SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
Pró-Reitoria de Graduação
Diretoria de Processos Seletivos

EDITAL N° 89, DE 24 de NOVEMBRO de 2014
CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO
A PRÓ-REITORA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA,
no uso da competência que lhe foi delegada pela Portaria R/UFU/Nº. 2108, de 21 de
dezembro de 2012, publicada no Diário Oficial da União em 27 de dezembro de 2012, Seção
2, pág. 18, tendo em vista o Decreto nº. 7.232, de 19/07/2010, publicado no D.O.U. de
20/07/2010 e a Portaria Interministerial nº 111 de 02/04/2014, publicada no D.O.U. de
03/04/2014, torna público que estarão abertas as inscrições ao Concurso Público de Provas,
destinado ao provimento dos cargos dos níveis “C”, “D” e “E”, da carreira de TécnicoAdministrativo, conforme Tabela 1, para quaisquer unidades da Universidade Federal de
Uberlândia – nas cidades de Uberlândia, Ituiutaba, Monte Carmelo, Patos de Minas e
quaisquer outros campi que possam surgir – observados os termos da Lei nº. 8.112, de
11/12/1990; do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em EducaçãoPCCTAE, aprovado pela Lei nº. 11.091, de 12/01/2005, publicada no D.O.U. de 13/01/2005;
do Decreto nº. 6.944, de 21/08/2009, publicado no D.O.U de 24/08/2009; das disposições
do Estatuto e do Regimento Geral da Universidade e da legislação pertinente e
complementar, mediante as normas e condições deste edital.
1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1.

O candidato deverá conhecer e estar de acordo com as exigências contidas no presente
edital e em seus Anexos e certificar-se de que preenche todos os requisitos exigidos para a
investidura no cargo que pretender.

1.2.

Todos os horários mencionados referem-se ao horário oficial de Brasília-DF.

1.3.

Este edital, os Conteúdos Programáticos das disciplinas e a descrição dos cargos estarão
disponíveis no endereço eletrônico www.ingresso.ufu.br a partir do dia 24 de novembro
de 2014.

1.4.

O extrato deste edital será publicado em jornal de Uberlândia-MG, Ituiutaba-MG, Monte
Carmelo-MG, Patos de Minas-MG e no “DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO”.

2. VAGAS
2.1.

O número de vagas, remuneração e a carga horária semanal para os cargos são
apresentados na Tabela 1.

2.2.

Antes da nomeação dos candidatos aprovados neste concurso, será dada preferência a
remoção dos servidores que já integram o quadro funcional da UFU.

2.3.

Durante o prazo de validade do presente concurso público, havendo autorização para
provimento de novas vagas para esta Universidade, e considerando ainda a oportunidade
e a conveniência da Instituição, poderão ser aceitas solicitação de redistribuição de outras
Instituições Federais de Ensino ou serão convocados candidatos remanescentes da lista de
classificação, conforme estabelecido no Decreto nº 6.944 de 21/08/2009.

Avenida João Naves de Ávila, n° 2121 - Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo
Bairro Santa Mônica - 38.408-144 - Uberlândia - MG
http://www.ingresso.ufu.br

1

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
Pró-Reitoria de Graduação
Diretoria de Processos Seletivos

Tabela 1 – Cargos, cidade, vagas de ampla concorrência, vagas reservadas para pessoas
com deficiência, vagas reservadas aos negros, total de vagas, remuneração e carga
horária para cada cargo.
TABELA 1

CARGOS NÍVEL "C"

CIDADE

VAGAS
RESERVADAS
VAGAS
TOTAL
CARGA
VAGAS AMPLA
ÀS PESSOAS RESERVADAS
DE
REMUNERAÇÃO HORÁRIA
CONCORRÊNCIA
COM
AOS NEGROS VAGAS
SEMANAL
DEFICIÊNCIA

1.

ASSISTENTE DE LABORATÓRIO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UBERLÂNDIA

1

0

0

1

R$ 1.640,34

40 h

2.

AUXILIAR EM ADMINISTRAÇÃO

QUAISQUER
CAMPI

10

2

3

15

R$ 1.640,34

40 h

CARGOS NÍVEL "D"

CIDADE

VAGAS
RESERVADAS
VAGAS
TOTAL
CARGA
VAGAS AMPLA
ÀS PESSOAS RESERVADAS
DE
REMUNERAÇÃO HORÁRIA
CONCORRÊNCIA
COM
AOS NEGROS VAGAS
SEMANAL
DEFICIÊNCIA

1.

ASSISTENTE EM
ADMINISTRAÇÃO

QUAISQUER
CAMPI

17

3

5

25

R$ 2.039,89

40 h

2.

TÉCNICO DE
LABORATÓRIO/INFORMÁTICA

UBERLÂNDIA

2

0

0

2

R$ 2.039,89

40 h

3.

TÉCNICO DE
LABORATÓRIO/MOVIMENTO
HUMANO

UBERLÂNDIA

1

0

0

1

R$ 2.039,89

40 h

TÉCNICO DE
LABORATÓRIO/PAVIMENTAÇÃO- UBERLÂNDIA
ESTRADAS-FERROVIAS

1

0

0

1

R$ 2.039,89

40 h

UBERLÂNDIA

1

0

0

1

R$ 2.039,89

40 h

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA UBERLÂNDIA

2

0

0

2

R$ 2.039,89

40 h

1

0

0

1

R$ 2.039,89

40 h

4.

5.
6.
7.

TÉCNICO DE
LABORATÓRIO/ZOOTECNIA
TÉCNICO EM PRÓTESE
DENTÁRIA

CARGOS NÍVEL "E"

1.

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA
INFORMAÇÃO-ÁREA 1DESENVOLVIMENTO DE
SISTEMAS E APLICAÇÕES

UBERLÂNDIA

CIDADE

UBERLÂNDIA

VAGAS
RESERVADAS
VAGAS
TOTAL
CARGA
VAGAS AMPLA
ÀS PESSOAS RESERVADAS
DE
REMUNERAÇÃO HORÁRIA
CONCORRÊNCIA
COM
AOS NEGROS VAGAS
SEMANAL
DEFICIÊNCIA

1

0

0

Avenida João Naves de Ávila, n° 2121 - Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo
Bairro Santa Mônica - 38.408-144 - Uberlândia - MG
http://www.ingresso.ufu.br

1

R$ 3.392,42

40 h

2

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
Pró-Reitoria de Graduação
Diretoria de Processos Seletivos

2.

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA
INFORMAÇÃO-ÁREA 2INFRAESTRUTURA DE REDES E
SERVIÇOS

MONTE
CARMELO

1

0

0

1

R$ 3.392,42

40 h

3.

ENGENHEIRO/FLORESTAL

MONTE
CARMELO

1

0

0

1

R$ 3.392,42

40 h

4.

ENGENHEIRO/QUÍMICO

QUAISQUER
CAMPI

1

0

0

1

R$ 3.392,42

40 h

5.

MÉDICO/INFECTOLOGISTA

UBERLÂNDIA

1

0

0

1

R$ 3.392,42

20 h

6.

MÉDICO/OFTALMOLOGISTA GERAL

UBERLÂNDIA

1

0

0

1

R$ 3.392,42

20 h

7.

MÉDICO/OFTALMOLOGISTA PLÁSTICA OCULAR

UBERLÂNDIA

1

0

0

1

R$ 3.392,42

20 h

8.

MÉDICO/URGÊNCIAS E
EMERGÊNCIAS CLÍNICAS E/OU
CIRÚRGICAS

UBERLÂNDIA

2

0

0

2

R$ 3.392,42

20 h

9.

PEDAGOGO

MONTE
CARMELO

1

0

0

1

R$ 3.392,42

40 h

2.4.

Das vagas destinadas às pessoas com deficiência:
2.4.1. Aos candidatos com deficiência serão reservadas 10% (dez por cento) das vagas
destinadas a cada cargo, amparadas pelo Decreto nº 3.298 de 20/12/1999 e
alterado pelo Decreto nº 5.296/2004.
2.4.2. No ato da inscrição, o candidato deverá informar sua deficiência.
2.4.3. Consideram-se pessoas com deficiência aquelas que se enquadram nas categorias
descritas no Art. 4° do Decreto nº 3.298/99.
2.4.4. Os candidatos inscritos nas vagas reservadas aos deficientes, participarão deste
Concurso em igualdade de condições com os demais candidatos, no que se refere
ao conteúdo, à avaliação, aos critérios de aprovação, ao(s) horário(s), ao(s) local(is)
de aplicação das provas e às notas mínimas exigidas.
2.4.5. Os candidatos deficientes aprovados dentro do número de vagas oferecidas para
ampla concorrência não serão computados para efeito do preenchimento das
vagas reservadas.
2.4.6. Na hipótese de aprovação do candidato com deficiência, este será submetido à
Junta Médica Oficial da UFU, que decidirá se a deficiência alegada pelo candidato
no ato da inscrição se enquadra no disposto no Art. 4° do Decreto nº 3.298/99.
2.4.7. O candidato com deficiência e reprovado na perícia médica, caso seja aprovado no
concurso, figurará na lista de classificação geral, desde que conste na relação dos
candidatos aprovados no certame, classificados de acordo com o que determina o
Anexo II do Decreto nº 6.944 de 21/08/2009.
Avenida João Naves de Ávila, n° 2121 - Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo
Bairro Santa Mônica - 38.408-144 - Uberlândia - MG
http://www.ingresso.ufu.br

3

5.4. 2. O candidato com deficiência. meios ou recursos especiais.br 4 . a natureza das atribuições inerentes ao cargo. admitida a correção por equipamentos. observando as informações prestadas pelo candidato no ato da inscrição. Caberá recurso da decisão da Junta Médica Oficial no prazo de 2(dois) dias úteis a partir do resultado da avaliação médica. por reprovação no concurso ou na perícia médica.4.4.4.11. 2. adaptações. ficando o candidato submetido às regras gerais deste edital.4. de 02/12/2004. se classificado.990. ficam reservadas aos negros. 2. 2.5.5.1.13. de equipamentos ou outros meios de que eventualmente utilize e a Classificação Internacional de Doenças (CID) apresentada. 2. de 09 de junho de 2014. em que lhe sejam assegurados o contraditório e a ampla defesa. A autodeclaração é facultativa.15. De acordo com a Lei Federal nº 12. 2. ficará sujeito à anulação da sua admissão ao cargo efetivo. dela cabendo.3. antes da nomeação.ufu. As deficiências do candidato. alterado pelo Decreto n° 5.MG http://www. Das Vagas destinadas aos negros: 2.9. 2. classificado no concurso público. será avaliado por equipe multiprofissional.2. Avenida João Naves de Ávila.ingresso. após procedimento administrativo.4. se houver sido nomeado..4. o ambiente de trabalho. n° 2121 .298. A equipe multiprofissional emitirá parecer conclusivo.12. figurará na lista geral de classificação de acordo com o que determina o Anexo II do Decreto nº 6. observada a ordem geral de classificação para o cargo pertinente. 2. serão preenchidas pelos demais candidatos.14. e também em lista específica dos candidatos com deficiência. a viabilidade das condições de acessibilidade.408-144 .5.4. Não serão considerados como deficiência visual os distúrbios de acuidade visual passíveis de correção.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 2. As vagas definidas para deficientes que não forem providas por falta de candidatos. de 20/12/1999. O candidato com deficiência.10. O recurso deverá ser encaminhado à Junta Médica Oficial e o resultado será divulgado no prazo de 5(cinco) dias úteis. recurso administrativo.5. A decisão da equipe multiprofissional será definitiva.4. A autodeclaração somente terá validade se efetuada no momento da inscrição. 2. será o candidato eliminado do concurso e.8. 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas para cada cargo. caso não opte pela reserva de vagas.296. no entanto. Constatada a falsidade da declaração. sem prejuízo de outras sanções cabíveis. pelo candidato.5.5. a que se refere o item 2.1. 2. A reserva de vagas será aplicada sempre que o número de vagas for igual ou superior a 3 (três) vagas para cada cargo.38. a possibilidade de utilização.2.4. 2. Poderão concorrer às vagas reservadas a candidatos negros aqueles que se autodeclararem pretos ou pardos no ato da inscrição.Uberlândia . devem permitir o desempenho adequado as atribuições específicas do cargo.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . 944 de 21/08/2009. 2. de acordo com o Artigo 43 do Decreto Federal n° 3. conforme o quesito cor ou raça utilizado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

as vagas remanescentes serão revertidas para a ampla concorrência e serão preenchidas pelos demais candidatos aprovados. das 9h às 11h e das 14h às 17h.7. 2. devendo informar o tipo de necessidade no ato da inscrição. ao(s) local(is) de aplicação das provas e às notas mínimas exigidas. disponibilizado no endereço eletrônico www.Uberlândia . suficiente para ocupar as vagas reservadas.8.4. para o número (34) 32394400. aos critérios de aprovação. João Naves de Ávila.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 2. 3.br 5 . datado.2. em dias úteis.5.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . bloco 1A. sala 111. 3. no Setor de Atendimento ao Público da Diretoria de Processos Seletivos. participarão deste Concurso em igualdade de condições com os demais candidatos.ufu. O relatório e o requerimento poderão ser entregues pelo candidato ou seu procurador. Uberlândia-MG.5. 3. CEP: 38. Campus Santa Mônica.ingresso. o candidato não terá assegurado o atendimento requerido.br.ufu. ao(s) horário(s). 3.4. à avaliação. Na ausência do relatório e do requerimento. a vaga será preenchida pelo candidato negro posteriormente classificado. sala 1A111. A inscrição deverá ser realizada no endereço eletrônico www. 2. A UFU não se responsabilizará por inscrição não recebida por motivos de natureza técnica associados a computadores. com indicação do número de CPF do candidato. 2.ufu. no Campus Santa Mônica. observada a ordem de classificação. Os candidatos negros aprovados dentro do número de vagas oferecidos para ampla concorrência não serão computados para efeito do preenchimento das vagas reservadas. a congestionamento de linhas de comunicação e a quaisquer outros motivos de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados para consolidação da inscrição. 3.2. Bairro Santa Mônica.ingresso.5. no que se refere ao conteúdo. O candidato que necessitar de atendimento especial poderá solicitar: Avenida João Naves de Ávila. Atendimento Especial: O candidato com necessidades especiais para a realização da prova será atendido em setores destinados para este fim.5. Na hipótese de não haver número de candidatos negros aprovados. Os candidatos inscritos nas vagas reservadas aos negros. Em caso de desistência de candidato negro ou pardo aprovado em vaga reservada. Nesse requerimento. de segunda a sexta-feira. deverão ser especificadas e indicadas as condições necessárias para a realização da prova.5. O candidato deverá preencher e encaminhar à UFU até o dia 15 de dezembro de 2014. durante o período de inscrições. Período: As inscrições devem ser realizadas no período de 08 a 29 de dezembro de 2014. ou enviados por fax. Campus Santa Mônica. no Bloco 1A.ingresso.38. 3.6.br. a falhas de comunicação. de acordo com a sua classificação no concurso.5. Os candidatos negros concorrerão concomitantemente às vagas reservadas e as vagas destinadas à ampla concorrência. A UFU disponibilizará computadores para a realização de inscrição. n° 2121 .408-144 . 2121. Relatório Médico atualizado.4.4.MG http://www.408-144.1.1. no Setor de Atendimento ao Público da DIRPS. exclusivamente na cidade de Uberlândia. assinado e carimbado pelo médico e o requerimento de solicitação de atendimento especial para realização das provas.9. ou por SEDEX para: Av.3. INSCRIÇÕES 3. 2.3. 3.

Bairro Santa Mônica. A candidata que não levar acompanhante não realizará a prova.ingresso. 3. a candidata deverá levar um acompanhante. 3. observando o seguinte: a) O Requerimento de Inscrição deverá ser preenchido por inteiro e conferido pelo candidato para ser impresso b) No ato da Inscrição. com a indicação do número do CPF. Conferência dos dados do Requerimento de Inscrição e Solicitação de Retificação.4.4. Caso o pagamento do candidato não tenha sido confirmado. sala 111. 3.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos a) b) c) d) provas ampliadas com fonte Arial 18 . bloco 1A. As solicitações de que trata o subitem 3.Uberlândia .ufu. sempre que solicitado pelo candidato surdo ou com deficiência auditiva. A UFU não se responsabilizará por nenhum tipo de deslocamento do candidato com necessidades especiais. Uberlândia-MG.408 . Campus Santa Mônica. 3.6.ufu. 3.ingresso.4. Confirmação do Pagamento da Taxa de Inscrição: O candidato poderá verificar a confirmação do pagamento da taxa de inscrição no endereço eletrônico www.1. o candidato deverá indicar a opção de cargo e modalidade. ele deverá entrar em contato com a UFU/DIRPS até o dia 08 de janeiro de 2015.br . A UFU não disponibilizará acompanhante para guarda de criança.4.ingresso. CEP: 38. A candidata que tiver necessidade de amamentar poderá solicitar ampliação do tempo de realização das provas objetivas em até 1(uma) hora. auxílio de ledor. O candidato que desejar corrigir dados incorretos de sua inscrição poderá fazê-lo no endereço eletrônico www. Nesse endereço. o candidato encontrará o Edital. nos campos apropriados. ou qualquer outro tipo de solicitação de atendimento especial. 3.5. 2121.7. usando seu número de inscrição e o número de seu CPF. ou por SEDEX para: Av. deverá encaminhar à DIRPS cópia da certidão de nascimento da criança até o dia 15 de dezembro de 2014.2.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . 3. ampliação do tempo de realização da prova em até 1 (uma) hora. caso exista reserva de vaga para o cargo pretendido.5. No(s) dia(s) de realização da(s) prova(s). João Naves de Ávila. 3.4.ufu.7. ou enviar por fax.br 6 .MG http://www. A UFU divulgará o resultado da solicitação de atendimento especial no dia 26 de janeiro de 2015.408-144 .br. 3. em até 5 (cinco) dias úteis a partir da data em que o boleto foi pago. além de solicitar atendimento especial para tal fim. o Sistema de Inscrição Online e o Manual do Candidato.ingresso.4.4. para o número (34) 3239-4400.144. Só será efetivada a inscrição cujo pagamento for confirmado pela UFU.br. e seguir rigorosamente todas as instruções nele contidas.38.6. n° 2121 .5.ufu.4. Intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais) para sanar eventuais dúvidas ou fornecer informações sobre o Processo Seletivo durante a aplicação da prova.. Procedimentos para a Inscrição: O candidato deverá acessar o endereço eletrônico www. no período de 08 a 09 de janeiro de 2015. Será disponibilizado um formulário eletrônico Avenida João Naves de Ávila. A candidata que tiver necessidade de amamentar durante a realização da prova.5. que ficará em sala reservada para essa finalidade e que será responsável pela guarda da criança. deverão ser indicadas na solicitação de inscrição.

ingresso. Além de informações sobre a sua identificação.ufu. como opção de cargo. 6.ingresso.4. atribuído pelo CadÚnico. 4. que será a convocação do candidato classificado para realização das provas objetivas da primeira fase. 4. 4. assim como a transferência da inscrição para pessoa diferente daquela que a realizou e. no requerimento. Não serão aceitas inscrições condicionais. via correio eletrônico ou fora do prazo. n° 2121 .5. e opção de cargo para o qual o candidato concorre. 4. Após esse período de solicitação de alteração de dados. de 26 de junho de 2007. 4.5.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Não será possível a retificação do número do CPF do candidato. não serão aceitas quaisquer modificações em nenhum dos dados informados pelo candidato. 4. tempo de duração.5.38.ufu.1 deste edital.ingresso.br para verificar sua situação com relação à isenção da taxa no dia 22 de dezembro de 2014.5. local onde o candidato realizará suas provas objetivas (nome do estabelecimento. no endereço eletrônico www. O candidato que tiver seu pedido indeferido deverá efetuar o pagamento da taxa devida no prazo estipulado no item 4. no período de 24 de novembro a 15 de dezembro de 2014. O candidato só terá seu pedido de isenção confirmado se o NIS estiver validado pelo Órgão Gestor do CadÚnico até o dia 15 de dezembro de 2014. O valor da inscrição será de.br 7 . estará disponível ao candidato. Todas as alterações estarão sujeitas à análise da DIRPS/UFU. horário.8.MG http://www. em nenhuma hipótese.593. 4.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos para que o candidato possa solicitar a retificação das informações fornecidas por ele no ato de sua inscrição. de 2 de outubro de 2008 e Decreto nº. endereço e setor). a taxa de inscrição será devolvida. via fax.3. Não caberá recurso contra o indeferimento do requerimento de isenção da taxa de inscrição. de R$ 60. mediante requerimento de isenção. Ficha do Candidato: A Ficha do Candidato.00 (sessenta reais) para os cargos do Nível “D” e de R$70.ufu. documento pessoal. com a indicação. se estiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).5. O pagamento deverá ser efetuado na rede bancária no período de 08 a 30 de dezembro de 2014. R$40.00 (setenta reais) para os cargos do Nível “E”.5. 6.2.5. pois poderá lhe ser solicitado pela DIRPS.4. 3.6.ingresso.Uberlândia .ufu. 4.00 (quarenta reais) para os cargos do Nível “C”. A isenção deverá ser solicitada. Caberá ao candidato realizar consulta no endereço eletrônico www.3.408-144 .br.135. Avenida João Naves de Ávila. do Número de Identificação Social-NIS associado ao candidato. 4. Isenção: Candidato de baixa renda poderá solicitar isenção do pagamento de taxa de inscrição ou da renovação da inscrição. endereço residencial. 4.2.1. Não será permitida a transferência do valor pago como taxa de inscrição para outra pessoa. nos termos do Decreto nº.1. a partir do dia 26 de janeiro de 2015.br.5. O candidato de baixa renda que ainda não possuir o Número de Identificação SocialNIS deverá providenciá-lo no Setor de Serviço Social da Prefeitura Municipal de sua cidade. 4. 4. nela também constarão data. disponível no endereço eletrônico www. O comprovante de pagamento deverá ser mantido com o candidato. TAXAS. telefone e endereço eletrônico.

