operação. separa o receita em três aspectos. a risco de perdas maiores.38).4 .

não nos deteremos muito neste ponto. O QUE DEVE SER INCLUÍDO O autor sugere que deve haver urnadistinção entre as atividades que produzem receita daquelas que produzem ganhos e perdas. O "trader". Mas urnadespesa financeira pelo financiamento este aos valor clientes. os impede das de quando para o despesas pagamento procedimentos tradicional desconsideram o valor do a da dinheiro no Hendricksen comenta que a "receita é melhor medida pelo valor de tempo. Na verdade. a Corno contabilidade gerencial da companhia já segrega atualmente as receitas dos ganhos. Este valor representa dos o equivalente de caixa ou o valor presente de troca líquido montantes a receber originados das transações que geraram 133 a . o negócio. 2. gera diferentes Este $130. O mesmo produto. O QUE DEVEMOS MEDIR A contabilidade gerencial da companhia. conforme vimos. por exemplo. em o que não está de acordo com com os conceitos de valor presente. financeiras acertado O preço de venda é acrescido posteriormente. contabilidade gerencial registrará urnareceita procedimento distorce significativamente demonstrativo de condições de as de pagamento diferentes.1. troca dos produtos ou serviços da empresa. de acordo com o prazo com contabilidade o cliente. com urnataxa de juros para período de 30% e o valor da mercadoria for de $100. Outro aspecto avaliaç~o fechou da importante é que este procedimento rentabilidade das operações. a vendido receitas. considerou urnamargem de contribuição produto a vista. for feita urnavenda a 30 dias. no análises Lucros e Perdas. Nota Fiscal no registro da receita. utiliza o valor da embute Se.

. 3. deveria ser classificada separadamente e a não incluída na receita proveniente da venda de produtos. é ainda ela comentando que. Hendricksen. a receita é 1. o desconto certamente não é irrelevante e não trabalhar trazidas receitas valor a traz presente com distorções significativas. A este respeito." Para a realidade brasileira. 2. o valor do desconto. Business Income.176.2Ou seja. onde a inflação já chegou aos 80% ao mês. Edwards e Bell. subseqüentemente ao os juros registro da venda. Accounting Theory.receita. c) a receita de juros. não afeta materialmente o valor total da receita. proveniente dos juros de financiamento clientes. p. adotam corno objetivo (receitas. TEMPO DE RECONHECIMENTO DA RECEITA Na contabilidade gerencial da companhia.. b) a fim de deveriam obedecerem o princípio da ser registrados competência. 134 reconhecida . quando "pode ser ignorada por a taxa três de razões práticas: a) a pequenas taxas de desconto. p. Edwards e Bell comentam que. variações a medição das "[os contadores] magnitudes monetárias custos e lucros) de tal forma que os ajustes para do valor do dinheiro em si não são entendidos as corno sendo urnafunção d~ contabilidade. os contadores crêem que sua responsabilidade limita-se ao registro de valores nominais e não de valores presentes dos itens em questão.g."l desconto Continua pequena.

O conceito de realização. 1990. São Paulo. de maneira geral. bens ou uma ser recebimento pode ocorrer pela manutenção do ativo. Esta sugere que o "momento mais é apropriado para o reconhecimento da receita quando a decisão mais crítica foi tomada ou quando a tarefa mais difícil é realizada". Atuariais Financeiras (FIPECAFI) e Arthur Andersen.178. Hendricksen. p. Hendricksen.. ExternaI Reporting e Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis. liA receita registro é pela considerada realizada e. p. conforme o conceito tradicional de realização da receita. dando direito ao troca apuração da receita quando ela foi validada entendida como sendo o momento da emissão da Nota Fiscal ou assinatura de um contrato de prestação de serviços. The Accounting Theory.. -ª 5. Nesta abordagem. que é a abordagem do evento crítico. Atlas. quando portanto.4 Hendricksen propõe uma abordagem alternativa ao reconhecimento da receita. outro ativo. rompimento transferidos caixa a apuração da receita quando ou para Isto é. 4. a ou devem serviços um cliente.178. o termo "realizaçãoll é utilizado para regras estabelecer específicas para o tempo de reconhecimento da receita. embora careça de "precisão analíticall3 representa. ocorreu. O termo "realizaçãoll veio para significar pela a realização de não venda. contabilidade.quando da emissão da Nota Fiscal.".5 O AAA Comittee on Concepts and standards - 3. produtos passível de serviços ou produzidos ou prestados pela entidade são transferidos para outra entidade ou pessoa física mediante pagamento ou compromisso de pagamento especificado perante a entidade produtora . Normas Práticas Contábeis no Brasil. The Accounting Theory. 135 .

para entrega em março. a 6. 136 é Venda qualidade. onde constam as quantidades vendidas. colocamos propositadamente os eventos juntos para evitar complicações desnecessárias.6 No nosso caso. para três o "trader" pode fechar em janeiro a base de entrega em março e fixar o preço da na urna venda Nota Fiscal em utilizemos as fevereiro. Mas. prática. Id.Futuro M.. o processo de venda tem três etapas distintas: a) fechamento da base b) fixação do preço c) emissão da Nota Fiscal Nos exemplo que demos acima.reforça ser ainda mais o conceito. Esta transação por um instrumento legal denominado "Contrato de Base". o .Futuro 309 607 285 (7) (4 O) (1) janeiro. Data 01 de Janeiro 01 de Fevereiro M. fevereiro e março. seguintes cotações de preços no mercado futuro e as respectivas bases nos meses de janeiro. definindo que as informadas quando o nível de incerteza foi receitas devem reduzido a um nível tolerável.00 abaixo da cotação de Chicago no dia da fixação amparada de de preço. o "trader" fecha urnaoperação de venda de abaixo" para março..Futuro Grão Óleo Farelo Em "14 277 552 259 Base (7) (51) (14) 220 480 195 Base 01 de Março M. A explicação torna-se mais clara com um exemplo. ibid . a companhia Base (15) (70) (2 O) farelo a cornpr-ome t e+se a faturar a soja a US$ 14. ou seja.

venda da base e 3. ao invés sê-lo caso os produtos estejam 137 i. ou um total de US$ 181. segunda feita em da Nota Fiscal seria a a termo em fevereiro US$195 tonelada. perfazendo A emissão ela por por este na contabilidade.prazo'~ A o local de entrega. 2. a seguinte situação: 123 4 1-------------1--------------1--------------1 Sejam os instantes 1. Vamos supor que importante cotações menos a base fixada em janeiro. em março independe É das em março. de materiais pode venda das bases. emissão da Nota Fiscal Fi' bfi' Oi e Gi os preços de óleo. compra da matéria-prima. mercado seja. 00 é reconhecida a receita notar que a Nota Fiscal emitida de mercado Suponhamos do da Nota Fiscal seria feita em março Neste momento seja cotação menos US$14. fixação do preço 4. etapa é a fixação do preço. valor. de "hedgeados" ser na no . ° valor fevereiro. grão e farelo no boi e bgi suas respectivas resultado Nosso das operações objetivo reconhecida emissão de futuro no instante é demonstrar quando da da Nota Fiscal. bases no instante que a margem instante i e ROFi o i.

obtemos: Como a base foi fixada no instante 2 segue que e A equação (17) então se torna: (18) Somando e subtraindo F3' 03 e ROF3. obtemos: Como o preço é fixado no instante 3. no instante corretor a faz a fixação venda e solicita do preço. com o contra instante sua posição de Ou seja. futuros para 3. segue que: (20 ) e Quando o IItraderll a transfere mercadoria. posição Neste de suas operações momento comprador 3.5) e a margem de materiais em 2: (16) subtraindo (15) de (16). o IItraderll entra em a compra de sua de uma posição no de contato futuros momento. apura o resultado o mesmo do cliente.ROF4 o (21 ) 138 . A margem neste momento. no mercado da no futuro (ROF).mercado futuro. ROF3 . de materiais em 4 pode ser dada por (1. Desta forma.

