Atravez - Associação Artistico Cultural

ANÁLISE FORMAL DO QUARTETO DE CORDAS Nº2 (PRIMEIRO MOVIMENTO), DE G.
LIGETI
Rogério Vasconcelos Barbosa

Introdução
Com a dissolução progressiva das características estruturais da tonalidade clássica na virada do século XX, notou-se uma
revolução nas hierarquias perceptivas. Como raramente os contrastes tonais entre as seções eram claros e suficientes
para a articulação de uma forma, tornaram-se necessárias medidas técnicas auxiliares. Entre as alternativas mais usadas
estava um deslocamento da percepção para uma refïnada organização textural. Através de um cuidadoso jogo de
variações na densidade e distribuição dos elementos sonoros, criava-se toda uma escala de contrastes de graus
variados, necessária à estruturação do discurso musical.
Essa transformação na sintaxe musical tornou obsoletos vários conceitos tradicionais como o de Tema. Por um lado
surgiram obras sem Tema, ditas Atemáticas. Por outro, onde o Tema sobrevivia, apresentava-se quase sempre
transformado. Muitas vezes o Tema era um agrupamento de várias idéias diferentes, que eram posteriormente
separadas e desenvolvidas.
As formas se transformaram juntamente com a mudança da sintaxe, atendendo aos novos problemas e objetivos.
Quando se fala em Sonata no séculoXX, seguramente se está referindo a algo muito diferente da Sonata Clássica de
Haydn e Mozart. O termo se legitima, entretanto, em função da permanência de certas características estruturais em
grande parte das Sonatas dos séculos XVIII ao XX. Dentre essas características se destaca a noção de desenvolvimento
como um processo formal de derivação em seqüência de estruturas, umas das outras. Esse processo formal se encontra
tanto nas Sonatas clássicas como nas modernas e contemporâneas. Por exemplo, desvelaremos sua presença no
primeiro movimento do Quarteto de Cordas nº2, de G.Ligeti, composto em 1968.
Leitura do primeiro movimento como uma forma do tipo sonata
CaracterísticasGeraisde uma Sonata
a) Dois ou mais temas contrastantes (embora tenha havido sonatas monotemáticas).
b) O tema se destaca, com clareza,do contexto e é desenvolvido.
c) O desenvolvimento é um processo de derivação de estruturas novas a partir de fragmentos extraídos dos temas.
Esses fragmentos sofrem variadas transformações e são remontados segundo novas ordens.
d) Quase sempre as várias partes da seção Desenvolvimento(1) organizam-se segundo uma curva geral de crescendo e
adensamento(2).
e) O Desenvolvimento apresenta grandes contrastes em seu início. Esses contrastes têm como função gerar as tensões
necessárias para deflagraro grande processo de transformação que levará, com freqüência, a uma região culminante.
f) A curva geral da forma é Exposição-Desenvolvimento-Reexposição, havendo constantemente seções secundárias de

http://www.atravez.org.br/ceam_1/analise_formal.htm (1 de 10)18/2/2009 17:34:05

org. segundo tema-compassos 23 a 35. terminando com oito sons. I]. Características da Sonata no primeiro movimento do Quarteto de Ligeti A) Presença de dois temas contrastantes : primeiro tema-compassos 15a22. 18) é uma irrupção de movimento em gestos fortíssimos. Violinos I e II (compasso l5) e Violoncelo e Viola (compasso16). uma faixa de movimento contínuo ascende vigorosamente no registro. I -Contraponto de texturas complexas em faixas distintas da tessitura. o caráter expressivo da música.htm (2 de 10)18/2/2009 17:34:05 .br/ceam_1/analise_formal. Esses gestos se alternam entre os violinos e os instrumentos mais graves. num contraponto de faixas (4). em grande parte. um acorde de três sons se expande calmamente no registro e em densidade. Primeiro Tema Neste tema ouvem-se duas texturas extremamente contrastantes em sucessão imediata (3). Seu ponto mais agudo é pontuado pela apresentação de uma figura melódica no Violino I. É a relação de transformação do passado que determina.Atravez . por outro todo o passado aqui se encontra transformado. SegundoTema Sobre um pedal grave. como pode ser observado no [Ex. Notaremos no primeiro movimento do Quarteto de Ligeti a presença dessas características acima descritas. É interessante observar a preocupação em reduzir ao máximo as características diferenciadas do tema: ao invés de um http://www. Ex. se por um lado isso nos permite ver nesse movimento uma forma do tipo Sonata.atravez. Entretanto é importante não esquecer que. Na segunda textura (compassos 19 a 22).Associação Artistico Cultural Introdução. A primeira textura (compassos 15 a. Transições e Coda.