5. Ituiutaba. O concurso consistirá de uma primeira etapa com uma prova objetiva de múltipla escolha para todos os cargos.1. A jornada de trabalho é de 40 (quarenta) horas semanais.MG http://www.38. deverão ser preenchidas de acordo com a classificação dos candidatos. 6. Serão considerados eliminados os candidatos que não acertarem no mínimo 10 (dez).Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .5. Para esta etapa serão classificados até duas vezes o número máximo de candidatos aprovados conforme tabela do anexo I deste edital. terá sua inscrição indeferida neste concurso.112/90. de Uberlândia. O cumprimento da jornada de trabalho poderá ocorrer em turno diurno.3. de acordo com o interesse desta instituição.ingresso. A Tabela 2. sobre os conteúdos programáticos. 6. LOTAÇÃO. 40%. A prova objetiva. Avenida João Naves de Ávila. da Lei no 8. Além dos pesos discriminados na Tabela 3. exceto para os cargos de Médico/Área cuja carga horária é de 20 (vinte) horas semanais. Patos de Minas.2. respectivamente. no prazo de validade deste concurso e referentes aos cargos mencionados neste edital. 6. a prova da segunda etapa (prova prática). finais de semana.4. estabelecidas no artigo 19. abaixo. noturno. e em quaisquer outros campi que possam surgir.br 8 .5. turnos de revezamento. As vagas que posteriormente forem destinadas à UFU. O candidato que tiver o seu pedido de isenção indeferido e que não efetuar o pagamento da taxa de inscrição. terá peso de 60% e a prova da primeira etapa. D e E.2. terá caráter eliminatório e classificatório. 12 (doze) ou 15 (quinze) das questões da disciplina de conhecimentos específicos referentes aos cargos de nível C.3. EXERCÍCIO E JORNADA DE TRABALHO. n° 2121 . 5.ufu. de acordo com as necessidades da Instituição. na forma e no prazo estabelecido no subitem 4. da Lei no 8.1. apresenta as etapas do concurso. feriados. Monte Carmelo.Uberlândia . Para os cargos de Técnico em Prótese Dentária e Engenheiro Químico haverá uma segunda etapa com uma prova prática.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 4. DAS ETAPAS DO CONCURSO 6. 5. 5. 6.1. regime de plantão.270/91. alterado pelo artigo 22.408-144 . que serão lotados em quaisquer das unidades integrantes da estrutura organizacional da Universidade.7. 6.

38.ingresso. questões.408-144 . 6. os pesos e os pontos da prova objetiva estão apresentados nas tabelas 3.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Tabela 2 – Etapas do concurso de acordo com os cargos CARGO 1ª Etapa 2ª Etapa Nº de classificados para prova prática Nível C ASSISTENTE DE LABORATÓRIO – CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Prova Objetiva - - AUXILIAR EM ADMINISTRAÇÃO Prova Objetiva - - Nível D ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Prova Objetiva - - TÉCNICO DE LABORATÓRIO/INFORMÁTICA Prova Objetiva - - TÉCNICO DE LABORATÓRIO/MOVIMENTO HUMANO Prova Objetiva - - TÉCNICO DE LABORATÓRIO/PAVIMENTAÇÃO-ESTRADASFERRPVIAS Prova Objetiva - - TÉCNICO DE LABORATÓRIO/ZOOTECNIA Prova Objetiva - - TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Prova Objetiva - - Prova Objetiva Prova Prática 10 TÉCNICO EM PRÓTESE DENTÁRIA Nível E ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO-ÁREA 1DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E APLICAÇÕES Prova Objetiva - - ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO-ÁREA 2INFRAESTRUTURA DE REDES E SERVIÇOS Prova Objetiva - - ENGENHEIRO/FLORESTAL Prova Objetiva - - ENGENHEIRO/QUÍMICO Prova Objetiva Prova Prática MÉDICO/INFECTOLOGISTA Prova Objetiva - 10 - MÉDICO/OFTALMOLOGISTA .ufu. respeitando-se o enunciado.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . As disciplinas. Avenida João Naves de Ávila.GERAL Prova Objetiva - - MÉDICO/OFTALMOLOGISTA .Uberlândia . pesos e pontos para os cargos de Nível C.7.6.PLÁSTICA OCULAR Prova Objetiva - - MÉDICO/URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS CLÍNICAS E/OU CIRÚRGICAS Prova Objetiva - - PEDAGOGO Prova Objetiva - - 6. a quantidade de questões. Tabela 3: Distribuição das disciplinas. Cada questão objetiva constará de 4 (quatro) alternativas.br 9 .MG http://www. n° 2121 . das quais apenas uma deve ser assinalada.4 e 5.

o candidato deverá comparecer ao local de realização informado na Ficha do Candidato com. pesos e pontos para os cargos de Nível E.1.Uberlândia . 7. questões. Disciplinas Questões Peso Pontos Língua Portuguesa 5 2 10 Noções de Informática 6 2 12 Legislação 4 1 4 Conhecimentos Específicos 25 5 125 Total 40 151 Tabela 5: Distribuição das disciplinas. 45 (quarenta e cinco) minutos de antecedência do horário de início da realização da prova. pelo menos.408-144 . APLICAÇÃO DA PROVA OBJETIVA. Avenida João Naves de Ávila.38. 7. Disciplinas Questões Peso Pontos Língua Portuguesa 5 2 10 Noções de Informática 3 2 6 Legislação 2 1 2 Conhecimentos Específicos 30 5 150 Total 40 168 7. No dia das provas. As provas objetivas serão aplicadas no dia 08 de fevereiro de 2015. 7.ingresso.ufu.br 10 . Os portões de acesso aos locais de prova serão abertos às 8h15min e fechados. n° 2121 . com início previsto para 9h e término previsto para 12h30.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . em Uberlândia.2. questões.5 90 Total 40 131 Tabela 4: Distribuição das disciplinas.MG http://www.3.5 25 Noções de Informática 6 2 12 Legislação 4 1 4 Conhecimentos Específicos 20 4.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Disciplinas Questões Peso Pontos Língua Portuguesa 10 2. pesos e pontos para os cargos de Nível D.

Somente será permitido o uso de aparelho auditivo àquele candidato que tiver declarado necessidade auditiva no ato da inscrição e enviado comprovação médica. b) calculadora.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . 7. bipes. régua. c) caneta esferográfica (tinta azul. 7. mesmo que desligado. O aparelho poderá ser usado somente nos momentos em que seja necessária a comunicação verbal entre o fiscal e o candidato. a) documento de identidade. O candidato deverá verificar se os dados contidos na Folha de Respostas (número de inscrição. às 9h. smartphones. anotações ou similares. estiletes. desde que contenham o número de identidade que lhes deu origem e a impressão digital.408-144 . 7.4.ingresso. lápis.ufu. As folhas do caderno de questões não poderão ser destacadas.9. aparelhos eletrônicos ou similares.10. d) cabelos longos soltos. bottons. com corpo transparente). e) armas de qualquer espécie.10. em nenhuma outra hipótese haverá aplicação da prova objetiva em horários diferentes dos estabelecidos neste edital. somente poderá ser utilizada caneta com estas características. Além da Folha de Respostas. o candidato poderá ser fotografado e ter colhidas suas impressões digitais. Para efeitos de identificação. caso esteja portando – durante a realização da prova. pagers. Forças Armadas. Polícias Militares). 7.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos pontualmente. b) ficha do candidato. c) bolsas. os itens relacionados abaixo. Em nenhuma hipótese. pulseiras. aparelhos de mp3 ou similares. durante a realização da prova objetiva. corretores líquidos.br 11 .1. A Carteira de Estrangeiro ou Passaporte Visado são documentos válidos para candidato estrangeiro. agendas eletrônicas ou similares. 7. gravadores.8. Será proibido ao candidato utilizar.1. a) telefones celulares. pendrives. impressos (de quaisquer tipos).11. 7. brincos ou similares. nenhum outro papel poderá ser utilizado.7.MG http://www.5. O candidato deverá trazer os seguintes itens para realizar a prova objetiva: 7.Uberlândia .8. automaticamente. será permitida a entrada de candidato e acompanhantes após as 9h. 7. carteiras expedidas por ordens ou conselhos criados por lei federal ou controladores do exercício profissional. chapéus. Salvo nos casos de candidatos com necessidades especiais. Avenida João Naves de Ávila. A Universidade Federal de Uberlândia não se responsabilizará pelo paradeiro de material de utilização proibida no local de realização das provas que seja trazido pelos candidatos aos locais de provas. 7. tablets. número de documento de identidade e opção de cargo) correspondem aos de sua inscrição. 7.8.2.6. relógios. ipod®. 7. n° 2121 . broches. sua prova anulada e será retirado do local de sua realização. O candidato terá.38. sob pena de ser retirado do local e ter a sua prova anulada. borracha. qualquer aparelho eletrônico ou de telecomunicações. Serão considerados Documentos de Identidade: as carteiras ou cédulas de identidade (expedidas por Secretarias de Segurança Pública.

2. 8. 7. O candidato que provocar qualquer tumulto. conforme norma da UFU. d) ler com atenção as instruções contidas na capa do caderno. sua prova anulada. Antes de expirado o prazo para realização das provas. O candidato que se recusar a atender à solicitação terá sua prova automaticamente anulada.16. Ao término da prova.14. em cujas páginas poderá haver a indicação do tipo de prova (Tipo 1. pelo menos 3 (três) candidatos deverão permanecer na sala de provas até que todos entreguem suas provas. de 15/07/1996 e Art. não será permitido que os candidatos fumem durante a realização das provas.ingresso. de 01/10/1996). o candidato deverá permanecer por. b) ouvir atentamente as instruções dos fiscais. Uma vez na sala ou no local de realização da prova objetiva. A Folha de Respostas estará com numeração das questões de 01 a 40 (de um a quarenta). 7. os fiscais solicitarão aos candidatos a interrupção definitiva da execução das provas e a entrega da Folha de Respostas.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Nos locais onde estiver realizando as provas. ao iniciar a prova. 2º da Lei 9.14. pelo menos. os candidatos deverão assinar novamente a lista de presença. Se o candidato deixar de assinalar ou assinalar incorretamente o tipo de prova. prejudicando o regular andamento da prova.4. o candidato deverá: a) conferir se não está portando aparelhos celulares ou qualquer dispositivo eletrônico ou outros objetos proibidos. 8. As questões da prova objetiva.3. Folha de Respostas 8.2. e) verificar.2.294. c) aguardar o recebimento do caderno de questões da prova.12. Durante a realização das provas.1. n° 2121 .2.br 12 .ufu.13. 8.Uberlândia .408-144 .17. FORMA DA PROVA OBJETIVA 8. O candidato deverá conferir seu nome e número de inscrição e marcar a célula correspondente ao tipo de sua prova.1. esta será corrigida com o gabarito do tipo de prova que lhe conferir a menor pontuação. 7.14. 3º do Decreto 2. uma hora e trinta minutos após o início da prova.MG http://www. 8.2. 7.2.1. 7. quando autorizado pelo fiscal.38. Tipo 3 ou Tipo 4) que o candidato deverá marcar na Folha de Respostas que lhe será entregue no dia da prova. se há falhas de impressão em seu caderno de questões. ou se recusar a atender ao que lhe for solicitado pelos fiscais. 7. De acordo com a legislação vigente (Art. será retirado da sala e terá. Expirado o prazo para realização das provas. não poderão ser prestados esclarecimentos sobre as questões. Avenida João Naves de Ávila.15. Tipo 2. estarão agrupadas em um caderno. automaticamente. se possível. caso haja. Haverá uma Folha de Respostas única para todas as disciplinas. 8.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 7. solicitar ao fiscal a troca do caderno. 7.018.2.

br 13 . neste caso.br no dia 23 de fevereiro de 2015. os pontos da questão serão considerados apenas a favor dos candidatos cujas respostas coincidirem com as do gabarito alterado. O candidato não deverá destacar nenhuma parte da Folha de Respostas e nem escrever nos espaços reservados à UFU. Os gabaritos oficiais preliminares da prova objetiva serão divulgados no endereço eletrônico www. Para recorrer contra os gabaritos oficiais preliminares das provas objetivas multidisciplinares. As questões objetivas serão corrigidas por processo eletromecânico a partir do gabarito oficial definitivo. a marcação for apenas um traço.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Caso o faça.ingresso. 8. Contestações iguais serão respondidas apenas uma vez. Avenida João Naves de Ávila.3. pois não haverá substituição da Folha de Respostas. O candidato somente poderá interpor recurso de posse dos seus números de inscrição.ufu.ingresso. no período de 08 de fevereiro de 2015. 9. 9.1.2.br.5. O candidato não poderá contestar a mesma questão mais de uma vez.2. Julgando procedente a impugnação.br as contestações recebidas e as respectivas respostas no dia 23 de fevereiro de 2015. e seguir as instruções ali contidas.8. a UFU poderá anular a questão ou alterar seu gabarito. que prejudiquem a leitura opto. às 17h.2. 9.br no dia 08 de fevereiro de 2015. o candidato será desclassificado). até o dia 10 de fevereiro de 2015.7. após as 20 horas. A UFU disponibilizará em seu endereço eletrônico www.ingresso.7. 9.11.ufu. às 20 horas. pelo fiscal de sala. utilizando a caneta esferográfica (tinta azul). 9.5.MG http://www. 8. Serão considerados eliminados os candidatos que não acertarem no mínimo 10 das questões da disciplina de conhecimentos específicos. Julgando procedente o recurso.2.ufu. 9.ufu.38.ingresso. a célula correspondente à sua resposta não estiver completamente marcada.8.9.eletromecânica (se a rasura tiver sido feita por material proibido e houver registro em ata. houver rasuras na folha. 9.2. Em caso de alteração do gabarito.ufu. A prova objetiva tem caráter eliminatório. a DIRPS poderá anular a questão ou alterar o seu gabarito e. O candidato deverá preencher completa e adequadamente a célula correspondente à sua resposta.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 8. forem ultrapassados os limites da área que deve ser preenchida. após as 20 horas. o candidato deverá utilizar o Sistema Eletrônico de Interposição de Recurso.6.10. O candidato terá sua resposta da questão objetiva anulada se: a) b) c) d) e) houver qualquer tipo de marcação de duas ou mais opções. 8. Os gabaritos oficiais definitivos a serem utilizados na correção da prova objetiva serão divulgados no endereço eletrônico www. uma cruz ou a letra “x”. por meio do endereço eletrônico www. GABARITOS DAS QUESTÕES OBJETIVAS 9.4. os pontos da questão serão considerados a favor de todos os candidatos. a contestação será indeferida.408-144 . O candidato deverá ser cuidadoso ao marcar as respostas das questões objetivas. CPF e endereço de e-mail válido.Uberlândia . n° 2121 . 9. 9.6. 9. 9.ingresso.

10.6.ufu. A divulgação do resultado definitivo para os cargos de Técnico em Prótese Dentária e Engenheiro Químico ocorrerá no dia 24 de março de 2015.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .ufu. estados menstruais. 10.ingresso. 10.10. O horário e local de realização da prova prática serão divulgados após as 17h do dia 27 de fevereiro de 2014. no endereço eletrônico www. Serão considerados aprovados os candidatos que obtiverem o percentual mínimo de 60% (sessenta por cento) para os cargos de Técnico em Prótese Dentária e Engenheiro Químico.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 10. 10.12. n° 2121 . sejam quais forem as circunstâncias alegadas. A UFU divulgará no site www.ufu. seja qual for o motivo alegado. sendo atribuída nota 0 (zero) ao candidato ausente ou retardatário. 10.br. DAS PROVAS PRÁTICAS 10. e f) perturbar. Não haverá tratamento diferenciado a nenhum candidato. após as 17h. sendo automaticamente desclassificado.br no dia 27 de fevereiro de 2015 a relação dos candidatos para os cargos de Técnico em Prótese Dentária e Engenheiro Químico aprovados para a realização da prova prática.11.ingresso.7.ingresso. b) não apresentar a documentação exigida.br 10.Será eliminado do processo seletivo nesta fase.ufu. Avenida João Naves de Ávila. gravidez ou outras situações que impossibilitem.br. Em hipótese alguma haverá segunda chamada para realização da prova.MG http://www.1.Caberá recurso contra o resultado da prova prática nos dias 18 e 19 de março de 2015. incorrendo em comportamento indevido. seus auxiliares. diminuam ou limitem a capacidade física e(ou) orgânica do candidato.4.38. 10.br 14 .ingresso. após as 20h. d) faltar com a devida cortesia para com qualquer dos examinadores.A divulgação do resultado da prova prática ocorrerá no dia 17 de março de 2015 no endereço eletrônico www. totalizando 100 (cem) pontos. 10. 10. a) 10. no endereço eletrônico www. sendo que o candidato deverá realizar os referidos testes de acordo com o escalonamento previamente efetuado pela DIRPS (matutino ou vespertino). Informações complementares sobre a prova prática serão publicadas após as 17h do dia 27 de fevereiro de 2015.Uberlândia .ingresso. A prova prática tem caráter eliminatório. e) for surpreendido dando e(ou) recebendo auxílio para a execução dos testes ou tentar usar de meios fraudulentos e(ou) ilegais para a realização da prova.ufu.8. a ordem dos trabalhos. indisposições. tais como alterações orgânicas ou fisiológicas permanentes ou temporárias. autoridades presentes e(ou) candidatos.5.2.ufu. c) não obtiver o mínimo de aproveitamento exigido na prova prática. sem a devida autorização e não estiver no local da prova no horário previsto para assinar a lista de chamada. As provas práticas serão aplicadas no dia 14 de março de 2015.br. cãibras.3. durante sua realização. deficiências. contusões. o qual será realizado de forma aleatória. de qualquer modo. o candidato que : retirar-se do recinto da prova.9.ingresso. no endereço eletrônico www. 10.408-144 .2 deste edital. Só farão a prova prática aqueles candidatos não eliminados e classificados na prova objetiva de acordo com a quantidade previamente estabelecida no item 6.

3. n° 2121 . 𝑬𝑷 = 𝟓𝟎𝟎 + 𝟏𝟎𝟎(𝑬𝑩 − 𝑿)/𝑺 (Equação 1) Em que: EP: Escore padronizado do candidato a um cargo em uma determinada disciplina.MG http://www. Para determinação do Escore Padronizado da Prova Objetiva (EPPO). padronizando-se os seus Escores Brutos (EBs) obtidos na prova objetiva. escores afastados da Média. 11. grande Desvio Padrão.Uberlândia .ingresso.ufu.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 10. considerando o seu desempenho nas diferentes disciplinas avaliadas. A equação acima permite verificar de quantos pontos padronizados o candidato difere da média.1. para todos os cargos (1ª etapa). X: Média dos EBs de todos os candidatos para o mesmo cargo nessa disciplina.ingresso. A equação 2 apresenta a formula de cálculo: 𝑬𝑷𝑷𝑶 = ∑𝒌 𝑷𝒌 ×𝑬𝑷𝒌 ∑𝒌 𝑷𝒌 (Equação 2) Em que: EEPO: Escore Padronizado da Prova Objetiva EPk: Escore padronizado para cada uma das disciplinas da prova objetiva. DETERMINAÇÃO DA NOTA E CLASSIFICAÇÃO FINAIS 11. S: Desvio Padrão dos EBs de todos os candidatos para o cargo nessa disciplina. ou seja.408-144 .ufu. EB: Escore bruto do candidato nessa disciplina.As respostas aos recursos serão publicadas no dia 24 de março de 2015. o somatório dos escores padronizados por disciplina. a média ponderada dos escores padronizados das disciplinas da prova objetiva. multiplicado pelo peso da disciplina. que são a referência para a comparação dos Escores Brutos de um candidato com os Escores Brutos dos demais candidatos ao mesmo cargo.13. 11. dividido pelo somatório dos pesos de cada disciplina.br. após as 20h. para cada candidato.2.38. 11. A equação estatística que permite calcular o Escore Padronizado (EP) é apresentada abaixo. no endereço eletrônico www. para os cargos que exijam prova prática. A padronização dos resultados permite uma avaliação comparativa entre os candidatos. Padronização é a operação utilizada para cálculo dos denominados Escores Padronizados (EPs).br 15 . conforme Tabela 3. calcula-se. A padronização será aplicada aos escores obtidos na prova de conhecimentos práticos específicos (2ª etapa). A Nota Final do candidato no Concurso Público será determinada.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Avenida João Naves de Ávila. O Desvio Padrão (S) é uma medida de grandeza da dispersão dos Escores Brutos (EB) em torno da Média (X): escores concentrados em torno da Média possuem pequeno Desvio Padrão.