O embarque é apenas um trâmite burocrático que deve ser cumprido. Do ponto de vista de quem toma as decisões. Isto implica que: Substituindo (23) em (22). a venda foi efetivamente 2. momento igual quando MM4 = MM2 a operação está perfeitamente da venda da base. obtemos que -------> MM4 . ele está "hedgeado" em produtos contra a de até variação preços no mercado futuro. Isto significa que as variações preço de produtos ocorridas desde a data do fechamento a data de fixação de preço são anuladas por a de da base variações de "hedgeada" no sinal invertido no mercado futuro. a margem de materiais neste momento margem à implica de materiais no momento do faturamento. é Isto que o resultado da operação pode ser reconhecido. quando realiza o realizada negócio.Substituindo (20) e (21) em (19). O "trader".MM2 = O Ou seja. toda vez que o "trader" fecha venda da base. seja o "trader" ou presidente instante da companhia. obtemos: (22) Vamos assumir no nosso caso que. sob o ponto de vista gerencial. administração da companhia. no momento do fechamento do contrato de venda de base. não o no se preocupa mais com a posição deste produto. Não há nenhum evento subseqüente que possa alterar o resultado da operação. 139 à foi . sendo relegado O lucro/prejuízo da operação já feito.

uma distância grande entre o processo decisório e o registro das operações. Aí já é avaliar da tarde estratégia de comercialização. por exemplo. enquanto que o resultado operações instante 3. da competência. Ora. para que isto aconteça. a receita e o resultado da venda dos seriam futuro. dado informacional conhecendo seu e e eventualmente corrigir a uma resultado meses depois que ele efetivamente ocorreu. uma operação perfeitamente Nestas condições. então. Se. Vamos supor. Este números não são coerentes com o processo decisório. de tal forma que ambas se anulem. a um resultado positivo no mercado futuro. o evento crítico. e como prejuízos também enormes no instante 4. ambos resultados princípio obtiver devem ser confrontados. mercado físico corresponde uma alteração de sinal inverso no mercado futuro.A contabilidade tradicional causa também uma distorção importante no reconhecimento do resultado das operações no mercado No nosso exemplo. a venda de base de produtos ou a Nota Fiscal? 140 emissão da . Existe. produtos reconhecidos no instante 4. no mesmo periodo. nas condições atuais. a cada variação de preços no "hedgeada". Reconhecendo a receita na emissão Nota Fiscal. já vimos que o resultado das operações no mercado futuro só tem no mercado futuro seriam reconhecidos no das conteúdo informacional se confrontado com o resultado das operações no mercado fisico. ferramenta alguns para a de companhia perde um controle importantes. portanto. Voltando à abordagem de Hendricksen. Mas. questionamos: qual é. pelo companhia podemos ter lucros enormes nos demonstrativos financeiros no instante 3 resultado de operacionais operações no mercado futuro.

Este posicionamento tem implicações adicionais que serão discutidas com mais detalhe quando comentarmos a respeito de custo. desfeita. Quanto ao valor contabilidade valor pelo qual a venda deve ser reconhecida gerencial. há. propomos que seja registrada pelo nominal trazido a valor presente. o "contrato de venda de base". estando estabelecidas da nível vez de que receita num a são documento legal e formal. 4. no nosso entender.o evento crítico. base é certamente a venda de produtos. é nosso entendimento que a receita deve ser reconhecida no momento em que a venda de base é efetuada pelo "trader". "hedge" e apuração do lucro. que nossa proposta é a de um sistema de apuração de não reconhecer a considerados: a gerencial. a tarefa mais difícil. o da companhia de aplicar seus recursos custo em na seu de de outros projetos que não no financiamento a clientes. Deve-se notar que este valor pode ser diferente do valor à vista. as variações de preço no mercado físico são contrapostas por variações iguais de sinal oposto no mercado a termo. A partir da venda da base. Podemos dizer que. pois a taxa de juros utilizada para financiamento a 141 clientes é . porque não Dado resultado receita no momento da venda de base. neste momento. utilizando como taxa desconto o oportunidade custo de capital da companhia. ou seja. é As medidas uma de objetivas. o incerteza operação foi reduzido raramente verificáveis e a um nível tolerável. SITUAÇÃO PROPOSTA São dois data os aspectos relevantes que devem ser do reconhecimento da receita e o valor a ser computado nos demonstrativos gerenciais. Conforme comentamos acima.

gerando aumento de vendas. o inverso também pode ocorrer. considera em seus cálculos todos os itens a valor presente. Comentam Johnson e Kaplan que os procedimentos para valorização de estoques adotado pelos auditores tiveram um efeito profundo na contabilidade gerencial. Pode. de tal forma que estimule o pagamento à vista. acabaram desvinculando a contabilidade do processo decisório. e a condição de 30 se pagamento dias. de tal forma que possa apurar mesma seu resultado considerando os valores em moeda de data. sem alterar seu preço a vista. neste caso. ela pode a de atribuir companhia clientes uma taxa financiamento superior ã expectativa de juros do mercado é de naquele momento. quando efetua a negociação. gerenciais. 8. Po~ exemplo. Kaplan argumenta suficiente sistema. custos ainda que um só sistema de custos não para atender as necessidades de todos os usuários "Os responsáveis pelo desenvolvimento de falharam em reconhecer que 142 seus sistemas sistemas é do de necessitam . demonstrativos os usuários no desenvolvimento Mais preocupados objetivos. auditáveis e externos. A companhia quer aumentar as vendas de seu produto. o "trader". oferecer aos clientes uma taxa de juros de financiamento menor que a expectativa de mercado.também uma necessita condição de caixa tradicionalmente de comercial. dos sistemas de em tornar os conservadores.CUSTOS E DESPESAS CONSIDERAÇÕES Já GERAIS comentamos principalmente informação a influência que tiveram auditores.5 .

A contabilidade. custos". Robert S. para a produção gerentes de departamento. cornovimos. Não há urnasegregação dos sistemas de custo de a com necessidade de informações dos vários incapaz gerência. Kaplan etapas.. sugere que os sistemas de custo devem evoluir que ele descreve da seguinte forma: 7. "traders" üteis pouco e à e desacreditados. quatro primeira. "One Cost System Isn't Business Review. 143 em a Enough".7 pelo responsáveis os vários seriam esforços Obviamente. exatamente a posição da empresa que estamos avaliando. de estoques para alocando demonstrativos financeiros custos periódicos de produção entre e bens vendidos e bens em estoquei b) controle os operacional. sobre os recursos e consumidos (mão-de-obra. energia. Harvard .endereçar três diferentes funções: a) valorização fiscais. Jan-Fev 1988. provendo um retorno. sempre tendendo para a valorização manter o de um sistema estoques. segundo os conceitos da contabilidade financeira. Esta é. overhead) durante um período operacional i c) medição individual do custo do produto." continua ainda dizendo que mesmo se os desenvolvimento dos objetivos dos sistemas bloqueados pela insistência dos executivos sênior em ünico sistema oficial acaba sistemas de custos de 'oficial' de entendessem "seus custos. de prover informações relevantes aos gerando demonstrativos contábeis da usuários companhia. utilizando apenas o custo é acordo histórico. Kaplan. materiais.

denominada base "Qualidade de Dados Fraca". porém duas nesta etapa "Inovação: a etapas. 144 bens of Cost com e de a System . Fev. que não fechamento. que integridade transmita existam ajustes significativos após de a atenda dados confiança e de as necessidades controles que os de internos a de tal data de auditoria adequada demonstrativos com e que financeiros produzidos pelo sistema são confiáveis. "Foco nos Demonstrativos Externos". a segunda. aspectos da seguiremos mesma os sugeridos por Hendricksen: (a) o que deve ser três incluído na despesa. de tal forma que seus dàdos sejam preparar a confiáveis. ou seja. de preocupada em criar sistemas ainda integrados ("stand alone"). Kaplan.8 sistemas de forma integrada reconciliando todas as Nossa proposta é evoluir da fase de "Foco nos Demonstrativos Externos" para "Inovação: Relevância Gerencial". "The Four-Stage Model Design". (b) como deve ser medida e (c) quando reconhecê-la. o que acontece. 1990. que consiste em unir estes informações.. é que os seu sistemas de desenvolvimento. São de de expirações serviço relacionados direta ou indiretamente 8. na maioria dos casos e inclusive no nosso. Abordaremos forma que os custos e as despesas de maneira geral fizemos com a receita. Management Accounting. Relevância custos normalmente param Restam Gerencial". mas relevantes para fins de não controle e tomada de decisão. Despesa serviços fatores é definida como "a utilização ou consumo no processo de obtenção de receita. consiste em tornar o sistema forma de custos adequado à contabilidade financeira. Robert S. e a "Integração". consiste em de dados.

10..187. e perdas DAS DESPESAS: Este é o principio "Toda As ser reconhecidas em dólar. Hendricksen. Theory. ". 145 que na base da relação reportadas.10 A American confronto causa Accounting é o processo e efeito 9.93. forma: despesa diretamente em determinado Desta ao reconhecimento enunciado delineável periodo. está intrinsecamente para a medição de medição existe entre despesas de os DEVEM SER MEDIDAS: TEMPO DE RECONHECIMENTO A despesa de obtenção apenas do lucro operacional. o seu reconhecimento da receita. de Contabilidade. despesas receitas na apuração COMO AS DESPESAS conceito de despesa de entrada relevante ("matched") é que com as ligado ao do lucro.produção e a venda de produtos da empresa". de receita.9 o QUE DEVE SER INCLUÍDO: Corno podemos sacrificios ver dispendidos outras variações corno perdas. ainda p. FIPECAFI. este será o critério forma.. e com os Per iodos Contábeis. Association de relatar com as receitas Accounting Manual acrescenta despesas p. receita. do Confronto com a Receitas reconhecidas. A medição do lucro "o de é . que é utilizado correntes incluir podem ser confrontadas de medição que o critério devem de ativos deverão A grande diferença as conceito no processo desfavoráveis somente O acima. Corno definimos para a empresa apenas no processo de obtenção deve estar atrelado contábil são os valores utilizado. as despesas com com as mesmas das Despesas da seguinte as receitas deverá ser confrontada .