São sentidas mais fortemente como regiões de transformação. tão caro à tradição. B) Todas as demais seções do primeiro movimento do Quarteto são derivações próximas ou distantes de elementos dos temas. agora. A montagem cuidadosa de vários fragmentos de faixas gera. reduz-se a um diáogo entre duas figuras (Violino I no compasso 32 e Violoncelo no compasso 35) [Ex. o segundo tema visa justamente a integração dos elementos dinâmicos e estáticos através de uma superposição na forma de uma faixa contínua sobre um pedal. apresentam uma maior tendência a se fundir no fluxo musical. Entre suas característicasgerais se destaca a natureza ondulante obtida através de variações no registro e na velocidade. ao contrário dos temas.Atravez .br/ceam_1/analise_formal.org. há uma ênfase em sua percepção como um Processo. É interessante observar que essa faixa contínua é constituída por uma reorganização das faixas interrompidas do primeiro tema. Relação entre os Temas Os dois temas se contrastam com clareza. uma observação cuidadosa revelaria os traços desta montagem nas pequenas pausas e acentos (5). embora tenham vários elementos integradores. Entretanto. Descreve um crescendo de sonoridade até que se afirma com nitidez a partir do compasso 43. Primeira parte Os fragmentos que constituíam as faixas gestuais do primeiro tema são transformados de modo a se obter uma faixa contínua. uma estrutura menos diferenciada. como um tipo de movimento. C) A seção Desenvolvimento desse primeiro movimento pode ser dividida em duas grandes partes: compassos 38 a 48 e compassos 49 a 64. Enquanto o primeiro tema enfatiza a oposição entre a irrupção do movimento e sua retenção abrupta através da justaposição de duas texturas contrastantes. II].Associação Artistico Cultural desdobramento da linha melódica. http://www. No entanto.atravez. ou seja. Essa faixa surge de dentro dos acordes que articularam o fim da Exposição.htm (3 de 10)18/2/2009 17:34:05 .

por um contraponto entre as figuras melódicas do segundo tema (ampliadas na formação de pequenas linhas melódicas) e os fragmentos gestuais do primeiro tema (aqui so apresentando em uníssono). que se complementam na formação de uma textura polifônica.org. A segunda parte cresce em dinâmica e em densidade (apartirdo compasso 60). II -Diálogo entre as fïguras do Violino I (comp.Associação Artistico Cultural Ex.32) e Violoncelo (comp. Além do nível dinâmico fortíssimo.htm (4 de 10)18/2/2009 17:34:05 .br/ceam_1/analise_formal. Essa impressão de culminância é ainda acentuada pela articulação no compasso 64 com a súbita aparição de uma http://www. É alcançada gradualmente a partir de um crescendo geralde dinâmica que se inicia na fase anterior e se acentua a partir do compasso 60.atravez. Além disso. A primeira fase (compassos 49 a 52) se caracteriza. A terceira fase (aproximadamente compassos 60 a 64) se caracterlza como culminânciade todo o desenvolvimento. Na sucessão linear das figuras melódicas. D) As duas grandes partes do Desenvolvimento apresentam características evolutivas. as oscilações rítmicas da Viola e do Violoncelo crescem em âmbito.35) Segunda parte Esta seção se subdivide claramente em três fases. se caracteriza por uma elevada densidade de ataques.Atravez . observa-se uma cuidadosa gradação de quiálteras (embora de maneira menos evidente que nas faixas do primeiro tema) resultando num tempo flexível. A segunda fase (compassos 52 a 60) se caracteriza pelo desdobramento das figuras do segundo tema em amplas linhas melódicas. com rubatos (6). A primeira parte cresce em densidade com a entrada dos Violinos. Sua terceira fase é sentida como clímax.