A relação dos candidatos aprovados no concurso dar-se-á por ordem de classificação de acordo com o Anexo II do Decreto nº.1.6.2. A classificação para o preenchimento de vagas dar-se-á seguindo-se a ordem decrescente dos EFTs para cada cargo. 6.br 16 .ufu.ingresso. K: Índice de cada uma das disciplinas da prova objetiva Para determinação do Escore Padronizado da Prova Prática. DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS E RECURSOS. 6. 11. 𝑬𝑭𝑻 = 𝟎. terá preferência. conforme Tabelas 3. 𝑬𝑭𝑻 = 𝑬𝑷𝑷𝑶 (Equação 3) 11. EPPP.7. Para o cargo com prova prática.5.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Pk : Peso atribuído à disciplina K.408-144 . ainda que tenham atingido nota mínima. 12. Avenida João Naves de Ávila. b) obtiver maior pontuação nas questões de Língua Portuguesa. estarão automaticamente reprovados no concurso público. aplica-se aos escores finais de cada fase a ponderação de 40% para a primeira fase (prova objetiva) e 60% para a segunda fase (prova prática). na ordem decrescente de notas padronizadas obtidas nas provas. o candidato que: a) obtiver maior pontuação nas questões objetivas de Conhecimentos Específicos.4. A determinação do Escore Final Total (EFT) de cada candidato leva em consideração o seu desempenho na primeira e segunda fase. DA APROVAÇÃO NO CONCURSO E DA CLASSIFICAÇÃO DOS HABILITADOS DA PROVA OBJETIVA E DA PROVA PRÁTICA 12. de acordo com a equação 4. A classificação final dos candidatos dar-se-á. o escore padronizado da prova prática aplicando a equação 1.38. 11. 12.Uberlândia . Havendo empate no concurso. 𝟔𝟎 × 𝑬𝑷𝑷𝑷 (Equação 4) 11.3. realizando uma composição dos escores padronizados das provas prática e objetiva. 𝟒𝟎 × 𝑬𝑷𝑷𝑶 + 𝟎. para cada candidato.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . 13. 12. calcula-se. Os candidatos não classificados no número máximo de aprovados de que trata o Anexo II do Decreto nº. Nenhum dos candidatos empatados na última classificação de aprovados será considerado reprovado.944 de 21 de agosto de 2009. Para cargos que exigem somente prova objetiva o Escore Final Total (EFT) é igual ao Escore Padronizado da Prova Objetiva (EPPO). c) tiver maior idade. de acordo com a equação 3. n° 2121 .MG http://www. sucessivamente.944 de 21 de agosto de 2009 (Conforme Anexo I).

4. 12.ufu.2. 14.944 de 21 de agosto de 2009.3. 14.ufu.ingresso. 6. à classificação considerando a pontuação da primeira lista dos candidatos que concorram às vagas reservadas a negros e pardos. 13.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 13.944 de 21 de agosto de 2009. Estar em dia com as obrigações militares e eleitorais. Estar em gozo dos direitos políticos. Possuir aptidão física e mental para o cargo pretendido. 13. 13. 13. no dia 23 de fevereiro de 2015. que será divulgado no dia 24 de março de 2015. Ser brasileiro nato ou naturalizado ou. Avenida João Naves de Ávila. incluindo os que se declararem pessoas com deficiência ou negros ou pardos no ato de inscrição. à classificação considerando a pontuação da primeira lista dos candidatos que concorram às vagas reservadas a pessoas com deficiência.5. Bloco 1A.5. Recursos interpostos contra a nota da Prova Objetiva devem ser apresentados no Setor de Atendimento da DIRPS. 14. O resultado final do concurso. ser prorrogado por igual período.6. ainda. A publicação dos resultados finais e classificação do concurso.7.ufu. O resultado definitivo final do concurso será divulgado no endereço eletrônico www. Possuir o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo. O prazo de validade do concurso será de 1 (um) ano.2.ingresso. disponível na forma do Anexo I do presente Edital.5.1.br. destinada à pontuação e classificação de todos os candidatos. 13.38. A primeira lista é geral. a contar da data de publicação da homologação no Diário Oficial da União. A terceira lista será destinada. 13. 14.2. será homologado pelo Reitor e publicado no Diário Oficial da União.5. da Constituição Federal. 13.3. exclusivamente. exclusivamente. REQUISITOS PARA A INVESTIDURA NO CARGO 14. será realizada em 3 (três) listas: 13. conforme consta do Anexo II deste edital.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .1. e no Anexo II do Decreto nº 6. A resposta aos recursos contra o resultado na Prova Objetiva serão disponibilizados no endereço eletrônico www. e demais exigências para o exercício do cargo. A segunda lista será destinada.4.5. 16.br após as 17h do dia 27 de fevereiro de 2015. 13.ingresso. sendo respeitado o disposto art. Ter a idade mínima de 18 (dezoito) anos. obedecida a classificação em ordem decrescente de notas (EFTs). 14.1. no caso de nacionalidade portuguesa.3.ufu.5.408-144 . podendo no interesse da Administração. estar amparado pelo § 1º do art.4. 14. 13.br 17 .br após as 17h do dia 27 de fevereiro de 2015 com exceção dos cargos de Técnico em Prótese Dentária e Engenheiro Químico.6. Campus Santa Mônica. andar térreo. até as 16h do dia 25 de fevereiro de 2015.MG http://www. após as 20h.ingresso. As imagens digitais (cópia) da folha de resposta da prova objetiva e as notas de cada candidato serão disponibilizadas gratuitamente no endereço eletrônico www. Cada lista de classificação respeitará o número máximo de aprovados de que trata o Anexo II do Decreto nº. n° 2121 .Uberlândia .

Não acumular cargos. 15. PROVIMENTO DAS VAGAS E APROVEITAMENTO DOS CANDIDATOS APROVADOS 15. penalidade incompatível com a investidura em Cargo Público Federal. prevista no art. mas apenas a expectativa de ser nele investido.br. por escrito.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . auxiliares ou autoridades presentes durante a realização da prova. 15.112/90. O não pronunciamento do candidato aprovado no prazo estabelecido para esse fim facultará à Universidade Federal de Uberlândia a convocação dos candidatos seguintes. surpreendido em comunicação com outro candidato.1. no exercício da Função Pública. locais e horários de realização das provas.ingresso. editais e comunicados referentes a este concurso público no Diário Oficial da União e divulgados na Internet no endereço eletrônico www. b) deixar de comparecer à prova.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 14.7. 16.4. bem como aquele que utilizar livros. 16. d) for. não se responsabilizando a Universidade pela mudança de endereço sem comunicação prévia. sempre que se fizerem necessários. desde que assegurada a hipótese de opção dentro do prazo para a posse. que for convocado para assumir o cargo. Será excluído do concurso o candidato que a) fizer. com a remuneração correspondente e definida em Lei. A aprovação do candidato não assegurará o direito ao seu ingresso automático no cargo para o qual se habilitou.1.3.5. A inscrição do candidato implicará a aceitação das normas para o concurso público contidas no edital.38.4. parágrafo único da Lei no 8. 15. empregos e funções públicas.br 18 . declaração falsa ou incompleta. 137.408-144 . Não serão fornecidas por telefone informações a respeito de datas.MG http://www.7. 13. 15. será realizada exclusivamente por meio de correspondência. c) tiver atitude incorreta ou descortês com os examinadores. 15. 16. executores. por meio de avaliação clínica médico-ocupacional e laboratorial realizada pelo Setor de Saúde Ocupacional da Universidade. por parte do candidato. n° 2121 . O provimento das vagas ocorrerá no nível inicial do cargo.ingresso. verbalmente. DISPOSIÇÕES FINAIS 16.Uberlândia . A convocação dos candidatos aprovados para se manifestarem. impressos e(ou) materiais não determinados nas Avenida João Naves de Ávila. sendo a rotina básica complementada por exames clínicos e (ou) laboratoriais especializados. somente será nomeado se for considerado apto física e mentalmente para o cargo pretendido. A posse do candidato no cargo fica condicionada à apresentação de todos os documentos comprobatórios dos requisitos relacionados no item 14 15. É de inteira responsabilidade do candidato.112/90. sobre a aceitação ou não do cargo. acompanhar a publicação de todos os atos.3.ufu.2. 15.2. por escrito ou por qualquer outra forma. Os candidatos aprovados serão nomeados obedecendo rigorosamente à ordem de classificação no limite das vagas disponíveis e fixadas na Tabela 1. durante a realização da prova. a qualquer momento.ufu. 14. 16. notas. exceto aqueles permitidos em lei. da Lei no 8.8. Não ter sofrido. determinado no § 1º do art. no prazo determinado. O candidato aprovado. perdendo o candidato o direito de investidura no cargo para o qual se habilitou.6.

Uberlândia.ufu. 16. admitir candidatos homologados em Concursos Públicos e não nomeados. 16. a seu exclusivo critério e obedecendo às normas legais pertinentes. substituir datas.8.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . bem como ceder a essas Instituições candidatos homologados e não nomeados. Ao tomar conhecimento deste edital. 16. A DIRPS.13.Os candidatos aprovados e classificados deverão manter atualizados seus endereços na Pró-Reitoria de Recursos Humanos. 24 de novembro de 2014. o candidato previamente inscrito. no Setor de Atendimento da Diretoria de Processos Seletivos. mesmo desligado. 16. declara estar de acordo com a providência de que trata o subitem anterior. realizar novas provas.38.MG http://www.870. Somente será admitido na sala de provas. a realização do concurso.408-144 . de 29 de novembro de 2012. a UFU reserva a si o direito de cancelar. 1.Na ocorrência de caso fortuito ou força maior que impeça.br. sem oposição.Competirá à UFU receber e esclarecer eventuais questionamentos ao Concurso Público. Campus Santa Mônica. g) portar qualquer aparelho de telecomunicação. 16.br 19 . Será divulgada. conforme portaria R. nos termos deste edital.11. para efeitos de identificação.6. f) não entregar a Folha de Respostas no final da prova. e) for responsável por falsa identificação pessoal. decidir ou encaminhar aos órgãos administrativos competentes os recursos interpostos. andar térreo. no endereço eletrônico www. ou quando solicitado pelo fiscal. o candidato. que estiver devidamente munido de um documento de identidade. n° 2121 . a critério exclusivo.Uberlândia . MARLENE MARINS DE CAMARGOS BORGES PRÓ-REITORA DE RECURSOS HUMANOS Avenida João Naves de Ávila. inclusive a este edital e aos Conteúdos Programáticos das Disciplinas.9.A UFU poderá.7. Será excluído ainda do concurso. o candidato que utilizar ou tentar utilizar meios fraudulentos para obter benefícios para si ou para terceiros.ufu. sem qualquer ônus para a Instituição e para os candidatos. a relação dos componentes da banca examinadora das provas práticas deste concurso no dia 02 de março de 2015.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Orientações ao Candidato.ingresso. caso ocorra. 16. 16. no Bloco 1A.12. parcial ou integralmente. Recursos interpostos contra este edital devem ser apresentados.ingresso. À Pró-Reitoria de Recursos Humanos competirá receber. 16. de outras Instituições Federais de Ensino.5.10. responsabilizando-se por prejuízos decorrentes da não atualização. até o dia 28 de novembro de 2014. 16. poderá fotografar e colher impressões digitais do candidato. caso seja necessário.

38.Uberlândia .Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .MG http://www.br 20 . conforme decreto nº 6.ufu.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ANEXO I - Quantidade de vagas × número máximo de candidatos aprovados. DE VAGAS PREVISTAS NO EDITAL POR CARGO OU EMPREGO NÚMERO MÁXIMO DE CANDIDATOS APROVADOS 1 5 2 9 3 14 4 18 5 22 6 25 7 29 8 32 9 35 10 38 11 40 12 42 13 45 14 47 15 48 16 50 17 52 18 53 19 54 20 56 21 57 22 58 23 58 24 59 25 60 26 60 27 60 28 60 29 60 30 ou mais duas vezes o número de vagas Avenida João Naves de Ávila.408-144 .ingresso.944 de 21/08/2009 QUANTIDADE. n° 2121 .

Integrar e sintetizar informações.). estruturação de orações e períodos. Identificar elementos que permitam relacionar o texto lido a outro texto ou a outra parte do mesmo texto. Identificar e empregar recursos linguísticos próprios da língua escrita formal: pontuação. Identificar e corrigir. Reconhecer e avaliar.ingresso. apoiando-se em deduções. as classes de palavras como mecanismos de coesão e coerência textual. Apreender informações não explicitadas. Língua Portuguesa Será avaliada a capacidade de o candidato:                    Ler. em textos dados.MG http://www. Identificar objetivos discursivos do texto (informar ou defender uma opinião.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ANEXO II – CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E BIBLIOGRAFIA SUGERIDA CONHECIMENTOS GERAIS (PARA TODOS OS CARGOS DO NÍVEL “C”. redigidos em Língua Portuguesa e produzidos em situações diferentes e sobre temas diferentes. etc. Identificar as diferentes partes constitutivas de um texto. Argumentar e justificar opiniões. Reconhecer a importância da organização gráfica e diagramação para a coesão e coerência de um texto. humor. para dar conta de ambiguidades. formas de indeterminação do agente). concordância nominal e verbal. determinadas inadequações em relação à língua padrão. Avenida João Naves de Ávila. Reconhecer e identificar a estrutura dos gêneros oficiais. Estabelecer articulação entre informações textuais. Reconhecer marcas linguísticas necessárias à compreensão do texto (mecanismos anafóricos e dêiticos. em um texto dado. dos modos e tempos verbais e ao uso das vozes verbais. Reconhecer os recursos linguísticos que concorrem para o emprego da língua em diferentes funções.“D” e “E”) 1. ortografia.38. marcadores temporais. ironias e opiniões do autor. Estabelecer relações entre os diversos segmentos do próprio texto e entre textos diferentes. n° 2121 .Uberlândia . colocação pronominal. estabelecer contato. Identificar informações pontuais no texto. regência nominal e verbal.408-144 .ufu. marcadores de sequenciação do texto. operadores lógicos e argumentativos. Inferir o sentido de palavras a partir do contexto. inclusive as que dependem de pressuposições e inferências (semânticas. promover polêmica.br 21 . pragmáticas) autorizadas pelo texto. especialmente no que se refere ao uso dos pronomes. compreender e interpretar textos diversos de diferentes gêneros. Identificar elementos que permitam extrair conclusões não explicitadas no texto.

régua. Comunicação em Prosa Moderna.ª ed. SP: Ateliê Editorial.  MS-Power Point 2007: estrutura básica das apresentações. correspondências. linhas. 17ª ed. KOCH. Lindley. colunas. Ingedore G. São Paulo: Contexto. legendas.. 2005. Texto e coerência. KOCH.. São Paulo: Cortez. caixas de texto.  MS-Word 2007: estrutura básica dos documentos. fontes. anexação de arquivos. numeração de páginas. obtenção de dados externos. Noções de informática  MS-Windows 7: controle de acesso e autenticação de usuários. Ingedore G.ufu. Gramática mínima para o domínio da língua padrão. 2. Evanildo. ferramentas de diagnóstico. São Paulo: Cortez. edição e formatação de textos. manipulação de arquivos e pastas. 2010. índices. De acordo com a nova ortografia. 2ª ed. guias. GARCIA. inserção de objetos. uso de fórmulas. Avenida João Naves de Ávila. Antônio Suárez. Cotia. preparo e envio de mensagens. TRAVAGLIA. 13. correção ortográfica. BECHARA.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABREU. manutenção e restauração. cabeçalhos. uso dos menus. CUNHA. elaboração de tabelas e gráficos. área de trabalho. 2009. tabelas. I. controle de quebras e numeração de páginas. cabeçalhos e rodapés. impressão. Rio de Janeiro: Léxikon.408-144 .  MS-Excel 2007: estrutura básica das planilhas. 2002. Nova gramática do português contemporâneo.38. V. 2006. protocolos. Ler e compreender os sentidos do texto. modos de exibição. Gramática e interação – uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. Moderna Gramática Portuguesa. TRAVAGLlA. inserção de objetos. inserção de objetos. colunas. CINTRA.. painel de controle. 2. slide mestre. 2011. rodapés. parágrafos.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . funções e macros. conceitos de células. conceitos de slides. KOCH. 2013. V. botões de ação. Atualizada pelo Novo Acordo Ortográfico. anotações. L. campos predefinidos.ª ed. Paulo: Ateliê Cultural. mala direta. Vanda Maria.. 2006. 2008. C. noções de edição e formatação de apresentações. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. controle de quebras e numeração de páginas. central de ações. classificação e filtragem de dados. n° 2121 . Celso. campos predefinidos. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.MG http://www. S. A Coesão Textual.ª ed. A Arte de argumentar. pastas e gráficos. Luiz Carlos.Uberlândia . São Paulo: Contexto.br 22 . Cotia. ELIAS.ingresso. animação e transição entre slides.  Correio Eletrônico: uso do aplicativo de correio eletrônico Mozilla Thunderbird. 27. V. Othon M. ___________________. envelopes e etiquetas. impressão. marcadores simbólicos e numéricos. G.

sites/sítios Web.Uberlândia .Passo a Passo".SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos  Internet: Navegação Internet (Internet Explorer. Margaret Y. sites/sítios de pesquisa (expressões para pesquisa de conteúdos/sites (Google)). n° 2121 . ISBN: 9788577806591. Bookman.Passo a Passo". 2007. Google Chrome). Regime jurídico dos servidores públicos civis da União. 3 Legislação 1. LEVINE. COX.: todos os documentos encontram-se disponíveis na internet Avenida João Naves de Ávila. 2013.112 de 1990 e suas alterações. COX.Passo a Passo".Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Pharming. ISBN: 9788577800322.ufu. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PREPPERNAU.br 23 . ISBN: 9788577800155. 2007. Lei nº 8. John R. "Microsoft Office Excel 2007 . Phishing. "Internet Para Leigos". "Windows 7 . "Microsoft Office PowerPoint 2007 . Processo Administrativo disciplinar.. Joan. LEVINE.429/1992 4.Passo a Passo". FRYE. Joyce. Spyware. COX.784/1999 Obs.MG http://www. Worms. ISBN: 9788576088080. Lei da Improbidade Administrativa. proxy. PREPPERNAU. Curtis..38. PREPPERNAU. Bookman. Alta Books. 2007. Lei nº 9. Joan. Mozilla Firefox.  Noções de Segurança e Proteção: Vírus. 2. conceitos de URL. 2007. Joyce. Bookman. links/apontadores. Joan. Cavalos de Tróia.ingresso. Decreto 1.171 de 22 de junho de 1994 3. "Microsoft Office Word 2007 .408-144 . Bookman. Joyce. Lei 8. Spam e derivados. ISBN: 9788577800711. Código de Ética Profissional no Serviço Público.

utilizando formulários comuns ou padronizados e possibilitando consultas posteriores. 12. 8. 9. desmontagem. Coleta e conservação de amostras biológicas. Registrar e arquivar cópias dos resultados dos exames. Auxiliar nas análises e testes de sua área de atuação e ou outras atividades relacionadas às necessidades do setor. Zelar pela conservação da aparelhagem. etc). Cálculos de conversões de medidas do sistema métrico. porcentagem. 5.ufu. Noções gerais de bioterismo. armazenamento e descarte de materiais químicos e biológicos. Métodos de esterilização e lavagem no laboratório. armários. camundongos. e normalidade). 11. outros). 4. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Desempenhar atividades de laboratórios de acordo com sua área de atuação.br 24 . testes e análises. Unidades de medida: Sistema de unidades de medida. Proceder a coleta do material (urina. câmara de CO2.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .) empregando os meios e os instrumentos recomendados. Conservação de materiais em geladeira e freezer. estufas. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Manuseio e manutenção de animais de laboratório (ratos. Avenida João Naves de Ávila. Princípios de funcionamento e manuseio dos principais equipamentos de laboratório (autoclave. Preparo na montagem. centrífugas. Zelar pela assepsia. Assessorar nas atividades de ensino.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos DESCRIÇÃO DOS CARGOS. etc. Manuseio e aplicações de vidraria de uso laboratorial. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E BIBLIOGRAFIAS SUGERIDAS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ASSISTENTE DE LABORATÓRIO – CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Ensino fundamental completo. 10. Executar outras atividades de mesma natureza e nível de dificuldades. fezes. 13. caixa de Skinner. Manuseio e manutenção de equipamentos e acessórios de laboratório. pesquisa e extensão. microscópio de luz. conservação e recolhimento do material utilizado: autoclaves. órgão. molaridade. 7. n° 2121 . instrumentos e do laboratório em geral. Preparo de soluções (diluições. Executar exames e outros trabalhos de natureza simples. 2. Obtenção de água destilada e deionizada. operação.ingresso. Noções básicas de leitura de medidas em paquímetros. 6. etc. calibração e limpeza de equipamentos e materiais necessários às atividades correlacionadas. balanças.38. que não exigem interpretação técnica dos resultados.408-144 . Pesagem de substâncias sólidas: balança comum e analítica. estufas. 14.MG http://www.Uberlândia . 3. Biossegurança em laboratórios: Tipos de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) e suas utilizações em Ambiente laboratorial.

