You are on page 1of 2

Adaptado por: Lutero Marques de Oliveira.

Na sociedade moderna, moldada pelos interesses capitalistas, os riscos da
atividade médica devem ser cuidadosamente gerenciados, porquanto eventuais
demandas poderão ter consequências imprevisíveis nas esferas ética ou jurídica.
Ações contra os médicos em geral – e também em face dos médicos
imaginologistas – já não podem ser catalogadas como infrequentes.
Em vários casos, os litígios sobrevieram em virtude da assunção de riscos
desnecessários. Notas de advertência em laudos, termos de consentimento,
informações adequadas, enfim, o seguimento de normas consiste agora
instrumento necessário à atuação responsável, sem os quais ficam muito
vulneráveis o médico imaginologista e sua clínica.
Sabemos que as relações médico-paciente têm sido transformadas em relações de
consumo – assim qualificadas pela lei.
Nesse contexto, acrescida à precariedade da formação ética, não é surpreendente
que as preocupações profissionais estejam voltadas para o mercado de trabalho –
para as pessoas que pagam pelos serviços.
Os nossos pacientes são essas pessoas, que estão prontas para exigir seus
direitos. Infelizmente, assistimos o declínio da medicina hipocrática, virtuosa, com
seus valores tradicionais trocados pela panaceia de truques da sociedade
globalizada. O nosso espaço laborativo transformou-se nesse mercado, onde os
procedimentos estão embrulhados em pacotes, enquanto a figura do médico
recebe, sem a menor cerimônia, o apelido de prestador de serviço.
No trabalho que agora entregamos aos médicos imaginologistas brasileiros,
procuramos responder às dúvidas e aos questionamentos mais frequentes em
nossa atividade profissional. Trata-se de um guia prático, respaldado em normas
éticas e jurídicas vigentes, elaborado em linguagem simples e direta.
Neste livro, sobretudo defendemos o que acreditamos ser necessário para o
aprimoramento do exercício profissional do médico imaginologista, em benefício do
ser humano, com a certeza de que a consciência ética é um valor que não pode
ser relativizado, segundo interesses individuais e comerciais.
O presente trabalho discute questões relacionadas às atividades do médico
imaginologista brasileiro e a sua clínica. As respostas nem sempre são simples,
diante da ausência de normas específicas ou mesmo das distintas interpretações
que podem ser extraídas de uma mesma legislação.
Após o desenvolvimento de um árduo trabalho, estamos certos de que reunimos
neste texto as referências necessárias para nortear o exercício profissional do
médico imaginologista brasileiro, nas esferas administrativa, ética e legal, não
obstante a complexidade das relações que se estabelecem no mundo jurídico.