como na Exposição).Associação Artistico Cultural textura fortemente contrastante. III]. Observara função articulatória do compasso 48. onde a fusão dos elementos permite uma grande sonoridade. subitamente retido pelo acorde que agora se amplia de uma vez (ao invés de progressivamente. Reexposição (compassos 69 a71) Curiosamente nesse Quarteto só se reexpõe o primeiro tema: apenas um gesto descendente em uníssono. Esse fato cria uma grande unidade entre elas. F) Esquema Geral da Forma : As seções principais dessa forma são Exposição. Essas seções são claramente articuladas entre si por texturas de notas longas em um registro extremo agudo. Coda e Seção de fechamento da Coda.br/ceam_1/analise_formal. todas as seções secundárias se localizam no registro extremo agudo. Como já abordamos anteriormente a Exposição dos dois temas e o Desenvolvimento. Transições. resta-nos agora comentar sobre a Reexposição. A Reexposição é um resumo das principais características do primeiro tema.htm (5 de 10)18/2/2009 17:34:05 . bem como os fortes contrastes entre elementos dos primeiro e segundo temas nos compassos 49 a 52 [Ex. Com exceção da Coda.Atravez .atravez. As secões secundárias dessa forma são Introdução. Introdução (compassos 01 a 14) http://www. Já na fase final do Desenvolvimento (compassos 60 a 64) encontra-se uma textura homogênea. E) A seção Desenvolvimento do primeiro movimentodo Quarteto apresenta contrastes acentuados em seu início e tende a uma homogeneidade na região culminante. Desenvolvimento e Reexposição.org.

III Função articulatória do comp.br/ceam_1/analise_formal.Associação Artistico Cultural Ex.htm (6 de 10)18/2/2009 17:34:05 .Atravez .atravez.org.48 e contrastes entre primeiro e segundo temas http://www.