br/principal/pesquisas/metrologia/apostilas/apostila_paquimetro.pdf Paquímetros. Utilizar recursos de informática.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 15. finanças e logística. Editora Ática.joinville. Auxiliar nas atividades de ensino. Anestesia e analgesia de animais de laboratório. 16.edu. Disponível em: http://books. Disponível em: http://www.br 25 .1.MG http://www. pesquisa e extensão.br/ioc/media/Livropoli. Transporte de caixas.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Romeu C. outros. micrômetros e dinamômetros).scielo. 20.ingresso. Tratar documentos variados. Eutanásia animal.Uberlândia . DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Executar sob avaliação e supervisão serviços de apoio nas áreas de recursos humanos. São Paulo: Editora Cortez. em quaisquer das unidades administrativas e acadêmicas da instituição. Biossegurança em laboratórios de experimentação animal.ufu. Disponível em: http://www. Organização geral de biotérios.org/id/sfwtj Conceitos e métodos para a formação de profissionais em laboratórios de Saúde.pdf Medidas físicas (paquímetros. 2011. Paulo Henriques de. 21. Noções gerais de animais de laboratório: rato e camundongo. v. sacos de ração. 2010.408-144 . garrafas. Executar outras tarefas de mesma natureza e nível de complexidade associadas ao ambiente organizacional. cumprindo todo o procedimento necessário referente aos mesmos.br/portal/professores/edio/materiais/E0_Medidas_Fisicas.fiocruz. v. Ser protagonista – Química. SOUZA. 18. Júlio Cézar Foschini.udesc. Editora Fiocruz. serviços pesados em geral. administração. n° 2121 .fatecsorocaba. Manuseio de animais de laboratório. 22. etc. Avenida João Naves de Ávila. Física lúdica: práticas para o Ensino Fundamental e Médio. 19. preparar relatórios e planilhas. Grandezas e unidades de medida: o Sistema Internacional de Unidades. Alojamento de pequenos animais de laboratório. 17. Editora Fiocruz. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Animais de laboratório: criação e experimentação.38. sacos de lixo. Ética e Legislação na Experimentação animal.pdf LISBOA. ROCHA-FILHO. Disponível em: http://www. AUXILIAR EM ADMINISTRAÇÃO REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Ensino fundamental completo.São Paulo: Editora Edições Sm. 1.

Métodos de arquivamento SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE. Natureza dos documentos 2. NOÇÕES DE ARQUIVOLOGIA 2.planalto. David. Emprego e concordância dos pronomes de tratamento 1.1. São Paulo: Atlas.8.4. E-mail 1.ingresso. Tipos de arquivos 2. Graus de formalidade e formas de tratamentos mais adequados. Will. 7ª ed.5.4.408-144 .gov.ufu. Idade dos arquivos 2. Memorando 1. Classificação 2. 2010. Características fundamentais 1. 1. SP: Sextante.1.1.MG http://www. Redação Empresarial. Manual de redação da Presidência da República.7.3. Características do e-mail profissional 1.2.6.3. E-mail que funciona! SP: Nobel. 2006.6.2. SCHWALBE.6. Cláudia Guimarães.5. Trad.o Guia Essencial de como usar o e – mail com inteligência e elegância. O que é arquivo 2.Uberlândia . Ofício 1. 2008 Avenida João Naves de Ávila. Disponível em: http://www. Polidez. João Bosco. Sistema de arquivos 2. Declaração 1.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1. Documentação 2.6. MEDEIROS.38.4. Enviar .htm SHIPLEY. REDAÇÃO OFICIAL 1. n° 2121 . 2.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Fernando.br 26 .6. Estruturação do e-mail 1.6.3.2.br/ccivil_03/manual/index.

n° 2121 .408-144 .  Participar da elaboração de projetos referentes à melhoria dos serviços da instituição. Disponível em: http://www.  Executar outras tarefas de mesma natureza e nível de complexidade associadas ao ambiente organizacional. patrimônio e logística. orçamentária.  Abordagens clássica.  Administração Pública e Reforma do Estado 2. cumprindo todo o procedimento necessário referente aos mesmos. materiais. Redação Oficial    Modalidades de textos técnicos.  Atender usuários. liderança e controle. administração.unicamp. pesquisa e extensão.br/siarq/arq_setoriais/nocoes_basicas_para_organizacao_de_arquivos.  Utilizar recursos de informática. organizações. Noções em Administração  Administração: Conceitos.38.pdf ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante na área ou Médio Completo.  O processo administrativo: planejamento. Aspectos gerais da redação oficial  Conceito e princípios de redação oficial  Impessoalidade  Linguagem dos atos e comunicações oficiais  Concisão e clareza  Fechos para comunicação  Identificação do signatário  Modelos oficiais – normas gerais. objetivos.  Organização: estruturas organizacionais.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1. financeira.  Assessorar nas atividades de ensino. preparar relatórios e planilhas. Pronomes de Tratamento Avenida João Naves de Ávila. organização.br 27 .ingresso. em quaisquer das unidades administrativas e acadêmicas da instituição. fornecendo e recebendo informações.Uberlândia .  Secretariar reuniões e outros eventos. evolução histórica.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Noções básicas para organização de Arquivos ativos e semiativados. tratar de documentos variados. comportamental e sistêmica das organizações. acompanhar processos administrativos.  Redigir documentos utilizando redação oficial. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO:  Executar atividades de apoio nas áreas de recursos humanos.MG http://www.ufu. eficiência e eficácia.

408-144 . 15.gov. A.ingresso. F. Brasil: um século de transformações (pp. 2010. 2010.. 2008. 7ª ed. C. ed. HEILBORN. MAZULO. n° 2121 . e. PECI. J. 2010.  Concordância  Emprego Abreviaturas. 2001. In: W. Sistemas. GIL. Sandra. I. 2002. São Paulo: Atlas. habilidades comportamentais e plano de carreira.MG http://www. 222-259). 2009. São Paulo: Atlas. 2006. BRESSER PEREIRA. LIENDO. MEDEIROS. P. F. Rio de Janeiro: Elsevier. G. CHIAVENATO. Secretaria . São Paulo: Pearson Prentice Hall.br/ccivil_03/manual/index. de. MAXIMIANO. F.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos   3. OLIVEIRA. Princípios da administração: o essencial em teoria geral da administração. Gestão de pessoas. A. A. Introdução à administração. LACOMBE. Disponível em: <http://www. Luis César G. .Uberlândia . São Paulo: Saraiva.. R. 2011. C. Do Estado Patrimonial ao Gerencial.rotina gerencial. 2005 SOBRAL. São Paulo: Cia das Letras.38. São Paulo: Atlas.htm>. L. Caderno ENAP n°10 . Antonio Carlos. organização e métodos: uma abordagem gerencial. ABRUCIO. 52. (1997).br 28 . O impacto do modelo gerencial na Administração Pública: Um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. Manual de Redação da Presidência da República. Avenida João Naves de Ávila. Roseli.planalto. DF.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Administração: princípios e tendências. Governo do Brasil. GARCIA. São Paulo: Ed. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis. de 2011. Acesso em: 3 de nov. (2001). Adriana Amadeu. siglas e símbolos. Comunicações oficiais  O padrão ofício  Exposição de motivos  Mensagem  Telegrama  Fax  Correio Eletrônico NOÇÕES DE ARQUIVOLOGIA         O que é arquivo Tipos de arquivos Sistema de arquivos Natureza dos documentos Idade dos arquivos Documentação Classificação Métodos de arquivamento BIBLIOGRAFIA SUGERIDA ARAÚJO. SENAC. São Paulo: Atlas. L. São Paulo: Atlas.ufu. Pinheiro. Djalma. Redação empresarial. Bosco.

Assessorar nas atividades de ensino.  Proceder à limpeza e conservação de instalações.ufu. servidor e câmeras IP’s).  Elaborar especificações técnicas e realizar orçamentos relativos às atividades de sua competência.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Noções básicas para organização de Arquivos ativos e semiativados. Sistema de Arquivos Avenida João Naves de Ávila. poderão ser desenvolvidas outras atividades correlatas.  Executar atividades de suporte.3. n° 2121 . Noções de Shell 1. Comandos básicos 1. Disponível em: http://www.1. Sistema Operacional LINUX/UBUNTU 1. preventiva e corretiva) na área de microinformática (redes.MG http://www.  Controle de ocupação dos laboratórios para eventos fixos e esporádicos. Ambiente Gráfico: configuração e aplicativos acessórios 1. Geradores de frequência e formas de ondas.  Fontes de corrente contínuas simétricas reguláveis.br 29 .ingresso. multímetros digitais.  Sistemas de câmeras de segurança (software.3. equipamento de certificação de redes e outros equipamentos dos laboratórios de redes e hardware.38. com certificado de conclusão expedido por Instituição de Ensino reconhecida pelo Ministério da Educação. instalação. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.  Executar outras tarefas de mesma natureza e mesmo nível de complexidade associadas ao ambiente organizacional em outras atividades correlatas.Uberlândia .4. Softwares aplicativos.br/siarq/arq_setoriais/nocoes_basicas_para_organizacao_de_arquivos.  Executar trabalhos técnicos de laboratório relacionados com a área de atuação. hardware.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Inclui-se Sistemas Operacionais Windows e Linux. software e sistemas computacionais). equipamentos e materiais dos laboratórios.  Além das atribuições descritas anteriormente. Instalação e manutenção de programas 1.unicamp.  Sistemas de No-breaks.408-144 .  Manutenção. Drivers. Osciloscópios digitais. configuração e manutenção (Preditiva.2. atualização dos horários no website e nas portas dos laboratórios. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO  Preparar ambiente de laboratório para as atividades de ensino (hardware e software). pesquisa e extensão.pdf TÉCNICO DE LABORATÓRIO/INFORMÁTICA REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante em Informática ou Médio Completo com Curso Técnico na área de Informática. assim como controle de estoque dos mesmos. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Executar trabalhos técnicos de laboratório relacionados à área de informática.

3.4.7. 2. Placa Mãe.408-144 .Uberlândia . 5. Instalação. BIOS/EFI. 5. Gerenciamento de Boot 1.5. n° 2121 .2.7. 5.4. Windows Server .1.2.5. Sistema Operacional Windows. 2. Endereçamento IP.1. certificados digitais.3.2.5.3. SWITCH 3. 6 Conceitos de Eletrônica Básica Avenida João Naves de Ávila. arquivos e atalhos. uso dos menus. Segurança de Rede. diretórios. antivírus. SAMBA 1. área de trabalho. 4. 4.2. Classes de Endereços 4. 5. Noções sobre backup. Gerenciamento de Usuários 1.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 1.7.2. firewalls. Servidores 1.6. Central de Ações e Central de Segurança. Firewall 1. Configurações DNS 5 Identificação e resolução de problemas em hardware. Controle de Contas. Configuração e Administração de softwares.3. programas e aplicativos 2. Monitor LCD/LED.38. DHCP 1. Active Directory.8.4.Montagem. Placas Ethernet (par trançado e fibra óptica) 3. manutenção e certificação de redes lógicas (UTP e Fibra Ótica). 2. segurança e controle de acesso. HUB (considero que este item deve ser retirado) 3.7. Drivers de dispositivos. Arquivos de inicialização. NFS 1. LDAP 1.6.5. Gerenciamento de Impressão 1.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . 2. manipulação de arquivos e pastas. 2. Equipamentos de Interconexão de Redes 3. CIDR e Máscara de Rede 4. 2.7. Roteadores 3.MG http://www.1. monitoramento.1.6 .5. DNS 2. dispositivo de hardware e redes. 2. Noções de Windows Registry. Operação.ingresso.3.br 30 . Protocolos de criptografia.1.4.7.4. Fontes de Alimentação.7. Sistema de arquivos: conceito de pastas.6.7. Memoria RAM. 5.ufu.

WIDNER. ABRAHAM. 2007.a Bíblia. 2010.38. etc). Charles K.. TANENBAUM. NEMETH. disponível em: http://support. Grandezas e escalas elétricas (Corrente. G. 10. etc).postgresql. 17. Resistência. Matthew N. Microsoft – “Suporte Microsoft”. Evi.org/wiki/Ubuntu:Oneiric 7. 2005 .org/wiki/Ubuntu:Oneirichttp://ubuntuguide. Identificação de componentes eletrônicos. Terminologia – Microsoft Windows: Vista. São Paulo. 16.MG http://www. Hardware: Versão Revisada e Atualizada .com/community 6. 2003. TOCCI. n° 2121 . disponível em: http://www.2. SILVA.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . e Microsoft Office. osciloscópio. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS 1.1. Sistema de Banco de Dados. Makron Books.com/?ln=pt-br 4. Silberschatz. A.com/11. Fundamentos de Informática: Eletrônica Digital. 3ª Edição. 11ª Edição Pearson 2011. 6. Henry F. SADIKU.Uma Nova Abordagem. São Paulo. 3ª Edição. M. “PostgreSQL 8. Canonical – “Ubuntu Oficial Documentation”. Mark. R. Editora: Pearson Education / Makron Books. Keith W. Andrew S. 2013 TÉCNICO DE LABORATÓRIO/MOVIMENTO HUMANO REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio completo + Curso Técnico na área Avenida João Naves de Ávila. Gabriel. ALEXANDER. Rede de Computadores e a Internet .ubuntu. Et al.408-144 . Hetem. MOSS. “Ubuntu Guide “. Sudarshan. TORRES.2. Prentice Hall Vols 1 e 2 14. Sistemas Digitais. disponível em: https://help.ubuntu. 4ª Edição. N. 2.html 5. LTC. Makron Books.G.ufu. 12. 220 p. Equipamentos de bancada de manutenção eletrônica (Multímetro. COMMER. Bookman.S.. JR.3. e ROSS. Campus 2003. S.22 Documentation”.Uberlândia . James F. Internetworking with TCP/IP. KUROSE. 840 p. Korth.org/files/documentation/pdf/8. 6.pdf 9.br 31 . MINASI.10/index.Fundamentos de Circuitos Elétricos. Redes de Computadores. disponível em: https://help.2-A4. 11. Canonical – “Community Ubuntu Documentation”. Postgres.2/postgresql-8. Manual Completo do Linux: Guia do Administrador.ISBN: 8588639181. Internet e Segurança. . 15. Tensão. 1ª Edição. O.ingresso. E.2008.Ed.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 6. Makron Books 13.Editora Erica 3. disponível em: http://ubuntuguide.J..microsoft. Dominando o Windows Server 2003 . 1007 p.

Atuar em equipes multidisciplinares. pesquisa e extensão. células de carga. D. Máximo R. 4. Os Fundamentos da Física. BRAY. Conhecimentos gerais na área de cinética linear e angular. tipo dinamômetros. B.. Curso de Física. Sistemas internacionais de medida. lubrificações.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica ..A. aferimento de velocidades. Porto Alegre 1999. A. eletromagnéticas e mecânicas.. Alvarenga. TOLEDO.  Preparar todo material necessário para realização de aulas práticas. São Paulo: Scipione. Fundamentos da Biologia Celular. 2003.ingresso. F. Ed Moderna. bem como auxiliar nas mesmas. Volumes 1. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALBERTS. Os Fundamentos da Física. da distância. NICOLAU. B. K. pesquisa e extensão. J. 5.  Utilizar recursos de informática  Assessorar nas atividades de ensino. Luz. Volume 1 (Mecânica). F.408-144 . & WALTER. IVAN. RAMALHO JR.MG http://www. RAFF. Conhecimentos gerais na área de cinemática linear e angular.  Dar apoio técnico a discentes e docentes na condução de atividades relacionadas ao ensino. n° 2121 .  Preparar solicitações de compras.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO  Executar atividades relacionadas ao manejo de esteiras elétricas. F... NICOLAU.br 32 .  Executar atividades relacionadas à regulagem de equipamentos de musculação.Uberlândia .  Executar atividades relacionadas ao manejo de bicicletas ergométricas. (Mecânica) 2002. Pª.. Conhecimentos sobre sistemas de alavancas e torque. J. ARTMED.. calibragem. Conhecimentos sobre Biologia Celular e histologia.  Executar atividades relacionadas ao manejo de equipamentos de avaliação da força. Conhecimentos sobre equilíbrio do movimento. aferimento de ciclocomputadores medidores do tempo. mecanismos de calibração de watts. M. ROBERTS. da velocidade e da rotação por minuto. 2. 6. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.. G. 1985 RAMALHO.38. P. 3. P.ufu.. organizar e controlar o almoxarifado da área de movimento humano. TOLEDO. G e.. JOHNSON. LEWIS. ÁLVARES. A. J. plataformas de força. Avenida João Naves de Ávila. São Paulo: Moderna. utilização de roldanas.

planilhas. 6. Sistemas de medidas: SI. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1.408-144 . preparar equipamentos. instalação e reparação de sistemas e equipamentos. ligantes asfálticos. ed. 10. 7. Instrumentos de medição: paquímetro. quando convocado. células de carga. Executar tarefas pertinentes à área de atuação. Dosagem de Misturas Asfálticas. 5. agregados. ferrovias. Globo.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos TÉCNICO DE LABORATÓRIO/PAVIMENTAÇÃO-ESTRADAS-FERROVIAS REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Certificado de conclusão de curso de nível Médio Profissionalizante em Estradas ou Construção Civil ou Edificações ou Pavimentação ou Ensino Médio Completo acrescido de Curso Técnico em Estradas ou Construção Civil ou Edificações ou Pavimentação. Ligantes asfálticos. C.N. analisar e interpretar dados de experimentos e ensaios. madeira. 11.br 33 . Avenida João Naves de Ávila. Executar trabalhos técnicos de laboratório relacionados com a área de pavimentação. Porto Alegre: Ed. betume. 1982. Organizar arquivo técnico. 2. dimensionamento dos pavimentos flexíveis. Revestimentos Asfálticos e de Concreto. Participar de programa de treinamento. Rio de Janeiro. n° 2121 . pesquisa e extensão relacionadas ao setor de atuação. utilizando-se de equipamentos e programas de informática específicos e executar outras tarefas compatíveis com as exigências para o exercício da função. Agregados. equipamentos e materiais dos laboratórios. especificações e outras informações técnicas. Avaliação estrutural. Tomo I: ensaios fundamentais para a pavimentação. Técnicas de restauração de pavimentos. Orçamento. 1980. 4.38. amperímetro. DESCRIÇÃO DO CARGO: Executar controle tecnológico de materiais (solos. funcional e de aderência de pavimentos. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. BAPTISTA.F. expedido por instituição de ensino reconhecida no país. extensômetros. trena. Técnicas de execução de pavimentos. controles.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .ufu. garantir a qualidade e calibração dos equipamentos. montar experimentos e realizar ensaios. responsabilizar-se pelo controle de estoque dos materiais de consumo dos laboratórios. materiais e geotecnia. Ensaios de Laboratório em Materiais e em Misturas Asfálticas e de Concreto. proceder à limpeza e conservação de instalações. 9. aplicar corretamente os procedimentos inscritos ou instruções de trabalho relacionadas a cada atividade do laboratório. 4. Inglês e MKS. estradas. transdutores. estabelecer diagnósticos para estabelecer programas de manutenção. Pavimentação.Uberlândia .MG http://www. NBR 7207: terminologia e classificação de pavimentação. 8. 3. fluxogramas. aço e cimento Portland). desenhos. capaz de interpretar projetos.ingresso. auxiliar nas atividades de ensino.