. sejam (1) associadas com as receitas e (2) portanto. como por exemplo.. época do ano. que informadas no mesmo período em que a receita relacionada é relatada.193.."ll Acrescenta Hendricksen que "o tempo elas de reconhecimento das despesas requer. ibid. sendo o excesso de receita relatado as Existe despesas associadas e durante relatadas o confronto somente quando há uma no um mesmo associação razoável entre despesas e receitas.Id. 12.entendida período como sobre período. ser mantido um registro das margens de esmagamento por deverá lote de compra de grãos.. Mas. Seu valor varia de acordo com fatores já comentados.1 prima já foi exaustivamente e 8. os custos e despesas também devem ser reconhecidos a neste momento a fim de que o princípio da confrontação da receita com a a despesa seja preservado. Os grãos não são sempre comprados com conseqüentemente não são sempre comprados com a mesma base e a mesma margem de esmagamento. Para que o "trader" tome a decisão de venda de 11. expectativa de safra.12 Como reconhecemos a receita no momento em que o "trader" vende base. Ou seja.2. Devemos discutir agora apenas a sua apropriação. expectativa da taxa de juros. etc. A decisão do "trader" comprar ou não o grão em um momento em que a margem de esmagamento está razoável é uma decisão relevante que deve ser registrada. Accounting Theory. p. 146 base em nosso . como fazê-lo? CUSTO DE MATÉRIA PRIMA: A apuração do custo da matéria discutida no item 8. Hendricksen.

modelo.400 34 34 39 30 as cotações abaixo" de mercado e a do farelo que o "trader" trabalha que seriam obtidas Nro.0 (14.01 10. toda vez que atinge esta margem.01 18. vamos seja Ganhol (Perda) de Base (US$jt) --------1. no momento da compra do grão. Dadas as cotações as margens "hegdeado" posição de estoques: seja.300 1. b) as bases do óleo e do farelo. Margem de Materiais (US$jt) --------35.0) o de calcular as operações de Base é dado por 147 (14) (10) (20) (2) vende as bases e realiza se realizássemos Qtde. futuro.4 (5. Já de margem.4 29. ele deve conhecer: a) margem de esmagamento no local.02 20. resultado. (t) -------500 2. da Transação de óleo e farelo no mercado hoje. da Transação Data --------01 02 03 04 ------15.02 observa "40 Margem de Esmagamento (US$/t) Qtde.200 1.02 20.01 18. c) as cotações Suponhamos --------01 02 03 04 o "trader" óleo está comentamos US$ Data ------15.02 está pela Manutenção sua margem do mercado Margem de Esmagamento (US$/t) ----------34 34 39 30 base do abaixo".0 16.0) 8.400 --------- e nota que a com um objetivo Suponha que neste exemplo o Ganho/(Perda) e que Base do Farelo (US$/t) Base do Óleo (US$/t) --------(51) (35) (60) (20) ----------- -------- 45 por t. ou "15 objetivo hoje. que o "trader" só opera perfeitamente tem a seguinte Nro.0 47. (t) 500 2.01 10.0 .300 1.200 1.

que a receita e o custo de matéria-prima serão momento reconhecidos. Os aguardando bases de demais venda lotes de óleo lote permanecerão e farelo 3 em mais favoráveis. DESPESAS: Já vimos que a despesa existe apenas no processo de obtenção receitas e que o seu reconhecimento de deve estar atrelado ao item anterior que as receitas serão reconhecidas reconhecimento da receita. este critério de apuração de parece passível de manipulação: o "trader". por exemplo. Definimos no quando da venda da base de óleo e farelo. lucros pode manipular os da resultados. O "trader" então deve vender a base óleo de de e farelo para este lote. Numa primeira abordagem. através adequada maiores dos lotes. houver uma venda de base em janeiro para entrega de mercadoria em março. Pelo quadro acima podemos observar que apenas o lote número atinge a margem objetivo. faria com que o lucro não realizado fosse muito baixo. Outro aspecto relevante é que os lucros só poderiam ser manipulados nos períodos intermediários. resultado escolha mostrando entretanto.A Margem de Materiais é dada pela soma da Margem de Esmagamento com o Ganho/(Perda) pela Manutenção da Base. Se. a companhia deveria esperar aumentos de bases de venda substanciais no mercado para realizar um lucro satisfatório no futuro. operacionais no mês. Ao final da safra o resultado não poderia-ser modificado. isto é. realizar a margem e baixar o sua posição estoque de estoque. Como tratar então os custos/despesas ainda não incorridos? 148 . Esta atitude. o em óleo e o farelo ainda não estarão prontos em janeiro.

Identificaremos as técnicas de contabilidade de custos que utilizam estes dados como contabilidade de custos não reais". ao invés de em do estimar os processo de trabalhar custos reais. da Rio produção de da Janeiro.. A contabilidade custos/despesas produção e de custos que não reais implica serão incorridos ao longo venda da mercadoria. 80. custos que não são os realmente incorridos começam a pela ser incorporados metodologia da contabilidade de custos. p. a decisão estabelecimento de venda de base à medida que auxilia no custos da ferramenta de de uma margem adequada. H. Entende porém aderência à contabilidade de custos·reais não adequadamente a servir às necessidades que mais a se administrativas. Os custos planejamento estimados e são também uma controle.Nossa proposta é utilizar o conceito de "custos não reais" desenvolvido por David Li. 149 Custos. . Para tornar os dados de custos mais úteis à administração.13 Segundo o autor. a fim de obrigados a estimativas avaliar se suas estimativas passadas foram condizentes com a realidade. Como a decisão de venda pode ser tomada antes 13. contabilidade de 1981. que cubra os companhia e gere um lucro satisfatório. A estimativa de custos traz vantagens com os importantes: permite a confrontação da receita com as despesas que a geraram e suporta. a contabilidade de custos custo de fins de reais produtos fabricados elaboração "estrita presta se presta basicamente à determinação do das e de produtos em fabricação para demonstrações financeiras. e para trás. Li. David Interamericana. importante Os administradores são constantemente olhar para frente a fim de definir as que serão utilizadas.

e as estimado diferenças venda de real farelo número Esmagamento O rendimento depende e Este de e do grau de modernidade é de óleo de grãos. qual é a quantidade produzidos de no momento da soja do é e. em detrimento sobre os quais estamos da precisão. da qual será o rendimento grão de soja. Esta é uma Estabelece eventuais medida uma de planejamento meta de rendimento desvios. justificação de . o rendimento rendimento real basicamente rendimento por fábrica. a Margem parte do resultado. falando são: de matéria-prima b) despesas de fretes c) custo de conversão d) despesas fixas de fábrica e) despesas indiretas RENDIMENTO Embora DE MATÉRIA-PRIMA: conheçamos os custos de matéria-prima da base de óleo e farelo. fábrica tecnologia para utilizada proposta Nossa estabelecido final fábrica do e que anualmente o ano. ou seja. momento a companhia não pode se dar ao luxo de esperar em que os custos são incorridos É a relevância da informação Os custos/despesas a) custos até o para tomar suas decisões. 150 e controle e obriga a importantes. com Ao o devidamente explicadas.mercadoria. cada seja produto no início do ano-safra. deve ser comparado relevantes. não sabemos do fundamental para uma dada quantidade na medida que define conseqüentemente. varia tipo de dos equipamentos.

o problema a venda de base 151 de é diferente. importa se a mercadoria será transportada posteriormente. indiretas. Este naquele frete faz parte do cálculo não momento ou Margem de da Esmagamento. Para ele. seca e armazenada em silos do próprio escritório ou alugados próximos ao produtor. as diferenças apuradas lançadas em uma conta de ganhos ou e perdas na estimativa de fretes. deve prover suficientes para pagar as despesas de manutenção dos de compras. A mercadoria e enviada para a fábrica é somente aquela necessária suficiente para mantê-la operando. Como os estas despesas são lançadas ganhos escritórios em ganhos/perdas na estimativa de fretes despesas de compra também deveriam sê-lo. A soja é limpa. O frete utilizado pelo "trader" para estabelecer o preço de compra é o frete vigente no momento da negociação. O objetivo é evitar a "safra do frete". Na época colheita da soja. ele deve ser confrontado com o frete estimado. segundo a gerência da companhia. Neste momento. a demanda por transporte é grande. O frete real pode ser incorrido meses após a compra. quando os fretes estão mais baratos. o entrega a soja nos escritórios.DESPESAS DE FRETE: As compras são efetuadas normalmente por escritórios localizados produtor próximos aos produtores. No caso de fretes da fábrica até o porto para exportação dei mercadorias .toda a exportação é vendida FOB porto de paranaguá ou Quando porto "trader" de Rio efetua Grande . a companhia a soja da perto dos produtores e faz o transporte para estoca a fábrica após a época da colheita. Na medida do possivel. Esta conta. Na época de da compra safra. encarecendo o frete neste periodo. farelo ou óleo o para .