freqüentemente as Transições eram compostas apenas com acordes sustentados em sucessão. gerando harmonias. Este.org. então. se a considerarmos uma continuação do Desenvolvimento. se ouve uma nota sustentada (7) no extremo agudo do Violino II. de modo que nos compassos 13 e 14 já se ouve uma textura muito densa. É interessante observar essa articulação por imbricação das secções Transição I e Desenvolvimento. A Transição II (compassos 64 a 68) separa com clarcza o Desenvolvimentoda Reexposição. O importante era que o material se organizasse de maneira muito simples de modo facilmente apreensível pelo ouvido. O adensamento progressivo cria uma sensaçãode direcionamento na Introdução. Essa nota sustentada se perturba progressivamente com a aparição de figuras ritmicamente movidas. essa seção se dissolve no interior do Desenvolvimento. Novamente aparecem os sons longos sustentados no agudo. A Transição I (compassos 36 a 43) inicia-se com um som que é sustentado peloViolino I desde o fim do compasso 32. Outras tinham suas próprias figuras.htm (7 de 10)18/2/2009 17:34:05 . que desemboca no primeiro tema no compasso 15. aqui se observa o contraste principal no registro.Atravez . Coda (compassos 72 a 84) A natureza particular da Coda a diferencia das demais seções secundárias. Apresentavam-se com freqüência num andamento lento. Outras vezes. Após um ataque inicial em pizzicato. contrastante com o movimento geral Allegro. A freqüênciade aparecimento dessas figuras cresce.atravez. Por isso.72). de modo que ela desembocasse na Exposição.Após uma sucessão de sons sustentados que evoluem descendentemente desde o agudo. No primeiro movimento do Quarteto de Ligeti constata-se a presençadas notas longas sustentadas através das Tansições. etc. Transições (compassos 36 a 43 e compassos 64 a 68) As Transições clássicas tinham como função separar seções diferentes. orquestradas em oitavas. 62 a &) e a textura que inicia a Coda (comp.) dos temas. Na verdade. quo havia sido interrompido pela Reexposição.br/ceam_1/analise_formal. Ex. constataremos lá a presença das faixas que constituíram os gestos do primeiro tema em forma embrionária. rítmicos. Diferentemente das Introduções clássicas que se davam num tempo constrastante com o resto do movimento. Melhor ainda. poderia se deter nosc oloridos tonais modulatórios. Se observarmos atentamente os compassos 13 e 14. apenas com uma seqüênciade notas longas.IV http://www. A Introdução do primeiro movimento do Quarteto nº2 de Ligeti apresenta algumas dessas características. Algumas Transições utilizavam figuras sonoras (fragmentos melódicos. Realmente. a Coda deste movimento é melhor compreendida se a considerarmos um segundo Desenvolvimento(9). Entretanto. É lmportante observar que no decorrer do século XIX houve uma preocupação crescente em se fundir a Introdução no corpo da obra.Associação Artistico Cultural As introduções das Sonatas clássicas tinham como função preparar a atmosfera tonal das peças. esse som apenas se evidencia após uma filtragem brusca das outras partes instrumentais no compasso 38 (8). é evidente a semelhança entre a textura final do Desenvolvimento (comps.

Associação Artistico Cultural Ex. reforçado por um decrescendo dinâmico.atravez. como um trêmulo de arco. e por um estreitamento do registro em cada instrumento. Quando o estreitamento atinge o máximo (compasso79). Seção de fechamento da Coda (cps. A repetição rítmica da nota agora é. Já no compasso 75 começa a se notar um acelerando rítmico.79a 84) parte do acorde que finaliza a seção anterior e prossegue num movimento de estreitamento geral do registro seguindo a escala cromática: o Violino e Viola descem enquanto o Violoncelo sobe no registro.84-88) Essa seção deriva-se do fim da Coda. http://www.org.Atravez . Entretanto articula-se com clareza devido às modificações na textura (agora se tem uma única parte rítmica) e no timbre (harmônicos no registro extremo agudo). chega-se ao som único. IV -Semelhançasentre a textura final do Desenvolvimentoe a da Coda Toda a Coda é uma transformação progressiva dessa textura homogênea. sentida mais como um timbre.br/ceam_1/analise_formal. A segunda parte da Coda (comps.htm (8 de 10)18/2/2009 17:34:05 . ou seja.Observar as proporções rítmicas e a escala cromática.