1. MOTTA. Manual de asfalto. Manual de pavimentos rígidos. Livros Técnicos e Científicos. Oficina de Textos. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 2. STEFFLER. estabilização dos solos. 3. PINTO. compilação de dados e registros de material e substâncias de métodos específicos. B. Estradas de ferro. Rio de Janeiro. INSTITUTO BRASILEIRO DE PETRÓLEO. Rio de Janeiro.br 34 . M. análise. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO  Executar atividades relacionadas ao manejo reprodutivo. H. L. v. Tomo II: compactação dos solos no campo. sanidade e nutrição animal. PETROBRAS. Rio de Janeiro: IBP/Comissão de Asfalto.38.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . J.  Planejar. Oficina de Textos. INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS. BALBO. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. PETROBRAS: ABEDA. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Executar trabalhos técnicos em zootecnia. ed. G. CERATTI. Pavimentação asfáltica: materiais. interpretação. A. INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS. projeto e restauração. C. Rio de Janeiro. 2006. INSTITUTO DE ASFALTO.F. realizando e orientando coleta. ed. reprodução. com certificado de conclusão expedido por Instituição de Ensino reconhecida pelo Ministério da Educação.L. DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA. 2010.408-144 . TÉCNICO DE LABORATÓRIO/ZOOTECNIA REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante na Área de Zootecnia ou Médio Completo + Curso Técnico em Zootecnia.. BRASIL. T. L.L. camadas de base. ed.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos BAPTISTA. Curso básico de mecânica dos solos. além de pesquisa agropecuária. pesquisa e extensão. BERNUCCI. Assessorar nas atividades de ensino. Pavimentação. P. São Paulo. ed. 2005. 3. sanitário e nutricional de animais de diferentes espécies zootécnicas. COORDENAÇÃO GERAL DE ESTUDOS E PESQUISA. Pavimentação asfáltica: Formação básica para engenheiros. 6. Elaborar estudos e projetos zootécnicos. Realizar procedimentos relacionados ao manejo. H. SOARES.Uberlândia . Conhecimentos de informática. C. BRINA. F. 2013 BRINA. BRASIL. S. 1982. v. São Paulo.. COORDENAÇÃO GERAL DE ESTUDOS E PESQUISA. 1979.ufu. Informações básicas sobre materiais asfálticos. 1999. VIA PERMANENTE APLICADA – GUIA TEÓRICO E PRÁTICO. executar. acompanhar e fiscalizar projetos agropecuários aplicados à produção animal. n° 2121 . DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES. DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA. Porto Alegre: Ed.ingresso. Estradas de ferro. J.MG http://www. 1979. 1989. Manual de pavimentação. 2. Avenida João Naves de Ávila. rev. 2006. Globo.N. B. J. DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES. 2007.

MG http://www.  Preparar todo material necessário para realização de aulas práticas.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos  Preparar e organizar planilhas de campo e operar softwares de gerenciamento de dados zootécnicos. n° 2121 . CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 7.  Preparar solicitações de compras. aplicando procedimentos relativos ao preparo e conservação do solo e da água.  Ter conhecimentos básicos sobre criação e manejo (reprodutivo.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .  Dar apoio técnico a discentes e docentes na condução de atividades relacionadas ao ensino. Equinocultura SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Avenida João Naves de Ávila.  Elaborar.38. Conhecimentos gerais de zootecnia 8. Noções de nutrição animal 11.ingresso. aplicar e monitorar programas de manejo preventivo. no envio e no recebimento de documentos. Ovinocultura e caprinocultura 15.  Ter conhecimento e prática de monta e lida com cavalos.  Executar outras tarefas de mesma natureza e nível de complexidade associadas ao ambiente organizacional. Noções de sanidade animal 9.408-144 .  Realizar coletas de dados zootécnicos e amostras de campo (biológicas e/ou químicas) para análise laboratorial. pesquisa e extensão. Piscicultura 17.Uberlândia . higiênico e sanitário na produção animal. organizar e controlar o almoxarifado da área de produção animal. Suinocultura 14. nutricional e sanitário) de animais ruminantes e não ruminantes. Noções de manejo de pastagens 12. bem como auxiliar nas mesmas.  Auxiliar na organização de arquivos.  Executar ações planejadas de programas de melhoramento animal. Avicultura 16.ufu. manutenção e limpeza dos setores de criação de animais.  Atuar em equipes multidisciplinares. Noções de manejo reprodutivo 10. pertinentes à sua área de atuação para assegurar a pronta localização de dados. Bovinocultura 13.br 35 .  Implantar e manejar pastagens. Responsabilizar pela organização.

2000. G.. FIALHO. VIDAL P. São Paulo: Nobel. L. F. 7ª edição. Usinagem convencional: torno..C. Botucatu: Santana Gráfica Editora.S. Editora Agropecuária. J..SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos BARBOSA. S. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.MG http://www. Zootecnia básica. equipamentos e instalações. C. I. resistência dos materiais. C.Tudo sobre raças.. I. 3. D. Instrumentos de medição. 2007. A. M. BORGES. T. lubrificação e lubrificantes. Produção de suínos.ingresso. DE MOURA. ENGLERT. 1982. 2007. R. executar e participar da elaboração de projetos eletromecânicos de máquinas..br 36 . 2.408-144 . relógio comparador. MARQUES. E. Editora FEALQ. OTAVIO. TORRENT. internacional. PEIXOTO. A. Pastagens: Fundamentos da Exploração Racional. LANA. 2005. A. Avenida João Naves de Ávila. UFLA / FAEPG. G.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Montar máquinas e realizar manutenção eletromecânica de máquinas. 2003. Administração de fazendas de bovinos: leite e corte. DOMINGUEZ. Dicas em Piscicultura. Nutrição e alimentação animal. Aedos. 1984.38. furadeira. 1997. Metrologia: Sistema rugosímetro. Criação de Bovinos. 377p. LIMA. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisa de Solos. equipamentos e instalações. manejo e alimentação. P. A. VOLPATO.EMBRAPA. . Desenho técnico mecânico. Manual de Métodos de Análise de Solo. J. G.ufu. 1994. CECCARELLI. GONÇALVES. Viçosa: UFV. TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico em Eletromecânica ou Técnico em Mecânica ou Técnico em Refrigeração ou Técnico em Equipamentos Biomédicos. EMBRAPA.Uberlândia . R P. Belo Horizonte: Consultoria Veterinária e Publicações. HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Registro no Conselho Competente DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Planejar.M. Manual prático de caprino e ovinocultura. fresa. MALLEVI. 2004. 342p.OLIVEIRA. micrômetro. paquímetro.. n° 2121 . Nobel.. SILVEIRA. Avicultura . Elementos de zootecnia tropical. SENHORINI. SOUZA. Interpretar esquemas de montagem e desenhos técnicos. J. EV/UFMG.M. Viçosa: Aprenda Fácil. 212p. Máquinas para pecuária. 4. F. 1998. 247 p. 1997. elementos de máquinas. C.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARTTKOWIAK. Desenho Técnico: uma abordagem metodológica. reativa e complexa. Rio de Janeiro: Prentice –Hall do Brasil. Autocad 2000 Prático e Fácil. L. Editora Globo. São Paulo: McGraw–Hill. 9. Rio de Janeiro: LTC.A. Conceitos básicos em eletricidade: tensão elétrica. oxiacetilênica. Callister Junior. osciloscópio. McGraw-Hill. 1998. Desenho Técnico Básico.38. 243p. Segurança no trabalho e normas ambientais: Noções de legislação. circuitos de corrente contínua e corrente alternada. Ed. Manual AutoCAD para desenho mecânico. . Gestão da manutenção: Manutenção preventiva. G.. CREDER.. 8. 1990. S. n° 2121 . Lei de Kirchhoff. Avenida João Naves de Ávila. 2000 GIONGO. 14. Fª. Circuitos Elétricos. Rio de Janeiro: LTC. 2008.. Voisinet. Thomas. 1999. operação e especificação. wattímetro. Albano. Porto Alegre. Macintyre.Nobel.. Noções de soldagem: TIG.408-144 . 2002 Brunetti. 1973.. simbologia. ohmímetro. VELLO. terrômetro. corrente elétrica. Luís H. 1991. São Paulo. R. 1990. F. manutenção corretiva. tratamentos térmicos. FREY. segurança e higiene do trabalho. materiais de construção mecânica metálicos e não metálicos. Janilson Dias. 6. LTC.D. 12. elementos de circuitos elétricos. São Paulo: Érica. 2 ed. Manutenção preventiva. 2.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 5. Instrumentação básica: voltímetro. OLIVEIRA. monofásicos e trifásicos.Uberlândia . ETFRN. 1990.br 37 . 1991. 1 XAVIER. amperímetro. turbinas à vapor e compressores. Natal. 1997. ABNT / SENAI. corretiva e preditiva. Instalações Elétricas. São Paulo. Pearson. Noções de bombas industriais. Coordenação denComunicação Social. R. David. Sistemas hidráulicos e pneumáticos. "Desenho Técnico". “Bombas e Instalações de Bombeamento”. Conceitos de potência ativa. normas técnicas. São Paulo. Ciência e Engenharia dos Materiais. Análise de Circuitos em Engenharia.ufu. Rio de Janeiro. ed. resíduos. 7. H. Instalações Elétricas Prediais. Vol. São Paulo. 1984. W. CERVELIN. manutenção. BOYLESTAD. eletrodo revestido. 1998. W. motores de combustão interna. H. Noções de instalações elétricas: dimensionamento de condutores. montagem e instalação de dispositivos. 10. Curso Profissionalizante Mecânica . prevenção de acidentes. associação de resistores e capacitores. cossefímetro.Editora Ática. Donald D. Introdução à Análise de Circuitos. FRENCH. 11. Valdemar. TELECURSO 2000 PROFISSIONALIZANTE.ingresso. AGNER.Curso de Desenho Geométrico .MG http://www. São Paulo. sistemas de arcondicionado e refrigeração. A. DIAZ. 12 ed. Makron Books. 2. J. 13. “Mecânica dos Fluidos”. EPI (Equipamento de proteção individual) e EPC (Equipamento de proteção coletiva). lei de Ohm. Coletânea de Normas de Desenho Técnico.Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico. Natália. MIG/MAG. São Paulo: Makron Books. HAYT JÚNIOR. ensaios mecânicos.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . CAVALIN.

1988. E. Ciências dos Materiais. UNIJUI. ed. Publicação interna do PPGEM/UFRN. Edgard.Belo Horizonte. São Paulo. 1987. Associação Brasileira de Metais. Princípios da transmissão de calor. n° 2121 . Festo Didactic. P.D.. Mir. 2º. R. Edgard Blücher Ltda.38. Tecnologia Hidráulica Industrial. Agosto 2001.. Festo Didactic. Érica.. ROLF. 1977.. MOVNIN. Tecnologia Eletropneumátca Industrial. Festo Didactic. WALTER M. Sonntag. E. 160 p.3. Frank Kreith. E. Trad. Apostila M1003-1 BR Junho 2006. V. A. .LTC. 164 p.2. 550p. Érica.Tecnologia da Soldagem . Ed. São Paulo. Agosto 2000.1977. Gordon.São Paulo. 1980. 2006. A .S. PADILHA. J. R. Sarkis. 1998. Hemus.Ed. H. 169 p PARKER. Ângelo Fernando. 2 ed.MG http://www.Estrututura e Propriedades: Processo de Fabricação . Fundamentos da termodinâmica clássica.. Edgard Blucher Ltda. J.. M. São Paulo. Falco. Introdução a Hidráulica. Campus Panambi. & VOSSEBÜRGERE F. CHIAVERINI. S. Apostila M2001-1 BR Julho 1999. Sarkis. ... 3 ed. Introdução à Pneumática. Rio de Janeiro.. SAUER. P.ingresso. McDonald. MEIXNER. Mecânica técnica e resistência dos materiais. Tecnologia Pneumátca Industrial. M. Interciência. 1985. P.. & MELO. da 3a edição americana. Introdução a Sistemas Eletropneumáticos... São Paulo. 1982.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Fox. 6. Rio de Janeiro. PARKER. Tecnologia Mecânica.. MELCONIAN. . Noções sobre geradores de vapor. Ed. S. Resistência dos materiais. ed. Humbertus. WAINER. 1997.ufu. Editora 19 MARQUE. ed. FREIRE. J. Blucher. Apostila M1002-2 BR. Fundamentos de mecânica técnica. 1. 1992. 5ª. JOHNSTON JR. 1974. São Paulo: Edgard Blücher. Érica. MEIXNER.br 38 . R. GANGER. Resistência dos materiais. Van Wyllen. R. S. 1996. 1988. MELCONIAN. Edgard Blucher Ltda. Ed. COLPAERT. 157 p. fevereiro/1998. H. V.. Natal. Tecnologia Mecânica.408-144 . “Introdução à Mecânica dos Fluídos”. Vol. F. Ed. E. PARKER. 1988. E. Rio de Janeiro: LTC. 1987. “Bombas Industriais”. Metalografia dos Produtos siderúrgicos Comuns. G. . Makron Books. Mecânica técnica e res.. Tecnologia Eletrohidráulica Industrial. J.D.. GREIF H. 1993. H. Avenida João Naves de Ávila. 164 p. . Mattos. F. GUY. R. Pritchard. PARKER.. D. MELCONIAN. KAUFMAN H. & Mello. Luiz Carlos Martinelli Jr. TIMOSHENKO..Soldagem Processos e Metalurgia . São Paulo. E Técnicas e Aplicação de Comandos Eletropneumáticos. McGraw-Hill do Brasil. 1994. 1992. V. 1991. Ed. Estática aplicada. São Paulo.Wainer. Festo Didactict. HERMÍNIO. D. Ed. “O LUTADOR”. KOBLER. Elementos de Máquinas . J. SAUER. W. 1985. 1986 CHIAVERINI. MEIXNER. São Paulo. P.Uberlândia .A. 148 p. Brandi. São Paulo.. Apostila M1001 BR. São Paulo. BEER..São Paulo. dos materiais. Tecnologia dos Plásticos. Materiais de Engenharia. T.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .

NOLL. Osir. MOTTER. São Paulo.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . 355 p. 1992 TÉCNICO EM PRÓTESE DENTÁRIA REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico na área HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Registro no conselho competente.1990 DELMÉE. BOLTON. FARIA.408-144 .38. SOISSON.J.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos FIALHO. Devem ainda.1. Instrumentação e controle.Sistema estomatognático 1. Ed Hemus.1.1. Érica Ed.1.Uberlândia . L. Automação Pneumática: Projetos. 1999 Bega. VALDIR.3. Assessorar nas atividades de ensino. Manual de medição de vazão. Hemus. confeccionando próteses removíveis parciais ou totais.2. São Paulo. Interciencia. Dimensionamento e Análise de Circuitos. 1977.1. Editora Edgard Blücher Ltda. 2003. São Paulo. Instrumentação Industrial. NISHINARI.ingresso. W. pesquisa e extensão. Automação Eletropneumática. Zelar pela limpeza e preservação dos móveis. Controle automático de processos industriais. NELSO G. Instalações Elevatórias – Bombas. Funções 1.G. Involução 1.3. São Paulo. Érica Editora.2. de Aguiar. Belo Horizonte.1. G. Ed.1.2.3. em suas variações técnicas.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Executar trabalhos técnicos de laboratório de prótese. Classificação 1..br 39 . 3ª ed. H. SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO 1. CARVALHO. São Paulo. Instrumentação Industrial. Nomenclatura geral dos dentes e os seus significados fisiológicos Avenida João Naves de Ávila. ARIVELTO BUSTAMANTE. Hemus. A. Quanto aos arcos 1.1. Edgard Blucher. utensílios e espaço físico utilizados na execução das tarefas supracitadas. J. Componentes anatômicos e fisiológicos 1. E.1. instrumentais. n° 2121 .2. DJALMA FRANCISCO... Quanto aos grupos 1. 1992.MG http://www. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1.1. BONACORSO. 324 p. 2º ed.2.2. análise e registros de dados. Morfologia geral e comparada dos dentes humanos 1.ufu. Quanto à dentição 1. SIGHIERI. 1994. E. Departamento de Engenharia Civil – IPUC. 1997. 137p. Administração da Manutenção. realizar ou orientar coleta. Egidio Alberto et all. Editora Edgard Blücher Ltda. Ed. relacionados com a área de atuação (Prótese removível). Manutenção Industrial. 2006.

5.2. dimensão vertical. Disposição 6.8.1.ufu. Escultura: equipamentos. Confecção e acabamento 6.4. Dentes artificiais 6.8.3. Obtenção da base de prova 6.2.1. Tipos de resinas.6.2. Técnicas de confecção da moldeira individual 6.br 40 . NOÇÕES DE BIOSSEGURANÇA 3. Modelo anatômico 6.6. Proporção.PRÓTESE TOTAL REMOVÍVEL 6. manipulação e cuidados com o produto.2. Fórmula e notação dental 1.2.1. 6.Uberlândia . Técnicas de confecção de placas oclusais 3. n° 2121 . Escultura das características anatômicas gengivais 6.5. Caracterização 6.6. 2. Modelo funcional 6.408-144 .ingresso. Oclusão 6.1.38. Músculos da Mastigação 2.4.2.4. Controle de infecção em laboratórios de prótese dentária 3. Requisitos para uma oclusão ideal 2. manipulação e cuidados com o produto 4.MG http://www.3.2.1.1. espaço funcional livre 6.5.8.3. Delimitação da área chapeável 6.3.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 1. Tipos de gesso 4. Proporção. instrumentais e materiais 2. Confecção de modelos de estudo e trabalho 5.RESINAS ACRÍLICAS 5. 3. Montagem dos modelos em articulador semi-ajustável 6. Desinfecção dos diversos tipos de moldes e peças protéticas 3.1. GESSO ODONTOLÓGICO 4. Enceramento progressivo 2. Posição 6.2. Prensagem Avenida João Naves de Ávila.1.7.2. 5.1. Biomecânica da Articulação Têmporo-mandibular 2. Confecção e acabamento 6. Requisitos de uma PTR para que seja considerada aceitável 6. Relação cêntrica.1. PRINCÍPIOS DE OCLUSÃO 2.6.1. Uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) 4.2.3. Processamento 6.1. Alinhamento 6.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .4.6.

2.408-144 .11.2.1.12. Contra-indicações 7. Localização 7.4.38. Descrição e uso 7.ufu.8.4. n° 2121 .ingresso. Conceito e terminologia 7. Prótese total imediata 6. Classificação segundo as vias de transmissão da força mastigatória ao osso alveolar 7.10. Registro da direção de inserção 7. Conceito e importância do preparo de nichos 7.1. Objetivos de uso 7.11.1.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 6.Nichos cingulares 7.7.Selas e dentes artificiais 7. Delineadores 7. Importância 7.2.9.2. Escultura Avenida João Naves de Ávila.7.13.3.4. Acabamento e polimento 6. Conectores maiores usados mais frequentemente 7.14.1.8.3.7.9. Apoio oclusal 7. Nichos 7. Prótese parcial removível: procedimentos laboratoriais 7. Elementos constituintes 7.MG http://www.9. Classificação de Kennedy 7.9.3.7.1.9.7. reembasamentos e clonagem 7.12.8. Método de Roach ou dos três pontos. Método das bissetrizes dos longos eixos 7.3.1.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .3.2. Overdentures 6.3.8.6. Ciclos de polimerização por energia térmica: banho em água e microondas 6. Forma 7.7. Duplicação do modelo de trabalho 7. Consertos.2.2.10.3.10.3.1. Funções 7. 7. Conceito 7. Métodos de seleção da direção de inserção: 7. Indicações 7.5.9. Funções 7.6.14. Vantagens e desvantagens 7.br 41 .1. Classificação dos diferentes tipos de desdentados parciais 7. Funções dos nichos 7.11. Grampos de retenção e de oposição 7.1.PRÓTESE PARCIAL REMOVÍVEL 7.8.4.8.1.6. Regras de Applegate para utilização da classificação de Kennedy 7.12.Conformação e indicação 7.14.7.2.6.Uberlândia . Noções de planejamento 7. Nichos preparados sobre blocos metálicos: características morfológicas e dimensionais 7.