Incluem gastos auxiliares por são por à taxa de unidade determinação .exportação. São bastante de produção Nossa proposta O os ao longo do ano. antes do início do ano-safra. FIXAS DE FÁBRICA fábrica conhecidos sejam estimados comparado incorridos com mão-de-obra. auto-explicativa. escritório outras despesas montante de e variam materiais de fábrica. A de compra e conhecido e estimativa do uma indiretas de volume não está voltado 152 mesma às fábricas. estima mercadoria. do com E DESPESAS conceitos para ê variáveis no investigadas. quando o estimado. despesas problema o diferentes. ê mais complexa. volume ambas as despesas. DESPESAS abordagem variáveis e outras despesas ê que estes custos significativas O custos da soja. uma vez ao O custo de estimado e ano conversão diferenças INDIRETAS A conta destas permitindo produção. ajustes data de A diferença frete de embarque da faça parte da incorrido. Nossa proposta apuração do resultado confrontado conta o com de valor do frete na do ê que o frete estimado e que o frete real. real anual deve ser Embora tenham despesas controlado. para apuração despesas a utilizaremos As despesas central. dos escritórios despesas uma estimativa necessária fixas e taxa produzida. CUSTOS DE CONVERSÃO: Custos de processo pouco conversão de esmagamento fábrica. da medição de despesas indiretas que não podem ser alocadas global ê fixas de englobam as de bastante acurada. deve ser exportação. seja lançada antes da numa margem operacional.

1986. Nossa proposta indiretas sempre sejam que a taxa de despesas fixas despesas ano. colheita DE GIRO de giro tem um papel fundamental A nas compra de grandes quantidades de requer um alto investimento em atividades soja durante retorno requerida pela empresa e seu custo lançado contra o resultado de modo a apurar o resultado gerencial após a Este estoques.. Van Horne. p.. Entretanto. FinanciaI Management Jersey.14 Consideraremos apenas os custos de financiamento de estoques para 14. que fatores relevantes levarem a gerência a alterar suas feita estimadas em períodos menores do e um expectativas.CUSTO DE CAPITAL o capital companhia.. 8. do ponto de vista de valorização global da companhia esta distinção não é importante. ser é que pode A comparação com os custos reais incorridos com base na média ponderada das taxas utilizadas ao longo do ano..das capacidades de produção. Prentice Hall. variável da bem a pouco agressividade da concorrência e da safra. 7 ed. New . função Esta do é uma mercado. investimento deve ser remunerado de acordo com a taxa de período da do remuneração do capital empregado. Van Horne acredita que os investimentos em capital de giro "podem e devem dos ativos fixos( .396 153 and Policy. James C.) Contas a receber e estoques se diferenciam dos ativos fixos ativos ser avaliados sob a mesma perspectiva na medida que são analisados em nível global enquanto fixos são analisados em termos de ativos que específicos.6 . comprar.. Diferenças significativas devem ser investigadas. mas sim ã quantidade de soja que companhia consegue sendo previsível.

fins "de cálculo que os ganhos manutenção quando do custo de investimento pela manutenção de contas de contas a receber trouxemos os estoques em capital a pagar de giro e as perdas já foram computadas no já pela resultado todas estas contas a valor presente.. 154 a de próprio. p. companhia é totalmente Custo da empresa de retorno de Van capital requerida inalterado Horne Model) onde capitalizada financiada da empresa. de capital: minima que uma companhia risco. Id. são indubitavelmente o maior componente do capital de giro.. determinação No nosso caso." Bm é o retorno esperado investimentos. i é a da carteira a deve receber por capital o custo do capital medida o capital de tal forma que o custo o preço de sua ação no mercado. IItaxa de na porção de forma a 15 Assets pricing próprio: por ação. a média ponderada pelo custo de capital como do CAPM o retorno requerido próprio (Capital de sensibilidade dos de do excesso 15. vamos supor que sugere a utilização é é a de próprio pode ser definido para determinar Bk tomando-se é representado seus investimentos manter retorno da estrutura terceiros capital de ligada ao custo de capital custo de capital custos da teoria de finanças taxa de mercado de retorno livre de e BETAk é a da ação ao excesso . ibid.238. Um dos grandes prática da taxa intrinsecamente o problemas requerida é calculado de cada componente e o capital próprio. 'Além disso.

155 si. desempenhando atividades semelhantes.de retorno do mercado. Entretanto. Uma outra dados com alternativa seria determinara correlação de retorno da empresa (trimestrais. certamente. ibid . Esta é uma e abordagem . o índice BOVESPA. Uma alternativa seria a de não tem e com características de risco utilização do sistemático beta risco financeiro da firma. devemos ajustar à semelhantes. quando definimos uma taxa de retorno para todos os projetos da companhia. no nosso caso. Mas. há um aspecto companhias que atuam neste mesmo setor. trabalha um sistemático menor do que uma empresa do mesmo setor que risco trabalha especulando com as variações do preço das mercadorias no mercado de "commodities". Id. série por exemplo. semestrais ou o retorno de mercado. Como o risco sistemático de uma ação engloba o risco o na ações uma companhia de capital aberto com atividades semelhantes nossa e está empresarial o beta para importante.. depende com de sua estratégia de "hedge". podem ter níveis de risco bastante diferentes.16 A maior dificuldade na aplicação prática deste modelo estimativa do beta da companhia. já que ela negociadas em bolsa. representado por uma adequada.. Duas diferentes níveis de endividamento. Isto implica que o beta de uma empresa no mercado aberto pode não ter nenhuma relação com Tudo o cotada beta da entre os empresa que estamos avaliando. estamos considerando o risco global da companhia não o risco de cada projeto em 16. a fim de anuais) histórica determinar o beta da companhia. Uma empresa que suas posições sempre "hedgeadas" tem.

Prentice Hall do Brasil. Fundamentos de Administração Financeira.18 A fim de tratamento resolvermos esta questão. Os dos investimentos responsáveis pelas arriscados decisões de procuram. p. James C. temos avaliação de de que recorrer investimentos a mais arriscados.. Na realidade. retorno para investimentos com riscos diferentes. 18. válida apenas "quando os ativos da companhia são homogêneos quanto ao risco e quando as propostas de investimento em projetos consideração tem a mesma caracteristica.17 o investimento em "commodities" tem certamente um risco diferente do investimento desta forma. é assim que a maioria das firmas trata deste problema. É claro que maneira muitas tratam informal.. simplesmente... por razões teóricas ou práticas. Se os de investimento variam muito em relação ao risco.simplificadora. incorporar o risco à sua avaliação. Rio de Janeiro. não é correto calcular uma taxa de retorno exigida de um projeto ou grupo de projetos por intermédio meios subjetivos do CAPM. "Quando.. com base em sua "impressão" problema dos projetos que estejam sendo avaliados do tratamento informal do risco é. Investidores objetivam maximizar sua esperada. 156 . o Cada investidor tem sua curva de utilidade de utilidade riqueza 17. ) que O as informações conseguidas em geral são vagas e seu tratamento não é o mesmo de um projeto para outro.. ibid. p. ( . propomos formalizar do risco utilizando o conceito de utilidade esperada de investimentos. utilizar a mesma taxa requerida de podemos.277.237. Id. obviamente. Van Horne. em equipamentos para Não produção. 1984. uma taxa requerida de retorno agregada não é adequada".

19. --------- I + I 20 +----------- I +- I I 10 + . do a taxa é a taxa livre de risco. um uma vez definida. vamos apenas na expectativa para um o investidor proporcione um retorno investimento com um retorno Retorno Esperado 30 +----~ o esperada de retorno do esperados. investimento. Tomando como tanto faz um de supor que de da empresa pode ser montada de risco-retorno para esperada sua curva de utilidade deve ser capaz de preparar requerido a utilidade e no desvio padrão dos retornos função de utilidade gerência calcular Para simplificar consegue investimento permite exemplo investimento de 10% com desvio padrão de 40% e desvio padrão de A retorno a curva que 15% lhe ou um de 35%. formal p. FinanciaI dar um tratamento Management 157 and Policy.que. a curva de indiferença. para desvio padrão de retorno igual a zero. sua curva de mínimo dado risco.39 . investidor um A as investimento determinar baseado preferências abaixo.19 da gerência considerando da companhia. de Retorno podemos James C.. o problema. Van Horne. I I +----+----+----+----+----+----+----+----+----+-------10 20 30 40 Desvio Padrão Quadro: Podemos requerida Definida observar Exemplo Curva de Indiferença Investidor que.

entretanto. Uma abordagem mais extensa poderia ser feita construindo-se o beta da soja. do CAPM investimento teste ajuste mercado. O a investidor interessado em um retorno abaixo de 15% para investimentos com um risco menor. Entendemos. Esta taxa representa o retorno mínimo exigido pelo investidor para este investimento. que nossa abordagem medida que valorização atribui do risco. obviamente.7 . 8. seria possível a para subjetivo seu retorno com o retorno de apuração em grão da taxa requerida de da gerência. Nestas taxa mínima só estaria padrão suponha o investimento em capital de giro condições.ao risco de exemplo. comparando condições. mas também para o passa a com o risco associado. o beta implicações soja. A de sua do utilização retorno independente do para o julgamento soja.APURAÇÃO Dois DE RESULTADO aspectos importantes devem ser evidenciados no apuração do resultado da companhia: o primeiro diz período de apuração e o segundo diz respeito a quando 158 momento de respeito ao considerar . A conteúdo adiciona uma regra companhia não apenas com o retorno esperado. acima. na dimensionamento e trabalhar. requerida pela de curva retorno de indiferença seria de 15%. Por cujo desvio das expectativas de retorno (risco) seja de 20%. em um mercado eficiente. simplificada. o significância como medida de risco sistemático. acordo com as preferências do investidor. de Nestas para teóricas definição do beta do grão de diferentes níveis de IIhedgell e requerem um estudo mais outras aprofundado que fogem do escopo desta monografia. informacional. seu custo de oportunidade. A abordagem que estamos propondo é.