(6) Nesse sentido essa passagem evoca o caráter. primeiro movimento. cps. ''Volumina''para órgão (1961/62). Enfim. da música de Alban Berg (por exemplo: "Concerto de Câmara".htm (9 de 10)18/2/2009 17:34:05 . Nos pareceu interessante. destacamos as semelhanças entre o Quarteto de Ligeti e o repertório tradicional europeu. (5) Essa estnrtura de processo evolutivo no registro. onde se tornou conhecido nos cursos de Darmstadt. Nas Sinfonias de Bruckner essa é uma das características mais constantes. Estudou em Budapeste com Ferenk Farkas. em certos trechos. violino solo) (7) Observar a presença desse mesmo signo sonoro no Quarteto de Cordas tra 3. I]. "Concerto de Câmara" para 13 instrumentos (1969/70). Entre suas obras importantes estão:"Atmosphères" para orquestra (1961). NOTAS (1) Diferenciar desenvolvimento enquanto processo de elaboração de novas estruturas a partir de outras. (8) Ver essa estrutura "filtro" em Bruckner (Sinfonia nº. Uma análise atenta dos Quartetos de Corda de Bartók. I. "Lontano" para orquestra (1967). de Beethoven. etc. Rapidamente se firmou no cenário internacional da vanguarda musical. Ver [Ex. (9) Fato muito comum em viírias Sonatas de Banók (SegundaParte. Entretanto o paralelismo se dá com uma certa defasagem.Atravez . desde suas seções principais até as secundárias. de início. (4) Cada faixa é obtida pelo movimento paralelo de dois instrumentos (Vln.111 de Beethoven (Mov. não se detendo em questõess microestruturais.64). e Desenvolvimento enquanto seção formal de uma Sonata. Por isso.287 -298. por razões de clareza expositiva. ''Aventuras" para 3 cantores e 7 instrumentistas (1962). em Ligeti culmina com a apresentação da figura melódica do segundo tema. pois considerava que a política cultural nesse país tornava impossível seu desenvolvimento pessoal. (3) Sob esse ângulo.130 de Beethoven (primeiro movimento).6. resolvemos partir de uma concepção definida da macroforma e a descrever. I e II ou Vla.0l). Notar uma diferença importante: enquanto em Beethoven o processo evolutivo conduz a uma reapresentação do primeiro tema. Saiu da Hungria em 1956. (2) Essa tendência vai se acentuando historicamente a partir de Beethoven. já' pode ser vista na Sonata Op. sentimos a necessidade de tecer uma teia comparativa.atravez. Notas sobre o compositor Gyorgy Ligeti nasceu a 28 de maio de 1923 na pequena cidade de Dicsöszentmárom (atualmente Tîrnaveni). e Vc. e visando à indicação (valorização) de algum elemento na forma. constituída pela montagem de pequenos fragmentos no tema.Associação Artistico Cultural Considerações finais Essa abordagem analítica do Quarteto de Ligeti se limita a um domínio macroformal. e quarto movimento.comp.. lembra o tema inicial do Quarteto de Cordas Op.).. como por exemplo a organização das alturas. em vários momentos. na Romênia. Emigrou para a Áustria e Alemanha Ocidental.org. comp.br/ceam_1/analise_formal. comp. observar o relacionamento das várias seções no todo da obra. http://www. À medida que o desdobramento particular do discurso sonoro nos suscitava associações sempre crescentes com outras obras. cps. 275. Schoenberg e Berg revelaria os mesmos traços. "Quarteto de Cordas nº2" (1968). progressivamente.23 a 29). visando a criação de uma textura complexa: observar a complementaridade cromática e rítmica (superposição quiálteras diferentes) dos instrumentos de cada faixa.

atravez@atravez."Fato musical e semiologia da música". vol. sob orientação de Oiliam Lanna.atravez. Jean. Rogério Vasconcelos Barbosa nasceu em Belo Horizonte (1962). Viene. "Werkeverzeichnis". Mainz.org. Koellreutter e Dante Grela.. in: Die Reihe. MOLINO. para o português de M. 1977 (Catálogo Schott sobre a obra impressa de Ligeti. G.. ROSEN.Atravez . Vega Ltda. Atualmente estuda.Norton& Co. Charles. para o espanhol de Conrado Silva.htm (10 de 10)18/2/2009 17:34:05 . trad. 'W. LIGETI. Vieira de Carvalho.Schott's Sohne. com referências biográficas).br http://www. na Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)..br/ceam_1/analise_formal. "Waldlungen der musikalisachen form". É professor de Análise Musical na Fundação de Educação Artística.7. Lisboa. 1980.. B. in: Semiologia da Música.J. Iniciou seus estudos de composição com H.Associação Artistico Cultural BIBLIOGRAFIA LIGETI.org. Inc. em Belo Horizonte. 1960 (trad."Sonata Forms". G.'W."Transformaciones dela forma musical"). voltar Atravez | Grupo de Musicantes | Publicações | Início São Paulo/SP .