412p. São Paulo: Santos.. BONACHELLA. M...: Dentaduras completas.: Color atlas of dental medicine complete denture prosthetics. C. São Paulo: Sarvier. Overdentures: das raízes aos implantes osseointegrados. Título original: Philips’Science of Dental Materials. 240p. J. 5 ed. STEFFEL. 1986. T. E. 5 ed. KELSEY. OKESON. São Paulo: Quintessence Editora Ltda.ufu. Alessandro Dourado et al . J. P. São Paulo: Santos.Convencional e sobre Implantes. SCHÄRER.4. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Trad. TAMAKI. Avenida João Naves de Ávila. 1993. Kraus’Dental anatomy and occlusion. L. 4 ed. A. H. . SILVA. V. São Paulo: Quintessence. 1979.14. A. . A.C.16. 2005.Rio de Janeiro: Elsevier. M..14.. Indicação 7. FRADEANI. KUNDERT. H. et al. S.16. PICOSSE.133p. H. Inclusão 7. HENDERSON.. 2002.3. CORRÊA. C. n° 2121 . ANUSAVICE. Planejamento: Prótese Parcial Removível. Prótese Total . Phillips/Materiais Dentários. São Paulo: Quintessence. K.408-144 . Thieme Medical Publishers. 2001. B. 2002. Acrilização 7. Mosley Year Boo.. tendências e inovações. J. New York. C.1.2. D. 560p. R. 2000.. et al. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. TODESCAN. Prótese parcial removível provisória 7. planejamentos. 2004. Elza Maria G.15. Trad. 1991. LAGANÁ.Miranda.16. 11. 351p. WOSTMANN. GEERING. Umria. 1996.15. 500p. J. H. São Paulo: Sarvier. Prótese Parcial Removivel. Análise Estética: uma Abordagem Sistemática para o Tratamento Protético Vol 1. et al.1993.L.14.MG http://www. 2000. São Paulo: PanCast. Indicações e técnica de confecção 7.. B. Reembasamento da sela por substituição total da base de resina acrílica 7. M. PPR no laboratório. Claudio C. Preparo da prótese para a remoldagem 7.1. TURANO. 2006. Prótese Total: atlas colorido. 2 ed. SILVA. São Paulo: Artes Médicas. 4 ed. Curitiba: Maio. P. Atlas de Prótese Parcial Removível. ROSSETI. São Paulo: Sarvier. F. São Paulo: Santos. Milton Edson Miranda. São Paulo: Editora Santos.ingresso. Técnica de reembasamento com substituição total da base de resina acrílica SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABRAMS. G. Prótese parcial removível: manual de aulas práticas.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 7. 217p. KAISER. D.Uberlândia .C. 1983.38. 4 ed. 2 ed. M. SCHULZ. O. P. Prótese Total Híbrida. 4 ed. Anatomia Dentária.ed. Fundamentos de prótese total. 1988.Cassiano T. C. R.. Trad. Garcia. E.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . 525p. São Paulo: Artes Médicas.3. 252p. Normas Estéticas para a Reabilitação Bucal. São Paulo: Santos. 2 ed. FIORI. 1996. W. J. ZANETTI. L. TELLES D. TURANO.1992.16. 2ed. Fundição 7. 2 ed. O.br 42 .5.

acionar suporte de terceiros. elaborar dicionário de dados. material didático e instrumentos para avaliação de treinamento. codificando aplicativos. instalar e configurar softwares e aplicativos. no momento da inscrição. • Administrar ambientes informatizados: monitorar performance do sistema. obrigatoriamente. obedecendo-se. consultar documentação técnica. determinar recursos audiovisuais.ufu.38. REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ÁREA I . dimensionar requisitos e funcionalidade de sistema. montar protótipo do sistema. modelar dados. escolhendo ferramentas de desenvolvimento. Em caso de não preenchimento de todas as vagas para a área II. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: • Desenvolver sistemas informatizados: estudar as regras de negócio inerentes aos objetivos e abrangência de sistema.408-144 . inventariar software e hardware. coordenar projetos e oferecer soluções para ambientes informatizados. emitir pareceres técnicos. Engenharia de Computação. administrar ambientes informatizados. escolher ferramentas de desenvolvimento. prestar treinamento e suporte técnico dos aplicativos ao usuário.ÁREA I E ÁREA II Para concorrer ao cargo de ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. configurar ambiente de treinamento. dimensionar e homologar infraestrutura de hardware. as vagas serão preenchidas por candidatos da área I.ingresso. • Prestar suporte técnico dos aplicativos ao usuário: orientar áreas de apoio. codificar aplicativos. consultar fontes alternativas de informações. corrigir falhas no sistema. identificar falhas no sistema. pesquisar tecnologias em informática. n° 2121 . DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Desenvolver e implantar sistemas informatizados. ministrar treinamento. implantar sistemas.MG http://www. manuais do sistema e relatórios técnicos. especificar a arquitetura do sistema. naturalmente. especificando sua arquitetura. optar pela Área I ou Área II. • Treinar usuário: consultar referências bibliográficas. especificar programas. à ordem de classificação dos candidatos. prever taxa de crescimento do sistema. preparar conteúdo programático. Ciências da Computação ou Sistemas de Informação ou Curso de Tecnologia (Nível Superior) em Processamento de Dados ou em Informática. Avenida João Naves de Ávila. administrar perfil de acesso às informações. de forma a atender os requisitos do aplicativo. executar procedimentos para melhoria de performance de sistema. Observação: 1. controlar acesso aos dados e recursos. especificando programas.br 43 . à ordem de classificação dos candidatos.DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E APLICAÇÕES ESCOLARIDADE: Graduação em: Informática.Uberlândia . elaborar estudos de viabilidade técnica e econômica e especificação técnica. Em caso de não preenchimento de todas as vagas para a área I. obedecendo-se. realizar auditoria de sistema. hardware e software. simular problemas em ambiente controlado.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO . Assessorar nas atividades de ensino. estabelecer padrões.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . pesquisa e extensão. realizar levantamento de dados. definir alternativas físicas de implantação. desenhar diagrama de fluxos de informações. software e rede. administrar ambiente operacional e banco de dados. 2. dimensionando requisitos e funcionalidades do sistema. divulgar documentação. as vagas serão preenchidas por candidatos da área II. naturalmente. testar sistema. Análise de Sistemas. o candidato deverá. • Elaborar documentação para ambientes informatizados: descrever processos. elaborar documentação técnica.

ufu. Banco de Dados 4. especificar procedimentos para recuperação de ambiente operacional. Processo Unificado 3. JSON. Processos. Tomcat 3. SSH.3. propor adoção de novos métodos e técnicas. instituir padrão de interface com usuário.4.408-144 . Principais Funcionalidades no Linux e Windows 2. Sistema de Arquivos e Entrada/Saída 1. Javascript. Proxy. identificar fornecedores. construir plataforma de testes. realizar revisões técnicas. avaliar qualidade de produtos gerados. CSS. adequar soluções a necessidade do usuário. comparar alternativas tecnológicas. XML. negociar alternativas de solução com usuário. Projeto e Análise Orientado a Objetos 3.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . técnicas e ferramentas disponíveis no mercado. divulgar utilização de novos padrões.5. AJAX Avenida João Naves de Ávila.1. Análise de Desempenho 3.2. Técnicas de Teste de Software 4. Projeto de Banco de Dados 4.2. avaliar proposta de fornecedores. demonstrar alternativas de solução. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1.3. validar produtos junto a usuários em cada etapa. criar normas de segurança. definir requisitos técnicos para contratação de produtos e serviços. padronizar nomenclatura. Unified Modelling Language (UML) 3.6. PHP.Uberlândia .2.38. definir metodologias a serem adotadas. Linguagem SQL (Structured Query Language) 5. Java (Servlet e JSP). UDP. solicitar demonstrações de produto. prestar consultoria técnica.MG http://www. avaliar novas tecnologias por meio de visitas técnicas.2.1.ingresso. • Coordenar projetos em ambientes informatizados: administrar recursos internos e externos.2. organizar fóruns de discussão. • Pesquisar tecnologias em informática: pesquisar padrões. Fundamentos de Redes de Computadores 2.br 44 . WebService 5. Serviços: DNS. Serviços web: Apache Server (Virtual Hosts). negociar com fornecedor. Aspectos Fundamentais do Projeto de Software 3. Modelagem de Banco de Dados 4. Gerenciamento de Projetos 3. participar de eventos para qualificação profissional. Tecnologias para Desenvolvimento para Internet 5. Engenharia de Software 3.1. Arquitetura Internet (TCP. Princípios de Sistemas Operacionais 1. analisar funcionalidade do produto. IP) 2.1. Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados 4.3.4. identificar necessidade do usuário. Firewall 2.7. acompanhar execução do projeto. ICMP.1. HTML. • Oferecer soluções para ambientes informatizados: propor mudanças de processos e funções. n° 2121 .SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos • Estabelecer padrões para ambientes informatizados: estabelecer padrão de hardware e software. DHCP.

Campus. Luke Welling e Laura Thomson . I. Ross .“Profissional Padrões de Projetos com CSS e HTML”. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: • Desenvolver sistemas informatizados: estudar as regras de negócio inerentes aos objetivos e abrangência de sistema. pesquisar tecnologias em informática. 2006. prestar treinamento e suporte técnico ao usuário. codificando aplicativos. David Flanagan . testar sistema. Sudarshan . DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Desenvolver e implantar sistemas informatizados. dimensionar requisitos e funcionalidade de sistema. Ryan Asleson e Nathaniel T. escolher ferramentas de desenvolvimento."Sistema de Banco de Dados". pesquisa e extensão.408-144 . Ed. 4ª Edição. realizar levantamento de dados. Ciências da Computação ou Sistemas de Informação ou Curso de Tecnologia (Nível Superior) em Processamento de Dados ou em Informática. Packt Publishing. Engenharia de Computação. Pearson/Addison Wesley. Makron Books."Sistemas Operacinais Modernos". n° 2121 .38. Makron Books."Redes para a Web". administrar ambientes informatizados. dimensionando requisitos e funcionalidades do sistema. Brian Basham. ISBN 8587918575. Abraham Silberschatz. estabelecer padrões.Uberlândia . prever taxa de crescimento do sistema. 1ª Edição.ufu. 2ª Edição. James F.O Guia Definitivo”.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 5. Rumbaugh . Makron Books. definir alternativas físicas de implantação. REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ÁREA II . Editora Campus. Balachander Krishnamurthy e Jennife Rexford . Korth. Análise de Sistemas. Michael Bowers ."Servlets & JSP: Use a Cabeça". Keith W. Kurose. Kathy Sierra e Bert Bates . ISBN10 1847192971. ISBN 8588639181. Noções de Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web (Drupal) SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Andrew S Tanembaum ."Redes de Computadores e a Internet: Uma Nova Abordagem". Jacobson. especificar a arquitetura do sistema.“Fundamentos do AJAX”."Engenharia de Software". Booch. Henry F. elaborar documentação técnica. G. especificando programas. Alta Books.“Javascript . J. ISBN 9788576082293.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Roger S. 3ª Edição.br 45 . Assessorar nas atividades de ensino. especificar programas. 2004. Pressman . Schutta . ISBN 8535211071.INFRAESTRUTURA DE REDES E SERVIÇOS ESCOLARIDADE: Graduação em: Informática. ISBN 8576081156. montar protótipo do sistema. coordenar projetos e oferecer soluções para ambientes informatizados.MG http://www."UML – Guia do Usuário".3. Ian Sommerville – “Engenharia de Software”. Makron Books. 2008. O'Reilly. S. 1ª Edição. modelar dados. escolhendo ferramentas de desenvolvimento. especificando sua arquitetura. David Mercer – “Building powerful and robust websites with Drupal 6”. definir Avenida João Naves de Ávila.ingresso. codificar aplicativos. ISBN 8536304758."PHP e MySQL: Desenvolvimento Web". lta Books. Alta Books.

acionar suporte de terceiros. • Estabelecer padrões para ambientes informatizados: estabelecer padrão de hardware e software. Princípios de Sistemas Operacionais 1. construir plataforma de testes. • Treinar usuário: consultar referências bibliográficas. ministrar treinamento.2. adequar soluções a necessidade do usuário. • Coordenar projetos em ambientes informatizados: administrar recursos internos e externos. negociar alternativas de solução com usuário. avaliar proposta de fornecedores. definir requisitos técnicos para contratação de produtos e serviços. participar de eventos para qualificação profissional.MG http://www. executar procedimentos para melhoria de performance de sistema. validar produtos junto a usuários em cada etapa. realizar revisões técnicas. simular problemas em ambiente controlado. • Oferecer soluções para ambientes informatizados: propor mudanças de processos e funções. divulgar documentação. ICMP. Roteamento (RIP. identificar fornecedores. divulgar utilização de novos padrões. emitir pareceres técnicos. demonstrar alternativas de solução.ingresso. avaliar qualidade de produtos gerados. hardware e software. criar normas de segurança. Concorrência entre processos 2. consultar fontes alternativas de informações. identificar necessidade do usuário. analisar funcionalidade do produto. Sistema de Arquivos 1. Modelo de Referência OSI 2. Arquitetura Internet (TCP. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1. capacidade e performance e soluções disponíveis.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos infraestrutura de hardware.Uberlândia .2. determinar recursos audiovisuais. implantar sistemas.3. instituir padrão de interface com usuário. propor adoção de novos métodos e técnicas. especificar procedimentos para recuperação de ambiente operacional. configurar ambiente de treinamento.38. Gerenciamento de Memória 1. OSPF. padronizar nomenclatura. inventariar software e hardware.408-144 . administrar recursos de rede. documentar estrutura da rede.4. n° 2121 . avaliar novas tecnologias por meio de visitas técnicas. negociar com fornecedor. • Pesquisar tecnologias em informática: pesquisar padrões. • Prestar suporte técnico ao usuário: orientar áreas de apoio. definir metodologias a serem adotadas. Mecanismos de Comunicação entre processos 1.1.br 46 . solicitar demonstrações de produto. BGP) Avenida João Naves de Ávila.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . ambiente operacional e banco de dados. IP) 2. • Administrar ambientes informatizados: monitorar performance do sistema. preparar conteúdo programático. elaborar dicionário de dados. manuais do sistema e relatórios técnicos. consultar documentação técnica.3. elaborar estudos de viabilidade técnica e econômica e especificação técnica. aprovar infraestrutura de hardware. acompanhar execução do projeto. Gerenciamento de Processos 1.1. software e rede. Redes de Computadores 2. UDP. níveis de serviços. organizar fóruns de discussão. realizar auditoria de sistema. comparar alternativas tecnológicas. corrigir falhas no sistema. identificar falhas no sistema. prestar consultoria técnica. controlar acesso aos dados e recursos. material didático e instrumentos para avaliação de treinamento.5. • Elaborar documentação para ambientes informatizados: descrever processos. desenhar diagrama de fluxos de informações. administrar perfil de acesso às informações.ufu. software e rede. técnicas e ferramentas disponíveis no mercado. instalar e configurar software e hardware.

Uberlândia . Kurose. Avenida João Naves de Ávila.2."Windows Server 2003 Curso Completo". Instalação e Administração de Sistemas Operacionais 3. Ariovaldo Griesi. Ed. etc. ISBN 8587918575. Chaves.1. Instalação e Administração Linux 3. LDAP 3.5. Gerenciamento de Redes (SNMP. Instalação e Administração Windows 3. Terminal Service.1.3. "Java: Como Programar". Programação Orientada a Objetos em Java 4. Banco de Dados 5. James F.1. Evi Nemeth. ISBN 8588639181. Harvey M. Sistema de Arquivos 3. Backup 3. Shell Script (bash) 3. Garth Snyder. Axcel Books. Manutenção/Configuração de Switches e Roteadores 2.ufu. .1. WINS. Ed. 2ª Edição. Deitel.2.4. Deitel. adwares. Balachander Krishnamurthy e Jennife Rexford . DHCP.1. Firewall. Henry F.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 2. Classes e Objetos 4. Compilação de aplicativos e kernel (GNU gcc) 3. ISBN: 8576050196. dos Serviços: Proxy. Paul J. NFS. Conf. Pearson / Prentice Hall. CIDR) 2. Ned McClain."Sistema de Banco de Dados".7. Gerenciamento de Ambiente (ITIL) 3. São Paulo/Pearson/Makron Books. ISBN 8535208747. Instalação Windows 3.38.“Manual completo do Linux”.3.2. ISBN 8535211071. Hein com Adam Boggs. SAMBA. Trent R.5.408-144 ."Sistemas Operacionais Modernos". Configuração dos serviços: Active Directory. ISBN 8534614865. Ed. RMON) 2. Campus.2.8.1. Pearson/Addison Wesley. Segurança (Criptografia.1. malwares. DNS. Ed.br 47 . Ross . Herança e Poliformismo 5.1. Endereçamento IP Avançado (subredes.2.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . 1ª Edição. Abraham Silberschatz. Administração de usuários e grupos 3. 4. Noções de configuração de Gerenciadores de Banco de Dados Relacionais SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Andrew S Tanembaum .1. Cabeamento Estruturado 2.6.4.1.2.2.2.9. Matt Crosby. 1 Edição. DNS. 6ª Edição. Editora Campus. Comandos (GNU CoreUtils) 3. Sudarshan . Pearson Education. Julio Battisti .ingresso. Email. n° 2121 .4."Redes de Computadores e a Internet : Uma Nova Abordagem". 3ª Edição. Certificados e Ataques) 2.MG http://www. Korth. Web."Redes para a Web". ISBN:8573231963. Keith W. S. Configuração de servidor anti-vírus. tradução.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
Pró-Reitoria de Graduação
Diretoria de Processos Seletivos

ENGENHEIRO/FLORESTAL
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
ESCOLARIDADE: Graduação em Engenharia Florestal, expedido por instituição de ensino superior
reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC).
HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Registro no Conselho competente. Lei nº 5.194, de 24 de
dezembro de 1966, que regula o exercício das profissões de Engenheiro e Engenheiro Agrônomo.
Lei nº 8.195, de 26 de junho de 1991, que altera a Lei nº 5.194/66. O Decreto nº 241/67, incluiu entre
as profissões cujo exercício é regulado pela Lei nº 5.194/66, a profissão de Engenheiro de
Operação.
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Desenvolver projetos de engenharia florestal; executar obras; planejar, coordenar a operação e a
manutenção, orçar, e avaliar a contratação de serviços; controlar a qualidade dos suprimentos e
serviços comprados e executados; elaborar normas e documentação técnica. Planejar, coordenar
e executar atividades agrossilvipastoris e o uso de recursos naturais renováveis e ambientais.
Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão e outras atividades de interesse da
Unidade Acadêmica.
DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO:

Supervisionar, coordenar e dar orientação técnica; elaborar estudos, planejamento, projetos
e especificações em geral de regiões, zonas, cidades, obras, estruturas, transporte, utilização de
recursos naturais, desenvolvimento da produção industrial e agropecuária, realizar estudos de
viabilidade técnico-econômica e elaborar orçamentos.

Desempenhar atividades de análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica.

Realizar atividades de padronização, mensuração, e controle de qualidade.


Executar e fiscalizar obras e serviços técnicos; conduzir equipe de instalação e sistemas,
montagem, operação, reparo ou manutenção, utilização eficaz e econômica de materiais e
equipamentos, orçar, avaliar a contratação de serviços, controlar a qualidade dos suprimentos e
serviços comprados e executados, elaborar normas e documentação técnica e gerenciamento
de pessoal.

Realizar atividades de estudos, levantamentos, inventários qualitativos e quantitativos,
utilizar recursos de informática aplicados a Engenharia Florestal.

Análises de processos de manejo florestal em formações naturais, bem como de plantios
de espécies florestais nativas.

Elaborar e executar projetos de conservação de árvores matrizes, e outras ações para a
conservação de espécies florestais ameaçadas de extinção ou superexploradas na natureza.

Realizar estudos para a localização de corredores ecológicos utilizando ferramentas de
geoprocessamento.

Efetuar o levantamento e avaliação de matéria prima florestal para fins de comercialização.


Atuar em atividades administrativas como assistente técnico, assessorar tecnicamente
comissões, grupos e equipes de trabalho constituídas pela Unidade Acadêmica.