A apuração fiscal do resultado da empresa de acordo com deve pensamento século ser revisto.realizado o lucro de uma dada operação..20 o ciclo da soja em muito se assemelha à caravana 20. Certamente não. utilizando xv. p. Johnson e Kaplan. Relevance Lost. 159 veneziana. quando a caravana estava atravessando o deserto da Pérsia rumo à índia. então. Acaso não é este o dos demonstrativos de resultados preparados por muitas atuais os não valor empresas que tentam alocar os lucros de uma longa aventura a cada mês do calendário?. A . o vendem.16-17. provavelmente compreendiam que a alocação do das expedições a períodos tão curtos como três lucro meses era um exercício lógico e informativo. investidores total Porque mesmo a quinhentos anos atrás. Computar o lucro investidores era total da aventura e uma valiosa função da contabilidade. ou a versão da veneziana Securities and Exchange Comission ou da FinanciaI Standards Board. perguntar. o contador subtrai os custos da mercadorias recebidas pela que formaram sua carga inicial Ao caravana das venda do chá na Itália para apurar e receitas o lucro da distribuí-lo entre os viagem como um todo. Com a receita das obtida final das uma vendas adquirem chá. entretanto. se os investidores. retornando a Veneza e. da expedição. Johnson e o exemplo de uma Kaplan o calendário sintetizam caravana este veneziana "Consideremos um grupo de investidores que no adquiriram mercadorias produzidas no norte da Itália e as embarcaram em expedição para serem vendidas na índia. também exigiam que o contador Pode-se Accounting computasse os lucros da expedição durante o terceiro trimestre de 1487.

. p. Leite. a empresa converte seu caixa em estoques da que depois são convertidos novamente em caixa no safra. grandes recebimentos venezianas alocar investimentos iniciais.255-256.. estoques pela venda de óleo e farelo. e as aventuras não conhecem o calendário gregoriano". bem como são novamente mínimos os valores de contas a pagar e a receber. Outubro-Dezembro 1988. ibid. Id. compreendido entre os meses de fevereiro e janeiro do ano subseqüente. Revista de Administração de Empresas.28 número 4.. No decorrer da operação. Tem apenas caixa para financiar a e a aquisição do grão. "Empresas por com produtos de ciclos de vida curtos. Hopp..soja é comprada no início da safra entre os meses de fevereiro e maio a e comercializada ao longo do ano..21 Não apurar o resultado da companhia no período entre os meses de janeiro e dezembro. o segundo aspecto importante na apuração de resultado é o momento de reconhecimento exemplos que do Em resultado de uma operação. Não seria sem grandes às sentido caravanas se tentar o resultado da viagem inteira a períodos curtos de arbitrariamente sentido fixados durante a viagem?. caracterizados por seguidos líquidos de caixa. os são novamente nulos. João C. parecem similares que descrevemos. o óleo e o todos farelo os eram 21. 160 . trabalhamos até agora. "O Crepúsculo do Lucro Contábil". tem estoques e os valores de contas a pagar receber são mínimos. No início companhia não da safra. Vol. "Toda tempo seria sem compreendido empresa é uma aventura arriscada. 22. Hélio P. São Paulo. cujo resultado efetivo só se avalia ao final.22 Nossa proposta segundo é que o resultado da companhia seja apurado o ano-safra. Ao final da final safra.

Não há como o segregar matéria-prima de acordo com sua contribuição de apenas momento cada óleo. portanto. A separação das datas de entrega traz inconvenientes-no da apuração custos da produção do resultado da operação. O resultado da venda de cada um dos produtos. Enquanto ou apurar só o farelo tiverem sido comercializados. Muito a venda destes produtos separadamente.8 . correntes. Isto raramente ocorre. de manutenção do capital serão segregados em lucros operacionais e manutenção de acordo com os conceitos do modelo de a principais. não desejável. o resultado só existe após a venda do óleo e do farelo óleo para uma determinada quantidade de grãos. o momento em que os custos correntes serão confrontados com as receitas correntes será o instante da compra da matéria- prima. Os valores serão medidos a valores presentes em dólar. não só o podemos o resultado da operação. 161 . Qualquer tentativa de segregar os custos da matéria-prima seria arbitrária e. o para "trader" não é possível identificar qual é o os a vende custo matéria-prima agregada a este produto. valores o Conforme definimos o modelo é coerente com o objetivo da companhia. Nestas condições. O processo produtivo da gera óleo e farelo. em mais datas de entrega distintas. 8. devido a físico. produto. Se.vendidos no provável é mesmo momento.SlSTEMA DE APURAÇÃO DE RESULTADO O sistema de apuração de resultado proposto parte das informações que são "trader" julgadas relevantes pelos seus usuários e a anteriormente. Não há como produzir um sem produzir o outro. junto à gerência. neste caso. apenas que. sempre na mesma proporção. definido resultados gerência da companhia. é um resultado não realizado. por exemplo. Os ganhos de contabilidade peculiaridades da operação.

realizado quando. em que o grão se encontra. vendidas as considerando O sistema para uma dada quantidades o rendimento de apuração industrializadora de quantidade óleo da fábrica de resultado O e valor de farelo só grãos. será forem equivalentes.o resultado será apurado por lote de compra. proposto para uma empresa de soja é o seguinte: SISTEMA DE APURAÇÃO DE RESULTADO REALIZADO NO MÊS REALIZADO ACUMULADO NÃO REALIZADO ========= ========= ========= ========= ========= ========= ========= ========= ========= LOCAL: LOTE DE COMPRA: LUCRO OPERACIONAL Margem de Esmagamento pela Manutenção de Base (+) Ganhoj(Perda) MARGEM DE MATERIAIS (-) Custos de Conversão (=) (=) MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO (-) Despesas Fixas de Fábrica (-) Despesas Indiretas (-) Custo de Capital de Giro (=) LUCRO OPERACIONAL RESULTADO DAS OPERAÇÕES DE "HEDGE" Ganhoj(Perda) pela Manutenção de Produtos (+) Resultado das Operações no Mercado Futuro (=) RESULTADO DE "HEDGE" DAS OPERAÇÕES LUCRO BRUTO 162 .

cada acima.Percentuais 10.1 . (*) Fator de Conversão 8. 4.(=) Preço Posto Fábrica 15. Apenas 6.8. (=) MARGEM Contribuição ====== ====== DE ESMAGAMENTO Contribuição (+) Contribuição do Óleo do Farelo (=) contribuição dos Produtos (-) Custo do Grão (=) ====== MARGEM DE ESMAGAMENTO ====== 163 .no Porto 14. 8. (=) Preço por ton (US$) 9.Variáveis 11. (=) Sub Total 7. (=) Sub Total 12. (-) Qesp. (-) Frete p/Porto 13. (-) Desp. Fator Desp. temos DE ESMAGAMENTO íTENS 2.Nas próximas contas páginas comentaremos do sistema proposto DE ESMAGAMENTO A esmagamento marginll de MARGEM é na verdade que o IItraderll faz no momento repetindo L (+) (-) o cálculo da compra o que já foi visto no capítulo uma das do IIcrushing do grão. 3. (*) Rendimento Produção 16.MARGEM margem detalhadamente ÓLEO GRÃo FARELO Mês Unidade Preço Chicago Base +/Frete p/Fábrica 6. 5.