Desenvolver projetos de engenharia florestal; executar obras; planejar, coordenar a
operação e a manutenção,
Avenida João Naves de Ávila, n° 2121 - Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo
Bairro Santa Mônica - 38.408-144 - Uberlândia - MG
http://www.ingresso.ufu.br

48

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
Pró-Reitoria de Graduação
Diretoria de Processos Seletivos

Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão. Executar outras tarefas de
mesma natureza e nível de complexidade associadas ao ambiente organizacional de acordo com
as necessidades da Unidade Acadêmica.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Atributos químicos, físicos e biológicos do solo.
2. Fertilidade do solo e nutrição de plantas
3. Máquinas e mecanização agrícola e florestal.
4. Manejo e conservação do solo.
5. Irrigação e drenagem: métodos de irrigação; qualidade da água para a irrigação.
6. Sistemas agrossilvipastoris e integração lavoura, pecuária e floresta (iLPF).
7. Planejamento e implantação de plantios comerciais.
8. Proteção de plantas: Manejo integrado de pragas, doenças e plantas daninhas.
9. Tecnologia pós-colheita de produtos florestais: colheita, manuseio e preparo de póscolheita, classificação, conservação, armazenamento, embalagem, rotulagem e transporte de
produtos.
10. Viveiro florestal: aspectos gerais da propagação (seminal e assexuada) de plantas florestais
e produção em ambiente protegido. Resgate de árvores elite.
11. Análise de crescimento e produtividade das plantas.
12. Sementes florestais: Sanidade, germinação e dormência.
13. Inventário florestal, dendrometria, dendrologia e biologia da madeira.
14. Produção de sementes e melhoramento de espécies florestais.
15. Anatomia da madeira: reconhecimento das partes componentes.
16. Legislação ambiental e florestal.
17. Paisagismo: conceitos básicos de arborização urbana e floresta urbana.
18. Sensoriamento remoto e Sistemas de Informações geográficas aplicados à Engenharia
Florestal.
19. Botânica: morfologia, sistemática e fisiologia de espécies florestais.
20. Ecologia: ecologia de ecossistemas florestais e suas principais características
21. Climatologia - elementos e fatores de clima, estações meteorológicas e instrumental
meteorológico, zoneamento agrícola florestal.
22. Hidrologia de bacias hidrográficas: componentes do ciclo hidrológico e gestão de recursos
hídricos.
23. Sociologia, extensão rural e transferência de tecnologia, política e desenvolvimento florestal.
SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:
ALFENAS, A.C.; ZAUZA, E.A.V.; MAFIA, R.G.; ASSIS, T.F. Clonagem e doenças do
eucalipto.Viçosa: EDUFV. 2004. 442 p.
APEZZATO-DA-GLÓRIA, B.; CARMELLO-GUERREIRO, S.M. Anatomia vegetal. 2.ed. Viçosa,
MG: Universidade Federal de Viçosa, 2006.
Avenida João Naves de Ávila, n° 2121 - Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo
Bairro Santa Mônica - 38.408-144 - Uberlândia - MG
http://www.ingresso.ufu.br

49

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
Pró-Reitoria de Graduação
Diretoria de Processos Seletivos
ASSAD, E.D.; SANO, E.E. Sistemas de informações geográficas: aplicações na agricultura. 2.
ed. Brasília: EMBRAPA-SPI, 1998.
AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,
2003.
BALASTREIRE, L.A. Máquinas agrícolas. São Paulo: Manole, 1990.
BERNARDO, S. Manual de Irrigação. 5 ed. Viçosa: UFV, 1989. 596 p.
BLASCHKE, T.; KUX, H. Sensoriamento remoto e SIG avançados. 2. ed. São Paulo: Oficina de
Textos, 2007.
BORÉM, A. Melhoramento de plantas. 2. ed. Viçosa, MG: UFV, 1998.
CAPORAL, F.R.; COSTABEBER, J.A. Agroecologia: princípios e conceitos. Brasília, 2004.
CAPORAL, F.R.; RAMOS, L.F. Da extensão rural convencional à extensão rural para o
Desenvolvimento Sustentável: enfrentar desafios para romper a inércia. Brasília, 2006.
DAVIDE, A.C.; SILVA, E.A.A. Produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras,
MG: UFLA, 2008.
DEMATTÊ, M.E.S.P. Princípios de paisagismo. Botucatu: FUNEP, 1997. 104p.
EMBRAPA. Sistemas agroflorestais: bases científicas para o desenvolvimento sustentável.
Brasília: Embrapa, 2008.
FERNANDES, M.S. (Ed). Nutrição Mineral de Plantas. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de
Ciência do Solo, 2006. 432p.
GALLO, D., NAKANO, O., SILVEIRA Neto, S., CARVALHO, R.P.L., BAPTISTA, G.C., BERTI FILHO,
E., PARRA, J.R.P., ZUCCHI, R.A., ALVES, S.B., VENDRAMIM, J.D., MARCHINI, L.C., LOPES,
J.R.S., OMOTO, C. 2002. Entomologia agrícola. Piracicaba: Fealq. 920p.
GARCEZ, L.N. Hidrologia. São Paulo: Edgard Blucher, 1976.
GOMES, J.M.; PAIVA, H.N. Viveiros florestais: propagação sexuada. 3. ed. Viçosa, MG: UFV,
2004. v. 1.
JUDD, W. S.; CAMPBELL, C.S.; KELLOGG, E.A.; STEVENS, P.F.; DONOGHUE, M.J. Sistemática
vegetal: um enfoque filogenético. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.
LAMPRECHT, H. Silvicultura nos Trópicos. Rossdorf: GTZ. 1990. 343 p
MENTEN, J.O.M. ED. 1991. Patógenos em sementes: detecção, danos e controle químico.
Piracicaba, ESALQ/FEALQ. 321 p.
MEURER, E.J. 5ª ed. Fundamentos de Química do Solo. Porto Alegre: Editora Evangraf. 2012.
280p.
MOREIRA, F.M.S.; SIQUEIRA, J.O. Microbiologia e Bioquímica do Solo. 2ª ed atul. e ampl.
Lavras. Editora UFLA, 2006. 729p.
ODUM,E. P.; BARRETT, G.W. Fundamentos de ecologia. 5.ed. São Paulo: Thompson Learning,
2007.
PAIVA, H.N. Preparo de solo para a implantação florestal. Viçosa: UFV, 1995, 31 p.
PÉLLICO NETTO, S.; BRENA, D.A. Inventário florestal. Curitiba, PR: [s. n], 1997.

Avenida João Naves de Ávila, n° 2121 - Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo
Bairro Santa Mônica - 38.408-144 - Uberlândia - MG
http://www.ingresso.ufu.br

50

G.Uberlândia . 1997.  Preparar solicitações de compras. Meteorologia básica e aplicações. preparando materiais e equipamentos necessários para aulas (práticas e teóricas).  Propor e implementar a padronização e o desenvolvimento de técnicas laboratoriais. Viçosa. Viçosa. e ampl. mecânicos. VIANELLO. colaborando nas aferições dos resultados das análises. HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Registro no Conselho Competente DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Desenvolver e executar atividades de apoio técnico. S. VAN LIER. pesquisa e extensão e prestação de serviços. 2. executando os procedimentos requeridos para o desenvolvimento dos trabalhos. 420p. MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. RESENDE.. organizar e controlar o almoxarifado da área de atuação. Porto Alegre: Artmed. ENGENHEIRO/QUÍMICO REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Graduação em Engenharia Química ou Engenharia de Alimentos ou Engenharia de Materiais ou Engenharia Metalúrgica.ingresso.J. Viçosa. equipamentos. 2011. Lavras: Editora UFLA. Avenida João Naves de Ávila.L. Q.  Auxiliar docentes nas atividades de ensino. com profissionais da área e docentes.F. 2013. no planejamento e execução de atividades relacionadas ao ensino. Pedologia: base para distinção de ambientes. controlar. (Ed). TUCCI. Física do Solo. VAN RAIJ. E. 1997. CURI.MG http://www. Viçosa.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos PRUSKI. Fertilidade do solo e manejo de nutrientes. (Col. ferramentas e instrumentos manuais. elétricos e eletrônicos. F.C.. extensão e prestação de serviços. armazenar materiais e equipamentos próprios de laboratório. Piracicaba: International Plant Nutrition Institute. C. MG: TAIZ. Porto Alegre: ABRH/Editora da UFRGS. v. 2010. colaborando na análise de resultados e na preparação de relatórios.  Preparar. A.br 51 . 2007. MG: UFV. bem como conhecer e manipular reagentes.E. n° 2121 . DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO:  Colaborar. destinadas ao ensino.F.4).B. M.. 322 p. R. 298p.R.ed. ABRH de Recursos Hídricos.408-144 . Fisiologia vegetal. Conservação de solo e água: práticas mecânicas para o controle da erosão hídrica. extensão e saúde. 2009. 279 p. ed.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .. N. SILVA.ufu. J. manipular. 1991.38. B. necessários para o desenvolvimento do trabalho. Hidrologia: ciência e aplicação. dentro do campo da ciência em que estiver envolvido. CORREA. 5. Anatomia da madeira e suas implicações tecnológicas. 1ª ed. ZEIGER. pesquisa. atual.. L. ALVES.  Auxiliar nas atividades de apoio à pesquisa. instalar. 2ª ed. REZENDE.M. Editora UFV. fazendo acompanhamento nas aulas práticas laboratoriais. solventes.

atendendo à demanda de sua área de atuação. abrangendo os métodos. Espectroscopia de Fluorescência.408-144 . sobre sua especialização.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos  Operar e realizar testes rotineiros em equipamentos complexos. efetuando os testes necessários. promovendo a divulgação dos trabalhos desenvolvidos. para subsidiar os trabalhos. Microscopia eletrônica de varredura e EDX.MG http://www. procedendo aos registros. 3. necessárias à conservação de equipamentos. Espectrometria de emissão e absorção atômica. de acordo com a determinação dos profissionais da área de atuação. conservação. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Avenida João Naves de Ávila. empregando métodos e técnicas químicas. reagentes. coletar.ufu. examinar e distribuir materiais.  Proceder à purificação de solventes e reagentes em graus especiais de pureza.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . utilizando métodos e técnicas indicadas. instrumentos e outros materiais da área de atuação.  Realizar análise de materiais e substâncias em geral. extensão e prestação de serviços. cálculos e demais procedimentos pertinentes.  Analisar e estudar estruturas das substâncias. solventes. com base em normas padronizadas de segurança e em métodos e técnicas indicados por profissionais da área. amostras. para utilização em atividades de pesquisa.  Regular.  Preparar e utilizar soluções. bem como do local de trabalho. Ressonância Magnética Nuclear. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1. 5. empregando aparelhagem e técnicas. equipamentos e resultados alcançados.  Zelar pela guarda. Espectroscopia de FTIR. sob orientação de docentes. Em procedimentos experimentais.  Receber.38. palestras e outros eventos. defensivos.br 52 . n° 2121 . Cromatografia Gasosa e Líquida.  Participar na elaboração e planejamento de projetos didáticos e científicos.  Elaborar relatórios das atividades desenvolvidas. utilizando métodos específicos para cada caso. 7. para auxiliar na execução de trabalhos e na correta manutenção dos mesmos. observando e efetuando a leitura dos resultados obtidos.  Estabelecer ou selecionar métodos de preparação e purificação de substâncias químicas. materiais.  Executar o tratamento e descarte de resíduos e solventes. baseados em métodos e procedimentos da literatura técnico-científica. instrumentos e materiais utilizados. substratos. Espectroscopia de UV-Vis.ingresso.Uberlândia . controlar e operar os aparelhos de acordo com os tipos de testes solicitados.  Executar ou promover atividades de manutenção preventiva e corretiva.  Planejar e desenvolver treinamentos. adequando-os aos objetivos do trabalho. manutenção e limpeza dos equipamentos. registrar os dados observados. 6.  Manter-se atualizado em relação às tendências e inovações tecnológicas de sua área de atuação e das necessidades do setor/departamento. ensino. 4. preparar. 2.

nomenclatura e higienização de materiais de laboratório. MORITA.W. Espectroscopia de Fluorescência. 2006. F.BONATO. Fundamentos da cromatografia. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.H. Campinas: Editora Unicamp. LANÇAS. C.Uberlândia .ed. Cromatografia liquida moderna. OHLWEILER.H. S. Espectrometria de emissão e absorção atômica. Substituição da fonte de energia (bateria) de um instrumento simples de laboratório. Cromatografia liquida moderna. NIEMAN. C.MG http://www. 836p. 490p. 5... c2006. R.L.ELIMINATÓRIA: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1. n° 2121 .br 53 . com apresentação de memórias de cálculo. Utilização de um equipamento básico de laboratório a partir da leitura de seu manual. F. 2009. Princípios de análise instrumental. 7a edição. 382p. SILVERSTEIN..38. D. BRAGA. Fundamentos da cromatografia. 5. D. 2000. LTC. G. Reagentes e Solventes . 2007 SKOOG. 836p. Upper Saddle River. LANÇAS. Porto Alegre: Bookman. Microscopia eletrônica de varredura e EDX. Handbook of instrumental techniques for analytical chemistry.M. Ressonância Magnética Nuclear.ufu. 1997.L.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .A. Princípios de análise instrumental.. 606p. HOLLER. PortoAlegre: Bookman. Campinas: Editora Átomo. Manual de Soluções. T. F. D. Métodos Instrumentais de Análise Química. 995p. 453p.A. T.. 2. Análise Instrumental. T. Fundamentos de Análise Instrumental. c2006. CIENFUEGOS. W. 382p... 1972. SETTLE. COLLINS. São Paulo: Edgard Blücher.J. 2002. Ciência e Engenharia de Materiais – uma introdução. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CATALÓGOS DE USO OPERACIONAL DE EQUIPAMENTOS DE ENSAIO DE PRECISÃO. HOLLER.408-144 . Campinas: Editora Unicamp. F. COLLINS. G. 3. BRAGA.A. 5. G. Identificação espectrométrica de compostos orgânicos.A. conforme roteiro fornecido. 2008. Rio de Janeiro: LTC. discussão dos resultados e conclusões. Avenida João Naves de Ávila. Rio de Janeiro: LTC. 1981.BONATO. 2002. O. 2006. Pesagem de substâncias em balanças de laboratório. Campinas: Editora Átomo. S.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos SKOOG. Espectroscopia de UV-Vis. Espectroscopia de FTIR. 490p. Preparo de amostra para os equipamentos de Cromatografia Gasosa e Líquida. F. SILVERSTEIN. Rio de Janeiro: Interciência.2ª Edição Revista. Identificação. Identificação espectrométrica de compostos orgânicos. NJ: Prentice Hall PTR. 4.J. F. CALLISTER. 2009. 453p.ed. Elaboração de Relatório das Práticas experimentais realizadas... NIEMAN.ingresso. EWING. PROVA PRÁTICA . R.M. 6.

pesquisa e extensão.W. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Realizar consultas e atendimentos médicos. HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Certificado de conclusão de residência médica em Infectologia. Handbook of instrumental techniques for analytical chemistry. Infecções por Enterobacteriaceae. 10. 9.A. Infecções por Corinebactérias. Leuconostoccus sp. urgência e emergência e internação. fornecido por instituição de ensino superior. EWING.. Infecções intra-abdominais e peritonite. Upper Saddle River. Análise Instrumental. n° 2121 . Avenida João Naves de Ávila. Enterococcus sp. MÉDICO/INFECTOLOGISTA REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Diploma. OHLWEILER. 14.br 54 . Infecções por Legionella sp. efetuar perícias. Infecções por Stenotrophomonas maltophilia e Burkholderia cepacia. elaborar documentos e difundir conhecimentos da área médica.MG http://www. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1. Infecções por Candida sp. implementar ações de prevenção de doenças e promoção da saúde tanto individuais quanto coletivas. CIENFUEGOS. Pneumonia aguda. Infecções por Acinetobacter sp. auditorias e sindicâncias médicas. Registro profissional no Conselho Regional de Medicina. 12.. Fundamentos de Análise Instrumental. 3. F.ingresso. 1972. tratar pacientes. 606p. 2. 1981. coordenar programas e serviços em saúde. Infecções por cocos Gram-positivos: Streptococcus pneumoniae. 11. reconhecido pelo Ministério da Educação. 6. 5. Rio de Janeiro: Interciência. 1997. Infecções por Clostridium difficile. Streptococcus agalactiae. Staphylococcus aureus.ufu.408-144 . Infecções tecido celular subcutâneo e celulite. Staphylococcus coagulase negativo. executar atividades ambulatoriais. Staphylococcus epidermidis. Streptococcus pyogenes. 13. Infecções do trato urinário.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos SETTLE. Métodos Instrumentais de Análise Química. 2000. 8.A.38. 7. de curso de graduação em Medicina. assessorar nas atividades de ensino. Infecções por Pseudomonas aeruginosa. executar outras atividades afins relacionadas ao exercício da função.Uberlândia . G. O. 4. devidamente registrado. São Paulo: Edgard Blücher. NJ: Prentice Hall PTR. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. Sepse. 995p. reconhecido pela Comissão Nacional de Residência Médica. F.

24. Prevenção de Infecção Associada Cateter Intravascular. 2009.ingresso.Atlanta . rifampicinas. Isolamento e Precauções. macrolídeos. incluindo farmacocinética. Infecções Respiratórias Nosocomiais ou Associadas à Assistência à Saúde. 34. Renato Camargo. MANDELL. PEDROSA.USA.Atlanta . Infecções Urinárias relacionadas à Assistência à Saúde. correção na disfunção renal: penicilinas. 20. teicoplanina. 29. Higienização de Mãos.USA. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Guideline de Higienização de Mãos (2002) . COUTO. e demais fungos filamentosos. clindamicina. cefalosporinas. MAYHALL. farmacodinâmica. Infecções em Transplante de Órgãos Sólidos. Guidance for Control of Carbapenem-resistant Enterobacteriaceae (2012) .MG http://www. Mecanismos de Resistência dos microrganismos (bactérias e fungos).ufu.Atlanta .epidemiologia. sulfamídeos e trimetoprima. 21.38. 22.USA. Avenida João Naves de Ávila. 2009. Douglas. Manejo de bactérias multi-drogas resistentes. Infecção Hospitalar e outras complicações não-infecciosas da doença . metronidazol. Manuais ANVISA relacionados à prevenção das infecções hospitalares. Guideline Desinfecção e Esterilização (2008) .CDC . Tânia Moreira Grillo. 23. Performance Standards for Antimicrobial Susceptibility Testing (CLSI) atualizado.Atlanta . fluoroquinolonas. Débora Borges.CDC . Desinfecção e Esterilização. Surtos de Infecção Hospitalar. Endocardite Infecciosa. Infecções em Transplante de medula Óssea. Artrites Infecciosas. 31. 18. Principles and Practice of Infectious Diseases.CDC . linezolida. Guideline de Prevenção de Infecção Associada Cateter Intravascular (2011) – CDC . 27. aminoglicosídeos. 33.Uberlândia . Infecções por Aspergillus sp. Prevenção de Infecções relacionadas à Assistência à Saúde em pacientes adultos e pediátricos. 17. Terapia antimicrobiana. 4ª edição. Hospital Epidemiology and Infection Control 3 rd. Infecções Relacionadas aos Dispositivos Intravasculares. 30.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .USA.Atlanta . 25. Meningite adquirida na comunidade e no ambiente hospitalar. 32.CDC . cloranfenicol. antifúngicos. and Bennett's.USA. 7ª edição. n° 2121 .br 55 . 19. vancomicina. monobactâmicos. Clen. 2004. 16. doses para pacientes pediátricos e adultos. carbapenêmicos. tigeciclina. Management of Multidrug-Resistant Organisms In Healthcare Settings (2006) . 28.Atlanta-USA. controle e tratamento.CDC . daptomicina. 26.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 15.408-144 . Osteomielite aguda e crônica. Infecções em próteses articulares ou ósseas. C. AMARAL. Guideline Isolamento e Precaução (2007) .

da córnea.38. auditorias e sindicâncias médicas. 2007.Jay H. tumores oculares e dos anexos. de curso de graduação em Medicina. da úvea. do cristalino. 2ª edição. fornecido por instituição de ensino superior. epidemiologia. 6ª edição. inflamação intra-ocular. tratar pacientes. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Anatomia funcional do olho e seus anexos . 2001. urgência e emergência e internação. Clinical Ophthalmology: A Systematic Approach – Jack J. Alves. tratamento cirúrgico das doenças oculares e dos anexos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan / Cultura Médica.br 56 . Mannis. 1ª edição. edição. Avenida João Naves de Ávila. 2010. manifestações oculares das doenças sistêmicas. da conjuntiva. estrabismos. acuidade visual. 2002. reconhecido pela Comissão Nacional de Residência Médica. glaucoma. refração. assessorar nas atividades de ensino.MG http://www.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Doenças Externas Oculares e Córnea – Ana Luísa Hoffling-Lima. iatrogenia. neuroftalmologia. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Anatomia. da esclera e da episclera. Rio de Janeiro: Cultura Médica. devidamente registrado. Edward J. das vias lacrimais. Kanski. 2ª edição. Cirurgia de Catarata . Biomicroscopia e Gonioscopia – Texto & Atlas – Fernando Oréfice. doenças das pálpebras.Uberlândia . Cornea – 2 vols. Borato. coordenar programas e serviços em saúde. Elsevier Mosby. 2005.Flávio Rezende. da órbita. do disco óptico. Diseases of the Orbit: A Multidisciplinary Approach – Jack Rootman. superfície ocular e do olho seco. San Francisco: American Academy of Ophthalmology. implementar ações de prevenção de doenças e promoção da saúde tanto individuais quanto coletivas.Adalmir Morterá Dantas. urgências e emergências em oftalmologia. 2001.408-144 . . Holland. Krachmer. do vítreo. Letícia M. Milton R. Registro profissional no Conselho Regional de Medicina. efetuar perícias. visão subnormal. histologia do globo ocular e anexos. ButterworthHeinemann. reconhecido pelo Ministério da Educação. ametropias. farmacologia. Mark J. elaborar documentos e difundir conhecimentos da área médica.ufu. executar atividades ambulatoriais. embriologia.ingresso.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos MÉDICO/OFTALMOLOGISTA – GERAL REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Diploma. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Realizar consultas e atendimentos médicos. n° 2121 . microbiologia. Rio de Janeiro: Cultura Médica. emetropia. executar outras atividades afins relacionadas ao exercício da função. Basic and Clinical Science Course 2010-2011 . Lippincott Williams & Wilkins. imunologia. 2ª. 2008.American Academy of Ophthalmology. Dantas. 2ª edição. doenças alérgicas oculares. infecções oculares externas. Rio de Janeiro: Editora Revinter. Adriana A. 2009. Maria Cristina N. 3ª edição. da retina. propedêutica em oftalmologia. Bonfioli. fisiologia da visão. HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Certificado de conclusão de residência médica concluída em Oftalmologia. pesquisa e extensão.