15. Rendimento da Produção: é o coeficiente de transformação grão em óleo e farelo. Frete p/Fábrica: é o frete do escritório de compra até a converter a fábrica.onde: 1. Fator de Desp. Vale observar que: a) todos os valores são sempre calculados em dólar. Base: é a diferença entre o preço da "commodity" no mercado futuro e o preço local. 13. Desp. PIS. Unidade: é a unidade de medida da "commodity". 3. 7. 164 de . Preço Chicago: é o preço cotado no dia na Bolsa de Chicago. Frete p/Porto: é o frete da fábrica para o porto. 2.no Porto: são as despesas incorridas no porto para exportação. 4. 5. FINSOCIAL. 9. no caso de exportação. Mês: é o mês em que as cotações são observadas. 12. Comissão de Vendedores e quebra de peso. Fator de Conversão: é o fator utilizado para unidade de medida da "commodity" em US$ por tonelada.Percentuais: incorpora despesas que são proporcionais aos preços de compra/venda tais como ICMS.

da especulação com a variação composta de : 165 do preço Indica o "flat".4 .8. diminuídos da contribuição do grão. são primeiramente descontados a valor presente.8.RESULTADO Esta conta resultado DAS OPERAÇÕES DE "HEDGE" reflete a decisão de "hedge" do "trader".b) os valores de itens pagos em cruzeiro.CUSTO DE CAPITAL DE GIRO Reflete o custo do carregamento de estoques de acordo com a requerida de retorno do investidor para determinado taxa nível de risco.8.3 . 8.GANHO/(PERDA) Esta conta mostra conseqüência momento da PELA MANUTENÇÃO o ganho/perda DE BASE obtido pelo "trader" como de sua decisão de não vender a base de produtos compra do grão.2 . t . A margem de esmagamento nada mais é do que a soma da contribuição do óleo com a contribuição do farelo. como por exemplo vendas no mercado interno e impostos. com base na expectativa de taxa de juros para o período. Sua composição pode ser mostrada por: Ganho/(Perda) Manutenção da Base de Óleo (+) Ganho/(Perda) Manutenção da Base de Farelo (=) GANHOj(PERDA) MANUTENÇÃO DE BASE . 8. e depois convertidos à taxa do dólar do dia.8. Reflete o resultado da no decisão de margem.

166 grãos qual na Despesas um com destes resultado sua coluna .8. b) Resultado das resultado Operações no Mercado Futuro representa que a companhia teve nas suas operações com o grão. de Óleo (+) Ganhoj(Perda) pela Manut. cada correspondente. A contraposição destas duas contas fornece o ganhoj(perda) que a companhia teve na especulação com a variação do preço "flat". são e Fixas de Fábrica e as taxas de custo estimadas para cada multiplicadas realizado Despesas não pela quantidade de realizado. Operações Futuras de Grão (+) Res. 8. Operações Futuras de Farelo (=) RESULTADO DAS OPERAÇÕES NO MERCADO FUTURO (=) RESULTADO DAS OPERAÇÕES DE "HEDGE" Devemos observar que: a) Ganhoj(Perda) pela ganhoj(perda) Manutenção de Produtos representa que a companhia teve por manter os produtos o e não tê-los vendido no momento da compra do grão.Ganhoj(Perda) pela Manut. Operações Futuras de Óleo (+) Res.5 Custos .DEMAIS CONTAS: de Indiretas itens. óleo e farelo no mercado futuro. de Farelo GANHOj(PERDA) PELA MANUTENÇÃO DE PRODUTOS (=) Res. Conversão.

Nem sempre relevantes as no informações processo decisório necessidade da auxilie armazenamento. perguntar o Tudo que que faz sentido e o que é importante para a organização. há diferentes necessidades de informação que devem ser Os sistemas de apuração e controle de satisfeitas. Não há uma utilização correta da contabilidade. SUMARIO Tivemos E CONCLUSÕES a oportunidade importância de demonstrar ao longo do trabalho a de integrar o modelo contábil ao processo decisório gerencial. O sistema contábil tradicional está voltado basicamente para as necessidades do usuário externo sendo elaborado de acordo com as técnicas. geralmente aceitos. regulamentos e convenções da contabilidade tradicional. permitindo que os executivos tomem decisões adequadas de acordo com os objetivos organizacionais. para satisfazer relatórios sistemas sua consistentes estratégia de 167 com produto sistema invés desenvolvido externos.9. requerido é o retorno às bases. que informação é necessária de para as funções de planejamento e controle. criando um sistema de apuração de resultado relevante aos tomadores de decisão. Ao tentar extrair estas informações de um primeiramente desenvolver organização. no criação provenientes deste gerencial. Sua única limitação deve ser a relação entre o custo de obter a informação e o benefício por ela gerado. resultado podem adaptados às particularidades de cada negócio e de cada sem a limitação imposta pelos princípios apenas contábeis ser usuário. deveríamos a tecnologia e sua da estrutura Y . lIA tarefa deve ser não é particularmente complexa ou difícil. de um sistema Surge contábil classificação e são sistema então a gerencial que interpretação da informação.

O lucro operacional variáveis.23 o objetivo apuração de de nosso trabalho de resultado soja. b) risco de flutuação do preço do óleo. gerencial aplicando contabilidade era o de desenvolver vem do para fixos e gerar uma margem que de da o cobrir de lucro satisfatória. dos produtores consiste e de e as Partimos do e processado da empresa óleo e farelo a um preço maior pelo grão. cumprir soja. os nos a partir conteúdo procuramos entender futuro demonstrativos é comprado informacional na a operação operação contábeis. A margem obtida deve ser suficiente custos por em gerar óleo e farelo do grão. portanto. de vender custos de da companhia. Johnson e Kaplan. Relevance a receita um mecanismo Lost. relevância Para para os executivos a importância implicações usuário o desta de soja esmagadores. p. O processador de soja encontra claramente a) risco de flutuação do preço do grão.261 168 Decréscimos do que aumento no processador. questionados normalmente mas de grande um sistema industrializadora em uma empresa conceitos tradicional. c) risco de flutuação do preço do farelo. o proteja preço O das . mercado O processamento oportunidade pago do para o sistema grão soja este objetivo. na e não o inverso.de do do farelo reduzem deve ter. O grão de soja é o principal o custo.organizacional". e esmagador 23. e um insumo do processador do custo aumenta óleo três tipos de risco: fazer negócios.

preços absolutos é transferido do esmagador para um que Através de mercado procura obter lucros através de uma alteração especulador favorável de preços. pelo momento da 169 de . entretanto.por um risco preços dos bens à vista e no menor. A operação consiste na compra de grão. O "hedge" só é totalmente mesma efetivo se os preços no mercado futuro proporção variam que os preços no mercado físico. significa "Hedgell oposta à risco de tomar uma posição em um posição assumida no mercado à vista. o risco preços adversa. da A mas esta somente pequena fração daquele com o qual se defrontaria se não se utilizasse o "hedge".envolvendo o custo que se negocia . o benefício da utilização do "hedging" resulta substituição mercadoria entre os diferença numa de um risco elevado . Mas na isso nem sempre ocorre. Eles são responsáveis pela definição do venda preço de compra da matéria-prima. A compra e venda de soja física e as operações no mercado futuro são feitas pelos "traders". Mas. dá-se o nome de base. no soja parece processamento e na produção de óleo e farelo. para uma perda financeira decorrente de futuros minimizar o uma alteração de de flutuação de do "hedge". Do ponto de vista operacional. do ponto de vista comercial. o "hedge". pela variação de bases entre os períodos. O risco permanece. Na realidade. tem limites na sua proteção. da total da diferença mercado futuro. o processo é bastante complexo.flutuações de preço no mercado de "commodities". o esmagamento de simples. o "hedge". As margens do negócio são estreitas e grande parte do lucro da empresa depende muito de uma negociação favorável.

c) a contabilidade tradicional não reconhece o valor do 170 dinheiro . relevante e os fatores comunicado adequada aos usuários. b) a contabilidade tradicional trabalha com método de custos históricos. Ser verídico é conformar-se realidade. a ·decisão de especular ou não com a variação de preço total da mercadoria e a decisão de margem. Implica com que os receptores da informação a entendam e a em possam utilizá-la da melhor forma possível. o momento em que efetuará a venda das bases de óleo e farelo de modo a maximizar a margem do negócio. que o sistema contábil tradicional não cumpre Não reflete as decisões críticas do negócio. irrelevante para o processo de tornadade decisão. o "trader" deve importantes: a decisão de "hedge". processo fazer refletir relevância é prover informações de com importantes ao de decisão e comunicação de forma adequada. Vários fatores contribuem para isto: a) a contabilidade tradicional não reconhece as mudanças de valor de mercado aquelas dos ativos mantidos pela empresa resultantes das atividades e não operacionais segrega daquelas resultantes das atividades de manutenção de estoques. Uma vez comprado o grão. pelo preço praticado e por proteger as operações das flutuações de preço. Um sistema críticos forma de apuração de resultado deve do negócio. este sendo portanto. sendo verídico.produtos. ou seja. Demonstramos objetivo. ou tomar duas decisões seja. valorização que sofre pesadas críticas sobre sua relevância na tornadade decisão. Estes são os fatores críticos do negócio.

Desta operações no mercado futuro se só tem confrontado com as variações de conteúdo preço dos estoques. a decisão mais importante. Do ponto de vista gerencial. g) a contabilidade faturamento tradicional reconhece a receita quando do do produto acabado. d) a contabilidade tradicional não provê nenhuma informação sobre resultados não realizados. Pagamentos tratamento. momento de venda de base e não o faturamento. 171 evento é o . e) a contabilidade operações tradicional não confronta o resultado no mercado futuro com a valorização do estoque. em e recebimentos a termos de resultado. e vice-versa. de tal forma que ambos se caso forma. f) a contabilidade tradicional não respeita o ciclo operacional do negócio na apuração do resultado. segundo o Qualquer calendário gregoriano é irrelevante. objetivo das operações no mercado futuro é proteger a contra a positivo no flutuação de preços do estoque. cada no resultado O empresa resultado no mercado futuro corresponde um resultado mercado anulem. dado importante para avaliação exposição da companhia ao risco de flutuação de preços da totais e ao risco de flutuação de bases.no tempo. o crítico pelo qual a receita deveria ser reconhecida. o das informacional de um IIhegdell perfeito. O resultado da empresa só é realmente tentativa conhecido de apuração quando de termina resultado a safra. mesmo que a venda de base do produto acabado tenha sido feita com bastante antecedência. A das negativo físico. prazo que têm o mesmo pagamentos e recebimentos à vista.

" excesso daquele necessário para O problema maior reside na manter mensuração o capital do capital constante. A definição de Hicks sugere a distinção entre fluxo entre uma e estoque. tão bem quanto estava no início". Este objetivo é coerente de manutenção do capital monetário corrigido. i) a contabilidade tradicional não reconhece no remuneração do capital de giro empregado. solução de cada um dos pontos acima tem A importantes. O conceito de Hicks adaptado empresa seria: "capital é o estoque de riqueza que a pode prover serviços futuros. implicações primeira delas parte do objetivo A teóricas principal medições contábeis: a apuração do lucro. a gerência financeiro objetiva diferença obtido maximizar em dólares. O ser considerado é uma conseqüência da pelo valor do definição do capital que se pretende manter. ou seja. A gerência define o lucro de seu negócio como sendo a entre o final. Não há discórdia ao quanto conceito de lucro. prevalecendo a definição de Hicks "lucro de pode ser definido como sendo o valor que uma pessoa consumir durante uma semana e ainda permanecer. sendo que a escolha dentre os diversos métodos deve usuário lucro da a ser feita informação.contabilidade h) a resultado da separar a tradicional. . das ao que pode final da semana. capital conceito valor aplicado no início da safra e o valor em dólares. enquanto o lucro é o fluxo de riqueza ou serviços em constante. O 172 com ao o o lucro. de acordo com seu objetivo. Existem vários métodos de mensuração de capital. reconhece separadamente venda de óleo e farelo como se fosse contribuição do custo do grão para a o possível obtenção de resultado a cada produto. lucro e capital investido.

desconsiderando sua inflação. As informações estão 173 finais a o são disponiveis . com então. contabilidade da correntes No nosso é caso. é entendido como o excesso de capital ao final do periodo sobre o capital no inicio do periodo corrigido pelo indice geral de preços. A confrontação de receitas de vendas correntes com custos materiais valorizados de acordo com o seu preço de aquisição fornece como números relevantes. Desta forma. Embora o custo histórico instrumento de segundo controle não é. Uma das grandes tradicional carência fazem de da à que os contabilidade objetividade especificamente. este problema é minimizado uma vez que tanto matéria prima quanto o preço dos produtos cotados em mercados eficientes. seja vários de não útil autores. Finalmente escolhemos entre dois critérios de medição possiveis valores históricos ou valores correntes para concluir a definição do modelo. A medição a valores correntes permite segregar o lucro no componente operacional e no seu componente proveniente de e perdas pela manutenção de ativos. preço criticas de suas adeptos a valores medições. relevante para o processo decisório.neste "60nceito. A única mudança que fizemos em relação ao conceito original foi a utilização do dólar como indexador ao invés do indice geral de preços. Esta segregação é pois é coerente Concluimos. mas sim diretamente no capital. as variações do indice geral de preços não são incluidas no lucro. que tem conteúdo informacional para a gerência da empresa. as que decisões de margem este é o critério de e seu ganhos relevante. de medição "hedge".

todo

o

tempo

a

comercializados
Os valores
valores

o

reconhecido
segundo

A

lucro

que,

na

baixo

quantidade

medição
à medida

medição

apenas

critério,

não

coerente

entrada
O

o modelo

e

de apuração

produção

o

lucro

é

Escolhemos

o

gerência

o

com a produção.

O

para

de resultado

o

conceito

de

manutenção

as

medições

serão feitas

modelo

de apuração
estas

de resultado

premissas,

segregado

em três partes: Margem

Manutenção

de Bases e Resultado

Margem

receita
matéria

processo

de Esmagamento

que o esmagador
farelo

ao

acrescido

útil

O

em

a

é a venda de base de produtos

torná-lo

e

a

e

deve apurar um lucro

do
a

capital

valores

monetário

correntes

de

em dólar.

segundo

A

ou

implica

pela

produto.

de acordo

ser

de óleo e farelo.

com

corrigido

saída

entrada,

é importante

de sua operação

de entrada

passe

de

da venda do

evento

Resumindo,

de

podem

tempo.

a valores

que o ativo

do lucro operacional

não a produção

produtos

a qualquer

a valores

quando
pois

os

a valores

reconhecimento
crítico

e

podem ser medidos

saída.

reconhecer

custo

em qualquer

correntes

de

enquanto

um

no

momento

decisório

a margem

de venda de produtos

O

fim

de

lucro

Ganho/Perda

é

pela

de "H~dge".
bruta

fechado
É

a

a

de

materiais

a venda de
confrontação

com o custo

corrente

óleo
da
de

da compra.

pela Manutenção

de Base é o ganho/perda

obtém pela sua decisão

base

e

óleo

empresa.

de Operações

representa

desenvolvido

ajustes

de Esmagamento,

que o esmagador
de

da

da compra do grão.

prima no momento

foi

de alguns

teria obtido se houvesse

corrente

Ganho/Perda

gerencial

de farelo no momento
174

de não efetuar
da

compra

do

adicional
a venda

de

grão,

na

expectativa de um aumento no valor da base. É a decisão de base.
Resultado
pelo

das Operações de "Hegde" é o resultado líquido

esmagador

entre a variação de preços dos

produtos

obtido
e

sua

cobertura no mercado futuro.
As principais características do modelo são:
a) segrega

os

ganhos operacionais dos ganhos de

manutenção

de

b) confronta as operações do mercado futuro com a valorização

de

ativos;

estoque

permitindo

"hedge"

e

avaliar

a eficiência

das

operações

de

variação

de

o ganho/perda pela especulação com a

preços totais;
c) reconhece

o valor do dinheiro no tempo,

confrontando

sempre

valores de mesma data;
d) permite a apuração de valores não realizados;
e) a

apuração

de

resultado respeita

o

ciclo

operacional

do

negócio. O resultado é fechado de acordo com o ano safra;
f) a

receita

princípio

não

é

reconhecida

no

faturamento,

segundo

da realização da receita, mas sim de acordo

com

o

o

evento crítico, na venda da base;
g) utilização de custos estimados a fim de manter o princípio
confrontação de receitas com despesas em uma operação na

de
qual

nem sempre se vende um produto que já foi produzido. Os custos
reais

são posteriormente confrontados com os estimados

e

as

h) o resultado só é considerado realizado quando são vendidas

as

diferenças devidamente analisadas;

175

quantidades

de

óleo

e farelo para um

determinado

lote

de

grãos. Não se reconhece o resultado no caso de venda de apenas
um produto;

i) permite

a

apuração do resultado por operação,

por

lote

de

compra;
j) reconhece

o

utilizando

custo

uma

do

taxa

investimento

em

capital

requerida de retorno

giro,

que

de

contempla

a

preferência de risco-retorno da gerência.

Não tivemos, em momento algum, a pretensão de esgotar o
Ficam em aberto ainda vários temas que podem ser
Um

assunto.

desenvolvidos ..

deles, certamente, é a utilização do sistema de

apuração

de

resultado gerencial para a projeção de fluxo de caixa. Sendo mais
condizente com a realidade operacional da empresa, permitirá
projeção

mais

adequada

do

que

aquela

permitida

uma
pelos

demonstrativos tradicionais.
A

determinação do beta da soja e o custo do capital de giro

também

pontos

correlação

interessantes

a

serem

são

Estudar

explorados.

entre os retornos no mercado de soja e o

retorno

a
de

mercado com o objetivo de obter uma taxa requerida de retorno que
independa da subjetividade do investidor - utilizando o CAPM um

ponto que merece maior dedicação. Podemos

adicionar,

é

ainda,

ajustes do beta para diferentes níveis de "hedge" da companhia.
Mostramos

com

proposto

provê

decisório

do

contabilidade
geralmente

clareza que o sistema de
informações
"trader"

e

mais

apuração

relevantes

da gerência da

tradicional.

Livres

dos

para

companhia
princípios

aceitos e das regras que norteiam

176

de

os

resultado
o

processo
do

que

a

contábeis

demonstrativos

177 e . da mas adaptando a contabilidade às particularidades da operação do processo decisório. sim a relevância de volta à contabilidade não tentando adaptar a empresa à gerencial contabilidade. Apenas aplicamos. Trouxemos companhia. conceitos já existentes na teoria contábil. pudemos desenvolver um sistema de informações que atendesse às necessidades dos usuários internos da companhia sem que para isto precisássemos inventar um novo conceito. de forma sistematizada.financeiros para usuários externos.