de curso de graduação em Medicina. Refração . Valérie Biousse. Órbita. implementar ações de prevenção de doenças e promoção da saúde tanto individuais quanto coletivas. do vítreo. fisiologia da visão. coordenar programas e serviços em saúde. Ryan. Kerrison. Guilherme Herzog Neto. Lippincott Williams & Wilkins. 2ª edição.ufu. 2008. – Stephen J. da órbita. Silvana A. 5ª edição. Uveíte – Clínica e Cirúrgica – Texto & Atlas I. II . Semiologia Ocular . propedêutica em oftalmologia. Velasco e Cruz. farmacologia. Hamilton Moreira. Lente de Contato . acuidade visual. emetropia. Luciane B. Lippincott Williams & Wilkins. edição. 6a. Harley E. HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Certificado de conclusão de residência médica concluída em Oftalmologia. n° 2121 .Uberlândia . 2009. José Vital Filho. Miller. Moreira. Elsevier Mosby. 2007. Shield’s Textbook of Glaucoma – R. Sistema Lacrimal e Oculoplástica – Ana Rosa P.Aderbal de Albuquerque Alves. executar atividades ambulatoriais. reconhecido pela Comissão Nacional de Residência Médica + Título de especialista em Plástica Ocular. da retina. Rio de Janeiro: Cultura Médica. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Realizar consultas e atendimentos médicos. Hinton. da conjuntiva. tratar pacientes. Newman. Pat Wilkinson. pesquisa e extensão. 3ª edição.br 57 .3 vols. John B. da esclera e da episclera. 2004. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Anatomia. visão subnormal. 4ª edição. das Avenida João Naves de Ávila. 3ª edição. elaborar documentos e difundir conhecimentos da área médica. de Almeida – 1ª edição. do cristalino. Karim Damji. da córnea.Riuitiro Yamane.MG http://www.ingresso. – William Tasman & Edward A. 2009. Rio de Janeiro: Cultura Médica.Saly M. Rio de Janeiro: Cultura Médica. microbiologia. 1ª edição.Fernando Oréfice. Andrew P. refração. 5ª edição. 2008. auditorias e sindicâncias médicas. doenças das pálpebras. fornecido por instituição de ensino superior. 2005. imunologia. Walsh & Hoyt’s Clinical Neuro-Ophthalmology: The Essentials – Neil R. Henderson C. devidamente registrado. Schachat. 2004. da úvea. Rand Allingham. Moreira. 15ª edição. Suzana Matayoshi. David R. Sharon Freedman. Bicas. histologia do globo ocular e anexos. B. reconhecido pelo Ministério da Educação. Antonio A.38. Rio de Janeiro: Cultura Médica. Schellini. assessorar nas atividades de ensino. Nancy J. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan / Cultura Médica. do disco óptico. executar outras atividades afins relacionadas ao exercício da função. urgência e emergência e internação.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica .6 vols. 2008. MÉDICO/OFTALMOLOGISTA – PLÁSTICA OCULAR REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Diploma. epidemiologia. Retina . ametropias. 2005.408-144 .SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Duane’s Clinical Ophthalmology . embriologia. Registro profissional no Conselho Regional de Medicina. George Shafranov. Sayoko Moroi. Ed. A. Rio de Janeiro: Cultura Médica. Lippincott Williams & Wilkins. Estrabismo – Carlos Souza-Dias. Jaeger. efetuar perícias. de Figueiredo.

Sistema Lacrimal e Oculoplástica – Ana Rosa P. Kanski. 2004. 2008.Flávio Rezende. Duane’s Clinical Ophthalmology . Cirurgia de Catarata . Lippincott Williams & Wilkins. urgências e emergências em oftalmologia. David R. n° 2121 . Letícia M. Órbita. Newman. Kerrison. Antonio A. MÉDICO/URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS CLÍNICAS E/OU CIRÚRGICAS REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: Avenida João Naves de Ávila. 2002. Rand Allingham. Lippincott Williams & Wilkins. Bicas. Dantas. Cornea – 2 vols. 1ª edição. 5ª edição. Moreira. Semiologia Ocular . Diseases of the Orbit: A Multidisciplinary Approach – Jack Rootman. Doenças Externas Oculares e Córnea – Ana Luísa Hoffling-Lima. Schellini. 4ª edição.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos vias lacrimais. doenças alérgicas oculares. Estrabismo – Carlos Souza-Dias. Miller. 2010.6 vols. 2008. Guilherme Herzog Neto. 2009. Rio de Janeiro: Cultura Médica.Adalmir Morterá Dantas. Refração . Biomicroscopia e Gonioscopia – Texto & Atlas – Fernando Oréfice. Basic and Clinical Science Course 2010-2011 . Mannis. estrabismos. Henderson C.Fernando Oréfice. Nancy J. Hamilton Moreira. Milton R.Uberlândia . inflamação intra-ocular. Ed. Rio de Janeiro: Cultura Médica. 2ª edição.3 vols. infecções oculares externas. 5ª edição. 3ª edição. Velasco e Cruz. Sayoko Moroi. superfície ocular e do olho seco. 2ª edição.br 58 . B. Hinton. 1ª edição. 2005. Silvana A. 15ª edição. neuroftalmologia. Maria Cristina N. 2001. 2004. 2008. ButterworthHeinemann. Clinical Ophthalmology: A Systematic Approach – Jack J.408-144 . Luciane B. II .Riuitiro Yamane. Lippincott Williams & Wilkins. Rio de Janeiro: Cultura Médica. A. tratamento cirúrgico das doenças oculares e dos anexos. Bonfioli. – William Tasman & Edward A. 2009. Rio de Janeiro: Cultura Médica.MG http://www. George Shafranov. Sharon Freedman. José Vital Filho. Shield’s Textbook of Glaucoma – R. Rio de Janeiro: Cultura Médica. Pat Wilkinson. glaucoma. 6ª edição.Jay H. Valérie Biousse. 2ª edição. Jaeger.Saly M. de Figueiredo.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Uveíte – Clínica e Cirúrgica – Texto & Atlas I. Suzana Matayoshi. 2007. 3ª edição. Retina .ingresso. Rio de Janeiro: Editora Revinter. Andrew P. 2ª. Schachat. 2001.American Academy of Ophthalmology. 2ª edição. Borato. 2005. tumores oculares e dos anexos. Karim Damji. manifestações oculares das doenças sistêmicas. Holland. 2008. Harley E. John B. Elsevier Mosby. Krachmer. Rio de Janeiro: Cultura Médica. edição. 2005. Alves.38. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan / Cultura Médica. – Stephen J. Edward J. de Almeida – 1ª edição.Aderbal de Albuquerque Alves. Adriana A. 2007. San Francisco: American Academy of Ophthalmology. 6a. Moreira. Rio de Janeiro: Cultura Médica. edição. 2009. Lippincott Williams & Wilkins. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan / Cultura Médica. Walsh & Hoyt’s Clinical Neuro-Ophthalmology: The Essentials – Neil R.ufu. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Anatomia funcional do olho e seus anexos . Ryan. Mark J. iatrogenia. 3ª edição. Elsevier Mosby. Lente de Contato . .

408-144 . assessorar nas atividades de ensino.br 59 . Choque circulatório 2. Hipertensão Intracraniana 10. Distúrbios hemorrágicos e trombóticos 29.38. n° 2121 .SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ESCOLARIDADE: Diploma. devidamente registrado. Insuficiência Hepática Aguda 26.ingresso. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Realizar assistência aos pacientes críticos internados na Unidade de Terapia Intensiva e unidades de urgência/emergência clínica e/ou cirúrgica.MG http://www. pesquisa e extensão (preceptoria de médicos residentes). Monitorização hemodinâmica 30. elaborar protocolos assistenciais e difundir conhecimentos da área médica. Pneumonia Comunitária Grave 16. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1. Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo 15. Código de ética médica e ética profissional. Terapia Nutricional 18.ufu. Avenida João Naves de Ávila. Atendimento à Parada cardiorrespiratória 6. Ventilação Mecânica 4.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Acidente Vascular Encefálico Isquêmico e Hemorrágico 7. Insuficiência renal aguda 12. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Medicina Intensiva Baseada em Evidências. Sepse e choque séptico 3. Registro profissional no Conselho Regional de Medicina. Tromboembolismo pulmonar 13. fornecido por instituição de ensino superior. Trauma cranioencefálico / Politraumatismo 9. reconhecido pelo Ministério da Educação. Grande Queimado 25. HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Certificado de conclusão de residência médica em Terapia Intensiva ou residência médica nas áreas de Clínica Médica ou Cirurgia Geral. Hemorragia Digestiva 19. Distúrbios ácido-básicos 23. Distúrbios hidroeletrolíticos 22. 1edição. Hemorragia Subaracnóidea 8. Taquiarritmias e Bradiarritmias 21. Morte Encefálica e Manutenção do Potencial Doador de Órgãos 14. 2011. executar outras atividades afins relacionadas ao exercício da função. Sedoanalgesia 5. Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica 17. Luciano César Pontes de Azevedo (editor). Síndromes coronarianas agudas 11. Pós-operatório de Cirurgias de Grande Porte 28. Editora Atheneu. Síndrome Compartimental Abdominal 24. Intoxicações Exógenas 27.Uberlândia . Pancreatite Aguda 20. de curso de graduação em Medicina.

Mirela Cristine de Oliveira. R. 23(3). Ivor S. Patel AB. Cristiano Franke. Dellinger. et al. Kleinpell. Joel de Andrade. Parte II. Miriam Cristine Machado Bartz. Raquel Wanzuita. Raquel Wanzuita. Advanced cardiologic life support (ACLS) Advanced trauma life support (ATLS) PROAMI (Programa de Atualização em Medicina Intensiva) – SEMCAD. Marilda Mazzali. 23(3). Nunnally. Kalinca Daberkow Vieira Diretrizes para manutenção de múltiplos órgãos no potencial doador adulto falecido. Douglas. Kirkness CJ. Milton Caldeira Filho. Eliézer Silva. Djillali Annane. Cassiano Teixeira. José Jesus Camargo. Maria Emília Coelho. Herwig Gerlach. 23(4). Opal. Jorge Dias de Matos. Naidech AM. Karine Becker Gerent. Nelson Akamine. Nazah Cherif Mohamed Youssef. Vespa P. Ventilação mecânica. Spencer Camargo. Derek C. Jorge Dias de Matos. Fernando Suparregui Dias. 2014. Clifford S. Raquel Wanzuita. Beale. Gerson Costa. Joel de Andrade.Uberlândia .Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Rubenfeld. Hazinski MF. José Mário Meira Teles. Cassiano Teixeira. Cristiano Franke.MG http://www.ufu. Steven Webb. Parte I. Crit Care Med 2013. Higashida RT. Delson Morilo Lamgaro. Steven M. Frederico Bruzzi de Carvalho. Viviane Renata Zaclikevis. and Council on Clinical Cardiology. 2012 May 3. Maria Emília Coelho. et al. Recomendações órgãos específicas. Machado.38. Alfredo Fiorelli. on behalf of the American Heart Association Stroke Council. RBTI 2011. Ogilvy CS. 122 (suppl. Gerson Costa. Avenida João Naves de Ávila. Sevransky. RBTI 2011. Sprung. Mitchell M. Rafael Lisboa de Souza Diretrizes para manutenção de múltiplos órgãos no potencial doador adulto falecido. Nolan JP. Sean R. Fraser GL. Tiffany M. Gordon D. Richard J. Luiz Henrique Melo. Deutschman. Delson Morilo Lamgaro. Rafael Lisboa de Souza. Marcelo Maia. Clinical Practice Guidelines for the management of pain.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Medicina Intensiva – Fundamentos e Práticas. Kalinca Daberkow Vieira. Barr J. controle endócrino metabólico e aspectos hematológicos e infecciosos. Jonathan E. Circulation. Rogério Fernandes. Milton Caldeira Filho. Aspectos gerais e suporte hemodinâmico. Gerson Costa. Viviane Renata Zaclikevis. Glauco Adrieno Westphal. Fernando Osni Machado. Cassiano Teixeira. Kalinca Daberkow Vieira. Dion J. Charles L. Nazah Cherif Mohamed Youssef. Fernando Osni Machado. Council on Cardiovascular Nursing. Council on Cardiovascular Radiology and Intervention. Dante Senra (editor) 1edição. Ben-Hur Ferraz Neto. Nazah Cherif Mohamad Youssef. Council on Cardiovascular Surgery and Anesthesia. Hoh BL. P. Osborn. Cristiano Franke. Part 1: Executive Summary: 2010 International Consensus on Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care Science With Treatment Recommendations. Álvaro Réa-Neto.41:263-306. Péricles Duarte. Glauco Adrieno Westphal. Miriam Cristine Machado Bartz. Guidelines for the Management of Aneurysmal Subarachnoid Hemorrhage: A Guideline for Healthcare Professionals From the American Heart Association/American Stroke Association. Derdeyn CP. Felipe Dal-Pizzol. Rafael Lisboa de Souza. RBTI 2011. Andrew Rhodes. Ruth M. Levy. Mark E. Álvaro Réa-Neto.408-144 . Roman Jaeschke. Parte III. n° 2121 . Jorge Dias de Matos. Alfredo Fiorelli. Gilberto Friedman. Péricles Duarte. Glauco Adrieno Westphal.3). Valter Duro Garcia Diretrizes para manutenção de múltiplos órgãos no potencial doador adulto falecido. Konrad Reinhart. Stroke. José Mário Teles.br 60 . Townsend. Marcelo Nogara. Viviane Renata Zaclikevis. Maria Emília Coelho. Editora Atheneu. Rabinstein AA. 2010. Fernando Osni Machado. agitation. Angus. Carhuapoma JR. Fabiano Nagel.Thompson BG. and delirium in adult patients in the intensive care unit. Billi JE. Anderson Ricardo Roman Gonçalves. oel de Andrade.ingresso. Puntillo K. Miriam Cristine Machado Bartz. Connolly ES Jr. Milton Caldeira Filho. Flavia R.

Dallas AP. Camporota L. Acute Respiratory Distress Syndrome .S. Mack MJ.N. Sikkema JD. Concepção e prática pedagógica na educação superior. Preventive Cardiovascular Nurses Association. n° 2121 . Caldwell E. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica 2013 – AMIB e SBPT.408-144 . Relação educação-sociedade do conhecimento. Ferguson ND. viabilizar o trabalho pedagógico coletivo e facilitar o processo comunicativo da comunidade escolar e de associações a ela vinculadas. 2012 ACCF/AHA/ACP/AATS/PCNA/SCAI/STS guideline for the diagnosis and management of patients with stable ischemic heart disease: executive summary: a report of the American College of Cardiology Foundation/American Heart Association task force on practice guidelines.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Munger MA. Elaborar. American College of Cardiology Foundation. Fihn SD. Ranieri M. McCarthy M. Napolitano L. Foody JM. Lim MJ. Executar outras tarefas de mesma natureza e nível de complexidade associadas ao ambiente organizacional. Krumholz HM. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Implementar a execução. PEDAGOGO REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Graduação em Pedagogia.307(23):2526-33. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1. Kligfield PD. American College of Critical Care Medicine. executar trabalhos especializados de administração. avaliar e coordenar a (re) construção do projeto pedagógico de escolas de educação infantil. American Association for Thoracic Surgery. Circulation. Guidelines for the Provision and Assessment of Nutrition Support Therapy in the Adult Critically Ill Patient: Society of Critical Care Medicine (SCCM) and American Society for Parenteral and Enteral Nutrition (A. pesquisa e extensão. Utilizar recursos de informática. Gardin JM.P. Kwong RY.Uberlândia . Martindale RG. JAMA. Smith CR Jr. Roberts P. Linderbaum JA.126(25):3097-137. 2012.ufu. desenvolver e assessorar as atividades/projetos de ensino. and the American College of Physicians. 2012 Dec 18. Elaborar manuais de orientação. 2009 MayJun. Rui Moreno. McClave SA.33(3):277-316. ou ensino profissionalizante com a equipe escolar.E.N. Avenida João Naves de Ávila. Slutsky AS. Fan E. Taylor B.The Berlin Definition. Surviving Sepsis Campaign: International Guidelines for Management of Severe Sepsis and Septic Shock.1.38. Society of Critical Care Medicine. Smith SC Jr. 2012 Jun 20. The Surviving Sepsis Campaign Guidelines Committee including The Pediatric Subgroup. Hinderliter AL. JPEN J Parenter Enteral Nutr. Board of Directors. Douglas PS. 1. participar de estudos de revisão de currículo e programas de ensino.S.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Jean-Louis Vincent. 2 – O Pedagogo e suas funções 2. 165-228.E.Fundamentos da Educação 1.). Intensive Care Medicine 2013. Vanek VW. Blankenship JC. Cresci G. Gerber TC. A. Bases legais da educação nacional (Constituição Federal. Berra K.1.2. and Society of Thoracic Surgeons. orientação e supervisão educacional.ingresso. Shaw LJ. Elaborar e desenvolver projetos educacionais. Society for Cardiovascular Angiography and Interventions. King SB 3rd.br 61 . Williams SV. Spertus JA. Prager RL. Thompson BT.MG http://www. Sabik JF. Rubenfeld GD. LDB 9394/96). Ochoa JB. catálogos de técnicas pedagógicas. Abrams J.P.

SP: Papirus. (Org.). G. 4. Liderança nas relações de trabalho. Currículo e construção do Conhecimento acadêmico 4. 5. J.A. 4. interação grupal no processo de elaboração do planejamento. Diretrizes Curriculares Nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura Afro-brasileira e africana. BEHRENS. 2000. 3. São Paulo: Cortez. Ministério da Educação. 2.. BRASIL. n° 2121 .MG http://www. L.2. A Projetos de aprendizagem colaborativa num paradigma emergente. 1988.ingresso. Projeto Pedagógico de Curso: princípios. Campinas. construção coletiva. 3. eixos norteadores e qualidade do ensino de graduação.1. FREIRE. Avaliação 5. M. 4.3.408-144 . abordagem e instrumentos.38. Objetivos e conteúdos de ensino. M. Senado Federal. Normas facilitadoras de integração grupal. Secretaria Especial de Política de Promoção da Igualdade Racial. Planejamento Participativo: concepção.1. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Vozes.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . 1993. 4. Dinâmicas de Grupo: Crescimento e Interação. In: MORAN. MASSETO. Relação teoria-prática no processo de aprender-ensinar. 2003. I. 2. BRASIL.4. Processos de avaliação: concepções. M. Rio de Janeiro: Paz e Terra. educação e cultura(s): questões e propostas. 1987. Planejamento da Educação 3. V.br 62 . Ética e trabalho do Pedagogo na Educação Superior.ufu. 3. Brasília. 2002. Interdisciplinaridade. dimensões e níveis.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 2.72-96.4. Constituição.2. Brasília: 1996.4.3. Avenida João Naves de Ávila. BRASIL. Brasília. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Instrumentos de avaliação SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BEHRENS. importância. sociedade informacional e globalização do conhecimento 5. Práticas Interdisciplinares na escola.3. BORGES. Sociedade. Petrópolis: Vozes.2. 3.2. DF: Senado Federal: Centro Gráfico. Constituição da República Federativa do Brasil. FAZENDA. Currículo e multiculturalismo: educação das relações étnico-raciais no contexto da universidade. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96.1.Uberlândia . M. Processo de Planejamento: concepção. 2005. p. Currículo e inclusão escolar. CANDAU.M. Sistemas de avaliação 5.3. P.

S. O ensino universitário: seu cenário.ingresso. São Paulo: Libertad. N. et al. Erinani Rosa. M.br 63 . Marco Aurélio Fernandes. 13. VEIGA. Declaração de Salamanca: princípios.SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos FREITAS. seus protagonistas. LÜCK.Uberlândia . SAVIANI. São Paulo: Vozes. PICHON-RIVIÈRE. 2009. VASCONCELLOS. 2008.38.Campus Santa Mônica – Bloco 1A – Andar Térreo Bairro Santa Mônica . Campinas: Autores Associados. 1995. I. HOFFMAN. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. políticas e prática em educação especial 1994. Porto alegre: Artmed. Campinas: Papirus. Trad. 4. ZABALZA. J. P. 2001. E. Saber escolar. São Paulo: Martins Fontes. C. ed. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade – Porto Alegre Mediação. 2009. A. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem e projeto educativo. 1991. 1994. (Org.MG http://www. Liderança em Gestão Escolar.408-144 . n° 2121 . O processo grupal. Luiz C. 29 ed. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. currículo e didática: problemas da unidade conteúdo/método no processo pedagógico. ed. UNESCO. Petrópolis: Vozes. Trad. H. 2004.ufu.). Avenida João Naves de Ávila.