Bad and The Good of The . Robert N. Agricultura Boletim e de Reforma . Guide to Futures Trading. London. Management Accounting. 6. 1976~ "The 2. "We Don 1 t Have The Concepts We Need". Commodities. Contabilidade Gerencial: UrnaIntroducão Contabilidade. January 1986. January 1990. Income of Time Historical Cost Series The and IncrementaI Current for Analyses Cost 1962-1980". " Content Numbers. Guide to Commodity FundamentaIs. Accounting January-February 1987 •. BASHE Halsey Stuart Shields Inc. ARTHUR Andersen..Experience". São Paulo. Accounting Review. Accounting "The Impact The Systems". October 1987.BIBLIOGRAFIA 1. BERNARD. and Management Morris Deigan. 1979. Ministério da Agrária. Harvard Business Review. COMPANHIA Previsão Nacional de de Safras. 178 CONAB. Atlas. 1979. of perceived Accounting Review. 3. 5. 7. 9. 1983. Abastecimento. CHENDALL. Robert Structure Environment and Interdependence on Usefulness of H. CONSULTADA ª ANTHONY. Robert G. Chicago. 4. Chicago.. Dezembro de 1991. Brasília. 8. victor Information L. e Roland.

. A.. O.J. USP. Los Angeles.. 12. Venda. EDWARDS Edgar Measurement of O. January-February 17. FERNADEZ. January-February 1991. Editora Pespectiva. "The Performance Measure Manifesto".. Tese de Mestrado. 1989. . January-February 1990.. Estudo de Um Modelo Integrado de Economico Financeiras ª Sua Integração Com Informações Q Processo Decisório." . Theory and University of Califonia Press. Robin. 1990. 18.. "Accounting for Managerial Decision Making".. e Holkzmann.. Umberto. e Bell.T. 1967. The Accounting Review. "Current Cost and Present Value in Income Theory". 1974.. Melville Publishing Co. 1990. COOK.. 19.H. The Business Income. FIPECAFI.S. 11. ed. Robert G. 13. 15. COOPER. São Paulo. Harvard Business Review. USP. When Harvard Business Reviem. Pesquisas de Manual de Contabilidade Sociedades por Ações: Aplicável Também às Demais São Paulo. DE COSTER. Atlas. Phillip W. California. FAVA. 14. October 1976. ECCLES. J.T. Atuariais Fundação e Instituto Financeiras. "Replacement Value Accounting: Wave of Future?". Sociedades. 1977. D. "You Need a New Cost System .. J. 3a. ECO. ENTHOVEN. 179 Contábeis. Ivete. Tese de Mestrado.10. º Custo de Reposição Para Fixação de Algumas Análises em Situação de Inflação The 1976 Preço ª em de Função do Fluxo Financeiro. Como se Faz Uma Tese.D. Harvard Business Review. 16.

1988.. Bolsa Mercantil 22. for Futures on Earning Variability". Rise Sérgio. Press. Managerial Accounting". HOPP. Potencial December 1977. Contábil". Principios Futuros. 30... São Paulo. Lost = The Boston. João C.. The October 1990. Prentice IUDICIBUS. 180 ª Estoques 1968. . Relevance ---------------------------------------------Management Paulo. Correntes. HORNGREN. Accounting Cost Accounting. of USP. Hall. no Brasil. FORBES. Contábeis 21. School Management de S. and to Managemente FalI Aspectos e Kaplan. São Paulo. Replacement Management Enfoque Accounting. Práticas 1990. 29. Contabilidade ---------------------------- Preços Homewood.e Arthur 20. 1987. 23. Tese. .. Managemente Harvard do 1978. Hélio P. Vol. Luiz F. January and 1987. 4. e Leite. 27.Thomas Massachussets. "Accounting Normas g nos Mercados e de Futuros. Eldon S.. HENDRICKSEN.. Atlas. 26. H. Illinois. Básicos Jennifer. Para Aplicar São Paulo. . Richard 24. D Irwing Inc. Theory.1986. de Custos: Um da Avaliação Robert Business São Lucro 1978.. "O Revista de Administração 28 número 25. "The Rise and FalI of Accounting. JOHNSON. L. "Current Benefits".T. Atlas. Englewood Cliffs. FRANCIS Effect Andersen. Crepúsculo . JOHNSON. Introduction Administrativo. de Empresas. Outubro-Dezembro Charles T. Contracts Accounting and Review. São Paulo. 1982. Accounting. 28.

MAKER. Management . 1991. Journal Advanced trabalho S. System Costs Right. of Management Accounting and 1982. Metodologia Hill do Brasil. Michael Accounting Economics. "The Soybean Market Efficiency Process". Scott Spread: an from The Viewpoint The Journal February Complex Irwing of Futures Stock Index and Options. 1988. September-October 34. New York. Accounting. of Futures Market. "The New Four Stage Model of Cost Management 33. 1978. 39.. 1984. Handbook FinanciaI.31. Review of Rio de Janeiro.. Carl R. KAUFMAN. Markets = Commodity. Robert Design".A. Robert December Kaplan".. Prentice of H. No. McGraw 38. David H. Mary E. New Jersey. Mauro A. 35. Interamericana. by de Elaboração de Teses. John Wiley and Sons. "One Cost System 36. 37. 1981. "Measure Decisions". J. "Book W. January-February Isn't Enough". Advanced Hall. 181 de Óleo Matarazzo . a Volume Production lI. Review. LEITE.. Make The HBR. Exploratório do Mercado interno de Metalúrgica 1989. Estudo de Soja no Brasil... February e Cooper R. 1. LI. perry J. 32. não publicado. Zulauf. São Paulo. 1990. Gerlow. Contabilidade de Custos.. JOHNSON. KAPLAN. 1988... 40. Right Accounting. MALHEIROS.. of Robert L. Harvard Business 1982.. e Examination S.A.

.. 1972. America. Bolsa de Commodities: Rio de Janeiro.. 45. Ativo & smith Inc. POWERS. Cost Accounting. 50. 1984. 46. Eliseu. Eduardo N. Futures Commodity Inc. Ed . Linch Pierce Fenner São Paulo. e Sunder S. Between Replacement The Accounting Review. Futuro. PENFIELD Commodity. PEREIRA. Replacement Englewood 51. "Surrogates Cliffs. Mark Trading.. Buenos Aires. REVSINE. Avaliação São Paulo. to Income . . Contabilidad Superior. Mercado Getúlio in Vargas. "On The Correspondence Cost Income and Economic Income".. Lawrence. . "A capital Maintenance The Accounting New Abril Approach 1981. 44.41. Macchi. NEWTON. Introducing Hedge. 1983 P. 49. united States of 1987. MERRYIL 43. Investor 47. Prentice Hill. July 1970. Review.. -------------------Measurement". Intangível. 1973. MARTINS. Getting Iowa. 42. January in Income Theory: A Comment". 1976. ª contribuição Profit and Holding The Separation Gain". Antonio F. . "The Case Against Current Review. USP. 1971. The of Accounting 1979. -------------------The Accounting Review. PRAKASH Started Publications Operating January 48.. º Manual do Hedger. 1985. Editora da Fuundação J. 182 Jersey.

New Jersey. Adjustment for Changing prices. 57. 1986. Natan. STERLING. 183 Great . Determination. April 1980. Kansas. Scholars Books Co. Richard A. VAN HORNE. VANCIL. 53. stout David e O'Mara David. The Accounting Review. "The New FinanciaI Instruments". James C.P.. "Inflation Accounting The Controversy". 59. Distribuição: Uma Uma Análise do Lucro Abordagem Reconhecendo ª Passível de Manutenção do Capital da Empresa. Prentice Hall.. 7 ed . March 1990. Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo. C. 60. "1985. James C. Robert. VAN HORNE.. Marwick Mitchell & co. 1970. 61. 55. 1986. Sclolars Book Co. 1985. World oilseed situation and Outlook... "Should Replacemente Cost Changes be Included in Income?". Prentice Hall. ROWLEY.. Asset Valuation and Income 56. Theory of The Measurement of Enterprise Income. SAMUELSON. Inventory Pricing in the Grain Industry. Tese de Doutorado. FinanciaI Management and Policy. Março-Abril 1976. 54.52.. UNITED States Department of Agriculture. September 1991. STICKNEY. SZUSTER.. ROLLTNS.. Fundamentos da Administração Financeira. 1971. Harvard Business Review. 62. 1984. Richard F. New Jersey. Peat.. Rio de Janeiro. Prentice Hall do Brasil. James L.. Management Accounting. C. Thereza P. Stevenson e Evans. 58.

e Horngren. Management Charles T.63. . WILLIAMS. K. Renaissance". "Management Accounting.. 184 January Accounting's 1986.